Page 1

a lua que menstrua a lua que a lua que menstrua menstrua

Isadora Duarte e Lais Xavier


a lua que menstrua a lua que a lua que menstrua menstrua


a lua que menstrua a lua que a lua que menstrua menstrua

Isadora Duarte e Lais Xavier


A lua que menstrua Poemas / Alice Ruiz; Ana Cristina César; Ana Maria Machado; Angélica Freitas; Auta de Souza; Carolina Maria de Jesus; Cecília Meireles; Conceição Evaristo; Cora Coralina; Elisa Lucinda; Jarid Arraes; Manuella Bezerra; Mel Duarte e Pagu Seleção, introdução e calendário lunar / Isadora Duarte e Lais Xavier - Rio de Janeiro, 2018

Preparação e Revisão de texto | Isadora Duarte e Lais Xavier Projeto Gráfico | Isadora Duarte e Lais Xavier Diagramação, Capa e Ilustrações | Isadora Duarte e Lais Xavier Orientação | Christiane Mello

Dados Internacionais de Catalogação-na-publicação (CIP) Ficha catalográfica feita pelo o autor D812l Duarte, Isadora de Araújo. dos Santos, Lais Xavier Pimentel dos Santos. A lua que menstrua / Isadora de Araújo Duarte e Lais Xavier Pimentel dos Santos. Rio de Janeiro, edição do autor, 2018. 56 p. 1. Literatura brasileira - Poesia. 2. Poesia brasileira Coletânea. 3. Poetisas brasileiras. I. Autor II. Título CDU 82-1


A Lua em que recebemos o nosso sangue, diz respeito ao que estamos nutrindo ou curando. É a conexão lua-mulher. As fases dela permeando as nossas. É a lua que menstrua. Isadora Duarte e Lais Xavier


8

16 nova

26 crescente


9

34 cheia

40 minguante


10 Elisa Lucinda

Aviso da lua que menstrua Moço, cuidado com ela! Há que se ter cautela com esta gente que menstrua... Imagine uma cachoeira às avessas: cada ato que faz, o corpo confessa. Cuidado, moço às vezes parece erva, parece hera cuidado com essa gente que gera essa gente que se metamorfoseia metade legível, metade sereia. Barriga cresce, explode humanidades e ainda volta pro lugar que é o mesmo lugar mas é outro lugar, aí é que está: cada palavra dita, antes de dizer, homem, reflita.. Sua boca maldita não sabe que cada palavra é ingrediente que vai cair no mesmo planeta panela.


11


12 Elisa Lucinda

Cuidado com cada letra que manda pra ela! Tá acostumada a viver por dentro, transforma fato em elemento a tudo refoga, ferve, frita ainda sangra tudo no próximo mês. Cuidado moço, quando cê pensa que escapou é que chegou a sua vez! Porque sou muito sua amiga é que tô falando na “vera” conheço cada uma, além de ser uma delas. Você que saiu da fresta dela delicada força quando voltar a ela. Não vá sem ser convidado ou sem os devidos cortejos... Às vezes pela ponte de um beijo já se alcança a “cidade secreta” a Atlântida perdida.


13 13

Outras vezes várias metidas e mais se afasta dela. Cuidado, moço, por você ter uma cobra entre as pernas cai na condição de ser displicente diante da própria serpente. Ela é uma cobra de avental.

NÃO DESPREZE A MEDITAÇÃO DOMÉSTICA.

É da poeira do cotidiano que a mulher extrai filosofia cozinhando, costurando e você chega com a mão no bolso julgando a arte do almoço: Eca!... Você que não sabe onde está sua cueca? Ah, meu cão desejado tão preocupado em rosnar, ladrar e latir então esquece de morder devagar esquece de saber curtir, dividir.


14 Elisa Lucinda

E aí quando quer agredir chama de vaca e galinha. São duas dignas vizinhas do mundo daqui! O que você tem pra falar de vaca? O que você tem eu vou dizer e não se queixe:

VACA é sua mãe.

DE LEITE.


15

Vaca e galinha... ora, não ofende. Enaltece, elogia: comparando rainha com rainha óvulo, ovo e leite pensando que está agredindo que tá falando palavrão imundo. Tá, não, homem.


