Page 1


Índice                    

Editorial Entrevista Charge Café com Letras História em Quadrinhos Reportagem Espaço Aberto Dossiê Brincando e Aprendendo Memórias Artigo Nea A Física Explica Esporte Pastoral Conhecendo um pouco mais… Poesias Obituário Respostas Ficha Técnica

Página 3 Página 4 Página 8 Página 15 Página 25 Página 31 Página 49 Página 59 Página 68 Página 79 Página 87 Página 88 Página 94 Página 95 Página 100 Página 101 Página 117 Página 119 Página 120 Página 124

2


Editorial A Revista Panorama tem como objetivo divulgar os projetos realizados ao longo dos anos nos diferentes níveis. Alguns projetos são multidisciplinares, outros são individuais, mas todos visam as atualidades do ano em curso. Para garantir a qualidade da revista, o INSA também necessita atuar com uma equipe capacitada e eficiente, e é isso que tentamos fazer ao longo do ano para garantir aos alunos um estudo eficaz e alinhado com a nossa proposta pedagógica. Este ano, os assuntos são interessantíssimos e cada professor procurou trabalhar com os alunos as experiências vividas nas salas de aula ou nos Estudos do Meio. Temos uma entrevista sobre o Patrimônio Histórico, dicas de leituras infanto - juvenil, chamadas de Café com Letras, Histórias em quadrinhos em Espanhol, um Dossiê sobre os 50 anos da Ditadura Militar no Brasil e tantos outros artigos muito bem elaborados. Parabenizo a todos que de alguma forma contribuíram para este projeto e em especial aos alunos, que junto com os professores mergulharam nas propostas oferecidas com muita dedicação. Na certeza de uma ótima leitura, agradeço a toda Equipe Educativa do Instituto Nossa Senhora Auxiliadora.

Laura Léo Alves Ferreira Diretora do INSA

3


Entrevista No dia 07 de outubro de 2014, os alunos da 2ª série do Ensino Médio do Instituto Nossa Senhora Auxiliadora foram até o centro de São Paulo, para concluir o projeto “Centro Tradicional da Cidade de São Paulo – Espaço Geográfico, História e Vivencias” idealizado pelo professor de geografia, André Poiato. O projeto teve como objetivos: compreender a ocupação do espaço geográfico ao longo da história da cidade; analisar os diferentes contrastes encontrados; discutir a temática “Público versus Privado”; conhecer a infraestrutura da região; compreender a importância do Patrimônio Histórico de nossa cidade e seu grau de conservação. Para finalizar o projeto foi realizada uma entrevista com a arquiteta Lia Mayumi, funcionária da Secretaria Municipal de Cultura – PMSP, que atua no Departamento do Patrimônio Histórico.

Arquiteta Lia Mayumi – Departamento do Patrimônio Histórico da cidade de São Paulo

Quais são as instituições responsáveis pela preservação do Patrimônio Histórico do Brasil, no Estado de São Paulo e na Cidade de São Paulo? Nas três esferas de governo existem órgãos responsáveis pela preservação do patrimônio. O IPHAN (instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) está ligado ao governo federal. O CONDEPHAAT (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico) ligado ao governo estadual que funciona junto com a unidade técnica UPPH (Unidade de

4


Preservação do Patrimônio Histórico). O COMPRESP (Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo) que trabalha em parceria com à Secretaria Municipal de Cultura, apoiado pelo corpo técnico do DPH (Departamento do Patrimônio Histórico). No município de São Paulo atuam os três órgãos, dependendo da avaliação do patrimônio em pauta. Há em nossa cidade bens tombados só pelo município; pelo município e pelo estado; pelo município, pelo estado e pela união. O que é tombamento? É o reconhecimento desse valor cultural. Temos como exemplo o Teatro Municipal de São Paulo. Tombar significa o poder público reconhecer o valor histórico, artístico, arquitetônico ou arqueológico. Isso não é o valor em dinheiro que o prédio custa e nem o valor para o proprietário. Não há como medir monetariamente. Esse é um valor para a sociedade. Quando há um tombamento, houve o reconhecimento do valor social e coletivo de um bem, edifício ou de patrimônios imateriais.

Fachada do Teatro Municipal de São Paulo

O que pode ser tombado? Aquilo que se pode tombar está dividido em dois grupos: os bens materiais e os bens imateriais. Os bens materiais podem ser móveis ou imóveis. Como exemplo de bens materiais móveis temos a coroa de Dom Pedro, livros, joias, bibliotecas e quadros; os bens materiais imóveis são prédios, edifícios, pontes,

5


conjunto de habitação, ruas, praças, traçado de bairros (exemplo Pacaembu). O segundo grupo é o dos bens imateriais ou bens intangíveis. Aqui podemos listar modos de fazer e rezar, cultos, danças, manifestações artísticas e culinárias, ou seja, atividades que merecem ser reconhecidas, pois são praticadas há muito tempo e são amostras ou representam uma parte do saber/ fazer da cultura brasileira. Quem pode efetuar um tombamento? Qualquer cidadão pode pedir. Para isso pode se dirigir ao DPH, CONDEPHAAT, COMPRESP ou IPHAN. Lá deverá apresentar fotografias, uma descrição detalhada do bem e uma justificativa para o pedido, para que se possa montar um pequeno dossiê.

O tombamento é igual a desapropriação? O bem tombado pode ser vendido ou alugado? Não, o tombamento difere da desapropriação, pois é só o reconhecimento de valor, que não interfere na propriedade do bem, ele não muda de proprietário. Quando o DPH, COMPRESP, o IPHAN ou o CONDEPHAAT realizam o tombamento de um bem, o proprietário é avisado. O bem pode ser vendido ou alugado sem problema nenhum. A mudança se dá na restrição do direito de propriedade no que diz respeito a reformas e/ou venda, que vise destruir ou demolir o bem em questão. No caso de venda ou reforma, é necessário solicitar autorização para o órgão competente. Quais são os efeitos do tombamento sobre os bens móveis? Após ser tombado, os bens móveis não podem ser destruídos ou desfigurados. Caso haja necessidade de alguma intervenção, restauro ou remoção para outro lugar, é necessária a autorização do órgão que tombou. Após ser tombado, o bem não pode sair do país, em que ocorreu o tombamento, sem autorização. O tombamento preserva? Esta é a única forma de preservação? O tombamento não preserva, mas o protege com a lei. Uma lei sozinha não preserva, pois preservar é algo mais concreto e prático. Tombar é somente uma parte do processo de preservação. Preservar é conseguir deixar o bem no seu contexto original, autêntico, em bom estado de conservação, sem estar desfigurado ou alterado; logo depende mais das nossas iniciativas do que da lei. O que é “entorno” de imóvel tombado? É um anel de proteção da visibilidade do bem tombado. É o espaço em volta do bem tombado, que não permite que qualquer coisa tampe a visibilidade do bem tombado ou interfira nela de alguma maneira. Atualmente não tem uma medida de envoltória (até 2003 era de 300 metros).

6


O tombamento de edifícios ou bairros inteiros “congela” a cidade impedindo sua modernização? Esses tombamentos de bairros são diferentes do tombamento de edifícios isolados. No tombamento de edifício isolado, como o Teatro Municipal, o edifício não pode ser demolido ou desfigurado. No tombamento de bairro o que importa não é o edifício, o que é reconhecido é o valor urbanístico (traçado) e ambiental (arborizado). Esse tombamento não está preocupado em reconhecer o valor arquitetônico mas, sim, um valor ambiental. Existe um gabarito adequado para cada bairro. No caso do bairro do Pacaembu, as construções permitidas são de prédios com até três andares.

O imóvel tombado pode mudar de uso? Sim, o tombamento não proíbe uma mudança de uso, pois no local não está tombado o uso, apenas a edificação, suas características e seu valor histórico. Mas, quando alguém vai fazer alguma reforma, é necessário entrar com um projeto que será avaliado pelo órgão que compete aprová-lo ou não, pois irá avaliar se aquele uso vai ser ou não danoso ao edifício. O que é necessário para a aprovação de um projeto para execução de obras em imóveis tombados ou localizados em áreas de entorno? É necessário apresentar os documentos do imóvel (IPTU, escritura) e, principalmente, um projeto mostrando como está o edifício hoje e como ficará no término da obra. Além disso, é preciso que o projeto esteja acompanhado de um dossiê com a história da edificação. Se ele for tombado pelas três esferas, o proprietário tem que pedir autorização a cada uma delas.

Quais são os principais obstáculos para a conservação do nosso Patrimônio Histórico? - Questão da comunicação; - Interesse em preservar o nosso patrimônio histórico; - Responsabilidade com bens coletivos; - Preocupação com o que é de todos;

Estudantes da 2ª série do Ensino Médio Projeto: Centro Tradicional da Cidade de São Paulo - Geografia Prof. André Poiato

7


Charge O estudo das diferentes linguagens se faz presente no cotidiano de nossa escola. Nossos alunos tiveram a oportunidade de refletir sobre a realidade brasileira em alguns momentos do corrente ano através do estudo da charge. A charge é um gênero textual riquíssimo em intertextualidade, permitindo que o receptor das mesmas raciocine e analise o que se faz subentender nelas. O termo charge, em seu significado literal, é entendido como um desenho de natureza caricatural, de forma satírica e humorística, em que se busca representar pessoa, fato ou ideia. Foi uma maneira encontrada por volta do século XIX, por pessoas que se opunham a governos e queriam se expressar de uma forma inusitada, mas muitos foram reprimidos. Por outro lado, ganhou popularidade com a grande massa, o que contribuiu para que ela continuasse existindo até hoje. É por meio da charge que as linguagens verbal e não-verbal se unem em um contraste entre o que é falado e o que não é falado, mas que, apesar do aparente contraste, se completam em concordância. Ao leitor, é dada a possibilidade de construir sua posição sobre determinado fato, ou firmar uma ideia até então duvidosa. A utilização do humor produz uma interação entre autor e leitor. A partir do estudo deste gênero textual, selecionamos os assuntos Copa do Mundo e Eleições. Os alunos usaram criatividade e manifestaram as suas impressões sobre esses temas através das produções a seguir.

8


Gabriela Monteiro Fojo. Série 7ºB.

Marina. Série 7ºB.

9


Yara Salomão, Mirella Molesani, Pietro de Paula e Victor Perrone. Série: 7ºB

Isis B. Pereira. Série: 7ºB.

10


Gabriela F. Lazalli. Série 7ºB.

Thiaga Aulucci. 7º A.

11


Bruna, Juliana. 7ยบA

Giovanna R. 7ยบB.

12


Victor Perrone. 7ยบB.

Caio Araujo 7ยบB

13


. Gabriel A. Toledo Ramos.7ยบB

14


Café com Letras A leitura faz parte do crescimento pessoal e nossa escola investe na formação de leitores fluentes e críticos. Os alunos são incentivados a ler e têm acesso ao acervo, que a escola disponibiliza, através da nossa biblioteca. A palavra compartilhar faz parte da filosofia da nossa escola e não podíamos deixar de falar sobre aquilo que nos encantou no universo dos livros. Os alunos do 6º ano realizaram algumas leituras e querem compartilhar com vocês.

15


Ficha de Leitura. Título da obra: Espelho Meu Autor: Edgar J. Hyde Tradutores: Lucas, Bia e Faísca Editora: Ciranda Cultural

Escolhi este livro porque eu gosto de histórias de terror. Isso me dá muito medo. A família Johnson comprou um lindo espelho antigo. Surpreendentemente, as três garotas da casa acham que podem ver a imagem fantasmagórica de uma garota presa dentro dele. A misteriosa história da menina é revelada e a terrível verdade sobre como ela ficou presa no espelho vem à tona. As meninas não têm outra escolha a não ser tentar quebrar a maldição do espelho. Minha personagem favorita é Sophie porque ela é a mais bonita, é fofa, e age como uma menina normal, apesar de estar presa dentro do espelho. Recomendo este livro pois gosto de histórias de terror e, quem gosta disso como eu, vai adorá-lo. Mariana 6ºB

16


Título da obra: Turma da Mônica: Floclore Brasileiro Autor: Maurício de Souza Ilustrador: Maurício de Souza Editora: Maurício de Souza

Os motivos que nos levaram a ler este livro foram a curiosidade pelas lendas e mitos do folclore brasileiro. Os assuntos do livro são os mitos, lendas, músicas, parlendas, trava-línguas, trovas, crendices, provérbios, adivinhas, cantigas e cantiga de rodas. Nossa personagem favorita é Cebolinha porque ele é engraçado, sempre se mete em confusão e há travas-línguas dele que gostamos muito. No livro há histórias, trava-línguas, provérbios, crendices sobre o folclore brasileiro. Há, ainda, parlendas antigas que são transmitidas de geração em geração, pois os avós contam aos pais, que contam para os filhos, e assim vai. Encontramos, também, músicas antigas que até hoje cantamos e cantigas de roda da época dos nossos avós, que não são muito comuns hoje em dia. Há adivinhas legais para fazer com seus amigos. Também há acalantos, que são canções suaves, com melodias muito simples, com as quais as mães ninam seus filhos pois favorecem a necessária monotonia, que leva a criança a adormecer. Recomendamos este livro pois há mitos, lendas, parlendas e trava-línguas, que incentivam as crianças a ler e memorizar um pouco sobre o folclore brasileiro. Uma frase que me fez refletir: “É por isso que é tão grande a responsabilidade de pais e educadores em manter vivo o folclore: para que essa magia e sabedoria popular continue se reinventando a cada dia.” Enzo Yokote Sabanai 6ºB Lucas Bueno Carrano 6ºB Matheus Antonio Marchi de Oliveira 6ºB

17


Título da Obra: Intocável Escritor: Randall Sullivan Tradutores: Álvaro Hattnher; Cláudio Carina; Marina Pontieri Lima; Rogério Galindo Editora: Companhia das Letras

Me interessei por este livro pois como sou muito fã do Rei do Pop, Michael Jackson, procurava um livro que falasse sobre ele. Então, encontrei o livro “Intocável”, que conta um pouco da história da vida dele. Esse livro fala sobre o dia a dia de Michael, desde sua infância e até sua “suposta” morte, explicando quem foi ele, longe do sensacionalismo, que costuma assombrar outros trabalhos sobre o cantor. O objetivo da obra é descobrir o que de fato houve com o brilhante artista de “Thriller” e “Bad”, especialmente nos trágicos últimos anos de sua vida. Michael Joseph Jackson, nascido em 29 de agosto de 1958, foi um famoso cantor, compositor, dançarino, produtor, empresário, arranjador vocal, filantropo, pacifista e ativista americano. Sua infância foi sofrida devido ao fato de seu pai ter sido muito rígido na sua criação. Cantava desde os seis anos aproximadamente e, durante a sua vida inteira, continuou nessa carreira levando muita alegria e amor para seus fãs. Michael Jackson era o sétimo de nove filhos de Joseph e Katherine Jackson. E sse livro conta isso e muito mais. Recomendo este livro, pois é um livro muito interessante para quem quer saber mais sobre a vida do “Rei do Pop”. Uma frase que me fez refletir: “Você pode sempre sonhar, e seus sonhos se tornarão realidade, mas é você que tem que torná-los realidade”. Essa frase significa que você pode sempre sonhar e seus sonhos se tornarão realidade, mas para que eles se tornem reais, é você que tem que agir, ou seja, fazer com que eles aconteçam. A linguagem não é tão fácil e acessível assim para crianças menores de doze anos. Esse livro está mais indicado para jovens, que já têm um vocabulário mais avançado, pois contém algumas palavras difíceis. Ana Carolina 6ºB

18


Titulo da Obra: “Tudo por um namorado” Escritora: Talita Rebouças Ilustração: Axel Sande Editora: Rocco Jovens Leitores

Li este livro pois eu achei legal o modo como é descrita a primeira paixão. O assunto da história é a primeira paixão de três meninas: Manu, Gabi e Ritinha. Minha personagem favorita é a Manu porque o estilo dela tem mais a ver comigo: o jeito de pensar, de falar etc. O livro conta a história de três garotas no seu cotidiano e a descoberta da primeira paixão. Gabi se apaixona pela primeira vez. O garoto se chama Diogo. Ele é dublê de cantor e surfista. Diogo também é apaixonado, mas por futebol, mar, música e internet. Ele estava livre desde que terminou um namoro longo e comentadíssimo com Suzaninha, menina linda e com fama de metida, que foi eleita a princesa do colégio por dois anos consecutivos. Quando recebe a notícia que ele e Suzaninha vão juntos para uma colônia de férias, Gabi não perde tempo e chama suas amigas, Manu e Ritinha para irem junto. Lá, com a ajuda delas, pretende conquistar o belo e impedi-lo de reatar o namoro. Mas o cupido resolve aprontar e as coisas não acontecem exatamente como o planejado. Recomendo esse livro para quem gosta de aventuras de romance e paixão. É um ótimo passatempo para dar boas risadas e viajar na imaginação. Uma frase que me fez refletir: “As amigas estão ai para ajudar e dar conselhos em todas as horas”. A linguagem é bem acessível. Ana Carolina 6ºB

19


Título da obra: Marley & Eu Autor: John Grogan Editora: Harper Collins

O casal Jenny e John compra um cachorro para testar a capacidade dos dois de terem um filho. Minha personagem favorita é Jenny, porque ela é cheia de autoridade, linda e quer muito construir uma família junto ao seu marido. John e Jenny tinham acabado de se casar. Eles eram jovens e apaixonados, vivendo em uma pequena e perfeita casa, sem nenhuma preocupação. Jenny queria ver se estava pronta para ter um filho, mas ela não tinha facilidade para engravidar, então John fez uma surpresa p a r a Jenny e comprou um filhote de labrador. Chamaram-no de Marley. Ele cresceu muito rápido, era muito bagunceiro, guloso e tinha medo de trovão, o que preocupava muito a família e deixava-os com dor de cabeça com os seus latidos altos e irritantes. John colocou Marley numa escola de adestramento, mas a tentativa não deu certo porque Marley foi expulso de lá. Ele tinha um grande coração, dividia as emoções com o casal, em sues momentos mais difíceis, como na primeira gravidez de Jenny, em que houve o aborto. Marley conquistou o coração de todos enquanto bagunçava as suas vidas. Logo, John e Jenny descobriram que o amor incondicional pode vir de maneiras diferentes. Recomendo este livro pois é muito importante saber que o amor pode vir de maneiras diferentes, como livro mostra. Além disso o casal aprendeu o valor de uma amizade e vocês também podem aprender com este livro. Uma frase que me deixou comovida: “O nosso amor pode ser separado em vírgulas, mas não pode ser separado por um ponto final”

Nicole 6º A

20


Título da obra: Rua do Berro - O dente do vampiro. Autor: Tommy Donbavand. Editora: Salamandra.

Li este livro pois me indicaram como estou fazendo agora; mas não foi só isso. A capa despertou meu interesse, além do assunto: terror. Não me arrependo de ter lido esse livro pois é muito bom. A história fala sobre um menino que não é normal. Ele é um lobisomem, mas seus pais não são. Por isso ele é levado para um mundo paralelo ao nosso, onde vivem muitas outras criaturas como bruxas, vampiros, fantasmas, esqueletos e até mesmo outros lobisomens, numa rua chamada Rua Do Berro. Como seus pais são normais ele quer levá-los de volta para o mundo deles. Para isso ele tem que capturar seis relíquias, dos seis fundadores da Rua Do Berro; e, por isso, entra numa grande aventura com seus dois novos amigos que são, respectivamente, um vampiro e uma múmia. Tudo para salvar seus pais. Minha personagem favorita é Ressus, o vampiro de mentirinha, que me agradou muito, além de me entreter. Ele quer se fazer de vampiro, mas acaba sendo descoberto. No final do primeiro livro, Luke consola o amigo e deixa para lá essa história de vampiro falso. Ressus, mesmo não sendo um vampiro, tem caninos afiadíssimos de mentira e uma capa onde se acha de tudo. Recomendo este livro pois um livro de terror não faz mal a ninguém. É muito interessante essa história, pois além de sabermos mais sobre os monstros do halloween, também entramos no livro, como se fizéssemos parte das aventuras dos personagens. A frase que me fez refletir foi a de Luke “preciso ajudar meus pais”. Isso me fez pensa o quanto é importante ajudar, não somente familiares mas a todos.

