__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

FARROUPILHA

|

ANO XIII

|

EDIÇÃO 656

|

25 DE SETEMBRO DE 2020

|

R$ 3,00

Andrei Cardoso

Vivendo um conto de fadas

Pituchinhus lança coleção H.O.M.E. e reforça, de maneira ainda mais efetiva, a alcunha “Grife Para Princesas” Capa do Inside

EDUCAÇÃO

ESPORTE

Concurso Regional de Contos, Crônicas e Poesias inaugura período para cadastro que segue até o dia 30 de novembro Página 12

No dia 25 de outubro, Brasil Feminino retorna à Série A2 e treinos seguem intensos na contagem regressiva para a volta Página 15 e Preliminar

Inscrições abertas para XVIII Oscar Bertholdo Um mês para gurias rubro-verdes em campo


2

FARROUPILHA, 25 DE SETEMBRO DE 2020

Mirna Messinger

CORRIDA ELEITORAL

Eleição 2020, uma cobertura especial Disputa ao Centro Administrativo Prefeito Avelino Maggioni terá destaque nas próximas 10 Edições do Informante, começando pela Extra da próxima terça

as

grafi

Foto

isso, pensamos numa cobertura especial. Ela começa pelas três Edições Extras. A primeira na próxima terça, quando já estiver iniciado o período eleitoral (que começa oficialmente no domingo), a segunda para o dia 10 de novembro, também uma terça, na semana que antecede o pleito, e a última, essa já tradicional e feita em todo ano de eleição municipal, no pós-pleito, trazendo em destaque a cobertura completa do domingo

ello

vão muito além. Farroupilha volta a registrar quatro candidaturas ao Poder Executivo, fato que não ocorria há seis eleições. Em 1992, quando Paulo Dalsochio foi eleito pela UDF (à época integrada por PDT, PDS e PFL), ele venceu Renato Bellaver (PMDB), Erineu Pergher (PTB) e José Pancotto (PT). De lá para cá, tivemos no máximo três postulantes ao cargo de prefeito. Evidente que é uma situação incomum e, justamente por

d Ton

N

ão há a menor dúvida que esse processo eleitoral é diferente no município. Já seria pelo simples fato de ocorrer numa fase final de pandemia, que atrasou o processo, dificultou as reuniões partidárias, resultou numa série de transtornos e provocou, inclusive, a remarcação do pleito, que foi adiado para o dia 15 de novembro. Porém, as novidades na cidade


3

FARROUPILHA, 25 DE SETEMBRO DE 2020

re

ey N t Fo og a

fi ra

Regressiva Jonas Tomazini e Fabiano Feltrin, Leonardo VilasBôas Conceição e Sedinei Catafesta, Darci Levis e Maria da Glória Menegotto e Francis Casali e Pedro Pedrozo disputam a majoritária

PSB

eleitoral que definirá os chefes do Poder Executivo e os 15 representantes no Poder Legislativo para os mandatos que iniciam em 1º de janeiro de 2021 e vão até 31 de dezembro de 2024. Evidente que nessas 10 Edições, exceto a última, que será restrita à Editoria de Política, outras Editorias também farão parte da publicação, inclusive nas duas Extras, de terça e do dia 10 de novembro, mas é o noticiário político que centralizará as atenções, com o acompanhamento e a cobertura semanal das quatro chapas que disputam o comando do Poder Executivo, artigos, na Editoria de Opinião, dos candidatos à majoritária nesta primeira Edição Extra e na da antevéspera do pleito e, a cada Edição, abriremos um espaço para que os postulantes aos cargos de prefeito e vice apresentem suas propostas sobre temas de interesse público (veja mais sobre a cobertura eleitoral ao lado).

Três Edições Extras

Elas abrem e fecham o calendário eleitoral no Jornal Informante. A primeira circula na próxima terça, com entrevistas com os candidatos das quatro chapas, um perfil dos postulantes ao cargo de prefeito e vice, e o início da série de propostas para a cidade. A segunda Extra circula no dia 10 de novembro, na semana decisiva do processo eleitoral e, por fim, a terceira traz a cobertura do resultado da eleição.

Artigos na Editoria de Opinião

Na Edição Extra da próxima terça e a que antecede a eleição, no dia 13 de novembro, abriremos espaço na nossa Editoria de Opinião para que as quatro chapas escrevam artigos falando diretamente ao eleitor farroupilhense.

Propostas de interesse público

Saúde, Educação, Infraestrutura, Emprego e Renda, Finanças Públicas... são muitos os temas de interesse da comunidade que estão envolvidos em um processo eleitoral. A cada nova Edição, abriremos espaço para que as quatro chapas apresentem suas propostas para áreas vitais para o município, começando pela Edição Extra da próxima terça e terminando na Edição 665, que circula no dia 13 de novembro, antevéspera do pleito.

Acompanhamento das chapas

Durante todas as Edições que circularão durante o período eleitoral, faremos a cobertura da semana das quatro chapas, com matérias, fotos e avaliação dos candidatos à eleição majoritária da corrida ao Poder Executivo.


4

FARROUPILHA, 25 DE SETEMBRO DE 2020

Comentários sobre 10.410 de 2020, que Juliana Godoi *

U

ma das importantes alterações trazidas pelo referido Decreto, refere-se à possibilidade de contagem do benefício de incapacidade para fins de carência. Inicialmente é preciso saber que carência é o tempo correspondente ao número mínimo de contribuições necessárias à concessão de algum benefício. Já o tempo de contribuição se refere a todo interregno de trabalho ou contribuição de início a fim. Assim, um determinado período pode ser computado como tempo de serviço, mas não ser considerado para fins de carência, no caso do auxílio doença ou de aposentadoria por invalidez, atualmente chamados de auxílio por incapacidade temporária e auxílio por incapacidade permanente. Até maio de 2020 havia a possibilidade de utilização do tempo em que o segurado esteve em gozo de benefício previdenciário, exigindo-se apenas que este estivesse intercalado entre contribuições. Sendo que essas contribuições eram dispensadas em caso de incapacidade ocasionada por acidente de trabalho. Assim, além da possibilidade de contar como tempo de contribuição esse interregno, ainda tínhamos a possibilidade de utilização deste período para fins de carência. Entendimento este confirmado pela jurisprudência dominante, a exemplo da súmula 73 da TNU. Porém, o Decreto 10.410, de 30 de junho de 2020, em seu art. 19 C, parágrafo primeiro, estabelece que o período em que o segurado permane-

cer em gozo de benefício incapacitante, ele poderá utilizar esse interregno como tempo de contribuição mas não para carência. E o decreto ainda vai além. Em seu art. 11, parágrafo quinto, ao prever a possibilidade de contribuição em caráter facultativo durante os períodos de afastamento. De modo a nos levar à conclusão que a carência só seria válida nos períodos em que houver o efetivo recolhimento. Contudo, é importante salientar que ainda temos judicialmente decisões contrárias ao previsto pelo Decreto. O que certamente ainda será óbice de muita discussão. Outra importante alteração trazida pelo Decreto 10.410 de 2020 refere-se à contagem no “Tempo de Contribuição”. Anteriormente o tempo de contribuição era contado em dias, meses e anos. Já a carência era contada mês a mês, de acordo com os recolhimentos. Assim, para cada mês que houvesse o recolhimento previdenciário, esse integrava o tempo de carência, independente da quantidade de dias trabalhados dentro daquele determinado mês. Logo, para se contar o mês de carência, basta o recolhimento da contribuição referente aquele período. O Decreto estabelece, em seu art. 19 C, que as competências em que o salário de contribuição mensal tenha sido igual ou superior ao limite mínimo serão computadas integralmente como tempo de contribuição, independente da quantidade de dias trabalhados. Desse modo, com a edição do decreto, o tempo de contribuição passa a ser contado como a carência. Em relação à carência, pós-decreto, o art. 19 E prevê ainda que a par-


5

FARROUPILHA, 25 DE SETEMBRO DE 2020

as alterações trazidas pelo Decreto regula a concessão de aposentadorias Divulgação

tir de 13 de novembro de 2019, para fins de carência e tempo de contribuição exigida ao reconhecimento do direito aos benefícios do Regime Geral da Previdência Social (RGPS) para fins de contagem recíproca, somente serão computadas as competências cujo salário de contribuição seja igual ou superior ao limite mínimo mensal do salário de contribuição. Já nos casos em que o segurado receber abaixo do salário mínimo, o art. 19 do Decreto 10.410 de 2020 prevê que ele contará com as seguin-

tes opções, listadas abaixo. * Complementar a contribuição das competências inferiores ao mínimo, a fim de alcançar o limite de contribuição exigida em Lei; * Poderá ainda utilizar o excedente de meses anteriores para somar a essa contribuição inferior ao limite mínimo mensal; * Ou ainda, alternativamente, agrupar salários de contribuições até que esses atinjam o limite mínimo necessário, por exemplo, soma-se três meses e esse se torna apenas um mês.

