Page 1

Cartilha sobre

AGROECOLOGIA

Realização


© 2009 Todos os direitos reservados pela Organização Ambientalista de Sustentabilidade e Integração do Sertão - OASIS do Brígida PROJETO INVESTINDO NO ASSOCIATIVISMO E NA AGROECOLOGIA Organização Ambientalista de Sustentabilidade e Integração do Sertão - OASIS do Brígida Granito - PE. Coordenação da entidade Antonia Lucia Ferreira da Trindade Responsável pelo Projeto José Alencar Sampaio Sobrinho Textos: Mácio Moura Capa: Acervo da ONG AS-PTA Design gráfico: Ita Porto Fotos: Acervo da ONG Caatinga


ÍNDICE 1.0 Apresentação

04

2.0 Produção Agroecológica

05

3.0 Fermentado Biológico ou Biogeo 3.1 O que é o fermentado? 3.2 Como é feito? 3.3 Tratamento das sementes 3.4 Como se pulveriza o fermentado? 3.5 Quantas vezes se utiliza? 3.6 Como se faz o manejo?

09

4.0 Uso do NIM 4.1 O que é o NIM? 4.2 Como se plantar o NIM 4.3 O NIM e suas utilidades 4.4 NIM - combatendo pragas 4.5 Fazendo o inseticida com as folhas 4.6 Fazendo o inseticida com as sementes 4.7 Fazendo o inseticida extraindo o oleo

13

07


1. Apresentação O OASIS do Brígida é uma entidade ambientalista que surgiu em meados de 2004, a partir da articulação e integração regional dos Conselhos Municipais de Desenvolvimento Sustentável, tendo em vista o desenvolvimento de ações sócioambientais de revitalização prioritariamente da Bacia Hidrográfica do Rio Brígida e fortalecimento da agricultura familiar no semiarido Brasileiro. Ao longo do tempo vem construindo de forma democrática, articulada e participativa uma proposta de educação e intervenção agroecológica, com ampla participação das organizações locais em parceria com o poder público e instituições com atuação no semiarido. Preocupada com a qualidade de vida e o fortalecimento das organizações dos produtores rurais da região, o OASIS do Brígida realizou vários eventos em pról da conservação do Rio Brígida. Essa publicação vem marcar mais uma de suas atuações, através do Projeto Investindo no Associativismo e na Agroecologia, com ações para o fortalecimento das organizações da agricultura familiar, construindo alternativas de desenvolvimento sustentável entre as comunidades da Bacia Hidrográfica do Rio Brígida. Essa Cartilha teve como documentos base os conteúdos das publicações diversas da ONG CAATINGA. Desejamos que essa publicação possa ser usada de todas as formas benéficas possíveis para salvar nosso Rio Brígida. Boa Leitura. José Alencar Responsável pelo Projeto

04


2. Produção Agroecológica A agricultura com a chegada de novas tecnologias vem mudando bastante, as famílias agricultoras da nossa região mudaram a forma como se plantava antigamente, e se formos analisar a diferença, se percebe principalmente porque que havia um equilíbrio entre o homem e a natureza, sendo muito diferente dos cultivos atuais.

Vamos relembrar como as famílias viviam e cultivavam: Plantio consorciado 1 - As famílias plantavam de forma consorciada, ou seja, plantavam o roçado todo junto: milho, feijão, gergelim, algodão, mamona, abóbora, jerimum, dessa forma, uma planta ajudava a outra e o solo era mais adubado. Insumos da propriedade ou da região 2 - Também se usavam outras práticas como o uso do esterco, sementes selecionadas nas propriedades, e o esterco dos animais. Nesse sistema, as plantas eram mais sadias e menos atacadas por insetos, pois eles se alimentavam na caatinga e quando atacavam não causavam danos à produção. Alimentos sadios e muitos produtos diferentes na propriedade 3 - Nessa época, as famílias agricultoras se alimentavam com mais qualidade, pois tinham alimentos diferentes à mesa e limpos de venenos, além da comercialização dos produtos que era mais diversificada. Havia mais equilíbrio entre o homem e a natureza

05


4 - Temos que entender porque os insetos se tornam pragas e atacam os cultivos. Primeiro, o ambiente onde eles se alimentavam que era na caatinga está sendo totalmente devastado, então o alimento deles chega ao fim e o novo alimento se torna os plantios das famílias (os roçados, hortaliças e as fruteiras), causando problemas na produção, e consequentemente na renda das famílias. Outra coisa que temos que compreender é que não podemos acabar com a mosca branca, o pulgão, a lagarta, pois são importantes para o equilíbrio do ambiente, pois um inseto combate o outro, e todos tem uma função na natureza.

