Issuu on Google+


Eu duvido de tudo, mas se estou a duvidar estou a pensar, e se estou a pensar, não posso duvidar da minha existência como sujeito que duvida ou pensa. “PENSO, LOGO EXISTO AFIRMAÇÃO DA EXISTÊNCIA DO SUJEITO PENSANTE


O COGITO : UMA CRENÇA FUNDACIONAL

FUNDAMENTO DO NOVO SISTEMA DE SABER


“PENSO, LOGO EXISTO” (cogito, ergo sum) v é 1 princípio do sistema de saber; q não é um conhecimento sensível; q não é um conhecimento matemático;

v  é uma realidade metafísica

(sujeito pensante)


3. Motor do 2. Verdade 1.Conhecimento absolutamente primeira Conhecimento absolutamente evidente Não há qualquer

Resiste à dúvida.

verdade anterior a esta. Neste momento duvidamos de tudo à excepção do sujeito que tudo duvida, o “eu pensante”.

D e l e v a m o s deduzir n o v a s verdades.


4. Critério de Verdade Só as ideias ou conhecimentos tão claras e distintas como o “cogito” vão ser consideradas verdadeiras ( evidentes).

5. Verdade puramente Racional


6. Verdade intuitiva (existencial)

Se fosse um silogismo (dedução), uma verdade lógica seria um conhecimento (conclusão) obtido a partir de outros conhecimentos anteriores (premissas) que não teriam sido sujeitos à dúvida.


1. TUDO O QUE PENSA EXISTE 2. EU PENSO 3. LOGO, EU EXISTO

PREMISSAS = CONHECIMENTOS NÃO SUBMETIDOS AO TESTE DA DÚVIDA O sujeito toma consciência da sua existência no acto de pensar.


1. SUPERAÇÃO DO CEPTICISMO

A d ú v i d a resolve-se em certeza, 1 v e r d a d e (“COGITO, ERGO SUM”)

2. FUNDAMENTO DA CIÊNCIA

O “Penso, logo existo” é a 1 verdade, o ponto de Arquimedes, a partir do qual podemos deduzir, extrair, novas verdades

3ª CRITÉRIO DE VERDADE

Será verdadeiro o que for tão claro e distinto como o Cogito.


1. FINITUDE DO COGITO

O “eu pensante” tem a certeza de que existe enquanto pensa. Se deixar de pensar, deixa de existir (identidade entre pensar e existir)

2. IMPERFEIÇÃO DO COGITO

O Cogito foi alcançado numa experiência de dúvida. Ora, duvidar é s i n a l d e imperfeição,tal como conhecer é sinal de perfeição.

3. CLAUSURA DO EU PENSANTE

O “eu pensante” encontra-se sozinho com os s e u s pensamentos (estado de solipsismo).


Limitação: Necessidade de fundar o Cogito em Deus (Ser Perfeito).


A essência do sujeito que duvida é uma substância meramente pensante, à qual Descartes dá o nome de alma (RES COGITANS); A alma é distinta do corpo, não precisando deste para existir.


IDEIAS ADVENTÍCIAS PRODUZIDAS PELOS SENTIDOS: CASA, ÁRVORE... IDEIAS CONFUSAS QUE NÃO CONDUZEM A UM CONHECIMENTO VERDADEIRO

INATAS PRODUZIDAS PELO ENTENDIMENTO. IDEIAS CLARAS E DISTINTAS (EVIDENTES). EX; IDEIA DE DEUS... DEUS COLOCOU NO ENTENDIMENTO HUMANO AS SEMENTES DA VERDADE (IDEIAS INATAS)

FACTÍCIAS PRODUZIDAS PELA I M A G I N A Ç Ã O : UNICORNIO,CENTAUR O. IDEIAS CONFUSAS E ERRÓNEAS



Cogito