Page 1


SOBREMESA ESPIRITUAL Uma compilação de imagens e emoções compartilhadas no Facebook, por amigos da Turma de 1981, do Colégio Cearense do Sagrado Coração.

Todas as fotos aqui publicadas foram previamente postadas no Facebook, na página da Turma 81 dos Ex-Alunos do Cearense.


HD

por José Queiroz da Silva Neto Queridos amigos, Meus irmãos do Colégio Cearense, Ainda tenho muito vivas em minha memória diversas imagens dos nossos tempos de Cearense. Lembro muito bem do Irmão Urbano vendendo fardas e alguns livros embaixo das escadas; Das aulas de Recreação com a Astrid na capela; Do Irmão Ovídio alugando bolas de espiribol naquela portinha perto do bebedouro (algumas tinham uma argola de metal que quando a mão acertava nela, doía pra chuchu); Da cantina antiga com sua coberta vermelha no meio do pátio; Do Irmão Urso Branco (Armando), que passava o dia sentado naquele banco em frente ao pátio do espiribol de costas para o espaço onde ficava o aquário; Do melhor DJ de todos os tempos: o Abraão, das músicas de relax “Acalanto” e “Il Silenzio”, que tocavam após a volta do recreio – a gente tinha que baixar a cabeça e se aquietar, mas alguns ficavam olhando pros outros com o rabo do olho; Do auditório com suas cortinas vermelhas e suas cadeiras cujo assentos levantavam, e alguns caprichavam na força ao ficarem de pé só pra “ver” o barulho; Dos desfiles na Avenida Aguanambi na abertura das Olimpíadas, época em que os alunos dos outros colégios gazeavam aulas para assisti-las;


Do Rogério, filho do seu Alcindo, portuga da cantina, narrando os jogos das olimpíadas da janela de uma das salas que ficavam em cima do auditório; Do vendedor de doce americano, moreno com cabelo frisado, e da zoada que sua espátula fazia em contato com a mesa de metal quando cortava e raspava a guloseima; Do corredor polonês nas aulas de Educação Física do Prof. Alzir Brilhante; Dos trabalhos de Educação Artística da professora Maria Alice, mosaicos de capeados de madeira (o meu foi Nossa Senhora), talhas e pirogravuras, das tarefas de férias; Da queda do Dioguinho, ainda lembro-me do grito, na escada da diretoria, quando todas as turmas correram para as janelas, menos a minha pois a aula era do Irmão Valentim. Ah, meus amigos! Meu HD está cheio de muitas outras lembranças e enquanto puder não as deletarei. Lembranças de pessoas, lugares, objetos, cheiros, acontecimentos que marcaram a minha vida. Meu inesquecível Colégio Cearense Sagrado Coração, cujo nome escrevi diversas vezes em provas, trabalhos, deveres de casa e cadernos. Minha casa, sim, minha casa, pois ali passei a maior parte e vivi os melhores momentos da minha infância e adolescência. Quem dera tivesse dispositivos bluetooth para passar essas imagens pra vocês, com a nitidez que as vejo!


AS TURMAS

1o Ano primário - 1971 - Foto do acervo pessoal de Gerardo Aguiar (Eu) com Wilson, Aírton Jr., Josenith, Orimar, Paulo César, Sérgio, Sergio Saboia, Janjão, Fernando


Oliveira, Almir, Gerardo Aguiar, Nilo, Roberto Os贸rio, Betinho, Paulo Roberto Barros Leal, Arlan Mesquita, Jos茅 Farias, Oriane e Alexandre Borges.


1º ano primário - 1971, foto do acervo pessoal de José Queiroz, com Tia Virgínia (filha do seu Alcindo, Portuga), Tirso, João Batista,Marcus Vinícius,Flávio Barroso, Zenas, Ricardo Porto, Hortêncio Augusto(Peninha), Tia Aglaê, Sérgio


Sabóia, Sérgio, Eu, Edmar Feitosa, Roberto, Parmênio, William, Luciano, Heitor (dando língua),Alexandre, Joaquim, Zé Maria,Augusto, ?, Cesar Vagner, Nasser Benevides, ?, Sérgio Sátiro, Elano e Carlos André.


