Page 1

1

Relatรณrio de Atividades 2017

www.ispup.up.pt


2

INVESTIGAR EM SAÚDE PÚBLICA SALVA VIDAS


3

2017

Relatório de Atividades Conteúdos 1. Apresentação

5

2. Unidade de Saúde Ocupacional

8

3. Unidade de Investigação em Epidemiologia - EPIUnit

10

4. Publicações e Projetos

14

5. Estruturas de Investigação

21

6. Ensino

30

7. Prémios

34

8. Atividades ISPUP

36

9. Participação em Congressos e Reuniões Científicas

42

10. Comunicação

44

Relatório ISPUP 2017 www.ispup.up.pt comunicacao@ispup.up.pt


4

Construindo uma escola de saúde pública A saúde pública cruza ciências

do conhecimento científico, por definição global, à

e

diversidade reduzida e muitas vezes irrepetível dos

saberes,

profissões

e

práticas, culturas e memórias

contextos locais.

num esforço organizado para preservar a saúde individual

Onde se produz o conhecimento e onde se aprende

e das populações, prever e

a saúde pública? Há mais de 100 anos, quando o

prevenir as doenças, prolongar

olhar sobre a saúde era individual e se reduzia

a vida com qualidade. Mas, na

à medicina, fez-se entrar o treino médico nas

sua perspetiva académica, favorece a dimensão

Universidades. Pouco depois, foi claro que a saúde

essencial da causalidade, investiga a causa das

estava muito antes e para lá do indivíduo doente,

causas e não simplesmente a identificação de

que era preciso organizar um corpo académico e

mecanismos de lesão ou dolência. Sobretudo,

uma profissão que entendessem a dinâmica dos

aceita um desafio empolgante: traduzir em atitudes

processos de saúde e doença nas populações. Tinha

e políticas o conhecimento científico que é capaz de

também que encontrar um espaço universitário e

gerar e fazê-lo sem esquecer a consciência ética e o

uma casa própria: as Escolas de Saúde Pública.

Henrique Barros Presidente do ISPUP

respeito pelos direitos humanos. O ISPUP constrói-se como essa Escola: doze anos A investigação em saúde pública navega os

de caminho garantiram que é um corpo com

métodos e os objetos das ciências biológicas,

identidade própria, reconhecível nas suas escolhas,

comportamentais, sociais e políticas. Obriga, por

nas suas forças e nas suas expetativas. Tanto do

isso, a uma atenta capacidade de entender discursos

lado de dentro, o dos investigadores que o vivem

que na superfície do seu registo próprio parecem

diariamente, como do outro lado de dentro, ou

difíceis de conciliar. E a sua tradução em respostas

pelo menos cada vez menos exterior, que é o das

comunitárias - cujos resultados se fazem sentir

populações que crescentemente se revêm nele

em curtos períodos de tempo e por isso são mais

e participam no seu destino. O que tem de vir e

facilmente escrutináveis - depende de recursos

está para vir: um estatuto claro no edifício da

humanos altamente treinados, capazes de liderar

Universidade que lhe dá o ser.

equipas diversificadas, de quem se espera uma enorme plasticidade para adaptar a universalidade


5

01 —

APRESENTAÇÃO O Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) tem como missão contribuir para o desenvolvimento, difusão e aplicação do conhecimento no domínio da saúde pública e estimular a investigação e a formação de excelência, para proteger e melhorar a saúde da população humana.

ORGANOGRAMA Conselho Fiscal

Assembleia Geral

Epidemiologia Nutrição em Saúde Pública

Direção

Bioestatística

Comissão Científica Interna

Departamentos

Saúde Ambiental Saúde Pública Veterinária Saúde e Sociedade Políticas e Administração em Saúde Saúde Pública Oral

Unidade de Saúde Ocupacional

Unidade de Investigação EPIUnit

Recursos e Serviços

Formação Avançada

O ISPUP EM NÚMEROS

102 Investigadores

31 Bolseiros de Investigação

14

Investigadores Doutorados Contratados (PhD)

2 Assistentes de Investigação Contratados


6

MEMBROS DA DIREÇÃO Henrique Barros - Professor Catedrático

Nuno Lunet - Professor Auxiliar da

da Faculdade de Medicina da Universidade

Faculdade de Medicina da Universidade do

do Porto (Presidente)

Porto (Vogal)

Pedro Oliveira - Professor Associado do

Susana Silva - Investigadora Principal do

Instituto de Ciências Biomédicas Abel

Instituto de Saúde Pública da Universidade

Salazar da Universidade do Porto (Vogal)

do Porto (Vogal)

Patrícia Padrão - Professora Auxiliar da Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto (Vogal)

Obra de Fernando Sebastião


7

Comissão Científica Interna A Comissão Científica Interna (CC) do ISPUP foi criada em 2013 para: •

Promover padrões de qualidade na produção científica do ISPUP, através da discussão do conteúdo e da apresentação dos trabalhos científicos.

Contribuir para a melhoria contínua da qualidade dos textos científicos.

Fornecer aos investigadores do ISPUP competências na área da revisão por pares.

Contribuir para um maior intercâmbio e acompanhamento do trabalho em curso nos diversos grupos de investigação.

Promover uma forma institucional de viver a ciência.

Prevenir a fraude científica.

A Comissão Científica é organizada de modo aleatório em oito grupos, cuja composição é anualmente renovada, por estratos de senioridade, de forma a garantir uma representatividade equitativa de membros em diferentes fases da sua carreira científica e profissional.

Em 2017, foram submetidos 81 artigos para revisão


8

02 —

UNIDADE DE SAÚDE OCUPACIONAL

A Unidade de Saúde Ocupacio-

mento clínico da doença ocu-

Agentes Químicos: partículas

nal tem como missão desen-

pacional e ambiental, a identi-

inaláveis e respiráveis, gases

volver as condições técnicas

ficação de eventos de vigilância

anestésicos e outros compos-

que assegurem um ambiente

médica e monitorização de po-

tos orgânicos voláteis, metais,

de trabalho seguro e saudável,

pulações com exposições ocu-

ozono;

promover a saúde dos profis-

pacionais, para prevenir e con-

sionais, garantir a vigilância

trolar os riscos profissionais e

Qualidade

adequada dos trabalhadores

respetivas lesões e doenças.

Compostos orgânicos voláteis

em função dos riscos a que se Das avaliações que efetua des-

aptidão física e psíquica para o

tacam-se as seguintes:

exercício da profissão, e reduzir o absentismo e incapacidade

Agentes Físicos: ruído ocupa-

resultante de acidente de tra-

cional, vibrações (transmitidas

balho ou doença profissional.

ao sistema mão-braço e ao corpo inteiro), iluminância, lu-

Para isso, dispõe de instalações

minância, radiação ótica não

para a realização das consultas

coerente, stress e conforto

de Medicina e Enfermagem do

térmico;

boratório equipado com tecnologia para a avaliação de riscos ambientais e ocupacionais. Tem por atividade fornecer orientação para o reconheci-

Ar

Interior:

totais, PM10, PM2,5, CO2, CO,

encontram expostos, verificar a

Trabalho, bem como de um la-

do

formaldeído, rádon.


