Issuu on Google+

REVISTA SEMANAL 87 DE 08-04 A 14-04-2013

BRIEFING INTELI » TRANSPARÊNCIA || 2013


Revista de Imprensa 15-04-2013

1. (PT) - Público, 09/04/2013, Mário Lino acusado de falsidade de testemunho

1

2. (PT) - Público, 09/04/2013, Itália julga em Julho fraude fiscal com empresas da Zona Franca da Madeira

2

3. (PT) - Diário de Notícias da Madeira, 09/04/2013, MP detecta eventual contradição

3

4. (PT) - Diário de Notícias da Madeira, 09/04/2013, Avelino Farinha julgado hoje por fraude

4

5. (PT) - Correio da Manhã, 09/04/2013, UEFA e CE discutem corrupção

6

6. (PT) - Jornal de Notícias, 10/04/2013, Bastonário diz que tribunais arbitrais legitimam a corrupção

7

7. (PT) - Jornal da Madeira, 10/04/2013, Marinho Pinto acusa tribunais

8

8. (PT) - i, 10/04/2013, Juízes pedem investigação a Marinho e Pinto

9

9. (PT) - Diário de Notícias, 10/04/2013, Bastonário aponta perigo de corrupção em tribunais

10

10. (PT) - Sábado, 11/04/2013, Inspector da PJ com licença de longa duração

12

11. (PT) - Público, 11/04/2013, Branqueamento de capitais mais reportado em 2012

13

12. (PT) - Jornal de Negócios, 11/04/2013, Gaspar anuncia grupo de combate à lavagem de dinheiro

14

13. (PT) - i, 11/04/2013, Branqueamento. Operações denunciadas pela banca cresceram 30% em 2012

17

14. (PT) - Diário Económico, 11/04/2013, Regulador apela à atenção da banca para entradas suspeitas de capitais

18

15. (PT) - Diário de Notícias, 11/04/2013, Carlos Costa alerta para capitais duvidosos

19

16. (PT) - Correio da Manhã, 11/04/2013, Alegações do Taguspark dia 8 de maio

20

17. (PT) - Sol, 12/04/2013, Pesadelo fiscal

21

18. (PT) - Sol, 12/04/2013, Juíza condenada no caso UnI

23

19. (PT) - Público, 12/04/2013, UE exige mais transparência na área do petróleo

24

20. (PT) - Público, 13/04/2013, Isaltino perdeu mais uma vez e avança com novo recurso

25

21. (PT) - Jornal de Notícias, 13/04/2013, PJ congelou 80 milhões de euros suspeitos

26

22. (PT) - Jornal de Notícias, 13/04/2013, Ex-presidente alemão indiciado por corrupção

28

23. (PT) - i, 13/04/2013, Tribunal de Oeiras rejeita novo recurso de Isaltino Morais

29

24. (PT) - i, 13/04/2013, Antigo presidente da Alemanha enfrenta acusação de suborno

30

25. (PT) - Expresso, 13/04/2013, Uma lista de milionários onde ninguém quer estar

31

26. (PT) - Expresso, 13/04/2013, Uma conta na Suíça que pode derrubar o Governo francês

34


27. (PT) - Diário de Notícias, 13/04/2013, Tribunal rejeita pedido de Isaltino

36

28. (PT) - Correio da Manhã, 13/04/2013, Wulff acusado

37

29. (PT) - Correio da Manhã, 13/04/2013, Prescrição negada

38

30. (PT) - Correio da Manhã, 13/04/2013, Inaugurações na mira da Judiciária

39

31. (PT) - Jornal de Notícias, 14/04/2013, Isaltino está livre graças a "forças superiores"

41

32. (PT) - Diário de Notícias, 14/04/2013, Metade do «dinheiro sujo» congelado pela PJ pertencia a um advogado