As famílias não queimavam 5 -Práticas como as queimadas para o cultivo dos roçados, e os desmatamentos para os plantios de capim, e a venda da madeira principalmente para as industrias do gesso, aumentam cada vez mais o ataque dos insetos nas propriedades.

As famílias não usavam agroquímicos (inseticidas, herbicidas e adubos químicos) 6 - Com o ataque dos insetos nas lavouras, as famílias agricultoras começaram a utilizar os agrotóxicos para combater as pragas. Contaminando os homens, as mulheres, as crianças, o solo, as fontes de água, e os

06


alimentos. Estudos mostram que houve um aumento do câncer principalmente nas famílias do campo, assim como o aumento de suicídios na zona rural, em conseqüência do uso de agrotóxicos. O CAATINGA sistematizou essa cartilha sobre o FERMENTADO BIOLÓGICO ou BIOGEO, através das experiências das famílias agricultoras nas quais vem desenvolvendo um trabalho com base na agroecologia, que é uma forma de se trabalhar respeitando a natureza, as relações entre os homens e as mulheres, e valorizando a participação dos jovens.

07


3.Fermentado Biológico ou BIOGEO 3.1 O que é o fermentado? O FERMENTADO é um adubo para utilizar no solo e nas plantas. Esse adubo tem 46 tipos de vitaminas (nutrientes). Quando se usa o fermentado a planta cresce mais rápido, mais forte e mais resistente. Os insetos não gostam de atacar plantas fortes e quando atacam, não causam tanta destruição. O FERMENTADO é um adubo líquido, que é produzido por um grande número de seres muito pequenos, chamados de BACTÉRIAS. É um adubo que protege e fortalece as plantas, sem prejudicar a saúde dos agricultores, dos consumidores e sem causar danos ao meio ambiente. O FERMENTADO entra na planta e muda a qualidade da seiva, que é o líquido que corre por dentro da planta (como se fosse o sangue dela). Com essa mudança da seiva, os insetos não querem mais comer a planta e vão embora ou morrem de fome.

08


3.2 Como é feito? -Constrói-se um tanque ou pode se usar uma caixa de fibra com capacidade para 250 litros de água. Deixar embaixo de uma árvore para que não evapore, mas que o FERMENTADO leve um pouco de sol. -Colocar 100 litros de esterco fresco, que é retirado do fato dos bovinos que pode ser encontrado nos matadouros, mas também pode se usar de caprinos ou ovinos. -Depois completar com 100 litros de água. -Colocar ½ (meio quilo) de MB-4 que é um pó de rocha que possui vários minerais como: magnésio, ferro, fósforo, potássio, cálcio e manganês, entre outros. Nos cursos e nos treinamentos, o CAATINGA fornece o MB-4. -O FERMENTADO só deve ser utilizado após 25 dias que o material foi colocado no tanque, pois é o tempo suficiente para que o esterco esteja curtido e não queime as plantas.

3.3 Tratamento sementes

das

- As sementes podem ser tratadas com o FERMENTADO, antes do plantio, deixar as sementes por dez minutos em um vasilhame com fermentado puro. Depois deixar secar na sombra e está pronta para o plantio.

09


3.4 Como se fermentado?

pulveriza

o

- Em hortaliças como tomate, alface, pimentão, coentro, repolho, e outras, se usa um copo de 100ml de fermentado(copo americano) para uma bomba de 15 litros de água. - Também se utiliza no milho, feijão, melancia, abóbora utiliza-se um copo 100ml de fermentado (copo americano) para 15 litros de água. -Em fruteiras: manga, goiaba, acerola, e outras se utiliza 1 litro de fermentado para 15 litros de água.

3.5 Quantas vezes se utiliza? Após tratar as sementes com o fermentado e fazer o plantio, quando a plantar germinar poder começar a aplicar o FERMENTADO. No primeiro e no segundo mês aplicar o FERMENTADO uma vez por semana. No terceiro mês aplicar de 15 em 15 dias, e assim nos próximos meses Para transportar o FERMENTADO, nunca se enche o vasilhame até a boca. É preciso deixar um pouco de ar dentro do vasilhame, porque as bactérias são vivas e precisam respirar. De preferência usar o fermentado no mesmo dia em que ele for tirado do tanque. Se precisar guardar para o outro dia, deixar o vasilhame aberto. No caso de plantas que apresentarem alguma doença aplicar o fermentado uma vez por semana. Não utilizar o FERMENTADO nos períodos em que a planta não vai estar molhada com água das chuvas ou de outras fontes, ou seja, a planta para se usar o FERMENTADO tem que ter água para ficar molhando durante o seu crescimento.

