Page 1

INFORMATIVO DIOCESANO

de Naviraí

ANO 9 - EDIÇÃO 91 DEZEMBRO/2019

VAMOS A BELÉM...

Vamos, com o nosso pensamento, a Belém! E fisicamente, na frente do presépio, vamos dirigir o nosso olhar para o Deus-Menino do presépio que acaba de nascer.

Sejam próximos a Deus, ao Bispo, 30 anos de Vida Sacerdotal aos sacerdotes e ao povo de Deus O Pe. José Donisete Pereira, Sacerdote

Pe. Edielson conta sobre seus dias intensos Diocesano, ordenado Presbítero pelas mãos de D. Teodardo Leitz OFM, fala de oração no Encontro de reitores e sobre sua vocação e vida sacerdotal. formadores de Seminários do Brasil.

www .diocesedenavirai. org.br

Dezembro de 2019 |

1


EXPEDIENTE ÓRGÃO INFORMATIVO DA DIOCESE DE NAVIRAÍ - MS

Ano 9 - Edição 91 Dezembro/2019

BISPO Dom Ettore Dotti, csf DIRETOR Sem. Renato Nascimento REVISÃO Joyce Alves DIREÇÃO DE ARTE Felipe Bauer PROJETO GRÁFICO Agência F5 Publicidade CNPJ: 31.731.064/0001-96

EDITORIAL “Para Vós, Senhor, elevo a minha alma. Meu Deus, em Vós confio. Não seja confundido nem de mim escarneçam os inimigos. Não serão confundidos os que esperam em Vós” (Sl 24, 1-3) Caríssimos leitores, começamos, no primeiro Domingo do Advento, um novo ano litúrgico. Nele somos convidados a preparar a vinda do Senhor. A Igreja nos põe de sobreaviso com quatro semanas de antecedência, a fim de que nos preparemos para celebrar de novo o Natal e, ao mesmo tempo, para que, com a lembrança da primeira vinda de Deus feito homem ao mundo, estejamos atentos a essas outras vindas do Senhor: no fim da vida de cada um e no fim dos tempos. Por isso, o Advento é um Tempo de preparação e de esperança. A palavra ADVENTO significa “Vinda”, chegada, e nos faz relembrar e reviver as primeiras etapas da História da Salvação, quando os homens se preparavam para a vinda do Salvador, a fim de que também nós possamos preparar hoje, em nossa vida, a vinda de Cristo por ocasião do Natal. Vivemos no Advento o Tempo da expectativa, da espera: um renovado caminho de fé que, por um lado, faz memória do evento de Jesus Cristo e, por outro, se abre ao seu cumprimento final. E, é precisamente desta dupla perspectiva que vive o Tempo do Advento, olhando quer para a primeira vinda do Filho de Deus, quando nasceu da Virgem Maria, quer para o seu retorno glorioso, quando vier “para julgar os vivos e os mortos”, como dizemos no Credo. Quanto à expectativa, trata-se de um aspecto profundamente humano, em que a fé se torna, por assim dizer, uma só com a nossa carne e o nosso coração. Somos, queridos leitores, interpelados a fazer um exame da nossa vida, das nossas ações no decorrer deste ano que “passou”, num espírito de abertura para uma vida nova, edificada sempre em Jesus Cristo. Eis a alegria e a esperança dos cristãos: viver em Jesus na força do Espírito Santo! Acolhamos o Menino Deus que vem morar nos nossos corações! Preparemos o nosso presépio espiritual com fé, esperança e caridade! A todos uma boa e frutuosa leitura! Sem. Renato Nascimento Batista

DIAGRAMAÇÃO Renan Schulter EQUIPE INFORMATIVO Pe. Edielson Sem. Bruno Sem. Ruan Sem. Mateus Teixeira Sem. Leonildo IMPRESSÃO Centro Gráfico Ruy Barbosa TIRAGEM 7.000 Exemplares PROPRIEDADE Mitra Diocesana de Naviraí Rua Campanário, 144 - Centro Naviraí/MS - CEP 79.950-000 (67) 3461-0318 | 3461-0321 diocesedenavirai@gmail.com www.diocesedenavirai.org.br

2

| Dezembro de 2019

ÍNDICE Palavra do Pastor

VAMOS A BELÉM...

3

3 Devoção do Mês 3 Intenções do Santo Padre 4 Advento e Natal: Tempo de Esperança 4 Aniversariantes 4 Datas Importantes 5, 6, 7 e 8 Círculo Bíblico 9 e 10 Espaço Vocacional Sejam próximos a Deus, ao Bispo, aos Sacerdotes e ao povo de Deus 30 anos de Vida Sacerdotal

Aconteceu

Fotos 8ª Jornada Diocesana da Juventude 9ª Assembleia Diocesana de Naviraí

11


PALAVRA DO PASTOR

VAMOS A BELÉM...

V

amos, com o nosso pensamento, a Belém! E fisicamente, na frente do presépio, vamos dirigir o nosso olhar para o Deus-Menino do presépio que acaba de nascer. Ao redor encontramos alguns animais, pastores sujos e fedorentos, uma natureza normal e um misterioso silêncio. O boi e o burro ruminam sem nenhuma novidade. Há um casal que, embora com roupas de outros tempos, parece nada diferente de um jovem e uma moça comuns, como tantos de nós. Na manjedoura há uma criança recém-nascida, nada diferente das demais. Qual a novidade, então? Se nosso olhar não souber enxergar que acima de tudo aquilo que parece normal há “uma estrela” que brilha de forma diferente das demais, não descobrirá nenhuma novidade: teria a visão de um pedacinho de mundo antigo acuradamente reconstruído, pintado, enfeitado e pouco mais. Ficaríamos curiosos com os muitos detalhes da paisagem, das cores e das luzes, mas não seria nada mais do que algo bonito que aparece aos olhos. Sim, precisamos erguer nosso olhar um pouco mais para o alto, procurando entender o significado daquela estrela e aprender que, o que vemos pelos olhos nos conduz a prestar a atenção àquilo que se enxerga com o coração. Quem sabe possamos encontrar um novo motivo de esperança para a nossa

