__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

idigital - Revista da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia em Identificação Digital - Ano 03 - Número 11 - outubro/novembro/dezembro de 2012

Segurança na ponta do dedo Começam os testes, com ótimos resultados, da Autoridade de Registro Biométrica, projeto que usa as digitais para identificar o interessado em adquirir o certificado digital

ELEIÇÕES 2012 7,7 milhões de eleitores usaram a urna biométrica

ESTUDANTE

Carteirinha vai ter certificado de atributo ICP-Brasil

CERTIFICAÇÃO DIGITAL ABRID cria grupo de trabalho para subsidiar discussões


REVISTA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE TECNOLOGIA EM IDENTIFICAÇÃo DIGITAL - ABRID

14 . CAPA Projeto Piloto da AR Biométrica abre caminho para implantação definitiva da identificação digital dos contratantes de certificados

08 . CertForum

36 . Casos e artigos

Florianópolis recebe a última etapa do ano

38 . Datacard Tecnologias de personalização de cartões: mais segurança, maior qualidade e diferenciação

20 . Carteira de estudante Vem aí o padrão ICP-Brasil

44 . Gemalto Democracia digital em Burkina Faso

01

010101001

CERTIFICADO DIGITAL

10

01

10

10

01

0111010100

10

54 . Reunião das ars

1001001010

0

52 . Certforum Florianópolis

00

010010001

52 . FLASHES

11

01

50 . mako Dez megapixels para quê?

01001010010101011011101011100110010100101100101011001001110010101001100101001001010100100111010100100 01001100101001001010101001001010010101010101010101001010101101010011001101010101010101001010110010101 10010101011010011001101010101001100110100101010101110101010101010101010100101010101010101010101001010 01001010101010101010110011001011010100101100101010110010010100100101001100101010100101010010100101010 10101010010101010101010101010101001010101010101010101010101010101010101010101110101010101010101001010 10101010101010101010101010101010101101010010101010101010101010101010101011010101001010101101001010101 01010101010101011010011001010101010101010101010101010101010101010101010101010101010010101010101010010 10100101010010100100101011001010100100101001010001001010010010010010010100010101110101010100111010010 11100111011010110011100111011010101000101001001010001100011001001001101001001010001110010101000111010 10010101101011011011110111010101010100101001010101101110101110011001010010110010101100100111001010100 11001010010010101001001110101001000100110010100100101010100100101001010101010101010100101010110101001 10011010101010101010010101100101011001010101101001100110101010100110011010010101010111010101010101010 10101001010101010101010101010010100100101010101010101011001100101101010010110010101011001001010010010 10011001010101001010100101001010101010101001010101010101010101010100101010101010101010101010101010101 1100101001110011001011001 01010101011101010101010101010010101010101010101010101010101010101010110101001010101010101010101010101 0001110011010100100100101 01010110101010010101011010010101010101010101010101101001100101010101010101010101010101010101010101010 10101010101010100101010101010100101010010101001010010010101100101010010010100101000100101001001001001 1100101000111100111100010 00101000101011101010101001110100101110011101101011001110011101101010100010100100101000110001100100100 1011100101110011011001010 11010010010100011100101010001110101001010110101101101111011101010101010010100101010110111010111001100 10100101100101011001001110010101001100101001001010100100111010100100010011001010010010101010010010100 1010011101101000100110101 10101010101010101001010101101010011001101010101010101001010110010101100101010110100110011010101010011 1000110101110101000101010 00110100101010101110101010101010101010100101010101010101010101001010010010101010101010101100110010110 1100101001110011001011001 10100101100101010110010010100100101001100101010100101010010100101010101010100101010101010101010101010 01010101010101010101010101010101010101010101110101010101010101001010101010101010101010101010101010101 0001110011010100100100101 01101010010101010101010101010101010101011010101001010101101001010101010101010101010110100110010101010 1100101000111100111100010 10101010101010101010101010101010101010101010101010010101010101010010101001010100101001001010110010101 00100101001010001001010010010010010010100010101110101010100111010010111001110110101100111001110110101 1011100101110011011001010 01000101001001010001100011001001001101001001010001110010101000111010100101011010110110111101110101010 1010011101101000100110101 10100101001010101101110101110011001010010110010101100100111001010100110010100100101010010011101010010 1000110101110101000101010 00100110010100100101010100100101001010101010101010100101010110101001100110101010101010100101011001010 11001010101101001100110101010100110011010010101010111010101010101010101010010101010101010101010100101 00100101010101010101011001100101101010010110010101011001001010010010100110010101010010101001010010101 01010101001010101010101010101010100101010101010101010101010101010101010101010111010101010101010100101 01010101010101010101010101010101010110101001010101010101010101010101010101101010100101010110100101010 10101010101010101101001100101010101010101010101010101010101010101010101010101010101001010101010101001 01010010101001010010010101100101010010010100101000100101001001001001001010001010111010101010011101001 01110011101101011001110011101101010100010100100101000110001100100100110100100101000111001010100011101 01001010110101101101111011101010101010010100101010110111010111001100101001011001010110010011100101010 01100101001001010100100111010100100010011001010010010101010010010100101010101010101010010101011010100 11001101010101010101001010110010101100101010110100110011010101010011001101001010101011101010101010101 01010100101010101010101010101001010010010101010101010101100110010110101001011001010101100100101001001 01001100101010100101010010100101010101010100101010101010101010101010010101010101010101010101010101010 10101010101110101010101010101001010101010101010101010101010101010101011010100101010101010101010101010 10101011010101001010101101001010101010101010101010110100110010101010101010101010101010101010101010101 01010101010101010010101010101010010101001010100101001001010110010101001001010010100010010100100100100 10010100010101110101010100111010010111001110110101100111001110110101010001010010010100011000110010010 01001010010101011011101011100110010100101100101011001001110010101001100101001001010100100111010100100 01001100101001001010101001001010010101010101010101001010101101010011001101010101010101001010110010101 10010101011010011001101010101001100110100101010101110101010101010101010100101010101010101010101001010 01001010101010101010110011001011010100101100101010110010010100100101001100101010100101010010100101010 10101010010101010101010101010101001010101010101010101010101010101010101010101110101010101010101001010 10101010101010101010101010101010101101010010101010101010101010101010101011010101001010101101001010101 01010101010101011010011001010101010101010101010101010101010101010101010101010101010010101010101010010 10100101010010100100101011001010100100101001010001001010010010010010010100010101110101010100111010010 11100111011010110011100111011010101000101001001010001100011001001001101001001010001110010101000111010 10010101101011011011110111010101010100101001010101101110101110011001010010110010101100100111001010100 11001010010010101001001110101001000100110010100100101010100100101001010101010101010100101010110101001 10011010101010101010010101100101011001010101101001100110101010100110011010010101010111010101010101010 10101001010101010101010101010010100100101010101010101011001100101101010010110010101011001001010010010 10011001010101001010100101001010101010101001010101010101010101010100101010101010101010101010101010101 01010101011101010101010101010010101010101010101010101010101010101010110101001010101010101010101010101 01010110101010010101011010010101010101010101010101101001100101010101010101010101010101010101010101010 10101010101010100101010101010100101010010101001010010010101100101010010010100101000100101001001001001 00101000101011101010101001110100101110011101101011001110011101101010100010100100101000110001100100100 11010010010100011100101010001110101001010110101101101111011101010101010010100101010110111010111001100 10100101100101011001001110010101001100101001001010100100111010100100010011001010010010101010010010100 10101010101010101001010101101010011001101010101010101001010110010101100101010110100110011010101010011 00110100101010101110101010101010101010100101010101010101010101001010010010101010101010101100110010110 10100101100101010110010010100100101001100101010100101010010100101010101010100101010101010101010101010 01010101010101010101010101010101010101010101110101010101010101001010101010101010101010101010101010101 01101010010101010101010101010101010101011010101001010101101001010101010101010101010110100110010101010 10101010101010101010101010101010101010101010101010010101010101010010101001010100101001001010110010101 00100101001010001001010010010010010010100010101110101010100111010010111001110110101100111001110110101 01000101001001010001100011001001001101001001010001110010101000111010100101011010110110111101110101010 10100101001010101101110101110011001010010110010101100100111001010100110010100100101010010011101010010 00100110010100100101010100100101001010101010101010100101010110101001100110101010101010100101011001010 11001010101101001100110101010100110011010010101010111010101010101010101010010101010101010101010100101 00100101010101010101011001100101101010010110010101011001001010010010100110010101010010101001010010101 01010101001010101010101010101010100101010101010101010101010101010101010101010111010101010101010100101 01010101010101010101010101010101010110101001010101010101010101010101010101101010100101010110100101010 10101010101010101101001100101010101010101010101010101010101010101010101010101010101001010101010101001 01010010101001010010010101100101010010010100101000100101001001001001001010001010111010101010011101001 01110011101101011001110011101101010100010100100101000110001100100100110100100101000111001010100011101 01001010110101101101111011101010101010010100101010110111010111001100101001011001010110010011100101010 01100101001001010100100111010100100010011001010010010101010010010100101010101010101010010101011010100 11001101010101010101001010110010101100101010110100110011010101010011001101001010101011101010101010101 01010100101010101010101010101001010010010101010101010101100110010110101001011001010101100100101001001 01001100101010100101010010100101010101010100101010101010101010101010010101010101010101010101010101010 10101010101110101010101010101001010101010101010101010101010101010101011010100101010101010101010101010 10101011010101001010101101001010101010101010101010110100110010101010101010101010101010101010101010101 01010101010101010010101010101010010101001010100101001001010110010101001001010010100010010100100100100 10010100010101110101010100111010010111001110110101100111001110110101010001010010010100011000110010010

01

46 . INDRA E-document no Brasil: novos rumos para a identidade e a identificação

24 . Grupo de trabalho ABRID cria GT de Certificação Digital

30 . Urna biométrica Mais segurança para a maior eleição eletrônica do mundo

outubro - novembro - dezembro 2012 | 3


ParticiPe do maior encontro do Setor de cartõeS, meioS eletrônicoS de PagamentoS, identificação e certificação digital da américa latina.

Números da última edição:

130 marcas expositoras | 6.597 visitantes qualificados Presença de mais de 20 países | 100 palestrantes renomados 500 congressistas VALORES ESPECIAIS PARA ASSOCIADOS ABRID. Para mais informações: cards@btsmedia.biz 11 3598-7882

www.cards-expo.com.br feiracards

Para uma feira maior e ainda melhor, a CARDS 2013 acontecerá no Transamerica Expo Center, e contará com 4 mil m2 de área de exposição para você ampliar sua rede de contatos, realizar bons negócios e ainda atualizar-se com os fóruns que acontecem simultaneamente ao evento. Participe!

Patrocínio Ouro:

Filiada à:

Apoio:

Apoio de Mídia:

Promoção e Organização:


PALAVRA DO PRESIDENTE Esta é uma edição repleta de novidades. Ricardo Padue

O destaque vai para o projeto piloto da AR Biométrica, que já iniciou os testes pelo Distrito Federal, com expansão para Bahia e Rio de Janeiro. Esta é uma iniciativa louvável do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, com total apoio da nossa Associação e, claro, das associadas - que estão na ponta do processo, fazendo o uso da novidade diretamente com o cidadão. A AR Biométrica aumenta a confiabilidade e acelera o processo de emissão do certificado digital, já que o usuário é identificado quase que instantaneamente a partir da coleta da impressão digital. Outra boa notícia é o novo modelo da carteira de estudante. A ABRID e o ITI assinaram protocolo de intenções com entidades representativas dos estudantes para garantir a confecção do documento com certificado digital no padrão ICP-Brasil. A unificação da carteirinha é muito importante para garantir o uso do benefício da meia-entrada por quem realmente tem o direito, especialmente quando o Brasil está prestes a sediar megaeventos, como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Vale também destacar a criação do Grupo de Trabalho da Certificação Digital. Com o franco crescimento do uso da tecnologia de identificação digital é importante ter um grupo técnico formado pelos profissionais mais qualificados para subsidiar, embasar e mesmo propor projetos que precisem da atuação da ABRID. Este grupo de trabalho ajuda a pavimentar o melhor caminho para a certificação digital no Brasil. Confira também o resultado positivo do uso da biometria nas eleições municipais de 2012, quando quase oito milhões de brasileiras e de brasileiros votaram após confirmar a identificação por meio do leitor de impressão digital acoplado à urna eletrônica. A biometria eleitoral foi iniciada em 2008 e em pouco tempo certamente vai estar universalizada, confirmando a segurança da maior eleição digital do mundo. E acompanhe ainda os cases de sucesso, um espaço destinado a mostrar o trabalho de quem está ajudando a implantar hoje o Brasil de amanhã. Concluimos 2012 com a certeza do dever cumprido e desejamos um 2013 de muito trabalho e sucesso para todos. Boa leitura!

ERRATA Na página 40 da idigital 10 (jul./ago./set. 2012), na matéria com o título Analisador de DNA, onde se lê: “O tempo de processamento é muito pequeno, não é necessária a presença de especialistas para a realização de um laudo e o custo do procedimento é reduzido”, leiase: “O tempo de processamento é muito pequeno, não é necessária a presença de especialistas para a realização de um teste e o custo do procedimento é reduzido”.

