Page 1


Pastoral REV. JUAREZ MARCONDES FILHO PASTOR EFETIVO

A SINGULARIDADE DE CRISTO Afirmar "Somente Cristo" significa dizer "não há ninguém como Cristo", ele é único. A singularidade de Cristo aponta para sua pessoa inigualável, para sua obra incomparável. A história da fé nos apresenta muitos Patriarcas, Profetas, Apóstolos, mas só um Cristo. Todos tiveram o seu grau de importância e contribuíram para o propósito divino, mas Cristo é a pedra fundamental, sobre a qual todos os demais são edificados (I Coríntios 3.10); todos estes se mostraram muitas vezes falhos e chegaram mesmo a ser substituídos, Cristo nunca falhou e é insubstituível. Quando Jesus indagou dos discípulos o que estavam falando a seu respeito, quem a população pensava ser ele, a resposta foi bastante variada: responderam que ele devia ser João Batista, morto há não muito tempo (Mateus 14.10), ou Elias, que era aguardado como um sinal da chegada dos últimos tempos (Malaquias 4.5) ou Jeremias, ou qualquer uns dos profetas (Mateus 16.14). Era uma tentativa de torná-lo comum, comparável a alguma ilustre figura da história. Logo, Simão Pedro, por revelação divina, desfez o equívoco: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo" (Mateus 16.16). Hoje, enquete deste tipo revelará uma gama considerável de opiniões a respeito de Cristo, buscando assemelhá-lo a muitos líderes mundiais, fundadores de religiões, mártires, pregadores excepcionais, e outras coisas não muito usuais, como um fenomenal estrategista ou um incrível homem de mercado, para pensar em figuras muito requisitadas em nossos dias. Tudo isto não passa de tentativa de torná-lo igual a tantos outros. Mas Cristo de todos se distingue, ele é singular. Não há ninguém como Cristo. João 1.1-18 desenvolve uma explanação sobre a pessoa e a obra de Cristo, que não deixa dúvida acerca de sua singularidade. Primeiramente, por sua origem eterna. O texto começa afirmando "No princípio" (v. 1). Não se trata de mera cronologia, afinal, as coisas tem começo, meio e fim; efetivamente, não é o caso de Cristo, que não tem começo,

nem fim, pois, é eterno. Fundadores de religião tiveram começo, meio e fim, Profetas e Apóstolos, também, mas Cristo, não, ele sempre existiu, e sempre existirá. Em sua relação com o Pai, declaramos que o Filho foi gerado eternamente do Pai, o que vale dizer, Cristo existe desde sempre, juntamente com o Pai. A declaração paulina “o primogênito de toda a criação” (Colossenses 1.15) não deve nos induzir a pensar que o Filho de Deus é um ser criado, mesmo que seja o primeiro. Na companhia de todo o Conselho da Trindade, ele sempre existiu. Por isso, adoramos ao Eterno, que é inconfundível, absoluto. A singularidade de Cristo pode ser vista, também, por sua missão reveladora. O texto nos apresenta Cristo como o "Verbo" (v. 1). A teologia joanina dialoga com o ambiente filosófico de seu tempo, e toma de empréstimo a expressão "lógos", termo grego que traduz a ideia, não apenas de "palavra" ou "verbo", mas de um conhecimento completo, o qual se revela pela palavra. Profetas pregaram a Palavra, Mestres ensinaram a Palavra, Evangelistas proclamaram a Palavra, mas somente Cristo é a Palavra, a plenitude da revelação. O que de Deus se pode conhecer nos foi plenamente apresentado pela Palavra, Cristo, "o Deus unigênito que está no seio do Pai" (v.18). Tal revelação é completa, não deixando pairar qualquer dúvida acerca de sua pessoa divina; vai além da revelação de Deus na obra da criação (Salmo 19.1-5) e da revelação de Deus na própria Lei do Senhor (Salmo 19.7-9). A seguir, vemos a singularidade de Cristo por sua obra na Criação. A figura singular de Cristo na Criação é declarada no v. 3, que afirma: “nada foi feito sem o seu concurso”. A primeira página das Escrituras, Gênesis 1, só existe por causa da obra de Cristo na Criação. Muitas vezes, isto é olvidado; pensar no papel extraordinário de Cristo na Redenção não pode nos levar a considerar em segundo plano seu ministério criador. Ele é salvador, mas não é menos criador. Cristo é criador e doador da vida; isto pode

PASTORES AUXILIARES

Rev. Davi Nogueira Guedes (Ministério de Jovens) Rev. Luís Carlos Vieira (Ministério Pessoa Idosa) Rev. Nivaldo Wagner Furlan (Plantação de Igrejas) Rev. Wesley Emmerich Werner (Ministério de Visitação)

COOPERADORES E EVANGELISTAS

Bel. Cristina Ribeiro Mattos Bel. Elenice dos Santos Barros (Ministério dos Adolescentes) Mis. Luciana Cipelli Barbosa (Ministério Infantil)

ser observado na declaração de que “Ele é a luz dos homens” (v. 4). Novamente, podemos perceber a importância de muitas figuras no curso da história que foram decididamente iluminadoras; cada qual, em seu tempo, contribuiu de maneira extraordinária para fazer a diferença no mundo. Mas nenhuma delas poderia assumir a posição de fonte de luz. Tais pessoas se constituíram em canal de luz, fazendo de suas vidas, atos, atitudes e palavras um meio para levar luz a muitos. Mas, somente Cristo é a fonte de luz, capaz de iluminar a todo homem. Por fim, é possível examinar a singularidade de Cristo por sua dádiva da salvação. É muito impactante a mensagem dos vs. 11 e 12. O 11 informa que Cristo veio no cumprimento da expectativa messiânica que Israel aguardava; toda a história do Povo de Deus havia sido marcada por esta esperança; no entanto, quando ela se concretiza, os que esperavam, tão ansiosamente, não deram atenção; ao contrário, sua reação foi da indiferença à perseguição. Já os que aparentemente não esperavam tornaram-se herdeiros da esperança (v. 12). Este paradoxo continua acontecendo, dada a condição pecaminosa da humanidade, cuja mera religiosidade não pode superar. Construtores de religiões e filosofias, que fazem referência a Cristo, infelizmente, não o reconhecem quando se deparam com ele, pois, se acham mais focados em seus projetos pessoais do que na glória de Deus. Mas, voltemos ao ponto, somente Cristo pode nos dar a salvação e nos conferir a filiação divina. Ser objeto da criação de Deus é motivo de profunda alegria, afinal, fomos feitos a imago Dei, ou seja, espiritualmente semelhantes a Deus. No entanto, o mais importante é poder ser tratado como filho de Deus. O Apóstolo Paulo fala do instituto da adoção (Efésios 1.5); filhos gerados no ventre são muito amados, filhos gerados no coração, são mais ainda; nossa filiação divina é fruto de amor, de muito amor, do amor que não tem comparação (João 15.13), tudo isto por causa de Cristo, e somente pela pessoa singular de Cristo.

SEMINARISTAS

Alexandre Emrich Zanetti, Carlos Filipe Soares Ferreira e Samuel Coelho

MISSIONÁRIOS

Anita e Eli Ticuna, Arlene e Alceris Dias, Corina e Henrique Terena, Daniella e Jocelei Silva, Débora e Cléber Alves, Denise e Wellington Camargo, Deonora e Clauber Quadros, Dilma e Ricardo Bruno, Elaine e Patrick Scherrer, Elizabeth e Heiler Maciel, Esther e Gladston Lucas, Família Rios Celeste, Graciete Mota, Josiane e Marcos Mayuruna, Leonízia e Markus Jutzi, Karina e Fernando Dantas, Masha e Tibério Olímpio, Meire e Luiz Bittencourt, Natasha e Jonatas Portugal, Patrícia e Daniel Calze, Renata Santos, Richard e Fernanda Werner, Ronaldo Marubo, Rose e Emerson Menegasse, Rossana e Ronaldo Lidório, Rose e Francisco dos Santos, Sara e René Breuel, Sheila e Charles Sousa, Tatiana e Dering, Zazá Lima e Neto.


Boletim

De 5 a 11 de Novembro

CULTO 9H

CULTO 11H

CULTO 19H

VERDADEIRA FELICIDADE

O SENHOR É BOM

NO AMOR DE DEUS

Prelúdio Convite à Adoração Leitura Bíblica: Mateus 5.1-12 Hino 4 | Culto à Trindade Oração de Invocação Coral da Fraternidade

ELEVADA SINCERIDADE

Leitura Bíblica: Salmo 51.1-4 Oração de Confissao Leitura Bíblica: I Crônicas 29.10-14 Hino 55 | Alegria e Gratidão Entrega dos Dízimos Oração de Gratidão Coral da Fraternidade

PERFEITA AUTORIDADE

Leitura Bíblica Proclamação da Palavra Coral da Fraternidade Consagração dos Elementos Pai Nosso Distribuição dos Elementos Hino 341 | Vera Páscoa Hino 269 | Pureza no Sangue de Cristo Oração Bênção Amém A Paz do Senhor Poslúdio

Prelúdio Convite à Adoração Leitura Bíblica: Salmo 100 Hino 52 | Glória e Coroação Oração de Invocação Coral da Fraternidade Atos Pastorais Cânticos Espirituais

O SENHOR É MISERICORDIOSO Leitura Bíblica: Lucas 5.29-32 Oração de Confissão Leitura Bíblica: Filipenses 4.10-13 Hino 224 | Consagração Entrega dos Dízimos Oração de Gratidão Coral da Fraternidade

Cântico de Adoração Oração de Invocação Leitura Bíblica: Romanos 8.31-39 Cânticos Espirituais Oração de Louvor Interlúdio Atos Pastorais

