Page 1

w

w w w

w

w

w

w

w

w

w

w

INSTITUTO WILSON MELLO

w w

w

w

w

w

w

w

w

w

w

wellness magazine w

w w

w

w

w

w

w w w

w w w

w

w

w

w

w w

w

w

w

w

w

w

w

w

w

w

w

w

w

w

w

w

w w

w w

w

w

w

w

w

w

w

w

w

w w

w

w w

w w w

w

Ilustrações: br.freepik.com

Quando a bola rola

w

w w w

w

w

w

w

w

w

w

w

w

w

w

w

w

w w w

w

Esporte mais popular do mundo, o futebol traz vários benefícios para a saúde e o bem-estar de quem o pratica. A dica é aliar os jogos a treinos de fortalecimento para não se expor a lesões, que atingem principalmente o joelho e o tornozelo. w w w Páginas w w w 3a6 w w w w w w

w

w

w

w

w

w

w

w w

A importância da avaliação isocinética em jogadores Página 6

w w w

w

IWMello se destaca em educação continuada em Ortopedia e Fisioterapia Página 7

w

w

w w w

CAMPINAS Ano IV no 26 l

l

w


Livro sobre Ortopedia e Traumatologia tem seção assinada pela equipe do IWMello

O

livro Ortopedia e Traumatologia, lançamento da editora Elsevier, conta com uma seção completa coordenada pelo Dr. Wilson Mello e com a participação de médicos e fisioterapeutas do Instituto Wilson Mello, além de convidados de outras instituições, como USP-RP, PUC-Campinas e Unicamp. A publicação foi organizada pela Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT) e assinada por Geraldo Motta e Tarcísio Barros. Dr. Mello e seus colegas foram responsáveis pelo Capítulo 1 Seção Ciência Básica e Fundamentos da Prática Ortopédica, que está dividida nos seguintes temas com seus autores: Embriologia do sistema musculoesquelético - Maurício Kfuri; Fisiologia, estrutura e função do sistema musculoesquelético - José Luís Amim Zabeu; Metabolismo Ósseo - Mustafa Ahmad Zoghbi e Alejandro Enzo Cassone; Princípios do exame ortopédico - Gustavo Constantino de Campos e Paulo César Ferreira Penteado; Princípios do exame neurológico - Carlos Tucci; Consolidação óssea - José Luís Amim Zabeu e Maurício Kfuri; Prevenção da trombose venosa em cirurgia ortopédica - Paulo Henrique Araújo; Dor e seu controle - Fabrício Assis; Biomecânica - Sérgio Rocha Piedade; Análise da marcha - Carolina Lins e Cintia Bittar; Diagnóstico por imagem das afecções do sistema musculoesquelético - Alexandre Peroni Borges e Classificações e avaliações dos resultados - Paulo Eduardo Portes Teixeira e Adriano Marchetto. Produzir e compartilhar conhecimento faz parte da missão do Instituto Wilson Mello! Parabéns aos autores!

Dr. Wilson Mello com o livro recémlançado, que é voltado para ortopedistas

editorial

Nossa atenção ao futebol

Expediente: Wellness Magazine é um informativo do Instituto Wilson Mello (Clínica de Ortopedia, Traumatologia e Medicina do Esporte, Centro Avançado em Fisioterapia Ortopédica e Esportiva, Centro de Wellness e Núcleo de Estudos) Edifício Chicago, 1º andar - Condomínio Praça Capital - Rua José Rocha Bonfim, 214, Jardim Santa Genebra Campinas - SP - Fone: 19 3708-9999 Tiragem: 2.000 exemplares Distribuição interna e em condomínios de Sousas, Barão Geraldo, Gramado e região do Shopping Galleria. Jornalista responsável: Ilone Vilas Boas Mtb 24.216 Textos e edição: Ponto da Notícia

Assessoria de Comunicação Ilone Vilas Boas Telefone: 19 3258-2742. Conselho Editorial Wilson Mello A. Jr. Fernanda Mello Ilone Vilas Boas Michele Peres Ferreira Paulo Cesar F. Penteado Paulo Portes Teixeira Renata Ciol Rodrigo Vasconcelos

Instituto Wilson Mello no facebook: /institutowilsonmellooficial /Academia-Wellness-IWM /nucleodeestudosiwm

acesse nosso site por aqui!

