__MAIN_TEXT__

Page 1

Instituto Vida Nova Integração Educação e Cidadania Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis correspondentes aos Períodos findos em: 31 de Dezembro de 2017 e 2016

1


Demonstrações Contábeis Em 31 de Dezembro de 2.017 e 2.016

Conteúdo

Relatório dos Auditores Independentes Balanços Patrimoniais Demonstrações de Resultados Demonstrações das Mutações do Patrimônio Social Demonstração do Fluxo de Caixa Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis

2


RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES À Diretoria e Administração da Instituto Vida Nova Integração Educação e Cidadania São Paulo - SP Opinião 1.

Examinamos as demonstrações contábeis do Instituto Vida Nova – Integração Educação e Cidadania que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2017 e as respectivas demonstrações de resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa, para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis aplicáveis às entidades sem finalidade de lucro e demais notas explicativas.

2.

Em nossa opinião, com base em nosso exame, as demonstrações contábeis referidas no primeiro parágrafo, apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira do Instituto Vida Nova – Integração Educação e Cidadania em 31 de dezembro de 2017, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às entidades sem finalidade de lucro.

Base para Opinião 3.

Nossa auditoria foi conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Nossas responsabilidades, em conformidade com tais normas, estão descritas na seção a seguir intitulada “Responsabilidade do auditor pela auditoria das demonstrações contábeis”. Somos independentes em relação ao Instituto Vida Nova – Integração Educação e Cidadania de acordo com os princípios éticos relevantes previstos no Código de Ética Profissional do Contador e nas Normas profissionais emitidas pelo Conselho Federal de Contabilidade – CFC e cumprimos com as demais responsabilidades éticas de acordo com essas normas. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião.

Outros Assuntos Auditoria do período anterior

4.

O exercício anterior findo em 31/12/2016 apresentado em comparação, não foi por nós auditado e nem por outros auditores independentes. Assim neste contexto efetuamos a aplicação dos procedimentos requeridos pela NBC-TA-510 Trabalhos Iniciais (Saldos Iniciais), onde, não foram evidenciados nàqueles outros saldos de 31 de dezembro de 2016 suscitarem eventuais distorções significativas, que pudessem revelar a necessidade de ajustes.

Responsabilidade da administração e da governança pelas demonstrações contábeis 5.

A Administração do Instituto Vida Nova – Integração Educação e Cidadania é responsável pela elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às entidades sem finalidade de lucro, assim como pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração dessas demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro.

3


6.

Na elaboração das demonstrações contábeis, a administração é responsável pela avaliação da capacidade do Instituto Vida Nova – Integração Educação e Cidadania continuar operando, divulgando, quando aplicável os assuntos relacionados com a sua continuidade operacional e o uso dessa base contábil na elaboração das demonstrações contábeis, a não ser que a administração tenha preferido liquidar o Instituto ou cessar suas operações, ou não tenha nenhuma alternativa realista para evitar o encerramento das operações.

7.

Os responsáveis pela governança do Instituto Vida Nova – Integração Educação e Cidadania são aqueles com responsabilidade pela supervisão do processo de elaboração das demonstrações contábeis.

Responsabilidades do auditor pela auditoria das demonstrações contábeis 8.

Nossos objetivos são obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis, tomadas em conjunto, estão livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro e emitir relatório de auditoria contendo nossa opinião. Segurança razoável é um alto nível de segurança, mas não uma garantia de que uma auditoria realizada de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria sempre detectarão as eventuais distorções relevantes existentes. As distorções podem ser decorrentes de fraude ou erro e são consideradas relevantes quando, individualmente ou em conjunto, possam influenciar, dentro de uma perspectiva razoável, as decisões econômicas dos usuários tomadas com base nas referidas demonstrações contábeis.

9.

