Page 1

NOVO TERMINAL RODOVIÁRIO PARA RIBEIRÃO PRETO


ARQUITETURA E URBANISMO PROJETO DE UM NOVO TERMINAL RODOVIÁRIO PARA RIBEIRÃO PRETO DESENVOLVIDO PARA A DISCIPLINA ATELIÊ DE PROJETO VII

CENTRO UNIVERSITARIO ESTÁCIO RIBEIRÃO PRETO Junho, 2018

Docente: Catherine D’Andrea

Discentes: Fernando Costa; Isabella Fernandes; Kelen Freitas e Letícia Faria


SUMÁRIO CONTEXTUALIZAÇÃO........................... 1 LEITURA PROJETUAL.......................... 2 PROBLEMÁTICA............................... 4 ANÁLISE ÁREA DE INTERVENÇÃO................ 7 DIRETRIZ PROJETUAL ........................17 PROJETO................................... 18


1

No contexto do eixo temático de projeto, a disciplina destinou-se a trabalhar o desenvolvimento de projetos arquitetônicos de alta complexidade urbana, abarcando temáticas que contemplem projetos de uso público ou semi-público, voltados ao atendimento de grande quantidade de usuários. A premissa era tratar a questão urbana como parte indissociável do pensamento projetual, tratando temas como a comunicação e integração com o entorno imediato, a imposição na paisagem e o valor social do edifício.


LEITURA PROJETUAL


TERMINAL RODOVIARIO NEVSEHIR

2

Ficha técnica:

Arquitetos: Bahadir Kul Architects Localização: Turquia Ano: 2010 Area: 8000.0m²

LEITURA PROJETUAL

O terminal de ônibus interurbano foi projetado no caminho para Aksaray a 5 km do centro da cidade, devido à incompatibilidade do terminal de ônibus já existente para manejar as necessidades da cidade. A conveniência de vincular a rodovia local de Nigde e o centro da cidade foi a razão pela qual se preferiu esta área para sua construção. A textura da pedra natural, sua configuração, as aberturas amorfas e isoladas, e o pedido de brindar refúgio compõem o ponto de partida da estrutura dentro da complicada topografia de Capadócia. A proteção e a necessidade de refúgio para os passageiros em condições de chuva A área de durante as horas espera semi-aberta foi de espera é criada com o fim de proteger os passageiros em proporcionada condições de mal tempo. A pelas aberturas relação visual da amorfas estrutura entre o vestíbulo, dentro da as salas de espera e as estrutura. cafeterias foi reforçada pelas superfícies transparentes que se adicionam a esta área.


TERMINAL RODOVIARIO NEVSEHIR

3 LEGENDA

Ficha técnica:

Arquitetos: Bahadir Kul Architects Localização: Turquia Ano: 2010 Area: 8000.0m²

LEGENDA

VENDA DE INGRESSOS

ESPAÇO GALERIA

BANHEIRO

GESTÃO

CAFETERIA

BANHEIRO

SALA FUNCIONÁRIOS

ESCRITÓRIO AGENCIA

UNIDADE DE SEGURANÇA

RESTAURANTE

MERCADO UNIDADES DE SERVIÇO UNIDADES DE SAÚDE MESQUITA CIRCULAÇÃO PRIMÁRIA CIRCULAÇÃO SECUNDÁRIA

LEITURA PROJETUAL

VIGAS

LAJE + FORRO

LAJE MACIÇA

1. Edifício do terminal 2. Entrada/saída de ônibus 3. Local de partida de ônibus 4. Local de chegada de ônibus 5. Reserva de ônibus 6. Ponto de táxis 7. Estacionamento de passageiros 8. Estacionamento da cidade 9. Estacionamento público de ônibus 10.Posto de abastecimento 11.Estação de manutenção 12.Unidade de instalação de táxis 13.Terminal da Vila 14.Área verde

A divisão interna se dá a partir de um eixo central, espelhando a principal forma da planta. O setor administrativo é separado restritamente do uso público. A estrutura se da a partir de dois sistemas construtivos. Nas laterais foi trabalhado com sistema mais convencional , laje maciça, vigas e pilares para vãos menores. No centro foi trabalhado com laje alveolar pré-moldada e pilares mais esbeltos para vencer vãos maiores.

