Issuu on Google+

Boletim digital junho/2012

Centro de Informática de Ribeirão Preto

Nesta edição:

Webconference

Telefonia

INTEROP 2012 Las Vegas

Web Warehouse


Expediente Universidade de São Paulo Reitor João Grandino Rodas Vice-Reitor Hélio Nogueira da Cruz Campus de Ribeirão Preto Prefeito do Campus Prof. José Moacir Marin Superintendência de Tecnologia da Informação Superintendente Prof. Gil da Costa Marques Centro de Informática de Ribeirão Preto Diretor Prof. Oswaldo Baffa Filho Vice-Diretor Prof. Alexandre Souto Martinez Chefe da Seção Técnica Administrativa Carlos Eduardo Herculano Chefe do Serviço Técnico de Informática Cláudia H. B. Lencioni Chefe da Seção Técnica de Suporte Clélia Camargo Cardoso Chefe da Seção Técnica de Redes Rubens Rodrigo Diniz Chefe da seção Técnica de Manutenção e Serviços Luiz Henrique Coletto Projeto Gráfico João H. Rafael Junior Apoio: Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto


Índice Webconference - 4 Telefonia - 7 INTEROP 2012 Las Vegas - 8 Gestão do conhecimento e Web Warehouse - 12


Webconference Diferente da Videoconferência (transmissão e recepção sincronizada de imagens e áudio entre duas ou mais pessoas utilizando equipamentos específicos e conexões de rede/Internet), a Webconferência é uma reunião ou encontro virtual realizada pela Internet através de aplicativos ou serviço com possibilidade de compartilhamento de apresentações, voz, vídeo, textos e arquivos. Na webconferência, cada participante interage de seu próprio computador. A webconferência pode ocorrer tanto através de uma aplicação específica instalada em cada um dos computadores participantes, quanto através de uma aplicação web que executa dentro do navegador bastando digitar o endereço do site onde será a webconferência, a maioria das vezes é necessário um pré-cadastro.

apresentador e/ou participantes é exibido para o público via webcam ou câmera de vídeo •

Audioconferência: conversa em tempo real entre os participantes pelo computador via VoIP (voz sobre IP) e/ou pelo telefone

• Chat: conversas de texto entre os participantes. As conversas podem ser públicas (todos conversam com todos) ou privadas (entre dois participantes). • Enquetes: permite ao apresentador realizar pesquisas instantâneas com respostas de múltipla escolha direcionadas aos participantes da conferência.

Os recursos típicos disponíveis em um serviço de webconferência são: • Exibição de Apresentações: slides de documentos, imagens e textos são exibidos aos participantes, em conjunto com ferramentas de marcação e desenho •

Compartilhamento de Tela: os participantes visualizam tudo o que o apresentador mostra em sua tela

• Vídeo streaming: o vídeo ao vivo do

4

Centro de Informátic


A webconferência é geralmente oferecida como um serviço hospedado em um servidor web controlado por um fornecedor. Alguns fabricantes também fornecem uma solução de servidor, que permite ao cliente hospedar o serviço de webconferência em seus próprios servidores. A grande facilidade das soluções oferecidas atualmente é que, em geral, estas possibilitam aos participantes iniciar ou participar de uma sessão de webconferência utilizando apenas o navegador (browser) de Internet, sem a

Equipamento computador.

ou

software

no

Abaixo alguns exemplos de softwares e ambientes: 1. Skype: pode ser instalado e executado em inúmeras plataformas de micros, notebooks a smartphones e inclusive aparelhos de jogos com acesso à Internet Principais recursos: • Chamadas com vídeo grátis • Chamadas para telefones fixos e celulares

necessidade de instalação de qualquer

ca de Ribeirão Preto

• Chamadas grátis pelo Skype • Chamadas com vídeo em grupo Os serviços: Chamadas de Skype para Skype, Chamadas com vídeo individuais, Chats e compartilhamento de tela são grátis. Para chamadas para telefones fixos, celulares e SMS há vários pacotes pagos. Para utilizar o serviço é preciso instalar o software

e

necessários: dispositivo

se

cadastrar.

Recursos

microcomputador móvel)

com

(ou

acesso

à

Internet, webcam e microfone. Http://skype.com/intl/pt-br/home 2. EVO: The Collaboration Network é um ambiente colaborativo disponibilizado gratuitamente na Internet. O EVO é outra alternativa para webconferência.


Webconference O usuário precisa se cadastrar e ingressar em uma sala pré-agendada. É p o s s í v e l i n t e g ra r o E V O a equipamentos de videoconferência. Possui ferramenta quadro branco, chat e compartilhamento. Re c u r s o s n e c e s s á r i o s : microcomputador (ou dispositivo móvel) com acesso à Internet, webcam e microfone. Para usar basta se cadastrar no link abaixo: http://evo.caltech.edu/evoGate/ 3. Adobe Connect: O Adobe Connect é um sistema de comunicação via Web que permite fornecer soluções de comunicação para treinamentos, conferências e colaboração on-line. Possui ferramentas quadro branco, chat e Webinar (Webconferência onde a comunicação é de uma via apenas, somente uma pessoa fala e as outras assistem). É uma plataforma paga. A STI (Superintendência da Tecnologia da Informação) dispõe de um servidor, contato enviar email para sti@usp.br. http://www.adobe.com/br/products/c onnect/ 4. Blackboard Collaborate: plataforma paga que oferece recursos para Web, vídeo e áudio conferências, Chat e Instant Messaging e também produções multimídias colaborativas.

