Page 1


1 Lisi Harrison


PRóLOGO Piscando e piscando, os grossos cílios de Frankie Stein se abriram. Houve clarões estroboscópicos brancos enquanto Frankie fazia força para focar a vista, mas as pálpebras estavam tão pesadas que ela não conseguia abri-las por inteiro. O recinto onde estava escureceu. — Pronto, o córtex cerebral já está carregado — proclamou o homem, falando com uma voz Linda em que o sentimento de satisfação se misturava ao cansaço. — Ela consegue nos ouvir? — perguntou uma voz feminina. — Ouvir, ver, compreender e identificar mais de quatrocentos objetos — respondeu ele, feliz da vida. — Se eu continuar enchendo o cérebro com informação, daqui a duas semanas ela terá a inteligência e a capacidade física de uma típica garota de quinze anos. — Ele fez uma pausa para pensar. — Tudo bem, talvez até um pouco mais esperta que isso. Mas ainda terá quinze anos. — Ah, Viktor, este é o momento mais feliz da minha vida! — A mulher suspirou, emocionada. — Ela é perfeita!... — Eu sei, eu sei. — Ele também suspirou. — É a filhinha perfeitinha do papai!... Os dois se revezaram dando beijos na testa de Frankie. Ele cheirava a produtos químicos. Ela, a flores perfumadas. Juntos, tinham o cheiro do amor.

~1~


Frankie voltou a tentar abrir os olhos. Dessa vez, mal conseguiu bater os cílios. — Ela piscou! — exclamou a mulher. Está tentando olhar para nós. Frankie, eu me chamo Viveka e sou a sua mãe. Você consegue me ver? — Não consegue, não — disse Viktor. O corpo de Frankie ficou tenso ao som daquelas palavras. Como era que alguém podia dizer o que ela conseguia ou não fazer? Aquilo não tinha sentido! — Por que não? — perguntou a mãe, parecendo fazer isso pelas duas. — A carga da bateria está quase acabando. A Frankie precisa recarregar. — Pois então faça isso! ―É, me recarregue! Vamos lá, me recarregue!‖ Mais do que tudo, Frankie queria ver aqueles quatrocentos objetos. Queria estudar a fisionomia dos pais enquanto eles identificavam cada objeto com aquelas vozes tão boazinhas. Queria ganhar vida e ir desbravar o mundo onde havia acabado de nascer. Mas não conseguia se mexer. — Não posso recarregar até que os eletrodos dela se ajustem direito — explicou o pai. Viveka começou a chorar, e seus delicados soluços já não pareciam de felicidade.

~2~


— Está tudo bem, amor — disse Viktor, dengoso. — Mais algumas horas, e ela ficará completamente estável. — Não é isso... — Viveka respirou fundo. — E o que, então? — Ela é tão linda, tão cheia de potencial, e... — Viveka suspirou outra vez. — Simplesmente me parte o coração saber que ela, você sabe, terá de viver como nós. — O que há de errado conosco?! — perguntou Viktor. Alguma coisa em sua voz, porém, indicava que ele já sabia a resposta. Viveka disse, entre risadinhas: — Você está brincando, não? — Viv, o mundo não vai ser assim para sempre — replicou o marido. — As coisas mudam. Você vai ver. — Mudam como? Quem é que vai mudá-las? — Eu não sei. Alguém vai.., um dia. — Bem, espero que ainda estejamos por aqui para ver isso — disse Viveka, suspirando. — Vamos estar, sim — garantiu Viktor. — Nós, os Stein, costumamos ter vida longa. Viveka riu de mansinho. Frankie queria desesperadamente saber dessas ―coisas‖ que precisavam ―mudar‖. Mas perguntar estava agora fora de questão, já que sua bateria descarregou por completo. Sentindo-se tonta e pesadíssima ao

~3~


mesmo tempo, Frankie flutuou mais fundo para dentro da escuridão, parando num lugar onde já não conseguia ouvir as pessoas a seu redor. Não conseguia recordar a conversa delas nem sentir seu perfume de flores com produtos químicos. Tudo o que Frankie podia fazer era esperar que, quando voltasse a acordar, aquelas coisas que Viveka queria estar ali para ver já estivessem lá. E, se não estivessem, que a própria Frankie tivesse forças para consegui-las para a mãe.

~4~


Capítulo 1 A Gatice Recém-descoberta As catorze horas de carro desde Beverly Hills, a milionária cidade vizinha a Los Angeles, na Califórnia, até Salem, a pequena e pacata capital do Oregon, haviam sido uma tortura. Em menos de um minuto de viagem, a coisa tinha ido do sentimento de empolgação e descoberta ao de culpa. E, no percurso entre aqueles dois estados da costa oeste americana, a tortura não diminuiu nada durante os quase mil e quinhentos quilômetros que rodaram para o norte. Fingir que dormia foi a única escapatória para Melody Carver. — ―Bem-vindos ao Estado dos Castores‖ — resmungou a irmã mais velha quando atravessaram a divisa da Califórnia com o Oregon. — O Estado dos Chatos, isso sim. Ou quem sabe o Estado dos Jecas? E que tal... —Chega, Candace! — disse o pai, subitamente. Ele estava ao volante do esportivo utilitário BMW7, diesel novinho em folha. O carro, verde tanto na cor quanto 110 consumo, era uma das muitas iniciativas que os pais haviam tomado para mostrar ao povo de Salem que Beau e Glory Carver era mais do que um casal rico e lindo vindo da badalada Beverly Hills. As trinta e seis caixas que tinham despachado antecipadamente pela transportadora UPS — cheias de caiaques, pranchas de windsurfe, varas de pescar, cantis, cursos de degustação de vinho em DVD,

~5~


barrinhas e demais lanches orgânicos industrializados, equipamento de camping, armadilhas para urso, walkie-talkies, crampões, picaretas e outros apetrechos de montanhismo, esquis, pranchas de snowboard e capacetes, mais roupas de inverno da grife esportiva Burton e ceroulas de flanela — eram só algumas das outras coisas que Beau e Glory providenciaram com o mesmo objetivo. Os comentários de Candace, porém, ficaram ainda mais estridentes quando começou a chover. — Ahhhhhh, agosto no Estado dos Manés! — Candace suspirou, choramingando. — Não é ótimo ir para um lugar onde chove assim no verão? Seguiu-se o revirar de olhos que era de praxe quando a irmã queria manifestar algo. Isso, Melody nem precisava olhar para saber. Ainda assim, com as pálpebras quase fechadas, deu urna espiada só para confirmar.

— Ai, que raiva! — Candace, indignada, chutou as costas do assento da mãe. Depois assoou o nariz e atirou no ombro da irmã o lencinho molhado, O batimento cardíaco de Melody acelerou, mas ela conseguiu continuar imóvel. Isso era menos trabalhoso do que revidar. — Eu não entendo — prosseguiu Candace. — Melody já sobreviveu quinze anos respirando a fumaça de Los Angeles. Um ano mais não ia matá-la. Ela podia usar unia máscara! E aí as Pessoas assinariam a máscara, do mesmo jeito que assinam gesso. Isso talvez até inspirasse uma linha inteira de acessórios para asmáticas, como inaladores, gargantilhas e...

~6~


—Já chega, Candi. — Glory deu um suspiro, obviamente exausta daquela polêmica, que já durava um mês. — Mas, em setembro do ano que vem, eu vou para a faculdade! — insistia Candace, nada acostumada a perder discussões. Era loira e perfeitamente proporcional e estava acostumada a conseguir o que queria. — Vocês não podiam esperar só mais um aninho antes de mudar? — Esta mudança vai ser boa para todos nós. Não estamos indo só por causa da asma da sua irmã. A Merston High. School é um dos melhores colégios do Oregon. Além disso, vamos nos conectar com a natureza e nos afastar de toda aquela superficialidade de Beverly Hills. Melody sorriu para si mesma, O pai, Beau, era um fumoso cirurgião plástico, e a mãe tinha sido personal shopper — dava consultoria em compras de luxo aos astros e estrelas de Hollywood. A futilidade mandava nos dois, que eram como se fossem zumbis dela. Ainda assim, Melody agradecia o constante esforço da mãe para impedir que Candace culpasse a irmã mais nova pela mudança. Mesmo que, de certo modo, a mudança fosse de fato culpa de Melody. Numa família de seres humanos geneticamente perfeitos, Melody Carver era uma anomalia. Uma raridade. Uma esquisitice. Uma anormal. Beau, apesar das origens anglo-saxônicas no sul da Califórnia, tinha sido abençoado com uma beleza à italiana. O brilho de seus olhos negros era como o sol refletindo em um lago. O sorriso era caloroso como boa lã cashmere, e o bronzeado permanente não havia causado nenhum dano àquela pele de quarenta e seis anos. Ostentando na proporção exata a barba por fazer e a cabeleira com gel, tinha tantos pacientes do sexo masculino quanto do feminino. Cada um deles vinha com a esperança de tirar as bandagens e parecer eternamente jovem... igualzinho a Beau.

~7~


A esposa estava com quarenta e dois anos, mas, graças ao marido, sua pele sem manchas havia sido podada e esticada muito antes que Glory tivesse precisado disso. Parecia que um de seus pés tão bem tratados já havia saído do gráfico da progressão humana para entrar no estágio evolutivo seguinte — um estágio que desafiava a gravidade e tinha parado de fazer Glory envelhecer depois dos trinta e cinco. Com cabelos ondulados e castanho-avermelhados que iam até os ombros, olhos verde-água e lábios tão naturalmente cheios que dispensavam colágeno, ela, se não fosse tão mignon, poderia ter sido modelo de passarela. Era o que todo o mundo dizia. Mas Glory jurava que a carreira de personal shopper sempre teria sido sua escolha profissional, mesmo se houvesse deixado Beau lhe esticar as panturrilhas para que ganhasse altura. Candace era a felizarda combinação dos pais. Da mesma maneira que a líder de uma matilha de predadores, havia ficado com todas as partes boas de Beau e Glory, deixando apenas migalhas para a irmã mais nova. Embora o porte mignon que herdou da mãe prejudicasse seu potencial de modelo, ele fazia maravilhas por seu guarda-roupa, que estava quase explodindo de tão cheio de itens que haviam sido de Glory e em que se incluíam todas as grifes caras, desde Gap até Gucci (mas principalmente Gucci). Candace tinha os olhos verdes de Glory com o brilho ensolarado de Beau, e nela o bronzeado do pai se combinava com a tez imaculada da mãe. Seus ossos do rosto exibiam a majestade do mármore. E seus longos cabelos, que sempre ficavam bem tanto lisos quanto ondulados, eram louros num tom de manteiga salpicada com caramelo. As amigas (assim como as mães das amigas) tiravam fotos do queixo forte ou do nariz retinho de Candi e as entregavam a Beau na

~8~


esperança de que as mãos dele operassem os mesmos milagres que o DNA já havia garantido à filha. E Beau, naturalmente, fazia os milagres. Até no caso de Melody. Convencida de que a família errada a havia pegado na maternidade, Melody dava pouco valor à aparência física. E por que daria? Tinha pouco queixo, os dentes pareciam todos caninos, e os cabelos, achava ela, eram de um preto fosco, chapado. Sem nenhum reflexo. Sem nenhum brilho. Nada de manteiga, nada de caramelo. Só preto, preto. Os olhos, apesar de totalmente operantes, eram tão cinza-aço e tão estreitos quanto os de um gato arisco. Não que alguém reparasse em seus olhos. O nariz, este sim, era o centro das atenções. Composto de duas lombadas e uma vergada abrupta para baixo, lembrava um camelo fazendo ioga — na Clássica postura do cachorro olhando para o chão. Não que isso também importasse. Pelo que dizia respeito a Melody, o talento para o canto era, ao menos nos primeiros anos, seu grande predicado. Os professores de música se desmanchavam em elogios àquela voz perfeitamente afinada. Cristalina, angelical, evocativa, tinha efeito hipnótico e inesquecível em quem a ouvisse, e, depois de cada recital, as chorosas plateias aplaudiam Melody de pé. Infelizmente, quando ela fez oito anos, a asma já tinha dado as caras e roubado o espetáculo. Tão logo Melody começou a sexta série (ela logo faria onze anos), Beau propôs operar o nariz da filha menor. Mas Melody não quis. Um nariz novo não curaria a asma — por que se dar ao trabalho, então? Tudo o que ela queria era aguentar até o colegial, quando as coisas mudariam. As meninas seriam menos

~9~


superficiais. Os meninos seriam mais maduros. E os estudos seriam mais importantes que tudo. Rá—rá As coisas pioraram depois que Melody, aos catorze anos, começou a fazer a nona série na Beverly Hills High School. Por causa do nariz gigantesco, as meninas a chamavam de Tromba e os meninos não a chamavam de jeito nenhum. Eles nem sequer olhavam para nu. O trio letivo tinha começado em setembro, depois das férias de verão. Em novembro, quando chegou o feriado de Ação de Graças, Melody já era praticamente invisível na escola. Se não fosse pela coriza e pelo resfolegar constantes, ninguém saberia que ela estava viva. Beau não suportou ver a filha — que era ―cheia de potencial simétrico‖ — continuar sofrendo. Naquele Natal, ele disse a Melody que Papai Noel tinha conseguido fazer que aprovassem um novo tipo de rinoplastia, a qual prometia abrir as vias aéreas e aliviar a asma. Assim, talvez Melody pudesse voltar a cantar. — Que maravilha! — Glory juntou as pequenas e delicadas mãos numa prece e, grata, ergueu os olhos para o céu. Ou melhor, para a elegante claraboia. — É, não vamos mais ter Rudolph, a rena do nariz vermelho — brincou Candace. — É para a saúde dela, Candace, não para a aparência — disse Beau, obviamente tentando convencer Melody. — Uau, fantástico! — Melody deu um abração no pai, agradecida, ainda que não estivesse lá muito certa de que nariz tinha alguma coisa que ver com brônquios contraídos. Mas fingir acreditar na explicação dele

~ 10 ~


dava alguma esperança a Melody. E era mais fácil do que reconhecer que a família ficava envergonhada de seu rosto. No feriadão de Natal, Melody fez a cirurgia. Voltou da anestesia para descobrir que possuía um nariz fininho e arrebitado, à Jessica Biel, e que facetas dentárias de porcelana haviam substituído sua dentição de caninos. Ao fim do período de recuperação, já tinha perdido mais de dois quilos e ganhado acesso às roupas de grifes caras que a mãe cedia, desde Gap até Gucci (mas principalmente Gucci...). Infelizmente, continuava não conseguindo cantar. Quando voltou à Beverly Hills High, as meninas a receberam de braços abertos, os meninos ficaram de queixo caído, e os beija-flores pareceram voar um pouco para mais perto dela. Melody encontrou um grau de aceitação que nunca tinha sonhado ser possível. Mas nada daquela recém-descoberta gatice a deixou mais feliz. Em vez de ficar se exibindo e paquerando, ela passava o tempo livre em casa, debaixo das cobertas, sentindo-se como a bolsa da irmã — uma sacola metálica da Tory Burch que era linda e brilhosa por fora e uma bagunça terrível por dentro. ―Como é que eles têm coragem de ser simpáticos comigo só porque estou bonita?! Sou a mesma pessoa que sempre fui!‖ No verão, terminado o ano letivo, Melody já havia se retraído por completo. Só usava roupas largonas e largadas, nunca escovava os cabelos, e o único acessório de seu guarda-roupa era o inalador preso a um passante de cinto nas calças. Em 4 de julho, durante o churrasco anual que os Carver faziam no dia da Independência (quando Melody costumava cantar o dificílimo hino nacional americano), ela teve um grave ataque de asma que a fez parar no hospital Cedars-Sinai, em Los Angeles. Na sala de espera, Gloria

~ 11 ~


ficou folheando nervosamente uma revista de turismo e se deteve numa foto luxuriante do Oregon, com suas montanhas e suas grandes florestas. Gloria depois afirmaria que conseguia sentir o cheiro do ar puro só de olhar para aquela foto. Quando Melody foi liberada pelo médico, os pais lhe disseram que iam se mudar. E, pela primeira vez, um sorriso se abriu no rosto perfeitamente simétrico de Melody. ―Oi, Oregon! Eu te adoro!‖, disse ela para si mesma enquanto o BMW verde avançava rapidamente na estrada. Depois, acalentada pelo tamborilar da chuva e pelo silvo ritmado dos limpadores de para-brisa, Melody foi caindo no sono. Dessa vez, para valer.

~ 12 ~


CAPíTULO 2 VERdE-MENTA O sol tinha enfim Se levantado. Pardais e tordos cantarolavam as playlists matinais de costume. O vidro da janela do quarto de Frankie era fosco, mas se percebia que, do lado de fora, a criançada de bicicleta já começava a tocar buzina e dar voltas pelo beco sem saída da Radcliffe Way, A vizinhança estava acordada. Frankie, portanto, já podia tocar ―The fame‖, de Lady Gaga, no último volume. “I can see myself in the movies, with my picture in the City lights...” Mais do que tudo, Frankie queria sacudir a cabeça ao som daquela música. Não, esperem. Isso não era bem verdade. O que ela queria mesmo era dar pulos em cima da cama de metal, chutar para o piso de cimento queimado os cobertores eletromagnéticos

revestidos

de

veludinho, agitar os braços, balançar o traseiro e sacudir a cabeça ao som de ―The fame‖. Mas interromper o fluxo de eletricidade antes que a carga estivesse completa poderia causar perda de memória, desmaio, até coma. A vantagem, entretanto, era nunca precisar colocar o iPod Touch no carregador — enquanto o player estivesse perto do corpo de Frankie, a bateria teria mais carga que a Companhia de Força e Luz. Naquela infusão matinal, Frankie estava deitada de si as, com um emaranhado de fios pretos e vermelhos ligados por prendedor aos pinoseletrodos do pescoço. Estes tinham o tamanho de dedais. Enquanto o finalzinho da carga elétrica passava pelo corpo, Frankie folheava as páginas da edição mais recente da Seventeen, a revista feminina para adolescentes. Tomando cuidado para não estragar o esmalte In the Navy,

~ 13 ~


da Orly (ainda fresco nas unhas), ficou procurando os eletrodos nos pescoços lisinhos das modelos, as quais tinham cores variadas. Todas, porém, diferentes da cor de Frankie. Os textos falavam muito em ―energizar-se‖ mas como elas faziam isso? Tão logo Carmen Electra (o nome que tinha dado ao aparato carregador elétrico em sua cama, já que a designação técnica era difícil de pronunciar) se desligou, Frankie curtiu as cócegas dos eletrodos. Sentindo-se revigorada, pressionou o narizinho arrebitado contra a revista e deu uma longa fungada na amostra de perfume Miss Dior Cherie que vinha colada ali. — Vocês gostaram? — perguntou, agitando a revista na frente dos Glitterati. Quatro ratinhos brancos se puseram de pé nas rosadas patas traseiras e ficaram arranhando a parede de vidro da gaiola. Glitter multicolorido não tóxico caía do dorso deles como a neve acumulada que caí de um toldo de lona.* Frankie deu outra fungada. — Eu também. Ela agitou a revista no ar do quarto, que cheirava a formol, e levantou-se para acender suas velas com aroma de baunilha. Sim, porque o odor de formol estava penetrando os cabelos de Frankie e sobrepondo—se aos toques florais do condicionador.

* Dando esse apelido aos ratinhos, Frankie brinca com as palavras: em inglês, glitterati é uma expressão muito usada para referir-se aos ricos e famosos, os frequentadores de colunas sociais. (N. T.)

~ 14 ~


— O que eu estou sentindo aí dentro é cheiro de baunilha? — perguntou Viktor, batendo vigorosamente à porta fechada. Frankie desligou a música. — Issssso! — respondeu ela, sibilando alegremente e não fazendo caso do tom falsamente incomodado do pai. Um tom que Viktor vinha usando desde que Frankie transformou o laboratório dele em seu cantinho. Ela tinha ouvido o mesmo tom quando vestiu e maquiou os ratos de laboratório, começou a guardar nos béqueres o gloss labial e os produtos para cabelo e prendeu o rosto de Justin Bieber no esqueleto que havia ali. (―Afinal, aquele pôster em que o Justin está sentado no skate fica longe de ser chocante, né?‖) Mas Frankie sabia que o pai não se aborrecia de verdade. Agora, o laboratório era também o quarto dela. Além do mais, se Viktor realmente se incomodasse, não a chamaria de... — E como é que está a filha perfeitinha do papai? — Viktor Stein bateu outra vez e então abriu a porta. A mãe de Frankie entrou logo atrás. Viktor vinha balançando uma sacola de viagem, dessas de couro. Ele usava agasalho esportivo preto, da Adidas, e suas pantufas favoritas, que eram marrons e estavam com buraco num dos dedos. ―Velhas e gastas, igualzinhas à Viv‖, dizia Viktor quando Frankie fazia piadas sobre as pantufas. A mulher então lhe dava um tapa no braço. Frankie sabia era tudo brincadeira, pois Viveka era o tipo de beldade que gostaríamos de ver numa revista, para que pudéssemos ficar babando diante de seus olhos violeta e seus reluzentes cabelos negros sem que ninguém nos acusasse de assédio ou esquisitice.

~ 15 ~


O pai fazia mais o gênero Arnold Schwarzenegger, como se seus traços perfeitos tivessem sido esticados para cobrir a cabeçorra quadrada. As pessoas provavelmente gostariam de ficar olhando também para ele, mas tinham medo daquele físico de um metro e noventa e cinco e daquele olhar enviesado. O cenho franzido, porém, não significava que estivesse bravo. Indicava, isto sim, que ele estava pensando. E Viktor, sendo cientista louco, estava sempre pensando... Pelo menos era assim que Viveka explicava as coisas. — Tesouro, podemos conversar com você um minutinho? — perguntou Viveka, de um jeito cantarolado que parecia imitar a bainha sibilante de seu vestido de verão, feito de crepe preto. A voz de Viveka era tão delicada que as pessoas se espantavam quando a ouviam naquele mulher de um metro e oitenta e três. Viv e Vik atravessaram de mãos dadas o piso de cimento queimado — eram, como sempre, uma frente unida. Dessa vez, contudo, percebiamse nos sorrisos orgulhosos dos pais os sinais de preocupação. — Sente-se, querida. — Viveka fez um gesto na direção da chaise longue vermelho-rubi, em estilo marroquino, coberta de almofadas, que Frankie tinha comprado na Ikea pela Internet. Essa poltrona, num canto do quarto laboratório, junto das outras coisas de Frankie — a escrivaninha coberta de adesivos, o televisor LCD da Sony e uma sucessão de guarda-roupas de portas das cores do arco-íris, cheios de coisas compradas online —, dava para a única janela do cômodo. Muito embora as vidraças da casa fossem foscas para garantir privacidade, a janelinha leitosa proporcionava a Frankie uma vista de relance do mundo real — ou pelo menos a expectativa de uma vista.

~ 16 ~


Frankie foi da cama à poltrona pelo felpudo tapete rosa de pele de carneiro, temendo silenciosamente que os pais já tivessem visto a última conta de downloads da Apple para iTunes. Apreensiva, ela puxava a sequência de finas suturas pretas que mantinham sua cabeça no lugar. — Não puxe! — disse Viktor, insistindo como sempre nisso e sentando na chaise longue. A armação de madeira de bétula rangeu em protesto. — Não há por que ficar preocupada. Só queremos conversar com você. — Ele colocou junto aos próprios pés a sacola de couro. Viveka bateu de leve na almofada vazia que estava a seu lado na chaise, sinalizando para Frankie sentar ali, e depois foi mexer na echarpe de musselina preta que era sua marca registrada. Mas Frankie, com medo de outro sermão sobre o valor do suado dinheirinho, amarrou o cinto do robe de cetim preto, da grife Harajuku Lovers, e preferiu sentar no tapete rosa. — E aí? O que mandam? — perguntou, sorrindo e tentando fazer parecer que não tinha acabado de gastar cinquenta e nove dólares e noventa e nove centavos, pelo direito de assistir no iTunes à temporada mais recente de Gossip Girl. — As mudanças estão no ar. — Viktor esfregou as mãos uma contra a outra e respirou profundamente, como se estivesse se aprontando para escalar os quase três mil e quinhentos metros do monte Hood, o ponto mais alto do Oregon. ―Vão cortar os meus cartões de crédito?‖, especulava Frankie, apavorada. Viveka balançou afirmativamente a cabeça, concordando com o que dizia Viktor, e se obrigou a dar outro sorriso. Mas os lábios, pintados

~ 17 ~


de roxo-escuro, não se abriam minimamente. Voltou-se para o marido, estimulando-o a continuar. Ele, entretanto, só arregalou os olhos escuros, de modo a indicar que não sabia o que dizer. Frankie, nada à vontade, mudou de posição no tapete. Nunca tinha visto os pais com tanta dificuldade para falar. Recordou aceleradamente as compras recentes que havia feito, esperando assim descobrir qual gasto os tinha feito sair do sério. ―Temporada de Gossip Girl no iTunes... Perfume odorizador de ambientes, aroma de flor de laranjeira... Meias listradas da Hot Sox, em que se calçavam os dedos um a um, tão engraçadinhas... Assinaturas de revistas — Us Weekly, Seventeen e Teen Vogue... Aplicativo de astrologia para o iPhone... Aplicativo de numerologia... Aplicativo de interpretação de sonhos... Creme desembaraçante da Moroccanoil. . . Jeans boyfriend da Current/Elliott...‖ Nada caro demais. Ainda assim, a expectativa estava fazendo os eletrodos no pescoço de Frankie soltarem faísca. — Fique tranquila, meu bem. — Viveka se inclinou para a frente e ficou alisando com a mão os longos cabelos negros de Frankie. O gesto carinhoso fez parar o vazamento de energia, mas não sossegou em nada as entranhas de Frankie. Elas ainda estavam pipocando e sibilando como os fogos de artifício no feriado da Independência. Os pais eram as únicas pessoas que Frankie conhecia. Eram seus melhores amigos e seus mentores. Decepcioná-los era a mesma coisa que decepcionar o mundo todo. Viktor tornou a respirar fundo. Em seguida, pôs o ar para fora enquanto falava. -. O verão acabou. Sua mãe e eu precisamos ir dar as nossas aulas de química e anatomia na universidade. Não podemos mais

~ 18 ~


continuar lecionando para você em casa. — Ele sacudia, inquieto, um dos calcanhares. — Ahn? — Frankie franziu a testa, juntando as sobrancelhas esculpidas. ―O que é que isso tem a ver com as minhas compras?‖ Viveka pousou a mão no joelho de Viktor, como se dissesse ―Deixe que agora eu assumo‖, e pigarreou antes de falar. — O que o seu pai está tentando dizer é que você tem quinze dias de idade. Em cada um desses dias, ele lhe implantou no cérebro o equivalente a um ano de aprendizado: matemática, ciências, história, geografia, idiomas, tecnologia, arte, música instrumental, filmes, canções, tendências, expressões idiomáticas, convenções sociais, bons modos, profundidade

emocional,

maturidade,

disciplina,

livre-arbítrio,

coordenação motora, coordenação fonoarticulatória, reconhecimento sensorial, percepção tridimensional, ambição e até um pouco de apetite. Você tem tudo! Frankie assentiu, matutando quando é que chegariam à parte das compras. — Por isso, agora que é uma adolescente linda e inteligente, você já está pronta para... — Viveka fungou, segurando uma lágrima. Olhou outra vez para Viktor, que também assentiu, incentivando a mulher a continuar. Ela, lambendo os lábios e pondo o ar para fora, conseguiu dar outro suspiro, e então... Frankie ia soltando faíscas. Aquilo estava demorando mais que entrega de compras online quando não se pagava a taxa de encomenda expressa. Viveka desembuchou:

~ 19 ~


— .. . ir para a escola dos normies. — Ela pronunciou ―nórmis‖. — Normies? O que é isso? — perguntou Frankie, já temendo a resposta. ―Será algum tratamento para quem é viciado em compras?‖ — Normie é quem tem características físicas comuns, os chamados ―normais‖ — explicou Viktor. — Por exemplo... — Viveka apanhou um exemplar da Teen Vague, que estava ali numa mesinha laqueada cor de laranja, e abriu a revista ao acaso. — Estas garotas aqui. Viveka bateu com a ponta do indicador num anúncio da H&M, a rede de lojas de vestuário. Nele apareciam três moças de sutiã e caleçon — uma loura, uma morena e uma ruiva. Todas tinham cabelos encaracolados. — E eu sou normie? — perguntou Frankie, sentindo-se tão orgulhosa

quanto

aquelas

modelos

radiantes.

Viveka

sacudiu

negativamente a cabeça. — Por que não? — continuou Frankie. — É porque o meu cabelo é liso? — Dentre todas as lições que tinha tido, aquela estava sendo a mais confusa. — Não, não é porque o seu cabelo é liso — respondeu Viktor, com um sorriso frustrado. — É porque eu construí você. —Ué, mas todos os filhos não são ―construídos‖ pelos pais? — Frankie simulou as aspas usando o indicador e o dedo médio de ambas as mãos. — Sabe como é, em sentido figurado. Viveka levantou uma das escuras sobrancelhas. A filha tinha razão.

~ 20 ~


— É, mas nós construímos você no sentido literal — explicou Viktor. — Neste laboratório. Com peças de corpo perfeitas que eu mesmo fiz com estas mãos. Programei o seu cérebro já cheinho de informações, costurei todas as partes até formar você e coloquei eletrodos nos lados do seu pescoço para que fosse possível recarregar o seu sistema. Desse modo, você não precisa realmente de comida e vai se alimentar só pelo prazer que isso traz. E, Frankie, já que você não tem sangue... Bem, a sua pele é... verde. Frankie olhou para as próprias mãos como se o fizesse pela primeira vez. Eram da cor de sorvete de menta com lascas de chocolate, tal e qual o resto de seu corpo. — Eu sei — disse Frankie, dando risadinhas. — Não é sensacional? — É, sim — concordou Viktor, também com um risinho. — E por isso que você é tão especial. Nenhum outro aluno da sua nova escola foi feito desse jeito. Só você. — Quer dizer que vai haver outras pessoas nessa tal escola?! — Frankie olhou o quarto-laboratório a seu redor, o único recinto que ela havia realmente conhecido até aquele momento. Viktor e Viveka assentiram, com a culpa e a apreensão fazendo que franzissem a testa. Frankie observou os olhos úmidos dos pais, perguntando a si mesma se aquilo estava acontecendo de verdade. Iam permitir que ela simplesmente se soltasse? Deixá-la numa escola cheia de normies de cabelos encaracolados, na expectativa de que ela se virasse sozinha? Teriam realmente coragem de largar a educação da filha para que pudessem dar aula para auditórios cheios de completos estranhos?

~ 21 ~


Parecia que os dois, apesar dos lábios trêmulos e das faces manchadas de sal, iam mesmo fazer aquilo. De repente, uma sensação que só poderia ser medida na escala Richter ressoou na barriga de Frankie. Aquilo lhe subiu pelo peito, disparou pela garganta e saiu explodindo pela boca.

—SHOW!

~ 22 ~


CAPíTULO 3 FORTE APAchE — Chegamos! — anunciou Beau Carver, buzinando repetidas vezes. — Vamos lá, pessoal! Está na hora de acordar. Melody descolou a orelha do frescor da janela e abriu os olhos. À primeira vista, o lugar parecia estar coberto de algodão. Mas, à medida que Melody ajustava o olhar à luz enevoada da manhã, o bairro ia ficando mais focado, do mesmo jeito que uma foto Polaroid ao revelar-se. Os dois caminhões de mudança bloqueavam o acesso à entrada de carros, circular como um trevo rodoviário, e obstruíam a visão que se tinha da nova residência dos Carver. Tudo o que Melody conseguiu discernir foi metade de uma varanda que cobria a frente inteira, continuava pelos lados e exibia o sofá de balanço que era de rigor nas construções americanas daquele tipo. 1 lo parecia ter sido construído de torinhas de Forte Apache, só que em tamanho natural, não em miniatura. Era uma imagem que Melody jamais esquece- tia. Ou seriam as emoções que a imagem evocava — a esperança, a empolgação e o medo do desconhecido, todas as três bem trançadas umas às outras, criando uma quarta emoção que era impossível definir? Melody estava ganhando uma segunda chance de ser feliz, e isso lhe dava uma comichão que era como ter engolido cinquenta taturaninhas. Fonfom! Fonfom! Um montanhês grande e parrudo, de jeans largos e colete de náilon acolchoado, os cumprimentou com um movimento de cabeça enquanto

~ 23 ~


puxava do caminhão o sofá seccional dos Carver, um móvel Calvin Klein cor de berinjela. — Você já buzinou o bastante, querido. Ainda é muito cedo! — Glory bateu de brincadeira no marido. — Os vizinhos vão pensar que somos malucos. O hálito de café, mais o cheiro dos copos de papelão e polietileno em que tinham comprado esse café para viagem, embrulhou o estômago vazio de Melody. — É, pai, para!... — gemeu Candace, com a cabeça ainda recostada contra a bolsa metálica da Tory Burch. — Você está acordando a única pessoa descolada de Salem. Beau soltou o cinto de segurança e se voltou para encarar a filha mais velha. — E quem seria essa pessoa? — Eeeeeu... — Candace se espreguiçou, com o peito inflando-se e depois afundando dentro da camiseta de alcinha, azul-clara, como se fosse uma boia em mar picado. Candace devia ter adormecido em cima do punho cerrado de raiva, pois a bochecha mostrava agora a marca do coraçãozinho que adornava seu novo anel — aquele que as chorosas melhores amigas lhe deram como presente de despedida de Beverly Hills. Melody — querendo desesperadamente se desviar do tiro de ―Sinto tanta saudade das minhas amigas!‖ que Candace sem dúvida dispararia quando reparasse na marca na bochecha — foi a primeira a abrir a porta e pôr o pé naquela rua sinuosa. Tinha parado de chover, e o sol se levantava. Uma camada de névoa vermelho-arroxeada cobria o bairro da mesma maneira que um lenço fúcsia fininho quando colocado sobre um abajur, lançando um

~ 24 ~


brilho mágico sobre a Radcliffe Way — esse o nome da rua. O bairro, úmido e cintilante naquela hora, cheirava a minhoca e grama molhada. — Sinta só este ar, Melly! — Beau bateu com a mão no peito, sobre a camisa de flanela que lhe cobria os pulmões, e ergueu o olhar reverentemente para um céu que parecia pano tie-dye. — Eu sei. — Melody abraçou a barriga de tanquinho de Beau. — Já consigo respirar melhor — garantiu, em parte porque queria que o pai soubesse que a filha mais nova entendia e agradecia o sacrifício que ele estava fazendo, mas sobretudo porque realmente já respirava com mais facilidade. Era como se houvesse tirado um saco de areia de cima do peito. — Você precisa sair para respirar este ar — insistiu Beau, batendo de leve à janela da esposa como anel de ouro, aquele que tinha a inicial B. Glory levantou impacientemente o dedo e depois apontou com a cabeça na direção de Candace, ali no banco de trás, para mostrar ao marido que estava lidando com outra crise. — Me desculpe — disse Melody, voltando a abraçar o pai, dessa vez com mais meiguice. Era um abraço que implorava: ―Me perdoe‖. — Desculpas pelo quê? Isto aqui é ótimo! — Ele inspirou longa e demoradamente. — Os Carver precisavam mesmo de uma mudança de ares. Já fizemos e refizemos tudo o que podíamos fazer em Los Angeles. É hora de novos desafios. Viver nada mais é que... — Eu quero morrer! — berrou Candace de dentro do carro. — Pronto, lá se vai para o cemitério a única pessoa descolada de Salem — comentou Beau entre dentes.

~ 25 ~


Melody levantou os olhos para o pai. No instante em que seus olhares se encontraram, os dois caíram na gargalhada. — Tudo bem, quem vai querer conhecer a casa? — disse Glory, abrindo a porta do carro. O bico de uma botinha de trekking com borla de pele foi baixando rumo ao calçamento, cheia de hesitação, como se verificasse a temperatura da água numa banheira. Então, num átimo, Candace saltou do banco traseiro para fora. — A primeira que chegar ao andar de cima fica com o quarto maior! — gritou. Disparou para a casa, e suas pernas tão esguias se moviam num ritmo surpreendente, em nada atrapalhadas pelos jeans skinny, rasgadinhos como mandava a moda e tão colados ao corpo quanto um maiô de natação. Melody lançou à mãe um olhar rápido, daqueles que perguntam: ―Como é que você consegue?‖ — Eu disse à Candace que ela poderia ficar com aquele meu macacão Missoni anos 70, de coleção, se ficasse o resto do dia sem reclamar — confessou Glory, Fazendo um elegante rabo de cavalo nos cabelos avermelhados e prendendo-o com uma girada rápida. — Com esse tipo de promessa, você não vai ter mais que um pezinho de meia antes que a semana acabe — disse Beau, bem-humorado. — Terá valido a pena — rebateu Glory, sorrindo. Melody deu uma risadinha e chispou para a casa. Sabia que Candace chegaria primeiro ao quarto maior. Mas não era por isso que

~ 26 ~


Melody estava correndo. Ela corria porque, após tantos anos de respiração muito ofegante, conseguia finalmente correr. Passando aos pulos pelos caminhões de mudança, cumprimentou com um aceno de cabeça os homens que continuavam dando duro para descarregar o sofazão. Depois saltou os três degraus de madeira que levavam à porta da frente. — Ah, fala sério! Sensacional! — exclamou Melody, boquiaberta, ao parar na entrada da espaçosa casa de madeira. As paredes eram das mesmas toras alaranjadas de Forte Apache que constituíam a parte externa. Idem a escada, o corrimão, o teto e a balaustrada do ii dar de cima. As únicas variações eram a lareira de e o assoalho de nogueira. Dificilmente era o tipo casa com que Melody estava acostumada, considerando que os Carver vinham de um monumento de vidro e concreto, em múltiplos pavimentos, ao design ultramoderno. Mas Melody tinha de admirar os pais eles estavam mesmo comprometidos com aquele novo estilo de vida ao ar livre. — Licença... — grunhiu um dos carregadores, que, ensopado de suor, vinha atrás de Melody e tentava passar o roliço sofá pela estreita porta de entrada. — Opa! Me desculpe... — Melody, dando uma risada nervosa, saiu da frente. À direita dela, uma longa suíte se estendia por quase todo o comprimento da casa. A cama king size de Beau e Glory já tinha sido colocada ali dentro, soberana, e o banheiro da suíte estava no meio de uma bela recauchutagem. Urna porta-janela de correr, com vidro fumê, dava para uma piscina longa e estreita, de exercícios, que era coberta e

~ 27 ~


estava também rodeada daquelas paredes de toras. Essa piscina interna devia ter sido o que levou Beau a decidir-se pela casa, já que ele nadava toda manhã para queimar as calorias que as braçadas noturnas talvez tivessem deixado escapar. No piso de cima, num dos dois outros quartos de dormir, Candace estava andando para lá e para cá, ao mesmo tempo que resmungava ao celular. Em frente à porta da suíte dos pais, ficava a aconchegante copacozinha. Os estilosos eletrodomésticos dos Carver, mais a igualmente estilosa de vidro com oito cadeiras laqueadas, pareciam demasiado futuristas no contraste com a madeira rústica. Mas Melody tinha certeza de que a situação seria remediada tão logo a mãe e o pai localizassem o shopping de decoração mais próximo. — Socorro! — disse Candace, chamando lá de cima. — Hein? — respondeu Melody, enquanto dava uma espiada na sala de estar rebaixada e na vista que dali se tinha tio valezinho arborizado lá nos findos do terreno. —Eu estou morrendo! Melody subiu aos pulos a escada de madeira, no meio da casa.— Ah, fala sério! Sensacional! — Estava adorando a sensação que os degraus irregulares lhe passavam pelas solas dos tênis All-Star, de cano alto, pretos. Cada degrau tinha sua personalidade, sua individualidade. Não eram uma celebração da simetria, da adesão, da perfeição, como se via em Beverly Hills. Eram exatamente o contrário. Cada tora da casa exibia seu próprio padrão e suas próprias idiossincrasias. Cada uma delas era

~ 28 ~


única, ímpar. Nenhuma era perfeitinha. E, apesar disso, todas se ajustavam para sustentar um só projeto. Talvez fosse urna coisa da região.

Talvez

todos

os

salemianos

(salemenses?

Salemitas?)

comemorassem as diferenças de padrão, as idiossincrasias. E, se eles realmente faziam tal coisa, isso queria dizer que os alunos da Merston High School também faziam. Aquela possibilidade provocou em Melody um surto de esperança não asmática que a propeliu escada acima, aos pulos, dois degraus de cada vez. No patamar, abriu o zíper da jaqueta preta de mole- tom, com capuz, e a jogou para cima da balaustrada. Sua camiseta cinzenta, da Hanes, estava ensopada debaixo dos braços, e Melody tinha gotas de suor na testa. — Estou morrendo de calor! Isto aqui é um forno! — Candace, usando nada mais que o sutiã e os jeans, surgiu do quarto da esquerda. — Está fazendo cem graus aqui? Ou sou eu que já estou entrando na menopausa? — Candi... — Melody lhe atirou a jaqueta de moletom.—...veste isso agora! —

Por

quê?

perguntou

Candace,

inspecionando

despreocupadamente o próprio umbigo. — As janelas são de vidro fumê. Ninguém vai ver a gente mesmo. — E? E os caras da mudança? — rebateu Melody, cortante. Candace colocou a jaqueta contra o peito e depois espiou por cima da balaustrada. — Este lugar é meio esquisito, você não acha? — O rubor em suas faces subia direto para os olhos verde-água, dando-lhes um brilho iridescente.

~ 29 ~


— Esta casa toda é esquisita — sussurrou Melody. — E eu meio que estou adorando. — Isso porque você é esquisita. — Candace atirou a jaqueta por sobre a balaustrada e entrou gingando no que devia ser o quarto maior. A cabeleira loura e atrevida também lhe balançava às costas, como se estivesse dando tchauzinho. — Alguém perdeu o moletom? — perguntou lá de baixo um dos homens da mudança. A jaqueta preta estava jogada sobre o ombro dele como se fosse um furão morto. — Ahn? É, me desculpe... — respondeu Melody. — Pode deixar o moletom aí na escada. — Foi então correndo para o quarto que restava, de modo que o homem não pensasse que ela estava a fim dele. Melody olhou em volta daquele cômodo pequeno e retangular: paredes de toras, teto baixo com ranhuras fundas que pareciam marcas de garras, uma janelinha fumê que dava para o muro de pedra do vizinho. Quando abriu a porta de correr do closet, veio lá de dentro o cheiro de cedro. O quarto estava tão abafado que parecia mesmo uma fornalha. Um anúncio de imobiliária, se o corretor não tivesse medo de mentir, o definiria como ―aconchegante‖. — Belo caixão — disse Candace na porta do quarto, troçando da irmã. Ainda estava só de jeans e sutiã. — Pode falar à vontade — contra-atacou Melody —, que eu ainda não quero nem saber de voltar para a Califórnia. — Como quiser. — Candace revirou os olhos, desanimada. — Mas pelo menos deixe que eu mate você de inveja. Venha conhecer os meus nobres aposentos.

~ 30 ~


Melody seguiu Candace, passando pelo apertado banheiro para entrar num quarto quadrado, amplo e cheio de luz. Uma reentrância na parede acomodava o tampo de escrivaninha, e o armário embutido, bem fundo, tinha três portas largas. A vasta janela de vidro fumê dava vista para a Radcliffe Way. As duas irmãs bem podiam ter dividido o quarto, e ainda sobraria espaço para o ego de Candace. — É, bonitinho — murmurou Melody, tentando não parecer minimamente invejosa. — Ei, quer andar até o centro e comer uns bagels ou coisa assim? Estou morrendo de fome. — Não até você reconhecer que o meu quarto é o máximo e que você está com inveja. — Candace cruzou os braços. — Pode esquecer. Em protesto, Candace se voltou para a janela. — Hum... E que tal agora? — Ela soprou hálito quente no vidro e, com a ponta do dedo, desenhou um coração ali. Melody ficou ressabiada. — Isso aí é alguma armação sua? — Você que pensa — disse Candace, arregalando os olhos para o adolescente que, sem camisa, estava no jardim no outro lado da rua. Ele estava regando as roseiras amarelas em frente a um chalé branco. Brandia a mangueira como uma espada, e os enxutos músculos das costas ondulavam sempre que ele arremetia para esgrimir contra um adversário imaginário. Seus jeans surrados haviam arriado apenas o suficiente para mostrar o elástico da samba-canção listrada.

~ 31 ~


— É o jardineiro? — perguntou Melody. — Ou você acha que ele mora ali? — Mora — respondeu Candace, convicta. — Se fosse jardineiro, estaria bronzeado. Me amarra aqui. — Hein? Melody se voltou e viu a irmã já vestida num macacão roxo, preto e prata da Missoni, em tricô, padrão zigue-zague. Candace estava segurando atrás da cabeça as alças da parte de cima do macacão. — Mas, Candi, como foi que você achou isto? — perguntou Melody, dando um laço perfeito. — As caixas com roupa ainda estão no caminhão. — Eu sabia que a mamãe me daria o macacão se eu ficasse reclamando o tempo todo. Por isso, eu o enfiei na bolsa antes de sairmos. — Então tudo aquilo no carro era fingimento? — O coração de Melody começou a disparar de alegria. — Basicamente. — Candace deu de ombros, despreocupada. — Eu consigo fazer amigas e conhecer carinhas em qualquer lugar. Além do mais, se eu quiser entrar numa boa faculdade, vou precisar de notas altas este ano. E todo o mundo sabe que isso não ia acontecer no meu último ano de colégio na Califórnia ... Melody não sabia se abraçava a irmã ou lhe descia o braço. Mas não houve tempo para nenhuma das duas coisas. Candace já tinha calçado uns tamancos plataforma de Glory, cor de prata, e voltado depressinha para a janela. — E aí? Quem quer conhecer os vizinhos?

~ 32 ~


— Candace, não! — implorou Melody, mas a irmã já estava se pegando com o trinco de ferro da janela. Tentar controlar Candace era como ficar agitando os braços na tentativa de parar uma montanha-russa. Uma canseira. E uma perda de tempo. — Ei, gatão! — gritou Candace lá para baixo. Na mesma hora, ela se agachou atrás da borda da janela. O rapaz se virou e olhou para cima, protegendo a vista do sol. Candace levantou a cabeça e deu uma espiada. — Ah, nada feito — sussurrou. — Novinho demais. É quatro-olhos, e nem bronzeado tem. Não estou interessada. Você pode ficar com ele. Melody teve vontade de berrar: ―Não preciso que você me diga com quem eu posso ou não ficar!‖ Mas, lá fora, havia um rapaz sem camisa, de juba castanha e óculos de armação preta, olhando fixamente para Melody. Tudo o que ela pôde fazer foi encará-lo também e tentar adivinhar de que cor eram os olhos dele. O rapaz acenou, sem jeito, mas ela continuou petrificada. Talvez ele concluísse que Melody era uma dessas figuras de papelão em tamanho natural que colocam na entrada dos cinemas, e não uma garota socialmente desastrada que estava prestes a dar uma canelada na irmã. — Ai! — gritou Candace, agarrando-se à canela. Melody se afastou da janela. — Não acredito que você fez isso comigo — berrou, abafando as vogais para que a voz saísse como um sussurro.

~ 33 ~


— Ora, só fiz para ajudar, porque você não ia ter coragem mesmo — insistiu Candance, e seus olhos verde-água ficaram ainda maiores com a força da própria convicção. — E por que eu faria uma coisa dessas? Nem conheço o cara. — Melody sentou no chão, recostando-se nas lombadas das toras na parede, e enfiou o rosto nas mãos. — E? — E estou cansada das pessoas acharem que eu sou uma aberração. Sei que você não consegue entender o que seja isso, mas... — Sai dessa, tá? — Candace se pôs de pé. — Você deixou de ser a Tromba. Você agora é bonita, puxa vida! Pode conseguir caras maneiros, gatos mesmo. Do tipo bronzeado que não precisa de óculos. Não um nerd que é o D‘Artagnan das mangueiras de jardim. — Ela fechou a janela. — Será que algum dia você vai querer usar os lábios para outra coisa que não seja cobrir essa porcelana dos seus dentes? Melody sentiu no fundo dos olhos uma pontada que conhecia bem. A garganta secou. A boca tremeu. Os olhos arderam. E então elas vieram: tal e qual soldadinhos paraquedistas salgados, as lágrimas lhe saltaram dos olhos em massa. Melody detestava que Candace achasse que ela nunca tinha dado uns amassos. Mas a irmã mais velha contabilizava dezessete anos e “n” namorados no currículo, e de que jeito Melody a convenceria de que o caixa da cafeteria Starbucks, o Randy (também conhecido como Crateras, por causa da acne), sabia beijar muitíssimo bem? Não havia tal jeito.

~ 34 ~


— Não é tão simples, OK? — Melody continuava escondendo o rosto, agora molhado de lágrimas. — Ser bonita é o seu sonho. O meu era cantar. Era, porque já acabou. — Pois então viva o meu sonho por um tempo. — Candace passou rapidamente gloss nos lábios. — Pode ter certeza: é mais divertido que ficar sentindo pena de si mesma. Como Melody poderia explicar seus sentimentos a Candace quando ela própria não os entendia direito? — A minha beleza, Candace, é de araque. E tudo plástica. Isto aqui não sou eu. Candace revirou os olhos, naquela expressão universal de ―Me poupe!‖. Melody então tentou uma tática diferente, perguntando: — Como é que você se sentiria se tirasse A numa prova em que colou de alguém? Melody levantou a cabeça e riu. Uma gigantesca bolha de meleca lhe saiu do nariz, e Melody correu a limpar aquilo nos jeans antes que a irmã visse. — Você pensa demais nessas coisas. — Candace lançou a bolsa ao ombro e depois olhou para o próprio decote. — É, eu nunca estive mais sensacional. — Estendeu a outra mão para Melody e puxou até a irmã ficar de pé. — Chegou a hora de ensinar à boa gente de Salem a diferença entre alta costura e moda de loja de caça e pesca. — E, depois de ter passado os olhos pela camiseta cinza e suada e pelos jeans largões de Melody, acrescentou: — Mas deixe que só eu falo, 0K? — Eu sempre deixo — respondeu Melody, com um suspiro.

~ 35 ~


CAPíTULO 4 NãO é MOLE SER IRAdO Frankie se levantou de um pulo e, descalça, começou a dançar ao ritmo das músicas de Lady Gaga, que continuavam a tocar dentro de sua cabeça. — Então você está de acordo em ir para a escola? — Os olhos de Viveka, com seus longos cílios negros, piscavam incredulamente. — Totalmente! — Frankie agitava os braços acima da cabeça e estalava os dedos. — Vou fazer amigos! Vou conhecer garotos! Vou comer no bandejão! Vou sair e... — Um minutinho aí — interrompeu-a Viktor, com toda a seriedade da Ciência. — Não é assim tão simples. —Tem razão! — Frankie foi chispando para o guarda-roupa azulceleste, aquele que tinha SAIAS E VESTIDOS escrito com spray cor de fúcsia. — Que roupa eu vou usar? — Esta. — Viktor se inclinou para a frente, colocou a sacola de couro aos pés da filha e recuou rapidamente, como se tivesse oferecido uma saladinha básica a um leão faminto. Na mesmíssima hora, Frankie mudou de rumo e se dirigiu para a sacola. Prepararem a roupa para o primeiro dia de escola era bem a cara dos pais deles. ―Será a minissaia plissada da Bebe com o top de cashmere

~ 36 ~


preto? Ah, por favor, que seja a minissaia plissada da Bebe com o top de cashmere preto! Por favor, por favor, por favor, por favor!. . Frankie, agachada, abriu o zíper da sacola e enfiou a mão lá dentro, tateando à procura das alças macias e do alfinete extragrande, tão gracinha, que prendia a saia. — Ai! — Tirou correndo a mão, como se a sacola tivesse dentes e a tivesse mordido. — Que coisa é essa?! — perguntou, ainda repugnada com o objeto áspero que estava lá dentro. — É um terninho de lã muito elegante. — disse Viveka, que juntou os cabelos e os jogou por sobre um dos ombros. — Elegante?! — retrucou Frankie. — Isso raspa feito ralador de queijo! — Não, ele é lindo — insistiu Viveka. — Experimente. Frankie virou a sacola de ponta-cabeça, para evitar tocar naquela indumentária abrasiva. Um estojão de maquiagem, numa caixa grande cor de chocolate, também caiu no tapete. — E isso agora, o que é? — Maquiagem, ora essa! — respondeu Viktor. — Comprada na Sephora? — perguntou Frankie, esperançosa, dando aos pais a chance de se redimirem. — Não. — Viktor passou a mão pelas ranhuras no cabelo brilhoso e penteado para trás. — Fornecida pela Fierce & Flawless. É uma linha maravilhosa de maquiagem teatral, fabricada em Nova York para aguentar os palcos mais intensamente iluminados da Broadway. E nem é pesada demais! — Viktor tirou da sacola uma esponja para louça e

~ 37 ~


esfregou o próprio antebraço. Uma mancha, de cor entre rosa e amarelada, ficou na esponja. Uma risca verde apareceu no braço. Frankie ficou boquiaberta. — Então você também tem pele cor de menta?! — Assim como eu. — Viveka esfregou uma das faces até que surgisse ali uma risca parecida. — Como é que é?! — As mãos de Frankie estavam soltando faísca. — Quer dizer que vocês sempre foram verde-menta? Os pais assentiram, orgulhosos. — Mas então por que cobrem a pele desse jeito? — Porque... — Viktor limpou o dedo nas calças do agasalho esportivo. — . . . nós vivemos num mundo de normies. E muitos deles têm medo de quem parece diferente. — Diferente do quê? — disse Frankie, mais pensando alto que qualquer outra coisa. Viktor baixou os olhos. — Diferente deles. — Somos parte de um grupo muito especial que descende do que os normies denominam monstros — explicou Viveka. — Mas gostamos de definir a nós mesmos como IRADOs. — É uma sigla para Indivíduos Refratários a Atributos e Designativos Ordinários — esclareceu Viktor. Frankie levou a mão às suturas do pescoço.

