Page 1

“SER LIVRE  É  SER  INTEIRAMENTE   RESPONSÁVEL  POR  SI  MESMO”    

José Carlos  Gomes    


“SER LIVRE  É  SER  INTEIRAMENTE  RESPONSÁVEL  POR  SI  MESMO”   Jean  Paul-­‐Sartre     A   cadeia   de   problemas   associados   ao   aumento   das   doenças   crônicas   não   transmissíveis     Aos   poucos   foram   surgindo   as   evidências,   até   que   o   sinal   de   alerta   começou   a   tocar  na  Organização  Mundial  de  Saúde  e  no  Ministério  da  Saúde:  aumentara  a   incidência  das  doenças  crônicas  não  transmissíveis,  a  exemplo  do  diabetes  e  da   hipertensão,  o  que  remete  logo  à  questão  sobre  as  causas  determinantes  desse   adoecimento.     O   portal   Determinantes   Sociais   da   Saúde   (http://dssbr.org),   integrado   por   especialistas  preocupados  com  esse  problema,  destaca  em  19  de  Dezembro  de   2012   a   publicação   pela   revista   inglesa   THE   LANCET   do   estudo   sobre   a   Carga   Global  de  Doença  (GDB  de  Global  Burden  of  Disease  Study)  de  2010.  Desse  estudo   ressaltam   duas   conclusões:   1   -­‐   Desde   1970,   homens   e   mulheres   em   todo   o   mundo   ganharam   pouco   mais   de   dez   anos   de   expectativa   de   vida,   mas   vivem   mais   anos   com  lesões  e  doenças.  2  -­‐  Os  autores  chamam  a  atenção  para  o  fato  de  que  este   aumento  da  expectativa  de  vida  acompanhado  pelo  aumento  do  número  de  anos   saudáveis   perdidos   em   razão   de   deficiências   na   maioria   dos   países   tem   sérias   implicações   para   o   planejamento   e   para   o   aumento   de   gastos   com   os   cuidados  de  saúde.   Está   armada   uma   cadeia   de   desventuras:   as   pessoas   vivem   mais   e   demandam   mais   previdência,   assistência   e   saúde,   mas   isso   também   é   agravado   com   o   aumento  das  doenças  crônicas  dessa  sobrevida.  Os  gastos  com  saúde  assustam   as   famílias,   as   empresas,   os   planos   de   saúde   e   os   governos.  Acrescente-­‐se   a   essa   equação   o   fato   de   que   tais   doenças   crônicas   vêm   se   formando   ao   longo   de   muitos   períodos   de   incapacitação   provocados   por   episódios   de   infeções   virais,   dores   na   coluna,   crises   de   dores   de   cabeça,   indisposição,   cansaço,   alterações     de   humor,   falta   de   concentração.   Esses   desconfortos   durante   a   idade   economicamente   ativa,   levam   ao   prejuízo   da   qualidade   de   vida,   afetando   as   relações  familiares,  as  relações  sociais  e  o  desempenho  no  trabalho.   Temos   assim   um   quadro   em   que   o   adoecimento   se   liga   a   toda   a   economia.   A   produtividade  no  trabalho  diminui,  os  custos  da  produção  aumentam,  os  preços   aumentam,   aumenta   o   risco   dos   investimentos   produtivos,   aumentam   os   juros   conforme   os   riscos   dos   negócios   e   os   próprios   juros   altos   tornam-­‐se   também   fatores   de   risco,   os   gastos   sociais   aumentam,   a   carga   tributária   se   eleva,   a   eficiência  geral  da  economia  e  a  competitividade  do  País  caem.   A   economia,   por   sua   vez,   tem   ligação   umbilical   com   a   política   e   a   psicologia   social.   Assim,   ao   longo   de   todo   o   ciclo   econômico   aparecem   novos   e   recrudescem   velhos   conflitos,   fadigando   o   tecido   das   instituições   políticas.   Os   trabalhadores   e   consumidores   querem   mais   proteção   e   garantias,   os  


