Issuu on Google+

ANALYTICS BRIEF

INCUBADORAS

Empresas mostram como vêm apostando A história dos principais centros e o que na inovação da infraestrutura de TI tem sido feito para incentivar as startups

OUTSOURCING

Tenha cautela ao renegociar contratos. Terceirizar só para reduzir custos pode não valer a pena www.informationweek.com.br

O

VA L O R

D A

T I

E

T E L E C O M

PA R A

O S

N E G Ó C I O S

|

S e t e m b o

d e

2 0 0 9

-

A n o

1 1

-

n º

2 1 9

PARA OS HOSPITAIS AVANÇAREM NA ADOÇÃO DE FERRAMENTAS DE TI SERÁ PRECISO QUEBRAR BARREIRAS INTERNAS E UMA UNIÃO DO SETOR EM TORNO DE FOMENTAÇÃO DE PROTOCOLOS-PADRÃO

cultural MARGARETH ORTIZ DE CAMARGO, DO HOSPITAL SÍRIO-LIBANÊS: “Minha esperança gira em torno dos conselhos [de medicina] para que façam exigência a fim de colocar os médicos na era da informática”

lay_capa 1

Uma

questão

04.09.09 17:26:28


Jardins Jardins precisam de terra para existir. Mas a terra, normalmente, achamos que não a temos Mas não sabes? A terra é o teu sonho! Pois é no sonho que o jardim começa Mas sozinho, o sonho nada pode fazer... Pássaro sem asas...

Seja um empreendedor dentro e fora de sua empresa.


MB

Tema Central do IT Forum MB 2009:

EMPREENDEDORISMO

como empreender dentro da empresa onde você trabalha e como cultivar uma cultura empreendedora em sua equipe.

Middle Business

Encontro único, estratégico, que reúne os CIOs de empresas selecionadas entre 501 e 1000 do ranking das maiores do Brasil.

24 a 27 de setembro de 2009 Iberostar Bahia Hotel - Praia do Forte Hotel - BA

www.itforummb.com.br


Índice

Setembro de 2009 - Número 218

26

Fixas 06 Expediente 08 Editorial 14 Estratégia 16 www.itweb.com.br 36 Segurança 54 Telecom 68 Mercado 76 Novo Mundo 88 Estante 90 Inovação

SETORIAL Apesar dos avanços

nde nascem

tecnológicos estarem presentes em praticamente todos os setores da economia, quando se olha para saúde o desafio ainda é grande. Alguns hospitais estão na dianteira, como o Sírio-Libanês e o Albert AM DOS ANOS 80 E PREENCHEM Einstein, de São Paulo, A ENTRE A PRODUÇÃO CA E O SETOR PRODUTIVO. e se aproximam do que há de mais moderno no STRAR A IMPORTÂNCIA DAS ORAS, INFORMATIONWEEK mundo, com sistemas ONTA A HISTÓRIA DE SUCESSO programas de RO EMPRESAS NASCIDASintegrados, EM ES DESTE TIPO QUE mobilidade e processos RÊNCIA automatizados. Mas, ismo necesem geral, a situação é dições básicas precária no Brasil envolver. A Felipe Dreher

inovações

serve também iente corporaue uma ideia mpo abstrato rme numa preciso teras doses de níveis consideerseverança. r este tipo incubadoras mportância mpresas que novação em formando anorama emo Brasil.

58 GESTÃO

www.informationweek.com.br

Com a crise, muitas empresas viram na renegociação dos contratos com seus fornecedores um meio de reduzir custos. Mas os CIOs entrevistados para reportagem ANALYTICS BRIEF alertam que a terceirização vista apenas como fator de diminuição dos gastos não COM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO EM ESPERA, necessariamente É HORA DE LIMPAR AS OPERAÇÕES DE TI E FOCAR EM vale a pena. Eles estão preocupados em mensurar os benefícios BONS NEGÓCIOS COM OS FORNECEDORES que terão com o prestador e também com a qualidade dos serviços entregues

>

66 FOR IT BY IT

Superintendente da unidade de segurança de TI do Banrisul, Jorge F. Krug, detalha projeto de cartão múltiplo que traz soluções de crédito e débito e certificação digital para acesso ao internet banking.

44

56

79

39 CIO INSIGHT

InformationWeek Brasil

Camilo Morais, da Star One, avalia impacto do monitoramento de desempenho da TI nos negócios; Ricardo Xavier, do Hospital Cerqueira Cruz, fala sobre sua experiência em 04.09.09 12:50:26 tirar projetos do papel e fortalecer a operação da empresa; e Pedro Paulo Neves, do Grupo Coimex, faz um balanço positivo da recessão econômica

44 INDÚSTRIA

Correção

Ao contrário do publicado na reportagem de Carreira da última edição, o nome correto do executivo da Korn/Ferry International é Jairo Okret. E, na reportagem Rumo à maturidade, o nome do diretor da Golden Cargo é Márcio Pinheiro.

lay_indice 4

lay_analytics 79

Como andam as incubadoras brasileiras? Elas estão rendendo bons frutos ao País? A reportagem mapeou os principais centros do Brasil e apontou o que tem sido feito para incentivar o surgimento de startups inovadoras no cenário nacional

56 GESTÃO – REDES SOCIAIS

Até o mês de dezembro a InformationWeek Brasil trará um especial sobre o uso de redes sociais no ambiente corporativo. A primeira reportagem aborda a importância do CIO estar aberto a estes canais alternativos de comunicação

70 NA PRÁTICA

Portal Terra troca provedor de help desk, que agora cumpre SLAs. Operação permite à empresa vislumbrar atuação mais estratégica suportada por indicadores de desempenho

72 NA PRÁTICA

BR Distribuidora automatiza abastecimento de aviões com tecnologia móvel. CompaINOVAÇÃO NA INFRAESTRUTURA nhia reduziu inadimplência e aumentou capacidade de atendimento

MARY HAYES WEIER, DA INFORMATIONWEEK EUA

74 NA PRÁTICA

03.09.09 10:24:21

Multinacional italiana de transformação de aço, a Marcegaglia substitui sistemas de gestão e implementa WMS para obter visão mais clara de sua manufatura

79 ANALYTICS BRIEF

Análise traz exemplos de empresas que apostam na inovação da infraestrutura de TI, mesmo quando o clima geral é de contenção de gastos e corte no orçamento. Apesar do quadro econômico, CIOs aproveitam para modernizar e reduzir custos nas estruturas antes da reviravolta econômica.

04.09.09 16:22:42


PRESIDENTE-EXECUTIVO VICE-PRESIDENTE EXECUTIVO DIRETOR DE RECURSOS E FINANÇAS PRESIDENTE DO CONSELHO EDITORIAL FÓRUNS

PLANEJAMENTO WEB PESQUISAS E CIRCULAÇÃO FINANCEIRO-ADMINISTRATIVO

Adelson de Sousa - adelson@itmidia.com.br Miguel Petrilli - mpetrilli@itmidia.com.br João Paulo Colombo - jpaulo@itmidia.com.br Stela Lachtermacher - stela@itmidia.com.br Diretor: Guilherme Montoro - gmontoro@itmidia.com.br Marketing: Emerson Moraes - emoraes@itmidia.com.br Operações: Danielle Suzuki - dsuzuki@itmidia.com.br Adriana Kazan - akazan@itmidia.com.br Gerente: Marcos Toledo - mtoledo@itmidia.com.br Analista: Andreia Marchione - amarchione@itmidia.com.br Gerente: Marcos Lopes - marcos@itmidia.com.br

www.informationweek.com.br UNIDADE SETORES E NEGÓCIOS - TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO DIRETOR-EXECUTIVO E PUBLISHER EDITORIAL EDITORA REPÓRTERES PRODUTOR DE ARTE CONSELHO EDITORIAL

MARKETING GERENTE DE MARKETING ANALISTAS DE MARKETING COMERCIAL GERENTE COMERCIAL GERENTE DE CLIENTES EXECUTIVOS DE CONTAS

REPRESENTANTES

Alberto Leite - aleite@itmidia.com.br Roberta Prescott - rprescott@itmidia.com.br Felipe Dreher - fdreher@itmidia.com.br Vitor Cavalcanti - vcavalcanti@itmidia.com.br Rodrigo Martins - rmartins@itmidia.com.br Carlos Arruda - Fundação Dom Cabral Lisias Lauretti - Tecban Mauro Negrete - Gravames.com e IBTA Sérgio Lozinsky - consultor em gestão empresarial e tecnologia

Gaby Loayza - gloayza@itmidia.com.br Ana Luísa Luna - aluna@itmidia.com.br Gabriela Vicari - gvicari@itmidia.com.br Osmar Luis - osmar@itmidia.com.br - (11) 7204-3508 Patrícia Queiroz - pqueiroz@itmidia.com.br - (11) 7144-2540 Jonathas Ferreira - jferreira@itmidia.com.br - (11) 7144-2547 Rodrigo Gonçalves - rgoncalves@itmidia.com.br - (11) 7103-7840 Rio de Janeiro: Sidney Lobato - sidney.lobato@gmail.com Tel.: [21] 2275-0207 - Celular: (21) 8838-2648 Rio Grande do Sul: Alexandre Stodolni - stodolnimark@pop.com.br (51) 3024-8798 Cel: (51) 9623-7253 USA: Huson International Media Tel.: (1-408) 879-6666 - West Coast | Tel.: (1-212) 268-3344 - East Coast ralph@husonusa.com Europa: Huson International Media Tel.: (44-1932) 56-4999 - West Coast | t.holland@husonmedia.com

IMPRESSÃO COMO RECEBER INFORMATIONWEEK BRASIL COMO ANUNCIAR TRABALHE CONOSCO CENTRAL DE ATENDIMENTO AO LEITOR (recebimento, alterações de endereço,

Log & Print Gráfica e Logística S.A. www.informationweek.com.br/assinar comercialti@itmidia.com.br | Tel.: (11) 3823.6674 pessoas@itmidia.com.br atendimento@itmidia.com.br | Tel.: (11) 3823.6700

Conheça o portal vertical de negócios IT WEB: www.itweb.com.br Receba as últimas notícias do mercado em tempo real, diariamente em seu e-mail, assine a newsletter do IT WEB www.itweb.com.br/cadastro.asp

O R RE AV

Conheça a solução completa de mídia de negócios que a IT Midia oferece: www.itmidia.com.br

lay_expediente.indd 6

TA

TA

ES

INSTITUTO VERIFICADOR DE CIRCULAÇÃO

CLE

POR

CI

F

INFORMATIONWEEK Brasil InformationWeek Brasil é uma publicação mensal da IT Mídia S.A. InformationWeek Brasil contém artigos sob a licença da United Business LLC. Os textos desta edição são traduzidos com a permissão da InformationWeek e da United Business LLC. Todos os direitos reservados United Business LLC. “As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nessa publicação. As pessoas que não constarem no expediente não têm autorização para falar em nome da IT Mídia ou para retirar qualquer tipo de material se não possuírem em seu poder carta em papel timbrado assinada por qualquer pessoa que conste do expediente. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia S.A

R E VI

S

IT Midia S/A Pça Prof José Lanes, 40 - Edifício Berrini 500 - 17º andar - 04571-100 - São Paulo - SP Fone: 55 11 3823.6600 | Fax: 55 11 3823.6690

31.08.09 16:55:41


Carta ao leitor

Um olhar para a saúde SE TEM UMA COISA QUE A PANDEMIA DA GRIPE SUÍNA — OU TIPO A(H1N1) COMO PREFEREM AS AUTORIDADES — FEZ FOI DESPERTAR A POPULAÇÃO (OU PARTE DELA) para observar com mais atenção o (des)preparo do funcionamento do sistema de saúde brasileiro. Não vou julgar se as ações do governo foram eficientes ou não, até porque minhas opiniões seriam estritamente pessoais e leigas, como cidadã, não como jornalista especializada. Mas coube à InformationWeek Brasil nesta edição ir a fundo na discussão sobre o estágio de informatização dos hospitais. Nosso principal objetivo, ao pensar em como faríamos esta reportagem, era verificar se houve avanços em questões amplamente discutidas pelo setor há alguns anos, como adoção de um protocolo de comunicação padrão, eliminação do papel, sistema de prescrição eletrônica, integração do ERP, prontuário eletrônico, digitalização de imagens, entre tantos outros dilemas que a TI das instituições de saúde vêm enfrentando. Com a pauta em mãos, o repórter Vitor Cavalcanti, que antes de integrar o nosso time foi por três anos especializado em saúde, saiu a campo entrevistando CIOs de hospitais-referência em quatro Estados brasileiros. Três semanas depois, o cenário estava traçado: apesar de algumas instituições estarem na dianteira, como as paulistanas Albert Einstein e Sírio-Libanês, esta, infelizmente, não é a realidade do setor, que ainda encontra-se bem atrasado em relação a outros setores da economia. Observar e analisar como um determinado segmento tem a TI incorporada às operações e intrínsecas ao negócio é o propósito da seção Setorial. Assim, ao cabo de um ano, teremos um panorama de diversos segmentos e poderemos compará-los. A atenção que governo e mercado devem dispensar à área de saúde para que ela avance deve ser a mesma dada às incubadoras. Na reportagem Onde brotam as inovações, Felipe Dreher tomou o mesmo cuidado do Vitor ao retratar a realidade de iniciativas em quatro diferentes Estados. Evidenciar o trabalho destes “berços” de empresas é extremamente importante, principalmente, ao considerar que o Brasil quer firmar-se como provedor global de TI. Sem dar espaço às startups e apostar em projetos inovadores não chegaremos lá. Boa lei t ur a! Foto: Ricardo Benichio

Rober ta Pr escott - Editora En v ie c o men t á r io s e s ug e s t õ e s p a r a r p r e s c o t t@i t midia.c o m.b r

8

lay_Editorial 8

InformationWeek Brasil

03.09.09 18:52:34


;dYedjhWhWc[b^ehiebk‚€eZ[J?[J[b[YecfWhW i[kd[]ŒY_ed€eƒgk[ij€eZ[iehj[$x[ijhWjƒ]_W$ GZYjdYZXjhidhZ^ckZhi^bZcidh!h^bea^[^XVdYZ^c[gVZhigjijgV!VjbZcidYZegdYji^k^YVYZZbZa]dg^VcV ^ciZgVdXdbXa^ZciZh![jcX^dc{g^dh![dgcZXZYdgZhZeVgXZ^gdh#6=beXWb9heii_d]igVojbVbeadedgi[‹a^dYZ hZgk^dhZbigVchb^hhdYZYVYdh!^ciZgcZi!YViVXZciZgZkdoeVgVkdX„[dXVgVeZcVhZbhjVdeZgVd#8dc[^Z cV ZmeZg^„cX^V YV =beXWb 9heii_d] " jbV ZbegZhV Xdb gZYZ \adWVa Zb +.% X^YVYZh YZ +% eV†hZh Z &, 9ViV 8ZciZghLdgaY8aVhh!hZcYdig„hh‹cd7gVh^a/ZbHdEVjad!G^dYZ?VcZ^gdZ8jg^i^WV#

&.&&--'*-*-

lll#\adWVaXgdhh^c\#Xdb

AF_ANGLOBAL_202x266mm.indd 1

03.09.09 18:47:18


Entrevista Segurança, sigilo e acuracidade da informação estão entre as principais preocupações de Vera Marques, diretora-regional de informática para América Latina da Roche Desde março de 2008, Vera Marques responde pela diretoria regional de informática para América Latina da Roche. Foi uma mudança grande, como ela mesma reconhece, afinal foram seis anos na diretoria de tecnologia e informática para América do Sul da Basf. Mas o foco e as necessidades diferentes do negócio parecem não assustar a executiva que trabalha no mercado de TI há quase 30 anos. Na sede da Roche, em São Paulo, de onde concedeu entrevista para InformationWeek Brasil, ela transita com naturalidade entre os corredores e fala dos desafios da farmacêutica como se tivesse feito carreira neste segmento.

Fotos: Ricardo Benichio

InformationWeek Brasil — Como está estruturada a TI na Roche? Vera Marques — A primeira mensagem é que TI na Roche é bastante globalizada. Está dividida no que chamamos de “frente para o business”, que é de relacionamento, e a parte de entrega, organizada em duas verticais: o solution center e a operação. No Brasil, isto está bastante novo, recém-inaugurado. Formamos aqui um solution center para atender a América Latina como parte de um estrutura global e uma área de operação. E, além das verticais de operação e solução, exatamente igual, temos as verticais de processos. IWB — Esta área de estudos clínicos é a mais complicada do ponto de vista de TI? Vera — É uma área muito específica, porque não existe em outras empresas, em outros ramos de negócio. Ela é, com certeza, uma

10

lay_entrevista 10

IWB — A TI na região consegue pensar projetos para exportar? Vera — Como estas áreas são verticalmente ligadas, quando idealizamos um projeto, ele é discutido globalmente, de forma que nunca aparece somente em uma localidade. Daí a reutilização. Alguns projetos, inclusive, são feitos globalmente e nós participamos, somos um recurso do projeto. Por exemplo, a implementação de uma nova solução para controle dos estudos clínicos, que é coração para uma indústria farmacêutica.

das mais sensitivas, porque você está lidando com pacientes que participam dos estudos. Os dados têm de ser controlados meticulosamente. Temos um papel de proteção da informação muito grande. São políticas globais. O sigilo é muito valorizado. A acuracidade também é muito

IWB — São quantas pessoas? Vera — Agora estamos centralizando toda a América Latina aqui no Brasil. Na região, temos um pouco menos que cem pessoas. Fora desta estrutura de delivery, temos em todos os países o que chamamos de frente para o negócio, ou seja, um gerente de TI e uma pequena equipe por país. Eles respondem funcionalmente para mim.

importante, porque num estudo clínico sua base de dados tem de ser muito precisa. Este tipo de controle também depende do usuário, que tem de ser muito bem-treinado. E também pela questão legal não há informação identificada de paciente no sistema. É uma área que tem processos InformationWeek Brasil

03.09.09 19:55:56


Informação Roberta Prescott

precisa

globais muito bem-definidos e que são seguidos à risca; tudo é bemdisciplinado. Isto dá um controle maior. Nós entramos para ajudar no registro. Um medicamento para ser registrado tem um processo muito minucioso e você também não pode inovar muito, porque está submetido Setembro de 2008

lay_entrevista 11

ao governo, no nosso caso a Anvisa. O que podemos fazer é colocar processos para dar maior controle e facilidade à área. IWB — O desafio ainda é alinhar TI com o negócio ou isto já ficou no

passado? Vera — Ainda é, e isto ocorre devido ao nível de conhecimento exigido. Ou seja, quanto uma pessoa de TI precisa conhecer de negócio para poder alinhar. Dependendo do nível de conhecimento, serei mais tecnologia ou vou para o negócio. Eu

11

03.09.09 19:56:10


Entrevista questiono qual é o nível de conhecimento necessário. Por exemplo, em BI, o grande desafio é desenhar o modelo de informação que uma indústria precisa. Quem sabe disto? TI sabe, sim, mas até que ponto? Muitas vezes quem sabe fazer este desenho é o negócio, mas ele não conhece a ferramenta.

a informação são pontos de fundamental importância. E usamos todas as ferramentas disponíveis neste sentido. Ferramentas de mercado mesmo. Elas são todas iguais para as companhias, mas o que muda é a exploração e o investimento — isto faz a diferença.

IWB — em qual estágio vocês estão? Vera — Eu sou uma pessoa regional, então, tenho muito contato com os general managers dos países. Mas, no dia a dia do Brasil, quem faz a gestão do relacionamento é o diretor de informática daqui. Procuramos muito alinhar as práticas dos países da AL e, obvio, suportar todos eles.

IWB — Vocês sofrem ataques? Vera — Nada diferente das outras empresas do mundo. Temos sistemas muito bons de spam, firewall. É controlado mundialmente.

IWB — Quais as diferenças entre os países? Vera — O negócio é muito semelhante, mas há diferenças por causa das leis locais. A indústria farmacêutica é muito normatizada. O tamanho e a vocação também diferem bastante. Quero dizer, por exemplo, um país que tem uma vocação mais para remédios de farmácia, como antibiótico, tem um perfil diferente daquela nação cujo maior negócio é a oncologia, que é completamente distinto, pois, neste caso, se trata mais com governo e hospitais de grande porte. IWB — Até que ponto a TI de uma farmacêutica difere-se da de outras empresas? Vera — Não é muito diferente das outras indústrias, talvez pela questão do cuidado para produzir o medicamento, porque uma ferramenta de controle é muito importante. IWB — A segurança é o foco principal? Vera — Sim. Segurança, sigilo, acuracidade da informação. Existe um comitê mundial para cuidar das decisões que envolvam as questões mais críticas. Garantir a informação íntegra, sigilosa e saber manusear

12

lay_entrevista 12

IWB — Qual é a motivação dos ataques? Vera — Roubar informação. Se você for ver, é uma indústria de clones, de genéricos, similares. Querem conseguir fazer o que a outra empresa levou anos para conseguir. IWB — A gripe suína gerou aumento da demanda para a TI? Vera — Ela interfere mais na cadeia produtiva do que para TI. Nós entramos na parte do estoque e nos processos de logística. Temos de suportar muito o negócio em seu plano de pandemia, isto sim, mas muito mais pela questão de continuidade de negócio. IWB — Vocês estão expandindo o CRM? Vera — Hoje, ele está em toda a América Latina, menos no Peru, e vamos implementar lá. Também estamos colocando mais features e investindo para integrar ao CRM um módulo de gerenciamento de planos de marketing. (marketing investidor management). IWB — O CRM dos países da AL está conectado? Vera — É interligado. Temos um core que sofre

InformationWeek Brasil

03.09.09 19:56:58


“Há uma diferença muito grande entre ter o foco no cliente e ser o Yes Guy” adaptações dependendo de processos de cada país. Daí é por uma questão de permissão de acesso. Bem poucos têm acesso a tudo. IWB — Como você avalia a adoção de CRM e BI nas empresas em geral? Vera — Se você olhar, há dez anos, o ERP era uma pedra no sapato, todos detestavam, odiavam, mas hoje o usuário já entendeu, absorveu. Acho que com relação a CRM e BI ainda não ocorreu isto, ainda estamos no ciclo de amadurecimento. E este ciclo é longo. A tecnologia é uma janela para no mínimo uma década. IWB — Quais foram os resultados obtidos? Vera — A implementação começou há cerca de cinco anos e agora estamos colocando outras funcionalidades. Tivemos como resultados melhor coordenação da equipe de vendas, fornecimento de informações confiáveis para a área comercial e marketing, acompanhamento de call centers e dados para permitir que uma área acompanhe a continuidade do tratamento do paciente (um dos grandes problemas é que os pacientes param o tratamento no meio e queremos mantê-lo no tratamento). IWB — Quanto foi investido no CRM? Vera — Não divulgamos, mas foram alguns milhões. Agora, no aprimoramento, a quantia é menor. IWB — O que vocês esperam agora? Vera — Queremos dar suporte a mais áreas. Elevar o nível de informação e ensinar cada vez mais a empresa a trabalhar com a informação — e este é um lado importante, você tem de ensinar. IWB — como está o bi? Vera — Acho que temos muitas informações, mas o grande desafio — não só nosso, mas de qualquer Setembro de 2008

lay_entrevista 13

indústria — é como você organiza esta informação. A área de BI requer de nós que consigamos ler nas entrelinhas, pois o requisito não vem tão claro. Estamos estudando, temos um volume grande de informação, mas ele precisa ser organizado e estar mais disponível para o negócio. De modo geral, acho que a TI tem de ter um papel mais decisivo. Não esperar os requisitos, mas usar seu conhecimento e propor. São vários desafios. Temos grande iniciativa. IWB — Está dando para fazer todos os projetos que consomem investimentos com a crise? Vera — A Roche está trabalhando muito na definição de portfólio de projetos e, uma vez definido, vamos executá-lo. Temos projetos que vão ficar de fora. Nós fazemos o portfólio anualmente e o revisamos a cada três meses. Houve um projeto global de redução de custos, que, praticamente, não afetou a América Latina. IWB — Você entrou há 1,5 ano vindo de uma empresa completamente diferente, a Basf. Foi uma mudança grande ? Vera — Sim. O negócio é bem diferente, tem outro foco. Lá era otimização de processos e logística, aqui é muito mais a questão da informação. Na Basf, era melhorar a indústria, a parte de código de barras, porque era uma indústria grande. A Roche é uma empresa de informação, de serviço. IWB — Quais valores você tenta passar para o seu time? Vera — Procuro passar é que importante se importar com os outros, escutar o usuário. Não é para dizer que é ele que não sabe usar, tem de se interessar, porque é assim que você vai fazer diferença para ele. Mas há uma diferença muito grande entre foco no cliente e ser iwb o “Yes Guy”.