EXPEDIENTE idigital é uma publicação da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia em Identificação Digital (ABRID). Presidente: Célio Ribeiro Diretor de Identificação Digital: Edson Rezende Diretor de Projetos e Informação Tecnológica: Fernando Cassina Reportagem: Iara Rabelo e Marcio Peixoto Editor: Marcio Peixoto MTB 4169/DF Revisão: Millena Dias Tiragem: 2.500 exemplares Periodicidade: trimestral Contato: (61) 3326 2828 Projeto gráfico e diagramação: Infólio Comunicação www.infoliocom.com - (61) 3326 3414 (Os cases e artigos assinados não refletem o pensamento nem a linha editorial da revista e são de inteira responsabilidade de seus autores)

outubro - novembro - dezembro 2012 | 5


8 |

digital


10º CertForum chega ao fim com mais de dois mil visitantes Florianópolis recebeu em outubro a última etapa do ano do Fórum de Certificação Digital, que passou por outras cinco cidades

outubro - novembro - dezembro 2012 | 9


imagem e arte

F

lorianópolis (SC) recebeu a sexta e última etapa do 10º CertForum. Consagrado como o maior evento da área do país, em Santa Catarina o Fórum de Certificação Digital contou com uma novidade: a apresentação de artigos científicos (saiba mais na página 12). Com realização do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI) e organização da ABRID, o encontro aconteceu em 17 e 18 de outubro no CentroSul, Centro de Convenções de Florianópolis. A mesa de abertura em Floripa contou com as presenças do diretor de Auditoria, Fiscalização Edson Rezende, digital registrada em e Normalização do ITI, diretor da Santa Catarina. Pedro Paulo Lemos Ma- ABRID, ao Encerrando a aberchado, do presidente do microfone tura do CertForum, Eddurante a Centro de Informática e son Rezende disse que abertura Automação do Estado de da etapa a parceria da ABRID Santa Catarina (Ciasc), Florianópolis com o ITI é um bom João Rufino Sales, do exemplo de como entes professor supervisor do Laboratório públicos e privados podem trabalhar de Segurança da Computação (Lab- lado a lado para executar projetos em sec) da Universidade Federal de San- comum. “ABRID e ITI têm um acorta Catarina (UFSC), Ricardo Felipe do de cooperação técnica publicado Custódio, e do diretor de Identica- no Diário Oficial da União para a ção Digital da ABRID, Edson Re- realização do 10º CertForum. Conzende. siderando todas as etapas do evento Pedro Paulo Machado desta- realizadas até aqui, temos a convicção cou o CertForum como uma ótima de que esta parceria foi boa, produtichance de constatar a diversidade de va e bastante promissora. Foi possível aplicações, produtos e serviços que oferecer à sociedade brasileira um cirfazem da Infraestrutura de Chaves cuito de palestras onde indústria, coPúblicas Brasileira (ICP-Brasil) uma mércio, governo e demais interessados plataforma segura e confiável de cer- puderam perceber o quão presente tificação digital. Já João Rufino Sales está a tecnologia em suas rotinas e de parabenizou o ITI pela realização do que maneira ela pode ser uma colaboencontro, enquanto Ricardo Felipe radora para a instauração de melhores Custódio ressaltou a excelência da práticas na administração pública e no produção acadêmica em certificação empresariado brasileiro”, destacou. 10 |

digital

Na sequência aconteceu a mesa ‘Os Avanços da Certificação Digital da ICP-Brasil’, na qual representantes do ITI detalharam o panorama do segmento no país. Participaram dos debates Pedro Paulo Machado e o assessor da Presidência do Instituto, Eduardo Lacerda. Até setembro, a rede da ICP-Brasil contava com 47 Autoridades Certificadoras e 219 Autoridades de Registro. São 1.330 instalações técnicas espalhadas por 434 municípios brasileiros, com 17.804 agentes de registro. Toda essa estrutura foi responsável pela emissão, desde 2009, de aproximadamente 5,5 milhões de certificados digitais. Por regiões do Brasil, esses certificados estão assim divididos: Sudeste 55%, Sul 16%, Nordeste 12%, Centro-Oeste 9% e Norte 8%. A palestra ‘Certificação Digital: Segurança nas Transações Bancárias’, feita pelo representante da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) no Comitê Técnico da Infraestrutura de


experiência de sucesso e, ao mesmo tempo, um caminho sem volta”. Por fim, a programação da etapa catarinense do CertForum contou com a mesa ‘A Certificação Digital da ICP-Brasil nas Ações de Governo’, com representantes da Caixa Econômica, da Receita Federal do Brasil e do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp). A Caixa detalhou o uso da certificação na comunicação com as empresas que recolhem o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Já a Receita Federal, divulgou o aumento da segurança e agilidade no relacionamento com os contribuintes a partir da adoção do certificado ICP-Brasil. E o Icesp demonstrou como um hospital que atende por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) tornou-se o primeiro do país a operar de forma totalmente digital ao assinar laudos, receitas, atestados e prontuários médicos com certificados digitais. »» Ano de sucesso Após a conclusão da etapa de Florianópolis, o ITI divulgou um balanço do 10º CertForum. Antes da capital catarinense, o Fórum da Certificação Digital passou por: Brasília (DF), em 20 de setembro; Rio de Janeiro (RJ), em 29 de agosto; Goiânia (GO), em 14 de junho; Recife (PE), em 24 de maio; e São Paulo (SP), em 11 de abril. O Instituto comemorou o sucesso da empreitada em 2012, destacan-

do o caráter democrático do evento, que contou com a participação de 35 entidades nas palestras e mesas de debate nos cinco estados e no Distrito Federal. O CertForum é ainda realizado de forma gratuita para os participantes, que são desenvolvedores, acadêmicos, estudantes, especialistas, gestores governamentais dos níveis federal, estadual e municipal, usuários de tecnologia e qualquer pessoa interessada em certificação digital e tecnologia da informação. O CertForum promoveu em 2012 a troca de experiências com a certificação digital no padrão da ICP-Brasil e permitiu a disseminação do conhecimento adquirido a partir do uso das novas tecnologias da informação e de comunicação. Em todas as etapas do ano, o público participante foi de aproximadamente 2000 pessoas. O presidente do ITI, Renato Martini, destacou a importância da parceria com a ABRID para realizar o Fórum da Certificação Digital e concluiu: “Foram seis oportunidades bastante interessantes em 2012. Foi possível perceber as características de cada estado durante as apresentações do 10° CertForum. Governo e iniciativa privada demonstraram a tecnologia de estado aplicada em suas rotinas e comprovaram que a certificação digital ICP-Brasil está entre as melhores soluções computacionais do mundo”. Com informações do ITI. imagem e arte

Chaves Públicas Brasileira e gerente Nacional de Certificação Digital da Caixa Econômica Federal, Wander Blanco, detalhou o sistema brasileiro de compensação bancária por imagem (Compe por Imagem). Ele explicou a utilização das tecnologias da informação pelas instituições financeiras, os resultados positivos decorrentes da segurança, integridade e confiabilidade presentes no certificado padrão ICP-Brasil e os desafios e motivações do novo momento da compensação bancária brasileira. Segundo Wander Blanco, a conformidade da assinatura digital foi um grande desafio para implantação do modelo, já que há grande quantidade de bancos e todos deveriam seguir o mesmo padrão. “A Febraban contratou uma solução para que a validação das informações obedecesse um padrão único, o ICP-Brasil, e assim garantisse o fluxo da Compe por Imagem. Todos os bancos brasileiros operam sob essas novas regras e isso só é possível graças a essa interoperabilidade do sistema bancário do país”, relatou. Na mesa ‘Processo Eletrônico do Novo Código de Processo Civil’, o juiz federal do estado do Paraná, Vicente de Paula Ataíde Júnior, destacou a possibilidade de dinamização dos autos com a utilização das novas tecnologias da informação e de comunicação. Segundo ele, a disponibilidade processual e a praticidade promovidas pelo uso do computador e da certificação digital são importantíssimas para o funcionamento da Justiça. E resumiu: “O processo eletrônico assinado com o certificado digital ICP-Brasil está revolucionando o poder judiciário. Trata-se de uma transição paradigmática, uma Público do CertForum Florianópolis lotou o auditório do CentroSul

outubro - novembro - dezembro 2012 | 11


A certificação digital e a academia A apresentação de artigos acadêmicos foi a grande novidade da etapa catarinense do CertForum. Para garantir a atenção e o tempo necessários para o debate dos trabalhos, o evento foi realizado em dois dias em Florianópolis, ao contrário das demais capitais onde foi organizado em 2012, nas quais a agenda foi concluída em um dia. As discussões dos artigos, bem como toda a programação do CertForum, teve transmissão ao vivo pela internet,

para permitir o acompanhamento dos temas por quem não pôde ir a Florianópolis. A certificação digital e o mundo acadêmico têm proximidade, mas é em Floripa que a relação ganha destaque. A produção acadêmica sobre a certificação no padrão da ICP-Brasil transformou a cidade em um grande polo tecnológico nacional. Além disso, uma parceria entre o ITI e a Universidade Federal de Santa Catarina apresenta excelentes

resultados, como a implantação da sala cofre no campus da UFSC e o desenvolvimento do Sistema de Gerenciamento de Certificados (SGC) da ICP-Brasil. Para consolidar a união entre a teoria e a prática, o CertForum abriu espaço na programação aos artigos acadêmicos, que tiveram inscrições abertas em duas categorias: ‘Pesquisa’ e ‘Aplicações/Experiências’. Seis trabalhos foram selecionados e divulgados no Fórum. Confira a relação:

Certificação Digital: impactos percebidos pelos Correios com o V-Post

Autorização de Procedimento de Alto Custo Eletrônica

João Artur de Souza, professor do Programa de Pósgraduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento da UFSC

Bruno Imhof, pesquisador do Instituto Nacional para Convergência Digital do Departamento de Informática e Estatística da UFSC

Apresenta a experiência da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) com a Certificação Digital ICP-Brasil no serviço de postagens virtuais (v-Post)

Reduzir custos e tempo de tramitação da Autorização de Procedimento de Alto Custo, documento muito comum no Sistema Único de Saúde (SUS)

Uma análise dos estudos brasileiros sobre o uso do Certificado Digital da Infraestrutura de Chaves Públicas

Deperimetrização aplicada à Justiça Eleitoral – uma abordagem através de Certificados ICP-Brasil e SAM-L

Isabel Santos, assessora da presidência do ITI e doutoranda do Departamento de Engenharia e Gestão do Conhecimento da UFSC

Wellington Silva de Souza, mestrando em Engenharia Elétrica e Computação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Análise quantitativa sobre os trabalhos de pós-graduação a respeito da ICP-Brasil entre os anos de 1999 e 2011 no banco de teses da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)

A visão tradicional de segurança, baseada em perímetro, além de entravar a evolução dos sistemas corporativos, criaria uma falsa ilusão de proteção. Neste cenário, a ‘deperimetrização’ surge como um novo paradigma orientado à segurança dos dados

Assinador Digital ICP-Brasil: implementação de referência em Java Fábio Dacêncio, professor e coordenador adjunto do Centro Universitário Eurípedes de Marília (Univem) Aborda a produção de um software para assinatura digital no padrão ICP-Brasil desenvolvido em Java, enfatizando a experiência no processo de elaboração do assinador e do verificador da assinatura digital, além da ferramenta de carimbo de tempo (SignServer) adaptada ao modelo ICP-Brasil

Desafios para a universalização do uso de certificados Raimundo Guimarães Saraiva Junior, pesquisador da Universidade de Brasília (UnB) Quais seriam as limitações no uso de certificados digitais, no atual cenário da ICP-Brasil, que impactariam no desejo e objetivo de universalização dos benefícios dessa tecnologia como meio seguro de realização de transações por mecanismos eletrônicos?

Fonte: ITI.

12 |

digital


Vem aí a AR Biométrica

ASSESSORIA DE IMPRENSA DA AKIYAMA

Projeto piloto iniciado em Brasília testa o uso da biometria para identificação do cidadão que deseja obter o certificado digital


Marcio peixoto

Coleta de digital na AR Serasa, em Brasília, dentro do projeto piloto da AR Biométrica

“S

e não confiar numa tecnologia como essa, que a gente põe o dedo e aparecem todos os nossos dados, não tem mais em que confiar!”. Com esta declaração a cabeleireira Maria de Jesus, proprietária de um salão de beleza no Distrito Federal, demonstrou a aprovação ao projeto piloto da Autoridade de Registro (AR) Biométrica. Ela é uma das pessoas interessadas em emitir o certificado digital que, voluntariamente, aceitaram participar da fase de testes da AR Biométrica. O projeto, desenvolvido pelo Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI) com apoio da ABRID, usa a impressão digital para confirmar a identidade do cidadão. “A questão da AR Biométrica nasce da necessidade

que a gente percebe, com a demanda crescente pela emissão de certificados, de tornar o processo de emissão do certificado digital um pouco mais fácil, mais ágil, menos burocrático e mais seguro”, detalha o diretor de Infraestrutura de Chaves Públicas do Instituto, Maurício Augusto Coelho. O processo é simples: o cidadão que deseja obter um certificado digital comparece à Autoridade de Registro e é convidado a participar do piloto (é preciso assinar um termo de aceite); daí a impressão digital é coletada e a imagem é enviada de forma on-line ao banco de dados do instituto de identificação participante, que responde se a impressão digital é – ou não – da pessoa que está na AR. Um software específico faz o elo entre o leitor biométrico instalado na AR e o banco de da-

Confira o processo do projeto piloto da AR Biométrica

1 16 |

digital

O cidadão interessado em adquirir o certificado digital comparece a um AR e é convidado a participar do piloto

dos do instituto de identificação. A participação da ABRID no piloto é exatamente fornecer os meios para efetivar essa conexão. O projeto foi iniciado em março passado na AR da Serasa Experian em Brasília. A capital federal foi escolhida, entre outros motivos, porque o Instituto de Identificação do Distrito Federal (IIDF) conta com 100% da base de dados digitalizada, ou seja, todas as pessoas com carteira de identidade emitida pelo DF têm as informações - como dados biográficos, foto e assinatura - armazenadas digitalmente. E o piloto da AR Biométrica está chegando também à Bahia e ao Rio de Janeiro. O diretor do IIDF, Carlos César de Sousa Saraiva, considera muito positivo os resultados iniciais do piloto. “É uma coisa que todos ganham, o cidadão, os órgãos de identificação e toda a sociedade. O projeto é espetacular. A gente está fazendo história. Daqui a alguns anos muita coisa estará mudada no nosso país a partir desse projeto”, previu. Saraiva vislumbra outra vantagem importante: ampliar o volume de recursos investidos nos institutos de identificação e na segurança pública como um todo, sempre em benefício da população. Isso porque uma

2

É feita a coleta da digital em leitor biométrico

100101001010010101001010110101001101010011001110100100101010


das possibilidades é que os institutos de identificação tarifem as consultas feitas aos bancos de dados pelas Autoridades de Registro ou outras instituições que desejem confirmar a autenticidade de uma identidade. “É um grande passo para a identificação civil no Brasil porque pode vir a viabilizar economicamente. Você sabe que nos estados há poucos recursos e, através de uma medida extremamente simples e, quiçá, muito barata para o cliente (empresas que fariam a consulta), com o volume de consultas, com certeza pode gerar uma receita extra para os órgãos de identificação”, contabilizou. O presidente da Unidade de Negócios de Identidade Digital da Serasa, Igor Rocha, ressaltou que o piloto tem taxa de 97% de sucesso nas tentativas de confirmação da identidade via biometria – percentual acima até dos parâmetros internacionais. “Está indo muito bem. Os 3% que não conseguem passar pelo processo de forma exitosa são justamente aquelas pessoas que, ou por idade, ou por algum problema de pele, ou por terem manipulado em algum momento da vida algum material químico que comprometeu a impressão digital, não têm a oportunidade de ter a sua impressão digital lida por um leitor biométrico”, comemorou. Duas palavras são essenciais na proposta da AR Biométrica, segurança e agilidade. O presidente da

3

Os dados do candidato são enviados ao banco do instituto de identificação

00101010010100101001010100101011010100110101001100111010010010101001010

ABRID, Célio Ribeiro, enfatiza que a proposta eleva ainda mais o nível de confiabilidade do certificado digital, especialmente porque combate eventuais tentativas de fraude na contratação do certificado, já que a identificação do cidadão é feita por meio da atual carteira de identidade brasileira – um modelo superado e sujeito a falsificações. “Tudo que a gente vive no mundo real acaba também, em determinado momento, indo para o mundo virtual. Começou-se a verificar incidência de pessoas com carteira de identidade falsa indo numa AR para tentar fazer certificado digital em nome daquela carteira de identidade, ou seja, essa pessoa além de ser um fraudador no mundo real, tenta praticar fraude no mundo virtual”, constatou. O uso da biometria na identificação do interessado no certificado restringe a chance de fraude na contratação. O presidente do ITI, Renato Martini, também reforçou o significativo aumento de controle do processo de emissão do certificado digital com a biometria: “é a segurança da própria Secretaria de Segurança, porque isso vem de lá, os dados são confirmados por eles, vem de quem faz o registro oficial. Para nós, esse tipo de interação com os institutos de identificação é vital”. Quem comemora é o usuário. Gente como o microempresário