Importante observar que o agrupamento proposto pelo referido Decreto só pode ser feito dentro de um mesmo ano, ou seja, entre competências efetuadas dentro do mesmo ano civil; * A complementação pode ser feita pelo segurado a qualquer tempo, porém uma vez realizada é irreversível e irrenunciável. Frisa-se ainda que, em relação a complementação do valor faltante, ela poderá ser realizada até o dia 15 do mês seguinte sem juros. Nos casos em que o segurado for complementar em

momento posterior como, por exemplo, quando do requerimento de sua aposentadoria, incidirá juros legais. Sem dúvida mais um ponto em que o referido Decreto, juntamente com a Reforma da Previdência, prejudica o trabalhador de baixa renda. Eis aí a importância de estarmos atentos às alterações propostas pelos nossos governantes, pois essas sempre implicarão, de uma forma ou de outra, em nossas vidas civis. * Advogada (OAB/RS 87.988)


6

FARROUPILHA, 25 DE SETEMBRO DE 2020

A partir de domingo estará valendo, com atraso, a campanha eleitoral que escolherá prefeito, vice e vereadores. Evidente que pela crise sanitária a ansiedade é ainda maior e isso, somado a outros fatores já verificados nos últimos pleitos, sejam eles municipais ou estaduais e federais, torna esse processo único, especialmente por ocorrer em meio a uma pandemia, e ninguém sabe ao certo qual estratégia será mais adequada, o que garante uma alta dose de imprevisibilidade à corrida eleitoral. Os tradicionais comícios, como o da imagem, dificilmente devem ocorrer. Nossa cobertura do período sem-

pre foi ampla, mas neste ano ela será ainda maior, não somente pelo fato de termos quatro chapas concorrendo ao Poder Executivo, algo que não ocorria desde a eleição de 1992 (veja mais na Matéria Especial, páginas 2 e 3), mas fundamentalmente porque o eleitor está mais antenado, exigente e sabedor da importância de eleger bons quadros e, mais do que isso, cobrar dos eleitos uma conduta apropriada com a função que estarão exercendo. Esse entendimento, essa maturidade política, não resta a menor dú-

Índice

Editorial

Matéria Especial ....................................... Páginas 2 e 3 Editorial ..................................................... Página 6 Opinião ........................................................ Página 7 Saúde ............................................................ Páginas 8 e 9 Economia ..................................................... Página 10 Cidade........................................................... Página 11 Educação ..................................................... Páginas 12 e 13 Esporte ........................................................ Páginas 14 e 15

Inside Especial..................................................... Capa Crônicas da Redação ............................. Página 2 Sétima Arte .............................................. Páginas 2, 3, 6 e 7 Rita Rosa Baretta................................... Página 3

Social ........................................................ Páginas 4 e 5 Fabrício Oliboni ..................................... Página 6 Paulo Roque Gasparetto ..................... Página 7 Horóscopo ............................................... Contracapa Classificados .......................................... 8 páginas

vida, traz vantagens à comunidade já que, em tese, minimiza os riscos de termos, em cargos públicos, indivíduos que estão muito mais preocupados em atender interesses particulares do que trabalhar pela sociedade. Nossa cobertura eleitoral já inicia na próxima terça, com a primeira das três Edições Extras programadas para o período, e segue com as Edições regulares que circulam habitualmente às sextas, com uma diferença

Redação: redacao@jornalinformante.com.br Ramon Cardoso ramon@jornalinformante.com.br

Comercial: comercial@jornalinformante.com.br Fabiano Luiz Gasperin gasperin@jornalinformante.com.br Maria da Graça Potricos Leite maria@jornalinformante.com.br

Anúncios: anuncios@jornalinformante.com.br Marcelo Bortagaray Mello marcelo@jornalinformante.com.br

Financeiro: financeiro@jornalinformante.com.br Keli de Almeida Maciel keli@jornalinformante.com.br

@jornalinformante

básica, que é a Editoria de Política centralizando as atenções pelas próximas 10 Edições. Serão semanas muito intensas e também temos nossa jornada particular, mas não para conquistar o eleitor e sim você, caro leitor, que contará com um noticiário completo da eleição majoritária, sobretudo destacando as ideias, metas e propostas dos postulantes aos cargos de prefeito e vice para os próximos quatro anos. Nosso desejo de sucesso aos candidatos e de um bom voto aos eleitores farroupilhenses. Que o embate seja travado no campo das propostas em prol do município e que o bem de Farroupilha seja prevalente em qualquer discussão.

Assinaturas: assinaturas@jornalinformante.com.br Assinatura Bienal: R$ 250,00 Assinatura Anual: R$ 150,00

Telefones (54) 3401-3200 / (54) 3401-3201 (54) 9.9194.9192

Endereço Rua Dr. Jaime Romeu Rössler, 348, Bairro Planalto

Colunistas Crônicas da Redação Dolores Maggioni Egui Baldasso Fabrício Oliboni

Guilherme Macalossi Lauro Edson Da Cás Paulo Roque Gasparetto Rita Rosa Baretta

A manifestação dos colunistas é livre e independente e não necessariamente reflete a opinião do Tabloide sobre os temas abordados nas colunas

@PaperInformante www.jornalinformante.com.br

/jornalinformante

Imagem: Reprodução

Regressiva para a corrida eleitoral


7

FARROUPILHA, 25 DE SETEMBRO DE 2020

O desafio de lidar com o retorno ao trabalho em uma pandemia Paula Morgana * Gradualmente as atividades econômicas e comerciais vêm sendo retomadas e, acompanhado disso, as pessoas não sabem se é comum se questionar sobre o que ainda está por vir. Isso provoca estresse, ansiedade, medo, insegurança e que leva, progressivamente, a doenças relacionadas à saúde mental. Sendo assim, grande parte da população está retornando ao trabalho com algum nível de esgotamento emocional. Essa parcela acaba se tornando economicamente importante para o

empregador, pois 40% de todos funcionários afastados por motivo de doença apresentam quadros relacionados à saúde mental, conforme pesquisa da Affinity Health at Work, um grupo de consultoria em Psicologia Ocupacional do Reino Unido. Considerado como prioridade em Países de Primeiro Mundo, a saúde mental no trabalho tem evoluído muito, no sentido de oferecer suporte, cuidado e prevenção. No acompanhamento destes quadros de transtornos relacionados ao trabalho, são identificados três pilares para que haja

melhores desfechos em qualidade de vida, com menor tempo de ausência e melhor situação econômica. São eles: 1) Fácil acesso ao tratamento; 2) Atendimento psicológico em ambiente baseado no trabalho; e 3) Facilidade em resolver as questões burocráticas envolvidas no caso de afastamento. A partir deste cenário, é importante a procura por um profissional que realize atendimento especializado em relações de trabalho. Essa iniciativa busca ajudar pessoas a lidar com as consequências causadas pela carreira, negócios e estudo, como o excesso

de cobrança, pressão, esgotamento, indecisão, insatisfação, evolução e performance no trabalho. Sendo assim, é preciso estar atento a este retorno. Provavelmente as mudanças nas relações de trabalho, como o aumento do home office, vieram para ficar. Desta forma cabe a todos se adaptarem a essa nova forma de trabalho, mas sempre dando atenção à sua saúde mental durante o processo para manter o equilíbrio emocional no trabalho. * Psicóloga