Como parte de uma auditoria realizada de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria, exercemos julgamento profissional, e mantemos ceticismo profissional ao longo da auditoria. Além disso: 

Identificamos e avaliamos os riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro, planejamos e executamos procedimentos de auditoria em resposta a tais riscos, bem como obtemos evidência de auditoria apropriada e suficiente para fundamentar nossa opinião. O risco de não detecção de distorção relevante resultante de fraude é maior do que o proveniente de erro, já que a fraude pode envolver o ato de burlar os controles internos, conluio, falsificação, omissão ou representações falsas intencionais.

Obtemos entendimento dos controles internos relevantes para a auditoria para planejarmos procedimentos de auditoria apropriados nas circunstâncias, mas não com o objetivo de expressarmos opinião sobre a eficácia dos controles internos do Instituto.

Avaliamos a adequação das políticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis e respectivas divulgações feitas pela administração.

Concluímos sobre a adequação do uso, pela administração, da base contábil de continuidade operacional e, com base nas evidências de auditoria obtidas, se existe uma incerteza relevante em relação a eventos ou condições que possam levantar dúvida significativa em relação à capacidade de continuidade operacional do Instituto. Se concluirmos que existe incerteza relevante, devemos chamar atenção em nosso relatório de auditoria para as respectivas divulgações nas demonstrações contábeis ou incluir modificação em nossa opinião, se as divulgações forem inadequadas. Nossas conclusões estão fundamentadas nas evidências de auditoria obtidas até a data de nosso relatório. Todavia, eventos ou condições futuras podem levar o Instituto a não mais se manter em continuidade operacional.

Avaliamos a apresentação geral, a estrutura e o conteúdo das demonstrações contábeis, inclusive as divulgações e se as demonstrações contábeis representam as correspondentes transações e os eventos de maneira compatível com o objetivo de apresentação adequada.

4


10. Comunicamo-nos com os responsáveis pela governança a respeito, entre outros aspectos, do alcance planejado, da época da auditoria e das constatações significativas de auditoria, inclusive as eventuais deficiências significativas nos controles internos que identificamos durante nossos trabalhos.

São Paulo, 15 de novembro de 2018.

Paulo Cesar R. Peppe

Contador CRC-SP nº 1SP095009/O-5

5


INSTITUTO VIDA NOVA - Integração Educação e Cidadania CNPJ - 03855787/0001-61

Balanços Patrimoniais Exercícios findos em 31 de dezembro de 2017 e 2016. (em reais) ATIVO

Nota

CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa Caixa Geral Bancos Conta Movimento Aplicações de Liquidez Imediata: - De Livre Movimentação - De Uso Restrito - Proj. Vinculados Total Outros Créditos e Valores Perdas de Subvenção a Recuperar Adiantamentos

31/12/2016

PASSIVO

1,21 12.053,10

0,18 141,29

6.374,51 318.388,59 336.817,41

4.396,06 443.976,55 448.514,08

184,03 184,03 337.001,44

7.000,00 175,50 7.175,50 455.689,58

Total do ativo não circulante

50.283,00 34.112,27 84.395,27 300,00 84.695,27 84.695,27

Total do Ativo

428.431,40

540.384,85

31/12/2016

3,58 3,58

Total do passivo circulante

311.438,59 6.950,00 20.178,58 338.567,17 341.328,67

443.976,55 16.936,10 460.912,65 460.916,23

PATRIMÔNIO LÍQUIDO Patrimônio social Déficit do Exercício Total do patrimônio líquido

75.832,39 11.270,34 87.102,73

75.832,39 3.636,23 79.468,62

Total do Passivo e Patrimônio Líquido

428.431,40

540.384,85

As notas explicativas são partes integrantes das Demonstrações Contábeis

6

31/12/2017

2.757,75 3,75 2.761,50

Subvenções Parcerias e Convênios Recursos de Proj. em Execução / Saúde Antecipações a Projetos em Saúde Rec. Diferidas / Subv. Imobilizadas

nº 4 50.283,00 40.846,96 91.129,96 300,00 91.429,96 91.429,96

Nota

CIRCULANTE Obrigações e Retenções Contas a Pagar - Créditos de Diretores Retenções Tributárias - ISS

nº 3

Total do ativo circulante NÃO CIRCULANTE Imobilizado / Bens Tangíveis Bens sem restrição - Valor Líquido Bens com restrição - Valor Líquido Total do imobilizado Tangível Imobilizado / Bens Intangíveis Restritos

