Page 1

Boletim

brasil

SALESIANO Ano 60 – No 6 – novembro-dezembro de 2010

É tempo de preparar a chegada do Senhor


Pรกg. 2


S umário

Ano 60 – No 6 – novembro-dezembro de 2010

Natal................................................................................ O Natal e o tempo litúrgico

5

Juventude...........................................................A vida dos jovens na América Latina

8

Comunicação................................................. Caminhar junto com a geração internet

10

Educomunicação......................................................... Polos realizam encontros

13

Entrevista. ....................................................... Formação e informação de qualidade

14

Página do Leitor........................ Ex-alunos salesianos de Goiânia mantêm centro juvenil

19

Salesianidade ........................................ Quatro séculos de Espiritualidade Salesiana

20

O Evangelho aos jovens................................................... A aparente derrota

22

História................................ Museu resgata importância dos salesianos na história do Brasil

24

Notícias........................................................................................................

25

Mural dos Jovens........................................................................................................................

31

16

Missões 16 Rafael Belletti

O olhar missionário dos jovens salesianos


Expediente

Editorial

Boletim Salesiano – Revista Bimestral – Ano 60 Nº 6 – Novembro/Dezembro de 2010 Tiragem: 102 mil exemplares

Humanismo otimista: a dimensão salesiana do mistério da encarnação

Diretor Geral Pe. Nivaldo Luiz Pessinatti Conselho Editorial Pe. Ailton A. dos Santos (São Paulo – SP) Pe. Gildásio Mendes (Campo Grande – MS) Pe. Gilberto Silva (Recife – PE) Pe. Tarcizio Paulo Odelli (Porto Alegre – RS) Ir. Maike Loes (Porto Alegre – RS) Ir. Maria Helena Moreira (Belo Horizonte – BH) Ir. Maria do Socorro Tabosa (Recife – PE) Ir. Silvania Cássia Pereira (São Paulo – SP) Editora Ana Cosenza – MTb 25.847 E-mail: imprensabs@gmail.com Secretaria Ana Paula Santana e Juliana Campos Revisão Denise Katchuian Dognini Projeto gráfico Luciene Cardoso – MTb 32.182 E-mail: lucart3@yahoo.com.br Foto de capa SXC Redação/Administração Cisbrasil W3 Sul, Quadra 506, Bloco B, lojas 65/66 70350-525 – Brasília – DF Fone: (61) 3214-2300 E-mail:boletimsalesiano@salesianosdobrasil. org.br Home page: www.boletimsalesiano.org.br Impressão EGL – Editores Gráficos Ltda Avenida Professor Magalhães Penido, 1.011 São Luiz – Belo Horizonte - MG E-mail: lastro-egl@lastro-egl.com.br Site: www.lastro-egl.com.br O Boletim Salesiano, fundado por Dom Bosco em 6 de fevereiro de 1877, atualmente é publicado no mundo todo em 55 edições e 29 línguas, com tiragem anual estimada em mais de 10 milhões de exemplares no total. Alemanha, Argentina, Austrália, Bélgica (em flamengo), Boêmia, Bolívia, Brasil, Canadá, Chile, China, Coréia do Sul, Croácia, Equador, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estados Unidos-Leste, Estados Unidos-Oeste, Filipinas, França, Grã-Bretanha, Guatemala, Holanda, Hungria, Índia (em inglês, malaio, tamil, talegu, sinhala e hindi), Irlanda, Itália, Japão, Lituânia, Malta, México, Moçambique, Paraguai, Peru, Polônia, Portugal, Uruguai, Santo Domingo e Tailândia são alguns dos países a publicarem edições nacionais do Boletim Salesiano. O Boletim Salesiano reserva-se o direito de condensar/editar as matérias enviadas como colaboração. Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião da revista, sendo de total responsabilidade de seus autores.

Saboreando o clima natalino, anualmente renovado pela liturgia cristã, a Família Salesiana tem motivos de sobra para sentir-se muito confortável e alimentada pela riqueza espiritual que nasce do mistério da encarnação. O inspirador e fundador da Família Salesiana buscou em São Francisco de Sales os fundamentos espirituais para expressar sua irrefutável crença na humanidade. Desde muito pequeno, “sonhava” com uma humanidade carregada de felicidade e de alegria. Essa convicção, vivida na simplicidade do lar materno, foi sendo aprofundada e intensamente assumida no decorrer de sua convivência com os adolescentes e jovens marcados pela miséria e pela violência. O que fazer em favor desses jovens portadores de marcas profundas e negativas, geradas pela situação de marginalização? Assim desvalorizados, esses jovens não tinham motivos para acreditar em ninguém... A desconfiança era (e continua sendo) a principal estratégia utilizada por aqueles a quem foram subtraídas as indispensáveis experiências de afeto e amor. E Dom Bosco entendeu esse jogo do coração. Se de fora não poderia vir a recuperação, pois o cristal da confiança estava quebrado, só restava buscar a solução dentro do coração desses jovens. Foi este o caminho utilizado por Dom Bosco: acreditar que dentro do coração de cada jovem pulsam sentimentos e legítimas aspirações de felicidade. E como fazer isto? A resposta é oportunizar aos jovens uma autêntica experiência de autoconfiança : “Gostar do que os jovens gostam”, pois assim eles experimentarão o gosto de serem valorizados. Essa foi a prática constante de Dom Bosco. Para o pai e mestre da juventude essa crença não se fundamentava apenas em sucessos sociologicamente verificáveis. Ele estava convencido de que o mistério da encarnação é a maior prova de que Deus gosta e acredita na humanidade. Essa certeza conduzia seus passos para encontrar Deus no coração dos jovens, devolvendo-lhes a autoconfiança, nos outros e no Criador. O mistério da encarnação indica a confiança de Deus na humanidade: e por que duvidar, então, da possibilidade de bondade ou de conversão dos jovens? Para Dom Bosco e seus discípulos e discípulas, o otimismo humanista continua sendo a crença que motiva sua missão evangelizadora juvenil. Aviso aos navegantes: a Família Salesiana reafirma, deseja e acredita em um Feliz Natal para todos! Pe. Nivaldo Luiz Pessinatti Diretor do Boletim Salesiano/Brasil


N

atal

O Natal e o tempo litúrgico O ano civil começa no dia 1o de janeiro. Já o ano litúrgico começa com o primeiro domingo do Advento, que é o tempo de quatro semanas que prepara o Natal. Ailton Antonio dos Santos

D

a mesma forma como na liturgia há o ciclo da Páscoa, temos na liturgia o Natal e o seu ciclo. A preparação para o Natal é o tempo do Advento – que quer dizer chegada – no qual a Igreja revivencia a longa espera da humanidade pelo Messias. São quatro domingos, quatro semanas de Advento. O Advento nos prepara para as duas chegadas do Senhor. Os primeiros dias do Advento nos preparam para a chegada definitiva, que acontecerá no final dos tempos. E, nos nove dias que antecedem imediatamente o dia 25 de dezembro, o tempo do Advento nos prepara para a comemoração da primeira vinda acontecida em Belém. Em cada domingo temos a companhia de um personagem bíblico, para nos ajudar nessa espera. O primeiro personagem é o profeta Isaías. Tendo vivido sete séculos antes de Jesus Cristo, melhor do que ninguém Isaías pressagia os tempos futuros e apresenta o Messias vindo não só para o Povo BOLETIM SALESIANO

5


A história do presépio Foi no ano de 1223, na floresta de Greccio, em Assis, que o irmão Francisco – depois chamado “São Francisco de Assis” – inventou de fazer um presépio vivo na véspera do Natal. Ele fez transportar uma manjedoura, um boi e um burro, para explicar mais facilmente o Natal às pessoas comuns, que eram simples camponeses e não conseguiam entender a história do nascimento de Jesus. São Francisco morreu dois anos depois, mas os frades franciscanos mantiveram o costume de montar o presépio, com figuras de barro. Esse costume foi se espalhando por igrejas, catedrais e mosteiros de toda a Europa, durante a Idade Média. No Brasil, em 1552, por obra do padre José de Anchieta, o presépio foi apresentado pela primeira vez aos índios e colonos portugueses. Na cidade de São Paulo, no Mosteiro da Luz, junto à capela de São Frei Galvão e do Museu de Arte Sacra, há o Museu dos Presépios, com 130 exemplares provenientes de quatro continentes. Os materiais utilizados são os mais variados: madeira, metal, cabaça, terracota, palha, isopor, tecido. Entre eles, destaca-se o Presépio Napolitano, do século XVIII, formado por 1.620 peças. É interessante observar que muitas das cenas nesses presépios nada têm que ver com o ambiente em que nasceu Jesus, mas retratam o cotidiano do lugar em que o presépio foi construído. Infiel como retrato da época de Cristo na Terra Santa, esse tipo de presépio acaba acertando plenamente a intenção de um Deus que, ao se encarnar, quis ser em tudo igual ao homem, exceto no pecado.

Escolhido de Israel, mas para toda a humanidade. O segundo personagem é João Batista, figura muito incômoda na época, e que continua sendo também agora. Como estamos em uma sociedade bastante materialista, em que a própria festa do Natal é confundida com gastança e consumo, a figura severa de João Batista se coloca na contramão de tudo isso, e vem nos questionar profundamente sobre o que para nós deve significar prepararnos para a chegada de Cristo. O terceiro personagem é Maria, que esperou a chegada do Senhor tendo-o no ventre. Vivemos em uma época cheia de atrações, de estímulos externos, de ruídos. Que esforços precisamos fazer para nos interiorizarmos nessa espera? Para ajudar-nos a visualizar esses quatro domingos de espera, há o costume da coroa do Advento, feita de ramos entrelaçados com quatro velas, que vão sendo acesas progressivamente. Quem acende a vela diz que está atento, à espera. Na vida do dia a dia, o tempo de Natal se caracteriza por correria, preparação da festa, compra de presentes. Vendo melhor, aí está uma coisa rica de significado: dar presentes por ocasião do Natal é repetir o gesto dos magos do Oriente, que reconheceram naquele Menino o Salvador. Hoje, presentear alguém no Natal significa reconhecer nessa pessoa a presença viva de Deus. Convenhamos, não é pouco. Continuidade – A culminância desse tempo é o Natal, no dia 25 de dezembro. Mas o Natal é tão grande que não cabe em um dia só. Por isso, a liturgia prolonga sua celebração. No primeiro domingo depois do Natal, se celebra a festa da Sa-

6

BOLETIM SALESIANO


Se prestarmos atenção, nesse tempo todo Jesus Cristo vai sendo apresentado. No Natal, ele é apresentado primeiro aos pastores, depois ao Templo, aos magos do Oriente. E essas apresentações continuam. No último domingo do tempo de Natal, conforme o ano litúrgico em andamento, Jesus é apresentado por João Batista aos próprios discípulos: “Eis o Cordeiro de Deus!”, ou, em outro ano litúrgico, é apresentado pelo próprio Pai Eterno, na festa do Batismo de Jesus: “Este é o meu Filho bem-amado. Ouvi-o!” Padre Ailton Antonio dos Santos, SDB, é diretor-presidente da Editora Salesiana e responsável pela Comunicação na Inspetoria Salesiana de São Paulo.

grada Família: Jesus, Maria e José. Oito dias depois do Natal, em 1o de janeiro, se celebra a Festa de Maria, a Santa Mãe de Deus. E 6 de janeiro é a Festa da Epifania, popularmente chamada de Dia dos Santos Reis. É a solene manifestação de Cristo como Salvador para todos os povos, ali representados pelos estrangeiros magos do Oriente. Os presentes que eles trazem ao Menino Deus (ouro, incenso e mirra) são uma profissão de fé. O ouro significa que o Menino é Rei. O incenso, que ele é Deus. E a mirra, erva aromática com a qual se ungiam os corpos dos que morriam, significa que ele é Homem, e, como tal, vai experimentar a sepultura. Para nós, que nos consideramos religiosos, a figura dos magos vem nos ensinar que muita gente que achamos estar distante, está mais atenta aos sinais de Deus que nós mesmos.

