Page 1

GUIA

formação professores 2012/2013

Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto Instituto Politécnico da Guarda

www.ipg.pt/fcontinua/


Centro de Formação Contínua de Professores Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto (Entidade Formadora: CCPFC/ENT-ES-0524/11) Instituto Politécnico da Guarda Av. Dr. Francisco Sá Carneiro, n.º 50 6300-559 GUARDA Telefone: 271220128 Fax: 271222325 Email: fcontinua@ipg.pt URL: www.ipg.pt/fcontinua/


Ficha Técnica Título Guia de Formação para Professores 2012/2013 Coordenação Carlos Sousa Reis Conceção: Joaquim Mateus, Cecília Fonseca, Diogo Chouzal Execução Gráfica Diogo Chouzal Impressão e Acabamentos Serviços de Artes Gráficas do IPG Av. Dr. Francisco Sá Carneiro, n.º 50 6300-559 Guarda Tel.271 220 111 / Fax 271 222 690 url: www.ipg.pt

Depósito Legal 351083/12 Data Outubro 2012


NOTA DE ABERTURA

i

Pré-escolar e 1.º ciclo do Ensino Básico Cientistas de Palmo e Meio Educação Afetiva e Sexual na Infância Descobrindo o Universo com as Tecnologias Já Sei Perguntar! (A Filosofia Para Crianças) Como abordar a Morfologia no 1.º Ciclo A Oralidade no Ensino Explícito da Língua Portuguesa no 1.º ciclo do ensino básico: o som, a acentuação, a entoação e suas grafias Acordo Ortográfico na Educação Pré-escolar e Ensino Básico Utilização das WEB 2.0 nos Processos de Ensino e Aprendizagem no 1.º Ciclo do Ensino Básico

1 2 3 4 5 6 7 8

Línguas Acordo Ortográfico - Aplicação Prática O que há de novo na Morfologia segundo o Dicionário Terminológico A Oralidade como “enteada” no Ensino Explícito da Língua Portuguesa: o som, a acentuação, a entoação e suas representações gráficas Aperfeiçoamento das Competências de Língua Inglesa: A Escrita

9 10 11 12

Ciências Sociais Alterações Geoestratégicas, Tensões Políticas e Transformações Socioculturais no Mundo Atual Financial Reporting: o Sistema de Informação e Comunicação Metodologia e Avaliação de Projetos de Investimento

13 14 15

Matemática e Ciências Problemas Geoambientais III Plásticos e Ligas Ferrosas A Física e a Química no Tratamento de Água para Consumo Humano Do Infinitamente Pequeno ao Infinitamente Grande - Uma Viagem pelo Universo Probabilidades e Estatística com Excel 2010

16 17 18 19 20

Desporto BTT e Orientação Desportos de Natureza na Escola Atividades Rítmicas e de Academia

21 22 23

Tecnologia Fotografia Digital Vídeo Digital Desenvolvimento de Aplicações, em Java, para Dispositivos Móveis Tecnologia e Aspetos Sociais da Informática

24 25 26 27

Necessidades Educativas Especiais Musicoterapia As Expressões Artísticas nas Necessidades Educativas Especiais A Tecnologia ao Serviço da Educação Especial

28 29 30

Educação Educação Sexual Novas Metodologias para Ensinar e Aprender:Outdoor Learning Novas Metodologias para Ensinar e Aprender:Outdoor Learning (nível intermédio) Gestão de Conflitos Interpessoais em Sala de Aula Cidadãos do Universo - Práticas de Cidadania

31 32 33 34 35


NOTA DE ABERTURA

Ao longo dos seus 20 anos de existência, o Centro de Formação Contínua de Professores (CFCP) tem contribuido para a atualização profissional dos professores e demais agentes da comunidade educativa, promovendo a auto - formação e a inovação educacional nos diversos domínios da sua atividade profissional. Tem sido nossa prioridade identificar as necessidades de formação de todas as escolas da região e assim responder às dinâmicas de grupos de professores, escolas, associações de escolas e comunidade educativa. Para nos referirmos apenas aos últimos quatro anos, o CFCP ministrou 25 cursos, que foram frequentados por 724 formandos. Como se pode ver no guia agora disponibilizado, é patente a variedade da oferta, que cobre uma ampla gama de áreas disciplinares especificas e não específicas. Com a oferta formativa disponibilizada queremos ir ao encontro dos interesses e necessidades dos milhares de docentes que nos privilegiaram com a sua escolha. A todos o nosso bem haja e os votos do maior sucesso na missão de educar, que escolhemos.

O Coordenador do Centro de Formação Contínua de Professores

(Prof. Doutor Carlos Sousa Reis)

i2


Pré-escolar e 1.º ciclo do Ensino Básico

Cientistas de Palmo e Meio Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupo 100 Formador: Filomena de São José Bolota Velho

Objetivos ? Motivar os educadores de infância para a importância de dar respostas adequadas aos porquês das crianças; ? Consciencializar os educadores de infância para a necessidade de as crianças compreenderem o meio que as rodeia; ? Levar os educadores de infância a assumirem-se como agentes fundamentais em futuras aprendizagens de sucesso das crianças; ? Incentivar a investigação nos educadores de infância.

Conteúdos 1. A criança pequena e a ciência (3 H) 2. Experiências com o meio ambiente: silhuetas; sombras; noite e dia; eletricidade estática; movimentação de rotação da terra; gravidade (2H 30M) 3. Experiências variadas: construções com rodas; plano inclinado; imanes; balanças; pesos; solvabilidade; fricção; magnetismo (2H 30M) 4. Os porquês dos quês: estranha natureza; o mundo físico; dentro de máquinas; engenhocas e invenções; mistérios e ilusões (4H) 5. A origem das coisas (porque é que o giz deixa pó; como é que os CD´s dão música, de onde vem a areia, de onde vêm as imagens da TV, etc.) (4H) 6. Os porquês das coisas: porque espirramos, porque é que o sabão faz bolhas, porque temos soluços, porque há várias raças… os porquês das curiosidades, os porquês sobre o tempo e o espaço (5H) 7. Articulação teórico-prática (4H)

12


Pré-escolar e 1.º ciclo do Ensino Básico

Educação Afetiva e Sexual na Infância Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupos 100 e 110 Formador: Filomena de São José Bolota Velho

Objetivos No final da presente ação de formação, os formandos deverão ter adquirido a capacidade de: ? Compreender aspetos básicos da sexualidade infantil e a sua importância na estruturação da personalidade infantil; ? Compreender a evolução do pensamento infantil na dimensão afetiva e sexual; ? Analisar alguns valores fundamentais que devem orientar a intervenção educativa na área da sexualidade infantil; ? Compreender a dimensão social da educação sexual enquanto processo de intervenção no sistema educativo e nas relações paisfilhos; ? Compreender o papel da escola e dos profissionais de educação neste processo de mudança; ? Compreender as implicações do modelo de educação sexual proposto na interação pedagógica na sala de aula; ? Promover uma cidadania responsável e activa.

Conteúdos 1. Educação afetivo-sexual: uma primeira abordagem 2. Sexualidade infantil 2.1. Curiosidade infantil 2.2. Construção da identidade de género 2.3. Teorias sexuais infantis 3. O Pensamento afetivo-sexual na infância 3.1. Crenças infantis acerca de identidade de género, casamento, conceção, gravidez e nascimento 4. Implicações pedagógicas

22


Pré-escolar e 1.º ciclo do Ensino Básico

Descobrindo o Universo com as Tecnologias Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupos 100 e 110 Formador: José Miguel Rodrigues Salgado

Objetivos ? ? ? ? ? ?

