Issuu on Google+

Ven d a Proi bi d a

Ju n h o / 2 0 1 3

Di stri bu i ção G ratu i ta g raças ao apoi o do com érci o l ocal

ANO IV − Numero 49

5.000 Exemplares

C o m p o r t a m e n to S o ci e d a d e Cu l tu ra e esperan ça!

imagem: stock.xchng

Francisco Morato - São Paulo Brasil

Realização:

Be Linux, Be Free!

Na confecção deste material gráfico foram utilizados apenas softwares que atendem a licença GNU/GPL.


1

O informativo Ôxe! é uma iniciativa da ::. Diga, Ôxe! Gaia, o planeta Terra Ôxe! Produtora Comunitária que visa propiciar à população de Francisco Morato e região, um veículo de jornalismo cidadão e produção, difusão e divulgação de ideias e informações na área cultural. Todas as informações, ilustrações e imagens são de responsabilidade de seus respectivos autores e obedecem a licença Creative Commons 3.0 Brasil Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença (acesse o blog para maiores detalhes), salvo indicações do(a) autor(a) em contrário. Para ver uma cópia desta licença, visite http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/ ou envie uma carta para Creative Commons, 171 Second Street, Suite 300, San Francisco, California 94105, USA.

Be Linux, Be Free!

Na confecção deste material gráfico foram utilizados apenas softwares que atendem a licença GNU/GPL.

::. O que a gente usou nessa edição

Ôxe!: Pra quem não conhece, quem é Gaia? Gaia: Acho que é difícil não me conhecerem, afinal de contas, todos existem por minha causa né?! (risos) Mas vamos lá: apesar de ser bem jovem ainda (tenho um pouco mais de 4,5 bilhões de anos) e pequena (comparado ao resto do universo), já sou bem rodada e vi muita coisa por aqui. Moro desde que nasci no Sistema Solar e, como meus outros vizinhos, ando em volta do Sol que é apenas uma dentre 200 bilhões de estrelas existentes na galáxia, a Via Láctea. Sou popularmente conhecida como Mundo e dependem de mim milhões de espécies de seres vivos. As pessoas me conhecem mais pelo que sou por dentro, ou seja, pela atmosfera, que nada mais é do que o ar que vocês respiram; e hidrosfera, que é toda a água, incluindo os oceanos, rios e lagos que correm em mim. Isto pois graças a elas que toda a vida é possível e protegida aqui, em mim. Ôxe!: E como é seu dia-a-dia? Muito trabalho? Gaia: Ah, eu trabalho demais todos os dias! Sou muito produtiva e eficiente, apesar de ter muitíssimas funções. Mas devo ressaltar que devo muito disso ao meu patrão, o Sol; ele que libera a luz e o calor para todo o universo, inclusive pra mim. Com essa ener-

Programas Ubuntu 10.10 (ubuntu.com) BrOffice.org 3.2.1 (broffice.org) Gimp 2.6.10 (gimp.org) Scribus 1.3.3.13 (scribus.net) InkScape 0.48 (inkscape.org) Mozilla Firefox 3.6.13 (br.mozdev.org) Banshee 1.8.0 (banshee-project.org)

::. Colaboraram nesta edição:

Betto Souza

Danilo Góes (surtopsicoticoo@hotmail.com)

Frank Neres (guerrilhamorato@yahoo.com.br) Messias Silva (messiassilva0810@gmail.com) A Equipe Ôxe! é: Fabia Pierangeli, Gilberto Araújo, Mari Moura e Roger Neves (digaoxe@gmail.com)

9 Saiba: blogduoxe.blogspot.com Siga: @informativo_oxe Curta: Produtora Ôxe!

imagem: stock.xchng

(subjetividadeematividade.blogspot.com.br)