9

Foram feitas 41 visitas a 13 edifícios e avaliados 166 locais de trabalho da Universidade do Porto. Fez-se o acompanhamento da implementação das Medidas de Autoproteção no âmbito de Segurança Contra Incêndios de 6 edifícios da Universidade do Porto.

1336

13

Consultas

Edifícios

41

166

Visitas

Locais de trabalho


10

03 — EPIUnit - UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO EM EPIDEMIOLOGIA (Refª UID/DTP/04750/2013) A Unidade de Investigação em Epidemiologia (EPIUnit) foi criada no ISPUP, culminando num largo conjunto de experiências e de investigação internacional competitiva nesta área fundamental da saúde. Tem a epidemiologia como ciência central, mas estendida a um diálogo criativo com outras ciências. Abrange aspetos populacionais, clínicos e translacionais da epidemiologia num ambiente de investigação com uma forte componente métrica e qualitativa. Em 2015, a Unidade foi classificada com “Muito Bom” pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT). Epidemiologia Perinatal e Pediátrica

Grupos de Investigação

Epidemiologia das Doenças Não Transmissíveis

Epidemiologia da Nutrição e da Obesidade

Bioestatística e Medições em Saúde

Epidemiologia Ambiental e Laboratorial

Epidemiologia Social

Estrutura EPIUnit

Epidemiologia das Doenças Infeciosas


11

Composição da EPIUnit

70

15

Investigadores doutorados integrados

71

Investigadores doutorados colaboradores

Investigadores não doutorados

Epidemiologia Perinatal e Pediátrica Coordenado por Ana Cristina Santos, o grupo

reprodutiva; o nascimento prematuro e a

dedica-se à investigação do período de vida

saúde

que engloba a reprodução, o desenvolvimento

desenvolvimento

intrauterino e as duas primeiras décadas de

mental da criança; os primeiros eventos que

vida, particularmente os primeiros 1001 dias.

definem a saúde oral; e os aspetos sociais

Foca-se especificamente em cinco principais

do crescimento e da integração educacional,

linhas de investigação: a saúde sexual e

numa perspetiva de curso de vida.

dos

recém-nascidos físico,

pré-termo;

o

socioemocional

e

Epidemiologia das Doenças Não Transmissíveis Coordenado

por

grupo

é produzir investigação que ajude a prevenir e

tem-se dedicado à investigação das doenças

a controlar estas patologias e criar ferramentas

cardiovasculares e do cancro e de um dos

com aplicabilidade direta para o planeamento

principais responsáveis por anos de vida

em saúde e o uso eficiente dos recursos

perdidos

disponíveis.

por

Raquel

Lucas,

incapacidade:

as

o

doenças

músculo-esqueléticas. O objetivo fundamental


12

Epidemiologia da Nutrição e da Obesidade Coordenado por Carla Lopes, o grupo estuda

seus determinantes e as suas consequências.

os

O

fatores

alimentares

e

outros

fatores

objetivo

último

passa

por

fornecer

comportamentais e a sua relação com a saúde

conhecimento e evidência para apoiar políticas

das populações. Ao mesmo tempo, procura

de alimentação e nutrição e os programas

entender melhor a dinâmica da obesidade e de

nacionais de prevenção da obesidade, com o

outros distúrbios metabólicos, estudando os

objetivo de melhorar a saúde populacional.

Bioestatística e Medições em Saúde Coordenado por Pedro Oliveira, o grupo desen-

duas principais áreas de investigação: a mode-

volve, implementa e dissemina métodos estatís-

lação estatística e a medição do estado cor-

ticos e matemáticos de análise na investigação

rente da saúde da população.

em saúde pública. Foca-se especificamente em

Epidemiologia Ambiental e Laboratorial Coordenado por João Paulo Teixeira, as áreas

definição da relação entre o expossoma e alte-

de investigação do grupo incluem a moni-

rações genéticas e epigenéticas; e, finalmente,

torização ambiental e biológica. A equipa

a aplicação desse conhecimento às políticas e

tem como principais objetivos a melhoria da

práticas de saúde pública no cenário nacional

infraestrutura analítica para progredir na ava-

e internacional.

liação do expossoma e na quantificação de biomarcadores relevantes para a saúde humana; a


13

Epidemiologia Social Coordenado por Susana Silva, o grupo desen-

de saúde; e a promoção da saúde e prevenção

volve investigação em torno de quatro tópicos:

da doença. O grupo tem como objetivo fomentar

a compreensão das experiências de saúde e da

a cooperação e a coerência entre duas áreas

doença; a gestão de informação sobre cuidados

principais: as tecnologias inovadoras e as desi-

de saúde centrados no cidadão; o fornecimento

gualdades sociais.

de evidência no âmbito da regulação e políticas

Epidemiologia das Doenças Infeciosas Coordenador por Raquel Duarte, o grupo con-

saúde”. O grupo investiga fundalmentamente na

centra o seu trabalho de investigação na com-

área da tuberculose, da infecção pelo Vírus da

preensão do impacto das doenças infeciosas

Imunodeficiência Humana, em Hepatites B, C e E

e na sua prevenção, controlo e eliminação,

e salmonelosis, em humanos e animais.

tanto em seres humanos como em animais, procurando prosseguir a aproximação de “uma

Caracterização dos Investigadores da EPIUnit, quanto ao Grau Académico

Licenciatura 10%

Agregação 6%

Mestrado 37%

Doutoramento 47%


14

04 —

PUBLICAÇÕES E PROJETOS


15

Publicações O ISPUP publicou 293 artigos científicos, em revistas indexadas nacionais e internacionais com revisão por pares, figurando deste modo entre as instituições portuguesas mais produtivas e competitivas na investigação em saúde

11 publicações com

25 artigos em

Fator de Impacto

Revistas Nacionais

9%

superior a 10

268 artigos em

91%

Revistas Internacionais

293

Publicações em revistas científicas nacionais e internacionais (2013-2017)

224 191 172 150

Evolução Publicações 2013

2014

2015

2016

2017


16

10 Publicações com maior relevo Autores

T ítulo

Revista

Stringhini S, Carmeli C, Jokela M, Avendaño M, Muennig P, Guida F, Ricceri F, d'Errico A, Barros H, Bochud M, Chadeau-Hyam M, Clavel-Chapelon F, Costa G, Delpierre C, Fraga S, Goldberg M, Giles GG, Krogh V, Kelly-Irving M, Layte R, Lasserre AM, Marmot MG, Preisig M, Shipley MJ, Vollenweider P, Zins M, Kawachi I, Steptoe A, Mackenbach JP, Vineis P, Kivimäki M; L,

Socioeconomic status and the 25 × 25 risk factors as determinants of premature mortality: a multicohort study and meta-analysis of 1·7 million men and women.

Lancet

Francisco J, Oliveira, O, Felgueiras Ó, Gaio AR, Duarte R,

How much is too much alcohol in tuberculosis?

Eur Respir J

Dégano IR, Subirana I, Fusco D, Tavazzi L, Kirchberger I, Farmakis D, Ferrières J, Azevedo A, Torre M, Garel P, Brosa M, Davoli M, Meisinger C, Bongard V, Araújo C, Lekakis J, Francès A, Castell C, Elosua R, Marrugat J; EUROTRACS investigators.

