Page 1


Publicação editada na íntegra ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

SUMÁRIO

Reportagem também disponível na Politécnico TV

FILOXENIA

3

INFORPOLIS

6

ESCOLAS + PERTO

14

EM FOCO

2

Campus Politécnico do IPV acolhe Centro de Competências Internacional em tecnologia Microsoft da Bizdirect em Viseu

20

Secretário de Estado do Ensino Superior em visita oficial ao IPV

28

AUXILIAR DE MEMÓRIA

29


Testemunho ERASMUS

A minha experiência enquanto aluna do Programa Erasmus 2012/13 Adriana Macedo Ex-aluna da Escola Superior de Saúde adrianamacedo_344@hotmail.com

Enfermagem, Programa Erasmus, Bruxelas. O que têm estas três coisas em comum? Para mim, agora, têm tudo! Eu chamo-me Adriana Macedo e fui aluna da Escola Superior de Saúde de Viseu até julho do ano passado. No terceiro ano do curso, e tendo em vista a crise económica e a falta de emprego que existia, e ainda existe,em Portugal, infelizmente, decidi candidatar-me ao programa Erasmus, para poder “ter a noção do que se passa lá fora” e escolhi como cidade de destino Bruxelas. Bruxelas é a capital europeia por excelência, é uma cidade multicultural, e está apenas a uma/duas horas de avião/comboio de outros grandes centros europeus. Assim, aterrei em Bruxelas no dia 9 de novembro de 2012. Comigo vieram também duas colegas da minha turma, para realizar igualmente um período de estágio. Estávamos então no 4º ano letivo, 7º semestre do curso de licenciatura em Enfermagem. Posso dizer que vinha com grandes expectativas de conhecer um novo país, uma nova cidade, novas pessoas, novas maneiras de cuidar e de exercer a profissão de enfermagem. E a minha primeira impressão não defraudou as minhas expetativas. Bruxelas é de facto uma cidade cosmopolita,

FILOXENIA

A Cooperação Internacional no IPV

3


4

onde se encontram pessoas vindas de todos os “cantos” do mundo. O hospital que me acolheu e às minhas colegas no período de estágio foi o Universiteit Ziekenhuis Brussel, um hospital universitário que fica localizado em Jette, no norte de Bruxelas. Neste hospital os profissionais de saúde falam holandês, ou mais precisamente, o “flamengo”, que se trata de uma variante da língua holandesa. Eu não sabia falar holandês e por isso durante o período de estágio falei sempre em francês, que também é uma das línguas oficiais da Bélgica, ou inglês. Nunca tive qualquer problema de comunicação durante o estágio. Com os enfermeiros e assistentes operacionais falei sempre maioritariamente em francês, tal como com os médicos, quando era necessário, bem como com os doentes. A Bélgica divide-se em 3 regiões: a Valónia, onde se fala francês, a Flandres, onde se fala flamengo, e Bruxelas, onde se falam as duas. Neste hospital em particular, a língua oficial para comunicação entre funcionários é o flamengo/holandês. Eu realizei o estágio no serviço de Infeciologia/Dermatologia, onde me acolheram muito bem. Os profissionais foram sempre muito simpáticos, sempre dispostos a ajudar em tudo, e isso foi para mim muito importante, pois motivou-me ainda mais e contribuiu para eu trabalhar mais e melhor. Nos três meses que estive em estágio, consegui ainda aprender algumas palavras de holandês e já percebia durante as passagens de turno algumas frases. Lembro-me ainda hoje do que ouvi na minha primeira passagem de turno enquanto estudante no serviço. Não é preciso descrever o que eu pensei, pois é o que toda a gente pensa quando ouve falar holandês/flamengo pela primeira vez. Quando voltei para a residência de estudantes, traduzi toda a folha onde estão as informações principais dos doentes para português, para que no outro dia conseguisse pelo menos saber os aspetos mais importantes. Com o passar das semanas foi-se tornando mais fácil. Ouvir uma língua todos os dias é sem dúvida a melhor maneira de aprender. Passados três meses, até já conseguia dizer algumas coisas simples, pelo que me sentia satisfeita. No final do estágio, e pronta para regressar a Portugal, levava na bagagem não só a minha roupa, mas uma experiência fantástica, que me permitiu conhecer novas cidades, novas pessoas, novas maneiras de cuidar e ser enfermeira. Em fevereiro de 2013, eu era uma nova pessoa. Esta experiência tinha sido tão boa e eu tinha gostado tanto do trabalho que desenvolvi no hospital, que só pensava em voltar e tentar “a minha sorte” em Bruxelas depois de terminar o curso. Em conversa com o enfermeiro-chefe, disse-lhe que gostava muito de voltar e trabalhar enquanto enfermeira, pois tinha ficado bem impressionada e queria desenvolver aqui as minhas competências profissionais. No serviço onde estive também tinham gostado muito do meu trabalho, e estavam muito satisfeitos comigo, e disseram que talvez houvesse a possibilidade de eu trabalhar no verão, depois de terminar o curso, nas vagas disponíveis para “trabalhos de verão para estudantes”,


neste mesmo hospital. Eu fiquei muito contente com essa possibilidade, mas antes de partir para Portugal, disseram-me que possivelmente a direção não quereria, pois a prioridade é dada aos estudantes belgas. Apesar de um pouco desiludida, voltei para Portugal com a vontade de querer voltar e de tentar aqui a minha sorte. Passada uma semana de estar em Portugal, recebi no meu correio eletrónico uma proposta de um contrato de trabalho para o hospital onde estive, após finalizar o curso. Fiquei radiante e aceitei imediatamente. É claro que isso implicava aprender holandês, que foi o que eu comecei a fazer, com a ajuda de livros e mais tarde com um pequeno curso, que me ajudou no aspeto gramatical. No final do curso de Enfermagem, tratei de todos os papéis necessários para o reconhecimento do diploma da licenciatura e após cerca de dois meses, entre o envio dos papéis e o aval da instituição belga que regulamenta este processo, aterrei novamente em Bruxelas no dia 24 de outubro de 2013. Comecei a trabalhar no dia 4 de novembro. É claro que, sendo o primeiro emprego e a primeira experiência enquanto enfermeira, ainda estou, e sempre estarei, em fase de aprendizagem. Estou a trabalhar no mesmo serviço onde fiz o estágio e creio que isso foi muito importante, pois já conhecia os meus colegas e alguns aspetos básicos do serviço em si. Estou muito satisfeita com a decisão que tomei. Todos os dias constituem um desafio, quer pela questão da língua, quer por novos obstáculos que ocorrem e que eu tenho que ultrapassar. Continuo a estudar holandês e espero mais tarde conseguir fazer um mestrado ou especializar-me dentro da área de enfermagem. Há quem chame sorte, há quem chame estar no lugar certo à hora certa. Eu digo “Obrigada Programa Erasmus”. Proporcionou-me um emprego que, no meu ponto de vista, foi o máximo que eu podia alcançar. Tenho saudades? Sim. É difícil? Claro! Vale a pena? Sempre!

5


INFORPOLIS

A Sala do Conselho Geral do Instituto Politécnico de Viseu acolheu no dia 23 janeiro a cerimónia de tomada de posse dos membros da Mesa do Conselho Pedagógico da ESTGV. O ato público decorreu no seguimento da eleição do dia 13 de dezembro de 2013 no seio do Conselho Pedagógico da ESTGV. Na presença da comunidade académica da instituição, o Presidente do IPV, Engenheiro Fernando Sebastião, conferiu posse à Presidente, Vice-Presidente e Secretária deste órgão de gestão da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu, que fica a partir desta data constituído pelos seguintes membros: Mesa do Conselho Pedagógico Presidente: Prof.ª Doutora Maria Cristina Peixoto Amaral Santos Rodrigues Matos (Professora Adjunta); Vice-Presidente: Mestre Olga Maria Sousa Contente (Professora Adjunta); Secretária: Prof.ª Doutora Cristina Maria Amaral Pereira Lima Coelho (Professora Adjunta).

