Issuu on Google+

SÁBADO 11, JANEIRO, 2014

Uma história

CENTENÁRIA

Falar da história do Campeonato Paraibano é antes de mais nada um desafio. Com quase nenhuma referência bibliográfica, até mesmo a lista de campeões é controversa. Em alguns anos, por exemplo, mais de um clube se autoproclamam vencedores. Em outros, ninguém sabe ao certo quem foi declarado campeão pela Federação. Aliás, a FPF tira o corpo fora. A relação de campeões que apa-

rece em seu site oficial é fruto da pesquisa do jornalista e historiador Martins Neto, antigo funcionário da entidade, que morreu em 1999. Ele tinha a intenção de dar continuidade à obra de Valfredo Marques, que escreveu A história do Futebol Paraibano publicado em 1975, até hoje a única obra que trata da história do futebol tabajarino. A primeira polêmica é saber ao certo onde começar a contar A JPN  C

Treze e Nacional de Cabedelo, em 2002: futebol paraibano apresenta uma história de mais de cem anos e muitas polêmicas

os títulos. Por muitos anos, o Colégio Pio X era considerado o primeiro campeão paraibano. De fato, venceu um torneio disputado em 1917. Mas foi somente dois anos depois, com o surgimento da Liga Desportiva Parahybana, é quando realmente começa o Campeonato Paraibano. Recentemente, alguns pesquisadores passaram a iniciar a contagem em 1908, ano em que a primeira bola chegou à Paraíba. De lá para o primeiro jogo oficial foi um pulo. E o vencedor deste, o Parahyba FC, passou a ser considerado o primeiro campeão estadual. POLÊMICAS O Campeonato Paraibano parece ser um campo aberto para asteriscos. Se a Federação não sabe nem mesmo quando a história começa, imagine a quantidade de polêmicas que nunca tiveram solução. Em 1922, por exemplo, o Pytaguares foi campeão do Torneio Início, a competição que antecedia o Paraibano. Só que depois o campeonato não aconteceu. A imprensa da época considerou então o Pytaguares campeão daquele ano. Para muitos historiadores, o título está vago. Fica a seu critério, caro leitor. Em 1930, por causa da Revo-

lução que tomou conta do país com a morte de João Pessoa, o Campeonato Paraibano não foi realizado mais uma vez. A Federação Paraibana de Futebol (FPF) foi criada em 1947. Mas nem assim a situação ficou mais organizada. Tanto que em 1951 o campeonato também não aconteceu. Mas as três maiores polêmicas do Campeonato Paraibano ainda estavam por vir. Em 1975, a competição não chegou ao fim e Botafogo e Treze, campeões de turnos, dividiram o título e representaram a Paraíba no Campeonato Brasileiro. O problema é que o Galo só ganhou o turno porque o Campinense foi punido. A Raposa recorreu ao STJD, que lhe deu ganho de causa. Até hoje tenta reconhecer o título na FPF, o que nunca aconteceu. Em 1985 mais uma vez faltaram datas para a conclusão do campeonato. Dessa vez, para não criar nenhuma confusão, a FPF resolveu não declarar nenhum time campeão. E em 2002, num dos regulamentos mais confusos da história, o Atlético de Cajazeiras faturou o título. O Botafogo recorreu ao TJD e, posteriormente, ao STJD. A denúncia era de que o Trovão Azul tinha escalado um jogador irregular. Apesar dos pereceres favoráveis, o Belo

nunca teve o título oficializado pela Federação.

1943 Astréa 1944 Botafogo 1945 Botafogo 1946 Filipéia 1947 Botafogo 1948 Botafogo 1949 Botafogo 1950 Treze 1951 Não houve 1952 Red Cross 1953 Botafogo 1954 Botafogo 1955 Botafogo 1956 Auto Esporte 1957 Botafogo 1958 Auto Esporte 1959 Estrela do Mar 1960 Campinense 1961 Campinense 1962 Campinense 1963 Campinense 1964 Campinense 1965 Campinense 1966 Treze 1967 Campinense 1968 Botafogo 1969 Botafogo 1970 Botafogo 1971 Campinense 1972 Campinense 1973 Campinense 1974 Campinense 1975 Botafogo e Treze 1976 Botafogo 1977 Botafogo

1978 Botafogo 1979 Campinense 1980 Campinense 1981 Treze 1982 Treze 1983 Treze 1984 Botafogo 1985 Não foi decidido 1986 Botafogo 1987 Auto Esporte 1988 Botafogo 1989 Treze 1990 Auto Esporte 1991 Campinense 1992 Auto Esporte 1993 Campinense 1994 Sousa 1995 Santa Cruz 1996 Santa Cruz 1997 Confiança 1998 Botafogo 1999 Botafogo 2000 Treze 2001 Treze 2002 Atlético de Cajazeiras 2003 Botafogo 2004 Campinense 2005 Treze 2006 Treze 2007 Nacional de Patos 2008 Campinense 2009 Sousa 2010 Treze 2011 Treze 2012 Campinense 2013 Botafogo

FESTA DO INTERIOR O Campeonato Paraibano foi disputado apenas por times de João Pessoa até 1938. O primeiro time fora da capital a levantar a taça foi o Treze, em 1940. No ano seguinte, o bicampeonato, acirrando uma rivalidade entre as duas cidades que dura até hoje. Se o Galo se orgulha dessa façanha, o rival Campinense também foi responsável por outro importante momento na história do futebol paraibano: a implantação do profissionalismo. Foi na década de 60. A Raposa conquistou nada menos que sete títulos em oito anos, com direito ao famoso hexacampeonato (1960 a 1965). Já o futebol sertanejo teve que esperar um pouco mais para ser campeão. A honra coube ao Sousa, em 1994. De lá para cá, vieram outros três títulos: com o Atlético de Cajazeiras (2002), Nacional de Patos (2007) e novamente com o Sousa (2009). Apenas outros três clubes quebraram a hegemonia do eixo João Pessoa-Campina Grande: o Filipéia de Bayeux (1946), o Santa Cruz de Santa Rita (bicampeão em 1995/96) e o Confiança de Sapé (1997).