13

03.09.09 19:57:14


Estratégia

“O gênio é aarte da oportunidade” (Napoleão)

O tema do ano nos eventos da IT Mídia é empreendedorismo. O livro que acabei de lançar  Implementando Empreendedorismo na Sua Empresa explora o assunto com um foco interno às organizações, ou seja, como empreender dentro do negócio. Empreendedorismo é fundamental para gerar riqueza, empregos, carreiras e tornar melhor a vida de todos nós. A crise de 2008, e seus resquícios que ainda se fazem sentir em 2009, reforçam a necessidade de que as organizações transformem o empreendedorismo em um valor do negócio, compartilhado por todos os profissionais, que devem perceber que suas carreiras podem dar saltos qualitativos ao agirem como empreendedores em suas organizações. Uma fonte de oportunidades muito interessante — e em geral pouco explorada — é a cadeia de valor onde a empresa está inserida: os participantes (clientes e fornecedores diretos, mas também todos os demais envolvidos, do fornecedor mais primário até o cliente final do produto ou serviço) têm problemas e necessidades que, em geral, não estão adequadamente resolvidas; e, no dinâmico mercado em que atuamos, novos problemas e necessidades sempre surgem. Há problemas de logística e distribuição, de planejamento, de coordenação, de sistemas, de falta de conhecimento; há oportunidades de financiamento e de hedging; há mercados adicionais a serem explorados com os mesmos produtos, e variações

14

lay_estrategia 14

Foto: Magdalena Gutierrez

Descobrindo oportunidades na cadeia de valor Sergio Lozinsky é consultor de tecnologia e gestão empresarial E-mail: sergio.lozinsky@gmail.com

de produtos que poderiam atender outros mercados, com maior valor agregado; há necessidades de treinamento e de educação da força de trabalho; há fome por novas tecnologias que transformem os negócios e os tornem mais competitivos; há parcerias que poderiam ser feitas para aproveitar a escala da cadeia de valor — seguros, manutenção, reposição de peças, terceirização de atividades, armazenamento e transporte; há espaço para usar a internet na virtualização de parte dos processos da cadeia de valor, e compartilhar planos e ações de interesse comum; para produtos de massa, há as redes sociais que poderiam tornar-se um canal interessante de divulgação e de avaliação dos produtos; há a possibilidade de colocar engenheiros, cientistas e outros especialistas — dentro e fora da cadeia de valor — em colaboração, para criar novas soluções. E muito mais... Aos líderes das empresas cabe fomentar o empreendedorismo interno, porque muitas dessas descobertas dependem das pessoas que estão nas “pontas” ou nas operações, ou que possuem os relacionamentos específicos onde oportunidades podem ser identificadas. Aos profissionais cabe perceber que nos tempos atuais é preciso ajudar a empresa a crescer e criar as condições para que sua própria carreira seja alavancada. É uma troca que funcionará melhor nas organizações onde o ambiente de trabalho permitir confiança e colaboração. InformationWeek Brasil

03.09.09 10:52:48


Iaas

Infrastructure as a Service.  A resposta Microcity para os novos desafios.

Muito mais que outsourcing, a Microcity oferece um conjunto de soluções para sua infraestrutura de TI, reduzindo os custos fiscais, financeiros, administrativos e gerenciais. Para ter uma ideia de quanto pode economizar, faça um estudo de TCO (Custo Total de Propriedade) em nosso site e aproveite para conhecer nossas soluções inovadoras. Com a Microcity, você pode contratar: Desktops como Serviço, Servidores como Serviço, Comunicação IP como Serviço, Segurança como Serviço e Printer como Serviço. Dessa forma, você se concentra apenas no desenvolvimento do seu próprio negócio.

Iaas. Modelo de Negócio.

Do

RESPONSABILIDADES

MICROCITY

CLIENTES

INVESTIMENTOS

LOGÍSTICA

GERÊNCIA

• Hardware

• SLA

• Usuários

• Software

• Ativação

• HW e SW

• Gerência do SLA

• Consultoria

• Desativação

• Performance

• Pagamento dos serviços

• Serviços

• Service Desk

• Inventário

• Treinamento

• Serviços customizados

• Centro de custos

• Pessoas

• Gestão de processos

• Mudanças

executados

TCO - Variáveis consideradas: • custo do investimento

Microcity

Leasing

• variáveis fiscais Compra

Custo de Operação

, we prove it.

• variáveis financeiras • custos mensais de manutenção e suporte • custos mensais de administração e gerência • custos de mobilização e desmobilização

31 2125.4200 www.microcity.com.br/iaas

Tipo de Operação

MI-0137-09-AD_IaaS_080709 20,2x26,6.indd 1

8/4/09 9:44 PM


www.itweb.com.br

Internet para

150 milhões Um plano de nacional de banda larga está em discussão no governo e, até o fim deste ano, algo mais concreto deve sair de reuniões interministeriais. Mas, enquanto o setor público não apresenta suas ideias, o empresariado se movimenta para formatar o plano. A democratização da internet rápida foi o tema central do 53º Painel Telebrasil. O evento reuniu lideranças das principais operadoras, associações e fabricantes do setor no fim de agosto, no Guarujá, litoral paulista. Durante o encontro, a discussão em torno da desoneração fiscal ganhou corpo. Germano Rigotto, ex-governador do Rio Grande do Sul e membro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, lembrou que a o setor é tributado em quase 43%, um dos mais altos índices. Já o ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência, Daniel Barcelos Vargas, defendeu um plano estratégico de longo prazo para o segmento e informou acreditar que a substituição do ICMS pelo ISS poderia baratear o serviço. “Para um plano de banda larga, é preciso

fazer algo e não é só (baixar) ICMS. Tem de envolver toda a cadeia”, defendeu Antonio Carlos Valente, presidente da Telebrasil e da Telefônica. O executivo explicou que a reforma tributária que hoje está parada no Congresso Nacional não busca equilibrar a carga, mas apenas simplificar o processo tributário brasileiro. Além da discussão sobre tributos, os debates em torno dos debates do painel culminaram na chamada Carta do Guarujá, um documento que contempla sugestões geradas. Nela, Valente estabeleceu como meta levar a internet banda larga para 150 milhões de brasileiros até a Copa do Mundo de 2014. A carta pede, ainda, o estabelecimento de um Plano Nacional de Banda Larga, “que apresente de forma clara a prioridade nacional quanto ao desenvolvimento de políticas públicas que promovam rapidamente a evolução do marco legal, regulatório e relações de consumo com vistas a incentivar o investimento em redes, soluções e aplicações voltadas à utilização dessa tecnologia.” (Vitor Cavalcanti)

Lançando moda

O Pão de Açúcar continua com a estratégia de se mostrar na vanguarda tecnológica. A rede varejista apresentou, em agosto, um nova forma de fazer compras com seu projeto Personal Shop. Clientes do programa de relacionamentos poderão — por enquanto apenas na loja-conceito instalada na zona sul de São Paulo — utilizar um coletor de dados da Motorola para adquirir os produtos. O aparelho, que possui conexão com o BI da companhia, traz dicas de promoção, receitas e os pontos que os consumidores possuem no programa. A maior mudança é para aqueles que optarem pelo serviço de entrega em domicílio. Estes clientes não precisarão colocar os produtos no carrinho, apenas selecioná-los com o coletor, seguir para o caixa, fazer o pagamento e agendar a entrega. Gostou? A rede pretende, a depender da aceitação, levar o modelo para outras lojas.

16

lay_www.itweb.com.br_abre2 16

InformationWeek Brasil

04.09.09 09:43:15


s

Menos INSS

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou decreto que reduz de 20% para 10% o INSS para empresas de TI focadas em exportação. A medida impacta positivamente o custo da mão-de-obra brasileira, fator que sempre pesa na competitividade das companhias nacionais, e deve gerar benefício de US$ 70 milhões para as empresas. “A medida foi idealizada para tornar a exportação de TI mais competitiva globalmente e a valorização do real vinha trabalhando contra isso”, afirma o presidente da Brasscom, Antonio Carlos Gil.

Foco no Brasil

Muitas empresas estão com as antenas voltadas para o mercado brasileiro. O País se saiu bem durante a recessão econômica e mostra vigor para manter um ambiente saudável aos negócios. Para aproveitar este cenário — e também a escassez de soluções para o segmento de ensino superior — a Sungard Higher Education afirmou que possui um plano estratégico para o Brasil, com meta de, em cinco anos, liderar este segmento de mercado por aqui. Em visita ao País, o CEO mundial, Ron Lang, afirmou que existem muitas oportunidades no cenário nacional e a estrutura do sistema universitário é similar à encontrada nos Estados Unidos. “Faremos grandes investimentos. Não esperamos lucrar nos próximos cinco anos, o que ganharmos com os clientes será investido no País e em contratações”, avisa.

Carreira regulamentada?

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou proposta que regulamenta a profissão de analista de sistema. O projeto do senador Expedito Júnior segue, agora, para a Comissão de Assuntos Sociais. Caso esta comissão também sinalize de forma positiva, a proposta será apreciada pela Câmara dos Deputados. O projeto original sofreu modificações promovidas pelo senador Marconi Perillo. O substitutivo determina que apenas profissionais com curso superior em Análise de Sistemas, Ciência da Computação ou Processamento de Dados poderão exercer a profissão de analista de sistemas. Há muitas críticas em torno da regulamentação e o assunto deve render muitos debates.

Pensando grande

A TAM fechou contrato de dez anos com a Amadeus, empresa especializada na indústria de viagem e turismo. Melhorar atendimento ao cliente, dar mais agilidade, reduzir custos, integrar todos os processos desde a reserva das passagens até o desembarque de um passageiro estão entre os objetivos que a companhia aérea pretende atingir com o parceiro. Em entrevista, o vice-presidente comercial e de planejamento da TAM, Paulo Castello Branco, lembrou que, em abril do próximo ano, a companhia pretende estar completamente integrada à rede Star Alliance e que essa intenção foi um dos pontos que motivou a escolha pela plataforma Altéa CMS (Costumer Management Solution) da Amadeus. “É a mesma plataforma adotada pelas companhias da Star”, afirma. Ao todo, 600 pessoas da área de TI da TAM, entre contratadas e terceiras, estarão envolvidas no projeto. Setembro de 2009

lay_www.itweb.com.br_abre2 17

Agora vai A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), enfim, aprovou o regulamento para o uso da rede elétrica para transmissão de internet banda larga. Quando o sistema conhecido como PLC (do inglês, Power Line Communications) estiver implantado, as tomadas residenciais passarão a ser pontos de rede, quando conectadas a um modem. A agência garante que o emprego da tecnologia vai permitir novos usos para as redes de distribuição de energia elétrica, sem que haja necessidade de expansão ou adequação da infraestrutura já existente. Ainda de acordo com a Aneel, a economia deve representar uma redução de custos para os consumidores. O acesso à internet banda larga por meio da rede elétrica já tinha recebido aval positivo do conselho diretor da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

17

04.09.09 09:43:55


www.itweb.com.br

Vaivém de executivos

> André Dalla fez as malas e partiu para a Suíça, onde assumiu a liderança da TI da Monsanto para a região composta pela Europa, África e Oriente Médio (Emea). O executivo está na companhia desde 2003 e, antes da partida, estava como CIO da subsidiária brasileira. > Eduardo Cruz de Paula responde, desde o dia 1º de setembro, pela gerência de infraestrutura do McDonald’s para a América Latina. Ele está responsável pela área de data centers e correio eletrônico de 18 países da região. > Ex-Banco do Brasil, Glória Guimarães assumiu a diretoria de TI da Companhia de Seguros Aliança do Brasil, braço da instituição financeira onde ocupou o cargo de CIO até maio deste ano. > Wellington Brigante deixou a TI da Zilor depois de pouco mais de 2,5 anos à frente da área. Até o fechamento da edição, a companhia ainda não havia definido um substituto e as atribuições do setor foram acumuladas pelo CEO, Antonio José Zillo. > Marcelo Ramos é o novo COO da Sterling Commerce para América Latina. Ramos irá liderar as áreas de vendas, pré-vendas, marketing, canais e gestão de produtos da companhia na região. > Na Red Hat, Carlos Bokor assumiu a gerência regional de serviços da companhia para o Brasil. Bokor tem 15 anos de experiência e passou pela Oracle, e Sybase.

> Edson Perez recebeu promoção na T-Systems e agora é head of international key account, onde será responsável pelo gerenciamento de clientes globais presentes no Brasil. > Na SAP, Cristina Palmaka assumiu a vicepresidência de pequenas e médias empresas (PME). A executiva vem de uma passagem de dez anos pela HP.

Computação forense

contra fraudes Vitor Cavalcanti

Uma das principais operadoras de telefonia móvel do País, a Claro, assim como qualquer grande corporação, tem grandes preocupações com relação à segurança de dados. Agir contra ataques ou perda de informações é algo que pede investimento e recursos humanos especializados. Pensando nisto, a companhia trabalha, desde 2007, em uma área de combate às fraudes eletrônicas. No início, o departamento fazia tudo manualmente, mas, recentemente, ganhou força com investimentos da telco em computação forense. É grande o número de empresas que busca, com este tipo de tecnologia, um melhor gerenciamento de suas informações, além de investigação detalhada de qualquer prejuízo que venha a acontecer por conta de um ataque ou vazamento de dados confidenciais. Na Claro, depois que a companhia adquiriu o sistema Encase Enterprise, as sete mil máquinas dos seus funcionários são controladas para saber se tudo está caminhando conforme as regras da empresa. “Informações que não podem estar nas estações são monitoradas. Consigo visualizar e apagar”, avisa Flávio Pires, gerente de segurança da operadora. O software adquirido pela companhia e fornecido pela TechBiz Forense Digital é uma versão adaptada para empresas do Encase, utilizado por diversos departamentos de polícia. O programa é capaz de conduzir investigações complexas e em larga escala em discos locais ou via rede. Permite também a captura de dados mesmo quando encobertos ou deletados. Antes deste investimento, Pires comentou que as ações eram pontuais quando havia alguma suspeita de fraude. “O bom, agora, é que conseguimos ver o arquivo mesmo se ele foi manipulado. Tenho todo o histórico”, afirma, falando sobre as vantagens da plataforma. O executivo não abre o número de fraudes, mas garante que, atualmente, consegue localizar os problemas. “Tínhamos morosidade no processo”, pontua. A empresa adquiriu também do mesmo fornecedor um kit de hardware chamado .XRY. O equipamento possui conectores para mais de 650 modelos de celulares e pode identificar chamadas, calendários, fotos, videio, e-mails. “Quando descobrimos um vírus novo ou alguma vulnerabilidade em aparelhos, avaliamos o impacto e risco para a nossa rede e para os clientes”, explica ogerente de segurança da operadora, ao falar da utilidade do equipamento.

www.itweb.com.br/iwb/vaivem

18

lay_www.itweb.com.br_vaie 18

InformationWeek Brasil

03.09.09 10:59:19


Untitled-2 1

04.09.09 16:42:16


www.itweb.com.br

Especial: como atualizar o Windows XP para o7 7. Em três reportagens deste especial traduzido da InformationWeek EUA, o IT Web ajuda a superar esse desafio. São dicas do que se pode e não fazer, como organizar uma instalação paralela e um auxílio com a ferramenta Windows Easy Transfer. (Serdar Yegulalp, da InformationWeek EUA)

Imagens: divulgação

Com o Windows 7 já disponível em prévenda, o produto deve se tornar a próxima grande versão do sistema operacional — o que por muito tempo foi título do XP. Mas quem atualmente usa o XP e quiser fazer um upgrade, precisa estar ciente das possíveis complicações. A Microsoft oferece atualização direta do XP para o Vista, mas não abre essa mesma possibilidade do XP para o 7. O que isso significa para os usuários? Quer dizer que eles não podem pegar um computador que atualmente roda com o Windows XP e simplesmente colocarem o DVD de instalação do Windows 7 e atualizá-lo, mantendo programas e dados intactos. Essa situação deve enlouquecer algumas pessoas. Parece injusto negar aos usuários do XP — o maior segmento do mercado entre os usuários do Windows — o poder de atualizar seu sistema diretamente para o Windows

Leia mais: C onf ir a o especial comple t o em w w w. i t web.com.br/i w b/a t ualiz açãose t e

IT Web TV | www.itweb.com.br/webcasts

Imagens: ITWeb.com.br

Confira o que disseram executivos de TI e telecom em entrevistas para o webcast do IT Web.

Foco nas PMEs Marcelo Cardoso, COO da EMC para América Latina, explica estratégia para tornar Iomega mais conhecida e ganhar espaço no segmento PME.

20

lay_www.itweb.com.br_webca 20

Transformação Carlos Polici, CIO da Simpress, explica como ocorreu transformação no ambiente tecnológico da empresa.

Cloud computing Cezar Taurion, da IBM, conversa sobre adoção de computação em nuvem e os rumos desta tecnologia.

Windows 7 Priscila Ramos, da Casa do Notebook, prevê adoção em massa da nova versão do sistema operacional da Microsoft.

InformationWeek Brasil

03.09.09 18:58:18


Comgás investe R$ 50 milhões em CRM e billing

A segurança do governo federal

Em um projeto de 18 meses, a área de TI da Companhia de Gás de São Paulo (Comgás) migrou os sistemas de CRM e de faturamento em um investimento de R$ 50 milhões. De acordo com o CIO, Roberto Newton Carneiro, a estrutura anterior não suportaria a demanda que a adição de novos clientes traria. “Como tínhamos ERP da SAP, fizemos um movimento para convergir.”, lembra, explicando que optou pelo produto SAP, com as ferramentas MySAP CRM e IS-U CCS. O processo, iniciado em janeiro de 2008, contou

Administrar a segurança da rede de uma grande empresa não é algo fácil. Imagine, então, ter sob sua responsabilidade dados de 39 ministérios e seis mil órgãos federais, onde estão alocados 900 mil servidores públicos. Sem contar 320 grandes redes e sistemas por onde trafegam informações ultraconfidenciais envolvendo outros países. Esta é a realidade de Raphael Mandarino Jr, diretor da divisão de segurança da informação e comunicação do gabinete institucional da Presidência da República, que concedeu

com o apoio da Accenture e da Logica, que formaram um consórcio na prestação de consultoria, além da própria SAP. Internamente, foram mobilizadas 35 pessoas que atuaram durante todo o projeto. “A implantação foi em conjunto, sem piloto, sem divisão por fases”, comenta Carneiro. A infraestrutura precisou de alteração, pois não comportava o dimensionamento novo, e alguns módulos do ERP também tiveram de ser atualizados. Os novos sistemas estão em operação desde dia 1º de julho deste ano. (Vitor Cavalcanti)

entrevista exclusiva ao IT Web. De acordo com ele, apenas uma das redes recebeu três milhões de ataques em um ano. “Mas 1% deste total é o que me preocupa, que é a tentativa de invasão.” São cerca de duas mil tentativas de invasão a cada ano. Em geral, criminosos em busca de informações estratégicas. Para o diretor, as ações promovidas pelo governo precisam envolver a sociedade como um todo, já que pontos mal-configurados podem gerar possibilidade de ataque. o de risco.”

Eu sou + Deal. Seja você também. Rodrigo Wagner, Head of IT da NIVEA, conta como obteve sucesso ao contratar os serviços da Deal. Saiba mais em: www.deal.com.br/cases ou ligue: (11) 3149-2820

Agosto de 2009

lay_www.itweb.com.br_webca.indd 21

GROUP

.........

-

-- -

-Deal

TECHNOLOGIES

HUNTING MOBILE

21

03.09.09 19:01:07


www.itweb.com.br

Blogs | www.itweb.com.br/blogs

Especial

Confira alguns dos assuntos postados pelos blogueiros

Itil na Prática Três especialistas na área discutem a adoção das melhores práticas em TI. No post que abre o mês de setembro, eles falam sobre um guia de estudos para profissionais interessados em certificarem-se em Itil.

Frank Meylan Sócio da consultoria KPMG produz um especial sobre Mobile Payments que está na segunda parte.

Edison Fontes Em seu mais recente post, o profissional de segurança da informação debate os ataques virtuais envolvendo Rússia e Geórgia.

Valter Sousa Consultor em gestão de projetos da Odebrecht escreveu artigo discutindo o papel das pessoas nos projetos. Ele fala sobre estresse, carga de trabalho e liderança.

Sérgio Lozinsky Coordenador de um grupo de consultores por meio de sua empresa SLozinsky Consultoria de Negócios aborda o tema empreendedorismo.

Guilherme Ieno Especialista em direito e sócio da KLA debate a coexistência das redes WiMAX e Long Term Evolution (LTE).

Blog da redação Jornalistas da InformationWeek Brasil e do IT Web comentam eventos, pesquisas e notícias do dia a dia.

Blogs

22

lay_www.itweb.com.br_blogs.indd 22

Andrew Conry-Murray, da InformationWeek EUA

Prós e contras

Apenas duas semanas após o Google anunciar o sistema operacional (SO) Chrome, ele já foi saudado como o aniquilador do Windows e desprezado como um fracasso garantido — grandes apostas para um software que nem sequer está finalizado. No entanto, se você é um executivo de TI, não importa muito se o Google poderá, ou não, destronar o Windows no uso de netbooks. Mais além do entusiasmo sobre o anúncio do Google encontra-se uma questão delicada que vem preocupando os CIOs há algum tempo: quão dramática será a mudança na forma como softwares e aplicativos serão entregues aos usuários finais usando computação centrada na web? O Google diz que a web será a plataforma para quase todos os aplicativos, usando o navegador para acessá-los. Dada a crescente popularidade no uso de software como serviço (SaaS, na sigla em inglês), tanto entre consumidores quanto em empresas, a oferta do Google é cativante. Porém, existem dois problemas com essa ideia. A primeira é que os CIOs têm um grande número de aplicativos essenciais baseados em Windows que não podem ser migrados para a web devido a gastos com desenvolvimento, problemas técnicos ou cuidados com segurança e privacidade, descartando, assim, a possibilidade de usar apenas a web para grande parte dos funcionários. Steve Ballmer, CEO da Microsoft, afirma que os usuários de computador passam boa parte do tempo sem usar o navegador. Mas isso não descarta um sistema operacional leve e baseado em web, que seria mais apropriado para um pequeno grupo de funcionários ou se rodasse junto com o Windows, e não em seu lugar. Além disso, é fato que a internet muda a forma como os aplicativos são entregues e usados nas empresas e algumas delas - as mais tradicionais no mercado de software, como a Microsoft, a Oracle e a SAP - estão se adaptando para esta realidade, assim como os CIOs que têm aceitado SaaS como opção para mais aplicativos e para grande parte de suas infraestruturas de TI. No entanto, o Google parece estar se igualando ao poder da web ao transformar aplicativos com a necessidade de um sistema operacional como o Chrome, mas os executivos de TI não estão convencidos.

Leia mais: Se interessou pelo tema? Este texto é parte de um especial sobre o Chrome publicado pelo IT Web em oito reportagens. Acesse o conteúdo completo em www.itweb.com.br/iwb/chromeos. InformationWeek Brasil

03.09.09 19:09:34


Speedy tem venda liberada Dois meses depois de proibir a comercialização do serviço de internet banda larga Speedy, da Telefonica, a Agência

Nacional de Telecomunicações (Anatel) liberou a venda do produto no dia 26/08. Desde então, os operadores de telemarketing da telco têm tido muito trabalho. Em balanço dos primeiros quatro dias da retomada, a companhia informou ter comercializado

Maio de 2009

lay_www.itweb.com.br_blogs.indd 23

mais de 15 mil assinaturas e recebido mais de 100 mil chamadas. “Ficamos surpreendidos pela fidelidade de nossos clientes e pelo volume de chamadas”, declarou Antonio Carlos Valente, presidente da operadora. Sobre o andamento do plano de expansão da rede, uma das exigências da Anatel, o executivo respondeu: “queremos a melhor rede de dados da América Latina até o final do ano.”

No dia da liberação, quando foi iniciado o 53º Painel Telebrasil, o presidente da Anatel, Ronaldo Sardenberg, afirmou acreditar que nunca mais ocorrerão problemas como os que aconteceram com o serviço Speedy. “Criou-se uma consciência tendo em vista a cautelar”, disparou.

Leia mais: Relembre todos os acontecimentos em www.itweb. com.br/iwb/speedysuspenso.