gia toda, posso criar muitas reações, ciclos e sistemas. São elas que conduzem a circulação da atmosfera e dos oceanos e cria alimento para as plantas, que por sua vez são o alimento das pessoas e animais e isso tudo dá um trabalho danado. E você pensa que valorizam isso? Humpf! De todos os meus conhecidos, só eu tenho água, que é algo essencial para todas as formas de vida, mas poucas pessoas levam isso em consideração. Ôxe!: E o coração como anda? Gaia: Ah, eu sempre tive, vamos dizer assim, um lance cósmico com a Lua. Temos uma energia especial, um sincronismo entre as nosssas rotações que sempre mexeu muito comigo, desde sempre. Mas nunca pudemos oficializar nada, apesar de vivermos juntas a muito tempo. Mas agora as coisas estão mudando, né, e acho que a gente vai poder casar "de verdade" agora (risos). Ôxe!: De véu e grinalda? Gaia: De véu, grinalda, bolo e tudo mais que tivermos direito! Quer dizer, se eu aguentar até lá... Ôxe!: Muita gente tem mesmo demonstrado preocupação com a sua saúde. Como anda esse lado? Gaia: Ah, ultimamente tenho sentido muitos incômodos e perturbações com as mudanças que os seres humanos tem causado à minha vida. Já passei por coisa, viu! Mas realmente ando bem ruim... Acho que é o estresse também. Ôxe!: E como é a relação com seus filhos, em especial os seres humanos? Gaia: É bem complicada! De todos, eles sempre foram os que me deram mais trabalho. Nem os dinossauros deram tanto trabalho. Pra você ver, a camada de ozônio, que é o que me protege contra alguns efeitos físicos que eu possa sentir, tem diminuído muito desde a década de 80 graças as poluições causadas por esses pestes. Acredita? Já tem até um buraco! E ele tá crescendo a cada dia. Essa poluição é gerada por veículos automotivos, indústrias que não possuem filtros nas tubulações, produtos químicos, isso tudo diminui pouco a pouco a minha (nossa) capacidade de existência. Antigamente, eu me gabava por poder suportar a vida durante, pelo menos, outros 500 milhões de anos. Agora, nem sei mais se isso será possível! Ôxe!: Qual o seu maior medo? Gaia: Vixi! Sou “macaca ve-

Junho / 2013

lha”, vocês sabem. Já tirei de letra muita catástrofe por aí, mas eu ando muito assustada. Tenho medo de que a coisa por aqui ferva de vez. É, tenho medo que toda essa liberação de gases que são produzidos pelas queimadas, pela poluição, um dia esquente demais meu corpo e eleve tanto a minha temperatura, que eu exploda?! Aí você vão ver... Briguei tanto a vida toda, pros meus próprios filhos acabarem comigo. Já pensou? Ôxe!: E o que podemos fazer para ajudá-la? Gaia: Olha, eu acredito que vocês já sabem como ajudar. O que falta é tomarem vergonha na cara! Uns baita rapagão desses destruindo a camada de ozônio, causando desequilíbrio no clima, resultando no efeito estufa, acabando com outras espécies! Vocês deviam ter mais vergonha na cara! Depois que descongelar as geleiras polares e inundar os territórios que vocês habitam, não vai adiantar reclamar não! Sem a camada de Ozônio, já pensou o quanto de câncer de pele vocês vão ter, graças aos raios ultravioletas? Vocês tem que reduzir a emissão de gases que são emitidos em fábricas e carros, meus filhos. Tem que evitar as queimadas florestais, tem que evitar os aterros sanitários. Tudo isso emite gases que destroem minha camada de ozônio. Vocês não percebem que estão me machucando? E cada um deve começar a contribuir da sua maneira. Por exemplo, todo mundo concorda que o uso de carros contribue para o aquecimento global, todos sabem, mas ninguém está disposto a andar menos de automóvel, porque estão pensando só nos seus problemas pessoais! Por isso que, enquanto cada um pensar apenas no seu nariz, esse buraco vai crescer cada vez mais até acabar destruindo tudo o que há de melhor em vocês e em mim também. Ôxe!: Quanto ao futuro? Quais são seu planos? Gaia: Futuro? Sinceramente, ando meio descrente no futuro. Tenho visto cada coisa nos ultimos séculos que fiquei meio pessimista. Confesso que eu gostaria muito que todos vocês se conscientizassem que são responsáveis por mim também, que lutassem por menos poluição e percebessem que a tecnologia e a riqueza não irão salvar suas vidas. Gostaria que todos percebessem que sem poluição o ar, a terra, os mares e a vida recuperariam sua pureza original. Minha saúde voltaria ao normal e a vida de todas as espécies, inclusive a de vocês, seria melhor. Gostaria muito de voltar a trabalhar como antes, com tudo o que é necessário para ser melhor e poder ver com alegria toda a beleza que existe no universo! Já tive muitos planos, hoje, só penso em melhorar! .::