4

Ronaldo Alves Cerqueira, dono de uma fábrica de granola no Distrito Federal que aceitou participar do piloto. No passado, Ronaldo teve a senha bancária clonada e enfrentou problemas com folhas de cheque retiradas indevidamente pelos bandidos e agora está confiante no uso da biometria. “Registraram outra senha e conseguiram retirar folhas de cheque. Agora o meu banco também usa a biometria e, para tirar folhas de cheque da minha conta, só com a minha digital. Se quiserem me roubar, só cortando meu dedo! Se já está dando certo nos bancos, tenho certeza que vai aumentar ainda mais a confiança no certificado digital”, disse. Outra grande vantagem é a redução do tempo necessário para a emissão do certificado digital. Quem garante é o vice-presidente da Certisign, Julio Cosentino: “Se eu estou indo à base de um instituto de identificação público para conferir se você é você mesmo e consigo obter essa resposta em poucos segundos, esse tempo de emissão do certificado, que hoje a gente calcula para uma pessoal física entre 15 e 20 minutos, ele vai cair para cinco minutos. Todo mundo vai ganhar: vou me identificar de forma mais rápida e mais segura”. O ITI estima em cinco segundos o tempo máximo entre o envio das informações (número do RG e im-

RG N.º

0123456 NOME

Maria NASCIMENTO

30/02/1900 NATURALIDADE

Unidade Federal CPF

987.654.321-00

O banco de dados responde confirmando ou não a identidade da pessoa. Em caso positivo, aparece a ficha com foto, assinatura e dados biográficos do portador da identidade

outubro - novembro - dezembro 2012 | 17


Marcio peixoto

O microempresário Ronaldo Cerqueira comemora: biometria é mais segurança pressão digital) ao banco de dados e a resposta do instituto de identificação. A reportagem da idigital passou cerca de duas horas acompanhando o processo na AR Serasa em Brasília e em nenhum dos casos o tempo de resposta foi superior a três segundos. »» Banco de dados preservado Ao desenvolver o piloto, o ITI teve uma preocupação especial em proteger o sigilo do banco de dados dos institutos de identificação, que contém informações dos cidadãos. Assim, a Autoridade de Registro faz apenas uma consulta ao banco do instituto, sem poder inserir, alterar ou suprimir qualquer informação relativa à pessoa que permitiu a coleta da digital para confirmação da identidade. O banco de dados permanece em poder exclusivo do Estado. “Não existe nenhuma troca de informação, nenhuma cessão de informação, apenas a certificação da informação dada, ou seja, se eu tenho uma carteira de identidade e apresento dizendo que eu sou eu, a única coisa que se está fazendo pelo projeto é dizer que essa pessoa é ela 18 |

digital

e mostrar a ficha dela, com a foto e os dados que estão na carteira de identidade. Não há uso de dados reservados, apenas uma certificação”, confirmou o presidente da ABRID, Célio Ribeiro. Quando é feita a consulta e a digital é encontrada no banco de dados, o programa apresenta na tela do computador uma ficha com os dados constantes na carteira de identidade física, como nome completo, filiação, data de expedição do documento e naturalidade, além da foto e da assinatura do portador. Se a digital não fizer parte do banco de dados, o sistema avisa que não foi possível confirmar a identificação. Desta forma, no piloto de Brasília, apenas cidadãos com identidade emitida no DF podem participar. Quando o projeto chegar à Bahia, valerá o mesmo: apenas quem teve o documento emitido pelo instituto de identificação do estado será convidado a colaborar com o piloto. A próxima fase, após os testes, é a normatização da AR Biométrica. Será preciso aprovar a regulamentação do projeto piloto dentro do Comitê Gestor da ICP-Brasil, que con-

trola o sistema de certificação digital brasileiro. O ITI espera concluir todo o processo o mais breve possível, para já em 2013 permitir a implantação definitiva das Autoridades de Registro Biométrica nas unidades da federação que tiverem o banco de dados digital. Maurício Coelho, do ITI, já aposta no passo seguinte: “o segundo momento que a gente imagina, depois da adoção da biometria e desse aculturamento, é usar a própria biometria para uso do certificado digital, ou seja, uma vez que eu tenha coletado a biometria, eu posso armazená-la no cartão e, ao invés de o cidadão usar uma senha para liberar o uso da chave privada, ele usa a sua própria biometria, e aí aquela história de emprestar, passar a senha, isso acaba”. Diante do potencial de resultados da AR Biométrica e da simplicidade do processo – uma mera conferência de informação em banco de dados –, o presidente do ITI, Renato Martini, sentencia: “Tão singelo e, para nós, tão revolucionário”. É a garantia de segurança e agilidade na ponta dos dedos.


wenderson arAújo

O Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI) e a ABRID aproveitaram a realização da ICMedia 2012 em Brasília para demonstrar o funcionamento da AR Biométrica. A Conferência Internacional de Ciências Forenses em Multimídia e Segurança Eletrônica (ICMedia) aconteceu de 18 a 21 de setembro no Hotel Royal Tulip. Um estande foi montado no evento com os equipamentos para Teste da AR consultar a identidade de portadores Biométrica Ainda durante a ICMedia, de cédulas de identificação emitidas durante a foi realizada uma reunião para pelo Distrito Federal, que têm os da- ICMedia acertar o início do projeto piloto dos inseridos no banco do Instituto de também na Bahia. Além do ITI, Identificação do DF e são passíveis de consul- da ABRID e do governo baiano, o encontro ta no projeto piloto feito por meio da Autori- contou com representantes da Certisign, da dade de Registro da Serasa em Brasília. Serasa e de ARs. Os testes já estão disponíO jornalista Edmar Araújo participou veis para os baianos. do teste. Ele colocou o dedo indicador no A diretora do Instituto de Identificação leitor biométrico e em segundos viu seus Pedro Melo, na Bahia, Iracilda Maria de Olidados aparecerem na tela do computador veira Santos, avalia que a AR Biométrica é e em uma grande TV instalada no local. E mais um serviço a ser prestado pelo Estado aplaudiu a novidade: “É impressionante à população. “É a comprovação de que se perceber como as tecnologias da informação pode usar de forma racional a base cadastral e comunicação podem otimizar os serviços do Instituto de Identificação para beneficiar prestados ao cidadão em inúmeras frentes. o cidadão. Então, além da emissão da carEssa Autoridade de Registro Biométrica pro- teira de identidade, nós podemos também va que o país já detém expertise suficiente prestar um serviço para o cidadão conseguir para identificar qualquer pessoa de maneiras ter o seu cadastro autenticado para fazer ouunívoca e inequívoca, promovendo cidada- tros procedimentos, como o certificado diginia, segurança e tantos outros desdobramen- tal”, observou. tos positivos”.

wenderson arAújo

AR Biométrica: teste e reunião no ICMedia

ABRID, ITI, governo baiano, Certsign, Serasa e Autoridades de Registro debatem implantação do piloto na Bahia outubro - novembro - dezembro 2012 | 19


20 |

digital


Estudantes à prova de fraudes Documento que garantirá meiaentrada nos jogos das Copas das Confederações e do Mundo terá certificado de atributo ICP-Brasil e novos padrões de segurança

outubro - novembro - dezembro 2012 | 21


iara rabelo

Renato Martini, presidente do ITI, assina o protocolo de intenções com representantes das entidades estudantis

E

u sou estudante! E que ninguém duvide ou se passe por mim. Com este foco, foi assinado o protocolo de intenções sobre a Carteira Nacional Estudantil. O documento foi assinado pela ABRID, Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), União Nacional dos Estudantes (UNE), União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) e a Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG). A solenidade em Brasília, em 27 de novembro, firmou o acordo de cooperação técnica para a padronização da Carteira Nacional Estudantil com certificação digital no padrão da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil), na realidade um certificado de atributos. A exigência do uso da tecnologia ICP-Brasil consta no Decreto Presidencial nº 7.783, que regulamenta a Lei 12.663 de 5 de junho de 2012, 22 |

digital

a Lei Geral da Copa, para garantir a meia-entrada nos eventos desportivos que o Brasil sediará, como a Copa das Confederações e a Copa do Mundo. Nestes eventos, os estudantes terão 50% de desconto na aquisição dos bilhetes mais baratos, chamados de ingressos categoria 4. Mas, para tanto, precisam comprovar a autenticidade das informações. Assim, para que o estudante tenha assegurado o direito ao desconto será obrigatória a apresentação da identidade estudantil com padrão ICP-Brasil para, de acordo com a Medida Provisória nº 2.200-2, de 24 de agosto de 2001, “garantir a autenticidade, integridade e validade jurídica das manifestações eletrônicas”. O acordo entre as instituições visa definir as especificações técnicas para o novo documento estudantil e criar padrões de segurança e uma estrutura para a recepção do certificado de atributos no padrão da

ICP-Brasil. O termo também permite orientar e subsidiar as entidades estudantis, aproximando-as das melhores tecnologias disponíveis no mercado. O presidente da ABRID, Célio Ribeiro, ressaltou a relevância do trabalho da Entidade junto às organizações estudantis, dando subsídio tecnológico para que possam ter um documento seguro, no qual os estudantes possam ser identificados de maneira única com segurança física e eletrônica. “Esse é um passo muito importante, pois vai trazer a moralização desse sistema de identificação estudantil, que atualmente possui várias falhas, e garantir o direito do estudante de pagar meia-entrada nos grandes eventos que o Brasil irá responder”, ressalta. Para o presidente do ITI, Renato Martini, trata-se de uma oportunidade que viabiliza aos estudantes, através do uso das tecnologias da


Célio Ribeiro, presidente da Abrid, reforça a intenção da entidade de apoiar às entidades estudantis

iara rabelo

ra Naiz, enfatizou a importância da unificação das carteiras estudantis, destacando o direito à meia-entrada como forma de inserção social “Este é um mecanismo importante de acesso à formação e informação, pois isto não se dá apenas no banco da escola, mas em toda a cidade”, disse. A presidente da UBES, Manuela Braga, ressaltou que a carteira estudantil é uma ferramenta muito importante para que o estudante seja devidamente identificado e tenha acesso aos seus direitos. “Unificar e legitimar o direito dos estudantes é muito importante. Temos trabalhado cada dia mais para que a carteira seja inquestionável. A assinatura do acordo nos deixa seguro quanto as questões tecnológicas e a dificuldade de falsificação de um documento como este”, afirma. O novo documento deve ter o mesmo preço da atual carteira de estudante, que varia de R$ 8 a R$ 35, conforme a região do país. Ela poderá ser obtida pelo site da UNE (www.une.org.br) ou postos de atendimento espalhados por todo país. Segundo Iliescu, o valor obtido com os documentos dá autonomia financeira às entidades estudantis. Com informações do ITI

iara rabelo

informação, o benefício dos descontos previstos pela Lei Geral da Copa. “O certificado digital ICP-Brasil já é utilizado em diversas aplicações de governo. Durante a Copa das Confederações e a Copa do Mundo, o estudante munido do documento eletrônico poderá ser identificado de forma inequívoca, o que aumenta substancialmente a segurança de se estar vendendo um ingresso pela metade do preço a quem realmente tenha esse direito”, declarou. “A meia-entrada é um direito de todos os estudantes brasileiros. Trata-se de um marco histórico incluir tecnologias da informação que coíbam a ação de fraudadores que se passam por estudantes para adquirir carteiras estudantis e, assim, usufruir de um benefício que não lhes é devido. A UNE entende que essa medida do governo devolve às entidades estudantis a autonomia de declarar quem de fato é estudante. Vamos recuperar o padrão nacional da carteira estudantil perante os produtores culturais, esportivos e a sociedade. Estamos muito satisfeitos com a assinatura deste acordo de cooperação técnica”, comemorou o presidente da UNE, Daniel Iliescu. Já a tesoureira da ANPG, Tama-

Representantes das entidades estudantis se reúnem com o presidente da Abrid, Célio Ribeiro, e o presidente do ITI, Renato Martini outubro - novembro - dezembro 2012 | 23