23

03.09.09 19:13:31


Untitled-3 24

04.09.09 17:17:12


Untitled-3 25

04.09.09 17:17:25


Setorial

Paradigm

Reportagem de capa

Segunda-feira em São Paulo. Dia chuvoso e trânsito mais intenso que o normal. Em um cruzamento movimentado, um acidente envolvendo dois carros chama a atenção. Uma pessoa fica gravemente ferida e é encaminhada para um pronto-socorro público. Ao dar entrada, uma ficha é preenchida. Mas pouco se sabe sobre este paciente. Nesta situação hipotética, a pessoa tem assistência médica e, depois de melhorar, segue para uma instituição da rede privada de cobertura. No entanto, ao ingressar, precisará fazer todo procedimento novamente: relatar o acidente, descrever o que foi feito no hospital anterior, enfim, assuntos que, possivelmente, ela nem se lembra direito para que possa passar por um médico de confiança ou mesmo fazer um exame mais detalhado. A conjuntura descrita acima poderia ocorrer em qualquer cidade, com ordem alternada ou por qualquer outro tipo de emergência. Destacar uma suposta sequência de fatos serve para ressaltar que, se houvesse um sistema de registro eletrônico de saúde, todas as informações do primeiro atendimento no hospital público estariam neste histórico e o paciente não precisaria repeti-lo ao chegar à instituição particular. E, mais, no primeiro atendimento, a junta médica saberia, por exemplo, se ele era portador de alguma doença, se era alérgico a determinado medicamento ou se passou por cirurgia recentemente. Enfim, funcionaria como um banco de dados completo com protocolo padrão de troca de informações. Este protocolo resolveria também as dores de cabeça que a TI ainda tem para integrar sistemas, algo que a maioria dos hospitais resolve por meio de desenvolvimento de interfaces.

26

lay_setorial 26

cul InformationWeek Brasil

04.09.09 15:05:32


gma

ultural Vitor Cavalcanti

Hospitais investem para tirar atraso tecnológico do setor de saúde, focam em pacientes e buscam quebrar barreiras para atingir excelência em TI

Vista por especialistas da área como o “mundo ideal”, essa base centralizada e com possibilidade de interação do paciente, que atualizaria o registro com informações importantes para a gestão da saúde via plataforma web, deve despontar como um dos principais desafios para a TI dos hospitais e órgãos públicos ligados à saúde no longo prazo (leia o box Por um protocolo padrão). Atualmente, existem iniciativas isoladas, mas muito longe da integração total, o que seria possível apenas quando o governo federal fizesse algo para tornar eletrônica a base do Sistema Único de Saúde (SUS), que hoje responde por cerca de 75% dos atendimentos no País. Mas isto, como dito, é longo prazo. Enquanto as coisas se delineiam Setembro de 2009

lay_setorial 27

em rodas de conversas, sobretudo, em instituições nas quais a TI está mais avançada, outros desafios pautam a tecnologia da informação dos hospitais brasileiros neste momento. E, sem dúvida, um dos principais deles é a eliminação do papel. Algo que não acontecerá do dia para noite e demandará muita paciência. “Culpa da cultura médica”, aponta Margareth Ortiz de Camargo, superintendente de TI do Hospital SírioLibanês, em São Paulo, como sendo um dos principais obstáculos. “A direção investe, compra equipamentos e softwares, mas o médico precisa usar”, comenta. A ressalva da executiva mostrase importante por se tratar da realidade de um dos hospitais que mais investem em tecnologia no Brasil.

O Sírio-Libanês possui sistemas de prescrição eletrônica, estrutura para prontuário eletrônico, softwares integrados (o que é uma dificuldade, dado que as fabricantes não trabalham com um protocolo padrão) e uma equipe interna de 30 pessoas preocupada em levar o que há de melhor para os 3,5 mil funcionários e 2,5 mil médicos colaboradores. Peças fundamentais quando o assunto é sumir com o papel dos consultórios. São 5 mil usuários cadastrados no sistema. “Até o rapaz da limpeza utiliza para dar baixa no quarto que limpou”, sinaliza. Mas esse dilema não é exclusividade dela. Sérgio Arai, CIO do Hospital Israelita Albert Einstein, também em São Paulo, lembra que todos os hospitais buscam a digitalização

27

04.09.09 15:05:45


Setorial

Foto: Guilherme Bessa

Reportagem de capa

Margareth, do Sírio Libanês: “Minha esperança gera em torno dos conselhos para colocar os médicos na era da informática"

completa dos serviços. “Isto envolve processos. O uso do papel é forte na cultura médica”, concorda com a colega. “No geral, vários setores avançaram muito, tem automação grande, mas na saúde ainda há muito papel”, acrescenta, lembrando que sua equipe tem focado a atuação também em construir aplicativos para diferentes áreas, melhorar segurança e criar serviços para os pacientes.

Quebrando a barreira Essa situação descrita ocorre mesmo no corpo clínico do Einstein, um dos mais informatizados do País, com, inclusive, programa de mobilidade (leia box Na palma da mão). Nas palavras do próprio CIO, “eles [os médicos] gostam de TI e cobram pelo desempenho das ferramentas.” Apesar de entender que é grande o desafio em relação à redução de papel, Arai acredita que algo neste sentido deve acontecer no curto prazo. “Os avanços na saúde passam por digitalização.” Outro que também trabalha com este fim é Érico Bueno, diretor de TI, engenharia e infraestrutura do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp). A instituição existe há pouco mais de um ano e tem servido de exemplo na aplicação da tecnologia — os telefones são VoIP, existem três redes wireless dentro do instituto, as imagens são digitalizadas e os sistemas estão integrados. O

28

lay_setorial 28

executivo mostra-se satisfeito com os resultados obtidos até agora. O sistema de prescrição eletrônica, por exemplo, é utilizado por quase todos os médicos. “Funciona bem no pronto-socorro e na UTI, que são locais onde se prescreve muito, mas ainda temos resistência nos consultórios clínicos”, reconhece. O instituto que, em um ano, realizou quase 100 mil procedimentos, possui também um sistema de prontuário eletrônico. Ainda assim, Bueno ressalta que existe um grande obstáculo a ser superado. Acabar com o papel, envolve assinatura digital e, antes, não havia lei ou informação sobre como fazer isso. “Agora, seguimos uma diretriz do CFM [Conselho Federal de Medicina] que reconhece a eliminação do papel e assinatura eletrônica. É um projeto de grande porte que deve consumir mais de um ano.” Contudo a expressão “mudança de paradigma” não preocupa Bueno. Pelo contrário: ele foi responsável pela adoção da digitalização de imagens no Instituto de Radiologia do Hospital das Clínicas de São Paulo. Ele recorda que, na ocasião, houve resistência, mas aponta que hoje os profissionais da área não viveriam sem. “Quando fizemos a troca do filme para digital, pegamos o médico mais antigo da casa e o ensinamos. Ele se tornou exemplo. Se o mais antigo usava, os outros também poderiam”, relembra do fato ocorrido há mais de dois anos. O apego pelo papel é tamanho que no Einstein e no InformationWeek Brasil

04.09.09 10:53:08


Por um protocolo padrão

Sírio, embora existam sistemas de prescrição eletrônica, há uma equipe responsável pela transcrição da receita prescrita pelo médico. Margareth, do Sírio-Libanês, acredita, entretanto, que, apesar do desafio, o momento é bom. “Temos informações e automação do fluxo do paciente em relação ao atendimento. Conseguimos automatizar muitas coisas, mas a evolução [do quadro clínico do paciente] não dá. Você não transcreve isto, não recupera o texto. Minha esperança gira em torno dos conselhos, para que façam exigência para colocar os médicos na era da informática”, apela a CIO.

Exemplo a ser seguido Do Rio Grande do Sul, mais precisamente do bairro Moinhos de Vento, em Porto Alegre, sai uma experiência bem-sucedida. Ainda há papel, é verdade, mas o processo para que ele seja eliminado talvez esteja mais próximo do que se vê em outras praças. No Hospital Moinhos de Vento, a prescrição é praticamente 100% eletrônica. Como lembra Mário Dorcato, gerente de informática da instituição, existem algumas exceções, como, por exemplo, quando o sistema passa por manutenção. “O hospital está totalmente integrado, desde a recepção até o pagamento. Nosso nível de informatização é muito grande”, garante. O hospital gaúcho também trabalha com prontuário eletrônico — há anos, como frisa Dorcato — e todos os Setembro de 2009

lay_setorial 29

Ainda há muitas discussões e quase nada de decisão sobre interoperabilidade de sistemas e troca de informações. Embora a maioria dos hospitais tenha encontrado uma forma para fazer com que os sistemas conversem, um protocolo de comunicação padrão facilitaria o processo. Na área de imagens, por exemplo, existe o Daicon. Já para informações, se discute a adoção do padrão norte-americano HL7. O tema ganhou tamanha força que há um instituto global cuidando de sua propagação. No Brasil, ele é dirigido pelo clínico Marivan Santiago Abrahão. Para exemplificar a necessidade de adoção de um código único, Abrahão dá o seguinte exemplo: se você tem 20 sistemas dentro de um hospital e quer que todos conversem, são necessárias 190 interfaces, pois cada forma de comunicação implica um novo desenvolvimento. “O custo é muito alto, mas é o que tem acontecido”, dispara. Os hospitais mais avançados discutem a adoção do protocolo em seus sistemas, no entanto, todos acreditam que precisaria haver um impulso extra. Nos Estados Unidos, a interoperabilidade ficou importante no governo de Bill Clinton e, agora, com Barack Obama deve ser referendada definitivamente. Uma demonstração clara de que o governo norte-americano está com um amplo e ambicioso projeto na área de saúde. O debate sobre o assunto, entretanto, data de 1987, quando as discussões começaram no Hospital Pensilvânia, nos EUA. “Lá, 90% do sistema de informação fala HL7.” Até para o registro eletrônico seria necessária essa padronização para os hospitais promoverem a troca de informações. “Tem iniciativas interessantes no Brasil, mas ainda não existe um grande projeto para integrar tudo.” Atualmente, a discussão do HL7 vai além da simples troca de informações. Está na questão semântica, que envolve a padronização do vocabulário médico. A vantagem, no final, é que as 190 interfaces exemplificadas por Abrahão se convertem em uma. E os prontuários eletrônicos terão realmente uma função amplificada, dando ao paciente o poder de ter as suas informações. Apesar da realidade do sistema brasileiro, Abrahão acredita que a imposição de um protocolo de comunicação padrão não deva demorar. Ele informou que já existe uma movimentação dentro da ANS, assim como no Ministério da Saúde. Além disso, o Conselho Federal de Medicina (CFM), juntamente com a Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS), tem contribuído positivamente para esta discussão.

29

04.09.09 10:53:24


Setorial

Reportagem de capa

Arai, do Albert Einstein: “Há consenso de que, se usar TI, terá benefícios , pois reduz custos e melhora a satisfação do paciente"

consultórios têm um PC com acesso ao sistema, assim como no Sírio-Libanês, Albert Einstein e Icesp. Praticamente tudo passa pelo ERP fornecido pela MV Sistemas. Apenas o módulo de prontuário é desenvolvido internamente, porque, na época da implementação, a fornecedora ainda não possuía uma solução finalizada para esta função. Assim, quando um paciente se trata no Moinhos de Vento, possui todo seu histórico no sistema (Einstein, Sírio-Libanês e Icesp também, mas sem o relato da consulta). Lá, os médicos atualizam, inclusive, a evolução do quadro clínico desta pessoa e, por isso, a instituição esteja um pouco à frente na empreitada para banir o papel. “Só imprimimos as coisas por questões legais. Ainda não tem a questão da assi-

30

lay_setorial 30

natura eletrônica e será algo em escala. As fontes pagadoras precisarão aceitar também. Será um trabalho grande de implantação”, justifica Dorcato. Mas, mesmo com esse avanço, o hospital encara desafios que para outros já foram superados e, para a maioria, ainda é sonho de consumo, como a digitalização de imagens de tomografia, raio X e outros exames. Isto já está em andamento e o processo deve transcorrer até o fim deste ano. Outro esforço na instituição segue na direção de digitalizar documentos que não estão no sistema. Seria mais um passo em direção à eliminação de papel. “Estamos sintonizados com a estratégia do hospital e trabalhando para dar todas as condições.” Correndo para não perder tempo, a Rede D’Or, que congrega 42 unidades

A segurança dos dados dos pacientes, embora seja algo que sempre cause preocupação, parece ser um obstáculo resolvido, pelo menos nos hospitais de grande porte e que investem muito em tecnologia da informação. As instituições ouvidas pela reportagem afirmam possuir sistemas robustos capazes de proteger informações sigilosas e garantir aos usuários do sistema a confiabilidade de que nada será usado de forma inadequada. “A informação é do paciente”, avisa Margareth Ortiz de Camargo, do Hospital Sírio-Libanês. Como explicou a executiva, quando uma pessoa é internada, recebe um termo decidindo se os dados serão abertos ou não. Mas, se fecha, apenas o médico que a recebeu acessará aos dados, o que pode comprometer o tratamento caso o profissional falte. Ela lembra ainda que apenas os médicos acessam às informações relacionadas à saúde do paciente. É um esquema de perfil. O mesmo vale para o pessoal do financeiro, que visualiza apenas as contas e o que deve ser cobrado. No Icesp, Érico Bueno afirma que o sistema permite mudar a identificação do paciente se for alguém que precise de anonimato. E, no Albert Einstein, de acordo com o CIO, Sérgio Arai, há um movimento de auditoria, que permite verificar se os usuários estão tentando acessos indevidos.

InformationWeek Brasil

04.09.09 10:54:42







  idéia dois design

Foto: Magdalena Gutierrez

De quem é a informação?


laboratoriais e 13 hospitais, sendo dez no Rio de Janeiro e três em Pernambuco, tem alocado muito investimento em tecnologia da informação. Como informou Marcelo Pina, diretor de plataforma de serviços corporativos, este foco vem desde 2007, quando a rede elaborou um projeto onde o principal objetivo era a expansão do grupo. “Sentamos com a TI para definir o papel dela. Precisávamos estabelecer um conceito para o ERP. Desenhamos um template padrão e montamos um projeto de integração da ferramenta”, explica. A ideia era padronizar e integrar os procedimentos e processar as informações de forma centralizada. Na parte de back office, o executivo buscou parceria com a Totvs. As implantações ocorreram primeiro nos hospitais e depois chegaram às unidades laboratoriais. A conclusão completa deve acontecer até o primeiro trimestre de 2010. Todos estes passos permitiram criar um conjunto de indicadores e padronizar as métricas

da gestão. Ou seja, as ferramentas proporcionam a realização de comparativos entre unidades e áreas, o que antes era muito complicado. A próxima etapa será tornar as comparações online, sem a necessidade de gerar relatórios. No entanto, a rede está defasada com relação a papel. Há muito trabalho pela frente, começando por um grande projeto de registro eletrônico de saúde, o que deve consumir cerca de dois anos. Pina salienta que o projeto não se restringe ao prontuário eletrônico. Quando o sistema estiver concluído, o paciente da Rede D’or poderá acessar o cadastro pela web e interagir, incluindo informações importantes para a gestão da própria saúde. “Queremos eliminar o papel e queremos lidar com o pacote de informações da saúde dos usuários. Quanto mais preocupação com a saúde, mais ele vai gerenciar a saúde. São indicadores como peso, pressão, triglicérides, entre outros”, revela.

Matriz São Paulo 11 Brasília 61 Campinas 19 Recife 81

idéia dois design

IMPRESSÃO 

Terceirização da função de impressão



Desenvolvimentos específicos para fluxo de documentação (soluções embarcadas)



Impressão térmica também terceirizada



200 projetos já implementados



1.850 sites de impressão administrados em todo o Brasil Julho de 2009

lay_setorial 31

SEGURANÇA DIGITAL

2808-7800 3224-4894 3232-4007 3212-2000

NETWORKING



Controle de Acesso



Reestruturação de LAN



Firewall





Antivírus

Priorização e gerenciamento de tráfego (QoS)



Web Security



Aceleração WAN



E-mail Security



IP Communications



DLP, NAC, IPS, VPN



Wireless

iwb

www. t e c n o s e t . c o m . b r

31

04.09.09 10:54:59


Setorial

Reportagem de capa

Foto: Ricardo Benichio

Na palma da mão

Bueno, do Icesp: “Ainda temos resistência nos consultórios clínicos"

Diversidade brasileira Por mais que os hospitais citados nesta reportagem tenham seus desafios, deve-se ressaltar que a realidade brasileira é muito diversa. O País possui mais de 203 mil estabelecimentos de saúde — entre clínicas, hospitais, ambulatórios, laboratórios, entre outros — totalizando quase 500 mil leitos. Um pouco mais de 6,5 mil são hospitais e, a maioria, de pequeno porte. Estes dados, do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, da Secretaria de Atenção à Saúde, do Ministério da Saúde, apontam para o complexo retrato do setor no Brasil. Além de muitos estabelecimentos, este segmento é extremamente fragmentado, calcula-se que 70% dos hospitais brasileiros tenham menos de 80 leitos. Toda essa dimensão faz com que algumas praças tenham evoluído mais que outras, resultando em desafios diferentes para cada localidade. Tanto é que, quando consultado, o presidente do conselho deliberativo da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), Henrique Salvador, cita como principal desafio uma ferramenta de TI que suporte toda a operação do negócio. “Em termos básicos, sempre foi difícil achar uma solução que suportasse com segurança a operação hospitalar. No Brasil, são três ou quatro fornecedores que avançaram no estudo e integração de sistemas”, ressalta Salvador. No Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), no Recife (PE), a realidade da TI é um pouco do retrato dessa diversidade brasileira. Mesmo quando comparado com o Icesp, que é uma iniciativa do governo paulista, a

32

lay_setorial 32

Enquanto o mercado discute sobre o fim do papel, a integração de sistemas e outros pontos que a TI dos hospitais lida diariamente, alguns outros projetos correm em paralelo, como os de mobilidade. No Hospital Israelita Albert Einstein, de São Paulo, por exemplo, há cerca de quatro meses os médicos podem acessar diversas informações por meio de um aparelho BlackBerry. “Com o Einstein Mobile, o médico acompanha agenda do centro cirúrgico, exames, prescrição de pacientes”, afirma Sérgio Arai, CIO da instituição. O projeto foi desenvolvido em parceria com a MVM Sistemas e a própria Research In Motion (RIM). “Os médicos têm muita mobilidade e é um desafio nosso viabilizar as informações de forma rápida e segura.” Há uma vertente também para pacientes, que já recebem SMS alertando sobre resultados de exames. No caso do Hospital Moinhos de Vento, de Porto Alegre, está em curso um projeto voltado para os pacientes. Conforme explicou o gerente de informática do hospital, Mário Dorcato, a ideia é que as pessoas recebam um aviso sobre o agendamento de um exame com 24 horas de antecedência. “Tínhamos perdas com a falta de comparecimento de até 15%. Com este sistema de mensagem queremos reduzir isto. A ideia, depois, é expandir o SMS para os médicos (o corpo clínico é aberto, ou seja, não trabalham apenas no Moinhos), onde seriam confirmados procedimento cirúrgico ou exame complexo.” O envio de SMS não é exclusividade do Moinhos. Os laboratórios da Rede D’Or encaminham mensagens para alertar os pacientes sobre o resultado final do exame. Já no Sírio-Libanês, o uso é interno. De acordo com Margareth de Ortiz Camargo, que comanda a TI da instituição, quando um paciente dá entrada no hospital, uma mensagem é disparada para que o médico saiba - e o mesmo conteúdo vai para o núcleo de internação, se for o caso.

InformationWeek Brasil

04.09.09 10:55:25


Untitled-1 33

04.09.09 15:14:03


Setorial

Reportagem de capa

Foto: Rafael Borges- Estúdio

Fim do papel ainda é dilema dentro das instituições de saúde, mesmo naquelas que possuem a mais alta tecnologia em seu dia a dia

Dorcato, do Moinhos de Vento: “Nosso nível de

informatização é muito forte"

realidade é outra, isso porque o instituto é administrado por uma fundação e fica livre dos trâmites burocráticos da vida pública. No prédio de 11 andares e cerca de 400 leitos está o desafio de Manuel Valadão, coordenador de informática do HC da UFPE. Com nove pessoas em sua coordenadoria, ele trabalha basicamente para garantir suporte aos 250 computadores de sua rede. Os consultórios ainda não têm PC e isto deve demorar. Ele já conseguiu colocar máquinas nos postos de enfermagem o que alivia as dificuldades. “Meu maior desafio hoje é integrar os setores, a expansão da rede. Não temos redes nas salas e queremos integrar o hospital. A rede de informática funciona para o setor administrativo e marcação de consultas”, informa. Tudo roda em plataforma Linux, gerando uma dificuldade de interfaces de programas quando existe compra de equipamentos. Mas este problema Valadão tem resolvido ao inserir no edital a obrigatoriedade do vencedor prover a integração com o sistema hospitalar, fornecido por uma empresa de Campina Grande; em

34

lay_setorial 34

casos extremos, ele recorre a este parceiro para criar a interface. Atualmente, o executivo toca dois projetos grandes: a digitalização de imagens e o prontuário eletrônico. Esse movimento é feito em conjunto com o núcleo de Telemedicina da universidade que, por meio de um projeto apresentado ao CNPQ, montará um piloto, testará e dará as diretrizes para a implantação no HC. “É projeto, mas vamos querer uma unidade avançada de 40 terabytes para armazenar as imagens”, avisa. Haverá substituição de máquinas e, no total, R$ 1,3 milhão deve ser investido. Assim como as carências existentes no dia a dia dos hospitais, principalmente quando se vai para o interior do Brasil, a TI, em determinados momentos, convive com realidades muito distantes daquela que seria considerada ideal, sobretudo se retomar a ideia do início desta reportagem de plataforma de registro de saúde integrada, na qual, em qualquer estabelecimento de saúde, um brasileiro chegaria e teria seu histórico à disposição do médico. O setor privado, em alguns casos, dispõe de recursos que se aproximam dos melhores centros de saúde no mundo, mas, passando ao setor público, existem unidades onde nem computador existe. De fato, há muito que evoluir. “É interessante olhar artigos internacionais. Há um consenso de que, se usar a TI, terá benefícios. Reduz custo, melhora satisfação do paciente. Temos de evoluir muito. Talvez o (Barack) Obama ajude. A troca de informação, por exemplo, ele está impondo”, divaga Arai, CIO do Einstein, dizendo acreditar que a transformação dos processos aumenta até a IWB eficiência do trabalho do médico. Leia mais: Confira reportagens complementares e material extra em www.itweb.com.br/iwb/tiemsaude

InformationWeek Brasil

04.09.09 18:45:43


Untitled-1 35

04.09.09 15:14:39


Segurança

Quando se trata de saúde, segurança e privacidade da informação contida em documentos de prontuários médicos de pacientes sempre são temas muito sensíveis. A normatização do setor está apoiada substancialmente em resoluções normativas do Conselho Federal de Medicina (CFM), em resoluções da Agência Nacional em Saúde Suplementar (ANS) e em leis do próprio Código Penal. Com o avanço da tecnologia aplicada à saúde, em 2002, o Conselho Federal de Medicina (CFM) em cooperação técnica com a Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SISB), normatiza o uso de sistemas informatizados para a guarda e o manuseio do prontuário médico. Em seguida, publica o Manual de Requisitos de Segurança, Conteúdo e Funcionalidades para Sistemas de Registro Eletrônico em Saúde (RES), com o objetivo de dar a direção prática e permitir que os operadores se prepararem para o cumprimento das normas estabelecidas. Posteriormente, o CFM/SBIS, por meio da resolução Nº 1.821/07, revisa o tema com as “Normas Técnicas Concernentes à Digitalização e Uso dos Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio dos Documentos dos Prontuários dos Pacientes, Autorizando a Eliminação do Papel e a Troca de Informação Identificada em Saúde”. Como consequência se produz o manual de certificação para sistemas de registro eletrônico em saúde (S-RES) que consolida o propósito inicial de se criar a certificação no sistema. Além das resoluções do CFM, a certificação se apoia na InfraEstrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP Brasil, nos cadastros nacionais em saúde e no padrão de Troca de Informações em Saúde Complementar — TISS — da Agência Nacional em Saúde Suplementar (ANS). O padrão de segurança tem como base a ISSO 27002 e, mais especificamente, a ISO 27799.

