Page 1

Vol. 02 / n° 064 ISSN 2019-013 CDD 720

GALERIA DE ARTE

CONTEMPORÂNEA ISABELA BULASCOSCHI


Isabela Titiz Bulascoschi Docente do curso de Arquitetura e Urbanismo Universidade de MarĂ­lia


CONTENPORÂNEA GALERIA DE ARTE


Sumário 9 10 11 12 15 17 18 29 35 45

RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO CONCEITO EVOLUÇÃO HISTÓRICA

LEGISLAÇÃO LEITURA PROJETUAL PROPOSTA PROJETUAL

PROJETO REFERÊNCIAS


CONTEMPORÂNEA

9

GALERIA DE ARTE

OMUSER

O projeto proposto visou desenvolver uma galeria de arte na cidade de Marília, para que a cultura da arte seja fomentada pela população, com espaço para convivência externo com área verde e espelhos d’água, criando um clima bucólico. Através de leituras de livros, trabalhos científicos e acadêmicos, e

até

materias

do

YouTube

foi

possível

reunir

materiais

e

informações com muito conteúdo para propor, um anteprojeto de uma galeria de arte contemporânea, o espaço foi pensado para as pessoas que apreciam a arte, algo diferente e com conteúdo cultural na cidade, com espaço para exposições de artistas

locais

e

regionais,

artistas

renomados

e

exposições

exposições

de

curto

itinerantes,

período

além

de

de

poder

desfrutar de um espaço de lazer, com mobiliários para uma boa leitura, uma boa música, ou só para relaxar e também um café encantador,

rodeados

por

artes

em

enormes

murais

e

por

espelhos d’água que começam desde a fachada e percorrem toda a galeria, até o espaço de lazer externo. Marília é uma cidade de aproximadamente 237 mil habitantes (IBGE,

2018)

valorizada, artísticas,

onde

não pois

a

arte

tendo quem

na

cidade

possibilidade é

um

e

região

de

não

opções

apreciador,

é

muito

culturais

deve-se

e

percorrer

quilômetros de distância para ter contato com a arte. A proposta de um projeto de galeria exercerá um impacto muito grande

capaz

socialmente, não

termos

de

mudar

a

culturalmente, nenhum

tipo

cidade

e

de

e

a

região

economicamente, espaço

de

arte

de

pois

com

Marília, além

de

qualidade,

também não temos eventos artísticos e culturais, onde poderá ser feitos workshops, palestras, oficinas, dentre outros. O

espaço

do

café

será

um

espaço

convidativo

para

a

populaçao, será um ambiente com requinte, arte e cultura, onde pessoas que não apreciam arte também poderá ser atraída para o local, devido ao ambiente que elas encontrarão para o lazer.

Palavras-chave: Galeria de arte. Muralismo. Arte. Modernismo.


CONTEMPORÂNEA

10

GALERIA DE ARTE

of Marília, so that the culture of art is fostered by the population, with space for external living with green area and water mirrors, creating a bucolic climate. Through readings of books, scientific and academic works, and even YouTube material, it was possible to gather materials and information

with

a

lot

of

content

to

propose,

a

draft

of

a

contemporary art gallery, the space was designed for people who

appreciate

content

in

the

art,

city,

something with

space

different for

and

exhibitions

with of

cultural

local

and

regional artists, short-term exhibitions of renowned artists and traveling exhibitions, and you can enjoy a leisure space, with furniture for good reading, good music, or just to relax and also a charming

café,

surrounded

by

art

on

huge

murals

and

water

mirrors that start from the façade and run through the gallery to the outdoor leisure space. Marília is a city of approximately 237 thousand inhabitants (IBGE, 2018) where art in the city and region is not highly valued, having no possibility of cultural and artistic options, because who is a connoisseur, must travel miles to have contact with art. The proposal of a gallery project will have a very large impact capable of changing the city and the region of Marilia, socially, culturally, and economically, because besides having no kind of quality

art

space,

we

also

do

not

have

artistic

events

and

workshops, lectures, workshops, among others. The café space will be an inviting space for the population, it will be an environment with refinement, art and culture, where people who do not appreciate art can also be attracted to the place, due to the environment they will find for leisure.

Keywords: Art Gallery. Muralism. Art. Modernism.

TCARTSBA

The proposed project aimed to develop an art gallery in the city


CONTEMPORÂNEA:

11

GALERIA DE ARTE

INTRODUÇÃO A arte é uma das formas de comunicação do ser humano, para expressar suas emoções, sua história, seu estilo ou sua cultura, e pode ser representada de várias

formas,

como

música,

pintura,

escultura,

dança, cinema, entre outras. Desde que surgiu, a arte tem ocupado um lugar muito importante

na

sociedade.