empresários e   governos   querem   reduzir   custos,   aumentar   a   produção   e   aumentar   a   competitividade.   Mas   nem   todos   esses   objetivos   são   conciliáveis.   Por  quê?   Acontece   que   essas   camadas   superficiais   de   problemas   são   alimentadas   pelas   escolhas   das   pessoas,   pautadas   predominantemente   por   uma   cultura   imediatista  e  consumista.   No   lado   do   consumo,   a   prevalência   dessa   cultura   resulta   em   que   a   grande   maioria  atira-­‐se  freneticamente  à  busca  de  recursos  que  lhe  dê  acesso  a  todas  as   novidades  do  mercado,  sem  as  quais,  mercê  de  uma  propaganda  inescrupulosa,   a   pessoa   é   tratada   e   se   considera   como   excluída.   Alimentos,   roupas,   carros,   eletrônicos,   remédios,   milagres,   loterias,   imagens,   qualquer   coisa   estabelecida   como  distintivo  social.   Do   lado   da   produção,   trata-­‐se   de   uma   corrida   pelo   lucro   imediato,   realizada   por   corporações   cada   vez   mais   frias   e   profissionais,   a   despeito   de   suas   propagandas.   O  tiro  de  partida  dessa  corrida  é  dado  pelos  apostadores  do  mercado  financeiro,   cujos  altos  rendimentos  ditam  o  ritmo  dos  negócios  e  das  políticas  econômicas   dos  governos.  Como  essa  conta  precisa  ser  paga,  sobra  miséria  para  quem  tem   menos   expressão   política.   Isso   acontece   porque   a   pobreza,   mesmo   quando   eficazmente   combatida   em   alguns   lugares   do   mundo,   como   tem   acontecido   recentemente   no   Brasil,   comporta-­‐se   de   maneira   sistêmica.   Num   mundo   cada   vez   mais   conectado   e   interdependente,   os   grandes   lucros   dos   barões   dos   centros  financeiros  representam  aumento  da  miséria  em  algum  lugar  do  mundo,   onde   trabalhadores   em   regime   de   semiescravidão   produzirão   aquilo   que   o   mercado   precisa   para   manter   a   ilusão   geral   de   prosperidade   ao   alcance   de   todos.   Lembrando   que   a   miséria   em   si   mesma   é   uma   chaga   do   planeta,   tal   modelo   de   produção   gera   também   um   passivo   enorme   para   as   atuais   e   as   futuras  gerações,  por  via  da  degradação  ambiental,  da  geração  de  montanhas  de   lixo,  da  poluição,  da  profusão  de  contaminantes,  da  morte  dos  rios  e  florestas.   Para  amenizar  o  desastre  social  e  ambiental,  os  governos  são  obrigados  a  criar   políticas   públicas   de   compensação   que,   no   limite,   realimentam   todo   o   sistema,   porque   as   pessoas   precisam   e   querem   consumir   mais   e   os   programas   de   distribuição   de   renda   oferecem   recursos   para   isso,   mas   não   podem   evitar   os   males   decorrentes   do   próprio   aumento   do   consumo,   o   lixo   consumido   e   o   descartado.   Ou   seja,   as   pessoas   se   alimentam   mais,   mas   não   necessariamente   melhor,  porque  a  oferta  de  alimentos  de  qualidade  é  muito  restrita.  As  pessoas   obtém   crédito   para   comprar   carros   e   motos,   mas   as   cidades   vão   ficando   engasgadas,   as   famílias   endividadas   e   a   emergência   dos   hospitais   públicos   superlotada   com   motociclistas   acidentados,   aumentando   o   drama   da   saúde   pública.   Algo  precisa  mudar  para  quebrar  o  círculo  vicioso  de  espoliação,  consumismo,   correria,   doença,   desigualdade,   conflitos,   excesso   de   lixo,   degradação,   contaminação,   inconsciência.   Fred   Mercury,   vocalista   da   banda   inglesa   Queen,   perguntaria:  Is  this  the  world  we  created?  (É  esse  o  mundo  que  criamos?)    