O estresse no trabalho e o risco da Síndrome de Burnout Imagem: Reprodução

Simone Bambini * A maioria das empresas lida com suas equipes de trabalho como se elas fossem parte de um corpo único. Todas, obrigatoriamente, devem estar alinhadas ao discurso e às práticas da cultura organizacional: missão, visão e valores. Os empregados que formam estas equipes compartilham desse discurso e prática e, de certa forma, firmam um “pacto” (por meio dos diversos treinamentos e os processos da comunicação) para cumprir a missão organizacional da empresa para a qual trabalham. Nesse ambiente voltado apenas para o objetivo organizacional, não se percebe que o corpo que “veste a camisa única da empresa” é constituído de corpos singulares repletos de histórias, medos e fantasias. Afinal, uma empresa é um sistema vivo feito de corpos singulares e não padronizados pela cultura organizacional no seu modelo de gestão idealizado. Muitos dos sofrimentos e doenças que hoje se revelam presentes nas relações do trabalho e nos diversos conflitos gerados entre chefia e subordinados poderiam ser amenizados pelo aprendizado de percepção sensória do corpo. Toda emoção e sentimentos são provocados pelo

metabolismo químico e físico de cada corpo. É no nosso sistema nervoso que estão reunidas as informações sobre os ambientes interno e externo do nosso corpo. É ele que comunica e controla nossos movimentos e sensações corporais. Quando estamos diante de uma ameaça (mostrar nosso desempenho diante das metas estabelecidas, por exemplo), nosso corpo reage, nos prepara para isso, há um estresse. A função do estresse, vale frisar, não

é causar doenças; pelo contrário, é nos ajudar a reagir e lutar diante dessa situação para garantir nossa sobrevivência. O corpo providencia o combustível e as ferramentas necessárias: energia, oxigênio, força muscular, resistência à dor para garantir a boa performance na conquista dos objetivos. E não só isso: nos prepara também para o segundo desafio, a divulgação dessas conquistas na reunião de diretoria, diante dos “parceiros competitivos” para garantir sua

reputação, credibilidade e deixar sua marca nesse legado. A reação ao estresse é um sistema poderoso que acentua nossa atenção e mobiliza nosso corpo para lidar com as situações ameaçadoras. Esse sistema começa a causar doenças quando ele é desequilibrado e fica ativado de maneira permanente. Não é normal que esse sistema, planejado para nos proteger, torne-se ele mesmo uma ameaça. Situações ameaçadoras não podem ser permanentes, não fomos preparados para isso. É quando corremos o risco de adquirir a já ligeiramente famosa Síndrome de Burnout. E quando acontece, nem nos damos conta de quando começou. Não fomos ensinados a observar nossas sensações corpóreas (conforto e desconforto) e compreender que nosso corpo é a nossa própria vida e que possui recursos de alta complexidade para lidar com as adversidades da vida. Só podemos transformar as emoções que nos causam sofrimento se estivermos conscientes da autonomia do nosso corpo. * Doutora e mestre em Comunicação e Semiótica, coordena e leciona no curso de Relações Públicas da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP)


8

FARROUPILHA, 25 DE SETEMBRO DE 2020

Protocolo Ped Cristiane Ornaghi * Pâmela Fuhr *

C

om os avanços tecnológicos na área da saúde, várias técnicas vão sendo desenvolvidas ao longo do tempo. Uma destas técnicas surgiu com a inspiração das vestimentas desenvolvidas para astronautas na década de 70. Em 2005 o protocolo de terapia intensiva PediaSuit foi criado pelo brasileiro Leonardo Oliveira, e logo foi difundido pelo mundo, devido à sua eficácia. O protocolo de terapia intensiva PediaSuit é uma terapia com uso de um macacão terapêutico (Suit) que irá promover ajuste biomecânico no paciente, que combinada com a terapia intensiva, que consiste em um protocolo de 80 horas/mês de tratamento, sendo realizada 4 horas de terapia por dia (levando em conta a tolerância do paciente), durante 4 semanas, 5 dias da semana, seguido por uma manutenção de 2 semanas totalizando 6 horas/semana, podendo ser aliado outras terapias, como terapia ocupacional e fonoaudiologia (em sua devida área de atuação). O PediaSuit é a vestimenta terapêutica macia e dinâmica que consiste em um chapéu, colete, calção, joelheiras e calçados adaptados que são interligados por elásticos. Os atendimentos acontecem na gaiola de habilidades, que é uma estrutura que permite o paciente realize e mantenha posturas mais altas, além das atividades que são realizadas no tatame, sempre com a vestimenta. O conceito básico do PediaSuit é o de criar uma unidade de suporte para alinhar o corpo o mais próximo do funcional possível, reestabelecendo o correto alinhamento postural e descarga de peso, que são fundamentais na modulação do tônus muscular, além de aumentar a habilidade do paciente em executar novos movimentos. A veste combinada com a repetição dos exercícios tem a habilidade de estimular a plasticidade cerebral, fazendo com que o paciente apren-

da novos padrões motores e ganhe força muscular ao mesmo tempo. Isto, associado ao treinamento de força muscular, torna o PediaSuit o tratamento ideal para o atendimento de vários distúrbios neurológicos, especialmente paralisia cerebral. Na Neurocrescer, além da realização do protocolo por profissionais habilitados e com certificação, o atendimento é complementado pelo conceito Bobath, que é utilizado em conjunto a roupa, podendo ser realizados os exercícios na gaiola. Indicação O tratamento é indicado para pacientes com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor de origens variadas, a partir dos 14 meses de idade, que tenha no mínimo 9 quilos e altura mínima de 83 centímetros. O tratamento tem indicação para crianças com Paralisia Cerebral, Autismo, Mielomeningocele, Síndrome de Down, Acidente Vascular Encefálico, Traumatismo Crânio Encefálico, Lesão Medular, entre outras alterações no desenvolvimento ou síndromes, desde que não apresentem restrições clínicas específicas. Na nossa clínica avaliamos constantemente nossos pacientes, a fim de garantir um melhor planejamento e acompanhamento da evolução do paciente neste período. Benefícios Os benefícios terapêuticos proporcionados com a terapia intensiva podem estar associados ao aumento da densidade mineral óssea, ganho de força muscular, incremento da propriocepção, equilíbrio, coordenação motora, consciência corporal, modulação de tônus postural anormal, alinhamento corporal e reequilíbrio biomecânico com o intuito de proporcionar maior variedade de movimentos seletivos, o desenvolvimento de atividades funcionais e uma melhor qualidade de vida. Gaiola de habilidades No tratamento, utilizamos da gaiola de


9

FARROUPILHA, 25 DE SETEMBRO DE 2020

Saiba mais Ficou interessado no método? Vem conhecer mais sobre ele aqui na NeuroCrescer. * Fisioterapeutas

lgaçã : Divu Fotos

habilidades, onde o paciente pode ser suspenso por bunggies para realizar atividades e ficar em ortostase sem auxílio do terapeuta muitas vezes. A gaiola permite uma maior variação de movimentos independentes e atividades, onde pode-se introduzir a marcha na esteira, por exemplo. Promove ao paciente melhor coordenação, equilíbrio, força muscular, estímulos sensoriais e uma sensação de independência. O protocolo é baseado em três princípios: Efeito do Suit, Terapia Intensiva e Participação Ativa do Paciente, tornando-se uma terapia ideal, pois em um programa de terapia regular seriam necessários mais de 6 meses para a criança completar 80 horas de terapia. Por esta razão, com o protocolo intensivo, os resultados podem ser vistos precocemente.

o

diaSuit


10

FARROUPILHA, 25 DE SETEMBRO DE 2020

SETOR PRIMÁRIO

Ainda contabilizando prejuízos Produtor rural, Maurício Bellaver lamenta dano causado pela geada em sua plantação de pêssego e ameixa ríodo de muito frio, seguido de dias de intenso calor, chuva e, por fim, novo frio com a geada. O período de calor e chuva emparelhou a brotação”, explicou Maurício. As baixas temperaturas foram tão intensas que a geada inclusive levou à mortandade de alguns pés. A única variedade do pêssego que não foi prejudicada foi a Eragil, que tem um ciclo de brotação mais tardio. Nas demais, como nas ameixeiras, o estrago foi parelho. A expectativa do agricultor é de pelo menos igualar os custos com a safra, já que obter lucro com a produção será difícil. A esperança reside agora, além da uva, nas outras duas culturas da propriedade de Maurício: o caqui, plantado em 10 hectares, e o milho, que ocupa dois hectares da área. Safra prejudicada Maurício Bellaver lamenta as perdas expressivas por conta da geada em sua propriedade, localizada em São Marcos