Percutaneous coronary intervention reduces mortality in myocardial infarction patients with comorbidities: Implications for elderly patients with diabetes or kidney disease.

Int J Cardiol

Lewis KM, Ruiz M, Goldblatt P, Morrison J, Porta D, Forastiere F, Hryhorczuk D, Zvinchuk O, Saurel-Cubizolles MJ, Lioret S, Annesi-Maesano I, Vrijheid M, Torrent M, Iniguez C, Larranaga I, Har, Barros H, Correia S, Jarvelin MR, Taanila A, Ludvigsson J, Faresjo T, Marmot M, Pikhart H

Mother’s education and offspring asthma risk in 10 European cohort studies.

Eur J Epidemiol

Norman M, Piedvache A, Børch K, Huusom LD, Bonamy AE, Howell EA, Jarreau PH, Maier RF, Pryds O, Toome L, Varendi H, Weber T, Wilson E, Van Heijst A, Cuttini M, Mazela J, Barros H, Van Reempts P, Draper ES, Zeitlin J; Effective Perinatal Intensive Care in Europe (EPICE) Research Group.,

Association of Short Antenatal Corticosteroid Administration-toBirth Intervals With Survival and Morbidity Among Very Preterm Infants: Results From the EPICE Cohort.

JAMA Pediatr

Stone V, Miller MR, Clift MJD, Elder A, Mills NL, Møller P, Schins RPF, Vogel U, Kreyling WG, Alstrup Jensen K, Kuhlbusch TAJ, Schwarze PE, Hoet P, Pietroiusti A, De Vizcaya-Ruiz A, Bae, Teixeira JP, Tran CL, Cassee FR

Nanomaterials Versus Ambient Ultrafine Particles: An Opportunity to Exchange Toxicology Knowledge.

Environ Health Perspect

Cruz R, Cunha SC, Marques A, Casal S,

Polybrominated diphenyl ethers and metabolites – An analytical review on seafood occurrence

TrAC - Trends in Analytical Chemistry

Stratakis N, Roumeliotaki T, Oken E, Ballester F, Barros H, Basterrechea M, Cordier S, de Groot R, den Dekker HT, Duijts L, Eggesbø M, Pia Fantini M, Forastiere F, Gehring U, Gielen M, Gori D, Govarts E, Inskip HM, Iszatt N, Jansen M, Kelleher C, Oliveira A, Olsen SF, Pelé F, Pizzi C, Porta D, Richiardi L, RifasShiman SL, Robinson SM, Schoeters G, Strøm M, Sunyer J, Thijs C, Vrijheid M, Vrijkotte TG, Wijga AH, Kogevinas M, Zeegers M,

Fish and seafood consumption during pregnancy and the risk of asthma and allergic rhinitis in childhood: a pooled analysis of 18 European and US birth cohorts.

Int J Epidemiol

Rosário EV, Costa D, Francisco D, Brito M,

HDSS Profile: The Dande Health and Demographic Surveillance System (Dande HDSS, Angola).

Int J Epidemiol

Rota M, Pelucchi C, Bertuccio P, Matsuo K, Zhang ZF, Ito H, Hu J, Johnson KC, Palli D, Ferraroni M, Yu GP, Muscat J, Lunet N, Peleteiro B, Ye W, Song H, Zaridze D, Maximovitch D, Guevara M, Fernández-Villa T, Vioque J, Navarrete-Muñoz EM, Wolk A, Orsini N, Bellavia A, Håkansson N, Mu L, Persiani R, Kurtz RC, L

Alcohol consumption and gastric cancer risk - A pooled analysis within the StoP Project Consortium.

Int J Cancer


17

Projetos Em 2017, estavam em curso 17 projetos nacionais e 12 projetos internacionais, sob financiamento competitivo.

Orçamento global superior a 5 Milhões de Euros 12 Projetos Internacionais

Projetos de Investigação com execução em 2017, por instituição de financiamento.

41% 2

Outros WHO

1

FCG

1

N2020 Comissão Europeia 7º Programa-Quadro (2007-2013) H2020 FEDER

59%

17 Projetos 2

Nacionais

1 10 12


18

Projetos Internacionais em curso Projetos de Investigação Internacionais com execução em 2017

Instituição

Investigador ISPUP

Início

Término

Henrique Barros

2015

2019

2016

2018

Henrique Barros

2017

2021

H2020

Henrique Barros

2014

2020

H2020

Elisabete Ramos

2013

2018

Referência

T ítulo do Projeto

633666

LIFEPATH - Understanding health, ageing and disease: determinants, risk factors and pathways

2017/698514

Urban Food Environment in Central Asia and Caucasus countries: methods, sampling and analysis in the context of a cross-sectional study in 5 WHO European Region member states

WHO

733280

RECAP - Research on European Children and Adults born Preterm

H2020

SHIPS - Screening to improve Health In very Preterm infantS in Europe

265448

HEALS - Health and Environment-wide Associations based on Large population Surveys

H2020

Nuno Lunet Patrícia Padrão

Imagem: HEALS

633724

Financiadora


19

Projetos Nacionais em curso Projetos de Investigação Nacionais com execução em 2017

Instituição

Investigador ISPUP

Início

Término

FEDER

João Paulo Teixeira

2015

2018

Unidade de Investigação em Epidemiologia - Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto

FEDER

Henrique Barros

2015

2017

PTDC/CTMBIO/2170/2014

MAGICOAT: Controlo da degradação de ligas de magnésio para aplicações biomédicas recorrendo ao uso de revestimentos inteligentes inovadores

FEDER

João Paulo Teixeira

2016

2019

PTDC/IVCSOC/6782/2014

HARMED: O abuso de idosos: determinantes sociais, económicas e de saúde

FEDER

Sílvia Fraga

2016

2019

PTDC/ECMURB/3329/2014

TRAPHIC - Efeitos da poluição do ar relacionada com tráfego rodoviário em centros históricos urbanos: uma abordagem integrada.

FEDER

Ana Monteiro

2016

2019

PTDC/AAGMAA/2569/2014

FUTURAR: Qualidade do Ar em Portugal em 2030 - apoio à decisão política

FEDER

João Paulo Teixeira

2016

2019

PTDC/IVCESCT/6294/2014

ENGAGED: Bionetworking e cidadania na doação de gâmetas

FEDER

Susana Silva

2016

2019

PTDC/DTPEPI/6506/2014

MetHyOS: Uma abordagem longitudinal à obesidade metabolicamente saudável: da inflamação ao perfil de risco cardiovascular

FEDER

Elisabete Ramos

2016

2018

PTDC/DTPEPI/3306/2014

PathMOB: Risco cardiometabólico na infância: desde o início da vida ao fim da infância

FEDER

Ana Cristina Santos

2016

2019

PTDC/DTPEPI/1687/2014

BioAdversity: Como a adversidade social na infância condiciona a saúde: A biologia da adversidade social

FEDER

Sílvia Fraga

2016

2019

PTDC/DTPEPI/7183/2014

NEON-BC: Estudo de coorte prospectivo sobre complicações neurológicas do cancro da mama: frequência e impacto em resultados reportados pelos doentes.

