Issuu on Google+

Erros de RaciocĂ­nio


• ERROS DE RACIOCÍNIO

FALÁCIAS

• ERROS DE RACIOCÍNIO QUE TÊM UNICAMENTE A VER COM A FORMA LÓGICA.

1. FORMAIS

• ERROS DE RACIOCÍNIO QUE NÃO TÊM A VER SOMENTE COM A FORMA LÓGICA.

2. INFORMAIS


1) FORMAIS

Falácia do Termo Não Distribuído Falácia da Ilícita Menor Falácia da Negação do Antecedente

Falácia da Ilícita Maior Falácia da Afirmação do Consequente


FALÁCIAS FORMAIS 1) Falácia da Afirmação do Consequente 1. Se P, então Q. 2. Q. 3. Logo, P.

2) Falácia da Negação do antecedente 1. Se P, então Q. 2. Ora, Não P. 3. Logo, não Q. 4


2) FALテ,IAS INFORMAIS


Hmm ... O que torna errado estes raciocĂ­nios?


EXEMPLO: AS MULHERES SÃO A NOSSA DESGRAÇA PORQUE UMA DELAS DESTRUIU-ME A VIDA. Jules, o australiano, roubou a minha carteira. Portanto, os Australianos são ladrões.


Esta falácia ocorre quando uma generalização se baseia num número muito limitado de casos.


EXEMPLO: AS MULHERES SÃO A NOSSA DESGRAÇA PORQUE UMA DELAS DESTRUIU-ME A VIDA. Jules, o australiano, roubou a minha carteira. Portanto, os Australianos são ladrões.


Exemplo: Os empregados são como pregos. Temos de martelar a cabeça dos pregos para estes desempenharem a sua função. O mesmo deve acontece com os empregados.


Comete-se esta falácia por várias razões: 1. o número de objectos comparados é reduzido; 2. o número de semelhanças entre os objectos é escasso; e 3. as semelhanças apresentadas são pouco ou nada relevantes.


Exemplo: Os empregados são como pregos. Temos de martelar a cabeça dos pregos para estes desempenharem a sua função. O mesmo deve acontece com os empregados.


Exemplo: O gato miou quando eu abri a porta. Logo, o gato miou porque eu abri a porta.


Trata-se de um argumento segundo o qual apenas por um facto se seguir a outro se conclui que o primeiro ĂŠ causa do segundo.

Post hoc ergo propter hoc


Exemplo: O gato miou quando eu abri a porta. Logo, o gato miou porque eu abri a porta.


Garanto-te que ĂŠ verdade porque aparece na WikipĂŠdia.


Argumentum ad verecundiam

Esta falácia ocorre quando se declara que a conclusão é verdadeira por uma pessoa ou organização tidas por autoridades no assunto a declararem verdadeira.


Garanto-te que ĂŠ verdade porque aparece na WikipĂŠdia.


Exemplo: Ou concordas comigo ou n達o. (Porque se pode concordar parcialmente.)


Esta falácia ocorre quando é dado um limitado número de opções (na maioria dos casos apenas duas), quando de facto há mais.


Exemplo: Ou concordas comigo ou n達o. (Porque se pode concordar parcialmente.)


Exemplo: Ninguém provou que Deus existe. Logo, Deus não existe. Ninguém provou que Deus não existe. Logo, Deus existe.


Esta falácia ocorre quando se argumenta que uma proposição é verdadeira porque não foi provado que é falsa ou falsa porque não foi provado que é verdadeira.


Exemplo: Ninguém provou que Deus existe. Logo, Deus não existe. Ninguém provou que Deus não existe. Logo, Deus existe.


Exemplo:

As pessoas que querem legalizar o aborto, querem prevenção irresponsável da gravidez. Mas nós queremos uma sexualidade responsável. Logo, o aborto não deve ser legalizado.


Esta falácia ocorre quando a tese dos adversários é distorcida e deturpada para ser atacada mas isso significa que se falha o alvo. A tese do adversário é atacada, mas só depois de ser alterada.


Exemplo:

As pessoas que querem legalizar o aborto, querem prevenção irresponsável da gravidez. Mas nós queremos uma sexualidade responsável. Logo, o aborto não deve ser legalizado.


EXEMPLO: Se beberes um copo de vinho, vais beber dois. Se beberes dois copos de vinho, vais beber tr锚s. Logo, se beberes um copo de vinho, vais tornar-te alco贸lico.


Esta falácia ocorre quando a conclusão resulta de uma série de consequências cujo encadeamento é muito improvável.Para se mostrar que uma proposição p é inaceitável, se extrai uma série de consequencias inaceitáveis de p.


EXEMPLO: Se beberes um copo de vinho, vais beber dois. Se beberes dois copos de vinho, vais beber tr锚s. Logo, se beberes um copo de vinho, vais tornar-te alco贸lico.


Exemplo: Os ecologistas dizem que consumimos demasiado energia; mas não ligues porque eles têm uma tendência para o exagero.


Esta falácia ocorre quando se ataca a pessoa (o carácter, a condição social, a etnia, a religião, a ideologia, etc) que apresentou um argumento e não o argumento. Ataques pessoais.


Exemplo: Os ecologistas dizem que consumimos demasiado energia; mas não ligues porque eles têm uma tendência para o exagero.


Exemplo: Como pode dizer que eu reprovo? Eu estava mais perto da positiva e, alĂŠm disso, estudei 16 horas por dia.


Esta falácia ocorre quando se pede a aprovação do auditório na base do estado lastimoso do Autor.


Exemplo: Como pode dizer que eu reprovo? Eu estava mais perto da positiva e, alĂŠm disso, estudei 16 horas por dia.


Exemplo: Toda a gente sabe que a Terra é plana. Então por que razão insistes nas tuas excêntricas teorias?


Esta falácia ocorre quando se sustenta que uma proposição é verdadeira por ser aceite como verdadeira por algum sector representativo da população.


Exemplo: Toda a gente sabe que a Terra é plana. Então por que razão insistes nas tuas excêntricas teorias?


2) informais

1. Falácia da Generalização Precipitada 3. Falácia da Falsa Causa 5. Falácia da Falsa Dicotomia 7. Falácia do Apelo à Ignorância

2. Falácia da Falsa Analogia 4. Falácia do Apelo à Autoridade 6. Falácia da Petição de Princípio 8. Falácia do Boneco de Palha

9. Falácia da Derrapagem 11. Falácia do Apelo à Piedade

10. Falácia Contra o Homem 12. Apelo ao Povo


Realizado por: Isabel MouraD


Falácias formais e informais