Fabiano Gasperin

C

om uma trajetória vinculada à fruticultura, o agricultor Maurício Bellaver contabilizou muitos prejuízos por conta da instabilidade climática das últimas semanas e que trouxe, nas geadas recentes, danos consideráveis à sua produção. Com cerca de 45 hectares em São Marcos, as culturas do pêssego e da ameixa foram as mais prejudicadas. A uva só não foi danificada porque seus três hectares de Niágara Rosa são cobertos. “No pêssego, a quebra da safra será de mais de 50% e, na ameixa, mais de 40%. Essa foi a segunda pior geada que enfrentei. A primeira ocorreu em 2006, mas tinha uma área menor de produção”, ressalta o produtor rural, que possui 20 hectares de pêssego e 10 de ameixa. A geada foi o fator determinante para o prejuízo, mas a sequência climática é que gerou uma cadeia de danos à fruticultura. “Tivemos um pe-


11

FARROUPILHA, 25 DE SETEMBRO DE 2020

OPERAÇÃO

36º BPM promove nova incursão da Patrulha do Barulho Batalhão realizou ações contra a perturbação do sossego público durante o último fim de semana

U

Os números da operação Pessoas abordadas: 573 Veículos fiscalizados: 279 Veículos recolhidos: 10 Notificações de trânsito expedidas: 57 Prisões por termo circunstanciado: 10 Apreensão de menores: 3

Nova Pádua, Nova Roma do Sul e São Marcos. A situação fica agravada ainda mais por conta da pandemia do coronavírus, que recomenda que se evita aglomerações, o que quase sempre acaba ocorrendo nos eventos relatados, via de regra, com grande consumo de bebida alcoólica. Confira os números da operação realizada no box acima.

18 de setembro * Adriano Bottini Marques, 21 anos. Sepultamento no Cemitério Público Municipal (CPM); * Lauro João Werberich, 84 anos. Sepultamento no CPM. 19 de setembro * Maria Helena Lotti Perini, 64 anos. Sepultamento no CPM; * Maria Helena Holzbach Barbieri, 68 anos. Sepultamento no CPM. 20 de setembro * Albertina Maria Araldi, 85 anos. Sepultamento no CPM. 21 de setembro * Elsa Rech Baldin, 78 anos. Sepultamento no Cemitério de Nova Vicenza; * Itacir Luiz Reolon, 66 anos. Sepultamento no cemitério da comunidade de Capela Nossa Senhora das Dores, na Linha 30. 22 de setembro * Júlio Bernardo Michael, 24 anos. Sepultamento no CPM; * Vitor De Souza Zechin, 22 anos. Sepultamento no CPM. 24 de setembro * Jonathan Fraron, 27 anos. Sepultamento no Cemitério de Nova Vicenza; * Djeison de Moura da Costa, 29 anos. Sepultamento no CPM.

Alguém quer me adotar? O dócil cãozinho ao lado é o Bicudo. Ele tem 6 anos, é muito calmo e carinhoso. E aí, se interessou na adoção? Contato pelos fones 32617914 ou 999.580.954. Este e muitos outros bichanos (cães e gatos) estão aguardando por um lar no Centro de Amparo Animal de Farroupilha. Seja você a diferença na vida deles. Não compre, adote.

Divulgação

m problema que fica ainda mais evidente durante a crise sanitária atual, em momentos de calmaria e reclusão, a perturbação do sossego público foi alvo de uma nova operação do 36º Batalhão de Polícia Militar (BPM). No último fim de semana, de sexta a domingo, o BPM realizou ações nos municípios que integram o grupo e que tem sede em Farroupilha, em uma nova investida da “Patrulha do Barulho”. A iniciativa buscou, a partir de um mapeamento prévio, percorrer os locais que tinham maior incidência de problemas, nas denúncias feitas pelas comunidades de Farroupilha, Antônio Prado, Flores da Cunha,

Obituário


12

FARROUPILHA, 25 DE SETEMBRO DE 2020

ESCRITORES A POSTOS

Tradicional Regional de Contos, Crônicas e Poesias recebe cadastro de participantes até o próximo dia 30 de novembro

E

stá aberto o prazo de inscrições para o Concurso Regional de Contos, Crônicas e Poesias Oscar Bertholdo. Por conta da pandemia, a 18ª edição foi adaptada e o cadastro pode ser feito apenas de maneira online até o dia 30 de novembro. Para a inscrição basta acessar o site da prefeitura, o www.farroupilha.rs.gov.br, ir até o menu Secretarias e clicar na pasta de Educação. O próximo passo é dar um clique no

banner do concurso que abrirá a página com o regulamento e, ao final dele, o formulário para cadastro, onde a obra deve ser anexada no formado PDF. Estão aptos a participar os moradores da Região Nordeste do Rio Grande do Sul e cada participante poderá se inscrever com até um trabalho em cada uma das modalidades (Contos, Crônicas e/ ou Poesias). O tema é livre e as obras devem ser inéditas. Serão premiados os dois primeiros lugares e ainda haverá uma Menção Honrosa em cada uma das categorias.

Criado com o objetivo de incentivar a leitura e, sobretudo, possibilitar o surgimento de novos talentos na escrita, o concurso é uma realização da Prefeitura, por intermédio

da Secretaria Municipal da Educação e Biblioteca Pública Municipal Olavo Bilac. Mais informações podem ser obtidas pelos fones (54) 32617923 ou (54) 996.329.829.

Mãos à obra Buscando descobrir novos talentos literários, concurso regional abre o período para receber obras inéditas de maneira virtual

Divulgação

De maneira inédita e virtual, estão abertas inscrições para XVIII Concurso Oscar Bertholdo


13

FARROUPILHA, 25 DE SETEMBRO DE 2020

FIM DA SAUDADE

O tão esperado retorno à escola Aulas presenciais com a Educação Infantil regressaram no CNEC Farroupilha Ângelo Antonello nesta semana Fotos: Divulgação CNEC

Com segurança Atividades foram retomadas nesta semana, colocando fim à ansiedade dos pequenos, dos pais e professores, com obediência irrestrita aos protocolos de higiene e distanciamento

A

pós meses de aulas virtuais, por meio da plataforma CNEC Digital, a instituição de ensino farroupilhense retornou, nesta semana, com as atividades na Educação

Infantil, obedecendo a todos os cuidados recomendados pelos órgãos sanitários. Foram dias especiais e de reencontro com professores, funcionários e, fundamentalmente, colegas, já que a interação e socialização é fundamental para o desenvolvimento

dos pequenos estudantes. O educandário manteve um contato permanente com os pais, garantindo a segurança para o retorno das aulas, que estavam suspensas desde março e passaram a ser ministradas de maneira remota a partir de abril.

As crianças também foram informadas sobre todas as novas regras de convivência e, conforme a direção, têm se adaptado facilmente aos protocolos, sempre com a orientação e respaldo das professoras Sonia Táparo e Solange Busetti.


14

FARROUPILHA, 25 DE SETEMBRO DE 2020

Reforço na zaga

Ramon Cardoso

A zagueira Laila Caramão de Oliveira, que já vinha treinando com o grupo nas últimas semanas, foi confirmada como novo reforço entre as gurias rubro-verdes. Natural de Pelotas, a jovem, de 20 anos, defendeu o Esporte Clube Pelotas e estava no Minas Icesp, do Distrito Federal.

Chegada Sistema defensivo rubro-verde passa a contar com a zagueira Laila para o restante da temporada

Pelos amistosos

A direção do Brasil Feminino está em busca da marcação de amistosos nesta reta final de preparação para o regresso da Série A2. Falta apenas um mês para a retomada do Brasileirão e garantir um mínimo de ritmo de jogo às atletas seria fundamental para avaliações mais precisas e uma segurança maior antes da volta. A ideia da comissão técnica é de realizar pelo menos dois amistosos antes do duelo contra o Napoli. O confronto vale a liderança do Grupo F da competição nacional. Enquanto as farroupilhenses foram a Xanxerê e derrotaram a Chapecoense por 4 a 3, o time de Caçador fez 4 a 0 no Athletico. Quem vencer estará virtualmente classificada à fase eliminatória.