FEDER

Nuno Lunet

2016

2019

PTDC/DTPSAP/6384/2014

baMBINO: Saúde Perinatal em migrantes: Barreiras, Incentivos e Resultados

FEDER

Henrique Barros

2016

2018

NORTE-01-0145FEDER-000003

Diabetes & obesity at the crossroads between Oncological and Cardiovascular diseases – a system analysis NETwork towards precision medicine (DOCnet)

N2020

Henrique Barros

2016

2019

NORTE-01-0145FEDER-000010

HEBE: Saúde, Conforto e Energia no Ambiente Construído

N2020

João Paulo Teixeira

2015

2018

Referência

T ítulo do Projeto

ERASIINN/0001/2013

Estratégias de classificação de nanomateriais com base na toxicidade e efeitos biológicos

UID/ DTP/04750/2013

Financiadora


20

G21-Gulbenkian

Projeto Geração XXI

FCG

Henrique Barros

2016

2017

Raquel Duarte

2015

2017

Luís Ruano

2015

2017

EEA Grants 138DT1

Prevenção e controlo de tuberculose em grupos populacionais vulneráveis de um centro urbano da região Norte de Portugal (Menos TB)

Financiadores EEA: Países doadores Noruega, Liechtenstein e Islândia

TCinMS

Tracking cognitive decline in Multiple sclerosis

BIOGEN IDEC PORTUGAL

Ações Cost em curso Ações Cost com execução em 2017 Instituição Financiadora

Investigador ISPUP

Início

Término

IS1405

BIRTH - Building Intrapartum Research Through Health - an interdisciplinary whole system approach to understanding and contextualising physiological labour and birth

H2020

Susana Silva

2014

2018

IS1304

Expert Judgment Network: Bridging the Gap Between Scientific Uncertainty and Evidence-Based Decision Making

H2020

Cristiana Costa Pereira

2013

2017

CM1406

EPICHEM - Epigenetic Chemical Biology

H2020

Cristiana Costa Pereira

2015

2019

CA15132

hCOMET - The comet assay as a human biomonitoring tool

H2020

Carla Costa

2016

2020

CA15129

DiMoPEx - Diagnosis, Monitoring and Prevention of Exposure-Related Noncommunicable Diseases

H2020

Carla Costa

2016

2020

CA 15107

MultiComp - Multi-Functional Nano-Carbon Composite Materials Network

H2020

Sónia Fraga

2016

2020

CA16226

SHELD-ON - Indoor living space improvement: Smart Habitat for the Elderly

H2020

Ana Mendes

2017

2021

Referência

T ítulo do Projeto


21

05 — ESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO

As estruturas de investigação do ISPUP incluem oito coortes populacionais e um biobanco


22

As estruturas de investigação permitem fornecer informação essencial para o planeamento de medidas de promoção de saúde; responder a vários objetivos científicos através de trabalhos publicados em revistas científicas nacionais e internacionais e promover o acesso a amostras biológicas.

COORTES EPIPorto O início de uma era na investigação epidemiológica em Portugal O EPIPorto marca o início de uma nova era na investigação epidemiológica em Portugal. Criada em 1999, esta coorte pretende avaliar os determinantes de saúde da população adulta residente na cidade do Porto. Inicialmente, integraram a coorte 2485 pessoas, com mais de 18 anos, selecionadas de forma aleatória entre os residentes da cidade. Os participantes têm sido alvo de avaliações sucessivas ao longo do tempo. Estas avaliações incluem a resposta a um conjunto de perguntas sobre características sociais, demográficas e comportamentais e sobre a sua história clínica. São também efetuadas medições objetivas, tais como a realização de análises sanguíneas, medição da pressão arterial, do peso e da estatura, a realização de eletrocardiogramas e a avaliação

da função respiratória e da densidade mineral óssea. A morada dos participantes está georreferenciada, permitindo a análise da distribuição de várias ocorrências e estados de saúde no espaço da cidade. Além de achados substanciais sobre o estado de saúde desta população, a coorte permitiu também o desenvolvimento e validação de ferramentas de medição como, por exemplo, um questionário de frequência alimentar para avaliação da ingestão alimentar e um método não invasivo para a avaliação da densidade mineral óssea no calcâneo. Os dados recolhidos nesta coorte têm tido um foco importante na saúde cardiovascular, doença reumática, diabetes, cancro do estômago e obesidade.


23

EPITeen Estudo longitudinal iniciado na adolescência

A coorte EPITeen tem como objetivo principal compreender de que forma os hábitos e os comportamentos adquiridos na adolescência se vão refletir na saúde do adulto. No âmbito deste projeto, estão a ser acompanhados desde 2003 jovens que nasceram em 1990 e que frequentavam as escolas públicas e privadas da cidade do Porto. Integram a coorte 2942 participantes, que foram avaliados aos 13, aos 17, aos 21, aos 24 e aos 27 anos de idade, e que serão acompanhados ao longo da vida. Em cada avaliação, uma equipa multidisciplinar de profissionais de saúde recolhe informações através de questionários para conhecer comportamentos, caraterísticas sociais e história de doença.

São também realizadas medições objetivas, como a pressão arterial, o peso e a altura, composição corporal, densidade mineral óssea ou função respiratória. Em todas as avaliações recolhem-se amostras biológicas para completar a informação. A coorte tem permitido conhecer melhor diferentes processos de saúde e doença na transição da adolescência para a idade adulta.


24

Geração XXI Acompanha o crescimento e o desenvolvimento de 8647 crianças, desde 2005 A Geração XXI representa um trabalho único em Portugal, procurando, à semelhança de outras coortes europeias, acompanhar a saúde, o crescimento e o desenvolvimento de 8647 crianças, recrutadas entre abril de 2005 e agosto de 2006, em 5 hospitais públicos com maternidade, da área metropolitana do Porto. O projeto visa caracterizar o desenvolvimento pré-natal e pós-natal, identificando os seus determinantes no sentido de melhor perceber o estado de saúde na infância e, mais tarde, na adolescência e idade adulta. Tal permitirá chegar a novos conhecimentos que serão úteis para retratar a realidade da saúde em Portugal e para projetar o seu futuro. Partindo de uma avaliação inicial ao nascimento, as crianças que integram a coorte foram sendo seguidas aos 6, 15 e 24 meses e aos 4, 7 e 10 anos de idade. A Geração XXI serve de base para um vasto leque de trabalhos de investigação científica, em áreas como a saúde perinatal e pediátrica, obesidade e saúde metabólica, estilos de vida, saúde cardiovascular, saúde músculo-esquelética, entre outras.


25

EPICE-PT Recém-nascidos Muito Pré-Termo As informações recolhidas permitirão retratar a realidade da extrema prematuridade no nosso país Nas últimas décadas, os avanços na vigilância pré-natal e nos cuidados intensivos neonatais resultaram na diminuição da morbilidade e mortalidade, com repercussão mais evidente no grupo dos recém-nascidos de prematuridade extrema. Anualmente, os recém-nascidos com menos de 32 semanas de idade gestacional correspondem a 1% do total de nascimentos em Portugal. Estes recém-nascidos requerem cuidados especiais que devem ser criteriosamente planeados e executados no sentido de manter a sua estabilidade geral. A coorte de recém-nascidos muito pré-termo foi criada no âmbito do projeto europeu EPICE (Effective Perinatal Intensive Care in Europe), o qual tem vindo a acompanhar 7900 crianças europeias muito pré-termo ao longo do tempo.