16


17

Lua Nova Menstruação Inverno


18 Conceição Evaristo

Recordar é preciso O mar vagueia onduloso sob os meus pensamentos. A memória bravia lança o leme: Recordar é preciso. O movimento de vaivém nas águas-lembranças dos meus marejados olhos transborda-me a vida, salgando-me o rosto e o gosto. Sou eternamente náufraga. Mas os fundos oceanos não me amedrontam nem me


19

Uma paixão profunda é a boia que me emerge. Sei que o mistério subsiste além das águas.


20 Jarid Arraes

Beira

que mulher tem essa pele desbotada o que sou de mulher com cabelos armados e perigosos que mulher periga na linha encardida da caixa parda que mulher que sou aos teus olhos de mulher


21 21

sou repetição repetição repetição repetição diferença ou sou resposta quem sabe ausência

que sou eu mulher misturada entre cores diluídas

e marcas deixadas

não sei que mulher é meu tipo de ser se sou como ela como outra se minhas raízes se fazem entender


22 Jarid Arraes

pergunto no espelho com o tubo de creme

[pingaram trĂŞs gotas no tapete]

que mulher sou eu mulher-quase mulher-nem-tanto mulher-um-pouco-demais para nĂŁo ser.


Pagu 23

Canal Nada mais sou que um canal Seria verde se fosse o caso Mas estão mortas todas as esperanças SOU UM CANAL. Sabem vocês o que é ser um canal? Apenas um canal? Evidentemente um canal tem as suas nervuras As suas nebulosidades As suas algas Nereidazinhas verdes, às vezes amarelas Mas por favor Não pensem que estou pretendendo falar Em bandeiras Isso não


24 Pagu

Gosto de bandeiras alastradas ao vento Bandeiras de navio As ruas são as mesmas. O asfalto com os mesmos buracos, Os inferninhos acesos, O que está acontecendo?

É verdade que está ventando noroeste, Há garotos nos bares Há, não sei mais o que há.


25

Digamos que seja a lua nova Que seja esta plantinha voacejando na minha frente. Lembranças dos meus amigos que morreram Lembranças de todas as coisas ocorridas

Há coisas no ar… Digamos que seja a lua nova Iluminando o canal Seria verde se fosse o caso Mas estão mortas todas as esperanças

SOU UM CANAL.


26


27

Lua Crescente Pré-ovulação Primavera


28 Cora Coralina

Aninha e suas pedras NĂŁo te deixes destruir... Ajuntando novas pedras e construindo novos poemas.

Recria tua vida, sempre, sempre. Remove pedras e planta roseiras e faz doces.


29

FAZ DE TUA VIDA MESQUINHA UM POEMA. E viverás no coração dos jovens e na memória das gerações que hão de vir. Esta fonte é para uso de todos os sedentos. Toma a tua parte.

Vem a estas páginas e não entraves seu uso aos que têm sede.


30 Auta de Souza

Caminhos do Sertão A meu irmão Jão Cancio Tão longe a casa! Nem sequer alcanço Vê-la através da mata. Nos caminhos A sombra desce; e, sem achar descanso, Vamos nós dois, meu pobre irmão, SOZINHOS!


31

É noite já. Como em feliz remanso, Dormem as aves nos pequenos ninhos... Vamos mais devagar... de manso e manso, Para não assustar os passarinhos. BRILHAM ESTRELAS. Todo o céu parece Rezar de joelhos a chorosa prece Que a Noite ensina ao desespero e a dor...


32 Auta de Souza

Ao longe, a Lua vem dourando a treva... TurĂ­bulo imenso para Deus eleva O incenso agreste da jurema em flor.


Ana Cristina César 33

Estou atrás


34


35

Lua Cheia Ovulação Verão


36 Ana Maria Machado

Estrelas Cinco pontas cinco destinos são areias tontas de desatinos Cinco sentidos cinco caminhos grãos tão moídos por mares e moinhos Estrela-guia em alto-mar outra Maria veio me chamar.


38 Manuella Bezerra de Melo

Påtuas Nos cantos da casa folhas de arruda em cima da mesa trevo e pimenta No coração amor mas tanto amor que


Alice Ruiz 39 39

Na esquina Na esquina da consolação com a paulista me perdi de vista virei artista equilibrista

meio mĂŁe meio menina meio meia-noite meio inteira inteiramente alheia


40


41

Lua Minguante Pré-menstruação Outono


42 Mel Duarte

Desconcerto Vasculhou todo o perímetro Centímetro, por centímetro Atento, com medo de perder detalhes.