NAS VEREDAS DA JUSTIÇA

Leitura Bíblica: Salmo 23 Oração de Confissão Leitura Bíblica: Colossenses 3.12-17 Hino 62 | Mil Graças Entrega dos Dízimos Oração de Gratidão

NA PAZ DE CRISTO O SENHOR É SALVADOR

Leitura Bíblica Proclamação da Palavra Consagração dos Elementos Pai Nosso Distribuição dos Elementos Hino 340 | Santa Comunhão Hino 268 | Redenção Hino 311 | Avante, ó Crentes Oração Bênção Amém Saudação Fraternal Poslúdio

Leitura Bíblica Proclamação da Palavra Coral da Fraternidade Consagração dos Elementos Oração do Pai Nosso Distribuição dos Elementos Hino 251 | O Pão da Vida Hino 266 | Rude Cruz Hino 155 | Castelo Forte Oração Bênção Amém A Paz do Senhor Poslúdio

MINISTÉRIOS Ação Social: Vladimir Alcindo de Arruda Acolhimento e Integração: Sandra M. O. Jorge Isumi Intercessão: José Luiz Pires Missões: Luiz Filipe Jordão

Música: Cornelis Kool Núcleos Familiares: Toshiaki Isumi Oxigênio: Paulo Roberto Werner Som: Igor César Pereira Neves

Amor que Comove: Julio Viana Jr. Havvah: Adriane Lacerda, Fernanda Tisi e Mônica Linzmeyer

SOCIEDADES INTERNAS SAF: Célia de Lara Pires Kairós: Sandra e Clayton Carstens

UMP: Giovanna Bigarelli Martin UCP: Rúben Badinhani Mota Marcondes

UPA: Fernanda Heredia

CONJUNTOS VOCAIS Coral da Fraternidade: Cleonice Miranda de Andrade Coral Arco-Íris: Daniella Banks Leite Pinheiro Conjunto Vida em Voz: Luiz Augusto P. Lima Jr.

ESCOLA DOMINICAL Superintendente: Luiz Fernando Alves

Infantil: Luciana Cipelli, Daniela Costa, Elda Ferreira

NOVAS IGREJAS Campo Magro: Rua Jasmin 79, Jardim Boa Vista - ED 9h30 e Culto 19h. Dirigente: Bel. Marcelo Pereira Pinheiro Piraquara: Av. Getúlio Vargas, 673. Domingo às 19h. Responsável: Rev. Luiz Henrique Correia Sampaio.

ENTIDADES DIVERSAS Lar Hermínia Scheleder: 3562-7498 Escola João Lupion Filho: 3562-7498 Lar do Idoso - Vivencial das Oliveiras: 3666-3029 Rua Coimbra 492 - Guaraituba / Colombo

Associação Comunitária Presbiteriana: 3224-2294 Centro de Música Laudate: 3222-3470 Rua Comendador Araújo 343 / Centro

Creche Miriam: 3338-4566 Rua Amauri Lange Silvério 511 / Pilarzinho


6 | Reunião do Conselho - 19h30 7 | Reunião da Junta Diaconal - 19h30 e Plenária da SAF - 14h30 11 | Clube Love e Aniversário da SAF no Brasil 23 | Dia Mundial de Ação de Graças 25 | Jantar do Kairós 26 | Encerramento Anual dos Núcleos Familiares 03 | Primeiro Domingo do Advento

Dia 10 - Célia Esteves de Albuquerque Maranhão,

Dia 16 - Meri Ionice Mafra

Dulce Oneide Lopes da Rocha

Dia 17 - Anderson Vieira, Farley Brandão Santos,

Dia 2 - Dyjer Vital Barroso Litaiff, Inez Pereira Vialle, Jesy Mary Marcondes, Diac. Rui Cesar da Cunha, Vera Rita Ferreira da Cruz de Almeida

Vânia Angélica Prather de Oliveira

Dia 3 - Marian Roig Greidanus, Pablo Pereira

Dia 18 - Diac. Cláudio Roberto Barbosa, Guilherme

Hipólito, Robson Mahfoud Bueno

Graciano Guiraud, Josélia Souto, Mônica Carvalho

Dia 4 - Gisele Cristina de Moura, Leila Teixeira

de Melo, Olandina de Castro Pinheiro

Maciel, Marcos Sérgio Galliano Daros, Maria Leda

Dia 19 - Cibele D'Elia Boaventura, Denise Coimbra

Magalhães Dourado Santos, Ruth Palmquist,

Mansur, Gabriela Garcia Rosário Pinheiro, Júlia

Valmir Ferreira dos Santos

Cristina Ramos Lopes, Juliano Marlus de Abreu,

Dia 5 - Azeli Lopes de Oliveira, Gabriela Collares

Paulo Henrique Pugsley Werner, Ricardo Augusto

Chaves Bueno, Íria Franzon Ferreira, Jefferson

da Costa Betim, Ruy Barbosa, Salete Maria

Richard Zimmer

Westphal

Dia 6 - Ester Camargo Ribas Volpi, Laci (Sissy)

Dia 20 - Andreza G. C. Moraes Andrade, Fabíola

Mattioli Luz

Marcondes Silva Nobre de Almeida

Dia 7 - Danyel Scheidegger Soboll, Eliane Joslin

Dia 21 - Diac. Emérito João Augusto dos Santos

de Almeida Jacobi, Diac. José Carlos Benvenutti,

Aust, Leandro Holanda Cordeiro, Maria Terezinha

Milton Rodrigues de Castro, Rose Aparecida Artuso da Conceição Camargo, Miltair Rodbard, Victor Dia 8 - Erina Baggio Simioni, Heber de Castro,

Feijó Filho

Maria Cristina Pereira Cardoso, Regina Denize

Dia 22 - Dila Lima, Samoel Maynardes

Casagrande

Dia 23 - Claudimir Marcos Kyko Letchacoski,

Dia 9 - Lucas Cavalcanti da Silva, Marcos Rogério

Tamara Thuner Lopes Vieira

Perez Secco, Roseane Huyer, Sandra Suely Guedes

Dia 14 - Ehrentraut Eichhorn de Souza Leitão,

Koch, Sônia Borges de Oliveira Ronzelli, Vera Lúcia

Leandro Brito de Arruda

Correa Braga de Matos

Dia 25 - Bruna Cozer Montenegro, Noêmia

Dia 10 - Jaqueline de Almeida Costa

Cordeiro Liegel

Dia 11 - Anice Abrahão Morato, Davi Albuquerque, Dia 26 - Amauri Natel Ferreira Mônica de Mello Linzmeyer Santos, Sabrina Banks

Dia 27 - Desirée Cibelle Sozzi Wagner Wolff,

Aquino Pinheiro, Tracy Longo Carstens

Heloise Galeb Nitschke, Tainá Baptista Franco,

Dia 12 - Fulvia Ermínia Morlotti, Laura Stoeberl

Thayná Skrobot Butilheiro

Morato, Marilda de Oliveira Aquino Pinheiro,

Dia 28 - Carlos Felipe Soares Ferreira, Fernanda

Renato Brasil da Rocha

Heredia Rampinelli, Diac. Emérito Luiz Cesar

Dia 13 - Carolina Silveira Martins, Diac. Celso Lopez Valentim, Luiz Felipe Vieira Lemberg, Diac. Valente, Natália Seleglim Souto Lima, Pietra Funk

Marcelo Nassif Maluf, Silvana Cristina Tupinambá

de Andrade Lafemina

Fernandes

Dia 14 - Deris de Souza Matos, Eunice Pereira

Dia 29 - Enoque Domingos de Oliveira, Eva Torres

Barbosa, Henry Frank Horaguchi, Renata Soares

de Lima Ribeiro, Flávia Cristina Perito Cardoso

Uzeyka, Sabine Mara Mayer, Tereza Ferreira

Vieira, Judit Jorge dos Santos, Paulo Vinicius

Raulino

Baggio, Renato Tavares Filho, Vilcéia Targine Pinto

Dia 15 - Miss. Elenice dos Santos Barros, Sandra

Dia 30 - Diac. Hayrton Ermelino Caxambú Filho

Giorno de Lucio, Sandro Roberto Tavares

EXPEDIENTE A Revista Identidade Cristã é uma publicação mensal da Igreja Presbiteriana de Curitiba ENDEREÇO: Rua Comendador Araújo, 343 CEP: 80420-000 . Curitiba/PR CONTATO IGREJA: (41) 3224-0302 www.ipctba.org.br REDAÇÃO E EDIÇÃO: Sérgio Wesley Stauffer (MTb/PR 1780) Cinthia Connor Clayton Rucaly Gonçalves Silva Matheus Gripp Rebecca Stauffer FOTO DA CAPA: Crianças da Creche Miriam CONTATO COMERCIAL: NQM - (41) 3254-6077 DIAGRAMAÇÃO E PROJETO GRÁFICO: Teo Design Ltda. (41) 3078-3030 IMPRESSÃO: Gráfica Capital Tiragem: 1.000 exemplares REVISTA ONLINE: Acesse pelo issuu.com/ipcuritiba Anuncie sua empresa na Revista Identidade Cristã! Entre em contato conosco.


6


ORE: • Pelos 14 países mulçumanos que estamos inseridos. • Palas vidas e comunidades que estão sendo transformadas pelo poder de Deus. • Por proteção, forças e alegria para servir em todas as circunstâncias. • Por recursos para cada projeto e excelência em tudo que os missionários se propõem a fazer. • Por sabedoria, coragem e unção para compartilhar, remindo o tempo e aproveitando as oportunidades

PMI Organização com uma vocação: cooperar com a Igreja Latina no seu chamado de compartilhar as boas novas do Evangelho no mundo muçulmano por meio de uma abordagem integral!