Em Portugal, entre 1 de junho de 2011 e 31 de maio de 2012, dos 607 recém-nascidos muito pré-termo com alta hospitalar, integraram a coorte europeia 544 bebés, da Região Norte e de Lisboa e Vale do Tejo. Estas crianças estão agora a ser acompanhadas no âmbito de um novo projeto, o SHIPS (Screening to Improve Health in Very Preterm Infants in Europe), que avaliou o neurodesenvolvimento destas crianças com 5 anos de idade. As crianças portuguesas que integram a coorte europeia, criada no âmbito do projeto EPICE, correspondem também à primeira coorte de base comunitária e geograficamente alargada de recém-nascidos muito pré-termo em Portugal. As informações recolhidas, com base em dados reportados pelos pais, permitirão retratar a realidade da extrema prematuridade no nosso país.


26

Utilizadores de Drogas O estudo visa examinar fatores associados à progressão do VIH para a SIDA, o que ajudará a construir um quadro mais claro da epidemia nos utilizadores de drogas A coorte de utilizadores de drogas foi criada em 2009. Participam neste estudo pessoas com idade igual ou superior a 18 anos que tenham sido em algum momento da sua vida utilizadoras de drogas (injetáveis e não injetáveis). Inclui pessoas a quem tenha sido diagnosticado o VIH, pela pri­ meira vez, nos cinco anos anteriores ao recruta­ mento ou pessoas seronegativas que realizaram o último teste para o VIH nos 12 meses anteriores à data da entrevista. Todos os participantes foram recrutados nas Equipas de Tratamento (ETs) das Regiões Norte e Centro de Portugal Continental e em dois Hospitais da cidade do Porto: o Hospital de São João e o Hos­pital Joaquim Urbano.

Na avaliação inicial, foram entrevistados 303 utentes, 80 (26%) diagnosticados com a infeção VIH há menos de cinco anos e 223 (74%) seronegativos. Esta coorte visa identificar os fatores epidemio­ lógicos que continuam a favorecer a epidemia e a forma em que diferem entre os utilizadores de drogas com VIH positivo e VIH negativo. Com os resul­tados obtidos será possível fornecer informação com potencial para modificar estratégias e políti­cas de saúde pública.

NEON-BC Complicações neurológicas do cancro da mama e dos seus tratamentos Em 2012, o ISPUP foi responsável pela constitui­ ção de uma coorte de 506 doentes com cancro da mama, propostas para tratamento cirúrgico no Instituto Português de Oncologia - Porto. As participantes foram seguidas durante o primeiro ano após o diagnóstico, e após 3 anos. Está, de momento, a terminar a avaliação correspondente aos 5 anos de seguimento.

Esta coorte pretende avaliar a frequência de complicações neurológicas do cancro ou dos seus tratamentos, incluindo a dor neuropática, a polineuropatia secundária à quimioterapia ou o declínio cognitivo, e quantificar a sua associação com resultados reportados por doentes (qualidade de vida e do sono, ansiedade e depressão).


27

Homens que têm Sexo com Homens Esta coorte com base na comunidade permite-nos conhecer os comportamentos de prevenção e os determinantes da infeção VIH nos Homens que têm Sexo com Homens, quer em cada momento quer ao longo do tempo. Criada em 2011, a coorte de Lisboa dos Homens que têm Sexo com Homens (HSH) é um estudo observacional com desenho de coorte aberta. A coorte é conduzida no CheckpointLX – um centro de base comunitária, dirigido aos HSH, para o rastreio rápido, confidencial e gratuito do VIH e outras infeções sexualmente transmissíveis, aconselhamento e referenciação aos cuidados de saúde. Todos os homens que têm um resultado não reativo para o VIH na primeira visita ao CheckpointLX, que têm 18 anos ou mais e que reportam já ter tido sexo com outros homens, são convidados a participar e a voltar para visitas de seguimento, idealmente, a cada 6 meses ou de acordo com a sua conveniência. A cada visita é aplicado um questionário estruturado e realizado

um teste rápido VIH pelos técnicos, também eles HSH, que trabalham no CheckpointLX. São oferecidos também testes para as Hepatites Víricas B e C e Sífilis de acordo com critérios pré-definidos. Em caso de resultado reativo, é oferecida referenciação para uma consulta especializada. A coorte pretende, numa primeira fase, quantificar a frequência da doença pela estimativa da incidência da infeção VIH nos HSH e monitorizar as tendências na prevenção primária (uso de preservativo no sexo anal, utilização da profilaxia pré- e pós-exposição) e secundária (deteção precoce da infeção) e, numa fase posterior, identificar estratégias para melhorar a prestação do teste do VIH e a ligação aos cuidados de saúde.


28

BiTwin Primeira coorte de recém-nascidos gémeos em Portugal

Iniciada em 2017, a coorte insere-se no âmbito do projeto europeu HEALS - Health and Environmentwide Associations based on Large Population Surveys, o qual visa produzir dados harmonizados e padronizados que permitam esclarecer o efeito de exposições internas e externas na saúde (ex.: asma e alergias, doenças neurológicas, excesso de peso e diabetes). O seu objetivo passa por estudar a influência do expossoma – conceito que descreve todas as influências ambientais a que estamos expostos ao longo da vida – sobre a saúde. Tais influências incluem a exposição ao meio ambiente, a alimentação, os estilos de vida, as interações

sociais, os processos endógenos que começam logo no momento da gestação (in útero) e até a saúde dos pais no momento da conceção. O foco nos gémeos (indivíduos que partilharam as mesmas exposições durante a gravidez) permite compreender melhor em que medida as exposições em diferentes períodos da vida são relevantes para um desenvolvimento saudável e para a ocorrência de doença. A coorte inclui também recém-nascidos não gémeos, para ajudar a clarificar o impacto do expossoma no desenvolvimento das crianças. O BiTwin vai acompanhar, desde o parto e ao longo da vida, crianças que vão nascer no Centro Materno Infantil do Norte (CMIN), no Centro Hospitalar de S. João, no Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho e no Hospital Pedro Hispano.

Imagem: TVU

O BiTwin é a primeira coorte em Portugal, e uma das primeiras a nível mundial, com ênfase no estudo de gémeos. Tem como principal objetivo avaliar o modo como a interação entre a genética e o ambiente influencia o desenvolvimento das crianças e a ocorrência de doença.


29

Biobanco Mais de 225 mil amostras biológicas associadas com informação sobre as circunstâncias de vida O Biobanco do ISPUP existe há 18 anos e reúne cerca de 225 mil amostras biológicas associadas com informação sobre as circunstâncias de vida. Constitui assim um repositório e uma estrutura de investigação única a nível nacional e relativamente infrequente a nível mundial. Foi criado com o intuito de fomentar a investigação dos determinantes da saúde humana, com a finalidade última de promover as atividades de prevenção, diagnóstico e tratamento de um leque alargado de doenças. As amostras depositadas no Biobanco têm associadas uma grande quantidade de informação recolhida longitudinalmente, proveniente dos participantes de coortes populacionais, que inclui informações socioeconómicas, demográficas, de saúde e de escolhas de vida. Esta caracterização exaustiva da saúde e bem-estar dos participan-

225 mil

amostras biológicas

tes é uma particularidade distintiva do Biobanco do ISPUP que permite responder a numerosas questões científicas e tem o potencial de fornecer informações essenciais ao planeamento de medidas preventivas personalizadas, adaptadas à nossa população, contribuindo para o desenvolvimento da medicina preventiva e da saúde pública em Portugal. Pode também fornecer linhas de comparação para bancos e amostras recolhidas com base em grupos específicos de doenças. Perspetiva-se a expansão do tipo de amostras preservadas e o tipo de serviços oferecidos pelo Biobanco de base populacional do ISPUP, assumindo plenamente a sua função de grande estrutura de investigação em saúde pública.