Por que o Natal é celebrado em 25 de dezembro? O núcleo da mensagem cristã, o chamado quérigma, é que Cristo por nós morreu e por nós ressuscitou. Disso decorre que, do ponto de vista teológico e litúrgico, o centro do ano litúrgico é a Páscoa e não o Natal. Assim, nem sempre houve uma data para a celebração do nascimento de Jesus. Quando o Natal começou a ser celebrado, a data oscilou entre o dia 20 de maio, 10 de janeiro e 6 de janeiro. A festa da Epifania, popularmente chamada de Dia dos Reis, é mais antiga que a festa do Natal e há uma explicação para isso. Na Epifania se mostra a missão de Jesus: ele vem como Salvador de todos os povos da terra, representados ali pelos magos, ou, em outras traduções, sábios vindos de terras estrangeiras. E como se chegou à data de 25 de dezembro para o Natal? Muito provavelmente, sua origem é pagã. O imperador romano Aurélio tinha estabelecido a festa do “nascimento do Sol vencedor” no solstício de inverno, isto é, no momento em que o sol, depois de ter baixado o máximo no horizonte e ter permanecido menos tempo no céu durante o dia, começa de novo a ganhar força. Os cristãos de Roma, no século IV, situaram nessa festa a celebração do nascimento de Jesus, para dizer que é Cristo o verdadeiro sol que ilumina a todos os que vêm a este mundo.

BOLETIM SALESIANO

7


J

uventude

A vida dos jovens na América Latina De 5 a 12 de setembro em Los Teques, Venezuela, realizou-se o III Congresso Latino-Americano da Juventude. Salesianos de Dom Bosco, Filhas de Maria Auxiliadora e jovens do Movimento Juvenil Salesiano brasileiro participaram do evento.

Cerca de 700 representantes participaram do congresso

S

ob o lema “Caminhemos com Jesus para dar vida a nossos povos”, cerca de 700 delegados, em sua maioria jovens, participaram do III Congresso Latino-Americano da Juventude (CLAJ), realizado em Los Teques, na Venezuela, nos dias 5 a 12 de setembro. O evento foi organizado pelo Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam), em parceria com a Conferência Episcopal da Venezuela e com as Pastorais Juvenis de toda a Amé-

8

BOLETIM SALESIANO

rica Latina e Caribe, e teve como objetivo “revitalizar o caminho da pastoral juvenil na vida dos jovens, começando pelo encontro pessoal e comunitário com Jesus e com o seu projeto, para se comprometer no discipulado missionário como estilo de vida, na transformação dos nossos povos”. O Congresso dedicou a primeira parte dos trabalhos à apresentação dos principais desafios que se colocam à Pastoral Juvenil Latino-

-Americana (PJL), dividindo-os em cinco áreas: as culturas juvenis, as estruturas que condicionam a vida dos jovens, tecnologia e comunicação, ecologia e desenvolvimento sustentável, e o sentido do sagrado e espiritualidade. Os dias seguintes foram consagrados a debater os paradigmas fundamentais que orientam o caminho da PJL. A reflexão recorreu às ciências sociais, às Sagradas Escrituras, ao Documento de Aparecida do Celam e a uma panorâmica histórica sobre aquilo que já se realizou. Da delegação brasileira, composta por cerca de 60 pessoas, fizeram parte os bispos salesianos dom Eduardo Pinheiro, responsável pelo setor Juventude da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), e dom Antonio Carlos Altieri, além de padres Salesianos de Dom Bosco, irmãs Filhas de Maria Auxiliadora e jovens pertencentes ao Movimento Juvenil Salesiano. Mensagem aos jovens – Ao final do encontro, os delegados apresentaram um documento no qual colocam os principais desafios e compromissos assumidos pela Pastoral Juvenil na América Latina e no Caribe. “Cremos firmemente que a juventude enquanto força dinamizadora no Continente, diante da diversidade de culturas, está chamada a defender sua autenticidade e identidade para lutar contra os sinais de morte que afetam a nossos povos”, afirma o documento. Os representantes da PJL ressaltam o que consideram os principais problemas enfrentados pela juventude na região: a desigualdade social, a violência e o alto número de


homicídios de jovens, a discriminação e estigmatização, as drogas e as migrações, agravados pela desestruturação familiar e pela falta de ações governamentais favoráveis aos jovens. “A Juventude da América Latina e Caribe demanda dos governos e da sociedade ações concretas que garantam-lhe: uma educação de qualidade, que assegure a formação integral do jovem e que erradique o analfabetismo; a inserção do jovem no mundo do trabalho, com garantia de seus direitos; políticas que respeitem a vida dos/as jovens e combatam a violência em todas as suas formas, de maneira especial a violência provocada pelas mesmas autoridades”, reivindicam os participantes do encontro. O documento ressalta o compromisso dos jovens participantes, como discípulos missionários chamados a defender a Criação de Deus e a ser agentes de mudança para a transformação dessa realidade nos contextos político, econômico, eclesial e social. Reafirma também a opção preferencial da Igreja na América Latina e Caribe pelos jovens e pelos marginalizados. Na conclusão, os participantes do III Congresso Latino-Americano de Jovens afirmam: “Como os discípulos de Emaús que retornam a Jerusalém após reconhecer Jesus, voltamos a nossos países caminhando com Ele para dar vida a nossos povos”. Fontes: ISSP, Nordeste Hoje e Acontecendo

Caminhar com os jovens Realizado entre os dias 17 a 19 de setembro, o XV Encontro Nacional de Congregações que Trabalham com Jovens reúne cerca de 140 participantes de todas as partes do Brasil.

A

Colônia Salesiana de Jaboatão dos Guararapes foi a sede para o XV Encontro Nacional de Congregações que Trabalham com Jovens, promovido pela Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) nos dias 17, 18 e 19 de setembro. Cerca de 140 religiosos e religiosas de todos os estados brasileiros e de diversas congregações refletiram, nesses três dias, sobre o tema “Como discípulos(as) e missionários(as) vamos discernir nossa presença junto às juventudes” e o lema “Jesus se aproximou e começou a caminhar com eles”. As diversas inspetorias dos Salesianos de Dom Bosco e das Filhas de Maria Auxiliadora estiveram representadas no encontro, ressaltando o compromisso dos salesianos e salesianas com a educação e a evangelização da juventude. O encontro faz parte de um grande projeto comum, como Igreja do Brasil, inserido na proposta feita pela Conferência dos Bispos

da América Latina (Celam) para os anos de 2008 a 2011 e que percorre o itinerário do Encantar (2008), Escutar (2009), Discernir (2010) e Converter (2011). Frei Rubens Nunes, ofm, assessor nacional de Juventudes pela CRB, fez a memória dos passos dados até então e enfatizou o tema de discussão deste ano, levando os participantes do encontro ao discernimento a partir das diversas realidades juvenis nas quais estão inseridos. Padre Carlos Sávio, assessor nacional do Setor Juventude da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) apresentou os elementos constitutivos do Setor Juventude, destacou o trabalho que vem sendo realizado no Brasil e ressaltou a importância de aprofundar os estudos sobre o documento 85 da CNBB, que trata de juventude. Padre Carlos também expôs o esboço do projeto de preparação da Jornada Mundial da Juventude de 2015, que será realizada no Brasil. Na ocasião foi ainda partilhada a experiência feita no III Congresso Latino-Americano de Jovens, realizado na Venezuela, de modo que todos os participantes puderam sentir de perto como foi o congresso e as diretrizes apontadas por ele. Fontes: Acontecendo e Nordeste Hoje - padre Gilberto Antonio da Silva

Celebração durante o XV Encontro de Congregações que Trabalham com Jovens

BOLETIM SALESIANO

9


Comunicação

Caminhar junto com a geração internet Uma nova geração está mudando o modo de se relacionar e de viver, usando para isso as novas tecnologias digitais, as redes sociais e o universo virtual.

E

les são os nativos da internet. Vivem em um ambiente digital no qual as novas tecnologias são como o ar que respiram. Dia e noite, estão em um universo virtual onde se encontram para conversar por meio da internet, dos celulares, do MSN. A geração internet está mudando e amadurecendo. Ela está influenciando o modo de agir dos pais, transformando a educação nas escolas e o relacionamento nas empresas, e se envolvendo em um novo compromisso social e político. Essa geração está crescendo e cada vez mais apresenta desafios

10

BOLETIM SALESIANO

para os pais e educadores: como compreender, dialogar e caminhar com a geração internet? De acordo com a mais recente pesquisa realizada no Brasil pelo Ibope/Nielsen, o país tinha até final de 2009 o total de 67,5 milhões internautas, ocupando o quinto lugar no ranking mundial. Atualmente, o país é líder mundial de acessos à internet, com 48 horas e 26 minutos mensais, superando até os Estados Unidos. O uso do microblog, o twiter, entre os brasileiros, é de 15%, colocando o Brasil mais uma vez na frente dos Estados Unidos

Fotos: SXC

Gildasio Mendes

(10,69%). Em relação aos acessos às redes sociais, nosso país está em quinto lugar, com um salto de crescimento em número de usuários de 23 milhões e 966 mil, em 2009, para 35 milhões e 221mil, em 2010. Para muitos, termos como “Geração Y” e “Geração Z” são novos. Eles fazem parte de uma grande mudança cultural pela qual as sociedades estão passando neste momento da história. Estes novos tempos têm sido profundamente influenciados pela chamada cultura midiática, um conceito que está relacionado com a ideia de que as pessoas, por meio das novas mídias, criam outros tipos de relacionamento, estabelecem novos meios de produção e de acesso ao conhecimento e constroem redes de interatividade para promover mudanças socioculturais na sociedade em geral. As gerações Y e Z sãos os filhos nativos e imersos na cultura midiática.