CAMPANHA DE ORAÇÃO POR 8 SEGMENTOS NÃO EVANGELIZADOS (PR. RONALDO LIDÓRIO): 1. Indígenas 2. Ribeirinhos 3. Ciganos 4. Quilombolas 5. Sertanejos 6. Imigrantes 7. Os mais ricos dos ricos 8. Os mais pobres dos pobres

MINISTÉRIO “ORE PELO SENEGAL” – 7 ANOS DE ORAÇÃO. Nossos motivos de oração são permanentes e repetem-se a cada semana (7 anos de oração pelo Senegal): DOMINGO. Para que uma nuvem de arrependimento paire sobre toda a nação. SEGUNDA-FEIRA. Para que os que já conhecem a Palavra tomem uma decisão. TERÇA-FEIRA. Pelo enfraquecimento da influência do “Muridismo” sobre a população. QUARTA-FEIRA. Pela quebra da influência dos feiticeiros sobre a população. QUINTA-FEIRA. Para que os crentes senegaleses sejam fortalecidos e evangelizem. SEXTA-FEIRA. Por maior unidade entre missionários, obreiros e igrejas. SÁBADO. Para que portas se abram para evangelização entre os grupos fechados ao Evangelho.

DIARIAMENTE OREMOS POR NOSSOS PASTORES E POR NOSSA IGREJA!

SEX 10/11 FERNANDO E KARINA Com a graça de Deus estamos começando o Projeto Alto Amazonas. Este projeto dará treinamento bíblico à liderança indígena e ajudará na plantação de novas igrejas na região amazônica. Ore para que o projeto seja impactante na vida dos líderes e daqueles que

QUI 9/11 ZAZA E NETO Ore pelas viagens que farei à Tunísia e Malásia, por todas as reuniões que participarei, sabedoria e direção de Deus! Ore também por duas amigas de Borte de África interessadas no Messias, para que elas possam aceitá-lo como seu salvador e para que Deus renove as minhas forças para continuar servindo à PMI com amor e dedicação!

QUA 8/11 CHARLES E SHEILA Ore por recursos para a nossa mudança à Índia no final de dezembro, pelo jantar Missionário na IP Mooca dia 12, por recursos para escola de inglês para Charles e Clara, é necessário pagar 50% antes de viajar, pelos vistos, por saúde da nossa família e novos parceiros para sustento mensal no campo.

TER 7/11 CLAUBER E DEONORA Ore em especial pelo Projeto Alto Amazonas, seminário teológico, que iniciará no dia 13. Serão 35 líderes indígenas e ribeirinhos da região, que o Senhor abençoe todos os envolvidos (Missão Cuagu, IPC, Rev. Fernando Dantas e demais irmãos).

SEG 6/11 LUIZ E MEIRE BITENCOURT Luiz foi submetido à uma cirurgia do dia 17 de outubro por conta de um tumor no intestino e precisou voltar ao centro cirúrgico na última semana de outubro por complicações. Ore por sua recuperação completa, saúde, cuidado de Deus e pela vida da Meire.

TER 14/11 HENRIQUE TERENA E CORINA Nesse mês acontecerá o CONPLEI Jovem na aldeia Ticuna na fronteira com Colômbia e Peru. Serão mais de mil jovens vindos desses três países. Ore por bênção para cada um que ministrará no evento, para que seja um tempo de transformação e mover de Deus e pela vida de cada jovem que estará presente.

SEG 13/11 DANIELLA E JOCELEI Ore pela Escola Compacta de Estudos Bíblicos, pelo período prático no sertão da Bahia (Monte Santo), por nossa saúde e finanças para a viagem de férias que querendo fazer esse ano, já são dois anos ininterruptos sem visitar nossa família. Ore pela Escola de Referência Jocum, pelo trabalho de plantação de igrejas no sertão e projeto Bonecas & Cia.

DOM 12/11 ANITA E ELI TICUNA Ore pela conferência do CONPLEI jovem que acontecerá do dia 15 ao 19 de novembro. Ore por cada jovem que virá da aldeia para ouvir a palavra de Deus, pelo crescimento espiritual dos moradores da aldeia de São Domingo e pela nova igreja de lá e ore, também por cada pastor indígena, por força espiritual e comprometimento com a igreja local.

SAB 11/11 LUCIANA CIPELLI Louvamos a Deus pelo reforço que teremos em 2018 na liderança do Ministério Infantil e agradecemos pelo treinamento Ceflal e todas as pessoas que contribuíram. Ore pela conferência global ReadySetGo que acontecerá dos dias 13 a 17 de novembro, nos Estados Unidos. Estarei lá facilitando a estratégia para líderes de ministério infantil!

escutarão o Evangelho pela boca destes homens e mulheres de Deus.

Calendário de Oração


QUA 15/11 LINDELVAN COSTA Agradeço a Deus por seu cuidado, no campo sempre estamos expostos à diversas circunstâncias, mas em tudo vejo um Deus protetor e presente. Ore pelos jovens que lidero, por crescimento espiritual e para que sejam cheios do Espírito Santo. Serei um dos preletores do CONPLEI jovem nos dias 16 a 18, no Alto Solimões, ore para que Deus use minha vida!

TER 21/11 TIBÉRIO E MASHA Ore pelas crianças, principalmente Davi que terminou a terapia e parece estar bem! Ainda não fomos ao médico, pois a fila de espera é de um mês. Que Deus continue cuidando deles! Ore pelo inverno que está começando e será forte, por descanso, pois temos tido muito trabalho na igreja, por nossas finanças e sabedoria e pela batalha espiritual que temos passado constantemente.

SEG 20/11 CARLA MARIA Agradeço a oração e apoio nesta nova fase da minha vida. Louvo a Deus por nossa equipe que concluiu a gravação do Novo Testamento na tribo indígena Machinere. Também é motivo de louvor receber a notícia que o povo Hixkaryana já tem em mãos o material gravado na sua própria língua - histórias bíblicas, testemunhos e músicas.

SEX 24/11 ALCERIS E ARLENE Agradecemos pelo encerramento do Semiraita, início da construção dos alojamentos para casais e pela proteção e cuidado de Deus. Ore por sabedoria e entendimento da Palavra, pelos novos alunos

QUI 23/11 GRACI MOTA Nesse mês o Thiago e a Fernanda estão gravando na tribo Bakairi e eu vou viajar para o Mato Grosso, na chapada, para ministrar aulas no seminário indígena. Ore por essas viagens, por nossas vidas, saúde e para que sejamos bênção e instrumento de Deus nesses lugares.

QUA 22/11 DAVI E TAMY Gratidão pela oportunidade de Davi ir à Tailândia para uma conferência e pelo presente do Ministério da Mulher para as prisioneiras! Ore por oportunidades de compartilhar o Evangelho, pelas guardas da prisão que tem dificultado nosso trabalho, que elas entendam os benefícios na vida das mulheres, para que o Ministério da Justiça assine o acordo com a ONG, abrindo novas portas e formas de trabalho, e por nossos parceiros, que Deus os abençoe!

QUI 16/11 EMERSON E ROSILANE Agradeço pelas agendas que já foram cumpridas no Brasil e pelas ofertas levantadas e dívidas que já foram pagas dos aluguéis da casa dos Meninos do Nepal. Ore por este último mês de divulgação e pela possibilidade de novas parcerias, por provisão para compra das minhas passagens de retorno e por nossos projetos missionários.

SEX 17/11 FAMÍLIA RIOS CELESTE Fomos interrogados três vezes pela polícia com perguntas diretas sobre o trabalho que fazemos, um deles demorou três horas, estamos orando por nossa permanência! Inscrevemos nossas filhas no sistema de Escola em Casa que permitirá que elas prossigam com os estudos, caso não recebamos o visto. Ore por toda a nossa família, ministério e povo mulçumano.

SAB 18/11 PATRICK E ELAINE SCHERRER Ore pela adaptação na nova cidade, especialmente para que a Rafa tenha noites plenas de descanso e para que Ele renove nossas forças em meio à intensa rotina dividida entre as crianças, estudos e relacionamentos com os locais. Ore por novos amigos para os meninos, por sabedoria no aprendizado da língua, proteção, saúde física e espiritual e para que Deus levante mais parceiros para o projeto.

DOM 19/11 RENÉ E SARAH Ore pela nova fase da nossa igreja em um novo lugar na Roma, um teatro, e pela conversão das pessoas que estão frequentando o nosso estudo bíblico evangelístico: Angelo, Cristina, Melissa, Alessandro, Lorenzo, Marianna e Katiuscia.

de 2018, pelas compras de passagens para Campo Grande em dezembro, pelas matrículas escolares dos nossos filhos e pela família Amanajé.

SAB 25/11 RENATA DOS SANTOS Agradeço a Deus por aqueles que estão conhecendo ao Senhor em lugares onde o Cristianismo é minoria e pela provisão dEle para gastos pessoais e do ministério. Ore por ouvidos atentos à voz e direção de Deus, por minha saúde física e segurança nas viagens e pela saúde e segurança da minha mãe e irmã.

DOM 26/11 PR. JAIME RODRIGUES Ore por nós como família, por renovo, sabedoria e força no Senhor. Estamos no ano de definição ministerial, que Deus nos dirija para sua vontade. Ore pela igreja indígena, liderança, pelo pastor Ricardo e sua Família, por Jairo Tukano que se entregou a Cristo e por recursos para a compra de uma voadeira para viagens missionárias em Iauaretê.

SEG 27/11 RONALDO E ROSSANA Ore por sabedoria no acompanhamento das equipes que treinamos e por boas estratégias de comunicação do Evangelho em ambientes interculturais. Ore pelo povo indígena com quem trabalhamos, por crescimento na Palavra e compromisso em seguir Jesus e para que sejam usados pelo Senhor na evangelização de outras aldeias e povos.