2

Junho / 2013

::. Na Faixa

Por: Meire Ramos

Lorena, S/N – Perus – São Paulo/SP (Ao lado da estação ::. Festa dos Povos em Francisco Morato Perus – CPTM) De 5 a 9 de julho acontecerá, na Praça Pompilho Bessa, O Serviço Social do Comércio em parceria com as em frente ao CIC Francisco Morato, a 1ª edição da Festa Duração: 60 minutos prefeituras municipais realizará um dia de intervenções com Lotação: 40 lugares dos Povos. O evento reunirá diversos tipos de atrações: atividades culturais em 102 cidades paulistas. O Circuito Mais informações: grupopandora.blogspot.com.br Nos dias 5 (a partir das 19h) e 6 (a partir das 17h) SESC de Artes passará pela cidade de Franco da Rocha no acontecerá o Festival Internacional de Dança, reunindo dia 21 de junho a partir das 17h, na Praça Caieiras grupos de dança da nossa região e grupos internacionais (Calçadão em frente à estação da CPTM), com término ::. Programação Cultural no Espaço Eco's que apresentarão danças típicas da previsto às 21h. E no dia 23 em Francisco Morato das O Espaço Eco's além de possuir o ambiente do Rússia, Paraguai, China e África. 16h30 às 20h30, na Praça Pompilho Bessa (em Frente ao bar, vem movimentando a cidade de Francisco Dia 7, a partir das 9h, acontece o CIC) no centro. Morato com uma intensa programação cultural, nesse 14º CONFAFRAMO, com a Confira a programação do circuito em sua passagem finalzinho de mês você ainda pode conferir o shows participação de Fanfarras de 31 pelas bandas de cá: CIRCO: Manic Freak - Nacho Rey acústicos com o músico Tequila (20 de junho a cidades. E nos dias 8 e 9, a partir (ARG), DANÇA: Posso Dançar para Você? - Cia partir das 20h e, 21 de junho com couvert a R$3,00 das 20h, shows musicais de Domínio Público (Campinas / SP); MÚSICA: Céu (SP); também a partir das 20h), Nego D'água (22 de variados estilos. Tudo, NA TEATRO: A Folia no Terreiro de Seu Mané Pacaru - junho a partir das 20h), Teatro com o ator Claudio FAIXA!!! Mamulengo da Folia (PE /SP); INTERVENÇÃO: Poesias Albuquerque no espetáculo Casa Poiesis (26 de A Festa dos Povos é uma ao Vento - Cia Atos (SP) e Mire Veja: Você Dança Para junho, venda antecipada: R$10,00 e no dia R$15,00 realização da prefeitura municipal Mim? - Tatiana Devos Gentile (RJ) - 20h), Plastic Life (29 de junho, com couvert a de Francisco Morato, através da sua R$3,00, a partir das 20h ) e muito chorinho com Mais informações: circuito.sescsp.org.br Arnaldo e Fabiano (dia Tequila, da banda Amarelo secretaria de cultura. 30 de junho, a partir das Marinho, tocará no Espaço Eco's Mais informações: 4488-2145 ::. Temporada Pandora no CEU Perus 19h). Com o espetáculo “Relicário de Concreto”, o Pra quem se interessou e Grupo Pandora de Teatro encena as quer conferir tudo de perto é só ::. Oxandolá [In] Festa 2013 memórias sobre a história da Fábrica Portland ir até a rua João Mendes Junior, de Perus, e continua em cartaz todos os do nosso festival de artes segue até o dia 542 no centro de Francisco 30Adeprogramação domingos no CEU – Perus até o dia 30 de junho , com muita música, teatro, bate-papo sobre Morato. junho, sempre às 18h30, com ENTRADA produção cultural e muito mais. Todas as atividades são FRANCA. Espetáculo que narra a "greve guerra" de gratuitas, confira a programação na íntegra, na nossa Mais informações: 4881contra-capa. .:: O CEU Perus fica na Rua Bernardo José de Perus fica em cartaz no CEU do bairro 6057 imagem: Divulgação

imagem: Mari Moura

::. Circuito SESC de Artes em Franco e Morato

"A natureza não faz nada bruscamente".