Admirou e encontrou entre curvas e volúpia, suas tatuagens. Onomatopeias de sua boca saiam, ainda que baixas.


43

Exploraram-se até encontrar onde cada um se encaixa Eram falas pausadas. Risadas.

MÃOS FAMINTAS. Brincar de ligar os pontos desbravando suas pintas…


44 Carolina Maria de Jesus

Muitas fugiam ao me ver


45

Muitas fugiam ao me ver Pensando que eu nĂŁo percebia Outras pediam pra ler Os versos que eu escrevia Era papel que eu catava Para custear o meu viver E no lixo eu encontrava livros para ler Quantas coisas eu quiz fazer Fui tolhida pelo preconceito Se eu extinguir quero renascer Num paĂ­s que predomina o preto


46 Carolina Maria de Jesus

Adeus! Adeus, eu vou morrer! E deixo esses versos ao meu país Se é que temos o direito de renascer

QUERO UM LUGAR,

ONDE O

PRETO É FELIZ.


Angélica Freitas 47

A mulher pensa a mulher pensa com o coração a mulher pensa de outra maneira a mulher pensa em nada ou em algo muito semelhante a mulher pensa será em compras talvez a mulher pensa por metáforas a mulher pensa sobre sexo a mulher pensa MAIS em sexo a mulher pensa: se fizer isso com ele, vai achar que faço com todos a mulher pensa muito antes de fazer besteira a mulher pensa em engravidar


48 Angélica Freitas

a mulher pensa que pode se dedicar integralmente à carreira a mulher pensa nisto, antes de engravidar a mulher pensa imediatamente que pode estar grávida a mulher pensa mais rápido, porém o homem não acredita a mulher pensa que sabe sobre homens a mulher pensa que deve ser uma “SUPERMÃE” PERFEITA a mulher pensa primeiro nos outros

a mulher pensa em roupas, crianças, viagens, passeios a mulher pensa não só na roupa, mas no cabelo, na maquiagem a mulher pensa no que poderia ter acontecido


49

A MULHER PENSA QUE A CULPA FOI DELA a mulher pensa em tudo isso

A MULHER PENSA


50


51


52 CecĂ­lia Meireles


53

Lua adversa Tenho fases, como a lua, Fases de andar escondida, fases de vir para a rua... Perdição da minha vida! Perdição da vida minha! Tenho fases de ser tua, tenho outras de ser sozinha. Fases que vão e que vêm, no secreto calendário que um astrólogo arbitrário inventou para meu uso.

E roda a melancolia seu interminável fuso! Não me encontro com ninguém (tenho fases, como a lua...). No dia de alguém ser meu não é dia de eu ser sua... E, quando chega esse dia, o outro desapareceu...


54

Elisa Lucinda Cada ato que faz, o corpo confessa.

Conceição Evaristo Sou eternamente náufraga.

Jarid Arraes Sou repetição, diferença ou sou resposta, quem sabe ausência.

Pagu Gosto de bandeiras alastradas ao vento. Bandeiras de navio.

Cora Coralina Faz de tua vida mesquinha um poema.

Auta de Souza Vamos mais devagar... de manso e manso, Para não assustar os passarinhos.

Ana Cristina César Estou atrás do nascimento a mais da palavra.


55

Ana Maria Machado

Estrela-guia em alto-mar, outra Maria veio me chamar.

Manuella Bezerra

No coração amor mas tanto amor que comigo ninguém pode.

Alice Ruiz Me perdi de vista, virei artista, equilibrista.

Mel Duarte Exploraram-se até encontrar onde cada um se encaixa.

Carolina Maria de Jesus Quero um lugar, onde o preto é feliz.

Angélica Freitas

A mulher pensa com o coração, a mulher pensa de outra maneira.

Cecília Meireles

Tenho fases de ser tua, tenho outras de ser sozinha.


gráfica trio studio bureal e gráfica digital papel pólen bold 90 g/m² tipografias bodoni, 16/13 candara, 11


57


58

A lua que menstrua  

Coletânea de poemas por poetisas brasileiras divididos as quatro fases da lua.

A lua que menstrua  

Coletânea de poemas por poetisas brasileiras divididos as quatro fases da lua.

Advertisement