TER 28/11 ELENICE BARROS Sou grata a Deus pelos 50 anos de casamento dos meus pais, pela minha família, pela saúde e pela vida abundante que Deus tem me dado! Ore por saúde física e emocional minha e da minha família, pelas famílias da nossa Igreja, proteção, saúde e sabedoria na educação de seus filhos e pelo planejamento de trabalho para 2018.

QUA 29/11 JONATAS E NATASHA Ore pelo projeto de treinamento de Pastores e líderes no campo de refugiados, na Uganda, que já começou com uma turma inicial de 25 pessoas. Ore pelo projeto de construção da Casa Lar para órfãos no campo de refugiados e pelo acolhimento das crianças, por nossa família em missão, saúde, proteção e sustento financeiro.

QUI 30/11 CLEBER E DÉBORA Há algumas semanas iniciamos o serviço de estudos bíblicos em uma nova vila que o Senhor nos mostrou no mapa enquanto orávamos. Ore conosco para que o Senhor nos dê sabedoria para pregar o seu Reino na vila de Chimwanga! Ore também por proteção, pois sempre vamos de moto e a estrada é desafiadora.

SEX 1/12 WELLINGTON E DENISE Ore pela vida do Daniel, estudos e recursos para manter o mestrado e hospedagem em Bristol. Pela Danielle que está servindo como voluntária na Jocum, que ela seja bênção e usada por Deus. Ore também pelo projeto A Bíblia em Cada Casa, por nossas viagens e novo livro que estou trabalhando.

SAB 2/12 GLADSTON E ESTHER Ore pela nossa saúde, por nosso tempo de refrigério aqui no Brasil, pelo tempo de recuperação do Gladston, pela gestação da Esther e pelo nosso ministério. Somos sempre gratos à Igreja e aos irmãos que sempre nos apoiam em oração.

DOM 3/12 DANIEL E PATY Ore pela saúde da mãe de Paty, Conceição, que está câncer de mama, por nossas vidas e nossos recursos financeiros, pois há mais de dois anos não conseguimos juntar dinheiro para uma poupança ou fundo de emergência. Contamos com seu apoio neste momento de vulnerabilidade.


Notícias do Campo ATÉ AQUI ME AJUDOU O SENHOR Em setembro completei mais um ano de vida e foi um momento especial de olhar para trás e viver o presente com gratidão a Deus e olhar para o futuro com esperança de que o Senhor continuará ajudando, guiando, abençoando e consolando os que creem nEle. Estou muito feliz e grata, pois 40 pessoas têm se reunido na minha casa para adorar ao Senhor. Por conta disso, precisamos procurar uma nova casa para parte do grupo se reunir! Uma das minhas oportunidades no ministério, nesses últimos anos, é acompanhar os obreiros no desenvolvimento de sua vocação e liderança. Agradeço ao Senhor por ver mais irmãos e irmãs desejosos em liderar equipes, ajudar aos novos obreiros, discipular novos irmãos na fé e liderar grupos caseiros! O mês de outubro foi intenso e de muito trabalho. No início do mês estive no Oriente Médio para uma reunião de atualização e planejamento sobre discipulado e pequenos grupos, no dia 12 fui à Ásia para adquirir novos conhecimentos sobre ministério com Povos Não Alcançados e do dia 23 ao 27 estive aqui no Brasil para o Congresso Brasileiro de Missões. Aproveito para pedir orações pela minha saúde física e seguranças em tantas viagens. Também ore por sabedoria de Deus para participar desses eventos. Estou imensamente grata pelas pessoas que estão conhecendo e adorando Deus em lugares onde o Cristianismo é minoria. Peço oração por cada vida, por crescimento na Palavra e perseverança na fé! Em especial, ore também pela saúde e segurança da minha mãe e minha irmã. Muito obrigada. Ao Senhor a glória! Renata dos Santos

FAMÍLIA TERENA Somos gratos a Deus por fazer parte do trabalho entre os povos indígenas e nos envolver com treinamento bíblico na região amazônica! Pela graça dEle terminamos mais um ano de aulas no Semiraita. Temos visto indígenas vencendo suas dificuldades com o português como segunda língua, por conta do forte desejo de servir em suas comunidades. Separamos o mês de setembro para o período prático dos alunos com o objetivo de desenvolver o que aprenderam durante as aulas, mas também servir algumas comunidades. Foram dias de muita alegria e bênçãos de Deus! Visitamos duas comunidades onde realizamos estudos para adultos e crianças. Dia 25 teremos a primeira formatura dos alunos! No terreno do Semiraita, começamos a construir três alojamentos para casais que receberemos em 2018. Contamos com as suas orações para que consigamos concluir

esta etapa ainda nesse ano, período em que os materiais podem chegar até o terreno pela estrada. Também pedimos por novos obreiros indígenas ou não indígenas para nos apoiar e ajudar. Tivemos dois Congressos Regionais, um deles em julho, em São Gabriel da Cachoeira, com cerca de mil pessoas de 20 etnias e 15 línguas diferentes. Foram dias de muita comunhão, adoração, estudo da Palavra e testemunhos! Terminamos sempre com a mesa do Senhor e tivemos batismos de novos cristãos que já estão sendo usados por Deus em suas comunidades. O outro Congresso foi em uma comunidade indígena na região do Rio Japurá. Quando tudo estava preparado para dar abertura ao evento, veio uma chuva muito forte que rasgou as coberturas do local e dos alojamentos. Mesmo diante desse acontecimento, não desanimamos e os irmãos que estavam ali ouviram as ministrações todos os dias debaixo do sol forte da região. Foram dias de restauração de vidas, apresentação de 56 crianças, batismo de 16 irmãos e celebração de 16 casamentos. Ao todo tivemos cerca de 600 pessoas. Tudo isso acontece para a glória do Pai por meio de cada um que tem orado pelo ministério que Deus colocou em nossas mãos! Como família, nossos corações estão cheios de alegria em servir nessa região. Nossos filhos já estão concluindo as atividades escolares e teremos que procurar outra escola para eles. Confiamos em Deus que acharemos e conseguiremos arcar com os custos! Este ano foi muito difícil, pois Arlene perdeu o avô e não conseguimos ir para o Mato Grosso do Sul ficar com os familiares. Peço que ore por recursos financeiros para conseguirmos comprar passagens para passarmos o final do ano lá em família. Continuamos pensando em construir nossa casa no terreno do Semiraita, mas ainda estamos orando para conseguir um mestre de obras para nos ajudar na construção. Caso algum irmão queira nos apoiar disponibilizando tempo para isso, será uma grande bênção! Louvamos a Deus por todos vocês! Que Ele os abençoe. Alceris e Arlene

NOTÍCIAS, ALEGRIAS E DESAFIOS Queridos irmãos da IPC, louvamos a Deus por suas vidas, orações e apoio ao longo da caminhada. Queremos compartilhar algumas das atividades missionárias que fizemos no terceiro trimestre desse ano. Tivemos o privilégio de ministrar um treinamento sobre plantio de igrejas em regiões áridas, na Mongólia, para um grupo

9

de missionários. Foi um tempo muito proveitoso. O contexto Mongol é desafiador, pois a população menos evangelizada vive no interior, de forma nômade, em invernos que chegam a 40 graus negativos. O Capacitar, no Vale da Bênção em São Paulo, foi um momento abençoado com cerca de 150 participantes. Foram dias muito bons, tanto no tríplice treinamento (linguística, antropologia e plantio de igrejas), quanto nos momentos devocionais e de aconselhamento. A participação no COMIBAM (Congresso Missionário Ibero-americano), em Bogotá, foi uma experiência de encher o coração ao ver tantos missionários buscando servir ao Senhor. Tivemos, em três momentos, a oportunidade de partilhas sobre os critérios bíblicos da igreja que envia, sobre a relação do Evangelho com a cultura e sobre padrões de treinamento missionário. Nesse período, ministramos o curso “Plantio de Igrejas” no treinamento da APMT, em São Paulo. No Rio de Janeiro fizemos um treinamento ligado à Missão Kairós. Tivemos o privilégio de prestar seis consultorias à distância sobre estratégias missionárias e plantio de igrejas, inclusive para equipes que estão entre os grupos islâmicos. Estamos dando os passos no preparo do curso de Pós-Graduação em Antropologia Intercultural, para 2018, promovido pelo Instituto Antropos e UniEvangelica, sob orientação da APMT. A ideia é centralizálo em Anápolis a partir do próximo ano, aproveitando a estrutura da Universidade e visando a expansão do mesmo! Louvem a Deus conosco pelas boas oportunidades de treinamento e relacionamento com irmãos que estão na linha de frente, que amam e servem ao Senhor Jesus. Ore por sabedoria no acompanhamento de algumas dessas equipes e por boas estratégias de comunicação do Evangelho nesses ambientes interculturais. Prosseguimos com os projetos de plantio de igrejas entre os Mura e Sateré-Mawé, juntamente com o casal Alcedir e Marli, e concluímos a revisão do material da CBMI (Capacitação Bíblica Missionária Indígena) que será publicada em breve. Trata-se de um treinamento desenhado para ensinar a Palavra a grupos minoritários. Ore conosco por esse povo, por crescimento na Palavra e compromisso em seguir Jesus e para que sejam usados pelo Senhor na evangelização de outras aldeias e povos. Agradecemos a Deus por suas vidas que nos acompanham, encorajam e apoiam. O Senhor tem ouvido suas orações! Ronaldo e Rossana Lidório


brasileiro

tempo todo sobre o Reino de Deus e só duas

investe apenas R$ 1,66 por ano em missões

Em

média,

vezes falou sobre a igreja. E Reino de Deus é

transculturais e 99% das mais de 300 mil igrejas

todo ambiente onde Deus reina. Por isso, é hoje

ainda não vive essa realidade, o que tem

evangélicas no Brasil não apoiam um único

e pra sempre; é na terra e nos céus”, afirmou.