42


A1

ID: 47058900

09-04-2013

Tiragem: 44021

Pág: 18

País: Portugal

Cores: Preto e Branco

Period.: Diária

Área: 5,88 x 30,61 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Mário Lino acusado de falsidade de testemunho Caso Face Oculta O Ministério Público (MP) manteve ontem, em debate instrutório, a acusação contra o ex-ministro Mário Lino, defendendo que o arguido deve ser julgado por um crime de falsidade de testemunho. Em causa estão as declarações prestadas por Mário Lino, enquanto testemunha, nas várias fases processuais do processo Face Oculta, que tem como arguidos personalidades como Armando Vara, ex-administrador do BCP, e José Penedos, ex-presidente da REN (Redes Energéticas Nacionais), e o seu filho Paulo Penedos. No debate instrutório do caso, que decorreu ontem no Juízo de Instrução Criminal ( JIC) de Aveiro, o procurador do MP afirmou que as “contradições e discrepâncias são manifestas e estão suficientemente indiciadas na prova indicada na acusação”. Segundo o MP, o arguido “prestou depoimentos com discrepâncias, e absolutamente contraditórios”, quanto à data em que esteve reunido com Manuel Godinho, o principal arguido no processo, assim como quanto aos conteúdos das conversas e contactos com o sucateiro. Outra das discrepâncias encontradas pelo MP tem a ver com o número de contactos que Mário Lino disse ter tido com o ex-presidente da Refer Luís Pardal e que não será coincidente com o depoimento prestado por este último. “O arguido sempre referiu ter uma boa memória, pelo que muito menos se compreende todos estes lapsos”, sublinhou o procurador titular do processo. Por seu lado, a defesa de Mário Lino pediu que o seu cliente não fosse pronunciado, argumentando não haver falsidade de depoimento. A advogada Marisa Falcão disse ter “alguma dificuldade em perceber em que constam estas manifestas discrepâncias e contradições” e questionou “por que é que o depoimento do engenheiro Luís Pardal é que é o verdadeiro”, referindo-se às eventuais contradições entre os depoimentos do expresidente da Refer e de Mário Lino. A leitura da decisão instrutória ficou marcada para 22 de Abril, no JIC de Aveiro, com a presença obrigatória do arguido. O processo Face Oculta está relacionado com uma alegada rede de corrupção que teria como objectivo o favorecimento do grupo empresarial do sucateiro Manuel Godinho, nos negócios com empresas do sector empresarial do Estado e privadas.

Página 1


A2

ID: 47058935

09-04-2013

Tiragem: 44021

Pág: 22

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 26,92 x 30,82 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Itália julga em Julho fraude fiscal com empresas da Zona Franca da Madeira Francesco Valentini, advogado e promotor do Festival Literário do Funchal, é um dos acusados de fuga de 90 milhões de euros ao fisco e de lavagem de capitais, no âmbito da operação Flying Money NELSON GARRIDO

Justiça Tolentino de Nóbrega O Tribunal de Pescara, na Itália, marcou para 9 de Julho o julgamento do processo relativo à operação Flying Money. No centro desta mega fraude fiscal de 90 milhões de euros estão oito sociedades licenciadas na Zona Franca da Madeira (ZFM). Em acórdão a recursos emitido na semana passada, o tribunal decidiu ilibar alguns dos 13 acusados, cujos crimes prescreveram, mas manteve a acusação contra o advogado Francesco Valentini, suspeito da prática dos crimes de fraude fiscal e lavagem de capitais através de oito empresas, todas registadas na ZFM e instaladas na Rua da Carreira 115-117, no Funchal, também sede de dezenas de outras empresas e da editora Nova Delphi, promotora do Festival Literário da Madeira. Segundo a investigação efectuada pelas autoridades italianas, estas sociedades tinham um papel fundamental na emissão de facturas por serviços inexistentes e serviam de fachada para operações financeiras do grupo de empresas do sector aéreo detidas pelo italiano Giuseppe Spadaccini – Itali Airlines, Air Columbia, SAN, SOREM, Ali Roma, Air Craft Maitenance e Aeroservice – considerado pela Guardia di Finanza o principal promotor de toda a organização fraudulenta, através da criação de empresas-fantasmas criadas na Madeira.Além da fraude fiscal no valor de 90 milhões de euros, está em Valentini fundou a Nova Delphi e criou o Festival Literário em 2010, ano em que cumpriu prisão preventiva