Foto do acervo pessoal de Ulisses Tabosa, de calรงa comprida na primeira fila.


2º ano Primário - 1972, foto do acervo de José Queiroz, com Luciano, Nasser, Oriane, Pedro Porfirio Muniz Farias, Ricardo Braga, Carlos Henrique, Jorge William Santana, Sergio Sabóia, Sergio Saboia, ???, Régis, Flávio Augusto, Elano Pereira, Eduardo,


Flavio Augusto, Wágner, Celestino, José Mário, Roberto Cláudio, Hortêncio(Peninha), José Maria, Belchior Moreira Conrado, Edmar Feitosa, Parmênio, Tarcísio Tavares Jr., Marcelo, Aloísio, Altino, Boulanger, professora Valdênia, José Farias e João.


2ยบ Ano Primรกrio, 1972 , foto do acervo pessoal de Silvana Gomes.


Foto do acervo pessoal de Sinval Mateus Sampaio JĂşnior


Foto do acervo pessoal do saudoso amigo Roberto Jorge, o segundo da dir. p/ esq., na fila de baixo. Temos ainda, Henrique Vilela Sales, Ricardo (Fusquinha), Claudio Albuquerque Frate, Fernando Pimentel, Ant么nio Carlos, Telmo, Nilo, Durval, John Herbert, Jairton, P茅ricles Arn贸bio.


1º Ano Primário - 1971, foto do acervo de Sergio Renato Moura. De cima, da esq. p/ dir.. (1ªfila): Tarciano, Rubens, Marcelo, Paulo Antônio, Chiquinho Feitosa, Júlio César, Tia Regina, Alexandre Meireles, Carlos César, Thyrson. (2ª fila): Ricardo Braga, Jorge Alberto (Bebeto), Fran,


Sílvio, ???, José Jucá, José Mário, Belchior, João Jucá, ????. (3ªfila): Fco. de Assis, Celestino, Eduardo, Sinval, Ricardo(Fusquinha), Adriano Lira Albuquerque, Tarcísio Tavares Jr., Roberto Cláudio e Luciano.


Turma da 8ª série, 1978, foto do acervo pessoal de Madô Franco. Começando pela esquerda, de cima: Prof. Oscar, Cláudia, Rigoberto, Hermano, Wellington, ???, João Alberto, Tarcízio, Honório, Júlio César, José Maria, Políbio, Ronaldo, Emanuel, Sílvio, Bertilha, Carmélia, Verônica, Marcos Sérgio, Aristóteles, Artur, Roberto Carlos,


Luís Alberto, Paulo, Lustosa, Zelson, ???, Walberto, Marcos Antônio, Vânia, Régis, Sandra, Eliane, Tereza, Maria do Socorro (Madô), Epiane, Jairton, John Hyberts, Napoleão, Alcides, Ângela, Citonha, Ronald, Ticiane, Meireles, Antônio Carlos, Mônica, Margarida, Hielda, Clotilde, Jane, Marcelo, Tânia, Diva, Haroldo, Gardênia, Mary Anne, Joaquim, Cláudia Saraiva


Turma de 8ÂŞ sĂŠrie, T5, 1978, foto do acervo pessoal de Silvana Rocha.


8ª Série - 1978 - Foto do acervo de Valdo Siqueira com: Geraldo Majela, Cristiane, Laura, Ronaldo Sérgio, Regiane, Daniel, Daniel Sucupira Barreto, Carlos Gualter Lucena, Carlos Otavio Oliveira, Carlos, Jacqueline I, Pedro Hermes, Almir, Leilah, Ricardo Melo, Lúcio Flávio, Suyanne Caminha Saboia, Ana Almerinda, Arlan Mesquita, Cristina, Cristina Castelo, Carlos Roberto,


Mércia, Carlos Vinícius, Jackson Araujo, Jaqueline, Ronaldo, Ciro, Vânia I, Eduardo, Jorge I, Orimar, Joaquim, Antônio Carlos, Telmo, Victor, Sérgio Azevedo, Roberto Osório, Zelito Leite Filho, Vicente Leite, Ulisses, Lúcia, Richardson, Rita Luiza, Rosana Piccini, Solange, Edídio Lima, Roberto Jorge, Emanuel D’istefano...


