Issuu on Google+

Abordagem Interceptiva da Mordida Aberta Anterior: relação causa-efeito e seus benefícios – Caso Clínico Anterior open bite Interceptive treatment: cause-effect relationship and its benefits: Clinical Case Marcos Rogério de MENDONÇA1; Osmar Aparecido CUOGHI1; Alex Luiz Pozzobon PEREIRA2; Aubrey Fernando FABRE2

Resumo O objetivo deste artigo é apresentar o tratamento interceptivo da mordida aberta anterior de envolvimento dentoalveolar realizado por meio de uma placa de acrílico removível com grade palatina, impedindo a persistência do hábito bucal deletério restabelecendo um ambiente favorável para o desenvolvimento dentoalveolar. Palavras-chave Mordida aberta anterior - Tratamento interceptivo - Grade palatina - Dentadura mista

Abstract

Keywords Anterior open bite - Interceptive treatment - Palatine crib - Mixed dentition

1 - Professor Assistente Doutor, Disciplina de Ortodontia da Faculdade de Odontologia de Araçatuba – UNESP. 2 - Aluno do Curso de Pós-Graduação em nível de Doutorado – Ortodontia – da Faculdade de Odontologia de Araçatuba – UNESP.

09 - Rev INPEO de Odontologia Cuiabá – MT v. 2 n. 1 p. 1-76 Jan – Jul 2008

Caso Clínico

The purpose of this work is to present an interceptive treatment of the anterior open bite with dentoalveolar involvement done through removable acrylic plate with palatine crib, restraining a deleterious habit for giving back a favorable dentoalveolar development condition.


Abordagem Interceptiva da Mordida Aberta Anterior: relação causa-efeito e seus benefícios

Introdução

abordagens combinando ortodontia e cirurgia

Ao realizar-se um exame detalhado da oclusão, o clínico deve ter em mente os aspectos de normalidade

ortognática no sentido de diminuir a discrepância vertical. 2, 3, 7, 10

de modo a reconhecer imediatamente os desvios

Ao descrever-se a mordida aberta anterior

existentes, tanto no sentido ântero-posterior, transversal

dentoalveolar a primeira característica é uma forma mais

e vertical. O trespasse vertical normal para as dentições

circular, restrita a região de caninos a caninos,

decídua e mista ocorre quando os incisivos superiores

geralmente acompanhada da história de um hábito de

sobrepõem entre 20% e 50% da coroa clínica dos

sucção não nutritivo8,9. O desenho esquelético da

incisivos inferiores. Quando este trespasse ultrapassa

mandíbula e da maxila são de normalidade e

60% tem-se uma situação de mordida profunda ao

proporcionalidade entre si, o tratamento visa eliminar o

passo que a ausência do trespasse vertical é

fator ambiental que interfere no crescimento vertical do

denominada de mordida aberta anterior

1, 2, 4

A prevalência da mordida aberta anterior em

osso alveolar na região anterior e assim deixar que o fator genético expresse toda sua potencialidade1.

crianças na fase de dentição decídua e mista varia entre

Considerando a alta prevalência da mordida

25% e 50% de acordo com a população estudada. Deste

aberta anterior entre as crianças e a importância da

modo, a mordida aberta anterior é uma má oclusão de

interceptação precoce dessa má oclusão, propusemo-

grande impacto na população infantil, o que demanda

nos a relatar neste artigo o tratamento de uma mordida

cuidados já em idades menores

5, 6.

aberta anterior com envolvimento dentoalveolar por meio

O diagnóstico da mordida aberta anterior envolve a diferenciação de dois tipos desta má oclusão: a

de um aparelho simples e eficiente representado pela grade palatina.

mordida aberta anterior esquelética e a dentoalveolar. A mordida aberta anterior esquelética é caracterizada por um trespasse vertical negativo geralmente envolvendo desde premolares até incisivos de forma mais difusa ou ampla, sendo que as características dentárias refletem um padrão esquelético no qual o ramo ascendente da mandíbula é curto, o ângulo goníaco é aberto, a altura facial anterior está aumentada, e o sorriso apresenta grande faixa de gengiva inserida refletindo o crescimento vertical excessivo da maxila. O plano de tratamento tem como objetivo alterações ortopédicas buscando limitar o crescimento vertical e, conseqüentemente, diminuir o impacto deste sobre os dentes, ou no outro extremo, as