Jean-Baptiste Lamarck


3

Junho / 2013

Por: Roger Neves

desertificação. Isso porque o governo soviético teve a brilhante ideia de desviar parte das águas dos rios que alimentavam o Mar de Aral desde 1918 para irrigar plantações de algodão, arroz, cereais e melões. Qualquer semelhança com projetos brasileiros como a transposição do Rio São Francisco e a construção da usina de Belo Monte não é mera coincidência. O resultado da intervenção do governo soviético no fluxo das águas foi a quebra da indústria pesqueira da região do Aral, onde hoje tem barcos abandonados no meio do nada e em 2010 o Mar de Aral praticamente sumiu, deixando um deserto com solo entoxicado e inutilizado pela alta presença de sal e vários poluentes que adoeceram a população da região. Ah, agora tem tempestades de areia lá também. Como diz a música: o mar virou sertão. imagem: Fabia Pierangeli

Desde que o telescópio Kepler foi lançado (2009), foram encontrados alguns candidatos (veja bem que é “alguns” dentre o zilhão de estrelas e planetas que existem), mas aquele lugar igual à Terra ainda não foi descoberto. E talvez ainda demore um pouco. Mas ainda assim ele estaria longe demais para que a gente possa fugir para lá, coisa de milhares de anos-luz. Não é exagero nenhum considerarmos que tem gente por aí pensando e procurando um outro planeta para poder dar o fora daqui quando a situação se tornar insustentável. O ser humano tem mexido demais com a natureza e afetado o funcionamento do planeta como um todo a ponto de mudar completamente as condições climáticas de algumas regiões tornando a vida insustentável nesses lugares. Inclusive para nós mesmos. Duvida? Então vejamos dois casos exemplares (no mal sentido). O primeiro é o praticamente desaparecimento do Mar de Aral. O Mar de Aral era um lago de água salgada, localizado na Ásia Central, entre o que conhecemos hoje como os países Cazaquistão e Caracalpaquistão (não é sacanagem, tem mesmo um país com esse nome). Esse lago já foi o quarto maior do mundo com 68 000 km² de superfície e 1100 km³ de volume de água, mas em 2007 já havia se reduzido a apenas 10% de seu tamanho original, e em 2010 estava dividido em três porções menores, em avançado processo de

Acima: Mar de Aral antes e depois, como era na década de 60 e como ficou em 2010. Ao fundo: embarcação abandonada no meio do que foi o Mar de Aral

imagem: stock.xchng

Imagina a situação: o moleque no meio da casa diz “Ô mãe, o vô tá ficando doido! Ele jura que existia um bicho que vivia no mar e era maior que a nossa casa!”. Acredite ou não, não estamos muito longe disso. Muito se falou e continua se falando sobre ecologia, meio ambiente e conservação nos últimos 20 anos; e não é pra menos, a situação é muito grave, aliás mais grave do que falam por aí. No último dia 05 de junho, celebramos o Dia Mundial do Meio Ambiente que, sejamos francos, é mesmo uma desculpa para pensarmos no assunto e criarmos um pouco de vergonha ecológica na cara. Digo “celebrar” e “desculpa”, pois não temos nada para comemorar no que se refere ao respeito à natureza e responsabilidade ambiental. O ser humano é a primeira espécie animal (é, também somos animais) em toda a história de nosso planeta que conseguiu fazer tanta burrada que ameaça e pode acabar com toda a vida do planeta. Também somos pioneiros em fazer mal em larga escala à nossa própria espécie, na possibilidade de causar nossa própria extinção e em alterar o meio ambiente. Nem os dinossauros conseguiram isso! Parabéns pra humanidade que é idiota o suficiente para acumular essas e outras “conquistas”. Pra entendermos o quanto isso é sério, primeiro talvez seja necessário entendermos o quanto a vida e um planeta onde ela possa surgir é raro. Praticamente desde sempre o homem se pergunta e procura por sinais de vida fora de nosso planeta. E quanto mais ele procura, mais vê como isso é difícil. Primeiro o planeta tem estar em orbita de um tipo específico de estrela (como o nosso sol), depois tem que estar há uma certa distância específica (nem muito perto, nem muito longe), depois tem que ter carbono, água, uma atmosfera que proteja contra as irradiações espaciais e deve ter sobrevivido até a fase de um “planeta adulto” (planetas em formação são muito “violentos” e o espaço sideral não é diferente). Ainda assim, isso não é garantia de que a vida vá surgir nesse pedaço da galáxia.

"Na natureza não existem prêmios, nem sequer punições. Existem consequências!"