Conselho Pedagógico da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu toma posse

Joaquim Amaral Gabinete de Comunicação e Relações Públicas - IPV jamaral@pres.ipv.pt

6

A recém-empossada Presidente do Conselho Pedagógico da ESTGV começou por agradecer a confiança em si depositada para o exercício do cargo, agradecimento extensivo aos restantes membros do órgão, enfatizando que “esta é uma equipa forte e coesa, cheia de vontade de trabalhar para o bem comum da instituição”. A encerrar a cerimónia, num breve discurso, o Presidente do IPV felicitou as empossadas pela sua eleição e agradeceu em nome da instituição a “disponibilidade para ocupar cargos de tão grande responsabilidade, particularmente nos tempos em que vivemos”, formulando de igual modo votos de realização de “um trabalho de excelência” aos novos membros deste órgão. A concluir a sua intervenção, o Presidente exortou à colaboração entre todos para o bem comum da nossa instituição.


“Maiores de 23 anos” com candidaturas abertas no Instituto Politécnico de Viseu

Está a decorrer no Instituto Politécnico de Viseu o período de candidaturas e inscrições aos diversos cursos de licenciatura que a instituição disponibiliza para a realização de provas de acesso ao Ensino Superior para “Maiores de 23 anos”. Esta forma de ingresso permite o acesso ao ensino superior a muitos cidadãos e profissionais que almejam melhorar os seus conhecimentos e habilitações numa perspetiva de formação contínua, prosseguindo ou retomando os seus estudos. Informação mais detalhada sobre todo o processo de candidaturas e inscrições pode ser consultada nos editais das escolas superiores do IPV, na página web: www.ipv.pt.

“A Oportunidade na Partilha” “2014 - Crise ou Oportunidade para a Avaliação Ambiental?”

Realiza-se, de 18 a 21 de março de 2014, na cidade de Viseu, a 3ª Conferência da REDE de Língua Portuguesa de Avaliação de Impactos e a 5ª Conferência Nacional de Avaliação de Impactes (CNAI’14), organizada em parceria entre a APAI – Associação Portuguesa de Avaliação de Impactes e a Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu - Instituto Politécnico de Viseu (ESTGV-IPV). Os temas destas Conferências são dedicados, respetivamente, à “Oportunidade na Partilha” e à reflexão sobre “2014 – Crise ou Oportunidade para a Avaliação Ambiental?”. A Conferência da REDE constitui uma oportunidade única para a partilha de conhecimento, de informação e de experiências no âmbito da Avaliação Ambiental, num contexto além-fronteiras e para as Associações Nacionais Lusófonas (APAI, AMAIA, AVALIA, ABAI e AGAA), que integram a REDE, partilharem as suas visões, desafios e oportunidades na área da Avaliação Ambiental nos seus respetivos países. Neste evento o programa será composto por cursos pré-Conferência, bem como pela presença de um palestrante principal e de diversos convidados. Incluirá uma Mesa Redonda sobre “Experiências de Avaliação de Impactes nos Países Lusófonos” e a realização de um Workshop sobre “Glossário dos termos de Avaliação de Impactos usados em Português nos Países Lusófonos”.

Por seu turno, a CNAI constitui já um fórum de referência, a nível nacional, reunindo consultores, proponentes, autoridades de Avaliação de Impacte Ambiental (AIA) e demais organismos da administração central, regional e local, bem como instituições de ensino e investigação, organizações não-governamentais e outros interessados na Avaliação de Impactes. O programa da CNAI’14 incluirá 34 sessões técnicas distribuídas por 4 temas (Experiências de Internacionalização, Avaliação Ambiental Estratégica, Avaliação de Impacte Ambiental, Pós-avaliação) e uma sessão de posters. Contará com a presença de um palestrante principal e diversos oradores convidados. Integrará uma Mesa Redonda sobre a questão “Ambiente – uma mais-valia ou entrave ao desenvolvimento?”. Para desfrutar da gastronomia e cultura desta região, a Comissão Organizadora preparou um agradável programa social de convívio: para 19 de março está previsto um Dão de Honra no Solar do Vinho do Dão; no dia 20 de março ocorrerá o já habitual Jantar de Conferência na Pousada de Viseu, no qual será entregue o Prémio para o “Melhor Poster da CNAI’14”. Toda a informação sobre a 3ª Conferência da REDE e a CNAI’14 estão disponíveis nos sites da REDE (www.redeimpactos.org) e da APAI (www.apai.org. pt), incluindo o programa da conferência, o cartaz de divulgação, bem como informações úteis sobre inscrição, alojamento, transporte e outras notícias.

7


Ação de Formação

“Didática das Línguas, aspetos interdisciplinares”

A Escola Superior de Educação de Viseu informa que estão abertas, até ao dia 11 de março de 2014, as inscrições para a ação de formação “Didática das Línguas, aspetos interdisciplinares”, com a duração de 15 horas – 0,6 crédito (registo de acreditação CCPFC/ACC – 76389/14). A ação é dirigida aos professores do Ensino Básico e do Secundário. Para os efeitos previstos no artigo 5.º do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para a progressão em carreira de professores dos grupos 200, 210 e 220 do 2.º Ciclo do Ensino Básico e dos Grupos 300, 320, 330, 340 e 350 do Ensino Básico (3.º Ciclo) e Secundário. Para efeitos de aplicação do n.º 3 e do artigo 14.º do

8

Gabinete de Apoio à Formação e Projetos - ESEV - IPV gafpro@esev.ipv.pt

Regime da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para a progressão em carreira de Professores dos Grupos 200, 210 e 220 do 2.º Ciclo do Ensino Básico e dos Grupos 300,320, 330, 340 e 350 do Ensino Básico (3.º Ciclo) e Secundário. O valor da inscrição/frequência é de 40€. Inscrições em: http://www.esev.ipv.pt/formacao/default2. aspx Mais informações em: http://www.esev.ipv.pt/Gabinetes/pub.aspx?value=gafpro&i tem=Planosdeformacao


Aula aberta:

O Scratch vai à escola em Lamego

Decorreu no dia 29 de janeiro, no auditório da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego, uma aula aberta proferida pelo professor José Paulo Lousado, sobre Scratch – uma ferramenta de programação visual por blocos que é indicada para jovens dos 8 aos 16 anos, mas que é usada em praticamente todos os níveis etários a partir dos 5 anos de idade. O auditório esteve lotado, tendo estado presentes vários docentes do ensino básico e secundário, alunos do ensino superior, bem como 40 alunos da escola profissional de Lamego (ESCOPAL) do curso de Técnico de Eletrónica e Automação de Computadores. Atendendo ao elevado número de inscrições, a ESTGL dará uma nova oportunidade a quem não se pôde inscrever, estando marcada nova aula aberta sobre o mesmo tema para o próximo dia 12 de fevereiro.