36

lay_seguranca 36

Foto: Madalena Gutierrez

Segurança para o setor de saúde

Edgar D’Andrea é sócio da área de segurança e tecnologia da PricewaterhouseCoopers

Para atender às questões de segurança e à privacidade da informação, se estabelece dois níveis distintos de proteção, sendo um básico e outro mais profundo, dependendo do risco do sistema de registro eletrônico de saúde associado. Os requisitos de segurança requeridos dependem do nível de proteção, abrangendo controle de versão do software, identificação e autenticação de usuário, controle de sessão de usuário, autorização e controle de acesso, disponibilidade, comunicação remota, segurança de dados, auditoria, documentação, certificação digital, assinatura digital, autenticação de usuário utilizando certificado digital e digitalização de documentos. Há leis e outras resoluções que têm a informação como elemento crítico. Por exemplo, aquelas sobre violação de segredo profissional, divulgação de segredo e violação de sigilo funcional do Código Penal e também o código de ética médica do CFM. O setor de saúde no Brasil tem investido muito em TI nos últimos anos. Da mesma forma, tem havido grandes avanços nas resoluções normativas a respeito da segurança e privacidade da informação, o que tem exigido cuidados específicos com estes temas pelo setor da saúde. O fato é que segurança e privacidade da informação, principalmente aquela relacionada ao prontuário médico dos pacientes, é tema essencialmente crítico. A sensibilidade deste tema para o segmento da saúde é comparado apenas à sensibilidade deste mesmo tema no segmento das instituições financeiras. InformationWeek Brasil

03.09.09 10:47:36


Untitled-3 1

03.09.09 11:11:54


www.futurecom.com.br

O avanço da tecnologia se destaca pela velocidade. Acompanhe a dinâmica dessa evolução participando do Futurecom 2OO9 Alta densidade de conteúdo no Seminário Internacional. Lançamentos de produtos, soluções e tendências no Business Trade Show.

Inscrições Abertas! www.futurecom.com.br

Promoção e Organização:


www.informationweek.com.br

>

CIO INSIGHT OS CONTORNOS DA CRISE ECONÔMICA SÃO DUROS E, EM MAIOR OU MENOR INTENSIDADE, SEMPRE DEIXAM RASTROS. OS PROCEDIMENTOS NA TURBULÊNCIA OBRIGAM A LIGAR SINAIS DE ALERTA, APERTAR OS CINTOS E MANTER A CALMA. DE CERTA FORMA, O ASSUNTO PERMEIA ESSA EDIÇÃO DE CIO INSIGHT. GESTORES DE TECNOLOGIA CONTAM COMO PASSARAM POR ESTE PERÍODO DE INSTABILIDADE E, TALVEZ O PONTO MAIS IMPORTANTE, O QUE FIZERAM PARA QUE AS EMPRESAS ONDE ATUAM SAÍSSEM MAIS FORTES.

FORTALECIMENTO

Página 40

Página 41

Página 42

3 ARTIGOS ESPECIAIS lay_cio_insight 39

Foto: divulgação

Olhando a crise pelo retrovisor. Pedro Paulo Neves, do Grupo Coimex, faz um balanço positivo do período de turbulência econômica global.

Foto: Lucas Goulart Collares

Dificuldades podem se transformar em mudanças. Ricardo Xavier conta como tirou projetos do papel e fortaleceu a operação da Cerqueira Cruz.

Foto: divulgação

Camilo Morais, da Star One, avalia a relação entre o monitoramento de desempenho da área de TI e seus impactos nos negócios.

Camilo Morais | Ricardo Xavier | Pedro Paulo Neves

03.09.09 18:42:46


CIO Insight

Leia todos os artigos em: www.itweb.com.br/iwb/cioinsight

Para medir e avaliar melhor o desempenho da área de TI, precisase identificar, definir e monitorar indicadores gerenciais que impactem os negócios da empresa

Camilo Morais é gerente de processos e sistemas da Star One S/A

Foto: divulgação

Gestão de TI no ambiente empresarial Na dinâmica atual de negócios, principalmente em companhias de alta tecnologia, é imprescindível que TI esteja alinhada com a estratégia empresarial e também que se apresente como provedora de soluções. O modelo abaixo apresenta uma forma de como TI deve estar inserida no ambiente empresarial, com seus principais focos e relacionamentos: o cliente, a estratégia empresarial, o universo tecnológico e os produtos e serviços de TI. O objetivo principal é atender de forma precisa às solicitações de seus clientes por produtos e serviços, com a melhor relação custo—benefício. estratégia empresarial

cliente

TI

universo tecnológico

produtos e serviços

IND: indicadores gerenciais

A seguir uma visão um pouco mais detalhada do modelo: Cliente: TI tem como responsabilidade estabelecer uma parceria e um canal de comunicação eficazes visando a definir os requisitos e a apresentar uma solução que contemple prazo, custo e que atenda às necessidades e às expectativas dele. Estratégia empresarial: objetivo é garantir que a solução esteja inserida no planejamento (original ou revisado) e com uma relação de custo—benefício aderente à estratégia da empresa. TI tem de garantir

40

lay_cio_insight 40

que seus processos internos também atendam aos requisitos legais. Universo tecnológico: são observados temas como governança de TI, gestão do conhecimento, qualidade, gerência de projetos, Itil, Cobit, CMMI, eTOM, novas tecnologias de software e hardware. Somam-se ainda habilidades não técnicas do profissional de TI como visão de negócios, comunicação, liderança em projetos, saber se relacionar com fornecedores e parceiros. Produtos e serviços: a entrada em produção e o acompanhamento das entregas de acordo com o planejamento pré-estabelecido é de vital importância para o sucesso da parceria e satisfação do cliente. Neste contexto, um dos maiores desafios é adequar o trabalho às limitações de prazo, custo e qualidade. Uma estratégia é utilizar o conceito de “melhoria contínua de processos”, ou seja, a cada ciclo, enriquecer os trabalhos e criar versões dos documentos gerados.

Para medir e avaliar melhor o desempenho da área de TI, precisa-se identificar, definir e monitorar indicadores gerenciais que impactem mais diretamente os negócios da empresa, estabelecendo um processo dinâmico de gestão de TI. Estes indicadores, organizados em camadas, permitem visualizar, em um primeiro nível, quatro grandes grupos: SLA, disponibilidade de serviços, projetos e melhorias, e satisfação do cliente. Na Star One, TI é também responsável pelo mapeamento dos processos de negócios, utiliza-se como referência o modelo eTOM. A integração de processos e sistemas resultou em mais agilidade e efetividade organizacional para empresa. O modelo apresentado é amplamente utilizado como metodologia de trabalho da equipe de TI. A medição realizada nos últimos três meses na Star One mostrou atendimento de 100% das solicitações de serviços dentro do SLA e o alcance da satisfação dos clientes foi de 97%, dos quais 60% se consideraram muito satisfeitos. InformationWeek Brasil

03.09.09 18:48:15


O compromisso assumido pela TI junto à direção da empresa foi o de reduzir os custos com a infraestrutura em pouco tempo e com o menor investimento possível. Para isto, colocaríamos em prática o projeto de virtualização dos nossos servidores com uma maior ênfase na economia de energia e na manutenção dos mesmos. Em contrapartida, a gerência de TI também ganharia, com a redução da complexidade do ambiente e melhoria da eficiência na gestão. Estávamos com uma estrutura com cerca de 11 servidores distintos, entre máquinas de banco de dados, de impressão, de aplicação, firewalls etc... Tudo acomodado em uma estrutura grande com muitos cabos, switches, no breaks, ar-condicionado, entre outros. Hoje, um ano depois do início do projeto e com um porcentual de conclusão de 90%, temos um ambiente bem enxuto, contando com um rack, dois servidores físicos bem robustos, um storage e dois no-breaks em uma estrutura extremamente concisa. Os demais servidores são todos virtualizados em um ambiente onde temos vários sistemas operacionais, todos gerenciados com apenas uma ferramenta.

Ricardo Xavier é CIO da Cerqueira Cruz

Tive a felicidade de participar de um caso de sucesso de virtualização de servidores sobre o qual vou falar um pouco neste artigo. O projeto nasceu de uma necessidade da Alcicla de redução de custos e de quadro de funcionários para superar um momento complicado, consequência da crise que se instaurou no País em 2008. Vi naquele momento de dificuldade uma oportunidade para tirar do papel um projeto que eu estava modelando e executando em ambiente de testes.

Setembro de 2009

lay_cio_insight 41

Entre os ganhos com o projeto, podemos destacar: • Redução do espaço físico necessário para armazená-los; • Redução do consumo de energia dos equipamentos; • Redução das conexões de cabos de rede. E menos cabo significa menor número de portas de switch necessárias; • Redução de tomadas e cabos de energia; • Redução da dissipação de calor, e consequentemente da necessidade de refrigeração; • Menor complexidade da infraestrutura física; • Economia nos investimentos futuros de TI; • Melhor controle de contingência a falhas; • Garantia de backup e restore de todo o ambiente com recuperação online de qualquer servidor dentro do ambiente em questão de minutos. Considero este um caso bem claro de sucesso. A condução do projeto foi tranquila, pois contávamos com dois fatores extremamente importantes para projetos deste porte: a definição exata do que precisávamos e o apoio da direção da empresa. Apoio este conseguido devido à visão de negócios da gestão de TI em um momento delicado de mudança de estratégia da empresa.

Foto: Lucas Goulart Collares

Virtualização para combater a crise

Vi no momento de dificuldade uma oportunidade para tirar do papel um projeto que estava modelando e executando em ambiente de testes

41

03.09.09 18:49:15


CIO Insight

Leia todos os artigos em: www.itweb.com.br/iwb/cioinsight

Durante uma crise, a redução de custos torna-se alvo principal de todas as áreas de uma companhia, principalmente para a TI. Um desafio para os CIOs é manter ou ampliar a qualidade dos serviços oferecidos, conciliando esta premissa com de redução do budget.

Foto: divulgação

Enxergamos na crise uma oportunidade e não ficamos parados diante dela

Pedro Paulo Neves é gerente

de TI do Grupo Coimex

42

lay_cio_insight 42

Casa em ordem

Agora, já olhando a crise pelo retrovisor e observando que outra fase está por começar, pudemos fazer um balanço do período, que , no caso da gerência de tecnologia da informação do Grupo Coimex, foi bastante positivo, considerando que a diminuição de custos era uma prática bem consolidada, com uma estrutura enxuta e sob controle. Não dá para reter todos os projetos e aguardar a tempestade passar. Por que então não aproveitar para tirar da gaveta aqueles que consomem pouco investimento, mas que trazem grande benefício de desempenho para a organização? Fomos beneficiados com um projeto de mapeamento de processos que já havia sido iniciado antes da fase de retração. Começar por aí é um ótimo caminho para identificar os gaps de automação e as oportunidades de redesenho ou de ajustes nos próprios processos, de uma forma holística, encadeada, com a visão do todo e não de uma ou outra área demandante. O uso deste rico material foi essencial para identificarmos as prioridades, levando em consideração o impacto de cada mudança, e a relação entre o investimento e esforço necessário. Aproveitamos o momento para atuar no fortalecimento de controles, na otimização de processos e automações simples, mas de grande efeito sobre o desempenho da organização. Um dos projetos que pode-

mos citar como exemplo tratou de aprovações de pedidos de compras, pelo qual os formulários impressos e assinados foram substituídos pelo fluxo e aprovação eletrônicos. Este tipo de projeto costuma não encontrar espaço nas prioridades das áreas de negócios, quando elas estão a todo vapor, mas são evidenciados em momentos de menor volume de demanda, por oferecerem facilidades para a implantação, podendo ainda contar com maior tempo de dedicação por parte dos usuários. A gerência de TI também aproveitou para rever seus próprios processos e estrutura, planejou e se consolidou como um centro de serviços compartilhados. Esta nova estrutura permite o atendimento estruturado a três empresas do Grupo Coimex, com diferentes necessidades de negócios, mas com muitos processos e serviços comuns nos alicerces de infraestrutura e suporte, gerando significativa  redução de custos. Não perdemos de vista o atendimento às obrigações, como foi o Sped Contábil, que entregamos no prazo, e o Sped Fiscal, que está em sua fase final. Ou seja, vimos na crise uma oportunidade e não ficamos parados diante dela. E, agora, que venha a próxima fase, que desejamos e acreditamos será de bons e grandes projetos.

InformationWeek Brasil

03.09.09 18:49:51


Untitled-1 43

04.09.09 18:30:03


Indústria

Onde nascem Felipe Dreher

Ilustração: Glowimages

as inovações

44

lay_industria 44

ELAS DATAM DOS ANOS 80 E PREENCHEM A LACUNA ENTRE A PRODUÇÃO ACADÊMICA E O SETOR PRODUTIVO. PARA MOSTRAR A IMPORTÂNCIA DAS INCUBADORAS, INFORMATIONWEEK BRASIL CONTA A HISTÓRIA DE SUCESSO DE QUATRO EMPRESAS NASCIDAS EM AMBIENTES DESTE TIPO QUE SÃO REFERÊNCIA Todo organismo necessita de condições básicas para se desenvolver. A afirmação serve também para o ambiente corporativo. Para que uma ideia deixe o campo abstrato e se transforme numa realidade, é preciso terra fértil, boas doses de cuidado e níveis consideráveis de perseverança. Por oferecer este tipo suporte, as incubadoras ganham importância gerindo empresas que carregam inovação em seu DNA e formando um novo panorama empresarial no Brasil.

InformationWeek Brasil

04.09.09 12:50:26


Plonski, da Anprotec: em 20 anos as encubadoras receberam R$ 450 milhões

m

Foto: Caroline Bitencout

s

Setembro de 2009

lay_industria 45

“O futuro das empresas depende da capacidade de incorporar inovação”, avalia Ronaldo Mota, secretário de desenvolvimento tecnológico e inovação do Ministério de Ciência e Tecnologia, afirmando que as companhias nascidas em incubadoras cumprem este papel, além de servirem de exemplo para o mercado. “Uma característica da retomada econômica prevista para os próximos meses não será a maior oferta de concursos públicos, mas, sim, enormes oportunidades para quem tiver espírito empreendedor”, projeta. A Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) calcula que existam cerca de 4,8 mil empresas distribuídas em 400 incubadoras no Brasil, de acordo com dados de 2007. Em quase 30 anos, cerca de 1,5 mil companhias graduaram-se e hoje verificam, em média, um faturamento anual próximo aos R$ 3 milhões. O assunto é tratado como prioridade na esfera política. Segundo Mota, a pasta destinou mais de R$ 10 milhões do orçamento de 2008 para incubadoras e parques tecnológicos. Para 2009, a previsão de aporte gira na casa dos R$ 20 milhões. “E, a depender dos recursos, temos intenção de fazer investimento de grande porte”, antecipa, sem revelar montante alocado. “Em 20 anos, estimamos que as incubadoras receberam R$ 450 milhões”, contabiliza o presidente da Anprotec, Guilherme Ary Plonski, afirmando que uma quantia próxima a esta é devolvida pelas graduadas anualmente em forma de tributos. Pelas contas do MCT, em 2009, chegaremos aos patamares de 600 empresas inovadoras que fazem uso legal das isenções fiscais – oriundas, em grande parte, das leis de Inovação e do Bem.

Marco histórico Um passo importante no que diz respeito à tecnologia ocorreu nos anos 90, com o nascimento de um conjunto de iniciativas focadas no estímulo de projetos de software. Se de 1984 até 1993 existiam 13 incubadoras no Brasil, o advento do Plano Real serviu como o empurrão que faltava para proliferação das entidades. A estabilidade favoreceu o planejamento de longo prazo, tanto que a Anprotec calcula um crescimento constante na casa dos 25% ao ano. Em 2009, a associação de incubadoras firmou parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex—Brasil) para dar mais um salto evolutivo no processo e levar as empresas graduadas em incubadoras para territórios internacionais. O projeto batizado de Brazil IT Emerging Players estende-se até o próximo ano na tentativa de impulsionar negócios nos Estados Unidos, México, França, Reino Unido, Alemanha, Portugal, Espanha e Colômbia.

45

04.09.09 12:51:28


Indústria A RETOMADA DO SOFTEX CAMPINAS

As coisas andavam meio paradas no ano passado e Dinéa Arissoto não recebia muitos projetos de incubação. Em 2008, foram apenas três. Com o mercado de tecnologia aquecido, reflete a gerente-administrativo do Softex Campinas, as empresas recrutavam alunos já na faculdade. O emprego garantido refletia na baixo interesse das pessoas em empreenderem. Mas com a crise global, muitas companhias de TI pararam de contratar. Assim, novos projetos começaram a aparecer na incubadora da Softex Campinas. “Neste ano, já temos quatro para avaliação”, contabiliza a executiva. A iniciativa nasceu em 1996 e localizase dentro da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), no interior de São Paulo, com capacidade para abrigar dez startups. O processo de seleção de empresas funciona com um edital de fluxo contínuo (sem período pré-estabelecido para recebimento). “Interessam-nos projetos de TI que tragam diferencial para o mercado.” Atualmente, a incubadora abriga nove nascentes. Até hoje, 36 empresas receberam apoio. Destas, seis foram desativadas ainda no período de incubação e cinco desistiram. Do universo, 16 graduaramse, sendo que 14 atuam no mercado de forma independente.

50 VISITAS. 49 NÃOS

Com um capital inicial de R$ 12,5 mil, quatro ex-colegas do curso de Ciências da Computação da Unicamp montaram uma empresa e, em 15 de fevereiro de 2002, começaram a funcionar incubados na Softex Campinas. O plano amadurecia há três anos. Depois de capitular algumas vezes, viram na

46

lay_industria 46

oferta de serviços de otimização de desempenho de aplicações baseada em inteligência artificial uma possibilidade de negócio com apelo comercial. Surgiu, então, a Inmetrics. “No primeiro dia na incubadora você sente um medo enorme de que aquilo não dê certo e que você esta fazendo a maior bobagem de sua vida”, recorda Pablo Cavalcanti, presidente da empresa. Nas primeiras semanas, os colegas enfrentaram o desafio de distribuir as tarefas. “Todos sabiam fazer a parte técnica, mas quem iria administrar ou vender?” Assim, estipulou-se que o que mais falava tocaria a parte comercial; o mais “pão-duro”, a administrativa; o melhor técnico, a de tecnologia e o que melhor sabia ouvir cuidaria dos recursos humanos. A Inmetrics começou a aproveitar os recursos da incubadora para

formatar seu discurso de vendas. “Os primeiros meses foram 50 visitas e 49 nãos”, conta Cavalcanti, que a cada negativa buscava na entidade novas formas de estruturar sua oferta. Aos poucos, os ensinamentos ajudaram os jovens empresários. Em seis meses, a empresa conquistou seu primeiro cliente: o Santander. Ao fim de 2002, mais dois contratos foram assinados e o faturamento de R$ 100 mil previsto para o primeiro ano foi triplicado. De lá para cá, a empresa vem dobrando de tamanho a cada ano. Hoje, a Inmetrics diversificou o portfólio e se classifica como prestadora de serviços de software. São aproximadamente 250 funcionários e, além da matriz em Campinas, possui filiais em São Paulo e no Chile. Na sua carteira de clientes lêem-se nomes como Vivo, SPTrans, GVT, Alcoa e outras cerca de 40 empresas.

InformationWeek Brasil

04.09.09 12:52:39


JIMENEZ ASSOCIADOS

EMPREENDENDO TI O ambiente de incubação se mostra muito útil, especialmente, para ex-alunos das ciências exatas. Esses são cursos que formam profissionais extremamente qualificados para atender requisitos técnicos e elevada capacidade de inovação, mas pouco afeitos às questões administrativas exigidas do empreendedor. O nascimento de um “abrigo” para projetos inovadores no Brasil data dos anos 80 e veio para preencher a lacuna existente entre a produção acadêmica e sua aplicação no setor produtivo. Sem acesso a esses conhecimentos, muitos jovens empreendedores falham e ingressam na clássica estatística nacional que aponta uma taxa de mortalidade na casa dos 40% das empresas com até cinco anos. O número de incubadoras que sucumbem mostra-se consideravelmente menor, na casa dos 10% no mesmo período. Está provado que empresas incubadas podem ser boas alternativas para encontrar — e até ambientes para desenvolver — produtos que, por vias tradicionais, seriam inalcançáveis por questões de custo, qualidade ou aderência a demandas locais. Adquirir soluções inovadoras de um provedor próximo (o que traz, entre outros, estímulo para a economia regional) e que possui respaldo de uma organização notadamente séria deve ser um ponto a ser considerado na hora de comprar tecnologia. Ao longo desta reportagem, contamos a história de sucesso de quatro empresas nascidas em incubadoras que são referência na área: Softex Campinas, de São Paulo; C.E.S.A.R., de Pernambuco; Prointec, de Minas Gerais e Unitec, do Rio Grande do Sul. Além de uma possível fonte para buscar soluções tecnológicas, os ambientes podem servir como estímulo aos profissionais que queriam ativar suas veias empreendedoras. Setembro de 2009

lay_industria 47

Proteção completa, que você paga só pelo que usar. Só podia ser F-Secure. A F-Secure está sempre inovando para proporcionar a melhor proteção pessoal e corporativa. Agora, a F-Secure inova também na forma de fazer negócios. É o SaaS - Software as a Service. Esqueça as caixas, CDs, licenças e tudo que só toma tempo e espaço da sua empresa. Proteja seu sistema com a segurança das soluções completas e pague como um serviço. Por dentro do SaaS F-Secure: • Sob medida para sua empresa • Você usa por quanto tempo precisar • Pode interromper a utilização a qualquer momento • Sem fidelidade obrigatória • Você utiliza porque está satisfeito.

Saiba mais sobre a confiabilidade F-Secure: • • • • •

Líder mundial em proteção para dispositivos móveis e provedores de acesso (ISP). Maior índice de detecção de malwares e spywares do mercado brasileiro. Um dos menores tempos de resposta contra novas ameaças (0 a 2 horas). Proteção total contra vírus, spam, phishing e demais ameaças virtuais. Soluções completas de segurança corporativa premiadas em todo o mundo. Solicite hoje mesmo uma visita comercial para demonstração de nossas soluções: fs6@f-secure.com.br • (11) 2108 3300 • www.f-secure.com.br

47

04.09.09 12:53:10


Indústria UM SÓCIO DIFERENTE NO C.E.S.A.R. O C.E.S.A.R. nasceu há cerca de 13 anos nos corredores do Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Em pouco tempo, a iniciativa evoluiu para se tornar o embrião que hoje pode ser chamado de instituição-âncora para o desenvolvimento do ecossistema tecnológico do Nordeste. A gênese da entidade alimentava dois preceitos: reter profissionais e empreender vias tecnológicas geradas por doutores e mestres que cada vez mais deixavam o Estado por falta de

oportunidades. Em dois anos, a iniciativa possuía clientes que percebiam a oportunidade de substituir soluções de mercado por tecnologia local. Não dá para chamálo de incubadora num modelo clássico. “Nunca lançamos edital, nem formamos uma banca (para avaliar projetos)”, enfatiza Guilherme Cavalcanti, presidente do C.E.S.A.R. Participações, dizendo que a filosofia da instituição assemelhase mais a de um investidor em busca de negócios, apoiando empresas nascentes com infraestrutura, marca e

serviços compartilhados além de regras claras de entrada e saída. Aprovados, os empreendedores começam a receber informações estratégicas e experiência do incubador para tocar seus negócios. A instituição abriga 450 pessoas de alta qualificação em 20 áreas específicas. O instituto busca, ainda, constantemente ideias ou projetos que tenham potencial para se tornarem novos empreendimentos dentro de sua própria operação. “De CNPJ criado temos 28 empresas.

Destas, contabilizamos que oito deram errado no primeiro ano”, analisa. Entre as vinte que sobreviveram, Cavalcanti estima que pelo menos seis se deram mal. As 14 restantes transformaram-se em empresas relevantes com faturamento anual de até R$ 20 milhões. Com o grande grupo multidisciplinar interno e renome no mercado, muitas demandas chegam até o C.E.S.A.R, que busca parceiros empreendedores caso a solução encontrada se mostre um projeto viável para se converte em um novo negócio.