~ 38 ~


— Não puxe! — disseram os pais em uníssono. Frankie baixou a mão e deu um suspiro. — As coisas sempre foram assim? — Sempre, não. — Viktor se levantou e começou a andar para lá e para cá. — Infelizmente, nossa história, assim como a de tantos outros, está repleta de períodos em que fomos perseguidos. Mas chegou um momento em que enfim saímos da Idade Média e passamos a viver abertamente entre os normies. Trabalhávamos juntos, tínhamos vida social em comum, nos apaixonávamos uns pelos outros. Só que, nas décadas de 1920 e 1930, tudo isso mudou. — E mudou por quê? — Frankie engatinhou até a poltrona e se aninhou junto a Viveka. O perfume de gardênia do óleo hidratante da mãe a confortava. — As fitas de terror começaram a fazer sucesso. IRADOs estavam sendo escalados para estrelar todo tipo de filme, como Drácula, O fantasma da Ópera e O médico e o monstro. E aqueles que não levavam jeito para ator... — Como o Vic, seu avô — disse Viveka ao marido, provocando-o de um jeito bem-humorado. — É, como o nosso velho e querido Victor Frankenstein. — O marido deu uma risadinha ao lembrar-se de algo. — Ele mostrava dificuldade para decorar as falas e, verdade seja dita, não tinha nenhum jogo de cintura. Assim, quem o interpretava era um ator normie que se chamava Boris Karloff.

~ 39 ~


— Parece ter sido divertido. — Frankie ficou dando voltas com o dedo pelo cinto de seda do robe. Sentiu vontade de ter vivido aquela época. — E foi mesmo. — Viktor parou de andar e, com o sorriso se desfazendo, olhou direto para a filha. — Mas só até que os filmes foram lançados. — Como assim? — perguntou Frankie. — Eles nos mostravam como criaturas apavorantes, perversas, que, por exemplo, sugavam o sangue das pessoas. — Viktor tornou a andar de um lado para o outro. — As crianças dos normies berravam de pavor quando nos viam. Os pais delas pararam de nos convidar para ir às casas deles. E ninguém queria trabalhar nem fazer negócios conosco. Da noite para o dia, viramos vilões. Os Irados sofreram violência e vandalismo. A vida como a conhecíamos acabou. — Mas ninguém lutou contra isso? — quis saber Frankie, recordando-se das muitas batalhas históricas que haviam sido travadas por motivo semelhante. — Nós tentamos. — Viktor balançou negativamente a cabeça, lamentando-se pela tentativa frustrada, — As manifestações de protesto foram em vão: elas se transformavam em frenéticas sessões de autógrafos para os destemidos fãs de filmes de terror. E qualquer ação mais forte que um protesto teria feito que parecêssemos as criaturas raivosas que os normies temiam que fôssemos. — Mas então o que todo o mundo acabou fazendo? — Frankie se encolheu ainda mais perto da mãe.

~ 40 ~


— Deu-se um alerta secreto para todos os IRADOs, conclamandoos a deixarem seus lares e seus afazeres e se reunirem em Salem, onde viviam as bruxas. A esperança era que elas se identificassem com nossa luta e nos acolhessem. Juntos, poderíamos formar urna nova comunidade e recomeçar do zero. — Ué, mas os julgamentos por feitiçaria não tinham acabado com todas as bruxas de Salem lá por 1692? — perguntou Frankie. — E esses problemas dos IRADOs não aconteceram já no século XX? Viktor bateu palmas e então apontou para Frankie como se ele fosse um entusiasmado apresentador de programa de perguntas e respostas. — A senhorita está absolutamente certa! — exclamou, todo orgulhoso da cultura livresca que tinha implantado na filha. Viveka beijou Frankie na cabeça. — É uma pena que o zumbi desmiolado que devia dar o alerta não tenha sido tão esperto quanto você. Mas ele, eu já disse, era um desmiolado. Literalmente. — Pois é... — Viktor alisou os cabelos. — Não só as bruxas tinham ido embora fazia tempo, como também o zumbi apontou a Salem errada. Ele estava pensando na Salem de Massachusetts, lá no leste, mas nos deu as coordenadas da Salem do Oregon, aqui do outro lado do país. Todos os IRADOs perceberam o engano, mas já não havia tempo para mudar de rumo. Precisavam dar no pé antes que fossem detidos e mandados para a cadeia. Viktor fez uma pausa rápida e, então, continuou:

~ 41 ~


— Quando chegaram ao Oregon, resolveram tirar o melhor partido da situação. Juntaram seu dinheiro num findo conjunto, disfarçaram-se de normies, construíram as casas da Radcliffe Way e juraram proteger uns aos outros. A esperança é que, algum dia, possamos voltar a viver às claras. Mas, até que esse dia chegue, é crucial que nos misturemos aos normies sem despertar suspeitas. Se fôssemos descobertos aqui, isso nos obrigaria a outro exílio. Nossos lares, nossas carreiras e nossos modos de vida seriam destruídos. — É por isso que é tão importante que você maquie a pele e esconda as saturas e eletrodos — explicou Viveka. — Mas onde estão os de vocês? — perguntou Frankie. Viveka levantou a echarpe preta e deu uma piscadela. Dois pinos reluzentes pareceram piscar também. Viktor abriu o zíper do agasalho de gola alta, revelando o hardware próprio. — Chocante!... — sussurrou Frankie, espantadíssima. — Vou cuidar do café da manhã. — Viveka se pôs de pé e alisou as rugas no vestido. — A maquiagem vem com DVD de instruções — explicou ela. — Você deveria começar a praticar agora mesmo. Os pais a beijaram na testa e, saindo dali, começaram a fechar a porta do quarto-laboratório. Viveka, porém, deu uma espiada de volta. — Lembre-se — advertiu —, você tem que saber tudo isso quando as aulas começarem. — Em seguida, fechou delicadamente a porta.

~ 42 ~


— Certo — respondeu Frankie. Aí, sorriu ao lembrar que aquela conversa tão para baixo tinha começado em altíssimo astral. Ela ia para a escola, ora bolas! Flexionando os dedos dos pés, chutou para longe o repulsivo monte de roupa de lã como se ele fosse algum esquilo morto. Afinal, ninguém estava usando terninhos de lã naquela estação, pensou Frankie, enquanto a piniquenta e injuriosa indumentária saía de seu campo de visão. Só para ter certeza disso, consultou a edição de volta às aulas da Teen Vogue. E, como já desconfiava, o ano era só de tecidos leves, estampas animais e tons de pedra preciosa. Echarpes e bijuteria avantajada eram os acessórios indispensáveis. A lã era tão out que, coitada, nem precisou entrar na lista das coisas out. Não só na Teen Vogue, mas também na Seventeen, as matérias eram extremamente esclarecedoras. Todas eram sobre ser você mesma, manterse autêntica, amar seu corpo do jeito que ele é e optar sempre pelo verde! As mensagens eram exatamente o contrário do que Vik e Viv tinham recomendado. ―Hum...‖ Frankie se voltou para encarar o espelho de corpo inteiro que estava encostado no guarda-roupa amarelo. Abriu o robe e vistoriou o próprio corpo. Enxuta, atlética e perfeitamente proporcional, ela era bem o que as revistas propunham. E daí se a pele era cor de menta? E daí se os braços e pernas haviam sido juntados por suturas? Segundo as revistas (que — sem ofensa! — estavam mais a par das coisas que os pais), Frankie tinha de amar o corpo do jeitinho que ele era. E ela o adorava mesmo! Por conseguinte, se os normies liam revistas (coisa que obviamente faziam,

~ 43 ~


porque afinal estavam nelas), então adorariam Frankie também. Ser natural era in. Além do mais, Frankie era a filha perfeitinha do papai. E quem não adora a perfeição?

~ 44 ~


CAPíTULO 5 O NERdGATO Apesar de ser tão cedo, Melody e Candace saíram à Radcliffe Way com toda a energia de duas garotas que haviam ficado engaioladas num carro durante catorze horas. Surpreendentemente, a nova vizinhança estava fervilhando de atividade. Crianças de bicicleta davam a volta no beco, e, algumas residências adiante, uma família inteira de garotões atléticos jogava futebol americano na grama da frente. — Aquilo é uma família só?! — perguntou Melody quando se aproximaram da imensa casa de pedra, onde não menos que dez rapazes arremetiam contra o gatão de cabelo desgrenhado que estava com a bola. —Os pais devem ter tido gêmeos múltiplos — comentou Candace enquanto afofava os cabelos. O jogo de repente desacelerou, e então se interrompeu, enquanto o bando observava as duas irmãs passarem caminhando por eles. — Por que está todo o mundo olhando para nós? — sussurrou Melody pelo canto da boca. — Vá se acostumando — respondeu Candace, falando da mesma maneira. — As pessoas ficam olhando quando a gente é bonita. — Ela saudou com um sorriso os rapazes, todos com idade para estar no colegial, tendo cada um deles uma adorável juba castanha desgrenhada e um rubor igualmente adorável nas faces. A fumaça da gigantesca churrasqueira, do tamanho de um jipão Hummer, fazia o cheiro de costela na brasa circular pelo bairro num horário em que a maioria das pessoas ainda não tinha terminado a primeira xícara de café do dia.

~ 45 ~


Melody levou as mãos à barriga vazia. Naquele instante, a ideia de jantar no café da manhã lhe pareceu ótima. — Adorei vocês no catálogo da J. Crew do mês passado! — disse Candace aos rapazes, bem alto, brincando com o seu jeito de modelos masculinos. Eles se entreolharam, desconcertados. — Candace! — Melody deu um tapa no braço da irmã. — Ah, divirta-se você também um pouquinho! — Candace riu, enquanto os tamancos plataforma prateados da mãe faziam toque-toque no calçamento. — Todo o mundo por quem passamos olha para nós tomo se fôssemos de outro planeta. — E somos mesmo, ué! — Candace apertou o laço lias alças do macacão Missoni. — Talvez seja porque você está usando domingo de manhã uma roupa de sair sábado à noite. — Já eu tenho certeza de que é porque você está usando hoje a mesma roupa com que viajou ontem — retrucou Candace, ferina. — Para fazer amigos, nada como uma camiseta suada e uns jeans bem largões. Melody pensou em rebater, mas resolveu que não valia a pena. Não mudaria nada. Candace sempre acharia que beleza e boa aparência eram a chave universal para o sucesso. E Melody sempre teria esperança de que as pessoas fossem mais profundas que isso. Percorreram em silêncio o resto da Radcliffe Way. A sinuosa rua atravessava alguma espécie de bosque ou valezinho — de ambos os lados

~ 46 ~


da via, as casas tinham gramados na frente e matas cerradas nos fundos. Mas as similaridades entre os imóveis paravam por aí. Assim como as toras personalíssimas da residência dos Carver, cada casa tinha traços definidores que a tornavam única. A estrutura de concreto semelhante a um bunker, ali no beco, estava envolta num emaranhado de cabos elétricos e telefônicos que eram como uma cerca bastante feiosa. Um velho sobradão vitoriano estava completamente ensombrecido sob a copa de uns pés imensos de bordo, e uma sucessão interminável de sementes parecidas com hélices descia dessas árvores como helicópteros que iam pousar no musgo do solo. No número 9, uma piscina de fundo preto, mais dezenas de minichafarizes com estátuas de criaturas marinhas, proporcionava diversão a rodo para os moradores da casa. E estes, muito embora o sol estivesse enfiado debaixo de um edredom de nuvens prateadas, já estavam nadando, e fazendo chuá, como um bando de golfinhos brincalhões. Ficava cada vez mais evidente que Salem era uma cidade que enaltecia a diversidade e individualidade, um lugar que realmente acreditava na máxima do ―Viver e deixar viver‖. Melody sentiu uma pontada de remorso que, a bem dizer, estava mais para murro no estômago: seu antigo nariz teria sido aceito sem problemas naquele ambiente. — Olha! Apontou para um carro multicolorido que passou zunindo por elas. As portas, pretas, eram de Mercedes duas-portas. O capô, branco, de BMW. O porta-malas, prateado, era de Jaguar. O teto de conversível, vermelho, de Lexus. Os pneus de banda branca, de Bentley. Do retrovisor, pendia o ornamento metálico de capô de cada um daqueles

~ 47 ~


modelos de carro. O estéreo era Bose, e a música, clássica. Na placa personalizada, uma sigla muito apropriada, a mesma usada pelos veterinários: SRD. ―Sem raça definida.‖ — Aquele carro parece um comercial ambulante da Benetton — continuou Melody. — Ou um engavetamento na Rodeo Drive — disse a irmã, referindo-se à avenida que era a meca do comércio de luxo em Beverly Hills. Candace fotografou o SRD com a câmera do iPhone e mandou a imagem por e-mail para as amigas lá na Califórnia. Elas responderam na mesma hora, enviando fotos do que estavam fazendo. Devia ser alguma coisa com shopping center, pois Candace acelerou o passo depois que viraram na Staghorn Road e começou a perguntar a todo o mundo com menos de cinquenta anos de idade onde era que o pessoal descolado ia curtir em Salem. A resposta foi unânime: o Riverfront Park. Entretanto, as coisas naquele parque municipal só ficariam agitadas algumas horas mais tarde. Depois de uma longuíssima pausa para tomar café expresso com leite e diversas paradas para dar uma espiada na conferir as vitrines de lojas de roupas (que ofereciam artigos que Candace sentenciou serem ―incompráveis‖), já era enfim perto de meio-dia. Graças ao mapa do pai e à gentileza de estranhos, as garotas conseguiram navegar pela sonolenta cidade e chegaram ao Riverfront — perfeitamente cafeinadas e prontinhas para anunciar a própria presença aos descolados de Salem. — Mas é isso aí?! — Candace empacou de repente, como se tivesse batido a cara contra uma porta de vidro blindado. — É esse o epicentro do chiquê no noroeste dos Estados Unidos?! — berrou ao ver o carrinho

~ 48 ~


do vendedor de raspadinha, o playground e a construção de alvenaria que abrigava o carrossel. — Hum, estou sentido cheirinho de entrada de cinema — proclamou Melody, farejando pipoca e cachorro-quente no ar. — Podem até tirar o nariz da Tromba — brincou Candace. — Mas tirar a Tromba do nariz? De jeito nenhum! — É, muito engraçado — disse Melody, revirando os olhos. — Na verdade, não é, não! — protestou Candace, bufando. — Nada disso é engraçado. Nada! É um pesadelo, isto sim. Ouve só! Apontou para o carrossel. O som frenético, manjaco, da música de órgão — indispensável na trilha sonora de filme de terror, em especial para cenas com palhaços Psicopatas — zombava das duas com um ritmo ameaçadoramente alegre. — A única pessoa com mais de oito anos e menos de quarenta é aquele carinha ali. — Candace apontou para um rapaz que estava sozinho num banco de madeira. — E eu acho que ele está chorando. Esse adolescente estava curvado para adiante, e a cabeça pendia sobre um bloco de desenho. O rapaz levantava os olhos para ver o carrossel rodopiar e então voltava rapidamente a rabiscar. As axilas de Melody pinicaram de suor — seu corpo reconheceu o garoto antes mesmo que o cérebro o fizesse. — Vamos embora daqui — disse, dando um puxão no fino braço de Candace.

~ 49 ~


Já era tarde demais. Os lábios da irmã se retorceram num sorriso malicioso de satisfação, e aqueles tamancos plataforma se aferraram ao calçamento, salpicado de chicletes mascados. — Aquele não é...? — Não, não é! Vamos embora, vamos... — insistiu Melody, puxando com ainda mais força. — Eu acho que vi uma loja Bloomingdale‘s lá atrás do parque. Vamos lá. — É ele, sim! — Candace arrastou Melody na direção do rapaz. E, sorrindo de orelha a orelha, disse bem alto: — Oi vizinho! Ele ergueu a cabeça e depois tirou da frente do rosto uma grossa mecha castanha e ondulada. Melody sentiu um frio na barriga. De perto, o garoto era ainda mais bonitinho. As grossas lentes dos óculos de armação preta circundavam olhos castanho-claro

cintilantes,

fazendo

que

eles

parecessem

fotos

enquadradas de relâmpagos num céu escuro. O garoto tinha o visual nerd-chique de algum super-herói com identidade secreta. —Você se lembra da minha irmã lá da janela, não se lembra? — perguntou Candace com uma pontinha de espírito de vingança, como se fosse culpa de Melody Riverfront ser uma decepção tão grande. — Ahn, oi... Eu sou a... Melody — conseguiu dizer vermelha como um pimentão. — Jackson. Prazer. — Ele baixou os olhos. Candace deu uma puxadinha na camiseta básica, de Jackson. — A gente quase não reconheceu você de camisa. Jackson deu um sorriso nervoso; pouco à vontade seu olhar se fixou no desenho.

~ 50 ~


— Você até que é meio nerdgato — disse Candace, cheia de dengo, como se aquela contração de nerd e gato fosse uma palavra de verdade. — Será que você tem algum irmão mais velho que não precise de óculos... ou que use lente de contato? — Não, nenhum. — A pele lisa e muito branca de Jackson se ruborizou — Sou só eu mesmo. Melody pressionou os braços contra o corpo para esconder o suor nas axilas. — O que é que você está desenhando? — perguntou. Não era a indagação mais empolgante do mundo, mas era melhor do que qualquer das coisas que Candace ia dizer. Jackson olhou para o bloco de desenho como se o estivesse vendo pela primeira vez. É só o carrossel. Sabe como é, enquanto ele gira. Melody examinou aquele borrão de giz pastel. Dentro do que parecia um arco-íris manchado, viam-se os contornos sutis de cavalos e crianças. O desenho tinha um quê de diáfano e indefinível — como a lembrança inquietante de um sonho que, durante o dia todo, aparece e desaparece em clarões fragmentados. —Está realmente muito bom — disse ela, falando sério. — Quando você começou com isso? Jackson deu de ombros. — Uma meia hora. Estou esperando a minha mãe. A gente combinou de se encontrar aqui, e aí... Melody soltou uma risadinha.

~ 51 ~


— Não, o que eu quero saber é quando você começou a desenhar. Você sabe, como hobby. — Ah, tá — Jackson passou as mãos pelo cabelo. As mechas, embora inconstantes, voltavam ao lugar como se fossem cartas no ato de embaralhar. —Já faz uns anos. — Legal — Melody assentiu com a cabeça. — É —Jackson assentiu também. — Maneiro — Melody assentiu de novo. — Obrigado — Jackson assentiu outra vez. — OK — Melody assentiu... De repente, a música de órgão que vinha tão alto do carrossel pareceu ainda mais barulhenta. Era como se o ruído, oferecendo-lhes uma distração, tentasse resgatar os dois adolescentes daquela sucessão de frases de uma palavra só. — Bem, ahn, vocês são de onde? — perguntou Jackson a Candace, olhando para aquelas roupas de quem não podia ser do Oregon. — Beverly Hills — respondeu ela, no tom de quem achava que isso devia estar na cara. — A gente se mudou para cá por causa da minha asma — anunciou Melody. — Puxa, Mel, que sexy!... — Candace deu um suspiro de quem está desistindo de tudo. — Ué, mas é verdade!

~ 52 ~


Os traços antes tensos de Jackson se abriram num sorriso muito à vontade. Era como se Melody, com aquela confiança, houvesse perguntado à confiança dele se queria dançar. E a resposta foi sim. — Bem, ahn, você conhece a Merston High? — perguntou Melody, com voz cantada que agora supria toda a música necessária. — Conheço. — Jackson se deslocou para o lado, oferecendo silenciosamente metade do banco. — Eu estudo lá. Melody sentou. Continuou a pressionar os braços contra os lados do corpo, para a eventualidade de que o vento estivesse soprando dela para Jackson. — Em que série? Candace continuava de pé acima deles, digitando no celular. — Estou indo para a décima — respondeu Jackson. — Eu também. — Melody sorriu mais do que precisava. — É mesmo? —Jackson também sorriu. Ou melhor, seu sorriso anterior continuava lá. Melody assentiu. — Mas, e aí, como é que é o pessoal? E legal? Jackson baixou os olhos e então deu de ombros. O sorriso se esvaneceu. A música tinha parado. A dança dos dois terminou. Para Melody, o cheiro oleoso do giz pastel pairava no ar como o perfume daquele seu enlevo. — E então? — insistiu ela, tristemente, quando seu coração já batia em ritmo fúnebre. — É, acho que o pessoal é legal. É só que a minha mãe é a professora de ciências e ela é bem durona. Por isso, não é como se o

~ 53 ~


número do meu telefone estivesse na discagem automática de todo o mundo. — Na minha, ele pode ficar — propôs Melody, meiga. — Verdade? — perguntou Jackson, cuja testa começava a brilhar de suor. Melody assentiu, e agora seu coração batia em compasso mais alegre. Ela sentia-se surpreendentemente à vontade com aquele estranho. Talvez porque ele não estivesse olhando meramente para seu rosto; Jackson olhava para além, mais fundo. E não quis parar de olhar só porque ela usava roupa suada de viagem e já chegava contando que tinha asma a garotos nerdgatos. — Tudo bem, então. — Jackson perscrutou o rosto de Melody uma última vez e depois anotou o número de seu celular, com o lápis vermelho do desenho que vinha fazendo. — Aqui está. — Arrancou a folha do bloco, entregou a Melody e secou rapidamente a testa com as costas da mão. — É melhor eu ir andando. — ok. — Melody se levantou ao mesmo tempo que de, erguida pela força do vínculo que os dois haviam estabelecido. — A gente se vê. — Ele acenou sem jeito, voltou-se para o carrossel rodopiante e se afastou às pressas. — Você se saiu bem. — Candace botou o celular na bolsa. — Os nerdgatos são ótimos para praticar. Agora vamos achar algo para comer. — Ela passou os olhos bem depressa pelo parque. — Deve haver alguma coisa por aqui que não faça a gente pegar salmonela.

~ 54 ~


Melody seguiu Candace pelos caminhos serpeantes do Riverfront, olhando toda sorridente para o número telefônico em vermelho. Ter pedido o número era uma coisa. Juntar coragem para ligar, outra, muito diferente. Ainda assim, estava com o número. Jackson lhe tinha (lado. De livre e espontânea vontade! Desse modo, Melody não precisaria ficar matutando se a atração era apenas sua quando reencenasse na cabeça, quantas vezes quisesse, os detalhes da conversa que acabavam de ter. E ela faria exatamente isso. — Que tal pão de cachorro-quente sem salsicha? — sugeriu Candace. — E uma Coca Zero? — Eu passo. — Melody sorriu de orelha a orelha para o lindo céu nublado. Ela já não sentia nenhum vazio no estômago. Não mesmo.

~ 55 ~


CAPíTULO 6 NAdA é O QUE PAREcE Viveka bateu à porta do quarto-laboratório. — Vamos lá, Frankie! Já estamos nos atrasando! — Estou indo! — respondeu Frankie, tal qual havia feito quatro outras vezes naquela manhã. Mas o que ela realmente queria poder dizer era ―A pressa é inimiga da perfeição‖. Afinal, o modelito que estava ajeitando para a apreciação dos Glitterati ficou mesmo perfeito. Ou ficaria, tão logo ela escolhesse os óculos escuros certos. — Vocês gostam do branco? — Ela colocou uma armação plástica extragrande e fez pose, pondo a mão na cintura e projetando o queixo para a frente. — Ou do verde? Uma erupção vulcânica de roupas cobria o piso, dificultando a ação de desfilar para a plateia de ratos de laboratório, em especial quando se estava de sandálias superplataforma pink-metálico. Mas os ratinhos conseguiam captar a ideia mesmo sem toda a pompa e circunstância. Afinal, vinham colaborando havia três horas. E, até aquele momento, estavam fazendo ótimo trabalho. Raspando o vidro da gaiola uma vez (―Sim!‖) ou duas (―Não!‖), tinham dado o grande prêmio ao top listrado de preto e branco e à minissaia floral. Misturar padronagens estava muito em moda. — O branco ou o preto? — Frankie voltou a perguntar. Três ratinhos já estavam deitados uns sobre os outros, encolhidos e exaustos.

~ 56 ~


Os outros dois, entretanto, rasparam o vidro uma vez, indicando os óculos brancos. Excelente escolha, porque os verdes não chegavam a se destacar contra a pele de Frankie, e a última coisa que ela queria era passar despercebida no primeiro dia de colégio normie. Juntou os cabelos negros num rabo de cavalo bem alto, passou gloss nos lábios cheios e esfregou nos eletrodos do pescoço a amostra de perfume Estée Lauder Sensuous que tinha vindo numa das revistas. Porque, como a publicidade do perfume dizia, ―Toda mulher o usa do jeito dela‖. — Desejem-me sorte, Glitterati! — Frankie beijou a gaiola de vidro, deixando ali uma brilhante marca de gloss labial pink. Aqueles dois ratinhos ainda de pé se deixaram cair no mesmo monte de pelo e glitter dos outros. — Estou pronta! — anunciou Frankie. Os pais estavam em pé junto à pia-bancada de inox que ficava no meio da cozinha. Engoliam o café às pressas e se alternavam para morder o mesmo pãozinho — algo que obviamente faziam só para praticar para serem normais. Porque, assim como Frankie, eles se recarregavam de eletricidade e não precisavam comer. A casa era em L, com muita aresta e ângulo reto e uma predileção minimalista pelo branco. Cheirava a eletricidade e amônia — ou seja, a torrada queimada e eficiência. A luz matinal batia nas janelas foscas procurando algum jeito de entrar.

~ 57 ~


Tudo estava como sempre havia estado. Mas, ao mesmo tempo, tudo estava diferente. Vivo. Alegre. Elétrico. isso porque, pela primeira vez na vida, Frankie teria autorização para sair de casa. — A senhorita não vai a lugar nenhum vestida desse jeito! — disse Viktor, batendo violentamente com a caneca branca de café no jornal aberto que estava lendo sobre a bancada. — E o terninho, Frankie?! — quis saber Viveka, que, irritada, foi praticamente marchando ao encontro da filha. A maquiagem, o vestidosuéter de gola olímpica, os leggings pretos e as botas acima dos joelhos que a mãe usava adquiriam sentido totalmente novo agora que Frankie sabia a verdade. — Por que você não está usando a maquiagem da Fierce & Flawless?! — perguntou Viktor, falando alto e grosso. — Viva o verde! — respondeu Frankie, em tom de pregação, exatamente como faziam as revistas. — Não é essa é uma das principais bandeiras da nossa época? Além do mais, tenho orgulho de quem sou e de como vocês me fizeram. E, se as pessoas não gostarem de mim porque não sou normie, o problema é delas, não meu. — Bem, a senhorita não vai sair de casa desse jeito. — Viktor se manteve firme. — Não com as suturas e eletrodos para fora. — Mas, pai! — As pontas dos dedos de Frankie já soltavam faísca. — Usar terninho? Aquilo é o túmulo da moda! — Ela bateu com o salto plataforma no tapete branco. Infelizmente, a felpa densa abafou a frustração e não foi capaz de expressar a veemência de Frankie.

~ 58 ~


— Seu pai tem razão — insistiu Viveka. Frankie lançou um olhar feroz para Viktor e Viveka, os quais, de pele bege-esbranquecido como massa de cookie, respiravam ao ritmo da teimosia mútua e paternalista. — Ande logo — ordenou Viktor. — Antes que todos nós nos atrasemos. Frankie voltou batendo pé para o quarto. Reapareceu segundos depois, usando echarpe marrom e braceletes de couro, mas só porque a Teen Vogue os recomendara como acessórios indispensáveis para o outono que estava para começar. Deu um sorriso forçado, sarcástico. — Prontinho. Já cobri as suturas e eletrodos. Podemos ir? Viveka e Viktor se entreolharam e então foram para a porta lateral que dava na garagem. Frankie os seguiu naquele modelito absolutamente chocante. Seu sorriso, agora, era de triunfo. Estava a caminho de arrasar, tinha certeza. Bipe-bipe. As portas do carro, um utilitário esportivo preto da Volvo, se destravaram. —Ah, pai, vamos no SRD, vamos! — sugeriu Frankie. Ela recordava com carinho um passeio da família ao parque ecológico de Silver Falis — uma lembrança apenas implantada em sua memória — e queria vivenciar aquilo de verdade. — Acho que devemos ir em algo que dê menos na vista — insistiu Viktor.

~ 59 ~


— Mas, pai, o ―Faça você mesmo‖ é tão popular! — explicou Frankie. — E o SRD é a carrossonificação do ―Faça Você mesmo‖. Todo o mundo no colégio vai adorar. — Você quer dizer personificação, não? ―Carrossonificação‖ não existe! — ralhou Viktor. — E chega de blál-blá-blá. O trajeto para o colégio foi um tédio só. Na vida real, as árvores, carros, casas e até normies que Frankie via pelos vidros insufilmados não pareciam nada diferentes do que eram nos implantes de memória. O grande barato seria respirar ao ar livre. Mas baixar as janelas estava rigorosamente proibido, já que ela não tinha se coberto com Fierce & Flawless. Respirar, portanto, era outra coisa que teria de esperar. Depois de duas horas de viagem, o Volvo chegou enfim à Mount Hood High School. Frankie não conseguia acreditar que não existisse um colégio mais pero de casa, mas ela não teve coragem de dar um pio que fosse. Os pais já estavam irritados, e ela estava preocupada com a possibilidade de que outra desavença fizesse que a levassem de volta. Mal se dando ao trabalho de olhar para a majestosa montanha ao fiando ou as folhas vermelhas e amarelas que o vento fazia voarem sem rumo, Frankie saiu do carro e inspirou pela primeira vez o ar de verdade. Puro, fresco e livre de formol, tinha o cheiro de água da fonte numa bacia de terra. Frankie tirou os óculos escuros de armação branca e ergueu para o céu o rosto verde-menta. O sol direto lhe aqueceu e abraçou a pele. Os olhos lacrimejaram por causa da luz forte. Ou teria sido por causa da euforia que sentia? Não importava que Frankie nem fizesse ideia de para onde ir. Tampouco fazia diferença que ela nunca houvesse se aventurado para longe dos pais antes. Eles a tinham preenchido com tanto conhecimento e

~ 60 ~


confiança que Frankie certamente acharia o caminho. E curtiria muito fazer isso. Era esquisito ver a área externa do colégio vazia, com tão poucos carros no estacionamento. Ficou tentada a perguntar aos pais onde estava todo o mundo, mas resolveu desistir disso. Por que fazê-los pensar que não estava pronta? — Tem certeza de que não quer maquiagem? — perguntou Viveka, pondo a cabeça para fora da janela do passageiro. — Absoluta — garantiu Frankie. O sol em seus braços parecia mais energizante que todo o aparato do Carmen Electra. — Vejo vocês depois da aula. — Sorriu, mandando beijinho para despedir-se antes que eles desmoronassem por verem a filha partir. — Boa sorte no primeiro dia de trabalho na universidade. — Obrigado — disse Viktor. — Obrigada — disse Viveka. Os pais fa1ara em uníssono, é claro. Frankie caminhou alegremente para a entrada principal, farejando como se estivesse num self-servise de ar ao estilo ―Respire tudo o que quiser por um preço só‖. Podia sentir os olhares dos pais a acompanharem pelo estacionamento vazio, mas se recusou a olhar para trás. A partir daquele momento, só valia olhar para a frente. Subiu onze largos degraus até a porta dupla, dC tando até a sensação de dorzinha que o exercício de verdade estava lhe causando às pernas. Sentir era tão diferente de simplesmente ter conhecimento a respeito!

~ 61 ~


Depois de uma pausa rápida para retomar o folego, Frankie esticou a mão para a barra da porta e... — Ui! — A porta a atingiu bem na bochecha. Frankie, soltando faísca pelos eletrodos, cobriu com a mão o rosto, que já estava latejando, agachou-se e baixou a cabeça. — Ah, não! Você está bem? — perguntou um grupo de garotas em variados tons de voz. Elas se amontoavam ao redor da recém-chegada como se fossem uma cerca de arranha-céus. Uma miscelânea de perfumes afugentou de Frankie o ar fresco, deixando no lugar dele um acesso de náusea com aroma de frutas. — Foi puro acidente — disse uma das garotas, acarinhando o rabo de cavalo de Frankie. — A gente não viu você. Seu olho está bem? Para Frankie, esse gesto simpático se mostrou ainda mais caloroso que o sol. Os normies são legais! — Eu estou bem. — Ela sorriu e olhou para cima. — Foi mais o susto, entendem? — Mas de onde você saiu?! — Uma loira em uniforme verdeamarelo de animadora de torcida recuou, alarmada. — Do desenho do Shrek?! — Ou você está morrendo de enjoo, ou a sua pele é... verde! — observou mais uma loira. — Isto é alguma pegadinha? — perguntou outra, também se afastando só por via das dúvidas. — Não, a minha pele é cor de menta mesmo. — Sorriu, modestamente, e estendeu o braço para um aperto de mão amigável. Nisto, o bracelete saiu do lugar, revelando uma fileira de suturas no

~ 62 ~


pulso, mas Frankie não chegou a importar-se. Ela era daquele jeito, com suturas, eletrodos e tudo. — Sou nova aqui. Meu nome é Frankie, e eu venho da... — . . . fábrica de brinquedos? — perguntou uma garota, recuando lentamente. — Monstro! — berrou a única morena do grupo. Ela tirou um celular do sutiã, discou 190 e correu para dentro do colégio. — Ahhhhhhh! — gritaram as outras, sacudindo os braços e pernas como se eles estivessem cobertos de baratas. — Eu disse que dava azar treinar no domingo! — choramingou uma delas. As garotas dispararam para dentro e, com um desespero de arranhar ruidosamente o chão, empilharam cadeiras contra a porta. ―Domingo?!‖ Sirenes soaram ao longe. O Volvo preto parou cantando pneu ao pé da escada de entrada, e Viktor saiu correndo do carro. — Depressa, venha! — disse Viveka, chamando da janela aberta. Frankie, alheia e petrificada, viu o pai correr em sua direção. — Vamos cair fora daqui! — gritou ele. As sirenes estavam mais próximas. — Eu quis mesmo lhe dar uma lição — murmurou Viktor, erguendo a filha e carregando-a para onde era seguro. — Mas eu nunca devia ter deixado as coisas chegarem a este ponto.

~ 63 ~


Frankie desatou a chorar quando o pai saiu a toda do estacionamento e, também cantando pneu, pegou a Balsam Avenue. O Volvo se misturou ao tráfego justamente quando um montão de viaturas policiais chegou para cercar o colégio. — Bem na hora... — disse Viveka, baixinho, e lágrimas começaram a rolar por suas faces. A atenção de Viktor estava toda focada no trânsito mais adiante. Seu cenho parecia permanentemente franzido, e os finos lábios estavam cerradíssimos. Não seria necessário nenhum sermão do tipo ―Eu bem que avisei‖. Tampouco Frankie precisaria pedir desculpas. O que havia acontecido estava claro, e eram óbvias as coisas em que cada um deles podia ter agido diferentemente. Restava apenas uma questão: e agora? Frankie lançou um olhar feroz para o próprio rosto, que, banhado em lágrimas, se refletia na janela do carro. E a verdade não era nada bonita — sua aparência metia medo nos normies. As lágrimas, uma a uma, lhe saíam dos olhos como se saíssem de uma linha de montagem. Brotando, caindo e escorrendo... Brotando, caindo e escorrendo... Cada lágrima vinha para assinalar algo que Frankie tinha acabado de perder. A esperança. A fé. O orgulho. A segurança. A confiança nos outros e em si mesma. A alegria. A beleza. A liberdade. A inocência. O pai ligou o rádio. ―... suposta aparição de monstro na Mount Hood High deixou em pânico quatro animadoras de torcida.‖ As notícias corriam rápido. — Desligue, Viktor — disse Viveka, soluçando.

~ 64 ~


— É importante estar a par do que eles sabem — respondeu Viktor, aumentando o volume. — Precisamos saber o tamanho do estrago. Frankie soltou faísca. ―. . .diga-nos exatamente o que você viu‖, pediu a voz masculina e grave no rádio. ―A garota era verde... Isto é, eu acho que era uma garota. Mas é difícil dizer. Aconteceu tudo tão rápido! Num instante, aquilo estava lá fingindo ser humana. No outro, já tentava nos pegar como se fosse algum tipo de A voz da animadora de torcida começou a tremer.‖.., criatura do espaço!‖ A tristeza de Frankie se transformou em raiva, e assim permaneceu. — Eu estava tentando me apresentar a elas! ―Você

está segura

agora‖, disse

o

radialista, procurando

tranquilizar a entrevistada. ―Por que você não tira um minutinho para. . .?―, sugeriu ele, sem precisar concluir a fala. O homem, no que voltou a falar, já estava todo sério e direto. ―Salem conheceu a primeira aparição de monstros em 1940‖, explicou, ―quando um bando de lobisomens foi detido na divisa da Califórnia com o Oregon. Eles vinham carregando na boca sacos de lanches do McDonald‘s. As coisas tornaram a ficar tranquilas até 2007, quando um garoto chamado Billy começou a ficar invisível, e depois visível de novo, bem diante das pessoas. E, agora, uma criatura espacial verde foi avistada na Mount Hood High...‖ Viveka desligou abruptamente o rádio. — Pelo menos estão procurando uma alienígena. — Ela suspirou, aliviada.

~ 65 ~


— Frankie... — Viktor encarou a filha pelo retrovisor. — ... as aulas só começam na terça-feira. Depois do feriado. Não na Mount Hood High, mas na sua verdadeira escola. É a Merston High, e ela fica a três quarteirões de casa. Mas só vamos deixar você ir se... — Eu sei. Já entendi. — Frankie resmungou. — Vou usar o terninho, a maquiagem, tudo. Eu prometo. E falava a sério. A opção pelo verde já era coisa do passado.

~ 66 ~


CAPíTULO 7 SEM AMENdOIM, SEM GLúTEN OU SEM AMIGOS? O sinal do almoço tocou bipe-bipe-bipe, como um ruído de monitor cardíaco um tanto acelerado. A primeira manhã de aula na Merston High estava oficialmente encerrada. Na imaginação de Melody, o colégio já não era um lugar misterioso dotado de infinitas possibilidades e infinitos ganchos onde pendurar as esperanças de um amanhã melhor. Ele era completa e tediosamente normal. Do mesmo modo que quando se conhece um amor de Internet após meses de paquera online, a realidade não ficou à altura da fantasia. Era chata, previsível e muitíssimo menos atraente que nas fotos. Em termos arquitetônicos, o triângulo de tijolinho amarelomostarda era mais sem graça que caixinha de chiclete Trident. O cheiro de suor, lápis, borracha e livro de biblioteca (o que, às duas da tarde, já seria certamente uma cefaleia causada pelo cheiro de suor, lápis, borracha e livro de biblioteca) era tão típico! Já as bobagens escritas nas carteiras eram inocentes e nem se comparavam às que Melody costumava ver em Beverly Hills, bem mais escandalosas. Cansada, faminta e decepcionada, Melody sentia-se uma refugiada, só que um pouquinho mais estilosa, enquanto marchava a passo médio junto com outros que buscavam comida. Usando (por insistência da irmã) o jeans skinny preto de Candace, camiseta pink com estampa do The Clash e tênis All-Star também pink, ela era um revival dos anos 70 numa

~ 67 ~


escola que ainda vestia a moda anos 60 do festival de Woodstock. Seu figurino punk-gracinha parecia desnecessariamente áspero em meio às saias rodadas e camisas de flanela xadrez, fazendo Melody sentir-se como se tivesse ido ao show errado. Mesmo seus cabelos negros exibiam uma apatia contestatória, graças a um frasquinho de viagem no qual, por engano,

os

Carver

haviam

rotulado

XAMPU

em

vez

de

CONDICIONADOR. Melody tinha a esperança que o visual de garota durona mostrasse aos alunos da Merston que ela não era mais Tromba de ninguém. O que deve ter funcionado, porque todo o mundo que era bonito não fez basicamente caso dela a manhã inteira. Já alguns garotos de aparência mais ou menos a olharam com bastante interesse, corno se ela fosse um pedaço de bolo que, posto ali rio carrinho de sobremesas, justificasse o investimento. Em alguns casos, ela até se permitiu retribuir o sorriso, fazendo de conta que a olhavam não pela criação perfeitamente simétrica do pai, e sim pelo que ela era de fato. Era assim que Melody achava ter sido vista por Jackson - mas, aparentemente, estava errada. Depois daquela conversa no parque, o cara bonzinho que tinha escrito o número do celular a giz pastel vermelho tomou um chá de sumiço que foi tanto físico quanto telefônico. Melody, após ter afixado o desenho com durex na parede de toras de seu quarto, colocou Jackson na discagem rápida como ―J‖. E o que ela não deixou de fazer foi usar esse recurso!

Mas

Jackson

nunca

respondia.

Melody

rememorava

obsessivamente aquele encontro entre os dois no parque, lendo nas entrelinhas, esmiuçando as palavras, dissecando a expressão corporal... e não achava explicação lógica para o silêncio do rapaz.

~ 68 ~


Talvez tivesse sido a conversa pouco à vontade, sem jeito. ―Mas a falta de jeito não é justamente uma coisa que temos em comum?‖ Melody, depois de muito ter analisado o assunto durante quarenta e quatro horas, havia chegado a uma conclusão. No fim das contas, a culpa só podia ter sido mesmo da roupa de viagem, amassada e suada, que estava usando naquele dia. E então Melody tomou conhecimento do ―velho truque do nerdgato‖, coisa que Candace lhe apresentou enquanto balançavam no sofá da varanda, curtindo a última noite de verão em que estariam livres de fazer dever de casa. — É uma mutreta clássica — explicou Candace após o terceiro torpedo sem resposta que Melody mandava a Jackson. — O cara banca o nerdgato só para ganhar a confiança da menina. Depois que consegue isso, ele dá uma de sumido por uns dias. Isso faz a menina se amarrar ainda mais, porque afinal ela está preocupada. E a preocupação logo vira insegurança. E aí... — Candace estalou os dedos. — .. . ele reaparece do nada e a pega de surpresa. A menina fica tão aliviada em ver que o carinha não morreu, e tããããão contente por ver que ele ainda gosta dela, que se atira para ele. E, logo que estão abraçadinhos, ele vira o... — Fez uma pausa dramática — . . . cafa! Também conhecido como tarado. Ou verme. — Ele não está passando conversa em mim — insistiu Melody, dando outra olhadela para o iPhone. Mas Jackson estava mesmo sumido. Não dava nem sinal de vida. — Muito bem, então. — Candace se levantou de um pulo. — Só não vá ficar espantada se esse cara não for quem você pensa que ele é. — Ela estalou os dedos e disse: — Fui! Depois, entrou decidida na casa.

~ 69 ~


— Agradeço o conselho — disse-lhe Melody, falando mais alto e matutando se Jackson não a estaria observando da janela do quarto dele. Se ele não estava fazendo isso, onde é que tinha se enfiado, então? E, se estava, por que é que não telefonava? Agora, na escola, Melody tentava deixar de lado todo aquele excesso de análise do assunto e, arrastando os pés junto com o resto dos alunos, entrou no bandejão. Todo o mundo se espalhou para guardar lugar enquanto o alto-falante tocava uma canção de Jack Johnson, ―Hope‖, que tinha aquela batida de reggae. Melody se deteve junto à mesinha do pessoal que queria se inscrever na Comissão do Gala de Setembro (o que quer que fosse isso). Ela fingia ler sobre as diversas oportunidades de voluntariado ao mesmo tempo que avaliava a política do bandejão. Havia imaginado que, naquela altura, já teria visto Jackson. Era o primeiro dia de aula, e afinal a mãe dele, aquela que chamavam apenas de sra.J., era professora de ciências. Mas o rapaz, obviamente, fugia também da mãe. O cheiro forte e penetrante de ketchup e carne (bolo de carne moída ao forno?) se sobrepunha aos quatro ―setores alimentares‖ diferentes, definidos pela cor das cadeiras e identificados por entusiásticos cartazes pintados à mão, O setor sem amendoim era marrom; o sem glúten, azul; o sem lactose, laranja; e o sem alergia, para quem podia comer de tudo, branco. Alunos carregando bandejas numa dessas respectivas cores corriam a marcar território como se competissem pelos melhores lugares na estreia de Avatar em 3D em algum cinema Imax. Tão logo haviam reivindicado devidamente seu espaço, caminharam em passo já normal

~ 70 ~


para o balcão de atendimento correspondente, a fim de fazer a seleção nutricional autorizada e pôr a conversa em dia com os amigos. — Em Beverly Hills, existia um setor só — disse Melody à morena com cara de cavalo que cuidava da mesinha de inscrição do Gala de Setembro. — O sem-comida. — Deu uma risadinha com a própria piada. A cara de cavalo franziu o cenho, juntando assim as grossas sobrancelhas, e começou a arrumar a já arrumadíssima pilha de fichas de inscrição. ―Ah, que ótimo‖, pensou Melody, afastando-se aos pouquinhos. ―Talvez criem um ‗setor sem amigos‘ só para mim.‖ A canção de Jack Johnson terminou e deu vez a algo da Dave Matthews Band, de tom igualmente nostálgico e gostoso. Era a hora de Melody também trocar o disco. Menos mal que podia sempre ficar junto de Candace, que estava sentada entre duas outras louras no setor sem alergia, lendo a palma da mão de uma delas. Melody empurrou a bandeja pela guia do balcão, mirando adiante o último pedaço de pizza de muçarela com champignon. Um casalzinho que estava de mãos dadas atrás de Melody espiou por cima dos ombros dela para ver os pratos do dia. Mas não pareciam minimamente interessados no ravióli à bolonhesa nem no hambúrguer de salmão. Em vez disso, falavam de suas últimas twittadas. As quais, se Melody entendeu direito, referiam-se à aparição de algum monstro no colégio perto do monte Hood. —Juro, Bek — disse o carinha, falando baixo e firme —, que quero ser eu a pegar o tal monstro.

~ 71 ~


— E você ia fazer o que com ele? — perguntou ela, parecendo verdadeiramente preocupada. — Ah, já sei! Ia empalhar a cabeça e botar na parede da cama. E fazer os braços de cabide, as pernas de segurador de porta e a bunda de porta-caneta! — De jeito nenhum — retrucou ele, como se tivesse ficado ofendido. — Eu ganharia a confiança do monstro e depois faria um documentário sobre a imigração anual. ―A o quê?!‖, perguntou-se Melody. Ela já não conseguia fingir nem por um minuto mais o interesse no purê de batata com alho. Estava morrendo de curiosidade pelo que o casal conversava. Tensa, virando-se meio de lado (tal e qual nos viramos para quem fala alto no cinema), Melody deu uma olhada nos dois. O rapaz tinha cabelo preto tingido, com pontas desiguais que tinha sido cortadas ou por uma tesoura enferrujada, ou por pica-pau vingativo. Olhos azul-anil travessos cintilavam contra uma pele muito branca. Ele a viu olhar e sorriu de orelha a orelha. Melody se virou depressa para a frente, mas ficou com uma imagem do rapaz — a camiseta verde de Frankenstein, as calças pretas folgadas nos quadris e estreitas na canela e as unhas também pintadas de preto. — Ei! — rosnou a namorada para o garoto. — Eu vi isso! — O quê? — Ele fez igualzinho a Beau quando Glory o apanhava bebendo leite direto da caixa. — Ah, deixa para lá! — Bek o empurrou bruscamente o balcão. Ela usava vestido rodado, branco, e botinhas australianas da UGG, cor de

~ 72 ~


pêssego. Em matéria de guarda-roupa, ela era a Bela, e o namorado, a Fera. A fila avançava minimamente. — Que conversa foi aquela? — perguntou Melody à garota mignon que estava de pé a seu lado. Essa garota, trajando terninho de lã grossa e maquiagem completa, também parecia ter vindo ao espetáculo errado. Vestia-se como se, em vez de alguma banda de rock, preferisse ouvir música de elevador enquanto subia a toda para o andar da presidência de grande empresa. — Acho que ela está com ciúme — sussurrou a garota, acanhada. Tinha traços delicados, simétricos, que Beau teria apreciado. E longos cabelos negros como os de Melody. Só que mais reluzentes, é claro. — Não. — Melody abriu um sorriso. — Eu falo desta coisa de monstro. É alguma piada local? — Ahn... Eu não sei. — A garota balançou a cabeça, e sua espessa cabeleira negra lhe caiu no rosto. — Sou nova aqui. — Eu também! Meu nome é Melody. — Dando um sorriso exultante, ofereceu a mão direita. — Frankie. — Ela retribuiu o cumprimento, segurando e sacudindo com firmeza a mão de Melody. Uma faísca ínfima de eletricidade estática passou entre as duas. Foi como ter tirado o suéter numa estação de esqui. — Ai! — Melody deu uma risadinha depois do choque elétrico.

~ 73 ~


— Me desculpe — disse Frankie, abruptamente, enquanto seus belos traços se contorciam de arrependimento. Antes que Melody pudesse responder que estava tudo bem, Frankie foi-se embora, deixando no balcão a bandeja branca e na palma da mão de Melody a ardência de outra amizade azarada. De repente, dispararam um flash em seu rosto. — Mas que di...? — Em meio a uma sucessão de pontos brancos pulsantes, Melody viu uma garota baixa com franja cor de caramelo e óculos de armação de tartaruga sair às pressas dali. — Oi — disse uma voz masculina e conhecida. Lentamente, os pontinhos de luz do flash começaram a sumir. Um a um, como num efeito especial vagabundo, eles desapareceram, e a visão antes turva de Melody recuperou o foco. E lá estava o garoto... Usava camisa branca para fora das calças, jeans um- pinhos e passadinhos para volta às aulas e botas marrons de trekking. Um sorriso irreprimível lhe iluminava o rosto discretamente bonito. —Jackson! — bradou Melody. Depois, resistiu à tentação de abraçálo. ―E se for alguma armação de nerdgato?‖ — E aí? — Bem. E você? — Andei doente o fim de semana inteiro. — Ele falava como se isso pudesse mesmo ser verdade.