Guilherme Souza 6º A

21


Fala Sério, Amiga! Autora: Thalita Rebouças Editora: Rocco Jovens Leitores

Li este livro porque minha amiga tinha um livro parecido, chamado “Fala Sério, Pai”. Achei legal. Fui comprar. Achei esse, gostei e comprei. A história é sobre a jovem Malu e revela situações que envolvem apelidos bizarros, namoradinhos chatos de amigas, brigas sem motivo e ciúme. Minha personagem favorita é a Malu, porque ela é engraçada. Essa história fala sobre uma menina chamada Maria de Lurdes, mas ela não gostava de ser chamada assim. Queria ser chamada de Malu. É muito legal pois conta a história de melhores amigas que brigam por nada, têm muito ciúmes uma da outra e usam de muita sinceridade. Recomendo este livro, pois ele é engraçado. Uma frase que me fez refletir foi: ’’- Malu, agente é BFF? (-Bizarras feias e fedidas?)’’

Marcela 6º A

22


Ficha de Leitura. Título da obra: o Rei Artur e os Cavaleiros da Távola Redonda. Autor: Sir Thomas Malory Adaptação – Laura Bacellar Ilustrador: Rosinha Campos Editora: Scipione

Li este livro porque ouvi comentários sobre o filme e quis conhecer melhor a história. O assunto da história são as aventuras do Rei Artur e seus cavaleiros, que arriscam suas vidas pela justiça, mostrando coragem. Minha personagem favorita é Lancelote porque ele é corajoso, honesto e romântico. O Mago Merlin, ajuda o Rei Artur a enfrentar seus inimigos e passar por muitos perigos para se manter no trono da Inglaterra no século VI. Recomendo este livro pois a história nos leva ao passado, fala de lealdade, da fé cristã e de amor. Deste tema já foram feitos filmes, peça de teatro e óperas. Uma frase que me fez refletir foi “Majestade, estes homens precisam procurar algo mais valioso que fama e fortuna.” (É o que Merlin fala, quando os cavaleiros saem a procura do Santo Graal.) Juliana Toledo 6º A

23


Título da obra: A Culpa É Das Estrelas Autor: John Green Ilustradora: Jordana Andrade Editora: Intrínseca

O que me levou a ler este livro foi o assunto da história. O livro fala sobre uma menina chamada Hazel, que sofre de câncer. Num certo dia, ela vai ao Grupo de Apoio e conhece um garoto chamado Augustus. Os dois acabam se conhecendo e se apaixonando. Meu personagem favorito é o Augustus Waters pois ele faz os sonhos de Hazel tornarem-se realidade, é bonito e engraçado. Pena que acaba morrendo! O que Hazel achava que nunca aconteceria com ela aconteceu. O último momento de sua história foi escrito no momento em que sua mãe a deixa no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer e ela conhece Augustus Waters, um garoto bonito, alto e magro. Juntos, como acham que não tem muito tempo de vida, vão preencher o pequeno espaço de tempo da vida deles. Recomendo este livro , pois conta uma história delicada, com um misto de doçura, filosofia e diversão. O autor conta a verdadeira história de amor entre Hazel e Gus porque essa história e seus personagens ficarão guardados pra sempre na memória do leitor. Esse é um livro inspirador. Uma frase que me fez refletir é a fala de Hazel Grace na hora em que está ensaiando o “velório” de Augustus: “Não sou formada em matemática, mas sei de uma coisa: existe uma quantidade infinita de números entre 0 e 1. Tem o 0,1 e o 0,12 e o 0,112 e uma infinidade de outros. Obviamente, existe um conjunto ainda maior entre o 0 e o 2, ou entre o 0 e 1 milhão. Alguns infinitos são maiores que outros... Há dias, muitos deles, em que fico zangada com o tamanho do meu conjunto ilimitado. Eu queria mais números do que provavelmente vou ter". Isabella Romão 6º ano

24


Hist贸ria em Quadrinhos .

25


26


27


28


29


30


Reportagem

Monumento as Bandeiras: símbolo da cidade de São Paulo

No caminho dos Bandeirantes por Prof.ª MSc. Irene L. Ramos

Na primeira semana de agosto, alunos dos 7.º e 8.º anos vivenciaram um excelente Estudo do Meio – seguiram o Roteiro dos Bandeirantes desvendando os aspectos históricos, culturais e ambientais de uma região de ímpar beleza, cercada de histórias e contrastes, em uma região tão interligada à nossa Metrópole. O Estudo faz parte do ciclo de Projetos de Estudos do Meio e Educação Ambiental, tradicionalmente promovido pelo INSA por meio de sua equipe pedagógica, coordenado pelo Prof. André L. Poiato com apoio da diretora Laura Léo A. Ferreira. O grupo foi acompanhado pelos professores Rubens Micheloni (História) e Irene L. Ramos (Ciências) com o apoio nos estudos prévios e posteriores dos professores Irrael B. C. Melo Jr. (História) e Henderson Rocha (Geografia), em parceria com a equipe de monitores profissionais da Terra Nativa Ecoturismo. O grupo de alunos seguiu viagem com o objetivo de identificar componentes históricos, territoriais, geográficos e paisagísticos da região, visando valorizar

31


seu patrimônio natural e cultural e, ainda, compreender os efeitos da ação humana sobre o meio ambiente. Saímos da capital paulista e seguimos o roteiro proposto: Santana do Parnaíba, Pirapora do Bom Jesus, Porto Feliz, Salto, Fazenda de café em Itu e centro de Itu. Durante todo o percurso, o grupo foi sendo instigado pelos professores e pelos monitores a aguçar sua percepção quanto à situação em que se encontra o Rio Tietê, anotando suas principais diferenças em cada ponto de parada. A seguir, temos uma breve descrição do roteiro. São Paulo – capital Assim que deixamos o INSA, pudemos observar o lamentável aspecto do Rio Tietê em nossa Metrópole – águas escuras e densas, totalmente sem vida, com esgoto sendo lançado em vários pontos do Rio, marginais extremamente congestionadas, com tantos carros e caminhões poluindo o ar e em um trânsito caótico, o verde resistindo a impactos ambientais tão degradantes! Percebe-se que, infelizmente, o Rio é simplesmente um canal que transporta todo tipo de resíduos e, sem vida, infelizmente.

Selected for Google Maps and Google Earth No Museu do Rio Tietê, em Salto, registramos em imagens algumas informações sobre o Rio Tietê, como seus diversos nomes no decorrer do tempo e um painel que destaca um mapa do Rio em nosso Estado

32


Santana do Parnaíba Em primeira visita à cidade histórica, com patrimônios preservados pelo CONDEPHAAT, fomos na Igreja Matriz e no Coreto da praça lateral à Matriz, onde ocorrem muitas festividades religiosas e culturais durante todo o ano, inclusive a tradicional Procissão de Corpus Christi na Rua Suzana Dias, com seus famosos tapetes de serragem colorida. “Santana do Parnaíba tem grande relação com São Paulo – o Rio Tietê – pois toda água que sai da capital é despejada lá. Por isso o Rio é bem mais poluído, de cor escura, com espuma, odor muito forte, água turva, sabão, substâncias químicas, esgoto e garrafas PET. Porém, a vegetação em volta é abundante e,

33


mesmo com toda aquela espuma, as aves continuam ali.” (Vittoria Silveira A. Silva – 8.ºA)

Em seguida, visitamos o Museu Anhanguera e o Casarão Monsenhor Paulo Florêncio da Silveira Camargo, patrimônios tombados e restaurados, onde se pode observar com detalhes a importância histórica da cidade no Roteiro percorrido pelos desbravadores de nosso Estado, os Bandeirantes. Neste local o grupo aprendeu como eram as construções antigas, feitas em pau a pique e taipa de pilão, e viu os móveis que eram utilizados naquela época.

Seguimos para um ponto da cidade onde foi possível avistar ao longe o Rio Tietê e a Barragem Edgar de Souza, pequena usina hidrelétrica ainda em atividade. O volume de espuma que cobre o Rio é impressionante, pois o movimento das águas na Barragem promove o aumento desses poluentes que seguem rio abaixo. Vê-se pouca vegetação no entorno, os odores são muito fortes e acompanham toda a cidade, tanto que o charmoso Restaurante São Paulo Antigo em que almoçamos – apesar de uma vista linda e deliciosa comida mineira – era todo fechado com vidros e equipado com ar condicionado para evitar que os clientes inalem os odores inconvenientes do Rio, mesmo estando distante. “O principal impacto ambiental da cidade de Santana do Parnaíba é a poluição do Rio Tietê, afetando a fauna e flora”. (Gabriela Seppe – 8.º A)

34


Porém observando com detalhes a vegetação no entorno do mirante, pode-se perceber que havia remanescentes da Mata Atlântica entre espécies trazidas pelo Homem: embaúbas, fícus, goiabeiras, quaresmeiras, pata-de-vaca, lírios, palmeiras e paineiras. Entre a fauna destacam-se: pombas, urubus, gaviões, andorinhas, pica-pau, joaninhas e formigas; mais ao longe, havia bois e vacas em um pequeno pasto às margens do Rio Tietê.

Pirapora do Bom Jesus Pirapora estava em festa, pois comemorava o dia de Bom Jesus de Pirapora – padroeiro da cidade. Paramos em um local às margens do Rio Tietê onde foi possível observar detalhadamente a diferença nas suas águas – com um pouco menos de poluentes e espumas, um pouco mais de fauna e flora: garças, andorinhas, quero-quero, gavião e alguns peixes. Quanto à flora, a vegetação já se destacava às margens do Rio, apresentando aguapés, goiabeiras, primaveras, paineiras e fícus, apesar de algumas espécies terem sido introduzidas pelo Homem. A cidade é rica em atrativos turísticos, culturais, naturais e religiosos e, portanto, recebe grandiosas excursões de romeiros e peregrinos, entre centenas de turistas. “Pirapora é uma cidade muito calma, mas tem o maior índice de mortalidade infantil do Estado de São Paulo por causa do Rio Tietê e sua poluição”. (Júlia M. Martinelli – 8.º B)

35


Porto Feliz Em Porto Feliz, o grupo foi ao Parque das Monções de onde partiam as expedições fluviais organizadas pelos Bandeirantes. Visitamos o antigo porto fluvial por onde partiam os batelões, embarcações de fundo chato utilizadas na época, que seguiam pelo Rio Tietê rumo ao oeste paulista.

36


O Parque é bem organizado e preserva a história e a natureza. Lá é possível visualizar o paredão de salitre às margens do Rio Tietê; o qual abrigava as araras que ali viviam. Infelizmente, elas já não se encontram mais naquele local. Isso nos dá uma sensação do quanto é triste ver que espécies são ameaçadas em seu habitat natural.

37


Já é possível ver o Rio com outro aspecto, com mais pássaros, muitas espécies de plantas, entre musgos, samambaias, bromélias, palmito-juçara, cipós e árvores nativas da Mata Atlântica. Há, ainda, a presença da fauna, como peixes, aranhas, bem-te-vis, urubus, garças e indícios de mamíferos que frequentam o Parque, como as capivaras.

Pousada Seguimos para a Pousada do Tio Oscar, local amplo e totalmente equipado para receber bem seus visitantes. Os alunos foram encaminhados a seus chalés e, após o jantar e um momento de retrospectiva do dia, seguiram para o merecido descanso.

38


Itu – Fazenda Santo Antônio da Bela Vista Na tradicional e familiar Fazenda vimos todo o ciclo de produção de uma fazenda de café; desde o plantio, a colheita, a separação dos grãos, até a secagem, torrefação e armazenamento do café. Fomos recebidos pessoalmente pela atual proprietária, a engenheira agrônoma Maria Isabel Scarpa, que herdou a fazenda de seu pai e mantém, com dedicação e respeito às tradições, o legado que sua família lhe deixou. O Lugar é maravilhoso e nos dá a certeza de que a vida no campo, apesar de tão trabalhosa, é um refúgio para cidade grande e a poluição.

39


Os nossos alunos tiveram o prazer de “abanar” o café, visitar o local onde ele fica exposto ao Sol para secar, onde ele é selecionado e ensacado. Maria Isabel explicou que a Fazenda hoje, além de fornecer grãos de qualidade a grandes empresas do mercado cafeeiro, trabalha com grãos selecionados e, ainda, mantém um Café no centro de Itu – loja onde serve o tradicional café da Fazenda, moído na hora.

40


Após esse dia tão especial, com uma aula de História ao ar livre, seguimos para a Pousada para uma tarde relaxante... os alunos puderam curtir a piscina, as atividades esportivas ou até uma boa pescaria! Que delícia!

41


Salto – Museu do Rio Tietê No último dia do passeio, que já estava deixando saudades, seguimos para Salto e iniciamos nossa visita ao Complexo Turístico da Cachoeira de Salto, onde visitamos a Ilha dos Amores, a antiga Tecelagem da cidade e a Ponte Pênsil, construída em 1913, para recuperar o acesso dos pescadores ao rio.

Visitamos, ainda, o Memorial do Rio Tietê, onde assistimos a um vídeo que descrevia a história da cidade e ressaltava a importância histórica e cultural de toda a região.

42


43


Atravessando a Ponte Pênsil, chegamos ao Caminho das Esculturas. Nesse local, os alunos puderam olhar o Rio e registrar suas reflexões e conclusões, em forma de texto ou desenho, a respeito de tudo o que viram até então. Foi um momento especial onde cada um pôde ver a real dimensão desse Estudo! “Aqui em Salto, estou às margens do Rio Tietê, a água que corre após a queda carrega consigo uma grande quantidade de espuma formada pelo excesso de produtos químicos”. (Letícia Milene – 8.º A)

44


Centro de Itu – Museu da Energia Em nosso último ponto do roteiro, chegamos a Itu. A área rural da cidade, antes ocupada por fazendas de café, hoje abriga monocultura de cana-de-açúcar. “Em Itu, os principais impactos da monocultura de cana são: diminuição das águas subterrâneas, compactação do solo, erosão, emissão de fuligem e de gases do efeito estufa, danos à flora e à vida do cortador de cana”. (Beatriz Tadim – 8.º B) “Em Itu, o desmatamento, as queimadas e a utilização de agrotóxicos contaminam o solo, os rios e os lençóis freáticos”. (Vitor Augusto Visini – 8.º A) Porém, o centro da cidade preserva suas características históricas, em homenagem aos tempos áureos da cidade na economia de nosso Estado. Caminhamos pelo centro para ver a arquitetura dos patrimônios tombados, que retratam a história da cidade tão importante da região. Visitamos uma antiga tecelagem, onde hoje funciona uma fábrica de carrinhos de rolimãs, brincadeira cuja tradição a cidade quer resgatar.

45


Seguimos para a visita ao Museu da Energia, situado em um sobrado residencial construído em 1847, que, no início do século XX sediou a primeira companhia de distribuição de energia elétrica da região. O museu abriga, hoje, um acervo riquíssimo em detalhes, uma verdadeira viagem ao passado, onde é possível ver objetos que fizeram parte da cultura e da história dos ituenses e dos brasileiros. A arquitetura do local é preservada e conserva o estilo da época. Fechamos, então, com ‘chave de ouro’ esse memorável Estudo!

46


Depoimentos “Nessa viagem percebemos o quanto é importante preservar uma paisagem como a do Rio Tietê. Se o Rio estiver limpo, sua fauna e flora comporiam uma paisagem linda!” (Luiza C. Leite – 7.º A) “Eu percebi que devemos preservar a natureza, pois um rio poluído afeta diversas outras coisas: vegetação, animais e os próprios seres humanos. Esta

47


viagem me fez perceber ainda mais a importância do Meio Ambiente e das Ciências”. (Luana C. Carvalho – 8.º A) “A conservação ambiental ajudará a preservar a vida do Homem e dos seres vivos no futuro; pois, se não tomarmos uma atitude agora, poderá ser tarde adiante” (Adriano X. Cintra – 7.º B) “Nesse Estudo, observei a diferença entre cada cidade visitada: o odor mudou, as margens do Rio mudaram. A visão do Rio em cada cidade era diferente, numa tinha queda alta, em outra o Rio era mais parado. Por isso é importante preservar o Rio e também o Meio Ambiente, pois são bem importantes para o Homem”. (Ana Carolina F. Souza – 8.º A) “O ecossistema da região visitada (Itu, Pirapora, Porto Feliz e Salto) é a Mata Atlântica – igual ao da nossa Metrópole”. (Giovanni A. Trevisan – 8.º B) “Nesta viagem percebi que o que vejo nos jornais e revistas é pior do que imaginava. Além da espuma, nas margens do Rio Tietê vi garrafas PET e muito lixo, alguns deles até estavam boiando no Rio. O Meio Ambiente é importantíssimo para a sobrevivência de todos os seres vivos e temos que cuidar dele, para conservar o que o Brasil tem de melhor”. (Marina Trento – 8.º B) “Nesta viagem maravilhosa vimos muitas paisagens diferentes e bonitas. Foi uma experiência inesquecível!”. (Júlia M. Martinelli – 8.º B) Rio Tietê Bravo guerreiro sobrevivente do progresso Soube superar a ação exploratória dos bandeirantes O transporte de ouro e de bens para o comércio Ainda sofreu tantos impactos com as construções de usinas hidrelétricas. Hoje, recebe uma imensa carga de detritos e poluição sem escrúpulos Porém ainda nos presenteia bravamente com sua força e vida Para que ainda possamos ter lazer, riquezas e água em abundância Hoje, te vejo mais belo, te sinto pulsando em minha alma, parte de minha existência! (Prof.ª Irene L. Ramos)

Meus sinceros agradecimentos a todos que fizeram parte dessa incrível viagem e inesquecível história! Momentos memoráveis que se perpetuam em nossas vidas! Prof.ª MSc. Irene L. Ramos

48


Espaço Aberto Encontro com o escritor Fernando Carraro

Como parte do trabalho realizado com o livro “Sumiço no estádio”, recebemos o autor Fernando Carraro no INSA, no dia 23 de março, para um encontro com os alunos do 5º ano. O livro foi escolhido por trabalhar com três eixos pedagógicos desse ano: o incentivo à leitura, a Campanha da Fraternidade e a Copa do Mundo de 2014. Foi uma tarde de muita emoção onde os alunos contaram um pouco das atividades realizadas a partir da leitura do livro e o autor contou um pouco de sua trajetória de vida como professor e escritor e, partilhou experiências de sua infância como aluno salesiano. Através de uma descontraída conversa, tirou dúvidas sobre o livro e falou de suas iniciativas em defesa da vida. Fernando surpreendeu novamente, quando revelou de surpresa, o nome de seu mais novo livro: “O menino que queria ser papa”. Os alunos ficaram na expectativa, ansiosos pelos autógrafos... E, quando o momento chegou, a emoção contagiou a todos que liam atentos as mensagens escritas carinhosamente para cada um deles, na esperança de que sejam grandes colaboradores do meio ambiente e defensores da vida. O autor encerrou o encontro com os dizeres de um de seus poetas preferidos com os quais ele inicia o livro:

49


“A pipoca não imagina aquilo de que ela é capaz. Aí, sem aviso prévio, pelo poder do fogo, a grande transformação acontece: PUF! - e ela aparece como outra coisa, completamente diferente, que ela mesma nunca havia sonhado. Assim acontece com a gente. As grandes transformações acontecem quando passamos pelo fogo. Quem não passa pelo fogo fica de mesmo jeito, a vida inteira.” (Rubens Alves)

50


A Arte e Dom Bosco

As turmas do Integral do Instituto Nossa Senhora Auxiliadora desenvolvem várias atividades no decorrer do ano letivo que promovem, auxiliam e reforçam o currículo do período regular. Além de realizar atividades recreativas como brincadeiras dirigidas, na quadra e na brinquedoteca, as turmas também utilizam a horta. É nesse momento em que os alunos têm contato com a natureza.

São trabalhadas atividades pedagógicas, através de projetos baseados em livros paradidáticos ou temas e datas importantes como, a Campanha da Fraternidade e a Páscoa, boas maneiras, alimentação saudável, etc. Os trabalhos de Arte são contemplados pelas cinco turmas e são desenvolvidos em conjunto, divididos pela faixa etária e, depois, reunidos em exposições por diferentes espaços da escola.

51


Nesse contexto é que foram montados os Mosaicos de Dom Bosco em comemoração ao Bicentenário de seu nascimento. A proposta tinha como objetivo trabalhar o tema com diferentes materiais, como revistas, jornais e papel dobradura para dar vida às imagens do nosso querido fundador da Rede Salesiana de Escolas. Individualmente, ou divididos em grupos, eles participaram pintando, recortando e colando os materiais e absorvendo um pouco mais sobre os ensinamentos e a trajetória de vida de Dom Bosco, devoto de Nossa Senhora Auxiliadora, que dedicou sua vida à educação dos jovens. Assim, os alunos vão percebendo imagens, texturas e nuances e, aos poucos, refinam o olhar para as produções artísticas.