Hora, da Tempest Security Intelligence: não tínhamos dinheiro para montar uma empresa

48

lay_industria 48

InformationWeek Brasil

04.09.09 12:53:59


Indústria AO ACASO Evandro Curvelo Hora dava aulas no departamento de informática Universidade Federal do Sergipe quando partiu ao Recife para cursar um mestrado na UFPE. “Cheguei aqui em 1998 e o C.E.S.A.R. estava recém-criado”, recorda. No ano após sua chegada, a rede de varejo Bompreço buscou na instituição uma solução de segurança. Curvelo Hora integrou o grupo, estudou o problema e apresentou uma tecnologia aderente à demanda. O cliente gostou do resultado obtido. O sucesso despertou interesse na instituição, que se propôs a incubar a solução desenvolvida e indicou dois sócios para que ele pudesse tocar o negócio. “Caí no colo deles por acaso”, diz o atual diretor de projetos da Tempest Security Intelligence, que oferece software e serviços de segurança da informação. Nenhum dos três sócios tinha histórico de empreendedorismo. “Também não tínhamos dinheiro para montar uma empresa.” No primeiro ano, a Tempest faturou R$ 300 mil e fechou uma dezena de contratos. No período seguinte, as receitas subiram para R$ 450 mil e, em seguida, saltaram para R$ 650 mil. Quando estava prestes a graduar-se, a startup submeteu um projeto de inovação tecnológica à Finep e após um tempo foi apresentada pela financiadora a um grupo de investidores de risco, do qual captou R$ 1,8 milhão, por 50% do negócio. Os recursos possibilitaram a compra de equipamentos, contratação de equipe e abertura de uma filial em São Paulo. Na época pós-aporte as receitas evoluíram consideravelmente. Em 2007, a Tempest comprou de volta a cota que pertencia aos venture capitalists. A companhia teve faturamento de R$ 6 milhões, em 2008, e hoje conta com 52 profissionais divididos entre Recife e a capital paulista. A companhia projetava crescer 25% sobre esse resultado neste ano, mas a crise freou um pouco os negócios. “Esperamos terminar o ano com 70% do desempenho do ano passado”, reconhece o executivo que enxerga um reaquecimento na demanda por seus produtos a partir do segundo trimestre de 2010.

50

lay_industria 50

UNISINOS PASSA NOÇÕES DE COMUNIDADE No fim da década de 90, o Vale dos Sinos — próximo à região metropolitana de Porto Alegre — começou a sofrer com a crise asiática que refletiu negativamente nos setores coureiro, calçadista e metalmecânico. “A economia que sustentava a região entrou em declínio”, recorda Susana Kakuta, diretora da unidade de inovação tecnológica da Unisinos, universidade localizada na cidade de São Leopoldo (RS). Lideranças públicas e privadas se uniram em busca de uma alternativa. A universidade foi chamada para esse jogo estratégico contribuindo com conhecimento. Na busca por modelos viáveis, os envolvidos enxergaram TI como um provável divisor de águas e decidiu-se criar um complexo de base tecnológica capaz de reunir incubadora, um núcleo de aproximação de empresas e um condomínio para

companhias de tecnologia, que hoje abriga 18 empreendimentos (sendo um deles o laboratório da SAP). A incubadora Unitec surge, assim, como um elo dessa cadeia tecnológica. Atualmente, o espaço tem capacidade para cerca de 25 empresas, mas deve abrigar cem nascentes em 2011, quando projetos de duas novas áreas de atuação (energias renováveis e nutracêutica) passarão a integrar a iniciativa. Ao longo dos dez anos de vida, seis empresas se graduaram. O porcentual pode parecer baixo, mas há uma razão. “Muitas nem chegam a se graduar, pois são compradas no meio do processo”, revela Susana. “É uma dinâmica que queremos incentivar”, reconhece. Hoje, a incubadora abriga 21 nascentes. Com algumas salas desocupadas, novos projetos chegam frequentemente.

InformationWeek Brasil

04.09.09 12:54:35


Hoffmann, da Polis : "Projeto foi pré-aprovado na Prime e pode receber aporte inicial de R$ 120 mil'

Setembro de 2009

lay_industria 51

SEGUNDO ROUND A fabricante de sistema de gestão para área política e eleitoral Polis Tecnologia acaba de chegar ao Unitec. “A empresa nasceu, formalmente, em fevereiro de 2009 como spin-off da Unique IT, que trabalha com consultoria”, conta Carlos Alberto Kalinovski Hoffmann, diretor da startup, citando que a empresa-mãe graduou-se na incubadora Raiar, da PUC-RS. A Unique IT chegou a faturar R$ 50 mil por ano e a ter sete funcionários e 15 clientes. Mas trabalhava por projetos e não mantinha

uma relação recorrente, o que era um problema. Assim, o empreendedor acabou colocando a consultoria em stand by para possibilitar dedicação total à Polis. Com experiência em incubação, Hoffmann acredita em mais maturidade para a nova empreitada. A escolha pela entidade na Unisinos deu-se por sua estrutura de seleção mais flexível, o que aceleraria a entrada da empresa na incubadora. O projeto da Polis foi préaprovado na Prime, linha de financiamento da Finep,

e pode receber um aporte inicial de R$ 120 mil nos próximos meses. “A outra empresa começou com R$ 10 mil”, recorda, dizendo que este dinheiro do fundo permitirá que a nascente comece em um patamar mais elevado. A expectativa do empreendedor é graduar-se na Unitec com um faturamento na casa dos R$ 1,8 milhão, três mil usuários de sua tecnologia e 17 funcionários. Além disto, o novo projeto prevê a comercialização de licenças do software como serviço, o que garantirá receitas recorrentes.

51

04.09.09 12:54:53


Indústria SANTA RITA DO SAPUCAÍ É BERÇO DE INOVAÇÃO Santa Rita do Sapucaí (MG) tem pouco mais de 32 mil habitantes e um histórico de empreendedorismo. Pulmão do Vale da Eletrônica, uma parte do sucesso obtido pela cidade mineira pode atrelar-se ao fomento à inovação proporcionada por duas incubadoras situadas no município. “Hoje, temos entre 120 e 130 empresas de base tecnológica. Destas, mais de 60 passaram por processo de incubação”, estima Dani Xavier, diretora do Prointec (Programa Municipal de Incubação Avançada de Empresas de Base Tecnológica), criado em 1999. Composto por uma incubadora municipal (IME) e por um condomínio ocupado, atualmente, por 18 empresas, a iniciativa surgiu para abrigar e complementar as estratégias de pré-incubação que já existiam em instituições locais de ensino. Três instituições destacam-se no cenário. Dani aponta o trabalho realizado pela Faculdade de Administração e Informática, pela Escola Técnica de Eletrônica e o Inatel (Instituto Nacional de Telecomunicações). Este último, por sinal, mantém a outra incubadora da cidade, nascida em 1985 e que,

52

lay_industria.indd 52

até hoje, graduou cerca de 36 startups. Já a IME abriga, atualmente, 14 empreendimentos. “Essas empresas geram 60 empregos diretos”, contabiliza a diretora, citando que a entidade formou 25 companhias, que hoje empregam aproximadamente 200 pessoas. O forte da incubadora são inovações que condizem com a realidade regional: tecnologias focadas no setor eletroeletrônico e de telecom. A inscrição se dá em prazo estabelecido por edital. Os critérios de julgamento para ingresso são viabilidade técnica e econômica, capacidade da equipe, inovação e estágio de desenvolvimento do projeto. ELETRICIDADE A GT Gestão e Tecnologia surgiu há 1,5 ano como consultoria para elaboração de planejamentos. Os sócios tocavam projetos sazonais com duração de três meses da própria casa. Utilizando os recursos domésticos, passaram a ter insights avaliando como poderiam fazer para reduzir a conta de energia elétrica. Em novembro de 2008, o Prointec abriu edital com cinco vagas na IME e a GT Gestão e

Tecnologia resolveu submeter seu projeto de redução de energia em aparelhos em stand by para obter estímulo para industrialização da ideia. Em seis meses na incubadora, a GT termina o protótipo de um produto que tem previsão de lançamento em outubro. Segundo Rodrigo Gaigher Cezana, engenheiro de desenvolvimento, a tecnologia reduz de 15% a 25% o consumo total de energia elétrica de uma residência. A montagem da placa PCI e a inserção de componentes eletrônicos no dispositivo foi terceirizada para empresas do pólo de informática de Santa Rita do Sapucaí. Os executivos da empresa acreditam tanto no produto que desenvolvem, que devem tirar do foco a parte de consultoria em, no máximo, dois anos. A partir do segundo ano de incubação, a nascente estima receitas mensais na casa do R$ 30 mil. Além disso, o módulo de economia integra um projeto maior de automação residencial, que terá parte dos recursos oriundos de órgãos de financiamento com previsão de estar pronto por volta do terceiro trimestre de 2010, possibilitando, assim engrossar a receita. IWB

Por dentro das

incubadoras

64%

dos municípios com menos de 1 milhão e mais de 300 mil habitantes possui uma incubadora e/ou parque tecnológico

100% dos municípios brasileiros com mais de 1 milhão de habitantes possui uma incubadora e/ou parque tecnológico

20%

dos municípios com mais de 50 mil e menos de 300 mil habitantes possui uma incubadora e/ou parque tecnológico

Principais objetivos

das incubadoras • Incentivo ao empreendedorismo (97%) • Desenvolvimento econômico regional (88%) • Geração de empregos (84%) • Desenvolvimento tecnológico (72%)

Área de atuação

das incubadoras • Tecnologia da Informação e Comunicação: 18% • Agronegócios: 11% • Eletroeletrônica: 11% • Mecânica/Biotecnologia: 8% • Serviços: 15% • Outros: 37% Fonte:Anprotec/2007

Leia mais: Conheça os cases em profundidade em www.itweb.com.br/iwb/incubadoras

InformationWeek Brasil

04.09.09 18:12:19


HP ECO SOLUTIONS PROGRAM: PARTICIPE VOCÊ TAMBÉM, O MEIO AMBIENTE AGRADECE.

A Added, em parceria com HP, tem como compromisso atender ao alerta de mudança climática. O programa de Reciclagem HP permite descartar de maneira responsável equipamentos de computação e impressão HP e não-HP, além de suprimentos de impressão. A HP é pioneira em serviços de reciclagem para eletrônicos e suprimentos, oferecendo serviços de reciclagem em 52 países ou territórios em todo o mundo.

Otimize seus processos relacionados a papel com as soluções HP de captura e gerenciamento de documentos.

A Added ajuda sua empresa a otimizar os processos de impressão com o melhor custo benefício e valorizando a responsabilidade ambiental da sua empresa. SOLICITE A VISITA DE UM CONSULTOR PARA SABER MAIS.

www.added.com.br

Ligue para (11) 2126-3650 ou escreva para added@added.com.br

setembro.indd 53

04.09.09 18:33:13


Telecom

Os desafios da busca O cenário em telecomunicações não poderia ser mais complexo: demanda por oferta cada vez mais diversificada, surgimento cada vez mais rápido de novas tecnologias, consolidação de players, pressão por rentabilidade e uma preocupação crescente por qualidade na prestação de serviços ao usuário. Para contornar estes desafios, as operadoras de telecomunicações devem rever os processos e a arquitetura de sistemas de forma a buscar mais agilidade e eficiência. Esta afirmação é tão conhecida quanto desafiadora, pois quanto mais diversificado é o leque de serviços e tecnologias, mais complexo fica o ambiente de operação e mais efêmero se torna um processo dentro da empresa. Como se não bastassem os problemas decorrentes da complexidade dos negócios, podemos somar como complicador o elevado nível de terceirização no qual se encontram as operadoras: a redução de custos e o maior foco buscados com a terceirização das atividades têm como trade-off maior dificuldade de gestão e padronização. Para algumas delas, a idade também conta: redes implantadas há anos e sistemas caseiros que cresceram organicamente sem planejamento ou sem documentação só impõem mais dificuldades de qualidade e evolução. Não é de hoje a busca por padrões operacionais e arquiteturas de sistemas. Iniciativas como o Lean Operator do TM Forum[1], que desde meados da década de 90 vem evoluindo seu mapa de operações (eTOM[2]) e outros frameworks, fornecem subsídios para melhoria operacional e automação. Porém, citar o uso de frameworks de processos ou melhores

Foto: Divulgação

por eficiência Luís Minoru Shibata é diretor de consultoria da PromonLogicalis e blogueiro do IT Web

práticas em desenho de arquiteturas como sendo a solução para os problemas de operação é uma alternativa tentadora, mas, ao mesmo tempo, simplista. A busca por eficiência depende de programas de melhoria abrangentes e sincronizados, nos quais o uso de melhores práticas é essencial, mesmo representando apenas uma parte dos fatores de sucesso. Resultados concretos de melhorias (como reduções de 30% em lead-time de resolução em falhas de rede, de 40% em retrabalho por minimização de erros de configuração e de 15% nos custos de manutenção de rede) foram obtidos com ações coordenadas de mapeamento e redefinição de processos de aquisição e integração de ferramentas, além da aplicação de conhecimento das tecnologias envolvidas. Conseguir estabelecer o alinhamento entre diferentes áreas e fornecedores é fundamental, seja porque sem este alinhamento não é possível criar processos fim-a-fim, seja porque a transformação depende de capacitações distribuídas em diversas equipes na empresa e também fora dela. *Colaborou Yassuki Takano, gerente de consultoria da PromonLogicalis.

[1] TM Forum é um fórum composto por operadoras de telecomunicações, fabricantes de equipamentos, provedores de soluções de software, integradores e empresas usuárias de serviços de telecomunicações, com o objetivo de melhorar o resultado de negócios na indústria de comunicações por meio da divulgação de padrões e intercâmbio de informações. [2] eTOM: enhanced Telecom Operations Map

54

lay_telecom 54

InformationWeek Brasil

03.09.09 10:44:51


Gestão

REDES SOCIAIS:

dor de cabeça ou oportunidade?

Gilberto Pavoni Júnior, especial para InformationWeek Brasil

Vida dura a do chief executive officer (CIO). Parece que toda mudança que ocorre no mundo dos negócios passa pela sua mesa. Antes da década de 90, este executivo era o típico técnico enclausurado em um ambiente cheio de máquinas e ar condicionado. Nos últimos anos, esse quadro mudou drasticamente. Todo CIO moderno é um agente de mudanças e parceiro importante do negócio. Por suas mãos passam decisões gerenciais e orçamentárias e ele tem assento cativo nas salas onde são estabelecidas as estratégias da empresa. Parabéns a eles, que conseguiram se moldar às mudanças do ambiente de mercado. Mas não aplaudam muito. Outra mudança está a caminho e o CIO terá um papel importante — de novo. A nova onda do mundo informatizado e conectado é língua das multidões. As mídias sociais são expoentes em termos de inovação tecnológica e já seduzem empresas pelo mundo afora. Mais da metade da lista da Fortune 500 está desencravando novos meios de se comunicar com stakeholders e consumidores por meio de redes sociais, segundo recente levantamento da empresa de relações públicas BursonMarsteller. Tudo é feito em sites como o Facebook, Twitter, Youtube, além de wikis e blogs variados. Quem investiu nisto teve aumento de 18% nas vendas nos últimos 12 meses, aponta estudo da Wetpaint e Altimeter Group. Números fantásticos e que se repetem quase toda a semana no noticiário especializado. O problema é que tudo isso ainda está muito ligado ao marketing. Mas como fica o CIO fora da pirotecnia deste departamento? Assustado, dizem especialistas na área. Imagine um gestor de tecnologia tendo de lidar com um ambiente heterogêneo cheio de trocas de mensagens instantâneas e em várias

56

lay_gestao 56

O DEPARTAMENTO DE MARKETING DAS EMPRESAS JÁ DESCOBRIU COMO UTILIZAR A INTERAÇÃO E A TROCA DE CONHECIMENTO PROPORCIONADA POR FERRAMENTAS COMO FACEBOOK, ORKUT, WIKIPEDIA, BLOGS E TWITTER EM SUAS ESTRATÉGIAS. AGORA, É A VEZ DA TI COMEÇAR A TER CONTATO COM ESTAS NOVIDADES

direções. Informações entrando e saindo da organização diretamente dos funcionários, centenas de links externos sendo abertos e tudo tendo de caber em um desktop, um netbook ou um smartphone com a mesma qualidade. Parece um prato cheio para problemas com segurança, vazamento de informação privilegiada e perda de produtividade. Não é por acaso que o número de empresas que passaram a bloquear sites como Orkut, MySpace, Facebook e Twitter aumentou 20% em um ano. O levantamento da ScanSafe aponta que o cerceamento é feito por medo de ataques de malwares e de queda da produtividade dos funcionários. Parece uma visão meio paranóica de tudo, contudo é a realidade para o CIO e uma característica do departamento de TI. Diferentemente do marketing, a área de tecnologia tem de lidar com padrões, homologações e processos verticais e documentados. Tem de evitar ao máximo o risco, enquanto quem trabalha com marca e comportamento de consumo pode fazer do risco uma estratégia. Mesmo assim, as ferramentas de mídia social estão no InformationWeek Brasil

04.09.09 18:46:47


O tamanho da onda social Mais do que quatro em cada cinco pessoas conectadas produzem ou consomem conteúdo de mídias sociais ao menos uma vez por mês

• Um em cada cinco adultos categoriza conteúdo por rankings ou sistemas como o Digg • Metade dos adultos online faz parte de alguma comunidade, como Facebook • Pessoas entre 35 e 54 devem ser metade do universo de uso social de tecnologias ainda em 2009 • Poucos são os criadores de conteúdo, mas os consumidores disto cresceram de 25% para 48% em serviços, 29% para 55% em vídeo e 25% para 39% em textos Fonte: estudo da Forester chamado The Broad Reach of Social Technologies, de agosto

Setembro de 2009

lay_gestao 57

e encontrar seus pares pelo mundo afora. Não apenas isto: quem barrou o uso do Yammer, teve de lidar com o SocialCast (www.socialcast.com) e outras plataformas que oferecem serviço semelhante. “As empresas não detém mais o controle das informações como antigamente”, enfatiza Mauro Segura, líder de marketing e comunicação da IBM Brasil, que possui uma política de redes sociais desde 2005. Dos 400 mil funcionários em todo o mundo, 80 mil são usuários de blogs (internos ou externos). Números mais impressionantes são os dos wikis: existem 15 mil diferentes na IBM. Alguns são estratégicos e fechados a um grupo, já outros, mais abertos. Cerca de 370 mil funcionários, bem próximo da totalidade da empresa, utilizam wikis. Para o executivo da IBM, o papel do CIO nesta revolução é entender que o cenário de negócios está mudando e, provavelmente, a visão sobre o controle da infraestrutura terá de se adaptar a isso. “A segurança passa a ter um papel mais cultural, que necessita de educação e treinamento.” Segundo ele, dificilmente as iniciativas de redes sociais vão nascer no departamento de TI. Elas virão de outras áreas, como marketing, vendas, comunicação e RH. “Mas cabe ao CIO trabalhar a parte tecnológica IWB das ferramentas”, comenta

Foto: Ricardo Benichio

e?

foco dos CIOs. É impossível encontrar um que não esteja “brincando” com a novidade. “O marketing não é o fim para as mídias sociais, é só o começo da brincadeira”, aponta o gerente de estratégia de clientes e mercado da Deloitte, Fábio Cipriani, autor do livro Blog Corporativo. Para ele, há muitas oportunidades a serem exploradas com essas ferramentas. “As empresas precisam tratar estrategicamente a vontade das pessoas de quererem se conectar.” E parece mesmo impossível frear o ímpeto dos funcionários em se manterem conectados. Empresas que bloqueiam o Twitter costumam se ver às voltas com o Yammer (www. yammer.com) , site que funciona independentemente da infraestrutura da companhia, basta ter o endereço eletrônico corporativo para se cadastrar

Leia mais: Esta é a primeira matéria de uma série de reportagens que serão publicadas até dezembro na InformationWeek Brasil com notícias complementares no IT Web. O especial completo está em www.itweb.com. br/iwb/redesocial.

57

04.09.09 18:47:19


Gestão

Não existem m Ana Lúcia Moura Fé, especial para InformationWeek Brasil

Até o fim deste ano, a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) espera economizar R$ 1,3 milhão com a revisão de contratos de terceirização do seu parque de computadores. A empresa — que engloba o Centro Industrial do Rio de Janeiro (CIRJ), o Serviço Social da Indústria (SESI), o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e o Instituto Euvaldo Lodi (IEL) — chamou seu principal fornecedor para a mesa de negociações. Ao final da conversa, não apenas havia ampliado os serviços já terceirizados como reduziu custos, padronizou equipamentos e softwares e estabeleceu níveis de serviço (SLA) mais eficazes. “Aproveitamos o fato de o último acordo ter preços melhores e, com base nele, transformamos 13 contratos em um“, relata Carlos Eduardo Gambôa, gerente de TI da Firjan. Até dezembro, a fornecedora Microcity terá substituído cerca de 3,3 mil máquinas da Federação por modelos top de linha — e manterá responsabilidade pela configuração, pelo help desk, pela manutenção e pelo inventário, entre outros serviços. 58

lay_gestao_tercerizacao 58

Foto: Leo Pinheiro

O momento é bom para renegociar contratos. Mas nem a incerteza econômica nem a busca por redução de custos devem ser critérios prioritários nas decisões que envolvem terceirização

A Firjan configura entre as empresas que tiraram proveito do cenário de crise econômica — que propicia renegociações — para aumentar escopo e benefícios decorrentes da terceirização. A decisão foi bem-sucedida, segundo Gambôa, porque se baseou em planejamento, em busca por mais qualidade e em uma parceria sólida com a Microcity, iniciada em 2003, além, claro, da economia. No entanto, esta não é a realidade de inúmeras outras companhias que investiram na terceirização nos últimos meses. Muitas delas são motivadas, principalmente, por um disInformationWeek Brasil

03.09.09 19:19:16


m milagres Gambôa, da Firjan: “Em qualquer cenário, o serviço e o escopo devem ser dimensionados com base no crescimento futuro e na capacidade do fornecedor”

curso de mercado que apresenta o outsourcing como panacéia para os males financeiros, devido ao seu poder de enxugar custos. O pensamento, contudo, é um erro, na visão de especialistas como Sérgio Alexandre, diretor da PricewaterhouseCoopers (PwC), e Laércio Albino Cezar, vice-presidente de TI do Bradesco. “A redução de custo é importante, mas não deve ser o fator Setembro de 2009

lay_gestao_tercerizacao 59

Foto: Ricardo Benichio

para tomada de decisão. O foco deve estar na melhoria de qualidade de serviços e das métricas, entre outros, além, é claro, do melhor custo, que pode ser obtido com parceiros capazes de diluir o investimentos entre vários clientes, por exemplo“, diz Alexandre. Embora tenha percebido crescimento do interesse das companhias em fazer economia por meio do outsourcing, ele informa que, na base de clientes da PwC, a aprovação de todos os projetos implementados neste ano e em 2008 se baseou em outros aspectos, embora, no final das contas, tenham resultado em significativa economia. “Mesmo nas empresas de segmentos muito pressionados pela crise, como varejo e consumo, o custo não é mais o fator decisório. Pesa a qualidade e um modelo de terceirização que torna o benefício sustentável”, enfatiza.

pré-requisitos Alexandre ressalta como equívoco a aposta na terceirização antes de a empresa ter uma governança bem-estruturada. A exigência parece óbvia, mas nem sempre é atendida a contento. Entre os riscos de pular esta etapa, há a possibilidade de engessamen-

59

03.09.09 19:20:13


Foto: Ricardo Benichio

Gestão

Cezar, do Bradesco: nada em TI que faça parte do core da instituição é passível de terceirização

to do negócio, como aconteceu, recentemente, com um cliente que a PwC auxiliou a trocar de provedor. “Ele não tinha governança estruturada. Apenas delegou suas necessidades, que cresceram além do que foi dimensionado, chegando ao ponto de o outsourcing começar a prejudicar a evolução do negócio”, relata o diretor. A própria Firjan foi vítima de mal dimensionamento, não obtendo na terceirização da telefonia móvel o mesmo sucesso registrado na de desktops, como admite o seu gerente de TI. “Temos uma parceria com a Claro que está nos trazendo prejuízos e grande insatisfação entre os nossos usuários de celular. Trocaremos de operadora em setembro, quando o contrato expira, e a Claro não participará da seleção”, informa Gambôa. O gerente não exime a Firjan de culpa na deterioração do relacionamento. “Não definimos com clareza o objeto do contrato e as necessidades futuras. Com o tempo, o número de linhas que determinamos se mostrou insuficiente obrigando-nos a pedir mais, sem nenhum controle nosso ou da operadora. Esta, para compensar as perdas, deixou de nos prestar serviços. Resultado: queda na qualidade, usuários insatisfeitos e uma parceria desfeita. Até sentamos juntos, mas não chegamos a acordo algum”, diz o gerente. A experiência serviu de lição. “Em qualquer cenário, o serviço e o escopo devem ser dimensionados com base no crescimento futuro e na capacidade do fornecedor. E deve-se incluir aditivo no contrato se a demanda aumentar, antes que tudo saia do controle”, diz. Rogério Ribeiro, CIO da AstraZeneca, acredita que aproveitar o momento de incerteza econômica para re-