11

10 0 0

010010

10

10

10

01 01

10

0

CERTIFICADO DIGITAL

010010001

010100

01

10

01

1

0011001010010010101010010010100101010101010101010010101011010100110011010101010101010010101100101 0101010110100110011010101010011001101001010101011101010101010101010101001010101010101010101010010 0010101010101010101100110010110101001011001010101100100101001001010011001010101001010100101001010 1010100101010101010101010101010010101010101010101010101010101010101010101011101010101010101010010 1010101010101010101010101010101011010100101010101010101010101010101010110101010010101011010010101 0101010101010110100110010101010101010101010101010101010101010101010101010101010100101010101010100 1001010100101001001010110010101001001010010100010010100100100100100101000101011101010101001110100 1001110110101100111001110110101010001010010010100011000110010010011010010010100011100101010001110 0101011010110110111101110101010101001010010101011011101011100110010100101100101011001001110010101 0010100100101010010011101010010001001100101001001010101001001010010101010101010101001010101101010 0110101010101010100101011001010110010101011010011001101010101001100110100101010101110101010101010 1010010101010101010101010100101001001010101010101010110011001011010100101100101010110010010100100 0110010101010010101001010010101010101010010101010101010101010101001010101010101010101010101010101 1100101001110011001011001 0101010111010101010101010100101010101010101010101010101010101010101101010010101010101010101010101 0001110011010100100100101 0101101010100101010110100101010101010101010101011010011001010101010101010101010101010101010101010 1010101010101001010101010101001010100101010010100100101011001010100100101001010001001010010010010 1100101000111100111100010 1010001010111010101010011101001011100111011010110011100111011010101000101001001010001100011001001 1011100101110011011001010 0100100101000111001010100011101010010101101011011011110111010101010100101001010101101110101110011 1001011001010110010011100101010011001010010010101001001110101001000100110010100100101010100100101 1010011101101000100110101 1010101010101010010101011010100110011010101010101010010101100101011001010101101001100110101010100 1000110101110101000101010 1101001010101011101010101010101010101001010101010101010101010010100100101010101010101011001100101 1100101001110011001011001 1001011001010101100100101001001010011001010101001010100101001010101010101001010101010101010101010 0101010101010101010101010101010101010101011101010101010101010010101010101010101010101010101010101 0001110011010100100100101 1010100101010101010101010101010101010110101010010101011010010101010101010101010101101001100101010 1100101000111100111100010 1010101010101010101010101010101010101010101010100101010101010100101010010101001010010010101100101 1001010010100010010100100100100100101000101011101010101001110100101110011101101011001110011101101 1011100101110011011001010 0001010010010100011000110010010011010010010100011100101010001110101001010110101101101111011101010 1010011101101000100110101 1001010010101011011101011100110010100101100101011001001110010101001100101001001010100100111010100 1000110101110101000101010 1001100101001001010101001001010010101010101010101001010101101010011001101010101010101001010110010 0010101011010011001101010101001100110100101010101110101010101010101010100101010101010101010101001 1001010101010101010110011001011010100101100101010110010010100100101001100101010100101010010100101 0101010010101010101010101010101001010101010101010101010101010101010101010101110101010101010101001 0101010101010101010101010101010101101010010101010101010101010101010101011010101001010101101001010 1010101010101011010011001010101010101010101010101010101010101010101010101010101010010101010101010 0100101010010100100101011001010100100101001010001001010010010010010010100010101110101010100111010 1100111011010110011100111011010101000101001001010001100011001001001101001001010001110010101000111 0010101101011011011110111010101010100101001010101101110101110011001010010110010101100100111001010 1001010010010101001001110101001000100110010100100101010100100101001010101010101010100101010110101 0011010101010101010010101100101011001010101101001100110101010100110011010010101010111010101010101 0101001010101010101010101010010100100101010101010101011001100101101010010110010101011001001010010 0011001010101001010100101001010101010101001010101010101010101010100101010101010101010101010101010 1010101011101010101010101010010101010101010101010101010101010101010110101001010101010101010101010 1010110101010010101011010010101010101010101010101101001100101010101010101010101010101010101010101 0101010101010100101010101010100101010010101001010010010101100101010010010100101000100101001001001 0101000101011101010101001110100101110011101101011001110011101101010100010100100101000110001100100 00101001010101101110101110011001010010110010101100100111001010100110010100100101010010011101010010 00110010100100101010100100101001010101010101010100101010110101001100110101010101010100101011001010 01010101101001100110101010100110011010010101010111010101010101010101010010101010101010101010100101 00101010101010101011001100101101010010110010101011001001010010010100110010101010010101001010010101 10101001010101010101010101010100101010101010101010101010101010101010101010111010101010101010100101 10101010101010101010101010101010110101001010101010101010101010101010101101010100101010110100101010 01010101010101101001100101010101010101010101010101010101010101010101010101010101001010101010101001 10010101001010010010101100101010010010100101000100101001001001001001010001010111010101010011101001 10011101101011001110011101101010100010100100101000110001100100100110100100101000111001010100011101 01010110101101101111011101010101010010100101010110111010111001100101001011001010110010011100101010 00101001001010100100111010100100010011001010010010101010010010100101010101010101010010101011010100 01101010101010101001010110010101100101010110100110011010101010011001101001010101011101010101010101 10100101010101010101010101001010010010101010101010101100110010110101001011001010101100100101001001 01100101010100101010010100101010101010100101010101010101010101010010101010101010101010101010101010 01010101110101010101010101001010101010101010101010101010101010101011010100101010101010101010101010 01011010101001010101101001010101010101010101010110100110010101010101010101010101010101010101010101 10101010101010010101010101010010101001010100101001001010110010101001001010010100010010100100100100 10100010101110101010100111010010111001110110101100111001110110101010001010010010100011000110010010 01001001010001110010101000111010100101011010110110111101110101010101001010010101011011101011100110 10010110010101100100111001010100110010100100101010010011101010010001001100101001001010101001001010 10101010101010100101010110101001100110101010101010100101011001010110010101011010011001101010101001 11010010101010111010101010101010101010010101010101010101010100101001001010101010101010110011001011 10010110010101011001001010010010100110010101010010101001010010101010101010010101010101010101010101 01010101010101010101010101010101010101010111010101010101010100101010101010101010101010101010101010 10101001010101010101010101010101010101101010100101010110100101010101010101010101011010011001010101 10101010101010101010101010101010101010101010101001010101010101001010100101010010100100101011001010 10010100101000100101001001001001001010001010111010101010011101001011100111011010110011100111011010 24 | digital 00010100100101000110001100100100110100100101000111001010100011101010010101101011011011110111010101

01

011101010

0 1 0

Certificação digital em foco

ABRID cria grupo de trabalho de olho em mercado promissor de certificados digitais

10010100101010110111010111001100101001011001010110010011100101010011001010010010101001001110101001


iara rabelo

Grupo de Trabalho de Certificação Digital reúne associadas da Abrid

I

nteragir, trocar informações e conhecimentos, compartilhar experiências, promover a integração, debater interesses comuns. Estas são algumas das ações a que se propõe o Grupo de Trabalho de Certificação Digital, criado pela ABRID. Estiveram reunidos na sede da entidade, em Brasília, em 21 de novembro, o presidente Célio Ribeiro, o diretor de Identificação Digital, Edson Rezende de Oliveira, e o assessor Financeiro da Associação, Luiz Carlos de Oliveira, além dos representantes das empresas associadas: Julio Cosentino, presidente da Certisign; Paulo Iijima, gerente Nacional de Vendas da Certisign; João Paulo Foini, gerente de Produtos de Tecnologia da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo; Francisco Komatsu, gerente Líder de Soluções e Projetos da Unidade de Negócios de EID da Serasa Experian; Vinicius Vieira de Sousa, presidente do Conselho de Administração da Soluti; e Cláudio Mariano Peixoto Dias e Michel Medeiros Domingues, também representantes da Soluti. Na

qualidade de convidados, pelo Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), o presidente Renato da Silveira Martini, o diretor de Infraestrutura de Chaves Públicas, Maurício Augusto Coelho, e assessor da Presidência, Eduardo Magalhães Lacerda Filho, também participaram do encontro inaugural do Grupo de Trabalho de Certificação Digital. Célio Ribeiro lembrou que é progressiva a utilização do certificado digital no Brasil. “É crescente a necessidade de acompanharmos a tecnologia e a legislação vigente. Diante disso, a ABRID resolveu criar um grupo técnico que possa subsidiar a Diretoria da Associação em assuntos e projetos relacionados ao tema”, justificou. O grupo inicial de trabalho está composto, como titulares, pelas associadas Certisign, Imprensa Oficial do Estado de São Paulo e Serasa Experian. A Soluti, nova associada, é suplente. O objetivo da união é reunir as empresas associadas para partilhar conhecimento, aumentando a capacidade de auxílio em projetos para os quais a ABRID seja

solicitada. Desta forma, a Associação e as empresas podem auxiliar na construção do melhor caminho para a certificação digital no país. A periodicidade dos encontros será de acordo com as demandas. Todas as empresas associadas que detêm a tecnologia foram convidadas. De acordo com Edson Rezende, entre os projetos pilotos que podem ser trabalhados pelo grupo estão o da AR Biométrica (saiba mais na página 15) e o da carteira estudantil (confirma na página 21). “Estamos trabalhando com o projeto piloto da AR Biométrica, juntamente com o ITI e os Institutos de Identificação, em três estados brasileiros: Distrito Federal, Rio de Janeiro e Bahia”, relatou. Durante a reunião inaugural do Grupo de Trabalho de Certificação Digital, Renato Martini saudou a ABRID pela iniciativa, que considerou de extrema relevância. “A ABRID é uma parceira de longa data, que nos auxilia na promoção de discussões e debates, trabalhando como um canal de interlocução do mercado com o ITI, podendo ajudar consideravelmente a ICP-Brasil”, observou.

outubro - novembro - dezembro 2012 | 25


01100101010110100110011010101010011001101001010101011101010101010101010101001010101010101010101010 10101010101010010101010101010101010101001010101010101010101010101010101010101010101110101010101010 10010101010101010101010101101001100101010101010101010101010101010101010101010101010101010101001010 10100111010010111001110110101100111001110110101010001010010010100011000110010010011010010010100011 10010011100101010011001010010010101001001110101001000100110010100100101010100100101001010101010101 10101110101010101010101010100101010101010101010101001010010010101010101010101100110010110101001011 01010101010101010101010101010101010111010101010101010100101010101010101010101010101010101010101101 10101010101010101010101010101010101010101010100101010101010100101010010101001010010010101100101010 01000101001001010001100011001001001101001001010001110010101000111010100101011010110110111101110101 00100010011001010010010101010010010100101010101010101010010101011010100110011010101010101010010101 10100101001001010101010101010110011001011010100101100101010110010010100100101001100101010100101010 10101010010101010101010101010101010101010101010110101001010101010101010101010101010101101010100101 10101010101010010101001010100101001001010110010101001001010010100010010100100100100100101000101011 00111001010100011101010010101101011011011110111010101010100101001010101101110101110011001010010110 01010101001010101101010011001101010101010101001010110010101100101010110100110011010101010011001101 10110010101011001001010010010100110010101010010101001010010101010101010010101010101010101010101001 11010100101010101010101010101010101010110101010010101011010010101010101010101010101101001100101010 10100100101001010001001010010010010010010100010101110101010100111010010111001110110101100111001110 01010101010010100101010110111010111001100101001011001010110010011100101010011001010010010101001001 01011001010110010101011010011001101010101001100110100101010101110101010101010101010100101010101010 10100101001010101010101001010101010101010101010100101010101010101010101010101010101010101010111010 01010101101001010101010101010101010110100110010101010101010101010101010101010101010101010101010101 00101001010101101110101110011001010010110010101100100111001010100110010100100101010010011101010010 01100101010110100110011010101010011001101001010101011101010101010101010101001010101010101010101010 10101010101010010101010101010101010101001010101010101010101010101010101010101010101110101010101010 10010101010101010101010101101001100101010101010101010101010101010101010101010101010101010101001010 10100111010010111001110110101100111001110110101010001010010010100011000110010010011010010010100011 10010011100101010011001010010010101001001110101001000100110010100100101010100100101001010101010101 10101110101010101010101010100101010101010101010101001010010010101010101010101100110010110101001011 01010101010101010101010101010101010111010101010101010100101010101010101010101010101010101010101101 A Imprensa Oficial tem acompanhado 10101010101010101010101010101010101010101010100101010101010100101010010101001010010010101100101010 há bastante tempo a certificação digital, 01000101001001010001100011001001001101001001010001110010101000111010100101011010110110111101110101 00100010011001010010010101010010010100101010101010101010010101011010100110011010101010101010010101 temos expectativa de estar junto com 10100101001001010101010101010110011001011010100101100101010110010010100100101001100101010100101010 as autoridades certificadoras, ITI e 10101010010101010101010101010101010101010101010110101001010101010101010101010101010101101010100101 também com a ABRID trabalhando no 10101010101010010101001010100101001001010110010101001001010010100010010100100100100100101000101011 00111001010100011101010010101101011011011110111010101010100101001010101101110101110011001010010110 desenvolvimento do cenário nacional da 01010101001010101101010011001101010101010101001010110010101100101010110100110011010101010011001101 certificação digital e seus demais usos e 10110010101011001001010010010100110010101010010101001010010101010101010010101010101010101010101001 aplicações” 11010100101010101010101010101010101010110101010010101011010010101010101010101010101101001100101010 10100100101001010001001010010010010010010100010101110101010100111010010111001110110101100111001110 João Paulo Foini, gerente de 01010101010010100101010110111010111001100101001011001010110010011100101010011001010010010101001001 Produtos de Tecnologia da Imprensa 01011001010110010101011010011001101010101001100110100101010101110101010101010101010100101010101010 Oficial do Estado de São Paulo 10100101001010101010101001010101010101010101010100101010101010101010101010101010101010101010111010 01010101101001010101010101010101010110100110010101010101010101010101010101010101010101010101010101 00101001010101101110101110011001010010110010101100100111001010100110010100100101010010011101010010 01100101010110100110011010101010011001101001010101011101010101010101010101001010101010101010101010 10101010101010010101010101010101010101001010101010101010101010101010101010101010101110101010101010 10010101010101010101010101101001100101010101010101010101010101010101010101010101010101010101001010 10100111010010111001110110101100111001110110101010001010010010100011000110010010011010010010100011 10010011100101010011001010010010101001001110101001000100110010100100101010100100101001010101010101 10101110101010101010101010100101010101010101010101001010010010101010101010101100110010110101001011 01010101010101010101010101010101010111010101010101010100101010101010101010101010101010101010101101 Alinhar e normatizar a indústria 10101010101010101010101010101010101010101010100101010101010100101010010101001010010010101100101010 01000101001001010001100011001001001101001001010001110010101000111010100101011010110110111101110101 para garantir interoperabilidade da 00100010011001010010010101010010010100101010101010101010010101011010100110011010101010101010010101 tecnologia é o objetivo principal do 10100101001001010101010101010110011001011010100101100101010110010010100100101001100101010100101010 grupo técnico da ABRID junto ao ITI 10101010010101010101010101010101010101010101010110101001010101010101010101010101010101101010100101 10101010101010010101001010100101001001010110010101001001010010100010010100100100100100101000101011 que pode regulamentar estes padrões” 00111001010100011101010010101101011011011110111010101010100101001010101101110101110011001010010110 Paulo Iijima, gerente Nacional de 01010101001010101101010011001101010101010101001010110010101100101010110100110011010101010011001101 Vendas da Certisign 10110010101011001001010010010100110010101010010101001010010101010101010010101010101010101010101001 11010100101010101010101010101010101010110101010010101011010010101010101010101010101101001100101010 10100100101001010001001010010010010010010100010101110101010100111010010111001110110101100111001110 01010101010010100101010110111010111001100101001011001010110010011100101010011001010010010101001001 01011001010110010101011010011001101010101001100110100101010101110101010101010101010100101010101010 10100101001010101010101001010101010101010101010100101010101010101010101010101010101010101010111010 01010101101001010101010101010101010110100110010101010101010101010101010101010101010101010101010101 00101001010101101110101110011001010010110010101100100111001010100110010100100101010010011101010010 01100101010110100110011010101010011001101001010101011101010101010101010101001010101010101010101010 10101010101010010101010101010101010101001010101010101010101010101010101010101010101110101010101010 10010101010101010101010101101001100101010101010101010101010101010101010101010101010101010101001010 26 | digital 10100111010010111001110110101100111001110110101010001010010010100011000110010010011010010010100011 10010011100101010011001010010010101001001110101001000100110010100100101010100100101001010101010101 iara rabelo

iara rabelo

Grupo de Trabalho de Certificação Digital da ABRID, em palavras:


sebastião pedra

wenderson arAújo

iara rabelo

0010100100101010101010101011001100101101010010110010101011001001010010010100110010101010010101001 0101001010101010101010101010101010101010101011010100101010101010101010101010101010110101010010101 0101010101001010100101010010100100101011001010100100101001010001001010010010010010010100010101110 1100101010001110101001010110101101101111011101010101010010100101010110111010111001100101001011001 1010100101010110101001100110101010101010100101011001010110010101011010011001101010101001100110100 1001010101100100101001001010011001010101001010100101001010101010101001010101010101010101010100101 1010010101010101010101010101010101011010101001010101101001010101010101010101010110100110010101010 0010010100101000100101001001001001001010001010111010101010011101001011100111011010110011100111011 Para nós é muito bom e interessante 1010101001010010101011011101011100110010100101100101011001001110010101001100101001001010100100111 este trabalho, pois acredito que 1100101011001010101101001100110101010100110011010010101010111010101010101010101010010101010101010 vamos poder reunir forças dentro das 0010100101010101010100101010101010101010101010010101010101010101010101010101010101010101011101010 1010110100101010101010101010101011010011001010101010101010101010101010101010101010101010101010101 empresas para que consigamos fazer 1101010101001110100101110011101101011001110011101101010100010100100101000110001100100100110100100 o desenvolvimento do mercado” 0010101100100111001010100110010100100101010010011101010010001001100101001001010101001001010010101 Francisco Komatsu, gerente 1001010101011101010101010101010101001010101010101010101010010100100101010101010101011001100101101 1010101010101010101010101010101010101010101110101010101010101001010101010101010101010101010101010 Líder de Soluções e Projetos da 0101010101010101010101010101010101010101010101010101001010101010101001010100101010010100100101011 Unidade de Negócios de EID da 0110101010001010010010100011000110010010011010010010100011100101010001110101001010110101101101111 Serasa Experian 1110101001000100110010100100101010100100101001010101010101010100101010110101001100110101010101010 0101010101001010010010101010101010101100110010110101001011001010101100100101001001010011001010101 0101010101010100101010101010101010101010101010101010101101010010101010101010101010101010101011010 1010100101010101010100101010010101001010010010101100101010010010100101000100101001001001001001010 0001001100101001001010101001001010010101010101010101001010101101010011001101010101010101001010110 0010100100101010101010101011001100101101010010110010101011001001010010010100110010101010010101001 0101001010101010101010101010101010101010101011010100101010101010101010101010101010110101010010101 0101010101001010100101010010100100101011001010100100101001010001001010010010010010010100010101110 1100101010001110101001010110101101101111011101010101010010100101010110111010111001100101001011001 1010100101010110101001100110101010101010100101011001010110010101011010011001101010101001100110100 1001010101100100101001001010011001010101001010100101001010101010101001010101010101010101010100101 Nosso principal objetivo com o grupo 1010010101010101010101010101010101011010101001010101101001010101010101010101010110100110010101010 0010010100101000100101001001001001001010001010111010101010011101001011100111011010110011100111011 é atender a demanda de trabalho 1010101001010010101011011101011100110010100101100101011001001110010101001100101001001010100100111 com certificação digital. Quase todos 1100101011001010101101001100110101010100110011010010101010111010101010101010101010010101010101010 os documentos e atividades têm esta 0010100101010101010100101010101010101010101010010101010101010101010101010101010101010101011101010 1010110100101010101010101010101011010011001010101010101010101010101010101010101010101010101010101 ferramenta embutida, que é muito 1101010101001110100101110011101101011001110011101101010100010100100101000110001100100100110100100 importante para o cidadão, tanto 0010101100100111001010100110010100100101010010011101010010001001100101001001010101001001010010101 para sua comodidade quanto para sua 1001010101011101010101010101010101001010101010101010101010010100100101010101010101011001100101101 1010101010101010101010101010101010101010101110101010101010101001010101010101010101010101010101010 segurança” 0101010101010101010101010101010101010101010101010101001010101010101001010100101010010100100101011 Edson Rezende, diretor de 0110101010001010010010100011000110010010011010010010100011100101010001110101001010110101101101111 Identificação da ABRID 1110101001000100110010100100101010100100101001010101010101010100101010110101001100110101010101010 0101010101001010010010101010101010101100110010110101001011001010101100100101001001010011001010101 0101010101010100101010101010101010101010101010101010101101010010101010101010101010101010101011010 1010100101010101010100101010010101001010010010101100101010010010100101000100101001001001001001010 0001001100101001001010101001001010010101010101010101001010101101010011001101010101010101001010110 0010100100101010101010101011001100101101010010110010101011001001010010010100110010101010010101001 0101001010101010101010101010101010101010101011010100101010101010101010101010101010110101010010101 0101010101001010100101010010100100101011001010100100101001010001001010010010010010010100010101110 1100101010001110101001010110101101101111011101010101010010100101010110111010111001100101001011001 1010100101010110101001100110101010101010100101011001010110010101011010011001101010101001100110100 1001010101100100101001001010011001010101001010100101001010101010101001010101010101010101010100101 1010010101010101010101010101010101011010101001010101101001010101010101010101010110100110010101010 0010010100101000100101001001001001001010001010111010101010011101001011100111011010110011100111011 Este é um trabalho muito 1010101001010010101011011101011100110010100101100101011001001110010101001100101001001010100100111 importante para as empresas 1100101011001010101101001100110101010100110011010010101010111010101010101010101010010101010101010 e para o mercado, no qual 0010100101010101010100101010101010101010101010010101010101010101010101010101010101010101011101010 1010110100101010101010101010101011010011001010101010101010101010101010101010101010101010101010101 podemos contar com o apoio 1101010101001110100101110011101101011001110011101101010100010100100101000110001100100100110100100 e a parceria do ITI. A 0010101100100111001010100110010100100101010010011101010010001001100101001001010101001001010010101 ABRID irá contribuir com 1001010101011101010101010101010101001010101010101010101010010100100101010101010101011001100101101 1010101010101010101010101010101010101010101110101010101010101001010101010101010101010101010101010 seus parceiros, oferecendo 0101010101010101010101010101010101010101010101010101001010101010101001010100101010010100100101011 as melhores soluções 0110101010001010010010100011000110010010011010010010100011100101010001110101001010110101101101111 tecnológicas do mercado” 1110101001000100110010100100101010100100101001010101010101010100101010110101001100110101010101010 0101010101001010010010101010101010101100110010110101001011001010101100100101001001010011001010101 Célio Ribeiro, presidente 0101010101010100101010101010101010101010101010101010101101010010101010101010101010101010101011010 da Abrid 1010100101010101010100101010010101001010010010101100101010010010100101000100101001001001001001010 0001001100101001001010101001001010010101010101010101001010101101010011001101010101010101001010110 0010100100101010101010101011001100101101010010110010101011001001010010010100110010101010010101001 0101001010101010101010101010101010101010101011010100101010101010101010101010101010110101010010101 0101010101001010100101010010100100101011001010100100101001010001001010010010010010010100010101110 outubro - novembro - dezembro 2012 | 27 1100101010001110101001010110101101101111011101010101010010100101010110111010111001100101001011001 1010100101010110101001100110101010101010100101011001010110010101011010011001101010101001100110100


wenderson arAújo

iara rabelo

iara rabelo

01100101010110100110011010101010011001101001010101011101010101010101010101001010101010101010101010 10101010101010010101010101010101010101001010101010101010101010101010101010101010101110101010101010 10010101010101010101010101101001100101010101010101010101010101010101010101010101010101010101001010 10100111010010111001110110101100111001110110101010001010010010100011000110010010011010010010100011 10010011100101010011001010010010101001001110101001000100110010100100101010100100101001010101010101 10101110101010101010101010100101010101010101010101001010010010101010101010101100110010110101001011 01010101010101010101010101010101010111010101010101010100101010101010101010101010101010101010101101 10101010101010101010101010101010101010101010100101010101010100101010010101001010010010101100101010 Estamos com boas expectativas para 01000101001001010001100011001001001101001001010001110010101000111010100101011010110110111101110101 2013, o mercado começa a aquecer de 00100010011001010010010101010010010100101010101010101010010101011010100110011010101010101010010101 uma maneira importante para as novas 10100101001001010101010101010110011001011010100101100101010110010010100100101001100101010100101010 10101010010101010101010101010101010101010101010110101001010101010101010101010101010101101010100101 aplicações que vêm pela frente. Temos 10101010101010010101001010100101001001010110010101001001010010100010010100100100100100101000101011 projetos importantes como a carteira 00111001010100011101010010101101011011011110111010101010100101001010101101110101110011001010010110 de estudante, copa do mundo, nova 01010101001010101101010011001101010101010101001010110010101100101010110100110011010101010011001101 10110010101011001001010010010100110010101010010101001010010101010101010010101010101010101010101001 carteira de motorista, uma consolidação 11010100101010101010101010101010101010110101010010101011010010101010101010101010101101001100101010 para os documentos eletrônicos” 10100100101001010001001010010010010010010100010101110101010100111010010111001110110101100111001110 Júlio Consentino, vice-presidente 01010101010010100101010110111010111001100101001011001010110010011100101010011001010010010101001001 01011001010110010101011010011001101010101001100110100101010101110101010101010101010100101010101010 de Relações Institucionais da 10100101001010101010101001010101010101010101010100101010101010101010101010101010101010101010111010 Certisign 01010101101001010101010101010101010110100110010101010101010101010101010101010101010101010101010101 00101001010101101110101110011001010010110010101100100111001010100110010100100101010010011101010010 01100101010110100110011010101010011001101001010101011101010101010101010101001010101010101010101010 10101010101010010101010101010101010101001010101010101010101010101010101010101010101110101010101010 10010101010101010101010101101001100101010101010101010101010101010101010101010101010101010101001010 10100111010010111001110110101100111001110110101010001010010010100011000110010010011010010010100011 10010011100101010011001010010010101001001110101001000100110010100100101010100100101001010101010101 10101110101010101010101010100101010101010101010101001010010010101010101010101100110010110101001011 01010101010101010101010101010101010111010101010101010100101010101010101010101010101010101010101101 Temos boas expectativas, pois 10101010101010101010101010101010101010101010100101010101010100101010010101001010010010101100101010 01000101001001010001100011001001001101001001010001110010101000111010100101011010110110111101110101 acreditamos na força das empresas 00100010011001010010010101010010010100101010101010101010010101011010100110011010101010101010010101 para desenvolver o mercado com mais 10100101001001010101010101010110011001011010100101100101010110010010100100101001100101010100101010 eficiência. A iniciativa da ABRID 10101010010101010101010101010101010101010101010110101001010101010101010101010101010101101010100101 10101010101010010101001010100101001001010110010101001001010010100010010100100100100100101000101011 é extremamente importante, pois as 00111001010100011101010010101101011011011110111010101010100101001010101101110101110011001010010110 associadas são os principais players 01010101001010101101010011001101010101010101001010110010101100101010110100110011010101010011001101 do mercado e temos que nos unir e 10110010101011001001010010010100110010101010010101001010010101010101010010101010101010101010101001 11010100101010101010101010101010101010110101010010101011010010101010101010101010101101001100101010 discutir as propostas para que possamos 10100100101001010001001010010010010010010100010101110101010100111010010111001110110101100111001110 utilizar a tecnologia da melhor forma 01010101010010100101010110111010111001100101001011001010110010011100101010011001010010010101001001 e auxiliar a sociedade brasileira” 01011001010110010101011010011001101010101001100110100101010101110101010101010101010100101010101010 10100101001010101010101001010101010101010101010100101010101010101010101010101010101010101010111010 Vinícius Vieira de Sousa, 01010101101001010101010101010101010110100110010101010101010101010101010101010101010101010101010101 presidente do Conselho de 00101001010101101110101110011001010010110010101100100111001010100110010100100101010010011101010010 Administração da Soluti 01100101010110100110011010101010011001101001010101011101010101010101010101001010101010101010101010 10101010101010010101010101010101010101001010101010101010101010101010101010101010101110101010101010 10010101010101010101010101101001100101010101010101010101010101010101010101010101010101010101001010 10100111010010111001110110101100111001110110101010001010010010100011000110010010011010010010100011 10010011100101010011001010010010101001001110101001000100110010100100101010100100101001010101010101 10101110101010101010101010100101010101010101010101001010010010101010101010101100110010110101001011 01010101010101010101010101010101010111010101010101010100101010101010101010101010101010101010101101 A ABRID é uma grande parceira de 10101010101010101010101010101010101010101010100101010101010100101010010101001010010010101100101010 01000101001001010001100011001001001101001001010001110010101000111010100101011010110110111101110101 trabalho e a criação deste grupo de 00100010011001010010010101010010010100101010101010101010010101011010100110011010101010101010010101 trabalho é de grande importância para 10100101001001010101010101010110011001011010100101100101010110010010100100101001100101010100101010 a certificação digital, nos auxiliando 10101010010101010101010101010101010101010101010110101001010101010101010101010101010101101010100101 10101010101010010101001010100101001001010110010101001001010010100010010100100100100100101000101011 sempre nas discussões e debates que são 00111001010100011101010010101101011011011110111010101010100101001010101101110101110011001010010110 de grande importância, sendo um canal 01010101001010101101010011001101010101010101001010110010101100101010110100110011010101010011001101 de comunicação nosso com o mercado” 10110010101011001001010010010100110010101010010101001010010101010101010010101010101010101010101001 11010100101010101010101010101010101010110101010010101011010010101010101010101010101101001100101010 Renato Martini, presidente do ITI 10100100101001010001001010010010010010010100010101110101010100111010010111001110110101100111001110 01010101010010100101010110111010111001100101001011001010110010011100101010011001010010010101001001 01011001010110010101011010011001101010101001100110100101010101110101010101010101010100101010101010 10100101001010101010101001010101010101010101010100101010101010101010101010101010101010101010111010 01010101101001010101010101010101010110100110010101010101010101010101010101010101010101010101010101 00101001010101101110101110011001010010110010101100100111001010100110010100100101010010011101010010 01100101010110100110011010101010011001101001010101011101010101010101010101001010101010101010101010 10101010101010010101010101010101010101001010101010101010101010101010101010101010101110101010101010 10010101010101010101010101101001100101010101010101010101010101010101010101010101010101010101001010 28 | digital 10100111010010111001110110101100111001110110101010001010010010100011000110010010011010010010100011 10010011100101010011001010010010101001001110101001000100110010100100101010100100101001010101010101


30 |

digital


Urna biométrica potencializa a segurança da maior votação eletrônica do mundo, a eleição brasileira

foto: Christophe Scianni/ASICS composição: Lucivam costa

Voto ainda mais digital

outubro - novembro - dezembro 2012 | 31


Christophe Scianni/ASICS

Eleitor testa e aprova o uso da biometria nas eleições brasileiras

32 |

digital

ros residentes no exterior, que não logia teve o uso ampliado em 2010, quando a urna biométrica chegou a participaram da eleição municipal. Dos quase 140 milhões de elei- 60 municípios. Agora em 2012, a notores, 7,7 milhões usaram a urna bio- vidade chegou a 299 cidades em 24 estados. Só três unidamétrica, como Jaqueline des da federação ainda Sousa. Quem também Urna só é liberada para não utilizaram a urna usou a digital para garancom leitor das digitais: tir o voto foi o curitibano voto após a Carlos Rodrigues: “Com confirmação da Amazonas, Distrito Feidentidade do deral e Roraima. certeza, dá uma sensaeleitor ção maior de segurança, porque ninguém tem impressão digital igual à de ninguém”. Curitiba (PR), Porto Velho (RO) e Goiânia (GO) foram as três capitais estaduais a votar com a urna biométrica este ano. O processo começou na eleição de 2008, quando três cidades fizeram os primeiros testes da biometria eleitoral: Colorado do Oeste (RO), Fátima do Sul (MS) e São João Batista (SC). Aprovada no piloto, a tecnoChristophe Scianni/ASICS