Promover a integração e troca de experiências e conhecimentos entre os participantes; Rever com os formandos os tópicos e conceitos utilizados no programa de astronomia; Reconhecer as potencialidades da Astronomia, enquanto auxiliar no Estudo do Meio; Criar planos de atividades para uma melhor aprendizagem da Astronomia nas aulas; Criar atividades interdisciplinares (jogos, histórias), recorrendo à Astronomia; Utilizar os instrumentos (bússola, binóculos e telescópio) e as tecnologias (computador) para melhor disseminar e motivar a aprendizagem do tema.

Conteúdos 1. Introdução à Astronomia (2 horas) Origens; Simbologia; A aplicação no contexto em sala de Aula 2. Tema 1 - O Planeta Terra (3 horas) Movimentos de Translação e Rotação; Sucessão dos dias e das noites, e das estações do ano; A forma da Terra 3. Tema 2 - O Sistema Solar (8 horas) O Sol: relação com a Terra; Os outros Planetas do Sistema Solar; Histórias do Principezinho (atividade de avaliação) A Lua: Satélite da Terra; Um modelo à escala do Sistema Solar (atividade de avaliação) Orientação pelo Sol e pelas outras estrelas: os pontos cardeais (Bússola); Observação do Sol, Lua, Júpiter e Saturno (Binóculos e Telescópio) 4. Tema 3 - Para além do Sistema Solar (8 horas) Galáxias, Nebulosas e outros aglomerados; Os planetas extra-solares; Observação de estrelas duplas e de alguns objetos do catálogo de Messier como a M31 (Galáxia de Andrómeda) (Telescópio); 5. Tema 4 - Vida Inteligente no Universo (4 horas) Marte e os marcianos; Haverá um ET? Buracos Negros

32


Pré-escolar e 1.º ciclo do Ensino Básico

Já Sei Perguntar! (A Filosofia Para Crianças) Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupos 100 e 110 Formadores: Carlos Sousa Reis, Filomena de São José Bolota Velho

Objetivos ? ? ? ? ? ?

Compreender os princípios psicodesenvolvimentais da filosofia para crianças. Compreender os princípios pedagógicos da filosofia para crianças. Conhecer e aplicar técnicas de facilitação dos debates filosóficos entre crianças. Desenvolver competências pedagógicas para promover o pensamento questionador e crítico entre as crianças. Conhecer e aplicar técnicas de exploração de questões filosóficas significativas para as crianças. Promover as capacidades de raciocínio, auto-estima e capacidade de comunicação das crianças.

Conteúdos 1. 2. 3. 4. 5.

Introdução: O que é filosofia para crianças. Por que ensinar filosofia às crianças. A Comunidade Questionadora Ensinar filosofia às crianças através de histórias infantis A filosofia para crianças segundo Matthew Lipman e Anne Sharp 5.1. A pergunta como modo de abrir, problematizar e construir saberes; 5.2. A investigação criativa como modo de pensar a realidade individual e social; 5.3. O debate participativo, aberto e fundamentado como prática de conhecimento; 5.4. A democracia como forma de respeitar e valorizar as diferenças; 5.5. O trabalho solidário e colaborativo como modo de agir em educação; 5.6. A resistência crítica face às formas de imposição. 6. O método de E. Bonno para promover o debate grupal e o pensamento individual 7. Como facilitar as discussões filosóficas com crianças 8. Como conduzir uma discussão filosófica com crianças

42


Pré-escolar e 1.º ciclo do Ensino Básico

Como abordar a Morfologia no 1.º Ciclo Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupo 110 Formador: Mário José da Silva Meleiro

Objetivos ? Conhecer os princípios fundamentais da gramática portuguesa, reconhecendo as diferentes unidades da língua e as suas combinações; ? Desenvolver a capacidade de reflexão, de problematização e de análise crítica, tomando por objeto, sobretudo, a componente morfológica da ? ? ? ?

língua portuguesa; Identificar os constituintes de uma palavra; Distinguir as categorias específicas da flexão nominal, adjetival e verbal; Dominar os processos morfológicos de formação de palavras; Adquirir estratégias de análise morfológica adequadas ao 1º ciclo.

Conteúdos 1. Palavra e constituintes de palavra 1.1. Palavra 1.1.1. Palavra simples 1.1.2. Palavra complexa 1.2. Constituinte morfológico 1.2.1. Radical 1.1.2. Afixo 1.1.3. Interfixo 1.1.4. Prefixo 1.1.5. Sufixo 2. Morfologia Flexional 2.1. Flexão nominal e adjetival 2.2. Flexão verbal 3. Processos morfológicos de formação de palavras 3.1. Derivação 3.1.1. Processos que envolvem adição de constituintes morfológicos: 3.1.1.1. Afixação - Prefixação - Sufixação - Parassíntese 3.1.2. Processos que não envolvem adição de constituintes morfológicos: 3.1.2.1. Conversão 3.1.2.2. Derivação não-afixal 3.2. Composição 3.2.1. Composição morfológica 3.2.1.1. Formas de base 3.2.1.2. Compostos morfológicos - Composto morfológico subordinado - Composto morfológico coordenado 3.2.2. Composição morfo-sintáctica 3.2.2.1. Formas de base 3.2.2.2. Composto morfo-sintáctico - Composto morfo-sintáctico subordinado - Composto morfo-sintáctico coordenado - Composto morfo-sintáctico com estrutura de reanálise

52


Pré-escolar e 1.º ciclo do Ensino Básico

A Oralidade no Ensino Explícito da Língua Portuguesa no 1.º ciclo do ensino básico: o som, a acentuação, a entoação e suas grafias Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupo 110 Formador: Rui Manuel Formoso Nobre Santos

Objetivos ? Desenvolver a capacidade de reflexão, de problematização e de análise crítica, tomando por objeto, sobretudo, as componentes ? ? ? ? ? ? ? ? ?

fonética e fonológica da língua portuguesa. Conhecer o funcionamento do aparelho fonador e o seu papel na produção dos sons. Identificar as relações que se estabelecem entre o(s) son(s) e a sua(s) representação(ões) gráfica(s). Reconhecer alterações significativas dependentes de elementos segmentais e de elementos suprassegmentais (prosódicos); Distinguir acentuação de entoação; Apontar as principais funções da acentuação; Distinguir acentuação prosódica de gráfica: as regras de acentuação gráfica da língua portuguesa. Compreender o mecanismo de entoação. Relembrar as funções linguísticas da entoação. Reconhecer a dificuldade em representar graficamente a entoação.

Conteúdos O mecanismo de produção de sons linguísticos: o aparelho fonador e seu funcionamento: Tipos de sons da língua portuguesa: vocálicos, consonânticos e semivocálicos/semiconsonânticos/glides; A representação gráfica dos sons: os casos problemáticos. As características físicas/acústicas dos sons e seu papel na comunicação linguística. ACENTUAÇÃO na língua portuguesa: Definição e caraterização; Distinção entre acentuação prosódica e gráfica; Funcionamento da acentuação prosódica (sílaba tónica e sílaba átona; a posição do acento nos vocábulos da língua portuguesa; Funções; Representação escrita da acentuação: os acentos gráficos e seus valores; Regras de acentuação gráfica na língua portuguesa e sua relação com a estrutura morfológica. ENTOAÇÃO na língua portuguesa: Definição e caraterização; Funções A deficiente manifestação gráfica da riqueza entoacional: os sinais de pontuação.