C

omo centro de referência em Ortopedia, Medicina Esportiva e Fisioterapia, o Instituto Wilson Mello recebe atletas das mais diversas modalidades que buscam não só tratamento, mas prevenção a lesões esportivas. E o futebol é uma dessas modalidades. Trabalhando há mais de 40 anos como Ortopedista, já tratei muitos jogadores, desde profissionais até atletas de fim de semana. O joelho é uma das articulações mais atingidas no futebol devido aos gestos desse esporte, que envolvem dribles, chutes, giros, arrancadas bruscas, etc. Assim, os riscos de lesão sempre acompanham os atletas, principalmente aqueles que não se preparam adequadamente para o jogo. Isso porque jogar futebol não é somente juntar dois times, pegar uma bola e ir para o campo. Quem pratica o esporte com regularidade e faz paralelamente um trabalho de fortalecimento muscular duas a três vezes por semana alcança muito mais benefícios com sua prática, que sabemos incluir não só a parte física, mas também a social. www.iwmello.com.br - wellness

2

Nesta edição da Wellness Magazine, aproveitamos o clima de Copa do Mundo para falar do esporte que é a maior paixão do brasileiro: seus benefícios para a saúde, o bem estar e o convívio social e também os cuidados que os praticantes devem ter para jogar sua bola com tranquilidade. No Instituto Wilson Mello, nosso atendimento multidisciplinar a jogadores de futebol envolve também a avaliação funcional, que oferece dados quantitativos e qualitativos baseados em evidência científica, mostrando que essa avaliação é de grande importância para prevenção, reabilitação e alta pós-cirúrgica. Como a Copa do Mundo desperta o sonho de ser um craque em muitas de nossas crianças, desejamos que esse sonho comece de forma correta e que o esporte tenha cada vez mais espaço na vida das novas gerações, porque se serão craques não podemos saber, mas poderão ser mais saudáveis e felizes. Isso, sim. Boa leitura! Wilson Mello A. Jr. – coordenador da equipe do Instituto Wilson Mello


Futebol:

a paixão nacional Levantamento do IBGE concluiu que existem no Brasil mais de 39,4 milhões de praticantes

Ilustrações: br.freepik.com

E

m ano de Copa do Mundo, aumenta o interesse pelo futebol, o esporte mais popular do planeta. Estima-se que cerca de 265 milhões de pessoas praticam futebol com regularidade em todo o mundo. Para se ter uma ideia, a FIFA, Federação Internacional de Futebol, tem 211 países associados, superando a própria ONU (Organização das Nações Unidas), com 193 nações membros. No Brasil, um estudo do IBGE concluiu que existem mais de 39,4 milhões de praticantes de futebol. São milhares de clubes e equipes espalhados de norte a sul do País, desde os profissionais que disputam as grandes competições, até os amadores, os chamados times de várzea.

Bom para a saúde e o convívio social M

ais do que o exercício físico, muitos praticantes de futebol estão em busca de interação, convívio, lazer. É o momento de relaxar, encontrar amigos e construir novas amizades, desestressar. “Se praticado com regularidade – no mínimo duas vezes por semana durante 40 minutos – o futebol é um ótimo aliado à saúde e ao bem-estar”, explica o ortopedista Dr. Wilson Mello, líder da equipe do Instituto Wilson Mello. Com movimentos intensos e variados, que vão desde corrida e chutes até giros e saltos, o futebol previne a osteoporose, alivia os sintomas da TPM no caso das mulheres, ajuda a emagrecer, combate a ansiedade, o estresse e a depressão, elimina o sedentarismo e estimula o convívio social.

Após o início da prática, uma das condições mais desenvolvidas no corpo e que pode ser observada é a melhora do condicionamento físico, já que a necessidade de correr intensamente durante um determinado período de tempo aumenta a capacidade cardíaca. Com um bom condicionamento físico, a probabilidade de desenvolver doenças cardíacas diminui consideravelmente, pois a oxigenação do sangue melhora, equilibrando o bombeamento para o coração. Outro benefício evidente é o ganho de força e o aumento de massa muscular dos membros superiores, abdome e principalmente membros inferiores – coxa, panturrilha e perna. Esse aumento de massa muscular e ganho de força acontece porque esses www.iwmello.com.br - wellness

3

grupos musculares estão sendo ativados constantemente, levando à multiplicação de fibras musculares. O educador físico Lucas Reimberg, coordenador da Change Academia do Instituto Wilson Mello, ensina que é preciso aliar a prática do futebol com a musculação. “Para uma melhor qualidade de vida, o ideal são de 2 a 3 vezes por semana de treino de fortalecimento muscular, principalmente perna e core, que dão estabilidade para as articulações do quadril, joelho e coluna”. Segundo ele, o praticante de futebol também desenvolve mais sua flexibilidade, agilidade e reflexo, melhorando o equilíbrio. Para se beneficiar de tudo isso, é essencial começar a prática aos poucos e sempre respeitando os limites do corpo para que não ocorram lesões. Além disso, antes de iniciar uma prática esportiva, a dica é fazer uma avaliação médica para descartar qualquer 4 impedimento.