impedido seu crescimento. Ele lembrou que

missionário no campo transcultural. Por isso,

Além de focar a pregação da igreja no anúncio

no início da sua jornada, de mais de 20 anos

nos últimos anos o número de missionários

do Reino de Deus, o diretor do CADI ressaltou

de empreendedorismo social, ouviu de um

brasileiros em campos transculturais caiu 3,5%

o papel da igreja em implantar o Reino de

sociólogo não cristão a seguinte avaliação da

e continua diminuindo. Foi com esse cenário

Deus na terra. “A proclamação e o serviço têm

igreja: “Eu não acredito em grupos que falam

negativo e desafiador que o antropólogo

que andar juntos para que a ação missionária

de amor, mas só ministram as necessidades dos

e

da igreja seja efetiva e transformadora”,

seus membros”. “Se falamos do amor de Deus,

completou.

temos que mostrar e viver o amor de Deus a

empreendedor

cada

social

cristão

Maurício

Cunha,

fundador e diretor executivo do Centro de

outro e não um ou outro”, alertou. Segundo

Cunha,

a

igreja

brasileira

Assistência e Desenvolvimento Integral (CADI),

Ao elogiar o trabalho realizado pela IPC no

todos os homens. Mas, no geral, limitamos a

encerrou a 19ª Conferência Missionária da

Lar Hermínia Scheleder, projeto que conhece,

Igreja Presbiteriana de Curitiba. “Isso deve

o antropólogo destacou que a ação social da

A igreja crê que Deus criou tudo e que o

preocupar a igreja, pois sobre quem recebe a

igreja é uma ação sinalizadora do Reino de

pecado resultou na queda de toda a criação.

bênção e se nega a passar a diante, virá juízo”,

Deus e, por isso, não é menos importante que

Tanto criação quanto queda são de tudo.

alertou.

extensão desse amor”, afirmou.

a ação evangelística. “Por isso, os Evangelhos

“Então, por que pregamos que a redenção é só

Usando o exemplo da vida de Jesus Cristo,

dizem que Jesus era poderoso em obras e em

para alguns? Será que a redenção tem menos

Cunha destacou que o assunto central das

palavras. Ele falava a respeito do Reino de Deus

poder que a queda? “, questionou.

Escrituras é o Reino de Deus. “Jesus falou o

e socorria os que tinham necessidades. É um e

Missionária e missional Maurício Cunha afirmou que uma igreja relevante é o único organismo que pode atender integralmente todas as necessidades do homem. Por isso, a igreja precisa ser missionária, anunciando o Reino de Deus de forma transcultural, e missional, dentro do seu contexto e de forma individual, no dia a dia de cada cristão. Ele destacou a necessidade de entendimento e vivência da Teologia Vocacional, integrando a profissão ao Reino. “Ao ser missionária e missional, a igreja alcança os lugares mais negligenciados pela Palavra e, por meio de obras, vai onde ninguém mais quer ir. Trabalhar só para povoar o céu não dá mais conta das necessidades de uma humanidade caída”, destacou. Diante desse cenário, o diretor do CADI ressaltou a necessidade da igreja saber se relacionar com questões sobre bioética, políticas públicas, modelo de Estado, nova sexualidade e novos padrões de formação familiar. Por fim, Cunha criticou o desperdício de esforços e recursos missionários entre as diferentes denominações e comunidades cristãs. Segundo ele, a igreja de Jesus Cristo deveria atuar de forma conjunta e planejada para ganhar relevância e ser efetiva, em obras e na proclamação da Palavra.


“Ninguém está preparado para trabalhar num lugar daqueles! Aquilo é um pedaço do inferno na terra”. É assim que o missionário Gladston Lucas resume a experiência que viveu com a mulher Esther Michel Chen no campo de refugiados de Mória, na Ilha de Lesbos, na Grécia. Durante nove meses, em dois períodos distintos, eles trabalharam como voluntários naquele lugar o que deixou marcas profundas em suas vidas. Após vivenciar seis incêndios dentro do campo, enfrentar conflitos constantes, perder amigos, documentos e objetos pessoais e conhecer de perto a maldade humana, Gladston foi diagnosticado com Estresse Pós-traumático. Desde o dia 6 de junho de 2013, Gladston e Esther estão em Missões em tempo integral. Nessa data, chegaram na base da agência missionária Jovens com Uma Missão (Jocum) na cidade espanhola de Cárceres. Em maio do ano passado, aceitaram o desafio de Jocum Europa para servir aos refugiados. Serviram no campo de Mória de maio a dezembro de 2016 e, depois, em julho e agosto de 2017. “É um campo militar. Todas as estruturas são impessoais. O campo reúne pessoas fugidas de guerra, crises econômicas e perseguição religiosa de todos os cantos e de diferentes culturas. Por isso, há muito conflito entre os refugiados acolhidos nesse campo. Constantemente presenciávamos brigas, motins, atentados e incêndios”, relata Esther. Gladston presenciou seis incêndios dentro do campo, todos frutos de atentados e motins. “Quando isso acontecia, todos os coordenadores passavam rádio mandando fugir pelos portões de emergência. Em julho desse ano, um dos contêineres que estava com todo o material da nossa equipe foi totalmente destruído pelo fogo. Perdi todas as minhas coisas: documentos, celular, dinheiro....Pela graça de Deus, a Esther não estava no campo naquele dia”, lembra o missionário. Em agosto do ano passado, Esther conheceu Sdra, uma menina de 13 anos de idade, vinda de Alepo. Depois de muita insistência da missionária, as duas ficaram amigas, até que a pequena Sdra sentou ao lado de Esther e confessou estar cansada daquele lugar, pois o pai abandonou a família na Síria, ninguém cuidava dela e ela se sentia muito mal. “Ela era muçulmana e eu disse para ela não ficar triste, pois Deus era Pai e cuidava dela.

Depois desse dia, ela começou a abrir mais o coração, com o pouco inglês que sabia, e até hoje a gente mantém contato pela internet. A Sdra recebeu asilo na Alemanha e está indo para a escola”, comemora Esther. Outro amigo de Esther não teve a mesma sorte. “Era uma família iraquiana. A avó estava cozinhando dentro da barraca quando o pequeno fogareiro que usava explodiu, provocando um incêndio. Morreram ele e a avó”, lamenta. “Os refugiados se rebelaram, pensando que esse incêndio tinha sido criminoso, e incendiaram outros alojamentos. Nesse dia, mais de 800 famílias ficaram sem abrigo dentro do campo”, relata Gladston. Nos nove meses que trabalharam no campo de Mória, Gladston e Esther atuaram nas áreas de recepção e hospedagem, auxiliando na distribuição de roupas, higiene pessoal e alimentos, e de entretenimento, promovendo atividades de esportes, cinema e recreação. Ao todo, o campo tinha cerca de cinco mil refugiados, sendo que um terço era de crianças. “Mesmo sabendo que Deus é soberano e está no controle de todas as coisas, conviver com tanta gente fugindo, mulheres sem maridos, crianças sem pais. Ver e conhecer de perto a maldade humana. Viver tão perto daquele sofrimento e numa realidade tão diferente da nossa, me abalou”, confessa Gladston. “Eu sentia mais medo pela Esther. Tinha medo de perdê-la para a guerra, dentro do campo. Alguns refugiados nos falavam que a situação dentro do campo era pior que na guerra. A guerra na Síria acontece numa determinada região, com ataques locais. Lá o conflito é constante e a confusão é diária”, completa. Os primeiros sinais de que aquela realidade estava deixando-o doente vieram com maus pensamentos e dificuldade em dormir. Depois, vieram o desânimo para fazer o que gostava, como cozinhar, e o excesso de cansaço. Foi quando procurou por ajuda médica e constatou a doença. Diagnosticado com Estresse Póstraumático, Gladston veio para o Brasil no dia 26 de agosto deste ano. “Essa viagem já estava programada, pois fazia dois anos que não víamos nossas famílias. Mas o que era para durar 40 dias, estendeu-se por dois meses”, conta. Ele começou uma terapia com uma

psicóloga cristã e foi ao psiquiatra para iniciar o uso de medicamentos. No último dia 25 de outubro, o casal retornou para a Espanha. O tratamento de Gladston ainda deve levar de seis a 12 meses. Isso exigiu mudanças nos planos. Gladston e Esther estavam prontos para assumir a liderança da equipe que iria implementar uma nova base de Jocum na cidade de Salamanca. Eles e mais duas missionárias, uma brasileira e outra norte-americana, já estão mobilizados para mudar de cidade neste mês de novembro. “Vamos ter que aguardar e esperar uma nova resposta de Deus”, adianta. Esther está grávida e Rosa deve nascer na Espanha em fevereiro do próximo ano. Nos quatro anos e cinco meses que estão em Cárceres, Gladston e Esther ajudaram a coordenar uma ETED (Escola de Treinamento e Discipulado) com foco em artes, que reuniu 14 participantes de 11 nacionalidades diferentes, promoveram uma Escola Técnica de Artes, com duração de três meses, e atuaram no atendimento aos refugiados. Há dois anos, a base de Jocum de Cárceres plantou uma nova base em Vigo. Agora, será a vez de Salamanca, onde está a maior e mais antiga universidade da Espanha. O futuro trabalho em Salamanca terá três focos: trabalho com universitários, com os artistas e com os sem voz (moradores de rua e refugiados). Quando? Quando Deus quiser.