62


Pré-escolar e 1.º ciclo do Ensino Básico

Acordo Ortográfico na Educação Pré-escolar e Ensino Básico Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupos 100 e 110 Formadores: Mário José da Silva Meleiro, Rui Manuel Formoso Nobre Santos

Objetivos ? ? ? ? ? ? ?

Conhecer o essencial da história da escrita do português; Assimilar as bases que compõe a estrutura do Acordo; Identificar as alterações introduzidas pelo Acordo Ortográfico de 1990 na expressão escrita da norma culta luso-afro-asiática; Distinguir as normas cultas luso-brasileira e luso-afro-asiática; Exercitar a prática na Nova Ortografia; Redigir de acordo com as novas normas ortográficas; Analisar documentos e textos tendo em vista a prática da Nova Ortografia.

Conteúdos 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7.

Breve contextualização da escrita do português: da grafia à ortografia. Defensores, agnósticos e opositores do Acordo Ortográfico de 1990. A estrutura do Acordo: as bases. Principais alterações na grafia da norma culta luso-afro-asiática. Confronto entre as normas cultas luso-brasileira e luso-afro-asiática: identidade e duplas grafias. Estudo de casos práticos. Vocabulários e conversores ortográficos.

72


Pré-escolar e 1.º ciclo do Ensino Básico

Utilização das WEB 2.0 nos Processos de Ensino e Aprendizagem no 1.º Ciclo do Ensino Básico Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupo 110 Formador: Carlos Jorge Gonçalves Brigas

Objetivos Desenvolver a fluência nas TIC; Repensar e debater os espaços de aprendizagem na escola, potenciando os recursos digitais e a Internet; Proporcionar aos formandos conhecimentos e ferramentas da WEB 2.0; Criar condições para a partilha e reflexão conjunta de experiências e de metodologias e materiais didáticos; Desenvolver experiências de aprendizagem que promovam nas crianças a capacidade de raciocinar, descobrir e solucionar problemas; ? Identificar novos métodos, novos materiais e novas estratégias de intervenção com recurso às TIC; ? Produzir conteúdos digitais potencializadores da aprendizagem, com base em suportes informáticos; ? Criar atividades motivadoras para a aprendizagem, através da utilização de ferramentas informáticas. ? ? ? ? ?

Conteúdos 1. Apresentação de experiências, por parte dos formandos e do formador, de utilização das TIC como instrumento didático; a. Potencialidades das TIC no processo de ensino aprendizagem - apresentação de boas práticas; b. Metodologias de integração das TIC, com particular destaque para a Internet, no processo de construção e produção do conhecimento; 2. Novas abordagens didáticas no ensino da Matemática e do Estudo do Meio – métodos e estratégias de intervenção: a. Ferramentas WEB 2.0; b. SK; c. Squeak; d. Scratch; 3. Produção e partilha de conteúdos digitais

82


Línguas

Acordo Ortográfico - Aplicação Prática Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupos 200, 210, 220 e 300 Formadores: Mário José da Silva Meleiro, Rui Manuel Formoso Nobre Santos

Objetivos ? ? ? ? ? ? ?

Conhecer o essencial da história da escrita do português; Assimilar as bases que compõe a estrutura do Acordo; Identificar as alterações introduzidas pelo Acordo Ortográfico de 1990 na expressão escrita da norma culta luso-afro-asiática; Distinguir as normas cultas luso-brasileira e luso-afro-asiática; Exercitar a prática na Nova Ortografia; Redigir de acordo com as novas normas ortográficas; Analisar documentos e textos tendo em vista a prática da Nova Ortografia.

Conteúdos 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7.

Breve contextualização da escrita do português: da grafia à ortografia. Defensores, agnósticos e opositores do Acordo Ortográfico de 1990. A estrutura do Acordo: as bases. Principais alterações na grafia da norma culta luso-afro-asiática. Confronto entre as normas cultas luso-brasileira e luso-afro-asiática: identidade e duplas grafias. Estudo de casos práticos. Vocabulários e conversores ortográficos.

92


Línguas

O que há de novo na Morfologia segundo o Dicionário Terminológico Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupos 200, 210, 220 e 300 Formador: Mário José da Silva Meleiro

Objetivos ? Conhecer os princípios fundamentais da gramática portuguesa, reconhecendo as diferentes unidades da língua e as suas combinações; ? Desenvolver a capacidade de reflexão, de problematização e de análise crítica, tomando por objeto, sobretudo, a componente morfológica da língua ? ? ? ?

portuguesa; Identificar os constituintes de uma palavra; Distinguir as categorias específicas da flexão nominal, adjetival e verbal; Dominar os processos morfológicos de formação de palavras; Adquirir estratégias de análise morfológica.

Conteúdos 1. Palavra e constituintes de palavra 1.1. Palavra 1.1.1. Palavra simples 1.1.2. Palavra complexa 1.2. Constituinte morfológico 1.2.1. Radical 1.1.2. Afixo 1.1.3. Interfixo 1.1.4. Prefixo 1.1.5. Sufixo 2. Morfologia Flexional 2.1. Flexão nominal e adjetival 2.2. Flexão verbal 3. Processos morfológicos de formação de palavras 3.1. Derivação 3.1.1. Processos que envolvem adição de constituintes morfológicos: 3.1.1.1. Afixação - Prefixação - Sufixação - Parassíntese 3.1.2. Processos que não envolvem adição de constituintes morfológicos: 3.1.2.1. Conversão 3.1.2.2. Derivação não-afixal 3.2. Composição 3.2.1. Composição morfológica 3.2.1.1. Formas de base 3.2.1.2. Compostos morfológicos - Composto morfológico subordinado - Composto morfológico coordenado 3.2.2. Composição morfo-sintáctica 3.2.2.1. Formas de base 3.2.2.2. Composto morfo-sintáctico - Composto morfo-sintáctico subordinado - Composto morfo-sintáctico coordenado - Composto morfo-sintáctico com estrutura de reanálise

102


Línguas

A Oralidade como “enteada” no Ensino Explícito da Língua Portuguesa: o som, a acentuação, a entoação e suas representações gráficas Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupos 200, 210, 220 e 300 Formador: Rui Manuel Formoso Nobre Santos

Objetivos ? Desenvolver a capacidade de reflexão, de problematização e de análise crítica, tomando por objeto, sobretudo, as componentes ? ? ? ? ? ? ? ? ?

fonética e fonológica da língua portuguesa. Conhecer o funcionamento do aparelho fonador e o seu papel na produção dos sons. Identificar as relações que se estabelecem entre o(s) son(s) e a sua(s) representação(ões) gráfica(s). Reconhecer alterações significativas dependentes de elementos segmentais e de elementos suprassegmentais (prosódicos); Distinguir acentuação de entoação; Apontar as principais funções da acentuação; Distinguir acentuação prosódica de gráfica: as regras de acentuação gráfica da língua portuguesa. Compreender o mecanismo de entoação. Relembrar as funções linguísticas da entoação. Reconhecer a dificuldade em representar graficamente a entoação.