~ 74 ~


— Doente demais para atender o celular? — perguntou Melody, falando sem pensar. Bem, mas e daí se ela parecia uma maluca possessiva? Afinal, Jackson era possivelmente um vigarista nerdgato. — Alguém aí está com fome? — disse a Melody o homem que servia a comida. Ele tinha físico de pera e bigode escuro e fez o pegador de inox estalar na direção de Melody. — Vai querer o quê? — Ahn... — Ela olhou cobiçosamente para o último pedaço de pizza de champignon. E este retribuiu o olhar, como se fosse um cachorrinho de pet shop a fazer o derradeiro apelo de adoção. Mas, por ora, o estressado estômago de Melody não conseguiria digerir aquilo. — Não vou querer nada daqui, não. Obrigada. Pegaria apenas sobremesa. Jackson a seguiu. — Mas, então, para que colocar alguém na discagem automática se ninguém atende? — perguntou Melody, que deixou cair na bandeja um cacho de uvas e um bolinho inglês de amora. — E para que atender se ninguém telefona? — rebateu Jackson. Ainda

assim,

os

cantos

de

seu

sorriso

estavam

indulgentes,

compreensivos e até brincalhões. — Mas eu telefonei, sim! — Melody pôs uma uva na boca antes de pagar o que tinha pegado no bandejão. —Tipo, três vezes. (Haviam sido mais. Tipo, sete vezes. Entretanto, por que deixar as coisas mais constrangedoras do que já estavam?) Jackson, para provar o que dizia, tirou do bolso das calças um celular flip e o sacudiu diante do rosto de Melody. O visor indicava que

~ 75 ~


não se tinha recebido nenhuma mensagem. Ele também mostrava o número telefônico. O qual, por acaso, terminava em 7. Não em 1. Melody ficou vermelha como um pimentão ao lembrar a mancha vermelha de polegar junto ao número de Jackson na folha de bloco de desenho. O polegar dela. Aquele responsável por ter castrado o 7 de Jackson. — Epa. Ela deu sua risadinha. — Acho que sei o que aconteceu. Jackson apanhou um saco de batata chip e uma latinha de Sprite. — Bem, ahn... Você vai querer sentar comigo? Se não quiser, eu entendo... —

Claro

que

quero!

disse

Melody,

e

então

seguiu

orgulhosamente seu primeiro amigo (com potencial para ser namorado) na Merston High. Foram para o setor dos sem-alergia. Duas atraentes garotas alternativas, absortas na própria conversa, tentaram se espremer para passar por eles. A que parecia Shakira, com madeixas castanho-avermelhadas e uma bandeja carregada de Xchurrasco, conseguiu passar por Jackson. Mas a outra, de franja preta e avantajadas luzes douradas, imprensou-se entre o ombro de Melody e uma cadeira azul. — Cuidado! — vociferou, tentando se equilibrar nas sandálias plataforma douradas. — Desculpe... — Melody a agarrou pelo braço cor de café com leite da garota antes que ela caísse. Infelizmente, não pôde salvar o almoço da desconhecida. A bandeja de plástico branco despencou estrondosamente no chão. Uvas tintas se espalharam como pérolas (te um colar que houvesse se partido, ao mesmo tempo que o bandejão, em princípio tão dividido, se unia numa salva de palmas.

~ 76 ~


— Por que é que as pessoas sempre aplaudem quando alguém deixa cair alguma coisa? — perguntou Jackson, corando com toda aquela atenção súbita. Melody deu de ombros. A garota da franja e das luzes, obviamente muito à vontade no centro do palco, distribuiu beijinhos para a plateia. Usando um vestido curtinho preto e turquesa, tinha aquele porte de patinadora olímpica. Quando o aplauso se encerrou, a garota se virou para Melody, e o sorriso se apagou como o palco depois que baixa a cortina. — Por que você não olha por onde anda? — bufou. Melody riu. Parecia que toda batalha de colégio começava com aquela mesmíssima fala. — E aí? — insistiu a garota. — Na verdade — retrucou Melody, tirando forças da camiseta do The Clash —, foi você que quis passar por onde não dava. — Mentira! — esbravejou a garota dos X-churrascos. Disse isso tão depressa que mais pareceu um espirro. — Eu vi tudo, e foi você que deu trombada na Cleo. — A esbravejadora usava leggings roxos e blusão preto de aviador, com gola forrada de pele castanho- avermelhada como seus cabelos. Não era bem o que Melody esperava do Estado dos Castores, uns bichinhos discretos. Do Estado dos Exibidos, talvez. — Foi acidente, Claudine — explicou Jackson, claramente tentando manter a paz.

~ 77 ~


— Já entendi. — Cleo lambeu o gloss dos lábios como NC provasse a deliciosa ideia que estava tendo. Sorriu de orelha a orelha para Melody. — Me dá as suas uvas, que ficamos quites. — De jeito nenhum! A culpa foi sua — contra-atacou Melody, surpresa com a própria coragem ( e súbito entusiasmo por uva). Tinha passado quinze anos dando uva para pequenos tiranos e tiranas. E estava farta disso. — Escuta aqui, Melorreia... — Cleo se inclinou para mais perto e cerrou os dentes. — Como é que você sabe o meu nome? Claudine deu uma gargalhada estrondosa. — Eu sei de tudo por aqui.— Cleo abriu bem os braços, reivindicando o bandejão como reino seu. Bem, alvez fosse mesmo. Ainda assim, Melorreia não era a reles súdita de ninguém. — Eu também sei — Cleo levantou a voz, continuando a representar para os Lãs nas cadeiras azuis — que, se não me der essas uvas, você vai comer é lá. — Apontou a mesa vazia que ficava ao lado do banheiro dos meninos. A mesa estava salpicada de papel higiênico molhado e pastilhas desodorizantes, dessas para mictório, esmigalhadas. A distância, por sobre o ombro de Cleo, Melody via Candace rir com as novas amigas, pairando acima do mundo numa bolha candaceana de felicidade, totalmente alheia ao drama da irmã. — E então? — Cleo pôs as mãos nos quadris esguios e ficou batendo impacientemente a ponta dos dedos.

~ 78 ~


Melody foi dominada pela vertigem. No entanto, a visão de túnel apurou seus sentidos e os hiperfocou nos exóticos traços egípcios de Cleo. ―Por que é que as garotas bonitas sempre se acham tão cheias de direitos? Por que é que não conseguem usar a beleza para o bem em vez do mal? O que é que papai acharia da pinta assimétrica à direita do olho dela?‖ A verdade era que Melody não tinha a mínima ideia do que fazer em seguida. Outras pessoas olhavam fixamente. Ejackson se mostrava inquieto. Estaria ele torcendo para que Melody desistisse? Ou queria que ela marcasse território e lutasse? Os ouvidos de Melody zumbiam. — E então?! — reiterou Cleo, com seus olhos azuis quase violáceos se franzindo num derradeiro aviso. O coração de Melody batia desesperadamente contra o peito, tentando sair dali antes que as coisas ficassem feias. Apesar disso, ela conseguiu também fazer cara feia e dar uma resposta: — Pode esquecer. Claudine ficou boquiaberta, e Jackson, ainda mais tenso. A garotada das cadeiras azuis se entreolhou com aquela expressão de ―Epa! E não é que.. . ?―. Melody, para não desmaiar, cravou as unhas nas palmas das mãos. — Pois muito bem. — Cleo se adiantou um passo. —Ai, ai, ai... — disse Claudine, que, com uma alegre expectativa de menininha, retorcia uma das mechas castanho-avermelhadas. O primeiro instinto de Melody foi proteger o rosto, que os punhos cheios de anéis de Cleo pareciam prestes a socar. Mas, nesse âmbito, não havia nada que o pai não conseguisse consertar. Assim, Melody se

~ 79 ~


manteve firme e se preparou para receber o primeiro murro. As pessoas pelo menos saberiam que ela não tinha medo. — Você pegou uma coisa que era minha? — disse Cleo. — Pois então eu vou pegar uma coisa que é sua! — Eu não peguei nada de você — insistiu Melody. Já era tarde demais, porém. Cleo colocou mais gloss nos lábios, gingou na pona das sandálias plataforma, estendeu os braços até Jackson e o puxou para juntinho de si. De repente, ela o estava beijando. — Ah, meu Deus! — disse Melody, rindo, incapaz de processar tamanho absurdo. Voltou-se, desesperada, para Claudine. — O que é que ela está fazendo?! Claudine não lhe deu atenção. — Jackson! — gritou Melody, praticamente guinchando. Mas Jackson já estava num setor só dele: a cor era o vermelho, e as bandejas de comida tinham formato de coração. Virando-se para lá e para cá, Jackson se deixava conduzir por Cleo como se estivessem na Dança dos Famosos. Para alguém sempre tão apreensivo, ele parecia estranhamente à vontade. ―Será que os dois têm alguma história juntos? Têm algum segredo? Já dividiram escova de dentes?‖ Fosse o que fosse, aquilo fez que Melody se sentisse outra vez a excluída boba e patética. Talvez Candace estivesse certa — podiam tirar o nariz da Tromba, mas não a Tromba do nariz, porque essa estaria sempre lá.

~ 80 ~


— Uúúúú! — disse Cleo, arfando e enfim soltando Jackson. Recebeu outra salva de palmas. Mas, dessa vez, não mandou beijinhos nem acenos. Simplesmente lambeu os lábios, saiu de braços dados com Claudine e, exibindo o andar arrogante e descolado de satisfeita, foi para as cadeiras livres no setor branco. — Prazer em te conhecer, Melorreja — Ela disse isso por sobre o ombro, enquanto deixava pelo caminho um rastro de uva esmagada. — Que diabo foi isso?! — quis saber Melody, que fervbi sentindo o calor de meia centena de olhares. Jackson tirou os óculos. A testa estava banhada em tior. — Será que alguém está com ciúme? — perguntou ele, com um risinho zombeteiro. — Como é que é?! — Melody precisou se apoiar numa cadeira azul. Jackson estalou os dedos ao ritmo de ―Blah blah hlah‖, a canção de Ke$ha, que o alto-falante tinha começado a tocar. Para acompanhar, Jackson também já estava dançando. — Só estou falando... — Ele cruzou uma perna sobre a outra e girou como se estivesse no palco de um programa de sou! music. — O verde de inveja não lhe cai beeeeem. — De repente, sua voz parecia ter ganhado uma dose daquele tom de radialista de programação romântica nas altas horas. — Não estou com ciúme, não! — rebateu Melody, desejando que Cleo tivesse apenas lhe partido a cara e dado a questão por encerrada assim. — “Stop ta-ta-talking that... Blah blah blah…‖ — Jackson cantava com Ke$ha. Ele fez sinal de positivo para uma mesa cheia de garotas que também estavam cantando.

~ 81 ~


— Eu só não entendo como é que você pode ficar parado e deixar que ela... — Se aproveite de mim? —Jackson levantou uma sobrancelha. — É, foi mesmo horrível. — Ele fez beicinho. — Aliás, foi tão horrível que vou sentar com ela. — Vai, é?! Jackson apontou os indicadores para Melody como se fossem revólveres e os disparou junto com piscadelas. — Vou, sim. — Começou a seguir a trilha de uva amassada e, num surto de Fred Astaire, foi chutando-as para os lados enquanto andava e dançava. Melody jogou a bandeja na mesa que estava a suas costas. Comer, agora, estava fora de cogitação. Seu estômago estava embru... — Bolinho inglês! — gritou uma garota, com voz estridente. Quem estava ali se afastou como se Melody tivesse feito xixi na piscina, O setor sem glúten foi evacuado de imediato, deixando Melody se apoquentar sozinha na impureza que ela mesma tinha causado. Sentou. Sozinha. Ali, cercada de comida à base de farinha de quinoa, milhete e amaranto, viu o próprio reflexo, truncado, num portaguardanapo de alumínio amassado. A cabeça distorcida, em forma de amendoim, parecia o quadro O grito, de Edvard Munch. Apesar do novo rosto, o que ela enxergava era a velha Melody disforme. E estava óbvio que nem mesmo todas as plásticas de nariz, camisetas do The Clash e números de telefone escritos a pastel vermelho conseguiam mudar isso.

~ 82 ~


Seu olhar agora era duro, suas faces estavam sem vida, e os cantos da boca pendiam como se puxados para baixo por pequeninos chumbos de pesca. — Bela granada de glúten — disse uma voz feminina, dando risadinha. Melody se voltou para estranha. — Ahn? Uma garota sardenta, de olhos verdes meio oblíquos e cabelos escuros e ondulados que iam até os ombros, deu um suspiro. Era a mesma que tinha sugerido ao namorado o porta-caneta de bunda de monstro. — Eu disse ―Bela granada de glúten‖. Você pôs mesmo os azuizinhos para correr, hein? Da próxima vez, tente derramar leite no selor laranja. A gente chama isso de obrada láctea. Melody tentou rir, mas o que saiu de sua garganta estava mais para gemido. — O que acontece? — perguntou a garota. Para quem é CB, você parece meio por baixo. — CB?! — rebateu Melody, cortante, ansiando por segundo de normalidade que fosse. — É, CB — repetiu outra garota, essa pequena e tímida. Era aquela que a havia fotografado e ofuscado com flash um momento antes de ele ter aparecido. — E o que é CB? — perguntou Melody, só porq ninguém mais estava falando com ela e porque já tinha cansado de ficar sozinha.

~ 83 ~


— Concorrência Brava — explicou a sardenta. — Todo o mundo está dizendo que você é a novata mais bonita do ano. E, apesar disso... — Ela interrompeu a fala. — E, apesar disso, o quê? — E, apesar disso, você está sendo tratada feito uma completa... — Com o indicador e o dedo médio, ela bateu de leve no lado da cabeça, duas vezes. — Ai, como é mesmo que se diz? — Não concorrente — respondeu a baixinha de franja. — Isso! Excelente escolha de palavras. — A sardenta sacudiu os polegares como se estivesse digitando no celular e ordenou à baixota: — Escreve isso aí, vai. A outra assentiu, obediente.Tirou um celular do bolso externo da pasta executiva feminina (verde, imitação de couro de crocodilo), abriu o teclado e começou a digitar. — O que é que ela está escrevendo? — perguntou Melody. — Quem? A Haylee? — perguntou a sardenta, como se houvesse dúzias de outras garotas tomando nota daquela conversa. — Ela está me assessorando. Melody

assentiu

com

a

cabeça,

como

se

aquilo

fosse

superinteressante, e depois olhou detidamente para o outro lado do bandejão. Ele estava sentado à mesa dela, pegando uva num cacho novo e colocando na boquitiba dela. Dava vontade de vomitar. A mão da sardenta surgiu abaixo do nariz de Melody. — Meu nome é Bekka Madden. Sou a autora de Bek voltou e está melhor do que nunca. Sou a verdadeira história do retorno de uma garota à popularidade depois

~ 84 ~


qu. outra garota, cujo nome não vou mencionar— CLEO!—, se engraçou como Brett, levou uma da Bekka e depois foi dizer à escola inteira que a Bekka era violenta e devia ser evitada de todo jeito. — Puxa. — Melody apertou a mão de Beklca. — Parece bem... detalhado. — Ela riu. — Vai ser um desses romances para ler no celular. — explicou Haylee, que fechou o teclado com um dique rápido e tornou a colocá-lo na pasta. — Sabe como é, igual aos que fazem no Japão. Só que este vai ser na nossa língua. — Obviamente... — Bekka deu outro suspiro, como quem diz ―É, hoje em dia não se acha criadagem que preste‖. Sentou à mesa, pôs as mãos debaixo do traseiro e chutou alegremente uma das cadeiras azuis com as botinhas UGG. Haylee ajustou os óculos e lambeu o gloss rosa-chiclete da boca. — Eu estou documentando a luta da Bek. — Legal — disse Melody, concordando também com a cabeça e tentando mostrar encorajamento. Alguma coisa em Bekka e Haylee fez que se lembrasse da linha tênue que, em Candace, separava a eugenhosidade da loucura. A engenhosidade inspirava os sonhos delas, e a loucura lhes dava coragem para ir atrás deles. Era algo que Melody queria para si mesma, Entretanto,já não tinha nenhum sonho inspirador que valesse a pena buscar, e isso porque Jackson havia se revelado um galinhão que saía correndo atrás era de quem estivesse mais fácil... — Eu também quero acabar com a raça dela — disse Bekka.

~ 85 ~


Melody ficou vermelha como um pimentão. Era assim tão evidente que estava olhando para Cleo e Jackson? Bekka propôs: —A gente podia juntar forças, sabe como é. Seus olhos verdes se fixaram nos cinzentos de Melody. Haylee sacou do celular e recomeçou a digitar. — Eu não quero vingança — afirmou Melody, raspando o esmalte incolor de uma das unhas, O que ela queria estava, naquele momento, dando uva na boca de uma CB sentada a outra mesa. — E que tal sermos amigas? — A fisionomia de Bekka aqueceu o coração de Melody do mesmo jeito que chocolate quente num domingo de chuva. — É, isso poderia dar certo. — Melody juntou um pui hado de cabelos pretos com excesso de condicionador depois o deixou cair de volta entre as omoplatas. Bekka fez um único sinal de cabeça para Haylee. A zelosa assistente, ainda em pé, empurrou de lado os almoços sem glúten que haviam sido largados ali, enfiou a mão dentro da pasta e puxou de lá uma folha de papel cor de creme. Haylee então colocou a folha abruptamente sobre a mesa e se afastou para deixar que Bekka explicasse. — Promete que você nunca vai paquerar Brett Redding, nunca se enrabichar com Brett Redding, nunca deixar de descer a mão em qualquer menina que se enrabiche com Brett Redding e...?

~ 86 ~


— Quem é Brett Redding? — perguntou Melody, muito embora tivesse um forte palpite de que se tratava do aspirante a diretor de documentários sobre monstros. — O Brett é o namorado da Bekka. — Haylee respondeu. — Estão juntos desde a sétima série. E ficam um nojo de tão bonitinhos juntos. — É verdade. Ficamos mesmo. — Beklca abriu um sorriso de orelha a orelha, numa euforia sem culpa ou constrangimento. A inveja picava a pele de Melody como um mosquito. Melody não queria Brett, mas a tal euforia sem culpa ou constrangimento bem que viria a calhar. — Ultimamente, ele tem olhado para as CBs da escola quando acha que não estou olhando. — Bekka perscrutou como um farol de busca o público, cada vez mais ralo, do bandejão. — O que ele não sabe é que... — Ela está sempre olhando — completou Haylee, ao mesmo tempo que digitava. — .. . eu estou sempre olhando. — Bekka bateu na própria têmpora com o indicador e o dedo médio, duas vezes. Voltou-se outra vez para Melody. — Então, assine o documento, declarando que você não vai trair a minha confiança, e em troca eu lhe juro lealdade pela vida toda. Haylee se pôs junto e acima de Melody, fazendo dique-dique com uma caneta retrátil prata e vermelha. Era aquilo que Melody usaria para assinar caso aceitasse a proposta. Melody fez que leu o documento, para dar a impressão de que não era o tipo de tapada que assina as coisas sem ler, muito embora fosse justamente esse tipo. Seu olhar passou correndo pelo que estava escrito

~ 87 ~


ali, ao mesmo tempo que sua mente procurava um motivo para cair fora daquele insólito acordo. Mas Melody não tinha muita experiência no ramo de fazer amigos. Pelo pouco que sabia, bem podia ser daquele jeito que se faziam as coisas. — Parece ok — declarou, tirando a caneta da mão de Haylee. Assinou e datou o documento. — A carteirinha da escola— pediu Haylee, estendendo a palma da mão. — Para quê? — perguntou Melody. — Para registro. — Empurrou os óculos mais para cima no largo nariz. Melody atirou sobre a mesa a carteirinha da Merston High. — Bela foto — murmurou Haylee, enquanto rabiscava as informações necessárias. — Obrigada — murmurou também Melody, estudando o próprio rosto na carteirinha plastificada. Ele a mostrava radiante como uma abóbora de Halloween com a vela acesa lá dentro. Isso porque, quando foi tirar a foto, estava pensando nele. Imaginando quando topariam um com o outro... como seria.., o que ele diria... Ah, se Melody pudesse voltar no tempo e contar àquela garota de olhar sonhador o que ela sabia agora!... Haylee devolveu a carteirinha e depois começou a conectar uma câmera digital a uma impressora portátil. Segundos depois, uma foto de Melody, sem a luz de vela, estava sendo anexada com clipe ao canto superior do documento e arquivada dentro da pastinha executiva verde.

~ 88 ~


— Parabéns, Melody Carver. Bem-vinda ao rebanho — disse Bekka, puxando Melody e Haylee para um abraço coletivo. Uma delas cheirava a morango. — Existem duas regras que eu gostaria de compartilhar com você. — Bekka espremeu gloss transparente de um rubinho e o aplicou de leve nos lábios. Esperou até que os polegares de Haylee entrassem em contato com o teclado do celular. — Primeira regra: as amigas antes de tudo. Haylee digitou. Melody assentiu. Concordava plenamente. — Segunda regra. — Bekka pegou uma uva no cacho. — Nunca deixe de lutar pelo seu homem. — Dito isso, ergueu o braço como uma guerreira e atirou a uva para o outro lado do bandejão. O projétil passou por uma das luzes louras de Cleo. Melody caiu na gargalhada. Bekka disparou outra uva. Cleo se levantou e olhou feio para a oponente. Nisn, levou o braço para trás e... — Se abaixem! — berrou Bekka, puxando Haylee e Melody para o chão. As garotas se escangalharam de rir enquanto uma chuva de Xchurrasco com maionese acertava a mesa acima delas. Não era a primeira vez que, naquele começo de tarde, Melody se via no meio de um drama no bandejão. Mas era a primeira vez que se divertia com isso.

~ 89 ~


CAPíTULO 8 SAIU FAíScA Frankie apertou o passo pelo corredor vazio, sentindo a fricção das pernas contra a lã. Não queria chamar a atenção correndo para a sala de aula, mas precisava ser a primeira a chegar lá — era crucial já arrumar lugar no fundão, o mais longe das vistas que fosse possível estar sem ter de faltar à aula. Não era nem necessário ter seus quinze dias de aprendizado de matemática para somar dois e dois e saber que os boatos de aparição de monstro, mais o fato de ter dado choque numa garota no refeitório significavam encrenca. O sinal tocou. Os corredores da escola começaram a zunir com o ruído dc normies recém-alimentados que procuravam as salas onde teriam aula à tarde. Frankie, vários passos à frente da multidão, entrou apressadamente na sala 203 para a primeira aula de geografia. Até aquele momento, a vida escolar não tinha sido como planejado, mas pelo menos Prankie a estava vivendo. — NÃO! — ela se ouviu quase gritar quando entrou. As carteiras estavam dispostas em círculo! Nenhum fundão. Nenhum cantinho escuro. Nenhum lugar onde se esconder! A maquiagem Fierce & Flawless, retocada antes do almoço, seria sua única proteção. — Não pode estar acontecendo uma coisa dessas... — resmungou enquanto tentava avaliar qual parte do círculo daria menos na vista. Minúsculas faíscas elétricas lhe saíam da ponta dos dedos, subindo pela lombada metálica do ficheiro (que tinha capa de brim pink). Frankie escolheu uma carteira de costas para as janelas, e não de frente para elas, evitando assim os reveladores raios do sol.

~ 90 ~


— Qual o problema com a roda de carteiras? — Um garoto, bem mais boa-pinta que a média, entrou na sala. Usava camisa branca,jeans e botas de frekking. O andar era absolutamente seguro de si, e o que faltava em ousa- dia no visual parecia sobrar no comportamento. Ele ficou em pé junto à porta, com a cabeça inclinada como se estivesse admirando obras de arte no Louvre. Só que estava admirando era Frankie. — Acho que deveríamos mexer nesse círculo aí para que ele ficasse com formato de coração... — Foi à prateleira de material, tirou um globo do suporte e o girou na ponta do dedo como uma bola de basquete. Frankie baixou os olhos, morrendo de vontade de retrucar com algo igualmente galante e descolado. Por exemplo, ―Quer ver eu gravar as suas iniciais a fogo aqui na carteira? Olha só — eu preciso apenas usar o dedo‖. Mas, em vez de fazer o papel de Frankie, ela havia sido escalada para interpretar a personagem da normie acanhada que senta junto à janela. Uma personagem fácil, fácil de esquecer. O garoto, com uma das mãos no bolso e a outra segurando um bloquinho minúsculo (porque os carinhas descolados não ficam mesmo anotando um monte de coisas), veio todo emproado na direção de Frankie. Demorou-se ao passar pela lousa e pela parede dos mapas, provavelmente para que Frankie pudesse admirá-lo. — Este lugar já tem dono? — perguntou ele, passando a mão pelos cabelos castanhos e charmosamente despenteados. Com a cabeça, Frankie indicou que não. Mas ele precisava mesmo sentar bem a seu lado? — Oi, eu sou o Dj. — disse o garoto, sentando todo largado na carteira de madeira e metal.

~ 91 ~


— Oi. Eu sou a Frankie. — Prazer. — D. j. estendeu a mão. Frankie, com medo de soltar faísca, respondeu sorrindo e assentindo com 1 cabeça. Dj., a mão ainda no ar, deu duas batidinhas tio ombro de Frankie, agindo como se essa tivesse sido a intenção o tempo todo. Bzzz. — Ora, ora. — Ele sacudiu o pulso e pareceu ter acha- tio graça no choque elétrico. — Você é mesmo eletrizante, hein? ―Droga!‖ Na mesma hora, Frankie virou o rosto e abriu o livro de geografia. Para não hiperventilar, concentrou-se no texto de introdução. A sala começou depressa a encher, e duas garotas que estavam no meio de uma conversa ocuparam os lugares vazios ao lado de Frankie. — Olha — disse a que tinha pinta de gótica e usava minivestidosuéter listrado, pink e preto; ela evitava mostrar os dentes, como alguém que tem vergonha de falar quando está de aparelho novo —, o bandejão não tem nada que preste para quem é vegan. — Sacudindo um frasco que trazia o rótulo COMPLEXO DE FERRO, ela pegou duas pílulas e as engoliu sem água. Seus olhos estavam borrados de maquiagem preta. — Por que você não provou o purê de batata? — perguntou a amiga, uma loura branquinha que tinha sotaque australiano. Usando calças marrons e bufantes com cordão, camiseta laranja bem justa e luvas de tricô que chegavam ao cotovelo, ela parecia ter se vestido às escuras. — Eu não me dou bem com alho — respondeu a vegan, cruzando as pernas e exibindo umas botas de amarrar que iam até os joelhos e fariam Lady Gaga babar de inveja.

~ 92 ~


— Não tanto quanto deixa de se dar bem com espelho — brincou a australiana, enquanto arriava um pouco as luvas e um emaranhado de braceletes de corda e contas e besuntava a pele seca dos braços com loção hidratante de coco. — Me ajuda — pediu insistentemente a vegan, ao mesmo tempo que tirava do rosto as mechas de cabelo preto e rosa. A australiana fechou o frasco de loção, inclinou-se para a amiga e começou a limpar uma das faces dela com o polegar. — Não está fácil — cochichou. — Você tem batom onde devia ter blush. Está até parecendo que perdeu feio no paintball. As duas caíram na gargalhada. Frankie, para não ficar olhando, voltou ao livro — mas queria mesmo era olhar até não mais poder. Aquela conversa alegre e gozadora era uma das coisas boas da amizade. Uma coisa boa que Frankie ansiava ter. — Mais depressa — murmurou a vegan. — Antes que ele me veja deste jeito! Naquele momento, só havia um ele na sala, e ele estava sentado ao lado de Frankie, sussurrando ―Eletrizante?. . .―para chamar sua atenção. Frankie olhou direto para a frente e, sem querer, encarou o garoto absurdamente gato que estava entrando. Era o mesmo para quem ela havia tentado não ficar olhando na hora do almoço. Mas não ficar olhando para ele era impossível — tinha na camiseta um retrato de Victor Frankenstein. O garoto ou era IRADO, ou era fã de IRADO. E isso significava que Frankie tinha uma chance com ele.

~ 93 ~


— Com licença, Sheila... — disse a australiana, fazendo Frankie acordar do devaneio. — Não, meu nome é Frankie — respondeu ela, com toda a delicadeza. A vegan se inclinou para a frente. — A Blue chama todo o mundo que ela não conhece de Sheila. É coisa de australiano. — Isso — disse Blue com um sorriso cativante. — Bem, Frankie, parece que você adora maquiagem, e eu estava pensando se a Lala aqui não poderia pegar um pouquinho emprestado. — Ahn... Claro. — Frankie remexeu na bolsa-sacola verdinha (que trazia estampado o slogan O VERDE É O NOVO PRETO) e tirou de lá um estojinho da Fierce & Flawless em que estava escrito DELINEADOR. — Pode escolher. —Tudo isso é só delineador?! — perguntou Lala, sem nunca deixar de esconder os dentes com os lábios. Frankie assentiu, sem saber se ficava orgulhosa ou envergonhada. Melody, a garota em que tinha dado choque no bandejão, entrou apressadamente atrás da professora e se apossou do lugar em frente a Frankie. Deu um sorriso cordial. Ou seria aquele o jeito normie de dizer ―Eu sei qual é a tua‖? Frankie puxou a gola olímpica para cima, garantindo—se ainda mais para que os eletrodos, já soltando faísca, não a denunciassem. A professora, uma mulher de cabelos louros curtos e encaracolados e suéter azul-turquesa, bateu palmas para chamar a atenção da classe. — Vamos começar!

~ 94 ~


— Traçou um grande círculo na lousa e deu uma batidinha no centro dele com seu comprido pedaço de giz. — Este é o nosso mundo. Ele é redondo, do mesmo modo que a disposição das carteiras de vocês. E eu pretendo mostrar... — O giz, pressionado contra a lousa, partiu-se ao meio, e o pedaço solto se viu lançado através da sala. — Ahhhh! — O possível Irado levou dramaticamente a ruão a um dos lados do pescoço e se deixou despenç ,ar da cadeira. — Fui atingido! Todo o mundo riu. Mas Frankie se inclinou para a htnte, preocupada. —Já chega, Brett. — A professora, desprovida de hunor, deu um suspiro de enfado ao pegar do chão o giz desgarrado. ―Brett. Brett e Frankie. Brankje... Frett. . .―Não importando como Frankie o dissesse, os dois pareciam perfeitos juntos. Ele se arrastou de volta para a carteira e encarou Frankie, fazendo-a soltar mais faísca. Por um instante, Pareceu que toda a encenação de Brett havia sido só Iara ela. No decorrer dos quarenta e cinco minutos seguintes, Frankie foi apreendendo que Lala estava gamada por Dj. Qie Dj. estava gamado pela garota ―Eletrizante‖. Que Lala podia ficar com Dj. pelo que dizia respeito a Frankie, pois ele, embora fosse muito bonitinho, não tinha aquele lance enigmático de Brett. E que o detector de IRADOs de Melody devia estar disparado, pois ela não conseguia parar de olhar para Dj. e este não conseguia parar de tentar levar outro choquinho. Foi preciso imenso autocontrole físico — que era como não pensar, que era como não conseguir respirar, que era como estar morta — para que Frankie não se acendesse feito árvore de Natal.

~ 95 ~


Quando o sinal tocou, ela saiu correndo para o ba— nheiro das meninas. Lala e Blue a chamaram, mas Frankie não lhes deu atenção. Não sabia se ainda tinha força de vontade o suficiente para conter as faíscas. Entrou no banheiro, trancou—se na primeira baia e mandou ver. Deu graças pelo fato de que o banheiro estava vazio, porque um surto fortíssimo de energia — acumulada pela troca de olhares com Breu, pelas dedadas de Dj. e pelas miradas fixas de Melody — lhe saiu pelos dedos. Para encobrir o ruído, Frankie deu descarga várias vezes. Aliviada e exaurida, ela abriu a porta e, ao fazê-lo, suspirou de cansaço. — Parece que a Sheila teve um piriri — disse Blue, com um sorriso solidário. Ela esfregou a barriga lisinha. — Eu sei bem o que é isso, minha amiga. Lala deu uma risadinha, cobrindo a boca com a palma da mão. — É — respondeu Frankie, que foi lavar as mãos. Antes pensassem que ela havia tido um desarranjo comum do que um desarranjo tão esquisito que nem iome tinha. — Você esqueceu isto aqui. — Lala agitou como uma bandeira o estojo de delineador Fierce & Flawless. — Ah, obrigada. — Frankie colocou a mão onde devia estar o coração. — Eu estaria perdida sem isso. — Por quê? — Blue enrodilhou num dos cachos louros um dedo coberto de lã de luva. — Você é tão bonita! Não precisa de toda essa maquiagem. Lala assentiu com a cabeça.

~ 96 ~


— Obrigada. — Frankie sentiu que se infiava de satisfação. — Vocês também são bonitas — disse, e estava sendo sincera. — É só que eu, ahn, tenho pele ruim. — Comigo é a mesma coisa. — Blue ligou a torneira e jogou água na nuca. — Minha pele resseca horrores. — Você deveria ver todas as loções dela — disse Lala, morrendo de inveja. — O quarto da Blue parece uma perfumaria da Sephora. — Bem, o seu parece o Shopping do Cashmere — rebateu Blue, ainda se encharcando. — Shopping do Cashmere? — estranhou Frankie. — Não conheço. — Eu também não — diáse Lala, dando sua risadinha. — Acabei de inventar... — Blue caiu na gargalhada. — ... porque não consegui lembrar o nome de nenhuma loja que só vendesse suéter de cashmere. — O que ela está dizendo é que eu vivo com fric Lala cruzou os braços sobre o vestido-suéter. — E é isso que eu tenho um monte de peças de cashmere. — Você também sente tanto frio? — perguntou Frankie a Blue. — É por isso que usa luvas? — Ah, não — respondeu Blue, fazendo um gesto de descaso pela ideia, não por Frankie. — É só pele ressecada mesmo. — Voltou-se para Lala. — Ei, a gente vai ao spa de beleza no fim de semana? — O que você quer saber é se eu vou lhe arranjar outro passe de convidada, né? — retrucou Lala, transbordando de entusiasmo.

~ 97 ~


— Deixa disso, vai! Aquele lugar é tão caro que eu não tenho como ficar sócia. E, se eu não fizer uma sessão de hidratação rapidinho, minha pele vai virar cacto. — Bem, experimente depilar os espinhos, querida — sugeriu Lala. — Só se você experimentar uma focinheira, minha amiga. Frankie riu, encantada com aquela gozação mútua e feliz. — Ei, a gente deveria levar a Frankie também — sugeriu Lala, nunca deixando de esconder os dentes. — Aposto que um tempinho na cama de bronzeamento vai deixar a tua pele ótima. —Grande ideia! — exclamou Blue, coçando o braço. Isso vai deixar você mais confiante para tirar o Brett da namorada. — Como é que é?! — Frankie cerrou os punhos para nU) soltar faísca. — Eu peguei você olhando para ele — provocou Blue, Iwtnhumorada, enquanto abria a porta do banheiro. — Opa! — Frankie fingiu ter ficado sem jeito. Mas tido o que ela realmente sentia era alegria por ter sido incluída na brincadeira das duas. — Então, você pode ir sábado? — perguntou Lala quando se juntaram ao tráfego de alunos no corredor. — Claro — respondeu Frankie. Não tinha a menor ideia do beneficio que uma cama de bronzeamento pudesse lhe trazer, mas, se era isso o que uma garota ilormie fazia para atrair meninos como Brett, então ela topava.

~ 98 ~


CAPíTULO 9 LáBIOS EXPLOSIVOS Na sexta-feira, Bekka cumprimentou Melody com aquele ―Bate aqui!‖ dos vitoriosos. — Você acaba de sobreviver à primeira semana de aula na Merston High. — As faces sardentas de Bekka tinham o mesmo tom rosado de seu cardigã comprido e larguinho. Junto com os jeans skinny escuros e as galochas amarelas que iam até o joelho, ela era um bem-vindo surto de cor numa tarde chuvosa. — Eu sei. — Melody pendurou no ombro a mochila militar cáqui, de loja de saldos do Exército. — Esses dias meio que passaram voando. — Você parece que ficou surpresa — observou Bekka, saindo pelo corredor lotado. Haylee vinha logo atrás, documentando a conversa. Seus tamancos plásticos Crocs cor de laranja, forrados, guinchavam enquanto ela se apressava para acompanhar o passo frenético dos outros. — E fiquei mesmo! — Quando foram se aproximando da saída do prédio, Melody fechou o zíper da jaqueta preta de moletom. — Fui vítima de um ataque de ―beijo fuga‖, e uma coisa dessas pode estragar a semana e fazer o tempo levar uma eternidade para passar. Mas a verdade é que depois eu me diverti muito. — Sorriu recordando a guerra de comida com Cleo, as maratonas de e-mail tarde da noite com Bekka e as inúteis tocaias que Candace e ela fizeram para espiar a casa de Jackon. Lá, não

~ 99 ~


viram nenhuma atividade suspeita — aliás, não viram atividade nenhuma. — Uma correção — disse Haylee. — Em rigor, a vítima do beijo e fuga foi o Jackson, não você. Melody já tinha aprendido a ser paciente com Haylee e, às vezes, até gostava de sua obsessão em ter tudo certinho e ordenadinho. Aquela, porém, não elava sendo uma dessas vezes. — Me explica uma coisa: como é que acabou sendo ele a vítima?! — perguntou Melody, secamente, apenas murmurando para que os demais alunos que estavam por ali não tivessem outro prato cheio para fofocas. Depois do que ela e Bekka haviam denominado o Mehdrama do Primeiro Dia de Aula (e que logo virou o Mellydrama do Primeiro Dia de Aula), o importante era ficarem na moita. E, até aquele momento, Mel vinha fazendo ótimo serviço. Sim, porque atirar um atlas na cabeça de Jackson enquanto ele estava cutucando e paquerando aquela tal de Prankie na aula geografia teria sido muito gratificante. E bater nele com o globo de neve que tinha a torre Eiffel enquanto Jackson beijava Cleo na aula de francês teria sido catártico. Mas Melody não havia feito nada daat Ela se mostrou, isto sim, um verdadeiro ovo: casca dura por fora e uma meleca por dentro. Por seguinte, Haylee vir dizer que a vítima tinha sido ele era o ridículo mais ridículo que se podia ridiculamente imaginar. — A Melly tem razão. — Bekka se voltou para encarar Haylee. — Ela é que é a vítima aqui. Melody deu um sorriso de agradecimento para Bekka sem ter certeza do que era mais gostoso — ter o apoio uma nova amiga ou ser chamada pelo apelido.

~ 100 ~


— A Melody NÃO foi a vítima — insistiu Haylee, com os óculos embaçados de convicção. — O Jackson é que foi. Olha lá! — Haylee apontou para a porta dupla saída, onde um punhado de alunos tinha se reunido para esperar a chuva parar. Batiam papo naquele tom sussurrado de velório, obviamente entristecidos pela momentânea impossibilidade de seguirem para o mundo dos livres. Naquele grupo todo, só duas pessoas pareciam (dizes: Cleo e um rapaz bronzeado e musculoso de óculos escuros e gorro listrado, verde e branco. E pareciam dizes porque estavam no meio do maior amasso. — Não pode ser — abismou-se Melody, que levou a não à boca. — Estão vendo? — perguntou Haylee, toda orgulhosa de si. — A Cleo beijou o Jackson. E agora a Cleo está deixando o Jackson para trás. Assim, a vítima do beijo fuga é ele. — A Haylee tem razão — reconheceu Bekka, pare- tendo desapontada. —Quer que eu anote isso? — perguntou Haylee, balançando-se para a frente e para trás, na ponta dos dedos, enquanto puxava ansiosamente às pontas da echarpe cor de fúcsia. — Precisa não... — respondeu Bekka, desdenhosa- iii ente. Haylee parou de se balançar. — Quem é aquele cara? — quis saber Melody, detendo-se no bebedouro para fingir que tomava água e poder olhar melhor. — É o Deuce — explicou Bekka, também fingindo olhar a garganta. — Ele sempre passa o verão com a família na Grécia. Acabou de voltar de lá. Não é bonito como o Brett, mas, ainda assim, é bem gatinho.

~ 101 ~


— E muito da Cleo — acrescentou Haylee. — Quando o Deuce está aqui em Saiem, os dois são exclusivamente um do outro. — Parece que o Jackson vai ter que procurar par para festa — comentou Bekka, puxando fita crepe do taz do Baile de Gala de Setembro que estava ad delas na parede. Bekka fez uma bolinha com o p de fita e a atirou no chão com um piparote. — Pois é, eu também — comentou Melody. bico, ela avançou para a porta. Não ligava para um quinho de chuva. Pelo menos ninguém a veria chorar. — Ei, espera! — O rosto de Bekka se iluminou. — Você deveria cometer o seu próprio beijo e fuga, tascando um no Deuce para se vingar do que a Cleo fez com Jackson. — Rá! — gritou Melody, ante o absurdo da sugestão. Todo o mundo, inclusive Cleo e Deuce, se virou olhar. O projeto de permanência na moita tinha ia para o brejo. — Vai lá! — sussurrou Bekka. — Mas de jeito nenhum! — respondeu Melody, também sussurrando. — Vá você. Ou você não quer se vin gar tanto quanto eu? —

Quero, sim,

mas

tenho namorado Já você

não

está

comprometida com ninguém. — Obrigada por lembrar — Melody deu um sorriso amarelo. — Ei, Melorreia! — Cleo se aproximou lentamente, com os cantos de seus lábios tão hiperativos já se retorcendo de satisfação. — Eu estava mesmo procurando você.

~ 102 ~


Projetando toda a gatice de um Rihanna no vestido jeans curtinho e colante, nas meias três-quartos marrom-brilhosas e nas sandálias Plataforma douradas, Cleo tinha a atenção de todos ao redor. Até mesmo de Bekka, que olhou para a arqui-inimiga com um misto de desprezo e inveja. — É? Por quê? — perguntou Melody com a tal compostura de ovo, muito embora sentisse que sua casca fosse rachar a qualquer momento. — Eu queria que você soubesse... — Cleo se interrompeu para borrifar perfume de ibar no pescoço, inclinou-se para bem perto de Melody e voltou a falar, sibilante. — . . . que você pode ficar com aquele nerdimiho de volta. Já cansei dele. As palavras foram ditas ao ouvido, mas Melody as sentiu na boca do estômago. — Mas espera aí... — continuou Cleo endireitando-se. Seus olhos azuis rastreavam alguma coisa ao longe, atrás de Melody. Melody olhou por sobre o ombro. Era Jackson. Ele vinha caminhando na direção delas com um punhado flores de cerâmica que devia ter feito na aula educação artística. Os óculos escondiam a expressar nos olhos dele, mas, pelo jeitão hesitante, Melody p dia afirmar que Jackson estava apreensivo. — Eu talvez tenha me cansado dele... — Cleo lambeu o gloss dos lábios. — . . .mas é obvio que ele ainda não se cansou de mim. — Ela fez beicinho e deu um suspiro — Coitado. Olha aquelas flores ridículas!... Nenhuma menina vai querer um nerd bobo quando pode ter um deus grego. — Cleo,

~ 103 ~


ostentando toda a superioridade do mundo, deu uma despenteada nos cabelos pretos de Melody. — Só você, é claro. — Ela riu. Melody, com o coração batendo como um tambor de guerra, olhou direto nos olhos de Cleo. Mas Cleo devolveu o olhai; negando-se a abrir mão daquilo pelo que estavam brigando. Que, a propósito, vinha a ser o quê?... Território? Status de CB? Uvas? Melody disse a si mesma que Cleo era a típica tirana de escola que vinha testar a recém-chegada. E que ela, Melody, devia combater o ódio com a compreensão. Ser a mais humana e a mais madura. Ir embora. Ficar longe de encrenca. Voltar para a moita. Deixar o ego de lado. Seguir em frente. Superar aquilo. Ouvir o travesseiro... E aí Cleo piscou para Jackson. Não porque gostasse dele, mas porque não gostava e Melody gostava. Crac! Sem aviso, a casca de Melody se quebrou, e o que cstava lá dentro ficou exposto. Mas Melody, em vez de desabar transformada em gosma, empurrou Cleo para o lado, foi a passos firmes até onde estava Deuce e o puxou para si. Então, de alguma maneira, achou os lábios dele e... O ―Oh!‖ coletivo foi a única maneira que Melody encontrou para saber que não estava imaginando tudo aquilo. Aí, veio a parte em que os lábios de Deuce (ainda com o gloss do contato antecedente) esqueceram a tensão e começaram a retribuir o beijo. E a parte em que Melody conseguiu sentir o cheiro da jaqueta de couro de Deuce. E a parte em que ela abriu os olhos por um segundinho e viu o próprio reflexo nos óculos escuros dele, junto com o reflexo de metade da escola em pé a suas costas...

~ 104 ~


ELA ESTAVA MESMO FAZENDO AQUILO! Melody deu um empurrão para se afastar de Deuce. Em vez de pensar no ―Bate aqui!‖ que ganharia de Haylee e Bekka, no respeito que conquistaria dos colegas, na maravilhosa humilhação que teria causado a Cleo ou, mesmo, no prejuízo que teria provocado si mesma, tudo o que lhe veio à cabeça foi Jackson a necessidade de saber se ele se importava. — UH-UH! — berraram Bekka e Haylee. Era a primeira vez que alguém aclamava Melody desde que havia parado de cantar. — Eu sinto muito — cochichou Melody, de mansinho, para Deuce. — Eu não — respondeu ele, também cochichando com um sorriso de orelha a orelha. — Nada mau. — Cleo bateu palmas lentas, comedida e sarcásticas para aquele improviso. — Da próxima Melorreia, tente não parecer que está com tanta prisão de ventre. — Esforçou-se ao máximo para dar a impressão de que não tinha se abalado. Os olhos úmidos, porém, a denunciavam. Melody não retrucou. Em vez disso, procurou nas mãos de Cleo as flores de cerâmica de Jackson. Mas aqueles punhos cheios de anéis não seguravam nada senão o ódio. Jackson tinha ido embora. — Você está bem? — perguntou Cleo a Deuce, como se ele houvesse sido atacado. Cleo estava com fisionomia tensa. Para manter a calma, lutava com todo o empenho de um peão de rodeio em cima do touro bravo.

~ 105 ~


— Eu... eu... não sei. — Deuce, parecendo atordoado, esfregou a testa bronzeada. — O que foi que aconteceu? — indagou ele, recostandose na parede como se estivesse a ponto de desmaiar. Ele sabia beijar, mas não sabia fingir. — Será que podem nos dar um espacinho aqui?! — disse Cleo, fervendo de raiva e obrigando os curiosos a se dispersarem e irem para outro lugar. Melody, na busca desesperada por ar, esmurrou a porta de saída. Mas, em vez de uma lufada refrescante nas faces, topou com algo que mais parecia uma toalha ensopada. Uma cerração se abatia sobre o estacionamento do colégio. A fila de faróis dos carros que vinham pegar alunos coloria como um enorme vazamento de caneta marca-texto o asfalto liso e brilhante, e os limpadores de para-brisa se digladiavam incansa velmente com um aguaceiro também incansável. Para Melody, entretanto, as roupas molhadas não eram problema. Ela já estava entorpecida. — Espera aí, campeã! — chamou Bekka, levantando água com as galochas ao descer os degraus da escada, tendo Haylee a seu lado. Melody parou de repente. Não porque Bekka tinha pedido, mas porque havia alguma coisa na poça junto a seus encharcados All-Star pretos. E era uma coisa pela qual valia a pena parar. — Ai, ai, ai... — gemeu Bekka. Haylee ficou boquiaberta. E Melody ficou sem palavras.

~ 106 ~


Tudo o que precisava ser dito estava cinzelado escrita fina numa das pÊtalas do esmigalhado E de cerâmica.

PARA MELODY.

~ 107 ~


CAPíTULO 10 INESQUEcíVEL A chuva continuou pelo sábado. Frankie abriu o imenso guardachuva verde-grama e entrou apressadamente no aguaceiro. Apesar da pesada aplicação de Fierce & Flawless Acqua — a linha à prova de água —, a luz do dia penetrava pela copa verde—amarelada e lançava um brilho verde sobre a mão de Frankie. Rá! Ela morria de vontade de compartilhar essa ironia com as garotas que estavam no utilitário esportivo preto, um enorme Cadillàc Escalade. Mas não seria possível. Precisavam acreditar que ela era normie. E os pais, olhando-a da porta de casa, eram um lembrete silencioso disso. Voltou-se para acenar para eles. — Tchau. Viktor e Viveka retribuíram o aceno, e a preocupação em seus olhares minava o sorriso em seus rostos. — Divirta-se na biblioteca — disse Viveka, alto, por sobre o ribombar do trovão. — Obrigada — respondeu Frankie, e uma faísca ínfima lhe escapou dos dedos e subiu correndo pela haste do guarda-chuva. Era a primeira mentira que contava aos pais. E isso a fez sentir-se ainda pior do que havia imaginado. Melancólica. Pesada. Solitária. Entretanto, se tivessem ficado sabendo que ela ia a um spa normie com Blue, Lala e duas garotas chocantes que Frankie havia visto na escola mas ainda não conhecia, Vik e Viv teriam se preocupado demais com a possibilidade de descobrirem o

~ 108 ~


verdadeiro aspecto da filha. E, quando Lala havia mencionado que os filhos mentiam aos pais fazia séculos, Frankie resolveu experimentar. Afinal, Vik e Viv queriam que ela se integrasse entre os normies. E, se era aquilo que os normies faziam... Blue enfiou a cara para fora da janela do passageiro da frente. Espirais de cabelo louro se acumulavam no alto de sua cabeça como se fossem cobertura caramelada de sorvete, e suas feições angelicais estavam agora desprovidas de toda e qualquer maquiagem. — Oi, sr. e sra. Stein! — Ela acenou, revelando longas luvas de couro roxo. — Oi, Blue! — responderam os pais de Frankie. Eles pareceram ter ficado aliviados na mesma hora. Frankie sorriu de orelha a orelha. Os pais davam a impressão de conhecer todo o mundo na rua. E, não demoraria, ela também conheceria. — O que a sua tia e o seu tio estão achando da chuva? — perguntou Viktor com um quê de familiaridade. — Estão adorando. — Blue abriu a boca e ergueu o rosto para o céu coberto de nuvens. Frankie invejou aquela liberdade e ansiou pelo dia em que pudesse sentir o beijo de uma gota de chuva no rosto sem maquiagem. Até lá, entretanto... Entrou às pressas no Escalade, para evitar borrar a maquiagem, e teve um trabalhão para fechar o guarda-chuva sem encharcar o interior de macio couro marrom-amarelado do que parecia um caríssimo carro perfumado a âmbar. — Uau! — Deixou junto aos pés a bolsa de O VERDE É O NOVO PRETO. - Esta é mesmo uma caranga e tanto.

~ 109 ~


— Obrigada — disse Lala, sorrindo daquele seu jeito, sem mostrar os dentes. — Eles compraram o carro do casal BeyonJay — brincou Blue, referindo-se aos astros pop Beyoncé e Jay-Z. — Não é Jay-B? — disse a estranha que ia atrás, meio, ao lado de Frankie. — Eu gosto de Jayoncé — acrescentou a garota estava junto à outra janela de trás. Todas deram suas risadinhas. — Oi, eu sou a Frankie. — Ela sorriu, tomando o cuidado de não apertar a mão de ninguém. — Oi, eu sou a Cleo — disse a garota do meio. Tinha olhos tristes, da cor da blusa ombro a ombro, azul-elétrico, que estava usando. E luzes realmente chocantes nos cabelos. Frankie ficou imaginando por que uma beleza tão exótica estaria tão desolada. Como é que alguma coisa podia ser ruim quando se tinha uma aparência daquelas? Será que as leggings tigradas estavam apertadas demais? — Eu não sabia que o sr. e a sra. Stein tinham filha — continuou Cleo. A garota que estava do outro lado de Cleo soltou uma risadinha. — Você está falando de mim? — perguntou Frankie, que se remexeu, pouco à vontade, no assento. Cleo ergueu as sobrancelhas arqueadas e assentiu lentamente com a cabeça, daquele jeito que diz: ―E de quem mais eu estaria falando?‖

~ 110 ~


— Pois é... — respondeu Frankie. — Eu nunca tinha ido à escola. Meus pais preferiam me dar instrução em casa, sabe como é? — Ei, Frankie — disse Blue, interrompendo —, você já conhece a Claudine? Claudine, aquela que estava ao lado de Cleo, se voltou da janela. — Oi —disse ela, abrindo um saquinho de iras de carne de peru orgânico desidratada. Sua beleza olhos castanho-amarelados, uma cabeleira de mechas castanho-avermelhadas desordenadas, unhas compritias e pintadas com esmalte cor de bronze — era tão impressionante quanto a de Cleo, mas de modo mais agreste, mais selvagem. O vestuário, contudo, parecia mais domesticado: o tipicamente americano bem de vida, com um toque do glamour da antiga Hollywood. O biazer preto bem ajustado, o moletom lilás com capuz, os jeans skinny escuros e o monte de braceletes plásticos de bolinha, brancos, eram certinhos como um catálogo daJ. Crew. No entanto, a estola castanho-amarelada cuja ponta aparecia no alto do blazer não tinha nada de convencional. Frankie começou a suar só de ver aquilo. A temperatura no carro de Lala havia sido ajustada à do planeta Mercúrio. — Prazer em conhecê-las! — disse Frankie, dando um sorriso radiante e cruzando os braços sobre o constrangedor vestido-suéter de gola olímpica, cor de pêssego. O tom horroroso combinava com a maquiage para a eventualidade de ganhar manchas de Fierce Flawless. O corte puritano se destinava a esconde bem a pele. E as leggings pretas e botas de cano muit alto, sem salto, eram resultado de uma hora de rin rada discussão com Viveka — discussão que Frankie felizmente, havia ganhado. Será que a mãe realm esperava que ela também usasse leggings cor de pês sego? Se Frankie fosse uma dessas crianças que ni começam a

~ 111 ~


andar e participam de concurso de mis infantil, talvez. Mas ela queria fazer amigas. — Estão todas prontas? — perguntou Lala, a tando o volume do som. Agora, o Black Eyed Peas berrava pelos alto-falantes. “I gotta feeling that tonight’s gonna be a good night...” — Prontas! — gritaram as passageiras. Lala então sou no acelerador e saiu do beco dos Stein cantam pneu. “I gotta feeling that tonight’s gonna be a good, good night...” As garotas foram jogadas para trás nos assentos caíram na gargalhada. — Ah, Frankie, os seus pais devem ter adorado isso brincou Blue, gingando à batida pulsante da música. — Problema deles — respondeu Frankie, que deu de ombros. Não queria pensar nos pais. Não queria pensar cm pele verde, nem em normies, nem na cócegas dos eletrodos por causa da recarga da manhã. Só queria ter a experiência de um dia no spa de beleza com as amigas. Não por meio de um implante de memória, nem de um filme alugado. Queria respirar aquilo. Vivê-lo. Cheirá-lo. Senti-lo. E recordá-lo para sempre. — Ei, La... — Claudine se inclinou para a frente. — será que você poderia diminuir este calor? Daqui a pouco, as minhas tirinhas de peru viram caldo de carne. Frankie sorriu. Estava mesmo muito abafado ali dentro. —Talvez você devesse tirar a estola — sugeriu Frankie, tentando mostrar que não era tímida demais para se enturmar direto.