60

lay_gestao_tercerizacao 60

negociações pode ser proveitoso, desde que isso não signifique “apertar” muito o fornecedor. “Porque ninguém faz milagres”, diz. A gigante do mercado farmacêutico recentemente repassou à T-Systems todo o suporte funcional e técnico do sistema de gestão SAP motivada por experiência mal-sucedida com outro prestador que cuidava da parte funcional do sistema. “Os serviços oferecidos não estavam alinhados com as nossas necessidades”, resume. O CIO comemora a retração de custos obtida, da ordem de 30%. Considera ser este recuo um dos maiores benefícios alcançados, mas ressalta que a contratação foi precedida de cuidadoso planejamento e levou em conta outros fatores decisórios. “Passamos a contar com profissionais altamente atualizados em SAP e reduzimos nossa vulnerabilidade, pois não dependemos mais de uma única pessoa, e sim de uma equipe de especialistas da T-Systems. Não preciso mais me preocupar com as férias do meu funcionário, sem contar que ele foi reaproveitado para outras atividades importantes”, aponta. Como dica, o executivo da AstraZeneca alerta que o grande desafio no outsourcing é transferir conhecimentos internos para o parceiro e manter a equipe e o negócio cientes de todas as regras. “Deve-se pensar em estratégias para resolver isto, porque é tudo muito fácil quando está dentro de casa.” Ele acrescenta que a empresa também já terceirizou recursos como bancos de dados e service desk, mas não tem intenção de terceirizar tudo. “Segurança da informação, por exemplo, sempre ficará dentro de casa”, avalia. InformationWeek Brasil

03.09.09 19:21:26


S達oPaul o ( 1 1)36642020

Campi nas Ri ode Janei r o ( 19)32523077 ( 21)22249766


Foto: Ricardo Benichio

Gestão

Ribeiro, da AstraZeneca: aproveitar o momento para renegociações pode ser proveitoso, desde que isto não signifique “apertar” muito o fornecedor

Core e inteligência em casa No Bradesco, nenhuma decisão sobre terceirização foi impulsionada pela instabilidade econômica ou pela busca de corte expressivo nos custos, garante o VP, Laércio Albino Cezar. “Primeiro, porque nem sempre um bom projeto implica redução de custos.” Além disso — ressalta o executivo—, é possível medir efetivamente o tamanho da economia apenas quando o projeto é implementado, por meio da comparação com os custos internos naquele momento. “Depois, perde-se a referência”, diz. Ele reconhece que em algumas circunstâncias, como quando o fornecedor presta o serviço não apenas ao Bradesco, mas a todo o sistema financeiro, o custo torna-se mais palatável e evidente. “Mesmo assim, a decisão do

62

lay_gestao_tercerizacao 62

que é terceirizado decorre do nosso dia a dia e da possibilidade de nos trazer benefícios que nem sempre são financeiros, como, por exemplo, a liberação de espaço”, diz. A estratégia corporativa do banco determina que nada em TI que faça parte do core da instituição é passível de terceirização. “Gente no mundo afora cometeu este erro em grandes projetos e teve de recuar.” Ficam dentro de casa os grandes computadores que detém o processamento central de tudo o que diz respeito à guarda, ao armazenamento e à disponibilidade de dados sobre clientes. São informações consideradas estratégicas que, se violadas, deterioradas ou perdidas, colocariam a atividade em grande risco. “Fazemos hoje cerca de 270 milhões de transações por dia. Imagine entregar isto a um fornecedor que não dá conta? Ou não volta nunca mais ou volta tudo dilapidado, sem consistência”, argumenta. Por outro lado, recursos como desenvolvimento de sistemas e parque gráfico e de impressão estão entre as atividades totalmente terceirizadas no Bradesco. “Pagamos pelo que consumimos. Nestes casos, qualquer acidente de percurso representaria prejuízo, mas não paralisaria nossas atividades”, explica o vice-presidente. Para garantir que a inteligência do negócio não saia da instituição, todo projeto de construção de software nasce e é documentado por especialistas. “Desta forma, podemos terceirizar 100% do desenvolvimento e, se o fornecedor claudicar, temos em mãos a documentação que possibilita repassar o serviço para outro parceiro. O importante é jamais perder a inteligência do negócio; e isto vale para qualquer setor”, ressalta. Albino Cezar também não aconselha esperar um ambiente propício para renegociar contratos. As oportunidades e melhorias têm de ser buscadas permanentemente, no cotidiano. No caso do Bradesco, ele diz que a massa de especialistas experientes, a rotina padronizada e documentada, o uso de metodologias avançadas e o rigoroso filtro de avaliação e homologação de fornecedores têm tornado bastante raros os “desvios de comportamento” de parceiros. Mas o alerta máximo nunca pode ser desligado. “No caso de impressão de extratos, tenho acesso ao fornecedor para realizar auditorias permanentes que me garantem que o que entreguei chega ao destinatário

T

InformationWeek Brasil

03.09.09 19:21:58

lay_setorial2


TI na televisão

na qualidade acordada e sem violação. Também vamos A digitalização da operação de televisão requer à fábrica do fornecedor do equipamento para verificar a permanente inovação em tecnologia. Isto implica qualidade do produto, só para dar dois exemplos”, conta. projetos de TI fortemente alinhados com as melhores Para empresas menos avançadas no uso de TI, o VP repráticas de produção e geração de conteúdo. A comenda investir na especialização de funcionários. “Se observação é do gerente de informática do SBT, você não entende nada de carro, como irá avaliar a quaNelson Carpinelli. Às voltas com implantação de lidade do serviço de um mecânico? O mesmo vale para módulos operacionais do ERP e do sistema de BI na terceirização de TI.” Para ele, é também vital contar com rede de televisão, o executivo foca seus esforços na processos e ferramentas de qualidade para acompanhar e integração da TI com a tecnologia de produção de avaliar tudo“Todos o que está sendo entregue pelo fornecedor. Ele conteúdo. os projetos de infraestrutura hoje aproveita para se contrapor à percepção de alguns analislevam em consideração ferramentas de monitoração tasdodetráfego que banco, em geral, não egosta de outsourcing. “Na de conteúdo gerado sua disponibilização década de de 90,criação mantínhamos dentro de casa até marcenaria às áreas e definição de programação. A TI está inseridados no negócio do SBT naHoje, medida emmudou.” para fabricação nossos móveis. tudo

que participa ativamente desde a concepção até a veiculação dos produtos”, diz Carpinelli, que tem Parceiro não é inimigo como meta mudar a percepção interna sobre TI, para préIndependentemente do cenário ou de experiências além do suporte operacional. vias mal-sucedidas, não se deve enxergar o fornecedor

Julho de de 2009 Setembro 2009

lay_setorial2 61 lay_gestao_tercerizacao 63

de todos os processos operacionais internos. “Temos times trabalhando diainimigo. e noite, mapeando, automatizando como um Ter isto emrevisando mente é etão importante quanto um bom escopo e níveis de serviço bem-definidos. processos. O projeto de contact center resultou deste esforço”, CIOs ouvidos pela reportagem que a terceiriconta. Com investimento estimado apontam em R$ 3 milhões, a nova zação vale a pena desde que não envolva conhecimentos central modernizou o atendimento prestado a portadores de específicos sobregestores o negócio da restaurantes companhia. Para quem cartões, empresas, de RH, e supermerestá interessado na modalidade, elaborar em separado cados. “O cliente não precisa mais repetir o número do cartão análises técnicas for e comerciais e definir SLAs em comum quando a chamada transferida”, exemplifica. acordo com o prestador de serviço são práticas recomenA empresa também ampliou o número de empreendimenTambém vale conversar visitar outros clientes tosdadas. que participam do piloto que esubstitui máquinas dedo leifornecedor tura de cartãoem nosavaliação. pontos de vendas (POS, na sigla em inglês) A essa lista de recomendações, o especialista em goverpor telefone celular. A tecnologia reduz custos permitindo de TI e segurança da informação da Enigma ao nança estabelecimento a aquisição de muitose sócio aparelhos, o que Security Consultoria, Mário Sérgio Ribeiro, acrescenta a para muitos era inviável devido ao alto preço dos antigos necessidade de de POS. inclusão contrato de sanções equipamentos Parano2010, a Accor prepararigorosas nova plaque causem impacto no negócio do fornecedor, noempresas caso de taforma de internet que integra usuários de cartão, descumprimento.“O “Ele tem de sentir na pele o mesmo que e estabelecimentos. cliente encontrará todos os produtos um funcionário de cargo de confiança sente quando não da Ticket em um único site”, promete Spada. entrega o que é esperado dele”, compara.

6361

17.08.09 16:16:54 03.09.09 19:22:16


Gestão

Cenário da terceirização • Projetos de outsourcing estão entre os que sustentarão o crescimento da TI no Brasil este ano. • O mercado de outsourcing no País sofreu menos o impacto da crise econômica do que outros segmentos de TI, devido a parte de sua receita ainda ser lastreada em contratos de médio e longo prazos. • A expectativa é que muitos desses contratos sejam renegociados em virtude da forte necessidade das empresas em reduzir seus custos. • A maior parte das renegociações deverá contemplar redução de níveis de SLA ou até mesmo corte de serviços não críticos em 2009. • A cobrança sobre os departamentos de TI para redução de custos aliada a eventuais cortes de pessoal interno irão impulsionar a contratação de serviços terceirizados de infraestrutura em 2009. Fonte: IDC Brasil-2009

Empresas devem estabelecer a prática de auditorias sistemáticas e sem aviso prévio nas instalações dos fornecedores 64

lay_gestao_tercerizacao 64

O consultor acredita que todas as empresas devem estabelecer a prática de auditorias sistemáticas e sem aviso prévio nas instalações do fornecedor. “Seja fábrica de software ou de micros, seja provedor de help desk, é importante esquematizar visitas e manter estreita parceria com outros departamentos da companhia, como a área de avaliação de risco e controle, para obtenção de auxílio na redução dos riscos de naturezas diversas inerentes a um contrato de terceirização”, diz Ribeiro. Ele também considera a governança de TI um pré-requisito vital para projetos de outsourcing. “Correr atraído pelas boas ofertas do momento e pela promessa de economia, sem ter cumprido esse requisito, não me parece uma boa ideia.”

Vale um passo atrás Do mesmo jeito que o bom outsourcing resulta de uma avaliação sobre as vantagens para a empresa, sob critérios diversos, o oposto também é válido, ou seja, recursos terceirizados devem ser sempre reavaliados e trazidos de volta, se isso representar melhor custo—benefício. É o que reforça João Navarro, diretor de tecnologia e desenvolvimento da Universidade Norte do Paraná (Unopar). A entidade, que investe em tecnologia para suportar as atividades administrativas e acadêmicas de três campi e 350 pólos de ensino a distância espalhados pelo País, já terceirizou transmissões de aula via satélite, mas hoje tem uma operação própria. “No começo, apenas 37 polos faziam parte de nossa rede e os custos justificavam a terceirização. Com o tempo, a rede e o número de salas de geração cresceram e ter uma operação dentro da uni-

versidade se mostrou mais interessante e menos arriscado”, explica Um dos projetos de outsourcing mais recentes da Unopar envolveu a transferência para a Global Crossing da gestão e monitoramento da rede de fibra de 120 megabits que interliga os campi, além do gerenciamento da interconexão dos polos educacionais via internet. Toda a infraestrutura de telefonia da universidade também está sob a gerência da Global Crossing. “Ainda estamos implementando e acrescentando novas funcionalidades, mas se pode afirmar que valeu muito a pena, pela facilidade de alterações da rede, sem prejuízos para os usuários, pela visível otimização do uso dos recursos e por contarmos com a expertise dos profissionais da Global Crossing, entre outros benefícios”, diz Navarro. Em termos de enxugamento de custos, ele calcula que os serviços, que consumiam cerca de R$ 40 mil mensais da universidade, foram reduzidos em cerca de 30% após a terceirização. A escolha do fornecedor está entre os principais cuidados em iniciativas de outsourcing. “Ele tem de ter agilidade compatível com a dinâmica do mundo atual e abertura para negociações”, diz. Para Robert Ilse, sócio da área de consultoria empresarial da Deloitte, as renegociações de contratos na área de TI são duras e complexas, mas as empresas usuárias estão mais experientes e ganharam armas nesta disputa. “Este é um bom tempo para brigar por mais vantagens. No fim do dia, o importante é sempre o SLA. As empresas que se prepararam com metodologias sofisticadas, como Itil e Cobit, conseguem definir melhor os níiwb veis de serviço”, finaliza. InformationWeek Brasil

03.09.09 19:22:36


For IT by IT

Tudounificado Ilustrações: divulgação

Superintende de segurança de TI do Banrisul, Jorge F. Krug, detalha o projeto que culminou na oferta de um cartão múltiplo com soluções de crédito e débito e certificação digital para acesso ao internet banking

Experiência Jorge F. Krug > Graduado em análise de sistemas pela PUC-RS, pós-graduado em engenharia de software da UFRGS e tem especialização em informática aplicada pela White Plains (Nova York, EUA) > É superintende da unidade de segurança de TI do Banrisul e presidente da Autoridade Certificadora do Estado do Rio Grande do Sul > No Banrisul, supervisionou o desenvolvimento do primeiro internet banking > Introduziu o modelo de cartões inteligentes multiaplicação, convergindo num mesmo chip, aplicações EMV e PKI  compatível com o padrão Brasileiro ICP-Brasil  > Indicado a um assento no board do PCI Council (Payment Card Industry) para o período de 2009/2010

66

lay_foritbyit 66

O segmento bancário começa a se render ao uso de cartão múltiplo para as aplicações de crédito, débito e certificação digital. E isto é um case de sucesso. Desde o advento da automação bancária, o setor vem utilizando o cartão com tarja magnética na autenticação do cliente, durante o acesso aos produtos e serviços oferecidos. Este modelo ficou como um símbolo do banco e do cidadão bancarizado. No entanto, com a difusão da tecnologia, esse eficiente mecanismo de autenticação passou a ser objeto de ataques do crime organizado. Sua tecnologia simples e de fácil acesso possibilita a clonagem e o seu uso indevido, fazendo com que o cartão com tarja magnética passasse de ícone tecnológico para ícone de fraudes. Isso exigiu do sistema bancário uma ação rápida para estancar prejuízos e garantir a confiabilidade de seus sistemas informatizados, levando ao atual cartão com chip. A tecnologia teve início discreto na década de 1980 e um avanço exponencial no início deste século. O antigo cartão — já conhecido como dinheiro de plástico — recebe um circuito integrado de última geração e uma aplicação embarcada baseada em um padrão mundial chamado EMV, sigla de um consórcio montado pelas principais bandeiras mundiais para transações de crédito e débito. Este conjunto possui a capacidade de autenticar de forma segura o seu portador, tanto na rede bancária como de crédito e débito em geral. Enquanto o modelo com chip estava se consolidando no Brasil e no mundo, outros dois fortes movimentos vinham ganhando força no mesmo período: os serviços bancários pela internet e o uso de certificados digitais para autenticar pessoas e assinar documentos eletrônicos (PKI).

Na rede mundial O histórico de uso de internet banking é quase de conhecimento geral, mas o movimento brasileiro para padronização da certificação digital, liderado pelo ITI sob InformationWeek Brasil

03.09.09 10:51:32


o

a bandeira ICP-Brasil, passou despercebido a muitos. O uso de certificados digitais pelo cidadão em geral para acessar serviços de e-gov, como os oferecido pela Secretaria da Receita Federal (SRF), impulsionou a disseminação desta tecnologia. Associado a isto, o certificado digital se mostra uma solução segura e confiável para a autenticação do cliente no banco pela web, o que levou o sistema bancário de observador a player neste negócio. Com o estabelecimento de todos esses elementos na mesa do jogo, coube uma nova discussão: o cliente bancário teria dois cartões — um para o crédito e débito (padrão EMV) e outros para acesso ao internet banking, assinatura de documentos eletrônicos e acesso a serviços de e-gov (padrão PKI)? Do ponto de vista tecnológico, a indústria em geral oferecia duas opções: uma tecnologia mais simples que abrigava aplicações distintas em cartões distintos ou uma solução mais sofisticada que, em um mesmo cartão, oferecia a possibilidade de integrar tanto a aplicação PKI como a EMV.

Setembro de 2009

lay_foritbyit 67

Antes mesmo desta discussão iniciar, o Banrisul identificou a necessidade de pesquisar o assunto e desenvolver um projeto que atendesse às necessidades do banco frente ao avanço constante da tecnologia. Uma peculiaridade frente aos demais bancos brasileiros é que possuímos uma rede própria de débito — o Banricompras —, enquanto os demais estão atrelados às redes das bandeiras de crédito. Essa peculiaridade, agregada a uma inclinação para a vanguarda tecnológica, fez com que o banco começasse um projeto há alguns anos para utilização de um cartão único com as soluções de crédito e débito (EMV) e certificação digital (PKI), com acesso ao internet banking. O Cartão Múltiplo Banrisul exigiu anos de pesquisa e desenvolvimento, pois envolveu a construção de uma aplicação EMV e PKI para o cartão, além da migração da rede de atendimento para aceitar a tecnologia com chip, a adequação do autorizador bancário para transações EMV, do sistema de personalização para emissão de cartões e o desenvolvimento de aplicações de baixo nível para integração da aplicação PKI com os sistemas operacionais, browser e gerenciadores de caixa postal de mercado. Após anos de discussão sobre o tema “cartão múltiplo”, o sistema bancário brasileiro está dando os primeiros sinais de definição. Isso é observado pelos anúncios feitos neste ano pelos dois principais bancos estatais: emissão de cartões que oferecerão ao cliente a aplicação EMV e PKI. Essa decisão é mais do que apenas uma opção tecnológica, pois ela representa maior economia na emissão do cartão e maior facilidade ao cliente, que, com um único plástico, poderá ter atendidas as suas necessidades de acesso e autenticação em diversos canais. Olhando lá para meados do ano 2000, quando se começou a discutir esta tecnologia e levar o assunto para as rodas nacionais, vemos realmente um grande avanço. O esforço realizado no projeto Banrisul e a incansável defesa desta solução em nível nacional, já nos renderam reconhecimento por diversas entidades internacionais, além da satisfação de observar que a solução adotada está hoje alinhada com os principais avanços que a tecnologia tem sofrido nos últimos anos.

67

03.09.09 10:51:48


Mercado

TI virou recurso essencial: O uso da tecnologia da informação, surgido há décadas no ambiente corporativo, expandiu-se sucessivamente, passando dos CPDs pelas mesas dos funcionários aos lares da classe média para, enfim, hoje chegar a praticamente toda a população. Tudo isto graças a diversas iniciativas batizadas de “inclusão digital”. O uso da TI tornou-se fundamental à gestão do dinheiro circulante (por exemplo, nos bancos e na arrecadação de impostos), à comunicação entre as pessoas (como nas redes sociais e na telefonia IP), ao entretenimento (estão aí as músicas mp3 e vídeos digitais para comprovar) e a vários outros aspectos da vida diária de toda a população. A tendência — ninguém discute — é que a tecnologia faça parte de forma ainda mais forte de nosso dia a dia. Como consequência, seu uso se torna cada vez mais semelhante ao de outros recursos essenciais ao funcionamento de nossa sociedade, assim como, por exemplo, a disponibilidade de alimentos ou de energia elétrica. Entretanto, enquanto existe uma preocupação geral e mais em particular no governo, existem ministérios específicos e planejamento de longo prazo — quinze anos no caso da energia — para a gestão destes recur-

68

lay_mercado 68

Foto: Magdalena Gutierrez

precisamos geri-la! Roberto Carlos Mayer é diretor da MBI, presidente da Assespro São Paulo e membro do conselho da Assespro Nacional. E-mail: rocmayer@mbi.com.br

sos. Contudo, no caso da tecnologia da informação há um enorme número de iniciativas (públicas e privadas), leis e ONGs, decretos e voluntários, gratuitas e pagas, federais, estaduais, municipais ou comunitárias, visando ao melhorar o uso da TI. Acreditamos, salvo prova em contrário, que todas elas sejam bem-intencionadas, mas elas são desenvolvidas sem nenhuma “linha mestra”, o que gera desperdício de recursos e, em alguns casos, contradições nos objetivos. Propomos, portanto, a criação de uma estratégia nacional para o uso da TI, de longo prazo (pensamos que o ano do bicentenário da Independência — 2022 — seja uma boa referência), que defina claramente os objetivos e os meios para que estes sejam atingidos. Para que tenha chance de ser bem-sucedido, este tipo de planejamento deve ter o envolvimento de outros setores da sociedade (além do mundo da TI). Precisamos ter a coragem de tocar nas chamadas “pedras nos sapatos” e trabalhar firmemente para realizar a promessa do bem-estar gerado pelo uso intenso da TI em todos os aspectos da vida nacional. O momento a ser gerado pela nova campanha eleitoral a nível nacional em 2010 é uma oportunidade para pavimentarmos o caminho até 2022. InformationWeek Brasil

03.09.09 18:54:51


ARGENTINA – BRASIL – CHILE – COLOMBIA – PERU – USA

INFORMATION SECURITY SOLUTIONS

Proteção integral da informação Gestão de riscos de segurança Monitoramento e controle Controles e Seguranças Tecnológicas Educação e Treinamento Excelência conquistada e reconhecida em 2 importantes prêmios:

WTC - Av. das Nações Unidas, 12.551 - 25º andar - Brooklin – SP

/

(11) 3043-8800 /

www.etek.com.br


Adeus,

Na Prática

Portal Terra troca provedor de help desk, que agora cumpre SLAs, permitindo ao portal vislumbrar uma atuação mais estratégica suportada por indicadores de desempenho

O serviço de help desk baseado em body shop, que operou nos últimos cinco anos, era classificado como “bom”, na avaliação do gerente de TI do Terra na América Latina, Leandro Bancalero Mendonça. O problema é que o modelo não trazia indicadores precisos sobre o andamento dos cerca de mil chamados abertos todos os meses pelo time interno do portal, formado por aproximadamente 600 colaboradores no Brasil. “Acompanhando algumas estatísticas da época, que não eram muitas, concluímos que tínhamos terreno para melhorar”, avalia o executivo, citando que a ideia de mudança veio à cabeça dos gestores de tecnologia em meados de 2008. A reflexão coincidiu com um momento intenso de desenvolvimento pelo qual o portal passava e que demandou esforços extras de TI. “Chegamos à conclusão de que aquele modelo de trabalho não atendia mais à expectativa de resultado da empresa”, Mendonça. O futuro do Terra exigia, naquela época, mais qualidade e isso viria de um suporte estruturado por meio de um acordo de nível de serviço (SLA, na sigla em inglês). Durante seis meses, a área de tecnologia desenhou o que queria do novo contrato em termos de qualidade para poder cobrar depois. “Fomos bastante agressivos no que pedimos”. Isso porque, nas palavras de Mendonça, nos

70

lay_napratica_terra 70

tempos do body shop o suporte resumia-se ao básico. Na formatação baseada em SLA, três níveis de serviço viriam compor as rotinas do help desk: receptivo, atendimento em campo e administrativo. A primeira camada faz a triagem e resolve os problemas mais simples (que compõem 60% das demandas) dos usuários remotamente. Na segunda, como o próprio nome diz, o analista soluciona ocorrências in loco. O terceiro, e grande diferencial frente ao que existia até então, refere-se à manutenção dos servidores corporativos, possibilitando geração de inventários e relatórios que tornariam o processo mais estratégico. Oito empresas foram avaliadas. Quatro delas passaram da triagem técnica e apresentaram propostas financeiras. Sem abrir números ou detalhar diferenças monetárias, o gerente sinaliza que os custos acompanharam a complexidade da nova estrutura. Em janeiro de 2009, o Terra bateu o martelo contratando a CPM Braxis para o serviço pelos próximos quatro anos. O executivo lembra que havia muita preocupação com o impacto causado pela transição. “A mudança no fluxo de aprovação e o controle maior das ocorrências poderia parecer mera burocracia”, analisa. Para evitar um período tumultuoso, a empresa decidiu pela não sobreposição de contratos. O novo provedor contratado substituiu sete body shoppers por 15 profissionais terceirizados e avaliados por proInformationWeek Brasil

04.09.09 13:52:06


s, body shop jeto entregue. De janeiro a março, este time fez uma fotografia do que era a TI do portal e começou a operar. Com a alteração de fornecedor, a média de solicitações subiu para 1,2 mil ocorrências por mês. Segundo o gerente, o aumento atrela-se a um controle mais apurado e também porque, no passado, algumas solicitações não eram contabilizadas. Após os primeiros três meses de contrato, o portal já aponta melhorias na gestão de serviços de tecnologia, maior controle, qualidade e rapidez ao atendimento dos usuários. Os relatórios emitidos sobre as ocorrências garantem ao time de TI agir proativamente a medida que os problemas mais comuns conseguem ser tratados com mais atenção e antecedência. Menos de seis meses depois, Mendonça valoriza o resultado obtido. “Antes,