Geração Y, Geração Z – Embora a definição e a caracterização de uma geração sejam difíceis de determinar com exatidão, alguns estudiosos do fenômeno da comunica-

ção sugerem que a cultura midiática é uma realidade marcante no mundo globalizado. E dentre os fatores de maior incidência na mudança de comportamento e de atitudes das

novas gerações estão, sem dúvida, a internet, o celular e o vídeogame. Segundo estudos recentes do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), com o uso contínuo do computador e a imersão nos ambientes virtuais, a “geração internet” pode estar expandindo suas capacidades mentais, sugerindo que o cérebro dessa geração processa informações diferentemente da geração que cresceu escutando rádio e vendo televisão. Esses estudos ainda são embrionários, mas apresentam algumas evidências de que a internet tem um efeito psicológico e social profundo. A Geração Y foi a primeira a vivenciar essas transformações. O estudioso Tapscott denomina de Geração Y, ou Geração Internet, às pessoas nascidas de 1977 a 1990. Entre as características relacionadas a essa geração e ao modo como se comunica percebe-se que esta deixa de ser o receptor passivo de um programa de televisão para acessar um universo incontrolável

Compreender e dialogar com as novas gerações Como educar os filhos e filhas da internet? Como falar de valores cristãos e estabelecer novas relações e atitudes para as Gerações Y e Z? Sugiro algumas orientações aos pais e educadores: • Favorecer o relacionamento e interatividade. A interatividade que eles aprendem nos vídeogames, nas conversas online, é um convite para o educador entrar no processo de diálogo; um convite para interagir e se relacionar. • Reconciliar o Evangelho com a cultura midiática. Saber inculturar o Evangelho no tecido e no coração da comunicação, da linguagem e da interatividade da cultura midiática. • Comunicar os valores intangíveis. Estabelecer um diálogo que os leve a abrirem-se para as expressões inter-subjetivas, à capacidade de redescobrirem as dimensões imaginárias da vida individual e coleti-

va e a busca dos valores intangíveis (o amor, o perdão, a solidariedade e a felicidade). • Reinventar os apelos para o compromisso social. Saber despertar, dentro do cenário da cultura midiática, o compromisso com o coletivo e com a solidariedade. • Promover os valores percebidos e a experiência vital. Favorecer experiências artísticas, sociais, celebrativas, que levem à experiência e fortaleçam o senso de pertença e relacionamento autêntico e realizador. • Confirmar, reconhecer e valorizar experiências. Saber confirmar as experiências das pessoas (na vida de oração, no trabalho profissional, nos trabalhos pastorais, na vivência do amor, na família). • Celebrar o mistério. Propor a Pessoa de Jesus Cristo e seu projeto de amor com novas linguagens e favorecer a experiência do Cristo Ressuscitado no campo individual e em grupos.

BOLETIM SALESIANO

11


Parabólica: espaço aberto para a juventude Na Inspetoria Salesiana de Manaus, AM, os pré-noviços têm aulas de Introdução à Comunicação Social. Sob a orientação de padre Bené Castro, os jovens salesianos foram além do estudo de uma disciplina escolar, e colocaram em prática o que aprenderam sobre a importância da comunicação e das novas mídias para o trabalho com a juventude. Foi assim que nasceu a “Parabólica” uma página na internet organizada e atualizada pelos próprios pré-noviços. Além de informar sobre eventos e acontecimentos da comunidade salesiana, o objetivo fundamental é abrir espaço para a discussão de temas relacionados à juventude. Educação, política, vocação e pastoral juvenil são alguns dos assuntos debatidos na “Parabólica”, em um exemplo de ação educativa e evangelizadora nos “novos pátios” formados pelas mídias digitais. A iniciativa recebeu os cumprimentos de padre Filiberto González, conselheiro-geral dos Salesianos de dom Bosco para a Comunicação Social. “Por uma parte, os felicitei e animei a seguirem firmes nos novos pátios digitais, tornando realidade o sistema preventivo e o acompanhamento dos jovens que ali se conhecem, criam suas comunidades, vivem com um estilo próprio e se divertem; por outra, convidei-os a serem testemunhas do chamado que Deus os fez à vida salesiana”, afirmou padre Filiberto. Para conhecer a Parabólica, o endereço é: <http://parabolica2010.wordpress.com>

12

BOLETIM SALESIANO

de portais na internet. Passa do uso da linguagem formal e linear para a linguagem do hiperlink. Deixa de ler os jornais impressos para navegar nos sites e comparar notícias, criar, remodelar, montar, editar, socializar em rede. Essa é uma geração que tem dificuldade de pensar e agir de modo lógico, que desenvolve ideias e pensamentos com pouca profundidade e que age com certa ambiguidade. Isso porque vive imersa em um grande universo de informações. Mas é também uma geração que está preocupada com o planeta e com o sentido de tolerância religiosa e ética, que cria grupos de interesse e que se compromete com causas sociais e planetárias. É uma geração que prima pela competência, pelos resultados, pela busca de qualidade de vida e pelo respeito às diferenças. Definida como a geração das grandes mudanças de comportamento cultural e social, a Geração Z compreende os nascidos desde 1998 até o presente. Com pais e mães que nasceram na Era da Internet, encontram agora algo mais

avançado: o You-Tube e as redes sociais, como Orkut e Facebook. Os membros da Geração Z querem ser autores, interagem, perguntam, respondem, querem dar opinião sobre tudo. Tapscott, na pesquisa que fez com dez mil jovens sobre a nova geração digital, classificou a Geração Z como aquela cujos membros querem liberdade em tudo o que fazem. Quem souber dialogar com as gerações Y e Z vai compreender seu futuro. Quem entender o seu futuro, vai acreditar nessas novas gerações. É verdade que estas gerações enfrentam grandes desafios, entre os quais a segurança e a privacidade online. Mas as grandes mudanças do futuro também estão nas mãos das gerações Y e Z. Dom Bosco, apaixonado pelos jovens, com certeza estaria no grupo daqueles que creem no potencial e no dinamismo das novas gerações. Educar é acreditar e caminhar com eles! Padre Gildásio Mendes, SDB, é da Missão Salesiana de Mato Grosso. É autor, entre outros, de A realidade do virtual e As virtudes e os vícios da internet, livros que abordam a influência do computador e da internet nos processos cognitivos.


E

ducomunicação

Polos realizam encontros Os polos de Belo Horizonte, São Paulo, Manaus, Campo Grande e Nordeste já receberam o evento; o próximo encontro, em 2011, será em Porto Alegre. Encontro realizado em Recife

C

om base na premissa de que Educação e Comunicação devem caminhar juntas, a Rede Salesiana de Escolas (RSE) busca implantar e fortalecer a cultura da educomunicação em suas unidades. Para dar suporte a esse desafio, estão sendo promovidos encontros com educadores de todo o Brasil. Os polos de Belo Horizonte, São Paulo, Manaus, Campo Grande e Recife já receberam o evento, cujo tema é “Ressignificando a educomunicação na proposta educativa

salesiana”. No Polo Porto Alegre, o encontro está marcado para 2011. No Polo Campo Grande, o projeto foi realizado nos dias 6 e 7 de agosto, no Instituto Missionário São José, na capital sul-mato-grossense. O curso foi ministrado pela irmã Maria Helena Moreira, diretora de Comunicação da RSE. Participaram educadores do Colégio Coração de Jesus de Cuiabá, MT, do Instituto Madre Marta Cerrutti de Barra do Garças, MT, do Centro de Ensino Imaculada Conceição de Corumbá,

Em um minuto os sonhos dos jovens Após o sucesso da campanha “Meu S é assim”, os jovens da Rede Salesiana de Escolas foram convidados a contar os próprios sonhos em vídeos de até um minuto. Os alunos matriculados nos colégios da Rede foram desafiados a contar o que sonham para si ou para o planeta. Entre as regras do concurso, está que cada produção deve, obrigatoriamente, ser acompanhada por um educador salesiano. A paz mundial foi um dos assuntos mais destacados pelos jovens. Os prêmios são destinados a três categorias: vídeo mais assistido, conforme contagem do Youtube; melhor roteiro e melhor criação. Os alunos e educadores responsáveis pelas produções vencedoras ganham um netbook. A iniciativa é parte do projeto de divulgação da RSE e um incentivo à Educomunicação nas escolas. Fonte: ANS

MS e do Centro Educacional Nossa Senhora Auxiliadora de Lins, SP. Na capital pernambucana, o encontro realizado nos dias 13 e 14 de agosto reuniu 103 diretores, coordenadores pedagógicos e gestores de comunicação de colégios salesianos do Nordeste. O evento também foi assessorado pela irmã Maria Helena Moreira, que destacou a importância da educomunicação nas escolas. De acordo com irmã Maria Helena, os ecossistemas comunicacionais são desafios para a escola salesiana em vista de um novo sujeito, com nova concepção de espaço, tempo e ação integradora dentro do projeto educativo da RSE. “Isso implica a reorganização dos saberes, fluxos comunicativos de informação, das redes de intercâmbio, dos novos modos de ação cidadã em busca da descentralização das vozes e interação”, explicou. A educomunicação enfoca campos como a educação para a comunicação, mediação tecnológica, expressão comunicativa pelas artes, comunicação para o exercício da cidadania e gestão da comunicação nos espaços educativos. BOLETIM SALESIANO

13


E

ntrevista

Formação e informação de qualidade Desde 1999, a TV Educar leva os valores educacionais salesianos aos jovens de Minas Gerais. Agora, a emissora entra em nova fase e, com transmissão também pela internet, amplia suas possibilidades.

A

televisão é uma das mais poderosas ferramentas de informação e de formação de opinião pública existentes na sociedade atual. Nas últimas décadas, além das emissoras comerciais, o Brasil ampliou a rede das chamadas TVs educativas. Com elas, os telespectadores têm acesso a uma programação diferenciada, como a que é transmitida pela TV Educar, em Ponte Nova, MG. A emissora está em funcionamento desde 1999, tornando-se referência na região do Vale do Rio Piranga. Desde 14 de janeiro de 2010, a TV Educar passou a ser gerida pela Conferência das Inspetorias dos Salesianos de Dom Bosco do Brasil (Cisbrasil) e é dirigida por uma equipe formada pelo presidente da Fundação Dom Bosco de Comunicação – TV Educar, o padre salesiano Nivaldo Luiz Pessinatti; pelo gerente administrativo Ronaldo Fernandes Salomé; e pelo diretor executivo Cledson Martas Rodrigues. Em entrevista ao Boletim Salesiano, Cledson Rodrigues fala sobre a importância da TV Educar, a nova fase vivida pela emissora e os projetos previstos para 2011.