José Paulo Lousado Docente da ESTGL - IPV jlousado@estgl.ipv.pt

9


Visita de estudo à

HTDouro

Foi com o propósito de visitar a HTDouro - Associação de Empresários de Hotelaria e Turismo do Douro, que no dia 20 de janeiro os alunos da turma do CET de Secretariado e Assessoria Administrativa deixaram a sala de aulas e rumaram a esta instituição, confiantes de que iriam alargar horizontes e conhecer novos processos de trabalho e exigências respeitantes ao mundo do trabalho. Este interesse surgiu, ainda, da vontade de colmatar a necessidade de contrariar metodologias de ensino passivas e de promover a interdisciplinaridade, dada a constatação de que a matéria de ensino, indispensável à compreensão de tudo o resto, se encontra na cidade e sua envolvente, e não apenas na sala de aulas. A chegada à Associação deu-se por volta das 10h00, tendo a turma sido amavelmente recebida e participado numa visita de estudo acompanhada pelo seu vice-presidente, eng.º Rui Fraga e pela sr.ª Maria João Monteiro. A visita teve como principal objetivo conhecer o trabalho da instituição junto dos seus associados; perceber as principais preocupações com que o tecido empresarial se confronta e conhecer as mudanças e tendências que vêm ocorrendo no mundo dos negócios para, posteriormente, poder entender a exigência do mercado profissional à atuação do secretariado. As muitas perguntas formuladas, permitiram interiorizar as atitudes adequadas na comunicação a estabelecer com os seus públicos e conhecer melhor a identidade e filosofia de trabalho da HTDouro. Esta inadiável necessidade de alargar os conhecimentos na área do secretariado, curiosamente, acabaria por se constituir também numa verdadeira lição de gestão. Constatamos que na área do secretariado os desafios são múltiplos e mais estimulantes desde que os novos alunos mantenham presente a convicção profunda de que o futuro é de quem sabe aliar o conhecimento técnico com determinação, princípios éticos, e ainda, também, de quem sabe reconhecer a importância de investir em si e na sua formação ao longo da vida.

10

Helena Portugal Docente da ESTGL - IPV hteixeira@estgl.ipv.pt


Jorge Alves CRAV - IPV jalves@pres.ipv.pt

Workshop “Inovação e Competitividade” na ESTGV

Debater com empresas e associações empresariais da região as suas necessidades em termos de mão de obra qualificada foi o objetivo definido pelo Departamento de Engenharia Civil (DEC) da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu, que para o efeito organizou um workshop versando o tema “Formação e Competitividade”. Tendo como quadro de fundo o projeto de legislação na área da formação ao nível do ensino superior politécnico recentemente apresentado pelo Governo, o evento reuniu docentes do DEC com profissionais e empresários, tendo por finalidade identificar as necessidades concretas de formação em cada subsetor de laboração. Em causa está a conceção de planos de estudos relacionados com a introdução de Cursos Superiores Especializados no ensino politécnico. Estas formações, com dois anos de duração, conferem uma qualificação de nível 5 e pretendem assegurar ao diplomado conhecimentos abrangentes, especializados, factuais e teóricos numa determinada área de estudo ou de trabalho. Com a organização do workshop “Formação e Competitividade”, o Departamento de Engenharia Civil da ESTGV toma a iniciativa de ir ao encontro dos principais intervenientes no setor da construção, fomentando um diálogo que poderá trazer grandes benefícios para esta área, nomeadamente na formação e na qualificação profissional.

11


Exposição

“Lixo Eletrónico”

de Aurélio Silva na Biblioteca da ESTGV

A Biblioteca da ESTGV está inserida dentro do meio académico e tem como missão principal apoiar o ensino, a aprendizagem e a investigação, bem como facilitar à comunidade e à sociedade em geral o acesso ao conhecimento. Conhecimento que passa, para além de toda a bibliografia disponível no seu acervo documental, pelo conhecimento através da arte nas suas mais variadas expressões. Com esta iniciativa pretende-se dar a conhecer os artistas plásticos da nossa região, valorizando e reconhecendo o seu devido valor como criadores, mas também servindo como fonte de inspiração e enriquecimento. Eis que, neste contexto, o acaso trouxe-nos Aurélio Silva, artesão viseense, de 73 anos, que dedica os seus dias a transformar sucata eletrónica em obras de arte. Desde transportes, desporto, religião, faz de tudo um pouco e já tem cerca de mil obras na sua coleção particular. A exposição, que conta com 205 peças, está patente ao público até ao próximo dia 7 de março, na Biblioteca da ESTGV.

12

Rosa Maria Silva Centro de Documentação ESTGV - IPV ralves@estv.ipv.pt


1ª Jornada de Reflexão das ESE Escola Superior de Educação de Viseu esev@esev.ipv.pt

A Escola Superior de Educação de Viseu (ESEV) associou-se à 1ª Jornada de Reflexão da campanha “As Escolas Superiores de Educação no contexto do sistema educativo português – contributos e factos”, a qual foi intitulada “12 minutos pelas ESE’”, que teve lugar no dia 16 de janeiro, pelas 16h00, em todas as Escolas Superiores de Educação do país. Nesta iniciativa foram apresentados dados relevantes sobre a formação de professores e educadores ministrada na ESEV, desde a sua criação, bem como o papel fundamental que a Escola Superior de Educação de Viseu tem tido no desenvolvimento do sistema educativo português.

Cultural Color Christmas

Escola Superior de Educação de Viseu esev@esev.ipv.pt

O evento “Cultural Color Christmas” realizou-se no dia 18 de dezembro na Escola Superior de Educação de Viseu, no âmbito da Festa de Natal da instituição. A iniciativa foi, uma vez mais, organizada pelo curso de Publicidade e Relações Públicas (PRP) e contou com a presença de cerca de 320 participantes, entre alunos, docentes e funcionários. O jantar contou com a colaboração de todos, através da partilha de entradas e sobremesas. Depois dos discursos de boas vindas do Presidente do Instituto Politécnico de Viseu, da Presidente da Escola Superior de Educação e do Presidente da Associação de Estudantes da ESEV, a noite foi animada pelos alunos de PRP, pelas atuações dos alunos de Animação Cultural, Educação Básica e Desporto e Atividade Física e pelas participações do grupo musical CCVA de Aveiro e do DJ André Flor. Foi uma boa oportunidade de convívio em ambiente descontraído para alunos, professores e funcionários.

13


João Rodrigues Comunicação, Cultura e Documentação - IPV jrodrigues@pres.ipv.pt

Escolas + Perto visitou a Escola Secundária Alves Martins, em Viseu. Estabelecimento de ensino secular, a Escola Alves Martins conta com cerca de 1.800 alunos e é considerada uma das melhores escolas do país, não só pelos excelentes resultados obtidos, mas também pelas ótimas condições que oferece. Foi neste ambiente que fomos gentilmente recebidos pelo seu presidente, professor Adelino Pinto, com quem estivemos à conversa.

14


SUMÁRIO

A Escola “Para fazer uma descrição da escola atual, vejo-me na obrigação de lhe falar de todo o historial que a escola tem, e que é vasto. A escola tem as suas origens em 1849 e digamos que tem mantido uma tradição de ensino liceal, como era chamado antigamente. A escola passou por três edifícios, o atual Seminário Maior, depois o edifício de atual Museu de Grão Vasco, esteve também sediada no atual edifício da Escola Superior de Educação, e em 1948 nasce de raiz o Liceu de Viseu, onde nos encontramos. Neste momento é uma escola que também foi intervencionada pela Parque Escolar tendo, portanto, uma garantia de modernidade das suas instalações. É basicamente uma escola de ensino secundário que conta com 60 turmas e temos as quatro ofertas que existem ao nível de currículos do Ministério da Educação. Ao nível do 3º ciclo temos duas turmas de 7º ano, duas do 8º ano e duas do 9º ano. Para além disso, também temos o ensino recorrente, noturno. É a única escola do distrito que tem esse tipo de oferta. Existe uma particularidade que tem a ver com a estabilidade do corpo docente. Nos últimos 3, 4, 5 anos verificou-se uma realidade por um lado para melhor, já que houve gente nova com novas ideias que entrou, mas por outro lado houve muita gente que se aposentou o que trouxe uma certa instabilidade. Estamos a falar de cerca de 60% dos professores com mais de 20 anos de casa que se reformaram. Efetivamente a escola mudou, mas a qualidade manteve-se inalterada.”

