__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

C RI RI

C

C RI

C

RI

RIC R I C

RIC RIC R I C

IC

IC R IC R

RIC RIC

idigital - Revista da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia em Identificação Digital - Ano 02 - Número 06 - julho/agosto/setembro de 2011

R RIC RICR I C R I C RIC

RI C

IC RIC R C R IC R I C RI

C R I C RIC RIC RI

RI

RI C RIC

RI C

RI

C

RIC

RI

C

RIC RIC RIC RI RIC

C

C R IC RIC RIC RIC RIC R IC RIC RIC

RIC RIC RIC R IC

IC

C RI

RI C RI

C RIC R IC RIC RIC R IC

RIC RIC

RI C

RI C

IC RIC RIC RIC R IC R R

C

R RIC

IC

RIC RIC RIC IC

RI C

RIC RIC RI C

RI CR IC

R

IC C R IC R

R IC RIC RIC R RIC

RI C

RIC RI C

R

IC

RI

R

RIO+20

RIC R IC

RIC

IC RIC R

C RI

RI

RI C

Luiz Paulo Barreto e o Projeto RIC

IC

RI C

ENTREVISTA

I C RI C R IC RIC

O BRASIL UNIDO PELO RIC

Os caminhos da economia verde

RECONHECIMENTO

ABRID é homenageada nos 10 anos da ICP-Brasi


REVISTA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE TECNOLOGIA EM IDENTIFICAÇÃo DIGITAL - ABRID

C

IC R IC R

RIC RIC RIC RI C

C RIC RI RIC RI RIC

R I C RIC RIC RIC

RI C

IC

C RI

RI C

RI

C

R IC

R RIC

IC

R IC

RIC RIC

RIC

RI

C

IC RIC RIC RIC R IC R R

C

RIC RI C RIC RIC RIC

RI

RIC RIC RIC IC

RI C

RI C

RI

IC C RIC R

R RIC RIC RIC RIC

IC

R

C

RI

CR

IC RIC R

IC

R

RI C

RIC R IC

RIC

R

66 . Bayer materialscience Novo filme de policarbonato ganha verniz antirrisco

RI C

64 . CASOS E artigos

10110001110101

RI C

Luiz Paulo Barreto, secretário executivo do Ministério da Justiça, avalia o Projeto RIC

RIC

8 . entrevista

C RI

IC R IC R IC RIC

Workshops regionais: o sucesso do ric passa pela integração nacional

RIC RIC

RIC R I C

13. CAPA

RI

RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC C RIC RICRIC R I CRIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RICRIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R I RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RICRI C R I CRIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RICRIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC IC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC IC R R IC C R RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RRIC I C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC R I RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC C R RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RICIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RRIC IC IC RRIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RRIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC IC RRIC IC IC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RICRRIC R RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC CRIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RICICRIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC C RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RICRIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RICRIRIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC IC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC

30 . CERTIFICAÇão digital

Funcionamento das empresas no Brasil fica mais fácil

38 . icp-brasil Solenidade em Brasília marca os 10 anos

46 . rio + 20 ABRID participa de debates preparatórios para a confrência da ONU

53 . CertForum

69 . Lasercard Evolução em segurança nos documentos de identidade nacionais

Etapas do Rio de Janeiro e Brasília encerram a 9ª edição

76 . Montreal Sem papel, o contencioso do Ceará ganha mais eficiência e segurança

58 . contra a fraude

98 . Pra terminar D-E-S-M-A-T-E...

Certificação Digital e RIC melhoram segurança bancária

62 . homenagem Célio Ribeiro, presidente da ABRID, é considerado amigo do serviço militar julho - agosto - setembro 2011 | 3


PALAVRA DO PRESIDENTE

É o que você vai encontrar nas próximas páginas. Falamos com as pessoas chaves de cada um dos estados brasileiros, além do Distrito Federal, para saber como está a implantação da identidade cidadã.

Ricardo Padue

Um panorama do RIC no Brasil.

O RIC tem a força de unir todas as unidades da federação em um projeto único. Este é um projeto com espírito de corpo – não no sentido pejorativo do corporativismo, e sim no de unidade, partes que formam um todo completo e único. Indivisível. E é com esse espírito de corpo que o cartão começa a ser emitido. A implantação será gradual, progressiva. E alguém poderia imaginar outra forma de fazê-lo? Implantar um documento nacional – e com as garantias de seguranças incluídas no RIC – em um país da magnitude do nosso é uma missão proporcional ao tamanho do "continente" Brasil. A nossa nova identidade vai às ruas nos próximos dias com a certeza de que o projeto está pronto. Nada de pressa, nada de atropelos. Seriedade e responsabilidade para atender uma população de quase 200 milhões de pessoas, que recebe agora a cidadania em forma de documento. Para confirmar o sucesso e a seriedade da iniciativa, ouvimos ainda Luiz Paulo Barreto, o secretário executivo do Ministério da Justiça. Ele, que entrou no Ministério aos 19 anos de idade e trabalha diretamente nos principais projetos da pasta, reconhece que o RIC chega na hora certa, em um Brasil forte econômica e socialmente. Esta edição traz também a participação das associadas no debate preparatório da Rio+20, a conferência da ONU que será realizada em 2012. Nosso setor tem um compromisso com esse país e com o planeta, o de incentivar o crescimento sustentável por meio de temas, e principalmente ações, voltadas para a desmaterialização e a economia verde. Você também precisa conferir os artigos e cases das associadas. Este é o espaço especialmente destinado a quem faz, e mostra, o sucesso da identificação digital no Brasil.

EXPEDIENTE idigital é uma publicação da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia em Identificação Digital (ABRID). Presidente: Célio Ribeiro Diretor de identificação digital: Edson Rezende Reportagem: Iara Rabelo e Marcio Peixoto Editor: Marcio Peixoto MTB 4169/DF Revisão: Millena Dias Tiragem: 2.500 exemplares Periodicidade: trimestral Contato: (61) 3326 2828 Projeto gráfico e diagramação: Infólio Comunicação - www. infoliocom.com - (61) 3326 3414 (Os cases e artigos assinados não refletem o pensamento nem a linha editorial da revista e são de inteira responsabilidade de seus autores)

Aproveite a leitura! Célio Ribeiro, presidente da ABRID

julho - agosto - setembro 2011 | 5


entrevista

O COTIDIANO SERÁ MELHOR COM O RIC

isaac amorim

Luiz Paulo Barreto, secretário executivo do Ministério da Justiça, avalia que o novo documento de identidade do brasileiro vai dar segurança e cidadania à população

8 |

digital


Luiz Paulo Barreto é um exemplo de sucesso no serviço público brasileiro. Funcionário de carreira, chegou ao Ministério da Justiça aos 19 anos de idade, em 1983, e foi subindo a escada que leva ao principal gabinete da pasta. Durante o último ano da gestão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ocupou o cargo de ministro da Justiça. Teve a dura missão de comandar a pasta durante o processo eleitoral de 2010. No entanto, antes e depois do posto de ministro atuou como secretário executivo do Ministério da Justiça. Exerceu o cargo a partir de 2003, e de novo agora na gestão da presidenta Dilma Rousseff. Atuou na condução das políticas de segurança pública, reforma do Judiciário, implantação do sistema penitenciário federal e processos de defesa da concorrência e do consumidor. Participou também da criação e implantação do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci). Mas o destaque fica mesmo para a atuação de Luiz Paulo Barreto no Projeto RIC. Um dos grandes incentivadores da proposta, Barreto é tido por muitos como pai do cartão RIC.

ca, é imprescindível a realização de investimentos que oportunizem o fortalecimento os serviços públicos e privados. A identificação civil no Brasil ainda é realizada como há cem

serão realizados investimentos em infraestrutura física e tecnológica nos órgãos de identificação dos estados, aprimoramento da capacidade operacional e fortalecimento do conhecimento técnico-científico. Está em construção um arranjo institucional robusto, os entes estaduais trabalharão em rede com o órgão central, inibindo definitivamente a tentativa de se emitir mais de um documento para uma mesma pessoa com dados e/ou números diferentes. Por fim, é importante ressaltar que um novo documento foi lançado, muito mais seguro e moderno.

“A identificação civil no Brasil ainda é realizada como há cem anos, completamente desarticulada institucionalmente, não há comunicação entre os órgãos. O Projeto RIC vai mudar este cenário”

LPB: É intrínseco o conceito de segurança preventiva no projeto RIC. A aplicação das leis passa necessariamente por uma análise sistêmica. Neste sentido, olhando o potencial deste novo processo de identificação com sua capacidade em individualizar as pessoas e de inibir a realização de ações ilícitas, não temos dúvida de que o RIC irá contribuir muito com a justiça brasileira. ricardo padue

anos, completamente desarticulada institucionalmente, ou seja, não há comunicação entre os órgãos. A lei que baliza a emissão da carteira de identidade favorece a emissão de vários documentos com números diferentes para uma mesma pessoa, isto dentre outras coisas, favorecem a execução de fraudes contra o patrimônio público e, principalmente, contra o próprio cidadão de bem. O Projeto RIC vai mudar este cenário,

id: A segurança proporcionada pelo RIC vai auxiliar de forma efetiva a aplicação das leis no país?

idigital: O senhor atuou na implantação da nova política de segurança pública brasileira. Qual a importância do RIC na consolidação desta política? Luiz Paulo Barreto: É importante destacar que as fraudes ocorrem nas fissuras da ausência do Estado, bem como se aproveitam da vulnerabilidade dos serviços e das instituições. O Brasil está crescendo e se tornando um país forte e cada vez mais respeitado internacionalmente. Para acompanhar o novo paradigma de estabilização socioeconômijulho - agosto - setembro 2011 | 9


serão realizados os investimentos necessários para sua implementação.

id: De que maneira um equipamento de identidade tão seguro, um das mais modernos do mundo, influencia na consolidação da cidadania do brasileiro? LPB: O conceito de cidadania compreende o conjunto de direitos que a pessoa deve ter para participar ativamente da vida do governo e da sociedade de forma plena. Nesta vertente, seguindo os mesmos princípios que norteiam os programas de inclusão social e digital do governo brasileiro, o Registro de Identidade Civil, RIC, consolida o conceito de identificação segura, oferecendo ao cidadão a garantia de unicidade em suas relações com os serviços públicos e privados, bem como dará a oportunidade dele utilizar os serviços disponibilizados na rede virtual, na internet, também de forma segura. Atualmente, estes serviços, somente são utilizados por uma pequena parcela da sociedade brasileira.

LPB: Conforme comentado anteriormente, o Brasil tem se projetado internacionalmente, não apenas por sua pujança econômica, mas também pelas políticas de resgate da cidadania de milhares de brasileiros que vivem abaixo da linha da pobreza e também por sua postura no cenário mundial. O RIC é mais um projeto que vai ao encontro deste novo Brasil. Por isso,

10 |

digital

“O RIC consolida o conceito de identificação segura, oferecendo ao cidadão a garantia de unicidade em suas relações com os serviços públicos e privados, bem como dará a oportunidade dele utilizar os serviços disponibilizados na internet”

id: Para o cidadão certamente também haverá mudanças. Quando o RIC estiver universalizado, como ficará o cotidiano da população? LPB: O dia a dia será melhor. As operações se efetivarão com muito mais rapidez e segurança, proporcionando mais conforto no dia a dia das pessoas.

Hermínio Oliveira

id: O RIC é um projeto grandioso e inovador, que chama a atenção de outros países. De que forma o Brasil se preparou para enfrentar este desafio?

id: O que pode mudar no funcionamento da estrutura governamental brasileira a partir do momento em que todos tiverem o RIC, um cartão com potencial para armazenar diversas informações e com a garantia da certificação digital?

LPB: Durante o período de implementação do projeto, já poderemos notar a democratização dos serviços eletrônicos de governo. Hoje temos a Receita Federal como expoente destes serviços. Em um futuro próximo, todas as instituições deverão alcançar o mesmo patamar de qualidade. Isso mudará a dinâmica do acesso físico de pessoas às instituições, facilitando a vida do cidadão, uma vez que ele poderá resolver diversos problemas de sua própria residência. Além, é claro, de se ter a segurança destes processos amplamente fortalecidos com o uso do RIC.

id: Voltando a falar de certificação digital. O termo permanece desconhecido para a maioria dos habitantes do país, mas o uso é cada vez mais comum e o RIC vai ampliar drasticamente esta utilização. Como a certificação digital pode mudar as relações institucionais e mesmo pessoais no Brasil? LPB: O governo tem fomentado a adoção de políticas de inclusão digital. A democratização do uso da internet é uma linha sem volta. Em breve, um grande percentual da população brasileira estará com acesso frequente à internet. A certificação digital é parte integrante do novo documento de identidade civil. Desta forma, o cidadão terá um


id: O RIC faz parte de um ciclo na documentação dos brasileiros, que inclui as certidões civis nascimento, casamento, óbito - e o passaporte eletrônico, todos agora muito mais seguros e modernos. Qual o resultado prático para o cidadão a partir desta modernização?

“Está em construção um arranjo institucional robusto, os entes estaduais trabalharão em rede com o órgão central, inibindo definitivamente a tentativa de se emitir mais de um documento para uma mesma pessoa”

LPB: O resultado prático é um Estado forte. Projetos desta envergadura trazem muitos benefícios para a sociedade e também para as instituições. id: Há outras novidades em estudo na área de identificação? LPB: O RIC é um grande projeto, temos certeza que iremos aprender muito durante o seu período de implementação. Um grande desafio já detectado é a integração futura do RIC com a política de fortalecimento dos Registros de Nascimento Civil. id: O senhor participou ativamente do projeto do RIC, qual o sentimento ao ver a consolidação desta iniciativa, com a emissão dos primeiros cartões? LPB: Sentimo-nos extremamente satisfeitos. Estamos apenas dando o primeiro passo, mas é um passo muito importante. Enfrentamos vários desafios para chegar até aqui. Mas hoje, temos convicção em todas as áreas do sistema de governo de que o RIC irá contribuir muito com a disponibilização de serviços à sociedade.

id: O RIC é um iniciativa de governo com forte apoio e participação de empresas do setor privado. Como o senhor vê o funcionamento desta parceria? LPB: Temos que olhar para a sociedade. O nosso trabalho é buscar os recursos necessários para formular e implementar políticas públicas que proporcionem mais qualidade de vida ao cidadão. Neste sentido, consideramos que no âmbito do Projeto RIC, a parceria formada com o seguimento privado nos apresentou excelentes resultados.

id: Por fim, o senhor teve uma passagem muito importante e competente no posto de ministro da Justiça na gestão do presidente Lula, reconhecida inclusive pela presidenta Dilma, uma vez que o senhor permanece no Ministério no cargo de secretário executivo. Que balanço o senhor faz deste período e quais as perspectivas para o futuro?

LPB: Tive por principal missão conduzir o Ministério da Justiça no período eleitoral. Diante das competências da pasta, isso não é fácil. Mas a complexidade do Ministério acabou por gerar outros desafios, como a crise política em Brasília. Senti imenso orgulho e honra de integrar a equipe de governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e, agora, da presidenta Dilma Rousseff. Em minha opinião, o Brasil já é uma grande nação. Seguimos no caminho correto para torná-la uma nação com inclusão social e cidadania.