14

BOLETIM SALESIANO

O programa GQN, gerado pela TV Educar

Boletim Salesiano – O que di­ ferencia a TV Educar das grandes emissoras? Qual é, em sua opi­ nião, a importância das emissoras de TV educativas e da TV Educar em especial? Cledson Rodrigues – Vários fatores diferenciam a TV Educar das “grandes emissoras”. Um deles é que a TV Educar faz parte de outorga de TV Educativa que, a princípio, não visa o lucro, e sim os valores culturais. Em 1950, a televisão comercial fez sua estreia

no Brasil. Pouco tempo depois, em 1967, a Lei de nº 5.198 autorizou o Poder Executivo a criar, sob a forma de fundação, o Centro Brasileiro de TV Educativa. A importância das TVs educativas está na valorização e divulgação do conhecimento, da cultura e, especialmente, das atividades locais em consonância com a realidade mundial. Ajudar na democratização do saber e do conhecimento; integrar as novas tecnologias ao processo de ensino e aprendizagem; proporcio-


nar aos cidadãos e, principalmente aos jovens, formação crítica e a informação de qualidade são alguns dos objetivos das TVs educativas. E pode-se dizer que a TV Educar cumpre bem esse papel. BS - A TV Educar é hoje emisso­ ra de programação própria. O que é enfatizado, em termos de conteú­ do, na programação gerada pela TV Educar? Cledson Rodrigues – Quando começou, em 1999, a TV Educar era uma repetidora, ou seja, ela tinha um espaço limitado para produzir programação. O restante do espaço era destinado à retransmissão de programas de outra emissora educativa. A partir de 2005, a TV Educar deixou de ser repetidora e passou a ser geradora. Neste novo formato, com permissão do Ministério das Comunicações, podemos gerar programação de interesse da própria emissora. Os conteúdos, que são produzidos de acordo com os princípios da TV, são pautados em temas que abordam educação,

A importância das TVs educativas está na valorização do conhecimento, da cultura e das atividades locais

cultura e lazer. Ao falar dos princípios da TV Educar, me refiro aos princípios norteadores de sua filosofia: a geração de conhecimento, a transparência e o incentivo da ética, além da integridade e da valorização da pessoa, respeitando sua origem e seus costumes. Dessa maneira, garante-se uma programação diferenciada das demais geradoras. BS – A TV Educar iniciou em janeiro de 2010 uma nova fase, passando a ser gerida pela Confe­ rência das Inspetorias dos Salesia­ nos de Dom Bosco no Brasil (Cis­

brasil). Qual é a importância dessa mudança? E quais são os projetos para o futuro próximo? Cledson Rodrigues – O Ministério das Comunicações liberou a outorga de concessão do uso da TV educativa para a Inspetoria São João Bosco, que iniciou esse trabalho em 1999. Em um período de dez anos, a ISJB implantou o sinal na cidade de Ponte Nova, MG, por meio de muitos investimentos, negociações e trabalho de divulgação na cidade. E agora, neste segundo decênio, a Cisbrasil veio somar forças a esse trabalho. Com a nova gerência, há vários fatores positivos, entre eles o reconhecimento e visibilidade dessa emissora em âmbito nacional para toda a Família Salesiana e a possibilidade de coprodução de conteúdos vindos de todos os lugares do país. O que podemos dizer sobre os projetos e planos para o futuro é que pretendemos concretizar a TV na região e envolver a Família Salesiana e outras instituições que acreditam no valor da educação para, juntos, somarmos forças nesse trabalho. É importante ressaltar que a TV Educar segue os princípios salesianos de educação e que abre suas portas para a modernidade, integrando esse importante veículo a outras mídias, como a internet.

Assista à TV Educar

Comemoração dos primeiros cinco anos da TV Educar

A TV Educar está localizada no Vale do Rio Piranga, em Minas Gerais, e o seu sinal abrange outras onze cidades da região. Além da TV comum, pode ser assistida ao vivo pela webtv: <www.tveducar.com.br>

BOLETIM SALESIANO

15


issões

Rafael Belletti

M

O olhar missionário dos jovens salesianos Três jovens voluntários de São Paulo se prepararam durante todo o ano. O objetivo: partir em missão para Angola em 15 de fevereiro de 2011. Ana Paula S. Santana

M

esmo estando longe, sinto Angola perto de mim. Foi com esta frase que o coordenador de pastoral do Colégio São José de Campinas, Rafael Duarte Belletti, 37, definiu a experiência que viveu no período de agosto de 2005 a outubro de 2006 em solo africano. 16

BOLETIM SALESIANO

Rafael esteve pela primeira vez em Angola, por um mês, em janeiro de 2003, com uma expedição promovida pela Inspetoria de São Paulo. A experiência vivida ali fez crescer o sentimento de ajudar aquele povo, desejo que carrega desde 14 anos de idade. Quando

voltou a Angola, desta vez para um ano de voluntariado, Rafael foi trabalhar na escola Dom Bosco, no bairro da Lixeira, periferia de Luanda. A escola atende 4 mil alunos nos três períodos, e o missionário ficou responsável pela pastoral escolar, além de acompanhar o grupo de animadores que promovia os oratórios na comunidade e os núcleos de um projeto esportivo. “Esse povo possui muita sede de conhecimento e quer recuperar o tempo perdido. Aprendi com eles a erguer a cabeça depois de uma queda ou de uma frustração”, revela Belletti em relação aos angolanos, que sofrem com a marca de décadas vividas em meio a uma guerra civil no país. Rafael afirma ainda


O paulista Lucas dos Santos, 27, vive hoje a maior experiência de sua vida ao lado dos mais necessitados em Angola, depois uma caminhada missionária de 12 anos. Primeiro diretor leigo de uma obra salesiana naquele país, seu trabalho consiste em coordenar uma fazenda-internato para 112 meninos, vítimas da guerra, e crianças em situa­ ção de vulnerabilidade social que antes perambulavam pelas ruas. “Este trabalho vem me lapidando e transformando em uma pessoa melhor e mais preo­ cupada com o bem comum. Dou mais valor à minha vida e à família, além de me sentir mais próximo de Deus”, afirma Lucas. A obra fica no bairro de Mazozo, na Província Bengo. Oferece alfabetização e cursos profissionalizantes (marcenaria, construção civil, eletricidade, agricultura, serralheria, panificação e informática), além de atender as crianças das aldeias próximas com escolas de base e oratórios festivos nos finais de semana.

que aprendeu a ser ousado com poucos recursos e a se apoiar mais nas pessoas do que nas estruturas. Hoje Belletti continua seu trabalho no Brasil com a pastoral escolar e a assessoria dos grupos da Articulação da Juventude Salesiana (AJS). “Tenho a alegria de dar apoio aos candidatos ao voluntariado e espero que mais jovens sintam o chamado de Deus para doarem

O caminho para as missões – Atualmente o Voluntariado Missionário Salesiano de São Paulo, coordenado por padre Antonio Ramos do Prado (padre Toninho), apresenta números consideráveis. Entre os adolescentes de 14 a 16 anos há 500 voluntários; no grupo jovem que vai de 17 a 29 anos, outros 200 voluntários. Os salesianos que acompanham esses grupos somam 30 e há mais 20 assessores leigos. Em julho deste ano, 500 jovens de 14 a 17 anos pertencentes a obras dos Salesianos de Dom Bosco (SDB) e outros 200 ligados às presenças das Filhas de Maria Auxiliadora (FMA) no estado partiram em missão junto a comunidades carentes em diversas dioceses no interior de São Paulo. Três jovens estão em preparação para serem missionários em Angola e outros seis partirão para a região

da Amazônia, para um ano de voluntariado. “O jovem hoje é sedento de solidariedade, o que tem faltado é descobrir essa beleza no coração dos jovens. A educação salesiana tem de ser interativa para tornar a missão uma realidade”, afirma padre Toninho. Ele explica que o jovem

“Esse povo possui muita sede de conhecimento. Aprendi com eles a erguer a cabeça depois de uma queda ou de uma frustação interessado em ser um voluntário missionário em outro país precisa concluir o Ensino Superior e ter de três a cinco anos, no mínimo, de voluntariado missionário dentro do Brasil.

Arquivo ISSP

Exemplo missionário

de dois a três anos de seu trabalho junto à juventude angolana, sendo sal, luz e instrumentos nas mãos de Deus”, finaliza ele.

Equipe de formação e jovens voluntários que se preparam para a missão em Angola

BOLETIM SALESIANO

17


Projeto de vida – Alexandre Garcia Aguado, de 25 anos; Larissa Cristina Ribeiro, 24; e Talita Bueno Salati, 23, são os três voluntários que devem partir para Angola em fevereiro de 2011. “A missão salesiana envolve as duas coisas que mais gosto e pelas quais me apaixono todos os dias: a psicologia e o trabalho de evangelização”, afirma Talita. A jovem, que estudou no

Um dos últimos países africanos a conquistar a independência de Portugal, em 1975, Angola mergulhou logo em seguida em uma guerra civil que durou até 2002. Durante o conflito, milhares de pessoas morreram e outras tantas foram mutiladas – entre as vítimas, estava um grande número de crianças e jovens. As consequências da guerra civil ainda hoje se fazem sentir no país, em especial na educação, na saúde e na pobreza em que vive o povo angolano. O atual governo de Angola apoia as forças sociais presentes do país e assina protocolos de entendimento com a Igreja Católica e com outras Igrejas. Graças a esse entendimento as escolas salesianas são gratuitas e podem ser frequentadas também pelos mais pobres. “Todos os anos entram para as escolas salesianas 11.500 alunos; e são 4.000 os que se inscrevem nos centros de formação profissional”, conta padre Martin Lassart, salesiano de origem uruguaia que chegou a Angola em 1990. Desde 2008, padre Lassart vive em Luanda, onde coordena as atividades de pastoral e de voluntariado.

18

BOLETIM SALESIANO

Rafael Belletti

Retratos de Angola

Jovem angolano com a bandeira do país: esperança no futuro

Colégio Dom Bosco de Americana, SP, desde pequena, sempre esteve à frente dos grupos pastorais dos primeiros anos escolares até o Ensino Médio. Hoje, ela divide seu tempo entre a preparação da viagem a Angola e a conclusão da Faculdade de Psicologia na Universidade Federal de São Carlos. Responsável, desde 2009, pela coordenação do Grupo de Ação Missionária (GAM) de sua cidade, Talita acredita que, no trabalho missionário, quem mais aprende

é o próprio voluntário. “Quando o voluntário retorna a sua terra de origem, traz um sentimento que só ele pode compreender. Algo que acredito ser a mais bela tradução do amor de Deus e das maravilhas que ele faz em nós. O povo angolano pode esperar o melhor de mim e uma missionária bastante empolgada em realizar o seu trabalho, conhecer a comunidade e viver essa experiência a fundo, porque o trabalho missionário representa o meu projeto de vida”, conclui.