causa a detecção de facturação falsa no valor de 30 milhões entre 1999 e 2008. Foram apreendidas pelas autoridades italianas 32 apartamentos em Porto Redondo e 12 milhões em saldos de contas correntes, acções de empresas e um iate. Foram indiciadas 13 pessoas, incluindo três residentes na Madeira, sob a acusação de lavagem de dinheiro, ocultação de capitais e vantagem fiscal: o italiano Francesco Valentini e as portuguesas

A organização fraudulenta funcionava através da criação de empresas-fantasmas criadas na Madeira Tereza Trindade e Dina Rodrigues. Sócio da Francesco Valentini & Savino – Serviços de Consultadoria Internacional, Comercial e Contabilidade e da Dike/Madeira – Legal & Business Management Company, inscritas na ZFM com isenção integral de impostos, o advogado Francesco Valentini foi detido em Outubro de 2010, numa acção conjunta da Interpol e da Polícia Judiciária, com o apoio da Eurojust. Esteve em prisão preventiva, depois de interrogado em Lisboa. Também no cumprimento de mandado de detenção europeu, foram ouvidas Tereza Trindade, 37 anos, nascida na África do Sul, e Dina Rodrigues, 35 anos, tendo-lhes sido decretada prisão domiciliária. Tereza Trindade integra a administração de mais de 50 sociedades, todas com sede nos números 115 e 117 da rua da Carreira. Na sua maioria, as empresas têm como actividade “consultoria para os negócios e a gestão”. Em recurso para o Supremo

Julgamento de burla e contrafacção adiado

O

Tribunal das Varas de Competência Mista do Funchal adiou para Setembro o julgamento de seis indivíduos acusados de crimes de burla qualificada e contrafacção de moeda, no valor de 700 milhões de dólares. O adiamento da audiência, marcada para ontem, foi justificado por deficiente notificação dos seis arguidos, sendo quatro venezuelanos, um francês e um norte-americano. Segundo a acusação do Ministério Público, terão viajado até à Madeira para tentar negociar sete (falsos) títulos Sight Draft do Tesouro dos EUA, no valor unitário de 100 milhões de dólares.

Para credibilizar a operação junto dos bancos, os arguidos fizeram-se acompanhar de um “empresário de sucesso” natural da Madeira, mas radicado na Venezuela. Quatro dos arguidos que declararam fazer parte da sociedade Venus Equity Ld, sediada nas Ilhas Virgens, deslocaramse em 2004 ao Banif, no Funchal, propondo a abertura de uma conta offshore para depositar os títulos de crédito “como meio de obtenção de determinado financiamento” para, alegaram, realizarem investimentos na Madeira. Mas o banco, tal como as sucursais financeiras do BPI e BCP licenciadas na Zona Franca, recusaram a operação. T.N.

Tribunal de Justiça (STJ), Dina Rodrigues opôs-se à detenção que foi validada por aquela instância, alegando não ser fundadora ou sócia constituinte, nem deter qualquer participação social nas sociedades criadas por Valentini. Invocou também que apenas exercia funções de escriturária, recebendo por mês 645 euros. Segundo o acórdão do STJ, de 20 de Fevereiro de 2011, as investigações da Guarda de Finanças de Pescara e da PJ portuguesa permitiram concluir que “Giuseppe Spadaccini, ajudado por Valentini, manteve efectiva gestão e administração das sociedades no território italiano”. Nascido em Gorizia, Itália, em 1966, Valentini fundou a Nova Delphi e criou o Festival Literário da Madeira em 2010, ano em que esteve em prisão preventiva por envolvimento na Flying Money. Na terceira edição, e sem financiamento público, o festival reuniu na passada semana, no Funchal, quatro dezenas de escritores, entre os quais esteve Naomi Wolf.

