Issuu on Google+


Uma das maiores personagens no design Gráfico Coreano, Ahn Sang-Soo tem um trabalho multi-facetado de características únicas e líricas. Não só esteticamente, ele reinventou a escrita de maneira a encaixá-la no design gráfico e numa forma de arte gráfica. Explorando o mundo tipográfico a um nível asiático (no alfabeto coreano) transformando a caligrafia tradicional numa linguagem moderna, legível e recriou esse alfabeto facilitando o seu uso digital. Sendo a única língua no mundo baseada na fisiologia de si mesma, Ahn Sang-Soo desafiou ao modernizar o Hangul. Ele começou por dispensar todas as características da tipografia asiática como a raíz rectangular e quadrangular dos símbolos. Geometrizou ao máximo a caligrafia de cada caracter criando três grandes fontes: Myrrh, Mano e Ahn-Che. Estas fontes revolucionaram todo o grafismo adoptado na coreia até à data. Esta nova maneira de se expressar através do Hangul aumentou nacionalmente a reputação do seu criador. Começou tudo em 1989 onde Ahn começou por publicar uma revista pouco conhecida chamada Bogoseo/Bogoseo em que ele publicava algumas ideias já revolucionárias e pioneiras. Mais tarde ele redesenhou todo o alfabeto coreano, o Hangul, adicionando novos caracteres tipográficos. Foi este feito que o tornou célebre e revolucionário no design gráfico no continente Asiático.


A sua arquitectura é da autoria de Álvaro Siza Vieira, que através da sua exuberante curvatura acentuada, contida por um volume de superfícies planas, criou uma cortina para a zona lagunar da cidade. No interior do edifício o elemento dominante é a modelação que a luz difusa e relaxante transfere para o espaço intimista da biblioteca. Ahn escolheu este local não só pela sua arquitectura minimalista e contrastante de sólidos planos e curvilíneos mas também devido à localização deste edifiício se enquadrar com vários conceitos que o artista irá expor na sua exposição “Grafismo de Ahn Sang Soo”. A biblioteca ofereceu-se a remover toda a mobília e livros presentes na sala, entregando todo o espaço e estrutura da biblioteca à imaginação do designer gráfico coreano. Para tal Ahn Sang Soo preparou uma exposição mais uma vez completamente fora do contexto tradicional com o intuito de apresentar ao mundo a cultura coreana embebida numa onda minimal, geométrica e espantosa. A exposição vai estar distribúida por toda a planta interior e exterior da Bilbioteca por isso estejam atentos pois todos os cantos são intervenções do designer coreano.


(1) Bomb Fish On The Seashore Nesta obra Ahn, fotografa uma paisagem duma praia coreana suja de balas e bombas “secas” utilizadas em testes militares. O artista vê esta imagem como poluição de uma paisagem e decide resolver isso comparando...

...as bombas e as balas a peixes que deram à costa. “Desta maneira, a paisagem é algo natural e não um ambiente pesado e estragado pela mão do homem” explica o artista.


(2) Korea by car Coreia, silenciosa, misteriosa e fotogĂŠnica, segundo Ahn.


(3) Korea by car Coreia, silenciosa, misteriosa e fotogĂŠnica, segundo Ahn.


(4) Hangul Free-Fall Caracteres do alfabeto Hangul a ilustrarem de forma poética a quebra da tradição e a entrada da nova arte minimal e estética simplicista na cultura coreana.


(5) Balance Serigrafia com uma das consoantes do alfabeto Hangul.


(6) Don Quixote Poster feito para a apresentação da peça de ballet “ Don Quixote “.


(7) Ahn Sang Soo 2002 Poster feito para uma exposição em 2002.


(8) Calendรกrio v1 Calendรกrio minimal feito por Ahn Sang Soo.


(9) Calendรกrio v2 Segunda versรฃo de calendรกrios minimais por Ahn.



AHN