vida; algo que supera os limites humanos e nos conduz a uma dimensão quase inexplicável. Um motivo muito sério para retomarmos nossa vida, não somente do ponto de vista humano, mas sim, do ponto de vista de onde Deus a vê e da forma com a qual Deus a observa. Ele não repara os erros e fracassos, mas na paternidade, nos vê como filhos que nós somos para Ele. Essa “Criança” é sinal que Deus não nos abandona; se o queremos ouvir, ele está presente. É Deus conosco! Essa é a fé do Natal. Podemos ser como os pastores, sujos e fedorentos, cansados, falidos e fracassados em alguns momentos da nossa vida, com famílias desestruturadas, com nossos jovens perdidos, com lágrimas nos olhos..., mas com a certeza de que Deus nos abraça, nos acolhe e nos perdoa. Porque Ele é misericórdia, presente no nosso meio, tendo escolhido nascer como nós, no nosso meio, mas com um olhar diferente. Essa “Criança” é a nova semente de uma humanidade que sempre pode se resgatar porque recomeça a cada ano uma nova caminhada. E ali presente está

o Cristo do Evangelho, que nos ensina a chamar Deus como Nosso Pai. Queridos diocesanos, vamos todos espiritualmente a Belém! Não precisamos preparar discursos ou levar presentes: vamos simplesmente levando aquilo que somos, e tendo a certeza de experimentarmos o encontro com Alguém que nos fará voltar para casa diferentes. São os votos que envio a todos de verdadeiro coração, desejando um Santo Natal e, desde já, um feliz ano novo de 2020. + Dom Ettore Dotti, csf

Bispo diocesano de Naviraí

DEVOÇÃO DO MÊS DEZEMBRO é o mês santo do Advento e do Natal. São quatro semanas de preparação para a vinda de Cristo no Natal. Arma-se a “coroa do Advento”, com uma vela acessa a cada domingo, meditando esse tempo de graça e espera. É um tempo propício para uma preparação espiritual e piedosa

para celebrar dignamente o Natal e também a Segunda e definitiva vinda do Senhor. É o tempo do Presépio, que nos ajuda a meditar este grande mistério da Encarnação do Verbo, que “se fez pobre para nos enriquecer”, como tão bem nos ensinou o Apóstolo São Paulo.

Intenções do Santo Padre DIÁLOGO E RECONCILIAÇÃO NO PRÓXIMO ORIENTE (Universal) Para que no Próximo Oriente, no qual diversas tradições religiosas partilham o mesmo espaço de vida, nasça um espírito de diálogo, de encontro e de reconciliação. Dezembro de 2019 |

3


Advento e Natal: Tempo de Esperança

N

o Advento inicia-se um novo ano litúrgico para a Igreja Católica, por isso é momento de recomeçar. Advento vem do latim “adventum”, que quer dizer “vinda, ou chegada”. Assim, é tempo de nos prepararmos para a chegada do Natal, nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo. Nesse período a Igreja celebra uma preparação durante quatro semanas que antecedem o Natal. Nos templos e casas são colocadas as coras do Advento, nas quais se acende uma vela a cada domingo. Do mesmo modo, os paramentos do sacerdote e as toalhas do altar são roxos, como símbolo de preparação e penitência. A exceção é o terceiro domingo, o “Domingo Gaudete” (da alegria), no qual se pode usar a cor rósea. Para melhor celebrarmos este tempo de espera, a Igreja nos ajuda a preparar o coração para a Sua chegada. Nas duas primeiras semanas do Advento, a liturgia nos convida a vigiar e esperar a vinda gloriosa do Salvador. Já nas duas últimas semanas, lembrando a espera dos profetas e de Maria, nós nos preparamos mais especialmente para celebrar o nascimento de Jesus em Belém. O tempo do Advento é tempo de esperança porque “Cristo é a nossa esperança” (1 Tm 1, 1). Esperança na renovação de todas as coisas, na libertação das nossas misérias, pecados, fraquezas, na vida eterna. Es-

perança que nos forma na paciência diante das dificuldades e tribulações da vida, diante das perseguições. Também é um tempo propício para a conversão sincera. Se o cristão não estiver com a sua vida inteiramente voltada para Cristo, não é possível viver a alegria e a esperança na expectativa da Sua vinda. No Natal, os cristãos celebram o nascimento de Jesus, não apenas como um personagem histórico que mudou o mundo, mas recorda-se algo fundamental para a fé cristã: a Encarnação do Verbo Divino para a redenção da humanidade. Trata-se de um episódio que o evangelista João resume com as palavras: “O Verbo se fez carne”. O Natal é ainda anúncio de paz. Com a manifestação do nascimento de Jesus Cristo, constitui-se também o jubiloso anúncio de uma grande alegria e a festa da glória de Deus. É momento de celebrarmos o nascimento de um Deus que se fez homem e se encarnou na humanidade para nos salvar. Nesse período de festa é comum encontrarmos enfeites natalinos, iluminação, decorações e presépios, tudo isso para nos mostrar que Cristo é a verdadeira luz e que somente nele encontramos a

nossa salvação. Isso também nos ajuda a rezar e a meditar melhor esse período de preparação que o cristão vive na esperança de receber Jesus Cristo. Portanto, que no nascimento do Menino Jesus não estejamos distraídos ou nos comprometendo simplesmente em decorar com iluminações as nossas casas. Mas, pelo contrário, que possamos estar ocupados rezando e preparando também o nosso coração e a nossa família para uma habitação digna, onde Ele se sinta acolhido com fé e amor. É com esse amor do espírito natalino e na esperança da vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo, que desejo a você e a sua família um Santo e Abençoado Natal! Seminarista Leonildo Fiumari Neto

DATAS IMPORTANTES

ANIVERSARIANTES

01/12 – 1º Domingo do Advento 01/12 – Assembleia Diocesana de Catequese – Centro Pastoral Paulo VI 05/12 – Espiritualidade e Confraternização Lideranças Catedral – Centro Pastoral Paulo VI 07/12 – Crisma – Naviraí Nossa Senhora das Graças 07/12 – Perseverança – Centro Pastoral Paulo VI 07/12 – Reunião de Coordenação PASCOM – Centro Pastoral Paulo VI 08/12 – 2º Domingo do Advento 08/12 – Imaculado Coração de Maria (Padroeira de Iguatemi) 08/12 – Crisma – Tacuru 08/12 – Aniversário 30 anos de Ordenação Presbiteral Pe. José Donisete – Anaurilândia 12/12 – Nossa Senhora de Guadalupe 12/12 – Crisma – Nova Casa Verde 13/12 – Crisma – Anaurilândia 14/12 – Crisma – Nova Andradina 15/12 – 3° Domingo do Advento 15/12 – Crisma – Angélica 22/12 – 4º Domingo do Advento 23/12 – Natal do Clero – Centro Pastoral Paulo VI 25/12 – Natal do Senhor