A rede   de   soluções   dos   problemas   que   afetam   a   saúde   e   o   bem-­‐estar   de   todos.   Felizmente,   há   muita   gente   desperta   no   mundo   e   os   que   estão   acordados   vão   cutucando  os  seus  próximos  e  convidando-­‐os  a  também  lançar  um  olhar  crítico   sobre  a  própria  vida  e  a  encontrar  respostas  para  essa  pergunta  crucial:  o  que  eu   posso  fazer  para  melhorar  a  minha  vida  e  que  represente,  ao  mesmo  tempo,  uma   contribuição  relevante  para  solucionar  os  problemas  do  mundo?  A  magnitude  da   resposta   exige   uma   visita   à   versão   moderna   do   Oráculo:   a   Web.   Mas   é   preciso   aprender  a  pesquisar.  Em  primeiro  lugar,  é  preciso  ter  um  propósito,  uma  ideia   na   cabeça.   Gil   Giardelli,   um   guru   do   Web-­‐ativismo   e   CEO   da   Gaia   Creative,   empresa  que  aplica  inteligência  de  mídias  sociais,  economia  colaborativa,  gestão   do  conhecimento  e  inovação  e  que  trabalha  para  grandes  corporações,  publicou   em   2012   o   livro   Você   é   o   que   você   compartilha,   em   cuja   dedicatória   faz   as   seguintes  declarações:   ...   Este  livro  é  dedicado  a  todas  as  pessoas  que  acreditam  na  sabedoria  das  multidões   e  em  nosso  poder  de  transformação  coletivo.   ...   Às  que  adotaram  a  ética  do  cuidado  no  mundo  dos  negócios  e  acreditam  que  de   ideias   opostas   nasce   a   inovação,   da   insatisfação   surge   a   mudança,   de   questionamentos  criam-­‐se  soluções.   ...   Às  que  acreditam  na  liberdade  de  consciência,  no  respeito  ao  diferente,  no  prazer   da  discordância,  do  debate  e  do  exercício  das  divergências.   ...   A   dedicatória   de   Gil   deixa   clara   a   necessidade   de   praticar   valores   que   afastam   a   pessoa   da   passividade   ou   da   reatividade,   ou   seja,   importa   mais   a   disposição   para   fazer   alguma   coisa   por   si   mesmo   e   pelo   mundo   do   que   apenas   reclamar   dele.   O   autor   passa   então   a   demonstrar   a   grande   mudança   que   vê   acontecendo   no   mundo   e   anuncia:   o   fim   do   mundo   compartimentado   em   departamentos,   delimitado  por  fronteiras,  raças  e  credos,  e  o  início  da  fase  das  ideias  globais.  Sai  a   economia  a  vapor  e  entra  a  economia  da  reputação.    E  mais  adiante  arremata:  O   século  XX  foi  chato  para  a  humanidade!  Sentamos  na  frente  da  televisão  e  ficamos   passivos.  As  pessoas  perceberam  que  precisam  cuidar  de  suas  cidades,  regar  suas   amizades,  cultivar  a  troca.  Este  século  será  o  de  pessoas  individualmente  livres  e   voluntariamente   juntas.   De   nada   adianta   seres   do   século   XXI   continuarem   seguindo   modelos   organizacionais   do   século   XIX,   companhias   do   século   XX   e   educação  do  século  XIV.  Não  podemos  mais  falar  uma  coisa  e  praticar  outra.   O   mais   interessante   no   livro   de   Gil   Giardelli,   entretanto,   é   que   em   cada   uma   das   150  páginas  do  texto  o  autor  vai  colocando  links  para  leituras  complementares   na  Web,  o  que  faz  do  livro  um  guia  de  crenças  que  se  vão  confirmando  em  ações   já   em   curso.   Há   mais   de   200   links   no   livro   que   o   autor   acha   relevantes   para   demonstrar  suas  afirmações.  Um  exemplo:  mais  de  mil  pessoas  se  cadastraram  