Apesar de ter perdido três dos quatro filhos adultos, nunca vimos ele murmurar ou se voltar contra Deus. Isso sempre impactou muito a gente, desde quando a Nísia faleceu, em 2002. A partir daí, começamos a frequentar a classe de Novos Membros da Escola Bíblica Dominical e, estudando a Palavra, percebemos que todos somos pecadores, que fomos destituídos da glória de Deus e que o sacrifício de Jesus nos reconcilia com Deus. Finalmente, entendemos a mensagem do Evangelho e em julho de 2008 fizemos a nossa Pública Profissão de Fé. Como as meninas estavam pequenas, começamos a ajudar no Berçário e passamos a frequentar o Núcleo Familiar, o que ajudou muito na integração e na construção de amizades. Em 2013, a Gabi foi diagnosticada de Diabetes tipo 1. Algumas pessoas, com doutrinas não muito certas, começaram a dizer que isso aconteceu porque estávamos em pecado, que era castigo e que se a gente tivesse fé nossa filha seria curada. Isso nos levou a querer conhecer mais a Palavra para entender se isso que nos diziam era realmente verdade bíblica. A gente não entendia direito que Deus é bom, mas que o mal acontece. A partir daí, nasceu o desejo de aprender mais da Bíblia, pois percebemos que nosso conhecimento era raso e superficial e que estávamos acomodados no conhecimento da Palavra. Em 2014, durante uma conferência infantil na Igreja Presbiteriana do Guabitoruba, conhecemos o David Elon, que nos falou do Seminário Palavra da Vida, das três bases do trabalho que são realizadas lá – ensino, ministério e vida –, do condomínio que existe no local para receber famílias, com espaço para as crianças, e da possibilidade da Michelle também estudar algumas matérias. Isso abriu nossos olhos para uma opção real de aprofundamento bíblico. Aquele estava sendo o melhor ano das nossas vidas e mudar

A família Zanetti retorna a Curitiba no início do próximo ano para servir na Igreja Presbiteriana de Curitiba (IPC) em sistema bivocacional. Nos últimos três anos, Alexandre e a esposa Michelle, juntamente com os filhos Gabriela, Rafaela e Mateus, viveram em Atibaia (SP), onde ele fez o curso de Teologia no Seminário Bíblico Palavra da Vida. Por que um médico ortopedista e uma médica veterinária decidiram deixar para trás o que tinham construído em Curitiba para estudar mais profundamente a Palavra de Deus? O casal, que ministrou para as crianças durante a 19ª Conferência Missionária da IPC, conta o que aconteceu. “Em 2006, depois que a vó (Mercedes Emrich) faleceu, nós fizemos uma viagem para o litoral de São Paulo. Nessa viagem, a gente percebeu que a vida passa muito rápido e decidimos nos aproximar mais do vô (Rev. Oswaldo Soeiro Emrich) e ter filhos, pois estávamos com quatro anos de casados. Iniciamos o ano de 2007 com o propósito de trazer o vô à Igreja todos os domingos e começamos a participar dos cultos como ouvintes, sem nos envolver e sem entender muita coisa. A Gabi e a Rafa nasceram em setembro daquele ano; eram gêmeas, como a vó dizia que seriam, mesmo não sendo ruivas, como era a previsão dela. Durante a gravidez, a gente levava todos os ultrassons para o vô ver e ele sempre orava com a gente. Quando o vô morreu, em novembro, nos questionamos se continuaríamos vindo à Igreja ou não. Não precisávamos mais vir à Igreja, pois a gente se julgava pessoas boas e corretas. Não sabíamos que éramos pecadores, pois éramos moralmente corretos. Não precisávamos mais fazer essa boa ação, pois o vô tinha falecido. Mas a gente decidiu ficar na Igreja por ver no vô uma pessoa com temor e um amor muito grande por Deus!

12


tínhamos construído foi muito desafiador. Sabíamos que nossas reservas dariam para três anos, com uma vida mais simples. Por isso, essa foi uma decisão que tomamos em família. A gente estava com receio da adaptação das crianças. Apesar de lá ser um lugar lindo, nossa casa teria um único banheiro e as crianças, que tinham dois quartos, teriam que dividir um. Tínhamos medo deles estranharem. Mas eles se adaptaram super bem, inclusive nas viagens missionárias, sem Ipad, sem internet e sem tv. Aprendemos o que é um ministério em família. Para ajudar no sustento, no segundo ano do seminário, o Alexandre pediu autorização para a liderança do seminário e começou a atender aos sábados numa clínica em São Paulo. Desde o ano passado, isso está nos ajudando financeiramente. Em Atibaia, temos acompanhado a Igreja Evangélica Congregacional de Cerejeiras nos últimos dois anos e meio. Começamos a ficar com as crianças e avançamos no trabalho com os adolescentes. Iniciamos uma célula em casa para eles e estamos tendo uma experiência muito boa. Mas sentimos que é tempo de voltar para a Igreja”. A partir do próximo ano, Alexandre e Michelli vão ajudar no Departamento Infantil da IPC, trabalhando diretamente com os pré-adolescentes de 9 a 13 anos de idade. Ele vai se dedicar parcialmente ao ministério. Parte do seu tempo será usado para o exercício profissional de médico ortopedista. Michelle ainda não decidiu se retornará à Medicina Veterinária. Alexandre continuará os estudos teológicos, fazendo algumas matérias na Fatesul para poder ser ordenado pastor nos próximos dois anos. O que começou como uma simples boa ação de um neto, termina com uma família comprometida com o ministério, pois essa história ainda terá muitos novos capítulos.

tudo foi um desafio. Estávamos com o apartamento quitado, com as contas em dia. Eu (Alexandre) estava num trabalho bom no hospital Santa Cruz e a Michelle iria voltar ao trabalho no ano seguinte, após a licença maternidade do Mateus. A gente já tinha uma tarde por semana só para nós, como casal, fazíamos ginástica enquanto as crianças estavam na natação e nossa agenda como família estava toda organizada. Em julho de 2014, no primeiro jogo do Brasil na Copa do Mundo, fomos à Atibaia para conhecer o seminário. Em setembro, voltamos lá com as crianças para um retiro vocacional. Inicialmente, tínhamos pensado em ficar lá somente um ano, mas vimos e fomos convencidos de que seriam necessários três anos. Voltamos para Curitiba, apresentamos nosso projeto ao pastor Juarez (Rev. Juarez Marcondes Filho), a Igreja assumiu o compromisso de pagar nossa mensalidade no seminário e nós começamos a fazer as contas para assumir o aluguel, a escola das crianças e alimentação. Tínhamos uma reserva investida (que hoje está acabando) e o Alexandre decidiu vender as cotas de uma clínica da qual era sócio para ajudar a aumentar essa reserva. Era um dinheiro que nos daria maior conforto. Mas, de um dia para o outro, ele e os sócios descobriram um desfalque de um outro sócio e, o que ele achava que valia algo, passou a valer nada. Quando ele me contou que tinha perdido tudo, achei que ele não iria mais querer ir. Mas, ao contrário, ele disse que não podia confiar no dinheiro, mas precisava confiar em Deus, pois é Ele quem dá e quem tira, de acordo com a Sua vontade. Aquilo foi muito marcante nas nossas vidas, pois ficou claro que tudo é dEle, que a gente não pode confiar no dinheiro e que Deus provê tudo. Eu sou muito metódico e planejado nas finanças e fui educado para ser o provedor do lar. Abrir mão de tudo que

13


Com acertos e erros, o Programa de Acolhimento ao Estudante (PAE) da Igreja Presbiteriana de Curitiba (IPC) completa um ano neste mês de novembro e passará por ajustes para 2018. Apesar de bons exemplos de sucesso, a diretoria da União da Mocidade Presbiteriana (UMP) da IPC identificou pontos que precisam ser melhorados para o segundo ano do programa, como a compatibilidade entre os perfis dos jovens acolhidos e as famílias acolhedoras. O PAE foi proposto pela liderança da UMP ao presbítero Marcelo Gripp, vice-presidente do Conselho da IPC, com o objetivo de atender os jovens que chegam em Curitiba para estudar e começam a frequentar a IPC, sem qualquer vínculo afetivo local. Um levantamento feito pela liderança da

UMP indica que mais da metade dos jovens que participam atualmente da Juventude da IPC é composta de pessoas que não nasceram em Curitiba e estão temporariamente na cidade. “Nosso objetivo era fazer com que esses jovens, que muitas vezes se sentem sozinhos, tenham uma família de referência, especialmente nos fins de semanas, quando a necessidade de atenção e acolhimento são maiores”, explica a presidente da UMP, Giovanna Bigarelli Martin. O programa foi levado para a Igreja e posto em prática. Várias famílias aderiam ao PAE e adotaram os jovens da UMP. Após um ano de implementação, o piloto aponta para a necessidade de ajustes. Segundo Marcelo Gripp a experiência como um todo foi positiva para ambas as partes. “O lançamento do PAE

Marcelo Gripp afirma que seu caso não foi de sucesso pleno, pois recebeu dois jovens já formados, com foco na busca de uma colocação no mercado de trabalho. “Eles já tinham um certo tempo de relacionamento e o foco não era de acolhimento em uma nova cidade. Nossa atividade na Igreja está centrada nos domingos pela manhã e o casal frequenta mais os cultos da noite. Apesar de conversarmos e termos nos relacionado pelo Facebook, não conseguimos aprofundar nossos vínculos. Mas estamos dispostos a tentar novamente”, conta Gripp.