“A democratização do uso da internet é uma linha sem volta. Em breve, um grande percentual da população brasileira estará com acesso frequente à internet”

Elza Fiúza - ABr

instrumento pessoal que irá garantir a integridade de suas operações no mundo virtual.

julho - agosto - setembro 2011 | 11


RI

C

R IC RIC

IC

C RIC RI RIC RI RIC

R I C RIC RIC RIC

RI C

IC R IC R

RIC R I C

RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC C RIC RICRIC R I CRIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RICRIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI I RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R I C R R C I RIC R I CRIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RICRIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI IC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC IC R R R C I C RRIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC I C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RI RIC RIC RIC R I RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC C R RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RICIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RRIC IC IC RRIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RRIC RI IC RRIC IC IC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RICRRI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC CRIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RICRIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RICRIRIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI IC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI 12 digital RIC RIC RIC RIC| RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RI R RIC

IC

C

IC RIC R I C RIC RIC

RIC RIC RIC IC

RI C

RI C

RI

IC C RIC R

R RIC RIC RIC RIC

IC

R

C

RI

CR

IC RIC R

RI C

RI C

IC

R

C RI

IC R I C RIC RIC

RIC

RI C

RIC R IC

RIC

R

RI

RIC RIC

RIC

RI

C

IC RIC RIC RIC R IC R R


RIC RIC RIC RI C

C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R IC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R CRRIC R C RICICRIC RI RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RICC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R RIC C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R julho agosto setembro | 13 C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC- RIC RIC -RIC RIC RIC 2011 RIC RIC RIC RIC RIC R C RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC RIC R C RI

RI C

UM PAÍS, UMA IDENTIDADE

RI

C

R IC

R IC R I C RIC R IC R I

Workshops Regionais discutem em todo o Brasil o RIC, o novo cartão que está unificando, com segurança e qualidade, a identificação civil no país


CAPA

14 |

digital

Depois do lançamento oficial Até o fim do ano, a meta é emido RIC, quando foram entregues tir um milhão de RICs, totalizando os três primeiros cartões, o projeto dois milhões nos 12 primeiros meses entrou na fase de sintonia final para da iniciativa. Nessa fase inicial, os garantir o início seguro do projeto cidadãos vão ser convocados por tepiloto. Na solenidade, realizada em legrama para receber o documento. dezembro passado no Palácio do O encerramento do calendário Planalto, foram entregues os RICs de Workshops, em Brasília, conde Luiz Inácio Lula da Silva, Marisa tou com uma participação especial: Letícia e Luiz Paulo Barreto, à épo- Luiz Paulo Barreto, atual secretário ca, respectivamente, presidente da executivo do Ministério da Justiça, República, primeira-dama do país considerado por muitos como o pai e ministro da Justiça. do novo modelo da O RIC é um pro- »» Luiz paulo identidade nacional. jeto grandioso, que barreto, secretário O evento teve ainda prevê a substituição executivo do a presença de Paulo dos atuais documen- ministério da justiça, de Tarso Teixeira, tos de todos os brasi- fez a abertura da diretor executivo da leiros em 10 anos. A última etapa do ano Polícia Federal. intenção do Comitê dos workshops Para Barreto, o Gestor do Sistema regionais RIC é uma proposta Nacional de Registro de Identificação Civil é iniciar de imediato a entrega de cartões RIC na Bahia, Distrito Federal e Rio de Janeiro, unidades da federação escolhidas para iniciar o sistema de emissão do RIC.

wenderson araújo

C

hegou ao fim em setembro mais um ciclo de Workshops Regionais do RIC, o Registro de Identidade Civil. Pelo segundo ano consecutivo, as reuniões aconteceram nas cinco regiões do país. Promovidos pelo Conselho Nacional dos Diretores de Órgãos de Identificação (Conadi), os Workshops são organizados pela ABRID e têm o objetivo de discutir o processo de implantação do novo documento de identidade civil do país. Em 2011, os Workshops passaram por Florianópolis (SC), em maio; Salvador (BA), em junho; Manaus (AM), em julho; Rio de Janeiro (RJ), em agosto; e, finalmente, Brasília, em setembro. Os encontros regionais permitem a troca de experiência entre cada unidade da federação, já que o RIC, embora contenha um número único nacional, vai ser emitido localmente por cada estado e pelo Distrito Federal. E são nos Workshops que os atores principais do programa têm a chance de saber como está a implantação do sistema nos vizinhos e também em nível nacional.

wenderson araújo

»» Carlos César de Souza Saraiva, diretor do Instituto de Identificação do distrito federal


»» etapa CENTRO-Oeste: realizada EM BRasília no dia 22 de setembro julho - agosto - setembro 2011 | 15

wenderson araújo

wenderson araújo

anos. Isso é porque ela não não é um projeto político, não é um confia nos documentos mais projeto partidário. É um projeto de antigos”, relatou. Estado, é um projeto cidadão e o Luiz Paulo Barreto desta- governo brasileiro, com muita macou que o RIC supera todos estria, tocou este projeto. As pessoesses problemas, ao assegurar as têm que ver esse projeto como o ao cidadão um documento maior projeto de identificação civil com diversos itens de segu- do mundo, acontecendo de forma rança, como personalização gradativa, mas eficiente”, garantiu. biométrica e certificação diRibeiro enfatizou que o RIC gital. Ele enfatizou a impor- também mostra o sucesso do tratância dos estados brasileiros balho feito de forma séria entre na inciativa, já que eles serão poder público e iniciativa privada. o elo entre a população e o “Acreditamos que esse processo só Cadastro Nacional de Regis- virou realidade pelo entrosamento audaciosa e desa- »» Paulo de Tarso tro de Identificação da iniciativa púTeixeira, diretor Civil. “Implementar »» célio ribeiro, fiadora, mas tamblica e iniciativa executivo da PF um projeto como esse presidente bém uma necesprivada, onde as em todo o território da abrid: ric sidade imperiosa. forças foram, de “O Brasil não pode mais, em pleno nacional é um desafio bas- é um projeto uma forma muito século 21, com o papel que nosso tante grande, e é um desafio de estado, que transparente, tropaís exerce hoje nas relações internas que precisa da participação une governo e cadas. Houve um e internacionais, contar com um ins- efetiva dos estados. E o go- inicativa privada papel verdadeiro trumento de identificação tão precá- verno federal, como semrio quanto a atual carteira de identi- pre tratou do documento de identidade, fez questão dade”, resumiu. Pouco mudou nos últimos 100 de fazer obedecendo o pacanos na sistemática de emissão da to federativo. Em nenhum identidade no país e o secretário momento, nas discussões do executivo admite que o atual RG RIC, nós pensamos em tirar chega a ser motivo de embaraço a competência do estado de para o brasileiro. “Não foi à toa que expedir seus documentos de a Argentina baixou uma resolução identidade”, disse. Para Célio Ribeiro, preinterna exigindo que a carteira de identidade, que serve como sidente da ABRID, o RIC documento de viagem para países está sendo implantado com a do Mercosul, para que o brasileiro cautela necessária, diante do pudesse ir à Argentina, tivesse sido tamanho da proposta. “Esse tirada pelo menos nos últimos 10 não é um projeto de um só,


Andréa Cintra Valmir Lima

»» etapa sudeste: realizada no rio de janeiro em 11 de agosto

Studio Sun-Sun

»» etapa norte: realizada em Manaus no dia 8 de julho

imagem e arte

»» etapa nordeste: realizada em salvador no dia 03 de junho

»» etapa sul: realizada em florianópolis no dia 13 de maio 16 |

digital

da democracia em busca da cidadania plena”, completou. O chefe do Departamento de Inovação Tecnológica da Casa da Moeda do Brasil - responsável pela confecção dos cartões, Antônio Ferreira da Silva Filho, concorda com o sucesso da parceria entre Estado e setor privado. “Participar do projeto do RIC para nós é um marco. RIC, ficção ou realidade? Ele é realidade sim, e um trabalho que não é da Casa da Moeda, mas da indústria, é do governo. Se você juntar as equipes todas, você vai ver o nível técnico e a discussão que teve em cima desse produto, é um negócio edificante. Um trabalho muito sério. Não é à toa que esse documento está sendo reconhecido como um dos mais seguros que tem por aí”, observou. Já o secretário executivo do Comitê Gestor do Sistema Nacional de Registro de Identificação Civil, Paulo Ayran, confirma que está tudo pronto para o início da revolução cidadã na identidade do brasileiro. “Depois de dezembro (quando foi feito o lançamento oficial do RIC), foi preciso fazer uma reavaliação, principalmente dos dispositivos de segurança técnicos. Feito isso, iniciamos um processo de testes de personalização no cartão. Hoje, já atingimos um padrão para o cartão ir para a rua”, resumiu. »» Panorama nacional Para traçar o panorama de como está a implantação do RIC em cada unidade da federação, a idigital falou com os responsáveis pelo projeto nos 26 estados e no Distrito Federal. Confira as informações nas próximas páginas.


Confira o passo a passo da produção do RIC no projeto piloto 1. Um dos institutos de identificação cadastrados produz o registro e encaminha para o órgão central, o Instituto Nacional de Identificação INI (onde estão o Cadastro Nacional de Registro de Identificação Civil, o Canric, e o Afis central). 2. No órgão central, é feita a individualização e gerado o número do RIC. 3. Os dados são encaminhados para a Casa da Moeda do Brasil, que produz o cartão fisicamente. 4. O cartão é remetido ao instituto de identificação, que faz a entrega do RIC ao cidadão mediante a autenticação biométrica e a certificação digital.

julho - agosto - setembro 2011 | 17


A

Idigital perguntou aos responsáveis pelos institutos de identificação, ou órgãos equivalentes, de todo o país: como o seu estado está se preparando para o RIC e de que forma a ABRID tem contribuído para a implementação do projeto? Confira as respostas.

ACRE O Acre automatizou 100% seu processo de identificação civil e criminal, estabelecendo o ano de 2013 para fim da subnotificação civil, onde todos os adultos residentes no estado terão carteiras de identidade emitidas pelo sistema AFIS Estadual. A ABRID tem contribuído como mediador, seja através das reuniões regionais ou nos encontros dos diretores, deixando a classe gestora do processo civil do Brasil participar efetivamente das decisões para implementação do RIC." Sandro Roberto Cunha Rodrigues Instituto de Identificação Raimundo Henrique de Melo

ALAGOAS Alagoas está utilizando o sistema Afis desde 2003. Nosso banco de dados contabiliza mais de um milhão de registros civis. Com base na utilização deste sistema estamos aptos a emitir o RIC. A ABRID tem sido uma grande parceira do estado, promovendo congressos e workshops, integrando os Institutos de Identificação, possibilitando a troca de informações. Essa ajuda é fundamental para dirimir as diferenças entre as unidades federativas, além de possibilitar que os diretores conheçam o que há de mais moderno em tecnologia Afis." Maria Madalena Cardoso da Silva Instituto de Identificação Mário Pedro dos Santos

18 |

digital


AMAPÁ Diante das necessidades de se dar respostas em tempo hábil aos clientes que buscam os serviços de identificação civil e criminal da Polícia Técnico-científica do Amapá, iniciou-se a reformulação dos sistemas, visando a integração dos mesmos com outros sistemas do governo do estado através de um banco de dados único de indivíduos. O módulo civil se encontra desenvolvido e pronto para entrar em produção, contudo providências estão sendo tomadas para recursos humanos na área de informática para dar início à última fase de implantação do módulo civil, que consiste na catalogação do acervo de identificação civil, utilizando-se de scanner de alta produção e ferramentas informatizadas para identificação das digitais e fotos de cada cidadão. A ABRID contribui para a implementação do projeto passando informações de como implementar o RIC para as instituições regionais através de workshop e revistas, explicando o que é o projeto, a importância, como iniciar, que recursos e equipamentos são necessários, situação e andamento do projeto." Ana Luiza Agenor Isacksson Departamento de Polícia Técnico-científica

AMAZONAS O Instituto de Identificação tem empreendido esforços na elaboração de planejamento estratégico para aquisição de recursos humanos, financeiros, tecnológicos e parcerias visando garantir a implantação do RIC. A estratégia é buscar novos parceiros para a captação de recursos para investir na infraestrutura tecnológica, visando ampliar esses recursos em pelo menos 30% a estrutura tecnológica até 2014. Os workshops regionais promovidos pela ABRID têm proporcionado aos Institutos de Identificação no Brasil a oportunidade de conhecer as novas tecnologias, tanto em questão de software e de hardware em geral, que facilitarão os serviços de identificação digital quando da implantação do RIC. Além disso, os workshops tem gerado unidade quanto à visão, aos esforços e às metas a serem alcançadas." Mahatma Sonhará Araújo do Porto Instituto de Identificação Aderson Conceição de Melo

julho - agosto - setembro 2011 | 19


BAHIA A Bahia está em fase de elaboração de um projeto para possibilitar a emissão local do RIC. Estamos com um programa de ampliação do sistema de identificação por impressões digitais para atualizar o sistema de identificação civil do estado. A ABRID viabilizou a solução de uma necessidade há muito conhecida na área da identificação: a comunicação entre os Institutos de Identificação." Iracilda Maria de Oliveira Santos Instituto de Identificação Pedro Melo

CEARÁ Já está implantado o sistema digital na expedição de RGs no Ceará com impressões digitais em banco de dados no formato de 500 DPIs, que é o necessário para implantação do Afis para receber o RIC. A ABRID não mede esforços para esclarecer aos estados qual a importância da implantação do novo documento de identidade civil." Aurimar Barreto Costa Coordenadoria de Identificação Humana e Perícias

DISTRITO FEDERAL O Distrito Federal é uma das unidades federadas que participam do projeto piloto para a implantação do RIC. A nossa participação deve-se ao fato de ter sido implantado, no Instituto de Identificação, um robusto sistema Afis, conjugado a modernos equipamentos de captura de dados biométricos e biográficos, em conformidade com as exigências internacionais. A ABRID tem sido uma grande parceira na tentativa de viabilizar o projeto. Parceria esta sempre lastreada na ética, disponibilidade, responsabilidade e respeito." Carlos César de Souza Saraiva Instituto de Identificação 20 |

digital


ESPÍRITO SANTO Fizemos projetos visando a modernização da infraestrutura de atendimento a requerentes de carteira de identidade e implantação da tecnologia AFIS. Faremos a digitalização do acervo decadatalilar e já implantamos a solução tecnológica de captura eletrônica de imagem biométrica, face, assinatura e impressões digitais. Considerando a necessidade de implantar soluções tecnológicas nos Institutos de Identificação, a ABRID realizou os Workshops Regionais do RIC, proporcionando aos dirigentes dos órgãos de Identificação do país troca de informações." Etelvina de lana Encarnação Departamento de Identificação

GOIÁS Encontra-se em estudo na Secretaria de Segurança Pública o projeto de modernização de todo banco de dados, civil e criminal. Acho que o principal legado da ABRID neste processo é ter contribuído pela realização e organização dos Workshops Regionais, pois o RIC, como projeto, é grandioso e requer grande discussão das partes envolvidas na busca do melhor modelo, sobretudo porque mesmo sendo um projeto nacional, deve respeitar o princípio federativo brasileiro." Antônio Maciel Aguiar Filho Instituto de Identificação

MARANHÃO O Maranhão se encontra preparado para se conectar ao RIC, pois temos uma base de dados AFIS integrada à emissão da carteira de identidade. O RIC marca uma nova mudança no sistema de identificação do Brasil, fortalece todos os sistemas de negócios e inibe decididamente com a fraude em nosso país. A ABRID atua decisivamente na materialização desse imenso projeto." Orlando Trinta Arouche Instituto de Identificação

julho - agosto - setembro 2011 | 21


MATO GROSSO O Mato Grosso ainda continua buscando recursos e parcerias para aquisição de sistemas informatizados Afis para modernizar nossos arquivos e aderir ao RIC. A ABRID colabora da forma mais importante para os órgãos de identificação, que é a divulgação, apoio e incentivo à modernidade, para que possamos desenvolver tecnologias para emitirmos com segurança um documento único RIC." Telma de Azevedo Silva Moraes Coordenadoria Geral de Identificação