para contar  em  vídeo,  pedaço  por  pedaço,  a  obra  Dom  Casmurro,  de  Machado  de   Assis   (www.milcasmurros.com.br).   Ao   cabo   da   leitura   percebe-­‐se   que   o   autor   escreveu   para   os   seus   clientes   empresários,   porque   a   maioria   das   iniciativas   citadas   são   financiadas   por   organizações   privadas   e   públicas   que   buscam   estimular   a   participação   e   a   colaboração   nas   comunidades   como   forma   de   tornar   sustentáveis   os   seus   próprios   negócios.   É   uma   boa   notícia.   É   um   bom   começo.   Mas   é   evidente   que   não   basta   esperar   que   os   empresários   e   políticos   façam   tudo   o   que   precisamos   que   seja   feito.   Isso   o   próprio   autor   deixa   subentendido  em  suas  conclusões:  Então  fica  a  pergunta:  como  conciliar  o  bem-­‐ estar  do  ser  humano  com  a  busca  competitiva  e  contínua  do  lucro  pelas  empresas?   Os  negócios  serão  sustentáveis  ou  não  existirão.  Cada  ação  deve  ser  pensada  por   três  ângulos:  ambiental,  social  e  econômico.  É  o  momento  de  discutirmos  simbiose   industrial,   energias   renováveis   e   tecnologias   emergentes.   A   linha   tênue   entre   exceder  os  limites  e  esgotar  o  planeta  ou  viver  em  um  planeta  sustentável  deve  ser   respeitada.   Ou   seja,   o   pressuposto   é   de   que   as   pessoas   são   capazes   de   exigir   das   organizações   públicas   e   privadas   que   se   ajustem   para   respeitar   a   linha   tênue   entre  exceder  os  limites  e  esgotar  o  planeta  ou  viver  em  um  planeta  sustentável.   Neste  ponto  chegamos  à  questão  sugerida  pelo  título  deste  artigo,  reproduzindo   a   frase   de   Jean   Paul-­‐Sarte,   o   filósofo   da   liberdade:   Ser   livre   é   ser   inteiramente   responsável   por   si   mesmo.   Isso   significa   que   para   imaginarmos   um   mundo   em   que   as   pessoas   sejam   capazes   de   obrigar   as   empresas,   governos   e   demais   instituições   a   respeitar   os   limites   impostos   pela   sustentabilidade   planetária,   será  preciso  que  elas  comecem  por  descobrir  e  respeitar  os  limites  do  próprio   corpo,   despertando   para   a   consciência   de   que   seguimos   escravizados   por   necessidades   falsas   e   ilusões   de   felicidade   vendidas   ao   preço   da   nossa   paz,   equilíbrio  e  saúde.  E  aqui  cabe  a  pergunta  feita  na  canção  Comida,  da  banda  de   rock  Titãs:  Você  tem  sede  de  que?  Você  tem  fome  de  que?     Mais  uma  iniciativa  na  rede  de  soluções:  o  Instituto  Aleema.   Nesse  andado  da  conversa  encontrei  a  Doutora  Nazira,  uma  médica  amiga  desde   que   me   sei   impaciente   com   a   minha   doença,   a   raiva,   há   quase   trinta   anos.   Contou-­‐me   que   há   vários   anos   vem   pensando   em   como   ajudar   mais   pessoas   a   mudar   seus   hábitos   alimentares,   a   primeira   trincheira   da   saúde.   Mas   o   trabalho   no  consultório  enfrenta  duas  limitações.   O  primeiro  limitador  é  a  quantidade  de  pessoas  que  podem  ser  bem  atendidas   num  consultório:  há  um  limite  de  tempo.  O  segundo  limitador  é  a  efetividade  do   atendimento  prestado,  porque  as  pessoas  vivem  em  comunidades  e  ambientes   que   nem   sempre   favorecem   a   mudança   dos   seus   hábitos   alimentares   e   não   raro   as   desestimulam   de   seguir   adiante,   tão   logo   os   sintomas   que   as   levaram   ao   consultório   amenizem   ou   desapareçam.   Há   um   problema   de   qualidade,   portanto,  na  relação  entre  o  médico  e  o  paciente,  causado  pelo  ambiente  social  e   físico   no   qual   se   insere   essa   relação.   Esses   fatores   ou   determinantes   da   saúde,  