18 anos

de existência

As amostras têm associadas uma grande quantidade de informações sobre as circunstâncias de vida: socioeconómicas, demográficas, de saúde e de escolhas de vida.


30

06 —

ENSINO

O ISPUP aposta na formação de qualidade, oferecendo uma vasta gama de cursos diversificados na área da epidemiologia e saúde pública


31

CESP

Curso de Especialização em Saúde Pública

14 médicos internos de saúde pública concluíram o CESP no ISPUP O Curso de Especialização em Saúde

Ministrada por uma instituição de ensino

Pública (CESP) é um dos estágios obri-

superior com idoneidade reconhecida

gatórios do programa de formação do

pela Ordem dos Médicos, este curso tem

Internato Médico de Saúde Pública. Com

como objetivos gerais oferecer uma visão

a duração de 12 meses, o CESP é uma

da saúde pública, proporcionar os conhe-

formação

específica

cimentos e desenvolver as competências

para médicos de saúde pública que se

analíticas, de comunicação e aprendi-

realiza em horário laboral.

zagem apropriadas aos profissionais da

profissionalizante

área.

Programas de pós-graduação Em 2017, o ISPUP foi a Instituição de acolhimento para 2 programas de mestrado e 2 programas de doutoramento, quer proporcionando espaço e as condições logísticas de aprendizagem, quer disponibilizando as estruturas de investigação. Foram concluídas 13 teses de mestrado e 5 de doutoramento.


32

Cursos Intensivos (Não Conferentes de Grau)

Foram organizados 19 cursos intensivos, nas mais diferentes áreas.

19

Cursos

476

Incsrições

ão raç Du ras) (ho

Tuberculose - 4ª Edição Abordagem da Lesão Músculo-esquelética Relacionada com o Trabalho Antibioterapia em Ambulatório - 3ª Edição Métodos de intervenção neuropsicológica mediada por sistema computorizado: COGWEB® Construção de questionários e escalas: Análise fatorial, exploratória e confirmatória

231 Horas

s nte

de a Nº rticip pa

28

73

32

58

8

32

8

27

28

26

s)

(ei

n

po

s Re

l ve sá

Raquel Duarte João Amaro e Pedro Norton Ana Cláudia Carvalho Joana Pais e Vítor Tedim Cruz Carla Lopes e Milton Severo


33

ão raç s) u D ra (ho

s nte

de a Nº rticip pa

s)

(ei

n

po

s Re

l ve sá

Carla Lopes, Elisabete Public Health Nutrition - Food and Nutrition: from monitoring to public policies

Ramos, Andreia 16

26

Oliveira, Joana Araújo, Milton Severo e Pedro Graça

Antibioterapia em Ambulatório - 2ª Edição

8

25

Ana Cláudia Carvalho

Antibioterapia em Medicina Veterinária

7

25

Ana Cláudia Carvalho

Micobactérias não Tuberculosas

4

20

Raquel Duarte

Tuberculose e Oncologia

4

19

Raquel Duarte

Tuberculose: A Abordagem em Crianças

4

19

Raquel Duarte

14

18

Susana Silva

Introduction to Meta-analysis with Stata

8

18

Network Meta-analysis with Stata

12

18

Tuberculose: o que o enfermeiro tem de saber

4

18

Raquel Duarte

4

16

Ana Cláudia Carvalho

4

15

Raquel Duarte

Curso de Mixed Methods - Metodologias Mistas de Investigação em Saúde

Prevenção, Diagnóstico e Tratamento de infeção de local cirúrgico Tuberculose em Contexto VIH

Pedro Oliveira e Denisa Mendonça Pedro Oliveira e Denisa Mendonça

Álvaro Azevedo, Denisa Mendonça, Introdução à Bioestatística e suas Aplicações em Investigação Clínica e Epidemiológica - 5ª Edição

22

14

Isabel Fonseca, Laetitia Teixeira, Milton Severo, Pedro Oliveira

Estratégias de Saúde Pública para as Doenças Orais

16

9

Paulo Melo


34

07 —

PRÉMIOS

SCML / MSD em Saúde Pública e Epidemiologia

Jovens Estatísticos 2017 | Sociedade

Clínica (7ª Edição) | Sociedade das Ciências

Portuguesa de Estatística

Médicas de Lisboa (SCML) e Merck Sharp &

Daniela Correia et al.

Dohme (MSD) Joana Araújo et al.

2ª Melhor Comunicação Oral | XVI Congresso de Nutrição e Alimentação da Associação

Arnaldo Sampaio 2016 | Associação

Portuguesa de Nutricionistas

Portuguesa para a Promoção da Saúde Pública

Joana Araújo et al.

João Paulo Teixeira et al. Menção Honrosa Comité Olímpico de Portugal Santander Universidades Idea Puzzle® | Banco

| Fundação Millennium BCP

Santarder Totta

Romeu Mendes et al.

Sara Soares et al. ESCEO-Ag Novos Young Investigator Award Melhor Publicação (Edição 2017) | Associação

| Congresso Mundial de Osteoporose,

Portuguesa de Epidemiologia

Osteoartrite e Doenças Músculo-Esqueléticas

Catarina Durão et al.

2017 Teresa Monjardino

Melhor Comunicação Oral - 9º Fórum de Jovens Investigadores | ASPHER –Association

Distinção na categoria “Obesidade e

of Schools of Public Health in the European

Comorbilidades” | 21º Congresso Português

Region

de Obesidade

Paula Meireles et al.

Andreia Oliveira et al.


35

Melhor poster “Fórum de Jovens

Melhor Comunicação Oral | Dia do Jovem

Investigadores” | 10ª Conferência Europeia de

Investigador do Instituto Nacional de Saúde

Saúde Pública

Doutor Ricardo Jorge (2ª edição)

André Tadeu et al.

Ana Mendes et al.

Early Career Investigator in Pediatric

Menção Honrosa | Dia do Jovem Investigador

Research Award | Setembro 2017 |

do Instituto Nacional de Saúde Doutor

International Pediatric Research Foundation

Ricardo Jorge (2ª edição)

Raquel Lucas

Filipa Esteves et al.

Melhor Comunicação Oral | EAACI Congress

2º Melhor Poster | 6th International Whole

2017

Grain Summit

Inês Paciência et al.

Elisabete Pinto et al.

Menção Honrosa do Prémio Banco Carregosa |

Prémio de Saúde Oral Comunitária “Prof. Dr.

SRNOM 2017

Mexia de Almeida” (4ª Edição) – categoria de

Maria Cabral et al.