Segundo

Gonçalves

(2004) a palavra “museu” significa templo das musas, e a palavra “exposição” significa “pôr para fora”, os museus surgiram do ato de colecionar e do desejo de expor sua coleção. A exposição é o resultado de objetos cheios de valores culturais e históricos, são reunidos para uma mostra. Essas coleções eram particulares obras de arte que a elite possuía, e eram doadas aos museus abertos ao público,

as

exposições

artísticas

surgiram

para

apresentação de artistas, e logo surgiram as galerias, também

como

forma

de

apresentar

artistas

e

comercializar obras. Devido à falta de incentivo ás artes na cidade, foi proposta

uma

galeria

de

arte,

onde

será

possível

divulgar artistas, abastecer a cidade de cultura, e descobrir

artistas

que

provavelmente

SE NAS DÉCADAS DE 1920 E 1930, NO BRASIL, OS MURAIS ENALTECIAM A FIGURA DO TRABALHADOR RURAL, A PARTIR DA DÉCADA DE 1950, ESTES PAINÉIS PASSARÃO A REPRESENTAR O TRABALHADOR DAS FÁBRICAS, DAS INDÚSTRIAS. NO MÉXICO, O PRINCIPAL INVESTIDOR FOI O GOVERNO REVOLUCIONÁRIO, QUE DESEJAVA SE AFIRMAR POLITICAMENTE, DEFENDENDO A NECESSIDADE DE UMA FUNÇÃO SOCIAL PARA A OBRA DE ARTE, EXPONDO EM MURAIS A OPRESSÃO DO COLONIZADOR ESPANHOL, DA DITADURA PORFIRISTA E DA EXPLORAÇÃO CAPITALISTA NORTE-AMERICANA NO MÉXICO. ESTA FOI A FORMA ENCONTRADA PELOS MURALISTAS PARA CHAMAR A ATENÇÃO DO POVO PARA ESSES PROBLEMAS SOCIAIS.

nunca

(BELO GONÇALVES; MARCELA, 2013, p.5)

ingressariam no mundo da arte, pelo fato de não morarem próximos da capital, onde lá teriam acesso a mais informações e eventos. O

objetivo

do

projeto

da

galeria

não

é

apenas

econômico, ou seja, fomentar e valorizar o mercado da

arte

também

na

região

expandir

e

com

obras

fazer

importantes,

conhecidos

mas

nomes

e

Também será proposto um local no terreno e grandes murais para que aquelas pessoas que pela falta de interesse, ou cultura não entrariam em uma galeria, possam se deparar com a arte nos murais e refletirem sobre os diversos temas abordados, pois a arte nos murais não tem apenas interesse em decoração, pelo elas

muitas

vezes

protestar e passar mensagens.

foram

formas

pesquisas

bibliográficas,

assistidos

através

pesquisa

de

arquitetura, principal.

da

bibliográfica

científicas

principalmente obras de artistas iniciantes.

contrário,

Para o desenvolvimento do trabalho foram utilizadas

e

livros

dentre

além

de

documentários

plataforma baseou-se

da

área

assuntos

de

YouTube.

em

A

publicações

artes,

relacionados

cultura, ao

tema


CONTEMPORÂNEA:

12

GALERIA DE ARTE

CONCEITO GALERIA DE ARTE

Galerias de arte são espaços arquitetônicos para exposição de obras de arte (pinturas, esculturas, fotografias, instalações e todo tipo de obra de arte visual), com seu ambiente adequado para segurança das obras, iluminação correta, e espaços para circulação e observação dos apreciadores. Diferentemente dos museus, as galerias comercializam suas obras expostas, mas não possuem somente o interesse econômico, elas também fomentam a cultura, e são conhecidas por fazer a ponte entre artistas e colecionadores. Do contrário, um artista sem uma ligação com alguma galeria tem sua carreira bem mais lenta e complicada, pois é através das exposições, na galeria que o representa, que tem mais visibilidade e seus nomes ficam conhecidos, tanto no país quanto no exterior, segundo a jornalista Julia Flamingo[1]. As galerias se dividem em dois mercados, o primário e o secundário. O primário é onde elas vendem as obras dos artistas, representando-os. O secundário revende obras de marchands e leiloeiros. (FLAMINGO, 2018)

[1]Júlia Flamingo nasceu em São Paulo, é jornalista de arte com bacharel em jornalismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, e história pela Pontifícia Universidade Católica, em São Paulo. Trabalhou como repórter e crítica de arte da revista

Veja

São

Paulo

entre

os

anos

de

2015

e

2017,

foi

Contemporânea e assessora da SP-Arte e Bienal de São Paulo

assistente

de

comunicação

do

Instituto

de

Cultura


CONTEMPORÂNEA: GALERIA DE ARTE

13

arte

muralista


CONTEMPORÂNEA:

14

GALERIA DE ARTE

O muralismo é uma pintura feita sobre parede

O objetivo das pinturas em murais é expandir de

ou

forma

muros,

como

se

fossem

uma

enorme

tela,

onde os artistas fazem suas obras de arte. Essa

pública

a

arte

moderna

como

afirma

o

grande muralista do Brasil, Eduardo Kobra:

técnica está relacionada à arquitetura pois ela tem

capacidade

de

mudar

o

espaço

e

dar

diferentes características e identidade para o local. Esse

tipo

de

pintura

existe

desde

a

antiguidade, como por exemplo o afresco, como os de Michelangelo na capela sistina, mas ela teve relevância mesmo somente no século XX, iniciando no México como forma de expressar suas

ideias

durante

a

Revolução

Mexicana,

conforme afirma Peixoto de Alencar.

Os artistas David Alfaro Siqueiros, Diego Rivera e José Clemente Orozco, expoentes do muralismo mexicano, defendiam que a arte deveria ter alcance social, ou seja,deveria ser acessível ao povo. Daí a opção pelos murais, que ocupam os lugares públicos, rompendo com a pintura de telas e com os meios restritos de circulação das obras de arte, como galerias, museus e coleções particulares. (PROGRAMA DIFERENTE; A arte do grafiteiro e muralista Eduardo2013, Kobra, (BELO GONÇALVES; MARCELA, .3) 2017)

Eu acho que o grande barato de pintar na rua é justamente você levar esses trabalhos ao acesso de milhões de pessoas, independente da classe social. Pessoas que não entram ou nunca entraram em uma galeria de arte tem ali na cidade um trabalho que está acessível, tendo um contato com os artistas. (PROGRAMA DIFERENTE; A arte do grafiteiro e muralista Eduardo Kobra, 2017)


CONTEMPORÂNEA: GALERIA DE ARTE

15

EVOLUÇÃO


CONTEMPORÂNEA:

16

GALERIA DE ARTE

HISTÓRICA Constituir um mercado de arte, exigem alguns pré-

A arquitetura durante o início do século XX financiou

requisitos,

a

o

estabilização

primeiro da

está

moderna,

na

metade

do

século

muitos

designers de móveis modernos, abriam suas lojas e elas também operavam como galerias de arte. Em

o volume de capital disponível em circulação. Outro

São Paulo as primeiras galerias de arte foram no

pré-requisito está relacionado com um público que

centro

teve seus valores e criação baseados na cultura e no

primeiras galerias surgiram na zona sul, nos bairros

consumo, conforme Bueno (2005).

de Copacabana e Ipanema. (BUENO, 2005)

O modelo de arte sempre veio dos europeus, até a

A

Segunda

quase

devido

arte

ao

era

capitalista,

à

fato de que o mercado de arte está relacionado com

Guerra,

economia

relacionado

inexistente

a

antigo

galeria

de

da

cidade,

arte

ganha

e

no

Rio

de

importância

Janeiro,

a

partir

as

do

arte

modernismo. A obra modernista é sinônimo de arte

contemporânea americana. Mas durante a Segunda

feia, pois ela foge totalmente do modelo clássico de

Guerra os museus nova iorquinos decidiram promover

arte, começando com o Realismo e o Romantismo em

esses artistas de vanguarda na cidade. A primeira a

que o cotidiano passa a ser representado, começa aí

trabalhar com os artistas contemporâneos na cidade

a

de Nova York foi, Peggy Guggenhein com sua galeria

Mas

Art of this Century. (BUENO,2005)

alterada

passagem essa

mesmo

com

o

modernismo.

impressionismo

que

começaram

a

a

ser

rompe

arte

os preços das artes subiram drasticamente, tornando-

importante é pintar. (BUENO,2005)

as

a

Segundo cita Paula (1995), durante o século XIX o

produção da nova geração, onde o mercado da arte

centro cultural foi em Paris, e os europeus tinham um

contemporânea se consolidou na pop arte.

domínio sobre o gosto das pessoas em relação à

Diferente dos EUA, no Brasil não tínhamos galerias de

arte, eles ditavam o que era “bom gosto”, até que

arte, ou instituições artísticas, apenas em 1947 que

mais tarde houve uma liberação do gosto sobre as

através do MASP (Museu de Arte de São Paulo) que

artes, principalmente no campo das obras antigas. E

tivemos

logo

a

e

consequentemente

primeira

coleção

possibilitando

importante

de

arte

houve

de

uma

ter

qualquer

especialmente

investir muito em obras de arte, e com a alta demanda,

raras,

deixa

perspectiva,

que

efetivada por Cézanne, marcando essa ruptura. A

ricos,

de

o

começa

com

novos

correto

para

renascentista

o

de

uso

renascimento

Segundo Bueno (2005), após a Segunda Guerra, houve crescimento

o

do

tradição

ampliação

do

compromisso,

público

das

o

artes

europeia no país. (BUENO, 2005)

plásticas, a fotografia foi uma grande influência para

Os primeiros galeristas e colecionadores de arte que

aumentar a popularidade. Foi criado então, novos

tivemos

lugares para exposição e o Museu do Louvre (1826).