Foto do acervo de Mozarlene Barroso. Não está na ordem, mas alguém se reconhece? Antonio Plácido Alcântara e Silva nº4; Henrique Maximiano Barbosa de Sousa nº 23; Antonio Carlos Antero Nº3; Onias Moreira Júnior nº18; Marcílio Medeiros Aragão nº38; Andréa Maria Araújo Bezerra nº2; Deborath Lúcia de Oliveira nº10; Marília Vidigal de Barros Nº44; Roncalli Cavalcante Lopes Nº55; Roberto Mamede Studart Soares nº54; Mozarlene Barroso; Luciana de Sousa Ponte nº 33; Carlos Andre Lins Albuquerque nº20; José Odaly Rocha nº31; Luiz Adauto Marinho Castelo nº35; Maria Valeria Duarte de Farias nº43; Maria Teresa nº42; Antonio Tabosa Junior nº6; Pedro Queiroz Albuquerque nº50; Elizabeth Maria Chagas Costa nº12; Pedro Araújo Boaventura Filho nº49; Rosângela


Maria Lustosa nº56; Isabel Cristina Carvalho nº24; Maria Luísa Aragão P. de Carvalho nº41; Fernanda Paiva Raulino de souza nº15; Maria do Socorro Aragão de Amorim nº40; Júlia Studart nº32; Mirta Maria Saraiva da Silva nº45; Plínio de Sá leitão nº51; Márcio José Ribeiro nº39; Rossana de Abreu nº58; Germana Rodrigues Martins nº21; Paulo Maria T.Lima nº48; Alexandre Medeiros nº1; Luiz Loiola Jr. nº36; Belchior Moreira Conrado nº8; João Carlos Feitosa Jr. nº26; José Aloísio Martins Pinto nº29; Haroldo Araújo Diogo de Siqueira nº22 ;Alberto Torres Martins nº7; Francisco Ricardo de Alencar Cavalcante nº19; Régis de Queiros Diógenes nº53; José Jucá Junior nº30 e Antonio Rodrigues de Albuquerque júnior nº5.


Turma de 8ª série, T1, 1978, foto do acervo pessoal de Marcus Sá com: Dione, Rosângela; Dinamarca; Sinval; Madalena; Aureliana; Mardilson Queiroz, Edilberto, Airton; Nelson Sobreira; Vale Junior, Ronaldo Leitão, Célio Vilela, Beto Tigre, George, Araripe, Karen,


Germana, Robério, Cristóbulo Bedê, Carlos César, João, Zé Airton, Brocoió, Martinha, Amélia, Ângela Bezerra Machado, Gerardo Aguiar, Eveline Feijó, Jairo, Mirna, Suraya Wladia Vasconcelos, Solange Veras, Geovane Meneses.


Entre cismas e por Izaíra Silvino

um amigo encomendou-se um texto. pra mim, foi apenas pretexto. voltei-me apressada pros versos que só verso ensimesmada. assim, sem cismas, a de ver só sismos e normatizações, nomeio pra ti, meu amigo, algumas canções de cismar... saiu assim, quando pediste-me um texto. minh’alma é praia tranquila de um amanhecer ameno é noite carregada amedrontadora escuridão minh’alma é luz sagrada de dourado entardecer segue tranqüila e ansiosa os rumos das marés se há maré alta singra areias praianas e abraça terra firme que acalanta se a maré é baixa atola no primeiro beijo e lá me queda borboleta errante de asas molhadas


outros sismos invisual mente medrosa vejo-me em todas as idades e mundos invejáveis vejo-me nascente e nascedouro cada segundo de todas as minhas manhãs e é assim que crio mundos revejo idas pernoito vindas em abraços de gentes que me segura sendo eu segura vendo-me outra em mim mesma e é assim que sigo e encontro-me contigo em mim e encontro-te comigo em ti sou terramar de espaços infindos estações atemporais.


avaliação escolar

Caderneta Escolar - Alfabetização - 1970 Professora Romélia


Medalha recebida pelos 3 alunos mais estudiosos da classe, entregue pelo Irmão Luís. O interessante e inédito é que a medalha daquele ano de 1977 veio com a


impressão do escudo Marista de cabeça pra baixo. Acervo pessoal de Valdo Siqueira, que recebeu a medalha ao lado de Jackson Araujo e Edídio Lima.