~ 112 ~


— Ai, ai, ai! — gritou Blue. —Não, Frankie, não é possível que você tenha dito isso! Todo o mundo caiu na gargalhada, menos Claudine, que fulminou Frankie com aqueles olhos amarelados e resmungou, quase rosnando, uma advertência que parecia dizer: ―Olhe por onde anda, novata‖. — Me desculpe — murmurou Frankie, desejando que pudesse retirar o que quer que Claudine tivesse achado tão ofensivo. — Eu só quis ajudar. — Puxou a lã daquele vestido tão amorfo e fechado como um saco de dormir. — Estou morrendo de calor nesta gola olímpica, e só pensei que você estivesse também... — A sandália plataforma dourada de Cleo lhe chutou com força a canela. — Ai! — Frankie soltou faísca. Cleo e Claudine trocaram um rápido olhat Frankie correu a sentar sobre as mãos para, assim, conter a explosão interna. — Por que você me chutou? — Eu estava tentando fazer você parar de passar vergonha — explicou Cleo. — Ahn? — disse Frankie, agora se inclinando para massagear a perna, que latejava. — Bem, disso a Cleo entende — comentou Lala, cortante, desligando bruscamente o som. — E a senhora quer dizer o que com isso? — perguntou secamente Cleo. — Que você tem muita experiência em passar vergonha, só isso — respondeu Lala, parando num sinal vermelho.

~ 113 ~


O chiado dos limpadores de para-brisa era agora o único ruído no carro. — E a senhora se importaria de explicar? — pediu Cleo, como alguém que, entretanto, já havia entendido tudo. Os olhos escuros de Lala acharam Cleo pelo retrovisor. — O que eu quero dizer é que você ficou a semana toda dando amassos em público no cara em que estou gamada. Frankie queria saber do que estavam falando, mas resolveu que o melhor era não perguntar. Não havia jeito de saber quem ela ainda poderia ofender. — Você acha mesmo que eu estava beijando o cara em meu proveito?! — quis saber Cleo, soando verdadeiramente magoada. — Ahn... E, acho! — rebateu Lala. O sinal ficou verde. — Vai, segue em frente — disse Blue para Lala, cutucando-a com delicadeza. Lala pisou de leve no acelerador e atravessou a água que cobria o cruzamento. Seus cílios escuros piscavam para segurar as lágrimas. — La, eu estava fazendo aquilo por você. — Cleo pousou a mão no ombro da amiga, coberto pelo suéter de cashmere pink. — Ele estava se enrabichando com aquela garota nova, a Melorreia, e eu... Bem... — Você o quê? — Lala fungou. —Acha que ela é mais bonita do que eu?

~ 114 ~


— Não! — berraram Blue, Claudine e Cleo. A maioria das pessoas provavelmente argumentaria que Melody era mais bonita, sim, deixando que sua beleza clássica batesse o estilo amalucado de Lala. Mas, sob o visual gótico, enterrada bem fundo atrás dos olhos escuros borrados de delineador, havia uma confiança plácida, tranquila. Lala, muito madura para a idade, era uma alma experimentada que guardava um encanto juvenil. Tratava-se de uma combinação fascinante que fazia Frankie acreditar que tudo era possível. — La, você tem tanta coisa mais para oferecer do que a Melorreia! — Cleo, ao dizer o nome da oponente, praticamente cuspiu. — É verdade — concordou Claudine, que enfiou uma tirinha de peru na boca. — O problema foi que ela já estava para dar o bote nele — insistiu Cleo. — E, se ninguém os tivesse separado depressinha, você o teria perdido pelo segundo ano seguido. Frankie olhou para Cleo com um respeito recém-descoberto: bonita, leal e altruísta, Cleo honrava o nome dos normies. — O Dj. sabe que estou com o Deuce — continuou Cleo, — Ele está careca de saber que um beijo meu não quer dizer coisa nenhuma. Mas a Melorreia não sabe disso. E ela é... — Mais bonita do que eu. — Lala deu um suspiro. — Não é mais bonita, não! — insistiram as garotas. — Como é que vocês acham que eu me sinto? — Cleo suspirou também, — A Melorreia deu espetáculo com o Deuce para descontar em mim e... — Interrompeu-se, para deixar tudo subentendido.

~ 115 ~


— O Deuce não gostou, não! — afirmou Claudine enfaticamente, como se não fosse a primeira vez que as duas tinham aquela conversa. — Ele ficou em choque, só isso. — Eu sei, eu sei... — Cleo secou o cantinho do olho com a blusa e puxou para dentro tudo mais que vinha tentando manter lá. — 0K, eu acredito em você — disse Lala, rendendo-se. — De qualquer jeito, não tem mais importância. Já cansei dele. Viram corno ficou suado depois daquele beijo no bandejão? Deu praticamente para ver o meu reflexo na testa dele. — Disso, bem que você gostou — brincou Blue. Todas riram. Frankie, sentindo-se repentinamente uma intrusa, olhou pela janela rajada de chuva. Na mesma hora, viu-se encarando um homem num Kia branco. Magro e ossudo, o homem tinha a barba por fazer, e seu dedo batalhava para libertar alguma coisa que insistia teimosamente em ficar presa dentro do nariz. Por sorte, Lala virou para a esquerda antes que ele tivesse a chance de revelar o que era aquilo. — Chegamos — anunciou Lala, parecendo mais animada. Parou o Escalade debaixo de um toldo branco e deu as chaves ao manobrista. — Eu nunca faria nada para magoar você. — Cleo puxou Lala para um abraço. — A gente precisa se unir. — Eu sei. — Lala retribuiu o gesto. — Me desculpe. Frankie sorriu com todo o seu ser. Sentia-se uma felizarda por ter sido incluída naquele grupo tão unido e, silenciosamente, prometeu que nunca as decepcionaria.

~ 116 ~


Passaram pela porta giratória de vidro e metal dourado e entraram no que poderia ser tomado por um útero de normie — uma penumbra aconchegante que era preenchida pelo som de água corrente e vozes abafadas. —Oi,

Sapphire!

sussurrou

Lala,

muito

de

mansinho,

apresentando o cartão de associada à morena que parecendo estar em algum nirvana, atendia ao balcão encimado de velas. — Boa tarde, senhorita! — Sapphire passou o cartão delicadamente pela leitora antes de devolvê-lo. — Vai desejar o banho turco hoje? — Isso mesmo. — Lala abriu um talão de passes de convidado e destacou quatro. — A Blue vai ao banho de sais. A Cleo quer o pacote de massagem e beleza A Claudine precisa de uma depila... Deram risadinha. —Já chega! — vociferou Claudine, parecendo até que ladrava. — E esta é a Frankie — disse Lala. — Ela vai usar a cama de bronzeamento. — Oi! — Frankie abriu um sorriso largo. Foi pegando a carteira enquanto seus olhos vagavam pelos potes na vitrine fechada atrás da cabeça de Sapphirc. — Esses cremes funcionam mesmo? — perguntou, apontando para uma linha chamada NoScar. — São certeza de reduzir enormemente a visibilidade de manchas e cicatrizes na pele em cem dias — proclamou orgulhosamente Sapphire. — Acredite se quiser, mas o princípio ativo são bigodes de roedor.

~ 117 ~


— E quanto custa? — perguntou Frankie, raspando com a unha os dígitos em relevo no cartão Visa do pai. — Mil e cem dólares para sócios, mil e trezentos para convidados. — Ah. — Frankie deixou o cartão voltaram para dentro tia bolsa. ―Talvez os Glitterati façam um sacrifício para nie dar uma força.‖ — Não se preocupe — disse Lala. — O bronzeamento vai ajudar horrores. — Legal — Prankie assentiu como se aquilo fosse um plano B adequado, embora ela duvidasse muitíssimo. Sapphire, após ter digitado algumas teclas em se computador, entregou várias chaves de guarda-volumes a Lala. — Namastê — disse muito suavemente, o rabo de cavalo castanho caindo sobre a cabeça quan do se inclinou para fazer a reverência que acompanho aquela tradicional saudação indiana. Dentro do vestiário, mulheres andavam compas sadamente, sem ruído, pelo tapete cor de creme. No corpo, não tinham nada senão o roupão deplush que era cortesia do spa e o brilho radiante que advém relaxamento total. Algumas estavam usando secador de cabelo, outras fofocavam sobre o súbito ganho peso da instrutora de Pilates, mas a maioria parecia satisfeita em apenas zanzar à vontade e deixar sua anatomia normie balançasse também à vontade. Frankie sentiu aquela súbita vontade de soltar faísca. — É para a gente andar por aqui pelada?! As garotas riram com a ingenuidade de Frankie.

~ 118 ~


— Você nunca esteve num spa? — perguntou Cleo com olhos que já não estavam repletos de tristeza. Agora, eles faiscavam de desconfiança. — Nunca — confessou Frankie. Cleo ergueu inquisitivamente uma das sobrancelhas. Frankie preferiu fazer de conta que não viu. — Aqui, peguem — disse Lala, entregando uma chave a cada garota. Bastou uma simples volta da chave para que o guartia-volumes de madeira escura se abrisse sozinho. Lá dentro, Frankie viu o roupão de plush e as pantufas acolchoadas que devia usar durante a visita. — Show! — exclamou, maravilhando-se com a descoberta. Mas o alívio logo virou pânico quando olhou mais atentamente para o roupão. Ele ia só até abaixo dos joelhos, não tinha gola olímpica e, portanto, iria com toda a certeza expor as saturas e eletrodos de Frankie, coisas que nem a maquiagem Fierce & Flawless conseguia esconder. Cleo e Lala começaram a despir-se, ao mesmo tempo que conversavam despreocupadamente sobre o Gala de Setembro. — Eu vou com o Deuce, é óbvio — disse Cleo, tendo desaparecido todos os indícios da insegurança causada por Melody. —Já eu preciso arranjar outro em quem me amarrar. — Lala amarrou o roupão e depois esfregou os braços para afugentar um frio que não existia. — Com quem você quer ir? — perguntou a Claudine. — Pergunta totalmente irrelevante. — Claudine apanhou o roupão e foi sem pressa para as baias do banheiro. — Até parece que os meus

~ 119 ~


irmãos iriam deixar carinha me levar ao baile... — disse por sobre o ombro. — Eles são mesmo superprotetores — explicou biu continuando a calçar as galochas pretas e borrifando dentro delas a facial mist Evian, também cortesia spa. — Não estou a fim de absolutamente ninguém, modo que vou fazer par com a Claudine. — Deu ombros, como se aquilo não fosse nada importante Depois, perguntou: — E você, Frankie? — Sei lá. — Frankie sentou no banco e abraçou o rc pão como se ele fosse um travesseiro. — Ainda acho que aquele cara, o Brett, é uma graça. — E tirá-lo da Bekka? — Cleo juntou os sedosos c belos negros num rabo de cavalo no alto da cabeça aplicou bálsamo Smith‘s Rosebud Salve nos lábios. Difícil, hein? Ela segura mais que Super Bonder. — Prende mais que Araldite — acrescentou Lala. — E cola mais que Corega — juntou Cleo, dando ri sadinha com a própria piada. — Corta mais que Ginsu — tentou Lala. — Fica mais em cima que a Receita — disse Blue engrossando o corinho. — E, pelo jeito, é mais perigosa que aquela comida do bandejão. — Frankie fez sua melhor encenação de uma chamada para o Hugo. As garotas caíram na gargalhada. — Muito bom! — Blue ergueu a mão enluvada para o loca aqui. Frankie a espalmou sem soltar faísca nenhuma.

~ 120 ~


— Detesto ser desmancha-prazeres... — Claudine voltou para a conversa arrastando os pés. Já estava de roupão e pantufas, mas, por alguma razão, negava-se a tirar a estola. Coisa que Frankie não ousaria comentar outra vez. — ... mas aquela menina, se pegar você com o Brett, vai acabar com a sua vida. — Não estou preocupada. — Frankie jogou o cabelo para trás. — Já vi todos os filmes de adolescente, e as garotas legais sempre ficam com o carinha no final. — É, mas isto aqui é a vida real. E a Bekka não faz cerimônia, não. — Cleo esfregou um lado do maxilar como se tivesse sido atingida por um murro invisível. — Depois que beijei o Brett num jogo da garrafa, ela soltou um gancho de direita que me mandou direto para o chão. — Verdade?! Mas beijar não é justamente a razão da brincadeira? — perguntou Frankie, imaginando como seria beijar aqueles lábios de Brett, tão fã de IRADOs. — Pois é, só que a garrafa não tinha chegado a apontar exatamente para a Cleo — explicou Lala com um sorrisinho maroto. — E o Deuce estava na Grécia... — Um brilho travesso dançou pelos olhos de Cleo. — Mesmo assim... ela não precisava dar soco! — Argh! — Blue coçou as canelas. — Eu preciso me hidratar antes que o ressecamento me deixe só osso. — Amarrou o roupão e foi correndo para a porta de vidro fosco em que se lia BANHO DE SAIS. Ainda estava de luvas e galochas.

~ 121 ~


Apareceram duas mulheres de uniforme rosa, com prancheta na mão. — Srta. Wolf? — disse uma loura, mais velha, sorrindo. — Eu sou a Theresa, técnica de depilação com cera. — Mas peraí! A Anya não veio? — perguntou Claudine, enquanto seus olhos amarelos se mexiam rapidamente para lá e para cá, em pânico. — Está num seminário institucional de saúde e bem-estar — declarou llleresa, e então abriu um dos braços, indicando para Claudine o corredor que levava às salas de aplicação. — Vamos lá? Claudine se pôs em pé, fechou o alto do roupão e seguiu Theresa pelo corredor. Nisto, olhou para trás e envesgou os olhos, para que as garotas soubessem que não estava nada satisfeita com a substituta. — Pronta, Cleo? — perguntou a segunda mulher, falando por sobre o zumbido dos secadores de cabelo. Com uma das mãos, estendeu uma tigela de uvas tintas. — Obrigada, Blythe. — Cleo aceitou as uvas e deu tchauzinho para as amigas. — A cama de bronzeamento fica na sala 13 — explicou Lala, batendo os dentes. — Antes de se despir, leia as instruções de operação. É frio lá dentro. Eu vou para o banho turco. — Tudo bem, obrigada. — Frankie sorriu, muito grata por não ter precisado tirar a roupa na frente das garotas. A sala 13 cheirava a sol e a suor de normie. ―Talvez a Lala tenha problemas de circulação‖, porque estava um forno ali dentro, pensou Frankie, trancando a porta e ainda colocando uma cadeira contra ela. Um

~ 122 ~


leito que mais parecia o filho ilegítimo de um jipão com um caixão aguardava Frankie. Um travesseirinho de vinil e uma toalha dobrada jaziam, muito arrumados, na placa de vidro desinfetado onde deitaria. Lidas as instruções, confirmaram-se as suspeitas de Prankie. Quinze minutos naquela cama não resolveriam seus problemas. Não fariam Brett gostar dela. E não deixariam sua pele branca. Nada deixaria. Mas talvez trouxessem de volta aquela sensação eletrizante que havia tido quando, de cara limpa, sentiu o sol no estacionamento da Mount Hood High. Aquela recarga foi maior do que qualquer coisa que o Carmen Electra já lhe tinha proporcionado, e o calor desceu gostosamente pelo corpo até as suturas do calcanhar. Agora, mesmo se o bronzeamento não fosse tudo isso, qual era o problema? No mínimo, no mínimo, esses quinze minutos seriam algo para ela juntar à sua pequena, mas crescente, coleção de experiências da vida real. Zonza de tanta expectativa e grata pela privacidade, Frankie sacudiu-se para tirar o vestido-suéter de gola olímpica e o atirou para o canto. Minutos depois, estava descansando a cabeça no travesseiro de vinil, não usando nada senão as saturas e eletrodos que o pai lhe tinha dado, uma camada de Fierce & Flawless e os protetores prateados para os olhos. Tateando atrás da cabeça até achar a parede, Frankie localizou e apertou o botão de liga. Com um dcc em uníssono, amplificado, acenderam-se fileiras de lâmpadas fluorescentes. Frankie baixou o tampo e se retorceu até chegar definitivamente a uma posição confortável. ―AhhhhhhhhhhL.. Aí vem o zumbido Foi do jeitinho que ela se recordava.

~ 123 ~


Ao contrário da recarga doméstica, em que recebia a energia pelos eletrodos no pescoço, aquela penetrava cada centímetro de seu corpo. Era a diferença entre um copo de água e um banho de imersão. E foi absolutamente sensacional. Chocante para valer. Imagens de si mesma de biquíni, divertindo-se com Brett numa praia isolada, se apossaram da imaginação de Brett. Aquecidos pela grande lâmpada térmica da natureza, os eletrodos, as suturas e a barriga de tanquinho verde de Frankie despertariam o poeta interior que havia em Brett e o inspirariam a escrever. A areia fina esquentaria os pés de Frankie, e a grande fogueira que fariam na praia tarde da noite ficaria crepitando e lançando faíscas na escuridão. Frankie e Brett se aconchegariam, juntinhos, compartilhando histórias de suas penosas vidas duplas, e encontrariam consolo no abraço um do outro. ―Ahhhhhhhh...‖ Essas visões pareciam tão reais, tão possíveis, que Frankie conseguia praticamente sentir o cheiro delas. Os marshrnallows deixados para dourar no fogo enquanto seus lábios expressavam o amor... A fumaça a formar espirais em toda a volta deles... O cheiro de papelão queimado do cabelo quando fica crestado... —Ai, ai, ai! Frankie quis levantar de um pulo e, com isso bateu violentamente a testa contra o vidro interno do tampo da cama de bronzeamento. Arrancou os protetores dos olhos e viu cordões de fumaça subirem das saturas calcanhar. Já os eletrodos soltavam faísca como cli veirinho em festa junina. — Ai, ai, ai! Aiaiaiaiaiaiaiaiaiai!

~ 124 ~


Trêmula e confusa, apertou o botão amarelo da rede, na esperança de desligar. Ele, entretanto, apenas acrescentou outros dez minutos à sessão. — Para! Para! — Deu tapas nas suturas quase em chamas, mas o pânico a fez Soltar ainda mais faísca. Frankie levou a mão ao fio elétrico de alimentação na parede e o puxou. Ele se manteve firme na tomada porém. Ela puxou de novo. E de novo... Voava faísca para todo lado. De repente, um clarãc de eletricidade lhe saiu da mão, correu serpenteanci pelo fio elétrico e se enfiou pela tomada. Pop! A sala ficou completamente às escuras. — O que aconteceu com a luz? — gritou alguém, em pânico, na sala seguinte. Parecia ser Cleo. Diversas outras vozes — algumas achando engraçado, outras muito agitadas — se fundiram num coro de desânimo e ligeira apreensão. Pela fenda embaixo da porta, Frankie viu uma luz bruxuleante de vela. Também ouviu alguém que passava às pressas em frente da sala onde estava. — Tem alguma coisa queimando? — perguntou uma voz feminina, preocupada. Dando pouca atenção às suturas (que cheiravam a queimado), Frankie se vestiu super-rápido e saiu de fininho para o corredor escuro. Seguiu as placas vermelhas de SAÍDA até a porta dos fundos do spa e,

~ 125 ~


depois, disparou para a chuva sem ter dito palavra a chiem quer que fosse. Lá fora, o vapor subia em espirais por seu corpo Iaiscante, como se fosse algum efeito especial à base de gelo-seco num filme de terror barato. Mas Frankie não queria saber de chorar. Afinal, tinha conseguido seu dia no spa. Ela havia respirado, vivido, cheirado e sentido aquilo. E (infelizmente) se recordaria disso para sempre. O celular tocou. Era Blue. Depois Lala. Depois Blue. Depois Lala. Frankie deixou as chamadas caírem na caixa postal. Após dez quilômetros de ensopada caminhada, chegou à Radcliffe Way. Seus braços e pernas estavam frouxos, e sua energia, quase esgotada. Ainda assim, negou-se a chorar. Tinha de poupar forças para o inevitável sermão que levaria dos pais. ―A senhorita foi aonde? A senhorita fez o que com a instalação elétrica deles? E se alguém a tivesse visto? O que é que a seque a senhorita tinha na cabeça quando resolveu vi andando de tão longe com a recarga pela metade? Fa ideia do perigo que isso representou? Perigo não aper para a senhorita, mas para todos os IRADOs! Franki quantas vezes nós...?‖ Nesse exato instante, um utilitário esportivo vercic BMW, passou em velocidade. Seus pneus atravessaram uma poça que se abriu em duas ondas, igualzinho a quando Moisés abriu o mar Vermelho. Uma das or das acertou a porta do passageiro. A outra encharco Frankie. Que, dessa vez, chorou.

~ 126 ~


CAPíTULO 11 NãO PERcA A META dE VISTA — Tem certeza de que não quer acampar com a gente? — gritou Glory no meio de um barulho ensurdecedor de um colchão inflável no momento que o estavam enchendo. — Já parou de chover. E o ar fresco vai ser bom para os seus pulmões. Estavam na sala de estar, onde as coisas continuavam apenas parcialmente desempacotadas. Pelas portas de vidro deslizantes, Glory e Melody observavam enquanto Beau dava um duro danado para montar uma barraca cáqui da GigaTent. — Tenho certeza, sim. — Melody se conteve para não rir da proposta da mãe. Afinal, quem era que os pais achavam que enganavam? Pijamas de cashmere, barraca para oito pessoas, lençóis italianos da Fre colchão AeroBed, espetinhos coreanos para viagem e garrafa de cristal cheia de coquetel mojito, mais progetor digital de vídeo carregado com a primeira tirada de Lost, não se qualificavam como acampamento. Do contrário, por que não colocar a boca no cano escapamento de um ônibus urbano de Los Angeles e chamar aquilo de inalador? Além do mais, Melody tinha planos.Tão logo Candace saísse para o terceiro encontro da semana, Melody se enfiaria no quarto com um saco de pipoca doce assistiria à sua série predileta, A maior das fracassadas. Só que o programa não passaria na TV. Era sobre garota chamada Melody, cujo amor por um nerdgato imprevisível a deixa sozinha no sábado à noite, oih do pela janela do quarto. E já seria reprise, hein?

~ 127 ~


— Oi e tchau — anunciou Candace, aoarecel diante da irmã num vestido curtinho sem alças, transparente, que tinha estampa de tie-dye roxo, azul branco. As ankle boots de salto agulha, prateadas, xavam perfeitamente claro (caso alguém ainda tivesse dúvida) que Candace não era mesmo do Orego Como é que está o meu cabelo? — quis saber, dando palmadinhas de leve naqueles cachos loiros de praia californiana. — Sexy demais? — Você já chegou a prestar atenção nas coisas que fala? — perguntou Melody, surpresa a ponto de dar uma risadinha. — Eu vou sair com o Jason. Ele é totalmente segundo plano — explicou Candace, reaplicando gloss nos lábios. — Não quero que ele fique com ideias. Só quero é deixar o Leo com ciúme. — O que vai deixar o garoto com ideias não é o cabelo, mas esse vestido aí — disse Beau, entrando ao voltar cio quintal. Seu pijama Prada cinza-aço estava salpicado de pedacinhos de grama. — Agora, suba e vá pôr uma roupa de verdade. — Pai! — Candace bateu pé com a ankle boot. — Fica parecendo que eu e você nem moramos na mesma casa! Está uma umidade amazônica aqui. Se eu colocar alguma coisa mais grossa, vou morrer de insolação, e olha que é de noite! Não estou nem precisando usar o difusor no secador de cabelo. Olha só! — Esticou um dos cachos e o soltou. O fato de ele ter voltado a se cnrolar como língua de sogra falou por si mesmo. — O cara da caldeira vem na quarta. — Beau secou a fronte bronzeada. — Agora, vá mudar de roupa. Do contrário, vou fazer a senhorita usar a barraca lá fora como vestido, e aí você que vá deixar o tal Jason com ciúme naquilo.

~ 128 ~


— O nome dele é Leo! — disse Candace, corrigindo-o. — Por que você não experimenta o meu vestidinho bolha verdeesmeralda por cima daquelas suas calças da Phi? — propôs Glory, que verificava com a ponta do dedío se o AeroBed estava mesmo bem cheio. — Ele está numa das caixas-cabideiro de mudança, aquela onde marquei YSL. — Não sei. . . — Candace suspirou, hesitando a respeito. — Aquele vestido Saint Laurent pede sapato preto, e eu não tenho. — Pode pegar emprestada a minha ankle boot da Miu Miu. — Glory soprou para longe dos olhos verdes uma mecha castanhoavermelhado. — Ótima ideia! — exclamou Candace, dando a impressão de que ainda não tinha pensado naquilo. Piscou para Melody, mostrando que não era esse o caso. — Você é mesmo uma sonsa — brincou Melody depois que seguiu Candace e se deixou cair na cama metálica de dossel, estilo francês, do quarto da irmã. As barras de peltre da cama eram contrabalançadas pelos lençóis pink cheios de babados e pelo edredom de cetim branco. Era o completo oposto do quarto de Melody — onde havia um armário integrado a beliche, tudo preto, da Pottery Barn, com uma escrivaninha embaixo da cama. — Na vida, Melly, a gente precisa ir atrás do que quer — explicou Candace, forçando o pé para calçar as rígidas botas de couro. — Não perca o foco, a meta, cm especial no que se refere a garotos. — Apontou com a cabeça a janela do quarto de Jackson, onde a luz parecia quase apagada.

~ 129 ~


— No que se refere a ele, não está acontecendo nada — disse Melody, que detestou o jeito que suas palavras acabaram soando. ―Por que dizer isso em voz alta é tão mais difícil que só pensar a respeito?‖ — E aquelas flores de cerâmica? — Ele tinha ficado aos amassos com a Cleo a semana inteira. Quando fez as flores, devia só estar me usando para deixar a Cleo com ciúme depois que o Deuce voltou. — Melody rolou até ficar deitada de lado. — Ele é galinha, Candi. Um manipulador. E eu cansei de ser manipulada. — Você desiste fácil demais. Sempre desistiu. — Ajeitou com as mãos a bainha do vestido-bolha e inclinou a cabeça para a direita. — É, está 0K. Luzes de farol de carro riscaram as toras da parede do quarto de Candace, que disse: — Chegou a minha abóbora de segundo plano. — Tente não ser sexy demais — brincou Melody. — OK, mas só se você tentar ser mais sexy. — Candace fazendo de conta que tinha um desses detectores de metal de aeroporto, passou a mão por sobre o blusão de moletom mescla, com o símbolo redondo da paz, que Melody estava usando. — Esse item de vestuário, minha senhora, não é permitido. — Mas ele é tão sexy! — disse Melody, tentando rebater. — Ah, é sexy, sim. — Candace borrifou contra o corpo a mais recente fragrância de Tom Ford. — Feito um tanque de lavar roupa. — Deu uma despenteada em Melody. — Você deveria sair um pouquinho.

~ 130 ~


Se o tédio não acabar com você, este calor infernal vai. — Estalou os dedos.— Bem, agora é tchau mesmo. Em seu lugar, ficou uma névoa sedutora de perfume Black Orchid. Melody continuou deitada na cama de dossel, atirando para o ar uma almofada branca de cetim e tentando apanhá-la antes que ela lhe caísse na cara. Aquela era realmente a sua nova vida? Esperou que o som da ankle boot Miu Miu se fosse dos degraus de madeira e então se enfiou no vestidinho transparente de tie—dye, aquele que Candace havia abandonado como morto junto à penteadeira. Depois, com uma ansiedade de Cinderela, calçou as botinha prateadas da irmã e foi mancando até o espelho. O calçado apertava muito os dedos dos pés, mas fazia maravilhas pelas panturrilhas. Longas e flexíveis, tinham a mesma delicada elegância do pano esvoaçante do vestido. Neste, o tiedye azul e roxo dava vida aos olhos cinzentos de Melody, como se eles fossem lâmpadas numa árvore de Natal. E, de repente, Melody virava um espetáculo. Ela começou a se imaginar no palco, cantando naquele vestido. Talvez ser bonita não fosse tão ruim... Vruuuum, vruuuum! Não fosse o iPhone ter tocado naquele instante, talvez Melody nunca houvesse conseguido se desprender do próprio reflexo no espelho. Passou o polegar pela tela do iPhone, pondo subitamente fim ao ring tone de motor de motocicleta. — Oi — respondeu, empurrando até a janela a cadeira executiva branca de Candace.

~ 131 ~


— E aí? O que acontece lá? — perguntou Bekka. A música ―Freak‖, de Estelle, tocava ao fundo. — Nadinha. — Melody olhou para o chalé branco do outro lado da rua. Rústicos caixotes de madeira, transbordando de flores silvestres, pendiam dos beirais. No quintal da frente, um enorme bordo servia de shopping center para a praça de alimentação que eram os comedouros de aves enfiados em seus galhos. A casa, ciosamente antiquada, irradiava um encanto de bc moço que não condizia com um mulherengo. — O que é que você está fazendo? — indagou Melody — Achei que você e o Brett tinham saído, o que aconteceu com a ideia de tentarem ver se deixavam vocês entrarem para assistir o novo Jogos mortais no Cineplex? A canção de Estelle foi substituída pelo clique cleque clique cleque clique cleque de dedos num teclado. — Os meus pais querem que eu fique em casa, por causa de toda esta história de monstro. — Bekka golpeou com força alguma coisa sólida. — É tão ridículo! Esperei a semana inteira para sair com o Brett, e agora... — Golpeou outra vez a mesma coisa sólida. — A gente só ia ao cinema. O que é que os meus pais estão pensando? Que vamos ser atacados pelo lobisomem do filme de Lon Chaney Jr.? Pelo Ghostface de Pânico? Ah, não, espere... Que tal aqueles peixes de Piranha? Clique cleque clique cleque clique cleque... — Por que você não pede para o Brett ir aí? — perguntou Melody, forçando a vista para ver se a luz bruxuleante atrás das venezianas de Jackson era algum sinal de atividade ou apenas racionalização de desejo sua.

~ 132 ~


— Eu pedi. Ele não quis. — O tom de Bekka passou da raiva à decepção. — O Brett disse que precisava ver o filme na semana de estreia. Por isso, ia com o Heath... Pelo menos, foi o que me disse. Clique cleque clique cleque clique cleque... A luz no quarto de Jackson se apagou. O show de Melody havia sido cancelado. — Me explique esta coisa de monstro — disse ela, enfim demonstrando algum interesse. Na escola, vinham falando do acontecido na Mount Hood High, mas Melody não tinha dado maior atenção. Afinal, estavam falando dc monstros... Além disso, nada podia ser mais apavorante que as garotas da Beverly Hills High; então, por que entrar em pânico? Entretanto, os pais não deixarem os filhos saírem fazia aquilo tudo parecer quase real... — Tem mesmo verdade nisso? — Os meus pais parecem achar que tem — gemeu Bekka. — Os meus também — disse uma voz conhecida. — Haylee?! — Oi, Melody. — Quando foi que você entrou na ligação? — perguntou Melody, imaginando se havia deixado aquele detalhe escapar enquanto espiava o quarto de Jackson. — Ela entra em todas as minhas ligações — explicou Bekka. — Transcrevendo as coisas para o livro. — Ah. — Melody mordeu a ponta da unha do polegar, percebendo finalmente que o ruído de fiando Haylee digitando. Melody não tinha

~ 133 ~


muita certeza que pensava daquela invasão de privacidade. — onde é que estávamos mesmo? Clique cleque clique cleque clique cleque... — Os monstros — informou Haylee. — É, isso — disse Bekka. — Obrigada. — Ela respirou fundo, abruptamente. — Corre todo tipo de boato, eu vou pelo que o Brett conta, porque ele entende horrores dessas coisas. Clique cleque clique cleque clique cleque... — Ele diz que há famílias de monstros moran no cânion do Inferno, a uns trezentos quilômetros daqui. Eles matam a sede e se banham no rio da Cobra e se alimentam na serra dos Sete Diabos*. Mas, quando chega o verão, o cânion fica tão quente que eles migram para oeste, na direção do mar. Aí, viajam só de noite ou em manhãs de muita cerração. Muito de repente, Melody avistou Jackson no quarto dele. Essa surpresa deu calafrios em Melody. Ela nunca tinha chegado a vê-lo no quarto antes. Melody apagou a luz do quarto de Candace, para que Jackson não a visse, e fingiu interesse na aula de folclore local que Bekka estava dando. — É mesmo? Clique cleque clique cleque clique cleque...

* O câonion do Inferno (Hells Canyon) é o mais profundo da América do Norte (2.436 metros), situando-se numa reserva ecológica entre os estados do Oregon e de Idaho. (N.T)

~ 134 ~


— É o que o Brett diz — explicou Bekka. — Depois, quando vem o outono e as coisas dão uma resfriada, os monstros voltam para o cânion. Por isso, faz todo o sentido do mundo que tenham avistado um, porque afinal a gente está no auge da estação migratória. — Eu não devia ter beijado o Deuce — disse Melody, amuada, já farta daquela conversa besta sobre monstros. — Aquilo só piorou as coisas. — Que coisas? — perguntou Bekka. — Você e o Jackson nem tinham um relacionamento. — Você é cruel. — Melody deu uma risadinha. Sua nova amiga estava certa. Aquele negócio de ficar espiando o vizinho e se mortificando por causa dele já estava cansando. Era tudo menos o recomeço do zero que a mudança para Saiem devia representar. — Mas é verdade — ajuntou Haylee, concordando com Bekka. — Eu sei. — Melody encostou a testa no frescor da vidraça. Era a coisa mais próxima de uma borrifada de água gelada que ela podia encontrar ali. — Eu caí totalmente naquela de artista tímido. Ele nem é tão bonitinho assim. Clique cleque clique cleque clique cleque... — Muito obrigado — disse uma voz de rapaz. Melody deu um pulo e gritou: — Ahhhhhhhh! Voltou-se num átimo para encarar aquela silhueta magrinha que estava no vão escurecido da porta de Candace. A adrenalina fez o coração de Melody acelerar como um motor de popa.

~ 135 ~


— Você está bem, Melody?! — berrava Bekka pelo telefone. — Vai, responde! É o monstro?! Clique cleque clique cleque clique cleque... — Não. Eu estou bem. Melody levou a mão ao peito, que batia como um tambor. É só o Jackson. Eu ligo para você depois. Clique cl... Melody desligou o celular e o atirou na cama de Candace. — Era o Deuce? — perguntou Jackson. Deleitando-se no calor daquele ciúme, Melody resolve deixar Jackson pensar que era. — Isso não tem importância. O que é que você está fazendo aqui? — Aquele casal de sem-teto que está acampando no seu quintal me deixou entrar. —Jackson avançou para a escuridão do quarto. Melody forçou outra vez a vista, franzindo a testa. — Você estava ouvindo a minha conversa? — Ei — disse ele, aproximando-se da janela—, aquele lá é o meu quarto? — Como é que eu vou saber? — Melody soou mais na defensiva do que teria gostado. Empurrou a cadeira de volta para a escrivaninha de Candace e acendeu a luz do quarto. Os olhos castanho-claros de Jackson se iluminaram quando viram Melody. Ela ficou vermelha como um pimentão. Tinha se esquecido completamente de que estava com o vestidinho de Candace. De súbito,

~ 136 ~


ficou constrangidíssima — não porque as pernas estavam de fora, mas porque aquele seu experimento com a sensualidade havia sido exposto. Amber Hear Bem, p-pois é... — disse Jackson, gaguejando e limpando a testa, que brilhava de suor. — Eu só vim dizer para você ficar longe do Deuce. — É? E por quê? — Melody deu um sorriso vingativo. — Porque você está com ciúme? — Não. —Jackson tirou os óculos e esfregou os olhos. — Porque ele é perigoso. — Tá com ciúme, tá com ciúme, tá com ciúme... Melody cantava isso como uma menininha no recreio. E, para sua surpresa, a voz pareceu sair um tantinho mais límpida do que o habitual. — Não é ciúme, 0K? Estou preocupado mesmo. — O lábio superior de Jackson começou a gotejar. — Preocupado com outro ser humano. Cara, é sempre tão quente aqui dentro?! — É — disse Melody, tentando fazer parecer que não estava devastada pela falta de ciúme de Jackson. Ela propôs: — No meu quarto tem ventilador. — Mas como você provavelmente só veio mesmo para me dar aquele recado... — Foi mancando no salto alto até a porta do quarto de Candace e, com toda a elegância de uma girafa de patins, a manteve aberta para ele. — Tenha uma ótima noite. E, mais uma vez, obrigada. Jackson saiu, fazendo Melody sentir-se como se estivesse despencando num abismo gigantesco. Zonza, foi baixando a cabeça e levando as mãos a ela.

~ 137 ~


— Ah, muito melhor! — disse Jackson, chamando. Ele estava no quarto de Melody. De luz acesa. Com o ventilador ligado. Tchau, abismo! Jackson já tinha se posto à vontade. Estava sentado no piso de madeira, debaixo do beliche preto, com os joelhos junto ao peito e o ventilador soprando ao máximo na direção dele. Usava camisa azulmarinho de manga curta, jeans bem desbotados e tênis All-Star pretos (iguaizinhos aos dela!). O aspecto nerd-chique daquilo tudo lembrava alguma publicidade impressa da grife Marc Jacobs. — Interessante — disse Jackson, olhando em volta para as caixas de mudança ainda por abrir. — É, não é tão ruim — respondeu Melody, pensando mais em Jackson que em seu quarto minúsculo e desarrumado. Ela sentou. Seguiu-se outra daquelas rodadas de curtos e constrangidos assentimentos de cabeça. —Mas, então, o que acontece entre você e a Cleo? — desabafou Melody, pondo tudo logo para fora. — O que você quer dizer? — Ele fechou os olhos e se inclinou mais para o ventilador. — Você está perguntando a sério?! — O coração de Melody tornou a acelerar como um motor de popa. — Olha, eu sei que você é galinha. Tudo bem. Eu entendo. O melhor que a gente pode esperar ter é a harmonia entre vizinhos, de modo que você pelo menos seja sincero comigo.

~ 138 ~


— Galinha?! —Jackson praticamente riu na cara dela. — Foi você que beijou o Deuce no meio do corredor! Melody ficou em pé. Que desplante dele distorcer as coisas daquele jeito! — Já acabamos. — Como é que é?! O que foi que eu fiz? — Eu não sou idiota, Jackson! Um ciclone de emoções desfez o nó na garganta de Melody e lhe levou lágrimas aos olhos. Ela já devia ter dito aquela frase umas mil vezes. A única variável tinha sido o nome afixado no final. — Então talvez o idiota seja eu — disse Jackson, que procurou a mão dela, O toque do rapaz foi reconfortante como o cheiro de biscoitos de gengibre na véspera de Natal. — Me diz... — Ele apertou a mão de Melody. — O que foi que eu fiz? Melody sondou os olhos de Jackson, que se aferravam a ela com o mesmo desespero da mão. —Me diz! — implorava Jackson. Balançando a cabeça como uma Magic 8 Ball*, Melody desejou que a resposta aparecesse de repente. Seria aquilo uma forma extrema de trote para com recém- chegadas a Salem? Ou Jackson não tinha mesmo ideia do que ela estava falando? — A Cleo — disse Melody, terminantemente, procurando algum sutil indício de reconhecimento no rosto de Jackson. Mas não achou nenhum. Nada de tensão na mandíbula. Nada de tremor na pálpebra. Nada de lamber a secura dos lábios. Jackson a encarava com a inocência

~ 139 ~


de uma criança pequena que olha para a professora na hora em que ela vai contar historinhas. — Você a beijou — continuou Melody. — Muito. Dessa vez, ele baixou a cabeça, envergonhado. — Ah-ah! Então você se lembra! Jackson balançou negativamente a cabeça. —Não, não lembro. É esse o problema. — Como é que é?! — Melody sentou no chão ao lado dele e tirou o salto alto. A conversa estava indo para um ponto em que não cabiam botinhas prateadas.

— Eu tenho uns apagões — confessou Jackson, arrancando um pedacinho solto de borracha que estava na parte do dedão do MiStar. — Minha mãe acha que podem ser causados pela ansiedade, mas ela não tem certeza. — E o que os médicos dizem? — Ninguém sabe ao certo o que é. — Peraí. Alguma coisa não faz sentido. — Melody se ajeitou no chão para ficar de frente para Jackson, mas, usando vestido curtinho, não dava para sentar de pernas cruzadas. — Um instantinho só — disse ela, indo a uma caixa de roupa. Tirou de lá umas calças de pijama listradas e

* Magie 8 Ball é um brinquedo feito de uma bola plástica preta (imitando a de bilhar) que, quando é chacoalhada, apresenta num aásor orna de ntc respostas alearória possíveis a alguma pergunta feita. (N. T,)

~ 140 ~


amarfanhadas e as vestiu por baixo do vestido. — Assim está melhor. — Sorriu, aliviada. — Muito bem, então você beija as pessoas quando não está consciente? — Boa pergunta. — Ele passou a mão pelos cabelos deu um suspiro. — Será que está piorando? — Não se preocupe. — Melody o tocou de leve joelho. — Há um monte de gente que pode ajudá-lo. — Fico mais preocupado com a minha mãe do que comigo. Eu sou tudo o que ela tem. Comovida com aquele altruísmo, Melody se inclinou para mais perto. Seus cabelos negros fora apanhados pelo vento do ventilador e bateram face tanto dela quanto dele. Drama no melhor estilp hollywoodiano. — Não se preocupe! — Melody agarrou o pulso d Jackson com uma veemência brincalhona. — Você não vai a lugar nenhum! A boa gente de Salem precisa d nós! — Então eu hei de lutar! — disparou Jackson, entendendo perfeitamente a deixa. Caíram

na

gargalhada,

livrando-se

de

toda

a

ciumeira

desnecessária e acolhendo com alegria o mistério do destino incerto que os aguardava. — Você sabe que eu só beijei o Deuce para de você com ciúmes, não sabe? — reconheceu Melody. — Não sabia, não. Mas funcionou.

~ 141 ~


— Eba! — Melody estava eufórica e aliviada em ouvi lo dizer aquilo. Jackson perscrutou o rosto de Melody, e os olhos dele sorriram como se tivessem tido um estalo. — O que foi? — quis saber Melody. — O seu nome — explicou Jackson. — Ele lhe cai — Verdade? — Melody ficou surpresa. Muito embora estivesse acostumada a cantar e a associação com ―melodia‖ fosse óbvia, ela sempre havia achado que devia ter recebido um nome mais sombrio, mais misterioso, como Meredith ou Helena. — Melody parece tão... alegrinho, e eu não sou tão... alegrinha. — É, mas olha só o significado dele. — Jackson cruzou as pernas, e agora os joelhos dos dois estavam se tocando. — Melodia é uma sequência de notas simples que, quando combinadas, criam algo sensacional. E você é desse jeitinho. Melody deu uma risadinha nervosa e depois olhou para os pés descalços e calosos. Candace tinha razão: não seria o fim do mundo ir ao podólogo, ou à pedicure, de vez em quando. — Obrigada — disse, comovida com o próprio acanhamento. — Ninguém nunca pensou muito assim no meu nome — confessou. — Nem mesmo os meus pais. Eles queriam que eu me chamasse Melanie, mas a minha mãe estava com sinusite quando deu à luz e, na hora que a enfermeira veio perguntar os dados para registro na certidão de nascimento, ―Melanie‖ acabou parecendo ―Melody‖. Só perceberam o engano três meses depois, quando a certidão chegou pelo correio. Aí, resolveram ficar com aquele nome mesmo.

~ 142 ~


— Bem, ele lhe cai perfeitamente. E mesmo lindo. Jackson disse isso e engoliu em seco. ―Lá vem... Por favor, não diga aquilo... Por favor, não diga...‖ — Igualzinho a você — completou ele. — Droga! Eu estava com medo de que você fosse dizer uma coisa dessas. — Melody se levantou, preparando-se para encarar o inevitável. — Qual o problema? — Jackson se levantou também e a seguiu até uma caixa em que tinha sido escrito não BEVERLY HILLS, mas ―BEVERLY HELLS‖, numa referência ao inferno que Melody achava a vida lá. — Olha só. — Melody quase bateu com a antiga carteirinha de escola no nariz de Jackson. Ele ajustou os óculos e olhou bem para a carteirinha. — Continuo não entendendo. — Olha como eu era feia até o meu pai, o cirurgião plástico, arrumar a minha cara! — berrou Melody, como se sua frustração fosse culpa de Jackson. O que meio que era mesmo. Jackson tinha dito que Melody era linda. Foi ele, portanto, que começou. E era tarefa Melody dar cabo daquilo antes que Jackson topasse Internet com aquelas fotos de ―Antes‖ e ―Depois‖. — Mas você não era feia de jeito nenhum! — disse ele. — Você está a mesma coisa! — Bem, então você é que não está olhando direito insistiu Melody, estendendo a mão para apanhar a carteirinha.

~ 143 ~


— Errado. — Ele pegou a carteirinha e tornou a estudá-la. — Estou olhando melhor do que você pensa. E tudo o que eu estou vendo está perfeito. ―Uau!‖ O nó na garganta de Melody ia juntando forças: viajando para o sul, rumava direto para o estômago. O calor na casa se juntava com o calor em seu corpo, e Melody estava sendo atraída para junto de Jackson. — Acho que a gente devia se beijar agora — disse ela, falando rápido e espantando a si mesma. — Concordo — disse ele, aproximando-se de Melody. O cheiro salgado-adocicado da pele de Jackson satisfazia Melody de um modo que a pipoca doce jamais conseguiria igualar. Mais perto... mais perto... mais perto... e... — PARA TRAS! — berrou uma mulher desesperada. Jackson se afastou. — O que foi isso? — Minha mãe, a sem-teto. — Ela consegue ver a gente aqui?! — Jackson teve ventilador ao rosto. — Acho que não. — Melody correndo para a esca — Mãe, está tudo bem? — Só se você acha que está tudo bem quando a gente é perseguida por um lobo-cinzento gigante — respondeu Glory lá de fora. — E o seu pai, obviamente, que está tudo bem, sim.

~ 144 ~


— Glory, eu estou lhe dizendo: aquilo não era lobo argumentou Beau. Melody e Jackson caíram na gargalhada. — Ei, quer ir ao Gala de Setembro comigo? — perguntou ele. — Claro! — Melody sorriu. Mas só se eu puder us isto. — Fez uma pose naquele seu conjunto de pijama com vestido curtinho. — Perfeito. — Ele riu. Melody chegou mais perto... Jackson chegou mai perto... e... — ALI, Ó! — berrou Glory. — Onde?! — Beau riu baixinho. — Não estou vendo nada. — Melody, desça aqui e me diga se você vê alguma coisa! — pediu Glory. — Estou indo — Melody revirou os olhos. Ela e Jackson desceram às pressas e se despediram rapidamente. Jackson saiu de mansinho pela porta da frente enquanto Melody ia para os fundos da casa. — Olha lá! — Glory apontou, através das portas de vidro, para alguma coisa lá fora. — Atrás da barraca, à esquerda do serviço de chá! Você está vendo alguma coisa? O

reflexo

de

uma

garota

chinfrim,

com

cabelos

pretos

desgrenhados, pés mal cuidados, calças de pijama e vestidinho de tie-dye, retribuiu o olhar. — E então? — insistiu Glory. — Está vendo?

~ 145 ~


— Não, não vi nada — respondeu Melody, mentindo. Porque, pela primeira vez na vida, a imagem que lhe devolvia o olhar não era nem um pouquinho medonha. Era, isto sim, linda.

~ 146 ~


CAPíTULO 12 cIRAdO Frankie dormiu como uma galinha que teve a cabeça cortada — seu cérebro e seu corpo estavam em programas totalmente diferentes. Após cinco tediosas horas de ressutura, durante as quais Viktor fez questão de ver os noticiários de TV, Frankie estava em segurança, enfiada em lençóis eletromagnéticos novos com uma corrente de força quentinha entrando pelos eletrodos. O cérebro, entretanto, vivia um frenesi apavorado. Lembranças das mentiras que tinha contado a Viv e Vik a atormentavam como uma repetição interminável de música de parque de diversões. Viveka: Viktor! Há alguma coisa de errado com a Frankie! Viktor: O que aconteceu ? Você se machucou (Para Viveka.) Ela se machucou? (Para Frankie.) Você está bem? Onde está o seu guardachuva? Frankie: Eu estou bem, só um pouco cansada. E tom frio. (Pausa.) Pai, você sabia que bigode de roedor remove manchas e cicatrizes? Viktor: Como é que é? (Para Viveka.) Ela está delirando? (Para Frankie.) Frankie, você consegue entender o que eu digo? Você sabe onde está? Frankie: Sei, sim, pai. Viktor: Onde estão as outras garotas? (Ele a levanta nos braços e a carrega para o leito de metal.)

~ 147 ~


Frankie: Elas queriam ir ao cinema depois da biblioteca. Eu prometi para vocês que voltaria para casa. Por isso, eu as deixei lá e vim para cá. Viveka: E elas não podiam trazer você antes de irem ao cinema (Viveka acende a enorme refletor, puxa-o pela alça e posiciona a luz sobre o corpo de Frankie, fazendo tudo parecer um interrogatório.) Frankie: Ahn... Elas até queriam me trazer, mas eu não quis que se atrasassem. Viktor: Você podia ter telefonado e pedido para ir com elas. Nós teríamos deixado, ainda mais se soubéssemos que você voltaria para casa a pé e na chuva. Frankie: Não foi tão ruim. Mas eu estou meio que cansada. Vocês se importam se eu fechar os olhos? Viktor: (Ele passa nas suturas alguma coisa fria e molhada.) Claro que não. Vá em frente. (Cochichando para Viveka.) As suturas até parecem queimadas. Viveka: (Cochichando também.) Provavelmente se esgarçaram com o vento. Enquanto os pais acreditavam, preocupavam-se,

velavam e

suturavam, ao mesmo tempo que acompanhavam o noticiário local, Frankie dava duro voltar para aquela praia imaginária onde ela e Brett corriam à vontade. Finalmente chegou lá — mas estava chovendo. Em algum momento, devia ter pegado no sono, pois não conseguia se lembrar de quando os pais saíram e apagaram as luzes. Já fazia uma hora, porém, que estava deitada na cama ouvindo os Glitterati fazerem

~ 148 ~


toca na serragem e matutando como explicaria às garotas o fato de ter desaparecido misteriosamente do spa. Mentir aos pais sobre a ida lá era uma coisa. Mas como é que uma tomada elétrica humana como Frankie conseguiria

emplacar

a

velha

desculpa

da

bateria

de

celular

descarregada? Aquilo, definitivamente, exigiria alguma prática. U-u, u-u! Frankie desligou o Carmen Electra e levantou a cabeça. U-u! u-u! Ou havia uma coruja na casa, ou os pais estavam testando ring tones. Frankie foi ver como estavam os Glitterati, já esperando que estivessem raspando o vidro numa tentativa desesperada de fugir à predadora alada. Mas eles dormiam, enrodilhados e parecendo pequenos globos brancos de danceteria. U-u!u-u! — Alô? — disse Viveka, com voz preocupada que a parede abafava. — Entendo... Estaremos aí o mais depressa possível. Segundos depois, pés descalços andavam apressadamente pelo cimento queimado, portas deslizantes de guarda-roupa iam sendo abertas, e alguém dava descarga. Nos filmes, os telefonemas tarde da noite significavam que alguém tinha morrido. Ou que havia acontecido um incêndio na fábrica. Ou que alienígenas tinham feito grandes círculos a fogo em alguma lavoura. Aquilo, contudo, era a vida real, e Frankie não fazia ideia do que podia ter ocorrido.