Em foco

Desafio: melhorar o desempenho do help desk Solução: trocar serviço baseado em body shop

Resultado: SLA de 91% em pouco mais de seis meses de projeto

Setembro de 2009

lay_napratica_terra 71

tínhamos um atendimento que entregava 50% do que estava acordado e, em junho, já trabalhamos com 91% do SLA”, dimensiona. O Terra, agora, ruma aos 99% nos níveis de serviço previstos para 2010. O gerente espera que, no longo prazo, o provedor de serviços forneça melhor visibilidade dos processos e que isso colabore para o planejamento da TI. Os indicadores recebidos ajudam a direcionar a força de trabalho para desenvolvimento de novos serviços. “Não tínhamos uma parte forte de inovação e já começamos a vislumbrar esses caminhos”, projeta o executivo, que tem recebido feedback positivo dos funcionários sobre a troca de fornecedor. “Mesmo quando recebo críticas dos usuários, a pessoa traz uma sugestão.” Por este resultado, os gestores de tecnologia não descartam expandir o acordo com o novo provedor para outras regiões da América Latina onde opera num iwb futuro próximo. (FD)

71

04.09.09 13:52:48


Na Prática

Tanque cheio e combustível pago Felipe Dreher

Foto: divulgação

BR Distribuidora automatiza abastecimento de aviões com tecnologia móvel. Processo reduz inadimplência e aumenta capacidade de atendimento

O avião chega ao aeroporto precisando abastecer. Um caminhão da BR Distribuidora se aproxima da aeronave e o piloto informa o volume de combustível necessário. O operador identifica a companhia (cliente) e em um dispositivo móvel insere os dados do processo. Com o tanque cheio, o motorista imprime um comprovante de entrega para o responsável da companhia aérea. No final do abastecimento (ou no fim do dia para dados capturados ao longo da jornada de trabalho), o operador da distribuidora descarrega as informações do PDA em um computador de coleta. As informações vão para um servidor central e, em seguida, para o sistema de gestão empresarial (ERP), que processa o faturamento em tempo real. Mas em sempre foi simples assim. Durante muito tempo, o processo de venda de combustíveis de aviação era manual — da litragem à identificação das aeronaves. Os

72

lay_napratica_brdistribuid 72

comprovantes eram digitados um a um no computador e enviados, via disquete, para a gerência da operação. Naquele contexto, consolidar informações e fazer o faturamento demorava até 15 dias. Ruim? Nem tanto. Sergio Alves, consultor de projetos da BR Distribuidora, recorda que este era o procedimento adotado apenas nos quatro maiores aeroportos do Brasil. “Nos outros 90, os comprovantes eram mandados via malote e processados em 17 gerências da BR”, relembra o profissional. O processo, com sorte, levava 20 dias e o modelo, entre outros percalços, acarretava elevado índice de inadimplência. A mudança no sistema começou por volta do ano de 2001, quando a distribuidora começou um primeiro movimento para automatizar o processo de venda de combustíveis suportado por uma solução de mobilidade. A iniciativa pensada na ocasião não foi levada adiante por falta de aderência. “Utilizávamos uma tecnologia de smart card com InformationWeek Brasil

04.09.09 13:56:39


Foto: divulgação

go

arquivos binários. Naquela época, também não tínhamos equipamentos robustos para a aplicação desejada”, recorda Alves. Mesmo não evoluindo, a incursão não foi descartada totalmente e serviu como embrião para uma nova tentativa três anos mais tarde. Assim, em 2004, a empresa retomou a ideia de substituir a caneta e o papel por um sistema mais automático e eficiente. Mas, desta vez, o projeto foi desenhado de outra forma, englobando desde a captura dos dados até o servidor central. Para o consultor, este novo foco permitiu encontrar a chave de sucesso. A distribuidora partiu para uma solução dentro da plataforma Windows Mobile num PDA de características industriais. Com isto, o operador do caminhão para abastecimento consegue validar a transação por meio deste dispositivo móvel, que transmite as informações para o servidor de banco de dados Microsoft SQL Server, responsável por unificar as informações e enviá-las para a solução de faturamento. Em seguida, é realizado o abastecimento da aeronave e emitido — ainda na pista — o comprovante da operação, que tem valor fiscal. Após um ano de elaboração, a iniciativa entrou em fase de piloto durante três meses no aeroporto de Brasília (DF). Passada esta fase, entre novembro de 2005 e novembro 2006, a BR Distribuidora estendeu a solução a outros 93 aero-

portos brasileiros. Pelas contas do consultor, a iniciativa consumiu investimentos de cerca de R$ 7 milhões e, além dos softwares da Microsoft, contemplou 328 coletores da Intermec e 56 computadores — chamados subconcentradores. Os caminhões de abastecimento receberam, ainda, uma mesa metálica com a impressora do comprovante de entrega, um berço para o PDA, um painel de alimentação de energia elétrica e o registrador. O computador central tem conexões seriais com sede da estatal, no Rio de Janeiro (RJ), onde as informações são consolidadas para, então, ficarem disponíveis via internet para consulta das companhias aéreas. “Com o sistema, tudo ficou muito mais padrão, pois a tecnologia ajuda na operação”, avalia Alves, ao detalhar o processo linear que abre esse texto. A solução garantiu precisão no controle de estoque de combustível, que reflete melhor controle financeiro uma vez que o operador sabe os clientes inadimplentes antes do início do abastecimento. Outro benefício foi uma redução de 30% a 40% (atualmente, 30 minutos em média para o abastecimento) no tempo gasto em relação ao processo anterior. Com isso, a companhia consegue ampliar a quantidade de aeronaves atendidas. Segundo a BR Distribuidora, o retorno sobre investimento ocorreu em 12 meses. iwb

Em foco

Desafio: automatizar o processo de abastecimento de aviões Solução: adoção de tecnologia móvel

Resultado: melhor controle de estoque, redução nos níveis de inadimplência e maior volume de aeronaves abastecidas

Setembro de 2009

lay_napratica_brdistribuid 73

73

04.09.09 18:19:18


Na Prática

Processos esp Felipe Dreher

Multinacional italiana de transformação de aço Marcegaglia substitui sistemas de gestão e implementa WMS para obter uma visão mais clara de sua manufatura Quando começou a operar no Brasil, em outubro de 2000, a Marcegaglia, uma multinacional italiana de transformação de aço, preocupou-se em alinhar sua administração a um software integrado de gestão (ERP) de um provedor local. Na expansão dos negócios e com a inauguração de uma fábrica, a empresa identificou que a tecnologia usada não cumpria todas necessidades de gerenciamento de produção. “O sistema que tínhamos até 2002 não estava sincronizado às áreas de negócio”, recorda Celi Luciano Gonçalves, que nessa época ingressou na companhia para gerenciar o departamento de TI. A indústria, então, sentiu a necessidade de investir em um novo ERP para dispor de um processo controlado de produção. A planta tem capacidade instalada para prover 7 milhões de condensadores aramados, 240 milhões de metros de tubos de aço para refrigeração, 250 mil toneladas de tubos de aço carbono, 6 mil toneladas de tubos de aço inoxidável, 13 mil toneladas de blancks e 45 mil toneladas de slitter. As primeiras exigências para a escolha de uma nova fornecedora eram que ela fizesse a transição de todo o banco de dados existente e que deixasse disponíveis novos módulos, a serem implantados em menor tempo. Para chegar a este nível de detalhamento, Gonçalves assumiu o desafio de estabilizar e substituir o ERP existente e em seguida implantar o Logix, da Logocenter. O fornecedor ajudou a formatar processos. “Queríamos uma reimplantação do sistema dentro de uma visão es-

74

lay_napratica_marcegagila 74

truturada. Iniciamos naquela época a inserção de novos módulos, o treinamento das equipes e a adequação das funcionalidades”, detalha Gonçalves. Os trabalhos começaram na área de saída, que engloba do pedido de venda até a entrega do produto. “Focamos primeiro na parte onde entra o dinheiro”, justifica. O passo seguinte foi atacar os pontos de entrada — da compra de produtos, recebimento e estoque. Quando essas duas frentes se estabilizaram, o time de TI começou a estender a solução para a manufatura. “Fomos fazer o gerenciamento da fábrica para gerar o custo de venda de forma integrada, online, com informações concretas e sólidas”, conta o gestor, mencionando que este processo caminhou entre 2002 e 2003. Na visão do gerente, enquanto toda parte “básica” não estivesse pronta, o projeto não entraria na segunda fase, quando os módulos seriam adicionados à espinha dorsal do produto. A partir dessa base, Gonçalves, pouco tempo depois, pode instalar um aplicativo de business intelligence (BI) que ajuda a Marcegaglia a traçar suas estratégias de negócio com gráficos atualizados a cada 15 minutos. A estabilização do ERP ajudou, também, no processo de descentralização de vendas por meio de representantes. “Geramos uma independência de 90%. Os vendedores podem consultar o Logix para as questões de estoque, de crédito do cliente, dos pedidos colocados por ele, auxiliando sua venda”, explica. O sistema permite acompanhar todo o processo, desde as informações originadas nos fornecedores até a emissão da nota fiscal eletrônica. InformationWeek Brasil

04.09.09 15:23:46


espelhados

a ra

Todo esse esforço culminou, em outubro de 2008, com a implantação de um módulo de gerenciamento de armazém (WMS, do inglês warehouse management system) da Totvs. O gerente classifica esse ponto como um grande desafio, devido às necessidades de personalização demandadas. “Hoje, eu consigo enxergar onde está localizado um fardo de tubo”, comemora o gerente de TI. O sistema apresenta todo o fluxo do produto, gerando um ganho de volume e velocidade de separação e busca no estoque. “Assim que abro as ordens de produção no ERP, passo para os sistemas das máquinas, onde os operadores identificam a necessidade de produção e buscam a matéria-prima correta”, detalha. A solução de WMS disponibiliza também a administração do pátio, das agendas de recebimento e expedição por dia, hora e doca, além de definir prioridades para entrada e saída de produtos, administração da carga de trabalho, interface com o fornecedor para captura das notas fiscais, checagem dos itens recebi-

dos e tratamento das divergências e danos, consultas e emissão de relatórios de todo a cadeia. O executivo não quantifica o investimento que ajudou a promover a revolução na companhia ao longo dos anos. Segundo Gonçalves, somente entre 2007 e 2008, a Marcegaglia aplicou R$ 2 milhões em tecnologia da informação, que visaram primordialmente à migração de sistemas para versão mais atuais. Atualmente, 100% da produção é espelhada no software de gestão. Gonçalves lista como benefícios principais os ganhos em agilidade. “Outro ponto que consideramos ser importante é poder rastrear e a integração e confiabilidade das informações”, enumera. Justamente por tais questões, justifica o gerente, a opção de manter o máximo de sistemas possíveis originários de um fornecedor único — o que poderia ter sido um erro, caso da fusão Microsiga com a Logocenter (que originou a Totvs) desse errado. “Tivemos uma preocupação inicial”, recorda o executivo sobre o movimento. Tal sensação desfez-se quando a provedora apresentou Desafio: obter maior controle dos processos de produção o plano de investimento previsSolução: substituir sistema mais administrativo por ferramenta mais aderente aos processos de manufatura to na linha de produtos utilizaResultado: espelhamento de 100% da produção no ERP iwb da pela indústria.

Em foco

Setembro de 2009

lay_napratica_marcegagila 75

75

04.09.09 15:24:03


Novo mundo

Lembro-me como se fosse hoje de quando vi, em 1981, o filme De Volta para o Futuro, na casa de amigos dos meus pais. Do alto dos meus seis anos de idade, sonhei pela primeira vez com aquilo. Imaginei por meses como seria conhecer meus pais jovens, participar de acontecimentos históricos, ver de perto o que só os livros podiam nos contar. Mais tarde, quando li Operação Cavalo de Tróia, de J. J. Benitéz, pude relembrar toda aquela imagem de infância. Durante muitos anos li sobre isso. O físico e matemático Stephen Hawking acabou com minhas expectativas quando, questionado sobre a possibilidade de uma viagem no tempo, foi incisivo: nunca fomos visitados por alguém do futuro. Seria aquele o fim da minha busca. Contudo, o mundo evoluiu e um dia, um curioso funcionário de uma empresa americana investiu tempo para construir uma engenhoca capaz de realizar tal façanha. Pensou bastante em como fazer o que as pessoas queriam. Elas querem poder voltar no tempo, sentir sensações, ver pessoas e poder trazer isso para o mundo real. Criou uma grande nave chamada Orkut. Seu sobrenome seria utilizado eternamente para tal façanha. Brasileiros invadiram rapidamente a nave e, de uns anos para cá, navegam entre o antes e depois com uma maestria invejável. Conseguem façanhas incríveis como a de trazer do passado somente aqueles que querem, descartar aqueles que não trouxeram muita felicidade e explorar o futuro, especular, vivenciar, conhecer pessoas novas e trazê-las para o mundo real, casando inclusive. Não imagino uma definição mais adequada do que “A Fantástica Máquina do Tempo”. Tenho uma cadeira lá e consegui em um ano encontrar pessoas e cenas

76

lay_novo_mundo 76

Foto: Ricardo Benichio

A fantástica máquina do tempo

Alberto Leite é diretor-executivo e publisher da IT Mídia

tão antigas que muitas vezes penso em desistir deste negócio. Nostálgico ou não, nos faz pensar, refletir e trazer opções de vida diferentes daquelas que temos, o que pode ser bom, ou ruim. No filme, o cientista Dr. Emmet Brown diz que você jamais deve interferir no passado, pois isto poderia quebrar o espaço e o tempo, o que com certeza não foi bem entendido no filme. Hoje, o que mais se vê com o uso de tal máquina é o aumento de problemas com a utilização. Pessoas se separando de seus cônjuges, mudando de país, falando novas línguas, trocando de gostos, desejos, comendo novas comidas, visitando novos espaços, fazendo novas propagandas, amando novamente, amando pela primeira vez, encontrando amigos e familiares perdidos, encontrando suas almas também perdidas, curtindo ou gastando tempo com um computador, mandando currículos e trocando de empregos, sonhos e vidas, tem gente que até troca de nome, personalidade e passado. Poucos ouviram o velho Emmet. O que isso tem a ver com o mundo corporativo? Tudo. Todos vivemos conectados neste mundo, seja ele de presente ou de passado. O importante é entender o que é isso e seu impacto para o futuro. Penso que seria vital para aqueles que navegam nesta nave ou em outras que apareceram, poderem ter tempo para assistir ao filme sobre o tempo. Tal prática trará uma reflexão profunda sobre quem somos, para onde vamos e o que queremos com nosso passado. InformationWeek Brasil

03.09.09 10:49:56


SYMANTEC É

PREVENÇÃO CONTRA PERDA DE DADOS. Confidence in a connected world.

Compre esta solução na

Telefone: (11) 3054-1700 comercial@ez-security.com.br www.ez-security.com.br


www.informationweek.com.br

>

ANALYTICS BRIEF COM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO EM ESPERA, É HORA DE LIMPAR AS OPERAÇÕES DE TI E FOCAR EM BONS NEGÓCIOS COM OS FORNECEDORES

INOVAÇÃO NA INFRAESTRUTURA MARY HAYES WEIER, DA INFORMATIONWEEK EUA

lay_analytics 79

03.09.09 10:24:21


ANALYTICS BRIEF A falência da Washington Mutual (ou WaMu), em setembro do ano passado, marcou o inicio da recessão econômica. Mas, para JPMorgan Chase, marcou uma oportunidade. E para Guy Chiarello, CIO da JPMorgan Chase, foi o momento certo para investir em infraestrutura de TI para a empresa, incluindo milhões de dólares e novos computadores mainfraime. Ao adquirir um pedaço grande dos negócios da WaMu por US$ 1,9 bilhão, incluindo as filiais supervalorizadas na costa oeste e pilhas de empréstimos imobiliários que não foram pagos dentro do prazo estipulado, a JPMorgan Chase já aumentou seu rendimento em banco de varejo e empréstimos pessoais. A empresa modernizou o sistema Z10, da IBM, pouco depois da aquisição, criando uma infraestrutura de mainframe capaz suportar os volumes atuais e ainda gerar capacidade sob demanda, para que a empresa pudesse absorver o portfólio e os dados de clientes da WaMu e ter mais eficiência quando os negócios voltarem ao prumo.

80

lay_analytics.indd 80

InformationWeek Brasil

03.09.09 10:33:44


Enquanto alguns CIOs deram uma

mentos selecionados, já que alguns CIOs

pausa nas iniciativas de infraestrutura de

aproveitam a oportunidade de moderni-

TI, a equipe de Chiarello, do JPMorgan

zar e reduzir os custos nas infraestruturas

Chase, vem investindo tempo e dinheiro

antes da reviravolta, quando os projetos

em hardware, upgrade e virtualização

de crescimento voltarão a dominar a

de desktops e servidores por toda a

agenda da tecnologia corporativa.

empresa. As negociações vantajosas

Algumas das ideias mais inovadoras e

com os fornecedores oferecem uma eco-

inteligentes em TI hoje não têm nada a ver

nomia de 25% sobre o que a empresa

com, digamos, softwares que ajudam no

gastaria em novos hardwares durante

crescimento da base de clientes e melho-

tempos melhores, o que marca um pon-

ra a colaboração com parceiros. “Quan-

to nos preços que pode ser difícil para

do o negócio prospera e as demandas

os fornecedores reverterem quando a

aumentam, a infraestrutura precisa servir

economia der a volta por cima. Tempos

o negócio de forma progressiva, deixan-

ruins? Para Chiarello, não poderiam

do menos tempo no portfólio para focar

ser melhores para os negócios, mesmo

em melhorias.” Se você está no cargo de

com a “enorme pressão” sobre seu or-

CIO, o momento mais interessante para

çamento. Ele não sabe quanto tempo a

infraestrutura é quando o ambiente está

competição por melhores preços entre os

pra baixo; e o mais interessante para de-

fornecedores vai durar, mas a empresa

senvolvimento de aplicativos é quando

já se posicionou. “Não vou pagar um

tudo está em funcionamento.

centavo a mais [do que já pago] pela última coisa que comprei.”

Entre as inovações ganhando força estão a virtualização de servidores e,

A chamada inovação na infraestrutura

de forma menos estendida, a virtualiza-

de TI está surgindo em várias empresas.

ção de desktops, além da computação

São tempos difíceis, sem dúvida, com

em nuvem, softwares de código aberto

quedas nos rendimentos derrubando os

alternativos, novos bancos de dados de

orçamentos de TI e forçando demissões,

eficiência energética, voice network de

o que levou a taxa de desemprego em

baixo custo, incluindo comunicações uni-

TI nos EUA de volta à 2004, com mais

ficadas, automatização espandida de

de 5%. O Gartner prevê que os gastos

TI e novos processos e softwares para

globais em hardware de TI vão cair 16%

rastrear custos e usos de sistemas de

neste ano e continuarão iguais no ano

TI. Em um relatório de abril, o Gartner

que vem. Prevê também que os gastos

cita a redução de custos com TI como

com serviços de TI devem cair 5,6% em

a estratégia número dois dos CIOs em

2009, o que reflete a falta de novos pro-

2009, um salto em comparação com o

jetos em andamento.

nº12, em 2007. A entrega de projetos

Mas resumir isso tudo como “nada

que permite o crescimento do negócio

demais acontecendo em TI” seria uma

caiu do 1º lugar para o 3º neste ano. A

visão superficial. Debaixo desta penum-

nº1 ficou para a ligação entre negócio

bra, existe um turbilhão de atividades,

e estratégias e planejamento de TI, que

novos pensamentos e, até mesmo, investi-

ano passado estava ficou como a nº2.

Setembro de 2009

lay_analytics 81

04.09.09 16:31:17


Analytics brief À base de cafeína A JPMorgan Chase — que devolveu os

crescimento e, como resultado, diz Shepard,

novos computadores quando vimos este

US$ 25 bilhões dos fundos TARP (Troubled

investimento em infraestrutura de TI era “um

enorme inventário de máquinas ainda com

Asset Relief Program) para o governo dos

tipo de competição”. Assim como o sucesso

garantia”, disse Shepard. Usando o sof-

EUA e registrou lucro de US$ 2,7 bilhões no

da Starbucks era um símbolo dos bons tem-

tware de gerenciamento de propriedade

último trimestre — tem, agora, uma posição

pos, a queda em seus faturamentos em 2008

da Apptio, a área de TI agora controla os

melhor que muitas empresas para investir

e a decisão de diminuir o ritmo na abertura

PCs, seu estado físico, o desgaste e a ga-

na sua infraestrutura de TI. Mas mesmo as

de novas lojas e até mesmo fechar algumas

rantia — e também identifica licenças de

empresas cujo crescimento está lento e de-

delas foram sinais de uma economia deca-

software mais caras e que algumas máqui-

caindo vêm aproveitando o momento para

dente. O falatório sobre redução de gastos

nas não precisam mais.

corrigir o que estiver errado.

se intensificou na empresa e demissões atin-

A Starbucks também usa o software App-

John Shepard, diretor de infraestrutura

giram algumas áreas, incluindo a de TI. Em

tio para comparar os custos de manutenção

global de TI da Starbucks, juntou-se à ca-

maio de 2008, a Stabucks nomeou o novo

em PCs mais antigos e determinar se, em

deia de filiais da cafeteria em novembro de

CIO, Stephen Gillett, antigo CIO da Corbis,

alguns casos, não é melhor comprar um

2006, na época em que muito mais gente

uma empresa de imagem digital que perten-

novo, examinando fatores como histórico

podia gastar cerca de US$100 por mês

ce a Bill Gates. Em outubro de 2008, embar-

de suporte de TI em máquinas individuais e

nos expressos matinais e lattes vespertinos.

cou em uma nova abordagem de gerencia-

pesquisas sobre o ciclo de vida típico de mo-

“Uma coisa que fazíamos bem era abrir lo-

mento de propriedade central para TI, o que

delos específicos. Às vezes, a conclusão é

jas, eram sete ou oito todo dia, ao longo do

incluiu um plano para rastrear todos os PCs

que sai mais barato comprar um novo. Mas,

ano.” relembra Shepard. “Nós confiávamos

em todas as unidades do negócio.

acima de tudo, a Starbucks está gastando

que as unidades individuais fariam tudo o

A Starbucks descobriu cerca de 2 mil

menos em computadores - economizando

que precisassem para iniciar o negócio.” A

PCs guardados, que ninguém estava usan-

cerca de US$ 2 milhões que seriam gastos

eficiência perdeu a importância diante do

do. “Nós estavámos gastando dinheiro em

em novos PCs, diz Shepard, principalmente

análise de impacto Risco

Organização de TI

Área de TI - Se feita de maneira certa, as melhorias em infra-estrutura podem reparar os erros cometidos em nome da velocidade e mostrar que a área de TI pode economizar dinheiro.

Área de TI - A área de TI deve mostrar economia - o que geralmente significa demissão de pessoal e eliminação de aplicativos - sem assassinar a moral ou a performance do negócio.

Organização do Negócio

Empresa - Esse é momento em que as empresas devem querem que as equipes de TI trabalhem em infra-estrutura para que elas possam estar focadas em novos projetos quando voltarem os frutos.

Empresa - As empresas não podem se dar ao luxo de interromper operações.

Competitividade - Os concorrentes mais espertos também estão atentos às inoConcorrência de vações em infra-estrutura para reduzir Negócio gastos e agilizar a área de TI

Competitividade - Muitas vezes, investimentos são necessários para melhorar a infra-estrutura, o que pode representar um alto risco na economia de hoje.

Resultado Ponto Principal - As empresas podem superar essa crise tendo menos gasto com infra-estrutura de TI e a possibilidade aproveitar melhor as oportunidades de crescimento quando elas voltarem.

82

lay_analytics.indd 82

Fonte: InformationWeek EUA

Benefício

InformationWeek Brasil

03.09.09 10:34:21


ANALYTICS BRIEF

ALGUNS DOS MELHORES ACORDOS ACONTECEM COM OS FORNECEDORES DE TI QUE LUTAM PARA SE MANTEREM RELEVANTES EM UM MERCADO CONSOLIDADO

para reparar sistemas sem uso. A empre-

pressão que é a TI em Wall Street, Chi-

sa quer, agora, estender seus esforços

arello gosta de compartilhar dicas sobre

de gerenciamento de propriedade para

como atacar uma economia em crise. Alguns dos melhores acordos aconte-

impressoras em rede, telefones celulares

cem com os fornecedores de TI que lutam

e, até mesmo, servidores.