MATO GROSSO DO SUL Mato Grosso do Sul realizou licitação para aquisição de serviços especializados na produção de cédula de identidade, bem como implantação e operação de sistema de digitalização e conversão do acervo decadactilar civil e criminal para o sistema Afis em padrão ANSI/NIST. Realizou reforma e ampliação do atual prédio do Instituto de Identificação para receber as novas tecnologias e equipamentos, implantou em 15 regionais captura ao vivo de impressões digitais, assinatura digital e fotografia. A ABRID teve um papel muito importante não só na implementação do projeto como em todo o processo; basta lembrarmos que o projeto estava estagnado e houve um avanço a partir do apoio da ABRID na realização de congressos, fóruns, seminários e workshops." Celso José de Souza Instituto de Identificação Gonçalo Pereira

MINAS GERAIS Minas Gerais mantém adesão ao projeto RIC e tem envidado esforços no decurso da execução de suas atividades de modernização da estrutura administrativa para se atingir esta tão almejada otimização dos serviços públicos de identificação civil do povo brasileiro. Já teve inaugurada, há pouco mais de ano, licitação com a finalidade de modernizar a identificação civil e criminal no estado, além de preparar Minas Gerais para a operacionalização das modificações que decorrerão da implantação do RIC. A ABRID tem proporcionado sistematicamente fóruns de discussão, em todas as regiões brasileiras, envolvendo os integrantes do Comitê Gestor do RIC, viabilizando debates sobre suas vantagens, suas ferramentas e necessidade de implementação do RIC nas unidades da Federação." Letícia Alessi Machado Rogedo Instituto de Identificação 22 |

digital


PARÁ O Pará está na fase transitória para emplacar, digamos, a terceira etapa de expedição de RG. Consideramos que a primeira etapa caracterizou-se por um documento quase que totalmente sem segurança, facilmente adulterado. Com a Lei 7.116, normatizando e expedição de carteiras de identidade, iniciamos uma nova etapa através de um sistema com busca biográfica, passando a emitir um documento mais seguro, porém, ainda obsoleto. Estamos agora na iminência de implantarmos nosso AFIS civil, através da aquisição de Kits Bio. A expectativa é que em 2012, com a implantação de um novo sistema, possamos estar aptos ao RIC. A ABRID tem contribuído para a implementação do projeto de forma decisiva, através da divulgação e promoção de eventos, como os workshops, levando aos estados informativos sobre o RIC." Antônio Ricardo Teixeira Moura Paula Instituto de Identificação Enéas Martins

PARAÍBA A Paraíba ainda se encontra dando os primeiros passos rumo ao RIC. Precisamos de infraestrutura para digitalizar nosso acervo civil e criminal, onde juntos somam mais de sete milhões de prontuários. Muito precisa ser feito, passando pela informatização de setores administrativos até a captura digital das impressões digitais, assinatura e fotografia. Iniciamos um processo junto à Secretaria de Segurança para viabilizar a implementação de software de captura, pensando, num primeiro momento, na digitalização completa de todos os novos prontuários. Pretendemos finalizar esse ano com algo concreto nesse sentido. A ABRID é uma parceira de primeira hora para os estados, pois, não obstante as grandes diferenças regionais, nota-se um esforço por parte dessa Associação para integrar e dar meios capazes para todos terem condições de implementar uma infraestrutura adequada para o RIC." Israel Aureliano da Silva Neto Departamento de Identificação

julho - agosto - setembro 2011 | 23


PARANÁ No Paraná, o processo de modernização foi iniciado em 2007, com o sistema Afis. Atualmente, o Instituto de Identificação atua com três formatos para a emissão de documentos de identidade: 15 postos totalmente Informatizados; 24 postos parcialmente informatizados; e 375 postos convencionais. Todos os postos, independentemente da configuração, realizam a alimentação do banco de dados Afis com a conversão das imagens no padrão ANSI/NIST em 100% das emissões. A ABRID tem proporcionado conhecimento de novas tecnologias e contatos com profissionais gabaritados, com permanente troca de informações entre os responsáveis pela área da identificação civil em todo o Brasil." Newton Tadeu Rocha Instituto de Identificação

PERNAMBUCO Pernambuco está com projeto em andamento de digitalização de todos prontuários civis, que são mais de nove milhões, já no padrão Afis/RIC e, ao mesmo tempo, estamos trabalhando com a construção de nossa ata de registro para aquisição do Afis Civil. Além do mais, estamos realizando um convênio com o TRE/TSE para utilização dos kits biométricos desses órgãos e, em troca, iremos ajudar no cadastro biométrico dos eleitores. Sem a participação da ABRID seria muito difícil a realização dos vários encontros regionais ocorridos até o momento entre os representantes dos órgãos de identificação, onde surgiram debates e sugestões para o desenvolvimento desse grande projeto de identificação dos brasileiros." Jandir de Sousa Carneiro Leão Instituto de Identificação Tavares Buril

PIAUÍ O governo do Piauí já disponibilizou um terreno com a área de 5.000 m2 para construção da sede definitiva do instituto de Identificação. Será um prédio moderno adequado a atual realidade. A Secretaria de Segurança está fazendo consultoria para sistematização do arquivo (digitalização), e que por certo será facilitador para implantação do RIC. A ABRID tem sido uma parceira importante no processo como todo. Incentivadora, cooperadora e fomentadora dos meios para que os estados avancem e se modernizem com documentos seguros e de qualidade." Pedro Gomes de Moraes Instituto de Identificação João de Deus Martins 24 |

digital


RIO DE JANEIRO Como um dos estados que integram o projeto piloto, o Rio de Janeiro vem adequando seus processos e procedimentos utilizados desde a solicitação até a emissão da Carteira de Identificação para a nova realidade de identificação nacional, que é o RIC. Pequenas alterações foram realizadas no sistema de cadastramento utilizado pelos postos de atendimento para solicitação de carteira de identidade, a fim de adequar a formatação dos dados biográficos e dados biométricos aos padrões pré-estabelecidos para o cartão RIC. Para o Rio de Janeiro, o RIC já é uma realidade e não simplesmente um piloto para a implantação no país. A ABRID vem contribuindo imensamente para esta nova realidade, promovendo em todas as regiões do país encontros, debates e divulgando o que é realmente o projeto RIC, mostrando aos cidadãos uma vasta gama de utilizações que poderão ser agregadas a esse documento, além de promover uma maior integração entre todos os órgãos de identificação e de diversas empresas que atuam no ramo." Marcos de Oliveira Siliprandi Diretoria de Identificação do Detran

RIO DE JANEIRO O Instituto de Identificação Félix Pacheco, enquanto órgão responsável pela identificação criminal no estado do Rio de Janeiro, vem, em parceria com o Detran-RJ, órgão responsável pela identificação civil, planejando a digitalização de algo em torno de 10 milhões de registros civis bem como digitação de um milhão de prontuários criminais desatualizados. A ABRID vem atuando como um órgão agregador dos valores do RIC que, independente do interesse comercial dos seus associados, vem disseminando a informação necessária e indispensável aos responsáveis pela implementação do RIC em seus respectivos estados da Federação." Márcio Pereira de Carvalho Instituto de Identificação Félix Pacheco

julho - agosto - setembro 2011 | 25


RIO GRANDE DO NORTE O Rio Grande do Norte necessita avançar muito na preparação para se trabalhar o RIC, pois se faz necessária a aquisição de equipamentos para o processo de digitalização do atual banco de dados civil e criminal de aproximadamente 3,8 milhões prontuários, treinamento de pessoal, e estrutura física adequada. Sendo uma entidade de integração voltada para congregar tecnologia em identificação digital para garantir a qualidade da segurança, muito tem ajudado como parceira na implementação do conhecimento e na estrutura necessária para receber e trabalhar o RIC nos estados, visando a modernização e segurança da identificação civil." Nazareno de Deus Medeiros Costa Instituto Técnico-científico de Polícia

RIO GRANDE DO SUL O Rio Grande do Sul vem se preparando para o RIC desde 2006, quando adotou o sistema de identificação Afis para as atividades de identificação civil e criminal, bem como para a execução de perícias criminais. Atualmente, realizamos atendimento on-line em 56 postos de identificação no interior e quatro na capital. Uma vez que o RIC consiste em um projeto nacional e que envolve organizações independentes entre si e com diferentes realidades quanto às tecnologias já disponíveis nas unidades federativas envolvidas, a ABRID tem papel fundamental para o nivelamento das informações nos estados, através dos Workshops Regionais. Além disso, esses eventos proporcionam aos gestores do projeto a oportunidade de realizarem uma conversa mais próxima e franca com todos os Institutos de Identificação." Carlos Eduardo Falcão Pereira Departamento de Identificação

26 |

digital


RONDÔNIA Rondônia desde 2007 já vem se preparando para o projeto RIC com a assinatura do acordo de cooperação técnica, celebrado entre o Ministério da Justiça e o governo de Rondônia, o qual tem como objetivo a disponibilização do Sistema Nacional de Informações Criminais e o Afis. Durante o longo caminho que está sendo trilhado até a implantação do RIC, a ABRID tem sido uma parceira como nenhuma outra, promovendo e divulgando junto com suas associadas o que há de mais moderno em tecnologia de identificação humana e certificação digital. Alguns estados, por si só, provavelmente não teriam condições de se manterem atualizados não fossem os workshops promovidos pela ABRID." Marcos Augusto Bitencourt de Almeida Instituto de Identificação Civil e Criminal

RORAIMA Desde 2003, por meio de investimento do governo de Roraima, o Instituto de Identificação Odílio Cruz passou a utilizar a tecnologia Afis civil e criminal. O Instituto de Identificação encontra-se apto a integração ao RIC, hoje o banco de dados é composto por mais de 200 mil cadastros (entre civil e criminal) com dados antropométricos e biométricos. A contribuição da ABRID na implementação do projeto RIC tem sido de suma importância, quer seja no apontamento de soluções e projetos, quer seja como ponte de conexão entre os diretores dos Institutos de Identificação pelo Conadi, que através de informativos e do patrocínio de eventos como os Workshops Regionais, vem promovendo o debate e o detalhamento técnico para que os estados se preparem para o RIC." David Menezes Filho Instituto de Identificação Odílio Luz

julho - agosto - setembro 2011 | 27


SANTA CATARINA Santa Catarina vem se preparando para o RIC através da emissão dos registros gerais utilizando o Afis. O estado está buscando investimentos constantes para dar maior segurança à emissão do documento de identificação civil. Atualmente, aproximadamente 30% dos RGs encontram-se em meio digital, em condições de serem enviados a uma estação central para batimento único nacional. A ABRID tem fundamental contribuição no projeto RIC, fazendo a ponte entre os estados federados e o Distrito Federal, através das organizações de encontros, Workshops Regionais, dirimindo dúvidas e dando oportunidades a todos de expor sugestões pertinentes aos trabalhos de adaptação e implantação do cartão RIC." Murilo de Souza Instituto de Identificação

SÃO PAULO O governo do Estado de São Paulo está desenvolvendo estudos para implantar o sistema sem abrir mão de premissas básicas já institucionalizadas no atendimento aos paulistas, como a gratuidade da primeira via de carteira de identidade e celeridade na expedição de um documento seguro. Além disso, prevê forte investimento na modernização da plataforma tecnológica existente na área da identificação civil, com foco na difusão de benefícios a todos os paulistas. A ABRID tem papel fundamental na implantação do RIC. Sem a articulação realizada pela Associação não haveria os importantes Workshops Regionais, que permitiram aos dirigentes de Institutos de Identificação expor problemas referentes à implantação do RIC nos estados e sua interação com o sistema central, em Brasília, além de propiciar a todos contato sadio com empresas especializadas em tecnologia da identificação." José Vieira da Silva Junior Instituto de Identificação Ricardo Gumbleton Daunt

28 |

digital


SERGIPE Foi elaborado por este Instituto um projeto básico de digitalização, que se encontra com assessores do secretário de Segurança de Sergipe para a analise e pareceres técnicos. Além disso, comunicamos que nosso prédio foi devidamente reformado e encontra-se preparado para darmos a recepção devida ao novo sistema. A ABRID nos auxilia nos esclarecimentos quanto aos aplicativos técnicos do novo sistema, assim como nos auxilia sobre dúvidas quanto à elaboração de projetos." Everett Ferreira da Silva Instituto de Identificação Carlos Menezes

TOCANTINS Tocantins possui um contrato de parceria, onde a empresa entra com a tecnologia e o estado com equipamento, este contrato existe desde o ano de 2002. A proposta era mostrar o produto para que o estado o validasse a fim de abrir licitação para aquisição do mesmo, mas isso nunca aconteceu. Atualmente, a empresa esta sem contrato, venceu em dezembro de 2010. Para o Instituto de Identificação, a retirada da tecnologia pela empresa deixará a emissão da Carteira de Identidade e Cadastro de Criminosos totalmente sem segurança, visto que, o sistema AFIS traz muitos registros de pessoas que tentam burlar a emissão de documentos. Com essa premissa, o estado esta renovando o contrato com a empresa novamente. O contrato de manutenção é uma saída para continuar com a tecnologia, visto que, o estado não possui verba para aquisição da tecnologia Afis. É cediço que a ABRID tem exercido um papel de grande notoriedade para a implementação do projeto RIC através de constantes eventos onde pretende-se discutir, analisar, tirar dúvidas sobre toda a sistemática de implantação." Sandra de Souza Soares Martins Instituto de Identificação

julho - agosto - setembro 2011 | 29


CERTIFICAÇÃO DIGITAL, SIMPLES ASSIM 30 |

digital


10110001110101

Com destaque para a nota fiscal eletrônica, a certificação digital facilita a vida dos empresários brasileiros, inclusive aqueles optantes pelo sistema Simples de tributação

julho - agosto - setembro 2011 | 31


»» Arquivos de notas fiscais em papel: dias contados

Iara rabelo

E

A certificação digital na vida do contribuinte

32 |

digital

le ainda existe em quase todas as empresas do país, mas está com os dias contados. É o arquivo de notas fiscais. Até alguns anos atrás elas eram necessariamente emitidas a partir de um bloco impresso. Cada bloco tinha, em geral, quatro vias, uma para o consumidor final, uma para o Fisco, outra para a contabilidade e a última, para arquivo. Isso sem falar nas folhas de papel carbono para transmitir mecanicamente a informação de uma página à outra. A nota fiscal eletrônica (NF-e), emitida desde abril de 2008, veio para substituir essa papelada com a grande vantagem da segurança, além, é claro, da economia de papel. É que por trás de cada nota eletrônica está a garantia do certificado digital. Mas nem só de nota fiscal vive a certificação digital no meio empresarial. Ela é responsável por um amplo leque de serviços que garante agilidade e confiabilidade no relacionamento com entes de governo nos três níveis, municipal, estadual e federal. As companhias inscritas no regime tributário de lucro presumido, por exemplo, necessitam do certificado digital para declarar à Receita Federal do Brasil (RFB) as obrigações acessórias — como Dacon (Demonstrativo de Apuração de Contribuições Sociais), DIPJ (Declaração de Informações Econômico-fiscais da Pessoa Jurídica) e DCTF (Declaração de Débitos e Créditos Tributá-

1995 - outubro

1996 - março

setembro

outubro

A Receita Federal começa a divulgar informações na Internet através do site do Ministério da Fazenda