O casal Lucinete Heredia e Janderson Rampinelli conta que quando o estudante de Engenharia de Controle e Automação Daniel Bruce Lane chegou na família, ele era muito reservado, mas aos poucos foi ficando mais à vontade. “No início, ele tinha aquele jeitinho calado, aceitando tudo que oferecíamos, mas sempre muito tímido. Pensei que íamos assustá-lo com nosso jeito de ser, mas hoje, quando ele chega em casa e se troca, colocando uma bermuda e um chinelo, fico muito feliz, porque isso é coisa que fazemos na casa da gente! Ele se sente em casa”, comemora o casal. Daniel lembra que o projeto o ajudou não só suprindo a necessidade de pais e irmãos em Curitiba, mas fazendo ele ser uma outra pessoa. “Refleti sobre a importância da temática família na minha vida. Agradeço a Deus por ter me colocado nessa Igreja que, de fato, me acolheu por meio do PAE. Agradeço à Lucinete e ao Janderson pelo cuidado, carinho, almoços, ajuda na mudança de apartamento, ensinamentos e conversas. Ficaria muito feliz em retribuir esse amor, sempre estando disposto a ajudar”. conta.

O estudante de Engenharia Isaac Nince foi adotado inicialmente pela família Soboll, com a qual não chegou a criar vínculos, pois a família mudou de igreja e perdeu o contato. Foi quando a missionária Elenice Santos decidiu adotar Isaac. Mais que acolher o estudante, ela o discipulou neste ano, ajudando-o a se tornar uma pessoa mais ativa na Igreja e no seu próprio convívio social.

foi muito bem recebido, mostrando esse lado acolhedor das famílias da Igreja. Assim, as três pontas do programa – estudantes, UMP e famílias – revelaram disposição para cumprir os objetivos do programa”, afirma. No entanto, a coordenação do PAE reconhece que o programa precisa de ajustes. “Vejo que uma divulgação mais frequente seria estimuladora para as famílias e também daria mais visibilidade ao programa, que também precisa de uma avaliação semestral para averiguar o andamento da parceria estudante-família”, enfatiza Gripp. Já Giovanna afirma que é necessária uma análise melhor dos perfis das famílias e dos estudantes recém-chegados. “Precisamos ser mais criteriosos, com o objetivo de alcançar uma harmonia maior entre os envolvidos no programa”, diz.

A recepção do estudante de Jornalismo foi além de encontros e almoços pelo casal Carlos e Eliene Soares Ferreira e a filha Raquel. “Foi uma adoção integral de todos os membros da casa”, afirma Clayton. Em mais de uma ocasião, a família esteve ao lado do jovem, seja por meio de companhia, encontros nos fins de semana, oração, ajuda física e até participando de eventos do estudante. “Em uma premiação de um concurso, eu os convidei para compartilhar aquele momento. Eles foram e para mim significou muito”, afirma Clayton. No início do ano, o estudante e mais dois jovens estavam se mudando de apartamento e os Ferreiras foram uma das famílias que o ajudaram em todo o processo de mudança. “Não tenho palavras para dizer meu amor por eles”, afirma Clayton.

A família do presbítero Cid Aimbiré de Moraes Santos adotou a estudante de Medicina Aysla Rinaldo e tiveram uma interação enriquecedora. No entanto, o estágio no Hospital do Trabalhador exigia mais tempo e dedicação aos estudos. Assim, a frequência dos encontros diminuiu. “Além dos plantões dela, viajamos mais neste ano. Assim, tivemos poucos encontros”, conta Cid Santos. Mesmo assim, ele e Almeriane planejam continuar caminhando com Aysla.

Na avaliação da família do diácono Evandro Costa, a experiência foi boa e de grande valor para todos os membros do grupo. Mas eles próprios identificam possibilidades de se melhorar. “Nossa experiência, apesar de boa, foi de certa forma restrita. Nem sempre conseguíamos nos encontrar para os almoços, devido a agenda e a formatura de nossa filha, que estávamos trabalhando muito para realizar”, pondera Evandro. No entanto, ele lembra que uma das paixões de todos da família é em receber pessoas novas e abrir as portas da sua casa para gente nova. “Todos são muito bem-vindos. Frequentemente, recebemos jovens e não jovens da Igreja, celebramos juntos e é nosso prazer participar com eles”, enfatiza Evandro.


Casal

realizado em outubro do ano passado, teve forte impacto e

e Transtornos. Esses são os cinco temas foco do Clube Love,

Pornografia,

Relacionamentos,

Homoafetividade,

grande aceitação. Durante o evento, o Grupo Oxigênio, da

projeto que tem por objetivo discutir com adolescentes e

IPC, apresentou a peça “Retratos de Família”, que revelou os

jovens cristãos assuntos que normalmente não são tratados

prejuízos da pornografia dentro de um lar cristão, mostrando

dentro das igrejas. O projeto nasceu em maio de 2015, fruto

que esse é um problema presente dentro das igrejas e não

do trabalho das organizações não-governamentais Makanudos

apenas no “mundo”, como a maioria prefere acreditar. Em um

de Javeh (São Paulo/SP) e Total Educação e Cultura (Goiânia/

ano, essa peça já teve mais de 1,2 mil visualizações no Facebook

GO). No ano passado, o movimento organizou seu primeiro

do Grupo Oxigênio, com quase quatro mil pessoas alcançadas.

encontro em Curitiba, na Igreja Batista do Bom Retiro, para falar

Os adolescentes e jovens que participaram do acampamento

sobre pornografia e sexualidade saudável. No próximo dia 11

Ouse Ser Firme, organizado pela União da Mocidade

de novembro, o segundo encontro será realizado no Espaço de

Presbiteriana (UMP) da IPC no feriado da Independência deste

Adoração da Igreja Presbiteriana de Curitiba (IPC) com o tema

ano, tiveram uma “palinha” sobre o que será tratado no Clube

“Tá pronto pra DR?”, que vai abordar a discussão das relações.

Love de novembro. Desta vez, além de expor o tema de forma

O encontro está sendo organizado pelo diretor executivo

direta e objetiva, o evento terá mais tempo para interação com a

do Club Love, Thiago Torres. Segundo ele, o primeiro evento,

No próximo dia 10 de dezembro,

plateia, recebendo perguntas e tirando dúvidas.

Entre as canções do repertório estão

O texto do musical, escrito por sua

o

“Oh Vinde Fiéis”, “Anjos vieram anunciar”

diretora, será lido e interpretado pelas

Coral Infantil Arco-Íris apresentará o

e “Pequena vila de Belém”. O musical

próprias crianças. “Estamos trabalhando

musical “Alegrem-se Cristãos” no culto

contará com participações especiais

para que a singeleza e a doçura das

das 19 horas da Igreja Presbiteriana

do Coral da Fraternidade, conjunto

vozes infantis encantem e toquem os

de Curitiba. Com direção de Daniela

Vida em Voz, Coro da Mocidade e um

corações das pessoas, que andam tão

Banks, o musical é baseado na cantata

conjunto vocal formado especialmente

desacreditadas nesse mundo. Por isso,

natalina de mesmo nome, com arranjos

para

das

é um musical não apenas para a Igreja,

de John E. Coates. “É um mix de músicas

crianças do coral infantil. Tudo terá

mas especialmente para convidados”,

tradicionais do cancioneiro cristão que

acompanhamento de piano, teclado,

destaca Daniela.

contam a história do nascimento de

bateria, baixo, guitarra, violinos, metais

Jesus, mas com novos arranjos e uma

e flauta. Ao todo, o musical contará

linguagem mais moderna e leve”, conta

com mais de 80 participantes, incluindo

a diretora.

cantores e instrumentistas.

segundo

Domingo

do

Advento,

o

evento

com

15

os

pais


Conhecida

carinhosamente

entre

os membros da Igreja Presbiteriana de

pedagógica do CEI Miriam, Raquel Maciel

limites estabelecidos”, explica Raquel. O CEI Miriam começou a trabalhar

Ferreira.

Curitiba como “creche”, o Centro de

Esse novo jeito de ensinar ainda

essa nova pedagogia há cinco anos,

Educação Infantil Miriam é muito mais

não está presente em todas as creches

mas só sistematizou sua aplicação nos

que isso. Tecnicamente, creche faz parte

e pré-escolas de Curitiba, mas segue a

dois últimos anos letivos (2016 e 2017).

da Educação Infantil, pois é o espaço

orientação da Secretaria Municipal da

“No ano passado, começamos a tirar

de aprendizagem para crianças de 0 a 3

Educação, que mantém convênio com o

as carteiras e as cadeirinhas das salas,

anos de idade. Mas o CEI Miriam também

CEI Miriam para o atendimento dos seus

transformando o ambiente das salas de

oferece pré-escola para crianças de 4 e 5

atuais 135 alunos. Trata-se de promover

aula para as crianças poderem brincar.

anos de idade, completando a Educação

no ambiente educacional o protagonismo

Tínhamos acabado de comprar carteiras

Infantil.

compartilhado, dando voz às crianças.

novas. Foi uma decisão difícil de tomar,

Com 41 anos de história, o CEI Miriam

“É um modelo baseado na pedagogia

mas que trouxe grandes resultados para

é um dos projetos sociais da Associação

da Reggio Emilia, uma cidade italiana

as professoras e para os alunos”, revela

Comunitária

(ACP),

onde professores, alunos e famílias

Leila Maciel, diretora da escola.

entidade mantida pela IPC. Com foco na

fazem a escola. A propagação mundial

Hoje, as crianças montam os cantos

Educação, área que faz parte do DNA do

dessa pedagogia é feita pela Fundação

que elas querem brincar em sala de aula.

Presbiterianismo em todo o mundo, o

Reggio Children. Essa pedagogia nasceu

O CEI Miriam canaliza e potencializa a

CEI Miriam vive um momento de grandes

no pós-guerra. Para reconstruir a cidade,

energia corporal das crianças, ao invés

mudanças e importante evolução.