Riscos de lesão sempre existem! É preciso cuidado Freddy Beretta

D

e modo geral, a maioria das lesões no futebol acontece principalmente por contusões, pancadas, traumas diretos e entorses que podem ocorrer também no contato com o adversário, por uso de calçado inadequado ou por um campo ruim, com buraco. E isso inclui não apenas o joelho, mas lesões musculares e contusões ao redor do joelho ou ao redor da coxa e da perna, o que também pode comprometer a função do joelho durante o esporte. De forma específica no joelho, as lesões mais comuns no futebol são as tendinopatias (antigamente chamadas de tendinites), sendo a mais comum a tendinopatia do tendão patelar. Já os entorses de joelho são relativamente comuns, podendo gerar lesões ligamentares, como dos ligamentos colateral medial, colateral lateral, cruzado anterior - a lesão do ligamento cruzado posterior é muito rara no futebol - e também podem acontecer lesões meniscais e osteocondrais. Em relação ao pé e tornozelo, o entorse de tornozelo, principalmente entorse de inversão, é bastante comum, seguido de tendinopatias ao redor do tornozelo que podem ser no tendão de aquiles, (tendão do calcâneo), os tendões fibulares e, menos frequentes, a tendinopatia do tibial posterior. Na panturrilha, são comuns as lesões musculares por contusão, pancada ou por estiramento que acontecem sem contato, mas que também podem comprometer a função do tornozelo. Além disso, a falta de condicionamento físico é um agravante porque sem uma musculatura preparada, a pessoa pode ter lesões musculares, o tal estiramento, e evoluir para lesões de sobrecarga dos tendões, ligamentos, levando a tendinopatias e assim por diante. Cada lesão no futebol é tratada de uma determinada forma segundo o diagnóstico do ortopedista e o diagnóstico de disfunção feito pelo fisioterapeuta. Em cima disso conseguimos traçar qual a melhor conduta para aquele caso, seja tratamento conservador ou tratamento cirúrgico, como por exemplo numa reconstrução do ligamento cruzado anterior e depois seguir com o tratamento de fisioterapia. De modo geral, o tratamento das lesões pode ser cirúrgico seguido de medicação e fisioterapia ou conservador, com medicação e fisioterapia. Freddy Beretta é fisioterapeuta do Instituto Wilson Mello, mestre e doutorando em Ciências da Cirurgia pela Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp.

Fotos: Reprodução Internet

Lesão do LCA tira Daniel Alves da Copa O lateral direito Daniel Alves, que disputaria sua terceira Copa do Mundo, ficou fora da competição devido a uma lesão do Ligamento Cruzado Anterior (LCA) do joelho. Ele sofreu uma ruptura do LCA jogando pelo PSG na final da Copa da França, no dia 8 de maio. O tratamento, nestes casos, é cirúrgico, pois é necessário reconstruir o ligamento. O prazo previsto para voltar a jogar é de 6 meses.

Para conhecer mais sobre o Instituto Wilson Mello, acesse www.iwmello.com.br www.iwmello.com.br - wellness

4


Craques cortados da Copa por lesão

LCA: a maior preocupação dos jogadores

O grande sonho de todo jogador de futebol é disputar uma Copa do Mundo. Imagine quando a competição está próxima e o atleta se machuca e fica fora! Relembre alguns casos de supercraques cortados da Copa por problemas de lesão: 1962: Alfredo Di Stefano (Espanha) O atacante da Seleção Espanhola não atuou na Copa do Mundo de 1962, no Chile, devido a uma contusão. 1974: Clodoaldo (Brasil) O volante brasileiro ficou de fora da Copa 74 na Alemanha por causa de uma contratura na coxa. Fotos: Reprodução Internet

1994: Marco Van Basten (Holanda) Eleito o melhor jogador da Europa por três vezes, o atacante da Seleção Holandesa ficou de fora do campeonato mundial de 1994 nos Estados Unidos por causa de lesões nos tornozelos. 1998: Romário (Brasil) Às vésperas da Copa do Mundo da França, em 1998, Romário teve uma lesão da panturrilha, assim como na Copa de 1990 e teve que ficar fora dos gramados. 2002: Sebastian Deisler (Alemanha) Sebastian Deisler, um dos grandes meio-campistas da Alemanha, teve uma lesão no joelho e não participou da Copa de 2002 na Coréia do Sul/Japão. 2010: David Beckham (Inglaterra) Após uma lesão no Tendão de Aquiles, Beckham foi impedido de participar da Copa do Mundo da África do Sul de 2010 pela Seleção Inglesa.