como são  conhecidos,  estão  a  desalcance  da  intervenção  isolada  do  profissional   de  saúde.   Isto   posto,   há   uma   escolha   a   fazer:   tratar   de   doenças   ou   dedicar-­‐se   também   à   promoção   da   saúde.   Mas   o   esforço   para   promover   a   saúde   envolve   uma   gama   muito   ampla   de   iniciativas,   além   daquelas   que   competem   aos   profissionais   de   saúde.   Essa  a  orientação  dada  pela  Primeira  Conferência  Internacional  sobre  Promoção   da  Saúde,  realizada  em  1986,  em  Otawa:   Promoção  da  saúde  é  o  nome  dado  ao  processo  de  capacitação  da  comunidade  para  atuar   na   melhoria   de   sua   qualidade   de   vida   e   saúde,   incluindo   uma   maior   participação   no   controle   deste   processo.   Para   atingir   um   estado   de   completo   bem-­‐estar   físico,   mental   e   social  os  indivíduos  e  grupos  devem  saber  identificar  aspirações,  satisfazer  necessidades  e   modificar   favoravelmente   o   meio   ambiente.   A   saúde   deve   ser   vista   como   um   recurso   para   a   vida,   e   não   como   objetivo   de   viver.   Nesse   sentido,   a   saúde   é   um   conceito   positivo,   que   enfatiza   os   recursos   sociais   e   pessoais,   bem   como   as   capacidades   físicas.   Assim,   a   promoção  da  saúde  não  é  responsabilidade  exclusiva  do  setor  saúde,  e  vai  para  além  de   um  estilo  de  vida  saudável,  na  direção  de  um  bem-­‐estar  global.  

Com essa   noção   também   tem   trabalhado   o   Ministério   da   Saúde   do   Brasil.   Um   bom  exemplo  é  o  Programa  Saúde  da  Família,  que  visa  prevenir  as  doenças  em   vez  de  apenas  tratá-­‐las  depois  que  isso  se  torna  mais  difícil  e  oneroso.   Mas   há   uma   dificuldade   enorme:   integrar   o   conhecimento   das   áreas   envolvidas,   integrar  o  trabalho  das  corporações  envolvidas,  integrar  as  ações  dos  diversos   níveis   de   governo,   integrar   recursos   de   diversas   áreas   quando   a   lógica   predominante   é   justamente   separá-­‐los   e   vinculá-­‐los   a   fim   de   garantir   níveis   mínimos  de  investimentos  em  cada  área.   Depois  de  tudo  isso,  há  ainda  o  desafio  mais  difícil.  Ajudar  cada  uma  das  pessoas   interessadas  a  vencer  a  inércia  estonteante  de  uma  vida  cheia  de  necessidades  e   desejos...  e  cada  vez  mais  vazia  de  sentido!  Aprender  com  cada  um  a  separar  a   informação   valiosa   no   meio   do   turbilhão   de   bobagens   que   circulam   e   embaralham  o  sistema  do  pensamento.   Não   dá   para   falar   com   elas   apenas   de   comida   e   metabolismo.   As   pessoas   têm   sede   de   que?   Tem   fome   de   que?   É   preciso   ouvi-­‐las   e   aprender   junto   com   elas   a   traçar  novos  caminhos.   Depois  desse  mural  traçado  apresentou-­‐me  o  projeto.  Um  grupo  inicial  de  profissionais  de   diversas   áreas   integrado   por   nutricionistas,   arquitetas,   dançarinas,   produtora   cultural,   designer,   psicóloga,   engenheiro   agrônomo,   químico,   pessoa   especialista   em   cultura   e   identidade,   musicista   e   arte   educador   estava   se   reunindo   para   planejar   a   constituição   de   um  instituto  que  se  dedicaria  à  promoção  da  saúde,  mas  naquele  sentido  amplo  da  Carta   de  Otawa,  para  além  das  ações  exclusivas  dos  profissionais  de  saúde.  

Ouvi e  decidi:  cabe  um  trabalho  meu  nesse  instituto,  nos  próximos  anos,  a  fim   de  desenvolver  junto  com  outros  profissionais  uma  aplicação  de  Contabilidade   Social  capaz  de  precificar  serviços  e  apurar  resultados  não  apenas  a  partir  dos   custos,   investimentos   e   receitas,   mas   sobretudo   a   partir   dos   ganhos   com   as  