~ 149 ~


A porta de seu quarto começou a abrir. A estreita faixa de luz que vinha do corredor se abriu como um leque japonês. — Frankie? — sussurrou Viveka, já de batom roxo. — Sim? — respondeu Frankie. Com aquela luz forte teve de deixar os olhos semifechados. — Vista-se. Precisamos ir a um lugar. — Mas agora?! — Frankie deu uma olhada no celular. — São quatro da manhã! Viveka fechou o zíper de seu agasalho de mole- tom preto, da Juicy, deixando os minúsculos eletrodos momentaneamente à mostra. — Vamos sair em três minutos. Na cozinha, Viktor estava enchendo de café duas canecas de viagem. Frankie deu um pulo. O chão estava gelado. As novas suturas pareciam muito firmes. — Leva pelo menos meia hora para eu colocar a maquiagem e... — Esqueça a maquiagem — disse Viveka. — Capuz e manga comprida já resolvem. — Estamos indo aonde? — perguntou Frankie, oscilando entre o medo e a empolgação. — Eu explico no caminho. — A mãe saiu do quarto-laboratório, deixando a porta ligeiramente entreaberta. Tinha parado de chover, mas ainda ventava bastante. O luar prateado se refletia no calçamento reluzente o beco circular, fazendo

~ 150 ~


Frankie pensar numa enorme tigela de leite. Mas, em vez de folhas caídas das árvores, a bacia que Frankie visualizava estava cheia de sucrilhos multicoloridos. — Aonde é que vamos? — Agora, Frankie fazia uma tentativa com Viktor. Ele respondeu com um bocejo enquanto dava ré no Volvo para tirálo da garagem. — Nós temos uma reunião — explicou Viveka, com uma pontinha de preocupação na voz. — Na universidade?! — Não, um tipo diferente de reunião — respondeu Viktor, já na rua, com os olhos fixos nas luzes vermelhas traseiras do Prius preto que ia à frente. Considerando-se que ainda era tão cedo, um número surpreendente de carros estava saindo da Radcliffe Way. — Vocês sabem que eu não nasci ontem, não sabem? — disse Frankie, brusca e áspera. — É evidente que está acontecendo alguma coisa. — Frankie. . . — Viveka se voltou para encará-la. Por um breve momento, tudo ficou com o perfume de gardênia de seu óleo hidratante. — . . .você se lembra de que lhe contamos que há outras pessoas como nós em Salem? — Os IRADOs? — Isso mesmo. Bem, quando acontece alguma coisa em nossa comunidade, nós nos reunimos para discutir o assunto.

~ 151 ~


— E aconteceu alguma coisa? — perguntou Frankie baixando o vidro da janela e acolhendo com prazer ar fresco da madrugada. Viveka assentiu com um movimento de cabeça. — E fui eu? Viveka assentiu outra vez. Frankie soltou faísca. — O que é que eles vão faze comigo? — Nada! — disse Viveka para tranquilizá-la. — Ninguém sabe que foi você. — E ninguém jamais saberá — enfatizou Viktor. — Você vai gostar das nossas reuniõezinhas. Enquanto os adultos conversam, a garotada se junta com os outros IRADOs — explicou Viveka. Frankie sentiu um formigamento ali onde devia estar o coração. — Vou conhecer outros IRADOs?! “Brett! Brett! Brett! Brett! Brett!” — Vai, sim. — Viveka sorriu, voltando a olhar para o caminho à frente. — A sra. J. é uma conselheira maravilhosa para os jovens. Ela organiza debates sobre os problemas que vocês enfrentam e... — É a mesma sra.J. que é professora de ciências? — indagou Frankie. — Falem baixo e fechem as janelas — sussurrou Viktor, virando na Front Street. Estacionou no meio-fio vazio junto a um parque público e desligou o motor. Aí, com o dedo sobre os lábios, sibilou: — Psiu!

~ 152 ~


O carrossel do Riverfront era bem do outro lado da rua, e seus cavalos pintados ainda estava silenciosos como o resto de Salem. Os semáforos mudavam de vermelho para verde, depois amarelo, depois vermelho outra vez, apresentando-se para uma plateia que nunca comparecia. Até o vento tinha parado. ―O que é que eles estão esperando?‖ Frankie controlou a ânsia de soltar faísca, mas não foi fácil. Uma luz de lanterna de mão apareceu para ficar tremulando pelo para-brisa. — Vamos lá — disse Viktor, saindo do Volvo. Surgiu um homem, trajado inteiramente de preto. Sem dizer palavra, pegou com Viktor as chaves do Volvo e foi-se embora com o carro deles. Frankie, apavorada demais para falar, olhou para os pais na calçada deserta e lhes fez mil perguntas silenciosas. — Ele só está estacionando para nós — cochichou Viktor. — Sigame. Vik ofereceu uma das mãos a Viv, a outra a e as conduziu para trás de uma moita densa. Depois de ter rapidamente verificado o entorno, ele inclinou para o chão e foi dando batidinhas na grama molhada. — Achei — disse, puxando algo que parecia um gola enferrujada. Abriu-se uma portinhola, e mandou Frankie e Viveka entrarem logo. — O que é isto aqui? — perguntou Frankie, da com a passagem subterrânea que serpeava dele. Pavimentada com pedras de calçamento nada por lanternas, cheirava a barro e perigo.

~ 153 ~


— Isto leva ao CIRADO. — A voz de Viktor fez eco—O Conclave dos IRADOs. — Conclave? Então é uma festa? — quis saber Frankie já radiante com a ideia. — Pode ser. — Viktor piscou para a esposa. Viveka deu uma risadinha. O zunzum baixinho dos carros na rua lá em ressoava pelo túnel. Frankie, entretanto, não soltou uma faísca que fosse. Tomada pela esperança de ver Brett, seguia os pais no caminho de pedra com a animação e a expectativa de um dia na Disneylândia. Uma velha porta de madeira com grossas dobradiças de ferro os recebeu ao fim da breve jornada. — Chegamos — sussurrou Viktor. — Hum, cheirinho de pipoca... — Frankie esfregou a barriga para indicar a vontade de comer aquilo. — É porque estamos debaixo da barraca de pipoca do Mel — explicou Viveka enquanto Viktor procurava a chave. — E logo estaremos debaixo do carrossel. — Show! — Frankie olhou para cima, mas tudo o que viu foi o teto de terra enlameada e alguns suportes de lamparina quebrados. — Você sabia que o carrossel foi construído por IRADOs? — anunciou Viveka, toda orgulhosa. — É obra de um casal grego muito simpático, que antes morava num haras. São o sr. e sra. Gorgon. Acho que o filho deles, o Deuce, está na mesma série que você.

~ 154 ~


―O namorado de Cleo? E ela sabe que ele é IRADO?‖ — Os Gorgon descendem de Medusa, uma das três irmãs górgonas, que conseguem transformar as coisas em pedra só de olhar para elas — continuou Viveka. — A Maddy Gorgon, um dia, ouviu um alvoroço no estábulo. Um dos filhos dos tratadores estava jogando pedra numa colmeia, ali pertinho, e acabou fazendo que ela estourasse. A Maddy foi correndo para o estábulo, e as abelhas a atacaram quando entrou. Ela começou a dar tapas feito doida, e, nisto, seus óculos escuros caíram. A Maddy então olhou para os cavalos, e ele... — Viveka estalou os dedos. — ... viraram pedra na mesma hora. Os Gorgon passaram os cm anos seguintes pintando os cavalos... — Viveka boquiaberta só de pensar na magnitude daquele trabalho. — ... e, em 1991, Maddy os doou ao município. — Ela riu. — E você deveria ouvi-la contar a história. É muito engraçado! — Aposto que é. — Frankie fingiu interesse, mas seus pensamentos retornaram para o que estava atrás da porta, e não acima. Clique. Viktor abriu a porta que levava à nova vida social de Frankie. — Lembre-se, Frankie — advertiu ele —, aqui somos todos uma grande família. Mas lá em cima... — Apontou para onde estaria o carrossel. — . . . é proibido fazer qualquer menção do CIRADO ou de seus integrantes. Isso vale até para conversas apenas entre IRADOs. E se aplica a e-mail, torpedo, twittadas, tudo mesmo. — OK, já entendi. — Frankie empurrou o pai para dentro do recinto e procurou rapidamente por Brett.

~ 155 ~


Menores de todas as idades, usando pijama, estavam sentados como se fizessem hora na sala de recreação de algum amigo, em sofás e poltronas que, em outras circunstâncias, teriam sido muito confortáveis. Só que, ali, tudo era de pedra branca e lisa. Ao que parecia, a sra. Gorgon tinha perdido os óculos mais algumas vezes. — Show! — Frankie estava boquiaberta. — Olha só a galera! — Viktor! Viv! — Uma mulher de óculos escuros extragrandes, da Dior, os acolheu de braços abertos. Usava penteado alto, coberto por um lenço verde-espuma da Emilio Pucci, e seu macacão branco de linho, alto verão, parecia surpreendentemente chique, muito embora já estivessem entrando no outono. — Maddy Gorgon, esta é nossa filha Frankie — disse Viveka, radiante. Maddy levou as duas mãos à boa.— Ah, Viv, ela é simplesmente linda! O Viktor fez um belíssimo trabalho. Frankie praticamente levitou de alegria. Estava completamente verde e, ainda assim, alguém a achava linda! E alguém que não era nem seu pai, nem sua mãe! — Prazer em conhecê-la, sra. Gorgon. — Frankie estendeu a mão, nem um pouquinho preocupada com a possibilidade de soltar faísca. — Pode me chamar de Maddy — enfatizou a mulher. — Ou de Sogrona. — Inclinou-se para perto do ouvido de Frankie e cochichou. — Se o Deuce algum dia largar a Cleo, vou telefonar para você. — Bateu de leve, com a ponta dos dedos, numa das lentes escuras e disse: — Estou dando uma piscadela para você, hein?

~ 156 ~


Frankie já não se continha de satisfação. — Agora, se você me dá licença — disse Maddy, ficando séria —, vou pegar os seus pais emprestados. Colocou uma das mãos nas costas de cada um dele os guiou pelo vão de pedra. Tão logo os adultos saíram, alguém colocou para tocar bem alto a música ―Bust your windows‖, da trilha do seriado Glee, e todo o mundo correu a dançar. Até onde Frankie podia ver, ninguém mais tinha suturas nem eletrodos. Mas lá estavam uns caras com serpentes em lugar de cabelos; um casalzinho com guelras que ia dando uns amassos junto ao cacto de várias figuras de cauda balouçante; e uma garota pele de cobra parecia aquela bolsa de mão sensacional da Fendi, que Frankie tinha visto na Vogue. — Frankie! — chamou uma voz feminina conhecida. Ela se voltou. — Lala?! O que é que você está fazendo aqui? — Eu ia perguntar a mesma coisa, mas... Tocou mão, verde, de Frankie. — ... já está meio óbvio. Além do mais, ouvi o boato, um tempo atrás, de que o seu estava fazendo um filho ou filha. Eu só não sabia que essa criatura seria tão... eletrizante. Frankie ficou encantada em ser descrita com aquele adjetivo de que gostava tanto. — Então você já sabia quando fomos ao spa? — Eu tinha um pressentimento. Todas tínhamos... — confessou Lala. — Mas estamos proibidos de falar de assuntos IRADOs lá fora. —

~ 157 ~


Ela apontou para cima. — Por isso, estávamos esperando acontecer algum CIRADO para ter a confirmação. — Bem, considere-me confirmada. — Frankie sorria, adiante, deleitando-se com a sensação de ausência de peso que a liberdade proporcionava. — Ahn... e você é o quê? — perguntou direto, sem saber qual era a maneira educada de indagar aquilo, ou mesmo se existia tal maneira. Lala deu um passo para trás, colocou as mãos na cintura e sorriu. Cabelo preto e rosa... pijama de cetim preto com estampa de morceguinhos cor-de-rosa... cachecol e luvas de cashmere... olhos escuros... manchas de rímel na testa... Tudo parecia cem por cento Lala. — Não sei — respondeu Frankie, dando de ombros. — Olha bem! — Lala deu um sorriso mais largo, posando para algum fotógrafo imaginário. — Presas! — Frankie gritou acima do som da música. — Você tem presas! É por isso que sempre ri de boca fechada. Lala assentiu, toda animada. Frankie estava prestes a desandar a falar sobre quão espantoso era que ambas fossem Iradas, quando ou outra voz conhecida. — Oi, meninas! — disse Blue, borrifando nas escamas dos braços nus a facial mist Evian que tinha ganhado no spa. Os antebraços eram cravejados de projeções triangulares que pareciam barbatanas, e os espaços entre os dedos dos pés e das mãos estavam ocupados membranas. — Ah, então ela está confirmada?

~ 158 ~


Lala ergueu um dos braços de Frankie e apontou para as suturas. — Super! — As barbatanas de Blue se agitaram alegria. — Bemvinda à festa! — Ahhhhhhh... — bocejou Cleo, arrastando os pés na direção delas. Exceção feita às mãos, cheinhas anéis, e aos pés, calçados em sandálias plataforma douradas, Cleo estava totalmente envolta em bandagem de linho branco. Esse visual vanguardista parecia tão Rihanna na cerimônia de entrega dos American Music Awards de 2009! — Alguém sabe o que está acontecendo? Houve outra ―aparição‖? Lala deu de ombros, indicando que não sabia. — E ele? Está aqui? — perguntou Cleo. Lala apontou para os três rapazes sentados no tapete de pedra em frente a elas. Deuce parecia em estado meditativo. De pernas cruzadas e óculos escuros, tocava flauta para o emaranhado de serpentes verdes que coleavam em sua cabeça. — Parece que alguém está com os cabelos rebeldes... — brincou Lala. Cleo abafou o risinho na palma da mão e depois deu as costas para aquele namorado traíra que ia atrás de qualquer rabo normie de saia. — Não acredito que você também esteja aqui! — exclamou Frankie para Cleo, inalando um bocado de perfume de âmbar. — Eu deveria dizer a mesma coisa a seu respeito, mas a verdade é que não estou nem um pouco surpresa — disse Cleo, petulante. —Agora me pague. — Hein? — Frankie não estava entendendo.

~ 159 ~


— Você não! A Draculaura! — respondeu Cleo, brusca, com cansados olhos azuis em que tinha passado sombra à perfeição. — Já na primeira vez que vi você, eu disse para a nossa vamp aqui que você era uma de nós. E agora ela me deve dez mangos. — Mas quem é a Draculaura? — É o meu nome IRADO — explicou Lala, entregando a Cleo uma nota de dez dólares. — O meu nome de verdade. Cleo dobrou o dinheiro na forma de uma pirâmide e o enfiou no decote de suas bandagens. — Se a minha família recebesse royalties por aqueles filmes de Brendan Fraser ou aqueles fantasias cafonas de Cleópatra que vendem no Halloween, eu talvez não precisasse de seu dinheiro, Lala. — Ah, vá! Você não precisa do meu dinheiro, não... — disse Lala. — Mas já imaginou quanta grana eu receberia por Crepúsculo? — Eu também poderia reclamar — Blue coçou os braços escamosos —, mas O monstro da lagoa negra não chegou exatamente a arrebentar nas bilheterias. — Como foi que você soube que eu era IRADA? — perguntou Frankie a Cleo, repentinamente imaginando se mais alguém podia estar a par. — Tive a impressão de que você soltou faísca lá no refeitório na escola. E depois vi de novo no carro da Lala. — Bem, não foi a única vez que soltei faísca ontem — disse Frankie, dando risadinha. — O apagão foi você?! — quis saber Blue.

~ 160 ~


Frankie assentiu, acanhada. — Aquilo foi mesmo na jugular! — entusiasmou-se Lala, aplaudindo. — Fantástico! — Você tem ideia de quanto eu detesto o escuro? — protestou Cleo. — Ele me lembrava de quando fui enterrada viva. — Eu achei mesmo que ouvi você gritar — disse Frankie. — A massagista precisou me tirar de lá de cavalinho — confessou Cleo. — Eu estava morta de medo. — Você quer dizer que você é uma morta de medo, né? — disse Lala, brincando. As garotas caíram na gargalhada. — É tão chocante que vocês todas sejam IRADAs! — Frankie estava empolgadíssima. — Eu nunca teria imaginado que... A porta se escancarou com estrondo. Todo o mundo se voltou para ver a alcateia de mauricinhos, mas muito peludos, que entraram carregando sacos extragrandes do McDonald‘s. Mudos, sentaram a uma mesa de piquenique de pedra e começaram a devorar seus Big Macs. — Claude — gritou Cleo para o que parecia ser mais velho, aquele que tinha cabelo escuro e encaracolado e usava calças cáqui e blazer azulmarinho —,onde é que está a sua irmã? No túnel, chorando — respondeu ele, mastigando ferozmente. — Jogaram tinta nela outra vez. Cleo e Lala, solidarias, fizeram beicinho e cara de dó uma para outra.

~ 161 ~


— Não precisa ficar ladrando isso para o mundo todo! — berrou Claudine do outro lado da porta. — Ué, se sou eu quem ladra, é você quem está aí uivando — rebateu Claude, falando alto, ao mesmo tempo que desembrulhava outro Big Mac, descartava o pãozinho e engolia o resto. — O que é que eu posso fazer? — Claudine entrou, soluçando. Olhem só o que aprontaram comigo. — Puxou a estola de pele que tinha em volta do pescoço e que, agora, estava manchada de tinta vermelhosangue. — O que aconteceu? — perguntou Cleo, dando palmadinhas de leve, consoladoras, no braço de Claudine. — Foram aqueles defensores dos direitos dos animais. De novo. Eles ficam achando que eu estou usando pele de animal. — Mas está mesmo — argumentou Frankie. — É, estou. — Claudine desabotoou o casaco azul-marinho e, por baixo da camisola, revelou o outro casaco, natural, cor de âmbar, que tinha. — A minha! Frankie ficou boquiaberta. Estava horrorizada. Não porque se assustou ao ver pelo de lobisomem, mas porque se lembrou de que, no carro, havia sugerido a Claudine que tirasse a pele. Se soubesse, jamais teria cometido aquela insensibilidade! — Arrr! — rosnou a loba. — Se ontem não tivesse havido aquela queda de energia idiota, eu teria feito a minha depilação com cera quente, e nada disso teria acontecido.

~ 162 ~


Frankie sentou num dos braços de um sofá ali perto e fez de conta que apanhava uma ponta solta nas suturas de seu corpo. — Está tudo bem, você está em segurança agora — disse Cleo, abraçando a consternada licantropa. — Não vamos deixar que façam mais nenhuma cachorrada com você. Claudine deu uma gargalhada e limpou o nariz nas bandagens do ombro de Cleo. — Esse foi o trocadilho mais infame que eu já ouvi. — Não, a Lala me superou quando falou dos cabelos rebeldes do Deuce. — Sabe de uma coisa? — Lala penteou com os dedos o pelo manchado de tinta de Claudine. — Ficou legal, meio punk. Claudine olhou feio para ela. — É? E o que é essa coisa na sua testa? — Rímel! — disse Blue. — Ah, que surpresa... — zombou Cleo. — O que foi? — Lala mostrou rápida e ameaçadoramente as presas. — Eu não consigo ver meu reflexo, está bem? Mas, pelo menos, eu tento! — enfatizou, do no sofá ao lado de Frankie. — Ei, o que é que ela está fazendo aqui? — perguntou Claudine, só agora percebendo presença da novata. Frankie apontou para os próprios eletrodos. — Ah, legal. — Claudine ficou sentada, impassível como se ela própria não visse nada de mais naquilo até vivesse embutindo pinos de metal no pescoço da pessoas.

~ 163 ~


Frankie reparou num nome bordado na camisola a Claudine: CLAWDEEN. — Ah — disse Frankie, apontando —, é assim que escreve o seu nome? Maneiro. Clawdeen olhou para baixo. — É o jeito que os meus pais escrevem. Mas, na escola é mais fácil usar a grafia normie, Clawdeen. Fazem menos comentários irritantes. A sra. J. entrou e passou a tranca na porta. ―E o Brett?‖, perguntou-se Frankie. Ela deu um suspiro. Um suspiro pesado. Brett não ia aparecer. Brett não era como ela. Brett não era uma possibilidade. A sra. J. desligou o som, e todo o mundo correu a sentar, como numa dança das cadeiras. Blue se enrolou num roupão de plush vermelho e se juntou s garotas no sofá. — Desculpem o atraso — disse a sra. J. — Problema com o carro. — É, a senhora me lembre de usar essa desculpa da próxima vez que eu chegar atrasado para a aula de biologia — comentou Claude, numa voz mais ladrada que falada. Todo o mundo deu um risinho abafado. —Primeiro o senhor precisa tirar a carta de motorista — disparou a professora, subindo no estrado de pedra, com mesa, que dava para os sofás e poltronas. — Faltam só onze dias — anunciou Claude.

~ 164 ~


Os jovens IRADOs aplaudiram. Claude se levantou e fez uma reverência para aquela plateia. Enquanto isso, Frankie olhava com renovado interesse para a sra. J. Óculos de Woody Allen, cabelos negros num elegante penteado estilo bob, batom vermelho e um guarda-roupa de blusas e saias retas em variados tons de preto a tornavam interessante como professora. Mas parecia lhe faltar um quê para ser IRADA. — Qual é a dela? — sussurrou Frankie para Lala. — Ela é normie, mas o filho é IRADO. Só que ele não sabe disso. Ela acha que não saber vai protegê-lo. — É o Brett? — cochichou Frankie, impaciente. — Ih, errou feio — respondeu Lala. — Antes de começarmos a falar do tema de hoje, gostaria de apresentar o nosso mais novo membro — disse a sra.J. — Frankie Stein. Frankie se colocou de pé enquanto todos os outros a aplaudiam. Os sorrisos deles eram tão calorosos que pareciam recém-saídos do forno. Ela retribuiu sorrindo com o corpo todo. — Quem ainda não conhece a Frankie, que por favor se apresente a ela depois da reunião — disse a sra. J. — Pois bem, sigamos em frente... — Folheou algumas anotações num bloco pautado. — Como vocês sabem, um IRADO teria sido visto na Mount Hood High semana passada. Frankie puxou as suturas do pescoço. — Estou achando que foi alguma brincadeira, mas os normies estão levando muito a sério. Vários não estão saindo de casa...

~ 165 ~


— Aúúúúúúúúúú! — Os irmãos de Clawdeen uivaram e bateram os mocassins no chão. — Tomem jeito! — cortou a sra. J., com as pontas do penteado balançando para lá e para cá. — O que não falta neste mundo é adversidade. A nossa postura deve ser de amor e compreensão. Entenderam? — berrou. Os rapazes se calaram de imediato. — O que quero dizer é que precisamos agir com extrema cautela até essa crise passar. As relações com os normies devem ser amigáveis, mas distantes... Cleo ergueu a mão na mesma hora. — Quando a senhora diz ―distantes‖, isso quer dizer nada de beijar a Melorreia? — Ela é normie? Cleo assentiu. A professora tirou os óculos e lançou para Cleo um olhar de ―Você está mesmo me perguntando uma coisa dessas?‖. Mas disse: — Então a senhorita já sabe a resposta. Deuce ficou de pé e encarou a namorada. — Cleo, você precisa esquecer isso! — As serpentes dele sibilaram para expressar concordância.— Eu já falei que foi ela que me atacou! Não tive nada a ver com aquilo. Eu te amo e não quero saber de mais ninguém. Cleo bateu os cílios espessos (e possivelmente falsos).

~ 166 ~


— Eu sei. Eu só queria ouvir você dizer isso na frente de todo o mundo. Seja como for, a Melorreia não quer saber de você. Ela gosta do Jackson. Todos deram suas risadinhas. Todos menos a sra. J. e Frankie. Essa última não conseguia entender por que os garotos achavam Melody tão sensacional, tão chocante. Ela não parecia ser mais que uma ladra de namorados, isso sim. —Já acabou, Cleo? — disse a sra.J. — Depende. — Cleo fixou o olhar outra vez em Deuce. — Você já acabou mesmo com aquilo? Deuce assentiu e mandou beijinho para Cleo. Cleo retribuiu da mesma maneira. Deuce voltou a sentar no tapete de pedra. Colocou os fones de ouvido, e as serpentes sossegaram na mesma hora. Cleo deu um sorriso afetado para a sra. J. — Agora eu acabei. — Legal! — disse Clawdeen, erguendo a mão para um ―Toca aqui!‖, e Cleo bateu sua palma contra a dela. — Bem, se todo o mundo já terminou, eu gostaria de passar a algo um pouco mais... urgente. — A sra. J. se levantou e arregaçou as mangas bufantes de sua blusa preta. — Sexta-feira, durante a reunião dos professores com a direção do colégio, fomos informados de que o Gala de Setembro deste ano será um baile temático. Blue levantou a mão membranosa.

~ 167 ~


— Qual o tema? Vinte Mil Léguas Submarinas? — perguntou, esperançosa. — Receio que não, Lagoona Blue — respondeu a sra. J., em tom triste. — Em vista da suposta aparição na Mount Hood High, eles acham que seria divertido fazer uma... — Respirou fundo, depois pôs o ar para fora. — . . . Festa do Monstro Maluco. A reação foi tão explosiva que Frankie imaginou o carrossel a soltar-se da base e rodar pela Front Street abaixo. — Isso é tão ofensivo! — Total infantil! — A gente fez isso na sexta série, e já era chato e bobinho naquela época! — Que tal uma Festa do Normie Maluco? — Aí, poderíamos nos vestir todos do mesmíssimo jeito e não fazer absolutamente nada de especial. — É, mas, para bancarmos os normies de verdade, teríamos que ficar em casa! — E trancar bem as portas e janelas. — E ficar contando uns para os outros histórias sobre monstros que nos enchem de medinho. Frankie começou a soltar faísca. Não porque achasse ofensiva a temática da Festa do Monstro Maluco, mas porque pensava justamente o contrário. Ela adorou a ideia. E não dizer nada quando podia ter razão

~ 168 ~


parecia pior do que dizer alguma coisa e descobrir então que estava errada. Num átimo, Frankie ergueu a mão. — Ahn, será que eu posso dizer só uma coisa? Sua voz era baixa e suave demais para atrair a atenção dos outros, mas as faíscas que lhe saíam dos dedos resolveram a questão. Tão logo a moçada se acalmou e se assentou, as faíscas pararam. Todo o mundo olhava fixamente para Frankie, esperando. Mas ela não estava com medo. Sabia que o que ia dizer os impressionaria ainda mais que aquele seu show pessoal de luzes. — Bem, eu que acho que o tema da Festa do Monstro Maluco é uma coisa boa. Recomeçou o burburinho. Cleo chutou a canela de Frankie, do mesmo jeito que já tinha feito no carro. Mas a sra. J. bateu palmas duas vezes, pedindo ordem, e devolveu a palavra a Frankie. — Eu acho que os normies quererem se vestir como nós é um elogio — disse ela. — Não se costuma dizer que a imitação é a maior das lisonjas? — Alguns dos presentes, tendo ponderado as palavras de Frankie, assentiram. — Quero dizer, quem aqui não está cansado de copiar o visual deles? Lala e Blue aplaudiram, e o som desse apoio energizou Frankie da mesma maneira que o sol tinha feito na Mount Hood High. — Talvez seja sinal dos tempos. Talvez os normies estejam prontos para mudar. Talvez precisem de nós para mostrar a eles que não

~ 169 ~


precisam ter medo. E talvez a melhor maneira de fazermos isso seja ir à Festa do Monstro Maluco sem fantasia. O burburinho voltou a subir como bexigas cheias de hélio. A sra. J. levantou a mão, pedindo silêncio — O que é que você está sugerindo, exatamente? — perguntou. Frankie puxou a sutura do pescoço. — Ahn, o que estou dizendo é que uma festa à fantasia com temática de monstro significa que poderemos ir como nós mesmos. Aí, quando todo o mundo estiver se divertindo, poderemos mostrar aos normies que não estamos de fantasia. Eles então vão perceber que somos inofensivos, e poderemos viver às claras, livremente A sala ficou em silêncio. — Eu poderia finalmente andar de cabelo solto — brincou Deuce — Eu poderia tirar este blazer ridículo — disse Claude. — Eu poderia sorrir nas fotos — disse Lala. — Não ia fazer diferença. — Cleo abriu um sorriso. — Você não aparecer no filme mesmo... Lala mostrou as presas, ameaçadora. Cleo revirou os olhos. E então as duas deram risadinha. — Que tal fazermos uma votação? — disse a sra. J. — Quem for a favor de nos revelarmos no Gala de Setembro, levante a mão. Frankie levantou o braço. Foi a única. — E quem acha que devemos continuar disfarçados?

~ 170 ~


Todos os demais levantaram o braço. A sra. J. ergueu os dois. — Puxa, é mesmo? — surpreendeu-se Frankie, que se deixou ficar onde estava sentada, sem conseguir encarar ninguém. Não que os outros estivessem tentando olhar para ela. Dentro de Frankie, a decepção e a vergonha lutavam entre si para ocupar o espaço onde devia estar o coração. Mas aí a depressão total surgiu do nada, venceu aquelas outras duas emoções e conquistou o campeonato. Por que todo o mundo tinha tanto medo? Como é que as coisas poderiam mudar se ninguém se arriscava? ―Será que algum dia vou dançar na praia com o Brett?‖ — Está decidido, então — proclamou a sra. J. — Por quarenta e três votos a um... — Não, a dois — disse uma voz de rapaz. Frankie correu os olhos pela sala para achar aquele único partidário seu, mas não viu ninguém. — Aqui, ó — disse um adesivo flutuante que pairava acima de Frankie. No adesivo, lia-se OLÁ, MEU NOME É BILLY. — Oi, Frankie! Eu só queria que você soubesse que tem o meu voto. — Show — disse ela, tentando parecer entusiasmada com o invisível companheiro de luta. — Bem, o que é que vamos fazer? — bradou a sra. J. — Ficar orgulhosamente escondidos! — bradou todo o mundo. Todo o mundo menos Frankie.

~ 171 ~


Capítulo perdido Cujo azarado número Não se mencionará

~ 172 ~


CAPíTULO 14 BERRE PARA NãO chAMAR A ATENçãO — Será que alguém sabe me dizer o que é um autótrofo? — perguntou a sra. J. a seus alunos de ciências, levantando um cartão didático com aquela palavra. A mão de Frankie, coberta de maquiagem Fierce & Flawless, disparou para cima. A maioria de suas amigas ainda estava bocejando por causa do CIRADO da madrugada, mas Frankie estava pegando fogo — agora, no bom sentido. — Sim, Frankie? — disse a sra. J. — Autótrofo é todo ser que tira energia diretamente do sol. — Muito bem. — A sra. J. levantou outro cartão. — E anabiótico? Frankie tornou a erguer a mão, desejando ter escolhido um blazer menos implacável. Pano de tweed era tão apertado e piniquento! Pelo menos, o cachecol de cashmere que Lala lhe tinha emprestado possibilitava que Frankie Tweed baixasse o colarinho do blazer. Só que, agora, estava obrigada a usar cachecol em sala de aula. O que usaria em seguida? Colar cervical? Cone veterinário? A estola natural de Clawdeen? A sra. J. perscrutou as quatro fileiras de carteiras. Seus olhos castanho-claros se detiveram em cada aluno por igual, como se a reunião da madrugada nunca houvesse acontecido.

~ 173 ~


Enquanto isso, Lala, Cleo, Clawdeen e Blue estavam tão tranquilas quanto a professora. Usando as roupas que sempre usavam na escola, fazendo rabiscos nos cadernos, procurando fios de cabelo partidos, tirando cutícula... Estavam se portando exatamente como todas as outras garotas na sala. De modo entediado e normal. A única pessoa que demonstrava algum orgulho IRADO era Brett, o qual, sentado ao lado de Frankie, estava talhando na madeira da carteira uma zumbi de biquíni. Aquilo era, com certeza, um sinal: o dia que os dois passariam juntos na praia se aproximava. — Sim, Frankie? — disse a sra.J., parecendo ela própria um pouco entediada. — O adjetivo anabiótico descreve tudo o que vive em estado de animação suspensa. — Ótimo. — A professora pegou outro cartão. — E biótico? — Um ciborgue! — foi logo dizendo Brett. — Como o Steve Austin naquele seriado antigo, O homem de seis milhões de dólares. — Quem? — perguntou Bekka, parecendo ligeiramente enciumada. — Ele era sensacional! — Brett se empolgou. — Conseguia correr cem quilômetros por hora, e seu olho era feito uma lente zoom, e... — Ele era biônico — corrigiu a sra. J. Todo o mundo riu baixinho. — Eu perguntei o que é biótico. Frankie ergueu a mão, decidida a mostrar para Brett que ela era mais que apenas um rostinho bonito. — Mais alguém além da Frankie? — A sra. J. deu um suspiro. Ninguém disse um a.

~ 174 ~


— O adjetivo biótico serve para descrever qualquer coisa que esteja viva — já foi dizendo Frankie, grata à obsessão dos pais pela biologia. — Ótimo. — A sra. J. pegou com cuidado um pedaço de giz, ciente que estava do empoeirado beiral do quadro-negro e do que ele poderia fazer com sua roupa toda preta. — Como vocês sabem, todas as coisas são ou... Frankie levantou outra vez a mão e perguntou: — Os mortos-vivos são anabióticos? Lala, Cleo, Clawdeen e Blue ergueram a cabeça trocaram um olhar temeroso. A sra. J. tirou os óculos de armação preta. — Como é que é?! Frankie não conseguia ver a lógica de sentir-se intimidada por alguém — a sra. J. — que estava ela própria intimidada de modo bastante evidente. A conscientização era o primeiro passo para possibilitar as mudanças... e fazer Brett notá-la. — Que tal os zumbis? Ou os vampiros e fantasmas? O que eles são considerados? — É! — fez coro Brett. — Os zumbis são definitivamente anabióticos. Ele sorriu para Frankie. Ela irradiou satisfação. Bekka, que estava sentada do outro lado de Brett, chutou a perna de metal da carteira dele. A sra. J. atirou com ruído o giz no beiral. — Já chega! Estou falando de Ciência de verdade, e não de alguma mítica...

~ 175 ~


Uma sirene começou a tocar, esgoeladamente. Uem, uem, uem, uem... — Todo o mundo para cima das carteiras! — berrou a sra. J. Ela própria saltou para cima de sua mesa. Ninguém se mexeu. Todos os alunos se entreolharam, imaginando se aquilo era algum tipo novo de pegadinha para a TV. De que outro modo explicar a sirene ensurdecedora, a súbita histeria da professora e a perplexidade deles próprios? Uem, uem, uem, uem... — Vamos lá, agora! Isto é uma simulação de emergência. Dessa vez, fizeram o que ela mandava. — Que bom que hoje eu vim de salto baixo... — resmungou Cleo, admirando o acabamento em bronze de suas sandálias gladiador, que tinham sola plataforma de oito centímetros. As garotas davam risadinhas, ainda sem saber para qual emergência estavam se exercitando. Uem, uem, uem, uem... — Silêncio! — cortou a sra.J., brusca. — A senhora diga isso para a sirene! — vociferou Clawdeen. Suas mãos cobriam os ouvidos, e seu rosto se contorcia de dor. — É de ensurdecer! Uem, uem, uem, uem... — Talvez você tenha ouvidos biônicos — brincou Brett, lá do alto de sua carteira.

~ 176 ~


— Ou ouvidos caninos — acrescentou Bekka. — Você bem deve saber. — rebateu Clawdeen, ferina. — Com todas essas sardas, só pode mesmo ser mestiça de dálmata. Bekka ficou boquiaberta e então olhou para Brett na expectativa de que ele viesse correndo em sua defesa. Mas ele não pôde. Estava ocupado demais reprimindo o riso. Uem, uem, uem, uem... — Agora peguem as cadeiras e cutuquem o ar com elas — ordenou a sra. J., enfática., demonstrando aquilo do alto da própria mesa, onde tinha virado sua cadeira de ponta-cabeça e agora a brandia. De saia preta, blusa de cetim também preta e lábios de um vermelho fosco mas vivo, ela podia estar numa sessão de fotos para uma tendência nova na moda: A chique domadora de leão. — E façam o máximo de ruído que puderem. Olhou atentamente para os alunos, todos os quais se encontravam em diversos estágios do processo de levantar cadeira e cutucar o nada. Entretanto, nem os mais obedientes estavam conseguindo fazer barulho. — O que é que a gente está fazendo?! — perguntou Cleo, que, por princípio, negava-se a erguer uma pesada cadeira a menos que fosse absolutamente necessário. Brados, berros e correria ecoavam pelos corredores vazios. Era óbvio que outras classes estavam se mostrando mais receptivas àquele misteriosos exercício. — É uma simulação! — repetiu a sra. J., ainda cutucando o ar com as pernas da cadeira. Uem, uem, uem, uem...

~ 177 ~


— Que tipo de simulação? — Várias vozes se sobrepuseram para perguntar a mesma coisa. — Uma simulação de ataque de monstro, ok? — Uma o quê?! — perguntou Lala, sempre sem mostrar os dentes. — Uma simulação de ataque de monstro. — A sra. J. baixou a cadeira. — Para a eventualidade de que algum apareça em nossa escola. O diretor Weeks acha que é melhor estar preparado. ―Fala sério!‖, pensou Frankie, que achou perturbadora a atitude indiferente da sra. J. ―Será que ela concorda mesmo com tudo isto?!‖ — E! Urra! — Brett começou a agitar a cadeira para lá c para cá e a gritar como um guerreiro desvairado. Os outros normies fizeram o mesmo. Frankie não podia culpá-los. Tinham herdado dos pais aquele medo. Mas, se haviam sido ensinados a ter medo, não podiam agora aprender a não ter? Lala, Cleo, Blue e Clawdeen evitaram encarar umas às outras e, sem nenhum entusiasmo, fiz a absurda simulação, da mesmíssima maneira sra. J. Frankie queria, mais do que tudo, ser capaz de fazer igual. Deixar suas crenças de lado pelo bem comum. Fazer pouco da própria existência, ao invés celebrá-la. Ficar orgulhosamente escondida... Mas foi impossível. Só de pensar naquilo, ela se enchia de dor e pesar ali onde devia estar o coração. Uma coisa eram os Irados tentarem se integrar no mundo normie. Outra, muito diferente, era fingirem ter medo de si mesmos! Porque o medo gerava mais medo, como bem

~ 178 ~


mostravam os filmes de terror que tinham início àquilo tudo. Nada mudaria até que se livrasse do medo. Uem, uem, uem, uem... Frankie soltou a cadeira, que pousou no chão com um ruído de flagrante recusa. Melody, a outra nova na escola, fez o mesmo. — Levantem essas cadeiras, meninas, vamos lá! — ordenou a sra. J., como se não tivesse se dado conta daquela minirrebelião. — Mas eu não estou com medo — disse Frankie, calmamente, sem soltar faísca. Brett parou de urrar e olhou para Frankie com renovado interesse. Os cabelos dele, pretos e repicados, estavam espetados em todas as direções, mas os olhos, azul-anil, se fixavam direto nela. — Bem, você deveria estar — disse a sra.J. a Frankie, ameaçando. — Maneiro! — sussurrou Brett. Frankie se voltou para ele. — Ahn? Brett apontou para o pescoço dela. Um estalo de eletricidade subiu zunindo pela nuca de Frankie. Toda aquela coisa de pular em cima carteira e agitar cadeira havia feito que o cachecol emprestado por Lala se afrouxasse. Agora, os eletrodos estavam aparecendo! — Adorei os piercings — comentou Brett, ainda sussurrando. Nisto, ele abriu a boca e mostrou rapidamente a língua, revelando o piercing de prata na língua. — Maneiro — disse Frankie, dando risadinha.

~ 179 ~


A sirene, enfim, parou. — Por favor, voltem a seus lugares — disse a voz fina e fraca do diretor Weeks, que se propagou pelo sistema de alto-falantes. — Fiquem tranquilos, que foi apenas um exercício. Mas temos de estar preparados para caso ocorra outra aparição. Frankie revirou os olhos, achando tudo ridículo. Se eles soubessem que aquele perigoso ―monstro‖ era a melhor aluna de ciências na escola... — Agora, meus caros humanos e não humanos... — O diretor deu um risinho abafado, divertindo-se com a fraca piada própria. — A direção e o corpo docente da Merston High querem mostrar àquelas criaturas assombrosas que não estamos com medo. Todo o mundo concordou, dizendo ―lu-hu!‖. — Assim, este ano, o tema do Gala de Setembro será... A FESTA DO MONSTRO MALUCO! - O diretor fez uma pausa, dando aos alunos mais tempo para comemorar. — O casal que vier com a fantasia mais assustadora vai ganhar um passeio com jantar no Willamette Queen.* Por isso, tratem de pegar seus ingressos antes que eles se esgotem! — Ele então soltou sua melhor combinação de risada maníaca com uivo de lobisomem. Para encerrar, um efeito sonoro de trovão em noite tempestuosa. Frankie, de tão constrangida, puxou as suturas. — Eu vou ser Frankenstein! — proclamou Brett. — E eu vou ser a adorável noiva de Frankenstein — disse Bekka, efusivamente. Ela pegou o namorado pelo braço e olhou feio para

~ 180 ~


Frankie. Seus olhos de lince não tinham deixado escapar aquele momento entre Brett e Frankie. Na hora, o que Frankie mais quis foi contar aos dois que eles iriam ao baile fantasiados de bisavós dela. E que o vestido de casamento que a verdadeira adorável noiva tinha usado estava na garagem dos Stein. E que a bisavó Frankenstein tinha dançado descalça na noite de casamento porque os sapatos ficavam raspando nas suturas dela. E que o bisavô tinha feito todos os homens presentes à festa colocarem os fraques no chão para que ela não sujasse os pés. Mas essa história, evidentemente, era muito assustadora para contar. Sentada desleixadamente em sua cadeira, Frankie cruzou os braços sobre aquele blazer piniquento. Olhou feio para a sra. J., enviando raios invisíveis de indignação contra a única mulher que, Frankie havia tido esperanças, poderia poupá-los de tudo aquilo. Mas a sra. J. evitou o olhar de Frankie, preferindo examinar atentamente uma pilha de impressos. Bipe-bipe. A aula tinha finalmente terminado. — Frankie, por favor, permaneça na sala — disse a sra. J., ainda remexendo na papelada. Os IRADOs, em vez de desejarem boa sorte Frankie, juntaram rapidamente os livros e cadernos saíram às pressas. Já os normies se demoraram, trocando sugestões sobre fantasias para o baile e cochichando sobre quem seriam seus acompanhantes ideais. * Salem é cortada pelo rio Willamette, e entre as atrações locais está uma barca de cruzeiro, a Willamette Queen, que é réplica moderna daquelas antigas gaiolas a vapor do Mississippi e, no Brasil, do São Francisco. (N. T.)

~ 181 ~


Tão logo a sala se esvaziou, Frankie se aproxime da mesa da sra.J. A professora tirou os óculos, bateu-os com ruído na mesa de madeira e explodiu: — O que é que você acha que está fazendo?! Você tem ideia de quanto esse seu comportamento é arriscado?! Frankie soltou faísca. A sra.J. deixou o ar sair dos pulmões. — Olhe — disse ela, tornando a colocar os óculos —, eu sei que você é nova aqui. Eu entendo a sua frustração e o seu desejo de mudar as coisas. E você não está sozinha nisso. Cada um dos seus amigos sentiu, e sente, a mesma coisa. Eu também me incluo nisso. E todos fizemos nossas tentativas. Mas, no fim das contas, todos nós percebemos que é muito mais fácil, e muito mais seguro, simplesmente se conformar. — Mas... — Você acha que eu não tenho vontade de ir até lá... — A sra.J. apontou para o alto-falante pelo qual o diretor Weeks tinha feito seu pronunciamento. — ... e dizer a ele que essa palhaçada em cima das mesas e carteiras é totalmente desnecessária? Ou que aquilo é mais vexatório que Tom Cruise ficar pulando no sofá no programa da Oprah? —Mas... — É, eu tenho vontade, sim. Eu quero dizer tudo isso e um montão de coisas mais. — Seu queixo ficou duro, tenso. — Mas não posso. Tenho um filho para proteger. Eu o crio sozinha e preciso colocar as necessidades dele antes das minhas. — Mas dizer essas coisas o ajudaria — disse Frankie por fim. — Mudaria as coisas, e seu filho teria uma vida melhor do que tem agora.

~ 182 ~


— O tipo de mudança de que você está falando tornaria a vida dele melhor, é verdade. — A sra. J. descansou o queixo nas mãos. — Mas não seria esse o tipo de mudança que teríamos. Precisaríamos sair de Salem e começar tudo de novo em algum outro lugar. Se nos revelássemos para os normies, Frankie, voltaríamos à situação em que estávamos nos anos 1930. — Ahn... Eu acho que essa simulação de ataque de monstro já cuidou disso. — Nem de longe — rebateu a sra. J. — As pessoas perderam tudo naquela época. Algumas até perdera a vida. — A professora, com delicadeza, deu um laço no cachecol rosa de Frankie, de modo que ele a confortavelmente os eletrodos. — Algum dia as coisas serão diferentes. Mas, por ora, eu preciso... todos precisamos... que você seja discreta e faça o jogo deles. — Sorriu bondosamente. — Você consegue fazer isso? Frankie deu um suspiro. — Por favor — insistiu a sra. J. — ok. — Obrigada. — A sra. J. sorriu outra vez. Seus dentes, contra aquele batom vermelho fosco, pareciam extra- brancos. Sem que dissessem mais palavra, Frankie juntou o material e saiu. Reunindo-se ao tráfego de alunos no corredor e ouvindo quanto estavam todos entusiasmados com a ideia de se fantasiarem de IRADOs, ela não conseguiu deixar de pensar que a atual geração de normies talvez fosse mais tolerante e receptiva que a anterior. Claro, as garotas da Mount Hood High tinham se apavorado quando a viram, mas aquilo foi

~ 183 ~


compreensível. Nunca tinham visto ninguém de pele verde-menta. Foi uma reação natural. Mas e se fossem à página de Frankie no Facebook? E se lessem o perfil dela? E se vissem vídeos em que Frankie e os Glitterati dançavam ao som de Lady Gaga? E se soubessem que Frankie estava gamada no Brett? E se ficassem amigas das amigas dela? Reagiriam de modo diferente? Frankie fez a si mesma essas perguntas, repetidas vezes, enquanto ia para a aula seguinte. Sempre chegava à mesma conclusão: ela havia começado tudo aquilo. E cabia a ela terminar. Frankie manteria sua promessa à sra.J. e faria o jogo deles. Mas seguiria as regras dela própria, Frankie Stein.

~ 184 ~


CAPíTULO 15 LUZ, câMERA, Ação A luz pálida do entardecer estava sumindo. Pouco a pouco, como se controlada por dimmer, ela ia pedindo licença para ausentar-se do valezinho atrás da casa de Jackson. Agora, o céu do lusco-fusco conseguia enganar o olhar, fazendo-o achar que uma árvore magra e desfolhada, por exemplo, fosse algum velhinho caquético. Tinha parado de chover depois da aula, mas o vento ainda carregava a grande quantidade de água que havia ficado nas árvores. E fazia um frio que ia até os ossos. De acordo com Brett, eram as condições ideais para a filmagem de seu documentário Crônicas da caça aos monstros. Mas, de acordo com Bekka, o namorado estava sete minutos atrasado. — Espero que esteja tudo bem com ele. — Bekka eslava sentada num tronco caído. Ela e Haylee tinham se enrolado num dos cobertores ThermaFoil que Melody pegou emprestado de Beau. Dizia-se que esses cobertores, feitos de alguma espécie de laminado térmico prata e recheados de tecido polar, mantinham os montanhistas aquecidos mesmo nos picos mais nevados. Entretanto, com Jackson se aconchegando a seu lado, Melody concluiu que o cobertor que estavam usando era redundante. De início, Melody havia tentado fugir da proposta de estar naquilo a que ela se referia intimamente como Projeto A Bruxa de Brett. Isso porque tinha planos de estudar com Jackson e, embora ele não soubesse, Melody precisava filmar uma fita só dos dois. Chamava-se Garota

~ 185 ~


interrompida 2, e a prioridade máxima era a segunda tomada da cena de beijo de sábado à noite. No colégio, antes, Jackson estava junto ao guarda-volumes de Melody quando Bekka pediu ajuda na filmagem, e ele ofereceu como locação os fundos da casa. Aquele terreno, depois de anos largado, estava coberto de mato e árvores, sendo agreste mesmo. E coiotes — ou seriam lobos? — começavam a uivar quando escurecia. Bekka concordou que seria o lugar perfeito e, na mesma hora, mandou um torpedo para Brett informando o novo set. Agora, avancemos de novo a fita para a mata atrás da casa de Jackson: — Vocês não acham que ele está por aí com aquela garota nova, acham? — perguntou Bekka, a qual puxou tanto o ThermaFoil que ela e Haylee pareceram um rolinho metálico de sushi. — Quem? — perguntou Melody, percebendo uma lufada tropical de seu próprio perfume Kai. A fragrância tinha ficado presa debaixo do ThermaFoil que Melody e Jackson usavam, fundindo-se ao odor do giz pastel oleoso nas mãos dele. Os dois cheiros, juntos, rescendiam a primeiro amor. —Frankie Stein. — respondeu Haylee. — Você sabe, aquela toda rebocada de maquiagem — especificou Bekka. — Mas por que o Brett estaria logo com ela? — quis saber Jackson, dispondo-se encantadoramente a participar daquela conversa ferina.

~ 186 ~


— Não sei, — Bekka puxou um grampo meio solto num dos lados da cabeça e o recolocou direito no penteado bob ondulado. — Mas vocês precisavam tê-la visto paquerar o Brett hoje, na aula de ciências. Me espanta, Jackson, que a sua mãe não tenha falado disso em casa. Ele fez pouco daquilo. — Ultimamente, a minha mãe não tem falado de muita coisa. Só do quanto está ―estressada‖ com urna coisa de que ela está ―estressada‖ demais para falar a respeito. Toda vez que disse ―estressada‖, Jackson desvencilhou os braços do ThermaFoil para traçar aspinhas no ar. — Não faça isso — disse Melody, dando risadinha e tornando a enrolar Jackson no cobertor. — Você está deixando entrar todo este vento gelado. — Me desculpe. — Jackson tornou a se aconchegar debaixo do cobertor e sorriu para Melody, um sorriso mais demorado do que o de um simples amigo. Muito embora mechas de cabelo se evadissem do já bagunçado rabo de cavalo de Melody e ela própria estivesse marinando no moletom com que havia chegado da aula de educação física, sentia-se linda de uma maneira que nada tinha que ver com simetria. — Será que essa demora do Brett não foi por causa daquela simulação antimonstro? — disse Melody, com uma risadinha de incredulidade, — Aliás, o que foi aquilo?! — É, foi mesmo meio esquisito, mas, olha... — Bekka deu de ombros. — ... se serve para manter a gente em segurança, então tem todo o meu apoio.

~ 187 ~


— Mas em segurança em relação a quê? — perguntou Melody, imaginando de que modo aquele primitivo conseguiria afastar algo mais forte que tini peido. — Se os tais monstros existem mesmo, parece que nunca machucaram ninguém, né? Talvez sejam até legais. Vai saber. — Por que é que você está tomando o partido deles?! — Bekka largou o ThermaFoil e se inclinou para mais perto de Melody. O que Melody teve vontade de dizer foi: ―Olha, Bekka, eu sei muito mesmo sobre ser julgada pelas aparências. O partido dos monstros é o meu também‖. Mas, em vez disso, ela apenas encolheu os ombros e resmungou: — Sei lá. Só para passar o tempo, eu acho. Nisto, Bekka deu um sorriso radiante, de orelha a orelha. Levantouse de um pulo, tão subitamente que Haylee quase caiu nas folhas molhadas que cobriam o chão. — Me desculpe — disse Bekka à amiga baixota, distraidamente, arrancando o cobertor dela. — Você veio! — bradou para Brett, que chegava empunhando uma lanterna. — Claro que vim — disse Brett, falando também alto e marchando firme na direção da namorada. Suas pesadas botas de trekking esmagavam as folhas mortas com uma força de caminhonete de campeonato de monster truck. Brett, de chapéu de feltro preto e suéter listrado de vermelho e marrom, ou estava prestando homenagem a Freddy Krueger, ou era o próprio. Heath, um amigão de Brett que também era fã de terror, vinha lá atrás, carregando duas câmeras e o equipamento de som.