PILARES

LAJE ALVEOLAR


PROBLEMÁTICA


TERMINAL RODOVIÁRIO DE RIBEIRAO PRETO

4

Ficha técnica:

Construção: Balbo Construtora Localização: Ribeirão Preto Inauguração: 1976 Area: 30.000m²

PROBLEMATICA

A rodoviária atual localiza -se na avenida Jerônimo Gonçalves, e os acessos se dão pelas avenidas Fabio Barreto e Dr. Francisco Junqueira.

Na rodoviária atual, com exceção da avenida, as ruas são de fluxo médio e suas estruturas são baseadas em duas faixas, onde uma é de circulação e outra de estacionamento

Trinta e três empresas de ônibus operam na Rodoviária, realizando viagens para aproximadamente 150 cidades.

Os destinos mais procurados são, em ordem crescente, São Paulo, São Carlos, Triângulo Mineiro e Curitiba. Tendo um fluxo de frequentadores de 8 a 10 mil pessoas por dia, e no embarque, de 3 a 4 mil. 21 baias são utilizadas.


TERMINAL RODOVIÁRIO DE RIBEIRAO PRETO

Durante a gestão do prefeito na época Antônio Palocci (20012004) foram feitas negociações para a transferência do terminal rodoviário para outra região da cidade (o local escolhido seria um grande terreno aos fundos da Fundação Educandário), mas que por diversos motivos jamais se concretizou

Ficha técnica:

Construção: Balbo Construtora Localização: Ribeirão Preto Inauguração: 1976 Area: 30.000m²

LEGENDA Saída dos Ônibus Entrada ônibus Interestadual Entrada ônibus Intermunicipal Plataforma E/D Interestadual Saguão Superior Plataforma E/D Intermunicipal Área comercial Estacionamentos Saguão Inferior

5

SETORIZAÇÃO

PROBLEMATICA

O terminal possui uma alça de acesso onde acontece o embarque e desembarque de passageiros que se utilizarão do mesmo, uma tentativa ao desafogamento da avenida Jerônimo Gonçalves

Infelizmente, a rodoviária já nascera deficiente. Não bastasse o prédio ser projetado de forma a não se adequar com o futuro, a localização da rodoviária compromete bastante o trânsito da Jerônimo Gonçalves. A avenida é uma das principais rotas para a região oeste e sul da cidade, sendo que várias ruas importantes do Centro outras avenidas como a do Café também terminam nesta via. O resultado é um trânsito caótico nos horários de pico e períodos pré e pós feriados

A rodoviária conta com boxes de comércio, prestação de serviços, lanchonetes e afins. Não existe uma setorização nesse sentido, a distribuição não é uniforme.


TERMINAL EVANGELINA DE CARVALHO PASSIG

6

Ficha técnica:

Localização: Ribeirão Preto Ano: 2015 Area: 11.506m²

PROBLEMATICA

O módulo principal do terminal Evangelina de Carvalho Passig possui área de 8 mil metros quadrados, quatro plataformas, oito pontos de ônibus, para 22 linhas, capacidade para 18 ônibus simultaneamente. Nesse módulo principal devem ser atendidos 30 mil usuários por dia.

Fazem parte das dependências do terminal: sanitários públicos masculino e feminino (passageiros, motoristas e pessoas com necessidades especiais), fraldário, sala de emissão e recarga de cartões eletrônicos de transporte.

O terminal também conta com sala de espera climatizada, sala do Centro de Controle Operacional, sala de Circuito Fechado de Televisão, com 31 câmeras, sala de segurança/apoio administrativo operacional e refeitório para motoristas, fiscais e demais empregados, lanchonete, paraciclos e pátio para a frota em espera.


ANÁLISE ÁREA INTERVENÇÃO


7

LEGENDA 100% - 90% 90% - 50%

50% - 0%

OCUPAÇÃO DO SOLO

Ao analisar os interstícios urbanos juntamente com os espaços ociosos do entorno, percebe-se um grande potencial para resolução de alguns problemas urbanos, como a ausência de espaços públicos e verdes, levando em conta o número bastante grande de condomínios fechados ao redor. Cada cor observada no mapa refere-se a ocupação da quadra no mapa, indo de 0% a 100%.


8

LEGENDA PREDOMINANTEMENTE 1 PAVIMENTO PREDOMINANTEMENTE 2 PAVIMENTOS

CONDOMÍNIOS COM CASAS PADRÃO DE 1 PAVIMENTO

GABARITO

CONDOMÍNIOS DE ALTO PADRÃO COM CASAS PREDOMINANTEMENTE 2 PAVIMENTOS CONDOMÍNIOS COM CASAS PADRÃO 2 PAVIMENTOS CONDOMÍNIO VERTICAL DE ATÉ 4 PAVIMENTOS

Pela análise podemos perceber uma paisagem quase que horizontal, com casas, de condomínios fechados ou não, predominantemente de um e dois pavimentos, com poucos pontos de edifícios verticais e que não se destacam muito, por não terem um número grande de pavimentos.