Página 2


A3

ID: 47061905

09-04-2013

Tiragem: 11966

Pág: 28

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 17,16 x 13,37 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 1 de 1

Página 3


A4

ID: 47061216

09-04-2013

Tiragem: 11966

Pág: 6

País: Portugal

Cores: Preto e Branco

Period.: Diária

Área: 28,84 x 25,66 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 1 de 2

Página 4


ID: 47061216

09-04-2013

Tiragem: 11966

Pág: 40

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 9,12 x 0,78 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 2 de 2

Página 5


A6

ID: 47059606

09-04-2013

Tiragem: 156102

Pág: 32

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 4,93 x 22,65 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Página 6


A7

ID: 47082491

10-04-2013

Tiragem: 91108

Pág: 5

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 26,39 x 23,88 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Página 7


A8

10-04-2013

Pág: 15

País: Portugal

Cores: Preto e Branco

Period.: Diária

Área: 7,18 x 15,87 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 1 de 1

JM

ID: 47086094

Tiragem: 14900

Marinho Pinto acusa tribunais O bastonário da Ordem dos Advogados (OA) considerou ontem que "muitos dos tribunais arbitrais" são utilizados para "legitimar atos de verdadeira corrupção" em Portugal, com transferência de "recursos públicos para bolsos privados". Marinho Pinto, que falava aos jornalistas à saída da Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, onde foi ouvido sobre a proposta de reorganização do sistema judiciário, acrescentou que a forma "como o Governo está a legislar" nesta matéria, criando a "arbitragem obrigatória", leva-o a ter "muitas suspeitas" sobre a conivência do poder político naquele tipo de justiça privada.

Página 8


A9

ID: 47082644

10-04-2013

Tiragem: 27259

Pág: 6

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 4,81 x 10,48 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Página 9


A10

ID: 47082551

10-04-2013

Tiragem: 40534

Pág: 20

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 15,85 x 33,50 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 2

Página 10


ID: 47082551

10-04-2013

Tiragem: 40534

Pág: 1

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 6,51 x 5,07 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 2 de 2

Página 11


A12

ID: 47104293

11-04-2013

Tiragem: 100000

Pág: 22

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Semanal

Área: 4,03 x 16,90 cm²

Âmbito: Interesse Geral

Corte: 1 de 1

Página 12


A13

ID: 47103843

11-04-2013

Tiragem: 43021

Pág: 10

País: Portugal

Cores: Preto e Branco

Period.: Diária

Área: 5,10 x 8,37 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Criminalidade

Branqueamento de capitais mais reportado em 2012 A ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, disse ontem que 2012 foi o ano em que as comunicações de operações suspeitas de branqueamento de capitais mais aumentaram. No ano passado, a Unidade de Informação Financeira recebeu comunicações de cerca de 60 entidades, sobretudo de “outras sociedades financeiras” e de “instituições de pagamento”.

Página 13


A14

ID: 47104142

11-04-2013

Tiragem: 15528

Pág: 28

País: Portugal

Cores: Preto e Branco

Period.: Diária

Área: 27,62 x 35,17 cm²

Âmbito: Economia, Negócios e.

Corte: 1 de 3

Página 14


ID: 47104142

11-04-2013

Tiragem: 15528

Pág: 29

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 16,14 x 34,80 cm²

Âmbito: Economia, Negócios e.

Corte: 2 de 3

Página 15


ID: 47104142

11-04-2013

Tiragem: 15528

Pág: 26

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 24,66 x 2,01 cm²

Âmbito: Economia, Negócios e.

Corte: 3 de 3

Página 16


A17

ID: 47104009

11-04-2013

Tiragem: 27259

Pág: 8

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 14,97 x 29,42 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Página 17


A18

ID: 47107354

11-04-2013

Tiragem: 18056

Pág: 30

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 26,11 x 30,26 cm²

Âmbito: Economia, Negócios e.