Página do Leitor

Ex-alunos salesianos de Goiânia mantêm centro juvenil Eurico Barbosa

Centro Juvenil São Domingos Sávio

M

eus tempos de Ateneu Dom Bosco, em Goiás, foram os anos de 1951 e 1952. Segunda e terceira séries do Curso Científico – ou Colegial – correspondentes às do Ensino Médio de hoje. Padre Cricco era o diretor. Padre Nelson – que, antes, servira em Niterói – conselheiro, administrador ou função equivalente. Padre Zezinho De La Mutta, queridíssimo obreiro de cujo cargo a denominação não me ocorre e que exerceu o apostolado até sua morte há poucos anos. Professores Luiz Faria, Waldir Luiz Costa (que eloquência e sabedoria!), José Gonçalves Zuza, Carlos Campos. O diretor lecionava Filosofia. Havia o grêmio estudantil, denominado Auriverde, nome também do seu jornal. Era eu o secretário e orador. Grandes craques do futebol goiano, como alunos, formaram-se no time do colégio. Eudes e Tomazinho, da seleção do Estado (naquele tempo havia o Campeonato Brasileiro disputado por representações estaduais), eram os principais, mas havia outros de qualidade. Os que têm saudades costumam falar “bons tempos aqueles”. É assim que me refiro sempre àqueles anos de Ateneu. Eu, que felizmente, mercê de Deus, vim a ter feliz e longa trajetória profissional (jornalismo e advocacia) e na vida pública, tenho o Ateneu Dom Bosco entre as melhores lembranças. Ótima pedagogia. Disciplina salutar. Grandes

Mais de 70 crianças são atendidas na obra social

valores morais e intelectuais de seus dirigentes e professores. Desde 1964, tem existência legal e atuação eficiente a Associação de Ex-Alunos Salesianos em Goiânia, com sede no Colégio Ateneu Dom Bosco. A entidade promove encontros de ex-alunos e fomenta numerosas ações solidárias de grande alcance social em favor da cidade de Aparecida de Goiânia (hoje com mais de 300 mil habitantes) e localidades vizinhas, por meio do Centro Juvenil São Domingos Sávio. Tem ela, a Associação, envidado todos os esforços – com obtenção de êxito, felizmente – pela promoção de encontros anuais de ex-alunos. Em todo último final de semana do mês de setembro esses encontros se concretizam. Realizam-se também festas anuais de Páscoa. Bem como uma Assembleia Geral. Na Associação de Ex-Alunos Salesianos (que são “as pessoas, de

ambos os sexos, que receberam uma preparação para a vida segundo o sistema preventivo de Dom Bosco por terem frequentado uma obra salesiana”) se busca agregar a estes as organizações de Amigos de Dom Bosco (“pessoas que participam das ações solidárias da associação”) e outros grupos da Família Salesiana. A grande meta atual da associação é a construção da sede do Centro Juvenil. Tal obra já tem um projeto aprovado pela Prefeitura e sua realização viabilizará e dimensionará o atendimento às necessidades das 77 crianças assistidas pelo Centro Juvenil São Domingos Sávio. Eurico Barbosa, ex-aluno do Ateneu Dom Bosco, foi vereador e deputado estadual em Goiás por quatro mandatos, presidente da Associação dos Cronistas Esportivos do Estado, conselheiro vitalício do Tribunal de Contas do Estado e é membro da Academia Goiana de Letras

BOLETIM SALESIANO

19


Salesianidade

Quatro séculos de Espiritualidade Salesiana Em 2010, celebramos os 400 anos de fundação da Ordem da Visitação de Santa Maria, que teve grande influência para o surgimento de novas congregações religiosas masculinas e femininas que seguem o espírito do Bispo de Genebra, São Francisco de Sales. Tarcizio Paulo Odelli

N

ós, filhos e filhas de Dom Bosco, fazemos parte da Família Salesiana que congrega no momento 28 grupos oficialmente reconhecidos, com um total de 402.500 membros. Mas poderíamos dizer que esta é apenas a “Família Salesiana de Dom Bosco”, porque existe a Família Salesiana maior. Uma família que congrega, desde seus inícios em 1610, a Ordem da Visitação de Santa Maria, também conhecida como congregação das “Salesianas” ou “Visitandinas”; os Missionários de São Francisco de Sales (1838), os Oblatos de São Francisco de Sales (fundados na França de 1875 pelo padre Luis Brisson), e ainda as Irmãs de São José, as Irmãs da Caridade de Santa Joana Thouret, os Filhos de São Francisco de Sales, os Confrades de São Francisco de Sales, os Sacerdotes de São Francisco de Sales. A história da Ordem da Visitação começa no dia 6 de junho de 1610, quando a Baronesa de Chantal, Joa­ na Francisca Fremyot, a senhorita Jeanne-Charlotte de Bréchard e Jaqueline

20

BOLETIM SALESIANO

Favre foram pedir a bênção a Francisco de Sales, que disse estas memoráveis palavras: “Deveis considerar-vos felizes, vós, a quem Deus salvou; tende muito e muito humilde ânimo; Deus será vosso Deus e com sua divina fortaleza caminhareis vitoriosas sobre o pescoço dos vossos inimigos”. Em seguida entregou à baronesa um resumo de suas Constituições dizendo: “Segui este caminho, minha queridíssima

filha, e fazei com que todas aquelas que o Céu destinou a seguirem vossas pegadas, as sigam” (conforme Chaugy, em Chantal, 137-138). O processo de fundação da Visitação demorou longos seis anos. Francisco de Sales queria ter certeza de estar fazendo a vontade de Deus. Ao longo destes anos foi preparando Joana de Chantal por meio da direção espiritual e de cartas que escrevia a ela. Fundando a Visitação de Santa Maria, Francisco fazia muito mais do que juntar uma nova congregação às ordens já existentes. Realizava um novo tipo de vida consagrada. Para ele, “não há vantagem nas grandes austeridades e macerações, nem na observância mais severa, nem mesmo a alta contemplação, nem nos êxtases extraordinários, porém apenas o amor de Jesus Cristo”. A Visitação no fundo é para Francisco de Sales o verdadeiro mosteiro reformado: “Todo o exterior da vida religiosa nada é se o coração humano não estiver repleto do amor de Jesus Cristo”. Neste aspecto ele é um inovador, pois a nova


congregação tinha também vida ativa, o que era uma novidade para a época. As irmãs atendiam os doentes e pobres da cidade de Annecy, que era a sede do Bispado de Genebra. Isso não foi bem entendido e ao fundar a segunda casa, na cidade de Lyon, o arcebispo local obrigou as irmãs a se recolherem no convento. Para não “brigar” com o colega, Francisco cedeu às determinações da Igreja e assim sua congregação passou a ser uma “Ordem”. A Ordem se espalhou rapidamente pelo mundo e hoje tem cerca de três mil irmãs em 168 mosteiros. No Brasil elas têm mosteiros em São Paulo e em Barbacena, MG. “No centro da nossa espiritualidade está o Mistério da Visitação de Maria a Santa Isabel e a devoção, honra, adoração e reparação ao Sagrado Coração de Jesus. Participamos da missão da Santa Igreja na evangelização do mundo e na salvação das almas, através da nossa oração, oferta e sacrifícios, na vivência comunitária e caridade com o próximo”, diz Irmã Maria Clara Cuervo C., superiora do Mosteiro de São Paulo. Dom Bosco e a Ordem da Vi– Em 1877, São Francisco de Sales foi proclamado Doutor da Igreja. As Irmãs Visitandinas de Annecy desejavam construir um belo santuário para colocar ali os restos mortais de seu fundador, que até o momento estavam na capela do mosteiro. Os trabalhos iniciaram-se em 1878. Um ano depois os recursos estavam exauridos e havia necessidade ainda de prover a decoração interna. Em maio de 1879, Dom Bosco recebeu uma carta da madre

sitação

Santa Joana de Chantal Santa Joana Francisca Frémyot nasceu em Dijon, França, em 23 de janeiro de 1572, nove anos depois do Concílio de Trento. Desta forma, foi destinada a ser uma das grandes santas que passou a defender o Senhor, e renovar a Igreja depois do caos provocado pela divisão dos protestantes. Sua mãe morreu quando ela tinha apenas 18 meses de vida. Seu pai, um distinto homem de muita personalidade e fé, a influenciou muito na sua infância. Aos 21 anos casou-se com o Barão Christophe Rabutin-Chantal. Desta união nasceram seis filhos. Dois deles morreram na primeira infância. Após sete anos, seu marido morreu em um acidente. Em 1604, durante uma visita a seu pai, ela se encontrou com São Francisco de Sales. Assim iniciou um novo capítulo na sua vida. Sob a brilhante direção espiritual de São Francisco de Sales, cresceram em Santa Joana a sabedoria espiritual e a verdadeira santidade. Trabalhando juntos, eles fundaram a Ordem da Visitação de Annecy, em 1610. Entregou sua alma a Deus em Moulins, a 13 de dezembro de 1641. Foi beatificada por Bento XIV em 13 de novembro de 1751 e canonizada por Clemente XIII em 16 julho de 1767. À data de sua morte, a Congregação já contava com 87 conventos e, no primeiro século de existência, com 6.500 religiosas.

priora Maria Luisa Bartolezzi, na qual ela exprimia o desejo de ver o nome de Dom Bosco legado a uma pedra da nova igreja. Na carta que escreveu para a priora, Dom Bosco dizia: “O desejo do meu coração seria que a nossa Congregação, colocada sob a proteção do amável Doutor, tivesse, neste santuário um altar para testemunhar nossa devoção. Temo, porém, que a tanto não me bastem as forças. Tenho absoluta necessidade de saber primeiro se há ainda um altar disponível e qual a soma da despesa. Se eu a encontrasse proporcional aos meus meios, com muita vontade a assumirei”.Conten-

te com a generosa oferta, a madre priora notificou sem demora que dois altares não tinham até aquele momento encontrado benfeitores: o altar do Sagrado Coração de Jesus e o da Beata Virgem... E assim na capela do Sagrado Coração, no Santuário de São Francisco em Annecy, lia-se: “A Congregação Salesiana com a ajuda do nobilíssimo Feliciano Ricci des Ferres decorou esta capela”. Esta Igreja hoje não existe mais. Foi demolida pelo município, em 1910. Padre Tarcizio Paulo Odelli, SDB, é responsável pela área de Comunicação na Inspetoria Salesiana São Pio X (Porto Alegre, RS).