52


Os blocos lógicos nas aulas de matemática da Educação Infantil O trabalho com blocos lógicos, na Educação Infantil, facilita o desenvolvimento do raciocínio lógico-matemático e auxilia no reconhecimento das figuras geométricas. Por meio da manipulação destes materiais as crianças constroem suas primeiras operações lógicas: correspondência, classificação e seriação. Kamii (1995) afirma que o “conhecimento lógico matemático consiste na coordenação de relações”, ou seja, é construído nas relações que as crianças fazem das propriedades dos objetos. Segundo Gardner (1994, p. 100): “É confrontando objetos, ordenando-os, reordenandoos e avaliando suas quantidades que a crianças adquirem seu conhecimento inicial e mais fundamental sobre o domínio lógico-matemático”. Os blocos lógicos foram criados pelo matemático Zoltan Paul Dienes. Esse

material pedagógico é composto por quatro figuras geométricas: o

círculo, o quadrado, o triângulo e o retângulo, nas cores primárias. Possuí dois tamanhos, grande e pequeno e duas espessuras, grossa e fina. No Instituto Nossa Senhora Auxiliadora, trabalhamos com os blocos lógicos desde o Maternal. No inicio dos trabalhos, deixamos os alunos explorarem livremente as peças, para que se familiarizem. Em seguida, exploramos duas características e depois vamos aumentando o grau de dificuldade e somando outros atributos do material. Concomitantemente ao trabalho com a planificação das figuras geométricas, introduzimos o conhecimento dos sólidos geométricos com objetos conhecidos pelos alunos, a fim de explorar a tridimensionalidade destas figuras. A seguir você poderá observar como foi realizada uma atividade, com este rico material, no Infantil 1 A e B.

53


Atividade de classificação das formas geométricas Objetivo Classificar e agrupar as figuras geométricas observando os atributos das peças e os critérios de cor e forma. Desenvolvimento A professora desenhou todas as formas geométricas, com fita adesiva colorida no papel pardo, e fixou no chão da sala. Em seguida, formou-se uma roda de conversa e, no centro dela, foram dispostos os blocos lógicos. Explicou-se aos alunos que eles deveriam observar os critérios de cor e forma: os quadrados amarelos ficam dentro do desenho

do quadrado

amarelo,

os

círculos

azuis

dentro

de

sua

representação e assim por diante. Iniciou-se a tarefa e a professora interferia sempre que surgiam dúvidas. Avaliação A avaliação ocorreu por meio da observação dos alunos no desenvolvimento da atividade e no reconhecimento do vocabulário específico deste conteúdo. Camila da Silva Professora do Infantil 1A

54


55


56


Projeto Planeta Terra - Infantil 3 O projeto Planeta Terra tem como norteador um livro entitulado “O Livro do Planeta Terra”, que mostra como pequenos gestos podem fazer toda a diferença para a preservação do planeta.

Atitudes simples como reciclar o

lixo, não usar sacolas plásticas, economizar a água, não poluir o ar, apagar as luzes e não desperdiçar alimentos são fundamentais para manter a sustentabilidade do planeta. A conscientização sobre a preservação do meio ambiente pode ser desenvolvida desde muito cedo. É importante que a criança conheça e valorize a natureza e aprenda a cuidar dos recursos naturais, promovendo o desenvolvimento sustentável. Isso é indispensável, ainda mais nos dias atuais, pois o planeta encontra-se em grande desequilíbrio. O projeto objetiva levar a criança a valorizar o meio ambiente, identificarse como parte integrante dele, reconhecer-se como agente de promoção do desenvolvimento sustentável e vivenciar atitudes de valores e respeito à vida.

Isabelli e Carine Professores do Infantil 3 A/B

57


Projeto de Culinária Quem disse que a cozinha é para ser somente um lugar de se alimentar e muitas vezes até mesmo um lugar de comer coisas que a maioria das crianças não quer? Cabe aos pais e professores a difícil tarefa de apresentar novos sabores, novos pratos e muitas estratégias para que os pequeninos, pelo menos provem, o que foi oferecido. Este projeto tem por objetivo amenizar esta difícil tarefa para os pais e aquela aula entediante da culinária passar a ser uma divertidíssima aula. Para que os alunos da educação infantil possam encarar a aula de culinária como diversão e não como dever, cabe ao professor fazer deste momento o mais agradável possível. Este é um momento de muita concentração e disciplina, sem deixar de ser um momento agradável. Objetivos: o Compreender conteúdos e desenvolver habilidades; o Trabalhar de forma multidisciplinare diversos conteúdos escolares o Elevar a autoestima do aluno o Trabalhar em equipe o Aprender bons modos à mesa o Transmitir a aprendizagem de sala de aula para os familiares o Aprender a experimentar

58


Dossiê: Ditadura Militar

A ditadura militar foi um período na história do Brasil em que os militares tomaram o poder, suspenderam os direitos políticos dos cidadãos e interromperam o percurso democrático da sociedade. Alguns fatores motivaram esse processo: o pensamento militar de sua superioridade sobre a sociedade civil, fundamentado na força das armas; a “suposta” ameaça de uma revolução comunista e a promessa militar de que acabaria com a corrupção. O golpe militar ocorreu no ano de 1964, mas a história que levou os militares ao poder começa anos antes. Em 1961, quando o presidente Jânio Quadros assumiu a presidência. Meses depois da sua posse, o presidente renunciou ao cargo. Em seu lugar deveria assumir o vice-presidente, João Goulart; mas os militares o viam como um político de esquerda, e, por isso tentaram impedir a sua posse. Como solução para a disputa, foi determinado que Jango (como o vice-presidente era chamado) assumiria a presidência em um regime Parlamentarista. No entanto, em janeiro de 1963, houve um plebiscito para a população decidir entre o Parlamentarismo ou o Presidencialismo. A vitória foi do Presidencialismo, que deu poderes a João Goulart, para tentar realizar o seu plano de reformas, para acabar com a crise no país. Sua primeira tentativa foi o “Plano Trienal”, que pretendia combinar o combate à inflação com o crescimento econômico e reformas sociais, porém ele fracassou. O presidente Jango tentou realizar uma série de reformas de base com o intuito de desenvolver o país. A principal delas foi a reforma agrária, que causou grande agitação política na população (tanto dos que eram a seu favor, como dos que eram contra). Tal mobilização nos setores que eram a favor da reforma agrária causou preocupação aos militares e conservadores, que planejavam tomar o poder em nome da segurança nacional, alegando que as agitações poderiam levar o país ao comunismo. Devido aos setores conservadores, que não apoiavam as reformas propostas por Jango, o Congresso Nacional não dava apoio aos decretos para a realização das reformas. Tentando encontrar uma saída e, aconselhado por

59


seus assessores, o presidente decidiu decretar sozinho a implementação das suas reformas, e, para manter e mostrar que o povo estava ao seu lado, ele anunciaria esses decretos em comícios populares. Foi, então, realizado um grande comício no dia 13 de março de 1964, o “Comício da Central”, que anunciou dois decretos, sendo que um deles tratava da reforma agrária. Esses comícios eram indícios de uma revolução comunista para os militares, os quais viam cada vez mais o governo de Goulart como de tendências de esquerda. Os militares temiam o comunismo, pois suas ideias eram contra dois princípios importantes dos militares: a hierarquia e a disciplina. Mas isso não significa que não havia militares favoráveis ao comunismo. A classe média também era contra o comunismo, pois temia que o movimento a fizesse perder suas propriedades e negócios. Devido a isso, as mulheres da classe média realizaram uma manifestação anticomunista, a “Marcha da Família com Deus para a liberdade”, que os militares interpretaram como um apoio para o golpe. Os fatores econômicos também levaram os militares a pensar que só o golpe e um governo forte resolveriam o problema. O grupo que planejava o golpe estava dividido. O primeiro grupo, era composto por militares mais intelectualizados e moderados, que acreditavam que deveriam ficar temporariamente no poder, até que a situação econômica brasileira melhorasse e os civis pudessem reassumir o governo novamente. Estes eram liderados por Castelo Branco. Já o segundo grupo, era mais preocupado com a ação e acreditavam em um governo militar mais duradouro e rigoroso. Estes eram conhecidos como “linha dura” e eram liderados pelo general Costa e Silva. O golpe foi realizado no dia 31 de março de 1964, por um militar exaltado (Mourão Filho, comandante da 4ª Região Militar em Juiz de Fora), que antecipou o dia do ataque marcado com outros militares. O presidente não reagiu ao ataque, temendo uma guerra civil. Com isso os militares assumiram o poder facilmente. O presidente João Goulart fugiu para o Uruguai e no dia primeiro de abril o cargo foi declarado vago. O presidente da Câmara assumiu o cargo provisoriamente (como manda a Constituição). Em 15 de abril de 1964, o general Castelo Branco foi declarado presidente. Com os militares no poder, foi declarado o Ato Institucional I, que dava poderes para cassar direitos políticos dos acusados de envolvimento com a esquerda (as pessoas atingidas perdiam os mandatos ou o cargo e ficavam proibidas de atuar politicamente). Durante o governo de Castelo Branco, foram tomadas diversas medidas para a diminuição da inflação e o crescimento da economia através do “Programa de Ação Econômica do Governo” (PAEG) e dos recursos internacionais emprestados ao governo – já que agora o Brasil atuava oficialmente contra o comunismo e portanto, era aliado dos Estados Unidos. Em 1965, o presidente Castelo Branco decretou o AI-2, o AI-3 e o AI-4, nos quais foram suprimidas as eleições diretas para presidente da República e governadores e extintos os demais partidos, permanecendo só dois (a Arena e o MDB, que ficou conhecido como bipartidarismo). Esses Atos Institucionais representaram um avanço da “linha dura” no poder.

60


Para “disfarçar” a ditadura na qual o país estava vivendo, os militares faziam um rodízio de generais na presidência. O “candidato” era escolhido pelo Alto Comando das Forças Armadas, e “aprovado” pelo Congresso Nacional, que era dominado pelos militares. Com isso, o general Costa e Silva é nomeado presidente em 1967. A partir da posse de Costa e Silva, muitas camadas da sociedade começaram a protestar contra o governo, exigindo a participação civil e lutando contra a violência do regime. Um dos movimentos oposicionistas foi a Frente Ampla (formada por Carlos Lacerda, Juscelino Kubitschek e João Goulart). A Igreja também começou a posicionar-se contra o regime. Mas a principal ação de oposição ao governo militar foi a dos estudantes, sendo estes, portanto, alvos de grande repressão. Além dos manifestos contra o governo, os estudantes lutavam por melhoras na educação. Pórem todos esses movimentos foram duramente reprimidos pelo governo. Um símbolo da repressão contra a oposição é o estudante Edson Luís de Lima Souto, morto em uma manifestação no dia 28 de março de 1968. Sua morte repercutiu por todo o país, gerando diversas manifestações. O teatro, a música e o cinema foram outras formas de demonstrar o descontentamento da população com relação ao governo militar. Entre os artistas envolvidos no movimento, destacam-se: Geraldo Vandré, Chico Buarque, Caetano Veloso e Gilberto Gil. Outra frente de manifestações foi a dos operários, que se organizaram através de greves. Duas grandes greves ocorreram durante o governo de Costa e Silva, uma dos metalúrgicos de Contagem (MG), que resultou em um aumento salarial de 10%, e outra em Osasco (SP), que não teve negociações. O único partido oposicionista ao governo militar era o MDB (Movimento Democrático Brasileiro), que era pressionado pelos militares e não tinha uma forte organização. Com o passar do tempo, surgiram vários grupos de esquerda que acreditavam que o único jeito de lutar contra a ditadura era através da luta armada. Desse modo, os diversos grupos divergiam entre si quanto ao modo de atuação. Entre eles, temos: o PC do B (Partido Comunista do Brasil), a VAR (Vanguarda Armada Revolucionária), o MR-8 (Movimento Revolucionário 8 de Outubro), etc. Em sua ação armada, os revoltosos realizavam assaltos, treinamentos de guerrilha, e diversos sequestros de diplomatas estrangeiros. O mais famoso deles foi o do embaixador norte-americano Charles Burke Ellbrik. O PC do B, por sua vez, preferiu a guerrilha rural instalando-se na região do Araguaia em 1967. Foram posteriormente derrotados pelo exército em 1973. No entanto, as tentativas de redemocratização através da luta armada só fizeram aumentar a repressão. Para aumentar a repressão aos comunistas, os militares criaram o AI-5. A medida fechou o Congresso Nacional e as assembleias legislativas, permitia cassar os direitos políticos de qualquer pessoa. A censura passou a controlar toda a imprensa (que não podia publicar qualquer reportagem que

61


desagradasse o governo). Os artistas, professores e políticos que se manifestavam contra o governo foram presos. Com o AI-5, o governo militar passou a ser mais duro, o que configurou ainda mais um governo ditatorial. Os militares a partir de então, passaram a realizar prisões arbitrariamente, e torturavam (e algumas vezes até matavam) para obter informações dos prisioneiros. O governo militar possuía um sistema de coleta de informações que tinham como função buscar dados sobre os comunistas e suas ações. Entre os órgãos responsáveis por essa atividade estão: o Serviço Nacional de Informações (SNI), as Divisões de Segurança e Informação (DSIs), o Centro de Informações do Exército (CIE), o Centro de Informações da Marinha (CENIMAR) e o Centro de Informações de Segurança da Aeronáutica (CISA). As informações coletadas eram utilizadas por outros órgãos do governo que eram responsáveis por reprimir os subversivos, entre eles: as Zonas de Defesa Interna (ZDIs), a Operação Bandeirantes (OBAN), o Centro de Operações de Defesa Interna (CODI) e o Destacamento de Operação de Informação (DOI). Depois da declaração do AI-5, o presidente Costa e Silva começou a elaborar, em 1968, uma nova Constituição, que só terminou em 1969. A Constituição deveria ser aprovada pelo Congresso, mas os militares não aprovaram a sua reabertura no dia 27 de agosto de 1969. Dois dias depois, Costa e Silva sofreu uma trombose cerebral. Incapaz de governar, o cargo da presidência deveria ser assumido por seu vice-presidente, Pedro Aleixo. Contrários a posse de Pedro Aleixo, os militares criaram a Junta Militar (composta pelos ministros do Exército, Marinha e Aeronáutica), tomaram posse do governo até que o general Emílio Garrastazu Médici assumiu a presidência, em 30 de outubro de 1969. Durante o período de 1969 a 1973, a produção brasileira aumentou espetacularmente e, por outro lado, a inflação diminui. Essa combinação ficou conhecida como o “milagre brasileiro”. Seu responsável foi o economista Delfim Netto. Ele tomou algumas medidas que possibilitaram o crescimento econômico brasileiro: aumentou a oferta de empréstimos bancários às empresas, criou o Conselho Interministerial de Preços (para evitar o aumento da inflação) e manteve baixos salários. Ele também aumentou a quantia arrecada pelos impostos e promoveu o superávit comercial. O “milagre brasileiro” favoreceu a classe média, que teve um aumento salarial e obteve novas vantagens: como a possibilidade de comprar carros e eletrodomésticos. Por outro lado, o salário da grande parte da população caiu pelo menos 25%, permanecendo muito baixo, o que ficou conhecido como “arrocho salarial”. Sem os jornais para denunciar a repressão vivida na ditadura, o governo aproveitou-se da televisão para convencer a população de que o governo militar era o melhor para o Brasil. Para isso criou a Assessoria Especial de Relações Públicas (AERP), que fazia diversas propagandas políticas para divulgar as ações do governo. A construção da estrada Transamazônica serviu como símbolo de que o país estava se desenvolvendo e logo o Brasil seria um país desenvolvido. Até mesmo a conquista do tricampeonato da seleção brasileira de futebol de 70, foi usada como propaganda pelo regime militar.

62


A partir da posse de Ernesto Geisel, em 15 de março de 1974, iniciou-se um processo lento e gradual de “abertura” do regime democrático. No entanto, a pressão dos militares radicais e as dificuldades econômicas se agravaram no governo do último general-presidente: João Figueiredo (1979-1985). A população, por sua vez, desejava o retorno da democracia o mais rápido possível. O governo Geisel anunciou o seu propósito de redemocratização, mas tinha que demonstrar o rigor e a “autoridade” exigidos pela “linha dura”. Durante esse governo, foram registrados diversos ataques da “linha dura”, que não passaram despercebidos pela comunidade e pelo governo. O grande medo dos militares da “linha dura” era que com a redemocratização, muitos deles fossem investigados e condenados pelas torturas e mortes dos subversivos. Durante o governo Geisel, em 1978, surgiu um movimento sindical que agradava aos militares, isso porque ele não tinha nenhuma ligação com o comunismo. O movimento, liderado por Luís Inácio da Silva, conseguiu um aumento salarial para os trabalhadores da Grande São Paulo. Em 1979, o presidente Geisel aboliu a lei do bipartidarismo, possibilitando a criação e a atuação de novos partidos, como: o PDT (Partido Democrático Trabalhista) e o PT (Partido dos Trabalhadores); além dos já existentes: Arena e MDB (que passaram a chamar-se PDS e PMDB, respectivamente). Em 1979, após diversas campanhas e movimentos pela anistia dos presos políticos, o governo aprovou uma lei de anistia parcial, em que os presos por sequestro não seriam anistiados. Através dessa lei, os torturadores também seriam perdoados. Na tentativa de conter o avanço político da oposição no Senado, os governos de Geisel e Figueiredo decidiram restringir a propaganda eleitoral na televisão à divulgação de uma foto e um breve histórico do candidato. Além disso, em 1980 foram restabelecidas as eleições diretas para governadores. Durante os dois últimos governos militares, o Brasil enfrentou uma grande dificuldade econômica causada pela crise internacional do petróleo (uma vez que o Brasil comprava 80% do petróleo que consumia) e por grandes projetos do governo (que gastavam muito dinheiro); contraindo uma enorme dívida externa. Em março de 1983, um deputado federal do PMDB apresentou uma proposta ao Congresso de restabelecer as eleições diretas para presidente. Essa proposta mobilizou a população em apoio a aprovação da emenda. Esse movimento ficou conhecido como “Diretas já”. A votação da proposta foi marcada para o dia 25 de abril de 1984. Para a vitória da emenda, era necessário que dois terços do Congresso a aprovass. A proposta perdeu por causa de 22 votos. Com isso, as eleições permaneceram indiretas. Para as eleições de 1985, candidataram-se Paulo Maluf (candidato do governo) e Tancredo Neves (representando a oposição e apoiado por vários setores da sociedade). Tancredo recebeu o apoio de parte do partido governista, entre eles o de José Sarney. Assim a disputa ficou entre Paulo Maluf e Tancredo Neves/José Sarney. A vitória foi dos oposicionistas. Porém,

63


Tancredo Neves não assumiu por causa de uma doença, que causaria a sua morte em abril de 1985. Assim quem assumiu, a presidência da República foi José Sarney, acabando com a ditadura militar de mais de 20 anos e trazendo de volta, ao país, a normalidade democrática.

Memória e História Oral: 50 anos do Golpe Militar no Brasil Em 2014 completam-se 50 anos do golpe que instaurou o Regime Militar no Brasil, que durou cerca de 20 anos. Quando estudamos esse período, percebemos que foi um período de grandes retrocessos quando tratamos de assuntos como democracia e liberdade de expressão. A partir desses estudos em sala de aula, surgiu a ideia de revisitar a memória de pessoas que viveram esse período obscuro da história do Brasil para conhecer a imagem que elas guardam dessa época. A partir dessa ideia inicial, foram criados roteiros para as entrevistas e os alunos organizaram-se em grupos para decidir quem seria entrevistado. Na sequência, os depoimentos foram gravados em vídeo e transcritos conforme veremos a seguir. Prof. Ms. Irrael Baboni Cordeiro de Melo Junior Roberto Bistulfi, 58 anos, médico. “Meu nome é Roberto, tenho 58 anos de idade, nasci em 1956, tinha 8 anos na época da ditadura, morava com os meus pais e estudava em escola particular. As imagens que mais marcaram a minha memória, era a presença de soldados na porta da minha casa e uma barricada com saco de areia e uma metralhadora, porque a casa onde eu morava, era encostada no muro do quartel. A escolha do presidente na época, era feita por uma junta militar. Eram dois partidos somente, Arena e MDB. O presidente que eu lembro da época da ditadura, era o Castelo Branco. Lembro que ele era um militar escolhido pela junta. Devido na época da ditadura, a imprensa não era livre. Nessa época, eu não sabia das prisões. Na minha opinião como ponto negativo,o que era mais grave era a repressão e falta de

64


liberdade. E um dos ponto positivo, era a organização.” (veja o vídeo em: http://youtu.be/jP5GTko66Vg)

José Dias, aposentado.