10 - Rev INPEO de Odontologia Cuiabá – MT v.2 n. 1 p. 1-76 Jan – Jul 2008


Marcos Rogério de Mendonça; Osmar Aparecido Cuoghi; Alex Luiz Pozzobon Pereira; Aubrey Fernando Fabre

Caso Clínico

dentes permanentes, ausência de anomalias de posição

A paciente A.M.S., 7 anos de idade, apresentou-se

e número (Figuras 3a,b).

para tratamento na Clínica de Ortodontia da Faculdade de Odontologia de Araçatuba-UNESP, tendo como queixa principal o aspecto estético de seu sorriso, além do desejo em interromper o hábito de chupar chupeta. Sua história médica não apresentava dados relevantes. Ao exame extrabucal notou-se que a paciente apresentava equilíbrio entre os terços da face, porém havia selamento labial com contratura da musculatura peribucal, de maneira que em repouso seus lábios não se tocavam (Figuras 1a-c).

Figuras 3 (a,b) Radiografia panorâmica e telerradiografia em norma lateral. Exame complementar de diagnóstico.

Ao exame da telerradiografia em norma lateral, detectou-se vestibularização dos incisivos superiores (1.NA 28º , 1.PP 119º ); padrão de crescimento vertical (S-N.GoGn 39º ). O objetivo do tratamento foi eliminar o hábito de sucção de chupeta e ao mesmo tempo impedir o hábito secundário de interposição lingual, restabelecendo o ambiente funcional de normalidade. O aparelho utilizado foi composto por uma placa de acrílico, grampos de retenção em gota, arco vestibular e a grade palatina.

Figuras 1 (a-c) Fotografias extrabucais pré-tratamento

(Figuras 4a,b).

Ao exame clínico intrabucal, a paciente encontrava-se na fase de dentadura mista, com má oclusão de Classe I de Angle, mordida aberta anterior dentoalveolar de 6 mm e vestibularização dos incisivos superiores (Figuras 2a-e). Figuras 4 (a,b) Vista frontal e oclusal do aparelho

A grade palatina tem como objetivo impedir e lembrar a criança de não mais praticar o hábito de sucção de chupeta, bem como evitar a presença de um hábito bucal secundário como a interposição lingual (Figura 5) e ao mesmo tempo permitir o processo natural de erupção dos incisivos. A recomendação foi de uso contínuo da grade Figuras 2 (a-e) Fotografias intrabucais pré-tratamento.

Para o diagnóstico complementar, a radiografia ortopantomográfica revelou a presença de todos os

palatina, exceto durante as refeições, até o restabelecimento oclusal e funcional da região anterior.

11 - Rev INPEO de Odontologia Cuiabá – MT v.2 n. 1 p. 1-76 Jan – Jul 2008


Abordagem Interceptiva da Mordida Aberta Anterior: relação causa-efeito e seus benefícios

Figuras 7 (a-e) Fotografias intrabucais pós-tratamento

Figura 5 - Desgaste no acrílico a partir da face lingual dos incisivos

Considerações Gerais

O processo natural de erupção dos incisivos

Uma vez que a mordida aberta anterior é resultado

superiores, responsável pela normalização da oclusão

da combinação de vários fatores, a busca da

anterior, foi alcançado com maior eficiência por meio dos

identificação dos fatores determinantes e seu controle

desgastes gradativos do acrílico que recobre a face

ou eliminação guiará o sucesso do tratamento.

lingual dos incisivos superiores (Figura 6 a-c).