AS OLIMPíADAS Tudo começava com um grande desfile pela Avenida Aguanambi...

... que culminava com um grande encontro no campo do colégio, onde era feita a escolha da rainha. Naquele ano, quem venceu foi Rossana Pucci, de jeans, representante do Oitão.


No centro, Ana Paola Brasil, com o visual das meninas do OitĂŁo no desfile de abertura oficial das OlimpĂ­adas de 1978.


Aqui, já éramos do Primeirão, em 1979. Em primeiro plano, Cysne Frota.


Antenor Romero Filho and Amazonia Albuquerque, nos tempos de Primeir達o, 1979.


Emanuel D´istefano Bezerra Freire, atleta do Primeirão na quadra do colégio, onde aconteciam as disputas de futebol de salão, handebol, basquete e voleibol.


Primeir達o, de cinza e amarelo, na quadra. Foto do acervo de Valdo Siqueira.


Olímpiadas era tempo esperado. Uma semana de paqueras, em que os alunos podiam ir sem farda. De viseira, Ana Paola Brasil usa jeans Spy & Great, calça-ícone da época entre as meninas. Ao seu lado, Guilherme


Braga veste t-shirt Hang Ten, objeto de desejo entre os meninos; entre os dois, o rostinho de Patricia Veras. À dir., com agasalho do Primeirão, Orimar e Sandra Wagner.


Olimpíadas de 1979. Cysne Frota e Monique. Atenção para a barraquinha de Sukita ao fundo.


O orelh찾o combinando com a farda: V창nia Mendes, Solange Mendes e Rossana Pucci


OlimpĂ­adas de 1979, foto acervo pessoal de Valdo Siqueira. Ana Paola Brasil com sua blusa favorita. Olha o mastro do espiribol ao lado!


Quadro de medalhas de José Queiroz, no 1º Científico, 1979.


Lembrança dos jogos Olímpicos realizados realizados em 22/05/74 no Colégio Cearense. Participantes: Nadja, Mônica, Eliane,Valéria, Germana, Mirta e Mozarlene Barroso.


1977, atletas de handebol: De pé, da esq. p/ dir.: Zé Maria, Márcia Fernandes, Maedja, Inês, Ricardo Melo. De joelhos: Polyana Fernandes, Nádia Moreira, Silvana Rocha e Diana.


Em 1977, fazíamos parte do Combinado, que reunia alunos da 5ªa, 6ªa e 7ª séries num mesmo time para as Olimpíadas Marista, que anualmente atraía alunos dos principais colégios de Fortaleza, que fugiam das aulas para prestigiar os jogos do Cearense.


Na frente, Silvana Rocha. Ao fundo, à esquerda, de braços cruzados, Clotilde Falanga. À direita, com a mão na cintura, a superatleta Polyana Fernandes.


1974, atletas de handebol: De pé, da esq. p/ dir.: Zé Maria, Márcia Fernandes, Maedja, Inês, Ricardo Melo. De joelhos: Polyana Fernandes, Nádia Moreira, Silvana Rocha e Diana.


Em pé: Marden, (?), Telmo, Oriane e Geovane. Agachados: Marcus Dídimo, (?), Péricles e Claudio Frate.


Da esq. p/ dir.: Oriane, Edlauro Jr, Marcus Dídimo e o grande goleiro Geovane. Atrás, à dir., Felipe Fialho.


Em pé: Carlinhos, Jorge Coelho, Rogerio Fonteles, Péricles Arnóbio, Roberto Jorge, Flávio Barroso. Agachados: Geovane, Josenith, José Queiroz, Zé Maria Mourão e Alexandre Martins.


carteiras de


estudante


OS MENINOS

Belchior Moreira Conrado


JosĂŠ Queiroz Neto


Roberto Os贸rio


Enairton Rocha


Jorge Alberto


Arlan Mesquita


Roberto Os贸rio


Manuel Severo. Luiz Gonzaga, Pedro Paulo, Roberto Maciel, AnĂ­bal Antunes e Antenor Romero Filho.