Carga ampliada

Em algumas semanas as gurias rubro-verdes não tiveram como treinar de maneira adequada, seja por restrições no sistema de distanciamento controlado imposto pelo governo do Estado, seja por questões climáticas, que recomendavam prudência. Agora, com a pandemia devidamente controlada e a primavera garantindo dias com tempo mais ameno, a tendência é que os trabalhos não sofram mais interrupções e terão carga ampliada, passando de dois para três por semana, como já ocorreu nesta.

Mantos à venda

O Brasil segue com a comercialização das novas camisetas. Produzidas pela Clas’sport elas podem ser adquiridas no modelo titular (verde), reserva (branco) e uniforme 3 (preto), por R$ 90,00 no Mercado De Cesaro (Rota do Sol, 10, bairro Bela Vista), Yeah Capas (Cel. Pena de Moraes, 547, Centro), Malu Modas (Antônio Sachet, 303, bairro 1º de Maio) ou no Estádio das Castanheiras (Arno Domingos Busetti, s/nº), mas mediante agendamento na casa rubro-verde, que pode ser feito pelos fones (54) 981.618.350 ou (54) 999.423.873. Os novos uniformes foram apresentados pelo Departamento de Marketing do Brasil no último dia 9.

Sócio na camisa

Nos mesmos locais, os torcedores rubro-verdes também podem se associar ao clube na modalidade Ouro 2020/2021. Ao custo de R$ 220,00, a categoria assegura acesso liberado aos jogos do time profissional na próxima temporada e do feminino nesta (há um pedido da CBF para a volta de público aos estádios em outubro e que já foi aprovado pelo Ministério da Saúde) e no próximo ano. O valor dá direito à nova camiseta do clube e, nos próximos lotes, o nome do sócio estará estampado no manto rubro-verde.


15

FARROUPILHA, 25 DE SETEMBRO DE 2020

CONTAGEM REGRESSIVA

Série A2 recomeça para as gurias rubro-verdes no dia 25 de outubro, na estreia em casa, nas Castanheiras, diante do Napoli, de Caçador

Brasil Feminino

O

treino desta sexta, que encerra a 12ª semana de preparação das gurias rubro-verdes desde a retomada dos trabalhos, ocorrida no dia 3 de julho, assinala também uma data bem especial: daqui a exatamente um mês, o Brasil Feminino volta

a campo para a sequência da Série A2. Pela 2ª rodada da disputa, é a vez da estreia em casa contra o Napoli, de Caçador, e os treinos ficam cada vez mais intensos para o duelo que vale a liderança do Grupo F da competição nacional. “Devido à pandemia perdemos muito em todos os sentidos, mas mesmo assim as gurias estão respondendo bem às sessões de treinos. Vamos melhorar mais com o incremento dos trabalhos”, assegurou o técnico Luciano Almeida já que, a partir desta semana, a carga aumentou. Ao invés de dois, serão três treinos semanais. Além disso, a diretoria está em busca da realização

de amistosos, que seriam fundamentais para uma análise mais precisa e para dar ritmo de jogo às atletas. “Na terça fizemos um trabalho técnico/tático e dividimos o grupo em três para atividades específicas, com as laterais, as zagueiras e as demais jogadoras realizaram um treino de finalização”, explicou Luciano, um dos treinamentos mais proveitosos desde o retorno. As gurias rubro-verdes ainda foram a campo na quinta à noite e voltam ao gramado das Castanheiras na noite desta sexta, finalizando a semana com dose tripla de treinos, que deve ser a tônica a partir de

Um treino a mais Técnico Luciano orienta equipe em atividade no Estádio das Castanheiras

agora. A performance tem agradado ao preparador físico Rafael dos Santos, o Brasa. “Fazendo uma análise em relação ao número de sessões de treino, acredito que o grupo está acima do esperado, mas no dia do jogo o número de treinos não entra em campo. Vamos intensificar nas próximas semanas para entrar no mais alto nível físi-

co. Os trabalhos do Luciano auxiliam bastante, pois ajudam a manter a intensidade do treino”, comentou Brasa. “Mais adiante, com alguns testes, vamos conseguir verificar quem está em um nível satisfatório para aguentar um jogo em alta intensidade e quem carece de mais atenção na parte física e de trabalhos específicos”, finalizou.

Ramon Cardoso

Um mês para a retomada do Brasileirão


MATÉRIA ESPECIAL

Eleição em 10 Edições

Cobertura eleitoral do Jornal Informante inicia na próxima terça, com a primeira Edição Extra, e encerra somente com a terceira, quando saberemos quem triunfará no pleito municipal que acontece no dia 15 de novembro Páginas 2 e 3 e Editorial

SÉTIMA ARTE

Cruzada contra o narcotráfico e um suspense noir em destaque

Documentário “Linha de Tensão” e thriller “O Farol”, de Robert Eggers, com o lendário Willem Dafoe e o promissor Robert Pattinson no elenco, são as boas pedidas do Inside Páginas 2, 3, 6 e 7

Roberto Jayme/Ascom/TSE

Imagens: Reprodução


Sétima Arte

Linha de Tensão: processo de derrubada do narcotráfico na Península Ibérica que virou documentário da Netflix Páginas 2 e 3

Inside

Sétima Arte II

Willem Dafoe e os Roberts, Pattinson e Eggers, à frente de um suspense moderno com conceitos de filme noir Páginas 6 e 7

PARA AS PRINCESAS

Pituchinhus lança a coleção H.O.M.E. Planejada especialmente para quartos de meninas, ela conta com pijamas e mantas até almofadas e bichinhos de pelúcia

Conto de fadas Coleção pensou em todos os detalhes para conquistar as meninas e sedimentar ainda mais o conceito da grife

Fotos: Andrei Cardoso

T

oda princesa merece um castelo, certo? Foi pensando justamente nisso que a grife farroupilhense Pituchinhus, que há mais de 25 anos se dedica à Moda Infantil Feminina, lançou a coleção H.O.M.E. Neste momento delicado vivido por todos, com as crianças ficando mais em casa, a ideia é de levar uma espécie de conto de fadas para dentro do lar das meninas. Com uma temática delicada, a Pituchinhos H.O.M.E. explora pontos fortes e criativos da marca, como o tricot, onde fios, tramas, pompons e cristais resultam em peças únicas e exclusivas, como mantas, almofadas e bichinhos de pelúcia. Além disso, também foram desenvolvidos pijamas exclusivos de algodão super comfy, com opções que alcançam as mamães. Atemporal e com planos de expansão, a inovadora linha de produtos foi desenvolvida pela diretora de Criação Mari e pela estilista Bruna Pagliarini, mãe e filha, que estão na linha de frente da Pituchinhus: Grife Para Princesas, junto com os diretores Ivo e Giovanni Pagliarini, no empreendimento familiar. A compra da coleção já estará disponível para lojistas a partir de outubro no e-commerce pituchinhus.com.br.