31/12/2017

nº 5


\

INSTITUTO VIDA NOVA - Integração Educação e Cidadania CNPJ - 03855787/0001-61

Demonstrações de Superávit / Déficit Exercícios findos em 31 de dezembro de 2017 e 2016. (em reais) 31/12/2017

31/12/2016

RECEITAS OPERACIONAIS - Com Restrições / Projetos Saúde CC-1477-X TC 472/2016 - Relações Humanas HIV/Aids CC-1712 - Agora Você Esta Pronto - Ex 2 CC-1713 - TC 023/2015 - Releste SMS- ex.2 e 1 CC-1310/2 - Meu Bem Querer - ex.1 CC-1713/2 - TC 09/2017 - Assisprev - SMS Receitas Financeiras Vinculadas

17.278,34 463.410,18 85.449,84 104.847,49 15.145,77 -

1.574,24 262.632,47 86.628,00 43.636,27 19.918,40

686.131,62

414.389,38

Total das Receitas sem Restrições

119.646,59 100,00 8.248,85 127.995,44

18.470,00 59.732,81 500,00 4.624,23 23.552,70 21.406,49 6.340,00 134.626,23

Total das Receitas Operacionais

814.127,06

549.015,61

17.278,34 470.410,18 85.449,84 104.847,49 15.145,77 693.131,62

1.640,24 268.733,67 92.237,38 44.901,59 407.512,88

45.857,40 11.680,00 10.288,09 2.793,82 6.831,24 1.105,05 7.675,10 14.028,19 4.270,88 5.955,01 110.484,78

50.521,93 11.368,29 10.120,68 19.383,07 2.715,83 807,09 9.194,42 10.951,66 5.527,88 4.592,43 1.663,69 6.340,00 3.131,31 136.318,28

803.616,40 10.510,66

543.831,16 5.184,45

Total das Receitas com Restrições

- Sem Restrições Contribuições dos Colaboradores Receitas de Doações em Espécies (PF) Receitas de Doações em Espécies (PJ) Receitas de Doações em Materiais (PF) Receitas de Doações em Materiais (PJ) Receitas de Promoções, Eventos e Bazares Outras Receitas de Doações (Cestas Básicas a Distribuir)

CUSTOS E DESPESAS OPERACIONAIS - Com os Projetos (Saúde) Projeto Relações Humanas HIV/Aids TC 472/2016 Projeto Agora Você Esta Pronto - Ex 2 Projeto Releste SMS- TC 023/2015- ex.2 Projeto Meu Bem Querer - ex.1 Projeto Assisprev - SMS - TC 09/2017 Total das Despesas com Projetos

- Despesas Administrativas e Gerais com a Operação -

Despesas com Alugueis Auxílio a Voluntários e Reembolso despeas c/ diretores Despesas com Água, Energia Elétrica, Gás, Telefone e Comunicações Material de Limpeza, Higiene e Manutenções / Manut, Sede Material de Escritório, Informática, Gráfica e Consumo Lanches, refeições e despesas de Copa Despesas c/ Veículos (Seguro, Combustíveis, Pedágios e Multas) Serviços Profissionais sem vínculos e encargos Impostos, taxas e contribuições fiscais Despesas com Depreciações dos Ativos Despesas com Seguros Distribuição de Cestas Básicas Outras despesas operacioais diversas Total das Outras Despesas nos Programas e Atividades Total dos Custos e Despesas Operacionais

Resultado Bruto = Superavit Operacional Outras Receitas e Desp. Operac. e Resultado Financeiro - Receitas Financeiras não Vinculadas - (-) Desp. Financeiras (Juros Passivos / IOF / Desp. Bancárias) - Outras Receitas e Despesas Total das Outras Receitas e Despesas Operacionais