Gustavo Campos

A

lesão do Ligamento Cruzado Anterior (LCA) em jogador de futebol, como a que tirou o lateral Daniel Alves da Copa da Rússia, é quase sempre de tratamento cirúrgico. Isso porque o LCA não cicatriza sozinho. Sua função é estabilizar a translação anterior e a rotação entre os ossos do joelho (fêmur e tíbia). Sem o LCA o joelho fica instável. O LCA pode ser rompido devido a entorses, mudanças bruscas de movimento, paradas abruptas enquanto corre, durante uma queda e no contato direto entre jogadores. O quadro típico de uma lesão do LCA é uma torção do joelho acompanhada da sensação (ou mesmo som) de um forte estalo ou da sensação de o joelho “sair do lugar”. Outros sintomas da lesão aguda, além da dor, são perda de movimento, inchaço, dor na interlinha articular e desconforto para andar. Sabe-se que o praticante de futebol que apresenta entorse de joelho seguido de grande inchaço (derrame articular) tem uma probabilidade de 80% de ter tido uma lesão do LCA. Para o diagnóstico da lesão, é preciso caracterizar bem o trauma e realizar testes no joelho, os quais demonstrarão a lesão do ligamento. Além disso, são solicitados exames complementares, como radiografia e ressonância magnética, que ajudarão a demonstrar lesões associadas. O diagnóstico deve incluir também uma avaliação funcional, que irá determinar a capacidade do paciente em lidar com a ausência do ligamento. Isto porque, excetuando-se os casos de pacientes muito ativos e jovens, nos quais a cirurgia quase sempre será recomendada, existe uma grande variação entre os indivíduos. Alguns possuem força e controle motor que permitirão uma vida normal e ativa sem cirurgia, enquanto outros serão incapazes de levar uma vida normal sem a reconstrução do ligamento. E a avaliação funcional é capaz de definir estes dois casos. Se a opção for cirúrgica, a reconstrução do ligamento é realizada usando enxertos do próprio paciente. A cirurgia é feita por meio de videoartroscopia, técnica minimamente invasiva que permite melhor visualização das estruturas e menor dor no pós-operatório.

2014: Falcao García (Colômbia) A Seleção da Colômbia perdeu sua principal aposta do Mundial de 2014 no Brasil; o atacante Falcao García ficou de fora após lesão do ligamento cruzado do joelho esquerdo.

www.iwmello.com.br - wellness

Gustavo Campos é ortopedista especialista em Cirurgia do Joelho do Instituto Wilson Mello

5


Fotos: Reprodução Internet

A importância do treino e da avaliação isocinética em jogadores de futebol Felippe Ribeiro