Inside

2

Crônicas da Redação Ramon Cardoso

ramon@jornalinformante.com.br

ONU, o palanque mundial para todo tipo de hipocrisia A Assembleia Geral, promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU), essa entidade que não serve para absolutamente nada, uma espécie de Organização Mundial da Saúde para a diplomacia, mais uma vez teve destilada, em doses industriais, a cretinice e hipocrisia de governantes de todos os cantos do mundo. Sabemos que dois deles foram massacrados: Jair Bolsonaro e Donald Trump. Mas não porque fizeram discursos ruins, mas infelizmente porque falaram a verdade. O presidente brasileiro bateu forte na campanha de desinformação sobre a Amazônia e, mais recentemente, o Pantanal. Um levante descaradamente defendido pela extrema imprensa militante, apoiada e patrocinada por governos, como o da França, que tem interesses comerciais no assassinato de reputação do País, já que é um concorrente brasileiro no Setor Primário. A boa notícia é que a primavera anuncia um período de chuvas na região pantaneira, ou seja, é um tanto quanto difícil emplacar discurso de queimada em meio a uma tempestade. Mas logo os lacradores vão achar outra área do País para pegar fogo. Trump, por sua vez, responsabilizou a China pela crise sanitária global e exigiu reparação pelos prejuízos causados. Emmanuel Macron, o engomadinho presidente francês, e Xi Jinping, o chinês, fizeram discursos de paz e amor. Que lindo, né? Jinping falou que a China está aberta ao diálogo e que não deseja guerra com ninguém. Adivinha qual dupla de líderes foi defenestrada e qual foi aplaudida pela extrema imprensa? Pois é. Ainda teve espaço o presidente mexicano, o esquerdista Andrés Manuel López Obrador, que disse que vendeu o avião presidencial, como se o ato populista e rasteiro fosse suficiente para ajustar as combalidas finanças do País. Ninguém mais respeita a ONU e a Assembleia Geral se tornou palanque para uma série sem fim de discursos vazios, que destoam da realidade. Prova disso é que quem fala a verdade acaba sendo crucificado. Felizmente, a população, pelo menos a brasileira e a estadunidense, não compra essa agenda lacradora e perfumada, e está mais preocupada é com sua própria realidade, com o futuro e, sobretudo, com a verdade dos fatos. É o eleitorado silencioso que já fez valer a sua força em 2016 e 2018. Fará novamente neste ano e em 2022. x-x-x-x-x-x Diante de uma derrota acachapante, o governador Eduardo Leite pediu a retirada do “moderno” projeto de Reforma Tributária da Assembleia Legislativa do Estado e destacou que a medida foi para que as bancadas tenham condições de apresentar propostas e sugestões sobre o tema. Ou seja, nobres deputados: a culpa é de vocês. Tratem de tirar a bunda da cadeira e resolvam o problema fiscal gaúcho. Inacreditável mais essa saída pela tangente do governador. Até quando ele acerta (retirando o projeto) depois de um erro (enviando o projeto) não tem a capacidade de assumir o absurdo que era a reforma, que só aumentava impostos. Que sorte a nossa, né, temos um gestor estadual infalível. Pessoal dos outros Estados deve estar morrendo de inveja da gente.

FARROUPILHA, 25 DE SETEMBRO DE 2020

Sétima Arte

Processo de ascensão e “Linha de Tensão” é uma minissérie documental da Netflix que mostra a luta de uma cidade espanhola para debelar um dos principais pontos de tráfico e contrabando do planeta

U

ma terra sem lei, onde os traficantes têm um poder de fogo muito superior às forças de segurança. Estas são mal equipadas, mal treinadas, mal assalariadas. A população é pobre e os jovens são invariavelmente cooptados a ingressar no mundo do crime, com a promessa de dinheiro fácil, mulheres e status social. A Polícia e o Ministério Público trabalham incansavelmente, mas o Judiciário joga contra, as leis são permissivas com as práticas criminosas e, no final das contas, o mundo do crime acaba compensando o risco. As forças de segurança são tidas, por parte da população, como vilãs, ao passo que os mocinhos são os criminosos. Parece uma realidade bem próxima, não? “Se não respondermos ao inimigo, com o passar do tempo, teremos algo parecido com a América do Sul”, declara um agente de segurança que prefere não se identificar na minissérie documental “Linha de Tensão”. Em quatro episódios bem diretos e objetivos, a produção da Netflix fala sobre “La Línea de Concepción”, uma cidade pesqueira, um

balneário belíssimo localizado no extremo sul da Espanha, na região da Andaluzia, com quase a população de Farroupilha e que virou a principal rota de tráfico de haxixe e uma das principais de cocaína. Localizada a 32 quilômetros do Marrocos, um dos maiores produtores de haxixe do mundo, La Línea virou a porta de entrada da droga na Europa e de forma muito fácil, sem muita sofisticação. Com 12 quilômetros de praias, as narcolanchas fazem normalmente o percurso que divide o Continente Africano do Europeu. Chegam à praia onde um grupo espera para descarregar a carga em questão de minutos e escondê-la em residências e depósitos clandestinos em bairros dominados pelo tráfico, em especial pelo Clã dos Castañas, dos irmãos Antônio e Isco Tejón, que controlam a cidade e, aos poucos, organizam uma estrutura criminal mais organizada, movimentando fortunas, especialmente a partir do tráfico de cocaína, mais rentável e introduzido a partir das facilidades encontradas no transporte de haxixe. As raízes do problema são destacadas no primeiro dos quatro episódios da série, que totalizam 130 minutos. Um dos entrevista-

dos é o prefeito Juan Franco, um nativo que, cansado de ver sua cidade tomada pela corrupção e narcotráfico, decide ingressar na política por um partido independente e vence as eleições. Ele expõe os problemas de La Línea, da falta de apoio do governo central que desencadeia outros danos, inerentes à localidade, como a baixa escolaridade e o alto desemprego, em parte, reflexos de uma cidade dominada pelo crime organizado e que tinha tudo para ser um paraíso turístico com sua exuberante costa que faz divisa com o Estreito de Gibraltar, território britânico na Península Ibérica. Porém, tudo muda em 2018. Quando os irmãos Antônio e


Inside

FARROUPILHA, 25 DE SETEMBRO DE 2020

3

Rita Rosa Baretta

Sétima Arte

ritarosabaretta@gmail.com

Divulgação

Canal de Gibraltar Quando cai a noite as quadrilhas usam o estreito para descarregar cargas de drogas na ampla costa de La Línea de Concepción: cidade retomada das mãos do crime organizado

Isco promovem uma invasão a um hospital para resgatar um traficante que havia sido ferido e detido pela polícia, a ousada operação ressoa em Madri, que decide agir. Cria um grupo de elite especial que, com a ajuda dos agentes locais irá, aos poucos, desbaratar o crime organizado na região. As investidas buscam prender os líderes dos Castañas e, na sequência, todos os integrantes que estão logo abaixo na organização, deixando-a acéfala. Sem um comando central, logo as quadrilhas começam uma disputa entre si pelo controle do tráfico, o que facilita o trabalho dos órgãos de segurança. “Essa cidade foi esquecida há

muito tempo e agora sofremos as consequências. Houve muito abandono, muita tolerância com o crime. Deixaram entrar muito tabaco, muito haxixe. Agora queremos cortar pela raiz? Impossível. É algo que está muito arraigado, que não se muda da noite para o dia”, relata o tenente Campillo, da Guarda Civil, um misto de constatação com desalento, logo no primeiro capítulo da minissérie. Contudo, sua impressão estava parcialmente equivocada, à medida que pesados investimentos fizeram toda a diferença, mas evidentemente que a um custo muito alto, que poderia ser evitado se a cidade não tivesse sido relegada durante anos.

Imagem: Reprodução

queda do narcotráfico

Linha de Tensão Direção Pepe Mora Roteiro David Zurdo Gala Barreto Darío García Gênero Minissérie Documentário Policial Duração 130 minutos País Espanha Ano de produção 2020 Estúdio Mediaset Cuerdos de Atar Distribuição Netflix

Ela Bateu aquela saudade e ao mesmo tempo um desejo enorme de escrever sobre ela, para que ao fazê-lo possa transmitir o meu sentimento de vazio, de falta, de ausência que ela me faz. Era Ela que beijava minha testa para dormir, era Ela que me fazia crer que eu estava bonita, que eu me sairia bem em qualquer atividade que estava por realizar, era Ela que lembrava do casaco na hora da saída, era Ela que estaria a meu lado na hora do meu fracasso, era Ela que desistia de algo seu para me acompanhar, era Ela que sempre, sempre me faria companhia e me daria um chá na hora certa. Era Ela que estaria comigo sempre quando eu mais precisasse, pois Ela sempre foi amor incondicional. Aquela pequena grande mulher que acordava todo dia sorrindo, e ao certo deitava de igual forma. Estava sempre disposta e disponível a todos encantar com sua xícara de chá e aquela palavra suave, terna e muito viva. Pois Ela sempre foi cheia, transbordante de vida. Guerreira, costurava com a mão e carregava caminhão. E ao falar assim, não é figura de linguagem. Lembro quando menina do vestido curto, era acordada na madrugada com uma voz suave me dizendo: “Acorda meu amor, o pai não está bem precisa de nossa ajuda. Vamos ajudar os tios a carregarem os caminhões”. E Ela me levava como sua pequena companhia, e entre muitos homens executava a atividade que seria do meu pai. Uma gigante, liderava a todos que a admiravam, respeitavam e seguiam suas ordens. Aprendi com Ela que respeito se conquista, coragem vem de dentro, força é sempre superior ao tamanho de seu físico, e amor é o que nos move diante de todas as circunstâncias de nossas vidas. Com Ela aprendi que é nos pequenos detalhes da vida que conquistamos ou perdemos as pessoas, é diante de nossas atitudes diárias que as pessoas se sentem bem em nossa companhia ou preferem outras pessoas. É a solidariedade que pudermos fazer na sociedade que deixará a nossa marca no mundo e somos aquilo que acreditamos ser. Sinto falta do carinho mais doce que recebi até hoje. Sinto falta do olhar mais terno e sensível que me tranquilizava mesmo quando eu pensava não ter saída. Sinto falta de tudo que só Ela sabia me proporcionar. Mas sinto sua presença a todo instante, pois seu olhar está sempre presente, pareço receber seu toque quando mais preciso, pareço ouvir sua voz, quando só ela pode me dar a continência necessária e sempre tenho a exata sensação de sua presença a me acompanhar. Ela sempre é presença em Minha Vida! Amo Você! * Psicanalista