BOLETIM SALESIANO

21


O Evangelho aos jovens

A aparente derrota Pe. Pascual Chávez Villanueva Reitor-mor dos Salesianos

“A morte é a companheira do amor, aquela que abre a porta e permite chegar Àquele que se ama” (S. Agostinho). Paixão e Morte de Jesus – unidas à sua Ressurreição – constituem o centro da fé cristã, o mistério pascal. Historicamente acertado, porque está presente em todos os evangelhos e nos demais livros do Novo Testamento. Afirma o filósofo não crente, Ernst Bloch, que “o nascimento numa gruta e a morte numa cruz não são coisas que se inventam”: a ninguém agradaria atribuir algo do gênero ao Fundador da própria religião, se não se tratasse de uma realidade autêntica. A questão, porém, que nós cristãos nos colocamos há vinte séculos é sempre a mesma: “Por que o Filho de Deus morreu na cruz?”. A revelação bíblica oferece uma resposta que, à primeira vista, pode parecer incômoda e até mesmo desconcertante. Antes de tudo, sublinha-se a sua necessidade: “Era necessário” (ἔδει) que o Cristo sofresse. A forma verbal grega aparece em muitíssimos textos do Novo 22

BOLETIM SALESIANO

Testamento que falam da morte de Jesus (Mc 8,31; Mt 16,21; Lc 9,22). Tal necessidade, que reflete uma convicção da Igreja primitiva, aparece tanto nas narrações evangélicas (Lc 17,25; Lc 22,37; Jo 3,14), quanto na ‘releitura pascal’ da morte do Senhor, cuja expressão mais breve aparece nas palavras do companheiro desconhecido dos discípulos de Emaús: “Não era necessário que o Cristo sofresse tudo isso para entrar na sua glória?” (Lc 24,26). À primeira vista, este tema parece contrastar com a imagem

que temos de um Deus onipotente; mais ainda, porém, se o considerarmos o Deus/Amor: não pôde “poupar” ao seu Filho essa humilhação, esse sofrimento? Podemos falar de três níveis – Um nível, por assim dizer, universal: era necessário que Jesus morresse, para assumir plenamente a condição humana; caso contrário, a sua encarnação poderia parecer inautêntica: “Como os filhos têm em comum a carne e o sangue, também Jesus participou da mesa condição” (Hb 2,14). Entretanto, nem todos os seres humanos morrem assassinados numa cruz; por isso, essa “necessidade universal” não esgota toda a profundidade da perspectiva bíblica. É preciso falar de um segundo “nível”, que poderíamos chamar de particular: Jesus rodeia-se apenas de um pequeno grupo de homens e mulheres que deram a vida por uma causa, permanecendo coerentes até a morte que, segundo os critérios do egoísmo humano, foi necessária em relação a eles. São pessoas de proveniências e mentalidades muito diferentes, mas unidas por essa coerência radical. Um texto bíblico reflete este nível: “É necessário um só


morrer pelo povo do que perecer a nação inteira” (Jo 11,49b-50). Contudo, se quisermos ser fiéis à Revelação, há indiscutivelmente um terceiro nível no qual Jesus não é acompanhado pela humanidade e nem sequer por uma elite de heróis; um nível que podemos chamar de único, no qual só encontramos Jesus que realiza a vontade do Pai. O texto evangélico mais impressionante a respeito é o do horto do Getsêmani: “Abbà/ Pai! Tudo é possível para ti; afasta de mim esse cálice! Mas seja feito não o que eu quero, porém o que tu queres” (Mc 14,36; cf. Mt 26,39.42.44; Lc 22,41-44). Recoloquemos a questão inicial: Por que foi necessário que Jesus morresse? Os textos do Novo Testamento respondem: porque é a expressão do amor do Pai, além de qualquer compreensão humana. “Deus amou tanto o mundo que deu o seu Filho unigênito” (Jo 3,16). “Se Deus... que não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como é que, com ele, não nos daria tudo?” (Rm 8, 31b-32).

Dom Bosco compreendeu perfeitamente o sentido autêntico da paixão de Jesus: foi um apaixonado de Deus e dos jovens No Anúncio Pascal, encontramos uma belíssima síntese, numa frase dirigida ao Pai: “Para resgatar o escravo, sacrificaste o teu Filho!”. E isso nos leva ao próprio núcleo do Mistério Pascal: na morte de Jesus, encontramos a revelação definitiva de um Deus que é Amor (1 Jo 4,8.16), e descobrimos que o significado autêntico da paixão de Jesus não é o sofrimento e morte, mas a paixão do amor. A ‘paixão’ de Jesus não começa na vigília da sua morte, mas abraça toda a sua vida; antes, é o motivo da sua Encarnação e, ao mesmo tempo, a razão última da sua obediência filial: o que Jesus mais quer, como Filho, é fazer a vontade do Pai.

Na morte de Jesus encontramos o amor de um Deus apaixonado. Dom Bosco compreendeu perfeitamente o sentido autêntico da paixão de Jesus: foi um apaixonado de Deus e dos jovens. Jamais encontramos nele algum sinal de um possível ascetismo “masoquista” que valoriza o sofrimento por si mesmo. Ele, porém, viveu em plenitude a paixão do amor de Deus pelos jovens, sobretudo os mais pobres, procurando fazer a vontade de Deus em toda a sua radicalidade e acolhendo todas as suas dores e os seus sofrimentos (não só físicos), consequência desta missão: até ser como uma “roupa consumida” (como o descreveu um dos médicos, ao final da sua vida). Dom Bosco fez que se tornasse realidade, em seu sentido mais autêntico, aquilo que São Paulo afirma: “Completo, na minha carne, o que falta às tribulações de Cristo em favor do seu Corpo que é a Igreja” (Cl 1,24) e nela “a porção mais delicada e preciosa” que é a juventude (cf. Constituições sdb 1); e também nos convida a compartilhar esta Paixão de Jesus, na realização da Missão Salesiana.

Salesianos recebem prêmio nacional em Moçambique

E

m 27 de setembro, o padre salesiano Manuel Leal Gomes, superior da Visitadoria Maria Auxiliadora, de Moçambique, na África, recebeu uma Menção de Honra concedida pelo Ministério da Educação em reconhecimento ao trabalho realizado pelos salesianos em favor dos jovens daquele país. O texto oficial afirma: “A República de Moçambique, através

do Ministério da Educação, reunido na cidade de Quelimane, concede a ‘Menção de Honra’ aos Salesianos presentes em Moçambique, pelo trabalho generoso, apaixonado e desinteressado que demonstraram na apresentação das propostas das escolas profissionais em Moçambique, apoiando e dando sua contribuição para a criação de um curriculum das escolas profissionais, para a re-

forma do ensino profissional e para a qualidade da instrução oferecida no país”. O texto prossegue, afirmando: “Tudo isto contribui para melhorar a autoestima, o empreendedorismo dos cidadãos e a integração dos alunos no mundo do trabalho”. O documento é assinado pelo Ministro da Educação, Zeferino Andrade de Alexandre Martins. Fonte: ANS

BOLETIM SALESIANO

23


H

istória

Museu resgata importância dos salesianos na história do Brasil Ana Cosenza

V

ocê sabia que, no início do século XX, os alunos do Liceu Coração de Jesus, tradicional escola salesiana em São Paulo, assistiam a filmes educativos e religiosos no que foi a primeira sala de cinema da capital paulista? E que o engenheiro Domingos Delpiano, que nasceu na Itália e veio para o Brasil com o primeiro grupo de salesianos a chegarem a estas terras, é considerado um dos grandes nomes da arquitetura no país? Estes são alguns exemplos, entre muitos, da influência dos salesianos no desenvolvimento cultural, social e religioso do Brasil. Uma influência que pode se tornar mais conhecida do público com o Museu de História dos Salesianos no Brasil. “A função desse museu é mostrar para a sociedade os salesianos e sua importância histórica e científica. Os salesianos têm uma ação fantástica em várias áreas, da arquitetura à educação, no cinema, em toda a parte de comunicação e música. Mas isso não é algo conhecido”, explica a doutora Dulcília Lúcia de Oliveira Silva, diretora científica do museu. A proposta de um museu que trouxesse a público a história dos salesianos já existia há tempos, a partir da iniciativa de padre Mário Quilici, responsável pelo Arquivo da Inspetoria de São Paulo. Mas

24

BOLETIM SALESIANO

foi em 2008, quando se comemoraram os 125 anos de presença salesiana no país, que o projeto pôde ser iniciado de fato. O Museu de História dos Salesianos no Brasil foi inaugurado em 14 de julho, como parte de um plano mundial de integração dos museus salesianos. Foram fundamentais o apoio recebido da entidade italiana Missioni Dom Bosco e o intercâmbio fechado com o Museu de Culturas Dom Bosco, de Campo Grande, MS, para que a nova obra contasse com uma equipe de profissionais capacitados. Acervo – O acervo é vasto: móveis, fotografias, filmes, material didático, utensílios, partituras, animais taxidermizados, paramentos religiosos. Há curiosidades, como uma vitrola movida a corda, negativos fotográficos feitos de vidro e o báculo de dom Luís Lasagna, fundador da obra salesiana no Bra-

sil. Boa parte do acervo já estava no Liceu Coração de Jesus, mas há peças que vêm de outras inspetorias salesianas. “A princípio a ideia é dividir esse acervo por áreas de atuação: os salesianos na Igreja, na Educação, nas Ciências, nas Missões etc.”, afirma Dulcília Silva. A seção de Música forma um capítulo à parte no acervo. Após o Concílio Vaticano II, a música sacra em Latim perdeu sua função religiosa. Tudo o que existia dessas partituras no Liceu e em outras casas salesianas foi encaixotado, pois não tinha mais serventia prática. Passado meio século, esse material ganha importância histórica, e uma boa parte do trabalho realizado por Fernando Binder, responsável pela seção de Música do museu, é organizar esse vasto material para que possa ser disponibilizado ao público. Além das missas, há na seção óperas, partituras de música sacra, música para orquestra, métodos de ensino de instrumentos de sopro... “Temos peças aqui que são do século XIX!”, ressalta Binder. O Museu de História dos Salesianos no Brasil funciona atualmente em uma área cedida pelo Liceu Coração de Jesus, ao lado do Santuário. O espaço será reformado em breve, para que possam ser abertas ao público exposições permanentes.


