Page 1

René Descartes 1596-1650

O Projecto de Fundamentação do Saber


A atitude de Descartes perante o saber do seu tempo pode caracterizar-se segundo dois ASPECTOS:

1. O conjunto das crenças, que constituem o sistema (edifício) do saber, está assente em bases frágeis.


2. Esse edifício científico é constituído por crenças que não estão na sua devida ordem.


Descartes pretende fundar em bases novas e seguras o edifício do saber. DERRUBAR O EDÍFICIO DO SABER TRADICIONAL


O projecto cartesiano consiste na construção de uma Ciência Verdadeira e Certa, cujas bases têm de ser conhecimentos absolutamente indubitáveis (claros e distintos) para que a partir deles se possa deduzir outras verdades.


Descartes começa por afirmar que recebeu muitas opiniões falsas e que se vai desfazer de todas as opiniões a que erradamente dera crédito; A intenção de Descartes é a de começar tudo de novo, colocar em dúvida todas as crenças (suspensão do juízo).


A dúvida é a resposta de Descartes ao problema do começo radical do saber, surgindo como a recta via que conduz ao saber verdadeiro e certo. Se p é duvidoso, então p é falso. Se p é indubitável (evidente), então p é verdadeiro.


Instrumento na demanda de uma verdade absolutamente indubitรกvel

Ponto de partida

Modo de proceder


A importância da dúvida Trata-se de começar tudo de novo, do princípio. O primeiro princípio deve possuir as seguintes características:


CARACTERÍSTICAS CARACTERÍSTICASDA DADÚVIDA DÚVIDA 1.1.HIPERBÓLICA HIPERBÓLICA

Orientada Orientadapor por uma uma dupla dupla regra: regra: 1)1)OOque quefor for minimamente minimamenteduvidoso duvidoso ééconsiderado consideradocomo como absolutamente absolutamentefalso; falso; 2)2)Aquilo Aquiloque que“alguma “alguma vez vezme meengane” engane”éé considerado consideradocomo como “sempre “sempreenganador”. enganador”.

2.2.UNIVERSAL UNIVERSAL

Coloca Colocaààprova prova aasolidez solidezdas das bases basesde detodos todos os os conhecimentos conhecimentos estabelecidos. estabelecidos.

3.3.CATÁRTICA CATÁRTICA

Liberta Libertaaa razão razãodos dos falsos falsos princípios. princípios.

4.4.ECONÓMICA ECONÓMICA


O método consiste num conjunto de regras: 1ª Regra Regra da Evidência

2ª Regra - Regra da Análise ou da Divisão

«Nunca «Nuncaaceitar aceitarcomo como «Dividir cada uma das «Dividir cada uma das verdadeira qualquer verdadeira qualquer dificuldades que tivesse dificuldades que tivesse coisa sem a conhecer coisa sem a conhecer de abordar no maior de abordar no maior evidentemente como evidentemente como número númeropossível possívelde de tal, i.e., evitar tal, i.e., evitar parcelas parcelasque quefossem fossem cuidadosamente a cuidadosamente a necessárias necessáriaspara para precipitação e a precipitação e a melhor melhoras asresolver» resolver» prevenção» prevenção»

3ª Regra Regra da Síntese ou Composição

«Conduzir «Conduziros osmeus meus pensamentos, pensamentos, começando começandopelos pelos objectos objectosmais mais simples simpleseemais maisfáceis fáceis de deconhecer conhecerpara para subir subirpouco poucoaapouco» pouco»

4ª Regra Regra da Enumeração


Descartes vai submeter todas as crenças a um exame crítico, ou seja, vai tentar encontrar razões para duvidar da sua verdade, utilizando este critério duplo:


11 Considerar como absolutamente falso o que for minimamente duvidoso;

22 Considerar como sempre nos enganando aquilo que alguma vez nos enganar.


DESCARTES VAI SUBMETER TODAS AS NOSSAS CRENÇAS À DÚVIDA. AS CRENÇAS A POSTERIORI VÃO SER AS PRIMEIRAS.

AS CRENÇAS A POSTERIORI NÃO PODEM SERVIR DE BASE A TODO O CONHECIMENTO


LIMITAÇÃO DO ARGUMENTO: Coloca em causa as informações transmitidas pelos sentidos sobre as qualidades dos objectos, mas não põe em causa a sua existência. Os sentidos não são fonte segura de conhecimento


Algumas vezes, não distinguimos o sonho da realidade

Não distinguimos o sonho da realidade sempre

LIMITAÇÃO DO ARGUMENTO: Coloca em causa a existência da realidade física, mas não coloca em dúvida as “verdades matemáticas”. Há razão para acreditar que toda a realidade física é uma ilusão


“QUER EU ESTEJA A DORMIR, QUER EU ESTEJA ACORDADO, 2+2=4” Descartes, Meditações sobre a Filosofia Primeira, I Meditação.

Há razão para acreditar que toda a realidade física é uma ilusão


AS CRENÇAS A PRIORI (PROPOSIÇÕES MATEMÁTICAS) SÃO SUBMETIDAS AO TESTE DA DÚVIDA

Deus permite que nos enganemos algumas vezes

Deus permite que nos enganemos sempre

Há razão para acreditar que o nosso entendimento confunde o verdadeiro com o falso


A HIPÓTESE DO GÉNIO MALGNO É UMA EXPERIÊNCIA MENTAL ATRAVÉS DA QUAL PODEMOS IMAGINAR QUE EXISTE UMA ESPÉCIE DE DEUS ENGANADOR QUE CONSEGUE FAZER-NOS PENSAR QUE SÃO VERDADEIRAS PROPOSIÇÕES QUE AFINAL SÃO FALSAS. Há razão para acreditar que o nosso entendimento confunde o verdadeiro com o falso


O deus enganador (hipĂłtese) pode ternos criado destinados, sem darmos por isso, a confundirmos o verdadeiro com o falso, a errarmos sistematicamente. HĂĄ razĂŁo para acreditar que o nosso entendimento confunde o verdadeiro com o falso


DESCARTES DUVIDOU DE TUDO.


O Projecto Cartesiano de Fundamentação do Saber  

O Racionalismo de Descartes