Déficit Operacional líquido total do período

277,86 (3.154,41) -

410,81 (1.959,03) -

(2.876,55)

(1.548,22)

7.634,11

3.636,23

As notas explicativas são partes integrantes das Demonstrações Contábeis

7


INSTITUTO VIDA NOVA - Integração Educação e Cidadania CNPJ - 03855787/0001-61

Demonstrações das Mutações do Patrimônio Líquido Exercícios findos em 31 de dezembro de 2017 e 2016. (em reais) Patrimônio social

Subvenções e Doações Patrimoniais

(-) Déficit / Superávit do exercício

Total

Saldo em 31 de Dezembro de 2015

13.161,30

-

62.671,09

Superávit de 2015 incorporado ao patrimônio social

62.671,09

-

(62.671,09)

-

3.636,23

3.636,23

-

3.636,23

79.468,62

-

7.634,11

7.634,11

-

11.270,34

87.102,73

Superavit do exercício findo em 31/12/2016

-

Saldo em 31 de Dezembro de 2016

75.832,39

Superavit do exercício findo em 31/12/2017

-

Saldo em 31 de Dezembro de 2017

75.832,39

As notas explicativas são partes integrantes das Demonstrações Contábeis

8

75.832,39 -


INSTITUTO VIDA NOVA - Integração Educação e Cidadania CNPJ - 03855787/0001-61

Demonstrações dos Fluxos de Caixa (Método Indireto) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2017 e 2016. (em reais) Nota

Fluxo de caixa proveniente das operações: Déficit líquido total do exercício Itens que não Afetam o Caixa: Depreciações e amortizações Variações no Ativo Circulante e Não Circulante Perdas de Subvenção a Recuperar Doações a Receber - Educação (Com restrições) Adiantamento

Variações no Passivo Circulante e Não Circulante Contas a Pagar - Créditos de Diretores Retenções Tributárias - ISS Total das Atividades Operacionais

Atividades de Investimentos Aquisição de Imobilizado / Bens com Restrição Total das Atividades de Investimentos

Atividades de Financiamentos Subvenções Parcerias e Convênios Recursos de Proj. em Execução / Saúde Doações com Restrições para Saúde Antecipações a Projetos em Saúde Rec. Diferidas / Subv. Imobilizadas Total das Atividades de Financiamentos

Total do aumento líquido de Caixa e Equivalentes de Caixa

31/12/2017

31/12/2016

7.634,11

3.636,23

7.634,11

4.592,43 8.228,66

7.000,00 (8,53) 6.991,47

(7.000,00) 21.752,70 (18,19) 14.734,51

2.757,75 0,17 2.757,92

3,58 3,58

17.383,50

22.966,75

(6.734,69)

(21.684,70)

(6.734,69)

(21.684,70)

(132.537,96) 6.950,00 3.242,48 (122.345,48)

272.338,68 (21.752,70) 250.585,98

(111.696,67)

251.868,03

336.817,41 448.514,08 (111.696,67)

448.514,08 196.646,05 251.868,03

Variação no Caixa e Equivalentes de Caixa Saldo final de Caixa e Equivalentes de Caixa Saldo inicial de Caixa e Equivalentes de Caixa Variação no Caixa e Equivalentes de Caixa

As notas explicativas são partes integrantes das Demonstrações Contábeis

9


INSTITUTO VIDA NOVA – INTEGRAÇÃO EDUCAÇÃO E CIDADANIA NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2017 E 2016 (Em reais) 1.