Presbiteriana

que tinha sido destruída, a sociedade

de conter essa energia com a disciplina

“Nosso objetivo não é ensinar a ler

entendeu que precisavam ter as crianças

de assistir a uma aula sentado numa

e escrever apenas, como era feito no

em um local seguro para que as mães

cadeira. “Nossas crianças são respeitadas

passado. O que temos como princípio é

pudessem

muitos

no desenvolvimento delas. Elas exploram

promover a autonomia das crianças, para

pais foram mortos na guerra. Com o

poça de água de chuva, o vento e a grama.

que não tenham medo de expressar suas

dinheiro da venda de um tanque de

Temos focado muito em atividades com a

vontades, saibam dialogar e negociar,

guerra nazista que ficou abandonado na

natureza para que as crianças entendam

aprendam a argumentar e não a discutir,

cidade, eles construíram a primeira escola

que a natureza não está presente para

tenham curiosidade em aprender e

onde a criança tornou-se protagonista

servi-los, mas que cada um precisa

descobrir coisas novas e saibam testar

da sua infância, ganhando não só voz

conhecer para respeitar e preservar.

novas hipóteses para descobrir se dão

e direitos, mas também deveres e

Quando o homem está afastado da

certo ou não. Essa forma de se trabalhar

responsabilidades. É tudo muito voltado

natureza também está afastado de Deus,

a Educação Infantil é bem diferente do

para o lúdico, com jogos e brincadeiras.

porque Deus é a Criação”, destaca a

que fazíamos”, explica a coordenadora

Tudo com muita liberdade, dentro dos

coordenadora pedagógica.

trabalhar,

que


No próximo mês, AG completará 18 anos de idade. O que para a maioria dos jovens brasileiros é um marco da maioridade civil, para ele é uma data de dúvidas e incertezas. Vítima de Esclerose Tuberosa, AG chegou ao Lar Hermínia Scheleder (LHS) em 2014. Nos últimos três anos, sua história mudou! Graças ao trabalho do Lar, ele chegará à maioridade com novas perspectivas de vida. Esclerose Tuberosa é uma doença rara. Na maioria dos casos, os diagnósticos são tardios e a falta de informações dificulta o tratamento. Conhecida também como Síndrome de Bourneville-Pringle ou Epilóia, é uma desordem genética, não contagiosa, causada por anomalias nos genes TSC1 ou TSC2, dos cromossomos 9 e 16, respectivamente. Uma doença degenerativa, causadora de tumores benignos, que pode afetar diversos órgãos, especialmente cérebro, coração, olhos, rins, pele e pulmões. Além desta doença, AG é um menino especial, com atraso intelectual. Apesar de ter 17 anos de idade cronológica, seu cognitivo é de uma criança de oito anos de idade. Quando chegou no LHS, o adolescente tinha 14 anos de idade, não era alfabetizado e tinha uma linguagem verbal limitada. “Ele só falava, ‘Eu sou AG, eu sou bem bonzinho e eu canto no coral Curumim, quer escutar’? Ele não reconhecia as cores”, conta a pedagoga social do LHS, Araceli Butcher. Quando chegou ao Lar, AG necessitava de uma medicação de alto custo, que o SUS não estava liberando, apesar do tratamento que ele fazia nos hospitais Erasto Gaertner e das Clínicas. Foi quando a assistente social do LHS, Karisa Berri, acionou a Defensoria Pública para assegurar o fornecimento do medicamento, dando continuidade ao processo aberto por outra instituição que ainda estava em análise. “Buscamos viabilizar os direitos do AG, que passou por perícias para concessão da medicação. Hoje, ele está recebendo regularmente da União o medicamento que custa cerca de R$ 10 mil por mês”, comemora Karisa. Com idade avançada e com problemas de saúde, AG apresentava perfil de difícil colocação em família substituta através da adoção e não tinha mais qualquer vínculo familiar de origem. “Ele falava de alguns tios, mas já era constatado, através de um estudo prévio, que nenhum familiar tinha condições de assumir os cuidados do adolescente. Segundo relatos, a mãe era envolvida com uso e tráfico de drogas. Os irmãos dele, que estão em outra instituição e são mais novos, rejeitavam os contatos com AG por sentirem vergonha dos comportamentos do irmão, pois AG é um adolescente, que tem impulsos sexuais dentro de sua faixa etária, mas com idade mental de oito anos. Tinha comportamentos inadequados, como tirar a roupa na frente de todos, masturbava-se frequentemente, expondose publicamente, e fazia as necessidades fisiológicas na roupa quando ficava ansioso. Era um caso com remotas possibilidades de reintegração ou adoção”, conta Karisa.

Para controlar os impulsos sexuais, a psicóloga Evelyse proporcionou encaminhamento para acompanhamento psicológico e psiquiátrico, além de orientações e atividades psicoeducativas e lúdicas dentro da instituição, minimizando a ansiedade e estimulando outros interesses. Inicialmente, os comportamentos relacionados à sexualidade não eram compreendidos por parte dos outros adolescentes, que julgavam o comportamento de AG. Na verdade, ele precisava conhecer o próprio corpo e aprender a lidar com seus desejos. Após muito trabalho das educadoras e da equipe técnica, AG alcançou esse equilíbrio. Todo o trabalho foi baseado em estímulos. Em razão da sua condição, ele nunca havia sido estimulado a ir além, a dar mais um passo. Hoje, está alfabetizado, frequenta regularmente uma escola especial e participa de diferentes oficinas, inclusive profissionalizante. Sua linguagem verbal e comunicação evoluíram muito. Hoje, já fala em ser pai, o que demonstra que tem planos para o futuro. Mas seu futuro, após completar 18 anos. Continuava incerto. Por isso, a equipe técnica do LHS decidiu focar no Programa de Apadrinhamento Afetivo. “Levei ele em duas festas do Apadrinhamento Afetivo e não apareceu ninguém. Comecei a fazer busca ativa e a falar com todo o mundo sobre o AG. Até que apareceu uma abençoada! Uma estudante, com pouco mais de 20 anos, que mora sozinha em Curitiba. Ela começou a visitar o AG a cada 15 dias. Depois, começou a sair para passear com ele. A família dela, que é de Apucarana, se sensibilizou com a história do adolescente. Há dois anos, ele foi passar as primeiras férias lá e essa família decidiu abraça-lo como parte dela. AG está indo passar o próximo Natal em Apucarana e já ficará com sua nova família”, comemora Karisa. O LHS deu entrada no pedido de Benefício Assistencial à Pessoa com Deficiência e AG já está recebendo um salário mínimo por mês. Seu medicamento está sendo fornecido normalmente e o ano de 2018 será realmente novo para esse jovem, que teve sua história marcada pela ação do LHS e da IPC.

18


Rua Prof. João Soares Barcelos . 440 . sobrado 1 Hauer . 81630-060 | Curitiba/PR

41 3376 5105

www.brasegcorretora.com.br braseg@brasegcorretora.com.br

Seguros: Automóvel Residência Empresarial Viagem

Condomínio Vida Previdência Transporte Entre outros


CONSELHO DA IPC Marcelo Sathler Gripp (vice-presidente), Toshiaki Isumi (10 secretário), Fernando Rocha Filho (20 secretário), Geraldo Ferreira Leite (10 tesoureiro), Antonio Carlos Teixeira Gonçalves (20 tesoureiro), Adalton José Lopes da Silva, Carlos Roberto Maciel, Cláudio César Ferreira, Cláudio Manoel Ferreira Martins, Clayton Machado Carstens, Cornelis Kool, José Carlos Marcondes, Luiz Fernando Alves, Luiz Filipe Jordão, Paulo de Tarso de Lara Pires, Paulo Henrique Andrade, Paulo Roberto de Andrada Werner, Pedro Ronzelli Jr., Roberto Costa de Oliveira, Sérgio Duque Ferreira de Oliveira, Tiago Hessel Tormen, Vanderlei Endres. Eméritos: Joel Pugsley, José Luiz Pires, Leonel Valentim Ramos, Levy Soares Teixeira

JUNTA DIACONAL Hélio Linzmeyer Santos (presidente), Vladimir Alcindo de Arruda (vice-presidente), Felipe Martins Gonçalves (10 secretário), Fernando Bisinella (20 secretário), Edison Barrozo Antunes (tesoureiro), Arrison Marcel Stresser, Celso Lopes Valente, Cláudio Roberto Barbosa, Daniel Celli Souza, Eduardo Augusto Costa Ferreira, Eduardo Joakinson, Evandro Daudt da Costa, Fábio Muniz Soares, Fabrício Pereira Barbosa, Fabrício Veiga Nascimento, Francisco Augusto Zardo Guedes, Gerson Barbosa, Ivair Lúcio Soares Jr. , João Martins Ribeiro, Johnny Carlos Cordeiro Rosa, Leonardo Aguiar Martin, Lucas Augusto da Silva, Marcelo Nassif Maluf, Marco Aurélio Souto Lima, Nélio Antonio Uzeyka Jr., Paulo Roberto Lopes da Silva, Paulo Roberto Marques Leites, Reinaldo Muchailh Júnior, Sizenando Machado, Thiago Henrique Lopes Guimarães, Tiago Henrique Souza Marcelino, Wagner Pereira Barbosa. Eméritos: Henderson Antonio Jansson, João Augusto dos Santos Aust, Luiz César Valentim, Valdir Scheidt, Wilson Edel Schmidt, Wilson Peretti.

www.ipctba.org.br

Revista Identidade Cristã - Edição 29 - Novembro/2017  

Edição n° 29 da Revista Identidade Cristã, uma publicação mensal da Igreja Presbiteriana de Curitiba. O destaque no mês de novembro vai pa...

Advertisement