no

Brasil

eram

estrangeiros

refugiados

da

guerra, que tiveram um papel importante na cultura artística do país, tanto nas artes visuais, com teatro, cinema e televisão. Foi através dos museus de arte moderna e bienais que nós tivemos acesso à cultura artística internacional, no Brasil. (BUENO, 2005) Conforme cita Bueno (2005), a primeira galeria a ser aberta, como iniciativa ao mercado de arte, foi a Galeria Domus, seus proprietários vieram da Itália no pós-guerra.


LEGIS LAÇÃO CONTEMPORÂNEA: GALERIA DE ARTE

17

O projeto será feito com base no Código de Obras e Edificações do Município de Marília. De acordo com a Seção IX do Código de obras, Parágrafo 4° - as instalações sanitárias de edificações não residenciais deverão obedecer às normas estabelecidas pelo Código Sanitário vigente no Estado de São Paulo. Para a execução do projeto também se faz necessário as normas da ABNT (Associação brasileira de normas técnicas), como por exemplo:

ABNT NBR 12693:2010 – Sistemas de proteção por extintores de incêndio. ABNT NBR 9050:2004 Versão Corrigida: 2005 – acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos.


CONTEMPORÂNEA: GALERIA DE ARTE

18

LEITURA PROJETUAL

solomon

guggeinheim


CONTEMPORÂNEA:

19

GALERIA DE ARTE

Com sua conclusão em 1959, o museu tem como objetivo difundir a arte moderna e contemporânea. O projeto de Frank Lloyd Wright, teve sua aprovação um pouco demorada, pois não se adequava com a legislação urbanística da época.

SE WRIGHT, NOS PRIMEIROS ANOS DO SÉCULO XX, JÁ TINHA SIDO O PRIMEIRO A CONSEGUIR ROMPER COM A CAIXA TRADICIONAL DA CASA RESIDENCIAL, EM MEADOS DO SÉCULO XX FOI TAMBÉM ELE QUEM CONCEBEU A SOLUÇÃO QUE CONVERTIA O MUSEU EM UM PERCURSO GERADOR DE MOVIMENTO CONTÍNUO. ERA O PRIMEIRO GRANDE PASSO PARA EVOLUIR DA CAIXA ESTÁTICA E FECHADA, ACADÊMICA E SIMÉTRICA, PARA UMA FORMA INÉDITA E CINEMÁTICA; UM NOVO MUSEU ATIVO E DINÂMICO, CONFIGURADO, NESTE CASO, EM ESPIRAL.

(MONTANER; JOSEPMARIA, 2003, p.160). Conforme Reis (2007), o que era o projeto de interior tradicional dos museus, passando de uma sala para outra para contemplar exposições, com Wright passou a ser uma rampa em espiral contínua no interior do museu que conecta os espaços de exposições do museu, somente pelo fato de subir ou descer a rampa. O museu foi muito criticado, especialmente pelos artistas pelo fato de o projeto interior chamar mais atenção do que as próprias obras de arte expostas, e pelo fato de a rampa em espiral gerar certa dificuldade de observação das obras. O percurso do museu é através de uma rampa em espiral contínua que leva do térreo ao 7° pavimento.

1° PAVIMENTO

TÉRREO

Fonte: Pitta (2003)

1 2

RAMPA / EXPOSIÇÃO GALERIA

3

LIVRARIA

4

ESCRITÓRIOS

1 2 3 4 5 6 7

ACESSO ENTRADA PARA O ÁTRIO GALERIA PRINCIPAL / ÁTRIO RAMPA GALERIA ESCRITÓRIO JARDIM DE ESCULTURAS


CONTEMPORÂNEA:

20

GALERIA DE ARTE

A área administrativa fica no segundo pavimento onde se encontra o escritório dos supervisores, sala de administração, e de conselho, salas de reuniões, planejamento de inspeção predial, elevadores, escadas e sanitários femininos e masculinos. No térreo as entradas de serviço, e café com galeria nas extremidades. No entorno da galeria principal encontra-se os lockers, duto, elevadores, e no centro onde tem a galeria principal, tem o balcão de informação, vista para os 6 pavimentos, e a rampa onde iniciará o trajeto para ver as exposições. No

primeiro

piso,

além

da

rampa

principal,

onde

continua

as

exposições,

existem

escritórios, e livraria. E sua cobertura possui uma cúpula transparente dando leveza ao edifício de concreto.

alguns


CONTEMPORÂNEA:

21

GALERIA DE ARTE

Galeria Adriana Varejão

A galeria foi a primeira obra do Instituto Inhotin, localizado em Brumadinho, MG, aberto ao público em

2006

que

expõe

o

maior

acervo

de

arte

contemporânea particulares do Brasil. O projeto do arquiteto Rodrigo Cerviño Lopes foi feito para expor, permanentemente um conjunto de obras da artista Adriana Varejão. A galeria tem formato de uma caixa de concreto, um

grande

terreno

cubo

brutalista,

inclinado,

tendo

suspensa

dois

em

espaços

um para

exposições nos pisos fechados e um contemplativo na cobertura. (RIBEIRO, 2015.)

