Page 118

Rui Marques

muito para além da visão restrita do tratamento da doença ou mesmo da sua prevenção, da responsabilidade exclusiva das estruturas e profissionais da saúde. Assume-se que a saúde toca todos os setores e que a sua promoção exige uma política integrada241. De igual forma, em áreas totalmente diferentes, por exemplo na segurança ou na Defesa Nacional242, os novos conceitos estratégicos passam por visões muito mais abrangentes que as tradicionais, em que as dimensões de coordenação, e mesmo de integração, de vários setores estão presentes. A coordenação, enquanto tal, visa responder a três grandes preocupações: as redundâncias, em que a mesma atividade é desenvolvida por duas ou mais unidades desnecessariamente; as lacunas, em que uma ação necessária não é desenvolvida por ninguém; e finalmente as incoerências, em que políticas públicas que afetam os mesmos destinatários têm objetivos conflituantes243. Mas a governação integrada vai mais longe do que a simples coordenação. Segundo Eppel et al (2008) devem ser considerados cinco níveis distintos de relação interorganizacional (Tabela XI) que se iniciam na simples coexistência, marcada pela noção de autossuficiência e em que não há comunicação formal, as políticas e serviços estão isolados, é sublinhada a autonomia embora possa haver preocupações comuns. No degrau seguinte, a comunicação, em que começa a haver partilha de informação, através de reuniões informais e trocas irregulares de informação e podem estar juntos por interesses comuns. No terceiro nível – a cooperação – em que se evidencia a partilha de recursos, já com maior formalidade e regularidade nos contactos e a possibilidade de estarem juntos para projetos comuns. De seguida, ao nível de coordenação, há uma partilha de trabalho, com trocas regulares, formais e ações conjuntas, nomeadamente em projetos partilhados. Finalmente, no último nível, a colaboração, atinge-se a partilha efetiva de responsabilidade, com uma parceria formal, políticas partilhadas e, sobretudo, um trabalho conjunto para objetivos comuns. Consoante se vai aumentando o nível de relação, a autonomia das partes vai-se atenuando.

116

Profile for Instituto Padre António Vieira

Problemas Sociais Complexos e Governação Integrada  

Esta publicação resulta de uma versão resumida e atualizada da tese de doutoramento de Rui Marques “Problemas Sociais Complexos e Governação...

Problemas Sociais Complexos e Governação Integrada  

Esta publicação resulta de uma versão resumida e atualizada da tese de doutoramento de Rui Marques “Problemas Sociais Complexos e Governação...

Profile for ipav
Advertisement