Issuu on Google+

Boletim 337 – 26/08/2012

ESSE É O SIGNIFICADO DE COMUNHÃO “E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura” (Marcos 16.15)

Muitas vezes quando o assunto “Missões” é abordado, uma grande perspectiva de tragédia toma conta do ar, e isto porque muitos se referem à vocação missionária quase como “um ato suicida”, visto que, ser missionário significa, na cabeça de muitas pessoas, apenas passar por dificuldades, aflições, adversidades, perseguições, entre tantas outras calamidades. É verdade que há notícia, e nós bem sabemos de muitos casos de missionários que passaram por momentos de extrema dificuldade em suas vidas. Porém, fazer missão não é castigo e nem traz castigo sobre nossas vidas, e, muitas vezes, por causa desta visão extremamente pessimista, não conseguimos enxergar as bênçãos decorrentes do “IR”. Como agosto é o mês em que pensamos MISSÕES de forma mais específica na Igreja Presbiteriana do Brasil, haja vista ter sido no dia 12/08/1859 que o Rev. Ashbel Green Simonton chegou ao Brasil como missionário, quero pensar com você um pouquinho sobre missões. Destacamos, então, o texto clássico a respeito do envio dos discípulos de Jesus. Contudo, não queremos apenas destacar o ato em si de fazer missão, mas as bênçãos decorrentes do “IR” que estão mencionadas em vários textos. 1) Nunca estaremos sozinhos (Mt 27.20): Sim, esta foi uma grande promessa de Jesus: que estaria conosco todos os dias até à consumação do século. Portanto, fazer missão não significa estar abandonado, mas gozar da presença constante do Senhor; 2) Nada nos faltará (Mt 6.33): Isto mesmo! Servir a Cristo e fazer missão significa estar livre do grande mal do século, a ansiedade de alguma coisa nos faltará. 3) Nenhum desafio será maior que o nosso Deus (Mc 16.17-18): O medo é algo natural ao ser humano pecador, mas fazer missão é justamente ter a oportunidade de confrontar nossos medos com a soberania do Senhor. Fazendo isso, chegaremos à tranquila resposta de que nada é maior do que o nosso Deus. Falar de missões é desafiador, isto porque não falamos apenas de pessoas que têm um chamado específico, mas falamos de nós mesmos, pois, como crentes em Cristo Jesus, temos esta responsabilidade. Todavia, que o nosso olhar para missões não seja apenas mirando os desafiados que, com certeza, nos esperam, mas que estejamos ansiosos por gozar das bênçãos decorrentes deste grande desafio. Pastor Fábio Quintanilha


Editorial 2012-08-26