CONTEXTO OPERACIONAL O Instituto Vida Nova – Integração Educação e Cidadania, é uma entidade sem fins econômicos, com sede e foro na Cidade de São Paulo – SP, à Rua Professor Assis Veloso, 226 - Jardim Diadema, São Vicente. O Instituto Vida Nova – Integração Educação e Cidadania têm como objetivo principal e finalidades voltadas ao atendimento a pessoas portadoras do HIV/AIDS, com problema de mobilidade e levar ao conhecimento da população sobre os riscos e a prevenção contra DST/AIDS e outras doenças. Contando para realizar suas atividades com Contribuições, Doações, Parcerias, Convênios e Subvenções Governamentais e ou iniciativa privada. Atividades Atua como pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, constituída nos termos da Lei nº. 10.406 de 10 de Janeiro de 2002, atualizada pela Lei nº. 11.127/2005 e legislações especificas anteriores, como ASSOCIAÇÃO PRIVADA de Serviços de Assistência Social sem Alojamento, tendo por vocação e finalidade a assistência social gratuita à comunidade a qual representa, através de projetos de inclusão social e do repasse de benefícios.

Exercício Social O início do Exercício Social se deu no dia 01/Janeiro/2017 e encerrou-se no dia 31/Dezembro/2017. Contribuições, Doações, Subvenções e Outras Rendas As contribuições, doações, rendas financeiras, doação de materiais e outras rendas para a manutenção das atividades e das despesas operacionais da entidade, representam 15,7506% da Receita Bruta auferida, das quais 15,7042% foram realizadas por Receitas Operacionais, 0,0341% realizadas por Receitas Financeiras, a doação de materiais representam 0,01228%, representando a Receita Bruta auferida. As Subvenções, Receitas Financeiras sobre Capital de Terceiros e Bens de Capital, para Projetos em execução representam 84,2494% da Receita Bruta auferida, distribuídos em subvenções e Receitas Financeiras sobre Capital de Terceiros. Subvenções Econômicas, Convênios e Incentivos Fiscais Compreende os valores repassados pelos órgãos públicos Municipais e Estaduais para cobertura de custeio dos Projetos em Execução, contidos nos Termos de Convênio, ora mantidos no Passivo Circulante até a definição sobre a devida aplicação. A Entidade não se beneficia de incentivos fiscais. Aplicações de Recursos Os recursos advindos de doações, contribuições e rendimentos financeiros, que representam 15,7506% da receita bruta auferida, foram aplicados na Administração Operacional e o seu superávit agregado ao Patrimônio Líquido. 10


Os recursos advindos de subvenções e convênios governamentais e da iniciativa privada foram aplicados no custeio dos projetos e aquisição de bens do ativo imobilizado, os saldos remanescentes estão registrados no Passivo em Recursos de Projetos em Execução e representam 74,3150% do Ativo.

2.

BASE DE PREPARAÇÃO E APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS As Demonstrações Contábeis foram elaboradas e estão sendo apresentadas, em conformidade com as Normas Brasileiras de Contabilidade, e em observação as Normas específicas do CFC – Conselho Federal de Contabilidade notadamente pelos pressupostos de diretrizes básicas aplicáveis a entidades sem fins lucrativos, conforme estabelecidos a partir de 2012 pela Resolução CFC nº. 1409/12 NBC ITG 2002 – Entidades sem Finalidade de Lucros. Os valores apresentados nas demonstrações estão expressos em reais e resulta da acumulação de valores nominais, de acordo com as práticas contábeis normatizadas no Brasil. Acessoriamente ao cumprimento das mencionadas diretrizes, quando aplicáveis, a Entidade também passa a observar os novos preceitos decorrentes do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, pelas adaptações e alinhamentos às normas internacionais, em cumprimento as Resoluções do CFC, relativas aos CPC,s específicos, bem como a Resolução 1255/09 – NBC-TG-1000 quando aplicáveis. Neste CONTEXTO, as aplicações dos novos procedimentos não se consubstanciam por alterações de práticas e procedimentos de avaliação de Ativos e Passivos dentro destes alinhamentos, que possam representar grandes modificações da estrutura patrimonial da Entidade.