06/12 07/12 08/12 08/12 08/12

4

| Dezembro de 2019

12/12 16/12 22/12 25/12 31/12

– – – – –

Pe. Declair Cardoso da Silva – Ordenação Presbiteral Pe. Osvaldecir Leandro Mendes – Ordenação Presbiteral Pe. José Donisete Pereira – Ordenação Presbiteral Pe. Moacir Miguel dos Santos – Ordenação Presbiteral Irmã Rita Maria (Missionárias Catequistas do Sag. Coração de Jesus) - Consagração – Pe. Ademir Carvalho França – Ordenação Presbiteral – Pe. Francisco Israel Pontes Brito – Ordenação Presbiteral – Pe. Ailton Vicente de Souza – Ordenação Presbiteral – Pe. Antony Jesuraj Joseph, SVD – Nasc. – Pe. Nello Vanzo, PSDP – Ordenação Presbiteral


CÍRCULO BÍBLICO

1º ENCONTRO

IMACULADA CONCEIÇÃO DE NOSSA SENHORA Animador: Sejam todos bem-vindos, irmãos e irmãs! Com alegria nos reunimos para rezarmos e meditarmos a Palavra de Deus e, como gesto de acolhida, saudemo-nos uns aos outros com o abraço da paz. Iniciemos em Nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém! Canto: Maria de Nazaré, Maria me cativou./ Fez mais forte a minha fé e por filho me adotou. / Às vezes eu paro e fico a pensar / e sem perceber me vejo a rezar / o meu coração se põe a cantar, / pra virgem de Nazaré. / Menina que Deus amou e escolheu / pra Mãe de Jesus, o Filho de Deus, / Maria que o povo inteiro elegeu, senhora e Mãe do Céu. / Ave Maria (3x) Mãe de Jesus. ORAÇÃO INCIAL Animador: Façamos juntos a oração do 4º Congresso Missionário Regional de Mato Grosso do Sul, que aconteceu no ano passado (2018) em nossa Diocese, para iniciarmos o nosso encontro: Todos: Deus Pai, na alegria de sermos convocados por Vós, não podemos deixar de seguir as pegadas do Vosso Filho Jesus. O Senhor nos entrega com alegria a Palavra que Ele mesmo viveu, e nos envia com ardor missionário, levando Seu amor. O Espírito Santo nos leva a serviço, como Igreja em missão, nas dioceses do regional Oeste 1, a Santíssima Trindade nos renova a certeza de sermos discípulos missionários, e promete, a quem nos recebe, a paz que vem do amor. Maria Santíssima, primeira missionária, caminha conosco nessa grande missão. Solícitos e atentos juntamos nossas vozes no longo caminhar. Amém! ESCUTANDO A PALAVRA Leitor 1: Hoje, vamos meditar sobre a Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora. Assim, o Catecismo da Igreja Católica nos ensina: “Ao longo dos séculos, a Igreja tomou consciência de que Maria, ‘cumulada de graça’ por Deus, tinha sido redimida desde a sua conceição. É o que confessa o dogma da Imaculada Conceição, proclamado em 1854 pelo Papa Pio IX”. Conscientes da grandeza desse dogma de nossa fé católica, vamos preparar o nosso coração para acolhermos o Santo Evangelho, cantando: Canto: Vai falar no Evangelho / Je-

sus Cristo, aleluia! / Sua palavra é alimento / que dá vida, aleluia! Leitor 2: Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 1, 26-38 REFLETINDO A PALAVRA Leitor 3: No Santo Evangelho, tivemos a feliz alegria de refletir sobre a Anunciação e, para a nossa reflexão, gostaríamos de destacar o versículo 28: “O anjo entrou onde ela estava e disse: ‘Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!’” (Lc 1, 26-38); pois, como chamou a atenção o Papa Emérito Bento XVI, é justamente nesse trecho que se encontra a verdade de fé sobre a Imaculada Conceição da Mãe de Deus. Leitor 4: Sobre o mistério da Imaculada Conceição, explica Dom Henrique Soares: “Desde o primeiro instante de nossa existência, todos somos marcados pela quebradura provocada pelo pecado de nossos antepassados... Não assim a Virgem Maria! Ela, desde o primeiro instante de sua existência, por pura graça de Deus, foi preservada do pecado original. O mesmo Deus que ‘antes da fundação do mundo nos escolheu em Cristo para que fôssemos santos e irrepreensíveis sob Seu olhar, no amor’, o mesmo Senhor Santo que ‘nos predestinou para sermos Seus filhos adotivos por intermédio de Jesus Cristo, conforme a decisão de Sua vontade’, Ele mesmo, por causa do Filho Jesus e pelos méritos do Filho Jesus, o ‘Cordeiro sem defeitos e sem mácula, conhecido antes da fundação do mundo’ (1 Pd 1, 19s), predestinou e preservou de toda mancha do pecado a Virgem Maria, futura mãe escolhida para o Seu Filho!” Animador: Caros irmãos e irmãs, esse grande mistério da vida de nossa Mãe, é professado por nós todos os dias quando rezamos com amor e humildade a oração da Ave-Maria, pois reconhecemos que Ela é “cheia de graça”. Para a nossa reflexão, podemos nos questionar: Como estamos rezando a oração da “Ave-Maria”? Rezamos o Terço todos os dias? Estamos rezando com amor, ou somente no modo “automático”? E, de modo ainda mais particular, como está a nossa relação com a Mãe de Deus? REZANDO A PALAVRA Leitor 5: Se em nossa reflexão percebemos que ainda não temos uma