Corte: 1 de 1

Regulador apela à atenção da banca para entradas suspeitas de capitais A ministra da Justiça garantiu que tudo fará para que “não continuem a existir locais de impunidade”. marta.marquessilva@economico.pt

O governador do Banco de Portugal apelou ontem às instituições financeiras para que “acompanhem com maior cuidado” a origem dos capitais e para que “dêem importância a entradas de capitais que, pela sua dimensão, podem indiciar algum problema”. Carlos Costa falava na conferência “Os novos padrões internacionais do Grupo de Acção Financeira Internacional (GAFI) sobre a luta contra o branqueamento de capitais e o financiamento do terrorismo: inovações e desafios”, organizada pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros (CNSF), a que preside. O responsável alertou para o papel da banca enquanto “porta de entrada do submundo para o mundo respeitável”, dotando estes agentes de “respeitabilidade e influência social contrárias a um Estado de Direito”. Carlos Costa notou que as instituições financeiras têm um papel vital no combate ao branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, uma vez que o momento de “entrada dos recursos é o mais importante, porque depois é muito difícil fazer o seu rastreamento”. Por isso mesmo, o presidente do CNSF apelou a um dos princípios fundamentais das recomendações do GAFI: o de conhecer os seus clientes. “Por favor, dêem importância sempre que tenham um novo cliente (...), façam passar para os balcões, para os vossos agentes, o princípio de que é importante saber qual a origem dos recursos que lhes são entregues

O momento da entrada do dinheiro nos bancos é visto como fundamental para detectar alguma ilicitude.

porque qualquer erro pode ser importante para a reputação institucional”, adiantou Carlos Costa que reconhece que a imagem da banca não atravessa um bom momento. Quem são os donos do dinheiro?

Apelos que encontram eco naquela que é actualmente a preocupação mais premente do GAFI – instituição que define os padrões e as melhores práticas internacionais no combate ao branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo. “Não é possível ter um sistema eficiente se não se souber quem é o beneficiário efectivo”, notava Jean Pesme, do Banco Mundial, instituição também integrante do GAFI. Ou seja, trata-se do último beneficiário dos recursos, tantas vezes difícil de identificar devido à opacidade do controlo das figuras colectivas e à utilização de veículos propositadamente criados para esse efeito, como os ‘trustee’. Jean Pesme nota ainda que a implementação de um sistema eficiente, que permita identificar os beneficiários efectivos, é “um grande desafio, no qual nenhum país obteve até hoje sucesso”. Mas salienta que os documentos obtidos recentemente por uma organização de jornalistas, e que expõem o mundo das ‘offshores’, significam que “a informação existe mas não é utilizada”. Portugal é um dos 34 países pertencentes ao GAFI, e será sujeito à avaliação periódica sobre a implementação das suas recomendações em 2015/2016. Um processo de avaliação que conhece a partir deste ano uma metodologia diferente. Richard Lalonde, especialista financeiro do Fundo Monetário Internacional, também presente na conferência, salientava o carácter “mais abrangente e mais focado na efectividade do sistema” e não no cumprimento de cada recomendação isolada, como acontecia até agora. A fechar a conferência, a ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, deixou a garantia que tudo fará para que “seja dado pleno cumprimento às recomendações do GAFI (...) para que não continuem a existir locais de impunidade”. ■

Paula Nunes

Marta Marques Silva

O que se exige a um CEO é que tenha a consciência de que, quando está a definir a fronteira entre o aceitável e o não aceitável, está a criar o mundo dos nossos netos. Carlos Costa Governador do Banco de Portugal

Nuno Amado conhecia troca de informações entre bancos O presidente do Millennium bcp disse ontem ter conhecimento da troca de informações mantida entre os bancos nacionais, a qual terá dado origem à denúncia por parte do Barclays de uma suposta cartelização na banca portuguesa. “Sei perfeitamente da troca de informações que foi feita pelos bancos, conheço-a”, afirmou Nuno Amado à margem da conferência organizada ontem pelo Conselho Nacional de