M

Apoio Feminino

inha reflexão dessa semana é baseada em um evento que pude participar onde a pauta estava voltada para apoio feminino. E minha proposta é refletir como nós mulheres estamos nos ajudando ou não. Você já parou para pensar sobre como podemos formar uma rede de apoio feminino, onde mulheres se unem ao invés de se separar? Essa reflexão passa por deixarmos de julgar a outra mulher e tentarmos nos conectar com o que ela passa ou está passando. Você, mulher, já parou para pensar sobre isso?

Super Lançamento

Os shoppings farroupilhenses Golden Center, 585 e Farroupilhas's Center, junto com o CCB de Bom Princípio, promovem neste domingo um super evento com o intuito de movimentar a economia da Serra Gaúcha. As lojas estão preparando desfiles e ações promocionais para receber grupos de lojistas que terão como roteiro os quatro empreendimentos. Na data, estará sendo lançada a Coleção Verão 20/21 em todas lojas.

Mulheres à Frente

André Lima, Fábio Vicenzi, Emílio Mizão, Magnus Gomes, Victor Tóffoli e André Cau, integrantes da Última Banda do Mundo, antes conhecida como Black Soul Soda, lançaram seu álbum inédito "Desconectar" durante a quarentena. As músicas autorais, que tiveram gravação e mixagem no estúdio Noise, de Caxias e Farroupilha, podem ser conferidas no Spotify e no canal do YouTube

Ana Luiza Spineli, Luciana Zan Flávia Zanfeliz, Maria Inês Magg fazem parte do time da Escola lideraram os alunos para manter o da Região Sul no IDEB, divulg

O Serviço Social do Comércio (Sesc), através de seu programa Arte Sesc: Em Casa Com Você, transmite a série "O Feminino e a Arte". A programação online conta com a participação de artistas mulheres e tem por propósito trazer reflexões sobre o feminino que precisam ser lembradas e ditas. As atividades iniciaram nesta quinta e seguem também neste final de semana. Para conferir basta acessar o canal do YouTube do Sesc RS.

Gastronomia Solidária

Neste sábado a Liga de Combate ao Câncer de Farroupilha, juntamente com o Grupo RSCOM, realiza o evento Gente Boa na Cozinha. A ação propõe a entrega de um prato para o almoço de sábado, pelo valor de R$ 50,00. O cardápio é filé à parmegiana, que poderá ser retirado no Salão da Comunidade Luterana. Toda verba arrecadada será revertida à Liga e os ingressos estão à venda na loja Sérgio Rossi Materiais de Construção.

Solidariedade

O 36º Batalhão da Polícia Militar de Farroupilha (BPM) organiza uma campanha solidária em prol do Dia das Crianças. Nesta sexta, das 14h às 18h, a equipe estará recebendo doações de brinquedos, máscaras de proteção, livros infantis e jogos, na Praça da Bandeira. Os itens arrecadados serão doados para crianças em vulnerabilidade social. Colabore.

O chef Alisson Marques tem inovado com seu novo negócio, a Apollo Hamburgueria, oferecendo um cardápio diferenciado para a cidade. O restaurante funciona junto à Casa da Panqueca, que também é liderada pelo empreendedor

Jaqueline Penso Faganelo foi surp festejo de boas-vindas ao seu caç


Fotos: Divulgação

#MinhaÚltimaViagem Paula Bridi visitando a cratera do vulcão Ijen, na província de Java, na Indonésia, durante seu mochilão pela Ásia, realizado antes da pandemia

nfeliz, Veridiana Brustolin, gioni e Paula Crocoli Sonza a Municipal Santa Cruz e o topo do Estado e alcançar gado na semana passada

#EmCasa Kelyn Souza

Risclif Spinelli

preendida no último sábado por um çula Murilo, esperado para outubro

Preparador físico do Brasil, Rafael dos Santos, o Brasa, com a esposa Ariane Pistorello e a filhinha, a pequena Helena, a futura atleta rubroverde, que completou 5 meses no domingo


Inside

6

Fabrício Oliboni fabrioliboni@gmail.com

The Office The Office é uma série de comédia inglesa, lançada em 2001, e que conta com apenas 14 episódios. A série retrata o dia a dia em um escritório de uma empresa que vende papel. A interação entre os funcionários e a falta de noção do chefe na gestão e qualquer tipo de relação humana são o que podemos chamar de ponto de partida e foco principal do programa. Não tem as risadas de fundo após cada piada, algo muito comum de ver em séries do gênero, o que já a diferencia. Você não é condicionado a rir de algo, e o mais engraçado pode ser um mero detalhe, do que algo feito especificamente com esse fim, de causar o riso. O que potencializa isso é que a série é um “mockumentary”, que é um falso documentário, com a intenção de mostrar como são as coisas lá, com depoimentos dos personagens e muitas olhadas para a câmera, que tem muitos sentidos, dependendo da situação. Ok, parágrafo muito extenso, vamos para o próximo. Muito do humor da série está no constrangimento. Não é algo muito palatável para alguns, causa estranheza com frequência, é um riso nervoso, pois não estamos confortáveis em presenciar aquilo. Algo que costuma ocorrer é alguém assistir um episódio e não ter muita ideia do que está acontecendo, pois como eu comentei, não é o trivial das séries de comédia. Contudo, assim que se acostuma com esse formato, a experiência melhora, certamente. Mas tem que embarcar na proposta, tem que “participar da brincadeira”. A série foi muito aclamada pela crítica, não só inglesa, como mundial. Porém, não foi muito assistida pelo público, a audiência foi baixa quando lançou. Como o programa teve vida curta, foi até uma surpresa ver que seria produzida uma versão norte americana. E foi, isso em 2005. De início, ela segue de forma similar à versão original, mas aí foi se soltando aos poucos, adaptando o humor para um estilo mais palatável, um constrangimento mais controlado, sendo mais leve e abrangente, mais personagens... e deu muito certo. Rendeu 9 temporadas, mais de 200 episódios, e hoje é uma das séries mais cultuadas do século. Sim, pois é um retrato bastante fiel de coisas que vemos no nosso dia a dia, mesmo que de forma exagerada em muitas situações, claro. Eu me divirto em ver uma situação que já vivenciei em um escritório, seja envolvendo o cara do TI, uma piada com a galera do RH, aquela reunião que “por favor”, deveria ser um e-mail, o caos que pode ser um amigo secreto, toda a paciência que precisamos ter com um superior mala... acredito que a associação seja muito fácil, o que cativa mais, nos vemos um pouco em cada episódio. Falando em comédia, é a minha série preferida, superando Seinfeld, que vem em 2º, e que está nessa posição muito também porque esta é um retrato dos anos 90, quando eu era criança, e assim não vivenciei muito do que se passa na série. Também por ser algo que se concentra em Nova Iorque, e The Office, embora se passe nos EUA, tem um retrato um pouco mais universal, pois o enfoque é no escritório, e o que acontece por lá. Bom, essa coluna é para exaltar a série e recomendar para quem não conhece. E só. * Agente de intercâmbio e bacharel em Relações Internacionais

FARROUPILHA, 25 DE SETEMBRO DE 2020

Sétima Arte

Nas raias da

insanidade

Jovem cineasta americano Robert Eggers cria, em “O Farol”, um suspense dos mais densos e mostra que thrillers psicológicos são sua especialidade desde o impactante “A Bruxa”, seu filme de estreia