Todos os

CAMPEÕES Apesar de todas as polêmicas, o Jornal da Paraíba chegou a uma lista de campeões paraibanos. A contagem começa 1908, com o surgimento da primeira entidade a organizar um torneio, a Liga Parahybana de Foot Ball. Nos onze campeonatos que promoveu, apenas Brasil e Cabo Branco conseguiram ser campeões mais de uma vez. O Cabo Branco foi hegemônico na Liga Desportiva Parahybana (1919-1940), com outros sete títulos. Foi nessa época também que o Botafogo ganhou seu primeiro campeonato, em 1936. O Auto Esporte foi campeão em 1939 e o Treze em 1940. Depois de ser campeão também pela Federação Desportiva Paraibana (1941-1946) pela Federação Paraibana de Futebol FPF (a partir de 1947 até os dias atuais), o Botafogo consolidou a sua condição de maior campeão da história, com 26 conquistas Na sequência, aparece o Campinense, com 18. A JPL S

Campinense, campeão paraibano de 2008: a Raposa já levantou a taça do Paraibano 19 vezes e só fica atrás do Botafogo

1908 Parahyba FC 1909 Parahyba United 1910 Club Parahybano 1911 Parahyba Sport 1912 Red Cross 1913 América 1914 Brasil 1915 Cabo Branco 1916 Brasil 1917 Pio X 1918 Cabo Branco 1919 Palmeiras 1920 Cabo Branco 1921 Palmeiras 1922 Pytaguares 1923 América 1924 Cabo Branco 1925 América 1926 Cabo Branco 1927 Cabo Branco 1928 Palmeiras 1929 Cabo Branco 1930 Não houve 1931 Cabo Branco 1932 Cabo Branco 1933 Palmeiras 1934 Cabo Branco 1935 Palmeiras 1936 Botafogo 1937 Botafogo 1938 Botafogo 1939 Auto Esporte 1940 Treze 1941 Treze 1942 Astréa

QUEM CORRE POR FORA NA DISPUTA DO PARAIBANO

ATLÉTICO DE CAJAZEIRAS ENDEREÇO: Rua Barão do Rio Branco s/n – Cajazeiras FUNDAÇÃO: 3 de julho de 1948 MATERIAL ESPORTIVO: Rota do Mar TÍTULOS: Paraibano (2002) e Paraibano da 2ª divisão (2012) TIME-BASE: Bel; Marquelino, Erilson, Da Silva e Cleiton Cearense; Matheus, Píter, Djalma e França; Cleitinho e Junior Mineiro. Técnico: Lourival Silva

AUTO ESPORTE ENDEREÇO: Avenida Hilton Souto Maior, s/n, Mangabeira João Pessoa FUNDAÇÃO: 7 de setembro de 1936 MATERIAL ESPORTIVO: Rota do Mar TÍTULOS: Paraibano (1939, 1956, 1958, 1987, 1990 e 1992) e Paraibano da 2ª divisão (2006) TIME-BASE: Rodrigues; Gustavo, Camutanga, Leo Oliveira e Danilo Itaporanga; Gil, Edmilson, Jackson e Sóstenes; Beto e Josimar. Técnico: Jazon Vieira

QUEIMADENSE ENDEREÇO: Rua João Barbosa da Silva, 70, 1º andar Queimadas FUNDAÇÃO: 15 de novembro de 2003 MATERIAL ESPORTIVO: Maximus Uniformes TÍTULOS: Paraibano da 2ª Divisão (2007) TIME-BASE: Alysson; Zé Wilker, Mazinho, Suélio e Buick; Rone, Fernando Júnior, Raif e Alan; Lee e Chico Paraíba. Técnico: Washington Lobo

SANTA CRUZ DE SANTA RITA ENDEREÇO: Av. Flávio Ribeiro Coutinho, s/n - Santa Rita FUNDAÇÃO: 15 de abril de 1939 MATERIAL ESPORTIVO: Maximus Uniformes TÍTULOS: Paraibano (1995 e 1996) e Paraibano da 2ª divisão (1994 e 2000) TIME-BASE: Osmar, Marquinhos, Maceió, Deivid e Pelado; Marcílio, Téssio, Jones e Eduardo Guarabira; Carlinhos e Somália. Técnico: Reginaldo Sousa

SPORT CAMPINA ENDEREÇO: Rua Barão do Abiaí, 154, Campina Grande FUNDAÇÃO: 2007 MATERIAL ESPORTIVO: Siker TÍTULOS: Nenhum TIME-BASE: Rafael, Pierry, Moura, Juninho e Evaldo Bahia; Roquelan, Ray, Neto Recife e Arthur Ferreira; André e Luciano Paraíba. Técnico: Farges Ferraz


04 espjp 11 01 14