“D

á orgulho de ser brasileira”. A declaração – da balconista Jaqueline Sousa, de Jundiaí (SP) – retrata a força do sistema de votação eletrônica implantado no Brasil desde a década de 1990. O orgulho de Jaqueline, e de outros 7,7 milhões de brasileiros, aumentou ainda mais na eleição municipal 2012. O pleito deste ano contou com uma grande ampliação no número de usuários da urna biométrica – liberada a partir da confirmação da impressão digital do eleitor, captada por um leitor acoplado à urna eletrônica. A eleição brasileira, que já é a maior informatizada do mundo, ganha ainda mais confiabilidade e segurança com a biometria. Neste ano, 138,5 milhões de eleitores estavam aptos a votar em 5.568 municípios, que utilizaram 501.923 urnas eletrônicas. Esse universo só exclui os habitantes do Distrito Federal e da ilha de Fernando de Noronha (PE), além dos brasilei-


foi concluído em abril. Agora, passados os dois turnos do pleito, o processo de recadastramento já foi retomado, com foco na eleição de 2014. Ainda em 2012, três municípios maranhenses iniciaram o processo: Domingos do Azeitão, Novo Iorque e Postos Bons. O TSE trabalha para que mais de 20 milhões de eleitores votem de forma biométrica no próximo pleito. É a urna biométrica a cada dia mais perto de todos os brasileiros.

eleitores

8 milhões

Biometria nas eleições

2 milhões

4 milhões

6 milhões

7.779.792

1.136.140

municípios

300

40 mil

40.728

200

299

2012

fonte: TSE

24

3

2008

0

23

2010

60

estados

100

Christophe Scianni/ASICS

O Tribunal Superior Eleitoral importância da evolução tecnológica (TSE), responsável pela organização para garantir ainda mais segurança e das eleições, comemora o sucesso da lisura no processo eleitoral. biometria. É o que diz o secretário de Tecnologia da Informação do »» Recadastramento é o TSE, Giuseppe Janino. “O balanço primeiro passo é muito positivo, principalmente na O TSE, em parceria com os Triquestão da credibilidade no ato da bunais Regionais Eleitorais (TREs), identificação. Com a identificação aproveita o recadastramento eleitoral biométrica nós praticamente garan- para capturar os dados biométricos timos a inviabilidade de uma pessoa dos eleitores. Tecnicamente, o Tribupassar por outra na seção eleitoral. É nal chama o processo de revisão do a garantia de que a pessoa que está ali eleitorado. “O rito da revisão do eleise identificando é a mesma que fez o torado consiste na presença in loco registro”, enfatizou. do eleitor, até para mostrar que ele Um dos fatores positivos desta- está ali, está vivo. Ele também comcados pelo Tribunal com o uso da prova seus dados de residência. Isso biometria é o grande compareci- existe como um instrumento de conmento de eleitores às urnas. Alagoas vocação do eleitor nos municípios e Sergipe foram os únicos estados onde há um índice de eleitores muique votaram integralmente por meio to próximo do total da população. biométrico este ano e tiveram índi- Então, quando chega a 80%, 90%, ces de comparecimento, respectiva- 100%, são indicados para fazer”, demente, de 96% e 95%. Em geral, a talhou Giuseppe Janino. abstenção é na faixa de 14 a 15%, A participação no recadastramais do que o dobro do registrado mento é compulsória, o eleitor é com a urna bioméconvocado a comparecer e, trica. Para o TSE, o Biometria amplia se não o fizer, fica de fora do segurança no resultado é excepcadastro eleitoral. A obrigacional e mostra a ato de identificar toriedade garante a coleta o eleitor da biometria de todos os cidadãos e cidadãs aptos para votar. O processo inclui a captura das impressões dos dedos das duas mãos e ainda uma imagem no padrão ICAO (Organização Internacional da Aviação Civil, em tradução livre do inglês). “Todo o país vai passar por isso, até para que a gente consiga chegar a 100%. Então, todo eleitor vai comparecer ao cartório eleitoral, mais cedo ou mais tarde, e fazer o recadastramento”, completou o secretário do TSE. Para a eleição deste ano, o cadastramento biométrico, iniciada em 2011,

outubro - novembro - dezembro 2012 | 33


Pioneiro da urna eletrônica Ele é uma espécie de guru da urna eletrônica. Giuseppe Janino, hoje secretário de Tecnologia da Informação do TSE, trabalha na informatização das eleições brasileiras desde meados da década de 1990, e é coautor do projeto de criação da urna eletrônica. Recebeu diversas premiações pela iniciativa, com destaque para o Prêmio Cidadania Digital 2011, promovido pela ABRID em parceria com o Movimento por Respeito à Cidadania. Confira parte do bate-papo da idigital com ele:

marcio peixoto

id: Na eleição deste ano, como foi o índice de reconhecimento das digitais pela urna biométrica?

idigtal: O brasileiro tem facilidade com o uso da tecnologia? Giuseppe Janino: No início da urna eletrônica tínhamos muita preocupação com a questão da resistência do cidadão com o novo formato de votar, principalmente na interface de um dispositivo tecnológico. E a preocupação era a possível segregação de pessoas, havia a preocupação de que certos indivíduos não conseguiriam interagir com o equipamento. E, para nossa surpresa, foi o contrário. Não só não houve segregação de pessoas que já votavam no processo manual, como houve a inclusão de uma fatia de pessoas que não tinham acesso ao processo convencional, como, por exemplo, o analfabeto, o indígena, os deficientes visuais, os mais idosos que já apresentavam grandes dificuldades em manipular o papel, escrever, etc. ou seja, a tecnologia, claro que foi adaptada, estudada para ter uma interface muito amigável, muito intuitiva, incluiu pessoas. 34 |

digital

GJ: Atingimos, numa primeira análise que realizamos, em torno de 95% de reconhecimento. É um índice bastante positivo. Esse é um indicador ainda numa primeira avaliação, numa avaliação mais aprofundada, ele tende ainda a aumentar. id: O senhor já disse que um grande benefício da biometria é a segurança. Há outros? GJ: O segundo benefício é o que nós vamos obter à medida que realizarmos o batimento, a comparação dos dados que nós temos, por meio do sistema AFIS(Automated Fingerprint Identification System). Aí esse benefício vai ser diretamente agregado ao nosso cadastro. Hoje nós temos uma base de dados, digamos, que tem a maior credibilidade justamente por todo o procedimento que a Justiça Eleitoral faz para garantia de unicidade do cidadão. Com a introdução da biometria, isso vai ser potencializado. E o terceiro benefício seria, uma vez consolidado o projeto do RIC, que está numa fase de reavaliação, a emissão do documento único e confiável para o cidadão, que vai ter uma série de outros benefícios, principalmente no combate à prática de fraudes de falsidade ideológica.

id: A que pode ser atribuído o menor índice de abstenção nas localidades que usaram a urna biométrica? GJ: Tem algumas possibilidades. Primeiro, do resultado desse trabalho, que é efetivamente fazer o saneamento, é ajustar, ter garantia de que o eleitor que está votando é a própria pessoa, e até mesmo eliminar aquelas pessoas que votam em outras localidades, as que morreram, apesar de todo o controle já realizado. Então, nestes locais o índice de abstenção cai pela metade. Outra possibilidade é a motivação. A pessoa que se cadastrou biometricamente quer ver o resultado. É um motivador para ela ir à seção e interagir com a nova tecnologia. id: Qual o próximo passo no projeto da biometria eleitoral? GJ: O objetivo dessa próxima fase, que é uma prioridade da ministra Carmem Lúcia (presidente do TSE), é cadastrar mais 16 milhões de eleitores para 2014. Então, somando-se ao quantitativo que já existe, chegarmos próximo à casa dos 24 milhões, 25 milhões já para 2014. O objetivo é chegarmos a 2018 com 100% do cadastro feito biometricamente, claro que isso é uma meta e bastante desafiadora.


Piauí Amapá

5 149.273

1 5.193

Ceará

Maranhão

1 30.232

6 102.934

Rio Grande do Norte 14 175.498 paraíba

pará

4 71.383

1 44.659

pernambuco 12 355.189 Alagoas

Tocantins

Bahia

18 124.750

Mato Grosso 7 71.032

Acre 2 11.679

44 1.852.549

1 24.244

Sergipe 26 1.382.973

goiás 4 881.526

Rondônia

Mato Grosso do sul

5 313.703

6 73.104

Minas gerais 19 283.776

rio grande do sul 1 228.260

O Distrito Federal não tem eleição para prefeito, por isso não houve votação em 2012. Amazonas e Roraima ainda não utilizam a urna biométrica. Dados do TSE.

3 70.353 Rio de Janeiro

paraná 2 1.180.170

espírito santo

São Paulo 4 299.198 santa catarina 1 18.101

1 21.913

legenda Quantidade de municípios Quantidade de eleitores Região Norte Região Nordeste Região Centro-Oeste Região Sudeste Região Sul

outubro - novembro - dezembro 2012 | 35


ig

S os ia

S t O og

r ol

a

cn

C e A Te


RI

a

le

itu

a rm fo cioa n ote e fu pr a fle de om re es e tor ção a s pre s qu re ta É m di lan s. a e uce to ia p gia ad e s ex ór os, t i m st m hi sóc la i olo e c o d co ne a i , n a e s d d c s ún isso ia es z ca s p te um u a e e c f m m or s uçõ de ue um u udo sên açõ de te l o o m s t p q ã e e rm da ue a u so nt q es ada or me res raç ias lve , a info ma i r o das o o r pr p o o t o t s v t p r ó v a d t s r e i f em con sca vol cia co his sen teú nd r na or e so . n e da en bu en de a s a p i e s Ca ica na des nto cad ssa m d co apr uxil . É s a ocê a v ún rios e nju o, s e que eri e , a uro e a m s co rup oda ra erd e d ças fut qu co ná so g s d t a n o ir to p e p ida uda do para ess ce um da de ca sum jus , qu rtun r m nto ço suc , sa . Re ria itor opo oca ame spa de e so o s o le a rov nej re e sos nã ra ia e m p pla ab s ca pa tór ode no ital seu s hi e p es, idig m da qu isõ a c ist divi de rev D . ra

a

AB

Bo


RESUMO A indústria de personalização de cartões tem investido no desenvolvimento de tecnologias para aumentar a segurança e proteção das informações contidas nos cartões, além de criar a diferenciação necessária para cada um dos tipos de programas de cartões dos emissores nas diferentes plataformas de processamento. Este artigo traz uma compilação do que está disponível no mercado atualmente.

PALAVRAS-CHAVE Personalização, Retransferência, Direct-to-card, Embossing.

ABSTRACT The card personalization industry has invested in the development of technologies to increase the security and protection of the information contained in the cards, and has created the necessary differentiation for each type of card program from issuers in the different processing platforms. This article presents a compilation of what’s available on the market today.

KEYWORDS Personalization, Retransfer, Direct-to-Card, Embossing.


CASO / ARTIGO

TECNOLOGIAS DE PERSONALIZAÇÃO DE CARTÕES: MAIS SEGURANÇA, MAIOR QUALIDADE E DIFERENCIAÇÃO Por Alyssa Arredondo, Bart Meredith e Denise Stewart

A

s tecnologias de emissão de cartão têm avançado tão rapidamente que estão exigindo dos gestores de processos e portfolio de clientes um acompanhamento cada vez mais próximo em relação ao que está disponível do mercado. Novidades que otimizam e agilizam processos, promovem maior segurança e novos recursos de personalização são alguns dos diversos itens a serem observados.

A Datacard vem desenvolvendo com seus parceiros, ao longo de seus 40 anos de existência, inovações no processo de emissão e personalização de cartões. Este trabalho vem proporcionando às organizações que utilizam as soluções Datacard as condições de adotarem posicionamento diferenciado para seus produtos em função do grau de versatilidade de personalização atingido, além de proteger as informações contidas no

cartão como nunca se viu antes. Este artigo tem por objetivo propiciar uma visão geral das tecnologias existentes e as mais recentes em emissão e personalização de cartões. Em complemento a essas tecnologias, a Datacard desenvolveu a plataforma “Secure Issuance Anywhere™” (Emissão Segura em Qualquer Lugar) que permite integrar os processos de emissão centralizada, instantânea e móvel em uma única solução, garantindo assim a liberdade e flexibilidade para gerenciar os programas de cartões na maneira que o emissor escolher.

outubro - novembro - dezembro 2012 | 39


Benefícios • Qualidade superior de imagem reforça a imagem da marca • A impressão “além da borda” proporciona vantagem estética do cartão

Processo de Impressão por Retransferência A maioria das tecnologias desenvolvidas está disponível tanto para emissão centralizada em altos volumes como para emissão instantânea. Em alguns casos são exclusivas para uma ou outra modalidade. A partir de agora, vamos enfocar cada uma das tecnologias e apontar as plataformas em que são aplicadas. Usaremos os boxes de EC para emissão centralizada e EI para emissão instantânea.

o prolongado processo de litografia com o imediatismo da impressão sob demanda e permite a produção de cartões mais atrativos e altamente customizados. Estoques de vários tipos de cartões pré-impressos podem ser substituídos por cartões em branco.

»» OVERVIEW DA TECNOLOGIA DE RETRANSFERÊNCIA EC EI Esta tecnologia imprime camadas separadas de ciano, magenta, amarelo e preto em material de retransferência transparente, em seguida, transfere a imagem composta para o cartão. Este processo viabiliza uma imagem que cobre o cartão em toda a superfície além da borda (over-the-edge) e é frequentemente utilizado para a emissão do smart cards porque acomoda facilmente irregularidades na superfície do cartão, como o chip de contato. Os sistemas da Datacard usam dois tipos de mídia de retransferência: à base de corantes e à base de pigmentos

Dye-based (à base de corantes)

Vantagens da Impressão por Retransferência A tecnologia de retransferência muda significativamente as questões relativas a prazos e custos associados a cartões totalmente coloridos e bandeirados. A retransferência elimina 40 |

digital

»» A TECNOLOGIA DA IMPRESSÃO POR RETRANSFERÊNCIA EI A tecnologia à base de corantes é o padrão da indústria para impressão de fotos a cores. Esta tecnologia de 300 dipi usa corantes quadricolor CMYK para criar imagens de qualidade fotográfica em cartões em branco. A qualidade do trabalho combinada com os recursos de impressão “além da borda” (over the edge) fazem desta tecnologia a solução ideal para programas de reconhecimento da marca que oferecem cartões diferenciados e emissão instantânea em localidades específicas. O fundo, a marca da empresa e as informações do portador foram impressas em cartão em branco com personalização pela impressora Datacard FCP 20/20 de retransferência

• Os recursos de impressão sob demanda reduzem ou eliminam a necessidade de cartões pré-impressos. »» A TECNOLOGIA DE IMPRESSÃO POR RETRANSFERÊNCIA EC

Pigment based (à base de pigmentos) A impressão colorida à base de pigmentos por retransferência transforma os cartões em branco em cartões diferenciados com qualidade de imagem muito próxima à litográfica. As imagens que cobrem toda a superfície do cartão podem ser impressas usando as tintas à base de pigmentos e a tecnologia de retransferência térmica variável de pontos. A tecnologia de impressão colorida por retransferência Datacard® Artista® VHD - disponível no sistema de emissão de cartões Datacard® MX6000™ oferece este recurso. Impressão no padrão de 600 dpi ou opcional de 1.200 dpi fazem desta tecnologia a solução ideal para a produção de cartões altamente diferenciados e para tornar pequenos volumes de processamento mais rentáveis. Aplicações típicas incluem cartões de crédito ou débito com fotos.