15


O Grande sucesso da Escola “Houve uma grande mediatização da escola por causa dos resultados e nós ficamos bastante contentes, mas não é só a medicina. Temos aqui ótimos alunos da área das humanidades que vão, por exemplo, para direito. Na área das engenharias, das artes, para arquitetura, etc, etc. Isto deve-se a termos aqui as quatro áreas de formação. Mas também há aqui alunos médios e maus, como em todo o lado. Agora há aqui números que efetivamente falam por si e eu gostaria de referir que dos alunos que concluem o ensino secundário cerca de 70% entram na primeira opção e é de realçar o facto de nós não termos aqui praticamente abandono escolar, ou seja os alunos aqui terminam os seus estudos. Digamos que isto é um número de referência de qualidade. No ano anterior 94% entraram no ensino superior, o que é muito bom. E permita-me dizer-lhe que um elevado número desses alunos vai para o Politécnico de Viseu.”

16


Dinâmica para o sucesso “A escola tem uma dinâmica que não é de há um, dois ou três anos. É uma dinâmica que vem enraizada em boas práticas de há décadas e que de alguma forma, falando agora dos professores e das práticas pedagógicas da escola, digamos que há aqui uma certa continuidade dessas práticas, logicamente adaptando-se às novas realidades, aos novos tempos. Terei também de dizer que nós podemos ter ótimos professores, boas instalações, mas o principal é que temos muito bons alunos e o seu empenho é que tem de ser pontuado. Quando me falam em segredos, aqui o segredo é o empenho dos alunos e a dinâmica que há pouco lhe falei.”

17


Projetos “Em termos de projetos gostava de diferenciar aqui duas situações. Uma escola pauta-se pelos projetos relativamente ao plano anual de atividades. Todos os anos se faz um plano de atividades das respetivas turmas e aí, como é de calcular, há imensos projetos. Depois, digamos que num trabalho mais de retaguarda, tem a ver com o apoio que se dá aos alunos. Nós temos um excelente centro de recursos que é a biblioteca e professores que estão afetos a esse centro de recursos num projeto que já vem de alguns anos, mas que ficou afetado por causa do grande número de professores que se reformaram, isto porque os professores mais antigos tinham uma redução da componente letiva, que era compensada com o apoio aos alunos no centro de recursos. Os professores que vieram substituir deixaram de ter essa componente no horário e aí a escola perdeu. Não só esta, mas todas as escolas nesta situação. Digamos que ficou um pouco beliscado este apoio que nós dávamos aos alunos. Continuamos a dar, como é óbvio, mas não temos esse recurso de horas, esse banco de horas, se assim lhe podemos chamar. Neste aspeto houve aqui um retrocesso nesse grande projeto que nós tínhamos de apoio, embora, como referi, os alunos tenham a possibilidade de ter apoio a todas as disciplinas fora do horário delas, na biblioteca.”

18


O ensino superior na região “A ideia que eu tenho é que o Politécnico de Viseu dá uma excelente resposta em termos de oferta e qualidade. Neste momento em que vivemos uma situação dramática em termos sociais, como toda a gente sabe, há aqui não uma opção forçada e honra seja feita ao Politécnico de Viseu que tem uma qualidade que está comprovada, mas os alunos que poderiam ir para Lisboa, Porto ou Coimbra têm aqui, na sua cidade, uma opção válida em termos de orçamento para os pais. Felizmente que há em Viseu ensino superior de muita qualidade. Fazendo o curso no Instituto Politécnico de Viseu ficam muito bem servidos. Gostaria ainda de salientar a ótima colaboração, resultante de parcerias, que temos com o Politécnico de Viseu em diversas áreas. Quando vêm cá as portas estão sempre abertas.” Escolas + Perto agradece a excelente forma como foi recebida.

19


em FOCO

Campus Politécnico do IPV acolhe

Centro de Competências Internacional em Tecnologia Microsoft da Bizdirect em Viseu

20

Joaquim Amaral Gabinete de Comunicação e Relações Públicas - IPV jamaral@pres.ipv.pt

Os Paços do Concelho de Viseu receberam no dia 14 janeiro o ato público da celebração do protocolo de cooperação institucional para a radicação e desenvolvimento do Centro de Competências em Tecnologia Microsoft da Bizdirect em Viseu. O protocolo foi firmado pelo Presidente do Instituto Politécnico de Viseu (IPV), Fernando Sebastião,Presidente da Câmara Municipal de Viseu, Almeida Henriques, e o Diretor-Geral da Bizdirect, João Mira Santiago. O Município de Viseu, o IPV e a Bizdirect (empresa tecnológica do universo SSI/Sonaecom especializada na comercialização de soluções de IT, na consultoria e gestão de contratos corporativos de licenciamento e na integração de soluções Microsoft), celebraram um protocolo para a criação do Centro de Competências


de Viseu, dedicado à prestação de serviços inovadores e de qualidade em tecnologia Microsoft (Dynamics CRM, SharePoint e BizTalk) e direcionado para o mercado internacional. A Bizdirect posiciona-se como um player de referência na comercialização de soluções de IT, na consultoria e gestão de contratos corporativos de licenciamento e na integração de soluções Microsoft. O Centro de Competências ficará instalado no edifício do CITTEC – Centro de Inovação e Transferência de Tecnologia, em pleno campus do Instituto Politécnico de Viseu, e pretende ser um centro de inovação e excelência em tecnologias Microsoft. Numa sessão muito participada, que encheu por completo o salão nobre da autarquia viseense, releve-se a presença de inúmeras personalidades dos mais diversificados quadrantes, político, económico e empresarial da região. Enfoque na presença numerosa e expressiva da comunidade académica do IPV – presidente, vice-presidentes, presidente do Conselho Geral e das escolas superiores, docentes, investigadores, alunos e funcionários. Esta forte presença institucional não passou despercebida, tendo sido alvo de elogio público e regozijo por parte do presidente da autarquia. Na sua alocução, o Diretor Geral da Bizdirect apresentou a empresa, o projeto, a sua implementação e o porquê da escolha de Viseu. Entre as muitas razões, como as acessibilidades, relevo concedido à “formação de elevada qualidade ministrada pelo IPV” e ao facto de ter encontrado em Viseu “parceiros de grande confiança”.