~ 188 ~


— Oi, Heath — disse Haylee, acenando do jeito que a maioria das pessoas limpa vidraça. — Oi, Hay. — O ruivo, magérrimo, deu uma risadinha abafada, por causa do trocadilho*, e largou o equipamento aos pés de Haylee. Ela, tendo vindo de leggings douradas debaixo do vestido-camisola de cetim e tule, havia obviamente se arrumado toda para a ocasião. Tanto que estava preferindo tiritar de frio a colocar a parca acolchoada, cor de salmão, que tinha trazido consigo. Heath, entretanto, não quis saber de vir alinhadinho — estava de jeans baggy esgarçados e uma gigantesca jaqueta de moletom com capuz. — Que locação maneira, cara! — Brett bateu o punho contra o de Jackson. — Se a casa fosse minha, eu acampava aqui toda noite. — Você não ia ficar com medo? — perguntou Bekka indo apressadamente para o lado de Brett e o envolvendo no ThermaFoil. — Mas a graça está aí, benzoca! — disse Brett. — sou viciado na adrenalina do medo, que me deixa gado. — Ele então a beijou como se os dois estivessem a sós. Haylee e Heath resolveram demonstrar súbito interesse pelas câmeras. Já Melody, pouco à vontade, olhou para o outro lado. Ficar vendo um amasso, ao mesmo tempo que estava enrolada no cobertor com o cara com quem justamente queria dar uns amassos, fez que Melody se sentisse exposta. Obvia. Transparente. Como se seus

* Em inglês, Heath diz Hey, Hay, palavras de grafia diferente mas pronuncia idêntica(N.T.)

~ 189 ~


pensamentos estivessem piscando em néon diante dos olhos dele. Por fim, Brett tentou se desvencilhar sem o consentimento dos lábios de Bekka. Essa divergência causou um barulhinho de sugada. Todo o mundo se contraiu de constrangimento e asco. — Muito bem, pessoal — disse Brett, passando os olhos pelo perímetro. — Estamos perdendo luz natural. Heath, Jackson, venham comigo. Precisamos de galhos para que eu possa firmar o tripé. Quero a câmera maior bem travada para a sequência do esquartejamento. Heath juntou a tralha. — Ahn... Claro... — concordou Jackson. Ele se sacudiu para sair do ThermaFoil e seguiu os outros rapazes para a mata fechada. Haylee correu a vestir a jaqueta acolchoada, fechou bem o zíper e se juntou às outras duas garotas no tronco caído. — O Jackson é muito mais descolado do que eu pensava — cochichou Bekka. — Ele é legal — disse Melody, casualmente, procurando não ser efusiva. — Então você está engolindo a desculpa dos tais apagões que ele diz que tem? — perguntou Bekka, muito enfática e direta. — Você acha mesmo que ele nem sabia que estava de caso com a Cleo? Haylee tirou o celular do bolso e começou a digitar. — Nem todo o mundo tem ciúme como você — respondeu Melody, cortante. Não porque achasse que Bekka estava errada. Receava, isto sim, que ela tivesse razão. — Eu acredito nele.

~ 190 ~


— Ótimo. — Bekka se levantou, balançando as franjas de sua jaqueta de camurça, uma peça de roupa anos 1960, comprada em loja que vendia esse tipo de antiguidade. Espiou entre as árvores e levou a mão em concha ao ouvido. — O que é que você está escutando? — perguntou Melody, o coração disparando. — O que foi? Você viu alguma coisa? — Não. — Bekka deu um suspiro e voltou às pressas para o tronco. — Muito bem, o negócio é o seguinte.— Ela agora cochichava, aproximando-se das amigas. — O Brett não foi juntar galhos para firmar o tripé. Ele vai é tentar dar um susto em vocês. Os polegares de Haylee corriam pelo teclado deslizante do celular. — Para de digitar! — ordenou Bekka. — Isto é série Haylee ergueu a cabeça e empurrou os óculos nariz acima. — Por que é que ele quer nos assustar? — pergunto Melody. — O Brett quer autenticidade no filme. Por isso, se assustem de verdade, mas finjam que estão mortas de medo. O ar da noite ficou frio e úmido, ilustrando a fala das garotas com sopros de vapor que pareciam balões de história em quadrinhos. — E por que é que você está nos contando isso? — quis saber Melody, realmente confusa. Bekka olhou para Haylee, concedendo-lhe o privilégio de responder. — As amigas antes de tudo — proclamou Haylee. —Antes até do Brett? — perguntou Melody a Bekka.

~ 191 ~


— Sempre — respondeu Bekka. Seu animado rosto sardento estava absolutamente sério. — Uau! — disse Melody, surpresa. Eram amigas para valer. Ter ouvido aquilo a fez sentir isso de fato. E sentir isso era como imergir ainda mais numa banheira de água quente e acolhedora. Muito de repente, um graveto se partiu ao longe. Bekka piscou para as amigas. Elas deram risada, abafando-as com as mãos. Mais passadas se aproximavam, esmigalhando folhas secas. E, então, o silêncio. — Obrigada! — disse Melody à amiga, só movendo os lábios. Sem aquele aviso de Bekka, ela bem podia ter borrado as calças. — De nada — respondeu Bekka, com outra piscadela. Aí, começou a encarnar a atriz. — Vocês ouviram isso? — perguntou, um pouco alto demais. — É — disse Haylee, em tom lamuriento. — Calma, meninas — tentou Melody, dando sua forcinha. — Tenho certeza de que é só o vento. Outro graveto se partiu. — Ai, meu Deus! Agora eu ouvi! — disse Melody, abruptamente, procurando não rir. Seguiu-se um som que parecia Darth Vader fazendo esteira. — Eu estou morrendo de medo, pessoal! — gritou Haylee, aguda.

~ 192 ~


— Brett! — chamou Bekka. — Jackson! — esgoelou-se Melody. Mais silêncio. E então... —

Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!

Brett,

usando

camiseta

ensanguentada e máscara do Jason de Sexta-feira 13 e brandindo um facão de plástico, surgiu das moitas. Heath vinha logo atrás, filmando a ação com uma câmera digital. — Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhh! — berraram as garotas, que então se jogaram nos braços umas das outras. Brett ficou dando voltas ao redor delas, sempre agitando o facão. — Ah, quem é que eu corto primeiro? Minha mãe mandou escolher esta daqui, mas, como sou teimoso, escolho es-ta da-qui!... — Socorro! — gritou Haylee. Ela ou tinha mesmo talento dramático, ou não havia entendido a dica de Bekka. — Socorro, nos acudam! — disse Melody, em pânico, mas só porque Haylee também estava. — Brett! — disse Bekka, tornando a chamar o namorado. — Eeeeeeeee corta! — bradou ele, tirando a máscara. — Conseguimos! — Era você?! — gritou Melody, constrangida com a própria canastrice. — Até pensei que a câmera fosse me entregar — disse Brett —, mas acho que vocês, choronas, estavam apavoradas demais para perceber. —

~ 193 ~


Bateu o punho de frente contra o de Heath e então puxou Bekka para um abraço comemorativo. — Tonto! — disse Haylee a Heath, empurrando-o de um jeito brincalhão. — Medrosa! — rebateu Heath, que retribuiu o empurrão e, depois, deu uma gravata e uns cascudinhos de leve em Haylee. Ela riu e bateu nas pernas de Heath, implorando que parasse. Mas, provavelmente, torcia para que ele não atendesse. — Ei, onde está o Jackson? — perguntou Melody. — Ah, ele disse que não estava se sentindo bem — respondeu Brett, desdenhoso. — Para onde ele foi? — Acho que para a casa dele — disse Brett, partindo para outro beijo sugado. — Eu já volto — informou Melody a ninguém especial. Com nada senão um cobertor ThermaFoil a expectativa do beijo de amor verdadeiro, da saiu pressas para procurar Jackson. —Jackson?

chamou,

dirigindo-se

à

moita

cerrada

Jacksooooon!. E se ele havia tido um daqueles apagões? E se havia tido um daqueles apagões e caído? E se ele ha tido um daqueles apagões e caído nos lábios de Cleo? Aos tapas, Melody afastava gravetos pontudos e folhas cortantes. Tudo isso tentando não lembrar que esta sozinha numa ribanceira onde podia haver...

~ 194 ~


— Melody? Ela o ouviu sussurrar. Ou teria sido o vento? — Jackson? — Aqui em cima — disse ele, de mansinho, antes de pular dos galhos de uma árvore para o chão. — Você está bem? — perguntou Melody. Ela o ―ThermaFoil como uma capa em volta do pescoço, moda dos super-heróis. Tentou enxergar além das lentes dos óculos de Jackson, para ver os olhos dele, estava demasiado escuro. — Você não teve um apagão ou coisa assim, teve? — Nem. — Ele balançou negativamente a cabeça, a modo cativante, como um garotinho. — Mas é bom saber que você se preocupa. — Jackson se recostou na árvore atrás dele e cruzou os braços sobre o cardigã de tricô, com zíper, bem fechado. — É claro que eu me preocupo. — Ela chegou um pouquinho mais perto. — Então por que foi que você sumiu? Ele encolheu os ombros, como se a resposta fosse óbvia. — Eu não quis ficar dando susto em você. Ela imergiu ainda mais fundo naquele banho quentinho. E, embora Jackson não dissesse nada, Melody podia ver que com ele também acontecia o mesmo. Foi o mais segura que Melody já tinha se sentido com alguém que não era da família. Se ela ao menos pudesse pegar aquele momento, e os sentimentos que o acompanhavam, e isolá-lo do resto do mundo, para que ficasse sempre exatamente daquela maneira!... Aproximando-se ainda mais, Melody ergueu o ThermaFoil acima de suas cabeças e o deixou cair sobre os dois, isolando-os de verdade do

~ 195 ~


mundo exterior. E ali, rodeados pela escurid達o e pelo calor, pelo rumor das folhas e pelo uivo distante dos coiotes, pelo perfume tropical e pelas m達os que cheiravam a giz pastel, eles se beijaram... e se beijaram... e se beijaram.

~ 196 ~


CAPíTULO 16 AS LáGRIMAS dO dESASTRE ... e se beijaram... e se beijaram... e se beijaram. O suor lhes salgava os lábios e lhes glaçava as bochechas como se Melody e Jackson fossem algum produto híbrido de panificação. Se não fosse pela falta de mais os brônquios contraídos de Melody, ela poderia ter ficado naquele casulo com Jackson até a formatura do colégio. Mas respirar estava ficando mais difícil, Melody tinha vindo sem inalador. — Eu preciso de ar! — disse ela, arfando, removendo ThermaFoil e dando risadinha com o desalinho dos dois. — O que... aconteceu com... os seus... óculos? — perguntou, ainda ofegante, ao ver que Jackson estava sem eles. O suor pingava do rosto de Jackson, e os olhos castanho-claros dele a sondava como se estivessem famintos. Jackson se inclinou para beijá-la de novo. — Espera! — Melody riu, pressionando a mão contra o peito palpitante de Jackson. — Eu preciso de ar. — Aqui. — Ele se achegou mais. — Fica com o meu. —A voz de Jackson pareceu mais baixa, mais controlada. — Como é que é? — Melody deu outra risadinha. — Onde é que eu já ouvi essa fala? Parece coisa do Chuck. — Quem é o Chuck? —Jackson se afastou, ofendido.

~ 197 ~


— De Gossip Girl, o seriado. — Ah. — Ele descartou a referência com um gesto de desdém. Em seguida, olhou atentamente para o rosto de Melody. — A propósito, quem é você? — Hein? — Melody deu sorriu de novo, mas alguma coisa na fisionomia de Jackson lhe disse que ele não estava brincando. — Sinceramente, a gente está na mesma classe? —Jackson! — Melody falou quase gritando, apesar do aperto nos pulmões. — Qual o problema com você? — Quem é esse ―Jackson‖? — Sua fisionomia azedou, e ele parou para pensar. Aí, o olhar incomodado se transformou em sorriso malicioso. — Ah, já entendi. Você gosta de fingir que somos outras pessoas. — Jackson, para! — Melody recuou um passo. — Você está me assustando. — Tudo bem, eu sinto muito. — Ele a puxou delicadamente para junto de si. Querendo confiar nele, Melody recuperou o fôlego e respirou fundo. Jackson estava com cheiro diferente, como o de composto vitamínico. Ou seria aquele cheiro da realidade depois que o amor acaba? — Então, se eu sou o ―Jackson‖, você é quem? — Eca! — Melody o empurrou para longe. —Já chega.

~ 198 ~


— Peraí. — Ele recuou um passo. — Não estou entendendo. Você quer brincar ou não? Eu topo qualquer coisa. Só quero saber qual é o lance. Melody sentiu o estômago revirar. Seria aquilo outra das brincadeiras de Brett? Estaria Jackson na equipe de filmagem deles? Teria Bekka armado tudo e atraído Melody àquele círculo doentio para que pudessem registrar em vídeo uma cena realista de desolação amo rosa? Os olhos de Melody logo procuraram nas moitas alguma câmera escondida. — Aposto que um pouco de música ia ajudar — disse Jackson. — Talvez a gente possa ir lá para a sua casa. Ele lhe ofereceu a mão. As manchas de giz pastel não estavam mais lá. — Não, obrigada — disse Melody, fungando. Ela pegou o ThermaFoil, que estava jogado no chão molhado, e se enrolou naquele cobertor como se ele fosse um abraço solidário. — Então é assim, né? — Ele retirou a mão e a passou pelos suados cabelos. — Tudo bem. Eu estou mesmo meio comprometido com outra. E ela é eletrizante! Melody abriu a boca. Mas nada saiu dali. Tinha perdido até a voz. — Tchau — ela conseguiu dizer. Depois foi às pressas para casa, com o corpo trêmulo e desesperado para liberar o furacão de lágrimas que ia ganhando força no fundo de seus olhos. Mas Melody lutou contra a tentação de chorar, recusando-se a ceder para Jackson qualquer outra coisa que restasse dentro de si para ceder. Enquanto atravessava chispando a Radcliffe Way, as primeiras lágrimas deram um jeito de sair e lhe rolaram pelas faces — era a

~ 199 ~


ventania antes da tempestade. Ainda assim, Melody conseguiu mandar um torpedo para Bekka, aconselhando-a antes que a visão se turvasse completamente pelo choro.

MELODY: Se o Brett quer mesmo conhecer monstro de verdade, que vá namorar homem. Apertou a tecla ENVIAR. E aí a torneira de lágrimas se abriu toda.

~ 200 ~


CAPíTULO 17 BOIcOTE? — Frankie, querida, passe o aspargo para os nossos convidados, por favor — pediu Viveka, com uma pontinha daquele sotaque britânico de araque que Madonna começou a usar depois que se casou com o inglês e se mudou para Londres. Mas Frankie não estava surpresa. Tudo naquele jantarzinho oferecido pelos pais era artificial e forçado. Até mesmo os sorrisos muito à vontade nos rostos deles. A verdade era que, se Viveka possuísse um cavalo, ela o teria montado e, naquela manhã, entrado pela cozinha a gritar, desesperada: ―Os normies estão chegando! Os normies estão chegando!‖ Mas, em vez de ter bancado o Paul Revere*, chegou e recheou a maquiagem dos três, recobriu-lhe as golas olímpicas com cachecol ( só para garantir ) e trancou a porta que dava para o quarto-laboratório de Frankie. — Esta noite é muito importante para nossa família — Viveka tinha alertado mais cedo, quando Frankie a ajudava a arrumar cinco lugares a uma mesa que costumava receber três. — O novo reitor pode conceder ao seu pai uma grande verba de pesquisa, e por isso precisamos causar boa impressão. Primeiro, a sra. J. Agora, a própria mãe. Frankie estava cansada de ficarem lhe dizendo como se comportar na presença de normies. —Será que devo reservar lugar também para os Glitterati? — perguntou, incapaz de reprimir a frustração. Viveka pousou o derradeiro prato com um clique bastante audível. — Como é que é?

~ 201 ~


— Não serão eles os afetados se o papai receber a verba? — Frankie dobrou um guardanapo cinza-aço e o colocou no lugar. — Afinal, é nos Glitterati que ele vai fazer as experiências. — Na realidade, os feridos de guerra e as pessoas na fila de doação de órgãos é que serão afetados pela verba do reitor de Mathis. — Você está falando é de NORMIES, não é verdade? — insistiu Frankie. — Todo o mundo — enfatizou Viveka. Ela baixou olhos cor de violeta. — Algum dia. O timer disparou na cozinha. Viveka correu a tirar o assado do forno. — Finalmente! — Ela deu um suspiro de satisfação, empurrando os negros cabelos para o lado e examinando a que estalava de quente. — Ficou perfeito! Na terceira tentativa, a gente sempre acerta! Viveka voltou à mesa com mais duas taças de cristal e uma nova animação no andar. — Se isto der certo — continuou ela —, seu pai dia não precisará mais fazer sutura para remendar pessoas. Os órgãos e membros artificiais dele vão simplesmente se ligar aos tecidos do paciente e produz: regeneração. — Porque sutura é feio, né? — Os olhos de Frankie se encheram de lágrimas. — Não, Frankie, não é isso o que estou dizendo... — Viveka foi às pressas até onde estava a filha.

~ 202 ~


— Mas foi o que você disse! — Frankie correu até o quartolaboratório e bateu a porta atrás de si. O súbito deslocamento de ar fez cair do esqueleto o rosto de Justin Bieber — que era só outro normie que não suportava ter de olhar para ela.

*** — Frankie, o aspargo, por favor — disse Viveka, lá da cabeceira de mesa, dessa vez um pouquinho mais alto, trazendo Frankie de volta ao tempo presente. — Ah, me desculpe. — Frankie se inclinou para a frente para pegar a travessa de louça branca e a passou à sra. Mathis, do outro lado da mesa. Mas aquela mulher rechonchuda, que tinha um penteado de Hillary Clinton em cabelos da cor dos de Bill Clinton, estava absorta demais com a teoria de Viktor (sobre a energia eletromagnética e como ela poderia dar vida a objetos inanimados) para se dar conta do gesto de Frankie. A sra. Mathis deu uma risada abafada. — Você ouviu isso, Charles? — Ela levou a mão ao colo coberto de manchas de sol. — Talvez você possa mesmo acabar casando com aquela TV de plasma. — É por isso que adoramos este nosso cientista louco. — O reitor Mathis passou o braço por trás da esposa até alcançar o ombro de Viktor e lhe dar uma espremida cordial. — Um dia desses, ele vai inventar alguma coisa que mude para sempre a maneira que vivemos. Ah, se pelo menos Viktor tivesse a coragem eletromagnética de dizer ao reitor que aquela ―alguma coisa‖ já havia sido inventada e estava passando à mulher dele uma travessa de aspargo!...

~ 203 ~


— Ele já inventou — proclamou Frankie, pousando travessa na mesa. — É mesmo? — O reitor se recostou na cadeira alumínio escovado e cofiou os lados da barba escura mas salpicada de grisalho. — E o que seria? — Eu. — Frankie deu um sorriso radiante, com o encanto de uma Shirley Temple. O reitor e a esposa caíram na gargalhada. Viktor e Viveka não. — Alguém quer aspargo? — Para mim não, Viv obrigada. — respondeu a sra. Mathis, reforçando isso com um gesto de mão. — A Cora não suporta hortaliças — explicou o reitor. — Ora, Charles! — Ela se voltou para encarar o marido. — Você sabe que não é verdade. São só as verdes. Essa cor tem alguma coisa que... Não é muito palatável. Tenho ou não tenho razão? Frankie soltou faísca. Viktor pigarreou. — Será que alguém quer repetir? — perguntou Viveka. — O que significa isso? — perguntou a sra. Mathis. Frankie achou difícil de acreditar que aquela mulher roliça não estivesse familiarizada com o conceito de repetir um prato de comida. Mas então percebeu que o dedo com anel de rubi da visitante apontava para a porta de entrada, onde uma luva de chenile vermelho estava enfiando um papel pela abertura do correio.

~ 204 ~


— Mas o que...? — Viktor se levantou e escancarou a porta. Do outro lado, veio o berro de duas garotas. Blue e Lala. — Ou — Frankie se pôs de pé num salto, ansiosa em fugir da mesa. Havia alguma coisa na cor branca dos convidados que Frankie não achava nada palatável... — O que acontece, meninas? — perguntou Viktor, curvando-se para pegar o papel. Blue e Lala trocaram um olhar apreensivo. — A gente, ahn, só queria deixar uma coisa para a Frankie — explicou Blue, cujas mechas louras e encaracoladas estavam presas numa maria-chiquinha. Frankie arrancou o papel da mão do pai e disse: — Um abaixo-assinado? — É — respondeu Lala, tiritando dentro do suéter de cashmere, cor rosa-chiclete, com gola boba. — A menos que desistam do tema da Festa do Monstro Maluco, nós vamos boicotar o Gala de Setembro. Mas o senhor não se preocupe — cochichou ela para Viktor. — Estamos dizendo que não gostamos do tema porque assustador demais, e não porque é ofensivo. — Oh mente, Lala não se preocupava muito com a regra ―Não falem de assuntos IRADOS mesmo quando presença apenas de IRADOs‖. — Eu não quero boicotar — declarou Frankie, pensando em Brett e no passeio com jantar que poderia ganhar juntos. — Eu quero ir — completou, dançai, — Mas e o tema? — quis saber Blue, não dando atenção à dancinha de Frankie. — Ele não deixa você louca de raiva?

~ 205 ~


Um pé de vento espalhou folhas pelo beco Radcliffe Way. — Vocês querem entrar? — convidou Frankie. — Ahn... Não é boa ideia — cortou Viktor, segurando a maçaneta. — Temos visita. — Podemos ir para o meu quarto — sugeriu Fran — Fica para outra vez. — Viktor franziu o cenho para a filha, uma advertência séria. — Boa noite, meninas. Fechou a porta na cara delas, sem sequer lhes dar chance de se despedirem. — Mas, pai, o que é que você está fazendo?! — Frankie puxou para longe do pescoço a sufocante combinação de cachecol com gola olímpica. — Viktor... — Viveka, falando alto, chamava da de jantar. — ... qual era o nome daquele colega maluco de quarto que você tinha no colégio? Aquele que tirou ele mesmo o próprio apêndice. — Tommy Lassman — disse Viktor, também falando alto, ainda junto à porta e ainda franzindo o cenho. — Ah, isso! — Viveka riu e depois continuou a contar a história aos convidados. — Por que é que agora a senhorita deu para nos desafiar? — sussurrou Viktor para a filha. — Não estou desafiando vocês. — Frankie sentiu a própria aspereza suavizar-se pela primeira vez na noite. — Só estou frustrada. — Nós entendemos o que você sente, mas colocar essa frustração para fora não é a maneira certa de agir.

~ 206 ~


— Bem, então qual é? — Frankie encostou na fria parede de concreto e cruzou os braços. — Participar de um abaixo-assinado pela causa errada? Agir como se você ainda estivesse tentando inventar coisas que já inventou? Tentar conseguir verba de pesquisa para uma causa normie quando a nossa própria gente... — Já chega! — Viktor, exasperado, bateu as palmas uma contra a outra. Frankie, assustada, deu um pulo ao ouvir aquele ruído. — Mais trovão? — perguntou a sra. Mathis. — Será que vem outra tempestade por aí? Essa chuva não para! Em circunstâncias normais, Frankie e o pai teria caído na gargalhada com o equívoco daquela mulher. Mas ambos sabiam que a situação nada tinha de engraçada. — A senhorita pode muito bem participar do abaixo-assinado, porque ao baile não vai, não. — O quê?! — Frankie bateu pé no piso branco imaculado, usando o salto de suas botas de cano alto Pour La Victoire. — Mas o que é que o baile tem a com...? — Você precisa aprender o que é discrição e juízo.

E até que

aprenda, eu não posso confiar em você. — Eu vou ser discreta! Eu vou ter juízo! Prometo!

— Frankie

estava sendo sincera. — Confie em mim. — Lamento, Frankie, mas agora é tarde. ―Ele está mesmo fazendo isso comigo?!‖ — Para que me dar a vida se você não vai me deixar vivê-la? — gritou.

~ 207 ~


— Já chega — resmungou ele. — Não, estou perguntando a sério — insistiu Frankie, já farta de que a fizessem se calar. — Por que foi que você simplesmente não fez de mim uma normie? Viktor deu um suspiro. — Porque não é o que somos. Somos especiais. E temos muito orgulho disso. Você deveria sentir a mesma coisa. — Orgulho?! — Frankie pronunciou aquilo de um jeito cuspido, como se a palavra estivesse encharcada de removedor de esmalte.— Como é que posso ter orgulho quando todo o mundo me manda ficar escondida? — Eu a mando esconder-se para que você fique segura. Mas, apesar disso, você ainda pode sentir orgulho do que é — explicou ele, como se as coisas fossem realmente simples assim. — O orgulho precisa vir de dentro e ficar com você, não importando o que as pessoas digam. ―Hein?!‖ Frankie tornou a cruzar os braços e outro lado. — Eu construí o seu cérebro e o seu corpo sim — explicou Viktor, como se percebendo a confusão no pensamento da filha. — Mas a confiança e o ânimo têm de vir de dentro de você, não de mim. — E como é que eu os consigo? — perguntou Frankie. — Você os tinha na manhã em que a levamos à Mount Hood High — ele lembrou Frankie. — Antes que você deixasse aquelas animadoras de torcida os tirarem de você.

~ 208 ~


— Então, como é que eu os consigo de volta? — Frankie estava pensando em voz alta. — Pode levar algum tempo — respondeu Viktor, os olhos carrancudos espiando por cima do ombro filha para ver como estavam os convidados. — Mas quando os recuperar, segure-se a eles com todas as forças. E, por mais que outros tentem, não deixe ninguém tirá-los de você. Entendido? Frankie assentiu, muito embora não houvesse entendido, não. — Ótimo. — Viktor piscou para ela. A confusa lição chacoalhou a raiva até transformá-la em algo que Frankie nunca tinha experimentado antes. Era como um merengue emocional sentimento aerado da solidão recoberto pela crosta dura da injustiça. O gosto, entretanto, estava longe de ser doce. Viktor andou tranquilamente de volta para a sala jantar, com os braços a balançar de modo despreocupado. — Prontos para a sobremesa? Frankie se precipitou para o quarto-laboratório, sem se preocupar com quem estava olhando ou com o que estavam pensando dela. Sem se preocupar em se preocupar com essas coisas de jeito nenhum. No instante em que pôs a mão na maçaneta, ela começou a soluçar. Entrou, recostou-se à parede, deixou-se escorregar para baixo, sentou no piso gelado e enterrou o rosto nas mãos. Pensando na única pessoa que ela conhecia que via a beleza dos monstros. O Gala de Setembro era a grande oportunidade de ficar na companhia de Brett — e de ajudá-lo a conhecer a verdadeira Frankie.

~ 209 ~


O que ele faria, logo depois que ela lhe desse uma esponja de remoção de maquiagem... — Vá em frente — ela lhe diria, tão logo os dois se reunissem no poço da escada da escola. A música, sensacional, vazaria da quadra cheia para o corredor vazio e tentaria atraí-los de volta para a pista de dança. Mas eles resistiriam, preferindo o ritmo a cappela da batida de seus corações. — Limpe meu rosto. Brett passaria pela esponja áspera os dedos de unhas pintadas de preto e a consideraria abrasiva demais para a pele suave e sensível de Frankie. Mas ela insistiria. E ele, portanto, cederia. O toque amoroso de Brett traria uma lágrima aos olhos dela. A descoberta da pele verde-menta de Frankie provocaria uma lágrima nos dele. — Por que você não me contou? —Perguntaria Brett. Ela olharia para baixo, envergonhada — Você está bravo? — Bravo?! Outra lágrima. Ele, após ter enxugado essa lágrima, levantaria dedo o queixo de Frankie e diria: — Eu estou é louco... Louco por você! Seguir-se-ia um beijo daqueles capazes de mudar vidas. Depois, iriam para a quadra para a última do e sairiam de lá com o prêmio pela melhor fantasia de casal. O amor entre os dois chegaria à plenitude no passeio de barca. E Brett logo estaria usando camisetas estampa das com

~ 210 ~


o retrato dela. A beleza natural e verde –menta de Frankie cativaria milhões — aí incluída até a sra. Mathis. No Natal, já haveria uma grife de roupas chamada Frankie... Fabricas de brinquedos produziriam as bonecas Frankie... Os saquinhos de M&M só trariam confeitos cor de menta... Frankie se levantou, não mais satisfeita apenas com devaneios e a expectativa de um amanhã melhor. Talvez o pai tivesse razão em não confiar nela. Talvez ela já não fosse a filha perfeitinha do papai. Porque a filha perfeitinha do papai faria o que mandavam. Abriria mão do Gala de Setembro, seria discreta, teria juízo. Mas Frankie não conseguia ver sentido em fazer nada disso.

~ 211 ~


CAPíTULO 18 POdE VIR QUENTE QUE EU ESTOU FERVENdO Na loja de fantasias, Haylee, como se fosse uma zelosa madrinha de casamento, seguiu Bekka pelo corredor temático que se chamava ATÉ QUE A MORTE OS SEPARE. Já Melody seguia Haylee como se fosse uma invejosa dama de honra. — Que tal este aqui? — Haylee levantou da arara um esguio vestido de noiva. — Brilhoso demais — disse Bekka. Haylee pegou outro. — Muito cheio de babado. — E este? — Muito bufante. — Este? — Muito branco. — Talvez você devesse ir de Megera, a Noiva Cricri — resmungou Melody. — E talvez você devesse ir de Azeda, o Monstro Amuado — retrucou Bekka.

~ 212 ~


Melody não pôde deixar de rir com a réplica amiga. Bekka riu também. E voltou direto para a tarefa. — Eu quero uma coisa que seja sensual, descolada assustadora ao mesmo tempo. — Este aqui? — Haylee fazia outra tentativa. — Muito sem graça. — E este? — Muita pinta de fantasia. — Mas, Bekka, a gente está numa loja de fantasias! — observou Melody. — Bem lembrado. — Bekka levou a mão à correntinha, segurou a letra B de ouro e a fez deslizar para lá e para cá na corrente. — Assim, talvez você deva pensar no que é que vai usar. A Festa do Monstro Maluco é sexta que vem. Já que hoje é sábado, isso dá menos de uma semana para você... — Pode parar. — Melody revirou os olhos cansados. — Eu já falei: não vou ao baile. — E não vai por quê? Porque você e o Jackson tiveram uma briguinha boba ontem à noite? Haylee ergueu o derradeiro vestido de noiva. — Comportadinho demais — disse Bekka. — A briga não foi ―boba‖! — rebateu Melody, brusca, desejando nunca ter mencionado o acontecido. Como é que poderia explicar uma coisa que nem ela própria entendia direito? O comportamento de Jackson

~ 213 ~


a deixou não com uma narrativa clara, mas apenas com uma sensação. E era de decepção, aborrecimento, mal-estar. — Pois muito bem — disse Haylee, pegando entre as pontas dos dedos o tule de um véu de teia de aranha e sentindo a textura do material. — Vá com outro carinha, então. — Eca, quanta coisa feia! — disse Bekka. — Olhou para as enormes aranhas que pendiam do teto e bateu pensativamente o dedo no queixo. —Hum... Será que eles não têm coisa melhor lá no depósito? Hay, você poderia perguntar ao... — Já estou indo. — Haylee saiu rapidamente para procurar o gerente. Sua bundica se movia com a eficiência de um brinquedo de corda. — Mas, então, você tem alguma ideia para a fantasia? — indagou Bekka, tentando parecer solícita e solidária. — Que tal eu ir de Garota Invisível? — Melody foi passando a mão pelas embalagens de maquiagem gordurosa de Halloween. As cores, com nomes como preto-mor cego, vermelho-sangreira verde-zumbi e brancoassombração, estavam a postos dentro de seus potes plásticos. Melody se inclinou para mais perto e os cheirou. O odor não se parecia em nada com o do giz pastel de Jackson. Era mais adocicado, menos intenso. Mas as lágrimas vieram do mesmo jeito. — Toc, toc — disse Bekka, verificando o preço de liga preta. — Quem bate? — Melody respondeu. —Bu! — Que Bu?

~ 214 ~


— Bem, já que você está aí feito uma morta a manhã inteira, por que não vai de fantasma deprê? Melody deu uma risadinha. — Não tem graça. — Então por que você está rindo? — perguntou Bekka com voz cantada. — Não estou, não... — respondeu Melody, também cantando. — Está certo, então. — Bekka se afastou dos vestidos de noiva de trinta e quatro dólares e cruzou os braços sobre a jaqueta jeans. — Se você não vai, eu também não vou. — Ah, tá. — Melody deu um tapinha, de brincadeira, no braço de Bekka. — E perder a chance de ser a noiva do Brett? — As amigas antes de tudo — insistiu Bekka, com olhos verdes que estavam firmes e seguros. — Não posso deixar você fazer isso. — Então parece que você vai, sim. — O rosto sardento de Bekka irradiava triunfo. Haylee voltou, a passos rápidos e cheios de determinação. — Falei com o subgerente, o Gavin. Ele disse que só vão receber outros vestidos de noiva de Frankenstein na segunda metade de outubro. Mas ele me deu... — Haylee olhou para o cartão de visita que tinha em mãos. — ...o telefone de Dan Mooney. É o gerente- geral, que volta na segunda. A gente pode confirmar com ele se não vem mesmo mais nada antes.

~ 215 ~


A dedicação de Haylee a Bekka comoveu Melody. Bekka e Haylee não eram as típicas alunas de décima série, mas eram leais. E, por esses dois motivos, Melody tinha acabado por adorá-las. — Não, tudo bem — disse Bekka, com um suspiro, rendendo-se ao que estava disponível ali. — Vou compensar a roupa com um penteado de arrasar. — Nesse caso, eu recomendo aquele primeiro vestido, o brilhoso — disse Haylee, tirando-a da arara, — é simples e elegante, e o meu vestido de dama de honra também é brilhoso, de modo que vai combinar e causar boa impressão. — Genial! — Bekka usou o braço como cabide para vestido. — Agora, a gente só precisa de... — Seus vagaram pela loja. — Eeeeeei, olha só quem... —Oi. Melody ouviu uma voz conhecida, de rapaz. Ela se voltou. Era Deuce. Apesar da pouca luz ambiente, ele usava óculos Ray-Ban de armação vermelha e boné estampado da Ed Hardy. Ver Deuce fez os lábios de Melody implorarem por uma aplicação de gloss naquele instante. Era o jeito deles de dizerem a ela que preferiam ficar fora dessa. Melody os calou, assegurando-lhes que ela pensava da mesma forma. — Oi. — Deuce sorriu, sem jeito. Pesados fones da Bose lhe cobriam firmemente os ouvidos, e ele não fez nenhuma menção de tirálos.

~ 216 ~


— O que é que o traz aqui? — perguntou Bekka, como uma mãe enxerida. Haylee começou a digitar. — Ahn... Eu vim comprar fantasia. — Deuce levantou a cestinha de compras. Depois, presumindo que Bekka não tivesse reparado na cartola que ele carregava ali, explicou: — Eu vou de Chapeleiro Maluco. — E a Cleo? — perguntou Bekka. Melody reprimiu a vontade de bater nela. Deuce se remexeu, ainda menos à vontade. — Dessa vez, ela não vai. — Crise no paraíso? — Bekka! — cortou Melody. — Isso não é da nossa — Na verdade, estamos bem. — Deuce deu um sorriso frouxo. — É só que algumas das amigas dela estão pensando em deixar o baile de lado este ano, de modo que a Cleo provavelmente vai ficar com elas e... — Então você vai sozinho? — Talvez. Eu ainda não estou completamente... — Excelente! — Bekka bateu palmas uma vez. — Por que é que você e a Melody não vão juntos? — Bekka! — Melody bateu pé com seu All-Star preto. A sensação de incômodo piorou, e muito. — O quê? — perguntou Bekka, toda inocente, fingindo interesse num buquê ensanguentado. — Vai ser legal. Você não acha, Deuce?

~ 217 ~


— É, vai, sim. — Ele assentiu, animando-se com a ideia. — Mas vamos só como amigos, porque, vocês sabem, a Cleo e... — Claro! — disse Bekka, procurando não deixar arestas. — Ok, então. — Deuce deu outro sorriso, agora meigo. — Pega o teu iPhone, Deuce — disse Bekka. —Eu vou te passar o telefone da Melody pelo Bump. — Ei, Bekka, eu ainda estou aqui... — Melody estava fervendo de raiva. — Um, dois, três e... BUMP! — Bekka e Deuce bateram seus celulares como se fizessem tintim. — Já está aqui — disse Deuce, olhando para a tela do iPhone. Em seguida, dirigiu-se a Melody. — Eu mando mensagem para você no dia. — Legal. — Melody sorriu, mas sua boca continuava fechada. Na volta para casa, o curto trajeto de bicicleta transcorreu sobretudo em silêncio. O céu, azul e otimisticamente ensolarado, parecia estimular Melody da mesma maneira que Bekka o fazia, tornando quase impossível que Melody ficasse na fossa. De pouco em pouco tempo, Bekka lhe garantia que só estava tentando ajudar. E Melody respondia que estava agradecida, mas que não tinha pedido ajuda. E aí vinha mais silêncio. — Eu fico aqui — informou Melody quando se aproximaram da entrada da Radcliffe Way. — Você ainda não arrumou fantasia — comentou Bekka, alto, enquanto a outra se afastava.

~ 218 ~


— E eu ainda não estou ligando para isso. — Melody deu um aceno de despedida. Apesar dos pesares, deu também um meio sorriso. Em casa, passando apressadamente pela mãe e pelas garrafas de vinho que ela estava dispondo na mesa, Melody subiu pisando duro os degraus de madeira que levavam a seu quarto. — Daqui a uma hora, vamos receber uns vizinhos para uma aula de degustação de vinho — anunciou Glory falando alto na direção da escada. — Só para o caso de você querer saber. Melody bateu a porta do quarto, deixando claro para a mãe que não queria saber, não. — Estou com o seu ventilador — falou Candace, lá do quarto maior. — Eu devolvo quando as minhas unhas do pé secarem. — Faça o que quiser — resmungou Melody. Subiu a escadinha do beliche e se deixou cair, de bruços, no edredom lavanda e lilás da Roxy. Depois que passou a primeira onda de choro, Melody se virou e ficou encarando o teto. O iPhone tocou. Era um torpedo.

DEUCE: Esqueci de perguntar qual a sua fantasia.

Melody jogou o celular de lado, sem responder. Ela ia mesmo ao baile? E com o Deuce?! A ideia de ir com o namorado de outra só porque estavam com pena dela era pior que a de ir sozinha.

~ 219 ~


Mesmo com as janelas abertas, o calor dentro da casa era insuportável, um problema que Beau vinha tentando resolver fazia semanas. Não que Melody se importasse de fato. Estava totalmente insensível. Se não fosse o suor na testa, nem sequer teria percebido. Começou a mergulhar outra vez na fossa. O suor lhe trouxe lembranças da noite anterior... de estar debaixo do cobertor ThermaFoil... de beijar... — Oi — ela o ouviu dizer. Melody se ergueu num pulo e bateu a testa. — Você se machucou?! — Ele pôs a mão num degrau preto da escadinha. Melody, incapaz de falar, fez que não com a cabeça. Lá estava ele. Óculos. Sorriso acanhado. Camisa verde de manga curta. As pontas dos dedos manchadas de giz pastel. Como se nada tivesse acontecido. — Está tão quente aqui dentro! — disse ele, abanando-se. — Então vá embora. — Melody se deixou cair outra vez na cama, agora de costas. — Mas eu não quero! — reclamou ele. — Bem, e o que é que você quer, então? — Eu passei por aqui para dizer que ontem à noite foi muito legal. — É, até a hora em que deixou de ser. Ele deu um suspiro.

~ 220 ~


— Eu tive outro apagão, né? — Jackson, você pôs as asinhas de fora, isso sim! — Melody sentou no beliche. Deixou as pernas penderem da borda, recostou-se nas mãos e ficou encarando o armário. Olhar para Jackson era quase tão impossível quanto perdoá-lo. — E vamos parar com esta desculpa de apagão, ok? Ela é um insulto à minha inteligência. Vá tentar usá-la com a ―Eletrizante‖. Talvez essa menina seja burra o suficiente para acreditar, mas eu não! — Mas é verdade! — alegou ele. — Quando eu voltei a mim, estava junto daquela casa no beco. — Bem, você devia ter ficado lá, então. — Se eu tivesse feito isso, você agora não teria par para o Gala de Setembro — disse ele, tentando ser engraçado. — Mas eu já tenho, sim — rebateu Melody, tentando magoá-lo. — Eu vou com o Deuce. Ele não replicou. Missão cumprida. — Melody... — Jackson segurou Melody pelos pés, que ainda balançavam da cama. — . . . a última coisa de que eu me lembro é de estar beijando você debaixo daquele cobertor. Depois disso eu... — Acredite, Jackson... — Melody enfim olhou para ele. O rosto do rapaz estava coberto de suor, vergonha e perplexidade. — ... O que você tem não são apagões. Eu quase preferiria que fossem. — Mas então por que eu não me lembro de nada? — Ele secou o suor da testa. — Você se lembra, sim. Só que usa esta conversa de ter apagão como desculpa para dizer o que quer, beijar quem quer e...

~ 221 ~


Jackson tirou os óculos e desabotoou a camisa, dando a Melody uma visão daquele abdômen de astro de boy band. — O que é que você está fazendo?! — Melody estendeu o braço para pegar o iPhone. Chamar a polícia não estava fora de cogitação, e Melody começou a filmar, para o caso de precisar de provas. — Você, de novo?! — Jackson levantou as sobrancelhas. — Com todo este suor, eu já devia saber. — Ele passou os dedos pelo peito. — Menina, você me deixa pegando fogo! —Jackson, já chega! — Melody saltou da cama. — Por que é que você vive me chamando de Jackson? — Porque é assim que você se chama declarou Melody, segurando o iPhone na cara dele. — Não, não é. — Verdade? Então qual é o seu nome? — Dj. — respondeu ele, olhando direto para a lente do celular. — Para ser exato, Dj. Hyde. Como quando se junta o nome do dr. Jelcyll como do sr. Hyde. Igualzinho ao meu bisavô...que, a propósito, era super irado. Eu achei uns papéis no sótão de casa, e parece que ele fez um monte de experiências esquisitas com tônicos lá em mil oitocentos e bolinha. Experiências nele mesmo! Depois que bebia essas poções, virava um cara bem doido. Eu não sou de beber, mas gosto muito de música. — Ele deu uma piscadela e depois olhou em volta do quarto desarrumado. — Você tem algum som aqui? Melody parou de filmar. E, antes que ela pudesse detê-lo, Dj. Hyde correu para a dock station branca na escrivaninha de Melody e encaixou ali

~ 222 ~


seu próprio iPhone. A música ―Carry out‖, de Timbaland, saiu das caixas no último volume. D.J., girando os quadris e abrindo os braços de maneira que a camisa ficava parecendo um par de asas, começou a dançar como se estivesse se apresentando para um estádio lotado de fanzocas aos berros. — O que é está acontecendo aqui? — Candace, segurando o ventilador de Melody, apareceu no vão da porta. Descalça, usando jeans boyfriend e regata branca justinha, estava com um visual malemolente. — Vocês estão filmando vídeo de demonstração para algum programa de calouros? — É, um programinha de TV que eu gosto de chamar de Qual é o seu nome, gata? — Dj. tirou o ventilador dos braços dela e a puxou para junto de si. — Candace — Ela riu, deixando-se levar. A batida de Timbaland os atingia como uma saraivada de bolas numa dessas gaiolas para prática de beisebol, e Dj. respondia a cada arremesso com um estalar de dedos acima da cabeça. — Melly, quem diria que ele...?! — gritou a irmã mais velha por sobre o som da música. Depois disso, Candace também levantou os braços. — Eu não. — Melody ligou o ventilador na tomada. — Uma máquina de vento! — berrou Dj. De repente, ele e Candace estavam gingando em frente ao ventilador.

~ 223 ~


A camisa esvoaçante de Dj. dava a impressão de que os dois estavam mesmo no clipe de ―Carry out‖. — U-hu! — gritou Candace, cujas mãos agora faziam círculos fechados acima da cabeça. Ela se inclinou e aumentou a velocidade do ventilador. Dj. estendeu os braços tal e qual o Super-Homem. — Eu estou voando! — proclamou, enquanto a camisa se enfunava atrás dele como a capa do Homem de Aço. — O que é que está acontecendo aí? — perguntou Glory lá de baixo. — Nada, não — respondeu Melody. A verdade teria sido impossível de explicar. — Então trate de abaixar o volume desse ―nada‖, por favor. Os meus convidados já estão para chegar. Melody, mais do que satisfeita em poder pôr fim à farra, logo tirou o iPhone da dock station. Levou alguns segundos para Candace e Dj. pararem de dançar. E mais alguns para pararem de rir. E alguns outros para o quarto ficar mais fresco. — Isto foi demais! — Candace ergueu a palma da mão para um ―Toca aqui!‖ com o parceiro de dança. — Você é muito mais interessante do que parece. — Desculpe-me, mas como? — Ele colocou os óculos, parecendo ligeiramente confuso.

~ 224 ~


— Esses óculos e essa camisa... — Candace apontou para o peito dele. — Você sabe, quando está abotoada... — Deu uma risada irônica. Esse visual faz você parecer meio nerd. Mas você sabe se divertir, disso não há dúvida! Ele olhou para baixo e tratou rapidamente de abotoar a camisa. — Sei, é? Melody sentiu na espinha o arrepio de enfim entender tudo. — Como é que você se chama? — perguntou ela. — Ahn? — Eu perguntei qual o seu nome. — Jackson. — Ele recuou, recostou—se na escadinha do beliche e esfregou a testa reluzente. — Eu apaguei outra vez?! Ah, não! — Ah, sim! — disse Melody. — Só que você não apagou. — Melody se pôs ao lado dele e apertou a tecla PLAY do iPhone dela. — Jackson, eu lhe apresento Dj. Hyde. * — Jackson, espera! — disse Melody, chamando-o. Mas ele não quis ouvir. Depois de ter visto o modo que se comportara na frente dela, Jackson saiu com mais rapidez do que fotógrafo indiscreto quando vê a oportunidade de ir atrás de Britney Spears. Candace não disse uma palavra. Tudo o que fez foi olhar feio para Melody e balançar a cabeça em sinal de desaprovação. — O que foi?! — explodiu Melody, dirigindo-se irmã.

~ 225 ~


— Exatamente. — Candace levantou os louros cabelos e abanou a nuca. — Exatamente o quê?! — Os pensamentos de Melody estavam turvos e vertiginosos como aquele desenho que Jackson tinha feito do carrossel. — O que é que você vai fazer a respeito disso tudo? — O que é que eu posso fazer?! — Melody olhou para as caixas de mudança por abrir que continuavam no quarto. Talvez disso ela pudesse dar conta. — Não acho que seja o tipo de coisa que justifique ligar para a polícia. —Talvez você devesse ir atrás dele — sugeriu Candace, como alguém que realmente se importava. — Não, obrigada. — Melody puxou uma cutícula solta até que a unha começou a sangrar. — Ter um relacionamento com um... um sei lá o quê imprevisível não é bem o tipo de coisa que eu estou procurando agora. — Nesse caso, você está marcando bobeira. — Candace se voltou para sair, com o traseiro se agitando dentro do excesso de brim daquelas calças. — Espera! Candace deu uma brecada. — O que é que você está querendo dizer com isso de marcar bobeira? — perguntou Melody. — Que as coisas imprevisíveis são divertidas! — respondeu Candace, como se soubesse disso por experiência própria. — Mesmo que

~ 226 ~


o Jackson só seja o Jackson na metade do tempo, você ainda vai levar mais vantagem que a maioria das garotas. Melody pensou em Jackson e sorriu. — Ele é legal, não é? — Vá atrás dele — insistiu Candace, com olhos verde-água que irradiavam sinceridade. — Porque persistir em alguma coisa é assim. — Ela estalou os dedos. — Agora, se me dá licença, a consultora sentimental está de saída. Melody desceu correndo a escada e passou esbarrando pelo casal muito alto que estava à porta. — Melody, querida, eu quero que você conheça os Stein, ali do fim da rua. Eles têm uma filha da sua idade que... — Prazer em conhecer — disse Melody por sobre o ombro. — Eu volto logo. — Não se preocupe — comentou com Glory a mulher de longos cabelos negros. — Minha filha é igualzinha. Melody, arremetendo na direção do chalé branco, sentiu-se como se estivesse num clichê de comédia romântica — a corrida para chegar ao aeroporto antes que decole o avião do amado rejeitado. Mas as semelhanças terminavam aí. Até onde sabia, ainda não haviam filmado nenhuma garota que tivesse saído correndo atrás de maluco rejeitado. A porta da casa dele estava muito ligeiramente entreaberta. — Jackson? — chamou ela, bem baixinho. — Jackson?

~ 227 ~


Melody empurrou a porta com o dedo indicador. Uma lufada de ar gelado lhe atingiu a mão. Melody entrou. A temperatura não devia passar dos quinze graus. Era assim tão difícil regular termostato em Salem?! Melody ainda repensou a decisão de ir entrando na casa de Jackson, sobretudo porque a mãe dele, afinal, era a professora de ciências... Por outro lado, ele já havia entrado sem pedir na casa de Melody, de modo que... —Jackson? — tornou a chamar, sempre baixinho. Sofás de veludo empoeirados, tapetes orientais escuros e cantinhos cheios de badulaques que poderiam ter chegado da Londres vitoriana por alguma máquina do tempo atulhavam a pequena sala. E conferiam a tudo uma impressão de enfado e cansaço antiquíssimos — um contraste inesperado com a inocência luminosa e alegre da fachada. Melody sorriu consigo mesma. Era um contraste que ela conhecia até demais. — Se você sabia quem eu era, por que foi que não me contou? — Jackson berrou de algum lugar no andar de cima. Melody ouviu a voz da mãe dele. — Porque eu queria proteger você! Melody sabia que devia ir embora, mas não conseguiu. — Me proteger do quê?! — Jackson soluçava. — E acordar no quintal dos outros? De fazer papel de bobo na casa dos vizinhos? De apavorar a única menina quem já gostei de verdade? Melody não conseguiu evitar o sorriso. Ele gostava mesmo dela! — É, porque você não protegeu de nada disso! — continuou Jackson. — São todas coisas que já aconteceram. E coisas que já

~ 228 ~


aconteceram nas últimas vinte e quatro horas! Vá saber o que eu fiz ou deixei de fazer nos timos quinze anos. — A questão é toda essa — explicou a mãe. — Isso não vem de quinze anos. Só começou a piorar quando voo foi ficando mais velho. Por um instante, fizeram silêncio. — O que é que desencadeia tudo? — perguntou Jackson, parecendo mais tranquilo. — Excesso de calor — respondeu a sra.J., de mansinho. Melody recapitulou seus encontros inesperados com Dj. Era óbvio! O ThermaFoil... O quarto hiperabafado... O ventilador... — Excesso de calor... — repetiu Jackson. Calmamente. Como se tivesse sabido disso o tempo todo. — Então é por isso que está sempre tão frio aqui dentro. —E é por isso que eu nunca deixo você praticar esportes — disse a sra. J., parecendo aliviada em dividir o segredo com alguém. — Mas por que o calor? — Jackson, sente-se um minutinho. — Houve uma pausa. — Eu nunca lhe contei isto, mas seu bisavô era o dr. Jekyll... Ele era um homem tímido e gentil, igualzinho a você. Mas às vezes o acanhamento o prejudicava. Por isso, inventou uma poção que lhe dava coragem e o deixava mais... incisivo. Seu bisavô criou dependência, e a poção acabou por... matá-lo. — Mas como é que eu... — começou a perguntar Jackson. A mãe o interrompeu.