Supervisores Financeiros. No entanto, o responsável frisa que essa mesma troca de informações tinha como objectivo “aumentar o nível de concorrência entre os bancos e não diminuir a concorrência”. Concluindo portanto: “Estou muito tranquilo sobre o facto de não haver cartel”. O presidente do Millennium bcp apontou ainda munições em direcção à sede do Barclays: “Surpreende-me que um

banco que tem tido um conjunto de situações internas muito questionáveis no seu país de origem, tenha feito o que fez”. O Barclays tem estado envolvido em vários escândalos, entre os quais o de manipulação da taxa Libor. No entanto, a nova direcção do banco, que assumiu funções em meados de 2012, tem-se demonstrado empenhada em exercer uma mudança na cultura empresarial do banco.

Página 18


A19

ID: 47104590

11-04-2013

Tiragem: 40534

Pág: 32

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 10,75 x 16,79 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Página 19


A20

ID: 47105021

11-04-2013

Tiragem: 156642

Pág: 17

País: Portugal

Cores: Preto e Branco

Period.: Diária

Área: 15,94 x 8,54 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Página 20


A21

ID: 47127463

12-04-2013

Tiragem: 50017

Pág: 32

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Semanal

Área: 26,96 x 27,81 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 2

Página 21


ID: 47127463

12-04-2013

Tiragem: 50017

Pág: 33

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Semanal

Área: 16,22 x 27,67 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 2 de 2

Página 22


A23

ID: 47127533

12-04-2013

Tiragem: 50017

Pág: 54

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Semanal

Área: 5,31 x 11,48 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Página 23


A24

ID: 47126129

12-04-2013

Tiragem: 43021

Pág: 24

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 11,12 x 31,46 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

STRINGER SHANGHAI/REUTERS

Medida pode ser aplicada a outros sectores

UE exige mais transparência na área do petróleo Negócios Joana Gorjão Henriques União Europeia consegue acordo histórico que é fundamental no combate à corrupção. Bono já saudou a medida Depois de anos de discussão e ultrapassado o impasse de uma reunião em Março, a União Europeia chegou finalmente a acordo sobre a adopção de medidas que vão obrigar as empresas petrolíferas, de gás, de diamantes, de minerais ou de florestas a declararem os pagamentos superiores a 100 mil euros aos governos dos respectivos países onde operam, incluindo impostos e taxas de licença. O acordo foi selado na terça-feira, é visto como uma conquista e foi saudado pelo vocalista dos U2 e activista Bono como um marco no combate à corrupção. “A transparência é uma das melhores vacinas contra a corrupção e agora os cidadãos em todo o mundo vão saber quanto é que valem mesmo os recursos naturais dos seus países”, disse, citado pelo The Guardian. O comissário europeu Michel Barnier comentou em comunicado: “Este acordo vem trazer uma nova era à transparência numa indústria que está envolvida vezes de mais em secretismo, e vai ajudar a combater a evasão fiscal e a corrupção”. Por seu lado, o director da organização não-governamental americana de combate à corrupção Global Financial Integrity (GFI), Raymond Baker, reiterou a ideia em comunicado e acrescentou: “Este acordo é

uma vitória enorme para todos os que se importam com o combate à pobreza. Pesquisas da GFI mostram que as perdas anuais para o crime, corrupção e evasão fiscal são da ordem de um trilião de dólares. “Para os cidadãos de países ricos em recursos naturais, as novas regras da UE vão ser uma clarificação dos sítios que mais precisam disso”, disse.