5.2.1 Térreo De acordo com Serapião (2015) o acesso principal é através de um caminho que parece flutuar sobre um espelho d’água que leva primeiramente a uma praça onde se encontra a primeira obra artística Panacea Phantastica, que é um banco revestido de

azulejos

brancos,

com

pinturas

de

plantas

alucinógenas. Neste

mesmo

nível,

após

a

praça

continua

o

caminho sobre o espelho d’água que leva à área de exposição no térreo que contém uma grande sala e dois banheiros públicos, com paredes de concreto pilares.

aparente

que

mostram

as

vigas

e

os


CONTEMPORÂNEA:

22

GALERIA DE ARTE

Onde estão expostas as obras: a escultura Linda do Rosário e O Colecionador, óleo sobre tela, que é um trabalho 2D, mas com impressão 3D, esse tipo de trabalho é conhecido como trompe l’oeil, onde a luz natural que iluminam as obras, através de claraboias de vidro.

5.2.2 Primeiro piso Subindo as escadas, entre térreo e primeiro piso, desemboca no centro da sala, que tem a famosa

obra

Celacanto

Provoca

Maremoto

(2004/2008). O piso com acabamento em resina brilhante branca, reflete a obra. (SERAPIÃO, 2015)

5.2.3 Cobertura A

ligação

entre

o

primeiro

piso

e

cobertura

é

através de uma rampa que guia até o terraço, onde

é

Inhotim

encontrada a

passarela

Demini interliga

nível. (SERAPIÃO, 2015)

Fonte: Archdaily (2019)

a

obra

(2008), a

e

cobertura

Passarinhos: finalmente e

a

saída,

De uma em


CONTEMPORÂNEA:

23

GALERIA DE ARTE

cobertura 1

2

1

RAMPA / EXPOSIÇÃO

2

GALERIA

3

LIVRARIA

3

1° piso 4

ACESSO DO /AO TERRAÇO

5

EXPOSIÇÃO

6

SALA TÉCNICA

6

5 4

Fonte: Archdaily (2019)


CONTEMPORÂNEA:

24

GALERIA DE ARTE

térreo 12

9

7

SALA DE EXPOSIÇÕES

8

BANHEIROS

9 AR CONDICIONADO 10 ESPELHO D'ÁGUA

8

7 11

11 12

10

PRAÇA SAÍDA / ENTRADA

corte 5

Fonte: Archdaily (2019)


CONTEMPORÂNEA:

25

GALERIA DE ARTE

galeria Galeria Uffizi

A

galeria

está

entre

as

mais

importantes entre os museus italianos, desde

a

sua

Médici, Toscana.

A

formato uma

criação

família galeria

de

importantes do

hoje

família

de

da

da

possui

pinacoteca,

coleção

obras

pela

tradicional

um

possuindo

trabalhos

muito

Renascença,

como

“classicismo”

de

Leonardo,

Michelangelo, Rafael e Ticiano. Alguns dos

quadros

expostos

mais

na

importantes

galeria

estão

A

Primavera, de Botticelli, Adoração dos Magos, de Leonardo, Sagrada Família, de Michelangelo, Leão X, de Rafael. O grande Tríptico de Portinari, de Hugo van

der

Goes,

está

na

mesma

sala

que as obras de Botticelli, em outra sala

ficam

expostas

Caravaggio

e

as

obras

Rembrandt.

As

de

salas

onde estão as coleções Médici foram projetadas por Buontalenti. O

edifício

Vasari,

Uffizi

com

harmoniosas

foi

projetado

proporções

que

permitiram

por bem

serem

feitas diversas alterações ao longo do século, que viria a se tornar a galeria, pois primeiramente ela foi projetada para

ser

monarca próximo

o de ao

fórum,

a

Florença, Palazzo

pedido Cósimo

Vecchio,

do I, sua

residência, e seu filho Francesco I que decidiu mudar a utilização do edifício, e transformá-lo em galeria, pois ele estava como

expandindo colecionador

obras de arte.

suas e

atividades

apreciador

de


CONTEMPORÂNEA:

26

GALERIA DE ARTE

A

galeria

público

abriu

em

suas

1581.

portas

Na

ala

para

leste

o no

primeiro andar foi construído o Teatro Mediceo

em

1585

e

na

ala

oeste

estava a ourivesaria. Em

meados

duque

duplicaram que

do

século

Ferdinando a

a

galeria

galeria

oeste,

decoradas

II

XVII e

galeria, leste

grãoirmão

fazendo se

cujas

por

o

seu

com

juntasse

salas

artistas

a

foram

locais

da

Toscana. Algumas

pessoas

foram

benfeitoras

para a galeria, enriquecendo-as com um

grupo

de

obras

de

alto

nível.