60

anos,

militar

“A gente ficava de prontidão dentro do quartel, cada um tinha sua arma no ponto certo. O presidente era promovido, o exército falava, é o Castelo Branco, por exemplo. Ele foi promovido a presidente da República e assumiu. Fechou o Congresso, fechou o Senado, expulsou aqueles que eram a favor do regime comunista, ele expulsou todo mundo, foi todo mundo exilado. Às vezes se viam viaturas também combatendo os estudantes, combatendo os políticos. Inclusive o Lula, presidente da república, eu vi ser preso na Estação da Luz na época. Uns foram bons porque tiraram os corruptos, aqueles que queriam que o Brasil fosse um país comunista. O regime militar fez atrasar o país, não teve mais muito desenvolvimento.” (veja o vídeo em: http://youtu.be/rqajshYu55c)

Benjamin Teixeira anos, economista.

Dourado,

58

“Quando ocorreu o golpe militar eu era estudante, isso foi no ano de 64, eu tinha oito anos. Depois em 72, eu estava trabalhando. A população e os movimentos de repressão, a polícia reprimindo o pessoal, isso foi o mais marcante. Os presidentes eram eleitos pelo colégio eleitoral e tinham dois partidos: MDB: partido do Movimento Democrático Brasileiro e Arena: Aliança Renovadora Nacional. No final do governo militar, surge também o PT. O último presidente militar foi o Figueiredo que acabou relaxando e foi assim meio já entregando o poder. A imprensa e toda e qualquer manifestação cultural eram censuradas. No começo dos anos 80, ainda na faculdade já militava no movimento estudantil e era líder. O governo militar promoveu algumas reformas econômicas muito interessantes que são uma boa base do que nos temos hoje. No meu curso de economia muitos autores não podiam ser discutidos em sala de aula, coisas que a gente faz hoje brincando, por exemplo autores de esquerda como Karl Marx.” (veja o vídeo em: http://youtu.be/WpDyQAPIJz4)

65


Sebastião Calcio Pinto, metalúrgico aposentado.

79

anos,

“Eu na ditadura trabalhava na metalúrgica e a repressão era muito dura, os militares não deixavam ninguém falar sobre política, quem falasse era preso. Um ponto positivo foi que eles trabalharam bastante. Tiveram 3 presidentes e eu lembro que eles fizeram o metrô de Jabaquara até Santana. Figueiredo meio que acabou com a ditadura, não prendeu nem espancou ninguém, ele manerou um pouco. Não foi tão ruim, foi ruim para quem foi político. Eu ia para a cidade passear e podia andar à vontade até meia noite, uma hora da manhã, a gente vinha para casa sem problema nenhum, não tinha bandidagem e não tinha violência. Tinha poucos batedores de carteira em sua maioria dentro dos ônibus. Os presidentes foram: Castelo Branco, Garrastazu Médici e o João Figueiredo.” (veja o vídeo em: http://youtu.be/RRg3VxpsaXY)

Francisco advogado

Biagini,

80

anos,

“Naquela época eu trabalhava e sustentava a família e não ligava muito para política que estava acontecendo. Não tinha nada que marcou assim de de pesado por causa da ditadura. O presidente e o vicepresidente também era eleito indistintamente, um era eleito com os seus eleitorados. Partido Social Democrático, Partido Trabalhista Brasileiro, UDN, na época eram esses. Castelo Branco, Geisel, Médici... foram quatro presidentes na república. As prisões que aconteciam na época depois da revolução, foram prisões daqueles que não concordavam com a revolução. Na minha vida não houve pontos negativos. Porque os militares já estavam de olho no governo de Juscelino Kubitschek, aí veio a revolução em 64. Naquela época tinham certas censuras, e os militares não queriam que os artistas, teatro, fizessem novelas, fizessem contra o regime.” (veja o vídeo em: http://youtu.be/1GsUY7BylxQ)

66


Maria Marta Mastrobuono Caracciolo, 61 anos “Existia um grande grupo que aderia a Ademar de Barros e outro a Jânio Quadros e ainda havia discussões acirradas em relação a linha política de cada um deles, logo depois Jânio Quadros foi eleito mas foi forçado a renunciar e houve um governo provisório até que houvesse a ditadura, até os militares assumirem o governo do Brasil. Muitos amigos da minha irmã que eram um pouco mais velhos se envolveram, alguns foram exilados, fugiram, outros foram presos. A imprensa era super censurada, nenhuma frase passava abertamente sem antes passar por um crivo de uma equipe dos generais da ditadura. Em 1971, no auge da ditadura, havia revolta de estudantes e de guerrilheiros. Eu fazia PUC, estava no primeiro ano, no prédio em que estava os guerrilheiros entraram com metralhadoras e cercaram todo o restaurante. Pra a juventude que veio lá da adolescência até o final da ditadura não foi desenvolvido um espírito crítico, não foram politizados e tudo isso foi muito prejudicial pra cidadania brasileira.” (veja o vídeo em: http://youtu.be/s7Ptm5hxlkc)

Antenor Ramos eletrotécnico.

da

Silva,

63

anos,

“Quando foi implantada a ditadura militar, eu era novo, tinha por volta de uns 13 anos de idade em 1964. Algumas imagens ficaram marcadas em minha memórai, toda aquela questão da violência, perseguição aos estudantes e aos próprios políticos contra o governo militar. Alguns partidos na época, eu me lembro que tinha o ARENA e o MDB, e a impressa naquela época era muito perseguida, não podia se publicar nada que não fosse de interesse político. As violências e as prisões eram muitas, inclusive de cantores que expressassem na música algo sobre a ditadura. Pontos negativos naquela época eram vários, a perseguição, a questão das escolas nas que iam órgãos do governo vistoriar o que os professores estavam ensinando e dizendo, a inflação era muito alta e não existiam pontos positivos pois o governo ficava realmente de cima.” (veja o vídeo em: http://youtu.be/SLGunfOjviw)

67


Brincando e Aprendendo Os trabalhos desta seção foram elaborados pelos alunos do 9º A, sob orientação da Profª Rosa de Godoy de Matemática.

Jamile e Vitor Moura

Rafael e Jõao Santana

68


Enzo e Luiz

Nicole e Ana

Isabella

69


Milena e Bruna

Camila e Geovana Araujo Desafie seu cérebro 1-) A lógica Olhe bem os números abaixo. Você sabe dizer qual será o próximo desta sequência lógica? 2, 10, 12, 16, 17, 18, 19, ? 2-) Desafio da pesca Dois pais e dois filhos foram pescar. Cada um pescou um peixe, sendo que ao todo foram pescados 3 peixes. Como isso é possível?

70


3-) Desafio da palavra A sequência de palavras abaixo segue uma determinada regra: abelha, casa, realizar, unha a-) cavalo b-) onça c-) família d-) telhado 4-) Desafio do quadrado Quantos quadrados você consegue contar nessa figura? Vale de todos os tamanhos.

5-) Domingo passado, um milionário foi encontrado morto, com um corte violento na cabeça. Sua esposa chamou a polícia imediatamente. Quando chegaram, os policiais interrogaram todos da casa. Cada um apresentou seu álibi: – A esposa disse que estava lendo um livro na sala. – O cozinheiro alegou estar ocupado com o jantar. – A empregada estaria vendo novela na tv do quarto. – O jardineiro estava lavando suas ferramentas. – O mordomo alegou estar polindo a prataria. Depois de ouvir cada depoimento, a polícia logo prendeu o supeito. Quem era? Como a polícia chegou a esse ponto? Respostas: 1-) 200, pois é o próximo número que começa com D. 2-) um avô, um pai e um filho. 3-) telhado, pois a letra a é a quinta letra. 4-) 40 quadrados. 5-) a empregada, pois não passa novela aos domingos.

Fabiana e Rafaela

71


Complete a tabela abaixo e decifre a frase de um famoso cientista do século XX: A B C D E F G H I J 8 5 K L M N O P Q R S T 10 26 25 3 U V W X Y Z 13 20 24 11

Flavia e Sarah

Desafio 1. Eu tenho o dobro da idade que você tinha quando eu tinha a sua idade. Quando você tiver a minha idade, a soma das nossas idades será equivalente a 45 anos. Quais são as nossas idades? 2. O que pesa mais, um quilo de chumbo ou um quilo de pena? 3. Um caminhão pode suportar 50 sacos de areia, o equivalente a 400 tijolos. Se forem colocados no caminhão 32 sacos de areia, quantos tijolos o caminhão pode carregar? 4. Por que a comida foi presa? 5. Qual raça de cachorro pode pular mais alto que um prédio? 6. Em um aquário haviam 4 pedras, mas só duas afundaram, o resto flutuou. Como isso aconteceu? 7. Você tem dois dados normais com seis lados cada um, numerados de 1 a 6. Ao lançá-los, o total de pontos foi 5. Você será o vencedor se fizer outro 5 antes de fazer um 7, caso contrário você perde. Se for qualquer outra combinação antes de um 5 ou um 7, você lançará os dados novamente. Quais são suas chances de vencer? 8. Uma gaiola contém pássaros e coelhos. Sabendo que há dezesseis cabeças e trinta e oito pés, quantos pássaros há na gaiola? Henrique e Felipe

72


Lucas Novais e Otรกvio

73


Para responder às questões abaixo você precisará ter conhecimentos geométricos. Está preparado? 1)

2)

3)

4)

5)

6)

7)

8)

9)

1) Qual é o nome do primeiro polígono? 2) Qual o nome da segunda figura? 3) A terceira figura possui 5 lados, qual é o ângulo central dela? Lembre-se que para calcular o ângulo central é necessário usar a fórmula: 4) Qual o nome dessa figura e quantos vértices ela possui? 5) A quinta figura pode ser chamada de triângulo ..., quanto aos seus ângulos. 6) Qual o nome desse poliedro? 7) A sétima figura é uma circunferência ou círculo? 8) Qual é o nome desse sólido geométrico? 9) Sabendo que a estrela é formada com 5 triângulos e 1 pentágono. Quantos vértices tem? Luiza e Stephanie

74


Parta do inĂ­cio, e escolha o melhor caminho para chegar ao fim:

Luana e Andreza

75


Desafio dos palitos  Mude a operação da expressão e seu resultado. Você só pode mover em 5 palitos!

 Mude a operação da expressão sem mudar o resultado.

Veronica e Giulia

76


Ligue pontos

Roberta e Bรกrbara

77


Como muitos estudiosos os matemáticos foram e ainda são muito importantes para a humanidade. Se não fosse pelos matemáticos, várias coisas do dia de hoje não seriam como realmente são. Entre alguns matemáticos famosos encontram-se Pitágoras, Bháskara, Pedro Nunes, Charles Fefferman, Manoel Amoroso Costa, John Venn, Albert Einstein, Galileu Galilei, Isaac Newton, Leonardo da Vinci, entre vários outros. Abaixo encontrase um caça-palavras com o nome desses matemáticos citados, divirta-se tentando achar os nomes.

Yago e Higo

78


Memória O Realismo Fantástico de Gabriel Garcia Marques

Em 17 de maio deste ano, a sociedade literária sofreu uma grande perda com a morte do escritor e jornalista colombiano Gabriel Garcia Márquez. Em 2002, quando foi diagnosticado com câncer linfático, ele escrevia seu último livro, a autobiografia “Viver para Contar”. Tempos depois, já aposentado, começou a ter problemas de m e m ó r i a . Nos últimos anos, lutava contra o câncer que já havia atingido pulmões, fígado e gânglios. Aos 87 anos, debilitado pela doença, Marquez morreu em sua casa na Cidade do México onde vivia desde 1961, vítima de pneumonia. Gabo, como era conhecido, participou do jornalismo e da política durante sua vida, porém foi reconhecido intencionalmente como escritor, sendo considerado um dos mais importantes do século XX e prestigiado com o prêmio Nobel de literatura em 1982.

79


É considerado um precursor do realismo mágico. Sua principal obra, “Cem anos de Solidão”, foi escrito em 1988 e conta a história de várias gerações de uma família em uma aldeia fictícia. A obra é considerada uma das mais importantes da América Latina e é uma das mais traduzidas no mundo, resultando no total de aproximadamente 30 bilhões de exemplares vendidos. Mesmo com sua morte, seu legado não será esquecido e suas obras não perderão importância dentro da literatura mundial. Marcus Vinícius Severini Lazarini nº28 1º EM Professora: Silvana Cruz

Primeira edição do romance “Cem Anos de Solidão”: clássico do realismo fantástico

80


100 Anos do Inícia da Primeira Guerra Mundial (1914-1918) Em memória do aniversário de 100 anos do início da Primeira Guerra Mundial (28 de julho de 1914), os alunos do 9º A criaram histórias em quadrinhos que explicam a história do conflito, que segundo muitos historiadores, marca o início da era atual. Os quatro temas trabalhados foram os seguintes: “Quem era o arquiduque Francisco Ferdinando e por que foi assassinado?”; “Como foi o assassinato do arquiduque?”; “Como começou a 1ª Guerra Mundial?”; e “O que foi a 1ª Guerra Mundial e quais suas consequências?”. Os enredos dos quadrinhos foram inspirados em uma série de vídeos sobre o conflito que foi publicada no site da Folha de São Paulo http://www1.folha.uol.com.br/infograficos/2014/06/84812-100-anos-da-1-guerramundial.shtml - acesso em agosto/2014) e foi trabalhada em sala de aula durante os estudos sobre a Primeira Guerra Mundial. Essa foi uma excelente oportunidade para os alunos aprofundarem seus interesses e conhecimentos sobre um período tão relevante da História Mundial. Prof. Ms. Irrael Baboni Cordeiro de Melo Junior

81


82


83


84


85


86


Artigo Bauhaus, a casa da construção por Alessandra Matteo Moreira e Andréa A. Moretto

A escola de Bauhaus surgiu na Alemanha, de 1919 a 1933, onde o ensino era baseado em criação por princípios racionais, ao invés daqueles herdados do passado. A base era ensinar e produzir arte, design e arquitetura à partir de conceitos bem definidos, como podemos ver em um trecho do Manifesto da Bauhaus, elaborado por Walter Gropius: “....desejemos, inventemos, criemos juntos a nova construção do futuro, que reunirá tudo numa única forma: escultura,arquitetura e pintura, feita por milhões de artesão, se alçara um dia aos céus,como símbolo cristalino de uma nova fé vindoura.” A escola fundada por ele identificava-se com uma casa em forma de catedral ou farol, destinada, como as igrejas da idade média, a divulgar as boas novas. Como farol, seria a luz para guiar um novo começo, um novo rumo do aprendizado e da produção numa Alemanha destruida pela Guerra.

O minimalismo ( “menos é mais”) e a rejeição de todos os adereços e objetos burgueses eram umas das tantas bases dos princípios da Bauhaus onde todas as artes se juntavam em uma aprendizagem, criando um movimento onde as artes andam de mãos dadas com a indústria e a produção em massa. A “educação” nos moldes da Bauhaus era artesanato, onde através da prática, os alunos conheciam a técnica e a estética. Apartir daí, estavam aptos para conhecer e produzir oturas lingaugens. Apesar de haver sido fechada pelo nazismo, a proposta, as ideias e os conceitos da Bauhaus continuaram e ainda hoje influenciam a arquitetura, móveis e utensílios, arte e adesign . Podemos observar algumas destas influências em muitos segmentos de nossa sociedade.

87


Peças Escola de Bauhaus

Com todo o estudo desta proposta, desenvolvemos um trabalho de pesquisa, observação, estudo de formas, cores e materiais, entre outros, envolvendo arquitetura, arte, design e cartazes sobre a escola de Bauhaus, que culmina com a exposição dos trabalhos realizados pelos alunos na nossa 2ª Anual de Artes. Ficam a experiência, a estética, as ideias e os conceitos de uma escola que foi além de seu tempo, e que, mesmo fechada, preserva ainda hoje a execução de obras fantásticas! E que o conceito primordial da Bauhaus siga não só visualmente compondo nosso mundo, mas nossas ideias, para um novo mundo necessário!

O idealizador da Escola de Bauhaus Walter Gropius (1883 – 1969)

88


NEA Ações do NEA em 2014

O Núcleo de Educação Ambiental – NEA continua fazendo a diferença no cotidiano da comunidade educativa do INSA. O NEA é um projeto ambiental atuante criado em 2007 pela professora MSc. Irene L. Ramos, atualmente ainda sob a sua coordenação e conduzido em parceria com o auxiliar de laboratório e graduando de Licenciatura em Química pela USP-SP, Gabriel Henrique M. Esteves, As atividades são desenvolvidas por um grupo de alunos voluntários do 6.º ano ao 1.º EM, que se dedicam semanalmente a praticar as ações socioambientais que eles mesmos propõem democraticamente e colocam em prática durante o decorrer do ano letivo. O mais interessante é que, com singeleza e dedicação, eles vivenciam plenamente esse importante Projeto no ambiente educativo. Para ressaltar a relevância do Projeto, em agosto tivemos a grata visita do exaluno Felipe Torres, que atuou com extremo entusiasmo no NEA por vários anos, desde a sua fundação até ele completar o 3.º EM. Hoje, ele faz graduação em Engenharia Ambiental na USP de Lorena, escolha inspirada em seu trabalho desenvolvido por tantos anos em nosso Núcleo. Ele trouxe um significativo incentivo aos nossos alunos voluntários de hoje: “Minha experiência no NEA foi o diferencial para que eu conquistasse uma vaga na área ambiental, dentro do projeto de Iniciação Científica na Universidade. Isso realmente é motivador! Aproveitem muito essa experiência que fará a diferença em suas vidas!” – ressaltou Felipe com entusiasmo. O trabalho em parceria que Gabriel tem conduzido com dedicação trouxe um novo formato ao NEA, pois a valorização da linguagem jovem dentro das atividades foi ampliada. Gabriel ressalta essa linha de trabalho em seu depoimento: “Há quase dois anos trabalho junto ao NEA e vejo que a ação principal desse projeto tem dois frutos: a educação ambiental em atitudes práticas cotidianas e o desenvolvimento da visão crítica da realidade. É

89


interessante observar como essa visão é disseminada pelos outros alunos da escola: que, quando se deparam com um projeto do NEA, decidem agir. Um exemplo clássico é a nossa campanha de recolhimento dos lacres de latinhas que visa arrecadá-los para serem trocados por uma cadeira de rodas para doação a alguém que necessite. Até hoje tenho recebido muitos lacres de latinha em garrafas PET totalmente preenchidas. O NEA é uma oportunidade, além de tudo, para desenvolver a própria sociabilidade, capacidade de convívio e de trabalho em grupo para os alunos participantes. É notável como estes alunos crescem nesse sentido, em um curto período de tempo. Muitas vezes eles iniciam conosco tímidos, sem muitas opiniões ou mesmo até calados. Com o passar do tempo, os alunos do NEA se tornam cada vez mais críticos, colaborativos, extrovertidos e animados.” Os alunos participantes desenvolvem projetos variados dentro da temática ambiental (vídeos de conscientização, campanhas de reciclagem, promoção de palestras de formação ambiental, entre outros) que exprimem uma visão prática de sustentabilidade na vida simples do cotidiano. A seguir, destacam-se as atividades desenvolvidas neste ano.

Atividades: - Campanha de uso consciente da água: com apresentação em vídeos para as turmas destacando as principais notícias sobre a dificuldade do Sistema Cantareira e a seca em São Paulo. - Campanhas de reciclagem de óleo, pilhas e lacre: já históricas no INSA – foi ampliada a divulgação e retomadas as estratégias em todas as turmas com cartazes espalhados pela escola. Essas campanhas são mantidas durante todo o ano. - Reativação da horta do INSA: o NEA atuou preparando, arando e renovando o solo dos canteiros e posteriormente plantando diversas mudas (alface, couve, tomate-cereja, berinjela, ervas medicinais) – projeto em parceria com as professoras e alunos das turmas do Integral.

- Barraca temática do NEA na Festa Junina: todos os brindes foram confeccionados com materiais recicláveis pelos próprios alunos do NEA e, no

90


dia da Festa, um jogo “Tomba latas” foi montado para divertimento de todos que participaram de nossa tradicional Festa. O dinheiro arrecadado foi reservado para uma atividade-prêmio aos alunos do NEA.

- Passeio ambiental no Horto Florestal em Campos do Jordão: em agosto os alunos e coordenadores do NEA aproveitaram o prêmio conquistado na Festa Junina pelo grupo indo a um passeio inesquecível a Campos do Jordão. O passeio incluiu: visita ao mirante de Santo Antônio do Pinhal, onde se encontra a imagem de N. S. Auxiliadora, visita à estação de trem Eugenio Lefèvre, trilhas no Horto Florestal, almoço delicioso, visita à cidade tão encantadora incluindo a cachoeira Ducha de Prata e paradas em locais tipicamente regionais.