verdadeira devoção a Virgem Maria, é momento de iniciar um caminho de proximidade com nossa Bendita Mãe e aprendermos a amá-la e a honrá-la. Todos: “Cada vez que a reconhecemos cheia de graça, fazemos-lhe o maior elogio, o mesmo que Deus lhe fez. O melhor elogio que se pode dizer a uma senhora é falar-lhe, com amabilidade, que demonstra menos idade. Quando dizemos a Maria cheia de graça, num certo sentido dizemos-lhe também isto, ao nível mais elevado. Com efeito, reconhecemo-la sempre jovem, porque jamais envelhecida pelo pecado. Só existe uma coisa que deveras faz envelhecer, envelhecer interiormente: não é a idade, mas o pecado. O pecado envelhece-nos, porque esclerosa o coração. Fecha-o, torna-o inerte, fá-lo murchar. Mas a cheia de graça é vazia de pecado. Então é sempre jovem, é “mais jovem que o pecado”, é “a mais jovem do gênero humano” (G. Bernanos, Diário de um pároco de aldeia, II, 1988, p. 175)” (Papa Francisco). Animador: Vamos oferecer a Virgem Maria em nosso encontro uma dezena do Santo Terço pedindo a graça de sermos verdadeiros filhos de Maria e confiarmos nela como caminho seguro e rápido a Jesus. (Rezar 1 dezena do Terço) E, para encerrarmos nosso encontro, vamos realizar nossa Consagração ao Imaculado Coração de Maria, padroeiro de nossa Diocese: Todos: Ó Coração Imaculado de Maria, repleto de bondade, mostrai-nos o Vosso amor. A chama do Vosso Coração, ó Maria, desça sobre todos os homens. Nós Vos amamos infinitamente. Imprimi nos nossos corações o verdadeiro amor, para que sintamos o desejo de Vos buscar incessantemente. Ó Maria, Vós que tendes um Coração suave e humilde, lembrai-vos de nós quando cairmos no pecado. Vós sabeis que todos os homens pecam. Concedei que, por meio do Vosso Imaculado e Materno Coração, sejamos curados de toda doença espiritual. Fazei que possamos sempre contemplar a bondade do Vosso Materno Coração e nos convertamos por meio da chama do Vosso Coração. Amém! Canto Final: Imaculada, Maria de Deus! / Coração pobre acolhendo Jesus. / Imaculada, Maria do povo! / Mãe dos aflitos que estão junto à Cruz.

Dezembro de 2019 |

5


CÍRCULO BÍBLICO

2º ENCONTRO “ELE VAI SALVAR O SEU POVO DE SEUS PECADOS” (Mt 1, 21) Animador: Amados irmãos e irmãs, estamos vivenciando o Tempo do Advento, ou seja, o tempo de esperança. Assim, Deus nos reúne para que possamos meditar sua Palavra a fim de que estejamos verdadeiramente preparados para receber o menino Jesus, razão da nossa esperança. Atentos a este chamado do Senhor, iniciemos o nosso encontro: Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém! Canto: Muito suspira por ti teu povo fiel, tua Israel! / Ó santo Messias! Ó santo Messias! (2x) / Tua lembrança embalsama dos que te amam os tristes dias. / Ó santo Messias! Ó santo Messias! (2x) / A nação que te adorava, tornaram-na escrava, encheram-na de dor. ORAÇÃO INICIAL Animador: Meus irmãos, sabemos que o Advento é tempo de esperar. Mas, esperar o que? A quem? E aí está a razão da nossa fé, pois estamos esperando a vinda do menino Deus. Esta verdade deve encher o nosso coração de uma santa alegria, nos afastando completamente do desânimo. Com os olhos fitos na vinda do menino Deus, iniciemos pedindo, por meio da intercessão da Virgem Maria, a graça de sabermos aceitar a vontade de Deus e, assim, realmente receber a Cristo em nossa vida. Rezemos: Todos: Ó Senhora minha, sois a minha única consolação e esperança dada por Deus; vós, a guia da minha peregrinação, a fortaleza das minhas débeis forças, a riqueza das minhas misérias, a liberdade das minhas cadeias, e a esperança da minha salvação. Ouvi as minhas orações, tende compaixão dos meus suspiros, ó minha Rainha, que sois meu refúgio, minha vida, meu auxílio, minha esperança, minha fortaleza! Auxiliai-me ó dulcíssima Mãe, para que como vós, eu também saiba receber o menino Deus em minha vida! Amém! ESCUTANDO A PALAVRA Leitor 1: “O Deus infinito dobrou-se, inclinou-se amorosamente sobre a pequena e pobre realidade humana para aí fazer irromper o seu plano de amor” (Dom Henrique Soares). Confiantes em Deus, que se dobra diante de nossa condição frágil e nos propõe um plano de Amor, aclamemos o Santo Evangelho cantando. Canto: Aleluia, aleluia, aleluia! Aleluia, aleluia, aleluia! (bis) / Quero ouvir o que o Senhor irá falar, tua palavra vai

6

| Dezembro de 2019

minha vida transformar./ Leitor 2: Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 1, 18-24. PARTILHANDO A PALAVRA Lado A: Ao celebrarmos o Advento, celebramos o sentido da nossa fé e da nossa vida. Porém, a nossa vida é um Advento, haja vista que vivemos em peregrinação para a nossa morada eterna, que é o Céu. Lá não haverá mais tristeza, pois Deus será tudo em todos. Mas, para que consigamos viver essa peregrinação rumo ao Céu, é necessário que já neste mundo encontremos a Cristo. E, neste contexto, a Santíssima Virgem Maria nos é um exemplo seguro a seguir, pois, por meio de uma vida simples e modesta, ela já estava com Cristo Jesus. Deste modo, devemos nos questionar: Temos conseguido encontrar a Cristo no nosso dia a dia? A nossa vida tem sido fundamentada em uma autêntica peregrinação ao Reino do Céu? Lado B: Ao nos prepararmos para o Natal, nos dirigimos para algo que humanamente é incompreensível, isto é, um Deus que se faz menino para salvar os seus. Assim, nos deparamos com uma verdade: O Amor me ama, e se fez homem para me salvar. Deste modo, Deus não é um ser distante, mas sim, um Pai que nos ama e que caminha conosco, a fim de que tenhamos forças e possamos concluir nossa caminhada. Reflitamos, então: Cristo tem sido a nossa esperança? Ou vivemos como se estivéssemos abandonados no mundo? Sabemos dizer “sim” ao projeto de Deus em nossa vida ou vivemos segundo as nossas vontades e achismos? REZANDO A PALAVRA Animador: Hoje, o Senhor nos convida a não vivermos uma “vida morta”, mas sim, sermos sempre alegres, na certeza de que Cristo está conosco, e que caminhamos rumo ao Reino da eterna felicidade. Porém, para viver bem, é necessário dizer “sim” ao projeto de Deus no hoje da nossa vida. E, esse “sim” depende de cada um de nós. Por isso, rezemos pedindo a São José a graça de saber ouvir e aceitar a vontade de Des em nossa vida. Todos: Ó São José, cuja proteção é tão grande, tão forte e tão imediata diante do trono de Deus, a vós confio todas as minhas intenções e desejos. Ajudai-me, São José, com a vossa poderosa intercessão, a obter todas as bênçãos es-