Vantagens gerais da impressão Direct-to-Card Este cartão foi personalizado a partir de um cartão branco pelo sistema MX6000™ com o módulo Artista VHD. Gravação das informações em relevo (embossing), topping (cobertura) em prata e indent no verso. Cartão com a proteção topcoat UV-curable Datacard® CardGard™

Benefícios • Imprime tons naturais da pele, excepcional resolução e definição de cores ricas e vibrantes • Integra-se facilmente com a gama completa de opções de design de cartões - fotos de fundo, fotos do portador do cartão, microimpressão, cores chapadas e tintas metálicas • Traz maior rentabilidade para pequenos volumes e ofertas altamente personalizadas • Ajuda a reduzir a dispersão de corantes e proporciona cor uniforme em grandes áreas

O módulo de impressão por retransferência do Artista VHD no sistema MX6000™ proprociona recursos para usar uma gama completa de tintas metálicas para aplicação em cartões em branco, como podemos observar neste design exclusivo, adicionando um detalhe distinto para cartões de crédito, de débito ou pré-pagos. O número da conta foi produzido com a impressão indent em preto

As tecnologias de impressão de imagens a laser, de gráficos monocromáticos, coloridos e Drop-on-demand (DoD) são altamente refinadas. Equipamentos e suprimentos compatíveis são bastante acessíveis e disponíveis. A maior parte dos programas de cartões usa algumas ou todas estas tecnologias em função do grau de confiabilidade e previsibilidade, ou seja, consistência nas impressões, sem surpresas.

Gráficos monocromáticos EC EI »» OVERVIEW DA TECNOLOGIA DIRECT-TO-CARD EC EI Personaliza a superfície do cartão com imagens e textos usando tecnologias “direct-to-card” como • Gráficos monocromáticos • D2T2 – Dye Diffusion Thermal Transfer (Transferência Térmica por Difusão de Corantes) • DROP-0N-DEMAND (DoD) Impressão de tinta sob demanda • Gravação a laser

Transferência térmica monocromática é o método mais comum para a impressão em uma só cor. Geralmente incluem elementos como texto, logotipos e códigos de barras. Os cabeçotes de impressão térmica iniciam o contato direto entre os ribbons de pigmento monocromático proporcionando a cobertura de borda a borda do cartão. Esta tecnologia é compatível com uma grande variedade de tipos de cartões. Tecnologia aplicada a cartões de crédito, débito, pré-pagos e gift cards.

A imagem de fundo, logo da empresa e a informação do portador foram personalizados a partir de um cartão em branco através do sistema MX6000™ usando o módulo do Artista VHD. O cartão está protegido pela cobertura (topcoat) CardGard™ UV- curable. A impressão pode ser tanto na vertical quanto na horizontal outubro - novembro - dezembro 2012 | 41


O logotipo da empresa financeira sobre este cartão foi impresso usando tecnologia gráfica monocromática. Outros recursos de card design incluem caracteres em relevo e cobertura em ouro metálico - todos personalizados com o sistema MX6000™

Benefícios • Maximiza a vida útil do cartão com ribbons duráveis à base de resinas que oferecem excelente resistência contra arranhões, manchas e elemetos químicos. • Permite aos clientes imprimir uma grande variedade de textos ou imagens a partir de cartão em branco ou pré-impresso.

D2T2 – Dye Diffusion Thermal Transfer (Transferência Térmica por Difusão de Corantes) EC EI A impressão por retransferência térmica por difusão de corantes, também conhecido por “D2T2” é o processo mais comumente usado na personalização colorida do cartão. O cabeçote de impressão térmica promove o contato direto do ribbon com corante na base do cartão, resultando assim em cobertura praticamente de borda a borda. Tecnologia geralmente usada para cartões de crédito, débito e pré-pagos. Este cartão previamente gravado com o número da conta em relevo sob um cartão em branco foi impresso e personalizado com a impressora Datacard® FP65i® com ribbon YMCKT. 42 |

digital

A foto no cartão foi criada com a tecnologia de impressão de etapa única e protegida com cobertura (topcoat) básica. O cartão também apresenta gravação em relevo e cobertura (topping) dos caracteres em prata. A personalização foi feita pelo sistema de emissão de cartão Datacard® MX1000 ™. O fundo em prata foi pré-impresso durante o processo de fabricação do cartão.

Benefícios • Proporciona cores em tons contínuos com consistência e qualidade excepcionais • Oferece uma tecnologia confiável para uma grande variedade de sistemas da Datacard em emissão centralizada de grandes volumes ou descentralizadas de menores volumes. • Garante um baixo custo por cartão. »» DROP-0N-DEMAND (DoD) EC

Impressão de tinta sob demanda Os sistemas DoD usam uma tinta de cura rápida especialmente formulada que permite impressão de jato de tinta em alta velocidade. Um cabeçote de impressão pressurizada direciona finas gotas de tinta bran-

ca ou preta nos locais determinados. Este processo resulta em imagens e textos extremamente nítidos e precisos. A tinta cura rapidamente usando uma fonte de luz UV e pode ser aplicada a uma grande variedade de cartões e porta-cartões, frente ou verso. Usado para grandes volumes de impressão como gift cards e cartões pré-pagos.

O número da conta e nome do portador foram impressos usando a tecnologia DoD no sistema de personalização de cartões Datacard® MJ7500™

Benefícios • Processa grandes volumes com alto grau de confiabilidade • Aplica tinta de cura rápida para uma vasta gama de cartões pré-impressos • Garante um baixo custo por cartão.

Gravação a laser EC EI A gravação a laser proporciona a possibilidade de adicionar imagens em alta qualidade, fontes vetoriais, códigos de barras e textos a cartões de crédito, débito entre outros tipos de cartão. Textos e imagens são gravados abaixo da superfície do cartão, protegendo-os da umidade, produtos químicos e abrasões. Com isso podemos obter excepcional segurança no cartão com personalização termo “flat” ou em alto relevo “embossed”.


Personalização de smart cards

Este cartão pré-impresso apresenta gravação a laser do número do cartão e do nome do portador. Cartão personalizado no sistema Datacard® MX 6000™

Benefícios • Alta qualidade na gravação de imagens em tons de cinza, textos e microtextos em preto e branco •

Alteração física de substrato, tornando o cartão altamente resistente à adulteração e fraude

• A gravação a laser não usa suprimentos »» ALÉM DE IMPRESSÃO: OUTRAS CARACTERÍSTICAS CHAVEs DE CARD DESIGNS Os sistemas de emissão da Datacard oferecem uma gama completa de recursos de personalização além das tecnologias citadas neste artigo. As tecnologias abaixo são as mais usadas para incrementar a aparência ou funcionalidade no processo de personalização de cartões.

Codificação de tarja magnética A Datacard oferece soluções de eficiência comprovada para cartões de alta e baixa coercividade. Em ambientes de emissão centralizada ou emissão instantânea, o processo de codificação é rápido, seguro e altamente preciso.

A tecnologia de smart cards aumenta significativamente a segurança e funcionalidade dos cartão. Além disso, smart cards podem ser personalizados para diversas finalidades e segmentos como transporte, programas de fidelidade e telecom. Os sistemas Datacard® permitem aos emissores personalizar smart cards como parte do processo inline. Tanto cartões contact ou contacless podem ser personalizados de maneira segura e rápida.

Topcoats (cobertura de acabamento) e laminados Topcoats protetores e laminados oferecem forte proteção para os cartões. Funcionam com escudo contra umidade, produtos químicos, abrasões além de fornecer inviolável proteção contra adulterações.

Embossing (gravação em alto relevo) e indent As clássicas tecnologias de embossing aumentam a segurança dos cartões, pois é praticamente impossível alterar os caracteres sem deixar evidências da tentativa de adulteração. Os sistemas Datacard utilizam tecnologias de embossing de eficiência comprovada e que vem sendo aperfeiçoadas em mais de 40 anos de experiência na personalização de cartões.

Sobre os autores Alyssa Arredondo, Bart Meredith e Denise Stewart são executivos da Datacard que juntos somam mais de 50 anos de experiência na indústria de pagamentos e personalização, atuando em áreas Técnicas de Vendas, de Gestão de Produto e Serviços Financeiros. outubro - novembro - dezembro 2012 | 43


RESUMO A implementação de processos democráticos seguros e que contemplem boa parte dos habitantes de um país ainda aparece como um grande desafio para diversas nações espalhadas pelo planeta, e isso não seria diferente em Burkina Faso. Apesar da boa participação dos eleitores nas últimas eleições, o pequeno país localizado na África Ocidental possui alguns obstáculos a serem vencidos quando se trata de melhorar as condições de voto da população. A distância entre os moradores de áreas rurais e os postos oficiais de votação ainda impede diversos cidadãos de exercerem o direito de participar das escolhas de seu país. Contudo, já existem alternativas que se mostraram eficientes ao combater este problema. O uso da tecnologia biométrica é uma delas, e irá contribuir muito para a fortificação da democracia no país africano.

PALAVRAS-CHAVE Tecnologia biométrica, Burkina Faso, democracia, eleições, desenvolvimento.

ABSTRACT The implementation of secure democratic processes that address many of the inhabitants of a country still appears as a major challenge for many nations around the planet, and it would be no different in Burkina Faso. Despite the good turnout of voters in the last election, the small country located in West Africa has some obstacles to overcome when it comes to improving the voting population. The distance between the residents of rural areas and the official voting stations still prevents many citizens from exercising the right to participate in the choice of their country. However, there are alternatives that have proven effective to combat this problem. The use of biometric technology is one of them, and will greatly contribute to the fortification of democracy in the African country.

KEYWORDS Biometric technology, Burkina Faso, democracy, elections, development.

Democracia digital em Burkina Faso


CASO / ARTIGO Por Tamsin Oxford

A

s águas da democracia raramente têm uma navegação tranquila e Burkina Faso - uma nação da África Ocidental sem acesso ao mar, com 17 milhões de habitantes - experimentou sua parcela de turbulência. A construção de uma democracia demora e vai além do simples fortalecimento do processo eleitoral. É preciso haver uma forte relação entre o Estado e seus cidadãos - um nível Estações de confiança para um fumóveis de turo sustentável. de dezembro de 2012, o país Embora Burkina Faso inscrição implantou um sistema digital tenha tomado as medi- utilizadas que permitiu que uma maior das certas, a combinação em Benin. parcela da população rural se da pobreza e de processos envolvesse no processo demodemocráticos frágeis viu o país cair crático. A Ceni, Comissão Nacional em uma zona intermediária entre o Eleitoral Independente, escolheu velho autoritarismo e a nova demo- a solução de cadastro Coesys para cracia. De acordo com o Institute for ajudar a desenvolver um cadastro Democracy and Electoral Assistance de eleitor seguro e de confiança em – Idea (Instituto para a Democracia todo o país. O sistema “all-in-one” e Assistência Eleitoral), 56,43% dos (tudo em um) capta os dados deeleitores cadastrados, ou 37,93% das mográficos, fotografia, impressões pessoas com direito a votar, votaram digitais e assinatura - e é totalmente nas últimas eleições parlamentares, portátil, tornando-o ideal para levar em 2007. Compare estes números a essas comunidades distantes. aos de duas democracias bem estabeApós cada pessoa ter seus dados lecidas e você descobrirá que Burki- registrados, elas recebem um cartão na Faso não está muito atrás do Rei- do eleitor na hora. Como esperado, no Unido e está, na verdade, à frente isso ajudou a desmistificar o processo dos Estados Unidos. Mas há sempre e manteve mais pessoas envolvidas. espaço para melhorias, especialmen- Burkina Faso não foi o único país te em um país com um grande nú- africano a experimentar os sistemas mero de pessoas em áreas rurais, que seguros de cadastro de eleitor basepodem achar difícil ir até um local ados em biometria, que são capazes de votação. de reduzir a fraude eleitoral e incenJá atento às eleições municipais tivar as pessoas que normalmente e parlamentares que ocorreram em 2 não teriam oportunidade de partici-

par na decisão do futuro do seu país. Em março de 2012, por exemplo, a Comissão Eleitoral do Gana começou o processo de compilação de um novo cadastro de eleitores usando a tecnologia biométrica, juntando-se a países como o Quênia e a Zâmbia no uso da tecnologia para aumentar a segurança e melhorar a precisão dos seus registros de voto. Os governos estão usando a biometria cada vez mais, incluindo impressões digitais e reconhecimento da íris, em carteiras de identidade e passaportes como uma maneira rápida e confiável de identificar as pessoas. Agora, a biometria está entrando nos sistemas de cadastro eleitoral. E embora as soluções ainda não sejam perfeitas, elas estão abrindo o caminho para futuros democráticos mais brilhantes.

sobre o autor Tamsin Oxford é jornalista e editora há 20 anos. Especialista no mercado consumidor e de negócios de TI.

outubro - novembro - dezembro 2012 | 45


RESUMO

1101010 0110110 10001011101011 1101010 01101011000110 0110110 10011011010110

10101001101010 10110101011101 10001010110101 10010011001101 10101001101011 10101001101010 10110101011101 10001010110101 10010011001101 10101001101011 10101001101010 10110101011101 10001010110101 10010011001101 10101001101011

A implementação de sistemas seguros de identificação civil estão atualmente em pauta em diversos países. No Brasil, a adoção de tecnologias avançadas para a concretização deste projeto é primordial para o seu sucesso. Uma vez implementada, os benefícios da identificação eletrônica serão percebidos em diversos aspectos, tais como a melhoria do controle de fronteiras e o alcance do conceito de e-Administração, entre outros.

PALAVRAS-CHAVE Registro de Identificação Civil, Documento Eletrônico, Biometria, Segurança, Controle de Fronteiras.

10001011101011ABSTRACT 10010111101101 The implementation of safe 01101011000110 systems for civil identification are currently under discussion in several countries. In Brazil, the 10011011010110 adoption of advanced technologies for this project is mandatory to re10010111101101 ach success. Once implemented, the benefits of electronic identification will be perceived in different areas, such as improving border control and achieve the concept of e-Government, among others.

KEYWORDS Civil Identification Record, e-Document, Biometrics, Security, Border Control.