~ 229 ~


— A poção era tóxica e corrompeu o DNA do seu bisavô. E esse traço genético se transmitiu à descendência. Seu avô e seu pai também o tinham. — Então o papai não nos largou? — Não. — A voz da sra. J. falhou. — Eu e ele nos conhecemos quando eu era pesquisadora genética, e... eu fiz tudo o que pude. — Ela soluçou. — Mas as alterações de humor se tornaram insuportáveis, e isso... bem, o seu pai enlouqueceu! Jackson não disse nada. A sra.J. se calou. Os únicos sons que vinham do quarto lá em cima eram fungadelas e lamúrias de partir o coração. Melody também chorou. Por Jackson. Pela mãe dele. Por aqueles ancestrais do rapaz. E por si mesma. — É isso o que vai acontecer comigo? — perguntou enfim Jackson. — Não. —A sra. J. assoou o nariz.— Com você, é diferente. Talvez o gene esteja sofrendo mutação. Ele parece afetá-lo só quando você fica quente demais. Tão logo a sua temperatura baixa, você volta ao normal. Seguiu-se uma longa pausa. — Então você também é a... — Jackson se interrompeu momentaneamente. — ... mãe dele? — Sou, sim — respondeu ela, direta e objetiva. — Porque ele é você.., só que diferente. — Diferente como?

~ 230 ~


— O Dj. fica à vontade quando é o centro das atenções, ao passo que você tende a ser mais tímido. Ele adora música, e você, artes plásticas. Ele é confiante, e você, atencioso. Ambos são sensacionais, cada um à sua maneira. — E ele sabe que eu existo? — Não. — A mãe fez outra pausa. — Mas o Dj. sabe quem os ancestrais dele são. — Como foi que...? A sra. J. o interrompeu de novo. — O Dj. andou fuçando o passado, mas não sabe de você. Ele acha que também tem apagões. Não se pode confiar nele. Aliás, não se pode confiar em ninguém. Você precisa guardar segredo total. Prometa-me que fará isso. Você consegue? Melody considerou isso a deixa para sair de fininho. Não queria ouvir a resposta de Jackson. Já tinha ouvido demais.

~ 231 ~


CAPíTULO 19 MEXENdO OS PAUZINhOS O plano A estava pronto para ser acionado. Após uma semana de intensa preparação e planejamento, era a maneira mais respeitável de Frankie ir ao Gala de Setembro. Mas não era a única maneira. — Pai, mãe, posso falar com vocês um minutinho? — perguntou, recém-saída da recarga e do banho de vapor de aromaterapia que tomava à noitinha. Viktor e Viveka estavam no sofá, ouvindo jazz e lendo junto à lareira acesa. Já haviam tirado a maquiagem Fierce & Flawless, e os eletrodos do pescoço estavam expostos. O jantar tinha sido feito e servido (graças a Frankie); a louça, lavada (graças a Frankie); e não tinha ocorrido nenhuma indiscrição já fazia sete dias inteiros (graças também a Frankie). Estava na hora. — Sobre o que seria? — Viktor largou a leitura de uma revista médica e tirou de cima do divã os pés com as gastas pantufas UGG. Era um convite para que Frankie sentasse ali. — E... — Frankie tateou as suturas do pescoço. Estavam frouxas e relaxadas pelo vapor. — Não puxe — advertiu Viveka. Seus olhos violeta, quando vistos contra a pele verde, matutavam para um roxo-berinjela. Parecia um crime que outros não pudessem desfrutar de quão naturalmente bonita ela era.

~ 232 ~


— Você está apreensiva com alguma coisa? — perguntou Viktor. — Não, com nada. — Frankie sentou sobre as mãos. Eu só queria dizer que pensei muito nas minhas atitudes da semana passada e que concordo com vocês. Eu me portei de modo perigoso e insensível. Os cantos dos lábios de Viktor e Viveka se ergueram quase imperceptivelmente, como se os pais não estivessem dispostos a embarcar num sorriso completo até que soubessem qual rumo aquela conversa tomaria. — Eu tenho voltado direto da escola todos os dias, não tenho mandado torpedo nem e-mail, não entro mais em Twitter nem Facebook. E, no bandejão, eu só abro a boca quando vêm falar comigo. Tudo do jeitinho que vocês pediram. E tudo era verdade. Frankie vinha até evitando encarar Brett. O que não era muito difícil, já que Bekka havia trocado de lugar com ele na aula de ciências. — Nós sabemos. — Viktor se inclinou para a frente e bateu de leve, com a porta dos dedos, no joelho de Frankie. — E não poderíamos estar mais orgulhosos de você. Viveka assentiu. — Obrigada. — Frankie baixou modestamente os olhos. ―Um... Dois... Três... Já!‖— Entãovocêsachamquejápossoirprobaileagoraànoit ? — disse num só jato de palavras, antes que perdesse a coragem. Viktor e Viveka trocaram um rápido olhar. ―Será que eles estão pensando mesmo em deixar? Estão, sim! Eles confiam em...‖

~ 233 ~


— Não — responderam em uníssono. Frankie resistiu à ânsia de soltar faísca. Ou de se esgoelar. Ou de entrar em greve de recarga elétrica. Ela havia se preparado para aquela resposta. O não sempre tinha sido uma possibilidade. Era por isso que vinha lendo o manual Encenação para jovens atores — o guia definitivo para adolescentes, de Mary Lou Belli e Dinah Lenney. Tudo para que pudesse encenar que entendia a negativa dos pais. Encenar que aceitava aquilo. E encenar que voltaria para o quarto sem dar nenhum escândalo. — Nesse caso, obrigada por terem me ouvido — disse ela, beijando ambos na bochecha e indo apressadamente para a cama. —Boa noite. — ―Boa noite‖?! — disse Viktor. — É só isso? Nada de discussão? —Nada de discussão — respondeu Frankie, com um sorriso meigo. — Vocês precisam levar este castigo até o fim, porque senão eu não aprendo. Entendo perfeitamente. — Pois bem, então... — Viktor voltou à leitura da revista médica, balançando a cabeça como se não conseguisse realmente acreditar no que estava ouvindo. — O papai e a mamãe te adoram — disse Viveka, mandando outro beijinho. — Eu também adoro vocês. — Frankie mandou dois beijinhos. Estava na hora do plano B. — Muito bem, Glitterati — disse Frankie, levando aqueles seus confidentes cobertos de glitter para a parte do quarto-laboratório que era seu cantinho. — A coisa vai ficar feia. Regras serão desobedecidas.

~ 234 ~


Amizades, colocadas à prova. E assumiremos riscos enormes. Mas é um preço pequeno a pagar pelo amor verdadeiro e pela liberdade pessoal, né? — Colocou a gaiola dos ratinhos na mesinha laqueada de laranja. Eles arranharam o vidro para demonstrar sua concordância. Tocando em altíssimo volume a música ―Just dance‖, na voz de Lady Gaga, Frankie abriu sem dó uma caixa de descolorante capilar e pintou nos próprios cabelos faixas largas e brancas que iam desde as raízes até as pontas. Essas faixas, dispostas a intervalos de dez centímetros, ficariam iguaizinhas às de sua bisavó. Enquanto esperava o produto fazer efeito, reclinou-se nas almofadas da poltrona marroquina vermelha e começou a digitar torpedos para Lala. — Lá vai — disse, dando um suspiro.

FRANKIE: Ainda boicotando LAIA: Eh. Cleo, Clawdeen e Blue tao aki. Q bm q vc tah mandando torpedo d nv. Pd vir p k ? FRANKIE: To d castigo.

— Agora, vem a parte que é meio manipuladora — explicou Frankie aos Glitterati. — Guardei segredo a semana inteira, e agora é preciso contar. — Digitou ou-

FRANKIE: Pra sua informacao meus pais tavam na ksa daquela garota nova, a tal Melody, semana passada, pra 1 degustação de vinho, e ficaram sabendo q ela vai ao Gala cm o Deuce.

~ 235 ~


LALA: Pra sua informação, sabia q eles alugaram akela ksa dos meus avos? Não era bem a resposta que Frankie esperava. FRANKIE: Legal isso da ksa dos seus avos. Vc acha q eh vdd o lance do Deuce? A Cleo tah sabendo? Silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... Já eram dez para as sete da noite. O baile começava em quarenta minutos. Onde é que estava...? Cleo: Eh vdd? Frankie quase pulou da poltrona. ―Isso!‖, comemorou no íntimo. FRANKIE: Foi o q minha mãe contou.

ENVIAR.

FRANKIE: Qrem estragar o lance deles? CLEO: Claro! Mas a gnt ñ tm fantasia.

―Isso! Isso!‖ — Está funcionando! — disse ao Glitterati. Sentia certa culpa por manipular a situação. Mas tudo o que estava dizendo era verdade. E os motivos para dizê-lo eram em prol também das amigas. No fim das contas, elas lhe agradeceriam. Todo o mundo agradeceria. Frankie só precisava fazê-las ir.

~ 236 ~


FRANKIE: Eh a Festa do Monstro Maluco! A gnt jah nasceu fantasiada! E fantasiada d 1 jeito fabuloso, sensacional! ENVIAR. FRANKIE: Eh a grande chance d ve o q as pessoas pensam de nos. Nos de verdade. ENVIAR FRANKIE: A gnt tm q mostrar q eles ñ precisam t medo de nd. ENVIAR. FRANKIE : Se a gnt ñ superar os nossos medos, os outros nunca vao superar os deles. Era hora de dar uma folga, antes que as amigas a acusassem de parecer palanqueira. Mas ficava mesmo difícil não gritar palavras de ordem. Frankie nunca tinha sentido convicção tão forte a respeito de alguma coisa. Nem mesmo a respeito de Brett.

Silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... Silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... Silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... Silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... Silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... silêncio...

— Mas o que é que elas estão fazendo? — Frankie voltou a se recostar, agora soltando faísca.

~ 237 ~


Silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... Silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... Silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... Silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... Silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... silêncio...

CLEO: Vc ñ ta d castigo? FRANKIE: Vo sair pela janela do quarto

Silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... Silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... Silêncio... silêncio... silêncio... silêncio... silêncio...

LALA: Encontre a gnt na saída da rua em 5 minutos. Pausa LALA: Eh bom isto dar certo. FRANKIE: ☻ Ela ergueu as pernas e pedalou no ar. ―Isso! Isso! Isso!‖

~ 238 ~


Mandou beijinho para os Glitterati, desligou o som e pegou a sacola de roupa que tinha ido buscar na garagem. Usando apenas mocassins, agasalho de mole- tom e uma boa camada de gloss, ela se contorceu pela janelinha de vidro fosco e saltou um metro e oitenta para a liberdade — sentindo-se mais carregada de energia que transformador de usina elÊtrica.

~ 239 ~


CAPíTULO 20 A dANçA dA VERdAdE —Tudo bem, só mais uma foto! — O pai de Bekka saiu depressinha do utilitário esportivo de luxo, um Cadillac SRX vermelho. Usava blusa de fleece vinho, calças de sarja cáqui e pantufas azuis. — Pai! — Bekka bateu pé com o salto agulha dos sapatos de cetim. Apontou para os degraus da entrada da escola, que haviam sido cobertos com enormes pegadas ornamentais verdes e estavam salpicados de adolescentes fantasiados que se faziam de descolados demais para entrar para o baile. Uma névoa artificial saía por baixo das portas duplas, escurecidas para a ocasião, e junto via a batida latejante do bass de caixa de som. — O Brett está me esperando lá dentro. — Tudo bem. — Melody envolveu com os braços os ombros de Bekka e Haylee. — Uma foto mais não vai matar a gente. — É — resmungou Bekka enquanto um ajuntamento de alunas do último ano, vestidas de animadoras zumbis de torcida, passava rapidamente por elas. — Mas a vergonha vai. — Sorriam! — pediu o pai de Bekka, erguendo os óculos para a careca. Bekka e Haylee obedeceram. Melody tentou. A recuperação após a cirurgia facial havia sido mais fácil do que aquilo. Sim, Melody tinha saúde, estava quase livre da asma, e sua família era amorosa. Mas seria abuso pedir um relacionamento que durasse mais que um beijo?

~ 240 ~


Jackson a tinha evitado a semana inteira. Pondo a culpa em dever de escola ou dor de cabeça, ele havia frustrado todos os pedidos de Melody para que passassem tempo juntos. E ela, como digna amiga e xereta, tinha sempre dito que entendia. Mas Melody queria ajudar. Queria ser um ombro em que Jackson pudesse chorar. Queria compartilhar daquele peso tão grande. Queria lhe dizer que ela própria havia se sentido um ―monstro‖ a vida inteira. Que ela compreendia. Mas era óbvio que Jackson não queria seu ombro — ou qualquer outra parte de seu corpo. E isso doía mais no peito de Melody do que a asma já tinha doído. Sozinha todas as noites naquele quarto cheio de caixas de mudança por abrir, Melody resistia à tentação de contar tudo a Candace. O segredo de Jackson era sério demais para que se pudesse dividi-lo com outra pessoa. Melody tentava então se convencer de que o distanciamento de Jackson não tinha nada que ver com os sentimentos dele por ela e tudo o que ver com a promessa que ele havia feito à mãe. Só que existiam limites para a quantidade de amor-próprio que Melody podia aplicar à mágoa. Depois de algum tempo, virava uma coisa tristemente ridícula, como mandar flores para si mesma no Dia dos Namorados. Melody não conseguia mesmo melhorar o astral, mas deu um jeito de se aprontar para o baile. Não queria decepcionar as duas novas amigas — a noiva de Frankenstein e a dama zumbi de honra. — Meninas, vocês estão fantásticas! — desmanchou-se o pai de Bekka, arrastando as pantufas de volta para o carro. — Eu venho pegá-las às dez em ponto — informou, antes de dar partida e ir embora. Os faróis traseiros do Cadillac foram sumindo na distância, levando junto qualquer esperança que Melody pudesse ter de ir embora

~ 241 ~


cedo. Por que é que ela havia concordado em deixar a mochila no carro?! Bekka tinha dito que, sem precisarem carregar nada na mão, ficariam mais desembaraçadas, menos ―presas‖. Rá! Seria justamente o contrário: por duas horas e meia, Melody estaria encurralada na companhia do cara errado. — Será que a senhora podia tentar se divertir um pouquinho, por favor? — pediu Bekka, como se conseguisse ler os pensamentos de Melody. Melody prometeu que faria isso e completou: — Você está realmente sensacional. — Melhor que eu esteja mesmo. — Bekka suspirou, trêmula. Em seguida, levantou a cauda do vestido e começou a subir os degraus, cambaleando naqueles saltos de dez centímetros. Bekka encarava o papel de noiva de Frankenstein como teste para o papel de noiva de Brett. Havia pintado de verde-esmeralda cada uma das partes do corpo — até aquelas que a mãe dizia que ―só eram para ser vistas por Deus e pelo vaso sanitário‖. Em vez de colocar peruca, Bekka tinha avolumado os cabelos e depois os fixado com goma, para cima e para trás, até formarem o que parecia um cone castigado pelo vento. As faixas brancas do penteado eram resultado da aplicação de descolorante de buço. Suas suturas, feitas de fio cirúrgico de verdade, haviam sido presas ao pescoço e aos pulsos com fita adesiva transparente, pois desenhá-las com lápis kohl ―não faria jus à personagem‖. O vestido da loja de fantasias tinha sido trocado por algo mais ―autêntico‖, alugado na Paraíso das Noivas. Se naquela noite Brett não enxergasse o próprio futuro nos olhos carregados de sombra de Bekka, então ele nunca mais enxergaria. Pelo menos, era o que Bekka pensava.

~ 242 ~


— Você também está ótima, Hay — acrescentou Melody. — Obrigada! — Haylee abriu um sorriso de orelha a orelha, parecendo uma concorrente possuída pelo Diabo em algum concurso de beleza infantil. A dama zumbi de honra vinha de vestido amarelo brilhoso, meia-calça branca de malha e rosto coberto de maquiagem branca, preta, verde e vermelha. Na mão, uma cestinha cheia de aranhas e insetos de borracha. Ninguém elogiou a fantasia de Melody. E, se tivessem elogiado, ela saberia que estavam mentindo. Usando boina francesa preta, leggings pretas, o blazer Chanel preto da mãe, sapatilhas pretas de balé e rosto rebocado de maquiagem de horror vermelha e preta, pretendia ser uma aberração elegante. Donde o nome da fantasia — Le Freak, C‘Est Chic, como naquela música da banda Chic. Bem, ao menos todo o mundo concordou que era melhor que a ideia anterior de Melody, a fantasia de tsunami. No instante em que Bekka abriu as portas de entrada da escola, os brônquios de Melody se contraíram. — Eu não posso entrar aí! Assim, entraram no lugar delas um esqueleto e um ciclope. — Melly, vê se supera esse drama todo, ok? — explodiu Bekka. — Não — disse Melody, respirando com dificuldade. — A máquina de fumaça. A minha asma. O inalador ficou no carro do seu... — Simplesmente entre! — ordenou Bekka, que empurrou Melody pela espessa camada de névoa cinzenta e a conduziu para a quadra do

~ 243 ~


colégio. Melody se apoiou no bebedouro cromado, e a porta da quadra se abriu com um silvo. Escuridão. Luzes negras. Um remix de Rihanna. Sacos pretos de lixo colocados com durex nas paredes. Pendendo dos canos do teto, enormes casulos cheios de cadáveres de araque. O cheiro de si/ver tape e solas de tênis. Mesas de petiscos divididas por setor (alérgicos e não alérgicos) e indicadas por lápides. Outras mesas, essas redondas, atulhadas de braços, pernas e cabeças de bonecas. Cadeiras cobertas de lençóis brancos em que haviam jogado tinta vermelha. Garotas fantasiadas que dançavam na quadra. Garotos fantasiados que juntavam coragem para se juntar a elas. Enquanto Melody lutava para respirar, esses detalhes se precipitavam para seus sentidos como se implorassem que reparasse neles antes de desmaiar. — Aqui. — Bekka lhe passou um inalador. Melody respirou fundo. — Ahhhhhhh...— Deliciou-se com a inspiração segura. — Mas onde foi que você arranjou isso? — Tirei da sua mochila antes de sairmos do carro. O diretor Weeks adora aquela máquina de fumaça. Ele a usa até no Dia de Ação de Graças. Diz que fazia muita cerração no dia em que os colonos do Mayflower chegaram a Plymouth. — Obrigada. — Melody sorriu e franziu a testa ao mesmo tempo. — Se o Brett não pedir você em casamento hoje, eu peço. — Agradeço, mas dispenso. Só me prometa que você vai tentar se divertir. — Eu prometo. — Melody ergueu a mão como se estivesse jurando. Era o mínimo que podia fazer.

~ 244 ~


Deuce se aproximou delas com um andar confiante. — Aí vem o Chapeleiro Louco — anunciou Haylee. Usando cartola de veludo vermelho, smoking da mesma cor e os inseparáveis óculos escuros, Deuce estava mesmo bonito de enlouquecer. Melody concluiu que, se era para ficar num baile com o namorado de outra enquanto queria ter outro por namorado, Deuce constituía a escolha perfeita. — Oi... garota maluca de boina — disse ele, tentando não insultar aquela fantasia enigmática. — É Le Chic, C‘Est Preak. — Melody bateu de leve na boina e depois revirou os olhos ante o próprio ridículo. — Ah, tá. Eu meio que entendo agora. — Ele sorriu e assentiu, de modo veemente. — Nós vamos procurar o Brett e o Heath — informou Bekka, que então sumiu com Haylee antes que Melody pudesse detê-las. Repentinamente deixados a sós, Melody e Deuce não tinham como não notar a diversão a volta deles. Monstros de todo tipo imaginável se confraternizavam, trocando cumprimentos e arrastando parceiros relutantes para a pista de dança. — Mas, então, para que esses óculos escuros? — perguntou Melody, tentando puxar assunto. — Já está tão escuro aqui dentro. Como é que você enxerga? — Aí, no espírito do flerte e da conversa fiada de festa, ela os tirou de Deuce. — Devolve! — berrou ele. Estava tão bravo que nem conseguiu olhar para Melody. Em vez disso, mirou por sobre os ombros dela, fechou

~ 245 ~


rapidamente os olhos e então procurou aqueles óculos da Oakley com as mãos, tateando, como um cego faria. — Aqui está. — Melody pôs os óculos nas bronzeadas mãos de Deuce. Ele os recolocou com a máxima pressa. — Me desculpe, eu só estava... — Ela se interrompeu: afinal, só estava fazendo o que, exatamente? — Tudo bem — respondeu Deuce, com voz meiga. — Acho que preciso ligar para a Cleo. Ela está sozinha em casa e coisa e tal... Você espera aqui um minutinho? — Claro, eu estou bem. — Ótimo — disse Deuce, que aí esbarrou acidentalmente numa solitária estátua de bruxa e disparou para a saída. Melody, após ter endireitado a bruxa (que se parecia um bocado com urna garota de sua classe de língua e literatura), foi em busca de Candace e, o mais importante, de dinheiro para o táxi. E daí que morava só a alguns quarteirões dali? Ir andando sozinha para casa depois de um baile era tão clichê quanto tentar esquecer as mágoas tomando um potão de sorvete no sofá. Aliás, se aquele sentimento de inveja e frustração fosse um sabor de sorvete, seria Vinhas Amargas. Agora que já eram quase oito da noite, a dos ―maneiros demais para chegar na horinha‖ e entrando sem pressa na quadra. Andando com ginga que pretendia indicar que tinham lugares mais descolados aonde ir, examinavam a decoração como se tivessem vindo para olhar e talvez comprar alguma coisa. Juntando-se em grupinhos, resistiram à tentação de mandar ver na pista de dança quando começou a tocar ―On to the next one‖, de Jay-Z, tornando quase impossível que Melody achasse Candace,

~ 246 ~


a qual tinha vindo fantasiada de fada madrasta. A maioria das morenas usava as festas à fantasia como chance de ficarem louras, e as louras nunca ficavam morenas, de modo que a busca era, na melhor das hipóteses, como procurar agulha em palheiro. Enquanto vasculhava o setor vegan à cata da irmã, Melody achou um rebuscado bufê sem carne em que se incluíam cenourinhas identificadas como DEDO DE GOBLIN e pedaços de tofu chamados DENTE DE OGRO — Quer um ponchezinho de sangue? — ofereceu alguém atrás dela. A voz era suave, mas longe de ser fraca. Semelhante a um tom que ela reconhecia, mas imbuída de uma dose extra de autoconfiança. Era como se tivessem aperfeiçoado o modelo original e ela estivesse prestes a conhecer a versão 2.0. ―D.J.?‖ Melody se voltou rapidamente. Um liquido vermelho lhe molhou a cara toda. — Ai, ai, ai... Mil desculpas! — D.j. (ou seria Jackson?) foi logo pegando a pilha de guardanapos pretos de papel que estavam ao lado da tigela de batata chip na qual se lia UNHA DE CAPETA. — Tudo bem. — Melody secou a cara. — Eu precisava mesmo de uma boa desculpa para tirar esta maquiagem. Na mesma hora, ele se transformou numa caixa de lencinhos humana, oferecendo um fluxo constante de guardanapos sem falhar nem uma vez. Tão logo removeram o líquido e depositaram os guardanapos

~ 247 ~


numa lata de lixo que trazia o rótulo OSSARIO,os dois trocaram um sorriso caloroso que foi como ter voltado para casa depois de uma longa viagem. — Jackson? Ele assentiu, ternamente. — O que é que você está fazendo aqui? — perguntou Melody, aliviada. — Não que você não tenha o direito de estar aqui ou coisa parecida. É só que... sabe como é... você tem andado tão ocupado. — Eu achei que você talvez quisesse sentir a minha corcunda... — Ele apontou o travesseiro que tinha enfiado às costas, debaixo do suéter. — Ah. — Aquilo pareceu uma sugestão maliciosa, e o alto astral de Melody entrou em parafuso. Pegando o rapaz pelo pulso, ela o puxou até uma mesa vazia E cochichou: — É você, D.J? —Não! —Jackson ficou vermelho. — Foi só uma brincadeira boba. Eu achei que você precisava se animar um pouco, só isso. — Eu?! Por que eu? — Eu meio que vi o Deuce ir embora, e sei que ele era o seu par e coisa e tal. Melody ficou boquiaberta, tentando parecer ofendida. Mas Jackson estava fazendo um esforço danado para se fazer de chateado com a saída de Deuce — e fracassando redondamente nisso, já que um sorriso não parava de querer se abrir em seus lábios. Ele parecia encantadoramente satisfeito com a descoberta de que Melody, agora, estava disponível. E, verdade seja dita, Melody sentia a mesma coisa. Ela perguntou: Você estava me espiando?

~ 248 ~


Jackson pegou um braço verde de boneca na mesa e o sacudiu bem na cara de Melody, dizendo: — Aprendi com você! — Comigo?! — Ué, então Você não estava me espiando na noite em que a achei lá no quarto da Candace? Melody já ia dizer alguma coisa para se defender, mas acabou caindo na gargalhada. Jackson riu com ela e depois a pegou pela mão. Uma corrente cálida passou do corpo dele para o de Melody, e do corpo de Melody para o dele, como contatos elétricos quando se juntam. — Então você veio aqui para acabar com a raça do Deuce e com a minha? — indagou Melody, brincalhona. Ele passou as mãos pelos cabelos e olhou para os monstros que rodopiavam na pista de dança. — Eu só quis ter certeza de que o Deuce estava tratando você direito. Melody apertou a mão dele para mostrar que estava contente com aquilo. Ele retribuiu o gesto e disse: — De nada. Precisando... Rodeada pelo barulho inebriante do baile, Melody sentia-se um balão de água numa festa para levíssimas bexigas de héli0. Presa ao chão pelo peso imenso de saber o segredo de Jackson. E incomodada pela relutância dele em falar daquilo. A cada dia que passasse, ficaria mais e mais difícil se comunicar com Jackson. Os segredos de ambos acabariam por separá-los, afastando um do outro como ímãs de mesmo polo. Jackson passou o dedo pelo sangue falso na cadeira.

~ 249 ~


Melody sorriu, pouco à vontade. Ele devolveu o sorriso. ―E agora o quê?‖ Havia tanta coisa por dizer mas nenhum jeito bom de começar. Nenhum gancho. Nenhuma deixa. Nenhuma maneira natural que justificasse puxar conversa com um comentário engraçadinho do gênero ―E por falar em ouvir às escondidas...‖. Mas ela tentou assim mesmo. — E por falar em ouvir às escondidas... — Hein? — Ele deu aquele seu risinho abafado de sempre, um misto de fascinação e perplexidade. Da maneira que a gente talvez olhasse o acasalamento de duas centopeias. — Então, sabe quando você me pegou espiando? — disse Melody. — E sabe quando eu peguei você espiando agora? — Não é bem que você tenha me pegado. Eu é que vim e... — 0K, melhor ainda. — Melody fechou os olhos e respirou fundo. — Porque eu é que vou agora contar que... — Ela usou rapidamente o inalador. — Sabe quando você entrou lá em casa sem avisar? — Jackson assentiu. — Bem, eu meio que fiz a mesma coisa na sua casa. Melody fez uma pausa, na esperança de que ele reagisse. Ou de que Jackson até adivinhasse o que ela tentava dizer e concluísse ele mesmo a história. Mas Jackson apenas a encarava, na expectativa do que viria a seguir. Sem oferecer nenhuma saída fácil. — Eu sei de tudo. Euouvivocêeasuamãefalandoepodiaatétersaídodasuacasamasnãosaíporquequeriasa

~ 250 ~


berdetudo... — Melody estava ofegante. — Eu queria entender o que acontecia. O coração de Melody batia junto com o bass das caixas de som. ―Diga alguma coisa, Jackson!‖, pensou ela. Jackson olhou para o piso da quadra e se levantou devagar. ―Ele está indo embora.‖ — Eu só vou dizer uma coisa. —Jackson enfiou a mão no bolso da frente dos jeans. Melody começou a sentir a opressão no peito. Usou o inalador outra vez. Isso não ajudou nada. — O quê? Vamos, fala! Ele tirou do bolso um miniventilador a pilha e mexeu no ligadesliga. A hélice de plástico branco começou a girar na base azul. O barulho era de abelha. — Bem, esta coisa é sensacional! — Ahn? — Melody deu o que era uma meia risada. — Você chegou a prestar atenção no que eu disse? Jackson, fazendo que sim, recostou-se e fechou os olhos, deliciado com aquela brisa mínima. — Jackson, eu sei do seu segredo! — insistiu ela. — Eu ouvi tudo às escondidas. — O que você quer que eu faça? — Ele se inclinou para Melody. — Colocar você de castigo? — Não, mas... — Está tudo bem, pode acreditar. —Jackson abriu sorriso. — Eu já sabia. — Já?

~ 251 ~


— Eu deixei a porta aberta de caso pensado — explicou, todo composto e impassível. — E vi você voltar correndo para a sua casa. — Você sabia?! E por que não me contou? —Eu queria ter certeza de que você estava bem com aquilo tudo. Não queria que se sentisse como se devesse alguma coisa. É um segredo meio duro de carregar, sabe? — É? E foi de carregá-lo que você ganhou essa corcunda? Ele riu. Ela riu. E então os dois esperaram por uma música lenta e dançaram. De rosto coladinho, balançaram ao som de Taylor Swift, numa sintonia perfeita. Uma sintonia verdadeiramente monstro, numa quadra tão cheia de impostores. Tinha sumido a invisível força de repulsão entre os dois. Agora, a única coisa entre eles era a brisa suave do miniventilador de Jackson.

~ 252 ~


CAPíTULO 21 PERdENdO A cABEçA Paradas do lado de fora das portas duplas da quadra, Frankie, Lala, Blue, Clawdeen e Cleo deram-se as mãos do mesmo jeito que as Pussycat Dolls quando estão para voltar ao palco e receber os últimos aplausos do público. Tinham reprimido o nervosismo no trajeto de carro para a escola. Ajustado o visual umas das outras no estacionamento. E declarado aquela incursão um pequeno passo para elas, um grande passo para a monstruosidade. Agora, tudo o que tinham de fazer era juntar coragem para entrar antes que o baile acabasse. —Ok, quando eu contar até três. — Frankie ajeitou os ombros, que estavam semi-visíveis graças ao delicado vestido rendado de noiva da bisavó Frankenstein. —Um... dois.. De repente, as portas se escancaram. E alguém, como se fosse um desmancha-prazeres especialmente violento e empenhado, veio correndo para cima das meninas e, com o choque, rompeu a corrente e o vínculo entre elas. — Deuce?! — exclamou Cleo, arfante, enquanto seus brincos candelabro, de ouro, balançavam debaixo dos cabelos negros e lisos. O corpo de Cleo estava envolto por bandagens de linho branco, desde a cabeça até os pés, e adornado com uma suntuosa mescla de joias de ouro e turquesa. A coroa de ouro maciço, em forma de cobra com olhos de rubi, podia também servir de arma, e Cleo não hesitaria em usá-la contra

~ 253 ~


carinhas que pulavam a cerca. Pelo menos, era o que Cleo tinha dito no carro. — O-oi... — gaguejou ele, ajustando a cartola vermelha. — Eu estava justamente correndo para ligar para você. Eu pensei que você estivesse em casa... E o boicote? — Esquece! Se alguma coisa vai ser boicotada aqui, essa coisa é você! — Mandou bem! — disse Clawdeen, que ergueu a mão para que a amiga batesse um ―Toca aqui!‖. Clawdeen estava num vestido curtinho que deixava a pelagem à mostra. — Peraí! — Deuce recuou um passo. — O que é que vocês estão usando?! Olhou bem para cada garota, atentando à pele verde e às faixas brancas nos cabelos de Frankie, às presas de Lala, às barbatanas de Blue, ao pelame de Clawdeen, ao corpo mumificado de Cleo. — Vocês estão malucas?! — disse ele, num sussurro explosivo, empurrando—as de volta para onde estava a máquina de fumaça fedida. Dentro da quadra, começou a tocar ―Single ladies (Put a ring on it)‖, de Beyoncé. — Estão tocando a minha música! — exclamou Cleo, referindo-se a uma canção que falava justamente sobre quem estava sem namorado... Ela estendeu as mãos para os lados, e as garotas refizeram a corrente. — Mas, Cleo, você tem namorado, sim! — Deuce colocou o corpo entre ela e as portas da quadra. — Toda aquela história de Melody foi um mal—entendido, eu juro. Eu estava justamente indo telefonar para você!...

~ 254 ~


— Olha, Deuce, você está demorando demais a pôr um anel de compromisso aqui no meu dedo — provocou Cleo. — Igualzinho ao cara aí da música. — Mas que dedo? — Deuce ergueu a mão coberta de joias de Cleo. — Não tem mais espaço nenhum aí! — Então vá estacionar em outro lugar. — Ela o dispensou com um tchauzinho, deu um chute para abrir as portas da quadra e arrastou as amigas para dentro. — Não façam isso! — gritou Deuce. Mas já era tarde. A batida rápida de Beyoncé, com o poder hipnótico de um canto de sereias, atraiu as garotas direto para a pista de dança. Frankie, protegida pela afinidade com as amigas e impelida pela dedicação à mudança, se movia através da multidão com uma confiança de superstar. Os normies se viraram para olhar quando elas passaram. Cumprimentos lhes eram atirados como rosas. Os Glitterati teriam ficado orgulhosos. Assim como Viv e Vik. Quando as cinco se aproximaram da beira da pista de dança, apareceram Bekka e aquela menina minúscula que era sua sombra. ―Sem o Brett?!‖ Ótimo sinal! Bekka se pôs na frente de Frankie, obrigando-a a soltar a mão gélida de Lala. — E quem é a senhora? — perguntou Bekka, obviamente incomodada com a fantasia igual a de Frankie. Frankie até considerou revelar a verdadeira identidade, mas logo pensou melhor e respondeu, na maior inocência:

~ 255 ~


— Eu sou a noiva de Frankenstein. Bekka então apontou para os pés descalços de Frankie e disse: — E não sobrou nenhum dinheiro para sapato de pois que você foi comprar roupa na loja de um e no venta e nove? — Ué, você não sabia que a verdadeira noiva de Frankenstein não casou de sapatos? — E você sabia que a verdadeira noiva de Frankenstein tinha NOIVO? — Sabia, sim — respondeu Frankie, bem presunçosa. — Aliás, ele era... — Conteve-se de novo. Uma coisa era brincar com fogo. Outra era sair por aí querendo incendiar em tudo. — Sabe de uma coisa? Você fica bem de verde — concluiu Frankie, sincera. — Mas você não — retrucou Bekka. — O que me surpreende, porque verde é bem a sua cor. — A amiga baixota continuava lá de pé, digitando no celular, ao lado de Bekka. — Ahn, tudo bem, mas isso que você falou não faz sentido nenhum — disse Frankie, revirando os olhos. A digitadora esqueceu um pouco a telinha e levantou os olhos para explicar. — O verde é a cor do ciúme e da inveja. — E está na cara que você tem inveja da gente — completou Bekka, que pôs as mãos na cintura e depois passou os olhos rapidamente pela quadra, acreditando ter deixado bem claro que se referia a si mesma e Brett. — De vocês? Mas por que eu teria inveja dela?! — Frankie apontou para a digitadora.

~ 256 ~


— De mim não — enfatizou a baixota. — Do Brett. Frankie deu uma risadinha e, depois, fez tchauzinho. Estava elétrica demais para levar aquilo a mal, ainda mais vindo de uma concorrente café-com-leite que usava cabelos murchos de Marge Simpson com umas faixas brancas muito mal pintadas. — Aquilo foi hilário — sussurrou um garoto ao ouvido de Frankie. Frankie se voltou. Uma rosa negra flutuava no ar, à altura de seu rosto. — Aqui, pega. — A rosa se aproximou. — Eu a afanei de uma garota que estava de fada madrasta. É para você. — Billy? — Frankie riu baixinho. — O próprio — respondeu o garoto invisível. — Eu acho que o que você está fazendo é mesmo uma coisa muito corajosa. Ele encaixou a rosa atrás da orelha de Frankie. — Não se preocupe... Eu tirei os espinhos. — Obrigada. — Frankie tocou a flor com ternura, do mesmo jeito que aquele presente a tinha tocado. — Aúúúúúúúúúú! — uivou Clawdeen no meio da pista de dança. — Aúúúúúúúúúú! — respondeu todo o mundo. Frankie, ansiosa por se juntar às amigas, espremeu -s por entre a multidão suada. No caminho, mãos se estendiam para tocar sua pele. — Sensacional! — Essa maquiagem verde parece tão real!

~ 257 ~


— A roupa está de arrasar! — Aquilo lá é piercing de pescoço?! — Eu quero igual! — Eu sei, eu também! — As costuras dela são melhores que as da minha bola de beisebol... Frankie estava encantada, mas nada surpresa, com as reações positivas de todos. Sabia que seria assim. Nunca tinha havido dúvida nenhuma. Era só questão de comprovar. E suas quatro amigas, vestidas ao natural e dançando com normies, estavam fazendo justa mente isso. Frankie deu uma espiada no celular registrar a hora exata em que fizeram história. Era oito e treze. — Eeeeeeba! — gritou Frankie quando se reuniu à amigas. — Frankieeeeee! — responderam, também gritando. — Isto aqui está uma maravilha! — proclamou Blue, derramando uma garrafa de água sobre a cabeça. Sua pele escamosa tinha um brilho de opala, leitoso e prateado. — Aí! — aclamaram os normies, achando que o gesto de Blue fosse não uma necessidade biológica, e sim uma desinibição total. A pelagem de Clawdeen começava a encaracolar com a umidade. Cleo dançava o hip-hop com um normie que já estava usando a coroa dela. E Lala era toda sorrisos e presas à mostra. — Olha só! — Lala apontou para a própria testa, muito branca. — Transpiração!

~ 258 ~


— Você não está com frio? — perguntou Frankie, feliz da vida com aquilo. — Eu não estou com frio nenhum! — Lala girou a capa de cashmere no ar e a atirou para a multidão. A euforia combinada das cinco era um barato que Frankie nunca tinha conhecido igual. — Oi, linda noiva — cochichou um rapaz ao ouvido de Frankie. — Billy? — Ele a virou para encará-la. — Ahn... Na verdade, é Brett. Mas eu prefiro Frankenstein, o Bonzão. ―SHOW!‖ Agarrando-a pelos ombros cobertos de rendados, esfregando a pele de Frankie com os polegares, Brett estava lá, em pé diante dela, usando terno preto. Pele verde-menta, eletrodos, saturas, franja — ele era o próprio bisavô Frankenstein. E tinha vindo atrás dela. Naquele devaneio anterior de Frankie, os dois tinham se escondido no poço da escada. Agora, entretanto, estavam bem no meio da festa. Rodeados normies e IRADOs. Tocando abertamente um no outro. Olho no olho. Sem medo. Brett passou a mão pelos cabelos de Frankie, negros com faixas brancas, e sentiu o formigamento da eletricidade. — Fico contente que você tenha decidido usar o cabelo solto, em vez daquela coisa levantada e bufante. — Ele sorriu com seus olhos azulanil. — É muito sensual.

~ 259 ~


Frankie não conseguiu responder. Ela só consegui fitar com olhos arregalados. ―E assim que os zumbis se sentem?‖ Com mãos quentes, ele a segurou pelo pescoço... puxou o rosto de Frankie para junto do seu... e deu o primeiro beijo na boca que ela recebia na vida. Do jeito que as pessoas se beijam nas telenovelas. Só o melhor. Muito melhor. Frankie começou a soltar faísca. Depois, ela se deixou levar como uma bexiga de hélio que se solta em festa de aniversário. Enquanto seu corpo flutuava cada vez mais alto, o mundo lá embaixo ficava cada vez menor. Os sons perdiam significado. As responsabilidades eram coisa fora de propósito. As consequências se tornavam insondáveis. Toda a existência de Frankie se referia àquele exato momento. Nada antes, nada depois. Só o agora. À medida que o beijo se intensificava, Brett lhe esfregava as suturas do pescoço com pressão cada vez maior. Frankie flutuava mais alto. Feliz consigo mesma por ter lavado as suturas e passado óleo perfumado nelas. Orgulhosa de quão macias e maleáveis deviam ser ao toque dele. Certa de que seriam uma das coisas que Brett mais adoraria nela. Ele a agarrou pela cabeça. Moveu-a de um lado para outro, como se conduzisse Frankie numa dança que ele havia coreografado só para os dois. ―Hummm...‖ Ela gostou da ideia. Uma dança só para... SCRRRRETCH! Uma dor súbita e aguda atravessou o pescoço de Frankie. Seus lábios se paralisaram num átimo. Faíscas cintilaram em frente aos olhos.

~ 260 ~


Ela foi tomada pela vertigem e desorientação. Frankie era como um bicho de pelúcia numa máquina de lavar. E, então, aquilo parou. Tudo o que ela via era o tecido preto de um terno. E tudo o que ela ouvia era... —Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah! Sua cabeça pareceu disparar para o céu com a força de um foguete. Estava cara a cara com Brett. Aqueles olhos azul-anil estavam se apagando. Viraram-se para a esquerda. Depois para a direita. Depois para o centro. E aí as pálpebras de Brett se fecharam. Ele começou a cambalear. Ela também. Estavam caindo... caindo... Desabaram no piso da quadra. O corpo de Frankie, frouxo como uma boneca de pano, pousou em cima de Brett. E a cabeça rolou na direção do DJ da festa. — Arrrrrrrrrrrrrrrrrgh! Berros, passadas frenéticas e pânico generalizado se juntaram numa mistura barulhenta e caótica. Uma bota enorme tomou impulso como se estivesse prestes a chutar a cabeça de Frankie, mas uma lufada de mãos veio arrebatá-la e tirá-la dali. — Aquela cabeça está flutuando! —Está FLUTUANDO! — FLUTUANDO! — UMA CABEÇA FLUTUANTE! Nada estava claro. Imagens truncadas tremiam ao redor de Frankie como se fossem peças chacoalhantes de quebra-cabeça.

~ 261 ~


— MONSTRO! — gritou alguém. Talvez tivesse sido Bekka, mas era impossível afirmar. —Uma cabeça flutuante de monstro! — berrou outro alguém. — Peguem o corpo dela — sussurrou um rapaz. — Não deixem ninguém ver. Eu encontro vocês junto ao carro do Claude. ―Billy? É você?‖, tentou perguntar Frankie. Mas os solavancos da cabeça e a dor lancinante no pescoço tornavam impossível falar. Uem, uem, uem, uem... Soou o alarme de monstros. — Todo o mundo para cima das mesas! Uem, uem, uem, uem... — Apanhem as cadeiras! — Para cima, vamos! — Depressa! Uem, uem, uem, uem... — Agora gritem, ferozes! — Grrrrrrrrrrrrr! — Mais alto! Frankie se viu envolta por uma névoa fedorenta. Fechou os olhos com força, já incapaz de suportar a dor. Mergulhando na escuridão, ela ficou imaginando como seria o mundo da próxima vez que abrisse os olhos

~ 262 ~


Uem, uem, uem, uem.. Isso, claro, se houvesse pr贸xima vez.

~ 263 ~


CAPíTULO 22 MONSTER hIGh Depois de terem dançado, Melody e Jackson estavam curtindo uma refrescada num cantinho vazio da quadra. Nisto, começou o fuzuê. Uma onda de berros vindos da pista de dança não conseguiu distrair Melody das histórias hilariantes que Jackson estava contando sobre seus esdrúxulos vizinhos na Radcliffe Way, nem da maneira que ele pontuava cada história com um beijo suave. Só quando Bekka começou a esgoelarse (―Monstro! Monstro‖) Melody resolveu ir ver o que acontecia. — O que foi tudo isso? — perguntou ela a um morcego que passava por ali. — Os dois estavam lá dando um amasso, e aí a cabeça da menina caiu! — gritou o mamífero alado enquanto disparava para a saída. Jackson, encafifado, coçou a cabeça. — Aquele cara falou aquilo mesmo? Ante a insanidade de tudo, Melody deu uma risadinha. — Provavelmente, é algum truque de efeitos especiais que o diretor Weeks armou. — Tomara! — Jackson mordeu uma unha. — Você está com medo? — perguntou Melody, brincando. — Um pouquinho — confessou ele, olhando por sobre o ombro. — Mas não da tal garota.

~ 264 ~


A maioria dos alunos e docentes já estava em pé em cima das mesas, grunhindo e brandindo cadeiras. Os corajosos o bastante para combater ao nível do chão rasgavam as fantasias uns dos outros, na expectativa de descobrir outras criaturas disfarçadas. — MONSTRO! — berrava Bekka. — MONSTRO! MONSTRO! MONSTRO! Quanto mais Melody se aproximava dos berros de Bekka, mais coisas ela entreouvia. Descobriu que o rapaz da tragédia era Brett e que a menina sem cabeça não era Bekka. Ao avaliarem aquele caos, os intensos olhos castanho-claros de Jackson se umedeceram de pavor. — Melody, eu acho que devo mesmo sair daqui — disse ele, enfaticamente, segurando o miniventilador junto ao rosto. Um aluno que ia correndo para as portas esbarrou em Jackson e derrubou o ventiladorzinho, que deslizou para o outro lado da quadra. Jackson puxou com mais força o braço de Melody. — Eu não posso simplesmente largar a Bekka! — explicou ela, conduzindo-o através do caos em direção à horrorizada amiga. — Por que não? — disse Jackson, cortante. — Não é ela que está em perigo! — Mas o Brett acabou de traí-la! — Fujam! Monstro! — Um fantasma que tremia feito vara verde deu um encontrão em Jackson e depois fugiu dali. Quatro policiais armados irromperam na quadra, sendo seguidos por uma equipe de paramédicos com maca.

~ 265 ~


— Escondam os seus namorados! — gritava Bekka, ajoelhada ao lado do corpo caído de Brett. — Os monstros estão se infiltrando entre nós! Eles estão tentando se acasalar com a nossa espécie! — Ela puxou um fio preto que estava no dedo de Brett e examinou aquilo com toda a atenção. — VAMOS LÁ! — disse Melody, dando um último puxão em Jackson rumo à pista de dança. Bekka se levantou. Suas bochechas estavam borradas de lágrimas, e seu penteado se encontrava a meio mastro. — Ah, aí estão vocês! Viram o que aconteceu? Foi horrível! — disse, soluçando. Melody não sabia ao certo se Bekka se referia à decapitação ou à traição, mas concordou que, de um jeito ou de outro, tinha mesmo sido horrível. Haylee e Heath já prestavam informações a um dos policiais. Enquanto isso, um paramédico agitava um vidrinho de sal volátil debaixo do nariz de Brett. Que, sobressaltado, voltou a si. — AAAAAAAAAAAAAAAAH! — começou Brett a berrar. — Ele está com dor! — disse Bekka. — Precisam socorrê-lo. Logo deram em Brett uma injeção de algo que o fez relaxar até ficar tal e qual um bebê balbuciante. — Você está bem? — Bekka se ajoelhou ao lado dele. — Você achou que aquela garota fosse eu, não achou? Brett fez um movimento circular com a mão, muito frouxo, e então desatou a dar risadinhas.

~ 266 ~


— Brett! Você achou que fosse eu, certo?! Ele olhou para Bekka e então caiu na gargalhada — O que foi que aconteceu com o seu cabelo? — perguntou a ela. Bekka não deu atenção à pergunta de Brett, pai concentrar-se na sua própria. — Ela não estava usando gloss de manga! Será que isso não fez você desconfiar?! — Ahhhh... Abekkausaglossdemanga... — disse ele, com voz pastosa. — O senhor conhece a Be...? Elaéminhanamorada... — Eu sabia, seu guarda — disse Bekka. — Só para sermos precisos eu não sou só guarda. Sou o sargento Garrett. — Aquilo, sargento, não foi beijo. Foi sucção cerebral. E isso o que esses monstros fazem! Atraem os caras e aí sugam os cérebros deles. O senhor precisa achá-la. O senhor precisa detê-la! — Ela lhe entregou aquele pedacinho de fio. — Mande isto aqui para a Perícia. É nossa única pista. — Neste exato momento, os meus melhores policiais já estão indo de porta em porta — disse o investigador, tentando tranquilizá-la e jogando o fio num saquinho de provas. — Se houver mais algum não humano nesta cidade, eu vou achá-lo. Do mesmo jeitinho que meu avô fez nos velhos tempos. Jackson puxou a manga do blazer de Melody. — Eu realmente preciso sair daqui. Os paramédicos levantaram Brett e o colocaram na maca.

~ 267 ~


— Para onde é que vão levá-lo? — perguntou Bekka. — Para o Salem Hospital. — Eu vou junto — insistiu Bekka. — Você é parente? — quis saber um dos paramédicos. — Sou noiva dele. Jackson tirou o suéter encharcado, O travesseiro da corcunda caiu ao chão. — Está ficando abafado! A gente tem que ir embora... — Melly — chamou Bekka, correndo em disparada para alcançar a maca —, a Haylee vai ficar por aqui para colher depoimentos. Você saia e tente descobrir onde está aquela... coisa. Eu ligo do hospital para saber como está tudo. — Você quer que eu ache aquilo?! — perguntou Melody, incrédula. — Você não acha mesmo que há uma coisa lá fora, acha? Foi tudo truque. — Não foi truque nenhum — advertiu Bekka. — Tão logo você ache o monstro, passe a informação para mim, que eu cuido do resto. — Ela acenou. — E tome cuidado! — Como é que eu vou achar um monstro imaginário? — perguntou Melody a Jackson. — Não sei, mas eu preciso sair daqui. — Ele a puxou pelo braço. — Melody, aonde é que você está indo? — Haylee se aproximou a passos determinados e pôs no chão a cesta de aranhas e insetos. Jackson deu outro puxão no braço de Melody. — Eu só vou sair para tomar um pouco de ar — explicou ela.

~ 268 ~


— Não há tempo! — disse Haylee, contrariada. — Você precisa ir atrás da criatura! — Deu um tapa na própria cabeça. — Droga! Logo hoje fui deixar a câmera no carro do pai de Bekka. Eu podia ter tirado a foto da fêmea de monstro para que se fizessem cartazes de ―Procura-se‖. Haylee se voltou e solicitou que os poucos alunos remanescentes lhe entregassem as câmeras — ela pelo menos sabia registrar uma cena de crime. Para uma garota tão miudinha, Haylee era mesmo um trator. — Vamos lá, Melody! — Jackson a puxou de novo. — Se descobrirem o que eu sou, vão vir atrás de mim. — Mas por que fariam isso?! Você não é... — Melody fez uma pausa, percebendo que não tinha ideia do que Jackson fosse. Será que descender de Jekyll e Hyde fazia dele um monstro? Haylee voltou batendo os pés. — Mexa-se, Melody! Você precisa fazer isto pela Bekka. Ela faria o mesmo por você. As amigas antes de tudo, lembra-se? De repente, Melody sentiu-se uma bolinha de pingue-pongue, atirada de um lado para o outro sem que a deixassem opinar. Queria ajudar tanto Jackson quanto Bekka. Mas escolher um significava desapontar o outro. — Eu sei, mas... — Vamos, Melody! — Jackson, com a testa encharcada de suor, a puxava pela mão. — Só um minutinho!

~ 269 ~


— Faça o que é certo — recomendou Haylee antes de afastar-se às pressas para conduzir a investigação. —Vamos! — exigiu Jackson, com os dentes cerrados. Melody deu um suspiro. A confusão tinha se estabelecido a toda a volta. E, agora, estava dentro da própria Melody. A mão do arrependimento a esbofeteou. Por que tinha saído de Beverly Hills? Por que tinha deixado que lhe arrumassem o nariz de camelo? Se ainda fosse a Tromba, ninguém a estaria disputando. E ela não estaria naquela situação insuportável. Em pé no meio de uma quadra quase vazia, rodeada por fantasias rasgadas, petiscos esmigalhados, cadeiras espalhadas e mesas cobertas de pegadas, Melody travou como um disco rígido quando fica sobrecarregado. Jackson soltou sua mão. Melody se voltou para ele, mas não conseguiu falar. Ele estava sem óculos, e via-se a decepção em seus olhos. — Você de novo?! — Tirou a camiseta branca para fora da calça. — Por que é que você vive aparecendo? Sem querer ofender, você é séria demais. Dj. estava de volta. — Onde está a minha garota Eletrizante? — berrou ele. — Eletrizante, cadê você? — Dj. levantou a palma da mão para um ―Toca aqui!‖ com Melody. —Você não vai ficar chateada, vai? É só que não tem música nenhuma aqui e eu preciso de alguma coisa mais... animada. — Eu entendo. — Melody retribuiu o cumprimento e depois deu tchauzinho. Em vez de correr atrás dele, tentar protegê-lo ou achar quem o levasse em segurança para casa, ela olhou enquanto Dj. ia embora. Ela o deixou ir.