O

s treinamentos e as avaliações funcionais modernas, realizados com dados quantitativos e qualitativos e baseados em evidência científica, têm se mostrado de grande importância para atletas de futebol, principalmente pensando em prevenção, reabilitação e alta pós-cirúrgica. Nas chamadas pré-temporadas, os clubes mais modernos do mundo e do Brasil realizam diversos exames, como cardiológicos, nutricionais e funcionais, entre outros. Nesta lista está incluída a dinamometria isocinética (foto), que verifica os déficits musculares, de força, a potência e a resistência do seguimento avaliado, gerando assim um laudo com o déficit ou desequilíbrio muscular do atleta. A partir desse laudo, os clubes realizam um trabalho muito mais específico para cada atleta, aproveitando a pré-temporada para treinamentos que irão contribuir na prevenção de lesões durante toda a competição. Nos atletas que passaram por cirurgia de joelho, como cirurgias meniscais, ligamentares e de cartilagem, a avaliação isocinética é um dos critérios mais importantes dentro da avaliação funcional para alta do paciente. Quando se avalia um atleta para alta e retorno aos gramados, há a necessidade de que os déficits da musculatura da coxa, nesse caso, não ultrapassem 10% em comparação ao lado contralateral, e que não haja desequilíbrios entre as musculaturas anterior e posterior da coxa. Na avaliação funcional, além da dinamometria isocinética, realizamos teste dinâmico funcional de salto triplo cruzado, testes ligamentares estáticos, questionários de função e qualidade de vida e amplitude de movimento. Em todos os testes, o atleta precisa atingir uma pontuação mínima para que possamos liberá-lo para jogar com o máximo de segurança e prevenção, tudo isso com base em evidências científicas atuais. Existe ainda uma modalidade chamada de treino isocinético, e aqui no Instituto Wilson Mello focamos o treino no dinamômetro em atletas que estão com atraso na reabilitação ou fraqueza acentuada em algum músculo específico. São sessões de uma hora em que realizamos treino de força das mais variadas maneiras - concêntrica, excêntrica e em velocidades diferentes - para que consigamos com maior rapidez e qualidade sobrecarregar aquela musculatura fraca e, a partir daí, fortalecê-la também o mais rápido possível. Torna-se, portanto, cada vez mais importante valorizar a avaliação funcional do atleta, pois só assim é possível verificar de maneira precisa as necessidades e corrigir as deficiências encontradas nos jogadores de futebol, devolvendo-os aos gramados com o máximo de segurança possível. Felippe Ribeiro é fisioterapeuta e coordenador do Laboratório de Avaliação Funcional do IWMello e Pós-Graduado em Ortopedia e Traumatologia

O pé do Neymar que preocupou o País Dra. Cintia Bittar

R

ecentemente, a lesão que mais chamou a atenção no mundo do futebol, amplamente discutida e que até gerou algumas polêmicas, foi a fissura (uma fratura incompleta) do quinto metatarso do pé de Neymar, causada pela contusão (entorse) do tornozelo que ocorreu em fevereiro no jogo do Paris Saint-Germain contra o Olympique de Marselha. Apesar de o atacante ter lesionado também o ligamento do tornozelo, a preocupação maior dos médicos foi com a fissura do quinto metatarso, que poderia deixar Neymar fora da Copa do Mundo da Rússia. O dilema estava entre o tratamento conservador e o cirúrgico. Por ser um atleta, a decisão foi pela cirurgia, pois a recuperação e a reabilitação seriam mais rápidas do que o tratamento conservador neste caso. E pelo pouco tempo entre a Copa do Mundo e a lesão não dava para arriscar. Embora a cirurgia tenha sido a escolha para tratar Neymar, a melhor decisão vai depender do tipo de fratura no quinto osso do metatarso, tempo de recuperação, condições de partes moles no local da lesão e o perfil do paciente, se idoso, atleta ou jovem. Dra. Cintia Bittar é ortopedista especialista em Cirurgia do Pé e Tornozelo do Instituto Wilson Mello

Dicas

l Praticar futebol num campo adequado, tomar cuidado com buracos no solo; l Usar calçado adequado, especial atenção a chuteiras com travas que prendem demais o pé no solo; l Cuidado com a preparação física, evitar praticar caso esteja com sobrepeso ou sem condicionamento porque isso pode gerar lesões de sobrecarga, overuse em cima das articulações; l Manter em paralelo outra atividade de preparação física, fazer um condicionamento físico adequado de fortalecimento, melhora da capacidade cardiorrespiratória, treino de flexibilidade para que o corpo esteja apto para jogar futebol; l O fortalecimento do CORE (musculatura lombar e abdominal) é comprovadamente eficaz em reduzir lesões dos membros inferiores no futebol; l Lembrar que a prática de esporte sem preparação, muitas vezes jogando com sobrepeso uma única vez por semana, torna a chance de ter alguma lesão ainda maior.

Quando começar a praticar

l A criança pode começar a jogar futebol a partir de 3 ou 4 anos de forma lúdica, como em qualquer outro esporte. A criança tem que entender que aquilo é uma brincadeira, sem muita regra. Depois, com os anos, é possível ensinar as regras e os fundamentos do esporte. l

www.iwmello.com.br - wellness

6


Referência em Educação Continuada Núcleo de Estudos oferece cursos com ênfase nas áreas de Ortopedia e Reabilitação

O

Instituto Wilson Mello tem se destacado como referência em cursos de educação continuada nas áreas de Ortopedia e Fisioterapia. Esse ano, serão realizados vários programas, com destaque para o Programa de Educação Médica Continuada Instituto Wilson Mello/Attis Medical, a Certificação Internacional Avançada da Reabilitação da Coluna Baseada no Sistema de Subgrupos em parceria com Universidade de Pittsburgh e o PPCR - Principles and Practice of Clinical Research com a Universidade de Harvard.

