Issuu on Google+

[ tĂŠcnica l spincast ]

70 ecoaventura l Pesca esPortiva, meio ambiente e turismo

ea_revista_ed-23_tecnica_spincast.indd 70

01/08/2011 13:33:30


Nome:

spincast Sobrenome:

facilidade

Foto: Denis Garbo

Assim como as carretilhas e os molinetes, o spincast é um equipamento que, acoplado à vara, facilita o ato de arremessar, auxilia na desenvoltura das iscas artificiais e agrega mais força no recolhimento depois da fisgada. Mas, em comparação com seus “primos”, é o aparato que mais proporciona simplicidade em seu manuseio. Conheça as vantagens e desvantagens de sua utilização Por: JanaÍna QuitÉrio | Fotos: inÁcio teiXeira | arte: GLauco Dias

ecoaventura 71

ea_revista_ed-23_tecnica_spincast.indd 71

01/08/2011 13:33:35


[ técnica l spincast ]

A

o arremessar, a maioria dos usuários do molinete interrompe o deslocamento da linha ao colocar o dedo indicador

na bobina tão logo a isca alcance o seu alvo. Para quem usa a carretilha, esse movimento costuma ser executado com o polegar. Trata-se de uma articulada coordenação com os dedos, cuja habilidade — ou falta dela — influi diretamente na precisão do arremesso, que, por sua vez, é um dos traços mais valorizados na escolha entre um e outro equipamento. Tal qual a arte da dança, arremessar pressupõe sintonia dos movimentos para que o passo não seja perdido. Daí que, sem prática ou com conhecimento incipiente sobre as características do aparelho, as carretilhas podem provocar as desarmônicas “cabeleiras” e, os molinetes, os line twists ou emaranhados.

Na foto de cima, a parada da linha é feita com o aperto do botão, diferentemente do que ocorre na carretilha

72 ecoaventura l Pesca esPortiva, meio ambiente e turismo

ea_revista_ed-23_tecnica_spincast.indd 72

01/08/2011 13:33:46


Mas, para o pescador que escolher usar o spincast, essa

pescador David John, quando questionado sobre o diferencial

música não será tocada. Isso porque, nesse caso, a parada da

oferecido por esse equipamento. “Nele, não há contato com

linha é ativada com o simples aperto de um botão — o mesmo

a linha na bobina, já que está enclausurada em uma espécie

que também a destrava no ato do arremesso. “Pode-se dizer

de cone metálico ou de plástico, e sua saída acontece através

que, no spincast, essa função está mecanizada”, esclarece o

de um orifício”, explica. Com o spincast, também podem ser usadas boias de arremesso ou cevadeira para pescar Pacu

ecoaventura 73

ea_revista_ed-23_tecnica_spincast.indd 73

01/08/2011 13:34:05


[ técnica l spincast ] A recuperação mais lenta da linha e a menor resistência mecânica, em comparação com carretilhas e molinetes, constituem as principais desvantagens Para os iniciantes, o spincast é um excelente treino

74 ecoaventura l Pesca esPortiva, meio ambiente e turismo

ea_revista_ed-23_tecnica_spincast.indd 74

01/08/2011 13:34:28


No Brasil, o modelo mais procurado é o ultra light, para pesca de Lambari, Matrinxã e Tilápia (abaixo)

Portanto, devido à simplicidade proporcionada pelo sistema interno de liberação da linha no ato de arremessar, para novatos e pescadores-mirins, trata-se de um dispositivo perfeito. E não apenas para eles: pescadores traumatizados com as frequentes “cabeleiras” na carretilha nem precisam trocar de vara — que pode ser a mesma — para começar a usar o spincast. Além disso, há uma legião de aficionados, sobretudo nos Estados Unidos, que vão pescar com ele até em água salgada. Mas, associar esse aparelho diretamente a quem não tem experiência não seria uma forma de preconceito contra pescadores que escolhem utilizá-lo? “Vamos comparar o spincast a um triciclo no quesito segurança. Que mal teria um adulto andar com um veículo desses motorizado? É uma questão de opção”, avalia David John. ecoaventura

ea_revista_ed-23_tecnica_spincast.indd 75

75

01/08/2011 13:34:42


[ técnica l spincast ] Caracteristicas orifício para saída da linha

fricção manivela

cobertura frontal botão de liberação

Plugue de barbela, crankbait e spinner, tal como na foto, são iscas que não oferecem dificuldades de serem arremessadas em um spincast

76 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo

ea_revista_ed-23_tecnica_spincast.indd 76

01/08/2011 13:34:49


Spincast x triggerspin

O spincast tradicional é fixado à vara na parte superior do cabo, tal qual as carretilhas. Nesses modelos, a soltura e a parada da linha são feitas por meio de um botão, acionado com o dedo polegar. Já o triggerspin, também conhecido como underspin, é montado na parte inferior, com os passadores para baixo, tal qual os molinetes. Nessa variante, a parada da linha é retida no gatilho com o dedo indicador.

Qual linha usar?

As linhas de monofilamento se adequam mais a esse equipamento por conta da maciez e da flexibilidade. Em geral, o spincast já vem pré-bobinado com as de monofilamento. As de multifilamento podem ser usadas, desde que sejam bem finas.

Quais iscas sao indicadas?

Uma vantagem desse equipamento está relacionada com o arremesso de iscas muito leves, o que é uma limitação nas carretilhas, já que o carretel necessita de um “impulso” da isca para girá-lo.

Velocidade de recuperacao

Essa é uma clara desvantagem. Enquanto, na carretilha, essa relação chega a 7.0:1 (sete voltas a cada manivelada), no spincast a recuperação da linha não passa de 3.8:1, inadequada para a pesca de Tucunaré, por exemplo.

Diferencas entre os modelos

Material com que é produzida a carcaça, números de rolamentos e de pinos que fazem o pick up da linha, a presença ou não da opção de trocar o lado da manivela e antirreverso contínuo são funções que diferenciam a qualidade e durabilidade do equipamento. Como consequência, influem no preço. No Brasil, o spincast pode custar de R$60 a R$200.

ea_revista_ed-23_tecnica_spincast.indd 77

01/08/2011 13:34:51


"Nome: spincast . Sobrenome: facilidade"