“Investigação” | Centro de Estudos “Mundo a Sorrir”

Prémio Thomé Villar/Boehringer Ingelheim

José Frias-Bulhosa et al.

2017 | Sociedade Portuguesa de Pneumologia Raquel Duarte et al.

2º Melhor Poster | Conferência Internacional de Aleitamento Materno

Melhor Comunicação Escrita | 12º Congresso

Carina Rodrigues et al.

Nacional de Psicologia da Saúde Estela Vilhena et al.

Prémio PBJ - GSK 2018 | Melhor artigo científico na área da asma João Cavaleiro Rufo et al.


36

08 —

ATIVIDADES ISPUP

O ISPUP organizou um conjunto diversificado de atividades direcionadas para os vários públicos com os quais interage: colaboradores e investigadores, comunidade, parceiros institucionais, profissionais de saúde, etc.


37

Seminários Decorreram 24 seminários temáticos, nos quais participaram investigadores das mais diferentes áreas.

13.01.2017 - Nonparametric estimation of a distribution function from doubly truncated data under dependence Carla Moreira, ISPUP (Portugal) 20.01.2017 - Afogamento - Desafios e Oportunidades para a Investigação em Saúde Pública Ana Catarina Queiroga, ISPUP (Portugal) 27.01.2017 - The Role Played by Pharmacies in the Provision of Oral Health Care Advice in Main Centres on Viti Levu, Fiji AND An Overview and Crosscutting enabling factors of Community Health Worker Program in Fiji Islands Jyotishna Mudaliar e Suneil Nath, Fiji National University (Fiji) 10.02.2017 - Genetics, History and Historical Genetics of Machado-Joseph Disease (MJD) Jorge Sequeiros, IBMC - i3S e ICBAS; Universidade do Porto (Portugal) 24.02.2017 - Respostas comunitárias ao VIH, outras infeções sexualmente transmissíveis e às drogas Jordi Casabona, Laura Fernandez e Nicolas Lorente, CEEISCAT Luís Mendão e Daniel Simões,


38

GAT (Portugal), Miguel Rocha, CheckpointLX (Portugal), Isabel Aldir, Programa Nacional para a Infeção VIH, SIDA (Portugal), Joan Colom, Generalitat de Catalunya (Espanha), João Goulão, SICAD (Portugal), Manuel Pizarro, CM Porto (Portugal), Paula Meireles e Henrique Barros, ISPUP (Portugal), João Carlos Afonso, CM Lisboa (Portugal) 10.03.2017 - Molecular determinants of gastric cancer: genotypes, phenotypes and impact in progression and treatment Carla Oliveira, i3S & Ipatimup (Portugal) 17.03.2017 - Psychosocial situation of adults with congenital heart disease Bahareh Eslami, Mid Sweden University (Suécia) 22.03.2017 - Tuberculosis (TP), alcohol and tobacco: dangerous liaisons 16 Oradores (Portugal, Itália, Grécia, Finlandia e Suécia)

Portugal: Sofia Belo-Ravara (Universidade da Beira Interior), Felisbela Lopes (Universidade do Minho), Marta Pinto (Universidade do Porto), André Santos Silva (Centro Hospitalar de São João), Manuela Nilza (Sindicato dos Funcionários do SEF) , Hilson Cunha Filho (Universidade Nova de Lisboa), Isabel Saraiva (Respira - Associação Portuguesa de Pessoas com DPOC e outras Doenças respiratórias Crónicas), Carlos Robalo Cordeiro (Universidade de Coimbra), Miguel Mauritti (Saúde Online), Isabel Aldir (Programa Nacional para a Infeção VIH, SIDA), Henrique Barros e Raquel Duarte (ISPUP). Itália: Giovanni Migliori (Centro Colaborador da OMS para Doenças Pulmonares e Tuberculose, Fundação S. Maugeri) Grécia: Paraskevi A. Katsaounou (Hospital Evaggelismos e Universidade Nacional Capodistriana de Atenas) Finlândia: Mervi Hara (Action on Smoking & Health, Finland International Network of Women Against Tobacco-Europe e INWAT Europe) Suécia: Margaretha Haglund (ThinkTank Tobaksfakta e INWAT Europe)

07.04.2017 - But not simpler... Technology, operations, management, and policy interfaces engineering systems (not only) in healthcare Abílio Pereira Pacheco, INESC TEC (Portugal); João Claro, INESC TEC; José Coelho Rodrigues, INESC TEC e Nazaré Rego, Universidade do Minho, (Portugal) 28.04.2017 - Value based assessment of drugs: a Brave New World José Vinhas, CATS - Comissão de Avaliação de Tecnologias de Saúde (Portugal) e Lara Noronha Ferreira, Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo, Universidade do Algarve (Portugal)


39

17.05.2017 - Paradox of overweight and obesity in children from low and middle-income countries: Evidence from Australian Cohort study Tehzeeb Zulfiqar, The Australian National University (Austrália) 19.05.2017 - Epidemiology of active and passive smoking – current situation: perspective from studies in Spanish population Agustín Montes, Universidade de Santiago de Compostela (Espanha) 26.05.2017 - Embodiment over the lifecourse: understanding how health inequalities are produced Michelle Kelly-Irving, INSERM/ Université Paul Sabatier Toulouse III (França) 05.06.2017 - Acesso Geográfico aos Recursos Humanos em Saúde no Brasil e em Portugal: influência da evidência científica sobre as políticas Ana Paula Cavalcante, Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade Nova de Lisboa (Portugal) 30.06.2017 - Mycobacteriosis in bovines and large game – Risks to human health Madalena Vieira-Pinto, Universidade de Trásos-Montes e Alto Douro (Portugal) 07.07.2017 - The EU health security framework Wolfgang Philipp, Comissão Europeia (Luxemburgo) 19.07.2017 - Aplicando métodos inovadores para estudar populações de difícil acesso: exemplos empíricos com a população de homens que fazem sexo com homens e pessoas transexuais em São Paulo-Brasil Maria Veras, Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (Brasil) 21.07.2017 - Trajetórias desenvolvimentais de pais e bebés da concepção aos 3 meses pósparto: a singularidade dos gémeos Iva Tendais, ISPUP (Portugal) 25.07.2017 - Genetic and dietary determinants of C-reactive protein levels and their relation with metabolic alterations in childhood Pilar Navarro, Universidade Autónoma de Madrid (Espanha)


40

29.09.2017 - Qualitative Approaches to Research José Pedro Silva, ISPUP (Portugal) 13.10.2017 - Integrating mixed methods social science research in interdisciplinary global health projects: the case of malaria control and elimination Koen Peeters Grietens, Institute of Tropical Medicine Antwerp (Bélgica) 27.10.2017 - Can a computer algorithm make sense of 500,000 cardiovascular research abstracts? Diane Gal, Universidade Católica de Leuven (Bélgica) 09.11.2017 - SWPER, survey based women’s empowerment indicator Aluísio Barros, Universidade Federal de Pelotas (Brasil) 15.12.2017 - Ensino e Cooperação na área da saúde global: experiência na África Lusófona Rosário Oliveira Martins, IHMT (Portugal)


41

Outras Atividades O ISPUP organizou atividades dedicadas a vários projetos de investigação, ao Curso de Especialização em Saúde Pública (CESP) e iniciativas dirigidas à sociedade. Projetos de Investigação: Palestra sobre oportunidades de financiamento em investigação Apresentação dos Resultados do Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física (IAN-AF) Concurso “A aventura dos 6 anos num postal”, no âmbito do projeto europeu SHIPS (Screening to improve Health In very Preterm infantS in Europe) Apresentação pública dos resultados do projeto Menos Tuberculose Apresentação do Projeto baMBINO (Saúde Perinatal em Migrantes: Barreiras, Incentivos e Resultados)

ISPUP e Sociedade:

cognitiva nos adultos do Porto (coorte EPIPorto) Sessão informativa: Como podem os alunos estrangeiros aceder aos serviços de saúde em Portugal?