James McNeil Whistler


Junho / 2013

Um outro mal exemplo é o grande nevoeiro de 1952 ocorrido em Londres. Esse foi um período de severa poluição atmosférica, que encobriu a cidade de Londres, sendo causado pelo crescimento descontrolado da queima de combustíveis fósseis (óleo e carvão) na indústria e nos transportes. Acontece que na Inglaterra faz muito frio (bem mais que aqui no Brasil) e para manter as casas aquecidas, eles utilizavam basicamente carvão. A chegada de uma frente fria intensa fez com que as pessoas queimassem mais carvão do que o habitual e o aumento na poluição do ar foi agravado por uma inversão térmica, causada pela densa massa de ar frio. O acúmulo de poluentes foi crescendo, especialmente de fumaça e partículas do carvão que era queimado. O nevoeiro resultante, uma mistura de névoa natural com muita fumaça negra, tornou-se muito denso, chegando a impossibilitar o trânsito de automóveis nas ruas. E lugar algum estava salvo disso, já que a poluição do ar invadiu facilmente mesmo os ambientes fechados. O detalhe macabro é que graças a Segunda Guerra Mundial, a Inglaterra passava por problemas econômicos, o que fez com que exportassem o carvão de melhor qualidade, deixando para os ingleses apenas o carvão de baixa qualidade, rico em enxofre. Adivinha onde isso foi parar. Isso mesmo, no ar e depois nos pulmões das pessoas. Resultado: acredita-se que o nevoeiro tenha causado a morte de 12.000 londrinos, e deixado outros 100.000 doentes. Qualquer semelhança com a qualidade do ar em São Paulo no inverno, não é mera coincidência. Se você acha que esses são problemas superados e coisa do passado, pense bem. A União Internacional para a Conservação da Natureza estima que a expansão humana levou a destruição de 60 mil km² de florestas por ano desde 2006 (o que equivale a cerca de 5,5 milhões de campos de futebol). Com isso, colocamos em risco de extinção mais de 30% das cerca de 1,75 milhão de espécies de plantas, insetos e micro-organismos conhecidos (fora as que nós se quer chegamos a conhecer). Ou seja, graças ao nosso desleixo com a

natureza, 31% de todas as espécies de anfíbios, 33% de todos os recifes, 25% de todos os mamíferos, 20% de todas as plantas e 13% de todas as aves correm o risco de sumirem para sempre. O pior é que 795 espécies variadas já desapareceram graças às nossas burradas. Tem ideia do que é isso? Quase 800 bichos e plantas nunca mais serão vistos e sumiram completamente do mundo por nossa culpa. Você já viu um pica-pau original (Campephilus principais), como o do desenho? E um sapo dourado (Bufo periglenes)? Então, nem vai ver. Sabe por quê? Porque a gente sumiu com eles. Mas o lado mais ridículo da nossa degradação da natureza é o desperdício de alimentos. Além de um “tiro no pé” economicamente falando, desperdiçar alimentos é também um ato de extremo egoísmo... e burrice, claro. Pensa que para produzir o alimento que você compra no supermercado, tratores, caminhões e carros cuspiram poluentes na atmosfera, fora isso a mata teve que dar espaço para a plantação, mais o uso de água, agrotóxicos, fertilizantes, etc, etc. Desse modo, cada alimento que compramos no mercado, além do custo financeiro, tem também um custo ambiental, este pago por todas as formas de vida no planeta. Então quando alguém joga comida fora, não está jogando apenas seu dinheiro fora, mas também a possibilidade de recuperarmos a natureza e os recursos que deveriam ser usados por todas as formas de vida. Mas o mais absurdo é que há gente ainda hoje que passa fome e esse alimento que é jogado fora poderia alimentar essas pessoas. Segundo as ultimas estimativas cerca de 13 milhões de pessoas ainda passam fome no Brasil e, por outro lado, são desperdiçados 26,3 milhões de toneladas de alimentos ao ano. Não consigo nem imaginar a montanha de alimentos que isso representa, mas o caso é que essa montanha poderia alimentar 35 milhões de pessoas; ou seja, ninguém passaria fome e ainda sobraria alimento. Ainda não tá impressionado(a)? Então pensa que todo esse desperdício representa um prejuízo para o Brasil de R$ 12 Bilhões, o que equivale a mais de 340 Mega-Senas