Segundo o Presidente do Politécnico de Viseu, a “assinatura deste protocolo constitui para o IPV um momento da maior relevância que ocorre em consonância com o trabalho sério que o Instituto e toda a sua academia tem vindo a desenvolver, cuja qualidade é reconhecida, não só a nível local e regional, mas também a nível nacional”. Sobre a criação do Centro de Competências, Fernando Sebastião destacou a sua “maior importância para o país e particularmente para Viseu e para a sua região”, acrescentando que esta boa notícia “demonstra mais uma vez a relevância das sinergias entre os diversos agentes políticos, económicos e institucionais”. Em jeito de conclusão, afirmou ainda que “a assinatura deste protocolo constitui, igualmente, uma enorme mais-valia para o Instituto Politécnico de Viseu que certamente se irá traduzir no aumento da sua notoriedade, da sua atratividade e no seu reforço enquanto pilar estruturante do desenvolvimento da região”. O Presidente da Câmara Municipal de Viseu enfatizou a criação de emprego qualificado que o Centro de Competências vai proporcionar, permitindo também desta forma “fixar talentos e exportar para o mundo”. Elogiando a parceria estabelecida e a excelência da Bizdirect, o autarca referiu-se ainda ao IPV como “âncora estruturante de desenvolvimento da região de Viseu”. No final da sessão, os responsáveis da Bizdirect visitaram as instalações do edifício do CITTEC do IPV, local onde ficará instalado o Centro de Competências de Viseu.

21


Os depoimentos dos parceiros: Para o Presidente do Instituto Politécnico de Viseu, Fernando Sebastião “A instalação deste Centro no campus do IPV potencia uma maior ligação do Politécnico de Viseu com o mundo empresarial e integra-se no âmbito da sua missão de participação em atividades de ligação à sociedade, designadamente na criação, difusão e transferência de conhecimento, bem como apoiar a inserção na vida ativa dos seus diplomados. Este projeto constitui uma mais-valia para o IPV que certamente se irá traduzir no aumento da sua notoriedade e da sua atratividade”. Segundo Almeida Henriques, Presidente da Câmara Municipal de Viseu, “este projeto prova que o

interior pode ser atrativo, criar emprego qualificado e ter inovação. O Município de Viseu apresenta um contexto local muito favorável ao investimento. Temos disponibilidade de infraestruturas e uma posição geográfica estratégica, um stock de recursos humanos qualificados, uma academia vibrante e uma política local amiga do investimento.”

22

Nas palavras de João Mira Santiago, Diretor Geral da Bizdirect “O novo Centro de Competências está especialmente vocacionado para servir clientes na

Europa. Este é um projeto estratégico e de grande importância. Para além de toda a inovação e desenvolvimento tecnológico pretendemos reforçar a criação de postos de trabalho e retenção do capital humano português na região”. Para o desenvolvimento do projeto, a Bizdirect contará com o apoio do Instituto Politécnico de Viseu e do Município de Viseu para a formação de jovens profissionais. “A qualificação dos nossos profissionais vai estar sustentada em projetos desafiantes ao nível internacional”, acrescentou João Mira Santiago.


Discurso do Presidente do IPV Senhor Presidente da Câmara Municipal de Viseu, Dr. Almeida Henriques Senhor João Santiago, Diretor Geral da Bizdirect Ilustres convidados Senhores representantes dos órgãos de comunicação social A assinatura deste protocolo constitui, para o IPV, um momento da maior relevância que ocorre em consonância com o trabalho sério que o Instituto e toda a sua academia tem vindo a desenvolver, cuja qualidade é reconhecida, não só a nível local e regional, mas também a nível nacional. O processo teve início com um primeiro contacto entre a Bizdirect e os responsáveis do Curso de Informática e da direção da Escola Superior de Tecnologia de Viseu, que endossou para a Presidência do Instituto a avaliação do interesse da parceria e a condução das negociações, nas quais foi igualmente envolvida a Câmara Municipal de Viseu. A concretização deste projeto, o segundo que realizamos com o grupo SONAE, foi possível graças ao entusiasmo e à conjugação de esforços dos três parceiros que permitiu que, num prazo muito curto, fosse possível concluir as negociações com a convicção de que todos ficam a ganhar com esta parceria. A Bizdirect tem, por esta via, acesso ao sistema científico e tecnológico do IPV, a recursos humanos qualificados, a instalações modernas e funcionais numa cidade reconhecida pela sua qualidade de vida. O IPV cumpre a sua missão de ligação à sociedade, participação no desenvolvimento económico da região e do País, e de inserção dos seus diplomados na vida ativa. A Câmara Municipal de Viseu vê reconhecida a atratividade do seu concelho, a fixação de talentos e a criação de 150 postos de trabalho altamente especializado. Para além disso, Viseu passará, nesta área, a ser um centro de negócios a nível internacional com implicações altamente favoráveis para o turismo da região e para o seu comércio em geral. A rede de Politécnicos foi criada em Portugal há cerca de

quatro décadas numa estratégia de desenvolvimento, em especial do desenvolvimento económico, do país e das suas regiões. O IPV, inserido nessa rede, tem, desde a sua criação, desenvolvido as suas atividades de ensino e investigação em estreita colaboração com os agentes económicos locais e nacionais que reconhecem a qualidade dos serviços que presta, nas suas diversas vertentes. No sentido do reforço das suas atividades de investigação aplicada, o IPV, nos últimos anos, apostou fortemente na qualificação do seu corpo docente que atualmente conta com 150 doutores e inaugurou, em 13 de setembro de 2013, as novas instalações do CITTEC-IPV, Centro de Inovação e Transferência de Tecnologia do Instituto, local onde o Centro de Competências Bizdirect ficará instalado. Não poderia nesta minha intervenção, deixar de agradecer a disponibilidade, o entusiasmo e a pronta colaboração do Senhor Presidente da Câmara Municipal de Viseu, Dr. Almeida Henriques, cuja atuação, ao longo do processo, foi muitíssimo importante para a concretização deste projeto. Finalmente uma palavra de reconhecimento, ao Diretor Geral da Bizdirect João Santiago, pelo seu profissionalismo, mas também pela sua cordialidade na forma como conduziu as negociações, postura que rapidamente viabilizou o estabelecimento de relações de confiança entre nós, que em muito contribuíram para o sucesso alcançado. A criação deste centro de competências é da maior importância para o País e particularmente para Viseu e para a sua região e demonstra mais uma vez a importância das sinergias entre os diversos agentes políticos, económicos e institucionais. Sem dúvida, constitui, igualmente, uma enorme maisvalia para o Instituto Politécnico de Viseu que certamente se irá traduzir no aumento da sua notoriedade, da sua atratividade e no seu reforço enquanto pilar estruturante do desenvolvimento da região.

23


O Centro de Competências Internacional Bizdirect O Centro de Competências visa responder ao crescimento de projetos de grande dimensão e complexidade, em curso e novos projetos, nas áreas de CRM (CustomerRelationship Management) e ECM (EnterpriseContent Management) no mercado mundial, que provoca uma forte procura de recursos qualificados para a sua concretização. O lançamento do Centro deverá criar 30 postos de trabalho já no primeiro ano de arranque. Com o Centro de Competências em pleno funcionamento prevê-se a criação de 150 postos de trabalho, contribuindo para a formação de jovens recém-licenciados e licenciados no Instituto Politécnico de Viseu, ou residentes no município. Através da sua academia, o Centro irá preparar os profissionais para a prestação de serviços de consultoria, desenvolvimento e integração de projetos em vários países com tecnologia produzida localmente, potenciando assim a aquisição de experiência profissional internacional e retendo desta forma talentos em Portugal. Este centro de excelência vai oferecer aos clientes soluções baseadas em projeto ou tarefa.

24


25


A Bizdirect A Bizdirect é uma empresa tecnológica do universo SSI/Sonaecom, fundada em 2000, e posiciona-se como um player de referência na comercialização de soluções de IT, na gestão de contratos corporativos e na integração de soluções empresariais sobre a tecnologia Microsoft. Missão A Missão da Bizdirect traduz-se no compromisso em contribuir para o sucesso do negócio do cliente, através de soluções de IT suportadas no nosso Know-how e experiência. Visão Ser um parceiro estratégico no mercado internacional de soluções de IT e de gestão de contratos corporativos. Compromisso de qualidade A Bizdirect assume perante os seus clientes o compromisso dos mais elevados níveis de serviço e de qualidade das soluções e produtos por si fornecidos. Os colaboradores da Bizdirect são formados e certificados de forma contínua na tecnologia dos principais fabricantes e detentores das competências necessárias para assumir e corresponder às diferentes exigências dos clientes.