6

Outras ferramentas: bate-papo, compartilhamento de aplicativos, enquete, interação e quadro branco. A STI não dispõe desta plataforma. É possível saber mais a respeito e utilizar o ambiente como teste cadastrando-se e solicitando o link de acesso. Http://try.bbcollaborate.com/trial/regi ster.go

Referências: http://pt.wikipedia.org/wiki/Webconfe r%C3%AAncia http://www.cce.usp.br/?q=node/66 http://evo.caltech.edu/evoGate/Docu mentation/ http://www.blackboard.com/platform s/collaborate/overview.aspx

Clélia Camargo Cardoso Analista de Sistemas (16) 3602-3583 clelia@cirp.usp.br


Telefonia O Centro de Informática de Ribeirão Preto, visando facilitar e aperfeiçoar o uso dos telefones no Campus, está elaborando um material explicativo que será distribuído em todas as Unidades.

O folheto contém informações sobre como realizar ligações para telefones de outros Campus, outras cidades e também como utilizar do melhor modo possível o sistema de telefonia.


INTEROP 2012 Las Vegas A Universidade de São Paulo (USP) tem investindo maciçamente em Tecnologia da Informação (TI) através de projetos coordenados pela Superintendência da Tecnologia da Informação (STI) e executados pelos Centros de Informáticas (CI). A Tecnologia da Informação é um dos requisitos para proporciona um ensino de melhor qualidade o que possibilita a melhora do posicionamento da USP em rankings mundiais. Alguns dos projetos em andamento são: • Atualização da Rede USPNet Sem Fio; • Reforma das Redes Locais; • Computação em Nuvem (cloud computing); • Implementação de IPv6 USPnet; • Projeto de implementação e modernização do cabeamento óptico nos campi da USP; Porém como saber se os caminhos escolhidos para a TI na USP estão sincronizados com o mudo? Como priorizar e preservar investimentos? As opções e tendências são muitas e mudam com frequência motivada por variáveis nem sempre previsíveis. Um dos mecanismos que ajudam a

8

definir o rumo a ser seguindo e a participação em eventos internacionais com a participação de grandes empresas e pessoas do mundo de TI. O CIRP, CCE, CISC e a STI participaram da INTEROP Las Vegas 2012 evento líder em tecnologia de negócios que estimula a adoção de tecnologia, fornecendo conhecimento e visão para ajudar a TI corporativa. A INTEROP aconteceu em maio de 2012 na cidade de Las Vegas (Nevada, Estados Unidos). O evento contou com uma feira com aproximadamente 350 expositores, 14 mil visitantes e


• Armazenamento • Colaboração • Gestão de Segurança da Informação e Risco • Gestão de TI A minha participação do INTEROP possibilitou conhecer as últimas inovações de computação em nuvem, incluindo virtualização, segurança, mobilidade e data center, com participação em oficinas, demonstrações de casos reais, implementações tecnológicas ao vivo e visita a exposição.

conferencias para troca de experiências. A participação no evento foi apoiada pela STI. O evento concentrou-se em nove tecnologias principais que estão sendo pensadas em TI nas organizações do mundo. • Computação em Nuvem

No evento ficou claro que a computação em nuvem já é uma realidade e, neste momento, devemos passar a focar nos obstáculos a serem vencidos principalmente na infraestrutura e equipamentos de rede. Muitos equipamentos e infraestrutura de redes não estão preparados para este tipo de serviço, sendo comum a adoção da computação em nuvem sem a preparação adequada da infraestrutura e dos equipamentos de rede. Empresas, como CISCO, Dell, Hauwei, HP, VMWare, etc tem investido em soluções para dar suporte às novas demandas.

• Redes • Wireless e Mobilidade • Virtualização • Data Center

O aumento exponencial de dispositivos moveis no acesso a informações disponibilizada pela nuvem torna-se um ponto estratégico para instituições, motivando a criação de nuvens privadas.


INTEROP 2012 Las Vegas Novos conceitos surgem com o avanço da computação em nuvem como o Bring Your Own Device (Traga Seu Próprio Dispositivo), ou simplesmente BYOD, que consciente na utilização por funcionários de dispositivos próprios (tablets, smartphones) em sistemas c o r p o ra t i v o s , S o f t w a r e - D e f i n e d Network ou SDN que consiste criar redes desvinculando o software do hardware dos equipamentos de rede e o conceito de data center definido por software (Software-Defined Data Center, ou SDDC). A combinação de implementações de comutação em nuvem com a flexibilização de redes e data center são os novos desafios para os profissionais de redes. Para dar suporte ao novo modelo de uso de TI utilizando a computação em nuvem às ferramentas de gerenciamento precisam ser profissionalizadas, uma vez que a rede de dados está tornando-se essencial para os trabalhos em geral. O evento apresentou diversas soluções de ferramenta de gerenciamento, mas as mais eficientes são focadas em uma única solução, tornando-se complicada a sua utilização na Universidade, uma vez que nosso parque de equipamentos é formado por vários fabricantes. Isso comprova que a de padronização de equipamentos na rede e parte