Conteúdos O mecanismo de produção de sons linguísticos: o aparelho fonador e seu funcionamento: Tipos de sons da língua portuguesa: vocálicos, consonânticos e semivocálicos/semiconsonânticos/glides; A representação gráfica dos sons: os casos problemáticos. As características físicas/acústicas dos sons e seu papel na comunicação linguística. ACENTUAÇÃO na língua portuguesa: Definição e caraterização; Distinção entre acentuação prosódica e gráfica; Funcionamento da acentuação prosódica (sílaba tónica e sílaba átona; a posição do acento nos vocábulos da língua portuguesa; Funções; Representação escrita da acentuação: os acentos gráficos e seus valores; Regras de acentuação gráfica na língua portuguesa e sua relação com a estrutura morfológica. ENTOAÇÃO na língua portuguesa: Definição e caraterização; Funções A deficiente manifestação gráfica da riqueza entoacional: os sinais de pontuação.

112


Línguas

Aperfeiçoamento das Competências de Língua Inglesa: A Escrita Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupos 220 e 330 Formador: Samuel Walter Best

Objetivos ? Adquirir consciência sobre o processo de escrita em si; ? Melhorar o domínio da língua inglesa de modo a reduzir a influência da língua materna no processo de transposição das ideias

para inglês.

Conteúdos ? Introdução: A escrita em inglês e problemas que surgem na escrita em inglês como língua estrangeira. Tipos de problemas a ?

?

?

?

abordar. 1 hora Estruturação e ligação de ideias Identificação de “boa escrita” a partir de textos mal estruturados. Sua reorganização de modo a torna-los bem estruturados. Exemplos dados a partir de variados tipos de texto: explanatório, descritivo, comparativo e contrastivo, entre outros. Conetores de discurso entre parágrafos e entre frases. 6 horas Estruturas gramaticais e sintaxe Identificação de “boa escrita” a partir de textos cujas estruturas gramaticais e sintaxe apresentem contaminação da língua de origem. Sua reformulação de modo a dar-lhes estruturas gramaticais e sintaxe corretas. 6 horas Léxico e seu reflexo na semântica da frase e na pragmática do texto Identificação de “boa escrita” a partir de textos em que haja formas lexicais usadas indevidamente. Sua reformulação com identificação de problemas de tom. 6 horas Coerência estilística e pragmática Identificação de “boa escrita” a partir de textos com os registos de língua desadequados. Adequação pragmática do texto ao contexto (ouvinte/leitor e situação). 6 horas

122


Ciências Sociais

Alterações Geoestratégicas, Tensões Políticas e Transformações Socioculturais no Mundo Atual Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupos 200, 400, 420 e 430 Formador: Guilherme Francisco Rosa Monteiro

Objetivos ? ? ? ?

Conhecer a história das ideias geopolíticas, e as suas principais teorias. Identificar os fatores permanentes e variáveis geopolíticas que influenciam as políticas dos estados nos grandes espaços. Reter a metodologia de análise geopolítica para aplicação concreta a um estudo de caso, realizado no âmbito da aula. Compreender a atualidade da geopolítica e geoestratégia na época hodierna e na análise e descodificação nas tensões, disputas e competições interestatais, regionais e internacionais.

Conteúdos ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ?

A génese do pensamento geopolítico. A história das ideias geopolíticas e as suas teorias principais. Os fatores estruturais e conjunturais da geopolítica. A ordem internacional: o debate entre o modelo unipolar e o multipolar, a emergência dos Bric`s A “war on terror” e a segurança internacional pós 11 de setembro de 2001. O “choque de civilizações “:uma leitura geopolítica, a importância das religiões nas relações internacionais. Novas formas de ameaças do século xxi: terrorismo internacional, proliferação de armas de destruição maciça, disputa de recursos energéticos, narcotráfico e crime organizado, pandemias e catástrofes naturais. Análise de questões geoestratégicas e geopolíticas regionais. Os Balcãs, evolução e situação atual. Os etno-nacionalismos, o caso de Espanha. A região do Caucaso e a geoeconomia energética. A segurança no Mediterrâneo e o Norte de África. O Japão e os dilemas na afirmação internacional. A afirmação e emancipação da China e o Sudeste Asiático. O Continente Africano, o Magrebe,o conflito nos Grandes Lagos e a crise no Darfur. O Continente Americano, a hegemonia dos EUA e a afirmação do Brasil na América Latina e no Mundo. Análise geopolítica e estudo de casos contemporâneos.

132


Ciências Sociais

Financial Reporting: o Sistema de Informação e Comunicação Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupo 430 Formadores: Maria de Fátima dos Santos David, Rute Maria Gomes Abreu

Objetivos ?

Esta Ação de Formação tem como objetivo dar a conhecer os sistemas de informação e comunicação para a tomada de decisões na área de Contabilidade, tendo subjacente a terminologia inglesa. Desta forma, pretende-se que os professores do grupo 430 (Economia e Contabilidade) obtenham preparação para o tratamento correto deste tipo de informação.

Conteúdos 1. Estrutura do sistema de informação financeira (5 horas) 1.1. Enquadramento conceptual da contabilidade 1.2. Terminologia inglesa na área de contabilidade 1.3. Interpretações de conceitos contabilísticos portugueses versus ingleses 2. Financial statements (8 horas) 2.1. Introdução aos conceitos e terminologia inglesa sobre estrutura das demonstrações financeiras (NIC 1) 2.2. Balance sheet 2.3. Income statement (NIC 8, 18, 20, 33 e 35) 2.4. Notes to balance sheet and income statement (NIC 1) 2.5. Cash flow statements (NIC 14) 2.6. Statement of changes in equity (NIC 1) 3. Ratio analysis (8 horas) 3.1. Introdução aos conceitos e terminologia inglesa sobre análises de rácios 3.2. Activity and asset management 3.3. Profitability 3.4. Financial equilibrium 4. Financial reporting (2 horas) 4.1. Introdução aos conceitos e terminologia inglesa sobre reporte financeiro 4.2. Annual financial reporting (NIC 1) 4.3. Segment financial reporting (NIC 14) 4.4. Interim financial reporting (NIC 34) 5. Financial statements analysis and interpretation (2 horas)

142


Ciências Sociais

Metodologia e Avaliação de Projetos de Investimento Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupo 430 Formadores: Maria de Fátima dos Santos David, Rute Maria Gomes Abreu

Objetivos ? Esta Ação de Formação tem como objetivo promover a metodologia e avaliação de projetos de investimento, adaptados a um

determinado setor económico. Na realidade, os casos de insucesso de alguns investimentos resultam de insuficiências ao nível do planeamento que serão superadas com o cumprimento dos requisitos nesta área. Complementarmente, devido às tendências de avaliação serem afetadas por estimativas demasiado otimistas e não serem ponderadas por uma adequada análise de sensibilidade, esta ação de formação vem debater e fundamentar as várias opções. ? Desta forma, pretende-se que os professores do Grupo 430 (Economia e Contabilidade) obtenham preparação para a elaboração de um projeto de investimento, tendo subjacente a metodologia da sua elaboração e a consequente análise, mas sempre numa perspetiva da realidade económica de um determinado investimento. ? Apesar da natureza do curso ser essencialmente prática, serão apresentados os conceitos teóricos subjacentes ao correto conhecimento, quer dos fundamentos de metodologia, quer dos métodos e procedimentos na área de avaliação, com vista à apresentação de um objeto de investimento devidamente fundamentado.