• Certificação de Qualidade - ISO 9001 O Sistema de Gestão de Qualidade da Bizdirect foi desenhado para responder a todas as exigências da ISO 9001. A Bizdirect é, desde Junho de 2004, certificada pela ISO9001.

• Certificação de Qualidade - ISO 14001 O Sistema de Gestão Ambiental da Bizdirect está certificado desde Junho de 2003 de acordo com a ISO 14001.

• PMP Todos os projetos da Bizdirect seguem uma metodologia comum de Project Management que assegura a utilização das melhores práticas no acompanhamento do projeto, detendo para o efeito colaboradores certificados em PMP.

Parcerias O estabelecimento de parcerias é um fator estratégico para o negócio da Bizdirect, sendo através delas que fortalece a sua posição no mercado. A Bizdirect tem estabelecido e mantido acordos estratégicos com os principais players do mercado mundial. Clientes A Bizdirect está presente, através dos seus clientes, nos diversos setores de atividade, o que revela a flexibilidade das soluções que disponibiliza ao mercado. A diversidade dos clientes abrange os seguintes setores de atividade:

26

• Automóvel e Transportes • Banca & Seguros • Construção & Imobiliário • Indústria • IT e Telecomunicações • Retalho & Consumo • Serviços • Setor Público, Educação & Associações


Internacionalização A Bizdirect está presente fisicamente em Angola e atualmente fatura em 29 países.

Bizdirect Rua do Viriato, N.º 13, 2.º Andar 1050-233 Lisboa Tel. 210 100 520 marketing@bizdirect.pt www.bizdirect.pt

27


Secretário de Estado do Ensino Superior em visita oficial ao IPV O Instituto Politécnico de Viseu (IPV) recebeu no dia 6 de janeiro do ano corrente a visita oficial do Secretário de Estado do Ensino Superior, professor José Ferreira Gomes. Um conhecimento mais aprofundado e direto sobre a instituição, os seus projetos de investigação e de ligação à comunidade envolvente e ao tecido empresarial, bem como a visita às valências científico-pedagógicas, foram ospontosdominantes da presença do governante com a tutela do ensino superior. Após as reuniões com o presidente e vice-presidentes do IPV e com os presidentes das escolas superiores da instituição, seguiu-se a visita às novas valências do Politécnico de Viseu, recentemente inauguradas pelo Ministro da Educação e Ciência –o novo Pavilhão Polidesportivo e o CITTEC Viseu (Centro de Inovação e Transferência de Tecnologia do Instituto Politécnico de Viseu), que engloba a nova unidade incubadora de empresas. O programa incluiu ainda a visita a alguns dos laboratórios do instituto onde se realizam projetos de investigação levados a efeito por docentes do IPV, com enfoque nos trabalhos relacionados com o desenvolvimento económico. A visita terminou com um encontro de trabalho que juntou o Secretário de Estado do Ensino Superior, professor José Ferreira Gomes, presidente da Câmara Municipal de Viseu, dr. Almeida Henriques, presidente do Conselho Geral do IPV, dr. João Cotta, presidente e vice-presidentes do Instituto e os presidentes das escolas superiores da instituição.

28

Joaquim Amaral Gabinete de Comunicação e Relações Públicas - IPV jamaral@pres.ipv.pt


CENTRO DE SANGUE E DA TRANSPLANTAÇÃO DE COIMBRA

COLHEITA DE SANGUE

DIA: 11 de Março de 2014



HORA : 09h30/13h00 * 14h30/17h30 

Local: Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu

 


Organização:

“2014 - Crise ou Oportunidade para a Avaliação Ambiental?”

Patrocinador Bronze:

Apoio específico:

Toda a informação em www.apai.org.pt e em www.redeimpactos.org

“A Oportunidade na Partilha”

PROGRAMA GERAL

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu - Instituto Politécnico de Viseu (ESTGV-IPV)

Viseu, 18 a 21 de março de 2014

Com o reconhecimento e apoio:


Almoço

Trabalhos da tarde

Intervalo para café

Encerramento dos trabalhos

13:00 – 14:30

14:30 – 16:00

16:00 – 16:30

16:30 – 18:30

Intervalo para café

Cursos pré-conferência

Almoço

Cursos pré-conferência

Intervalo para café

Encerramento dos Cursos pré-conferência

11:00 – 13:00

13:00 – 14:30

14:30 – 16:00

16:00 – 16:30

16:30 – 18:30

Cursos pré-conferência

Receção dos Participantes

10:30 – 11:00

9:30 - 10:30

9:00

Cursos Pré-Conferência da REDE

Trabalhos da manhã

Dia 18, 3ª feira

Café de boas vindas

11:00 – 13:00

Receção dos Participantes

3ª Reunião Estratégica da REDE | para as Associações Nacionais da REDE

10:30 – 11:00

10:30

Dia 18, 3ª feira

20:00

17:30 – 19:00

Mesa Redonda: Experiências de Avaliação de Impactes nos Países Lusófonos | Parte II

Dão de Honra no Solar do Vinho do Dão

Workshop sobre Glossário dos termos de Avaliação de Impactos usados em Português nos Países Lusófonos

Debate

Caso da Guiné-Bissau

Caso de Moçambique

Moderação | Ana Cerdeira

Intervalo para café 16:30 – 17:30

Debate

Caso de São Tomé e Príncipe

Caso de Angola

Moderação | Ana Cerdeira

Mesa Redonda: Experiências de Avaliação de Impactes nos Países Lusófonos | Parte I

Apresentação das conclusões da 3ª Reunião Estratégica da REDE

Almoço

Representante da AGAA | Associação Guineense de Avaliação de Impactes

Representante da APAI | Associação Portuguesa de Avaliação de Impactes

Representante da AMAIA | Associação Moçambicana de Avaliação de Impacto Ambiental

Representante da ABAIA | Associação Brasileira de Avaliação de Impacto

Representante da AVALIA | Associação Angolana de Avaliação de Impactes Ambientais

A Oportunidade para a Avaliação de Impactos nos Países Lusófonos – a visão das Associações Nacionais da REDE:

Palestrante principal| A designar

Representante do Camões, Instituto da Cooperação e da Língua *

Representante da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) *

Ana Cerdeira | Coordenação da REDE

Fernando Lopes Rodrigues Sebastião | Presidente do Instituto Politécnico de Viseu

Sessão de Abertura (Auditório 1):

Café de boas vindas

Receção dos Participantes

3ª Conferência da REDE - “A Oportunidade na Partilha”

16:00 – 16:30

15:00 – 16:00

14:30 – 15:00

13:00 – 14:30

12:00 – 13:00

11:00 – 12:00

10:30 – 11:00

10:00

Dia 19, 4ª feira

PROGRAMA GERAL DA 3ª CONFERÊNCIA DA REDE DE LÍNGUA PORTUGUESA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTES


Painel de discussão sobre o Novo Regime Jurídico de Avaliação de Impacte Ambiental

11:15 – 13:00

Sessão Paralela |Tema: Avaliação Ambiental Estratégica (Auditório 1)

14:30 – 16:00

Miguel Hall, Patrícia Neto, Pedro Ezequiel e Vanda Costa | REN Serviços, S.A.