Sumário das principais diretrizes e práticas contábeis adotadas: Prólogo: A entidade está imune de obrigações tributárias, pertinentes aos impostos em geral nas esferas Municipais, Estaduais e Federais, mas não está imune em suas obrigações previdenciárias e não goza de qualquer benefício desta natureza; suas obrigações trabalhistas, tais como contribuições ao INSS e FGTS, quando requeridas são calculadas normalmente sobre os proventos da Folha de Pagamentos, assim como o PIS que também é calculado sobre a folha de pagamentos dos funcionários. O Instituto Vida Nova – Integração Educação e Cidadania, não teve em 2017 nenhum colaborador sob o regime de CLT, sendo que nos Projetos foram utilizados Profissionais Autônomos, com as devidas retenções tributárias pertinentes A entidade não dispõe de estimativas do montante dos tributos oriundos da renúncia fiscal relacionada com a atividade para poder evidenciar nas demonstrações contábeis como se a obrigação devida fosse. Na entidade configuram-se as seguintes situações: a) Recursos de aplicação restrita e as responsabilidades decorrentes de tais recursos; b) Recursos sujeitos a restrição ou vinculação por parte do doador; c) Doações e subvenções patrimoniais de entidades privadas, e sem restrições. Conforme determina o item 15 da NBC – ITG 2002 – Entidade sem Finalidade de Lucros – Resolução 1409/12 do Conselho Federal de Contabilidade o resultado de cada exercício, Superávit ou Déficit, mais os outros resultados abrangentes, se houverem, quando do início do exercício seguinte, são imediatamente incorporados ao Patrimônio Social. Também com base nos preceitos técnicos da ITG 2002, as Doações e Subvenções Patrimoniais (não financeiras) imobilizadas sem passarem pelo resultado transitam pelo Patrimônio Social e são imediatamente incorporadas ao mesmo. Todos os recursos de Subvenções Governamentais Financeiras ou de Suprimentos são inicialmente levados ao Ativo Circulante / Disponibilidades ou Estoques, a crédito no Passivo Circulante, em favor das Organizações que Subvencionam tais recursos, e levados ao resultado como receitas, na medida em que são utilizados. As parcelas remanescentes não utilizadas no período são mantidas no passivo, assim como os recursos financeiros, quando aplicados e provêm rendimentos, os rendimentos também incorporam a obrigação até sua utilização. 11


Obrigações A entidade não possui ônus, vencidos, junto a prestadores e fornecedores de serviço, nem mesmo com órgãos públicos. Demonstração do Superávit ou Déficit no Exercício Superávit na Apuração no Resultado do Exercício O Superávit apurado no Resultado do Exercício demonstra que a Receita realizada no período foi maior do que as Despesas realizadas para o mesmo período. Como houve Saldo em numerários transferidos do Exercício anterior, estes colaboraram com as necessidades e promoveram o aumento do Patrimônio Líquido do Exercício Social encerrado em 31 de Dezembro de 2017. Ajustes e outras providencias dos Exercícios anteriores Os Exercícios anteriores ao Exercício de 2017 foram encerrados não demonstrando no Ativo não Circulante, os resultados da Depreciação Acumulada por período, apurada sobre os valores dos Bens Imobilizados sem Restrições e dos Bens Imobilizados com Restrições, apresentando resultados com deficiência e descumprimento as Normas e Princípios da Contabilidade no Brasil. DFC – Demonstração do Fluxo de Caixa Esta Demonstração prevista no artigo 188 da Lei nº 6.404/76, alterada pela Lei 11.638/2007 foi levantada pelo método indireto em consonância com as disposições aprovadas pelo CFC – Conselho Federal de Contabilidade através de Resoluções NBC TG-03. DMPL – Demonstrações das Mutações do Patrimônio Liquido Demonstração apurada em conformidade com a legislação vigente demonstra aumento no Patrimônio Líquido, em concordância com as Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro, aprovado pelo CFC – Conselho Federal de Contabilidade através de Resoluções NBC TG. Analise das Demonstrações Contábeis Na Demonstração do Resultado do Exercício, apuramos Superávit no Exercício Social que foi transferido para o Patrimônio Líquido do Balanço Patrimonial, melhorando o Patrimônio Social da entidade, demonstrando: Liquidez Corrente = 98,73 % Liquidez Imediata = 98,68 % Liquidez Geral = 98,73% Grau de Endividamento = 74,32% Garantia de Capital de Terceiros= 27,36% Solvência Geral = 134,56% Variação de Recursos Próprios = 109,61% Outras Considerações das Diretrizes e Práticas Contábeis: a) O Ativo e Passivo CIRCULANTE, foram registrados pelo regime de competência, nos quais, quando aplicáveis ou requeridos estão inclusos os efeitos de variações cambiais e monetárias, à taxas oficiais, os rendimentos e os encargos, bem como, quando aplicáveis e/ou requeridos, a constituição de ajustes em montante suficiente para cobrir as perdas esperadas, com base em estimativas de seus prováveis valores de realização. b) As receitas e despesas são reconhecidas, mensalmente, respeitando os Princípios Fundamentais de Contabilidade, em especial a partir de 2012 os Princípios da Oportunidade e da Competência.