10


3.6 Como se faz o manejo? O principal indicativo que o FERMENTADO está bom para ser utilizado é observando a espuma. Quando se passa o rodo e está espumando, é sinal que a fermentação está no ponto para se utilizada. Para saber se o fermentado está precisando de alimento, pela manhã antes de mexer, coloca-se o rôdo dentro do FERMENTADO para saber se no fundo do tanque está forrado, ou seja, se o rôdo não está batendo no piso do tanque, é sinal de que o FERMENTADO está alimentado. Caso contrário, se o rôdo estiver batendo no piso do tanque está na hora de colocar as plantas e o esterco para alimentar o fermentado. -Pode-se tirar até 50% (metade) do fermentado no tanque por dia, e depois completar com água e esterco do curral. As quantidades que vão sendo retiradas do tanque, vão sendo recolocadas com água. Ex: Quando retirar 6 litros de FERMENTADO, coloca-se 6 litros de água. -A fermentação no tanque fica ainda melhor quando se coloca plantas diferentes para a alimentação das bactérias. Tem que se colocar plantas que ainda estão com as folhas verdes. Pode se utilizar a palma, vagens de feijão, vagens de algaroba marmeleiro, folhas de nim, mandacaru, e palhada de milho. Também pode se colocar cana pequena batida com um pau, antes de ser colocada no tanque. Não se pode colocar capins. -Restos de frutas podem ser colocados, mesmo quando elas estiverem atacadas por insetos. Não se pode colocar plantas que tem veneno (toxina): angico, mamona,

11


canafístula. Não pode se colocar nenhum tipo de carne. - Para se manter uma boa fermentação é só colocar esterco fresco do curral. -O principal “segredo” da boa qualidade do FERMENTADO está na alimentação. Não pode faltar alimento . Também não pode ter alimento demais, para não apodrecer. - Quanto mais plantas diferentes são usadas junto com o esterco do curral na alimentação, melhor fica o FERMENTADO. Na época do verão em que as plantas estão se resguardando para o inverno, pode alimentar o fermentado apenas com o esterco do curral. - Quando o tanque for secando vai sem completando com água. No período de chuvas tem que cobrir o tanque para o FERMENTADO não ficar fraco. - Não existe uma receita de que tipo de comida e que quantidade colocar. Cada um tem que aprender com o seu tanque. Não existem moscas caseiras, dessas comuns. Esse tipo de mosca só aparece quando tem alguma coisa podre, ou no início do processo; -O fermentado não se vence, é só fazer o manejo que as bactérias se multiplicam no verão e no inverno. - O FERMENTADO deve ser olhado e mexido pelo menos 1 vezes por semana. Por isso é importante se ter um rôdo para revirar o material que está no tanque.

12


4. Uso do NIM 4.1 O que é o Nim? O NIM é uma planta de origem Asiática, isto quer dizer, veio de fora do Brasil, já era cultivada muito antes de Cristo, principalmente na Índia e na África. Essa árvore se adapta muito bem nos países quentes como o nosso. É uma árvore ligeira, de crescimento rápido, no Nordeste chega a alcançar 15 a 20 metros mesmo com poucas chuvas. É uma planta que se desenvolve muito bem no clima do semi-árido. Apesar do NIM ser utilizado como inseticida natural, inicialmente devemos tratar da saúde das plantas, utilizar o esterco, o composto orgânico e biofertilizantes, como o fermentado, para se ter plantas fortes e resistentes.

4.2 Como se plantar o NIM As sementes de NIM germinam até 2 meses após caírem da árvore. As covas para o plantio das mudas de NIM devem ter preferencialmente o esterco curtido. Devem ser plantadas de 5 em 5 metros e podem ser aguadas com a água do laboro da casa (mais ou menos 2 vezes por semana). A formiga saúva (formiga cortadeira) ataca as plantas quando novas e costuma a atacar as folhas novas e até mesmo o talo. Normalmente a floração e os frutos surgem após 3 ou 4 anos de idade. Cada planta produz 50 kg de frutos. É bom lembrar que a formiga saúva come as folhas do NIM, sendo assim, o cultivo da planta merece atenção para não ser atacado pelas formigas. O NIM geralmente vive até 200 anos.