Cósimo II trouxe a Sagrada Família, de

Correggio,

Cósimo

III

trouxe

Rembrandt e Da Vinci. E após o fim da

dinastia

dos

Médici,

a

irmã

do

último grão-duque assinou um acordo alegando Médici mas

que

seria

que

permissão

toda

a

coleção

transferida

nenhuma de

sair

da

Estado.

uffizi

ao

obra

dos

príncipe, teria

capital

e

a do


CONTEMPORÂNEA:

27

GALERIA DE ARTE

Do 1 ao 17 são salas (sala góticas, florentinas, flamengas, Botticelli, etc.). 18 é a tribuna (antigos retratos e estátuas de Pontormo, Bronzino, Vasari etc.). Do 19 ao 24, são outras salas. “E” segunda galeria (escultura clássica). “F” terceira galeria (esculturas e tapeçaria clássicas). “G” corredor de Vasari (exposição temporária de parte da coleção de autorretrato). Do 25 ao 32, salas. 33 é o corredor do século XVI (trabalhos de Vasari, Bronzino, Allori, etc.). 34 ao 45, salas.


CONTEMPORÂNEA: GALERIA DE ARTE

O que é interessante no projeto da galeria é cada exposição ter a sua sala, todas divididas em volta de um grande corredor. Ao contrário dos projetos anteriores onde as salas de exposições são grandes, espaçadas ou sem divisão nenhuma, a galeria Uffizi tem para cada setor de exposição uma sala, trazendo para o projeto do presente trabalho a ideia de ter salas individuais, é dar para cada artista o seu espaço para expor, ou até separar as salas por temas, para que o observador possa ter a sensação de estar em vários lugares durante seu tour pela galeria.

28


CONTEMPORÂNEA:

29

GALERIA DE ARTE

proposta N

projetual LOCAL

O terreno fica no bairro Palmital da cidade de Marília – SP, localizado entre a avenida Nelson

Spielmann,

uma

das

principais

avenidas

da

cidade,

com

a

rua

Bernardino

de

Campos. Situado no Bairro Palmital. O terreno possui as seguintes dimensões aproximadamente: 50 metros de frente para Av. Nelson Spielman, 80 metros de frente para a rua Bernardino de campos, 70 metros de

²

frente para o terreno vizinho, totalizando uma área de 3980 m . A

escolha

do

terreno

foi

através

da

lei

de

zoneamento

urbano,

onde

é

permitido

a

instalação de uma galeria de arte, através da ZEC - 2 (zona especial dos corredores 2) e Uso C-3 (conjunto comercial e de serviços).


CONTEMPORÂNEA:

30

GALERIA DE ARTE

TOPOGRAFIA E ENTORNO TOPOGRAFIA

ESTUDO DO ENTORNO

A a partir da imagem abaixo, observamos

As figuras abaixo, foram imagens tiradas do

que a topografia do terreno possui um

google maps, onde podemos analisar o entorno

desnível somente na parte de trás do terreno,

do terreno escolhido.

na rua paralela a Avenida Nelson Spielman, a

a primeira foto é a rua Bernardino de Campos,

partir desse desnível, o terreno segue todo

onde estão algumas construções desocupadas e

nivelado e plano até a Avenida.

inutilizadas e apenas um comércio.

Desse modo, facilita a implantação de uma

A segunda foto é uma imagem da Avenida

construção no local, não tendo que se

Nelson Spielman, onde ficará a fachada da

preocupar com a questão do desnível.

galeria. Esta parte da avenida possui apenas construções residenciais.

N


CONTEMPORÂNEA:

31

GALERIA DE ARTE

PRÉ DIMENSIONAMENTO ÁREA ADMINISTRATIVA DEPÓSITO / ACERVO 15 M² SALA ADMINISTRAÇÃO 15 M²

ESPAÇO PARA O PÚBLICO 2 SALAS DE EXPOSIÇÕES HALL 170 M² BANHEIRO 20M² CAFÉ 140 M² ÁREA DE LAZER 170 M²

180 E 145 M²

FUNCIONÁRIOS VESTIÁRIO 35 M² DEPÓSITO/ ÁREA DE SERVIÇO 15 M² COZINHA 18 M²


CONTEMPORÂNEA: A&B COMPANY

PAGE 01

GALERIA DE ARTE

32

fluxograma Acesso funcionários

Á. Serv. Banheiros Exp. 02

Exp. 01

Acervo

Vestiário

Hall

Adm.