Conteúdos 1. Metodologia de Projetos de Investimento (10 horas) 1.1. Fundamentos da Metodologia de Projetos de Investimento 1.2. Gestão por objetivos 1.3. Gestão do tempo 1.4. Levantamento de problemas e árvore de problemas 1.5. Árvore de objetivos 1.6. Gestão de equipa 1.7. Quadro de medidas 1.8. Previsão 1.9. Gestão orçamental 1.10. Diagrama de Gantt 1.11. Matriz de planeamento do projeto 1.12. Planeamento do projeto 1.13. Implementação do projeto 2. Avaliação de Projetos de Investimento (15 horas) 2.1. Fundamentos de Avaliação de Projetos de Investimento 2.2. Principais critérios de avaliação 2.3. Análise de sensibilidade 2.4. Dossier do projeto de investimento

152


Matemática e Ciências

Problemas Geoambientais III Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupos 420 e 520 Formador: Sónia Hortência Moreira Marques

Objetivos ? Esta ação de formação tem como objetivo a atualização científica e técnica dos professores dos grupos disciplinares 11.º-A-

Geografia e 11.º-B-Biologia e Geologia, do 3.º ciclo do ensino básico e do ensino secundário, contribuindo na sua vertente prática para o desenvolvimento de competências no âmbito do estudo de casos através da utilização de metodologias diversificadas.

Conteúdos 1. Considerações iniciais (2 horas) Geotecnia ambiental e problemas geoambientais: problemas ambientais com implicações geotécnicas e problemas geotécnicos com implicações ambientais 2. Problemas geoambientais (7 horas) Avaliação de impactes geoambientais e recuperação paisagística de minas e pedreiras Energias não renováveis versus energias renováveis, em particular energia geotérmica Sistemas de armazenamento subterrâneo para resíduos nucleares Reabilitação de terrenos contaminados 3. Casos de estudo (12 horas) 4. Análise crítica e discussão dos relatórios sobre as actividades práticas realizadas (4 horas)

162


Matemática e Ciências

Plásticos e Ligas Ferrosas Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupo 510 Formador: José Reinas dos Santos André

Objetivos ? Esta ação de formação tem como objetivo dar a conhecer alguns materiais, sua caracterização mecânica e aplicações, dando particular destaque aos polímeros e metais. Deste modo, pretende-se que os professores obtenham e/ou aprofundem os seus conhecimentos nesta área. ? O curso terá, para além de uma componente teórica/prática, uma vertente laboratorial.

Conteúdos 1. Classificação dos polímeros (4 horas) 1.1. Reações de polimerização 1.2. Homopolímeros e copolímeros 1.3. Distribuição de massas moleculares 1.4. Estrutura dos polímeros cristalinos e amorfos 1.5. Propriedades dos polímeros 2. Elastómeros (2horas) 2.1. Borracha natural 2.2. Borracha sintética 2.3. Vulcanização 3. Termoplásticos comerciais (3 horas) 3.1. Poliolefinas 3.2. Plásticos estirénicos 3.3. Plásticos de cloreto de vinilo 3.4. Plásticos de engenharia 3.5. Aditivos 4. Termoendurecíveis (2 horas) 4.1. Polímeros baseados no formaldeído 4.2. Resinas epóxido 4.3. Poliésteres insaturados 4.4. Poliuretanos 4.5. Silicones 5. Propriedades mecânicas (4 horas) 5.1. Ensaios de curta duração 5.2. Rutura frágil e rutura dúctil 5.3. Fatores que afetam o módulo 5.4. Ensaios de longa duração 5.5. Ensaios de impacto 5.6. Ensaios de dureza 6. Ligas ferrosas (4 horas) 6.1. Aços carbono e aços liga 6.2. Ferros fundidos cinzentos, brancos, mesclados, maleáveis e nodulares 6.3. Variação das propriedades mecânicas dos aços com o teor de carbono 6.4. Diagrama de equilíbrio ferro-carbono 6.5. Aços eutectoides, hipoeutectoides e hipereutectoides 6.6. Ferros fundidos eutecticos, hipoeutecticos e hipereutecticos 6.7. Classificação dos aços 7. Trabalhos práticos (6 horas)

172


Matemática e Ciências

A Física e a Química no Tratamento de Água para Consumo Humano Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupo 510 Formador: Pedro Miguel Santos Melo Rodrigues

Objetivos ? Esta ação de formação tem como objetivo dar a conhecer os processos de tratamento físicos e químicos numa estação de

tratamento de água (ETA), assim como fazer uma avaliação da qualidade da água num sistema de abastecimento de água. desta forma, pretende-se que os professores obtenham conhecimentos sobre os processos envolvidos no tratamento de águas, desde a captação da água bruta até à sua entrega no domicílio do consumidor. ? Apesar da natureza do curso ser essencialmente prática, serão apresentados os conceitos teóricos subjacentes ao correto conhecimento do tema.

Conteúdos 1. Introdução (2 horas) 1.1. Ciclos hidrológico e urbano da água 1.2.A importância da água no meio ambiente 1.3. Fontes de água e seus usos 2. Água e Saúde Pública (6 horas) 2.1. Caracterização da água na origem 2.2. Influência das características da água na saúde pública 2.3. Normas de qualidade da água para consumo 3. Tratamento de Água para Consumo Humano (17 horas) 3.1. Princípios gerais para definição de esquemas de tratamento 3.2. Esquemas gerais de tratamento de águas 3.3. Processos de tratamento de água para consumo 3.3.1. Microtamização 3.3.2. Coagulação/Floculação 3.3.3. Sedimentação 3.3.4. Amaciamento 3.3.5. Filtração 3.3.6. Desinfeção 3.3.7. Controlo da corrosão 3.3.8. Fluoretação das águas

18 2


Matemática e Ciências

Do Infinitamente Pequeno ao Infinitamente Grande - Uma Viagem pelo Universo Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupo 510 Formador: Jorge Fonseca e Trindade

Objetivos ? Os objetivos desta ação resumem-se aos seguintes pontos: ? Atualização científica dos formandos, desenvolvendo o seu sentido crítico. ? Fomentar a utilização das tecnologias da informação e comunicação no contexto curricular em que se enquadram os conteúdos

abrangidos por esta ação de formação. ? Familiarizar os formandos com software gratuito, disponível na Internet, vocacionado para os conteúdos da ação. ? Dotar os formandos com recursos que lhes permitam motivar os alunos, estimular a sua curiosidade e interesse pela pesquisa sobre assuntos relacionados.

Conteúdos 1. 2. 3. 4. 5. 6.

O Universo quântico. (3 horas) Teorias sobre a formação do Universo. (6 horas) Evidências da teoria do Big-Bang. (3 horas) Constituição do Universo. (6 horas) Formação do Sistema Solar. (3 horas) Principais Características do planetas do Sistema Solar. (4 horas)

192


Matemática e Ciências

Probabilidades e Estatística com Excel 2010 Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupos 230 e 500 Formadores: Cecília Maria Fernandes Fonseca, Joaquim Manuel Pereira Mateus

Objetivos ? Familiarizar os formandos com os recursos informáticos e promover a sua utilização no sentido de desenvolver aptidões

matemáticas; ? Os formandos deverão construir e planear novas tarefas a transportar para a sua atividade letiva que promovam nos alunos: ? aptidão para recolher e organizar dados relativos a uma situação ou um fenómeno e para os representar de modo adequado, nomeadamente através de tabelas e gráficos utilizando o Excel 2010, ? aptidão para ler e interpretar as tabelas e os gráficos referidos no ponto anterior, ? o sentido critico face ao modo como a informação é apresentada ? a interpretação do conceito de probabilidade de um dado acontecimento, através de simulação no Excel 2010, ? a construção de distribuições empíricas de probabilidades através de simulações, ? o estudo de modelos teóricos recorrendo às ferramentas do Excel 2010.