Idealizado pelo Dr. Wilson Mello e com início em 2017, o Programa de Educação Médica Continuada Instituto Wilson Mello/Attis Medical contará com oito cursos hands on até o final ano voltados a ortopedistas interessados em cirurgia do joelho e do ombro. Os dois primeiros ocorreram em março, no Vitória Hotel Express Dom Pedro em Campinas/ SP, reunindo 12 participantes cada um. O Curso de Cirurgia do Joelho teve como tema “Artroscopia e Ligamento. A programação científica abordou Menisco e Ligamento Cruzado Anterior.

Certificação Internacional da Coluna tem parceria com Universidade de Pittsburgh

P

ela segunda vez, o Núcleo de Estudos do Instituto Wilson Mello realiza o Curso de Certificação Internacional Avançada em Reabilitação da Coluna Baseada no Sistema de Subgrupos em parceria com a Universidade de Pittsburgh. Esse ano está prevista a realização de três módulos, em maio, agosto e outubro, com coordenação do fisioterapeuta Rodrigo Vasconcelos, Ph.D. O Módulo I marcado para o período de 24 a 27 de maio tem como tema a lombalgia e o objetivo é proporcionar aos alunos melhor compreensão e utilização da abordagem de Subgrupos no tratamento da dor lombar. Para esse curso, o palestrante da Universidade de Pittsburgh presente é Muhammad Alrwaily, PhD. and Master’s em Ciências da Reabilitação. Durante o curso, os participantes aplicam nas aulas práticas os ensinamentos passados

pelo professor de Pittsburgh e os fisioterapeutas professores do Instituto Wilson Mello. O Sistema de Classificação em Subgrupos é uma metodologia de abordagem específica para tratamento de pacientes com dor lombar e cervical, no qual são classificados em grupos diferentes (subgrupos) de acordo com sintomas, sinais e características apontados por eles durante o processo de avaliação.

Participantes de diferentes serviços de Ortopedia e de várias cidades acompanharam as aulas teóricas e depois realizaram cirurgias de treinamento em simuladores realísticos de joelho. O Curso Hand’s On de Cirurgia do Ombro Manguito e Instabilidade – Artroscopia teve coordenação do Chefe do Departamento de Ortopedia da PUC-Campinas, Dr. Carlos Mattos. Mais uma vez os médicos participantes assistiram às aulas teóricas e depois realizaram cirurgias de treinamento em simuladores realísticos de ombro.

Curso com certificado da Universidade de Harvard para profissionais da saúde

O

Instituto Wilson Mello tem uma parceria com a Universidade de Harvard (EUA) para a realização do curso à distância PPCR - Principles and Practice of Clinical Research -, um dos melhores cursos em pesquisa clínica do mundo, coordenado no IWMello pela fisioterapeuta Prof. Dra. Carolina Lins. O curso, que teve início em março e terminará em dezembro deste ano, conta com a participação de quatro profissionais da área de saúde. Todas as quintas-feiras os alunos se reúnem no Instituto para as videoconferências diretamente com Harvard, em Boston, onde acompanham as aulas e discussões. Além disso são chamados aleatoriamente pelos professores para comentar e opinar sobre o tema em questão. “Mais de 30 grupos de todo o mundo estão, simultaneamente, conectados com Harvard para as aulas. Os debates, discussões e intercâmbio de experiências entre os participantes são de uma riqueza ímpar!”, explica Carolina. Na opinião dos alunos, os médicos Uanderson Resende, de Poços de Caldas (MG), Ludmila Santos e Gabriela Yamaguti, de Campinas, e o biólogo Fernando Marson, também de Campinas, o curso está sendo excepcional pela oportunidade de interagir com grupos de diversos países e ter contato com uma das melhores universidades do mundo. Os alunos mencionam ainda que a didática e o treinamento intenso do curso estão sendo fundamentais para o desenvolvimento de suas habilidades em pesquisa clínica, com conteúdo altamente atualizado na área. “Poder contar com um curso deste nível em Campinas, com certificado de uma das principais universidades do mundo é um privilégio para nós, além do grande diferencial em nossos currículos”, diz Fernando Marson. Confira no link http://www.iwmello.com.br/nucleodeestudos/cursos/10 todas as informações sobre o curso e como se inscrever para participar da segunda turma, em 2019. www.iwmello.com.br - wellness

7


www.iwmello.com.br - wellness

6

Wellness26  
Wellness26  
Advertisement