13


4.3 O NIM e suas utilidades A prática da agricultura e da industria tem como principais usos: ? Produção de madeira (para cercas, móveis, carrocerias para carros) ? Inseticida vegetal que combate mais de 100 tipos de insetos. (mosca branca, mosca do gado, pulgão, cochonilha, pulgão, lagartas) ? Caparraticida (combate carrapatos e piolhos) ? Combate vermes nos animais (caprinos e ovinos) ? Cosméticos – cremes, pasta dental, sabonetes e remédios ( para frieira e piolho)

14


4.4 Nim – Combatendo pragas O NIM é uma árvore de várias utilidades e sua aplicação continuada garante o controle das pragas. Mas devemos observar que as pragas existirão, porém em menor quantidade nas áreas que tem mais plantas diferentes dentro da propriedade. Essas variedades de plantas também contribuem, e muito, para que os insetos não se reproduzam, aumentando o seu ataque nos roçados, nas hortaliças e nas fruteiras. Então é importante para o sertão diversificar os plantios e preservar a caatinga (mata). Porque a moradia dos insetos é na caatinga, onde eles encontram seu alimento em grandes quantidades. Quando desmatamos, destruímos a moradas dos insetos e eles vão se alimentar e reproduzir nos nossos plantios. Nas sementes e nas folhas do NIM existem um produto chamado “azadiráquina”, que é o responsável pelo poder de combater mais de 100 tipos de insetos. Do NIM pode-se fazer um “veneno” para combater os insetos que atacam as hortas, as frutas, os roçados e os animais. O inseticida feito com a planta altera o organismo dos insetos fazendo com que ele não tenha mais vontade de se alimentar, reduzindo a sua vontade de reproduzir e alterando o crescimento do seu corpo (por exemplo: não sai do casulo, ou nasce sem pernas). alterando o crescimento do seu corpo (por exemplo: não sai do casulo, ou nasce sem pernas).

15

Usar o NIM para combater as pragas do roçado significa que você estará cuidando da sua produção com mais saúde para sua família e os consumidores, MAS isso é uma amostra de que sua área está desequilibrada com a natureza.


4.5 Fazendo o inseticida com as folhas Pega-se 1 kg de folhas (com os talos) e coloca-se para bater no liquidificador ou em um moedor. Deixar descansando por dois dias em 50 litros de água. É bom deixar descansar no escuro, pois observamos que o veneno fica mais forte. Antes de aplicar deve-se filtrar em um pano ou em uma peneira para poder fazer a pulverização. Não é necessário colocar mais ou aumentar a quantidade de folhas. Pois poderá prejudicar a planta que vai ser pulverizada (queimando suas folhas, por exemplo). Pode-se também adicionar 200ml de detergente neutro ou sabão em pó nos 50 litros de preparado. Isso servira para que o veneno fique pregado na planta pulverizada por mais tempo, aumento seu tempo de efeito. O ideal é que o inseticida seja aplicado em até 3 dias depois de preparado, para guarda-lo prefira colocar em um local escuro.

4.6 Fazendo o inseticida com as sementes As sementes de NIM possuem uma boa concentração de “azadiráquina”. Antes temos que pegar as sementes e despolpa-las secando na sombra. Pega-se 4 kg de sementes sem a casca ou 8kg com casca e bate no pilão. Depois coloca-se em um tambor com capacidade de 200 litros de água. Deixa-se descansando por uma noite.

16


Antes de aplicar, filtrar e colocar 200ml de detergente neutro ou sabão em pó. Pode ser armazenado em garrafas e em local escuro, até 3 dias de preparado tem um poder maior de combate as pragas. Aplicar toda semana. Serve para combater: mosca branca, pulgões, traças, lagartas da maça do algodoeiro, lagarta do cartucho no milho, brocas, vaquinhas, caramujos, moscas das frutas, lagartas, nematóides, e mosca do gado.

4.7 Fazendo o inseticida extraindo o óleo Colocar os frutos em um balde e deixa-los de molho por uma noite. Depois esfrega os frutos com as mãos até sair toda a polpa do caroço. Em seguida deixar os grãos secar no sol, de forma que as sementes fiquem secas. Quebrar as sementes com um martelo ou uma madeira forte para tirar a casca e retirar o miolo da semente. Separar o miolo das cascas e bate-los no liquidificador com pouco de água até formar uma pasta grossa. Para extrair o óleo deve-se prensar a pasta até o óleo pingar na vasilha. Usa-se 100ml de óleo para 20 litros de água. Aplicar semanalmente Serve para combater: Mosca branca, pulgões, traças, lagartas da maça do algodoeiro, lagarta do cartucho no milho, brocas, vaquinhas, caramujos, moscas das frutas, lagartas, nematóides. Também combate carrapatos e vermes

Cuidado com os olhos na produção do inseticida e também no momento de aplicar nas hortas, roçados, fruteiras e nos animais.

17


Organização Ambientalista de Sustentabilidade e Integração do Sertão - OASIS do Brígida CNPJ 07.273.189/0001-35 Rua Daniel Pereira de Souza, s/n - Bairro Centro CEP 56.160-000 Granito - PE. Fone: (87) 3880-1154 Email: oasis.do.brigida@hotmail.com Brasil - BR

Parceiro


Esta publicação é financiada pelo:

Cartilha Sobre Agroecologia  

Cartilha sobre Agroecologia, produção da ONG OASIS do Brígida.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you