pirituais, por intercessão do vosso Filho adotivo, Jesus Cristo Nosso Senhor, de modo que, ao confiar-me, aqui na terra, ao vosso poder celestial, Vos tribute o meu agradecimento e homenagem. Ó São José, eu nunca me canso de contemplar-Vos com Jesus adormecido nos vossos braços. Não ouso aproximar-me enquanto Ele repousa junto do vosso coração. Abraçai-O em meu nome, beijai por mim o seu delicado rosto e pedi-Lhe que me devolva esse beijo quando eu exalar o meu último suspiro. Amém! ORAÇÃO FINAL Leitor 4: “Eis o que vamos contemplar nos ritos, palavras e gestos da sagrada liturgia: o Verbo eterno do Pai, o Filho imenso, infinito, existente antes dos séculos, fez-se homem, fez-se criatura, fez-se pequeno e veio habitar entre nós. Sua vinda ao mundo salvou o mundo, elevou toda a natureza, toda a criação. A sua bendita Encarnação lavou o pecado do mundo e deu vida divina a todo o universo!” (Dom Henrique Soares). Rezemos pedindo a graça de sermos simples e obedientes, como São José e a Santíssima Virgem, a fim de que possamos bem viver o grande mistério do Amor que se faz homem por nós. Todos: Virgem Santíssima, Mãe do verbo humano, tesoureira de todas as graças e refúgio destes miseráveis pecadores, com viva fé recorremos ao vosso fraternal amor e vos pedimos a graça necessária para fazermos sempre a vontade de Deus. Eu vos venero de todo o coração, ó Santíssima Virgem, acima de todos os Santos e Anjos do Paraíso, como filha do Eterno Pai, e vos consagro a minha alma com todas as suas potências. Ave-Maria, eu vos venero de todo o coração, ó Santíssima Virgem, acima de todos os Santos e Anjos do Paraíso, como esposa dileta do Divino Espírito Santo, e vos consagro o meu coração com todos os seus afetos, rogando-vos que me alcanceis da Santíssima Trindade todos os meios para me salvar. Amém! Canto Final: Noite feliz! Noite feliz! / Oh, Senhor, Deus de amor! / Pobrezinho, nasceu em Belém. / Eis na lapa, Jesus nosso bem. / Dorme em paz, óh Jesus. / Dorme em paz, óh Jesus./ Noite feliz! Noite feliz! / Oh, Jesus, Deus da luz! / Quão afável é Teu coração, / que quiseste nascer nosso irmão./ E a nós todos salvar. / E a nós todos salvar./


CÍRCULO BÍBLICO

3º ENCONTRO

NATAL DO SENHOR Animador: Caros irmãos e irmãs, sintam-se acolhidos para o nosso encontro e que o amor do Menino Jesus e de sua, Mãe Santíssima, esteja no coração de cada um de nós. Iniciemos: Em Nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém! Canto: Noite feliz! Noite feliz! / Oh, Senhor, Deus do amor! / Pobrezinho, nasceu em Belém. / Eis na lapa, Jesus nosso bem. / Dorme em paz, óh Jesus! / Dorme em paz, óh Jesus!/ ORAÇÃO INICIAL Animador: Em nosso encontro vamos rezar e meditar sobre o Natal do Senhor, e é momento de celebrarmos e recordarmos quando “a Paz verdadeira desceu-nos do céu; hoje, os céus e a terra espalham doçura; hoje, raiou o dia do novo resgate de eterna alegria, há muito esperado!” (Liturgia das Horas). Vamos assim, rezar essa bela oração ao Menino Jesus: Todos: Menino Jesus, Tu és descendente de Davi, de Abraão, o Filho de Maria Virgem; Tu tens assumido a nossa história, formando parte dela. Tu, na plenitude dos tempos, quiseste nascer de uma mulher e ser um de nós, para nos demonstrar o grande e lindo valor que é ter uma Mãe, uma família, pessoas do mesmo sangue, com quem partilhar a vida, sendo queridos e apoiados, crescendo como pessoas para termos sentimentos de unidade, carinho e afeto, de solidariedade e compreensão, imitando a Tua família. Menino Jesus, Tu que tiveste uma família, abençoa a nossa e faz que, nela, os pais tenham sentimentos de entrega de amor e carinho; de interesse e sensibilidade; que se queiram e vivam um para o outro e que os filhos sintam em todo momento o amor que Tu nos tem por meio do amor dos pais. Menino Jesus, abençoa cada família e encha-as de amor e ternura, como o tiveste Tu de tua Mãe e de José. Que assim seja. Amém! ESCUTANDO A PALAVRA Canto: Aleluia! Aleluia! Aleluia! / Quando estamos unidos, estais entre nós, / e nos falarás da tua vida. / Aleluia! Aleluia! Aleluia! Leitor 1: Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João 1, 1-18 REFLETINDO A PALAVRA Leitor 2: O Santo Evangelho que acabamos de escutar nos ajuda a com-

preender o mistério que a Igreja nos convida a celebrar no Natal: “A Palavra se fez carne e habitou entre nós. E nós contemplamos a sua glória” (Jo 1, 14). E que grande e belo mistério! Deus toca a história da humanidade e, por amor, assume a nossa condição humana. Ao falar sobre a Feliz Noite do Natal, São João Paulo II ensina: Leitor 3: “Nesta noite, o tempo abre-se ao eterno, pois Vós, ó Cristo, nascestes entre nós vindo do alto. Do seio de uma Mulher, de todas a mais bendita, Vós viestes à luz, ‘Filho do Altíssimo’. A vossa santidade santificou de uma vez por todas o nosso tempo: os dias, os séculos, os milênios. Com o vosso nascimento, fizestes do tempo um hoje de salvação.” Animador: Entretanto, caros irmãos e irmãs, nos nossos tempos, parece que cada vez mais em nossas famílias e cidades, nesta noite feliz o Menino Jesus é “roubado” pelo “velhinho” de barba branca e roupas vermelhas. Quantas vezes a Luz do Cristo, que deveria resplandecer em nosso coração, é substituída por outras luzes. Devemos refletir: Como estamos vivendo o Natal? Será que ainda dou ao Natal o verdadeiro valor reconhecendo o seu real sentido? REZANDO A PALAVRA Animador: Neste dia santo, irmãos e irmãs, onde a alegria do nascimento de nosso Salvador ilumina o mundo inteiro, apresentemos ao Senhor a nossa oração: Todos: Senhor, escutai a nossa prece! Lado A: “O Senhor consolou seu povo e resgatou Jerusalém” (Is 52, 9). Fazei que por toda a terra a vossa Igreja hoje verdadeiramente seja consolada por vosso Santo Nascimento, e dai a paz aos nossos dias. Rezemos ao Senhor. Lado B: “Deus diz: ‘Todos os anjos devem adorá-lo’” (Hb 1, 6). Da mesma forma que conduzistes os pastores a adorar-vos nas palhas do presépio, conduzi-nos hoje para adorar-vos em vosso Santo Altar. Rezemos ao Senhor. Lado A: “Recordou o seu amor sempre fiel pela casa de Israel” (Sl 97, 3). Lembrai-vos do povo que vos pertence e conduzi-o à plenitude de vossas promessas. Rezemos ao Senhor. Lado B: “Nele estava a vida, e a vida