9

LEGENDA COMERCIAL INSTITUCIONAL ÁREA VERDE

USO DO SOLO

RESIDENCIAL PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VAZIOS

O uso e ocupação do solo é predominantemente residencial, e composta por um número significativo de condomínios fechados. O comércio e a prestação de serviços concentramse nas extremidades do entorno recortado, onde podemos encontrar, por exemplo, o Novo Shopping Center. Vale ressaltar também, o número bastante grande


10

TIPOLOGIAS DE EDIFICAÇÃO

Encontramos no bairro City Ribeirão casas de alto padrão, e terrenos com cerca de 500m². Já no bairro Recreio das Acácias, grandes terrenos com casas de um pavimento e áreas verdes. Ainda no bairro, encontramos condomínios fechados com casas de alto padrão e condomínios com casas de arquitetura padronizada de um e dois pavimentos. Ao lado direito do mapa, no Jardim São José e Manoel Penna, algumas casas de classe média, majoritariamente um pavimento, e também condomínios de prédios de 4 e 5 pavimentos.


11

LEGENDA VIA EXPRESSA VIA ARTERIAL

VIA COLETORA

HIERARQUIA VIÁRIA

VIA LOCAL TERRENO ESTUDADO

O terreno conta com uma diretriz viária – a qual tomamos como partido de projeto – e é circundada por vias expressas de fluxo intenso, algumas vias arteriais e coletoras, e um número bastante grande de vias locais devido ao perfil dos bairros vizinhos, e condomínios.


12

LEGENDA EDUCAÇÃO SAÚDE LAZER

EQUIPAMENTOS URBANOS

RELIGIÃO SEGURANÇA ABASTECIMENTO ASSOCIAÇÕES

O entorno conta com uma série de equipamentos que vão da escala do bairro até a escala da cidade. Alguns dos equipamentos que merecem destaque, em ordem quantitativa, são as escolas, associações e unidades de saúde, respectivamente.


13

MAPA SÍNTESE

Após o levantamento e análise de todos os mapas, definimos os problemas e as potencialidades. Dentre os problemas encontrados estão: APP extensa; áreas onde o índice de declividade não permite construir; diretrizes viárias que dividem o terreno em três áreas; um dos lados é tangencial ao córrego; e o deslocamento, devido a falta de comércio na área. Dentre as potencialidades estão: APP extensa; boa declividade, não sendo necessário o deslocamento de terra para construção; torres de energia já inseridas na proximidade; possibilidade de criação de prédios; e o acesso privilegiado.


14

MAPA SÍNTESE

Ainda no mapa síntese, é possível verificar que o entorno é predominantemente residencial. A vizinhança possui terrenos com tamanhos, em sua maioria, bem grandes. Pensando nisso, concluímos que seria necessário a implantação de quadras com lotes menores, de forma que pudéssemos mesclar as classes nesse recorte da cidade, um local que hoje possui um número considerável de condomínios e atende apenas a uma pequena parcela da população. Algumas das desvantagens resumem-se na falta de áreas comerciais, áreas de lazer, e na falta de equipamentos públicos, o que faz com que o deslocamento seja maior.


15

LEGENDA VEGETAÇÃO ARBUSTIVA E FORRAÇÃO VEGETAÇÃO DE PLANTIO: MILHO E SOJA

VEGETAÇÃO

VEGETAÇÃO ARBÓREA VEGETAÇÃO ARBÓREA DENSA - APP

Cerca gleba

de 1/3 da é utilizado para plantações de soja e de milho. Há uma grande área de proteção localizada numa das laterais da gleba e o restante formado por vegetação rasteira e arbórea que não são distribuídas uniformemente.


16

LEGENDA 0% – 2% 3% - 10% 10% - 15%

DECLIVIDADE

15% +

De acordo com a legislação, não é possível construir em áreas onde a declividade é menor que 2% e maior que 15%. Como podemos analisar no mapa ao lado, pouquíssimas áreas tem essa característica.