91


- Semana da natureza: em homenagem à natureza, o NEA confeccionou uma árvore que simboliza todos os alunos do NEA e todas as turmas do INSA, representando a importância de se promover a integração entre todos em prol da preservação ambiental. Essa árvore foi entregue simbolicamente à diretora do colégio, Prof.ª Laura Léo A. Ferreira. - Final de ano: atualmente o NEA está preparando as atividades comemorativas do Natal. Entre elas destacam-se: campanha de arrecadação de brinquedos, livros e gibis para encaminhar à Pastoral que doará a Instituições infantis; confecção de enfeites natalinos com materiais recicláveis a serem expostos no colégio e outros a serem doados a cada família dos integrantes do NEA; preparação de um encontro de confraternização com os familiares dos alunos do NEA que sempre apoiam os projetos com muita parceria e confiança.

92


Estimular as crianças e jovens a preservarem a natureza por meio de Projetos Socioambientais promove a prática de ações efetivas que fazem toda a diferença em uma comunidade educativa! Muito obrigada aos queridos voluntários do NEA: Ana Beatriz B. Santos (7.º B), Cristina Chen (8.º B), Gabriel Cichy Silva (1.º EM), Henrique A. Macadura (9.º A), Letícia Ingrid B. Santos (1.º EM), Lucas Okutani de Almeida (8.º B), Matheus de Carvalho C. Santos (1.º EM), Nicole M. Ferreira (6.º A), Pedro Gabriel D. B. Villari (1.º EM), Rafael Chen (7.º A), Thiago F. C. Gonçalves (6.º B), Zamara Thais Suasupoma (6.º B) e ao grande apoio de Gabriel Henrique M. Esteves – vocês fazem a diferença e realmente atuam para a construção de um mundo melhor! Com carinho e orgulho, Prof.ª Irene Ramos

93


A Física Explica Circuitos elétricos Etapa de ensino: 3° ano – nível médio Componente curricular: Física Tema: Eletricidade Professor responsável: José Eduardo dos Santos

Figura 1 - Maquete montada por alunos do 3° ano do ensino médio

A partir do 2° trimestre, o foco da disciplina de Física, no 3° ano do ensino médio, volta-se para o estudo de propriedades elétricas e magnéticas da matéria, o que inclui os conceitos de corrente elétrica, tensão elétrica e ainda alguns componentes essenciais de circuitos elétricos como resistores, chaves e/ou interruptores. Um instrumento útil no auxílio da construção do conhecimento e aprendizagem dos conceitos trabalhado em aula é a aplicação prática desses conceitos. Uma das formas que podemos demonstrar conceitos vistos em aula é reproduzi-los em uma representação em escala reduzida – maquete. A proposta trabalhada foi a realização de um modelo que simularia alguns ambientes em uma residência comum. E, assim como na nossa residência, esse modelo deveria possuir em seus cômodos, alguma fonte luminosa (lâmpada) controladas de maneira individual através de um sistema de chaves / interruptores. Isso compreenderia o conceito referente às ligações em série de um circuito elétrico. Para aproximar o modelo solicitado de uma residência comum, deveria constar ainda um cômodo de ligação como uma escada ou corredor, onde o controle da iluminação seria feito através de duas chaves / interruptores, o que contempla o conceito de ligações em paralelo em um circuito elétrico. O principal objetivo nesse tipo de trabalho é a possibilidade do educando estabelecer um vínculo entre os conceitos vistos em sala de aula e suas implicações no cotidiano, além de fomentar uma curiosidade científica e um trabalho colaborativo.

94


Esportes O ano de 2014 foi histórico para o nosso país. Sediamos a Copa do Mundo de Futebol; recebendo 32 seleções do mundo todo, em 12 capitais brasileiras.

Liderada pelo técnico Luiz Felipe Escolari, a selação não teve um bom desempenho, terminando sua participação em 4º lugar. Além disso, impressões negativas para os torcedores aumentaram em consequência da goleada na semifinal, onde a seleção do Brasil foi goleada pela seleção da Alemanha por 7x1. Soma-se, ainda, o fato de ter sido a equipe que mais sofreu gols no campeonato.

95


Em relação à participação dos torcedores, tivemos jogos marcantes e lindos de serem assistidos! Contamos com um contingente de 3.429.873 expectadores em 64 jogos. Isso deu uma média de 53.591 expectadores por jogo. Isso levou o Brasil a ocupar o posto de 2ª maior média de público de toda história da Fifa, perdendo somente para a Copa dos Estados Unidos em 1994.

Foram marcados pelos times participantes 171 gols, dividindo o recorde com a Copa da França em 1998, que teve a média de 2,67 gols por jogo. A final foi sensacional digna de encher os olhos de brilho. O jogo foi entre as seleções da Argentina e da Alemanha, que, com o apoio da torcida brasileira, sagrou-se campeã, vencendo por 1 x 0 a seleção da Argentina.

96


Craques e mais craques jogaram nos campos brasileiros como: Lionel Messi, Dí Maria, Cristiano Ronaldo, Iniesta, Muller, entre outros. Praveleceu o time compacto, disciplinado e bem armado da Alemanha. O artilheiro da Copa foi o colombiano James Rodriguez com 6 gols. Pelo time brasileiro, o craque Neymar fez 5 jogos sensacionais; mas, infelizmente, foi tirado da Copa após sofrer uma fratura na vértebra da região lombar, ocasionada por uma falta do jogador Zuniga da seleção da Colômbia. O mais emocionante foi o comportamento do povo brasileiro, que recebeu os estrangeiros de braços abertos, cantou, animou e divertiu nos estádios. Isso fez com que o Brasil aparecesse positivamente no cenário Mundial. Parabéns aos cidadãos brasileiros que, por um mês, deixaram de lado os nossos problemas sociais, políticos e econômicos e deram um show de civilidade.

Olimpíadas INSA 2014

Durante esse ano, o Instituto Nossa Senhora Auxiliadora realizou a tradicional Olimpíada que acontece a cada três anos. O colégio inteiro se mobilizou e contribuiu para abrilhantar o evento. Os alunos foram divididos em seis equipes, cada uma representando um dos

97


países participantes da Copa do Mundo, realizada neste ano, no Brasil: Alemanha, Argentina, Estados Unidos, Gana, Japão e Itália. Os professores de Educação Física, Rogério e Priscila, responsáveis pela organização do evento, formaram uma comissão composta por professores e doze alunos do terceiro ano do Ensino Médio, os quais foram denominados “líderes” e auxiliaram na organização das equipes participantes. Todos os alunos do colégio foram distribuídos nas equipes, desde a Educação Infantil até o Ensino Médio. A cerimônia de abertura foi muito bonita. As seis equipes participantes fizeram um lindo desfile, ao som de músicas típicas dos países que representavam. Destacamos aqui a presença da “Estátua da Liberdade” na delegação dos Estados Unidos e um alegre integrante de uma tribo Africana no desfile da equipe que representava Gana. Cada uma das equipes foi desafiada a criar um grito de Paz. Isso emplogou a torcida e ecoou por toda a escola. Os alunos fizeram o juramento e a tocha olímpica foi acesa, emocionando a todos os presentes. No decorrer do ano, as equipes disputaram vários tipos de provas, em busca dos pontos para sagrar-se campeã. Os professores de Educação Física organizaram os jogos esportivos, que comtemplavam equipes de handebol, futsal e voleibol. As equipes se dividiram em chaves e as provas foram disputadas durante todo o ano. Além das atividades esportivas, as professoras de Língua Portuguesa, Língua Inglesa e Língua Espanhola: Silvana, Katiane, Priscila, Cristina e Maria Aparecida organizaram um concurso de soletração, que contemplou as três línguas. A torcida ficava muito tensa cada vez que um dos participantes escolhia uma palavra difícil. Os alunos deram um show de coragem, concentração e capacidade. Foi um sucesso! Além disso, os professores Henderson, Irrael e Rubens organizaram uma excelente competição de conhecimentos gerais, que empolgou a galera. A professora Rosa Godoy, auxiliada por sua parceira Liliane, também enriqueceu nossa competição com jogos e desafios matemáticos. Foram muitas provas interessantes que testavam conhecimentos matemáticos nas habilidades do cotidiano. Uma das provas era a elaboração de uma fantasia reaproveitando materiais. Nossos alunos puderam, mais uma vez, refletir sobre as questões de sustentabilidade e consumo consciente. As equipes tiveram que se organizar e trabalhar em grupo para cumprir as tarefas do dia. O desfile das fantasias foi um sucesso!

98


A professora Maria Aparecida preparou as equipes para a cerimônia de encerramento. Nesse dia, tivemos as apresentações de danças típicas de cada país. Os jurados ficaram com a difícil tarefa de escolher apenas uma equipe para ser a vencedora dessa prova. Cada grupo, que se apresentava, nos emocionava e encantava, tornando a escolha do vencedor uma tarefa ainda mais complicada. Após a apuração de todos os pontos disputados durante a competição, a equipe da Argentina sagrou-se campeã. Todos os participantes receberam medalhas e a equipe vencedora fez uma grande festa. Nossa escola deu um show de organização, criatividade e colaboração. Parabéns aos nossos alunos, professores, direção e funcionários! Cada um de vocês contribuiu para que nosso evento fosse um grande sucesso.

99


Pastoral A Pastoral Juvenil tem por objetivo geral fortalecer e animar a nossa ação evangelizadora junto à juventude, à luz da palavra de Deus, por meio de experiências significativas que favoreçam o encontro pessoal de nossos jovens com Jesus Cristo, tornando a cada um deles protagonista de sua missão. Isso os faz cooperadores na missão que nos foi dada; primeiramente, por Jesus Cristo e mais tarde por D. Bosco: discípulos missionários. Pautado por este objetivo, o INSA trabalha com seus alunos, que participam da pastoral, a formação cristã. Isso acontece através de encontros semanais e experiências de trabalhos voluntários junto às crianças necessitadas e senhoras idosas abandonadas pela família. Neste caminho, procuramos oferecer aos nossos jovens um percurso formativo, pautado pelo legado que nos foi deixado pelos exemplos de D. Bosco e M. Mazarello, através daquilo que ofereciam como modelo educativo aos jovens daquela época.

100


Conhecendo um pouco mais… As Sete Maravilhas – Projeto dos 7os Anos A e B As Sete Maravilhas compõem uma conhecida lista surgida na Grécia Antiga de obras de valor arquitetônico e artístico espalhadas por diversas partes do mundo. Acredita-se que a magnitude e beleza desses monumentos eram algo realmente impressionante, prova disso é que apesar de quase todos os monumentos não existirem mais, a lista permanece até hoje. Essa famosa lista deu origem à uma nova, com monumentos que ainda existem e que foram escolhidos por meio de uma votação mundial no ano de 2007. A ideia do projeto que envolveu os 7os anos foi resgatar ambas as listas através de uma pesquisa que envolvesse as seguintes disciplinas: História, Artes, Inglês, Espanhol e Matemática. O resultado final dessa pesquisa foi o artigo a seguir, com uma breve descrição do monumento, sua respectiva tradução para as duas línguas estrangeiras e uma ilustração criada pelos alunos. Por fim, a altura de cada monumento foi comparada graficamente, para se obter uma noção mais precisa do impacto visual de cada uma das maravilhas estudadas. Professores coordenadores do projeto: Andrea – Artes Irrael Baboni Cordeiro de Melo Junior – História Liliane S. S. Feola – Matemática Maria Aparecida Alonso Marini – Espanhol Priscila M. Gardelli Trindade – Inglês

101


AS SETE MARAVILHAS DO MUNDO ANTIGO

1. Pirâmide de Quéops A Grande Pirâmide de Gizé (também conhecida como a Pirâmide de Quéops ou a Pirâmide de Quéops) é a mais antiga e maior das três pirâmides na Necrópole de Giza o que é agora El Giza, no Egito. É a mais antiga das Sete Maravilhas do Mundo Antigo, e o único a permanecer até hoje. Egiptólogos acreditam que a pirâmide foi construída como tumba ao longo de um período de 10 a 20 anos em torno de 2560 aC. Inicialmente possuía 146,5 metros, e foi a mais alta estrutura feita pelo homem no mundo por mais de 3.800 anos. Originalmente, a Grande Pirâmide foi coberta por pedras que formaram uma superfície lisa exterior. Algumas das pedras de revestimento que cobriam a estrutura ainda podem ser vistas em torno da base. 1. Great Pyramid of Giza The Great Pyramid of Giza (also known as the Pyramid of Khufu or the Pyramid of Cheops) is the oldest and largest of the three pyramids in the Giza Necropolis bordering what is now El Giza, Egypt. It is the oldest of the Seven Wonders of the Ancient World, and the only one to remain largely intact. Egyptologists believe that the pyramid was built as a tomb over a 10 to 20-year period concluding around 2560 BC. Initially at 146.5 meters (481 feet), the Great Pyramid was the tallest man-made structure in the world for over 3,800 years. Originally, the Great Pyramid was covered by casing stones that formed a smooth outer surface. Some of the casing stones that once covered the structure can still be seen around the base. 1. La Gran Pirámide de Guiza La gran pirámide de Guiza (también conocida como la Pirámide de Keops) es la más antigua y la mayor de las tres pirámides en la Necrópolis de Guiza, en lo que hoy es El Guiza, en Egito. Es la más antigua de Las Siete Maravillas del Mundo Antiguo, y la única que en gran parte está intacta. Los egiptólogos creen que la pirámide fue construida como tumba en un período aproximado de 10 a 20 años en torno a 2560a.C .Inicialmente los 146,5 metros (481 pies), de la gran pirámide era la estructura más alta hecha por el hombre en el mundo, por más de 3.800 años. Originalmente, La Gran Pirámide fue cubierta por piedras, las que formaron una superficie exterior lisa . Algunas de esas piedras de revestimiento que cubrían la estructura, aún se pueden ver alrededor de la base.

102


2. Jardins suspensos da Babilônia Supostamente criado pelo rei Nabucodonosor, em 605 a.C, para presentear sua esposa, a rainha Amitis, na cidade da Babilônia na Mesopotâmia. Foram construidos como seis terraços apoiados por colunas gigantes. Poços gigantes em forma de arcos possibilitaram o sistema de irrigação. Cada superfície continha jardins botânicos com muitas árvores frutiferas, com esculturas de Deuses dos acades e cascatas. Alguns documentos mostravam que, supostamente, o jardim dava acesso ao palácio. Era localizado próximo ao rio Eufrates. Não se sabe ao certo se eles existiram, mas escavações arqueológicas feitas no séc. XIX encontraram possíveis provas de sua existência. Estima-se que possuía cerca de 25 metros de altura. 2. Hanging Gardens of Babylon Supposedly created by King Nebuchadnezzar in 605 BC to present his wife, his queen Amitis in the city of Babylon in Mesopotamia. The Hanging Gardens were not really hanging, were built as six terraces, supported by giant columns. Across giant wells shaped arches enabled the irrigation system. Each surface contained botanical gardens with many fruit trees, with sculpture of gods and acades cascades. Some documents allegedly showing that the garden gave access to the palace. It was located near the river Eufrates. Nobody knows for sure if they existed, but archaeological excavations made in sec. XIX found possible evidence of its existence. They were around 25 meters. 2. Jardines Colgantes de Babilonia Supuestamente creados por el rey Nabucodonosor, el año 605 a.C. para regalárselos a su esposa, la reina Amitis en la ciudad de Babilonia en Mesopotamia. Fueron construidos como que seis terrazos, sostenido por columnas gigantes. A través de pozos gigantes en forma de arcos ,posibilitó la activación del sistema de riego. Cada superficie contenía jardines con muchos árboles frutales, con esculturas de Dioses de los acades y cascadas . Algunos documentos, supuestamente muestran que el jardín daba acceso al palacio. Se ubicaban cerca del río Eufrates. No se sabe a ciencia cierta si existieron, pero las excavaciones arqueológicas realizadas en el siglo XIX encontraron una posible evidencia de su existencia. Se presume que hayan tenido unos 25 metros de altura.

103


3. Estátua de Zeus em Olímpia A estátua de Zeus estava na cidade de Olímpia, foi construída por volta de 450 a.C., pelo escultor e arquiteto grego Fídias. Zeus está sentado em um trono. Sobre sua cabeça há uma representação de uma coroa de ramos de oliveira; na mão esquerda segurava um centro, sobre o qual havia a escultura de uma águia e na mão direita, há uma escultura da deusa da vitória. Em 170 a.C., um terremoto abalou o templo e a estátua. O monumento foi restaurado, mas no século IV sofreu um ataque do imperador Constantino. A estátua media entre 12 e 15 metros de altura - o equivalente a um prédio de cinco andares e era toda de marfim e ébano. Seus olhos eram pedras preciosas. Transferida para Bizâncio em 420, foi destruída por um incêndio em 475. 3. Statue of Zeus in Olympia The statue of Zeus was in the city of Olympia, was built around 450 BC, in honor of the main Greek god, made by the Greek architect and sculptor Fidias. Zeus is sitting on a throne, on him head are a representation of a crown of olive branches, on the left hand he is holding a heart, on which there was a sculpture of an eagle and the right hand, a sculpture of the goddess of victory. In 170 BC, an earthquake shook the temple and the statue. The monument was restored, but in the fourth century suffered another attack from the Emperor Constantine. The statue measuring appoximately12-15 meters tall - the equivalent of a fivestory building - and it was all ivory and ebony. His eyes were gems. Transfered to Byzantium in 420, it was destroyed by fire in 475. 3. Estatua de Zeus en Olimpia. La Estatua de Zeus se encontraba en la ciudad de Olimpia, fue construida alrededor de 450 a.C., por el arquitecto y escultor griego Fidias. Zeus está sentado en un trono, sobre su cabeza una representación de una corona de ramas de olivo, en la mano izquierda sostenía un cedro, en el que había una escultura de un águila y en la mano derecha, una escultura de la diosa de la victoria. En 170 a.C., un terremoto dañó el templo y la estatua. El monumento fue restaurado, pero en el siglo IV sufrió otro ataque, del emperador Constantino. La estatua media promedio de 12 a 15 metros de altura - lo equivalente a un edificio de cinco pisos - y todo era de marfil y ébano. Sus ojos eran piedras de mucho valor. Fue llevada para Bizancio en 420, donde fue destruida por un incendio en 475.

104


4. Templo de Artêmis Localizado em Éfeso, homenageando a deusa Ártemis. Era o maior templo da antiguidade, com 127 colunas, cada uma com 20 metros. Foi construído por ordem de Creso, rei da Lídia, em 550 a.C., obra de Quesifrão e seu filho Metagenes. Demorou 200 anos para ser construído e finalizado. Em seu interior, abrigava uma estátua da deusa Artêmis, em ébano, ouro, prata e pedra preta rodeada por esculturas de bronze de Pratíxeles. Foi destruído em 365 a.C. por um incêndio e reconstruído, mas foi destruído novamente, pelos godos, em 262 a.C. Atualmente, restam algumas esculturas e objetos que estão expostos no Museu Britânico, em Londres, além de uma de suas colunas que sobreviveu a tantos terremotos e saques. 4. Temple of Artemis Located in Ephesus, honoring the goddess Artemis. It was the largest temple of antiquity, with 127 columns, each of them with 20 meters. It was built by order of Croesus, king of Lydia in 550 BC, made by Quesifrão and his son Metagenes. It took 200 years to be built and finished. Inside, it housed a statue of the goddess Artemis, in ebony, gold, silver and black stone surrounded by bronze sculptures of Pratíxeles. It was destroyed in 365 BC by a fire and rebuilt, but it was destroyed again by the Goths in 262 BC. Nowadays, some sculptures and objects remain and they are exposed in the British Museum, in London, and one of its columns that survived to many earthquakes and spoils. 4. Templo de Artemisa Ubicado en Éfeso, en honor a la diosa Artemisa. Era el templo más grande de la antigüedad, con 127 columnas, cada una con 20 metros. Fue construido por orden de Creso, rey de Lidia, en el año 550 a.C., fue trabajo de Quesifrán y su hijo Metagenes. Tardó 200 años para ser construido y terminado. En el interior, se encontraba una estatua de la diosa Artemisa, en ébano, oro, plata y piedra negra rodeado de esculturas de bronce de Pratíxeles. Fue destruido en 365 a.C. por un incendio y reconstruido, pero fue nuevamente destruido por los godos en el año 262 a.C. Hoy día, hay algunas esculturas y objetos que se exponen en el Museo Británico de Londres, y también una de sus columnas que sobrevivió a muchos terremotos y retiros.