Lançamento da "Home Page do Imposto de Renda" no site do Ministério da Fazenda

A Receita cria seu próprio site na internet www.receita. fazenda.gov.br

Consulta à restituição do Imposto de Renda de Pessoas Físicas


marcio peixoto

rios Federais), entre outras. O certificado também é essencial para acessar o Sistema Publico de Escrituração Digital (Sped) e para enviar à Receita arquivos eletrônicos de livros fiscais. As empresas que trabalham no modelo tributário de lucro real também estão obrigadas a possuir a certificação. E, ao contrário do que pensam alguns desavisados, o certificado digital é também necessário para as empresas optantes do Simples, sistema que reúne em um único tributo diversas obrigações dos empresários com o governo (veja a página 36). O contribuinte do Simples pode usufruir de todas as facilidades disponibilizadas a empresas de maior porte por meio da certificação digital, inclusive a emissão da NF-e. Além disso, Ricardo Martini, presidente do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), responsável pela manutenção da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil), explica que a partir de janeiro de 2011 as empresas de menor porte e os Microempreendedores Individuais também vão precisar do certificado digital para participar do Conectividade Social ICP, canal eletrônico criado pela Caixa para relacionamento com microempresários e empreendedores. O projeto foi reformulado e agora funciona 100% na web, com certificação digital no padrão ICP-Brasil. Martini adianta que tudo está sendo feito para facilitar o acesso do

»» orinaldo de oliveira, sócio de uma revenda de veículos no distrito federal, comemora o fim da burocracia com a nota fiscal eletrônica seguimento ao certificado digital. “Como incentivo, há um acordo entre ITI, Caixa e Autoridades Certificadoras da ICP-Brasil para se ter um preço mais acessível para o pequeno empresário, já que a empresa média já está aderente, pois ela precisa do certificado digital para se relacionar com a Receita, porque trabalha com lucro real ou lucro presumido”, explica. O secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Freitas Barreto, classifica o certificado como fundamental para o cotidiano da Receita, tanto no relacionamento com pessoas jurídicas como físicas. “A certificação digital garante ao contribuinte acesso

às informações com total segurança. Num órgão que trata de sigilo fiscal é fundamental que se tenha certeza de que quem está tendo acesso à informação é o próprio contribuinte. E ele hoje já pode fazer isso, pode dizer para a Receita que somente ele pode ter acesso à sua declaração mediante o certificado digital”, resume. Para o vice-presidente de Relações Institucionais da Certisign, Júlio Cosentino, a certificação digital tornou realidade a desmaterialização no setor empresarial, com a migração do mundo dos negócios para o eletrônico. “E tem outra grande vantagem para o empresário também, que é o relacionamento entre ele e

1997 - março

1998 - janeiro

2000 - setembro

2002 - julho

agosto

outubro

Entrega de declarações do Imposto de Renda via Internet

Serviço de certidão negativa via Internet destinado às pessoas jurídicas

Serviço de correio eletrônico da Receita Federal

Lançamento do serviço Sistema Integrado de Comércio Exterior Siscomex

Situação cadastral Consulta Pública do CPF

Receita 222 Atendimento Virtual

julho - agosto - setembro 2011 | 33


Iara rabelo

»» edson norton, diretor comercial de uma gráfica em brasília, diz que a nf-e facilita o processo de controle o fornecedor, entre ele e cliente. Ou seja, todo aquele ambiente que ele precisava fazer contrato, a gente tem cases hoje de várias empresas que elas se relacionam com seus clientes através do meio eletrônico e a certificação digital é a ferramenta que possibilita dar validade à transação eletrônica”, constata. O presidente de Negócios de Identidade Digital da Serasa Experian, Igor Ramos Rocha, acredita que a certificação tornou real a digitalização para a empresa brasileira. “A gente consegue transpor os processos que são feitos normalmente em papel para o meio digital. Muitas vezes a internet agilizava o processo, mas na hora de formalizar era necessário imprimir, assinar e, a partir daí, ter alguma coisa com valor legal. A certificação digital justamente traz a opor-

tunidade de não só fazer com que o documento nasça eletrônico, mas que ele possa transitar de forma eletrônica e ser arquivado de forma eletrônica. Em nenhum momento a gente tem a necessidade hoje de transpor do meio digital para o papel graças ao uso do certificado digital”, comemora. Embora tenha vários usos para o empresário, foi de fato a nota fiscal eletrônica que deixou a certificação digital evidente no dia a dia das empresas. A emissão da NF-e vem crescendo gradativamente desde 2008. Até 25 de setembro deste ano, a RFB contabilizou 3,3 milhões de notas fiscais eletrônicas, emitas por 677,2 mil empresas em todo o país. A Receita adotou um cronograma de implantação da nota virtual entre os diversos seguimentos econômicos. Os primeiros a fazer as emis-

sões, a partir de abril de 2008, foram os fabricantes e distribuidores de cigarros; os produtores, formuladores e importadores de combustíveis; os distribuidores de combustíveis líquidos; e os integrantes do setor Transportador-Revendedor-Retalhista (TRR, atividade que compreende a compra de combustível a granel e a venda no varejo). Hoje, centenas de setores da economia precisam emitir a NF-e, desde fabricantes de sabão a importadores de equipamentos de informática, passando por atacadistas de café. A Souza Cruz, do ramo tabagista, foi uma das primeiras companhias a emitir a NF-e. Com produção diária de milhares de notas fiscais, a empresa precisava de galpões para armazenar toda a papelada. Desde a implantação do novo sistema, fica tudo arquivado digitalmente. Em papel, só o material antigo, que ainda precisa ser guardado para cumprimento de prazos legais. Mas os benefícios da NF-e não são evidentes apenas para uma megaempresa como a Souza Cruz. Em Sobradinho, Região Administrativa do Distrito Federal, o empresário Orinaldo de Oliveira é sócio da Rodovia Veículos, uma revenda de carros usados, e também comemora. Ele destaca a redução da burocracia em relação ao superado bloco de notas fiscais: “A primeira vantagem que você tem é no papel. Você tinha que pegar uma autorização no contador para entregar ao governo do Distrito Federal para ter autorização para

2003 - fevereiro

2004 - agosto

2005 - novembro

dezembro

2006 - julho

Consulta ao Extrato do Processamento da Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte

Consulta ao Extrato Simplificado da DIRPF

Lançamento do site Memória da SRF

Lançamento do Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte - e-CAC

Sistema Público de Escrituração Digital SPED

34 |

digital


emitir um talão de notas fiscais. Na nota fiscal eletrônica não precisa dessa autorização, a burocracia do contador, gráfica, nada disso. Automaticamente a nota fiscal está lá”. Edson Norton, diretor Comercial da Gráfica Coronário, em Brasília, acrescenta, entre as vantagens da NF-e, a facilidade do relacionamento com a Receita Federal. “Muito prático, ficou simples de a Receita conferir, checar a emissão com a recepção, isso facilitou demais. E até para a gente ficou mais prático, objetivo. Antigamente era uma burocracia, você tinha de gerar um relatório para poder mandar aquele documento para lá, carimbava, ou seja, era um processo muito mecanizado. Agora não, você simplesmente fecha um relatório, é tudo eletrônico, é um arquivo digital, e envia. Nesse aspecto, foi um ganho fantástico”, resume. »» e-Commerce O certificado digital também é essencial para quem atua no comércio on-line, um ramo em franco crescimento no Brasil. Além de permitir a emissão da NF-e e facilitar o cum-

primento de obrigações legais junto ao governo, o certificado digital garante segurança na negociação tanto para o empresário quanto para o consumidor. A Empresa de Inteligência e Comércio Eletrônico (e-Bit) calcula que o setor deve faturar quase R$ 19 bilhões este ano, contra os cerca de R$ 15 bi de 2010. O Brasil tem 27 milhões de consumidores on-line, frente a um total de 80 milhões de internautas. O dado mostra o potencial de crescimento do comércio eletrônico. Só em 2011, informa a e-Bit, quatro milhões de brasileiros fizeram a primeira compra pela internet. Destes, 61% pertentem à classe C. No ranking das vendas pelo computador, no primeiro semestre do ano, os eletrodomésticos foram os campeões, seguidos por informática, saúde, beleza e medicamentos, livros e assinaturas de revistas e jornais. A e-Bit pesquisou ainda o grau de contentamento do e-consumidor. Em 2010, a satisfação com o serviço das lojas virtuais fechou perto dos 90%. É a tecnologia, aliada à certificação digital, mudando o cotidiano da população brasileira.

2008 - abril

2011 - janeiro

início da emissão da Nota Fiscal eletrônica por cinco setores da economia

Microempreendedor Individual e pequeno empresário passa a precisar do certificado digital para participar da Conectividade Social ICP

Quem pode emitir o e-CNPJ A emissão, renovação e revogação do certificado digital e-CNPJ, e também do e-CPF para pessoas físicas, só pode ser realizada por uma empresa devidamente autorizada pela Receita Federal do Brasil. A Receita chama estes parceiros de Autoridades Certificadoras Habilitadas (ACHs). Para emitir nota fiscal eletrônica, transmissão mensal do Sped fiscal e obrigações acessórias é preciso ter o e-CNPJ. Para a declaração anual do Sped contábil é preciso o e-CPF. O E-CNPJ é da empresa, enquanto o e-CPF é da pessoa jurídica responsável pela remessa dos dados da declaração, pode ser o próprio empresário ou o contador.

Confira a relação de ACHs:

AC Serpro-RFB

AC Certisign-RFB

AC Serasa-RFB

Autoridade Certificadora do Serpro-RFB

Autoridade Certificadora da Certisign-RFB

Autoridade Certificadora da Serasa-RFB

AC Prodemge-RFB AC Notarial-RFB

AC BR-RFB

Autoridade Certificadora da Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - RFB

Autoridade Certificadora Notarial RFB

Autoridade Certificadora Brasileira de Registros RFB

AC Imesp-RFB

AC Fenacon Certisign-RFB

AC Sincor- RFB

Autoridade Certificadora da Imprensa Oficial do Estado - RFB

Autoridade Certificadora da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas

Autoridade Certificadora do Sindicato dos Corretores de Seguros, Empresas Corretoras de Seguros, de Saúde, de Vida, de Capitalização e Previdência Privada no Estado de São Paulo

Fonte: RFB e ITI.

julho - agosto - setembro 2011 | 35


Governo amplia limites do Simples Nacional O governo anunciou em agosto uma medida há tempos esperada pelo empresariado: a ampliação do limite para participar do Simples Nacional. Pelo Projeto de Lei Complementar (PLP) 87/2011, os limites serão elevados em 50%. O sistema Simples unifica em uma alíquota diversos tributos, como Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), PIS/Pasep, Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ), Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e Imposto sobre Serviços (ISS), além da Contribuição para a Seguridade Social destinada à Previdência Social paga pela pessoa jurídica. A proposta do Executivo passa de R$ 240 mil para R$ 360 mil o limite de faturamento anual para microempresas. Para a pequena empresa, o teto sobe de R$ 2,4 milhões para R$ 3,6 milhões. O faturamento para o Empreendedor Individual também aumenta, de R$ 36 mil para R$ 60 mil anuais. Ao anunciar a mudança, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, justificou: “Essa ampliação vai no sentido de abranger um número maior de empresas que estariam agregadas naquele que é o regime tributário mais moderno que nós temos no país”. O Comitê Gestor do Simples Nacional estima que os novos limites de faturamento permitam o ingresso de 30 mil empresas no sistema, além de aliviar a situação daquelas que estavam próximas do teto. Outra novidade prevista no PLP 87/2011 é o parcelamento automático de dívidas tributárias. A medida beneficia mais de 500 mil empresas que corriam o risco de serem retiradas do Simples Nacional em função de débitos com a Receita Federal. O projeto de lei cria ainda um limite adicional

36 |

digital

para exportação. Assim, uma pequena empresa que comercialize internamente o novo teto do Simples, R$ 3,6 milhões anuais, poderá exportar igual valor. Na prática, a decisão abre a possibilidade de dobrar o faturamento do pequeno empresário, com a manutenção da tributação do Simples. A matéria foi aprovada rapidamente na Câmara dos Deputados e tramita agora no Senado Federal. Pelo acordo de lideranças feito na Câmara, o texto foi avalizado sem alterações. As alterações sugeridas pelos deputados serão negociadas no Senado. O Palácio do Planalto espera ver a proposta aprovada em definitivo ainda este ano, para garantir a vigência já a partir de 2012. »» Outras propostas O Congresso analisa ainda outras iniciativas legislativas, do Execuitvo ou de parlamentares, que tratam do sistema simplificado de tributação. Um deles, anunciado pelo governo junto com a ampliação dos valores do Simples Nacional, cria a Secretaria da Micro e Pequena Empresa. A decisão do Planalto de criar uma pasta para tratar exclusivamente da questão da pequena e microempresa mostra a importância do setor no Brasil. A nova estrutura estará ligada diretamente à Presidência da República. Outro projeto sobre o Simples é o 467/2008, de autoria da então senadora Ideli Salvatti (PT/SC), atual ministra de Relações Institucionais. A matéria inclui 13 tipos de serviços ou setores no Simples Nacional, como advocacia, jornalismo e publicidade, imobiliárias, arquitetura e engenharia, odontologia, medicina veterinária e corretagem de seguros. A proposta está pronta para votação no plenário do Senado.


julho - agosto - setembro 2011 | 37


BIG BANG DIGITAL

Solenidade marca oficialmente os 10 anos da ICP-Brasil e, em meio a homenagens, players do setor discutem o futuro promissor da certificação digital 38 |

digital


julho - agosto - setembro 2011 | 39


Gerdan Wesley

»» renato martini, presidente do iti, NA ABERTURA DA SOLENIDADE QUE MARCOU OS 10 ANOS DA INFRAESTRUTURA DE CHAVES PÚBLICAS BRASILEIRA

U

ma solenidade no auditório do anexo I do Palácio do Planalto marcou os 10 anos da ICP-Brasil, a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira. O tema, que tinha sido adiantado na matéria de capa da idigital nº 5 (abril, maio e junho de 2011), reuniu em Brasília os principais atores da primeira década da certificação digital no país. Criada pela Medida Provisória 2.002-2, de 24 de agosto de 2001, a ICBP-Brasil é o conjunto de normas que estabelece os fundamentos técnicos para a formação de um sistema nacional de certificação digital baseado em chaves públicas. A mesma MP 2.002-2 determinou que o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI) é a Autoridade Certificadora Raiz (AC Raiz) da cadeia.