Enairton Rocha


Celio Vilela


AS MENINAS O TAMANHO DO MUNDO por Madô Franco

Como tantas outras pessoas, cheguei ao Colégio Cearense vindo de uma escola muito menor. Escola onde eu era uma criança conhecida pelas religiosas que a dirigiam e que me mandavam cartão de Natal. Eu tinha permissão para ficar na porta da sala de aula quando estava próxima a hora do recreio para voar feito um passarinho assim que ouvia o sino que marcava os horários. Sino mesmo, badalado a mão. Levava minha boneca para fazer prova e, claro, ela pescava de mim, a danadinha!


Um dia, meu pai achou que era hora de ir para o colégio Cearense, onde ele trabalhava e eu teria bolsa integral. Os irmãos maristas eram de uma generosidade ímpar, pois os filhos de professores e funcionários não só não pagavam mensalidade, bem como recebiam a blusa do fardamento e boa parte dos livros didáticos e nem precisavam se comprometer a serem alunos exemplares. Era a educação fraterna da qual nunca mais tive notícias. O colégio Cearense era do tamanho do mundo. Salas cheias de alunos e várias turmas da mesma série; tão diferente de minha escolinha que tinha apenas uma turma e uma professora por turma. Fui acompanhada de amigas antigas, o que amenizou o estranhamento. Deve ser como ver o mar pela primeira vez: imensidão que se confunde com infinitude. Um episódio o qual nunca esqueci e que foi emblemático na minha nova realidade foi numa aula de educação física. Devíamos voltar para a sala de aula e eu, livre como o passarinho que era, resolvi ir pulando os degraus da arquibancada da quadra. A professora parou todo mundo e dirigiu-se a mim em voz alta: — Você deve ser novata! — Parei, sem saber o que aquilo significava dentro do contexto e ela continuou: — Aluno marista não sai pulando desse jeito! Para outra pessoa, o acontecido poderia ter sido uma bobagem, ou ter gerado rebeldia, mas eu... aprendi a ser tímida.


Desculpem-me os que esperavam uma doce lembrança, mas essa foi a que minha memória reteve. Não cresci frustrada, mas é fato que uma escola daquele porte não consegue abraçar a todos do mesmo modo. O colégio Cearense me apresentou amigos por quem tenho até hoje a mais profunda afeição e com alguns mantenho contato expressivo. A convivência que tínhamos fugia ao convencional quando a instituição nos incentivava a desenvolver tantas habilidades como nas artes e nas escolhas democráticas. As comemorações no antigo auditório, próximo à cantina, eram verdadeiras lições de plateia, de encantamento e de valorização de atividades que extrapolavam a sala de aula e a importância acadêmica. Esse é o legado que mais me impressiona e que imprimiu, em mim, sua marca mais bonita e a qual não quero que se desbote com o tempo.


Mad么 Franco


Ana Paola Brasil


Mozarlene Barroso


Ana Paola Brasil


Elzinha Cavalcanti


Ă moda de 1978


Na escolha da rainha das olimpĂ­adas; Rossana Pucci (de rosa), recebeu a faixa de representante do OitĂŁo; Dinamarca e Sandra Wagner (no meio) foram eleitas as princesas.


Festa da 8ª série, no Clube Líbano, para escolha da nossa rainha das olimpíadas; Rossana Pucci foi a eleita como a representante da beleza do Oitão. Ouvíamos e dançávamos Disco Music embalados pelos sucesso da novela Dancin’ Days


Na foto, da esq, para direita: Isabel; Jane Maria; Socorrrinha Arag達o; Socorrinha; Rita Luiza; Rosana PIccine; Rossana Pucci e Sandra Wagner.


Na foto, da esq, para direita: Dinamarca; Eremita Gomes de Oliveira; Rosana Piccini; Rossana Pucci e Sandra Wagner.