105


5. Mausoléu de Halicarnasso Foi uma gigantesca construção feita para abrigar o túmulo do rei Mausolo, em Halicarnasso (atual Bodrum, Turquia). A obra levou 10 anos para ser concluída, fruto do trabalho de aproximadamente 30 mil homens. A construção tinha 45 metros de altura e era decorada com esculturas e estátuas de bronze. Era sustentado por 36 colunas e erguia-se como uma pirâmide de 24 degraus acima da base quadrada. No topo havia ainda uma carruagem de mármore puxada por cavalos, guiada pelo rei e pela rainha. A base do edifício era de mármore e bronze, com revestimento de ouro. Cada um dos quatro lados foi esculpido por escultores gregos. A tumba era localizada no alto de uma colina, com visão privilegiada da cidade. 5. Mausoleum of Halicarnassus The Mausoleum of Halicarnassus was a huge construction made to shelter the tomb of the King Mausolus, in Halicarnassus, (actual Bodrum, Turkey). The work lasted 10 years to complete, based on the work of approximately 30.000 mens. The building was 45 meters height and was decorated with sculptures and bronze statues. It was supported by 36 columns and lift a pyramid of 24 steps above the square base. At the top of the pyramid was still a marble chariot pulled by horses, led by the king and the queen. The base of the building was made of marble and bronze, with gold plating. Each of the four sides was carved by Greek sculptors. The tomb that housed the body of the defendant Mausolus was located on a hilltop, with a privileged view of the city. 5. Mausoleu de Halicarnasso El Mausoleu de Halicarnasso fue una grandiosa construcción hecho para abrigar la tumba del rey Mausolo , en Halicarnasso. La obra llevo 10 años para su conclusión, producto del trabajo de aproximadamente 30 mil hombres . La construcción tenía 45 metros de altura y era decorada con esculturas y estatuas de bronce. Fue apoyada por 36 columnas y subía como que una pirámide de 24 escalones por encima de la base cuadrada. En la parte superior había un carro de mármol tirado por caballos , conducidos por el rey y la reina. La base del edificio era de mármol y bronce, con baño de oro. Cada uno de los cuatro lados fueron tallados por los escultores griegos. La tumba se encontraba en una colina, con una vista privilegiada de la ciudad.

106


6.Colosso de Rodes O Colosso de Rodes foi uma estátua de Hélio construída entre 292 a.C. e 280 a.C. pelo escultor Carés de Lindos. A estátua tinha trinta metros de altura, 70 toneladas e era feita de bronze. Tornou-se uma das Sete maravilhas do mundo antigo. Cada pé estava apoiado em uma margem do canal que dava acesso ao porto, de modo que toda embarcação que chegasse à ilha grega de Rodes, no Egeu, por volta de 280 a.C. passaria obrigatoriamente sob as pernas da estátua de Hélio, protetor do lugar. Com 30 metros de altura, toda de bronze e oca, a estátua começou a ser esculpida em 292 a.C. pelo escultor Carés, que a concluiu doze anos depois. Na mão direita da estátua, havia um farol que orientava as embarcações à noite. Era uma estátua tão imponente que um homem de estatura normal, não conseguiria abraçar seu polegar. 6. Colossus of Rhodes The Colossus of Rhodes was a statue of Hélio built between 292 BC and 280 BC by the sculptor Chares of Lindos. The statue was thirty feet high, 70 tons and was made of bronze. Became one of the seven wonders of the ancient world. Each foot was resting on a bank of the channel leading into the harbor, so that every vessel that arrived at the Greek island of Rhodes in the Aegean around 280 BC would compulsorily under the legs of the statue of Helios, protector of the place. At 30 meters tall, all bronze and hollow, the statue began to be carved in 292 BC by the sculptor Chares, who completed twelve years after. On the right hand of the statue was um farol that guided vessels at night. It was such an imposing statue that a normal man could not hug her thumb.

6. Coloso de Rodas El Coloso de Rodas era una estatua de Helios, construido entre 292 a.C. y 280 a.C. por el escultor Cares de Lindos . La estatua tenía treinta metros de altura, 70 toneladas y era hecha de bronce. Se convirtió en una de las siete maravillas del mundo antiguo. Cada pie se encontraba descansando en un banco del canal que conduce al puerto, de manera que toda embarcación que llegase a la isla griega de Rodas, en el Egeo, alrededor de 280 a.C., tendría obligatoriamente que pasar por debajo de las piernas de la estatua de Helios, protector del lugar. Con 30 metros de altura, todo en bronce y hueco, la estatua comenzó a ser labrada en 292 a.C. por el escultor Cares , que la completó doce años después. En la mano derecha de la estatua había un faro que guiaba los barcos por la noche. Era una estatua tan imponente que un hombre de estatura normal no podía abrazar a su pulgar.

107


7. Farol de Alexandria O Farol de Alexandria servia de entrada no porto da cidade e informava aos navegantes sobre a proximidade de terras. Ptolomeu mandou construir o Farol de Alexandria e o encarregado da construção, em 280 a.C., foi o arquiteto grego Sóstrato de Cnido. Após finalizada a obra, a grandeza do farol chamava a atenção, pois tinha cerca de 120 metros de altura. Acima dessa torre ficava o elemento fundamental para o farol, uma chama que ficava acesa constantemente. O brilho da chama podia ser visto a 50 Km de distância e havia ainda, no topo do farol, uma estátua de Poseidon. Foi durante muito tempo a estrutura mais alta feita pelos homens, mas no século XIV, em 1375, um forte terremoto atingiu a ilha de Faros e destruiu o Farol de Alexandria. 7. Lighthouse of Alexandria The Lighthouse of Alexandria served at the port of entry and informing mariners of the proximity of land, Ptolemy built the Lighthouse of Alexandria. The charge of the construction, in 280 BC, was a Greek architect Sostratus of Knidos. After completing the work, the greatness of the lighthouse drew everyone's attention. The Lighthouse of Alexandria was about 120 meters tall, it was established on a square base. Above this tower was the key element to the lighthouse, a flame that was lit constantly. There was still at the top of the lighthouse a statue of Poseidon. The brightness of the flame could be seen 50 miles away. Has long been the tallest man-made structure. However, in the fourteenth century, in 1375, a strong earthquake hit the island of Pharos and destroyed the Lighthouse of Alexandria. 7. El Faro de Alejandría El Faro de Alejandría servía de entrada e informaba a los navegantes la proximidad de la tierra, Ptolomeo mandó que se construyera el faro de Alejandría. El encargado de la construcción, en el 280 a.C., fue a un arquitecto griego Sostratus de Cnido. Después de completar la obra, la grandeza del faro llamaba la atención de todos, pues tenía unos 120 metros de altura. Por encima de esta torre, estaba el elemento clave para el faro, una llama que quedaba encendida constantemente. La luz de la llama podría verse a 50 km de distancia. Fue durante mucho tiempo la estructura más alta hecha por el hombre, más en el siglo XIV, en 1375, un fuerte terremoto sacudió la isla de Pharos y lo destruyó .

108


AS NOVAS SETE MARAVILHAS 1. Ruínas de Petra Petra é um importante enclave arqueológico na Jordânia, situado na bacia entre as montanhas que formam o flanco leste de Wadi Araba, o grande vale que vai do Mar Morto ao Golfo de Aqaba, perto do Monte Hor e do Deserto de Zin. A palavra petra tem origem grega e significa pedra (petrus). É composta de várias construções escavadas na rocha. O estilo arquitetônico predominante é o helenístico (grego com influências orientais). Provavelmente foi fundada no ano de 312 a.C, sendo um importante ponto comercial da antiguidade. A região foi dominada por diversos povos: hebreus, gregos, romanos e bizantinos. 1. Ruins of Petra Petra is an important archaeological enclave in Jordan, located in the basin among the mountains which form the eastern flank of Wadi Araba, the great valley that runs from the Dead Sea to the Gulf of Aqaba, near Hor Domonte and the Desert of Zin. The word petra is Greek in origin and means rock (Petrus). It comprises several buildings excavated in the rock. The predominant architectural style is the Hellenistic (Greek with Oriental influences). It was probably founded in the year 312 BC, being an important commercial point of antiquity. The region was dominated by several peoples: Hebrews, Greeks, Romans and Byzantines. 1. Ruinas de Petra Petra es un importante enclave arqueológico en Jordania, ubicado en la cuenca entre las montañas que forman el flanco oriental de Wadi Araba, el gran valle que se extiende desde el Mar Muerto hasta el Golfo de Aqaba, cerca del Monte Hor y del desierto de Zin. La palabra “petra” es de origen griega (Petrus) y significa piedra. Es formada de construcciones esculpidas en las rocas .El estilo arquitectónico que predomina es el helénico (griego con influencias orientales). Hay una probabilidad que haya sido fundada en el año 312 a.C., siendo un importante punto comercial de la antigüedad. La región fue dominada por varios pueblos: hebreos, romanos y bizantinos.

109


2. Grande Muralha da China Por 1 900 anos, os chineses ergueram muros para se proteger das invasões dos povos do norte. As primeiras barreiras surgiram antes da unificação do império, em 221 a.C. Ao transformar sete reinos em um país, o imperador Qin Shihuangdi (259-210 a.C.) começou a unificar a muralha, ampliada nas dinastias seguintes. A Grande Muralha atingiu o auge no século XV, durante a dinastia Ming. Em abril de 2009, o governo chinês divulgou que a muralha tem 8 850 quilômetros, valor calculado com a ajuda de GPS. A Grande Muralha foi posta à prova diversas vezes. Em 1211, Gêngis Khan (1162-1227) venceu os chineses que se defendiam na área leste da construção. Mas ela salvou a China em 1482, quando os mongóis ficaram presos contra as fortificações 2.Great Wall of China For 1900 years, the Chinese built walls to protect themselves from invasions of the northern peoples. The first barriers arose before the unification of the empire in 221 BC By turning seven kingdoms into one country, the emperor Qin Shihuangdi (259-210 BC) began to unify the wall, enlarged in the following dynasties. The Great Wall reached its peak in the 15th century, during the Ming dynasty. In April 2009, the Chinese government reported that the wall is 8850 km, value calculated with the help of GPS. The Great Wall was put to the test several times. In 1211, Genghis Khan (1162-1227) won the Chinese who defended themselves in the eastern area of the building. But she saved China in 1482, when the Mongols were trapped against the fortifications. 2. Gran Muralla de la China Por 1900 años los chinos construyeron muros para protegerse de las invasiones de los pueblos del norte. Las primeras barreras surgieron antes de la unificación del Imperio, en 221 a.C. Al transformar siete reinos en un país, el imperador Qin Shihuangdi (259-210 a.C.) empezó a unificar la muralla, que se fue agrandando en las siguientes dinastías. La Gran Muralla obtuvo su auge en el siglo XV, durante la dinastía Ming. En abril de 2009, el gobierno chino divulgo que la muralla tenía 8850 quilómetros, valor calculado con ayuda de GPS. La Gran muralla fue puesta a prueba por varias veces. En 1211, Gengis Khan (1162-1227) venció a los chinos que se defendían en el área leste de la construcción. Sin embargo salvó a China en 1482, cuando los mongoles se quedaron presos contra las fortificaciones.

110


3. Cristo Redentor Inaugurado em 12 de agosto de 1931, o Cristo Redentor tem 38 metros de altura, peso de 1145 toneladas e está localizado no topo do morro Corcovado. Sua história remete a 1859, quando o padre Pedro Maria Boss, sugeriu que fosse erguido no local um monumento religioso. Essa sugestão foi levada à princesa Isabel, que deu o primeiro apoio oficial ao projeto. Isso só veio a tornar-se realidade, depois de 1912, com a ajuda do Cardeal Dom Joaquim Arcoverde. Em 1921, o projeto do Cristo Redentor foi retomado e o morro do Corcovado foi escolhido por se tratar do local mais alto da cidade. Em 1922, um abaixo-assinado com mais de 20 mil nomes solicitou ao presidente Epitácio Pessoa a construção da estátua. O presidente, então, doou o topo do Morro do Corcovado para a construção do monumento. 3. Christ the Redeemer Opened on August 12, 1931, Christ the Redeemer is 38 feet tall, weight of 1145 tons and is located atop the Corcovado hill. The history of this wonder refers to an idea that comes from the year 1859, when the priest Pedro Maria Boss suggested that was built a religious monument. This suggestion was taken to Princess Isabel, who gave the first official support to the project. But it just came to become a reality after 1912, when the Cardinal Joaquim Arcoverde helped with the project. In 1921 the project of Christ the Redeemer was resumed and the Corcovado Mountain was chosen to house the monument because it is the highest point in the city. In 1922, a petition with over 20,000 names requested the President Pessoa that the statue was built. The President then gave the top of Corcovado Mountain to build the monument. 3. Cristo Redentor Inaugurado el 12 de agosto de 1931, el Cristo Redentor se encuentra a 38 metros de altura, peso de 1.145 toneladas y se encuentra en la cima del cerro del Corcovado. Su historia se refiere a una idea que viene desde el año 1859, cuando el sacerdote Pedro María Jefe sugirió que fuese erigido un monumento religioso. Esta sugerencia fue llevada a la princesa Isabel, que le dio el primer apoyo oficial al proyecto. Pero llega a convertirse en realidad después de 1912, con la ayuda del cardenal Joaquim Arcoverde. En 1921 se reanudó el proyecto del Cristo Redentor. El cerro del Corcovado fue elegido, ya que era el punto más alto de la ciudad. En 1922, una petición con más de 20.000 nombres pidió al Presidente Epitácio Pessoa que la estatua fuese construida. El Presidente cedió la parte superior de la montaña del Corcovado para construir el monumento.

111


4. Machu Picchu A cidade histórica de Machu Picchu localiza-se na Cordilheira dos Andes, na região do Peru. Encontra-se a 2400 metros de altitude, no vale do rio Urubamba. Foi construída pelos incas no século XV, antes da chegada dos europeus ao continente americano. É formada por um conjunto de construções de pedras em ruínas. São casas, templos, aquedutos, praças e degraus (terraços em que os incas praticavam agricultura). Mostra o grau de desenvolvimento e de conhecimentos urbano, arquitetônico e tecnológico da civilização inca. Em função de sua localização de difícil acesso, foi apelidada de "a cidade perdida". Foi encontrada pelo professor e antropólogo norteamericano Hiran Bingham, em 1911. Foi construída numa região alta, pois os incas acreditavam que, assim, estariam mais próximos dos deuses. 4. Machu Picchu The historic city of Machu Picchu is located in the Andes region in Peru. It lies at 2400 meters altitude, in the Urubamba River valley. It was built by the Incas in the fifteenth century, before the arrival of Europeans to the Americas. It is formed by a set of stone buildings in ruins. There are houses, temples, aqueducts, plazas and steps (terraces where the Incas Practiced agriculture). Shows the degree of development of urban, architectural and technological knowledge of the Inca civilization. Because of its location difficult to access, it was dubbed "the lost city". Teacher and by the American anthropologist Hiram Bingham found in 1911 was built on high ground, because the Incas Thus Believed would be closer to the gods. 4. Machu Picchu La histórica ciudad de Machu Picchu se encuentra en la región de los Andes en Perú. Se encuentra a 2400 metros de altitud, en el valle del río Urubamba. Fue construida por los incas en el siglo XV, antes de la llegada de los europeos a las Américas. Está formado por un conjunto de edificios de piedra en ruinas. Son casas, templos, acueductos, plazas y pasos (terrazas que los Incas practicaban la agricultura). Muestra el grado de desarrollo del conocimiento urbano, arquitectónico y tecnológico de la civilización Inca. Debido a su ubicación de difícil acceso, que fue bautizado como "la ciudad perdida". El maestro y antropólogo estadounidense Hiram Bingham la encontró en 1911. Fue construida en un terreno elevado, debido a que los Incas creían que así estarían más cerca de los dioses.

112


5. Chichén Itzá É uma cidade arqueológica maia, localizada no estado mexicano de Yucatán, que funcionou como centro político e econômico da civilização maia. A cidade de Chichén Itzá foi abandonada em 670 d.C. e reconstruída 300 anos mais tarde, quando se tornou o centro da cultura maia e a cidade mais importante do nordeste de Yucátan. O sítio arqueológico de Chichén Itzá reúne 16 construções repletas de precisão arquitetônica, engenharia e um tanto de esoterismo. Uma parte em especial de Chichén Itzá chama a atenção: um campo usado pelos maias para os juegos de pelota ou tlatchtli, um tipo de jogo em que os participantes deveriam correr por um enorme campo. Outra importante construção é a Pirâmide de Kukulcán. 5. Chichén Itzá Is a Mayan archeologic city in the Mexican state of Yucatán that served as the political and economic center of the Mayan civilization. The city of Chichén Itzá was abandoned in 670 A.C. and rebuilt 300 years later, when it became the center of Mayan culture and the most important city of the northeast Yucatan. The archeological site of Chichén Itzá includes 16 buildings full of architectural precision engineering and, somewhat esoteric. A particular part of Chichen Itza draws attention: a field used by the Mayans for “juegos de pelota or tlatchtli”, a type of game in which participants had to run through a huge field. Another important construction is The Pyramide of Kukulcán. 5. Chichén Itzá Es una ciudad arqueológica maya en el estado mexicano de Yucatán, que sirvió como el centro político y económico de la civilización maya. La ciudad de Chichén Itzá fue abandonada en el año 670 d.C. y reconstruida 300 años más tarde, cuando se convirtió en el centro de la cultura maya y la ciudad más importante del noreste de Yucatán. El sitio arqueológico de Chichén Itzá incluye 16 edificios llenos de ingeniería de precisión arquitectónica y, por supuesto, un tanto esotéricas. Una parte en particular de Chichén Itzá llama la atención: un campo usado por los mayas para Juegos de pelota o tlatchtli, un tipo de juego en el que los participantes tenían que correr a través de un campo enorme. Otra importante construcción es la Pirámide de Kukulcán.

113


6. Coliseu de Roma O Coliseu foi utilizado durante aproximadamente 400 anos. Foi construído entre 70 e 90 D.C. Iniciado por Vespasiano de 68 a 79 d.C., mais tarde foi inaugurado por Tito por volta de 79 a 81 d.C. Em latim, "Coliseu" quer dizer "grande" ou "colossal”. O Coliseu tem 188 metros de comprimento, 156 metros de largura e, originalmente, media 52 metros. Hoje, mede 48 metros. O Coliseu foi construído com mármore, pedra travertina, ladrilho e tufo. O Coliseu de Roma é o mais famoso anfiteatro do mundo e o símbolo de Roma, foi palco de lutas de gladiadores, massacres de cristãos e o local onde se punha em prática a Política do "Panem et Circensis", mais conhecido como "Pão e Circo". 6. Colosseum of Rome The Colosseum was used for approximately 400 years. The Colosseum was built between 70 and 90 AD Started by Vespasian 68-79 AD, was later inaugurated by Titus around 79-81 AD In Latin, "Coliseum" means "great" or "colossal". The Colosseum is 188 meters long, 156 meters wide and, originally, media 52 meters. Today, measures 48 meters. The Colosseum was built with marble, travertine stone, brick and tuff . The Colosseum is the most famous theater in the world and the symbol of Rome, the Coliseum was the site of gladiator fights, massacres of Christians and where they put into practice the policy of "Panem et Circensis", better known as "bread and Circus". 6. Coliseo de Roma El Coliseo se usó durante aproximadamente 400 años. El Coliseo fue construido entre el 70 y el 90 d.C. Iniciado por Vespasiano 68-79 d.C., después fue inaugurado por Tito en torno a 79-81 d.C. En latín, "Coliseo" significa "grande" o "colosal". El Coliseo tiene 188 metros de largo, 156 metros de ancho y, en un principio, media 52 metros. Hoy en día, mide 48 metros. El Coliseo fue construido con mármol, piedra travertina, ladrillo y toba (tipo de piedra caliza con los poros dilatados). El Coliseo es el teatro más famoso del mundo y el símbolo de Roma. El Coliseo fue escenario de luchas de gladiadores, de los masacres de cristianos y donde se ponía en práctica la política de "Panem et Circensis", mejor conocido como "Pan y Circo ".