40 |

digital

A partir da AC Raiz há um crescente grupo que, até o fechamento desta edição, contava com nove Autoridades Certificadoras (ACs) de primeiro nível, 30 ACs de segundo nível e 506 Autoridades de Registro (ARs), que são os postos de atendimento ao cidadão para emissão do certificado digital. Toda essa rede foi responsável pela emissão, até julho de 2011, de mais de três milhões de certificados digitais no padrão da ICP-Brasil. O destaque da solenidade oficial de comemoração foi a entrega da homenagem a instituições que colaboraram para a consolidação da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (confira os homenageados na página 44). O presidente do ITI, Renato Martini, destacou que muitas outras pessoas e entidades contri-

buíram para o sucesso do que hoje é a ICP-Brasil. “Aqui, a gente tenta ser justo, sendo tremendamente injusto. Tivemos de fazer uma seleta de algumas entidades que foram marcantes nestes 10 anos, mas a gente sabe que outros tantos parceiros e amigos acabam ficando fora, que também merecem o mesmo agradecimento na participação e construção dessa Infraestrutura”, avisou. Justamente por isso, outras homenagens estão sendo feitas ao longo do ano, em cada uma das etapas do 9º CertForum, o Fórum da Certificação Digital. A ABRID foi uma das agraciadas na cerimônia, realizada em 24 de agosto. O presidente Célio Ribeiro enfatizou a união da equipe do ITI, que consegue ser amável sem abandonar o rigor profissional. “E é assim que demonstram para o país


Gerdan Wesley

»» Célio como é possível ribeiro, o governo agir presidente de forma transda abrid, e parente com igor rocha, entidades privapresidente das. É a maior de negócios demonstração de que caminhamos de identidade digital da juntos, empresas serasa públicas, emexperian presas privadas e governo. Ao Renato, que se tornou um amigo nosso, amigos das empresas sérias desse país e que lutam por um país onde a certificação digital seja massificada, o nosso agradecimento”, comentou. Também homenageado, o secretário da Receita Federal do Brasil (RFB), Carlos Alberto Freitas Barreto, recordou a revolução do uso trabalhador e do empresário. “Grado certificado digital para a RFB e ças a este processo, o trabalhador anunciou novidades. “Talvez pouco brasileiro recebe hoje o seu FGTS conhecida ainda de todos é a reali- em qualquer unidade da Caixa no zação do e-Processo na Secretaria Brasil inteiro por meio de processos da RFB e no Conselho certificados, não Administrativo de Re- »» EDSON REZENDE, precisa se dirigir cursos Fiscais. Essa medi- DIRETOR DE a um local (espeda, estamos caminhando IDENTIFICAÇãO DIGITAL cífico) da Caixa; para quase um milhão de DA ABRID; RENATO a própria empreprocessos digitais. Hoje já MARTINI E CÉLIO RIBEIRO sa remete, os sisnão nasce processo administrativo-fiscal no papel. E essa solução não seria possível sem a utilização da certificação digital. Em breve, os contribuintes poderão acompanhar pela internet os seus processos fiscais e teremos, até o final de 2012, mais de 3 milhões de processos nos sistemas da Receita Federal”, adiantou. Já o vice-presidente de Tecnologia da Informação da Caixa, Joaquim Lima de Oliveira, enfatizou que, entre muitas outras vantagens, a certificação facilitou a vida do Gerdan Wesley

temas tratam e ele procura qualquer lugar e é prontamente atendido. E agora estamos em um momento muito importante, fazendo a migração de todo esse contingente de empresas e certificados para o padrão do ICP-Brasil”, observou. O secretário-geral do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Fernando Marcondes, explicou que a homenagem feita ao CNJ é extensiva

julho - agosto - setembro 2011 | 41


a todo o país: “É para a sociedade brasileira, que recebe através da evolução da tecnologia um instrumento irreversível da Justiça que foi desenvolvido pela ICP-Brasil - caminho este irreversível para obtenção de uma Justiça mais célere e justa”. O coordenador dos Comitês de Identidades Digitais Confiáveis da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, Manuel Dantas Matos, avaliou que contribuir para o desenvolvimento do país é um dever de todos. “Participar deste momento de transformações em uma sociedade interconectada é um privilégio de poucas gerações. Se me pedissem para indicar um exemplo de retidão e conduta exemplar no exercício da função pública, não hesitaria em indicar o ITI”, completou. Por sua vez, a diretora de Políticas e Programas de Graduação da Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação, Paula Branco de Mello, ressaltou a importância do certificado digital para a inclusão social por meio do ProUni. O Programa Universidade 42 |

digital

tabilidade”, comemorou. »» o grupo Quem dos 10 também foi homenageados agraciado no ao lado do evento foi o presidente Laboratório do iti, renato de Sistemas martini Integráveis Tecnológico (LSI-TEC), que ajudou na implantação do modelo de certificação adotado pela ICP-Brasil. O coordenador do LSI-TEC, Marcelo Zuffo, recordou os primórdios da iniciativa: “Parece que não fazem nove anos que o Renato e o Maurício apareceram lá na USP nos colocando o desafio de criar um laboratório

Gerdan Wesley

Gerdan Wesley

de ensaios de auditoria. Não havia modelo, não havia ninguém que você pudesse ter como referência. Nós tivemos que começar do zero. Então, juntamos as melhores cabeças da USP e de outras universidades, pegamos os mestres e doutores e, literalmente, os confinamos, semanas trancados pensado em detalhes do processo”. A Federação Brasileira de Bancos também foi lembrada. A coordenadora do Grupo de Trabalho de Certificação Digital da Febraban, Francimara Viotti, usou uma expressão regional para explicar a importância » » premiação para Todos já garantiu o da ICP-Brasil para o sislotou auditório ingresso de mais de 900 tema bancário. “É como no palácio do mil estudantes no ensiplanalto se diz em Minas Gerais, no superior. “O procesa ICP-Brasil salvou a nosso, desde o momento da sa pátria. Foi quando a gente estava inscrição do estudante até a sua seleção, passando pela manutenção da fazendo o Sistema de Pagamentos bolsa desse aluno na universidade, Brasileiros e a gente precisava de um é todo feito com a certificação di- certificado digital”, lembrou. E o sugital, o que imprime transparência, perintendente da Unidade de Segusegurança e, acima de tudo, susten- rança da Tecnologia da Informação


do Banrisul, Jorge Krug, acrescentou que o banco gaúcho foi pioneiro na emissão de cartão com certificado digital: “Lá atrás, em 2004, 2005. Hoje, após esses anos, comemorando o décimo ano da ICP-Brasil, temos aí três milhões de cartões na rua no Rio Grande do Sul. Temos a honra de ter o cartão de banco do Banrisul com a bandeirinha do ICP-Brasil atrás”. »» Novos desafios Mais do que a comemoração, a solenidade dos 10 anos da ICP-Brasil serviu para o debate do que estar por vir na certificação digital. Os players do setor acreditam que o Registro de Identidade Civil (RIC), a nova carteira de identidade do brasileiro, vai ser essencial na popularização do certificado. É que, entre os muitos itens de segurança do novo cartão, está um chip com certificado digital. A partir da popularização do novo RIC está aberto um universo de possibilidades e aplicações para o certificado digital, como acesso a serviços do governo na área social ou de saúde, uso no transporte coletivo, assinatura de contratos, realização compras. Em resumo, a

certificação digital do RIC aliada à impressão digital do cidadão vai revolucionar e garantir segurança para a relação de cada pessoa com entidades públicas e privadas. As empresas associadas da ABRID têm um papel preponderante na questão do RIC, como destacou Renato Martini: “A ABRID é essencial nessa jornada, tem sido um apoiador de primeira hora nesse processo de aprendizado nosso no tema do RIC, na biometria”. Célio Ribeiro acrescentou que a união de esforços em torno do Registro de Identidade Civil fez do projeto o maior na área de identificação civil no mundo. “O Brasil construiu e começa a distribuir um dos mais modernos documentos pessoais do planeta, e isso é fruto da parceria séria e transparente entre os setores público e privado. Este projeto mostra que a iniciativa privada e o governo podem sim trabalhar lado a lado de forma limpa e proativa”, completou o presidente da ABRID. Além do RIC, o presidente do ITI enumerou entre os próximos desafios da certificação digital a desmaterialização e a economia verde. O primeiro tema diz respeito à subs-

tituição de documentos físicos – o papel – pelos eletrônicos. Um bom exemplo é a nota fiscal eletrônica (NF-e). Se algum cliente desejar, a empresa até pode imprimir uma NFe, mas o papel será uma mera cópia. O documento original é o digitalizado, emitido com certificação no padrão ICP-Brasil. Já a economia verde é a otimização do uso dos recursos naturais dentro de um sistema que busca o bem-estar social sem prejuízos ao ecossistema. Martini acredita que os dois assuntos, desmaterialização e economia verde, são fundamentais para o trabalho da ICP-Brasil daqui para frente. “A desmaterialização, o uso intensivo do documento eletrônico, tem um profundo impacto positivo na questão ambiental e está profundamente inscrito no que a comunidade internacional chama hoje de economia verde, de green economy, que nós sabemos que será objeto, entre outros debates, na Rio+20 (leia matéria na página 46)”, enfatizou. Com os 10 anos da ICP-Brasil, o país fecha apenas o primeiro ciclo. Agora, a porta está aberta para a expansão do universo da certificação. Vem aí o Big Bang digital.

julho - agosto - setembro 2011 | 43


Confira a relação dos homenageados pelo ITI na solenidade dos 10 anos da ICP-Brasil Homenageado

Justificativa

Responsável pela entrega

Receita Federal Pelos esforços e iniciativas em utilizar a certido Brasil ficação digital como elo entre a sociedade e o Estado, promovendo aplicações que tornam a vida do contribuinte mais ágil, como a nota fiscal eletrônica, o Centro Virtual de Atendimento (e-CAC) e o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) Caixa Econômica Pelo pioneirismo de tornar-se a primeira instituiFederal ção financeira a atuar como Autoridade Certificadora e por colaborar, decisivamente, para que mais e mais empresas aderissem à certificação digital ICP-Brasil por meio da aplicação “conectividade social” Pedro Cardoso – Pelos anos de dedicação, pela perseverança e Funcionário com pelos serviços que o legitimaram a tornar-se o mais tempo de servidor público com mais tempo dedicado à trabalho no ITI ICP-Brasil e à certificação digital. ABRID Pelos fomentos e inovações no setor privado para que empresas de tecnologia em identificação atentassem para a certificação digital da ICP-Brasil Conselho Nacional Pelo uso da certificação digital padrão ICP-Brasil de Justiça em iniciativas que buscam a modernização do Judiciário brasileiro Ministério da Pelos benefícios promovidos na educação do Educação Brasil, especialmente, ao Programa Universidade para Todos – Prouni - que utiliza a certificação digital no sistema de concessão de bolsas de estudo para alunos de baixa renda Federação Brasileira Pelo importante papel que o setor bancário dede Bancos - sempenha como incentivador do uso da certifiFebraban cação digital como ferramenta de segurança da informação Câmara Brasileira Pelos incentivos à inovação, à geração de conhede Comércio cimento e ao desenvolvimento sustentável da Eletrônico - economia digital Câmara-E.Net Laboratório Pelo pioneirismo na realização dos laudos exigide Sistemas dos nas avaliações e homologações no âmbito Integráveis da ICP-Brasil Tecnológico - LSITEC Banco do Estado do Pela crescente adoção de iniciativas que utilizam Rio Grande do Sul - a certificação digital ICP-Brasil. Banrisul

Secretário executivo da Secretaria Geral da Presidência da República, Swendenberg do Nascimento Barbosa

Diretor de Infraestrutura de Chaves Públicas do ITI, Maurício Augusto Coelho

Diretor de Auditoria, Fiscalização e Normalização do ITI, Pedro Paulo Lemos Machado Presidente de Negócios de Identidade Digital da Serasa Experian, Igor Ramos Rocha Procurador Federal Chefe do ITI, André Pinto Garcia Assessora de Comunicação do ITI, Celizara Silveira

ANOS

44 |

digital

Assessor Técnico do ITI, Ruy César Ramos

Diretor da Certisign, Júlio Cosentino

Coordenador-geral de Planejamento, Orçamento e Administração do ITI, Júlio César Pereira Chefe de Gabinete da Presidência do ITI, Adriana Fetter Dias da Costa


A Medida Provisória 2.200-2, assinada em 24 de agosto de 2001 pelo então presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, é a certidão de nascimento da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira. O documento estabelece que a ICP-Brasil foi instituída para “garantir a autenticidade, a integridade e a validade jurídica de documentos em forma eletrônica, das aplicações de suporte e das aplicações habilitadas que utilizem certificados digitais, bem como a realização de transações eletrônicas seguras”. A MP também determina que a função de autoridade gestora das políticas do setor será exercida pelo Comitê Gestor da ICP-Brasil, vinculado à Casa Civil da Presidência da República e composto por cinco representantes da sociedade civil, integrantes de setores interessados designados pelo presidente da República, e um representante de cada um dos seguintes órgãos: • Ministério da Justiça; • Ministério da Fazenda; • Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; • Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; • Ministério da Ciência e Tecnologia; • Casa Civil da Presidência da República; • Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República. Ao longo de 20 artigos, a Medida Provisória 2.200-2 normatiza, por exemplo, as competências do Comitê Gestor da ICP-Brasil e as delimitações da Autoridade Certificadora Raiz. São atribuições da AC-Raiz: emitir, expedir, distribuir, revogar e gerenciar os certificados das ACs de nível imediatamente subsequente ao seu, gerenciar a lista de certificados emitidos, revogados e vencidos, e executar atividades de fiscalização e auditoria das ACs e das ARs e dos prestadores de serviço habilitados na ICP, em conformidade com as diretrizes e normas técnicas estabelecidas pelo Comitê Gestor da ICP-Brasil. A MP ainda transforma o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI) em autarquia federal e o define como AC Raiz da ICP-Brasil.

julho - agosto - setembro 2011 | 45


A CAMINHO DA RIO+20

46 |

digital


ABRID participa da primeira etapa dos eventos regionais dos Diálogos Nacionais que elaboram propostas voltadas à economia verde para apresentação na conferência da ONU de 2012

julho - agosto - setembro 2011 | 47


wenderson araújo

»» encontro em brasília organiza propostas para serem levadas à conferência da onu, que acontece no próximo ano no rio de janeiro

A

conferência Rio+20 vai ser aberta em junho do próximo ano na capital carioca, mas, na prática, já começou. Teve início em agosto a série regional dos Diálogos Nacionais - Rumo à Rio+20. O primeiro evento, na região Centro-Oeste, aconteceu no dia 3 em Brasília e foi realizado com apoio da ABRID. Nos próximos meses, outros eventos regionais vão ser realizados para promover a troca de experiência e elaboração de propostas concretas sobre a economia verde para apresentação na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, também conhecida como Rio+20. O termo é uma alusão à Eco 92, encontro realizado pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1992 também no Rio de Janeiro. O objetivo principal da Eco 92 foi estabelecer formas de conciliar o desenvolvimento socioeconômico com a preservação do meio ambiente. A economia verde, discutida agora nos Diálogos Nacionais, vem do termo inglês green economy, um 48 |

digital

conceito que envolve a atuação coordenada com base no tripé social-ambiental-econômico para trabalhar pela erradicação da pobreza. A iniciativa partiu da GEC, Green Economy Coalition (Aliança da Economia Verde, em tradução livre). A intenção é promover discussões em pontos diversos do planeta para sensibilizar e articular as sociedades locais para o tema. Assim, os chamados Diálogos Nacionais já estão acontecendo na Índia e Mali, além de países da América do Sul, Caribe e Europa. No Brasil, a coordenação dos debates está a cargo do Instituto Vitae Civilis e tem cinco objetivos: • Consolidar e difundir o entendimento sobre o conceito e a prática da economia verde, sempre entendida também em seu aspecto social; • Identificar e articular atores da sociedade brasileira relevantes para este processo; • Mobilizar a opinião pública na-

cional para a importância do tema (sua discussão e prática); • Produzir propostas e demandas concretas relacionadas à economia verde no Brasil e no mundo; • Influenciar na agenda e resultados da Rio+20 e também nas políticas públicas brasileiras. Nas palavras da GEC, a economia verde “resulta em melhoria do bem-estar humano e equidade social, ao mesmo tempo em que gera valor para a natureza, reduzindo significativamente os impactos e riscos sociais e ambientais e a demanda sobre recursos escassos do ecossistema e da sociedade. Uma economia verde se caracteriza pelo foco dos investimentos em atividades que, visando tais resultados, aproveitam e potencializam o capital natural, social e humano, considerando em suas decisões os limites do planeta e os interesses sustentáveis da sociedade”. Assim, a edição Centro-Oeste dos Diálogos promoveu debates vol-


wenderson araújo

tados para seis temas específicos relacionados com a economia verde: Agricultura, Pecuária e Silvicultura; Infraestrutura (Energia e Transportes); Água, Saneamento e Resíduos Sólidos; Cidades: Desenvolvimento Urbano, Habitação e Mobilidade Urbana; Turismo Sustentável; e Indústria e Serviços. O presidente do Instituto de Tecnologia da Informação (ITI), Renato Martini, participou da abertura do evento e avaliou que a desmaterialização – tema profundamente ligado à certificação digital porque permite a eliminação de documentos físicos – tem forte elo com a economia verde. No entanto, enfatizou, é preciso popularizar os dois termos. “Se a própria economia verde já é um tema conceitualmente complexo, tem gente que pergunta que diabo é isso, então, como essa coisa de desmaterialização da vida se insere é um tema ainda mais complexo ainda”, justificou. Para enfatizar a importância do uso do certificado digital nos preceitos da economia verde, Martini usou como exemplo os contratos de câmbio. “Há dois, três anos o Banco