era a luz dos homens” (Is 9, 1). Pelo admirável Natal de vosso Filho, concedei a luz perpétua aos nossos irmãos, parentes e amigos que já chamastes para junto de vós. Rezemos ao Senhor. ASSUMINDO A PALAVRA Leitor 4: Somos chamados a resgatar, seja em nossa casa ou em nossa comunidade, o verdadeiro sentido do Natal. Por isso, que tal assumirmos o compromisso de realizar um Natal com verdadeiro significado? Para isso, devemos buscar participar da Santa Missa, realizar nossa confissão, e também evangelizar, seja na família ou nos meios de comunicação, com o objetivo de resgatar o real sentido do Natal. Para ajudar nesse compromisso, você pode divulgar esse trecho da homilia do Papa São João Paulo II, que expressa bem o que é a festa que celebramos: Todos: “Natal é a festa da vida, porque Vós, Jesus, vindo à luz como cada um de nós, abençoastes a hora do nascimento: uma hora que simbolicamente representa o mistério da existência humana, unindo a aflição à esperança, a dor à alegria. Tudo isto aconteceu em Belém: uma Mãe deu à luz; veio ao mundo um homem (Jo 16,21), o Filho do homem. Mistério de Belém!” ORAÇÃO FINAL Animador: Vamos encerrar nosso encontro rezando 3 Ave-Marias e 1 Pai Nosso e, logo após o canto final, vamos desejar uns aos outros um Santo e Feliz Natal! Canto Final: Então, é Natal, e o que você fez? / O ano termina e nasce outra vez. / Então, é Natal, a festa Cristã / Do velho e do novo / Do amor como um todo. / Então, bom Natal! / E um Ano Novo também! / Que seja feliz quem / souber o que é o bem!/

Dezembro de 2019 |

7


CÍRCULO BÍBLICO

4º ENCONTRO

FESTA DA SAGRADA FAMÍLIA! Animador: Amados irmãos e irmãs, estamos vivendo o tempo do Natal, por meio do qual vem até nós o Deus menino por quem esperávamos ansiosamente. Deus vem ao mundo por meio de uma família e deste modo já nos mostra o lugar privilegiado onde podemos encontra-lo. Atentos a este Menino Deus que se Revela na vida de uma família, iniciemos o nosso encontro: Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém! Canto: Olhando a Sagrada Família, Jesus Maria e José, / saibamos fazer a partilha, dos gestos de amor e de fé. (bis) / Maria, mãe santa e esposa exemplar, / José, pai zeloso voltado ao seu lar. Jesus, / filho amado em missão de salvar, / Caminhos distintos num só caminhar./ ORAÇÃO INICIAL Animador: “Acostumem-se a procurar a intimidade de Jesus com a sua Mãe e com o seu pai, o Santo Patriarca, então vocês terão o que Ele quer que tenhamos: vida contemplativa. Porque estaremos, simultaneamente, na terra e no céu, tratando as coisas humanas de um modo divino” (São Josemaria Escrivá). Rezemos a oração da Vida Interior, pedindo a graça de uma vida contemplativa: Todos: Ó Jesus que viveis em Maria, vinde e vivei em vossos servos, no espírito de vossa santidade, na plenitude de vossa força, na perfeição de vossas vias, na verdade de vossas virtudes, na comunhão de vossos mistérios: dominai sobre toda potestade inimiga, em vosso Espírito, para a glória do Pai. Amém! ESCUTANDO A PALAVRA Leitor 1: Queridos amigos, a Sagrada Família é certamente singular e irrepetível, mas, ao mesmo tempo, é “modelo de vida” para toda a família, porque Jesus, verdadeiro homem, desejou nascer em uma família humana, e assim fazendo, a abençoou e consagrou” (Papa Emérito Bento XVI). Com os olhos fixos na Sagrada Família, aclamemos o santo Evangelho cantando. Canto: Aleluia, aleluia, aleluia. (2X) / Quando estamos unidos, estás entre nós, e nos falarás da tua vida. / Aleluia, aleluia, aleluia. (2X) / Este nosso mundo sentido terá, / se tua Palavra escutar./ Leitor 2: Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 2,13-15.19-23. PARTILHANDO A PALAVRA

8

| Dezembro de 2019

Lado A: Vivemos em um mundo no qual, através dos noticiários, vemos a marca da violência. Por meio de algumas novelas e inúmeros outros meios, temos uma grande barreira de oposição à vida da família. E, é justamente nesse contexto que a Santa Mãe Igreja nos convida a celebrarmos a Sagrada Família. Assim, estamos celebrando o amor e, consequentemente aquilo que é contrário à lógica mundana. Deste modo, a Igreja nos convida a sabermos encontrar Deus, que vem até nós por meio de uma família e que está na nossa família. Reflitamos: Na nossa família, temos sido exemplo de cristãos autênticos? Estamos nos empenhando em exercer a vontade de Deus na nossa família, por meio do lugar que ocupamos (sendo um bom pai, boa mãe, bom filho, etc.)? Lado B: O Concílio Vaticano II nos recorda que, na família temos a Igreja doméstica, onde “se proclama em voz muito alta tanto as presentes virtudes do Reino como a esperança da vida bem-aventurada”. E, para que possamos testemunhar esta realidade, é necessário que nos espelhemos na Sagrada Família. Na família temos a escola básica para as virtudes necessárias, onde, se a família entra em crise, logo a sociedade também estará em crise. Deste modo, reflitamos: Temos cultivado a “Igreja doméstica” nas nossas casas junto às nossas famílias? A nossa família tem sido testemunho de Cristo? Será que reconhecemos o projeto de Deus na família, ou somos coniventes com as realidades contrárias ao projeto de Deus? REZANDO A PALAVRA Leitor 3: “No lar da Sagrada Família em Nazaré, Jesus, Maria e José santificavam a vida de todos os dias sem atuações espetaculares ou chamativas. Tinham uma vida aparentemente igual à dos seus vizinhos, importante não pela materialidade do que realizavam, mas sim pelo amor, em perfeita adesão à Vontade do Pai.” (São Josemaria Escrivá). Nos consagremos a Sagrada Família, pedindo a graça de sabermos imita-los, e assim, que a nossa família possa ser também esse testemunho alegre, por saber fazer a Vontade do Pai. Todos: Jesus, Maria e José, em Vós contemplamos o esplendor do verdadeiro amor e, confiantes, a Vós nos consagramos. Sagrada Família de Nazaré, tornai também as nossas famílias lugares de comunhão e cenáculos de oração, autênticas escolas do Evangelho e pequenas Igrejas domésticas. Sagra-