N

otícias

Foi celebrado no dia 26 de setembro, na Basílica de Maria Auxiliadora de Turim, na Itália, o mandato da 141a Expedição Missionária Salesiana: religiosos e leigos enviados a anunciar aos pobres uma alegre mensagem. As atividades tiveram início, como de costume, com o encontro no teatro de Valdocco entre o reitor-mor dos Salesianos, padre Pascual Chávez Villanueva, e os jovens que participaram do encontro de animação missionária realizado nos dias 25 e 26 se setembro no Colle Dom Bosco e em Turim. O padre Vaklav Klement, conse-

lheiro das Missões, apresentou os Salesianos, e a madre-geral das Filhas de Maria Auxiliadora, irmã Yvonne Reungoat, as oito FMA e os responsáveis das ONGs salesianas da Itália, Espanha, Polônia e República Checa. No fim da homilia, o reitor-mor fez a entrega do crucifixo missionário aos Salesianos e, juntamente com madre Reungoat, às Filhas de Maria Auxiliadora. Os Salesianos de Dom Bosco que este ano receberam o crucifixo missionário são 42 (nove a mais que em 2009). Muitos deles, 24, provêm da Ásia, e os restantes da Europa, da Amé-

rica e da África – que este ano, pela primeira, vez oferece mais missionários do que recebe. Além destes, há mais três salesianos que já partiram em missão durante 2010, dois enviados para o Haiti e um para as Ilhas Fiji. Também foram enviados em missão oito irmãs FMA e 22 voluntários e voluntárias leigos. Fonte: ANS

Ex-Alunos realizam assembleia mundial

Compromisso na educação de jovens indígenas

Arquivo BS

ANS ImageBank

Para anunciar aos pobres uma alegre mensagem

A qualidade da educação dos meninos e meninas indígenas na América Latina foi o tema do encontro “a latere” da 15a sessão do Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas, realizado em 21 de setembro no Palácio das Nações, em Genebra, na Suíça. O evento, promovido pelo Instituto Internacional Maria Auxiliadora (IMA) e pelo Voluntariado Internacional da Educação, da Mulher e do Desenvolvimento (Vides), relançou o compromisso em favor da educação dos mais necessitados próprio do carisma salesiano. O evento foi muito significativo devido à qualidade das conferências feitas, à participação de representantes de grande número de ONGs e à presença qualificada de peritos do Alto Comissariado dos Direitos Humanos, do Comitê da Infância e de representantes das Missões permanentes com sede em Genebra (entre as quais Costa Rica, Venezuela, Panamá e México). Fonte: ANS

De 29 de setembro a 3 de outubro aconteceu nas dependências do Salesianum, em Roma, Itália, a 4a Assembleia Eleitoral Mundial dos Ex-Alunos e Ex-Alunas de Dom Bosco, da qual participam mais de 200 delegados de 30 federações nacionais de todos os continentes. A assembleia abriu o centenário da Associação, cujas celebrações serão encerradas em Turim no próximo ano. Além da eleição da nova presidência mundial e da nomeação do novo presidente pelo reitor-mor dos salesianos, padre Pascual Chávez, a assembleia teve como objetivo a revisão dos Estatutos Mundiais da Associação. Grupo oficialmente pertencente à Família Salesiana, a Confederação Mundial dos Ex-Alunos e Ex-Alunas de Dom Bosco conta hoje com cerca de 100 mil filiados. Fonte: ISSP

BOLETIM SALESIANO

25


N

otícias

A “santa alegria salesiana” traduzida numa verdadeira euforia tomou conta dos quase 200 jovens de todo o Pará que estiveram juntos por 3 dias (3,4e 5 de setembro) para celebrar a caminhada da Articulação da Juventude Salesiana (AJS) neste ano de 2010. Jovens vindos da Cidade das Mangueiras, Belém, da Cidade de Ananindeua, de Castanhal e até da Terra do Sal, Salinas. O encontrão aconteceu na casa de retiro das Irmãs Preciosinas, em Ananindeua. Durante o ano todo, os grupos de jovens que compõem a AJS no Pará fizeram um caminho de estudo sobre os passos de Dom Bosco nas Memórias do Ora-

A Paróquia Salesiana Nossa Senhora Auxiliadora, localizada no Bairro do Jacarezinho, Rio de Janeiro, RJ, realizou a campanha missionária “Doe uma Bíblia usada a um irmão detento”. A iniciativa teve início em setembro, mês da Bíblia, e se estendeu por outubro, mês das Missões. O projeto contou com o apoio da Arquidiocese do Rio de Janeiro e a participação de várias outras paróquias, foranias e vicariatos da região. “Esse ato nos ensina a pensar um pouco mais nos outros, a acolher e ser acolhidos, pois se Deus é o caminho, a verdade e a vida, Ele o é para todos, sem distinção”, reflete Geraldo Paiva, coordenador da Pastoral da Comunicação na paróquia salesiana. Fonte: Geraldo Paiva - ISJB Acontece

26

BOLETIM SALESIANO

tório, tema motivado pela visita que nosso pai nos fez em fevereiro. E enfim chegamos ao encontrão anual, que se concentrou na origem do oratório, procurando evidenciar a importância da amizade para o sistema educativo de Dom Bosco. Pe. Sinval Marques Pereira

Canto Pastoral A Inspetoria Salesiana São Pio X, com sede em Porto Alegre, RS, ofereceu para as suas lideranças envolvidas com a animação musical um Encontro de Canto Pastoral, ocasião em que lançou a nova edição do livro de cantos “Cantando em Sintonia”. Cerca de130 pessoas de quase todas as presenças salesianas no Sul do Brasil foram acolhidas nas dependências do Centro Educacional Dom Bosco de Joinville, SC, e por dois dias participaram de momentos de formação musical: ensaios dos cantos, dinâmicas, palestras (A música na Liturgia; O valor da música na pedagogia salesiana; O instrumentista e o cantor na Liturgia), apresentações artísticas e momentos celebrativos. Padre Orestes Carlinhos Fistarol, inspetor salesiano, apresentado o novo livro de cantos disse que “cantamos porque o Senhor é nossa festa. E não há festa sem música. Daí a importância do canto nas nossas reuniões e celebrações. Almejamos aos que se reúnem em comum para louvar o Senhor que vivam a sintonia, a união, a solidariedade e a comunhão”!

Arquivo Inspetoria São Pio X

Campanha estimula doação de Bíblias

Parabólica

Animação no Encontrão da AJS do Pará


Instrutor recebe prêmio das mãos de Guga Kuerten

Parque Dom Bosco

O tenista Osvaldo Cipriano, o Badeco, do Projeto Tênis Comunitário desenvolvido desde 2004 no Parque Dom Bosco, em Itajaí, SC, recebeu uma homenagem das mãos de Gustavo Kuerten na noite de comemoração dos 10 anos do Instituto Guga Kuerten (IGK). O evento ocorreu no dia 24 de agosto no Floripa Music House, na capital catarinense. Dedicado à causa do esporte como agente transformador da rea­ lidade social das comunidades carentes, Badeco trabalha constantemente por algo muito simples. “O meu objetivo sempre foi tirar o tênis dos clubes e levar aos menos favorecidos”, afirma. Até 2009, Badeco desenvolvia esse projeto voluntariamente no Parque Dom Bosco. Apenas em 2010, através da Lei Municipal de Incentivo ao Esporte, a obra social foi uma das entidades selecionadas pelo edital da Fundação Municipal de Esportes e passou a receber o apoio da Unimed para seu desenvolvimento. Carlota de Oliveira Medeiros

“Rumo aos 200 anos” reúne jovens em Campinas Cerca de 100 jovens das presenças salesianas de Campinas, SP – Escola Salesiana São José (ESSJ), Liceu Nossa Senhora Auxiliadora e Obra Social São João Bosco – se reuniram nas dependências da ESSJ no dia 29 de agosto para o encontro “Rumo aos 200 anos de Dom Bosco”. O evento, que tem sido promovido desde 2008, é uma preparação para as comemorações do bicentenário do nascimento de Dom Bosco, que será celebrado em 2015. O tema deste ano, “Dom Bosco e a Palavra de Deus”, foi desenvolvido pela manhã em três oficinas: “Como entender a Bíblia”, “A Bíblia na vida dos santos salesianos” e “A Bíblia e as artes”. À tarde, foi realizada uma gincana de perguntas. O encontro foi encerrado como uma celebração eucarística, presidida pelo padre Eduardo Capucho.

Arquivo ISSP

Fonte: ISSP

Festival da Juventude Entre os dias 8 e 10 de outubro aconteceu a 15a edição do Festival da Juventude Salesiana, um grande evento de vivência da espiritualidade salesiana. Desde 1996 a então recém-formada Articulação da Juventude Salesiana do nordeste vem organizando, junto com a Pastoral Juvenil da Inspetoria Salesiana do Nordeste (BRE), o Festival da Juventude Salesiana (FJS). Este é um grande momento de encontro e intercâmbio entre jovens de diferentes realidades de toda região para partilharem suas experiências e mostrarem suas habilidades artísticas. O FJS acontece sempre no mês de outubro, no Colégio Salesiano Sagrado Coração, em Recife. Começa na noite de uma sexta-feira e termina após o almoço do domingo. Neste período, as salas de aulas se transformam em alojamentos e as quadras cobertas em refeitório, arena para coreografias e palco para festival de música. Trazendo um olhar salesiano, sempre é escolhido um tema pertinente à juventude, à sociedade e/ou à Igreja, para ser refletido com os jovens nos meses anteriores ao encontro, ainda em suas comunidades, e durante o evento. Em 2010, a temática proposta foi: “Jovens protagonistas no palco da vida”, com o lema: “Conta a tua história, fala da tua vida”. A Inspetoria do Nordeste disponibilizou fotos no site: <www.inspetoriasalesiana.org.br>. Nordeste Hoje - Jakeline Lira

BOLETIM SALESIANO

27


N

otícias

Na noite de 17 de agosto, o programa CNT Jornal, da Rede CNT de Televisão, apresentou uma reportagem sobre escolas de São Paulo que oferecem uma preparação dos alunos para a Sociedade do Conhecimento. Para ilustrar a matéria, a equipe de produção escolheu o projeto de aulas de Filosofia do Liceu Coração de Jesus com os alunos do Ensino Fundamental II. A aula de Lógica com o 7o ano foi o foco da reportagem e os jornalistas entrevistaram alguns alunos e o professor, padre Benedito Spinosa. No Liceu, semanalmente há aulas de Filosofia para todas as séries do Fundamental II: Teoria do Conhe-

Arquivo ISSP

Projeto de Filosofia do Liceu é destaque na TV

cimento, com o 6o ano, Lógica, com o 7o ano; Ética e Estética, com o 8o ano; e Política, com o 9o ano. A CNT pode ser assistido nos seguintes canais: Canal 26, na TV aberta (na capital paulista); Canal 12, na NET; e Canal 25, na SKY.

Arquivo INSG-Castelo

Professora salesiana vence concurso literário nacional

Fonte: ISSP

Aluna de Cuiabá é campeã brasileira de vôlei

A professora do curso de Comunicação Social da Faculdade Salesiana de Macaé, RJ, Carla Miguelote, foi premiada em um concurso literário nacional, promovido por professores de Letras da Universidade Federal do Pará – UFPA. A poesia com a qual Carla concorreu, Epistolar, será publicada em um livro, que reunirá as obras dos vencedores da primeira edição do concurso nas categorias poesia, conto e crônica. A autora assina com o pseudônimo Agnes Mello. O Prêmio “Literacidade: verso & prosa” tem o intuito de incentivar novos e conhecidos talentos, de modo a valorizar, incentivar e promover a leitura em todas as re­giões do país. A segunda edição do prêmio já está com inscrições abertas. Podem participar autores de língua portuguesa com textos inéditos sob pseudônimo. Os gêneros são: poema, soneto, conto, crônica e miniconto. Saiba mais em: <http://premioliteracidade. wordpress.com>.