Cangialosi1 (1984) afirmou que a mordida aberta dentoalveolar tende à auto-correção quando o hábito é interrompido8 , enquanto Worms et al.10 (1971) relataram que a correção espontânea acontece em 80% dos casos em pacientes com idade entre 7 - 9 anos e 10-12 anos. De acordo com Klocke2 (2003), a fase da dentadura

Figuras 6 (a-c) Fotografias extrabucais após o tratamento

mista é considerada a melhor época para intervenção

A ativação do arco vestibular teve como objetivo a

nos pacientes com mordida aberta anterior

realização de pequenos movimentos dos incisivos

dentoalveolar, pois além de interferir no crescimento da

superiores para lingual, contribuindo na correção da

face, o tratamento precoce melhora a aparência da

mordida aberta anterior e, conseqüentemente, na

criança, aumentando a sua auto-estima. Durante o

diminuição do trespasse horizontal.

estágio da dentadura mista, a principal causa da

O tratamento interceptivo total, considerando o

mordida aberta anterior é a persistência dos hábitos

período ativo e a fase de contenção, durou 11 meses

bucais deletérios, que geralmente manifestam-se

(Figuras 7a–e). A paciente está sob acompanhamento,

associados à interposição da língua ou do lábio inferior.

sem aparelho, até atingir a maturidade da dentadura

A grade palatina é um método de tratamento

permanente e posterior reavaliação da necessidade do

simples e eficiente, sendo que a abordagem

tratamento corretivo para o refinamento da oclusão.

multidisciplinar (psicologia, fonoaudiologia e/ou otorrinolaringologia) deve ser aplicada mediante a necessidade.

12 - Rev INPEO de Odontologia Cuiabá – MT v.2 n. 1 p. 1-76 Jan – Jul 2008


Marcos Rogério de Mendonça; Osmar Aparecido Cuoghi; Alex Luiz Pozzobon Pereira; Aubrey Fernando Fabre

Durante o tratamento, após alcançar um trespasse vertical positivo de 2 a 3 milímetros, uma fase de contenção de 3 meses, no mínimo, deve ser instituída. O controle periódico deve ser realizado até que o paciente estabeleça a maturidade oclusal e, nesta fase, uma nova avaliação é feita para definir a necessidade da montagem do aparelho fixo para refinamento da oclusão. O tratamento interceptivo da mordida aberta anterior dentoalveolar com a placa de acrílico e a grade palatina é um método eficiente. O sucesso do tratamento depende muito da colaboração do paciente e é responsabilidade do clínico geral reconhecer precocemente uma má oclusão em desenvolvimento e, em casos mais simples realizar o tratamento. De outro modo, nos casos mais complexos, indicar o paciente para o tratamento adequado com o especialista.

Referências 1. Cangialosi T. Skeletal morphologic features of anterior open bite. Am J Orthod 1984; 85 (1): 28-36. 2. Klocke A. Ask us. Am J Orthod Dentofacial Orthop 2003; 123 (3): 13A. 3. Lopez-Gavito G et al. Anterior open bite malocclusion: a longitudinal 10 years post retention evaluation of orthodonticaly treated patients. Am J Orthod Dentofacial Orthop 1985; 87 (3): 175-186. 4. Nahoum HI. Vertical proportions and the palatal plane in anterior open bite. AM J Orthod 1971; 3: 273-281. 5. Ngan P, Fields HW. Open-bite: a review of etiology and management. Pediatr Dent 1997; 19 (2): 91-98. 6. Silva-Filho et al. Prevalência de oclusão normal e má oclusão em escolares da cidade de Bauru (SP). Parte II: Influência da estratificação sócio-econômica. Rev Odontol Univ São Paulo 1989, 4 (3): 189-196. 7. Trouten JC et al. Morphologic factors in open-bite and deep bite. Angle Orthod 1983; 53 (3): 192-211. 8. Warren J, Bishara SE. Duration of nutritive and nonnutritive sucking behaviors and their effects on the dental arches in the primary dentition. Am J Orthod Dentofac Orthop 2002; 121: 347-56. 9. Warren J et al. Effects of oral habits` duration on dental characteristics in the primary dentition. J Am Dent Assoc 2001; 132: 1685-93. 10. Worms FW et al. Open-bite. Am J Orthod, 1971; 59 (6): 589-595.

Endereço para correspondência Osmar Aparecido Cuoghi Rua Aquidaban, nº 557 - Vila Mendonça Araçatuba - SP - CEP.: 16015-100 Telefone: (18) 3608-9687 E-mail: osmarorto@terra.com.br

13 - Rev INPEO de Odontologia Cuiabá – MT v.2 n. 1 p. 1-76 Jan – Jul 2008


V2.N1 - ORTODONTIA (1)