economias de  recursos  que  deixarão  de  ser  gastos  com  medicina  curativa  e  dos   ganhos   com   a   produtividade   gerados   pela   prevenção   de   incapacitações   para   o   trabalho.   Ao   lado   do   Balanço   Patrimonial,   portanto,   seria   possível   apresentar   outro,  relacionando  esse  patrimônio  com  um  Balanço  Social  que  sirva  para  dar   medida   e   efetividade   ao   princípio   constitucional   da   função   social   da   propriedade.   Ora,   com   base   nessa   métrica,   também   será   possível   propor   um   modelo  que  dê  efetividade  ao  princípio  constitucional  tributário  da  capacidade   econômica  e  da  pessoalidade.  Seria  assim  viável,  portanto,  adotar  uma  política   de   tributação   inversamente   proporcional   ao   índice   de   cumprimento   da   função   social   da   propriedade,   levando   a   discussão   sobre   a   carga   tributária   para   um   terreno  ainda  inexplorado  e  cheio  de  possibilidades.   Com   esse   fogo   na   alma   nos   reunimos.   Nazira,   Zé,   Adriana,   Lu   de   Bem,   Renata,   Paula,   Banzer,   André,   Margareth,   Janayna,   Laura,   Nadia,   Roberta   e   Christina,   em   três  sessões  presenciais  e  várias  trocas  de  mensagens.  O  resultado  dos  debates   está   declarado   nos   documentos   normativos   do   planejamento   estratégico   mostrados  a  seguir.   Nome:  INSTITUTO  ALEEMA  (Aleema  quer  dizer  consciência  expandida).   Natureza   Jurídica:   empresa   individual.   Mas   porque   não   uma   fundação   ou   associação   sem   fins   econômicos?   Em   primeiro   lugar,   porque   terá   fins   econômicos.   Em   segundo   lugar   porque   uma   sociedade   com   vários   sócios   dependeria   de   negociações   sobre   interesses   patrimoniais   toda   vez   que   tivesse   de   expandir   suas   atividades   ou   admitir   novos   membros.   Em   terceiro   lugar   porque   vai   começar   suas   atividades   sem   nenhum   capital   que   precise   ser   dividido.  Como  firma  individual  poderá  expandir-­‐se  para  assimilar  iniciativas  e   pessoas   que   se   alinhem   às   suas   finalidades   sob   a   responsabilidade   de   uma   só   pessoa,  o  que  lhe  dá  flexibilidade.   Modelo   de   Gestão:   Gestão   por   projetos.   Isso   significa,   em   primeiro   lugar,   a   possibilidade   de   dividir   responsabilidades   e   resultados   entre   todos   os   que   trabalhem  permanente  ou  temporariamente  no  Instituto  em  função  das  tarefas   que   lhe   couberem   em   cada   um   dos   projetos,   além   de   viabilizar   a   apuração   de   resultados  e  a  prestação  de  contas  para  todos  em  cada  empreendimento,  o  que   elimina   a   formação   de   contenciosos   sobre   a   remuneração   de   cada   um   e   libera   o   Instituto  para  formar  quantas  equipes  sejam  necessárias  segundo  a  viabilidade   dos  projetos  que  desenvolver.   Negócio:  Consciência  para  a  saúde  e  a  vida  plena.   Missão:  Atuar  na  promoção  da  saúde,  por  meio  da  difusão  de  saberes  essenciais   ao   despertar   da   consciência,   da   responsabilidade   por   si   mesmo   e   pelo   ambiente   físico  e  social,  como  condição  para  alcançar  a  vida  plena.   Visão:  Ser  reconhecido  em  cinco  anos  como  uma  das  instituições  de  vanguarda   por   sua   contribuição   para   as   ações   de   prevenção   ao   adoecimento   global   e   promoção  da  qualidade  de  vida.   Como  alicerce  dessas  deliberações  adotamos  um  conjunto  de  crenças,  princípios   e  valores  que  merecerão  uma  abordagem  própria,  exclusivamente  dedicada.  