da Família de Nazaré, que nunca mais haja nas famílias episódios de violência, de fechamento e divisão; e quem tiver sido ferido ou escandalizado, seja rapidamente consolado e curado. Sagrada Família de Nazaré, fazei que todos nos tornemos conscientes do caráter sagrado e inviolável da família e da sua beleza no projeto de Deus. Jesus, Maria e José, ouvi-nos e acolhei a nossa súplica. Amém! (Papa Francisco) ORAÇÃO FINAL Leitor 4: Roguemos para “Que São José, ‘homem justo’, trabalhador incansável, guarda integérrimo dos penhores que lhe foram confiados, os guarde, proteja e ilumine. Que a Virgem Maria, Mãe da Igreja, seja também a Mãe da ‘Igreja doméstica’ e, graças ao seu auxílio materno, cada família cristã possa tornar-se verdadeiramente uma ‘pequena Igreja’, na qual se manifeste e reviva o mistério da Igreja de Cristo. Seja Ela, a Escrava do Senhor, o exemplo de acolhimento humilde e generoso da vontade de Deus; seja Ela, Mãe das Dores aos pés da Cruz, a confortar e a enxugar as lágrimas dos que sofrem pelas dificuldades das suas famílias. E Cristo Senhor, Rei do Universo, Rei das famílias, como em Caná, esteja presente em cada lar cristão a conceder-lhe luz, felicidade, serenidade, fortaleza” (São João Paulo II). Todos: A vós, glorioso São José, me ofereço em louvor e glória de Jesus e Maria, para que seja minha luz e guia, minha proteção e defesa, minha fortaleza e alegria em todos os meus trabalhos e tribulações, principalmente na hora da agonia. Amém! À vossa proteção recorremos, Santa Mãe de Deus. Não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades, mas livrai-nos sempre de todos os perigos, ó virgem gloriosa e bendita. Amém! Vossa Destra Onipotente, ó Menino Jesus, quantas bênçãos derrama sobre aqueles que vos honram e vos invocam! Abençoai-me também e bendizei toda a minha vida. Abençoai meus bons propósitos e socorrei-me em minhas necessidades. Escutai benigno os meus pedidos e bendirei o vosso Santo Nome cada dia de minha vida. Amém! Canto: Que nenhuma família comece em qualquer de repente. / Que nenhuma família termine por falta de amor. / Que o casal seja um para o outro de corpo e de mente. / E que nada no mundo separe um casal sonhador. / (...) Abençoa, Senhor, as famílias. Amém! Abençoa, Senhor, a minha também! (2x)


ESPAÇO VOCACIONAL

SEJAM PRÓXIMOS A DEUS, AO BISPO, AOS SACERDOTES E AO POVO DE DEUS “Sejam próximos a Deus, ao bispo, aos sacerdotes e ao povo de Deus.” Com estes conselhos do Santo Padre, saúdo a todos direto do Vaticano, onde acontece o Encontro de reitores e formadores de Seminários do Brasil. O Encontro se estende aos meus irmãos no ministério, seminaristas, vocacionados e vocacionadas e a todo o povo de Deus. Foram dias intensos de oração, Santa Missa em diversas basílicas, retiro, aprendizado e trocas de experiências entre mais de 90 padres de todo o Brasil, além de bispos e cardeais. Traçamos metas acerca do futuro dos nossos seminaristas, com ênfase nos estudos da Ratio Fundamentalis Institucionis Sacerdotalis, ressaltada para o clero, por meio do secretário aos seminários da Congregação, Dom Jorge Carlos Patrón: “O dom da vocação sacerdotal não é um título adquirido para o exercício de uma função sob a imposição de um poder, mas para a realização humilde da missão evangélica: entregar a própria vida para conduzir o povo de Deus no caminho da salvação em Cristo”. Toda vocação é um chamado gratuito que Deus nos faz. Dessa maneira, tem-se uma formação única, integral, comunitária e missionária que engloba a etapa inicial e permanente da vida sacerdotal. Estiveram conosco os Cardeais Stella, Prefeito da Congregação para o Clero, José Tolentino, bibliotecário do Vaticano, e os bispos: Dom José Palau e Dom Joel Portela, este último secretário da CNBB. O cume de todo o encontro foi a audiência na Praça São Pedro com o Santo Padre, o papa Francisco, que, com

amabilidade e disposição, recebeu-nos e aconselhou-nos com as palavras: “O vosso trabalho de reitor, é muito importante para formar os novos sacerdotes, não é? Que sejam livres, mas livres no coração, livres no amor a Jesus e às pessoas. Os sacerdotes devem ser especialistas em proximidades, entendem? Proximidade com Deus na oração, primeira proximidade. Segunda, proximidade ao bispo. ‘Mas eu não gosto deste bispo...’ Mas é o teu bispo! Proximidade com o bispo. Terceira, proximidade entre vocês. Jamais falar uns dos outros, jamais! Jamais falar por detrás dos outros, jamais! Sejam irmãos. E se tu tens alguma coisa, conte isso. Fale na cara! Proximidade! Quarta, proximidade com o povo de Deus, porque todos nós, sacerdotes, fomos tirados do povo de Deus. O que falou Paulo a Timóteo? Lembra de tua mãe e da tua avó?. Do povo de onde vens? As quatro proximidades: a Deus, ao bispo, aos sacerdotes e ao povo de Deus. Não vos esqueçais.” Como é estar diante do papa? Questionam-me. O mesmo que estar diante de um santo! Quando toquei as suas

mãos e olhei nos seus olhos consegui ver Jesus. Foi uma experiência profunda e paterna de Deus. Com simplicidade, despediu-se com um sorriso e um pedido: “Rezem sempre por mim”! Pe. Edielson Bonin de Pádua Reitor do Seminário Propedêutico – Diocese de Naviraí.