América inspirou As novas regras europeias foram inspiradas na Secção 1504 da lei de reforma financeira americana Dodd-Frank, que entrou em vigor em Agosto e que força as empresas cotadas na bolsa americana a reportar, projecto a projecto e país a país, as suas contas — e é isso que vai acontecer na União Europeia, onde as regras abrangem também as empresas florestais. Do acordo agora alcançado saiu, ainda, o compromisso de rever as regras em 2015 para saber se se estendem a outros sectores, como as telecomunicações e a construção. Na altura, a medida americana foi considerada “histórica” no combate à corrupção por organizações que lutam pela transparência. Em Agosto, a Oxfam disse que a lei americana ia abranger mais de 1100 empresas, o que corresponde a cerca de 90% das companhias petrolíferas internacionais. “Enquanto é importante estimular a transparência nas indústrias de extracção, a corrupção e a evasão fiscal não são exclusivas do petróleo, gás e florestas”, afirmou Heather Lowe, conselheira jurídica e directora do departamento de relações governamentais da GFI: “O próximo passo é estender estas regras a todas indústrias”.

Página 24


A25

ID: 47149111

13-04-2013

Tiragem: 43021

Pág: 19

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 5,17 x 8,37 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Oeiras

Isaltino perdeu mais uma vez e avança com novo recurso O Tribunal de Oeiras rejeitou quarta-feira o pedido de prescrição do crime de branqueamento de capitais, interposto por Isaltino Morais. O despacho da juíza considera “irrelevante que o prazo de prescrição se tivesse completado em Setembro de 2012, porque nessa data já não estava em causa esse prazo, mas sim o de prescrição da pena”. O pedido tinha entrado a 25 de Março e Isaltino vai recorrer mais uma vez.

Página 25


A26

ID: 47150347

13-04-2013

Tiragem: 91108

Pág: 12

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 27,36 x 33,64 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 2

Página 26


ID: 47150347

13-04-2013

Tiragem: 91108

Pág: 1

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 14,64 x 15,02 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 2 de 2

Página 27


A28

ID: 47150538

13-04-2013

Tiragem: 91108

Pág: 31

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 4,39 x 6,39 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Página 28


A29

ID: 47150227

13-04-2013

Tiragem: 27259

Pág: 7

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 4,86 x 7,26 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Página 29


A30

ID: 47150302

13-04-2013

Tiragem: 27259

Pág: 10

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 4,95 x 9,10 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Página 30


A31

ID: 47149987

13-04-2013

Tiragem: 114740

Pág: 22

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Semanal

Área: 29,25 x 45,97 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 3

Página 31


ID: 47149987

13-04-2013

Tiragem: 114740

Pág: 23

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Semanal

Área: 29,52 x 43,91 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 2 de 3

Página 32


ID: 47149987

13-04-2013

Tiragem: 114740

Pág: 1

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Semanal

Área: 5,73 x 30,36 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 3 de 3

Página 33


A34

ID: 47149889

13-04-2013

Tiragem: 114740

Pág: 34

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Semanal

Área: 29,90 x 44,95 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 2

Página 34


ID: 47149889

13-04-2013

Tiragem: 114740

Pág: 35

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Semanal

Área: 13,35 x 44,20 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 2 de 2

Página 35


A36

ID: 47150109

13-04-2013

Tiragem: 40534

Pág: 19

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 10,73 x 19,35 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Página 36


A37

ID: 47150909

13-04-2013

Tiragem: 156642

Pág: 29

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 9,98 x 3,91 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Página 37


A38

ID: 47150776

13-04-2013

Tiragem: 156642

Pág: 48

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 4,15 x 8,50 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Página 38


A39

ID: 47150779

13-04-2013

Tiragem: 156642

Pág: 21

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 21,53 x 31,24 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 2

Página 39


ID: 47150779

13-04-2013

Tiragem: 156642

Pág: 1

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 26,62 x 2,06 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 2 de 2

Página 40


A41

ID: 47160096

14-04-2013

Tiragem: 91108

Pág: 15

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 15,83 x 23,86 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Página 41


A42

ID: 47161013

14-04-2013

Tiragem: 40534

Pág: 20

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 27,47 x 33,72 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 2

Página 42


ID: 47161013

14-04-2013

Tiragem: 40534

Pág: 1

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 15,90 x 10,94 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 2 de 2

Página 43


BRIEF Transparência » Revista Semanal 87