DIRETRIZ PROJETUAL


17 36 6

FLUXOGRAMA TERMINAL RODOVIÁRIO

Sala de controle

DIRETRIZ PROJETUAL

Embarque Desembarque

Entrada

Estacionamento

ADM

Saguão

Área comercial

Sanitários

Sala funcionários

Guichês

Serviços públicos

PM

Sanitários

Área de espera

Caixas eletrônicos

Achados e perdidos

Embarque e desembarque

Serviço social

Serviços telefônicos

Enfermaria

ÁREAS MÍNIMAS NECESSÁRIAS EMBARQUE: 918m² DESEMBARQUE: 306m² MÓDULO DE BILHETERIA: 4m² MÓDULO DE AGÊNCIA: 6m² SALA DE ESPERA/EMBARQUE: 1.100m² SANITÁRIO MASCULINO: 110m² SANITÁRIO FEMININO: 72m² SALA DE ESPERA/DESEMBARQUE: 370m² SANITÁRIO MASCULINO: 43m² SANITÁRIO FEMININO: 36m² SETOR DE SERVIÇOS PÚBLICOS: 200m² SETOR ADMINISTRATIVO: 550m²

Após a escolha do terreno, na Av. Dr. Celso Charuri, fizemos a análise do entorno e iniciamos o plano de massas. A partir dos estudos das vias de acesso e da inserção das diretrizes viárias, delimitamos o tamanho do nosso terreno e começamos a distribuir o programa. A premissa, até essa etapa, era fazer com que a APP funcionasse como um isolamento acústico da Via Expressa e que o formato da Nova Rodoviária fosse condizente ao formato dos limites do terreno que estabelecemos. Além disso, houve uma preocupação bastante grande em relação a topografia e a como vencer os desníveis de forma racionalizada e consciente.


PROJETO


3 19 18 18

IMPLANTAÇÃO

Tanto a implantação quanto a rodoviária foram projetadas baseando-se no formato do terreno. Do mesmo modo, todas as vias que foram criadas, assim como a praça, foram projetadas partindo de formas geométricas.


3 19 18 20 19

IMPLANTAÇÃO

O projeto possui uma alça de acesso da Via Marginal, onde localiza-se o Mini Terminal Urbano, uma segunda alça que passa na frente da rodoviária, onde existem 8 pontos de táxis e uma área de espera em frente a escadaria da rodoviária, tornando fácil e rápido o embarque e desembarque de passageiros.


LEGENDA

A setorização do térreo baseia-se em três eixos: área comercial, prestação de serviços, e vivência.

20

COMPRA PASSAGEM/ESCRITÓRIO AGÊNCIA ÁREA DE VIVÊNCIA

ÁREA ALIMENTAÇÃO ESPERA EMBARQUE/DESEMBARQUE

SANITÁRIOS

Projetamos uma área destinada ao Poupatempo, bem menor que o já existente no Novo Shopping, mas que serve para serviços rápidos e agendamentos, no que diz respeito a documentos pessoais, habilitação, emprego e trabalho.

ÁREA COMERCIAL PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRAÇÃO

Projetamos também uma área destinada aos correios, para postagem de correspondências e possíveis retiradas.

APOIO CIRCULAÇÃO EMBARQUE/DESEMBARQUE

Além disso, a rodoviária possui 21 boxes comerciais de tamanhos variados, uma área de alimentação, duas varandas com vistas privilegiadas, e uma área de vivência. A área de apoio é no eixo esquerdo, contando com enfermaria, sala para funcionários e administração.

SETORIZAÇÃO

A setorização do subsolo baseia-se em uma área para estacionamento e outra para exposições e feiras itinerantes. O estacionamento conta com 81 vagas e o acesso ao térreo acontece pelo elevador e a escada.


18 21

LEGENDA COMPRA PASSAGEM/ESCRITÓRIO AGÊNCIA ÁREA DE VIVÊNCIA

ÁREA ALIMENTAÇÃO ESPERA EMBARQUE/DESEMBARQUE

SANITÁRIOS ÁREA COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO CIRCULAÇÃO EMBARQUE/DESEMBARQUE ÁREA DE EXPOSIÇÕES ESTACIONAMENTO

O corte esquemático mostra de forma clara como a setorização foi pensada. Aproveitamos os desníveis do terreno tomando-os como partido projetual. No centro da rodoviária foi projetada uma grande área de vivência toda aberta, feita em treliças metálicas, com bancos e vegetações de forma a favorecer a iluminação e ventilação natural. A projeção dessa grelha se projeta no piso de acordo com a altura do sol, criando o efeito luz/sombra.