»» seis temas centrais dividiram AS ATENÇões dos participantes

Central regulamentou o contrato de câmbio eletrônico e são milhões por semana. Uma semana de papel em São Paulo dava para preencher um campo de futebol com cerca de dois metros de altura, fora a tinta e o deslocamento das pessoas que levam e trazem os documentos. Agora, acabou isso. Além da questão ambiental, fica 80% mais barato do que no papel”, comentou. Todo material produzido nos Diálogos Regionais vai ser consolidado no fim do ano no 2º Seminário Diálogos Nacionais - Rumo à Rio+20. O primeiro encontro foi

realizado em novembro de 2010, em São Paulo, quando cerca de 130 participantes de variados setores da sociedade brasileira analisaram 20 casos reais de iniciativas da economia verde e discutiram os conceitos fundamentais do termo, assim como as prioridades para que seja plenamente aproveitado o potencial da Rio+20 como oportunidade para acelerar o desenvolvimento da economia verde no Brasil e no mundo. »» Cooperação técnica Durante a etapa Centro-Oeste dos Diálogos Nacionais - Rumo à Rio+20, a ABRID e a Organização não Governamental Fundação SOS Mata Atlântica fizeram a assinatura

DUAS PERGUNTAS para

wenderson araújo

Nilo Diniz, diretor de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente

Qual o desafio da educação e de ações socioeducativas no incentivo à economia verde?

conscientizada que o desenvolvimento e a erradicação da pobreza precisam ser feitos em bases sustentáveis.

:Educação é tudo no desenvolvimento e progresso da nação. Vejo que hoje os desafios do nosso modelo de produção e consumo, eles têm que ser bem informados à população para que ela possa conhecer as riquezas, mas também os desafios deste processo. Todos precisam ter informação de como podem fazer um manejo sustentável das áreas destinadas à produção. Muitas funções ecológicas podem se tornar benefícios econômicos. A população precisa estar

Como a desmaterialização da vida e as novas tecnologias podem apoiar a economia verde? :Esse é um dos caminhos da sustentabilidade, repensar o uso e o consumo de todos os materiais. Este seria o nosso primeiro “R” - repensar a necessidade ou não de materiais e suportes para determinadas atividades. Temos que pensar em um crescimento onde haja sustentabilidade e as novas tecnologias são importantes para isso. julho - agosto - setembro 2011 | 49


wenderson araújo

celebrado com a ABRID) nós estamos falando de responsabilidade social, de envolvimento de comunidade, nós já colocamos o molho que faltava, vamos dizer assim. A gente conquistou isso com a ABRID e estou muito feliz de ter essa parceria”, reforçou. Já o presidente da ABRID enfatizou que as as»» célio sociadas têm uma profunda ribeiro e Mário – e verdadeira – preocupação Mantovani com a cidadania e a proteção social de verdade, assinam termo ambiental. “Temos atuado é uma das histórias de cooperação bastante com o governo braque está surgindo técnica sileiro e esta oportunidade de estar junto com a SOS Mata aqui e agora”, coAtlântica e com esse público memorou. Mantovani acredita que o acor- do meio ambiente, para nós, é muido com a ABRID deve ser visto to importante porque, realmente, como um momento de realização, acreditamos que isso é fundamental com o potencial de servir de exem- para o país”, enfatizou Célio Ribeiplo para outros países. “Eu trabalho ro. Ele adiantou que a preservação com muitas empresas internacio- dos ecossistemas é uma meta das asnais no Brasil e eles pensam biodi- sociadas, que estão dispostas a fazer versidade só do ponto de vista da eventuais adequações para garantir biodiversidade, e (com o acordo a defesa do meio ambiente.

oficial do acordo de cooperação técnica iniciado em maio. A intenção é permitir a atuação conjunta entre as duas instituições para garantir a divulgação e o debate dos assuntos relativos à economia verde. O próprio patrocínio da Associação ao evento já é fruto da parceria. O diretor de Políticas Públicas da Fundação SOS Mata Atlântica, Mário Mantovani, está empolgado com a união com o setor de tecnologia em identificação digital. “As empresas querem fazer responsabilidade

DUAS PERGUNTAS para

wenderson araújo

Mário Mantovani, diretor de Políticas Públicas da Fundação SOS Mata Atlântica

50 |

De que forma um evento descentralizado (os Diálogos Nacionais acontecerão nas cinco regiões brasileiras) prepara o país para a Rio+20? A ideia é de que todo o país se prepare para a conferência no próximo ano. Esse primeiro encontro sendo feito em Brasília, abre uma nova perspectiva para a região Centro-Oeste. O Brasil é hoje um protagonista na questão do debate ambiental e desenvolvimento sustentável. Queremos que a Rio+20 seja um evento divisor de águas. Este é um trabalho que traz uma convergência de vários interesses, de entidades que se apoiam, como é o caso da ABRID conosco. É uma jornada juntos.

digital

Como o senhor vê o apoio das empresas de tecnologia para a economia verde? O grande desafio da Eco 92 era na área dos desafios tecnológicos, todos em busca de uma maior sustentabilidade econômica. A tecnologia foi a resposta mais rápida para as questões ambientais. E ela será rapidamente incorporada à sociedade, trazendo benefícios para todos. Essa contribuição das empresas de tecnologia é uma prova de que todos podemos caminhar juntos. Isto sinaliza para os eventos que vão ocorrer no Brasil mostrando que as empresas de tecnologia são parceiras da economia verde.


DUAS PERGUNTAS para Renato Martini, presidente do ITI Gerdan Wesley

Conheça as ações que identificam instituições favoráveis à transição para a economia verde 1. Contribuir para a construção de um sistema produção, distribuição e consumo que promova o bem-estar humano de forma sustentável e equitativa, respeitando os demais seres vivos e contribuindo para a integridade do conjunto de elementos e processos ambientais do planeta; 2. Ter potencial para ampla assimilação pela sociedade envolvida e pelas instituições e agentes do sistema produtivo, com aplicação efetiva a curto/médio prazo, ou estruturando o longo prazo; 3. Levar em conta todos os fatores necessários ao funcionamento da economia, valorando-os, se preciso, porém, sempre considerando trabalho humano, ambiente natural e seres vivos não só como fatores de produção, mas como valores em si mesmos, portadores de direitos e merecedores de respeito e proteção; 4. Visar não apenas a criação de riqueza, mas também sua justa distribuição, evitando discrepâncias extremas e considerando as necessidades das gerações atuais, assim como daquelas ainda por vir; 5. Criar uma economia voltada a maximizar a qualidade de vida e as oportunidades para sucesso na busca da felicidade por todo ser humano, ao invés da mera acumulação de bens ou de riqueza; 6. Promover processos de produção e disseminação do conhecimento, potencializando a contribuição da educação, da ciência e das demais atividades culturais para o estabelecimento de práticas, valores e aspirações sociais compatíveis com a sustentabilidade; 7. Proteger o respeito à liberdade/responsabilidade de escolha, opinião e expressão, a democracia, o estado de direito, os direitos humanos e coletivos e a diversidade cultural, individual e biológica; 8. Fomentar sistemas de governo, organização social e regulação abertos à efetiva participação da sociedade nos processos decisórios e na governança dos países, dos mercados e das demais organizações, fortalecendo as políticas públicas e promovendo, dentre outras práticas, a transparência, a responsabilidade e a integridade ética. Fonte: Organização dos Diálogos Nacionais - Rumo à Rio+20.

Qual a importância da certificação digital para a economia verde e a sustentabilidade? A certificação digital é uma ferramenta, um componente de uma revolução muito maior que chamamos de desmaterialização da vida. Ela é a troca de um documento em papel por um documento eletrônico, assinado digitalmente. Falando assim parece muito simples, mas na verdade estamos mudando um hábito milenar do uso do papel como suporte. Por que isso? Modismo? Não, hoje nos tribunais brasileiros, que produzem toneladas de papel e consomem galões de tinta para dar materialidade a um documento, esse documento já nasce eletrônico e pode transitar eletronicamente, além da questão do transporte desses documentos nas cidades, do deslocamento que tem um alto custo. Estes documentos podem passar a circular eletronicamente e isso pode trazer uma melhoria da vida na cidade e uma diminuição do uso de insumos. De que maneira a educação pode auxiliar na conscientização da população sobre o uso da certificação digital e a desmaterialização da vida? O nosso desafio neste debate da economia verde ainda é muito pouco pretensioso. Gostaríamos de sensibilizar as pessoas que este é um tema de grande importância, de que existe um tema novo, que está acontecendo e que tem grande impacto na vida econômica das cidades e na vida das pessoas.

julho - agosto - setembro 2011 | 51


MISSÃO CUMPRIDA Encontros do Rio de Janeiro e Brasília concluem a 9ª edição do CertForum, evento que já é tradição no calendário da certificação digital


tiago ramalho

»» abertura do CertForum etapa sudeste, realizada no rio de janeiro

54 |

digital

Receberam a premiação a Casa o debate sobre o Plano Nacional Civil do Estado do Rio de Janeiro, de Desmaterialização de Processos. a Casa da Moeda do Brasil e o Cen- Além de Renato Martini, participatro de Tecnologia da Informação e ram das discussões o deputado Hugo Comunicação do Estado do Rio de Leal (PSC-RJ), vice-líder do Governo na Câmara, o presidente da EmJaneiro (Proderj). Ao abrir a etapa Rio, o presiden- presa de Tecnologia da Informação te do ITI, Renato Martini, destacou da Previdência Social (Dataprev), a importância da cidade para a área Rodrigo Ortiz D’Avila Assumpção, tecnológica. “É emblemático realizar o diretor de Políticas Públicas da uma das etapas do CertForum na Fundação SOS Mata Atlântica, Mácidade do Rio de Janeiro, que sem rio Mantovani, e a diretora de Condúvida é um dos principais núcleos de tec»» Da esquerda para nologia da informação direita: Renato Martini, no Brasil e que coopera, presidente do ITI; decisivamente, para a Rodrigo Assumpção, consolidação do sistema presidente da Dataprev; nacional de certificação Cristina De Luca, digital”, enfatizou, para diretora de Conteúdo uma plateia de mais de do IDG Now; deputado 300 pessoas. Hugo Leal (PSC - RJ); Célio Já em Brasília, Ribeiro, presidente com público superior da ABRID; Mário a 400 participantes, o Mantovani, diretor de CertForum teve uma Políticas Públicas da abertura diferente, com SOS Mata Atlântica Gerdan Wesley

F

oi concluída em setembro mais uma edição do CertForum, o fórum da certificação digital, evento focado em novas tecnologias da internet, segurança da informação, privacidade, e-governo e comércio eletrônico. O encontro aconteceu pelo nono ano e, como de outras vezes, foi descentralizado, com atividades em várias cidades do país ao longo do ano. Em 2011, foram realizadas etapas em Recife e Florianópolis, no primeiro semestre, além de Rio de Janeiro, em agosto, e Brasília, em setembro. A etapa carioca destacou os 10 anos da ICP-Brasil, a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira, o conjunto de normas que rege a certificação digital no país. O Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), realizador do CertForum, que conta com organização da ABRID, homenageou instituições que colaboraram para o sucesso da ICP-Brasil.


teúdo do site IDG Now – especializado em notícias do mundo digital, Cristina De Luca. Hugo Leal considerou o momento atual perfeito para a implantação de um projeto de desmaterialização. “É a fase de deixar de falar e passar para a ação efetiva. O momento que a sociedade vive é oportuno para isso”, constatou. Já Rodrigo Assumpção demonstrou otimismo com a iniciativa, mas admitiu: “Os elementos culturais dificultam a mudança dos processos para todo um meio eletrônico”. Segundo ele, a desmaterialização é a base para uma economia verde, mas é preciso trabalhar pela mudança de comportamento do brasileiro. Cristina De Luca concordou com a necessidade de quebra de paradigmas para garantir o sucesso da desmaterialização. “São essas novas tecnologias que dão força à economia verde. Ainda estamos longe de alcançarmos números expressivos, mas o primeiro passo em direção a essa meta já foi dado. Basta que cada um faça sua parte e que todos os setores saiam dos conceitos básicos e atuem com ideias concretas”, argumentou. Na linha do “cada um faz a sua parte”, Mário Mantovani relatou que a SOS Mata Atlântica liberou 40 funcionários para trabalhar de casa, montando toda a infraestrutura necessária para que o empregado desenvolva suas funções de dentro da residência. Ele acrescentou que também é importante a atuação política para garan-

Brasil é referência internacional Em paralelo à etapa Brasília do 9º CertForum, foi realizado o Encontro Internacional sobre Cooperação Técnica em Certificação Digital, com representação de cinco países, além do Brasil. O evento contou, pelo lado brasileiro, com participantes do Ministério das Relações Exteriores, do ITI, da Agência Brasileira de Exportações e Investimentos (Apex) e da Associação para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro (Softex). Entre os visitantes internacionais estavam enviados da Agência Nacional das Comunicações de Cabo Verde, do Banco Central do Equador, do Ministério da Indústria e Comércio do Paraguai, da Agência de Governo Eletrônico e Sociedade da Informação do Uruguai e da Unidade de Inovação, Tecnológica e Informática do Governo de El Salvador. O objetivo da reunião internacional foi justamente permitir a troca de experiências no uso da certificação digital, e o Brasil foi o destaque. Segundo a diretora da Softex, Luciane Schütte, as delegações estrangeiras demonstraram surpresa com os avanços nacionais no setor. Para Schütte, o evento demonstrou a importância da certificação digital e, a partir dele, os países participantes devem investir mais no seguimento. O diretor de Auditoria, Normalização e Fiscalização do ITI, Pedro Paulo Lemos Machado, confirmou que o Brasil é modelo internacional em certificação digital. O país, garantiu, está aberto para colaborar com as demais nações na implantação de sistemas a partir do case de sucesso nacional.


wenderson araújo

»» Área dos expositores no 9º Certfórum etapa Brasília

tir incentivo a temas como economia verde e desmaterialização. “É um tema relevante, de interesse comum e tem sensibilizado milhares de pessoas. Precisamos de políticas públicas mais eficazes para o exercício da cidadania socioambiental”, observou. Além de organizar todo o CertForum, a ABRID teve atuação direta nas duas etapas do segundo semestre do fórum ao fazer a mediação dos painéis sobre o RIC. No Rio de Janeiro, a missão ficou com o diretor

de Identificação Digital, Edson Rezende, enquanto em Brasília coube ao presidente da Associação, Célio Ribeiro, mediar o debate sobre no novo Registro de Identidade Civil. »» Acordo com o Inmetro O ITI e o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) aproveitaram a etapa Brasília do 9º CertForum para assinar um termo de cooperação técnica. O acordo permite implementar o programa de avaliação da conformidade da ICP-Brasil, garantindo a evolução e consolidação do modelo nacional de certificação digital.