Galeria Painel (Espaço Expositivo de âmbito artístico do ISPUP, em parceria com a FBAUP) “Halo Cost”, de Hugo de Almeida Pinho “Trompelesprit”, de Frederico Brízida “In a state of alterity”, de Laurie Kang e Edit Oderbolz “For Sale /Продается / Zu verkaufen / En Vente”, de Tiago Casanova. “Keep up”, exposição colectiva com vídeos de: Filipe Afonso, Hernâni Reis Baptista, Margarida Gouveia e Natalie Sanders.

15ª Mostra da U. Porto Noite Europeia dos Investigadores (Portugal) Iniciativa internacional para medir a pressão arterial da população Exibição do filme: “I, Daniel Blake” Workshop sobre doação de gâmetas para alunos do ensino secundário Sessão sobre doenças cardiovasculares e perda

“Com um passo na mesma direcção mantemos a mesma distância”, da autoria de Catarina Real.

CESP: 1º Encontro de Internos de Saúde Pública para apresentação e discussão dos protocolos de investigação epidemiológica – do projeto à prática “CESP Open Day”


42

09 —

PARTICIPAÇÃO EM CONGRESSOS E REUNIÕES CIENTÍFICAS World Congress of Epidemiology (Japão) X Congresso Brasileiro de Epidemiologia (Brasil) 15th World Congress on Public Health (Austrália) 4º Congresso Internacional sobre Condições de Trabalho (Portugal) HepHIV 2017 Conference: HIV and Viral Hepatitis: Challenges of Timely Testing and Care (Malta) 7ª Conferência da European Survey Research Association (Portugal) XV Encontro Sobre Envelhecimento (Portugal) SETAC Europe 27th Annual Meeting (Bélgica) 18º Encontro Europeu em Química Ambiental (Portugal) Conferência Internacional “Democracia e Participação no Século XXI” (Portugal) Environmental and Energy Resource Management Summit (Estados Unidos da América) International Health Congress (Inglaterra) The 3rd International Neonatology Association Conference (França) Conferência Internacional de Obesidade Infantil (Portugal) Encontro Ciência 2017 (Portugal) ASPHER Deans’ and Directors’ Retreat (França) 24º Congresso Europeu de Obesidade (Portugal)


43

XVI Congresso de Nutrição e Alimentação da Associação Portuguesa dos Nutricionistas (Portugal) XXXV Reunión Científica Anual de la Sociedad Española de Epidemiología e XII Congreso de la Asociación Portuguesa de Epidemiología (Espanha) 13º Congresso Português de Diabetes (Portugal) V Congresso Nacional de Saúde Pública (Portugal) 10ª edição do Encontro de Investigação Jovem da Universidade do Porto (Portugal) 1ª Conferência Internacional sobre a Criança e o Adolescente (Portugal) 10th European Public Health Conference (EPH) e Young Researchers’ Forum (Suécia) 6th World Conference on Drowning Prevention (Canadá) VI Conferência Internacional “Igualdade Parental Séc. XXI” (Portugal) 4º Simpósio Nacional “Promoção de uma Alimentação Saudável e Segura (Portugal) 38º Congreso Anual de la Sociedad Internacional de Bioestadística Clínica (Espanha) Lisbon Addictions 2017 - Second European Conference on Addictive Behaviours and Dependencies (Portugal)


44

10 —

COMUNICAÇÃO

O ISPUP encara a comunicação como um importante ativo para dar a conhecer aos pares científicos, à

sociedade e aos decisores políticos a sua investigação e formação de excelência e os novos conhecimentos que produz no domínio da saúde pública


45

Assessoria de Imprensa A relação com os meios de comunicação social é fundamental para responder à missão de disseminar a ciência e promover a educação em saúde, de modo a estimular a sua tradução em ações concretas. Além disso, esta ação contribui para colocar o Instituto no foco da atenção política e social, ajudando-o a promover a sua notoriedade/reputação, a estar na mira de potenciais investidores e a ganhar força para conseguir levar à prática o conhecimento científico produzido.

681

Notícias Número de notícias publicadas em Órgãos de Comunicação Social (OCS)

70.597.378 Outreach

Número total de impressões produzidas junto da audiência, tendo como base a soma das audiências acumuladas de cada meio de comunicação, onde foram identificadas presenças do objeto de análise.


46

Aposta na dinamização da comunicação no universo digital: website, redes sociais e Newsletter O ISPUP tem consciência da importância que a

e Youtube, com o intuito de criar espaços de

comunicação digital tem vindo a assumir, nos

divulgação da ciência e das principais atividades

últimos anos. Como tal, a alimentação contínua

do Instituto, assim como oportunidades de

do website (www.ispup.up.pt) – como suporte

diálogo com os seus seguidores. Contabilizaram-

de comunicação interna e externa – e das redes

se, até ao final do ano, 3. 528 seguidores na página

sociais do Instituto – enquanto veículo para

de Facebook, 398 no Twitter e 684 no Linkedin.

promover o envolvimento dos vários públicos com que o ISPUP se relaciona – é uma prioridade! Em 2017, o Instituto contabilizou 44.131 visitas únicas ao seu website.

Ainda dentro do âmbito do universo digital, o ISPUP avançou com a criação de uma Newsletter Digital, que é enviada mensalmente a todos os seus subscritores, nas quais se divulgam os principais

A nível de redes sociais, o ISPUP marca presença

destaques noticiosos do mês, as oportunidades

ativamente no Facebook, Twitter, Linkedin, Google+

emergentes e os eventos em curso.

Reforço da Comunicação dentro da Universidade do Porto Divulgar a atividade do ISPUP pelos diversos meios

subscritores. No que ao Portal de Notícias diz

de comunicação utilizados pela Universidade

respeito,

para chegar à comunidade académica e aos seus

destaque no Portal, 3 artigos na rubrica “Pessoas

diferentes stakeholders é uma ação prioritária.

da U.Porto” e diversas notícias presentes na

Assim,

o

Instituto

tem

uma presença ativa no

procurado

manter

Portal de Notícias

da Universidade do Porto e na Newsletter Semanal enviada pela Universidade aos seus

contabilizaram-se

56

artigos

com

secção “Oportunidades”, onde são divulgados os anúncios de bolsas, seminários, cursos e workshops dinamizados pelo ISPUP.


47

PUBLIC HEALTH RESEARCH SAVES LIVES


48

Relatório de Atividades 2017  
Relatório de Atividades 2017  
Advertisement