SETORIZAÇÃO


18 22

LEGENDA PILARES VIGAS PROTENDIDAS

VIGAS DE BORDA LAJE ALVEOLAR

MURO DE ARRIMO

A rodoviária foi projetada em concreto armado, com suas vigas em concreto protendido, laje alveolar de 40cm moldada in loco. No subsolo os pilares foram distribuídos de 10 em 10m no eixo horizontal, e pilares de 25 em 25m no eixo vertical. Com isso, possibilitamos uma melhor distribuição no layout da planta. Sua vedação externa será em alvenaria e vidro. Já na parte interna a vedação será em drywall.

ESTRUTURA


3 20 23

AMBIENTES

A esquerda temos a área de espera do Poupatempo com os painéis de atendimento. Na imagem acima, podemos notar o acesso a rodoviária com os guichês das empresas de transportes, e os caixas 24 horas, estes caixas foram dispostos de forma a criar privacidade e facilitar o saque para compra de tickets. A direita podemos observar a área de vivência central, com bancos e vegetações. O piso utilizado nesta área flui por toda a extensão da rodoviária.


24318

AMBIENTES

No eixo comercial foi disposta uma área destinada a alimentação (imagem a esquerda), com uma área um pouco menor que possibilita a apresentação de músicos, cantores e artistas. Na imagem acima podemos notar a área de embarque, com poltronas e vegetações, de forma a deixar a espera menos cansativa e mais agradável. A imagem a direita mostra outra perspectiva da praça de vivência central.


25318

SUBSOLO

Nos utilizamos do terreno de forma que pudéssemos aproveita-lo ao máximo sem que fosse necessária a movimentação de terra. Sendo assim, o estacionamento ficou no subsolo juntamente com um espaço destinado a feiras e exposições itinerantes. Usamos como referência o MuBe em SP (imagem a esquerda), que da mesma forma, utiliza-se do vão livre para esses fins.


26318

RELAÇÃO COM O EXTERIOR

O projeto se debruça sobre as formas geométricas de forma que elas cheguem ao clímax, conseguindo uma fluidez de dentro para fora e de fora para dentro. A praça é externa mas devido a repetição das formas retilíneas e ao desenho do piso a impressão que se tem é de um único conjunto, que são partes integrantes e coerentes do mesmo projeto.


27318

PONTOS DE VISTA

O terreno onde fizemos a inserção da Nova Rodoviária tem muitos interstícios urbanos e espaços ociosos no entorno, além de o gabarito ser baixo. Isso favorece e qualifica os pontos de vista internos e externos do projeto.


28318

PRAÇA VIVÊNCIA

A praça foi concebida usando como partido sua topografia, fazendo com que o usuário tenha a percepção de um escalonamento. Além disso, a praça conta com equipamentos de academia ao ar livre, playground infantil e área de vivência. Todo o perímetro conta com uma rampa de acessibilidade de acordo com a NBR 9050, além todas as escadas propostas.


2919

PRAÇA VIVÊNCIA

O entorno onde a praça será inserida é predominantemente residencial, com alguns condomínios e terrenos vazios. Pensamos em oferecer equipamentos de uso público, de forma que não só a população que se utilizará do terminal, mas também os moradores do entorno imediato possam se utilizar e dar vida ao espaço, que é algo significante e que não se dá na rodoviária atual.


30

PRAÇA VIVÊNCIA

Foi necessária a criação de um muro verde, feito em cobogó, para que houvesse a separação da praça com a área de embarque e desembarque dos ônibus. A princípio, a única separação existente era a via por onde os ônibus transitavam, e por uma questão de segurança e até para que houvesse melhor controle de cada ambiente, optamos em fazer a separação desta maneira.


NOVO TERMINAL RODOVIÁRIO PARA RIBEIRÃO PRETO  

PROJETO DE UM NOVO TERMINAL RODOVIÁRIO PARA RIBEIRÃO PRETO DESENVOLVIDO PARA A DISCIPLINA ATELIÊ DE PROJETO VII. Junho, 2018.

NOVO TERMINAL RODOVIÁRIO PARA RIBEIRÃO PRETO  

PROJETO DE UM NOVO TERMINAL RODOVIÁRIO PARA RIBEIRÃO PRETO DESENVOLVIDO PARA A DISCIPLINA ATELIÊ DE PROJETO VII. Junho, 2018.

Advertisement