3 - Preditores da aceitação de novos empreendimentos e procedimentos de comunicação de projectos Sérgio Moreira | FP-UL e ESPA

3 – Utilização de Indicadores nos Processos de Planeamento e Gestão de Recursos Hídricos e Avaliação Ambiental Estratégica

R. Santos Coelho, P. Antunes e T. B. Ramos | CENSE, DCEA e FCT-UNL

Cynthia Danielle Siqueira | SENSU - Strategic approaches to ENvironment and Sustainability, IST-UTL

5 - Participação Pública na Avaliação Ambiental Estratégica

Tamíris Chacon Deajute, Alexandra Polido, Tomás B. Ramos | Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz"- Universidade de São Paulo; CENSE, DCEA, FCT-UNL

4 - Integração de serviços de ecossistemas em processos de avaliação ambiental estratégica: o caso das de ilhas de pequena dimensão

Miguel Lago | ERA Arqueologia, S.A.

Magalhães Cardoso, Helena Terêncio e Rui Campino | CCDR

Júlio de Jesus | Ecobase, Lda

5 - A importância da consideração de alternativas: o caso da Linha de Alta Tensão do Aproveitamento Hidroelétrico de Foz Tua

Miguel Mascarenhas | Sarimay, S.A.

Filipa Peste, Maria João Pereira, Carlos Fonseca | CESAM e Departamento de Biologia, Universidade de Aveiro

Joana Bernardino, Anabela Paula, Ana Teresa Marques, Hugo Costa | BIO3, Lda

4 - Estratégias e tecnologias de minimização de impactes dos parques eólico s nas aves e morcegos: qual a verdadeira relação de custo/benefício?

Luisa Lima | CIS, ISCTE-IUL

2 - Arqueologia e Avaliação de Impactes: ultrapassar a crise a partir da experiência acumulada

2 – Monitorização de Planos Municipais de Ordenamento: Estratégia e Ambiente

José Peralta, Nuno Ribeiro | REN – Rede Eléctrica Nacional, S.A.

1 – O processo de melhoria contínua em AIA – da construção ao Estudo de Impacte Ambiental

Ana Rita Rosa e Teresa Fidélis | Departamento de Ambiente e Ordenamento, Universidade de Aveiro

Moderação | Sérgio Lopes

Sessão Paralela |Tema: Avaliação de Impacte Ambiental (Anfiteatro 1)

1 – Aplicação da AAE a Planos de Gestão de Bacia Hidrográfica em Portugal

Moderação | Susete Patrício

Almoço

13:00 – 14:30

Rita Santinho Martins| Área de Direito Público, Contencioso Administrativo e Ambiente da Gómez-Acebo & Pombo

Sofia Rodrigues Nunes | Responsável pela área de Ambiente e Imobiliário e Urbanismos da Gómez-Acebo & Pombo em Portugal

Susete Patrício | APAI

Intervalo para café / Sessão de posters | votação de melhor poster

Palestrante principal: Miguel Coutinho | Presidente eleito da IAIA – International Association for Impact Assessment

Nuno Ferreira Matos | Presidente da APAI – Associação Portuguesa de Avaliação de Impactes

António Almeida Henriques | Presidente da Câmara Municipal de Viseu

Jorge Moreira da Silva | Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia *

Sessão de abertura (Auditório 1):

Receção dos Participantes

2014: Crise ou Oportunidade para a Avaliação Ambiental?

10:30 – 11:15

9:30 – 10:30

9:00

Dia 20, 5ª feira

PROGRAMA GERAL DA 5ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DE IMPACTES (CNAI’14)


20:30

18:00 – 19:00

Sessão Paralela |Tema: Pós-avaliação (Auditório 1)

Jantar da Conferência na Pousada de Viseu – Entrega do Prémio Melhor Poster

Assembleia-Geral da APAI | reservado a membros da APAI (Auditório 1)

Marques, João Tiago | CIBIO-Évora

Santos, Maria Cândida, Sarmento e João Morais | REFER, EPE

7 - Monitorização da Variante de Alcácer do Sal: cumprimento legal ou oportunidade de melhoria?

Inês Metelo | Câmara Municipal de Lisboa

Pedro Raposo de Almeida | FCUL e Universidade de Évora

José Lino Costa, Gilda Silva, Erica Sá, Cabral, João Paulo Medeiros, Carla Azeda, Henrique Cabral e Maria José Costa | FCUL

6 - Monitorização biológica das zonas de descarga das principais bacias de drenagem de Lisboa no estuário do Tejo, nos últimos cinco anos: evidência de melhorias na sequência das alterações introduzidas no sistema de saneamento básico (11)

Pedro Raposo de Almeida | FCUL e Universidade de Évora

Alexandra Sousa | SMAS de Almada

Nuno Lopes, Catarina Freitas| Câmara Municipal de Almada

Henrique Cabral, Gilda Silva, Carla Azeda, Sílvia Pedro, Erica Sá, João Paulo Medeiros José Lino Costa, Maria Isabel Caçador, Maria José Costa e Tadeu Pereira | FCUL

5 - Doze anos de monitorização das comunidades biológicas do Porto do Buxo, Portinho da Costa e Baía da Mutela (Concelho de Almada): impactes positivos no ecossistema resultantes das melhorias efectuadas nas infra-estruturas de saneamento básico

Ana Cerdeira e Marta Laborinho | Metropolitano de Lisboa, EPE

4 - A fase de exploração do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Oriente e Aeroporto, do Metropolitano de Lisboa – a aferição dos benefícios ambientais e socioeconómicos

Susana Batel | University of Exeter, Exeter, UK

Luísa Lima, Sibila Marques | CIS, ISCTE-IUL, CIS, ISCTE-IUL

Isabel Ferreira | ESPA

Sérgio Moreira | FP-UL e ESPA

6 - Índice de Vulnerabilidade Social ao Realojamento

Tiago Rogado | Caravela Sustentável

5 - A quantificação de RCD em obra. Nova metodologia proposta em fase de projeto de execução

Ana Cristina Martins | Estradas de Portugal, S.A.

4 - Avaliação ambiental de projetos rodoviários, que Futuro?

João José Martins

Cindy Loureiro, Lígia Mendes, Gonçalo Brotas | ACHLI – Associação de Conservação do Habitat do Lobo Ibérico

José Oliveira | ACHLI e Ventominho – Energias Renováveis, S.A.

3 - Avaliação da Sustentabilidade: aproximações à temática com particular enfoque na noção de Sustentabilidade Social

Júlio de Jesus, Susana Camarão e João Rodrigues | Ecobase Consulting, Lda

Anastássios Perdicoúlis | ECT-UTAD e CITTA-FEUP

2 - Elaboração do Argumento do EIA através de Diagramas Causais

Vítor Rosão | SCHIU, Engenharia de Vibração e Ruído, Lda

1 – Sobre a Necessidade de Consideração da Componente Vibração em Projetos onde não é Normalmente Considerada

Moderação | Paulo Gabriel de Pinho

Sessão Paralela |Tema: Avaliação de Impacte Ambiental (Anfiteatro 1)

3 – Medidas de compensação para o lobo: análise da experiência de seis anos com parques eólicos

Miguel Mascarenhas | Sarimay, S.A.