114


7. Taj Mahal O Taj Mahal é um mausoléu situado em Agra na Índia. Durante o governo do imperador mongol Shah Jahan, houve um período de grande prosperidade material. Ele tinha várias esposas, mas Aryumand Banu era, sem dúvida, a mais amada. A relação os dois chegou ao fim quando a esposa preferida não sobreviveu ao parto de seu décimo quarto filho. Desolado com a perda de sua amada, ele ordenou a construção que deveria simbolizar o amor do rei à sua falecida esposa. Durante vinte e dois anos, mais de 20 mil trabalhadores contribuiram com construção do Taj Mahal, nome que significa “a coroa do lugar”. Blocos de mármore da Índia, ametistas persas, safiras do Ceilão, cristal e jade chineses, pedra turquesa tibetana e o Lápis Lazuli do Afeganistão foram os materiais utilizados. 7. Taj Mahal The Taj Mahal is a mausoleum located in Agra in India, is the best known monuments of the country. During the rule of Mughal Emperor Shah Jahan, there was a period of great prosperity in India stuff. Provided monarch, Shah Jahan had several wives, but Aryumand Banu was arguably the most beloved. The two relationship ended when the favorite wife did not survive the birth of their fourteenth child. Heartbroken over the loss of his beloved, he ordered the construction that would symbolize the love of the king to his late wife. For twenty-two years more than 20 000 workers contributed to the construction of the Taj Mahal, a name meaning "place of the crown." Blocks of marble from India, Persian amethysts, sapphires from Ceylon, crystal and jade Chinese, Tibetan turquoise stone and Lapis-Lazuli from Afghanistan were the materials used. 7. Taj Mahal El Taj Mahal es un mausoleo situado en Agra, India. Durante el gobierno del emperador mogol Shah Jahan, hubo un período de gran prosperidad .Él tenia varias esposas, pero Aryumand Banu fue sin duda la más querida. Durante veintidós años, más de 20 mil obreros contribuyeron en la construcción del Taj Mahal , nombre que significaba “la corona del sitio”. Bloques de mármol de India, ametistas persas, safiras de Ceilán, cristales y jade chinos, piedra turquesa tibetanas y el Lápiz-Lazuli de Afganistán, fueron los materiales utilizados en su construcción.

115


Grรกfico de Altura das 7 Maravilhas do Mundo Antigo

Grรกfico de Altura das Novas 7 Maravilhas do Mundo

116


Poesias Poesia é tudo aquilo que comove, que sensibiliza e desperta sentimentos. É qualquer forma de arte que inspira e encanta, que é sublime e bela. Nossos alunos tiveram a oportunidade de aprender um pouco mais sobre esse assunto e, munidos dos conhecimentos adquiridos, puderam vivenciar a experiência de compor os próprios versos.

Infância Enquanto a gente está na infância,

Enquanto adulto, não há beleza;

Estamos cheios de esperança

Porque a vida é só tristeza

Na infância, tem lápis e tem folha.

Mas eu gostaria de ser,

Por causa da mãe, isso não é escolha. Porque a mãe já cansei de obedecer.

Enquanto a gente é criança,

Agora enquanto você é velhinho,

No baile, a gente não dança.

Adora tomar vinho.

Isso é coisa de adolescente!

Acho estranho competir

Que está mais para aborrescente!

Em um bingo para me divertir.

Vitor Sassati 7º ano A

117


Minha Pátria Minha pátria tem riqueza, Onde tem muita beleza. Mas também tem corrupção, Onde tem muito ladrão. Parte da fauna está ameaçada E a flora está acabando. Pare de desmatar, Se não nada ficará sobrando. A água está se esgotando Mas as pessoas não têm consciência Por isso, economize e faça a diferença; Caso contrário, só a teremos em ausência. Hoje em dia, crianças quase não têm livros. Tudo que elas querem, pegam em seus aplicativos. Pensam que não é necessário estudar, Porque, depois, tudo na Internet vão pegar. Minha pátria tem belas paisagens Mas nem todos têm acesso. Com hotéis de luxo e grandes restaurantes de sucesso Minha terra é um lugar Onde ainda existe o preconceito Mas cada um de nós merece respeito. Minha terra tem a desigualdade social Que não é uma coisa muito legal! Pessoas julgando as outras pela aparência Isso é uma completa incompetência! Nunca humilhe alguém Porque você não é mais nem menos que ninguém! Rayan B. Chokr 7º ano B

118


OBITUÁRIO

Irmã Maria Menes (1916 – 2014)

“Agradeço a Deus o DOM da vida”. “ Nasci em Dobrada – Estado de São Paulo, no dia 2 de outubro de 1916, dia do Anjo da Guarda, o meu Anjo que me acompanha sempre. Fui batizada, na cidade de Matão (SP). Fiz a Primeira Comunhão com sete anos. Aos oito anos vim para São Paulo com toda a minha família, e nos estabelecemos no bairro do Belém. Sempre frequentei a Paróquia São José do Belém. Fiz meus estudos na Escola Amadeu Amaral. Com catorze anos ingressei para a Congregação das Filhas de Maria, tornei-me Catequista, Josista e sempre trabalhei para a Igreja. INSA, vim para cá há 38 anos, trabalhando como enfermeira. Procuro me dedicar com muito amor e carinho às crianças e jovens, ajudando-os naquilo que eu posso. Sinto que eles também me querem muito bem. Deus sabe que os amo muito. Sinto-me feliz, no meio deles. Lúcida, feliz e muito alegre, graças a Deus, junto aos meus familiares, e às minhas Irmãs de Congregação quero render graças por todos estes anos de vida e de Vida Consagrada. Cada dia de vida é um hino de louvor ao Deus da Vida, ao Deus do Amor, ao Deus razão da minha alegria. Ela me sustenta e me faz rodeada de amigos e amigas fiéis. DEO GRATIAS!”

Irmã Maria Menes, faleceu em São Paulo no dia 04 de dezembro de 2014 aos 98 anos. (texto extraído da autobiografia - “Irmã Maria Menes”, 2010)

119


Respostas: Brincando e Aprendendo

120


121


122


123


Ficha Técnica Revista Panorama - Ano II Número 02, 2014 DIREÇÃO Laura Léo Alves Ferreira

COORDENAÇÃO Adriana Maria Santini Ferreira André Luiz Poiato Arethuza Testa Frazili Lilian Neisser Fernando Rodrigues Zanata COORDENAÇÃO DO PROJETO André Luiz Poiato

EQUIPE DE PROFESSORES AUXILIAR DE CLASSE ALINE AVANZI CAMILA DUTRA EMATEGUI CAROLINE DE JESUS SILVA DANIELE MARTINS FERREIRA GABRIELA GONÇALVES TURQUI JESSICA DE LIMA DA SILVA JULIANA GONÇALVES FERREIRA MAIANE LIMA DA SILVA MARIANA FERNANDES CHAMISO DO NASCIMENTO NATALIA GONÇALVES MONÇÃO THAIS SANTOS OLIVEIRA THALYTA GOMES DE SA INACIO AUXILIAR DE LABORATÓRIO GABRIEL HENRIQUE MOTTA ESTEVES AUXILIAR DE DISCIPLINA MARTA CANDIDA DOS SANTOS JULHIANA MARQUES BANDECHI AUX DE COORDENAÇÃO DIANA OZIRES RODRIGUES COORDENADOR (A) DE PASTORAL FLAVIA MARIA GONÇALVES ROMEIRO COORDENADORES ANDRÉ LUIZ POIATO ZILA MARIA DE GODOI LILIAN NEISSER FERNANDES ALONSO

124


ORIENTADORA PEDAGÓGICA ADRIANA MARIA SANTINI FERREIRA

PROFESSORES ANDRÉ LUIZ POIATO

PROF. DE GEOGRAFIA

ANDREA AURICCHIO MORETTO

PROFESSORA

ANNE PRADO DE FARIA

PROF.ORIENTAÇÃO PROF.

ARETHUZA TESTA FRAZILI

PROF.ENS.FUNDAMENTAL I

CAMILA DA SILVA GALVAO DIAS

PROFESSORA ED.INFANTIL

CARINE CRUZ NONATO DE LIMA

PROFESSORA ED.INFANTIL

CARLOS ROBERTO PEREIRA

PROF. DE BIOLOGIA

CINTIA SOARES ROCHI

PROF.ENS.FUNDAMENTAL I

CRISTINA HELENA MICHELAZZO

PROF. DE INGLES

ELIANE BRANCO HADDAD

PROF. DE QUIMICA

ERIKA PIRES RAMOS

PROF.ENS.FUNDAMENTAL I

FABIANA BORRIELLO FONSECA

PROFESSORA ED.INFANTIL

FABIANA PIFFER DE OLIVEIRA NEVES

PROF.ENS.FUNDAMENTAL I

FÁBIO MARCELO BIATY

MONITOR DE ESPORTES

FERNANDO RODRIGUES ZANATA

PROF. E COORDENADOR

FLÁVIA GONÇALVES DE CAMPOS

PROFESSORA ED.INFANTIL

FLÁVIA SQUASSONI PERSICO PEREIRA

PROF. DE EDUCAÇÃO FISICA

GREICE KELLY DE OLIVEIRA SANTOS

PROF. DE EDUCAÇÃO FISICA

HENDERSON RODRIGUES ROCHA

PROF. DE GEOGRAFIA

IRENE DE LACERDA RAMOS

PROF. DE QUIMICA

IRRAEL BABONI C. DE MELO JUNIOR

PROF. DE HISTÓRIA

ISABELLI TITTZ

PROFESSORA ED.INFANTIL

JÉSSICA DE MORAES VELOSO

PROFESSORA

JOSE EDUARDO DOS SANTOS

PROF. DE FÍSICA

JULIANA FRANCO GOMES

PROFESSOR DE TEATRO

KATIANE COSTA PAIVA

PROF. DE PORTUGUES

KELLY FERREIRA RAMALDES

PROFESSORA ED.INFANTIL

LADISLANE PEREIRA DA FONSECA

PROFESSORA ED.INFANTIL

LILIANE SOARES DE SIQUEIRA

PROF. MATEMATICA

MAIRA VIEIRA

PROF.ENS.FUNDAMENTAL I

MARIA APARECIDA ALONSO MARINI

PROF. DE ESPANHOL

MARIA DE LOURDES DOS REIS COSTA

PROF.ENS.FUNDAMENTAL I

MARIANA FERREIRA RAMALDES

PROF.ENS.FUNDAMENTAL I

MARILIA RAZERA GALLO PERES

PROF.ENS.FUNDAMENTAL I

MICHELE CESAR

PROFESSORA ED.INFANTIL

NEUSA FAGIANI

PROF.ENS.FUNDAMENTAL I

PATRICIA DA SILVA REIS

PROFESSORA ED.INFANTIL

PATRICIA IGLESIAS

PROF.ENS.FUNDAMENTAL I

PATRICIA MARIA GUERRETTA

PROFESSORA ED.INFANTIL

PATRICIA THOMAZ

PROF.ENS.FUNDAMENTAL I

PRISCILA AYRES CARNEIRO CANDIDO

PROF. DE EDUCAÇÃO FISICA

PRISCILA MARIA GARDELLI TRINDADE

PROF. DE INGLES

125


ROGERIO GONCALVES BATISTA

PROF. DE EDUCAÇÃO FISICA

ROSA GINA SANTORO DE GODOY ROSA SILVIANO

PROF. MATEMATICA PROF. DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA

ROSANA DE FATIMA RAYMUNDO

PROFESSOR(A) DE MÚSICA

RUBENS MICHELONI

PROF. DE HISTÓRIA

SANDRA REGINA GIORDANO

PROF.ENS.FUNDAMENTAL I

SILVANA CRUZ

PROF. DE PORTUGUES

TAMARA ZEREMESKE DE MIRANDA

PROFESSORA ED.INFANTIL

VINICIUS CAVICHIOLI ALVES

MONITOR/ESPORTE

Alunos Educação Infantil Maternal A CAIO MARQUES DA CRUZ DE OLIVEIRA CATARINA MAGALHÃES MACEDO FERNANDA GARCEZ ANDRADE GABRIEL ELIASQUEVITCH SICCHIERI GIULIA DE OLIVEIRA SANTOS ISABELA JIMENES LINS LÍVIA REY ZANATA MANUELLA FERNANDES CHAMISO DO NASCIMENTO MIGUEL COURA PEDROSO SABRINA MORENO OYAFUSO SERENA HASSAN HOJEIJ TEODORO MOTA PEREIRA DE OLIVEIRA Maternal B BRENO PEREIRA DOS SANTOS CAIQUE XIA DAVID BABONI CORDEIRO DE MELO MAGALHÃES EMILY ZI XIN CHEN HAIDAR ALI EL ZEIN HENRIQUE MANSUR MOREIRA PETRILLO LARA CANO FREITAS MIGUEL DE OLIVEIRA COSTA PIETRA CHAMALI RICARDO RAFAEL SILVIANO MAGRINI REIS SOFIA MOREIRA DE ALMEIDA SOFIA REY ZANATA Infantil I A ADONIS DENG ADRYAN FERNANDYS GOMES MARTINS ALCANTARA

126


ALICIA ALVES FAZENDA BEATRIZ MARTINS ARRAIS DANIEL QUEIROZ FERNANDES DANIELA REIS RANA FABIO GAMBERA DE SOUZA GABRIELLA RIBEIRO BRITES GIOVANNI CASALETTI GIULIA GUIMARÃES CAMARGO DAS NEVES LEONARDO GARDELLI TRINDADE MARIANA RIBEIRO BRITES NICOLE SHAOEN CHIEN PEDRO PESSOA ALEXANDRE PEDRO WAKAI PRADO RAFAELLA MEDINA BELLASALMA VINÍCIUS FORNAROLLI LOPES DOS SANTOS YUDI FERNANDES DE BARROS Infantil I B ADAM BABONI CORDEIRO DE MELO MAGALHÃES ANNA LUISA MAGALHÃES DA SILVA BERNARDO FREITAS ARREBOLA ZURLO DA CRUZ BRENO COLUCCI DOMANICO BRUNO ISAQUE TONIATO DAVI COELHO ANDRADE FERNANDO LOPES MARQUES GUILHERME SILVA MARTINEZ IASMINE ZOZ MARTINS DE ARAUJO LAURA COSTA BRASILIANO DA SILVA LIANA GARRIDO MAGALHÃES DE BARROS TEIXEIRA LUCAS FANG LUCCAS AMBROZIO FERNANDES MARIANA LUCIA MANZONI SALVIANO RAFAELLA BEZERRA PULINO Infantil II A BIANCA ABREU MACARI BRUNO ZURLO NEPOMUCENO CAMILA MAIQUE ANDRADE DAVI DI MÔNACO ELVIS WANG GABRIEL RIGOTTI MORENO CAMILLO GABRIELA ZANARDI TCHOLAKIAN GUILHERME GALHARDO QUIARATO GUILHERME MATHEUS DO COUTO

127


GUSTAVO OKUTANI DE ALMEIDA JULIA GOBETTI ROSALINO MANUELLA CRESPO DE OLIVEIRA MARIA SOPHIA MANSUR MOREIRA PETRILLO NICOLE RENTES VIEIRA Infantil II B ANA GABRIELA LASDOWSKY LIMA ARTHUR DE PAULA CASSIOLATO ARTHUR YUKIO JOMORI FERREIRA CAUÊ SCHEIBEL BRAGA EVELYN ZHU FRANCISCO MENDES DA ROCHA GIOVANA PIETRA DE SOUZA PEREIRA GUILHERME PAES LANDIM JOÃO GUILHERME DUARTE DA COSTA MIRANDA LEONARDO ALMEIDA SOARES PINTO LUCAS CAPALBO STUCCHI MARCELO MARTINS DA SILVA FILHO MARIA JULIA SOUSA LEAL MAYTÊ DE SOUZA E SILVA REGINA YUN TONG ZHOU THAÍS SILVA CAMPOS YASMIN SODRÉ ZIBORDI ZHICHAO ZHANG Infantil III A ALANNA RODRIGUES SILVA ARTHUR FERREIRA ZANETIC VIDULIC BRUNO PEDROSO DE MORAIS E SILVA CAIO MAGALHÃES MACEDO CAUÊ FERNANDES MARCONDES MAYA EDUARDA FONSECA MENIS GIULIA OCTAVIANO MOREIRA GUILHERME PRADOS RIBEIRO GUSTAVO LEMOS SALGUEIRO LIMA GUSTAVO ZHU JÚLIA DE CÁSSIA BENFICA ROCHA JÚLIA MIDORI OHNO KAREN XIA KARIMA BASSEM CHOKR KARINA ROCHI LAÍS AVELINO BATISTA DOS SANTOS

128


LARA DIAS DOS SANTOS COLI LAURA GONÇALVES SIMEI MARIA EDUARDA MAGALHÃES NÍVEA MOTTA FRANCISCO SARA HUANG SOFIA DE SOUZA REIS SOPHIA MAYUMI YOSHIZUMI VINICIUS RICELLI THOMAZ Infantil III B AIMÉE AMENDOLA GARCIA ANA JULIA JATOBÁ JUCÁ NERI ÂNGELA YASHI SUN BEATRIZ PINA FERNANDES CATARINA MENEZES MOURA CAUE SANTOS CONTE DANIEL XINHAO YE DIEGO GUERRETTA COSTA FELIPE DE SOUZA REIS FELIPE EPITÁCIO LOPES OCHUDA GABRIELA ABEL DAL´ÓLIO GABRIELLA VALERO SANCHEZ DE OLIVEIRA GIOVANNA MARTINS ARRAIS GIULIA GARCIA STEFANELLI HELOÍSA COSTA DA SILVA ISABELA MARTINS DOS SANTOS JOÃO PABLO SOARES CAMPOS SILVA JOÃO PAULO FORMENTON JOHAN FIGUEIREDO NEGRISOLI JULIANA XINYI JIN LUANA GARRIDO MAGALHÃES DE BARROS TEIXEIRA LUANA QIU MATEUS ROSMANINHO OLIVEIRA NATHALIA SANTOS FEITOSA YUSHAN WANG (CAROLINA) ENSINO FUNDAMENTAL I 1º Ano A ARTHUR DAMIN CAMILA GARCEZ ANDRADE CAMILA YE CESAR MORENO OYAFUSO EDUARDO ONISHI GANDOLPHO ENRICO DELIACOLI VAZ DE LIMA GABRIEL MANQUERO GALANTE GABRIEL QUAIATTO FERNANDES

129


GABRIELLA RIVELLI ROMÃO ISABELLA DE PAULA BARSSUGLIO LAZZARETTI LÍVIA DIAS GOULARTE LUANA HUANG LUCAS ABRÃO TREVISAN KELLY SHAO YU CHIEN MATHEUS GAJEWSKI DE MELO MICHELE JI RAFAELA DELL'ANGELO PASSOS SOFIA DOS SANTOS WENYUE HUANG ZHIHONG DONG 1º ano B ANA CAROLINA MOREIRA DINIZ ANA CAROLINE DE LIMA COSTA ANA LUIZA KAORI TURQUI MORISHIGE CAIO ELIASQUEVITCH SICCHIERI DAVI CESAR DE SOUZA FERREIRA EDUARDO DIAS LIMA FERNANDA MENEZES PETRONGARI GIOVANNA GUIMARÃES CAMARGO DAS NEVES GUSTAVO DA MATA HENRIQUE GABRIEL DOS SANTOS DE SOUZA ISABELA MASSELLI RODRIGUES DE SOUZA JEFFERSON XU JOÃO LUCAS ZURLO NEPOMUCENO JÚLIA AMBROZIO FERNANDES JULIA NAJAR LAIS BRANCO PEREIRA LAURA VIOLA MARIA EDUARDA PETRIZZO MATOS MATEUS CAPALBO STUCCHI RAFAELA CRISTINA RIBEIRO BOASSALY RAYAN GHOBAR VINICIUS SOUZA BORGES DA SILVA 2º Ano A AISHA XU ALI BASSEM CHOKR ANA BEATRIZ DENG ANA CAROLINA FEITOSA DA SILVA ANNA CLARA FERNANDES CHAMISO DO NASCIMENTO

130


ANNE CRISTINA DENG BIANCA CRISTINA RIBEIRO DA SILVA DIEGO ZE YUN ZHOU EDUARDO MONTEIRO SILVA ENRICO MOREIRA VEIGA ZILET GABRIELA FERNANDES DE ABREU IGOR OLIVEIRA BORRIELLO INGRID MARIA DE SOUZA TAIAR ISABELLA ALVES FAZENDA JINGHAO JI LENA HAIDAR HALAWIi LEO LIU LEONARDO DOS SANTOS GUERRA LETÍCIA BUENO CARRANO LISA JI LUCAS FANHANI FAZANI MANUEL EDUARDO MARGUTI D´ARAÚJO MARIA LUIZA PIFFER TENÓRIO DOS SANTOS MATEUS DUARTE DA COSTA MIRANDA QIYU YE

(celina)

RAFAEL SOUSA LEAL RAFAEL VIOLA RAFAELA BARRETO INADA RAFAELA MACHADO SANTOS SOPHIA MARIA DA SILVA ARAÚJO SUELLEN DE SOUZA LIRA 2º ano B ÂNGELA MARIA MENDES DA ROCHA ÂNGELA OLIVEIRA DI MONACO BRUNA CRISTINA RIBEIRO DA SILVA DAVI BUENO SILVA EDSON ZHU EMILY YINUO CHEN GEOVANNA RUFINO BUENO HEITOR MIGUEL MAZER DE OLIVEIRA HELENA FANHANI FAZANI ISABELLA ABEL DARIN JAMILLY CHENG JOAQUIM ANTONIO IERVOLINO CUNHA JULIA GOMES SARTORI JULIANO MORAES FROTA KAROLINE OLIVEIRA SOARES SOUZA