O presidente do Inmetro, João Alziro da Jornada, avaliou que o acordo vai dar ainda mais segurança ao uso da tecnologia. “Em se falando de ITI, é desnecessário falar para esta plateia da importância da confiança, já que o assunto também é confiança em questões básicas envolvendo processos digitais, que estão no cerne de praticamente todas as tecnologias no futuro, principalmente com relação a novas formas de organizar a sociedade de maneira mais eficiente em termos de evitar fraude e dar maior segurança”, disse. Já Renato Martini considerou essencial a participação do Inmetro no processo da certificação digital. “É fundamental nessa caminhada de desenvolvimento da ICP-Brasil, do uso de tecnologia de segurança, de tecnologias que possibilitem a identificação digital, que a gente possa contar com o aparelho Inmetro, com seus equipamentos, com seus técnicos, com toda essa massa crítica acumulada ao longo dos anos”, concluiu.

tiago ramalho

»» no rio, o CertForum reuniu centenas de pessoas no Auditório da FIRJAN


Veja os temas em debate, e quem participou dos painéis nas duas últimas etapas do 9º CertForum RIO DE JANEIRO

BRASÍLIA

10 de agosto de 2011

21 de setembro de 2011

Iniciativas do governo do Rio de Janeiro com certificação digital. » Palestrantes: Marco Horta, subsecretário da

Plano Nacional de Desmaterialização de Processos: Metas de implantação e benefícios socioambientais » Palestrantes: Renato Martini, presidente do ITI; Rodrigo

Virtualização dos Tribunais do Estado do Rio de Janeiro. » Palestrantes: Fábio Motta Scisinio, diretor de

A ICP-Brasil em números e o assinador digital de referência. » Palestrantes: Pedro Pinheiro Cardoso, coordenador geral de

Casa Civil do Estado do Rio de Janeiro; Selmo Karacusanscy, Assessor de Segurança da Informação do Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Rio de Janeiro. » Moderador: Ruy Ramos, Assessor do ITI.

Informática do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro; Fábio Ribeiro Porto, juiz auciliar da Presidência do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. » Moderador: Cid Moreira, presidente da Sociedade dos Usuários de Informática e Telecomunicações do Rio de Janeiro.

Implantação do Registro de Identidade Civil (RIC) » Palestrantes: Paulo Ayran, secretário executivo do Comitê Gestor do Sistema Nacional de Registro de Identificação Civil (Sinric); Antônio Ferreira da Silva Filho, chefe do Departamento de Inovação Tecnológica da Casa da Moeda do Brasil; Rodrigo Vieira, subsecretário de Projetos Especiais da Casa Civil do Estado do Rio de Janeiro; Marcos Siliprandi - Diretor de Identificação Civil do Departamento de Trânsito do Estado do Rio de Janeiro. » Moderador: Edson Rezende, diretor de Identificação Digital da ABRID

GED com certificação digital: abordagem para viabilização. » Palestrantes:Stefano Kubiça, consultor especialista em GED e certificação digital.

Iniciativas da ATI em certificação digital. » Palestrantes: Ana Carolina Freitas, analista

consultora de TIC da Unidade de Processos de Negócios do Governo da Agência Estadual de Tecnologia da Informação do Estado de Pernambuco (ATI).

Assumpção, presidente da Empresa de Tecnologia da Informação da Previdência Social (Dataprev); Mário Mantovani, diretor de Políticas Públicas da Fundação SOS Mata Atlântica; Cristina De Luca, diretora de Conteúdo do site IDG Now; Deputado Hugo Leal (PSC-RJ), vice-líder do Governo na Câmara.

Auditoria e Fiscalização do ITI; Ruy Ramos, assessor da Diretoria de Infraestrutura de Chaves Públicas do ITI; Ubiratan Guimarães, presidente do Colégio Notarial do Brasil.

O cenário internacional do desenvolvimento de identidades seguras. » Palestrantes: Senne James, gerente de Negócios da Datacard

Corporation; Edgard Bettes, diretor da Smart Card Alliance (Scala). » Moderador: Maurício Coelho, diretor de Infraestrutura de Chaves Públicas do ITI.

Certificação digital nas ações de governo. » Palestrantes: Paulo Tsutomu Kumabara, analista tributário da

Receita Federal do Brasil; Paulo Cristovão de Araújo, juiz auxilar do Conselho Nacional de Justiça; Antônio Quintino Rosa, secretário de Infraestrutura de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União. » Moderador: André Garcia, procurador Federal Chefe do ITI.

Conectividade Social ICP. » Palestrantes: Henrique José Santana, gerente Nacional do FGTS da Caixa; Wander Blanco, gerente Nacional de Certificação Digital da Caixa.

Implantação do Registro de Identidade Civil (RIC) em Brasília. » Palestrantes: Paulo Ayran, secretário executivo do Comitê

Gestor do Sistema Nacional de Registro de Identificação Civil (Sinric); Antônio Ferreira da Silva Filho, chefe do Departamento de Inovação Tecnológica da Casa da Moeda do Brasil; Carlos César de Souza, diretor do Instituto de Identificação do Distrito Federal. » Moderador: Célio Ribeiro, presidente da ABRID.

julho - agosto - setembro 2011 | 57


RIC E CERTIFICAÇÃO DIGITAL, ARMAS CONTRA FRAUDE BANCÁRIA A nova identidade dos brasileiros, aliada à certificação digital, amplia a rede de proteção contra fraudes no sistema bancário


60 |

digital

divulgação

U

ma nova, e poderosa, arma contra as fraudes bancárias. Esta é mais um item a ser incluído na considerável lista de qualidade do RIC. O Registro de Identidade Civil contém 17 itens de segurança, como certificação digital, fotografia gravada a laser, Dispositivo Ótico Variável (DOV), Multiple Laser Image (MLI) e relevo tátil com desenho estilizado. Tudo isso, claro, somado à biometria. A impressão digital, característica única inviolável de cada cidadão, é a base do sistema identificação construído em torno do RIC. As impressões, capturadas agora de forma eletrônica – sem o inconveniente de sujar os dedos com tinta, formam o único meio identificador com atendimento integral dos princípios básicos da imutabilidade, perenidade e variabilidade. Todo esse pacote de medidas antifraudes do RIC chega em boa hora para o sistema bancário do país, já que a identificação errada é o princípio de boa parte das ações fraudulentas. De acordo com levantamento da Polícia Federal, mais de 70% dos golpes em bancos e no comércio nascem do uso de carteiras de identidade falsas. A Federação Brasileira de Ban-

cos (Febraban), que já investe pe- Um valor 36% maior do que no ano sado em segurança, comemora a anterior, que foi de R$ 504 milhões. Em comunicado, o diretor técchegada do novo documento de identificação brasileiro. Anualmen- nico da Federação, Wilson Gutierte, a instituição aplica cerca de R$ rez, afirmou que o aumento deve-se 1,5 bilhão no trabalho de combate ao “uso crescente dos meios eletrônicos como forma de pagamento, à às fraudes eletrônicas. Todo ano, milhões de reais vão falta de uma legislação que iniba o parar nas mãos de bandidos por avanço da ação dos criminosos com meio desse tipo de golpe. No primei- punições efetivas e ao descuido de ro semestre de 2011 alguns usuários em reessas perdas foram »» Francimara Viotii, lação a procedimentos do Banco do Brasil e de segurança”. estimadas em R$ 685 da Febraban: Fraudes Segundo a entidamilhões, conforme os afetam a economia e de, as fraudes na interdados da Febraban. toda a sociedade net ocorrem quando o cliente é iludido e acaba informando os seus códigos e senhas para os estelionatários, além de não adotar as medidas recomendáveis de segurança nos seus equipamentos, como antivírus, sistemas operacionais legítimos e firewall, por exemplo. Para Francimara Viotii, coordenadora do Grupo de Trabalho de Certificação Digital da Febraban e gerente executiva


bank. O cliente se conecta à internet e insere seu cartão na leitora, fornecida pelo banco, e desta maneira podemos ter mais segurança nas transações”, explica o superintendente. Já o Banco do Brasil usa da certificação digital e padrão EMV para dois seguimentos: os clientes que fazem a assinatura de câmbio nas relações de comércio exterior e o cartão que o governo federal tem para as despesas. Os dois grupos representam para o banco a maior parte dos cliendo nosso país. A societes que assinam contra- »» Jorge krug, dade precisa se mobilitos digitalmente, o que do banrisul: traz uma economia de certificação digital zar para que esse projeto seja viabilizado o recursos. “Um contra- amplia segurança to de câmbio assinado para a instituição e mais rápido possível”, ressalta Viotti. convencionalmente de- para o cliente A Febraban conmora de três a cinco dias firma a aposta das instituições no e quando é assinado digitalmente ele gasta 40 minutos e custa quase seis combate a fraudes com o RIC. “Tevezes menos, o que acaba por traba- mos acompanhando de perto todo o lhar na questão do Plano Nacional projeto do novo RIC por meio das de Desmaterialização de Processos”, comissões de compliance (conformidade), auditoria e prevenção a fraurelata Francimara Viotti. Ela também defende a nova des documentais”, informa o diretor identidade do brasileiro como ele- técnico da Federação, Wilson Gumento de ampliação da segurança tierrez. Em um primeiro momento, bancária. “O RIC é um projeto que no entanto, Gutierrez afirma que a tem vários itens de segurança, que preocupação dos bancos é atualizar os garantem a fidedignidade das infor- cadastros dos correntistas com o novo mações, o que impede que pessoas número do RIC, e incluir a identifiabram contas com documentos fal- cação em novas aberturas de contas. Além da prevenção a fraudes, Gusos. Ele ajuda o sistema financeiro, pois permite uma identificação e au- tierrez enfatiza que a certificação ditenticação mais robusta. Muitos di- gital embutida no cartão RIC é uma zem que é um projeto caro. Caro é o forma de tornar mais prática a comuque a sociedade perde com o dinhei- nicação com o banco. “Será possível ro que vai parar nas mãos dos bandi- assinar um empréstimo remotamente dos e fomentar o crime. Este projeto com a certificação digital”, prevê o dié um ganho para o cidadão brasileiro retor da Febraban. É o RIC facilitane uma identidade à altura do futuro do o dia a dia do brasileiro. divulgação

da Diretoria de Gestão de Segurança do Banco do Brasil, existem fraudes bancárias tanto nos documentos materiais quanto nas transações eletrônicas. “Um dos problemas mais comuns de fraudes no sistema financeiro é abertura de contas em nomes de outras pessoas, muitas vezes para receber dinheiro de outros crimes cometidos. Existe um problema que afeta toda a economia e toda a sociedade”, conta Francimara. A abertura de contas é um dos procedimentos que mais vai ser beneficiado pelo RIC. O novo documento de identidade do Brasil já é considerado um dos mais seguros do mundo, o que vai dar mais tranquilidade aos bancos na hora de aceitar um pedido de nova conta. Com o RIC, a instituição terá a certeza de que a pessoa que se apresenta no balcão é de fato quem diz ser. A garantia de identificação correta, aliada aos investimentos dos bancos, vai elevar o padrão de segurança bancária. Uma das entidades que aposta no sucesso do RIC é o Banco do Estado do Rio Grande do Sul, como diz o superintendente executivo da Unidade de Tecnologia da Informação do Banrisul, Jorge Krug: “Ele é uma busca de que a identidade do brasileiro tem padronização e segurança. O uso de um hardware seguro como acontece nos bancos, de um smartcard, traz mais segurança para o cidadão. Além de contar com o fato de que o brasileiro usa cartão em várias operações e já está acostumado com isso”. Atento à questão da segurança, enfatiza Krug, o Banrisul foi um dos pioneiros no uso da certificação digital e do padrão Europay, Mastercard e Visa (EMV) em seus cartões bancários. “Todos os nossos clientes já dispõem de um cartão múltiplo que usa um chip e certificação digital. Este cartão é usado tanto no caixa eletrônico quanto no internet

julho - agosto - setembro 2011 | 61


O D O AMIG

O Ç I V R E S

R A T I L I M RID, é B A o d e t residen p , o Quartel r i o e n b i e R d o a i l d i Cé solen m e o d a e g rasília B m homena e , o t i o Exérc d l a r e n e G


wenderson araújo

O

presidente da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia em Identificação Digital, ABRID, Célio Ribeiro, recebeu em setembro de 2011 o diploma de Amigo do Serviço Militar. A homenagem foi concedida em cerimônia em comemoração aos 105 anos da Diretoria de Serviço Militar, no Quartel General do Exército, em Brasília. O prêmio foi concedido pelo trabalho de cooperação da ABRID prestado ao Exército brasileiro. “A escolha dos homenageados foi feita pela Diretoria de Serviço Militar entre as pessoas que se dedicaram a contribuir com o crescimento do Exército brasileiro no ano de 2011 nas áreas tecnológicas, entre elas, a de identificação digital”, ressaltou Célio Ribeiro.

Célio Ribeiro recebeu o diploma das mãos do general de Brigada Lorival Carvalho Silva. O militar ressaltou a importância da proposta de criação da nova identidade das Forças Armadas brasileiras. “Este é um projeto capitaneado pelo Ministério da Defesa, que pretende nos próximos cinco anos implementar a nova carteira de identidade nas Forças Armadas. E esperamos contar com o auxílio do Célio Ribeiro e da ABRID. Esse novo projeto da carteira de identidade está de encontro ao objetivo do governo federal com o projeto do RIC, Registro de identidade Civil”, ressaltou o general Carvalho Silva. Durante a cerimônia foram premiados as melhores redações sobre o “serviço militar no século XXI”. Logo após o encerramento dos trabalhos houve um coquetel comemorativo com a presença dos premiados.

julho - agosto - setembro 2011 | 63


e arti g os

Te cn ol og ia

CASOS


Cada empre sa tem uma históri a que reflete a forma única encontra da por seus sócios , direto res e funcio nários na busca por soluçõ es, pela implan tação de proces sos e desen volvim ento de tecnol ogias. É a soma de um conjun to de fatore s que faz de cada empre sa, cada grupo , cada corpor ação um caso de sucesso. Resum ir todas essas históri as em um único texto não seria justo para quem desen volveu tudo isso, nem para o leitor, que perder ia conteú do, a essênc ia da históri a e a oportu nidade de apreen der inform ações que podem provoc ar mudan ças, auxiliar na tomad a de decisõ es, no planej ament o do futuro . É por isso que a revista idigita l abre espaço para que as associ adas ABRID divida m seus casos de sucess o com você. Boa leitura .


RESUMO Desenvolvimento de novos filmes de policarbonato com alta resistência a risco, para aumento da durabilidade dos documentos, mantendo a flexibilidade e condições de processo de fabricação.

PALAVRAS-CHAVE policarbonato, documentos, antirrisco, segurança, durabilidade, laminação.

ABSTRACT New polycarbonate films with higher scratch resistance have been developed in order to enhance the durability of documents and keep their flexibility and manufacturing process.

KEYWORDS polycarbonate, documents, scratch resistance, security, durability, lamination.