CASO / ARTIGO

E-document no Brasil: novos rumos para a identidade e a identificação Por Tácito Augusto Silva Leite

O

Brasil está entre os países que exige tradicionalmente de seus cidadãos um documento de identificação como meio de permitir ou facilitar seu reconhecimento perante órgãos públicos ou privados e suas relações com a sociedade. Vários documentos são aceitos como prova da identidade de uma pessoa física: o RG (Registro Geral), também conhecido como documento, carteira ou cédula de identidade, para brasileiros, e o Registro Nacional de Estrangeiro (RNE) para aqueles que não são brasileiros. Atualmente também são aceitos oficialmente cédulas de identidade emitidas por entidades profissionais e a Carteira Nacional de Habilitação, a qual também tem validade nacional e é de responsabilidade dos estados. Os sistemas de identificação civil tornaram-se recentemente foco de atenção em diferentes países, onde são desenvolvidos atualmente projetos para criar novos sistemas de

cartão de identidade nacionais mais duradouros, seguros e com maiores funcionalidades que permitam aos cidadãos o acesso aos benefícios próprios da sociedade da informação, e assim estão introduzindo uma identificação digital em muitos casos a partir do zero. O Brasil não foge a essa transformação no cenário de identificação e, para tanto, tem sido de grande visibilidade, nos últimos anos, como funciona o sistema de identificação no país e o projeto de modernização do mesmo para tornar o RIC (Registro de Identificação Civil) um dos mais avançados do mundo. »» O conceito de e-document Para cumprir o objetivo de aumentar a durabilidade dos documentos de identidade e dotá-los da capacidade de suportar um chip, que se traduz em potenciar a segurança contra falsificações, evoluiu-se de materiais baseados na celulose (pa-

pel), a poliésteres (Teslin) e polímeros termoplásticos (PET, PVC, Policarbonato), assim como a combinação entre eles. A tecnologia atual hoje nos permite criar cédulas de identidade seguras graças à inclusão de um circuito integrado (chip) que dá lugar ao conceito de e-document. Os dados pessoais que pode conter o documento eletrônico incluem um número de identidade único, impressão digital, foto, assinatura, informação biométrica e biográfica, certificados digitais e assinatura eletrônica. Isto quer dizer que cada documento é único e, sobretudo, que cada documento identifica e acredita uma pessoa de modo seguro, e que, portanto, não precisaria de nenhum outro tipo de identificação perante qualquer órgão. No Brasil, mais concretamente, contar com um documento digital que inclui a assinatura eletrônica do cidadão implicaria em uma mudança relevante nas rotinas administrativas atuais, à medida que cada

outubro - novembro - dezembro 2012 | 47


Terminais de controle de fronteiras automáticos instalados nos aeroportos de Barajas (Madrid) e El Prat (Barcelona)

pessoa contaria com sua assinatura reconhecida no próprio documento e não necessitaria que a mesma fosse validada em um cartório, como é feito até hoje, para realizar a grande maioria dos trâmites habituais. Isto acontece porque uma das vantagens mais importantes é que a segurança oferecida pelo e-document evita a fraude por suplantação de identidade, que é um problema que não só afeta a pessoa suplantada, mas também a entidade e órgãos que são defraudados através de uma falsa identidade. Outro dos principais benefícios do documento eletrônico para o cidadão é que este pode ser expedido em abrangência nacional e de forma imediata, de modo que a solicitação e a recepção do documento são feitas em um só ato administrativo e a identidade de uma pessoa reconhecida em todos os estados e do mesmo modo, por existir uma base de dados nacional e unificada que é consultada em tempo real para efetuar comprovações e validações, evitando assim duplicidades. »» O caminho até a Administração Eletrônica Contar com um documento de identificação eletrônico faz possível a caminhada até o desenvolvimento de serviços avançados de Administração Eletrônica. A Administra48 |

digital

ção Eletrônica ou e-administração, tem como missão aproximar a administração do cidadão e integrar as administrações, setor privado e associativo, com uma prestação eletrônica dos serviços, gerando maior qualidade e eficiência, propiciando o avanço da sociedade até um conceito tecnológico de fato. Desta maneira, os governos que desenvolvem tecnologicamente suas administrações podem se relacionar com os cidadãos de forma telemática, facilitando-lhes o acesso às instituições e a realização de gestões administrativas, até o ponto de uma pessoa poder, em sua própria casa, pagar contas, multas, solicitar certidões oficiais, realizar transações financeiras de modo seguro, etc. »» Referências internacionais em identificação digital A Indra, em sua natureza de integrador, participou com êxito no desenho e implementação de projetos de emissão de documentos muito importantes, como o Documento Nacional de Identidade eletrônico (DNIe) na Espanha. Este projeto contempla a adoção de uma dupla infraestrutura de chave pública (PKI) e a integração

Graças à avançada tecnologia empregada nos documentos eletrônicos, os cidadãos acessam os serviços de identificação deles e realizam sem burocracia a checagem que lhes permite, como na foto, fazer o controle de passaportes para a entrada em um país

com sistemas de reconhecimento de impressão digital (AFIS), assim como os dispositivos de personalização; além disso, o sistema está preparado para que no futuro seja incorporado o reconhecimento facial (FRS). O sistema de captura de dados e personalização do documento espanhol está formado pelos seguintes elementos: • Dispositivo de Captura da Impressão Digital: scanner da impressão digital para obter as imagens, a partir das quais são gerados os modelos de referência que se armazenam no chip do DNIe; • Dispositivo de Captura de Fotografia e Assinatura Manuscrita: scanner para obter, em um só passo, as representações digitais da imagem facial e a assinatura, a partir da fotografia em papel de posse do cidadão e da própria assinatura manuscrita realizada pelo cidadão. Estas representações digitais são armazenadas no chip do DNIe; • Leitor/Gravador de Chip Criptográfico que suporta a personalização lógica do chip; • Dispositivo de Gravação a Laser: impressora laser ad-hoc para


sonalizar o chip do DNIe sem a intervenção do sistema de autenticação e, portanto, fora do entorno seguro da Direção Geral da Polícia. A Espanha é atualmente o país com a maior implantação de docuo DNIe que permite gravar Os dados mentos de idensobre o cartão os distintos dos cidadãos tidade eletrônielementos gráficos (fotogra- capturados cos, com mais fia, assinatura manuscrita, no momento de 25 milhões dados pessoais e elementos do registro do documento são emitidos, e o de segurança). É dotada de DNIe tornou-se autenticados um sistema óptico de visão com as bases uma referência para garantir o cumprimento de dados da que foi transfedos requisitos de qualidade e polícia rida a outros paposicionamento estabeleciíses no mundo dos. Se não se cumprem estes como o caso do requisitos, a impressora anula au- Panamá, onde foi implantado o pastomaticamente o cartão median- saporte marinho, um documento de te a impressão de uma marca de identificação biométrica, que inclui anulação e comunica o resultado fotografia digital, assinatura eletrôà aplicação central de expedição. nica e impressão digital digitalizada Além disso, está dotada de um de seu portador. O Panamá é o país leitor de cartão inteligente para com a maior frota de bandeira próa leitura do número de suporte e pria do mundo. número de série do chip. Atualmente, a Indra possui referências na emissão de documentos Os dados reunidos no chip são e cédulas de identidade, passaporautenticados por uma série de ele- tes e vistos emitidos através de seus mentos que permitem garantir a au- sistemas em países como Espanha, tenticidade do chip do cartão que se Portugal, México, Panamá e Angola, quer expedir e do posto de onde se entre outros. pretende fazer a expedição. Ao início O desenvolvimento destes dodo processo de expedição e da perso- cumentos de identificação digital nalização lógica, a aplicação central também permitiu avançar no desencomunica-se com o serviço de iden- volvimento de sistemas de controle tificação da Direção Geral da Polícia de fronteiras em aeroportos mais rápara comprovar, por um lado, que o pidos e confiáveis, que não precisam chip é autêntico e não foi anulado e, da participação direta dos agentes de por outro lado, estabelecer um canal fronteira. Este tipo de sistema funseguro que garanta a confidenciali- ciona como documentos digitais, dade dos dados que são enviados ao como o passaporte ou a cédula de chip. É totalmente impossível per- identificação nacional para voos do-

mésticos, atualmente instalados em vários países europeus. Na Espanha, a Indra instalou o que é considerado o mais avançado sistema, por ser o que mais atributos biométricos pode identificar, além de realizar o processo de autorização de controle de acesso em cerca de 20 segundos. O processo é simples, através da identificação do passageiro em um quiosque, e em apenas alguns segundos é realizada a leitura automática do documento, a verificação de sua autenticidade e a comprovação da identidade mediante o reconhecimento, também automático, do rosto e da impressão digital, registrados no passaporte eletrônico. Uma vez realizado este processo, o viajante obtém a permissão de entrada. Ao contrário dos sistemas similares instalados em outros países, que utilizam uma única característica biométrica para acreditar a identidade, como a íris, a impressão digital ou o rosto, o sistema espanhol realiza uma dupla identificação biométrica mediante o reconhecimento facial e a impressão digital, e verifica também a autenticidade do documento. Além disso, não precisa de um registro prévio em nenhuma lista de viajantes frequentes e é o único na Europa que permite o uso do documento de identidade nacional para ingressar no espaço Schengen.

sobre o autor Tácito Augusto Silva Leite é pós-graduado em Segurança Empresarial pela Universidad Pontifícia Comillas de Madri, tem MBA em Gestão de Segurança Empresarial pela Universidade Internacional Anhembi-Morumbi e em Sistemas de Informação com ênfase em Segurança de Informações pela UnP, além de outros títulos, atua desde 1994 na área de segurança e atualmente é diretor Executivo do Mercado de Segurança da Indra no Brasil.

outubro - novembro - dezembro 2012 | 49


RESUMO A Biometria nos apresenta um novo parâmetro para aplicação da imagem digital, porém os recursos de hardware disponíveis no mercado de consumo caminham em direção oposta, colocando em cheque a viabilidade dos projetos públicos de identificação civil. A câmera digital é a questão do momento.

PALAVRAS-CHAVE Biometrics, Digital Camera, ICAO, Digital Image, ID

ABSTRACT

Dez megapixels para quê? Por Marcelo Calado

C

om a transição da fotografia de identificação civil do plano analógico para o meio digital, nos deparamos com algumas questões que ao longo do processo se tornaram mitos consagrados, trata-se do tamanho físico da imagem digital. No início, antes da biometria, a fotografia digital passou a ser apenas uma forma de captura cujo fim seria a imagem impressa seguindo os

mesmos padrões da fotografia analógica instituídos pelos órgãos públicos de identificação. A característica fundamental destas imagens era o retrato posado frontal com partes anatômicas evidentes em iluminação homogênea, sem sombras marcadas, e fundo totalmente branco livre de sombras projetadas. Importante entender que para atender aos requisitos técnicos estabelecidos para estas imagens, foi

Biometrics presents a new parameter to the application of digital image, but the available resources in the consumer market move in the opposite direction, putting into question the viability of government projects for civil identification. The digital camera is the issue at the moment.

KEYWORDS Biometria, câmera fotográfica, ICAO, imagem digital e identificação.

necessária a adoção de equipamentos e dispositivos de uso profissional, sem os quais o feito seria frustrado. Estúdios fotográficos completos e posteriormente cabines de fotografia ID foram usados em larga escala durante os anos em que a fotografia de identificação foi um serviço contratado a varejo. Com a implantação da Biometria como base da identificação civil, vimos a extinção do serviço comercial de fotografia ID que agora seria de responsabilidade dos órgãos pú-


CASO / ARTIGO Imagem adequada ao uso biométrico segundo o Padrão ICAO

blicos como parte do programa de cadastramento individual do cidadão. Aqui, o mito dos 10 megapixels teve início. Nos processos licitatórios, para aquisição dos equipamentos, o Brasil tomou como referência o que seria o padrão até então, e para atender a esta necessidade optou-se pela solução fotográfica em detrimento da captura em vídeo adotada em alguns países. A qualidade de imagem muito superior justificava a opção e acertadamente se conseguiu manter o mesmo padrão de qualidade nas capturas com o auxílio de equipamentos acessórios desenvolvidos para este fim - flash externo, mini estúdio, etc. As câmeras fotográficas foram selecionadas por suas características técnicas no que se refere à possibilidade de controles manuais. Uma vez que a captura deveria atender a um padrão repetitivo e o uso de flash externo era fundamental, optou-se por modelos de consumo com as referidas especificações e baixo custo. Na prática, eram câmeras de uso doméstico voltadas ao público consumidor comum, mas com um detalhe fundamental à integração dos sistemas biométricos, a disponibilidade do SDK aberto (Software Development Kit), este detalhe restringiu as op-

ções a poucos e sofisticados modelos disponíveis. Por questões de mercado, as câmeras de consumo eram e continuam a ser identificadas pela sua capacidade de resolução determinada em megapixels, à época os 10 megapixels eram a novidade e entraram para a especificação mínima obrigatória dos processos licitatórios sem que se questionasse a real necessidade deste quesito técnico. Hoje, o propósito da imagem digital, no contexto biométrico, visa não apenas a impressão da cédula, como principalmente a alimentação de um gigantesco banco de dados, no qual uma imagem de 10 megapixels é absolutamente inviável do ponto de vista do processamento e armazenagem deste conteúdo físico. O reconhecido padrão ICAO (International Civil Aviation Organization), adotado como referência pelo padrão brasileiro, com base na ISO/IEC 19794-5 (Biometric Facial Image Standardization), divulga a medida de 120 pixels entre os olhos do modelo para a imagem final, o que resulta em uma fotografia de aproximadamente 560x747 pixels, ou seja, menos de 1 megapixel com resolução suficiente para impressão em tamanho 3x4 cm com 300 pontos por polegada. Chegamos então a um paradigma, se 1 megapixel seria suficiente para a aplicação biométrica, para quê 10, 12, 14 megapixels? Evidentemente a aplicação técnica da imagem digital em biometria não possui

relação alguma com as necessidades do mercado de consumo para câmeras fotográficas digitais, no qual a resolução galopante serve ao marketing. Atualmente, a oferta de câmeras customizadas em pequena escala, voltadas ao uso de identificação e com SDK aberto, é realidade, o que visa suprir a demanda dos órgãos públicos com ampla vantagem em perenidade e especialização funcional, alguns destes modelos inclusive de fabricação nacional e tecnologia própria. Todas partilham da mesma característica técnica, estão muito abaixo dos 10 megapixels, ainda que em conformidade com os padrões vigentes. Desta forma, continuaremos a perseguir modelos de consumo com obsolescência programada para poucos meses, de origem importada e muitos megapixels para atender ao mínimo obrigatório das licitações públicas brasileiras.

sobre o autor Marcelo Calado é especialista em imagem digital e designer da Mako Ltda.

Interpolação necessária para adequar uma imagem nativa de 10 megapixels ao Padrão ICAO

outubro - novembro - dezembro 2012 | 51


Certforum Florian贸polis fotos: Imagem e arte


ReuniĂŁo: autoridades Certificadoras fotos: Edmar AraĂşjo


Profile for Infolio Comunicação

Revista idigital 11  

idigital - Revista da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia em Identificação Digital - Ano 03 - Número 11 - outubro/novembro/deze...

Revista idigital 11  

idigital - Revista da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia em Identificação Digital - Ano 03 - Número 11 - outubro/novembro/deze...

Advertisement