Mariana Maria Mendes, aluna do 9o ano no Colégio Coração de Jesus, em Cuiabá, MT, subiu ao lugar mais alto do pódio no Campeonato Brasileiro de Voleibol, na categoria infanto-juvenil. Os jogos foram realizados entre os dias 20 e 25 de setembro, no Ginásio Aecim Tocantins, na capital mato-grossense. “Essa conquista é o resultado de muito esforço, treinamento e dedicação”, revela Mariana, que espera ser convocada novamente em 2011 para defender o Mato Grosso. Com 1,70m, a atleta já disputou inúmeros campeonatos. “Comecei a praticar vôlei aos 10 anos, quando cursava o 4o ano no CCJ”, conta. Participaram da competição equipes de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Goiás, Maranhão, Amazonas e Rondônia. O evento foi realizado pela Confederação Brasileira de Voleibol e Federação Mato-grossense, com apoio da Secretaria de Estado de Esportes e Lazer (SEEL-MT).

Fonte: Faculdade Salesiana de Macaé

Fonte: RSE Informa - Marcella Bordini

28

BOLETIM SALESIANO


No segundo semestre de 2010, a população de várias partes do Brasil sofreu com as queimadas descontroladas. No Estado de Rondônia, a situação é considerada grave, sobretudo nos arredores da capital, Porto Velho. Os alunos salesianos do município não cruzaram os braços e participaram de manifestações, cobrando das autoridades providências e também conscientizando as pessoas para os riscos do fogo provocado sobretudo na área rural. A fumaça que ofusca a cidade já é considerada um problema de saúde pública e afeta, inclusive, a segurança dos voos. Em alguns momentos, a névoa tóxica chega a tomar conta das residências. As turmas da Educação Infantil ao 9o ano do Ensino Fundamental do Instituto Laura Vicuña realizaram uma manifestação na própria escola. Os educandos confeccionaram cartazes, faixas, folhetos e usaram máscaras com o objetivo de sensibilizar órgãos estaduais e municipais para que sejam tomadas medidas. O protesto foi feito no dia 27 de agosto. Já o Instituto Maria Auxiliadora promoveu a “Manifestação da educação contra a fumaça”. Com o tema

Liceu Salesiano de Campinas

Aluna do Liceu de Campinas é finalista no Desafio National Geographic 2010 Concorrendo com 20.335 estudantes de 6.920 escolas de todo o Brasil, a aluna Ana Beatriz Motta Aragão Cortez, da 7a série A do Liceu Salesiano de Campinas, SP, ficou entre os 20 finalistas do Desafio National Geographic 2010. Concorreram na etapa regional (semifinal), realizada no dia 21 de agosto, 15 estudantes de 7a série ao 1º ano do Ensino Médio do Liceu. A etapa final estava prevista para os dias 14 a 17 de outubro, na cidade de São Paulo. Fonte: RSE Informa Vera Oliveira

Agência Brasil

Queimadas castigam Rondônia; alunos salesianos cobram providências

“Cuidando da vida através do ar”, a escola manifestou sua posição quanto às queimadas em Rondônia. O movimento seguiu a proposta do Sindicato das Escolas Particulares (Sinep) e envolveu toda a comunidade educativa. No dia 25 de agosto, também houve uma manifestação no colégio, a fim de conscientizar os alunos e incentivá-los a serem protagonistas da campanha. Fonte: Redação RSE Informa, Máisson Gonçalves Teles e Elaine Vigiani

Estudantes criam projetos de lei para o Parlamento Jovem Os alunos do 3o ano do Ensino Médio do Colégio Dom Bosco de Araxá, MG, que participaram do programa “Parlamento Jovem Brasileiro 2010” tiveram 11 projetos de lei aprovados pela “Câmara dos Deputados Estaduais”. Com o tema “O jovem e o mercado de trabalho”, os projetos foram encaminhados para a Câmara Federal do Parlamento Jovem, em Brasília, DF, onde passam por mais uma avaliação. Se aprovados, os autores serão convocados para defender os projetos na capital federal. Em sua sétima edição, o programa Parlamento Jovem Brasileiro é uma iniciativa da Câmara dos Deputados e tem como objetivo principal proporcionar aos estudantes de escolas públicas e privadas brasileiras o exercício da cidadania, da representação política, da experiência do processo legislativo e da liderança, por meio da diplomação, posse e investidura em mandato legislativo. Fonte: ISJB Acontece

BOLETIM SALESIANO

29


N

otícias

O Colégio Salesiano Dom Bosco de Porto Alegre, RS, foi a única instituição do Rio Grande do Sul na 21a Bienal Internacional do Livro de São Paulo a apresentar um trabalho de incentivo à leitura em escola. O evento, realizado na capital paulista entre os dias 12 e 22 de agosto, é considerado o terceiro maior do mundo no setor. O projeto salesiano foi inscrito no mapa de ações do Plano Nacional do Livro e Literatura (PNLL), no eixo 2: “Fomento à leitura e à mediação de leitores”. No dia 21, os professores Ana Paula Charão e Joel Didone realizaram uma oficina, representando o PNLL, uma vez que o projeto da escola salesiana é

Vocação profissional

Col. Sal. Dom Bosco

Escola do Sul apresenta projeto de leitura na Bienal do Livro uma das ações que fazem parte das políticas culturais do livro e literatura no país. A formação foi realizada no estande do PNLL e contou com a presença de um público formado por professores, bibliotecários e mediadores de leitura. Os educadores salesianos participaram, no dia anterior, de um painel no III Fórum do Plano Nacional do Livro e Leitura e no III Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias. Eles expuseram o trabalho de fomento à leitura da escola salesiana. Fonte: RSE Informa - Ana Paula Megiolaro

Aluno conquista medalha de ouro nas Olimpíadas Escolares Brasileiras

“Pais e profissões” foi o tema da Semana de Workshops promovida pelo Instituto São José, em São José dos Campos, SP, entre 20 e 25 de setembro. O objetivo foi aprofundar a orientação profissional dos alunos e promover a integração entre família e escola. Palestras, mesas-redondas, exposições e oficinas proporcionaram aos jovens o acesso à realidade de diferentes profissões. Uma das atrações foram as diversas profissões apresentadas em vários momentos pelos pais dos alunos. Ao longo da semana, a programação teve 66 palestras, 5 mesas-redondas e, no último dia, 10 oficinas interativas e 30 estandes. Durante o evento, a escola recebeu Dom Eusébio Oscar Sheid, cardeal arcebispo emérito da Arquidiocese do Rio de Janeiro.

Um dos mais importantes jornais em circulação do Distrito Federal, o Correio Braziliense, enfocou a importância da escola no aconselhamento profissional dos alunos. Na matéria veiculada dia 26 de setembro, domingo, a Escola Salesiana São Domingos Sávio, localizada no Núcleo Bandeirante, DF, foi destaque pelo apoio de orientação vocacional oferecido para os alunos. Segundo a reportagem publicada no caderno Trabalho, a escola tem como prioridade fomentar as discussões entre os alunos sobre as profissões, para que a escolha seja feita de maneira consciente. Veja a notícia completa no endereço: <www.salesianos.br/ imagens/salesianosnamidia_Escolasaodomingossavio.jpg>.

Fonte: RSE Informa - Josmari Pauletti

Fonte: ISJB Acontece

30

BOLETIM SALESIANO

Francisco Guilherme Nascimento Silva, aluno do 7o ano do Instituto Maria Auxiliadora, em Natal, RN, conquistou a medalha de ouro do judô nas Olimpíadas Escolares Brasileiras, na categoria pré-juvenil. A maior competição esportiva do Brasil, que reúne milhares de alunos de escolas públicas e privadas, foi realizada entre os dias 9 e 13 de setembro, em Fortaleza, CE. Francisco já tinha conquistado, também neste mês, a medalha de bronze no Campeonato Brasileiro de Judô, em Anápolis, GO. Fonte: RSE Informa - Zoraia Assunção

Escola salesiana é notícia no Correio Braziliense


Escreva já!

Mural dos jovens

As mensagens ao Mural dos Jovens devem ser enviadas para Boletim Salesiano – Redação Rua Dom Bosco, 441 03105-020 – São Paulo - SP imprensabs@gmail.com

Solidariedade Muitas pessoas só ajudam o próximo pensando no que vão receber em troca! Não devemos ser assim, egoístas. Há milhares de pessoas no mundo que ajudam o próximo, criam ONGs, campanhas, tudo isso para ver o sorriso da pessoa ajudada. Esse é o melhor pagamento que alguém pode receber. Há pessoas que mal têm como sustentar a família, mas conseguem arranjar um jeito de ajudar o próximo. Com todas essas pessoas sendo solidárias, acreditamos que o nosso mundo não está perdido, que ainda existem pessoas boas, anjos solidários, que mudam completamente a vida de outras pessoas. Texto escrito a partir do tema do Ano Internacional da Juventude – “Diálogo e entendimento” – por Sasha Aline Gomes Haddad, aluna do 6o ano do Instituto Profissional Laura Vicunha, em Campos dos Goytacazes, RJ.

O sonho do diferente Hoje o dia vai ser diferente. Flores brotarão com mais vigor. Pássaros cantarão a melodia do amor. O vento te levará ao mundo mais encantado. O sol brilhará com uma esperança que ainda não morreu. As nuvens brincarão de esconder o sol! Os sorrisos estarão significantes em todos os estados. A lágrima já não cairá mais e o sonho do diferente apenas se iniciou! Rodrigo Souza Voluntário em Curitiba, PR

o

sc o B Dom

No Colle dos Becchi um menino nasceu mas mal sabia ele o tamanho da missão que o Senhor lhe deu. Joãozinho ia crescendo em graça e santidade, aos nove anos teve um sonho que mudou sua mentalidade. Esse sonho era diferente: ovelhas se tornavam lobos e meninos começavam a brigar. João Bosco pulava no meio deles e tentava separar. De repente uma voz forte interveio: “– Não, não Bosco, com pancadas nada resolverás! Como quer conquistar os jovens sem o amor demonstrar? É com mansidão Joãozinho! Assim sua obra vai nascer pois só com o amor verdadeiro é que a missão vai crescer!” João nada compreendeu, porém entendeu que uma missão o Senhor lhe ofereceu. Bosco então cresceu e uma missão iniciou foi ser sacerdote e muita dificuldade passou. Pediu esmola na rua e até um saltimbanco enfrentou mas a vontade de Deus era tão grande por Joãozinho que em todos os caminhos o acompanhou. Com um olhar paterno e um sorriso amoroso Bosco descobriu sua missão: dedicar aos jovens até a última gota de sangue de seu coração. De uma cela de cadeia surgiu sua vocação do “Da mihi animas” fez um lema, que foi sua inspiração. Enfrentou muitos obstáculos, mas uma grande família construiu. Não desistiu por nada e um grande amor pelos jovens descobriu! “Ao seu tempo tudo compreenderás”, dizia Nossa Senhora, e de fato compreendeu... Porém só na hora de sua morte é que isso aconteceu! Em 31 de janeiro, Dom Bosco morreu, e ao paraíso então chegou. Triunfante em meio aos jovens que tanto os amou! Karina Santos Pré-aspirante FMA da Inspetoria Imaculada Auxiliadora Campo Grande, MS


Boletim Salesiano  

Notícia sobre o mundo salesiano

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you