Acesso principal

Lazer

Café

organograma


CONTEMPORÂNEA: GALERIA DE ARTE

PARTIDO ARQUITE TÔNICO

33


CONTEMPORÂNEA: GALERIA DE ARTE

34

CONTEMPORANEIDADE

A definição do partido arquitetônico da proposta se

baseou

na

contemporaneidade,

através

dos

estudos das formas, além disso, fundamentou-se na lei de uso e ocupação do solo que foi o ponto base para o início do organograma, de forma a adequar

as

exigências

para

a

proposta

do

projeto. Outro

fator

importante

para

tirar

partido

arquitetônico, é a avenida principal do entorno do terreno, a Avenida Nelson Spielman, onde deve ficar

então

a

fachada

principal,

junto

com

o

acesso principal e o deck externo do café. Como a taxa de ocupação é de 80% a proposta da galeria foi térrea, com bastante espaço para o áreas verdes e para o lazer do público somando um

total

de

aproximadamente

²

2000

m

de

construção. Para dar leveza ao volume, será proposto uma arquitetura

de

estilo

modernista,

com

uma

fachada com 2 metros de inclinação em formas geométricas,

livre

prevalecendo

o

de

vidro,

concreto

e

pedras

deixando

as

cores

esquadrias

naturais

com

ornamentação,

as

no

obras

de

ferro

revestimento, de

artes

que

serão pintadas nos murais e expostas dentro da galeria. Para que tenha a sensação de que a natureza invadiu

o

espaço

construtivo,

foi

proposto

espelhos d'água na fachada, no interior e na área externa. O

projeto

térreo

está

dividido

em

área

administrativa, área para o público, e área para funcionários.


CONTEMPORÂNEA: GALERIA DE ARTE

35

CONTEMPORÂNEA GALERIA DE ARTE


CONTEMPORÂNEA: GALERIA DE ARTE

36

Um dos principais elementos da fachada são as janelas falsas com uma arte pintada na parede de trás, para que não só as pessoas que frequentam galerias possam ter contato com a arte, mas também aqueles que estão simplesmente passando por lá, tanto de dia quanto á noite a arte na fachada estará disponível para ser apreciada. Um outro fator importante da fachada são os espelhos d'água, que foram projetados para darem não só leveza para a arquitetura, mas para controlar a temperatura do local nos dias mais quentes.


CONTEMPORÂNEA: GALERIA DE ARTE

1 Espelho d'água 2 Hall / Entrada principal 37 3 Café 4 Banheiros café 5 Deck 6 Estrutura metálica de vidro e forma de túnel 7 Área Verde 8 Acesso serviço

Corte BB'

Corte AA' O muralismo foi uma das técnicas artísticas adotadas para a galeria, pois além de ser uma forma de arte, ela está totalmente vinculada á arquitetura, podendo sempre mudar o ambiente criando uma nova identidade. Um outro fator importante da área externa, é o lazer, onde foi colocado o piso Solarium atérmico, próprio para áreas expostas ao sol, gerando conforto para o público que estará desfrutando de toda a área de lazer.


CONTEMPORÂNEA: GALERIA DE ARTE

B Acesso serviço

1 Área de 200 m² destinada para vegetação, todo o projeto foi planejado com o intuito de integrar quem está na galeria com um ambiente mais natural, por isso, o edifício é cercado de vegetação, como muros verdes e palmeiras dentro dos espelhos d'água. 3 o setor Lazer foi projetado próximo á área verde (1), criando um ambiente confortável para o convívio.

N

A

A

Planta Humanizada

B

2 Estes banheiros destinados para o público, foram projetados de forma que todo o muro verde em volta "invada" os banheiros, pois toda a parede onde estão as cubas foram feitas de vidros para quem estiver neste local, também possa estar conectado com a natureza.


39

Acima do deck do café, também foi projetada uma estrutura de cobertura, com pilares metálicos, e cobertura metálicas com vidro

Na área externa foi utilizada uma estrutura metálica em formato de túnel que leva da sala de exposição 2, passando pelos banheiros, e chegando até as exposições temporárias externas. A estrutura é metálica, com vidros nas laterias e na parte da cobertura

A cobertura de todo o projeto interno foi feito com telhas metálicas, de duas águas, com inclinação de 10%.


CONTEMPORÂNEA: GALERIA DE ARTE

40

MATERIAIS UTILIZADOS

A madeira foi utilizada nos decks da fachada, e na área externa do café

O concreto polido foi utilizado nos pisos do hall, salas de exposições, café e parte da área externa

o piso solarium foi utilizado na área de lazer, por ser um local de convívio e de lazer, foi utilizado um piso atérmico, para controlar a temperatura.