Conteúdos 1. Organização dos dados (7,5 horas) 1.1. Tabelas 1.2. Gráficos 2. Medidas Descritivas (7,5 horas) 2.1. Medidas de Posição ou Localização Central 2.2. Medidas de Posição Não Central – Quantis 2.3. Medidas de Variabilidade 3. Correlação e Regressão (4 horas) 3.1. Diagrama de dispersão 3.2. Correlação entre variáveis 3.3. Reta de regressão 4. Probabilidades (6 horas) 4.1. Experiência aleatória e conceito de probabilidade 4.2. Distribuição de probabilidades 4.3. Modelos: Binomial e Normal

20 2


Desporto

BTT e Orientação Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupos 260 e 620 Formadores: Jorge dos Santos Casanova, Natalina Roque Casanova

Objetivos Cartografia e Orientação: ? Conhecer técnicas e métodos de análise cartográfica; ? Saber ler, interpretar e compreender cartas e mapas; ? Conhecer e manipular o GPS. Percursos: ? Identificar as características do meio e as potencialidades para realizar actividades de ar livre de orientação e btt; ? Aplicar as técnicas de progressão na natureza com destreza e segurança; ? Orientar grupos em percursos pela natureza com segurança; ? Elaborar percursos terrestres para BTT. BTT: ? Identificar os materiais e equipamentos específicos do BTT; ? Conhecer as regras básicas de mecânica e manutenção do material; ? Saber as regras de segurança da utilização do material e das deslocações em grupo. Processo de aprendizagem/treino: ? Saber orientar programas de treino em BTT; ? A avaliação do esforço do atleta de BTT; ? Conhecer e manipular os parâmetros de avaliação do treino (FC, Lactato, Vo2máx. e composição corporal).

Conteúdos Cartografia e Orientação - (5h): . Conceitos básicos de cartografia (escala, orientação, cálculo de distâncias, etc) . Conhecimento e interpretação das formas de relevo . Análise do espaço geográfico . Orientação desportiva com recurso a cartas, bússola, GPS e software) Percursos (6h): . Tipos de percursos . Planificação de percursos e normas de planificação . Técnicas Básicas de progressão . Percursos colectivos BTT (7h): . Domínio da técnica individual de bicicleta . A bicicleta, sua manutenção e equipamentos específicos . A integração no grupo, deslocações em grupo . Adaptação ao meio ambiente (natureza/estrada) Segurança em percursos (3h): . Cuidados a ter com o uso de equipamentos . A importância da alimentação e hidratação . Lesões mais usuais O processo de treino (4h): . Avaliação do processo de treino . Planificação do treino . Provas de avaliação (Tensão Arterial, Frequência Cardíaca, VO2 máx, Lactémia)

212


Desporto

Desportos de Natureza na Escola Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupos 260 e 620 Formadores: Jorge dos Santos Casanova, Natalina Roque Casanova, Nuno Miguel Cameira Serra

Objetivos ? A ação pretende dotar os formandos dos seguintes conhecimentos ? Conhecer os desportos de natureza, nomeadamente no que concerne à sua natureza, espaços de prática e

equipamentos; ? Saber orientar-se em espaços abertos, ler mapas e utilizar o GPS; ? Conhecer as técnicas de base da escalada e rappel; ? Saber os elementos técnicos de base de utilização da canoa em águas paradas.

Conteúdos I - Enquadramento dos Desportos de Natureza (2 horas) - História e natureza dos desportos de Natureza - Regras de segurança - Material e equipamentos II – Cartografia e Orientação (2 horas) - Técnicas e métodos de análise cartográfica - Ler e interpretar cartas e mapas - Conhecer e manipular o GPS III – Desportos de Montanha (15 horas) - Escalada, Rappel e Slide - Percursos pedestres e orientação - BTT -5h - Regime de estadia em acampamento IV – Desportos náuticos (6 horas) - Canoagem (águas calmas e bravas) – 10h

22 2


Desporto

Atividades Rítmicas e de Academia Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupos 260 e 620 Formadores: Bernardete Lourenço Jorge, Natalina Roque Casanova

Objetivos A ação pretende dotar os formandos dos seguintes conhecimentos: ? Conhecer e utilizar de forma adequada os equipamentos e recursos materiais inerentes aos desportos de academia; ? Conhecer e dominar os padrões de movimento das diferentes modalidades abordadas.

Conteúdos I – Música nas atividades de grupo - Como trabalhar a música II – Ginástica localizada/ Abdominais/Streching - Objetivo da aula - Tonificação muscular em aulas de grupo - Estrutura da aula de grupo - Utilização de material diversificado (bolas, elásticos, steps, entre outros) III – Diversificação de aulas de grupo - Aeróbica - STEP - Zumba - Pump - Treino em circuito

23 2


Tecnologia

Fotografia Digital Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupos 240, 530 e 600 Formadores: Carlos Francisco Lopes Canelas

Objetivos No final da presente ação de formação, os formandos deverão ter adquirido a capacidade de: ? Captar de uma forma adequada fotografias, aplicando os conceitos básicos da fotografia, assim como as regras de composição fotográfica; ? Digitalizar fotografias analógicas de acordo com o seu fim, recorrendo a um scanner; ? Recolher fotografias e outro tipo de imagens de outras fontes, nomeadamente da Web; ? Efetuar diversas operações de edição fotográfica, através do software Adobe Photoshop; ? Usar adequadamente os suportes de registo e de armazenamento da fotografia digital.

Conteúdos 1. A Fotografia na Era Digital 2. A Captação Fotográfica 2.1. As Máquinas Fotográficas Digitais 2.2. As Objectivas 2.3. A Iluminação 2.4. A Composição em Fotografia 2.5. A Digitalização de Fotografias Analógicas 2.6. A Recolha de Fotografias de outras fontes 3. A Edição Fotográfica, recorrendo ao software Adobe Photoshop 3.1. Os Formatos da Fotografia Digital 3.2. A Resolução e os Tamanhos para a Fotografia Digital 3.3. Os Modelos de Cor da Fotografia Digital 3.4. As Operações de Tratamento Fotográfico 4. Os Suportes de Registo e de Armazenamento da Fotografia Digital

24 2


Tecnologia

Vídeo Digital Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupos 240, 530 e 600 Formadores: Carlos Francisco Lopes Canelas

Objetivos No final da presente ação de formação, os formandos deverão ter adquirido a capacidade de: ? Captar de uma forma adequada vídeos, aplicando a linguagem audiovisual, bem como as regras de composição da imagem em movimento; ? Manusear uma série de equipamentos audiovisuais, cabos e suportes de registo e de armazenamento de vídeo analógico e digital; ? Digitalizar vídeo analógicas; ? Captar vídeo de diversas fontes sonoras; ? Usar o computador como equipamento de captação, edição e difusão de vídeo; ? Conhecer os fundamentos teórico-práticos da edição não-linear de vídeo; ? Editar vídeo, recorrendo a software ao Adobe Premiere; ? Preparar conteúdos de vídeo para serem incluídos em projetos visuais, audiovisuais e multimédia; ? Usar adequadamente os suportes de registo e de armazenamento de vídeo digital.