10

importante na para preparar a universidade para os novos desafios. A rede sem fio está evoluindo para novos padrões (802.11ac/ 802.11ad) Com velocidade superiores a 1Gbps,


pode ser um erro em um futuro próximo. Na computação em nuvem a rede sem fio torna-se uma parte Essencial para o sistema, exigindo novos cuidados com a segurança no acesso e no controle. Empresas estão disponibilizando novos produtos com foco no controle e na segurança dos sistemas que utilizam computação em nuvem com rede sem fio. A participação na INTEROP mostrou que a USP está no caminho certo nos investimento em TI com investimento em computação em nuvem, rede sem fio, reforma de infraestrutura de redes. Ainda existem obstáculos que precisam ser vencidos, como a unificação de gerencia de redes e data center. Referência Http://www.interop.com/ http://www.interop.com/lasvegas/2012 /exhibitor-list/ http://www.interop.com/lasvegas/2012 /presentations/free.php http://www.sti.usp.br/

podendo atingir velocidades superiores a 7 Gbps. A primeira tendência da rede sem fio é abandonar a frequência de 2,4 Ghz e focar cada vez mais na frequência de 5 GHz, portanto adquirir equipamentos que não operam em 5 GHz

Http://itweb.com.br/especial/interop2012/ Rubens Diniz Chefe da Seção Técnica de Redes - CIRP


Gestão do conhecimento e Web Warehouse Precisamos compreender que os dados gerenciais entram em estado bruto, e assim como um minério, devem ser lapidados e interpretados dentro de uma realidade específica, para que gerem informação. Através da manipulação humana forma-se o conhecimento. Este conhecimento é cruzado com outras informações do ambiente externo e chega-se a uma conclusão de como aproveitar da melhor maneira possível estas condições, gerando ações concretas, e conseqüentemente um diferencial competitivo. A gestão do conhecimento é responsável por obter, tratar e disseminar a informação dentro do ambiente organizacional, sendo fundamental, pois a mudança constante e a interação global do mercado tornam o conhecimento um fator inestimável. O gestor pode, então, definir com mais segurança o rumo da empresa e baseado no acúmulo e o tratamento ideal destes conhecimentos terá auxilio, também, no entendimento das variações do mercado, podendo até fazer predições do que, possivelmente, e s t a p o r v i r, a p r o v e i t a n d o oportunidades e precavendo-se de ameaças. É importante ressaltar que o processo de gestão do conhecimento deve

12

funcionar, também, como uma autoestrada que facilite a transmissão de informação em todos os níveis da organização, seja tanto de fora para dentro (dados externos), como internamente, compartilhando a competência do cliente interno, o funcionário, pois este possui informações vitais para a empresa. Devemos considerar que este processo pode ser bem complexo, principalmente em organizações de grande porte, que lidam com uma infinidade de clientes, internos e externos, e um volume colossal de dados. Porém as mesmas mudanças sociais e tecnológicas que resultaram em um mercado tão aberto e volátil, também geraram sistemas de apoio a gestão do conhecimento, como por exemplo, o Web Warehouse, que visa integrar as vantagens da internet ao warehouse tradicional. Devemos destacar que esse tipo de sistema amplia a base de dados a ser trabalhada, permitindo pesquisas mais complexas e atuais, proporcionando, também, um cruzamento de dados em tempo real. Sendo assim, a empresa pode mesclar os seus dados de entrada internos, com dados específicos que necessite em certo momento, capturando-os pela rede de computadores, gerando assim i


Informação e conhecimento específico para uma denominada situação. Outra grande vantagem é que todo este processo ficará registrado no sistema e permitirá que sejam produzidos relatórios que ajudarão a compreender como está caminhando a gestão do conhecimento na empresa, através da mensuração da carga de informação e o resultado concreto obtido. Esta disseminação da informação acaba valorizando o funcionário, pois este pode utilizar os dados disponíveis para tomar suas próprias decisões, ao mesmo tempo em que é estimulado a participar da produção do conhecimento e atuar em células com outros que complementem suas características, ampliando o Resultado como um todo para a organização.

Podemos concluir que a gestão do conhecimento mostra-se cada dia mais vital para qualquer organização, independente do porte, setor ou ramo de atividade. Este processo conta com alguns suportes para facilitarem sua implementação e controle, atualmente, o Web Warehouse, que tem como finalidade, amplificar e auxiliar a obtenção, divisão, e criação de conhecimento dentro da organização, e culminar com a ação correta, pois não existe gestão de algo que não é aplicado, torna-se apenas desperdício de recursos. João HenriqueRafael Analista de comunicação Instituto de Estudos Polo Ribeirão Preto

Jr.

Avançados



Boletim Digital CIRP - Junho