acumuladas!! Mas isso não se dá de uma vez, ninguém chega no lixão e derruba uma montanha de alimento e sai fora. Esse desperdício se dá aos poucos, de grão em grão. Se a gente dividir o prejuízo do desperdício de alimentos pelos 196,7 milhões de brasileiros, a gente vai ver que cada um de nós desperdiça R$ 61 em alimentos por ano ou R$ 5 por mês. Parece pouco, né? Mas não é e antes que você tente colocar a culpa em alguém, saiba que os dois lugares onde mais se desperdiça comida é na colheita e na cozinha. É assim mesmo, com pequenas mudanças de atitudes, que faremos diferença quando se trata de preservação da natureza e de ajudarmos o planeta a melhorar. Seria bom, mas não é necessário grandes sacrifícios para fazermos diferença nesse sentido. Lembra de como foi logo depois dos apagões que tivemos no Brasil? Foi tão difícil economizar energia elétrica, trocar as lampadas da casa e desligar os aparelhos que não eram usados? Então, do mesmo modo não é tão difícil economizar comida, manter uma parte de seu quintal com área verde, preferir produtos, alimentos e combustíveis que agridam menos a natureza e pensar bem antes de comprar novas coisas. Você realmente precisa de um novo celular? Precisa mesmo trocar de carro? Aliás, precisa mesmo de um carro? Você tem mesmo que trocar a TV ou isso é um modismo? A felicidade está em você ou nas coisas que você compra? Infelizmente é impossível para o ser humano, hoje, existir sem consumir, mas certamente não é necessário consumirmos tanto. Cada coisa que adquirimos, representa um monte de recursos que foram tirados da natureza e um tanto de lixo que uma hora ou outra vai voltar para lá. Ao comprar um produto, você se torna responsável por toda agressão à natureza que sua produção causou ou venha causar. É desse modo que o consumo responsável começa, ao avaliarmos os impactos que nossas escolhas e nosso modo de vida tem sobre a natureza, sobre a exploração do planeta e em relação aos outros seres humanos. Faça sua parte e exija que os governos e empresas façam sua parte também! Assim, em 100 anos quem sabe, talvez, a gente consiga reverter todos os males que a raça humana (eu, você, nossos parentes e ancestrais) causaram ao planeta Terra. Nossa mãe, nossa casa e com a qual somos tão ingratos. Por enquanto. .:: imagem: stock.xchng

Ao fundo: o lixo é outro produto da atividade humana que impacta fortemente a natureza

4

9 Saiba: blogduoxe.blogspot.com Siga: @informativo_oxe Curta: Produtora Ôxe!

"Trate bem a Terra. Ela não foi doada a você por seus pais. Ela foi emprestada a você por seus filhos." Provérbio africano


Junho / 2013

VATICÍNIO

Se continuarmos a desperdiçar... no futuro nossos descendentes, privações poderão passar... pela falta da água corrente;

Por: Messias Silva

Ao andar pelas ruas donas de casa vejo lavar, numa vontade crua... as mangueiras águas a jorrar;

imagem: stock.xchng

5

O Visitante

As civilizações ao aderir, os meios da reciclagem pelo planeta irão contribuir, a uma natureza sustentável;

Os esgotos desaguando detritos aos mares os nossos peixes matando, e outros animais seculares; As baleias, os delfins intoxicados os cardumes, tubarões, as estrelas, vítimas do óleo industrial despejado nossos netos, bisnetos poderiam não conhecê-los; A selva de pedra nas cidades deu lugar a poluição, é irrespirável, contém toxicidade, os males contra o coração e o pulmão; Ainda há tempo e juízo, para o homem redimir progresso e não prejuízo! e em prol de natureza agir.

Em 201 3 estamos novamente oferecendo o que há de melhor para você que deseja adquirir sua habilitação. Venha conhecer nossas instalações e conferir nossos preços!

imagem: stock.xchng

As derrubadas de árvores para o papel à madeira, o verde a respirarmos a reciclagem é a maneira;

Ainda criança, acordei subitamente no meio da noite e havia um velho ancião sentado na beirada de minha cama. Meio sonolento despertei assustado, faltou-me voz para gritar minha mãe. Porém seria em vão, ele já estava ali algum tempo se quisesse fazer mal, já o teria feito . Seu semblante era triste, carregado de amargura e frustração, sua figura me despertava mais pena do que medo. Começou a falar de forma branda, melancólica palavras que soavam como conselhos . - Um dia eles virão e arrancarão de você aquilo que mais ama, aquilo que lhe move. - O que? - O que o senhor esta falando, quem são eles ? - O mundo!, todo mundo - Eles te forçarão a crescer e abandonar seus sonhos. Dirão-te no que vai acreditar e a não prestar atenção nas mínimas coisas, te darão ídolos e valores que você terá que buscar incessantemente, para atingir a felicidade. Mas ela será uma miragem que se move para mais longe, cada vez que se aproxima. Jamais saberá que ela é um holograma. E no fim da vida, só no fim descobrirá que tudo não é nada.