CONSELHO DO CIO DA JPMORGAN

para se manterem relevantes em um mercado consolidado. É mais fácil negociar os preços para hardware do que para

Devido à natureza de informação in-

software. Enquanto isto, as empresas de

tensiva de seus negócios globais, a inova-

software virão atrás de você, pode se

ção na infraestrutura da JPMorgan é mui-

preparar. “Os fornecedores de software

to mais complexa do que a da Starbucks

se sustentam com os lucros de manuten-

e algumas outras. Empresas de serviços

ção e fazem auditoria de inventários,

financeiros, geralmente, gastam entre 8%

tentando arrancar qualquer dinheiro que

e 12% de seu rendimento em TI — isto

puderem”, diz ele. Seu conselho é “man-

quer dizer que a área de TI da empresa

tenha os inventários de gerenciamento de

gastou mais US$ 7 bilhões neste ano. Em

propriedade bem-estruturados e entenda

comparação, varejistas, geralmente, não

os contratos, assim você poderá atacar e

gastam mais que uma pequena porcenta-

combater essa atividade.”

gem de seu rendimentoI. “Serviços finan-

Frequentemente, economizar exige

ceiros podem ser vistos como tecnologia

uma estratégia de infraestrutura signifi-

corporativa que tem o dominio financeiro

cativamente diferente e, às vezes, tecno-

como especialidade”, disse Chiarello,

logias emergentes. Nos últimos meses,

CIO do JPMorgan.

a JPMorgan investiu em rede IP para

Ele marca todos os maus tempos eco-

diminuir contas de telefone com ligações

nômicos em sua carreira — 1987, 1991,

interurbanas em certas regiões. Sua

2001 e 2008 — como os momentos

equipe tem examinado cada banco de

em que “pisou fundo” nas inovações e

dados, avaliando o custo por metro qua-

melhorias na área de TI. “Meu lema é

drado, para garantir que cada um está

sempre ataque versus defesa. Você não

recebendo a carga de trabalho mais

pode poupar para ter sucesso”, ensina.

adequada e trazendo virtualização ao

Depois de três décadas na panela de

servidor VMware onde é necessário. A

PREVISÃO MUNDIAL DOS GASTOS COM TI

84

lay_analytics.indd 84

2008 Gastos | Cresc. Anual (Bilhões de doláres)

2009 Gastos | Cresc. Anual (Bilhões de doláres)

2010 Gastos | Cresc. Anual (Bilhões de doláres)

Software

US$ 221.9 10.3%

US$ 218.3 -1.6%

US$ 225.3 3.2%

Hardware

US$ 379.5

2.5%

US$ 317.8 -16.3%

US$ 317.7

0%

Serviços de TI

US$ 805.9

8.2%

US$761.0 -5.6%

US$ 784.0

3.0%

Telecom

US$ 1.045,2 5.7%

US$ 1.855.9 -4,6%

US$ 1,898.7 2.3%

TI geral

US$ 3.352,5 6.2%

US$ 3.152.9 -6.0%

US$ 3.225,7 2.3%

InformationWeek Brasil

03.09.09 10:34:41


empresa está construindo ambientes priva-

to Hobbit, por exemplo, para gerenciar e

dos de computação nas nuvens para fazer

monitorar alguns sistemas. A empresa está

simulação de mercado e calcular riscos, e

substituindo o SQL Server da Microsoft e os

também está querendo usar serviços públi-

bancos de dados da Oracle em várias ins-

cos de cloud.

tâncias pelo o banco de dados em código

Chiarello também tem cerca de 20%

aberto e de baixo custo da Ingres. “Nós já

dos funcionários (cerca de 30 mil pessoas)

nos cansamos da falta de senso de parce-

usando desktop virtual e ele planeja expan-

ria da Oracle”, declarou Sims, baseando-

dir este número. Como a virtualização de

se na má vontade dos fornecedores de ne-

um computador desktop é feita por meio

gociar ou cancelar licenças para sistemas

de um software baseado em servidor, ele

que a Save Mart não usa mais. Usando

vê a possibilidade de aumentar o tempo

virtualização, a Save Mart tem cerca de

de vida de um PC de três para cinco ou

370 servidores Linux em funcionamento e

seis anos. O objetivo final do CIO é permi-

a empresa investiu, recentemente, em sis-

tir que os funcionários criem seus próprios

temas de armazenamento compartilhado,

ambientes em PC virtualizados. Essa abor-

eliminando milhares de tape drives.

dagem, por sua vez, deve gerar poder de

Há três anos, cada loja da Save Mart ti-

negociação com as empresas de software

nha quatro servidores individuais rodando

para que a empresa pague apenas pelos

Windows, AIX ou SCO. Usando o WM-

softwares que usarem.

ware, cada loja, hoje, tem dois servidores

O QUE MACGYVER FARIA?

rodando em Suse Linux que se espelham, e dois sistemas ponto de venda idênticos e sempre há um backup. “O modelo antigo

rkets, navega em um barco completamen-

precisaria de um técnico no local”, disse ele,

te diferente. Com cerca de US$ 5 bilhões

sinalizando que acabou saindo caro demais

em rendimento anual e um orçamento de

e consumindo muito tempo, especialmente

TI que corresponde a menos de 1% deste

depois que a Save Mart comprou a divisão

valor, ele deve cortar US$ 6 milhões do seu

Albertson’s Northern California, em 2007 e

orçamento neste ano. Está quase lá. Mas

se tornou uma cadeia de 245 lojas.

diz, justificando que lá eles analisam tudo

“PROJECT S” E OUTROS PASSOS DIFÍCEIS

e questionam o que se faz de verdade.

Como muitos hospitais, o Hospital Regio-

“Eu nunca vi uma empresa mais escrupulosa em relação ao valor da TI como nós”,

Sims queria comemorar a inovação

nal New Hanover, na Carolina do Norte,

que corta os gastos com infraestrutura de

EUA, foi abalado pelo número crescente

TI, então, ele criou o prêmio “Miraculous

de pacientes desempregados ou sem pla-

MacGyver”. As ideias para usar software

no de saúde, pelos gastos com pacientes

de código aberto de baixo custo ganha-

em procedimentos médicos arbitrários, cor-

ram alguns prêmios. Agora, a Save Mart

tes governamentais para Medicaid e Medi-

usa o software de código aberto do proje-

care, doações filantrópicas cessadas e per-

Setembro de 2009

lay_analytics.indd 85

Alta Performance em Hardware Armazenamento de Dados e Back Up

Inventário / SAM

Conectividade e Network Outsourcing de Profissionais

em tempo real. Em caso de falha no sistema,

James Sims, CIO do Save Mart Superma-

Sims está acostumado a viver na escassez.

A Axtec Tecnologia oferece soluções completas em infra-estrutura de TI. Por isso, compartilhamos com médias e grandes empresas, diversas possibilidades em soluções e tecnologias de última geração.

Contratos de Suporte Colaboração e Comunicação

Segurança

85

04.09.09 17:38:39


ANALYTICS BRIEF

“PROJECT S”: PLANO DE INFRAESTRUTURA DE UM HOSPITAL

• Queda de 18% no orçamento de TI; • Corte de 70% em projetos de TI orientados a crescimento; • Verba transferida para o “Project S” • estabilização de sistemas, especialmente em registro eletrônico de paciente; • Compra de software para gerenciar e monitorar performance de hardware e software; • Incluindo funções de previsão, assim a área de TI pode informar a um médico se a falha de um hardware afetará o desempenho de um software crítico, mesmo que brevemente; • Por que estabilização? Com os novos registros eletrônicos, “vidas são afetadas quando um sistema cai”, disse o CIO Avery Cloud.

das em investimentos. O orçamento anual

tados. Ao mesmo tempo, mais clientes estão

grande acordo realizado recentemente, o

para TI do CIO, Avery Cloud, foi reduzido

mudando de anúncios em versão impressa

CFO cliente se recusou a aprovar o acordo

de US$ 11 milhões para US$ 9 milhões.

para online e pensando em novos canais,

até que o gerenciamento de TI lhe forneces-

como dispositivos móveis.

se, por escrito, quais cargos específicos não

O lado bom foi que, durante o perído difícil, o hospital pode passar mais tempo

Para acompanhar o ritmo da mudança e

seriam mais necessários já que o software

preparando a infraestrutura de TI para dar

reduzir gastos, a Valassis resolveu consoli-

garantia automatização. “As pessoas que

suporte às iniciativas estratégicas que cer-

dar sua infraestrutura de banco de dados

ocupavam tais cargos foram demitidas ou

tamente virão no futuro. E é ai que entra o

usando virtualização para dar suporte a um

transferidas”, conta Beauchamp.

chamado “Project S”, com objetivo de esta-

número maior de servidores em menos es-

bilizar sistemas e serviços. O hospital cortou

paço e e pegar de volta o título de proprie-

70% dos projetos de estratégias de TI orien-

tária de sistemas que são usado em banco

tados a crescimento, e os recursos que res-

de dados da IBM. Esse projeto envolveu a

A Emerson, empresa de manufatura e

taram foram para o “Project S”. Até agora,

expansão do banco de dados central da

tecnologia, completou, recentemente, uma

o New Hanover conseguiu evitar demissões

empresa, perto de Livonia, Michigan, do

grande consolidação de banco de dados,

transferindo as pessoas.

MOMENTO CERTO DE CONSOLIDAR

centro de operações e a compra de tantos

uma mudança de quando TI descentralizada

Comprou software do Compuware para

equipamentos novos que os caminhões de

era considerada uma necessidade. “Muitas

gerenciar o desempenho da infraestrutura

entrega entupiram o estacionamento em

decisões foram tomadas em unidades indivi-

de TI, assim como o software de gerencia-

algumas noites. “Ao consolidar, a Valassis

duais para que nós pudéssemos reagir com

mento de portfólio de TI para garantir que

cortou US$ 5 milhões por ano dos gastos

mais velocidade às condições de mudança

a verba está indo para os projetos certos.

de sua infraestrutura de TI e US$ 35 mi-

do mercado”, disse o CIO, Steve Hassell.

Também está investindo em virtualização de

lhões em taxas de consultoria de TI relacio-

A antiga estrutura causou muito desper-

servidor para cortar gastos com sistemas.

nadas à um banco de dados outsourced

dício. Depois de múltiplas aquisições, a em-

“Eu não tive a oportunidade de fazer essas

fragmentado”, disse o CIO, John Lieblang.

presa tinha 135 bancos de dados espalha-

coisas antes porque o foco estava nos projetos orientados a crescimento”, disse Cloud.

Enquanto a Valassis trouxe o trabalho em

dos pelo país. Então, decidiu consolidar em

processos de volta pra casa, este raramen-

apenas um grande em Saint Louis e, como

Também são tempos difíceis para a Va-

te é o caso em inovação de infraestrutura.

parte do processo, fez algo um pouco dife-

lassis, empresa de mala-direta, que, entre

Normalmente, pelo menos uma parte da

rente: reuniu a equipe de TI com os arquite-

outras coisas, faz livretos e cupons para jor-

economia feita vem da diminuição na equi-

tos da construção.

nais. A Valassis, que teve US$ 2,8 bilhões

pe de TI, devido ao aumento na automati-

Uma das decisões mais inovadoras que

em rendimentos no ano passado, tem visto

zação ou eficiência. Bob Beauchamp, CEO

surgiu foi a de colocar o sistema de aque-

as vendas caírem nos últimos seis meses de-

da BMC Software, que desenvolve software

cimento do prédio no telhado junto com as

vido a orçamentos de marketing mais aper-

para gerenciamento de TI, disse que, em um

unidades de ar-condicionado. Inicialmente,

86

lay_analytics.indd 86

InformationWeek Brasil

03.09.09 10:35:27


Como a iSCSI e a FCoE se organizam?

os arquitetos ficaram preocupados com

o bug do milênio fez com que muitas pes-

a ideia, já que não é assim que geral-

soas que não entendiam nada de tecno-

mente se faz; os aquecedores costumam

logia de repente virassem especialistas”,

ser instalados no chão, atrás do prédio.

disse Miller, vice-presidente associado e

uma abordagem modular em expansão,

Hoje, mais do que nunca, é importante

iSCSI fez com tivesse Mas colocá-los no telhado

que os executivos e os profissionais de TI

incorporasse outros núcleos ao principal.

em infraestrutura. Milles cita o exemplo de

O banco de dados começou a operar

um líder executivo que exige um servidor

em meados deste iSCSI ano e irá usar, inicial-

e um sistema de Channel armazenamento extreFibre

dade, mas como TCP/IP resultado da ideia do

FCoE aplicativos deixem de funcionar, mas os

mente, apenas um terço de sua capaci-

Sistema operacional e aplicativos conversem seriamente sobre investimentos Camada SCSI

DROGA RAIA LIÇÕES DA CRISE Crescimento da rede se deve

aplicativos não são tão essenciais para

aquecedores tão perto do sistema de

Aprimorada” te deve ser feito é expor o negócio aos

COMPUTAÇÃO EM NUVEM

PLANEJAMENTO DE CARREIRA

CARREIRA PORTO SEGURO Segurança coloca em xeque Estabelecer metas ajuda a O as empresas mudanças alertam para CIO detalha o serviço emque parte à adoçãonacionais de TI aprenderam decisãoDemissões de adotare cloud alcançar sucesso profi ssionalde trânsito com base com o período de turbulência econômica transformações no cargo de CIO nos dados enviados pelos rastreadores www.informationweek.com.br www.informationweek.com.br

mamente redundantes para evitar que os

telhado, não está usando mais ar-con-

Ethernet dicionado do que precisa. Colocar os

Anuncie no Market Place da InformationWeek atinja mais de 84 mil leitores com interesse em tecnologia.

controlador de TIFCoE da empresa.

Sistema operacional deixando mais espaço para resfriamento e aplicativos somente onde fosse necessário conforme Camada SCSI

O valOr da TI e TelecOm para Os negócIOs

O OV AV LA OL O R RD A D AT I T IE ET ET LE EL CE O C O M MP AP RA AR AO O S SN N E G E G ÓÓ C ICOI O S S| |F eJ va en re ei ir roo ddee 22000099 - - AAnnoo 1100 - - nnº º 221112 O VA L O R D A T I E T E L E C O M PA R A O S N E G Ó C I O S | A g o s t o d e 2 0 0 9 - A n o 1 1 - n º 2 1 8

“Ethernet merecerem esse custo. “O que realmen-

economistas de TI de uma forma que faça ...........................................................................................

ar-condicionado fez com que a empresa economizasse quatro quilômetros em tu-

sentido e seja compreendido por todos”,

Computação em

a FCoE utilizam a ethernet para ousa softwares explica Miller. A empresa transporte dos dados de armazenamento. Mas onde a iSCSI da Digital Fuel para rastrear Em casos,euma infraestrutura de usaalguns o TCP/IP herda as capacidades de recuperação de os custos e perda de pacote e routability (utilização de rotas), a FCoE o uso de TI por unidades de negócio inbaixo custo já está abastecendo inovarequer a utilização de uma ethernet aprimorada e assume as é dividuais. “Não é questão de gastos, ções orientadas a crescimento. O banco propriedades do Fibre Channel. A FCoE é rápida e sem perdas, questão denão valores”, diz ser Miller. “Você gasde mas investimentos está novo usandoe oo protocolo requer Cowen hardware pode roteado. banco de dados Ingres baseado em Linux

ta mais se for um investimento de valor. As

para expandir seu grupo de programa

empresas que não entendem essa relação

de traders e desenvolver um portal para

de forma objetiva, não entendem nem a

Infelizmente, a ethernet aprimorada requer novos chipsets, então, o grupo compartilhar análises com os os NICs “padrões” de ethernet de 10 clientes. O programa de traders executa Gbps e os switches agora lançados análises complexas para ajudar gerentes não serão compatíveis com os estenfinanceiros a tomar decisões sobre onde didos de 10 Gpbs; novos hardwares investir seu capital, trabalho que envolve serão necessários. um grande número de dados. “O Ingres é

maduro o bastante para lidar com tal car-

QUANDO UM É MELHOR QUE DOIS

ga de trabalho e barato o suficiente para ajudar a Cowen a aumentar o programa”,

A ethernet aprimorada pode carregar diversos tipos de tráfego, inWilliam Miller, da Nationwide Insurcluindo TCP/IP e FCoE, então, os faance, diz que, ultimamente, ele percebe bricantes estão a posicionando como muito mais o interesse dos executivos em estrutura universal para os bancos problemas de infraestrutura de TI, o que de dados da nova geração, conectantorna mais fácil colocar os projetos em do servidores com armazenamento, afirma o CIO, Dan Flax.

prática. “Vale lembrar que a luta contra Fevereiro de 2009 Setembro de 2009

lay_Tech Review 63 lay_analytics 87

redes de IP e outros servidores para aplicação de clustering. indústria em que estão”. Os arquitetos de data center e faNão surpreende que os negócios esbricantes sonham com este banco de tejam mal. Mas as empresas não podem dados perfeito, unificado, no qual deixar que suas infra-estruturas de TI sejam uma única estrutura de alto desemsuperadas por seus concorrentes. “O fato penho vai ao encontro das necessié que os orçamentos podem estar apertadades de IP, armazenamento e fluxo dos, mas a demanda por tecnologia está de interservers. Esta é a promessa crescendo”, declarou Chiarello, da JPMorda ethernet aprimorada e do FCoE. gan Chase. “Não é questão de gastar Uma estrutura unificada (fabric) de mais, é questão de gastar com inteligêndata center oferece alguns negócios cia”. Isso significa reconhecer as oportunie benefícios técnicos, incluindo: dades únicas que vêm com uma economia • Menos hardware e gerenciaem crise, e mais importante, entender que mento mais fácil. Somente um infra-estrutura não é questão de manter as par de cabos NIC é necessário luzes acesas. É questão de ajustar os motopor servidor (para redundância), res que tornam possível inovar.

UBM

NUVEM

spEd MUITO DIFUNDIDO PELOS FORNECEDORES, este modelo começa a ganhar espaço no ambiente corporativo. Mas a adoção de cloud computing ainda é lenta e gradual e esbarra em questionamentos sobre segurança, disponibilidade, custo e o que fazer com o legado

12 de º E In ST no form UDO nú ati S o pla mer nW OBR o e E ge neja de ek SE stã m em rev G o co pr ela UR de rte es a A ris s n as um NÇ co a qu en A e to

Tantosubterrâneas. a iSCSI quanto bulações

com extensão do prazo de entrega dos arquivos

para o fisco para o fim de maio, companhias

promovem últimos ajustes nos sistemas de TI

capa.indd 1

17.08.09 17:11:38

Pacotes especiais para programações, confirA!

Para anunciar: Telefone: 11 11 3823-6636 3823-6625 e-mail: comercialTi@iTmidia.com.br fonte: base de dados informationWeek brasil

2/18/09 1:20:44 AM 04.09.09 16:35:02


Estante Governança avançada de TI na prática

A ascensão do “resto” Professora do MIT, Alice Amsden analisa o processo de industrialização tardia de algumas nações emergentes na busca por desvendar como o novo mundo tecnológico luta para superar o atraso. A autora defende a atuação do setor público para equilibrar as forças de mercado. Além de avaliar este cenário, a obra projeta quais problemas devem desafiar os “atrasados” ao longo do século 21. Editora: Unesp Preço sugerido: R$ 70

Imagens: Divulgação

O Andar do Bêbado

88

lay_estante 88

Não é de hoje que estabelecer planos estratégicos e táticos surge como questão de máxima urgência para o sucesso das organizações. Na última década, o papel do gestor avançou junto com as evoluções da própria tecnologia acarretando processos que equilibrem TI, qualidade e custo com aumento de produtividade. A obra de Ricardo Mansur aborda conceitos que permeiam o cotidiano trazendo questões como intensidade ideal do uso de tecnologia da informação, retorno de investimento e demonstração de resultados. Mostra ainda um pouco sobre como a governança de TI pode contribuir para o sucesso organizacional.

Por trás de um título improvável (cujo intertítulo é Como o Acaso Determina Nossas Vidas), encontra-se um curioso livro de ciências. Leonard Mlodinow divaga sobre a interferência do acaso no cotidiano das pessoas, situações “tão previsíveis quanto o próximo passo de um bêbado depois de uma noitada...”. Para isto, o autor apoia-se em exemplos e pesquisas que transitam por diferentes âmbitos da vida, das finanças ao esporte e à medicina. Com tudo isto, o livro oferece ferramentas para ajudar o leitor a conviver melhor com o aleatório e as questões que não consegue controlar.

Editora: Brasport Preço sugerido: R$ 86

Editora: Jorge Zahar Preço sugerido: R$ 39 InformationWeek Brasil

03.09.09 10:53:59


PROGRAMA DE CANAIS INFORMATIONWEEK BRASIL & IT WEB Solução ideal para sua estratégia de branding, relacionamento e geração de leads com os maiores decisores de compra de TI das empresas brasileiras.

ENTRE E CONTATO E SAIBA COMO PARTICIPAR: comercialti@itmidia.com.br -

(11) 3823-6625

APOIO:

w w w . i n f o r m a t i o n w e e k . c o m . b r

programa iwb - novo.indd 29

9/4/09 4:56:00 PM


Inovação

Além da inovação Problemas com trânsito e congestionamento causam dores de cabeça por todo o mundo e tendem a piorar a cada dia. A Sociedade de Transporte Inteligente da América (Intelligent Transportation Society of America) e seus parceiros têm procurado soluções para esses problemas e buscaram a VenCorps para colocar em prática os princípios da Wikinomics. A VenCorps é uma comunidade online que busca descobrir e cultivar as soluções mais criativas para um problema específico. É a evolução da inovação colaborativa, em que a comunidade ajuda a identificar as melhores soluções e depois a construir e cultivar tais soluções. A VenCorps conecta empresários, investidores e facilitadores em uma comunidade de interesses comuns. Em suma, usa a sabedoria popular para atrair, projetar e cultivar as soluções mais inovadoras. (Declaração: Eu sou um dos acionistas da empresa matriz proprietária da VensCorps).

Prêmios em dinheiro são entregues às pessoas que: • Trazem uma tecnologia inovadora ao mercado; • Apresentam soluções dez vezes mais rápidas, inteligentes, melhores, mais baratas, mais fortes etc que as soluções atuais; • Tenham experiência ou histórico de sucesso. Porém, nós sabemos bem que algumas das melhores soluções vêm de iniciantes. • Consigam alcançar a casa dos milhões em rendimentos poucos anos após o lançamento; • Resolvam um problema real; • Seja expansível, custando menos por unidade conforme as vendas aumentem.

90

lay_inovacao_tapscot 90

Foto: Magdalena Gutierrez

colaborativa Don Tapscott é presidente da nGenera Innovation Network, coautor de Wikinomics e de outros dez livros na área de negócios

No caso da Sociedade de Transporte Inteligente, o objetivo é financiar uma empresa que consiga reduzir o impacto ambiental, fortalecer a produtividade econômica, transportar as pessoas de forma mais eficiente e prevenir acidentes. Depois de lançado o desafio, 94 grupos enviaram soluções que foram revisadas e votadas por uma comunidade de 4080 pessoas (Estou familiarizado com várias das sugestões e aconselhei outras, portanto me retirei do processo de seleção). As nove melhores soluções acabaram de ser anunciadas e irão passar, agora, por um processo de análise mais intenso. Os nove finalistas podem ser encontrados neste site (www.vencorps.com/showdowns/its_challenge). Eles são oriundos da Hungria, Irlanda, Canadá, Holanda e Estados Unidos. As origens dessas soluções são tão variadas quanto as abordagens e ideias para fazer dos problemas de trânsito, história. InformationWeek Brasil

03.09.09 10:42:06


Untitled-2 1

03.09.09 11:07:40


Mais de 1000 clientes corporativos mostram quem é líder em Hosting Gerenciado. Conte também com o diferencial Alog. Apoiada em infra-estrutura de classe mundial, inovação, processos e certificações, sua empresa aumenta a governança de TI, a confiabilidade e reduz o custo total de propriedade. A Alog oferece excelência em atendimento e serviços de outsourcing de infra-estrutura de TI.

Saiba mais em www.alog.com.br

0800 232 3300

www.alog.com.br

Hosting Gerenciado l Colocation l Contingência l E-mail Corporativo l Conectividade l Serviços Profissionais | Cloud Computing | Hosted Exchange


Information Week Brasil - Ed. 219