~ 270 ~


Melody aspirou uma vez no inalador e então arremeteu pela névoa das portas da escola, saindo de lá. Não tinha nenhuma ideia de como voltar para casa. Nenhuma ideia de quem salvar primeiro. A melhor amiga ou o namorado? Não era essa, aliás, a eterna questão? Do lado de fora, as luzes das viaturas piscavam enquanto os policiais recomendavam insistentemente à garotada que fosse direto para casa, sem se arriscar mais. O vento soprava em lufadas fortes e curtas, como um asmático que precisasse entregar uma mensagem urgente. Ele chacoalhava os copos descartáveis vermelhos, usados na festa, que agora atulhavam o estacionamento cada vez mais vazio, criando a trilha sonora ideal para uma caçada ao monstro em filme vagabundo — algo que Melody teria apreciado caso não estivesse se sentindo ela mesmo o maior de todos os monstros. — Quer carona? Melody se voltou e viu Candace surgir daquelas portas enevoadas da escola. A irmã, usando vestido curtinho de renda preta, asas pretas pintadas com glitter e um monte de rosas negras nos cabelos, desceu os degraus com toda a graça e confiança de uma corista da Broadway. O refluxo da adrenalina (a qual voltou sabe-se lá para onde) fez que o corpo todo de Melody relaxasse. Os braços e pernas não estavam mais tensos, a batida cardíaca diminuiu, a respiração se estabilizou. Sua fada madrinha tinha chegado, ainda que com o visual de uma fada bem diferente. — O que é que você ainda está fazendo aqui? — perguntou Melody.

~ 271 ~


— Ora, eu não podia sair de uma bagunça daquelas sem vir conferir se você estava bem — disse Candace, dando a entender que essa resposta devia ter sido ridiculamente óbvia. — Além disso, foi a coisa mais divertida que me aconteceu desde que a gente se mudou para cá. Muito mais animal que qualquer baile da Beverly Hills High, pode ter certeza. Melody tentou rir — Vamos embora, então. — Olha lá. — Candace apontou para o grande quadro branco de avisos que ficava em frente à escola. Alguém tinha mudado a ordem das letras plásticas destacáveis que ficavam no alto do quadro. Agora, em vez de MERSTON HIGH, lia-se MONSTER HIGH. — Rã-rã — disse Melody, sem rir de verdade. No curto trajeto para a Radcliffe Way, Melody contou as viaturas de polícia que passaram correndo pelo BMW verde — sete. O estéreo do carro estava desligado, e isso parecia fazer mais barulho que qualquer sirene. Candace era do tipo que punha o som no máximo até quando o pai lhe pedia tão somente que tirasse o carro da garagem. Naquele momento, entretanto, ela estava fazendo o mesmo que Glory costumava fazer: usando o silêncio para que Melody saísse do casulo, contando com o fato de que o ruído no cérebro da irmã mais nova se tornaria tão ensurdecedor que ela precisaria pôr alguma coisa para fora. E que lugar melhor para isso do que o espaço tranquilo que estavam ocupando naquele momento? O interior do veículo era uma tigela vazia que apenas esperava que a enchessem de desabafo. Quando chegaram à entrada da Radcliffe, Melody começou a abrir a boca. — Uma pergunta.

~ 272 ~


— Sim? — disse Candace, ansiosamente, com os olhos fixos na rua escura que tinha à frente. — Você já precisou escolher entre ficar do lado de uma amiga e ficar do lado de um namorado? Candace assentiu. — E que lado a gente deve tomar? — O certo. — Mas e se os dois estiverem certos? — Nunca estão. — Mas estão, sim! — insistiu Melody. — O problema é esse. — Não. — Candace passou devagar por uma viatura. — Os dois acham que estão certos. A questão é: quem você acha que está certo? Qual dos lados representa aquilo pelo qual você acha que vale a pena lutar? Melody olhou rapidamente pela janela, como se esperasse que a resposta surgisse no gramado de algum vizinho. Todas as casas, com exceção da delas, estavam com as luzes apagadas. — Eu não sei. — Sabe, sim — disse Candace, enfática. — Você só não tem a coragem de ser honesta consigo mesma. Porque aí você teria de fazer a coisa que não quer fazer, e você detesta fazer qualquer coisa que seja difícil. E é por isso que você desistiu de cantar, não tem vida nenhuma e sempre foi uma... — Tá, tá!... Será que a gente pode voltar para aquela parte em que você estava falando feito a Oprah?

~ 273 ~


— Eu só estou dizendo, Melly, que você precisa saber o que faria se não estivesse com medo. A resposta que você quer está aí. E esse o partido que você deve tomar. — Candace virou na entrada de carros dos Carver e colocou o câmbio automático em PARK. — E, se você não tomar esse partido, vai mentir para si mesma e para todos os que estão perto de você. — Abriu a porta do motorista e pegou a bolsa. — Agora, se me dá licença, a Oprah está de saída! Candace bateu a porta com força. Melody se recostou, curtindo o restinho de calor no carro antes que ele esfriasse. Melody se forçou a ver ambos os lados da questão. Da perspectiva não de Bekka, nem de Jackson, mas dela própria, O que era mais importante? A amizade leal? O amor resignado? A cada segundo que passava, um pouquinho mais de calor saía do carro. Quando Melody enfim chegou à decisão definitiva, já estava gelada.

~ 274 ~


CAPíTULO 23 O MUNdO EM PARAFUSO Pelo cheiro, parecia que a vida tinha cessado e que tudo o que restava eram instrumentos estéreis e frios. Luzes brilhantes. Soluções químicas. Vidro. Metal. Luvas cirúrgicas de látex. E alguma coisa mais que Frankie não conseguia bem definir... Tentou abrir os olhos, mas as pálpebras pareciam trancadas. Os braços e pernas, presos por correntes. A voz, extinta. Dizem que os cães conseguem farejar o medo, de modo que ele deve ter um odor. Talvez fosse isso, então. Ela estava sentindo o cheiro de medo. Em toda a volta, ouvia vozes que expressavam esse medo. Ele jorrava das bocas como a água de uma esponja ao ser espremida. — Está havendo uma caça às bruxas. — Nos últimos sessenta minutos, dois policiais ficaram fuçando no meu sótão. — Nossas vidas estão arruinadas. — Eu simplesmente não entendo. Como é que vocês não viram sua própria filha sair de fininho de casa? — Vocês acham que isso é serem bons pais? — Eu acho que é um perigo para a sociedade, isso sim! Em especial para a nossa sociedade.

~ 275 ~


— E o tal garoto normie? Se ele não se recuperar, vai virar notícia no país inteiro. — Se é que já não virou. — Eu lhes garanto — disse Viveka, soluçando — que estamos desolados com tudo isso. E temos tanto a perder quanto vocês. Viktor e eu faremos de tudo para que nunca aconteça de novo. — Nunca aconteça de novo?! Temos problemas mais sérios. Como é que vamos resolver o que está acontecendo agora? Se esta coisa continuar, a minha Lala vai precisar remover as presas. É, as presas! — Clawdeen e os irmãos vão ter de fazer remoção capilar a laser. Isso vai matar a autoestima deles. E, com o inverno chegando... eles vão congelar! — Pelo menos vocês sabem onde os seus filhos estão. O Jackson ainda não voltou para casa. Toda vez que escuto uma sirene, preciso respirar num saco de papel E se eles começarem a prender suspeitos em massa? E se eles... — A sra. J. desatou a chorar. — Por favor, todos vocês. — O tom de Viktor era baixo e cansado. — Embora nós assumamos total responsabilidade pelo.., infortúnio desta noite, lembrem-se de que temos mais em jogo do que qualquer um de vocês. — Ele soluçou e depois assoou o nariz. —E a nossa filha que eles estão procurando. A nossa filha! Ela fez algo irreparável, sim, mas quem está sendo caçada é ela. A nossa filhinha. Não os filhos de vocês! — Não ainda.

~ 276 ~


— Estão procurando uma garota verde sem cabeça que estava numa Festa do Monstro Maluco — disse Viktor. — Podemos dizer que foi apenas trote. — E que trote... — Viveka e eu vamos fazer todo o necessário para que isso acabe bem. E a nossa primeira providência vai ser tirar a Frankie da Merston High. Nós vamos educá-la em casa e proibi-la de sair. — Acho que vocês deveriam ir embora de Salem. — Isso! — Concordo. — Sair de Salem?! — A voz de Viktor, agora, era como um trovão. — Eu pensava que isto aqui fosse uma comunidade! Como é que vocês têm coragem de nos virar as costas depois de tudo o que nós... — Eu acho que todos já tivemos uma noite muito agitada — disse Viveka, correndo a intervir. — Que tal nos falarmos de novo pela manhã? —Mas... — Boa noite — concluiu Viveka. O computador soltou uma última nota musical e então desligou. — Não acredito que esteja acontecendo uma coisa destas! — disse Viveka, chorando. — Nós não podemos nos mudar! E os nossos empregos? E a nossa verba de pesquisa? E a nossa casa? Para onde é que a gente vai? Viktor deu um suspiro. — Não faço a mínima ideia.

~ 277 ~


— Ele aplicou o último pedaço de gaze às suturas de Frankie e então reduziu as luzes. — A boa notícia é que não precisamos ter medo de mais nada. — E por quê? — Porque o nosso pior pesadelo acaba de virar realidade. Saíram do quarto-laboratório de Frankie, e a porta se fechou com um dique. Sozinha e semiconsciente, Frankie ia e vinha do sono. Mas, não importando o estado em que se encontrasse, não conseguia escapar à culpa avassaladora ter destruído tantas vidas. Nos sonhos que estava tendo, essa culpa se apresentava de muitas formas. Frankie causava avalanches fatais, estava ao leme de navios que iam a pique, aterrorizava crianças de orfanato, empurrava os pais de um penhasco e beijava Brett com lábios que eram tesouras mortais. Depois de cada um desses sonhos, Frankie acordava sobressaltada, banhada em lágrimas. Não encontrava nenhum consolo no silêncio sereno do quarto, pois tudo ali era real. E a culpa era grande demais para que Frankie a suportasse. Toda vez que abria os olhos, logo tornava a fechá-los. E desejava nunca mais despertar.

~ 278 ~


CAPíTULO 24 OBRIGAçõES cONTRATUAIS O dedo de Melody pairou sobre a campainha da porta. Acioná-la significava mais do que talvez acordar algumas pessoas. Significava que Melody havia tomado partido. Apertou o botão e deu um passo atrás. Seu coração começou a acelerar. Não tinha medo da porta que estava para se abrir. Tinha medo, isto sim, da porta que estava para se fechar. — Quem é? — Melody Carver. Eu sou amiga do... — Entre — disse a sra.J., usando robe de chenile preto e segurando nas mãos uma bola de lencinhos de papel. Deu uma espiada por sobre o ombro de Melody e depois passou rapidamente a correntinha na porta. Os cabelos haviam sido juntados num rabo de cavalo sem nenhuma pretensão, e borrões de rímel marcavam as faces como manchas de Rorschach. Com a ausência dos severos óculos de Woody Allen, a sra. J. parecia apenas uma mãe comum e preocupada. Melody olhou para o interior da casa mal iluminada. A mobília escura, de salão funerário, parecia mais bamba e arqueada do que Melody se recordava. Como se houvesse tristeza nas fibras empoeiradas da madeira. — O Jackson está em casa? A sra. J. levou a bola de papel aos lábios e fez que não com a cabeça. — Eu tinha esperanças, Melody, de que você soubesse onde ele

~ 279 ~


está. Ele já devia ter voltado. Com tudo o que está... Bem, só estou preocupada, não mais que isso. É complicado. — Eu sei. A sra. J. sorriu, agradecendo aquela solidariedade. — Não. — Melody tocou o chenile macio da manga do robe. — O que eu quero dizer é que eu sei a respeito do Jackson. — Como é que é? — A fisionomia da sra. J. se endureceu. — Eu sei o que acontece quando ele sua. Eu sei no que ele se transforma. E eu sei o porquê. Os olhos castanho-claros da sra. J. ficaram desconfiados. Como se ela não soubesse se saía correndo ou se batia na cabeça de Melody com o atiçador de ferro que estava na lareira. — Como? Você sabe como? — Ele me contou — mentiu Melody. — Mas não se preocupe. — Pegou a mão da sra. J. Estava gelada. — Não vou contar a ninguém. Ninguém mesmo. Vim aqui para ajudar. Eu vou achar o Jackson. Melody, você não entende o que estará em jogo se ficarem sabendo a respeito de Jackson. E mais complicado do que você pensa. Mais complicado do que ele pensa. Um monte de gente podia sair prejudicado. — A senhora tem a minha palavra. — Melody ergueu a palma da mão direita, pronta a assumir o compromisso. Não porque estivesse meramente gamada em Jackson. Nem porque os beijos dele despertavam o interior de Melody do mesmo jeito que uma mordida de cheesecake de chocolate. Mas porque achar Jackson significaria salvá-lo de si mesmo, e ela bem sabia do que se tratava, pois o ―si mesma‖ era também o maior adversário de Melody. Já o monstro ladrão de namorados seria trabalho

~ 280 ~


para Bekka. E esta, se acreditava mesmo no lema ―As amigas antes de tudo‖, entenderia. Melody atravessou correndo a rua escura para ir pegar a bicicleta e uma lanterna. Pedir que os pais ou Candace dirigissem para ela seria trair a confiança sra. J., e Melody não podia fazer isso. Ela não queria fazer isso. Localizar Jackson e trazê-lo em segurança para casa constituiria a primeira grande realização Melody. E não teria nada que ver com simetria, ou parentesco com Candace. Aquela missão de r te mostraria do que Melody era feita. Diferentemente daquilo que Beau poderia fazer dela. — Como foi o baile? — perguntou Glory, na sala estar. Depois, pegou a xícara de chá que estava na mesinha de canto e foi para a cozinha. — Foi bom — respondeu Melody, seguindo a mãe. — A gente tem lanterna? Glory balançou negativamente a cabeça. — Nós agora usamos lamparinas de vela. Elas estão na garagem, naquela caixa plástica em que está escrito ILUMINAÇÃO EXTERNA. Lá também deve haver vela. Por quê? — Eu queria sair para andar um pouco. Estava muito abafado lá no baile, e aqui está um forno. — Você acha que é seguro? Disseram que monstros estão à solta. — Glory revirou os olhos verde-água, como se embasbacada com as ideias que as pessoas podiam ter. Ela colocou a xícara na pia. — Dá para acreditar numa coisa dessas? — Soltou uma risadinha abafada. — Cidade

~ 281 ~


pequena é mesmo uma graça. Eles nunca vão saber o que são monstros de verdade até conhecerem o nosso antigo bairro. É ou não é? — Com certeza — respondeu Melody, inquieta. — Boa noite, então. Eu não demoro. Glory mandou beijinho para a filha e se dirigiu para o quarto. Melody foi correndo para a entrada da frente. Ansiosa para iniciar a busca, ela escancarou a porta e trombou forte com Bekka. — Ai, meu Deus! Está tudo bem, Bekka? Como está o Brett? Teria Melody soado tão culpada quanto se sentia? — Ele está estável. Mas teve um surto histérico e ainda não consegue falar. Melody puxou Bekka para um abraço. Bekka deixou, mas não retribuiu o gesto. — Você deve estar tão preocupada! — disse Melody. — Estou, sim — respondeu Bekka. — Mas, então, por que é que você não está procurando o monstro? — Na verdade, eu estava justamente de saída — disse, orgulhosa de não ter mentido. — Ótimo — comentou Bekka, sem o menor sinal de que estivesse feliz ou aliviada. — Aqui, ó. Pega. — Entregou a mochila cáqui de Melody. — Você deixou no carro do meu pai. — Ah, obrigada. Você não precisava trazer agora. — Melody se envergonhou do tom muito agudo, nada natural, de sua voz carregada de culpa.

~ 282 ~


— Você conhece o meu lema. — Bekka deu um sorriso afetado. — As amigas antes de tudo. — Isso, as amigas antes de tudo — repetiu Melody. — É, as amigas antes de tudo. — Bekka deu outro sorriso afetado. Alguma coisa havia mudado. Era mais do que o susto de ter visto o namorado beijar um suposto monstro. Mais do que a culpa de Melody por não ter saído à caça de algum efeito especial de festinha. A diferença não estava no ar. Estava nos olhos verdes de Bekka. — Você também deixou isto no carro. — Bekka lhe estendeu o iPhone. Mas, quando Melody estendeu a mão para pegá-lo, Bekka o puxou de volta e mexeu na touch screen. — Olha só o que eu achei. A tela começou a mostrar o vídeo em que Jackson virava Dj. Hyde. ―D.J. Para ser exato, Dj. Hyde. Como quando se junta o nome do dr. Jekyll com o do sr. Hyde. Igualzinho ao meu bisavô.., que, a propósito, era super irado. Eu achei uns papéis no sótão de casa, e parece que ele fez um monte de experiências esquisitas com tônicos em mil oitocentos e bolinha. Experiências nele mesmo! Depois que bebia essas poções, virava um cara bem doido. Eu não sou de beber, mas gosto muito de um arrastapé. Você tem algum som aqui?‖ Melody sentiu um nó no estômago. A boca secou. A respiração ficou ofegante. — Você ficou bisbilhotando as minhas coisas?! — perguntou. Foi tudo em que conseguiu pensar para dizer. — Eu não. A Haylee. Ela levantou dúvidas sobre a sua lealdade.

~ 283 ~


―Por que foi que eu não pensei em deletar aquilo?‖ Melody podia sentir o coração na boca ao considerar como a descoberta de Bekka atingiria Jackson e a mãe dele. Bekka já não era a amiga que a avisava das brincadeiras assustadoras de Brett ou trazia o inalador só para garantir. Agora, era uma inimiga com um trunfo monstruoso. — Devolve — disse Melody. — Assim que eu mandar o vídeo para o meu e-mail. — Bekka bateu com o dedo na tela e esperou a confirmação. — Pronto. Aqui está. — Praticamente golpeou com o iPhone a gelada palma da mão de Melody. — Esse vídeo foi de brincadeira — alegou Melody. — A gente estava fazendo um filme. Igualzinho ao do Brett! — Mentira! Só mentiras! — Bekka estalou os dedos. Haylee surgiu de um dos lados da varanda. A zelosa assistente abriu a pasta executiva verde e tirou de lá o contrato assinado de Melody. O documento que dizia que Melody nunca paqueraria Brett Redding, nunca se enrabicharia com Brett Redding e nunca deixaria de descer a mão em qualquer menina que se enrabichasse com Brett Redding. Bekka o rasgou em pedacinhos, que então espalhou por sobre o tapete de limpar os pés, aquele onde se lia: ―NÃO SOU CAPACHO DE NINGUÉM!‖ Doeu mais do que Melody podia ter imaginado. Apesar de todas as excentricidades de Bekka e Haylee, gostava mesmo delas. Eram suas primeiras amigas de verdade. — Bekka, eu sinto tanto...

~ 284 ~


— Quieta, sua simpatizante de monstros! — explodiu Bekka. Haylee apresentou outro documento, e Bekka continuou. — É óbvio que você anda com aquela turma. Portanto é óbvio que você sabe onde aquela fêmea de monstro está. — Não sei, não, Bekka. Eu juro! — disse Melody, implorando. — Eu nem acredito que essa tal garota monstro seja mesmo de verdade. — Eu sei muito bem o que os meus olhos viram. — Bekka pegou o novo documento da mão de Haylee e o entregou a Melody. — Você tem quarenta e oito horas para achar a garota. O não cumprimento desta condição vai me fazer vazar um vídeo de fazer concorrência ao da Paris Hilton. Haylee passou a Bekka a caneta prata e vermelha. — Não vou assinar isso! — Melody deu um passo atrás. — Então eu vazo o vídeo agora mesmo. Você que escolhe. Melody pegou a caneta e garatujou o nome na parte inferior do papel. — Coloca a data — ordenou Haylee. Dessa vez, Melody pôs tanta força na caneta que furou a folha. Haylee tirou da pasta um timer amarelo de cozinha, desses em forma de ovo, e girou para começar a contagem já com uma hora passada. Tique-tique-tique-tique-tique... — Mais quarenta e sete voltas, e voltamos aqui — disse Bekka. Haylee levantou a pasta, e as duas garotas saíram pisando duro para retornar ao Cadillac do pai de Bekka.

~ 285 ~


Tique-tique-tique-tique-tique... O carro arrancou, deixando Melody com uma vista desimpedida do chalé de Jackson. A fachada alegre retribuiu o olhar com o carinho de um cachorrinho cheio de confiança em Melody — um cachorrinho que ela estava prestes a resgatar. Ou sacrificar.

~ 286 ~


CAPíTULO 25 UM chOQUE Frankie já havia subido ao banco de testemunhos. Já havia feito o juramento. Era hora de começar a depor. E daí se fazia um calor infernal? E daí se a maquiagem estava derretendo e expondo o verde da pele? E daí se as suturas estavam dolorosamente apertadas? Nada disso importava. Limpar o próprio nome diante dos IRADOs e dos normies que se apinhavam dentro do tribunal era a única coisa importante. Pediria desculpas aos pais por haver traído a confiança deles. Por tê-los colocado em má situação com os outros Irados e não ter prestado atenção às advertências que os dois lhe fizeram. Diria a Lala, Elite, Clawdeen e Cleo o quanto a amizade delas significava e que nunca mais as colocaria em risco. Diria à sra. j o quanto estava agradecida pela orientação recebida. Apresentaria desculpas a Brett, por ter perdido a cabeça, e a Bekka, por ter dado uns amassos com o namorado dela. Agradeceria a Billy, que a socorreu, e a Claude, que a levou para casa. Diria a todos que ela não merecia outra chance. Mas que, se lhe dessem uma, ela nunca mais os decepcionaria. Depois faria um derradeiro apelo aos normies, rogando que parassem de temer os Irados; que deixassem o pai compartilhar seu brilhantismo às claras com o resto do mundo; que dessem valor ao estilo Em— pare às pilosidades idem de suas amigas; que as deixassem se assumirem e viverem livremente.. Mas, quando chegou a hora de falar, as palavras não saíam. Frankie rangeu os dentes, soltou faísca, gemeu frito um zumbi. A cada tentativa

~ 287 ~


de se explicar, ficava mais e mais escandalosa. As mulheres e crianças começaram a choramingar. Os homens saltaram para cima dos bancos do tribunal e começaram a bater os pés para afugentá-la. Mas não adiantou. Uma frustração cada vez maior afiz ranger os dentes com mais força, soltar mais faísca, gemer mais alto. Por fim, uma multidão enfurecida correu para o banco de testemunhas e começou a desmembrar Frankie Membros e órgãos verdes eram jogados para e para cá como uma salada ao ser temperada. A dor era tão insuportável que Frankie deu um grito capaz de romper vidraças e... —Arghhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh ! — Acorda! Acorda! — Alguém a sacudia. —Ughhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh! — Tudo bem, foi só um sonho! Acorda! Frankie, piscou e, lentamente, foi abrindo os olhos. O quarto estava escuro e silencioso. — Mas quanto...? — Mas quanto o quê? — perguntou um adolescente. — Mas quanto disso... foi sonho? — Ela baixou os olhos. ―Eu estou mesmo de bata de hospital?! Eca!‖ — Tudinho. Frankie se soergueu como um raio, sem dar atenção à vertigem — Tudinho?! — É, Eletrizante — sussurrou ele, com ternura. — Tudinho.

~ 288 ~


—D.J.? — Frankie secou o suor da testa. Debaixo daquj5 cobertores eletromagnéticos, era um forno. — Alguma das minhas amigas está aqui? Eu estou dormindo desde quando? — Ela procurou pistas no recinto. Nada estava do jeito que ela lembrava, O cantinho de Frankie tinha sumido, O gloss e os pincéis de maquiagem haviam sido tirados dos béqueres. E os Glitterati tinham perdido o glitter. — Onde é que estão todas as minhas coisas? E o que é que você está fazendo aqui? — Epa, uma coisa de cada vez! — disse ele. — Em primeiro lugar, você dormiu já faz umas horas. Em segundo lugar, as suas amigas não estão aqui. Elas talvez tenham telefonado, mas o seu pai confiscou o celular Em terceiro lugar, ele e a sua mãe encaixotaram as suas coisas porque, palavras deles, ―nós a mimamos tempo demais e agora tudo isso vai mudar‖. E, em quarto lugar, eu consegui uma carona com o Billy e o Claude depois daquele baile sem graça. Quando eles deixaram você aqui, eu meio que fiquei, e me escondi, e... — Peraí! O baile aconteceu?! — Os olhos de Frankie se encheram de lágrimas. — Achei que você tivesse dito que era tudo sonho. — Essa parte não. — Ele deu uma risadinha — Olha, quando aqueles caras me contaram o que você tinha feito com o tal normie, eu quase mijei nas calças. — Passou a mão pelo cabelo da testa. Que estava encharcado de suor. — Eca! — Frankie voltou a deitar. Instintivamente, levou a mão às suturas do pescoço, mas elas estavam debaixo de uma grossa camada de gaze. — E agora? O que é que eu vou fazer? — Sobre o quê? — D.J. tornou a passar a mão pelo cabelo. Frankie soltou um pouco de faísca. Ele deu suas risadinhas, encantado.

~ 289 ~


— Sobre o quê?! — Frankie voltou a levantar. — Sobre estragar a vida de todo o mundo, ora essa! D.J. respondeu com sorridentes olhos castanho-claros à cara feia que Frankie estava fazendo para ele. — Você não estragou a vida de ninguém. Só deu a agitada de que estavam precisando, isso sim. — Ah, claro. — Mas é verdade! — D.J. mexeu na touch screen de seu iPhone. — Por aqui, você era a única faísca capaz disso. O rock ―Use somebody‖, do Kings of Leon, começou a tocar. Dj., como um cachorro que põe a cabeça para fora do carro em dia de sol, fechou os olhos durante a dramática abertura de guitarra e se aqueceu fazendo que tocava também. Tão logo a letra se iniciou, ele pegou Frankie pela mão e a ajudou a levantar. Depois a puxou para si, colou os rosto ao dela e dançou por aquele cômodo estéril, nada estiloso, absolutamente nada maneiro. “I’ve been running around...” Frankie pensou em Lala e ficou imaginando quão séria era a queda da amiga por D.J. — O que é que você está fazendo? — Ela ria, baixinho, nervosamente. — Tentando fazer você esquecer o Brett — sussurrou ele ao ouvido de Frankie. Ela soltou faísca. Ele sorriu. Passaram bailando pela prateleira de béqueres vazios. Agora, os tubos de vidro pareciam tão solitários sem os coloridos produtos de

~ 290 ~


Frankie que lhes davam propósito! Ela havia acabado por magoar também a eles. ―You know that I could use somebody, someone like you.. .‖ — Eu sou tão idiota! — bradou Frankie. —Pensei: ―Ah, ele curte monstros e, então, vai com certeza gostar de mim‖. — Frankie estava zombando da própria ignorância. — Eu não sabia nada sobre ele. Eu só queria estar com alguém que não quisesse que eu me escondesse. — E agora você está. Frankie descolou o rosto do dele e sondou os olhos de D.J. — Por que é que você está sendo tão legal? — Porque eu gosto de você, menina Eletrizante. Eu gosto do fato de você não ter medo de ir fundo. — Ir fundo no quê?! — Frankie sacudiu a mão que estava livre e recuou. Ela queria ver D.J. de corpo inteiro. — Nas coisas que você quer. Frankie tocou as costas da bata de hospital para ter certeza de que ela ainda estava bem amarrada. — É, sei... As coisas que eu quero, eu não posso ter. — Por exemplo? — A liberdade. — Pois você vai poder se eu ajudar. — D.J. deu um curto passo em direção a ela. — E por que é que você quer me ajudar?

~ 291 ~


— Porque você me faz ter vontade de escrever canções. — D.J. tocou um dos eletrodos de Frankie. E levou um choque forte no dedo. — Puxa, como esse seu lance do choque é lindinho! Frankie deu risadinha. — É, muito... — Frankie? — Viktor, sussurrando, a chamou do corredor. —Si...? D.J, muito depressa, tapou a boca de Frankie e desligou a música. — Faz de conta que você está dormindo. Eu vou me esconder. Frankie correu para a cama. A porta se entreabriu. — Você está acordada? Frankie ficou absolutamente imóvel — Ali dentro está uma sauna .— resmungou Viktor para si mesmo, sem entrar. Segundos depois, acionou lá de fora os ventiladores. ―Eu te adoro, pai‖, pensou Frankie, ―mesmo se você não gosta mais de mim. ― D.J. e Frankie, só para garantir, ficaram calados e paradinhos pelos cinco minutos seguintes. Mas a expectativa de ver D.J. outra vez deixava Frankie toda agitada. Ele era um presente que ela ainda não tinha aberto. Frankie queria saber mais sobre ele. Compartilhar de seus sonhos de mudança e renovação. Escutar a voz dele. Ouvir sua música. E soltar faísca.

~ 292 ~


— Você já pode aparecer — cochichou Frankie para a escuridão. — Estamos seguros agora. — Nada ainda. — Aparece, D.J.! — tentou ela outra vez. Mas ainda nada. Frankie saiu de fininho da cama e foi na ponta dos pés até o esconderijo de D.J., debaixo da bancada do microscópio. — Já pode sair. Ele apareceu e, ainda agachado, confuso, coçou a cabeça. — Onde foi que você arranjou esses óculos? — quis saber Frankie, entre risadinhas. — Numa óptica — murmurou ele, grogue. — A LensCrafters. ―Será que ele cheirou formol sem querer?‖ Frankie lhe estendeu a mão. — Quer ajuda para levantar? — Ai, ai, ai! — disse ele, tão logo ficaram cara a cara. — Você é aquela garota monstro verdinha lá do baile, não é? Frankie levou as mãos ao estômago como se tivesse acabado de levar um soco. — Como é que é?! — O que é que eu estou fazendo aqui? — Ele olhou para o reluzente instrumental cirúrgico ao redor. — Será que eu disse alguma coisa de que vou me arrepender? Eu sou seu prisioneiro ou algo assim? — Você está falando sério?! — Frankie chorou. Aquela era a brincadeira mais cruel que se podia imaginar. — Não, você não é meu ―prisioneiro‖. Fique à vontade para ir embora a hora que quiser. — Apontou para a janelinha de vidro fosco, ali onde costumava ficar seu cantinho. — Obrigado. — Ele se apressou a ir para lá.

~ 293 ~


— Você está mesmo indo embora?! — Frankie ficou boquiaberta, desejando desesperadamente voltar para cinco minutos antes. — Eu achei que você gostasse de mim. Ele parou e se voltou. — Você conhece uma garota chamada Melody Carver? Frankie fez que não, muito embora ela meio que a conhecesse, sim. — Isto que você está fazendo é algum tipo de vingança cruel pelo que aconteceu no baile? — Eu sinto muito — disse ele, espremendo-se pela janela aberta. — Então não vá embora! — implorou Frankie enquanto a solidão começava a inundar o quarto-laboratório. — Eu preciso. Eu realmente sinto muito. Foi bom conhecer você. — Fica, vai! — tornou a implorar Frankie quando ele começou a correr lá fora. — Fica... — tentou ela outra vez, apesar de ser tarde demais. Ele já tinha ido.

~ 294 ~


CAPíTULO 26 GATO EScALdAdO... Andando para lá e para cá na varanda de casa, Melody pensou naqueles cachorrinhos de dar corda que ela havia visto no shopping. Esses brinquedos latiam, andavam, sentavam, viravam e andavam mais um pouco. Aí caíam ao bater em alguma coisa e, com um pulinho, tornavam a ficar de quatro, prontos para latir, andar, sentar e virar outra vez. Assim como Melody, eles se moviam, mas não iam para lugar nenhum. Aonde ela deveria ir? Deveria perder tempo atrás de um monstro fictício? Descobrir um jeito de tirar aquele vídeo do iPhone de Bekka? Subornar Haylee? Abrir-se com Candace? Procurar Jackson? Voltar para Beverly Hills? Estava pronta para a ação. Só não sabia que ação tomar. O ruído de sola de tênis no calçamento chamou sua atenção. Uma figura esguia vinha subindo a rua na direção de sua casa. — Melody — chamou ele. —Jackson?! Correu para ele, impelida pela força de mil arrependimentos. — Eu sinto tanto! — Jogou os braços em volta dele, bem ali no meio da Radcliffe Way. — Eu nunca devia ter deixado você ir embora sem mim. Eu estava confusa. Tive de fazer uma escolha. E escolhi você. Escolhi, sim. Quer dizer, escolhi agora. Só que... — Melody o largou: o cabelo de Jackson cheirava ao que parecia ser suor e amônia. — Por onde foi que você andou?!

~ 295 ~


—Jackson! — A sra.J., de robe, veio correndo do chalé. — Graças a Deus que você está bem! Melody, sem ter coragem de encarar a sra. J., ficou perscrutando a rua às escuras. Dali a apenas quarenta e uma horas, o filho da professora seria denunciado como ―monstro‖, e teria sido tudo culpa de Melody. Sua ―pala- ‗ira de honra‖ tinha menos prazo de validade que sashimi. — Oi, mãe. —Jackson a abraçou. — Eu estou bem. — Obrigada! — A sra. J. pegou o rosto de Melody entre as mãos e a beijou na testa. — Muito obrigada por tê-lo achado. Melody forçou um sorriso e baixou os olhos. — Venha para dentro, filho. — A sra. J. o puxou pelo braço. — Você sabe como é perigoso para você ficar zanzando por aí à noite? — Mãe, eu estou com a Melody. Não estou zanzando por aí. — Então pelo menos saia do meio da rua. Jackson prometeu que logo estaria em casa. Depois, pegou Melody pela mão e a acompanhou até a casa dela. — Quando foi que você e a minha mãe ficaram tão amigas? — perguntou. Melody respondeu com um sorriso distante. — Talvez você deva mesmo ir para casa... — disse ela enquanto subiam os degraus para a varanda. — Por quê? — Jackson fez cara de intrigado. — Afinal, quem é que tem dupla personalidade aqui? Sou eu? Ou é você? — Hein?

~ 296 ~


— O que aconteceu com o ―Escolhi você‖ e ―Nunca devia ter deixado você ir embora‖? —Jackson sentou no sofá da varanda e começou a balançá-lo alegremente. — Jackson... — Ela empurrou devagarinho as costas do sofá. — ... está acontecendo um monte de coisas que não posso te contar e que... — Ah, e essas coisas são piores do que tudo o que você já sabe a meu respeito? Ele tinha razão. O vento, ainda soprando de modo intermitente, fazia as folhas farfalharem e depois tornava a silenciá-la Era como se elas estivessem tentando explicar algum coisa, mas não soubessem como. Melody entendia essa frustração. — Aconteceu uma coisa realmente terrível, e foi culpa minha. Jackson olhou fixamente para o outro lado da rua deu um suspiro, dizendo: — O Deuce. — Não! — exclamou ela, ligeiramente ofendida. Os ombros de Jackson relaxaram. — O que foi então? Melody respirou fundo, juntando coragem, m nem assim conseguiu falar. E se ele a largasse? Ela não tinha ninguém. Mas como não contar? Em quarenta uma horas, ele descobriria de qualquer jeito... Sentou ao lado de Jackson.

~ 297 ~


— Bem, sabe aquele... —Juntou mais coragem. — Aquele o quê? — Aquele vídeo em que você vira... você sabe quem. — Sei. —

Bem...

Respirou

fundo

outra

vez,

e

então...

Bekkaachouaquilonomeucelulareagoraeestáameaçandotornarudopúblico seeunãolocalizarosupostomonstroverdequeficouaosbeijoscomobrett.

Ela fechou bem os olhos, como se estivesse esperando um tabefe na cara. Só que Jackson não levantou um dedo sequer. Não se pôs em pé de um salto e começou a andar nervosamente de um lado para o outro. Não levou as mãos à cabeça e berrou para um céu sem estrelas: ―Por que eu? POR QUÊ?!‖ Simplesmente continuou sentado. Balançando para a frente e para trás. Ponderando a situação com calma. — Diz alguma coisa, Jackson. Ele se virou para encará-la. — Eu sei onde está essa garota. Melody deu um tapinha de brincadeira no joelho dele. — Deixa disso. A coisa é séria! — Mas eu estou falando sério — insistiu Jackson. — Então ela existe mesmo? — E como! — Como foi que você a conheceu?

~ 298 ~


— D. J. meio que me levou até lá. — Jackson afetou um sorriso. — Eu acho que ele gosta dela. — Não! — Sim! — Não... — Sim... — Não! Isto não pode estar acontecendo. — Ah, mas está. — Jackson desatou a dar risadinhas. Afinal, o que mais poderia fazer? Melody se levantou e começou a andar para lá para cá. Será que ainda estava na mesa de operação do pai, tendo algum tipo de sonho provocado pela anestesia? — Então, estritamente falando, você tem uma namorada? —Não sei se os dois já se acertaram, mas ela parecia muito a fim dele. — Pois muito bem. — Melody se acalmou. — Acho que isso é bom, não? Você pode me levar lá. Aí, eu descubro qual é a dela e a entrego para a Bekka. — Não, você não pode fazer isso — retrucou Jackson. — E por que não? — Porque o D.J. gosta dela. Não posso fazer uma coisa dessas com ele... ou comigo... ou com quem quer que seja... Ele é meio que um irmão para mim, né?

~ 299 ~


— E que tal o que Vai acontecer com você? E com a sua mãe? E conosco? — A voz de Melody tremia. — Se a Bekka mostrar aquele vídeo à polícia, eles vão pensar que você é monstro. Aí, podem prender você... ou fazê-lo sair de Salem. — Não dá, Melly — disse ele, baixinho. — Ela foi muito boazinha. A disposição de Jackson em sacrificar-se até o martírio por aquela... coisa fez Melody gostar dele ainda mais. Jackson tinha caráter. Coração. Convicção. Era alguém que, obviamente, dava valor ao romance e ao relacionamento. E beijava muito melhor que o Crateras. Melody não precisava ter namorado uma quantidade candaceana de caras para saber que tais qualidades eram difíceis de achar. E era por isso que ela pretendia fazer tudo o que fosse possível para salvá-lo, mesmo se aí se incluísse algo que era um pouquinho amoral. — Eu entendo — disse Melody, colocando a mão no ombro de Jackson. — Nós vamos pensar em alguma outra solução. Ele, sorrindo, deu um suspiro. — Obrigado. — Peraí! — disse Melody, entusiasmada. — Já sei de outro jeito de conseguir aquele vídeo de volta. Está lá no meu quarto. Quer ver? — Claro. — Jackson se levantou. Enfiou as mãos nos bolsos e seguiu Melody pelos degraus irregulares que levavam ao andar de cima. — Psiu — disse Melody, com o dedo sobre os lábios. — Está todo o mundo dormindo. Entraram no quarto de Melody, e ela fechou a porta. — Agora, onde é que estão as minhas anotações? — Melody começou a fuçar nas caixas.

~ 300 ~


— Anotações? — Jackson, nada à vontade, apoiava-se num pé, depois no outro. — Eu sei que as escondi aqui em algum lugar. Com a Candace por aí, não posso deixar nada à vista. Ela é tão bisbilhoteira! — Ei, você se importa se eu ligar o ventilador na tomada? — perguntou Jackson, enfiando-se rapidamente debaixo da cama de beliche. — Por quê? O calor está incomodando? — Um pouco. — Acho que o ventilador está lá no quarto da Candace. — Não, ele está bem aqui. — Jackson já ia colocar o plugue na tomada. — Pare! — Melody saltou na direção de Jackson e arrancou o fio da mão dele. — Eu não gosto de frio. — Mas aqui não está frio... Está é um forno! — exclamou ele. Nisso, olhou com atenção para Melody e, um instante depois, fez cara de espanto. — Não, pode esquecer! Você não pode fazer isso comigo! É errado! — Jackson esticou o braço para pegar o fio do ventilador, mas Melody puxou aquilo para longe. A testa de Jackson estava começando a gotejar. — Eu só estou tentando ajudar você. — Este não é o jeito certo! — Jackson enxugou a testa. —É o único jeito!

~ 301 ~


Melody, lembrando-se do ThermaFoll, puxou da cama o edredom lavanda e o jogou sobre a cabeça de Jackson. ―Só mais alguns segundos...‖, pensou ela. — Melody, para! Ele socou o edredom, mas Melody o abraçou para manter a coberta no lugar. — Você ainda vai me agradecer. — Você está me sufocando! — Eu estou é salvando você! Ele parou de se debater. — Jackson? Ele já não fazia ruído nenhum. — Jackson? Silêncio. —Jackson? Ah, pelo amor de Deus, não vá me morrer agora! — Melody arrancou o edredom. Ele estava sem óculos. O cabelo estava molhado. As faces, vermelhas. — Você de novo?! — perguntou ele. — Oi, D.J.! — disse Melody, feliz da vida. — Quer ir ver a garota Eletrizante?

~ 302 ~


CAPíTULO 27 O PAcTO Um pedrisco bateu na janelinha de vidro fosco. Depois outro. Plenque. Frankie se virou de costas. Outro pedrisco. Plenque. Pensou numa mulher que tamborilasse impacientemente num balcão de cozinha. Talvez já fosse a multidão furiosa dos sonhos de Frankie, vindo para pôr fim a ela e àquele sofrimento de uma vez por todas. Virou-se de bruços, com a letra da música ―Try sleeping with a broken heart‖, na interpretação de Alicia Keys, tocando o tempo todo em sua cabeça. Frankie queria ficar em pé na cama de metal e berrar: ―É, estou tentando dormir com o coração partido, agora mesmo, igualzinho à canção. E é incrivelmente difícil, porque não consigo parar de pensar no Brett, no D.J., nas minhas amigas e em todas as pessoas que têm medo de mim. Assim, por favor, será que podem fazer menos barulho aí fora?‖. Mas ela não queria acordar os pais. O sol nasceria dali a uma hora, e eles se levantariam logo depois. E, depois, o quê? Virando-se novamente de costas, ficou imaginando por quanto tempo mais conseguiria evitar os pais fingindo que estava dormindo. Um dia? Uma semana? Uma década? Não importando quanto demorasse,

~ 303 ~


Frankie estava disposta a continuar fazendo aquilo. A vergonha era uma emoção insuportável. Só que, para essa emoção sobreviver, era necessária a presença de outra pessoa. Alguém que fizesse tsk-tsk enquanto balançava negativamente a cabeça e, depois, desfiasse o rosário de exemplos de como ela havia decepcionado a todos. Sem uma pessoa assim, a vergonha é rebaixada a culpa. E, embora a culpa também possa ser terrivelmente incômoda, é uma sentença mais fácil de cumprir, porque é imposta pelo próprio condenado. E ele mesmo pode, portanto, anulá-la. — Eletrizante? Frankie levantou devagar, nem saber se devia confiar nos próprios ouvidos. Estes, afinal, eram controlado pelo cérebro, que tinha se revelado muito pouco digno de confiança. — Abre a janela, Eletrizante! ― O D.J. voltou!‖ Frankie pensou em se fazer de difícil e deixá-lo pensar que ela já tinha partido para outra. Nos filmes, as garotas faziam isso o tempo todo. Mas estava em prisão domiciliar. Se Frankie já tivesse partido para outra, seria para onde, exatamente? A cozinha? — Psiu! — sibilou Frankie rapidamente cobrindo a repugnante bata de hospital com o robe de cetim preto da Harajuku Lovers. Ela destravou a janelinha. D.J. logo se espremeu para dentro, como um cão adulto que tivesse de passar por uma dessas portinholas para filhotes. Para Frankie, depois do dia tempestuoso que havia tido, ver D.J. era como ver um arco-íris de neon. O que era esquisito, já que, umas doze horas antes, Frankie só queria saber de Brett. Ou talvez ela só quisesse

~ 304 ~


saber de D.J. mesmo naquele momento anterior e simplesmente ainda não soubesse disso. — O que aconteceu com você? Por que foi que você saiu correndo daquele... — Frankie se interrompeu ao ver que outro corpo começava a passar pela janelinha. Tinha cabelos escuros e lustrosos, roupa preta e um nariz perfeito. E chegou ao chão com um baque. — Psiu! — tornou a fazer Frankie. — Ai, meu Deus, você é de verdade! — disse Melody, abismada. — E a sua pele é mesmo ver... — O que é que ela está fazendo aqui? — Frankie estava oscilando entre a perplexidade e a raiva. — Não faço a mínima ideia. — D.J. fez o sinal de biruta com o dedo, envesgou os olhos e depois cochichou para Frankie: — Acho que ela tem algum tipo de obsessão doentia por mim. — Uau! — Melody zanzou pelo quarto-laboratório. — Que lugar é este? — Apontou para a gaiola de vidro junto à cama de Frankie. — Aquilo ali são ratos?! Eca! — Então, me fala: o que é que ela está fazendo aqui?! — explodiu Frankie. D.J. encostou a boca no ouvido de Frankie. — Ultimamente, ela está em todo lugar que eu vou. Estou pensando em pedir uma medida cautelar. O hálito quente de D.J. Contra o pescoço de Frankie a fez soltar faísca por ambas as mãos.

~ 305 ~


— Nossa, como eu senti falta disso! — D.J. a puxou para um abraço. — Qual é o lance com essa cama? E esses fios de cobre? E aquela chave em que está escrito ALTA VOLTAGEM? — perguntou Melody, boquiaberta. — Afinal, que lugar é este?! — Por que foi que você agiu daquele jeito tão esquisito antes? — pergun-0 Frankie a D.J., e ela, desesperada por respostas, ç empurrou para longe. — Por que foi que você simplesmente saiu correndo? Por que... — Você é o quê? A filha de Frankenstein ou coisa assim? — perguntou Melody, rindo. — Bisneta, se quer saber — respondeu Frankie, seca e brusca. — E, se você continuar me interrompendo, eu vou te dar um choque como dei aquele dia no bandejão. Melody se aproximou rapidamente de Frankie. — Mas você parecia tão... Frankie pôs as mãos na cintura e fez cara feia. — Branca? Melody assentiu Frankie suspirou — Pois é. As pessoas por aqui não são tão adeptas do verde quanto alegam ser. — Pois eu acho que a sua aparência é maravilhosa! — Melody chegou mais perto e estendeu a mão para tentar tocar a de Frankie — Posso? Frankie deu de ombros, como se não se importasse.

~ 306 ~


— Se você quiser. — Você vai me dar outro choque? — brincou Melody. — Talvez. Melody, com olhos cinzentos e sérios, sondou a fisionomia de Frankie como se aquilo pudesse revelar as verdadeiras intenções da garota verde. Mesmo assim, Melody a tocou. Não teve medo de passar o dedo nas suturas do pulso de Frankie. Ou talvez tivesse, mas fez assim mesmo. E isso ganhou o respeito de Frankie. — E você? Quer tocar a minha pele também? — perguntou Melody, como se fosse igualmente um monstro. Frankie fez que sim e a tocou. — Parece a minha, só que mais fria. — É. — Melody revirou os olhos, naquela expressão de enfado. — Eu estou sempre gelada. — Mesmo? Pois eu estou sempre pelando. Acho que é de ser recarregada e coisa e tal. — Perai! — Melody inclinou a cabeça, intrigada. — Você precisa mesmo recarregar?! Como é que funciona isso? — Alôôôôô! — D.J. apontou para o próprio rosto. — Vocês se esqueceram do gatão aqui? Melody riu. Frankie ainda não havia chegado a esse ponto. Do lado de fora, a luz da manhã, avançando lenta- mente, começou a avivar a vidraça leitosa da janelinha. Mesmo assim, era impossível enxergar alguma coisa com clareza. A visão enfraquecida de Frankie —

~ 307 ~


um caleidoscópio de borrões e sombras — era um aviso. O horário de visitas estava quase acabando. — Mas, então, o que aconteceu com você? — perguntou Frankie a D.J., voltando ao assunto. — Por que foi que você agiu como se não me conhecesse e simplesmente deu no pé? — Talvez eu possa explicar. — Melody deu um aceno, sem jeito. Era de novo uma completa estranha. — Olha aí, o típico papo de quem fica assediando e seguindo os outros. — resmungou D.J. — Eles sempre têm explicação para tudo. Frankie, agora que a chaise longue não estava mais lá, ficou procurando um lugar onde sentar. Mas desistiu tão logo Melody começou a falar. Enquanto o sol nascente continuava a contar os minutos que restavam, a normie falou da queda que sentia por Jackson Jekyll; dos problemas de superaquecimento que ele tinha; da mãe dele, que era a sra. J., a professora de ciências; do ancestral que era insano; e de como suor mais ancestral insano era igual a D.J. Hyde. Em seguida, mencionou Bekka, ciúmes, Brett, o beijo, o episódio da cabeça, o vídeo de Jackson, a chantagem, a necessidade de entregar Frankie, o prazo de quarenta e oito horas — que agora já eram bem menos — e o fato de que agora já não sabia o que fazer. — Então deixa ver se eu entendi direito. — disse D.J., todo feliz, antes que Frankie pudesse dizer alguma coisa a Melody. — Quer dizer que eu estou saindo com vocês duas? Melody deu um suspiro. — Teoricamente, sim.

~ 308 ~


— Isso — festejou D.J., levantando a mão para fazer um ―Toca aqui!‖ consigo mesmo. Frankie encostou o dedo no bolso de trás das calças de D.J. Aquilo provocou um chiado de fritura e, depois, um clarão. — Ai! — gritou D.J., segurando o próprio traseiro. — Psiu! — Frankie tapou a boca dele. — Mas esse aí doeu! — murmurou D.J. por entre os dedos de Frankie. — Era para doer mesmo. — Frankie recuou. — Caso o senhor não tenha percebido, nada disso é boa notícia. Nada! — Pois muito bem. — D.J. se afastou, abanando o traseiro. — Então você vai me entregar à Bekka? — A voz de Frankie tremia. — Bem... — Melody deu outro suspiro. — Acho que eu ia, no começo... mas... —Tornou a suspirar. —Já não sei o que fazer. Não quero que você se machuque. — E por que não? — Frankie baixou os olhos. Uma lágrima caiu no robe e rolou pelo cetim preto. — Todo o mundo me magoa. Melody pareceu estar ponderando aquilo — Acho que sei como você se sente. — Peraí... — Frankie ergueu o olhar. — Você também é da turma dos IRADOs? — O que é isso?

~ 309 ~


— É uma maneira de dizer ―monstro‖ sem ofender — explicou Frankie. — É uma sigla que significa Indivíduos Refratários a Atributos e Designativos — É, eu era, mas acho que deixei de ser refratária. — Melody abriu um sorriso, como se estivesse dizendo adeus a uma lembrança que já se apagava. Por alguma razão, apontou para o próprio nariz. — Só que, às vezes, sinto vontade de não ter feito isso. — Por quê? — perguntou Frankie, incapaz de imaginar por que alguém quereria passar pelo que ela própria estava passando. — Porque, quando temos aparência diferente e as pessoas gostam de nós do mesmo jeito, sabemos que é pelos motivos certos. E não porque elas acham que somos concorrência brava e talvez roubemos o namorado delas. — Como é que é? — Frankie enxugou as faces com a manga do robe. — O que eu estou dizendo é que estou do seu lado. — Melody deu um sorriso preocupado, mas encantador. — Não quero ceder à intimidação. Eu quero lutar. Quero que as pessoas parem de ter tanto medo das diferenças umas das outras. De modo que pessoas como o Jackson... e você... — E eu — acrescentou D.J. — . .e o D.J. possam levar vida normal. — E o que é que a gente vai fazer? — Frankie quis puxar as saturas do pescoço, mas esbarrou na gaze.

~ 310 ~


— Primeiro, vamos ter que tirar aquele vídeo da Bekka — respondeu Melody. — Mas como? Não vão me deixar sair deste quarto por, sei lá, o resto da vida... — Dizer aquilo em voz alta tornava tudo real. — Nem faço ideia — confessou Melody. — Mas de uma coisa eu sei: precisamos trabalhar juntas, não podem nos pegar e temos menos de dois dias para fazer isso dar certo. — Ah, chocante... — Frankie suspirou desconsoladamente. Melody lhe estendeu a mão direita. — Você topa? — Topo, sim — disse Frankie, aceitando o aperto de mão. — Não vai ser fácil — reconheceu Melody. — Vai ser, sim — garantiu D.J., ao mesmo tempo que retirava dois Glitterati carinhosamente da gaiola. Segurou um ratinho em cada mão, como se os pesasse, e depois beijou ambos. — O difícil mesmo vai ser resolver quem fica comigo depois que tudo isso acabar. Frankie soltou faísca. Mas, dessa vez, Melody não tirou a mão. Nem Frankie. Continuaram naquele cumprimento, cimentando sua aliança na batalha pela tolerância e pela aceitação... ... e declarando guerra uma à outra na luta pelo amor.

- Fim ~ 311 ~


http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=122800260

Este livro é uma digitalização feita de fã para fã.

Não possui fins lucrativos.

Prestigie o autor comprando o livro ;)

Lisi harrison monster high 01 monster high  
Lisi harrison monster high 01 monster high  
Advertisement