12


c) Os resultados apurados em cada período, superávit ou déficit, foi determinado com a adoção da prática pelo regime de competência. A subvenção financeira de uso restrita recebidos de entidades públicas quer sejam pelas esferas federais, estaduais e municipais, são necessárias ao custeio das atividades operacionais do Instituto Vida Nova – Integração Educação e Cidadania, e contabilizadas em conta específica de obrigações e o reconhecimento concomitante para receitas e despesas ou custos correspondentes a medida que estes incorrem. Se eventualmente houver doações, subvenções e contribuições patrimoniais, estas serão registradas contabilmente, direto a crédito do Patrimônio Social. d) A entidade é beneficiada com a isenção de tributos federais tais como IRPJ, CSLL, PIS e COFINS, sobre as receitas de subvenções de uso restrito ou outras subvenções patrimoniais e financeiras decorrentes de doações ou eventos sociais.

3.

Caixa e Equivalentes de Caixa = R$ 336.817,41 / R$ 448.514,08 em 2016 31/12/2017

31/12/2016

1,21

0,18

361,15 1,00 11.689,95 1,00 12.053,10

63,97 74,41 1,91 1,00 141,29

6.374,51

4.396,06

146.141,24

232.043,46

- Projeto Releste – TC nº 023/2015 - Banco do Brasil S/A – CC 1713/2 – Exerc.1

-

88.882,40

- Projeto Rel. Humanas – TC nº 472/2016 - Banco do Brasil S/A – CC 1477/x – Exerc.1

-

16.395,76

- Projeto Meu Bem Querer - Banco do Brasil S/A – CC 1310/2 – Exerc.1

49.455,19

106.654,93

122.792,16

-

318.388,59 324.763,11 336.817,41

443.976,55 448.372,61 448.514,08

Caixa Geral Bancos Conta Movimento: - Banco Bradesco S/A - CC 6242 - Banco Bradesco S/A – CC 2800 - Banco Bradesco S/A – CP 1011447-0 - Poupança Integrada – CC 2800-2 Aplicações Financeiras / Recursos Livres: - Bradesco – Invest. Plus - CC 2800-2 e 6242-1 Aplicações Financeiras / Recursos Restritos / Saúde - Projeto Agora Você esta Pronto - Banco do Brasil S/A – CC 1712/4 – Exerc.2

- Projeto Assispreve TC 09/2017 - Banco do Brasil S/A – CC 1713/2 Total das Aplicações Financeiras Restritas Total Geral das Aplicações Financeiras Total Geral de Caixa e Equivalentes

Os rendimentos financeiros do exercícios foram apropriados diretamente a cada um dos projetos, demonstrados na NE-nº 5.

13


4.

Imobilizado = R$ 91.129,96 /

84.395,27 em 2016

31/12/2017 Vida Útil Descrição

(em anos)

Custo

( - ) Deprec.

