Issuu on Google+

Boletim 379 – 07/07/2013

HOMENS COMUNS NUMA MISSÃO DE DEUS “Disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós outros”. (Êxodo 3.14) É corrente no ambiente presbiteriano e, certamente, no contexto de igrejas de teologia reformada falarmos sobre a doutrina da eleição incondicional, que nos ensina que Deus nos escolheu antes da fundação do mundo. Isso significa que a resposta positiva dada pelo homem ao seguir a Cristo não é algo propriamente dele, mas tão somente a ação soberana de Deus em sua vida, ou seja, não fomos nós quem escolhemos a Deus, mas Ele mesmo nos escolheu, nos chamou, nos convenceu do pecado e nos separou para servirmos a Ele, e tudo isso no tempo determinado pelo próprio Deus. É importante reforçar que quando falamos de eleição, não falamos apenas de eleição para salvação, mas eleição para o serviço do Reino. Ou seja, Deus não escolhe apenas para sermos salvos e vivermos no paraíso, mas para o servirmos durante a nossa vida neste mundo, e é esta temática que quero abordar com você. É interessante observar o tema eleição na vida de vários personagens bíblicos: Noé, Abraão, Isaque, José e tantos outros foram escolhidos por Deus para o serviço. O que os torna semelhantes é que todos eles eram pecadores, homens comuns, com falhas e acertos, mas separados por Deus para a missão dada por Deus. O texto registrado acima fala do chamado de Moisés, um homem com várias dificuldades: pesado de língua, inseguro quanto à aceitação do povo, entre outras. Isto aponta para uma das dificuldades que encontramos para desempenhar o serviço do Reino: não entendemos que, quando Deus nos escolhe, Sua ação é incondicional. Deus não precisa ver em mim ou em você alguma característica espetacular para que Ele nos chame para desempenhar tal tarefa. Fomos escolhidos por misericórdia e não porque nosso currículo é o melhor dentre os seres humanos ao nosso redor. Hoje, vários oficiais estão sendo instalados para o desenvolvimento dos ofícios de Presbítero e Diácono. São homens comuns, pecadores, que foram chamados por Deus não porque são melhores do que os demais homens do povo, mas por misericórdia e graça de Deus, para desempenharem seus papéis dentro da missão que é de Deus. Oremos para que Deus encha os corações de todos nós de graça e sabedoria, para que, humildemente, coloquemo-nos perante o Senhor que nos chamou com todo o nosso ser, prontos a fazer o que Ele mandar. Pastor Fábio Quintanilha


Editorial 2013 07 07