Conteúdos 1. O Vídeo na Era Digital 2. A Captação de Vídeo 2.1. As Câmaras Digitais de Vídeo 2.2. Outros Equipamentos utilizados na Captação de Vídeo 2.3. Os Suportes de Registo e de Armazenamento de Vídeo Analógico e Digital 2.4. Cabos e Conetores de Vídeo Analógico e Digital 2.5. A Composição e Enquadramento da Imagem em Movimento 2.6. A Linguagem Audiovisual 2.7. A Digitalização de Vídeo Analógico 2.8. Recolha de Vídeos de diversas Fontes 3. A Edição de Vídeo, recorrendo ao software Adobe Premiere 3.1. Os Formatos do Vídeo Digital 3.2. As Operações de Edição de Vídeo

25 2


Tecnologia

Desenvolvimento de Aplicações, em Java, para Dispositivos Móveis Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupo 550 Formador: Paulo Alexandre de Andrade Vieira

Objetivos ? Nesta ação de formação pretende-se que os formandos aprendam a criar aplicações, escritas em Java, para dispositivos móveis,

as quais podem ser úteis na implementação dos conteúdos programáticos lecionados por estes docentes nas suas atividades de ensino.

Conteúdos 1. Introdução à linguagem Java (2 horas) 2. Introdução ao J2ME (1 hora) 3. Ambientes de Desenvolvimento (1 hora) 4. Uma primeira aplicação em J2ME. Hello Word (1 hora) 5. Estrutura de MIDlet (2 horas) 6. Tratamento de eventos (3 horas) 7. UI Alto nível (3 horas) 8. Interface de baixo nível (3 horas) 9. Jogos (3 horas) 10. Persistência de dados em MIDP (3 horas) 11. Comunicação (3 horas)

26 2


Tecnologia

Tecnologia e Aspetos Sociais da Informática Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupo 550 Formadores: Maria Clara Santos Pinto Silveira, Natália Fernandes Gomes

Objetivos No final da ação de formação, o formando deve: ? Identificar e descrever as características e os desafios da sociedade do conhecimento; ? Reconhecer as principais práticas sobre propriedade industrial;Responder a questões triviais sobre os aspetos jurídicos da informática; ? Analisar e opinar sobre os aspetos éticos da profissão de informático; ? Descrever o impacto da informática na educação, no comércio e nas relações humanas; ? Analisar e avaliar diretrizes de acessibilidade Web; ? Descrever as principais tecnologias emergentes relacionadas com a informática.

Conteúdos 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8.

Tecnologias e Sociedade do Conhecimento (4 horas) Aspetos Jurídicos da Informática (2 horas) Propriedade Industrial (3 horas) Ética e Informática (2 horas) e-Learning (4 horas) Comércio Eletrónico (4 horas) Diretrizes de Acessibilidade Web (3 horas) Tecnologias Emergentes (3 horas)

27 2


Necessidades Educativas Especiais

Musicoterapia Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupos 910, 920 e 930 Formador: Maria do Rosário Silva Santana

Objetivos ? Despertar o docente de N.E.E para a necessidade do uso da musicoterapia em contextos educativos. ? Fornecer ao docente de N.E.E ferramentas metodológicas/pedagógicas a usar em contexto de sala de aula. ? Fomentar o gosto para o trabalho prático na área da expressão musical com vista à resolução de problemas em contexto de sala

de aula.

Conteúdos 1. Musicoterapia (4 horas) 1.1- Conceito 1.2– Evolução 1.3 - Aplicação 2. Modelos terapêuticos adaptados (4 horas) 2.1– Hiperatividade 2.2- Autismo 2.3 - Défice de atenção 2.4- Paralisias 3. Exercícios Práticos (8 horas) 3.1– Modelos rítmicos e terapia 3.2 - Modelos melódicos e terapia 4. Análise Musicológica de autores (4 horas) 4.1– Audição comentada de obras 4.2- Discussão de modelos composicionais e aplicação na resolução de várias patologias 5. Aplicação Prática (4 horas) 5.1– Audição de autores 5.2- Discussão de resultados 6. Avaliação (1 hora)

28 2


Necessidades Educativas Especiais

As Expressões Artísticas nas Necessidades Educativas Especiais Oficina de formação Duração: 17 horas + 15 horas (trab. auto) - 1,4 créditos Destinatários: Grupos 910, 920 e 930 Formador: Maria do Rosário Silva Santana

Objetivos ? Queremos com esta formação promover a mudança de atitudes, procedimentos e práticas em sala de aula, facultando aos

formandos a integração de modelos pedagógicos singulares nas suas áreas de atuação, obtendo assim ferramentas pedagógicas que lhes permitirão inovar nas suas práticas pedagógicas, motivando os públicos a que se destinam; os alunos aprendendo, criando. ? Dar-se-á primazia à criação/composição de materiais didáticos inovadores, partindo da integração de saberes diversos nos modelos de aprendizagem vigentes, construindo assim projetos interdisciplinares integradores e verificadores das diferentes áreas do saber.

Conteúdos 1. As expressões em contextos educativos específicos (2 horas) 1.1. A Expressão Musical e o desenvolvimento de competências em contexto de sala de aula 1.2. Conteúdos Formais e conteúdos musicais – interação 2. A música, ferramenta pedagógica indispensável em públicos com N.E.E (2 horas) 2.1 – Modelos pedagógicos destinados a públicos com N.E.E 3. Construção de projetos interativos com recurso às expressões (8 horas) 3.1 Forma 3.2 Estrutura 3.3 Conteúdo 3.4 Equilíbrio 4. Trabalho Autónomo (15 horas) 5. Avaliação (5 horas)

29 2


Necessidades Educativas Especiais

A Tecnologia ao Serviço da Educação Especial Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupos 910, 920 e 930 Formador: Luís Filipe da Costa Figueiredo

Objetivos ? ? ? ? ? ? ?

No final da ação o formando deve ser capaz de: Identificar as capacidades/limitações de cada aluno em termos de interação com o computador. Identificar diferentes alternativas tecnológicas de acesso ao computador. Escolher a tecnologia que mais se adapta a cada aluno. Saber configurar cada uma das tecnologias tendo em contas as particularidades de cada aluno. Saber elaborar quadros de comunicação alternativa. Saber configurar sistemas de controlo de ambiente (controlo de luzes, Televisão, HI-FI, etc).

Conteúdos 1. 2. 3. 4.

O papel da tecnologia na Educação Especial e a sua relação com os Educadores (1 horas) Sistemas alternativos de acesso ao computador (por joystick, pelo movimento da cabeça, pela direção do olhar) (9 horas) Configuração de quadros de comunicação alternativa (13 horas) Controle de ambiente (2 horas)

30 2


Educação

Educação Sexual Duração: 25 horas ( 1 crédito) Destinatários: Grupos 230, 410 e 520 Formadores: Marilinda Costa Gonzalez, Rosa Tracana Pereira

Objetivos No final da presente ação de formação, os formandos deverão ter adquirido a capacidade de: ? Conhecer alguns aspetos históricos da evolução da educação sexual; ? Compreender diferentes quadros de valores que estão subjacentes a diversos modelos de educação sexual; ? Analisar alguns valores fundamentais que devem orientar a intervenção educativa na área da sexualidade humana; ? Compreender a dimensão social da educação sexual enquanto processo de intervenção no sistema educativo e nas relações paisfilhos; ? Compreender o papel da escola e dos profissionais de educação neste processo de mudança; ? Compreender a importância e limites da organização de programas de educação sexual; ? Compreender as implicações do modelo de educação sexual proposto na interação pedagógica na sala de aula; ? Promover uma cidadania responsável e ativa.