O porcelanato branco foi utilizado nas áreas molhadas, como cozinha, banheiros, vestiários e área de serviço.

A pedra hijau foi escolhida para revestir todos os espelhos d'água, com o intuito de dar á galeria a sensação de um ambiente natural.

A pedra ardósia foi selecionada para revestir a construção do meio da fachada (hall), pelo fato de que a pedra também causa a sensação de um lugar mais natural, conectado com o meio ambiente.


CONTEMPORÂNEA: GALERIA DE ARTE

41

Avenida Nelson Spielman Sentido único


CONTEMPORÂNEA: GALERIA DE ARTE

42

Orientação Solar Oeste

Leste

Avenida Nelson Spielman Duplo sentido

N


43

HALL

Acima o hall, com pé direito duplo de 6 metros, e com uma parede inteira de vidro que da acesso á área externa. Ao lado direito, primeira sala de exposição.

Na imagem abaixo, a primeira sala de exposição, onde as paredes tem obras expostas desde artistas itinerantes, até os mais renomados. O projeto de iluminação foram feitos de trilhos exclusivamente para as salas, com spots de LED refletindo sobre cada obra de arte.

SALA DE EXPOSIÇÃO 1


SALA DE EXPOSIÇÃO 2

44

Na imagem acima, a segunda sala de exposição, onde apenas três paredes tem obras de arte, a quarta parede, é uma estrutura de pele de vidro, onde a vegetação tem o papel fundamental. O espaço foi planejado e definido para uma correta apreciação das obras expostas.

A área externa possui um centro de convívio ou lazer, com algumas esculturas, e mobiliários todos assinados por artistas, para o público frequentador possa desfrutar de um lugar de encontros e trocas de informações. O café também integra-se com a área externa, com algumas mesas sobre um deck. E um dos principais elementos dessa área são as artes em murais, criando um ambiente artístico em toda a galeria

ÁREA EXTERNA


CONTEMPORÂNEA: GALERIA DE ARTE

BIBLIOGRAFIA BUENO, Maria Lúcia. O mercado de Galerias e o Comércio de Arte Moderna: São Paulo e Rio de Janeiro nos anos 1950-1960. In: Sociedade e Estado. Brasília, Vol. 20, No. 2, p. 377-402, maio/agosto de 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/se/v20n2/v20n2a06.pdf Acesso em: 02/03/2019. FLAMINGO, Julia. Como funcionam as galerias de arte?. Disponível em: http://bigorna.art.br/214/como-funcionam-as-galerias-de-arte/. Acesso em: 20 mar. 2019. GONÇALVES, Lisbeth Rebollo. Entre Cenografias: o Museu e a Exposição de Arte no século XX. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004. 168 p. GONÇALVES, Marcela Belo. Arte pública, muralismo e questões políticas. In: 3° Colartes, 3., 2013, Espírito Santo. Periódico... Espírito Santo: UFES, 2013. P.6. MARIA MONTANER, Josep. Museus para o Século XXI. Espanha: Gustavo Gili GG, 2003. 160 p. PAULA, Maria Lúcia Bueno Coelho de. Artes Plásticas no Século XX: (modernidade, desterritorialização e globalização). 1995. 486 f. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, 1995. PITTA, Daniel. O Projeto de Museus no Movimento Moderno: Principais Estratégias nas décadas 1930-60. 2003. 136f. Dissertação de Mestrado – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2003. PROGRAMA DIFERENTE. A arte do grafiteiro e muralista Eduardo Kobra. 2017. (38m26s). Disponível em: https://youtu.be/P6W7FZAHI9Q. Acesso em: 02 mar. 2019. REIS, Antonio Tarcísio. O Guggenheim de Frank LLoyd Whright e a adição de Gwathmey Siegel: moderno com moderno. In: O MODERNO JÁ PASSADO | O PASADO NO MODERNO, 7., 2007, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: UFRGS, 2007. 26 f. RIBEIRO, Isaías da Silva. Os pavilhões expositivos do Instituto Inhotim (Brumadinho/MG, Brasil): o projeto da Galeria Adriana Varejão. In: VII Projetar, 7., 2015, Natal. Anais... Natal: UFRN, 2015. P.11. SERAPIÃO, Fernando. Inhotim: arquitetura, arte e paisagem. Revista Monolito, 1 ed., 2015. São Paulo: Monolito, 2015.

45


Profile for Isabela Bulascoschi

Contemporânea: Galeria de Arte  

Isabela Titiz Bulascoschi TFG Unimar

Contemporânea: Galeria de Arte  

Isabela Titiz Bulascoschi TFG Unimar

Advertisement