Importa agora  apenas  realçar  o  conjunto  de  14  objetivos  do  Instituto,  escolhidos   para  um  horizonte  de  dois  anos.   1   -­‐   IMPLANTAR   PROGRAMA   DE   REEDUCAÇÃO   ALIMENTAR   E   DE   PROMOÇÃO   DA   SAÚDE   E   DA  QUALIDADE  DE  VIDA  PARA  A  SOCIEDADE  E  EMPRESAS;   2   -­‐   PROSPECTAR,   ESCOLHER   E   PROPOR   PARCERIAS   COM   PESSOAS   E   INSTITUIÇÕES   QUE   COMPARTILHEM   DOS   OBJETIVOS   DO   INSTITUTO   PARA   A   PRODUÇÃO   E   DIVULGAÇÃO   DE   CONTEÚDOS,  EM  CAMPO  GRANDE,  MATO  GROSSO  DO  SUL,  BRASIL  E  NO  EXTERIOR;   3  -­‐  DESENVOLVER  UM  PLANO  DE  COMUNICAÇÃO;   4   -­‐   POSSIBILITAR   ACESSO   AO   CONSUMO   CONSCIENTE   DE   ALIMENTOS   QUE   AUXILIEM   A   EVITAR   A   EPIDEMIA   DE   OBESIDADE,   A   SÍNDROME   METABÓLICA   E   O   ADOECIMENTO   GLOBAL;   5   -­‐   PROPORCIONAR   CONHECIMENTO   PARA   O   CONSUMO   CONSCIENTE   DE   PRODUTOS   DE   HIGIENE   PESSOAL   E   DOMÉSTICA   QUE   POSSIBILITEM   REDUZIR   DANOS   À   SAÚDE   E   AO   AMBIENTE;   6  -­‐  DESENVOLVER  O  PROJETO  DO  SELO  DO  INSTITUTO  ALEEMA;     7  -­‐  DESENVOLVER  RELACIONAMENTO  COM  AS  PESSOAS,  SEGMENTOS  SOCIAIS  E  PARCEIROS   AFINS  EM  TORNO  DAS  AÇÕES,  PROPOSTAS  E  FILOSOFIA  DO  INSTITUTO;   8  -­‐  DESENVOLVER  E  REALIZAR  UM  PLANO  DE  EVENTOS  E  CURSOS  PARA  O  ANO  DE  2013  NAS   5  ÁREAS  TÉCNICAS  DO  INSTITUTO,  COM  VISTAS  À  PROMOÇÃO  DA  SAÚDE  DA  SOCIEDADE  E   À  QUALIDADE  DE  VIDA  E  DO  AMBIENTE;   9   –   PROMOVER   O   ALINHAMENTO   DOS   MEMBROS   ASSOCIADOS   QUANTO   AO   MARCO   LEGAL,  TEMAS  ESTRUTURANTES,  FILOSOFIA  E  PADRÃO  ÉTICO  DO  INSTITUTO;   10   -­‐   PROMOVER   A   CAPACITAÇÃO   E   FORMAÇÃO   CONTINUADA   DOS   MEMBROS   DO   INSTITUTO   PARA   ASSEGURAR   SEU   DESENVOLVIMENTO   PESSOAL,   ESPECIALMENTE   PARA   EVITAR  O  ISOLAMENTO  E  O  DOGMATISMO;   11  -­‐  TREINAR  OS  MEMBROS  DO  INSTITUTO  NA  ELABORAÇÃO,  EXECUÇÃO  E  AVALIAÇÃO  DE   PROJETOS;   12  -­‐  DESENVOLVER  A  ESTRATÉGIA  ADMINSTRATIVA  DO  INSTITUTO  PARA  ASSEGURAR  SUA   SUSTENTABILIDADE;   13   -­‐   DESENVOLVER   METODOLOGIA   DE   AVALIAÇÃO   E   MONITORAMENTO   DAS   AÇÕES   DO   INSTITUTO;   14  -­‐  DESENVOLVER  A  ESTRATÉGIA  DE  CAPTAÇÃO  DE  RECURSOS;  


15 -­‐   DESENVOLVER   UM   PLANO   DE   PROMOÇÃO   DA   SAÚDE   E   DA   QUALIDADE   DE   VIDA   DO   INSTITUTO  ALEEMA.    

Nada mais   é   preciso   dizer   antes   que   algum   projeto   seja   desenvolvido,   viabilizado,   executado   e   avaliado.   Depois,   sim,   mas   para   prestar   contas   e   não   apenas  para  declarar  intenções.       José  Carlos  Gomes   Contabilista,  Bacharel  em  Direito  e  Fiscal  de  Rendas  da  SEFAZ/MS.    

Ser livre é ser inteiramente responsável por si mesmo  
Ser livre é ser inteiramente responsável por si mesmo  

Proposições para o Instituto Aleema

Advertisement