Silvana Rocha e Thais, no baile do OitĂŁo, no Clube LĂ­bano.


À moda de Tony Manero, personagem de John Travolta em “Embalos de Sábado à Noite”, Telmo e Valdo esbanjam elegância de terno branco.


mar de transgressão por Jackson Araujo

Chegado de uma fronteira distante, criança da Floresta Amazônica com o Rio Negro como piscina, eu era (quase) o mais índio do colégio. Aluno de grupo escolar, numa vila militar sem TV, voltei a Fortaleza sem saber ligar a televisão, nem atender ao telefone. Primeiro dia de aula. Me perdi e não consegui voltar pra sala de aula ao final do recreio. Descobri que a coragem faz chegar a onde se quer. O mais amazônico dos alunos era o Edvaldo, Nº 10, o Valdo Siqueira, paraense – filho de Dona Nazinha, como a minha mãe Ruth, mulher de fibra indígena –, grande amigo logo no primeiro dia de aula. Com ele, experienciei ecléticas tardes musicais. Rita Lee, Ney, Kraftwerk... Começava a paixão pela música. Nas aulas dos professores Walden Luiz e Izaira Silvino, entendi que havia um jeito de rabiscar histórias e ilustrar a vida. Conheci o Teatro Grego e dali trago a imagem do primeiro anfiteatro impressa na memória como indelével tatuagem. Início da crescente paixão pelas artes visuais.


No teatro, ao lado dos impossíveis Vicente e Ulisses, fomos marinheiros de “Pluft, O Fantasminha”, em ensaios e bastidores que ensinaram os primeiros traços de disciplina, respeito e companheirismo. Mas foi na festa de encerramento da 8ª série, no extinto Clube Líbano, que a somatória de tantos elementos fez o maior dos sentidos: música, imagem, noite, festa, moda, liberdade. Éramos bombas ambulantes de hormônio, desejosos, medrosos, vaidosos, tímidos, curiosos, sozinhos e em turma. No final, em 81, da T4, como bem me lembrou o querido Queiroz. No Cearense aprendi sobre a transgressão, que regras existem para serem quebradas, que o inesperado é sinônimo perfeito de vida. Com uma jangada no peito, o Marista me fez assim. Vivo. Na essência do mar. Incansável movimento.


irm達os & mestres

Rossana Pucci com Tereza Pierre

a professora


Mozarlene Barroso com a professora Neuma


Professor Orcar e V창nia


Dona Rom茅lia com o jovem Doutor do ABC Roberto Os贸rio


Irmão Luís Marques de Oliveira. Foto do acervo pessoal de Rossana Pucci


Irmão Ovídio (Nicola Herrera Toblado), Professoras Rosimar, Solange, Ilka Tigre. Foto do acervo pessoal de José Queiroz


Irm達o Urbano. Foto do acervo pessoal de Rossana Pucci


Irmão Valentim (Theonesto Lovatel) entre Marcondes Carvalho, Emanuel Teófilo, Patricia, Cristina Pinheiro, Rossana Pucci e a saudosa Débora Parente


Professores - Década de 60 - Alguns identificados, da esquerda para a direita, elas:2ª Ieda, 4ª Dona Romélia, 6ª Dona Lígia. Eles: 3º Kleister 4º Dioguinho, 6º Onélio Porto, 8º Marcelo, 10º Leônidas. Foto do acervo pessoal de Sergio Renato Moura


atividades artĂ­sticas UMA VIDA COMPARTILHADA por Rossana Pucci


Queria eu dar uma volta no tempo, cuidar melhor dos amigos, abraçá-los mais e falar do meu contentamento em tê-los em minha vida. Esses amigos tão queridos e amados, acabaram dando um norte para a minha vida, me ensinaram a ser moleca, menina, adolescente. Me ensinaram a correr atrás daquilo que eu acreditava. Por conta disso, guardei cada um no meu coração e cada um com um valor significativo e especial. Falar dessa amizade é lembrar que cresci com cada um de vocês e ter a certeza de que cada um me fez feliz ao seu modo. Com as brincadeiras, as intrigas de crianças, com o compartilhar, com o segurar na mão, o defender nossos valores no auditório do Colégio, com os encontros religiosos, com o não dito, enfim, com a vida que fora compartilhada, bem juntinho da minha. E depois de tanto tempo o que dizer? Só coisas boas, amor, respeito, desejo de vêlos felizes e uma vontade enorme de ser adolescente de novo. Um beijo grande para vocês, minha Família Marista.