Corrigido

Acumuladas

Total

31/12/2016 Total Líquido

Ativo Imobilizado / Bens Tangíveis - Bens Sem Restrições: - Móveis e Utensílios - Equipamentos de Informática - Veículos - Equipamentos de Academia - Equipamentos de Fisioterapia Imobilizado Total s/Restrições

10 5 5 10 10

6.532,90 10.334,00 22.400,00 8.700,00 2.700,00 50.666,90

49,50 78,30 169,72 65,92 20,46 383,90

6.483,40 10.255,70 22.230,28 8.634,08 2.679,54 50.283,00

6.483,40 10.255,70 22.230,28 8.634,08 2.679,54 50.283,00

10 5 10 10

882,20 1.700,00 19.751,86 1.036,73 23.370,79

96,89 186,70 1.457,02 86,43 1.827,04

785,31 1.513,30 18.294,84 950,30 21.543,75

785,31 1.513,30 11.809,88 700,57 14.809,06

6.404,91 15.279,79 21.684,70

703,41 1.678,08 2.381,49

5.701,50 13.601,71 19.303,21

5.701,50 13.601,71 19.303,21

95.722,39

4.592,43

91.129,96

84.395,27

- Bens Com Restrições Saúde - Móveis e Utensílios - Equipamentos de Informática - Equipamentos de Academia - Equipamentos de Fisioterapia Imobilizado Líquito com Restrições

- Bens Com Restrições Educação - Móveis e Utensílios - Equipamentos de Informática Imobilizado Líquito com Restrições Total Geral

10 5

Aquisições do Período: - Bens Com Restrições Saúde - Equipamentos de Academia - Equipamentos de Fisioterapia

6.484,96 249,73 6.734,69

14


5.

Projetos / Subvenções Parceiras e Convênios R$ 318.388,59 / Sendo a seguinte composição e movimentação dos projetos em 2017:

A Composição dos custos dos projetos em 2017 foi a seguinte:

15

R$ 443.976,55 em 2016


6.

Aprovação do conjunto das Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas e Autorização de Divulgação

Em conformidade com as disposições contidas nas Resoluções NBC TG 10 e 19 aprovadas pelo CFC – Conselho Federal de Contabilidade foi autorizado em 22 de Maio de 2018 pelo Diretor Tesoureiro, a conclusão da preparação das Demonstrações Contábeis relativas ao AnoCalendário de 2017.

DIRETORIA

Jorge Eduardo Reyes Rodrigues

Américo Nunes Neto

Presidente

Diretor Tesoureiro

Oswaldo Luiz de Dominicis TC Responsável T.C – CRCSP 1SP191119/O-1

PARECER DO CONSELHO FISCAL O Conselho Fiscal do INSTITUTO VIDA NOVA INTEGRAÇÃO SOCIAL EDUCAÇÃO E CIDADANIA, no desempenho de suas atribuições legais e com base no Estatuto Social da entidade, examinaram as demonstrações contábeis referentes ao exercício de 2017, aprovadas conforme ata da reunião de Diretoria realizada em 22 de Maio de 2018 e considerando as informações constantes nas demonstrações financeiras, declara que: 1. – Não identificou fatos ou ações que identifiquem desconformidade na elaboração das demonstrações financeiras do exercício de 2017 do INSTITUTO VIDA NOVA INTEGRAÇÃO SOCIAL EDUCAÇÃO E CIDADANIA, que inclui as Subvenções e Convênios, pelo qual recomenda sua aprovação; 2. – Recomenda que a Diretoria adote as providências no sentido de que, no decorrer do exercício de 2018, sejam corrigidas as ressalvas apontadas nas reuniões do Conselho Fiscal e registradas em Ata, de modo que não se repitam nas próximas demonstrações financeiras.

São Paulo, 22 de Maio de 2018

Ariana Luiza Rosa Wruck Membro do Conselho Fiscal

Eliane Nazaret Moniz de Câmara Membro do Conselho Fiscal

*************************** ******************** **********

16

Anderson Joel F. dos Santos Membro do Conselho Fiscal

Profile for Instituto Vida Nova

AUDITORIA EXTERNA INDEPENDENTE - 2017  

AUDITORIA EXTERNA INDEPENDENTE - 2017  

Advertisement