T

rabalhar com o imaginário, insinuar muito mais do que mostrar, sedimentar histórias de época contextualizando-as ao período em questão parecem ser as especialidades do jovem diretor americano Robert Eggers. Há cinco anos, “A Bruxa”, seu filme de estreia, já tinha flertado com o sobrenatural numa ambientação do início da colonização americana, com uma história que misturava, na dose certa, religião com misticismo e terror, e que se passou na Nova Inglaterra, em 1630. Sua obra mais recente também adentra esse universo, mas inclinado um pouco para o folclore. Thomas Wake (Willem Dafoe) é um faroleiro que contrata um auxiliar para ajudá-lo nas pesadas lidas de um farol isolado da costa no Oceano Atlântico, no final do século XIX. O jovem Ephraim Winslow (Robert Pattinson) se habilita para a função e a dupla chega à

isolada ilha para o trabalho. Mas o auxiliar, na verdade, executará todas as pesadas funções para manter a estrutura em funcionamento. Thomas apenas vigia o farol à noite e impede que o jovem tenha acesso à torre. Isso aguça a curiosidade de Winslow, que imagina que o local guarde algum tipo de segredo. Cada tentativa de acessar o farol e rechaçada de maneira agressiva pelo faroleiro. Isolados, sem qualquer tipo de contato com o mundo, aos poucos a relação irascível e fria entre os dois vai sendo distensionada, especialmente por conta do álcool. Thomas fala de sua vida pregressa de marinheiro e como um escorbuto o obrigou a abandonar a profissão e a função de faroleiro o deixava, de certa forma, ainda próximo do mar. Como o cargo era, digamos, pouco desejado, Thomas também pede sobre o passado do novo auxiliar, que teve uma vida errante e apenas deseja juntar um pouco de dinheiro para com-

prar uma terra e se estabelecer. A rotina estafante (especialmente para Winslow) e tediosa é um teste para os nervos da dupla e isso aos poucos vai sendo nítido. O ambiente claustrofóbico em que vivem, nos apertados e imundos cômodos, vai criando um cenário degradante e opressivo. O clima, sempre frio, chuvoso e com mar revolto, é lindo para a construção da atmosfera de isolamento que o diretor quer mostrar, mas terrível para os personagens. Não demora muito para terem sua sanidade colocada à prova. As doses industriais de álcool ajudam a perturbar o sono de Winslow, chegando a um ponto em que ele não consegue mais separar a ilusão da realidade.


Inside

FARROUPILHA, 25 DE SETEMBRO DE 2020

Paulo Roque Gasparetto

Sétima Arte Divulgação

Imagem: Reprodução

prgasparetto@terra.com.br

Início da jornada Thomas Wake (Willem Dafoe) e Ephraim Winslow (Robert Pattinson) chegam ao farol para o trabalho: todos ingredientes para um mergulho na barbárie

Mas o combustível para esse mergulho na loucura parte da tirania de Thomas, que vai testando os limites do auxiliar, com suas crendices populares que viram palavras de ordem, que flertam com o sobrenatural, e levantam suspeitas, em Winslow, sobre a morte do antigo companheiro de trabalho do velho faroleiro. Os segredos funcionam como um componente importante a alimentar esse imaginário e a colocar em rota de colisão Thomas e Winslow. Quando as provisões não chegam por conta do maremoto, os limites psíquicos serão testados e, neste contexto de estafa mental, mergulhar numa espiral de barbárie e violência é algo natural. Filmado em preto e branco e

7

com lentes de 35 mm, “O Farol” tem uma qualidade técnica invejável, que vai da Fotografia às locações, que tiveram Cabo Forchu, no Canadá, como cenário. Eggers e seu irmão Max criam uma atmosfera particular em que a loucura e a insanidade parecem ser elementos mais do que necessários, são uma consequência inevitável a partir da condição em que está estabelecida a dupla de protagonistas. As atuações do talentoso veterano Dafoe com o jovem promissor Pattinson dão vigor à obra. Um thriller psicológico dos novos tempos, que bebe de muitas fontes, do Cinema Noir ao Expressionismo Alemão, projetando na mente do espectador muito mais do que é exibido.

Berço esplêndido do ódio

Título original The Lighthouse Título traduzido O Farol Direção Robert Eggers Roteiro Max Eggers Robert Eggers Gênero Suspense Duração 109 minutos País Estados Unidos Canadá Ano de produção 2019 Estúdio A24 Regency RT Features Distribuição Universal Pictures

O ódio é uma prisão. O ódio é um beco sem saída que leva ao desespero, à solidão e à morte. O ódio entre as pessoas pode nascer da discordância e da intolerância. Onde o ódio se faz presente, a vida é sufocada. Feridas são abertas e esperanças são enterradas. Já o amor torna-nos livres para vermos além de nós. O amor constrói relacionamentos das pessoas entre si e a sociedade na qual vivemos. Em nossa pátria, de berço esplêndido, a empatia não pode ser um episódio isolado. Se aceitamos outra pessoa como outro de verdade, quer dizer, alguém que pertence a mesma humanidade que nós e vive o mesmo tipo de vida que vivemos, então a empatia parece decorrer naturalmente das nossas interações. Mas, infelizmente, não é isso que enxergamos em nosso País. Existem pessoas escondidas, por detrás das redes sociais, que espalham preconceitos e intolerâncias. Fico pensando nisso quando olho o mundo ao nosso redor e pergunto: empatia ou ódio no trânsito, no encontro com as pessoas, na vida familiar, na escola, no lugar de trabalho, em nossas comunidades. Colocar-se no lugar do outro na vida vai fazer grande diferença para todos nós. Amor é chamar para a vida, odiar é levar à morte. Neste sentido, deixemo-nos amar por Deus e sejamos instrumentos vivos do seu amor. Coloquemo-nos no lugar do outro. Todas as pessoas sofrem. Podemos nos imaginar em seu lugar. Supor seus sentimentos. Acompanhado de empatia. Ouvir o outro sofredor com paciência. Segurar a mão. Oferecer o ombro. Carregar, se for preciso. Digo isso antes de terminar esse mês de setembro que lembramos o nosso Brasil. Um amor prático, vivido na prática. Numa sociedade de “berço esplêndido”, que está longe de aprender a importância sobre o poder da gentileza, da empatia e do respeito. * Pároco da Paróquia Sagrado Coração de Jesus e doutor em Comunicação


FARROUPILHA, 25 DE SETEMBRO DE 2020

VENDO APARTAMENTO de 2 dormitórios com 54,4m², excelente posição solar. Precisando de pintura e reforma. Localizado no condomínio Parque Veneto. B. São Francisco. Rua Hilário Hilgert,81, apto 302. Estacionamento Fechado. Valor R$ 121.000,00. Tratar fone: (54) 999.414.486. Farroupilha: para você homem discreto, que procura uma boa massagem para relaxar, agora você já tem o local certo! “PRAZER PICANTE”, você encontra as mais BELAS GAROTAS! Local central. Venha conhecer! Fone: (54) 991.430.723. Segunda a sábado. Priscila, casada e carente, com atendimento central em Farroupilha! Agende seu horário (54) 999.761.562. Julia, 22 anos e pronta para aquela sacanagem! Atendimento com local central em Farroupilha, agende seu horário (54) 991.430.723.


2

Dani, loirinha de olhos claros! Sempre pronta para o prazer! Disponível das 9h às 16h, com atendimento com local próprio. Contatar pelo fone (54) 996.145.503. Está a fim de fugir da rotina com uma gata sensacional? Então venha passar esse momento comigo. Sou a Pati, uma moreninha pronta para te enlouquecer. Atendimento em local central e discreto (54) 996.145.503 ou (54) 991.430.723, das 13h30min às 18h. Oi! Me chamo Manu, tenho 28 anos, sou morena clara com cabelos cacheados! Carinhosa e atenciosa! Para você que está naqueles momentos, precisando de uma massagem relaxante e tântrica, venha se descontrair! (54) 996.145.503, (54) 991.430.723.

FARROUPILHA, 25 DE SETEMBRO DE 2020


Profile for Informantef Informantef

Edição 656  

Jornal Informante (Farroupilha/RS)

Edição 656  

Jornal Informante (Farroupilha/RS)

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded