Issuu on Google+

PORTFÓLIO Jorge Freitas

2004-2010


NOME Jorge Augusto Torres Faria Freitas DATA DE NASCIMENTO 1 de Fevereiro de 1986 MORADA Rua Arquitecto Marques da Silva, n.º151, S.Torcato, Guimarães TELEMÓVEL 969 615 111 E-MAIL jorgetfreitas@gmail.com FORMAÇÃO ACADÉMICA Mestre em Arquitectura pela Faculdade de Arquitectura e Artes da Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão


Habitação Estúdio faa Arquitectura II - Prof. Maria Tavares

Habitação Multifamiliar faa Projecto I - Prof. Paulo Silva

Centro de Saúde faa Projecto I - Prof. Paulo Silva

Centro de Negócios e Pólo de Indústrias Criativas faa Projecto II - Prof. Paulo Cortez

Museu Vivo das Memórias e Tradições das Actividades Piscatórias faa Projecto III - Prof. Peixoto Alves


Habitação Estúdio Cubo 8X8

Foi proposto a projecção de uma unidade habitacional estúdio, um Cubo, com vista a ser ocupado por um único habitante. Localizado em Vila Nova de Famalicão, o terreno debruça-se sobre a cidade e existe por isso uma relação entre o interior da habitação com o exterior. O Cubo foi projectado de modo a que o utente possa tirar o maior proveito sonoro da construção, tal como a sensação dos diversos materiais utilizados na construção da habitação. Foi idealizado para esta habitação, um utente cuja vida profissional seja inspiradora e cativante, sendo assim inclinado para a vertente musical.


Habitação Multifamiliar A Habitação Multifamiliar abrange o conjunto construtivo na medida em que dá função e objectivo ao espaço projectual. O projecto responde a um conjunto de regras e fases conceptuais, tais como a integração da forma na ideia principal, a adaptação das formas volumétricas às formas melódicas, e interpretação correcta da volumetria. O conjunto dos blocos representa a continuidade do som, o prolongamento da melodia e sua reflexão na área circundante. A forma circular permite absorver o som, dar-lhe continuidade para todo o bloco habitacional, para depois reflectir o mesmo som. O espaço urbano exterior é organizado através dos jardins, que por sua vez fazem a distribuição entre os diversos espaços habitacionais e todas as estruturas existentes no local. Todo a área pretende levar o presente ou o ouvinte ao mais puro gozo do espaço, um local sem grandes decorativismos e com ampla funcionalidade e simplicidade.


Centro de Saúde Localizado em Vila Nova de Famalicão, foi desenvolvida a ideia de um centro de saúde que desse resposta às necessidades da população, mas também servisse de apoio ao hospital. De todos, a ideia principal seria a de eliminar a teoria existente no que toca o medo e frieza de um centro hospitalar. Acima de tudo o paciente opta pelo conhecimento de si mesmo, mas neste caso, deixa de ter um pensamento 'gnótico' e passa a confiar no saber científico. Além da sabedoria e personalidade que a entidade médica possui, o espaço onde se encontra também reflecte uma importante influência no estado de saúde do utente, sendo a ordem e o fascínio primordiais para o entendimento e melhoramento das patologias presentes no mesmo. Também se pretende criar um espaço que motive a socialização e bemestar dos seus utentes, de modo a originar um ambiente estável e tranquilizante, bem como a demarcação da preocupação na saúde, na dor e bem-estar do doente. No que toca aspectos geológicos e tocando no terreno, este apresenta condições relevantes para a elaboração de um projecto, sendo de destacar a presença meios naturais, nomeadamente das árvores, assim como um leito de água. À margem disto, verifica-se uma enorme insolação neste espaço, sendo este amplamente iluminado pelo sol.


No que toca aspectos geológicos, o terreno apresenta condições relevantes para a elaboração de um projecto, sendo de destacar a presença de meios naturais, nomeadamente de vegetação, assim como um leito de água. À margem disto, verifica-se uma enorme insolação neste espaço, sendo este amplamente iluminado pelo sol. Assim sendo, a ideia base que está na origem do projecto, obtida através desta solarização, apresenta como expressão principal: 'A Luz. Uma Fonte de Vida'.


A partir desta ideia de Luz e Observação, o edifício surge como a representação de um foco de luz com os seus raios, ou mesmo um ponto de câmara, com os diversos ângulos de visão. Assim, pretende-se criar uma forma agradável a todos os transeuntes e utentes, de modo a tirarem partido do espaço onde se inserem, sendo esta também, a principal função da arquitectura. A envolvente, deverá interagir com o edifício de modo a completar o edificado com a natureza. Para a melhor organização espacial interior, salientam-se 3 alas fundamentais: o ambulatório, as urgências, e o internamento. Comum a estas, existe entrada principal do centro de saúde, que por sua vez é um espaço comum a todos os outros.


“A luz é mais do que um meio para tornar os objectos visíveis; é a fonte original que contém as leis da Natureza” (Louis Kahn)


Centro Empresarial de Negócios Pólo de Indústrias Criativas O presente projecto diz respeito a um Centro Empresarial de Negócios e Pólo de Indústrias Criativas. Inserido em Vila Nova de Famalicão, o terreno possui características importantes, tal como a presença de equipamentos como a Casa das Artes, a Biblioteca Municipal e Centro de Emprego, mas também o forte carácter marcado pelo parque de Sinçães, tal como por toda a malha urbana da cidade. Através de uma análise profunda ao local, o projecto começa por ganhar forma através da envolvente, fazendo com que este se insira na imagem do local, mas que ao mesmo tempo seja um elemento de continuidade do edificado envolvente. Elementos como o parque de Sinçães, os equipamentos existentes na envolvente, e a mancha edificada são determinantes para a formalização do projecto. O parque é prolongado para o espaço do edifício através de rampas, criando assim um percurso pedonal. A par da conceptualização, verifica-se a preocupação de utilizar uma medida como módulo de repetição, mas também produzir uma imagem que acompanhe as necessidades interiores, alinhadas com o exterior. A organização interior parte de um organigrama que influencia toda a implantação e distribuição do projecto. Dividi assim todas as áreas e fiz com que fossem separadas através de um ponto principal, a entrada no edifício.


A partir daqui, e dividindo as áreas em 'áreas públicas e áreas privadas' nascem dois volumes com alturas diferentes, um com altura superior que representa o centro de negócios com os gabinetes e respectivos espaços, tal como o auditório, e outro com altura inferior ao primeiro correspondendo à zona de lazer e residência.


Museu Vivo das Memórias e Tradições das Actividades Piscatórias Os lugares não são eternos, mas graças à história permanecem na memória das pessoas, ou então em registos. Um desses lugares é o Concelho de Espinho, com um grande passado histórico, mas que agora se confunde com a desertificação e apelidação de cidade dormitória. Pretende-se através do Turismo e da Pesca potenciar a economia do Bairro Piscatório, mas também aumentar a importância da população, assim como a elaboração de um ponto turístico de referência na cidade de Espinho. Para isso, é criado um museu vivo das tradições e memórias das actividades piscatórias, potenciando o desenvolvimento do bairro e aumento de qualidade de vida da população. A proposta baseia-se na recuperação de uma identidade esquecida, das vivências da população mas também das tradições e marcas culturais pelas quais a população se identifica. As intervenções localizam-se em células habitacionais mas também no espaço público, unindo e integrando o bairro na cidade de Espinho. É assim com 5 células museológicas, com o espaço público, e com uma praça dos pescadores, que se desenvolvem as intervenções relativas à estratégia projectual.


2011, Guimar達es


Portfólio Arquitectura