131


LEONARDO NOVAIS LIMA CORREIA LUCAS ARAUJO MACADURA LUCAS MACHADO ROSSI MARIA ISABEL QUINELI BATTISTELA MARIANA JACQUES MARTINHO DA SILVA CESAR FILHO MELL DE PAULA SILVA CASSIOLATO PHILIPPE PENG WEI ZHAO RAFAEL NANNI MARTINEZ RAFAEL SIMENO TEODORO STEPHANIE SODRÉ ZIBORDI TALES LIMA NEVES 3º ano A ALI HASSAN ZEINEDDINE ANA LAURA FORMENTON ANA LUIZA CASSAS ANASTACIO BRUNO MIZUMOTO DE AGUIAR E SILVA DAVI BUDIN PINA DENIS CARVALHO PASTORE ESTHER MARIA ALMEIDA DE ARAUJO GUSTAVO TRINDADE PIRES JAD HASSAN HOJEIJ JOHNATAN PIMENTEL RAMOS BELLO JULIANA WU LUCAS HONG LUCAS TIBALDI FERNANDES MARCOS ZHAN MARIA EDUARDA DIB XAVIER PÉROLA FERNANDES BANDEIRA PIETRO VITOR PEZZENTE RAPHAEL MARTINS DA SILVEIRA STELLA MARIA MOURA SILVA STEPHANY JIANG JIA VICKY PENG HUI ZHAO YGOR FERNANDES DE BARROS YING XIAO JING 3º Ano B BEATRIZ CHIQUINI DONAIRE BIANCA BERLOFFA BELLINI BRUNA CARVALHO RODRIGUES

132


BRUNO PORTELA CHIALASTRI CLARA GONÇALVES PETRINI ENZO COSTA VERGINI ERIC HONG TA CHIEN FADEL ABBAS FARHAT GABRIEL SILVA ALENCAR GABRIELA YE GABRIELLY TRUJILLO SIERRA GIOVANNA CORIOLANO DIAS GUILHERME DE POLLI CARDOSO DOS SANTOS HENRIQUE VALENTE NOGUEIRA JOÃO GABRIEL FERREIRA DE SOUZA LEANDRO SIQUEIRA SILVA LUIZA TORRES DA MOTA FERNANDES MARCO SALVADOR SILVIO MAYTÊ OLIVEIRA PAVAN NATAN BENZONI MARTINS PIETRO DE OLIVEIRA PETRILLO RAFAEL VASCONCELOS CHEBAT SAMYR COUTO OLIVEIRA VICTOR MATHEUS JACCOUD FARIA 4º Ano A BÁRBARA MENEZES PETRONGARI BRUNO NOGUEIRA BURIAN CAMILA DA MATA CHEN JIAYANG GABRIEL ARAKAKI SILVA GIOVANNA MARTINS DE OLIVEIRA GUSTAVO DE PAULA ANDRADE GUSTAVO RAMOS DE OLIVEIRA HENRIQUE FURLANI CIPOLLA HONGXIN YE

(Lucas)

IGOR PEREIRA DOS SANTOS JULIA COSTA BRASILIANO DA SILVA LEANDRO HENRIQUE BARBOZA SANTOS LIVIA AVELINO BATISTA DOS SANTOS MICHELE ZHAO MICHELLE HALI CORREIA NATHANY BARBOSA SANTOS PEDRO NAJAR NETO ROBERTA VEIGA COURA

133


SOPHIA CRISTINA OLIVEIRA SILVA THEO YOKOTE SAITO THIAGO PERRONE CLEMENTINO YIXIAO SHU 4º Ano B AMANDA ALVES MACEDO ANTONIO CARLOS DE SOUZA FILHO FABIO KENJI IWAMATSU FELIPE GONÇALVES DE ARAUJO FELIPE RAMPAZZO RIBEIRO FRED DAI GIOVANE MIGLIATI MARTINO GUSTAVO BITTENCOURT BRAGA LUANA REIS RANA LUCIANO REIS MASSARO MANOELLA DE PAULA BARSSUGLIO LAZZARETTI MARIA EDUARDA LIMA CARDOSO MARIA LUIZA GAYER DE ALMEIDA NICOLAS DOS SANTOS ROCHA PEDRO HENRIQUE DA SILVA SANTANA PEDRO RETI HENRIQUE RAFAEL RAMPAZZO RIBEIRO RICHARD CONDE LAGO SANDRA CICALA DE ANDRADE SANTOS SERGIO GABRIEL GIL DA SILVA XU NAN NAN (Viviane) 5º Ano A AMANDA SANTOS GIL BRUNO LIN CARLOS XU DAIANE YU DANILO INFANTOSI GUILHERME HADDAD GERSOSIMO JASMIN CHAO JOÃO VITOR GARDELLI TRINDADE LETÍCIA RENTES ESCOBAR LUCAS ABES SALLES MARCELO HASHIMOTO BENEDICTO MARIA CLARA TORRES RAMOS MARIANA BENFICA ROCHA PEDRO HENRIQUE PERES

134


RIBEIRO ROBERTA RODRIGUES DE OLIVEIRA TAMIRES GIL DA SILVA THIAGO BRASILEIRO DE PAULA VINICIUS COSTA DA SILVA VINICIUS MOURA DE SOUSA VITÓRIA LIMA DE SOUZA YZA MARIA TEIXEIRA VICENTE 5º Ano B ANDRÉ ABREU SOUZA ANTÔNIO OLIVEIRA SERRANO NETO BEATRIZ PASCALE DOMINGUES BIANCA LEONE BRUNO XIA WEN HANG CAROLINA SILVA SASSATI CAROLINE PAIXÃO MACIEL DA SILVA CECÍLIA DE FARIA SANTOS CRISTINA ZHAO FERNANDA SANTOS GIL GIULIANA OLIVEIRA ALEXANDRE HENRIQUE BARI RODRIGUES JOSÉ GABRIEL LEITE TAMIARANA LARA ZANELLI RIZZOLI SERRA LETÍCIA SILVEIRA DE QUEIROZ MARIAM HASSAN ZEINEDDINE MATHEUS TERCEIRO DANIEL PEDRO HENRIQUE MUNIZ VILAS BOAS DOS SANTOS PEDRO HENRIQUE VISINI DE ARAUJO PEDRO MENDES DA ROCHA ROBSON ZHAN SABRINA PEREIRA DA SILVA YASMIN MORAES FROTA ENSINO FUNDAMENTAL II 6º Ano A ANDRÉ MENDES DA ROCHA AUGUSTO ATTIE PIRES FABIANO HAO JIE ZHU GABRIEL AUGUSTO MARAIA FAJOLLI GABRIELA VIANA NOGUEIRA GIOVANNA CRESPO LOCCI GUILHERME LOPES ZAFRA GUILHERME SOUZA SIQUEIRA HASSAN BASSEM CHOKR

135


ISABELE NUNES DO NASCIMENTO JOÃO VITOR DO AMARAL ROSA JOSUE WEIJIE WU JÚLIA DELIACOLI VAZ DE LIMA JULIANA TOLEDO DE FREITAS LARA MOREIRA VEIGA ZILET LARA TOLEDO DE FREITAS LETHICIA DE SOUZA DOS SANTOS LOGAN MENDES CONTARDI MANUELA AUGUSTO FERREIRA SIMONETTI MARCELA BARRETO INADA MARIA FERNANDA BORGES SOARES NICOLE MEDEIROS FERREIRA PIETRA MOURA PONCHIROLLI RAISSA CAETANO DE OLIVEIRA THIAGO VICTOR PEREIRA AMARAL VICTOR OLEGÁRIO SANTANA KARIM HAIDAR HALAWI LUIZA SOUZA MELO ALVES SAMUEL YI JIE ZHENG 6º Ano B ALEXANDRE CESAR MAIOLI FILHO ANA CAROLINA MORETTO FERNANDES ANA LUIZA GONÇALVES PETRINI BEATRIZ CHILIANI BRISOLLA SERENO CESARE PASCALE DOMINGUES DAVI FERREIRA JOFRE EDUARDO MIRANDA CINTRA ELIAS SUN ENZO YOKOTE SABANAI GIOVANNA MARIA DA SILVA ARAÚJO HUI JIE ZHANG ISABELLA MARTINS SANTOS ARAUJO ISABELLA RIVELLI ROMÃO LARISSA ANTONINI MENEGUELLI LETÍCIA COURA RIBEIRO LUCAS BUENO CARRANO MARIANA SHANG CHEN MATHEUS ANTONIO MARCHI DE OLIVEIRA PEDRO HENRIQUE DEL COMUNE LOURENÇO PEDRO HENRIQUE LIMA ALVES PEDRO HENRIQUE PEREIRA SANTOS RAQUEL VALENTE NOGUEIRA SAMARA MORENO DA SILVA SOPHIA DE ALMEIDA GIRADI THIAGO FLORIDO CAMPOS GONÇALVES VICENTE CARRIERI MARIN

136


WENXIN JIN (alina) YASMIN RODRIGUES SILVA ZAMARA THAIS SUASUPOMA LI XIANG LUCAS LI XIANCUI LIPING XUYAN JI 7º Ano A AMANDA QUEIROZ FERNANDES ANA CECÍLIA PAIXÃO MACIEL DA SILVA ARTHUR PORTO DOS SANTOS COSTA BEATRIZ SILVEIRA DE QUEIROZ BRUNA SOUSA FRANCO ENZO LUQUE BELLUCI FELIPE SANTIAGO DOS SANTOS FERNANDA SILVA DOS SANTOS FU TEHUI (sabrina) GABRIEL SHIGUEO FERREIRA KAZIHARA GIOVANNA MODUGNO VARGAS DA SILVA GIULIA EMANUELLE GARCIA JONATAS FABRICIO GOMES LEILA VILLA MARIN GAZOLA LÍVIA BEATRIZ CORREA LUCAS CARVALHO SOLA LUIZ GUSTAVO RONCHI PESSOA LUIZA CAMPOS LEITE MATHEUS RYOJI TERANISHI MAYARA FRANCIELLY DA SILVA RAFAEL CHEN THIAGO ARAUJO AULUCCI THIAGO RUAN DE JESUS SOUZA VITOR SILVA SASSATI WILLY INOCÊNCIO ZEH YONGHENG JIN XIAO JIE ZHU PEIYAO XU (nike) ANA YEZHENG 7º Ano B ADRIANO XAVIER CINTRA AIRTON JAIR HUASUPOMA GUZMAN ANA BEATRIZ BARBOSA SANTOS ANNA BEATRIZ MORALES CARRIJO BIANCA ALVES DIAS BRUNO ALMEIDA SILVA BRUNO GARROUX RIBEIRO CAIO ARAUJO AULUCCI DIEGO FERNANDO DE OLIVEIRA FERNANDA TOKUO ROSA GABRIEL AFFONSO SILVEIRA

137


GABRIEL AUGUSTO TOLERO RAMOS GABRIELA FERNANDES CAZALLI GIOVANNA ROSSI SIMÕES GUSTAVO DE CARVALHO MENEZES RODRIGUES IARA SALOMÃO PASSOLI ISIS BRANCO PEREIRA LAURA PIRES DE SANTIS LUCAS CAMPOS LEITE MARINA REGINA GIORDANO MARY EDUARDA FARIA MIRELLA MOLESSANI SERILLO PIETRO DE PAULA BARSSUGLIO LAZZARETTI RAYAN BASSEM CHOKR RIDA HASSAN HOJEIJ VICTOR PERRONE CLEMENTINO GABRIELA MONTEIRO FOJO 8º Ano A ANA CAROLINA FERNANDES SOUZA ANDRE BUENO DE MORAES CAIO HENRIQUE DEL BIANCO VILLARI CATARINA ROJAS FRANCIA GABRIEL HASHIMOTO BENEDICTO GABRIELA MIRANDA MACENA GABRIELLA SEPPE GOMES JOÃO VITOR DO ESPIRITO SANTO JOAQUIM MACKIN GONÇALVES LARISSA MEDEIROS PEPES LETÍCIA MILENE BEZERRA SILVA LUANA CARVALHO RODRIGUES LUIZ FELLIPE BEZERRA PULINO MARCO ANTÔNIO OLIVEIRA FERNANDES PEDRO GUILHERME MACHADO SANTOS PEDRO OMAR VAZ DE OLIVEIRA ESTEVES RHANNYA MOREIRA PORTO URIEL MANSUR LIMA DA SILVA VICTOR HUGO VALBONESE MARINHO VITOR AUGUSTO VISINI DE ARAUJO VITTORIA SILVEIRA AZEVEDO E SILVA MEIMEI HUANG ZEYI LIU (LUCAS) ALEXANDRE MATHIAS FILHO ANA BEATRIZ TIEMI ARAKI BUENO ANA LUIZA JALIL FAUZA ANDRÉ NAUM DOS SANTOS PEREIRA BEATRIZ SOARES CAMPOS SILVA BEATRIZ TADIM CARVALHO

138


CAROLINA MIRANDA MACENA CRISTINA CHEN ETTORE ENRIQUE MEDEIROS DA SILVA GIOVANNI ABRÃO TREVISAN GIULIA MINGUZZI ROSSET GUILHERME DEMEIS HELOISA ROBERTA DEISIS NASCIMENTO ISABELLA TESTA FRAZILI ISABELLY PEREIRA MARTINS JÚLIA CHIARADIA DE CARVALHO JULIA DE MIRANDA MARTINELLI JULIA ROJAS FRANCIA LUCAS OKUTANI DE ALMEIDA MARINA TRENTO GOMES MATEUS RAMPAZZO RIBEIRO NUONUO RAO

(Manoela)

STEPHANIE VIÉGAS DE OLIVEIRA SANTOS VITOR AUGUSTO DA SILVA YASMIN AUGUSTO FERREIRA SIMONETTI PEIXUAN XU (Alina) 9º Ano A ANA CAROLINA MEADO PINTO ANDREZA VIEIRA RAMOS BARBARA MARIA DE MELO PERSIOTTO BRUNA LADEIRA MORENO CAMILA CRISTINA BARROS SILVA DIEGO INFANTOSI ENZO AMBRÓSIO CARINI ESTELA TSAO CHUN LAI FABIANA GENISTRETTI COSTABILE FELIPE SOUSA FRANCO FLAVIA SABINO FIUZA DA COSTA GABRIELA RODRIGUES CAPRISTI GIOVANA ARAUJO PEREIRA GIOVANA BONALDO DOS SANTOS GIULIA AKEMI YOSHIZUMI HENDRIX VALENÇA SOUZA HENRIQUE ARAÚJO MACADURA HIGO RAMOS DE OLIVEIRA ISABELA LOPES ZAFRA JAMILE PAES LEME CARDOSO JOÃO VICTOR JOAQUIM RUY JOÃO VITOR VICENTE SANTANA LARA HASSAN HOJEIJ LIVIA MARIA MATOS LORENA FELIX QUATROCHI LUANA LOPES DA SILVA

139


LUCAS NOVAIS GALVÃO LUIZ GUSTAVO SINOPOLI COUTINHO LUIZA DE ABREU FERNANDES MARCELO COUTINHO DANTAS MILENA ANTONINI MENEGUELLI NÁDIA CARNEIRO DA SILVA NATÁLIA MAKELY DOS SANTOS ROCHA NICOLE APARECIDA FERREIRA RAMALDES OTÁVIO ANDRADE SILVA RAFAEL VRAGNAZ MACHADO RAFAELA MARTINS SANTOS ARAUJO ROBERTA MASTROBUONO CARACCIOLO SARAH IBI SILVIO STEPHANIE MARIA MOURA SILVA VERONICA COSTA PEDRO VITOR DE MOURA SOUSA SOARES YAGO CREPALDI PESSOA YASMIN BUSTAMANTE AFONSO ENSINO MÉDIO 1º Série A ALANNA RIBEIRO DE SOUSA AMANDA AMARAL FERRARO DANIEL AZEVEDO ZIBORDI DENER HENDERSON DO NASCIMENTO FÁTIMA ALI EL ZEIN FELIPE CAVALCANTE TANIOKU CATTIN FELIPE ONISHI DOS SANTOS SOARES FERNANDA LUCAS DE GODOY GABRIEL CICHY SILVA GABRIEL XAVIER DEIENO GIOVANNA CARVALHO FANGANIELLO ALMEIDA VILAS B GIOVANNA OSTORERO EGYDIO HEBIN SUN HUGO ROSEIRA DA SILVA IGOR MODUGNO VARGAS DA SILVA ISADORA LICASTRO LORENTI JOSÉ LUIS CHOHFI AURICCHIO KEIM JÚLIA DELL' ANGELO PASSOS JULIENE NUNES DO NASCIMENTO LETÍCIA INGRID BARBOSA SANTOS LIA CONTRI RONDÃO LUCAS GON CASEMIRO DOMINGUES LUCAS GRAMANI TEIXEIRA LUCIANO FAN MARCUS VINÍCIUS SEVERINI LAZARINI MATHEUS DE CARVALHO COSTA SANTOS MELISSA DELLA VOLPI RODRIGUES NATHALIA COUTO OLIVEIRA

140


PEDRO GABRIEL DEL BIANCO VILLARI RAFAEL VIEIRA LORENTE RAFAELA SILVA SASSATI REBECA HALI CORREIA REINE SLEIMAN RENNZO GIOVANNI DE ASSIS SEGANTINI RICARDO DI VENERE LEITE RITA DE CÁSSIA HIROMI TAMADA THAINÁ FONTANA LOPES VINICIUS CARVALHO WANG XIAOQIAN ZHAO YING XIAN 2º Série A BEATRIZ DA SILVA SALES CAMILA CAMPOS LEITE CAROLINA DOS SANTOS FERREIRA FELIPE SOUZA GUIMARÃES FERNANDO DE BARROS CAMARGO GABRIELA SANTOS ARAUJO GIOVANA DE OLIVEIRA TORRES JOÃO PEDRO DE SENA LARA ALVES MATOS LETÍCIA NUNES LIMA LUCAS BAHIA SILVA LUCAS BUDIN LUCAS GARROUX RIBEIRO MARIANA FACHINI PASCHOAL MARINA DE MARCHI BARRETO MATHEUS TORRES SILVA MONIQUE RODRIGUES DOS SANTOS MOUHAMED KHALIL IBRAHIN NATALY AKEMI ARAKI BUENO NATHALIA ROSSI SIMÕES OSMAR JATOBÁ NETO PALOMA STEFANELLI CARRARA RENATO MENEZES HYPOLITO THALIA CRISTINA DINIZ TAVARES THAMYS SANTOS SOARES VINÍCIUS LINDÓRIO DE FARIA RIBEIRO 3º Série A ALEX SANDRO BARROS FARIAS JUNIOR AMANDA MARCHI COMAR ANA CAROLINA MACHADO SIRO ANA LUIZA DA CONCEIÇÃO CAMPOS BEATRIZ CARDOSO CERCHIARO VIEIRA BEATRIZ POIATO ORLANDO BRUNO CORTONA SCARNAPIECO

141


CAROLINE DE ARAUJO SILVIO DANIELA SIMEAO DE CARVALHO DIOGO DE FARIA SANTOS FERNANDA SOUZA FREITAS PEDRO GABRIEL LEONE GABRIEL PEREIRA DE MATOS GABRIELLE GUSHIKEN GUERRETTA GIOVANNA AGOSTINI ALVES SOLOAGA ROCHA GIULIA PEIXOTO NEIAS GIULIA SEVERINI LAZARINI GUILHERME MACHADO ISABELA GORZONI GRECCO LARISSA MILLAN DE OLIVEIRA LUCAS DE ALMEIDA PERES LUIZA VAZ DE OLIVEIRA ESTEVES MAITE GOMES MIYAO MARCOS EUGENIO LUCAS DE GODOY MARCOS SALALES MURILO HENRIQUE RAVANHOLI ZANOTTO PAULO FERNANDO SIRO JUNIOR PEDRO HENRIQUE COURA RENÓ SARA MARIA DUARTE PEDROSA DOURADO VANESSA DOS SANTOS DE SOUZA VICTOR PRISMICH MANTELLO VICTÓRIA ALVES DE SANTANA WILLIAN DE ARAUJO SILVIO YASMIN KHALIL IBRAHIM

142

Revista Panorama 2014  
Revista Panorama 2014  
Advertisement