Por: Frank Neres

Dirão que as nuvens não são de algodão e que estrelas são apenas bolas de gases explodindo a milhões de quilômetros . Tudo perderá a graça - E o que faço ? - Revista seu coração em pedra, trancafie suas memórias doces e ingênuas, pois elas serão o único tesouro que realmente vale lembrar. Ou tudo escorrerá por entre os dedos no tempo . O monstro no armário não te fará mal. E o horizonte será lindo e nostálgico abrigando coisas lindas enquanto você quiser . Ame as pessoas, mas não se entregue. Lembre-se, ser sensível não é fraqueza. E a loucura, é um privilegio divino. Proteja suas ilusões, seus sonhos e imaginação - Mas quem é você? - Eu sou você. E como um sonho confuso, não lembro como ele se foi, apenas adormeci e quando acordei, ele já não estava lá. .::


6

Manifeste-se

Cemitério das Marionetes Por: Danilo Góes

A notícia chegou através da minha mãe, enquanto ela falava - as fotos e posts no Facebook me chamavam mais atenção - alguém havia morrido. Fiquei pensando “o que eu tenho a ver com isso”. Indiferente, voltei a olhar um novo link compartilhado. Conhecia o falecido pelo vulgo Pingão, poucos sabiam seu nome. Via ele e sua esposa na rua ou pelos bares. Em cinco anos cumprimentei umas 10 vezes no máximo, já com os meninos do casal falava com mais frequência, eles viviam dando multa em uma moeda. Francisco Morato é meio que depósito da Metrópole, morar aqui é uma escolha de uma alternativa só. Por N motivos pessoas vieram morar aqui, a exclusão social é um motivo com bastante adesão. Esquece o passado e recomeça uma nova história, lema para muitos moradores. Fui insensível perante o fato, frio como uma máquina. Não sei quais foram os motivos que levou Pingão a ser um pinguço de “mão cheia”, nem os motivos que o levou a óbito. Me vi reproduzindo argumentos pífios: “Mãe e pai bêbados na madrugada e seu filho deitado na calçada esperando voltarem pra casa, isso não é atitude de pais”; “Estão nessa situação porque querem”; “Como vai mudar de vida, só sabem beber”; “Coloca os moleques para pedir dinheiro e cigarro na rua, é Deus castigando”. Paro em um momento de reflexão pensando no senhor morto e minha indiferença: O que somos nesse mundo? Animais humanizados? Resultado do processo de coisificação? Máquinas? Marionetes controladas por Deus? Deus? Penso nele ao saber que Pingão será enterrado como indigente, pois o único parente próximo não quer arcar com as despesas funerárias. Será Deus brincando de marionetes? Não. Em nossa sociedade Deus foi privatizado e seu poder está dividido em grupo de investidores. Capitalistas brincando de marionetes. Cada marionete é controlada para alguns fins - trabalhando, alienado pela tv, bebendo, máquinas humanas - sempre visando lucro. Controlados por algo que vai além das nossas forças, olho para mazelas sociais e penso onde esta a vontade do sujeito. O sistema brinca com nossas vidas e descarta - como brinquedos deixados de lado pelas crianças quando viram adultos Pingão estava sozinho já uns meses, a esposa estava internada por suspeita de tuberculose, logo após a internação, os filhos foram morar com parentes em outra região. Em uma madrugada fria paulista, Pingão amanheceu morto, sozinho, em sua casa com janela e porta sem vidros, dormindo no chão seco, garrafas de corotinho espalhadas pela casa, há dias sem comer. Cortaram as cordas que o mantinha em pé, mais um excluído morreu, mais um indigente para o Cemitério da Moratense, mais um para o Cemitério das Marionetes. Em uma ação egoísta, camuflada de caridade, comento com minha mãe: “Que desleixo deixar enterrá-lo como indigente. Por que não fizeram uma vaquinha? Eu ajudaria.”. .::

::. Betto Souza

imagem: stock.xchng

Junho / 2013

9 Saiba: blogduoxe.blogspot.com Siga: @informativo_oxe Curta: Produtora Ôxe!



Ôxe! - Junho de 2013