Dezembro de 2019 |

9


30 ANOS DE VIDA SACERDOTAL

“Assumir a Vocação é comprometer-se com a Cruz e a Ressureição”!

S

ou o Padre José Donisete Pereira, filho de Vergílio Pereira e Luzia Iraci Ondei, o oitavo filho de nove irmãos, de uma família muito simples, humilde e pobre. Meus pais (in memoria) eram católicos fervorosos. Minha mãe nunca estudou e meu pai era de pouca leitura, mas, com o suor do seu trabalho, criou os nove filhos. Sou Sacerdote Diocesano e fui ordenado Presbítero pelas mãos de D. Teodardo Leitz OFM (in memoria), no dia 08 de dezembro de 1989, na Catedral Diocesana Nossa Senhora Imaculada Conceição, em Dourados. Em 2011, quando se criou a nossa Diocese de Naviraí, juntamente com alguns sacerdotes, passei a pertencer a esta família diocesana. Recordo desde a minha tenra idade do desejo de minha mãe de que eu fosse padre e, dentre os quatro irmãos, fui o escolhido, este era o seu sonho. Contudo, durante a minha infância, adolescência e parte da minha juventude, o meu desejo era igual ao de tantos jovens de minha época: namorar, casar, constituir uma família e ter filhos. Mas o Plano de Deus era outro. Alguns fatos e acontecimentos marcaram a minha vida e o convite de um sacerdote me fez refletir. Renunciei ao amor exclusivo de uma mulher e, deixando tudo, como diz o Evangelho (Lc 16,2526), pai, mãe, irmãos, família, os bens deste mundo por causa do Reino. Foi o que fiz... Hoje, revendo minha história, tenho muito o que agradecer e bendizer a Deus pelas orações de minha mãe e das orações de tantas pessoas; por meio dos fatos e acontecimentos pude compreender o lema da minha Ordenação Sacerdotal. “Assumir a Vocação é comprometer-se com a Cruz e a Ressureição”! Foi o que fiz ao longo destes 30 anos a serviço do Reino. Quando nos momentos de dúvidas e provações, no silêncio do coração, no descrédito das pessoas, nas incertezas, nas inseguranças da vida sacerdotal, no desejo de renunciar tudo,

não tomei nenhuma decisão precipitada. Como dizia meu pai e amigo Dom Alberto Forst (in memoria), “quando não estiver bem deixa o Espírito do Senhor agir e veja o que Ele quer dizer diante destas provações”. Foi o que fiz e encontrei no Senhor as respostas destes anseios, a fim de seguir adiante no meu Ministério. Destaco algumas experiências vividas ao longo destes 30 anos que me fizeram sentir mais comprometido com a Cruz e a ressurreição: Durante três anos vivi como Capelão Residente, no Santuário de Fátima, em Portugal, onde o meu trabalho Pastoral foi dentro de um Confessionário por um período de seis a oito horas por dia atendendo confissões, ajudando os penitentes a se reconciliarem consigo e mostrando a eles o grande amor do Pai, na sua infinita misericórdia, dando a eles um novo sentido em suas vidas. Também, durante dois anos, trabalhei como Itinerante Missionário em Palmas, Tocantins, vivendo na precariedade e na pobreza, despojado de tudo. Mas, feliz por servir ao Senhor. Hoje, na maturidade da vida, vejo que é preciso ser perseverante, firme e confiante para continuar viva a presença Daquele que dá sentido, gosto e sabor no dia a dia do trabalho a ser realizado a serviço do Reino. Diante de um mundo desacreditado e carente de amor, que as pessoas possam voltar a viver uma vida melhor, por ter encontrado no sorriso e nas palavras do padre a bondade e o sinal da presença de Deus. Por isso, vivi e continuo a levar avante o meu sacerdócio comprometido com a Cruz, na certeza de um dia gozar as alegrias da Ressurreição. Pe. Dr. José Donisete Pereira Anaurilândia - Diocese de Naviraí - MS

TRANSFERÊNCIAS E NOMEAÇÕES

10

| Dezembro de 2019


ACONTECEU Aproximadamente 950 jovens participaram no ultimo dia 27 de outubro da 8ª edição da JDJ (Jornada Diocesana da Juventude) na cidade de Novo Horizonte do Sul. O evento contou com uma variada programação, entre missa, procissão, missão e também vários momentos de espiritualidade

9ª ASSEMBLEIA DIOCESANA DE NAVIRAÍ

N

os dias 16 e 17 de dezembro, aconteceu no Centro de Pastoral São Paulo VI, em Naviraí, a 9º Assembleia Diocesana de Pastoral. Na abertura, o Bispo Dom Ettore Dotti, csf, acolheu todos os presentes e explicou o sentido desta Assembleia diocesana, que foi coordenada pelo Padre Eurico Martins – Coordenador Diocesano de Pastoral – e assessorada pelo Irmão Silvio da Silva, PSDP, – Secretário Executivo do Regional Oeste 1, da CNBB.

Durante os dois dias, os temas refletidos foram as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil 20192023 (DGAE 2019-2023) e o Documento 100 – Comunidade de comunidades: uma Nova Paróquia. O Irmão Silvio destacou, embasado nos dois documentos, a importância e a necessidade de evangelizar pelo anúncio da Palavra de Deus, formando discípulos e discípulas de Jesus Cristo, em comunidades eclesiais missionárias.

A Assembleia foi o momento oportuno para avaliar nossas ações missionárias na dimensão paroquial, foranial e diocesana, e moldar essas ações aos pilares propostos pelas DGAE 2019-2023, Pilar da Palavra – Iniciação à Vida Cristã e Animação Bíblica; Pilar do Pão – Liturgia e espiritualidade; Pilar da Caridade – Serviço à vida plena; e o Pilar da Ação Missionária – Estado permanente de missão.

Dezembro de 2019 |

11


É tempo de amar mais, de olhar para a frente com determinação e otimismo, levando conosco todas as lições que aprendemos. O nosso pedido especial para o próximo ano que se inicia, é que a fé e a esperança encham os nossos corações com o amor do Natal, e permaneçam sempre em nossas vidas. A Equipe do Informativo Diocesano de Naviraí deseja a você...

Um Feliz Natal !

12

| Dezembro de 2019

Profile for Informativo Diocesano de Naviraí

Informativo Diocesano de Naviraí - Dezembro  

Informativo Diocesano de Naviraí - Dezembro  

Advertisement