Conteúdos 1. 2. 3. 4. 5. 6.

Educação sexual uma primeira abordagem A educação sexual e a escola O sistema reprodutor feminino O sistema reprodutor masculino As doenças sexualmente transmissíveis Metodologias de desenvolvimento de um programa de educação sexual

312


Educação (Formação Não Específica)

Novas Metodologias para Ensinar e Aprender: Outdoor Learning Duração: 25 horas ( 1 crédito) - Formação Não Específica Destinatários: Educadores de Infância e Professores do Ensino Básico Formadores: Ana Isabel Lopes, Carlos Sousa Reis, Maria Eduarda Ferreira, Maria Helena Damião, Rosa Tracana Pereira

Objetivos ? ? ? ? ? ? ?

Promover a compreensão dos pressupostos e princípios pedagógicos da metodologia de outdoor learning; Desenvolver o conhecimento de processos de ensino e aprendizagem integradores, ativos e significativos; Motivar a aplicação de processos de ensino e aprendizagem promotores do conhecimento e da proteção do meio ambiente; Compreender a integração curricular inter e transdisciplinarmente; Motivar o desenvolvimento transversal da cidadania e dos valores; Assumir princípios e práticas de educação inclusiva; Desenvolver a capacidade de aplicação da metodologia de outdoor learning entre educadores e professores e alunos de cursos de formação de professores.

Conteúdos I. 2. 3. 4. 5. 6.

Da dinâmica antinómica da educação à complexidade do campo educacional - O paradigma pedagógico da multireferenciadade; As metodologias ativas; Cidadania e educação ambiental; A integração inter e transdisciplinar do currículo; Princípios pedagógicos do Outdoor learning; Planificação de atividades de Outdoor learning.

32 2


Educação (Formação Não Específica)

Novas Metodologias para Ensinar e Aprender: Outdoor Learning (Nível Intermédio) Duração: 25 horas ( 1 crédito) - Formação Não Específica Destinatários: Educadores de Infância e Professores do Ensino Básico Formadores: Ana Isabel Lopes, Carlos Sacadura, Carlos Sousa Reis, Jorge Casanova, Maria Eduarda Ferreira, Maria das Dores Formosinho, Maria Helena Damião, Rosa Tracana Pereira

Objetivos ? ? ? ? ? ? ?

Promover a compreensão dos pressupostos e princípios pedagógicos da metodologia de outdoor learning; Desenvolver o conhecimento de processos de ensino e aprendizagem integradores, activos e significativos; Motivar a aplicação de processos de ensino e aprendizagem promotores do conhecimento e da proteção do meio ambiente; Compreender a integração curricular inter e transdisciplinarmente; Motivar o desenvolvimento transversal da cidadania e dos valores; Assumir princípios e práticas de educação inclusiva; Desenvolver a capacidade de aplicação da metodologia de outdoor learning entre educadores e professores e alunos de cursos de formação de professores.

Conteúdos 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7.

Desenvolver o curriculum através do Outdoor Learning: O exemplo Escocês; Princípios pedagógicos do Outdoor Learning; A integração inter e transdisciplinar do currículo; Planificação de atividades de Outdoor Learning; Cidadania e educação ambiental; O “museu” como recurso de Outdoor Learning; Atividades de Outdoor Learning: Visitas prospetivas: Museu de Arte e Arqueologia do Vale do Côa; Sabugal; Serra da Estrela Atividades prospetivas: percursos pedestres, canoagem e escalada

33 2


Educação (Formação Não Específica)

Gestão de Conflitos Interpessoais em Sala de Aula Duração: 25 horas ( 1 crédito) - Formação Não Específica Destinatários: Educadores de Infância e Professores do Ensino Básico e Secundário Formadores: Filomena de São José Bolota Velho

Objetivos ! ? ? ? ?

Promover a formação dos formandos no domínio concreto da temática desta ação. Apresentar aos formandos conceções atualizadas neste campo de estudo. Despertar nos formandos a necessidade de investigação. Motivar os formandos à reflexão em educação e nesta área em particular.

Conteúdos 1. Violência, agressão e disciplina. 2. Causas de agressividade escolar 2.1. Agentes externos (sociedade, família e meios de comunicação) 2.2. Agentes internos (relações interpessoais) – 3 horas 3. Estratégias de atuação 4. Modelo de intervenção (aproximação curricular / atenção individualizada / participação / organização) 5. Pensar em conjunto e criar normas (normas gerais / normas de uso e segurança / normas na sala de aula / plano de ação positiva) – 3 horas 6. Educar em valores 7. Educação de atitudes / educação de afetos / resolução de conflitos / cooperação e aprendizagem / participação / responsabilidade – 3 horas 8. Autoestima 8.1. Autoestima e comportamento escolar 8.1.1. Autoestima e criatividade 8.2. Autoestima e relações pessoais 8.2.1. Autoestima como motor do comportamento humano – 3 horas 9. Manifestar sentimentos para reduzir o stress (histórias/ jogos) – 5 horas 10. Práticas e relações interpessoais – 8 horas

34 2


Educação (Formação Não Específica)

Cidadãos do Universo - Práticas de Cidadania Duração: 25 horas ( 1 crédito) - Formação Não Específica Destinatários: Grupos 100 e 110 Formadores: Filomena de São José Bolota Velho

Objetivos ! ? ? ? ?

Motivar professores / educadores para a pesquisa / investigação; Despertar nos professores / educadores a necessidade de reflexão; Apresentar aos professores / educadores conceções atualizadas neste campo de estudo; Promover a formação dos professores / educadores no domínio concreto da temática da ação.

Conteúdos 1. Elementos de uma educação cívica (3 horas) 1.1. Educação cívica do nosso tempo 1.2. Cidadania democracia 2. Noções base: valores e normas de ensino (4 horas) 2.1. Valores de cidadania 2.2. Valores e democracia 3. A cidadania democrática em termos de estudo (programação de atividades) (3 horas) 3.1. A família 3.2. A sociedade 3.3. O mundo 4. Normas, direitos e julgamentos normativos (3 horas) 4.1. Cooperação Social 4.2. Participação pública 5. Autarquias e poder local / Bem comum / direitos / deveres / estado / segurança / humanidade / direitos humanos / impostos / justiça / cooperação / liberdade / meio ambiente / nacionalidade / paz / qualidade de vida / sociedade / xenofilia / zonas protegidas (6 horas) 6. O professor – cidadão / higiene e segurança / gestão de tarefas coletivas / gestão de materiais coletivos (3 horas) 7. Construção social e cultural da cidadania (igualde, diferença e globalização), controvérsias sobre cidadania / promoção da cidadania (3 horas)

35 2


Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto Instituto Politécnico da Guarda

www.ipg.pt/fcontinua/

Guia de Formação - Professores 2012/2013  

Ao longo dos seus 20 anos de existência, o Centro de Formação Contínua de Professores (CFCP) tem contribuido para a atualização profissional...

Advertisement