Regina Bispo | ISAPA e CEAUL

Joana Bernardino, Hugo Costa e João Paula | BIO3, Lda

2 – Os desafios da estimação da mortalidade de aves e morcegos em parques eólicos: avanços recentes e novas diretrizes (13)

Teresa Simas | Wavec - Offshore Renewables

Júlio de Jesus, João Rodrigues | Ecobase, Lda

1 – Projeto Windfloat: Balanço de um ano de gestão e monitorização ambiental

Moderação | Lígia Mendes

Intervalo para café

16:30 – 18:00

2014: Crise ou Oportunidade para a Avaliação Ambiental?

16:00 – 16:30

Dia 20, 5ª feira

PROGRAMA GERAL DA 5ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DE IMPACTES (CNAI’14)


| Instituto do

Ambiente

e

Debate

Sessão | Tema: Experiências de Internacionalização (Auditório 1):

Pedro Bettencourt e Nuno Silva | NEMUS, Lda

6 - Avaliação Ambiental no Malawi - Estudo de Impacto Ambiental e Social do Sistema de Transporte de Água Bruta do Rio Lilongwe

Ana Paula Roque Oliveira

5 - Gestão Ambiental em Moçambique – um caso prático

Pedro Bettencourt e Sara de Sousa | NEMUS, Lda

4 - Plano de Zonamento Ecológico de Maputo

Ana Viras, Maria do Rosário Pereira | Zagope Construções e Engenharia S.A.

3 – Gestão Ambiental Além Fronteiras: Desafios que acompanham a mudança do sector da construção

Alexandra Rodrigues | Ferconsult, S.A.

2 – Argélia - uma Oportunidade para a Avaliação Ambiental?

Nuno Ferreira Matos, Margarida Fonseca e Miguel Subtil | Matos, Fonseca & Associados, Lda

1 – O desafio da internacionalização: a importância de fazer bem

Moderação | Ana Cerdeira

Intervalo para café

11:00 – 13:00

Cynthia Danielle Siqueira | SENSU - Strategic approaches to Environment and Sustainability, IST-UTL Universidade Federal de Ouro Preto, Brasil

5 - Participação Pública na Avaliação Ambiental Estratégica

Alberto Fonseca e Lara K. Castro | Departamento de Engenharia Ambiental da

4 - Análise Comparativa da Avaliação de Impacto e do Licenciamento Ambiental no Brasil e em Portugal

Carlos Simões Nuno | Escola Superior Comunicação Social – IPL

3 – Contributos da Participação Pública para a Avaliação Ambiental

Luísa Mendes Batista | CITTA-FEUP

2 – Poderá a Crise ser uma Oportunidade para a Componente Social da Avaliação de Impactos?

*

16:30 – 17:00

Júlio de Jesus | Consultor

A confirmar

Paulo Miguel Ferreira de Castro Mendes | Presidente da ESTGV

Nuno Ferreira Matos | Presidente da APAI – Associação Portuguesa de Avaliação de Impactes

Nuno Lacasta | Presidente da APA*

Encerramento da Conferência

Nuno Lacasta | Presidente da APA

Manuel Gouveia Pereira | Vieira de Almeida & Associados

Francisco Ferreira | FCT-UNL/Quercus

Miguel Coutinho

Fernando Leão, Sérgio Bento e Desenvolvimento

António Sá da Costa | Presidente da APREN

(Auditório 1)

Mesa Redonda: Ambiente – uma mais-valia ou entrave ao desenvolvimento?

Almoço

1 – A Crise da (na) Avaliação de Impactes

15:30 – 16:00

14:30 – 15:30

Sessão | Tema: Avaliação de Impacte Ambiental (Auditório 1)

Moderação | Luis Teixeira de Lemos

13:00 – 14:30

Receção dos Participantes

2014: Crise ou Oportunidade para a Avaliação Ambiental?

10:30 – 11:00

9:30 – 10:30

9:00

Dia 21, 6ª feira

PROGRAMA GERAL DA 5ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DE IMPACTES (CNAI’14)


das tarifas especiais (tarifa CNAI’14). - Montebelo Viseu Hotel &SPA • Sgl: € 65,00 p/dia • Dbl: € 80,00 p/dia Tlf.+351 232 420 000 | montebeloviseu@visabeiraturismo.com www.visabeiraturismo.com | www.montebeloviseu.pt

Formador: Júlio de Jesus (ECOBASE, Lda)

Curso 2 - O Que Os “Engenheiros” Do Ambiente Devem Saber Sobre Acústica Ambiental

Formador: Vítor Rosão (SCHIU, Lda)

Curso 3 - As Alterações Climáticas e a Avaliação de Impactos

Formadores: Miguel Coutinho e Clara Ribeiro (IDAD- Instituto do Ambiente e Desenvolvimento)

Curso 4 - Acompanhamento Ambiental de Obras em Meio Urbano

Dia 20, 5ª-feira, 20:30.

- Jantar da Conferência na Pousada de Viseu

Dia 19, 4ª-feira, 20:00.

- Dão de Honra no Solar do Vinho do Dão

Incluído na inscrição, mas necessita de confirmação prévia pelos participantes para apai@apai.org.pt até 03.03.2014. Posteriormente a esta data, deverão fazer confirmação no ato de inscrição nas Conferências.

Programa Social

Toda a informação em www.apai.org.pt e em www.redeimpactos.org

www.apai.org.pt | www.redeimpactos.org

e-mail: apai@apai.org.pt | rede@redeimpactos.org

telemóvel +351 93 797 94 76 | fax +351 211 919 805

BERNA 31 Business Center - Av. de Berna n.º31, 2º Dtº - Sala 7. 1050-038 Lisboa.

REDE de Língua Portuguesa de Avaliação de Impactos

APAI – Associação Portuguesa de Avaliação de Impactes

Contactos da Comissão Organizadora

www.hotelpalaciodosmelos.pt

Telf. +351 232 439 290 | palaciodosmelos@visabeiraturismo.com

• Dbl: € 65,00 p/dia

• Sgl: € 55,00 p/dia

Hotel Palácio dos Melos

www.hotelprincipeperfeito.pt

Telf. +351 232 469 200 | hotelprincipeperfeito@visabeiraturismo.com

• Dbl: € 59,00 p/dia

• Sgl: € 51,00 p/dia

Hotel Príncipe Perfeito

NOTA: A Comissão Organizadora estará instalada no Montebelo Viseu Hotel &SPA.

Mencione que está inscrito na Conferência (REDE e/ ou CNAI’14) para usufruir

Curso 1 - Qualidade em Avaliação de Impactos

Formador: Ana Cerdeira (Metropolitano de Lisboa, EPE)

Alojamento Recomendado

Cursos Pré-Conferência

MAIS INFORMAÇÃO


SUMÁRIO


Números Anteriores

comunicação IPV

andamos por aí . . .

www.ipv.pt

Polistécnica - Informação IPV janeiro | 2014 Proprietário e Editor Instituto Politécnico de Viseu Av. José Maria Vale de Andrade Campus Politécnico 3504-510 Viseu email ipv@pres.ipv.pt Tel. 232480700 Fax. 232480750/232480780 Diretor Fernando Sebastião Coordenação Maria de Jesus Fonseca, Joaquim Amaral Corpo Redatorial Joaquim Amaral, Ester Araújo Conceção Gráfica Paulo Medeiros Fotografia João Ferreira, Joel Marques, Arquivo IPV, Colaboradores Edição on-line João Rodrigues ISSN 1647-6638

A Coordenação de Polistécnica agradece o envio de informação sobre atividades realizadas, eventos a ocorrer, ou outra julgada relevante, bem como comentários e/ou sugestões que visem uma melhor informação institucional. Os conteúdos devem ser enviados para:

polistecnica@ipv.pt

Polistécnica  

Boletim Informativo do Instituto Politécnico de Viseu

Advertisement