“Foi na praia do Náutico na corrida de jangadas e esta foto virou calendário”, lembra o professor Walden Luiz, que nos ensinou as primeiras noções sobre Teatro e espaço cênico. Foto do acervo pessoal de Rossana Pucci


Rossana Pucci danรงando em cenรกrio criado pelo Departamento de Arte, coordenado pelo professor Walden Luiz


Ronaldo Sobreira Guedes com Silvana Rocha.


Musas da danรงa: Rossana Pucci e Solange Mendes


o colégio JANELA FECHADA por Arlan Mesquita

Anos há. Conta-me, confia-me, o segredo do tempo que é o senhor da tua simétrica beleza. Descerra-te. Anseio recordar o teu secreto. Ah, minha falha memória! Só você para dar forma aos pensamentos. Descerra-te. Encerras amizades sem fim. Sentar junto a ti e cerrar os olhos. Só você para vir de novo à memória pretéritos e belos sentimentos.


As janelas do ColĂŠgio Cearense, em fotos de Arlan Mesquita


inside the house por Arlan Mesquita

Standing in line To cross the street. Stairway to old recollections. Reliable feelings last forever. Tight classrooms split away young minds. But their heartbeats come together. All these memories remain inside ... Inside the English class house.


Fotos de Arlan Mesquita


Pastilhas por Arlan Mesquita

Não te dirigia os olhos. Quanto descaso! Reles ajuntamento de pequenas cerâmicas. Quadradas e sem sentido. Agora, Sim, meus olhos refletem policromia. Quanta percepção! Revestimento que traduz saudades. Um mosaico pueril de sentimentos Que faz sentido.


Fotos de Arlan Mesquita


a inspiração num segundo, eternos por Valdo Siqueira

Um segundo e a areia sobe, faz retroceder o tempo construtor de memórias. Uma segunda infância dos olhos. Fotos voltam das bobinas, páginas de plástico passam colecionadores, filmetes vivos detonam odores e gostos outrora conhecidos. Tempo invisível, imagens à mostra. O indizível sai claro das imagens. Que quase desprezamos o presente. O passado é o hoje, pelo menos para nós, poucos amigos, que ousam mudar o tempo de lugar. Um lugar que se fez data. Locus que se faz tempo. E estamos aqui de novo, olhando pro ontem na palma da mão. Como se pudéssemos não precisar dizer nada, só sentir que sabemos da importância que temos, eternos amigos do Cearense.


metalferrugem por Izaíra Silvino

... daqueles tempos pra hoje, passaram-se mais que alguns dez anos sem ver vocês e sem de vocês saber. e isto me faz versejar em versos e reversos, lembrar incoerências e saberes nunca sabidos... coisas que fiz antes deste tempo, naqueles tempos nossos de ser aluna professora, professora aluna... de vocês, com vocês, em vocês... ... e assim, sigo ex e atual futura... segue, então mais um verso. este, antigo... daqueles mesmos nossos tempos.


se passares muito tempo olhando o mar deves ter cuidado não deves nunca portar algo de metal contigo a maresia dá ferrugem no metal cuida para que teu coração de metal teu olhar de metal teu sentir de metal teu lindo rosto de metal não estejam contigo quando passares muito tempo olhando o mar além da alegre quase nostalgia que sentirás o teu todo de metal real brilhoso será amarelo bronzeado sujo e manchará a todos que contigo privarem e aqueles que temiam o teu brilho temerão muito mais tua ferrugem dia 20 de novembro de 2011.


Que venham muitos anos mais.


30 ANOS  

Uma compilação de imagens e emoções que marcam a celebração de 30 anos da Turma de 81 do Colégio Cearense Sagrado Coração.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you