Page 3

PORTAL N.º 95 | 06/2013

(continuação pág.1)

Prof. Joaquim Mourato dixit Por outro lado, o Prof. Joaquim Mourato apontou limitações que condicionam o IPP, nomeadamente o reduzido número de jovens da região que acedem ao ensino superior e as restrições financeiras (“do pouco que é afecto ao Ensino Superior, ao Instituto Politécnico de Portalegre chega menos de 1%”). Mais uma vez, o dirigente apelou publicamente à redução global das vagas, de forma a aproximá-las ao número de candidatos. “O distrito de Portalegre é aquele que tem o menor número de candidatos ao ensino superior. Esta é a nossa maior preocupação. E será tanto maior quanto mais profundo é o desequilíbrio que existe na política de vagas”, constatou. À tutela, o Prof. Joaquim Mourato comunicou a disponibilidade do IPP “para avaliar novas soluções que reforcem a sustentabilidade do Instituto. Queremos reforçar a cooperação, trabalhar numa rede efetiva que permita a complementaridade e que responda às reais necessidades da região e do país, promovendo o emprego e a criação de riqueza”. Ministério da tutela, comunidade académica e parceiros regionais receberam o apelo para o trabalho concertado: “nada acontecerá se não lutarmos todos no mesmo sentido”, considerou.

Um novo ciclo Na ocasião, o presidente do Conselho Geral expressou palavras de reconhecimento pela forma como o órgão a que preside e o presidente do IPP têm trabalhado, “num ambiente de harmonia, com evidentes ganhos para a instituição e para toda a comunidade”, referiu. No que classificou como sendo o início de um novo ciclo, “sem roturas com o anterior, mas com novos desafios que todos conhecemos”, o Prof. Wilson Abreu apresentou três aspectos/objetivos que suscitarão a atenção do Conselho Geral e serão alvo de trabalho concertado com o presidente do IPP. Designadamente: “reforçar e aprofundar a natureza da formação ministrada e a definição de uma estratégia formativa ainda mais racional, pensada e articulada com outras instituições da região”; colaborar com o tecido produtivo e as empresas “no sentido de transformar o espaço de trabalho num espaço de formação” e “reforçar o funcionamento em rede”. Referiu-se à estratégia Europa 2020 e destacou o papel do ensino politécnico: “nesta Europa em transformação, o ensino superior politécnico ou o subsistema de ciências aplicadas deverá reforçar a sua posição como espaço de investimento no capital humano, de inovação educativa e de empreendedorismo. Sinto-me particularmente confortável ao transmitir esta ideia por ser este um desígnio que tanto o Conselho Geral como o presidente do IPP têm defendido. O país necessita de um ensino superior politécnico reforçado”, afirmou.

Na abertura da cerimónia, a cantora lírica Filomena Silva e o Prof. José Raimundo – – dois músicos portalegrenses – proporcionaram um momento musical. No final da sessão, os presentes foram convidados para um Alentejo de Honra, servido no refeitório da ESTG, com a colaboração da Escola de Hotelaria e Turismo de Portalegre.

Os princípios do programa para o quadriénio 2013/2016 consistem em: − Consolidar o Plano de Desenvolvimento de 2010/2013; − Elaborar e concretizar o Projeto Educativo, Científico e Cultural do IPP; − Dotar o Instituto e as suas unidades orgânicas de órgãos, serviços e modelo organizacional mais leve, integrado e flexível, revendo para o efeito os Estatutos. Estou convicto de que estes princípios conduzem-nos a um Instituto com: − Corpo docente mais qualificado; − Mais investigação aplicada e desenvolvimento de produtos e serviços; − Mais internacionalização; − Oferta formativa mais especializada; − Maior envolvimento e compromisso com a sociedade e com a região. Apesar de todas as áreas serem importantes consideramos que o Instituto, nos próximos anos, deve-se focar, essencialmente, no seguinte: − Captar mais estudantes, especialmente através do público adulto, do público do ensino profissional e da mobilidade internacional. − Orientar o IPP na concretização do seu projeto educativo, científico, cultural e desportivo, tornando-o mais sustentável e ativo na relação com a envolvente. − Garantir um modelo organizacional mais adequado à realidade presente e futura do Instituto. − Garantir a acreditação do Sistema Integrado de Gestão por parte da A3ES. − Promover condições privilegiadas para a qualificação dos docentes. − Aprofundar a integração do IPP na rede de instituições de ensino superior, de forma particular na Politécnica, e na internacionalização. − Reforçar as receitas próprias através da prestação de serviços à comunidade.

3

Portal 95 - Boletim informativo do Instituto Politécnico de Portalegre  
Portal 95 - Boletim informativo do Instituto Politécnico de Portalegre  
Advertisement