66 |

digital


CASO / ARTIGO

Novo filme de policarbonato ganha verniz antirrisco Fermín Coloma

A

tecnologia de fabricação de documentos de alta segurança em formato de cartões de plástico é uma tendência que vem aumentando na América Latina nos últimos anos. No mercado existem diversos plásticos para a fabricação desses documentos, sendo a escolha do material uma questão associada, sobretudo, ao nível de proteção contra falsificação e ao aumento da vida útil esperada do cartão. No caso de documentos que requerem longa vida útil (acima de dez anos), por exemplo, a preferência é pelo policarbonato – principal matéria-prima utilizada na confecção de documentos em 50 países do mundo todo. O material, que foi desenvolvido inicialmente na Alemanha, nos anos 50, possui diversas características que o fazem particularmente interessante para a fabricação de cartões. Suas propriedades mecânicas permitem, por exemplo, fabricar um cartão que

seja ao mesmo tempo resistente e flexível. O desempenho do produto é avaliado por diversas normas internacionais, como a ISO/IEC 10373. Fornecido aos fabricantes de documentos na forma de folhas, o policarbonato conta com diversas características específicas, tais como cor, rugosidade e espessuras, que chegam a valores tão finos como 0,050 mm. Ao ser utilizado na fabricação de cartões, torna-se necessária a utilização de diversas folhas de policarbonato. Assim, enquanto algumas delas passam por processos de impressão, outras recebem a aplicação de itens de segurança. Essas folhas são colocadas umas sobre as outras, formando uma espécie de livro - que depois é submetido a um processo de laminação a alta pressão e temperatura, obtendo uma união inviolável entre as diversas camadas, sem a necessidade de adesivos. Algumas folhas de policarbonato possuem uma composição especial para poder realizar o processo

de gravura por laser. Neste processo, um raio laser penetra dentro do cartão, queimando somente a camada de policarbonato que possui essa determinada composição. Dessa forma, podem ser geradas imagens para gravar dados pessoais do proprietário do cartão, como nome, impressões digitais, assinatura e fotografia. O alto contraste atingido com esta tecnologia possibilita a gravura de fotografias de pessoas de todas as cores de pele e cabelo. Esse processo é particularmente interessante para os documentos de identificação, já que permite personalizá-los de forma rápida e descentralizada - sistema especialmente importante em países de grandes dimensões ou com regiões de difícil acesso. Por outro lado, uma vez gravados os dados pessoais no cartão de policarbonato, fica praticamente impossível a retirada da camada de policarbonato gravada, devido à irreversibilidade do processo de laminação. Segurança, durabilidade e flexibilidade são, portanto, propriedades principais de um cartão de policarbonato. Entretanto, todos os cartões

julho - agosto - setembro 2011 | 67


divulgação

fabricados com materiais plásticos são propensos à aparição de riscos nas superfícies, e o policarbonato não fica ileso a isso. Por esse motivo, as indústrias de cartões passaram a solicitar com maior frequência uma solução a esta questão. Para responder a este requerimento, foi apresentada no final de 2010, na Feira Internacional de Cartões Cartes & Identification, em Paris, uma nova geração de filmes que consiste em utilizar um verniz superficial transparente sobre substratos de policarbonato, formando uma camada externa (em inglês, outlay) para aumentar a resistência aos riscos. O verniz foi desenvolvido levando-se em conta a importância de se manter a durabilidade derivada da flexibilidade do policarbonato, mesmo com um verniz antirrisco de alta dureza. Isso permite que cartões fabricados com policarbonato e sem inlays metálicos possam ser dobrados até 180 graus sem danificar a camada do verniz. Ao testar a superfície de uma folha após a aplicação desse verniz, seguindo a norma ISO 13523-4 que define a dureza superficial e a resistência ao risco – constatou-se um alto valor (maior ou igual a HB), superior aos plásticos atuais de uso geral na indústria de cartões. 68 |

digital

Com essa folha antirrisco, a resistência à flexão de cartões de policarbonato mostrou-se comparável a dos cartões fabricados unicamente com folhas normais do mesmo material, de acordo com os testes definidos na norma ISO/IEC 10373. Comprova-se então que o verniz não apenas aumenta a resistência ao risco, prevenindo a aparição de desgaste da superfície do cartão, mas também incrementa a sua durabilidade geral, proporcionando boa visibilidade e garantindo a identificação dos itens de segurança por um tempo ainda maior. Uma vantagem adicional nos cartões com estas novas folhas, derivada das características do verniz, é sua ótima resistência a produtos químicos no uso do dia a dia, como cremes solares, cosméticos, óleos, gorduras, combustível e produtos de limpeza. O verniz foi especialmente desenvolvido para garantir que o processo industrialmente consolidado de laminação de cartões de policarbonato possa ser mantido dentro dos parâmetros de produção típicos, com altas pressões e elevadas temperaturas de até aproximadamente 190ºC, sem que os fabricantes desses cartões precisem de investimentos adicionais em equipamento. A utilização da nova folha com proteção antirrisco não interfere no

processo de personalização por gravura a laser. Foi verificado também que é possível aplicar micro-engravações de alta precisão na superfície em cartões com este inlay, um item de segurança bastante aplicado em cartões de segurança. De fato, além das características mencionadas acima, os cartões que contêm filme revestido de verniz são mais resistentes contra eventuais riscos ocorridos durante o transporte até os pontos de entrega ao usuário. A nova geração de filmes já está disponível no mercado. O produto foi reconhecido como o melhor novo material para documentos de identidade, neste ano de 2011, recebendo o prêmio Élan da Associação Internacional de Fabricantes de Cartões (ICMA, em inglês).

Sobre o Autor Fermín Coloma, espanhol, é engenheiro industrial com MBA na Fundação Getúlio Vargas. Trabalhou na Bayer Brasil, entre 2005 e 2009, como responsável pelo negócio de filmes de policarbonato na região América Latina. Hoje, atua como gerente de desenvolvimento de negócios na área de Functional Films na Bayer MaterialScience, na matriz da empresa em Leverkusen, Alemanha. E-mail: fermin.coloma@bayer.com


RESUMO Criar um programa de identificação nacional é um processo complexo e sensível com muitas dependências e consequências. A fundação de qualquer programa de identidade com cartões inteligentes deve incorporar um conjunto de recursos, tecnologias, parcerias e serviços de consultoria que atendam aos requisitos mais complexos de tecnologia e funcionalidade, conformando-se a padrões rígidos através de uma variedade de aplicações e exigindo de seus fornecedores conhecimento especializado no projeto, fabricação e emissão de programas de cartões de identidade seguros. Ainda assim, o cartão de identidade multitecnológico proporciona uma base robusta, econômica e inovadora para qualquer programa governamental.

PALAVRAS-CHAVE Resistência à falsificação, multifuncionalidade, segurança ID, mídia ótica, cartão inteligente.

ABSTRACT Creating a national ID program is a complex, sensitive process with many dependencies and consequences. The foundation of any smart card ID program must incorporate a set of features, technology, partnerships and consulting services meeting the most complex technology and functionality requirements, complying with exacting standards across a breadth of applications, and requiring of its suppliers proven industry expertise in the design, manufacture and issuance of secure ID card programs. Nevertheless, the multi-technology ID card provides a robust, cost-effective and innovative foundation for any government program.

KEYWORDS Counterfeit-resistant,multi-functionality, ID security, optical media, smart card.

70 |

digital


CASO / ARTIGO

Evolução em segurança nos documentos de identidade nacionais Alex Giakoumis

M

elhorar a segurança e a utilidade de programas de identificação nacional é uma das preocupações mais prementes de governos em todo o mundo. Em conjunto com a crescente demanda por soluções combinadas e baseadas em cartão que permitem autenticação, acesso e até mesmo pagamento de taxas e impostos (estes sendo uma das principais premissas de soluções de governo eletrônico), segurança rígida e multifuncionalidade se tornaram motivadores cruciais da evolução de soluções avançadas de identificação,

encorajando inovações em todas as áreas do setor. Como resultado, documentos sofisticados com camadas de segurança visual, física e digital já se constituem em um mecanismo fundamental para ajudar governos a proteger seus cidadãos e suas fronteiras, além de agilizar a entrega de uma ampla variedade de serviços. Uma parte essencial deste desenvolvimento é o cartão de identidade multifuncional, capaz de proporcionar múltiplos níveis e tipos de autenticação através de um ecossistema transacional extremamente seguro, baseado em cartões. Estes cartões

proporcionam economia de escala e eficiência administrativa, usufruindo de infraestruturas comuns de informática, bancos de dados e recursos de captura de dados. Os cartões usados atualmente apenas para fins de autenticação de identidade estão cada vez mais sendo projetados para conter funções adicionais em estágios posteriores de suas vidas úteis. Países como Itália, Costa Rica e Angola desenvolveram plataformas para soluções futuras de governo eletrônico ou multifuncionais, de forma direta e em uma variedade de programas de identificação. Ao incorporar uma tecnologia ou combinação de tecnologias aprojulho - agosto - setembro 2011 | 71


»» Figura 1: alguns recursos de segurança populares no corpo do cartão priadas de identidade em um único documento, as agências governamentais são capazes de oferecer serviços transacionais, além de identidade e acesso seguros. Por exemplo, todos os funcionários da Força Policial Nacional da Itália (os “carabinieri”) possuem um cartão multitecnológico que contém três tecnologias legíveis eletronicamente: um chip de contato, um chip sem contato e uma mídia óptica de segurança, além de outros importantes recursos de segurança. O cartão pode ser usado para acessar o sistema de informações da polícia italiana, serve como um documento de identidade e crachá altamente seguro e permite transações específicas para funcionários, como estacionamento ou alimentação. »» Do conceito à realização Apesar de o conceito de um cartão multifuncional ser simples, a sua realização é algo muito difícil. São necessários conhecimentos e habilidades de design significativos, bem como 72 |

digital

conhecimento especializado em aspectos técnicos e de fabricação para garantir que o resultado final corresponda a padrões internacionais de tamanho, segurança, funcionalidade, durabilidade e interoperabilidade. No entanto, estes cartões são, no final das contas, uma opção mais econômica e eficiente do que vários documentos, cada um com uma finalidade. Eles permitem que os responsáveis por programas de identificação garantam um alto padrão de qualidade para a segurança mais avançada em todas as funções designadas. Para compreender os processos de projeto e fabricação envolvidos na emissão de diversas capacidades em um só cartão, é necessário entender os recursos e as funções das tecnologias disponíveis. »» Evolução das soluções de identidade segura O nível de segurança e risco associado a cada cartão de identidade irá determinar com precisão a natureza

e o número de medidas contra falsificação a serem adotadas. Entretanto, considerando as vulnerabilidades que podem resultar de informações pessoais caindo nas mãos erradas, ainda que em pequena quantidade, o nível geral de segurança dos cartões de identidade cresce continuamente. Os anos 90 viram a evolução de documentos de identidade, de credenciais baseadas em papel a documentos do tamanho de cartões de crédito que são capazes de integrar uma variedade de recursos de segurança. Para documentos de identidade seguros e duráveis, plástico PET e policarbonato estão se tornando os materiais mais populares nos quais os recursos de segurança podem ser incorporados. Existem diversos recursos de impressão de segurança que podem ser aplicados a cartões de identidade, tais como tintas variáveis opticamente, tintas ultravioleta, arco-íris, microtexto, guilhochê e outros padrões em segundo plano. A figura 1 mostra um exemplo des-


»» Figura 2: evolução da tecnologia de identificação ses recursos. Porém, soluções de documentos de identidade com múltiplas funções para agências governamentais devem ir além da segurança disponível somente nas opções do corpo do cartão. Ao final da década de 90, um novo tipo de cartão de identidade ganhou terreno rapidamente. Projetos governamentais necessitaram cada vez mais de documentos de identidade altamente eficazes e de múltiplas finalidades que mantivessem os mais altos níveis de segurança ao desempenhar funções como o acesso a locais seguros, cruzamento mais ágil de fronteiras, serviços de habilitação de condutor, registro de veículos, título de eleitor, serviços de assistência médica e muito mais. Isso exigiu soluções de cartões de identidade que fossem além da segurança disponível somente através das opções do corpo do cartão e resultou no uso mais amplo de tecnologias especializadas legíveis eletronicamente. Existem duas categorias principais de tecnologia avançada usadas em documentos de identidade seguros: chips microcontroladores de circuito integrado seguros (chips de cartão inteligente) e mídia óptica de segurança (OSM, na sigla em inglês). Apesar de cada uma destas tecnologias seguras de identificação proporcionar capacidades exclusivas a um documento, a demanda

crescente por programas de cartões multifuncionais nem sempre pode ser atendida por uma tecnologia só. Uma combinação de ambas as tecnologias em combinações personalizadas em um único cartão proporciona muito mais segurança e valor agregado do que qualquer outra solução com múltiplas finalidades ou múltiplos cartões. Esta combinação forma a última geração de cartões de identidade seguros:

• A OSM é um recurso de segurança visual e física à prova de adulteração e altamente resistente a falsificações, podendo também armazenar dados inalteráveis relacionados ao portador, tais como uma foto facial de alta resolução e dados biométricos.

• Chips microcontroladores de circuito integrado seguros, usados comumente em muitos tipos de cartões inteligentes, verificam e controlam transações entre o documento e o mundo exterior através do leitor e podem conter informações como dados biométricos, pessoais ou de conta, dos quais os portadores precisem para processar transações efetivamente. Existem três tipos de chips de circuito integrado seguros que podem ser usados em

»» Emitindo o documento multitecnológico Exemplos de documentos multitecnológicos podem ser vistos em cartões emitidos para grandes programas de identificação, como o programa dos “carabinieri” da Itália (descrito acima e ilustrado na figura 3), os cartões de registro de veículos de diversos estados da Índia, suportando tanto autenticação de identidade como gerenciamento de registros e pagamentos, e o “Green Card” dos Estados Unidos, o qual oferece auten-

cartões de identidade seguros: de contato, sem contato e com interface dupla.

julho - agosto - setembro 2011 | 73


»» Figura 3: a multitecnologia combina a OSM com os chips de cartão inteligente no mesmo corpo de cartão

ticação de identidade altamente segura cartão inteligente sem contato ou e marcador de radiofrequência para de interface dupla, em conjunto facilitar o cruzamento de fronteiras. com a OSM, se torna uma escolha O programa de cartão de identidade prontamente disponível para pronacional da Arábia Saudita emprega jetos apropriados. o chip de contato e a mídia óptica A figura 4 mostra a arquitetura de segurança, sendo concebido tanto de última geração que pode ser imcomo documento nacional de iden- plementada usando um dos mais retidade quanto um símbolo da emis- centes criptocontroladores com cersão otimizada de uma variedade de tificação Common Criteria EAL5+, serviços governamentais, altamente seguros. »» Figura 4: incluindo e-banking. Este criptocontrolaA combinação da arquitetura do dor seguro proporcartão inteligente OSM com a tecnologia de cartão inteligente oferece muitas vantagens, incluindo uma plataforma para o mais alto nível de segurança, a capacidade de aproveitar a infraestrutura existente dos clientes, uma plataforma flexível para a entrega de qualquer aplicação ou serviço necessário, melhorias no fornecimento de serviços públicos existentes e oportunidades para racionalizar custos, processos e procedimentos. Conforme as incrustações sem contato se tornam cada vez mais finas, a integração de tecnologia de 74 |

digital

ciona um mínimo de 72 KBytes de EEPROM e é capaz de atender a todos os requisitos de identificação atuais. O potencial para as aplicações de cartões inteligentes é enorme, incluindo funções como identidade nacional/pessoal, habilitação de condutor, registro de veículos, título de eleitor, governo eletrônico e uma variedade de programas de previdência social, assistência social e assistência médica. Esses cartões


oferecem recursos de segurança que incluem diferentes níveis de segurança para diferentes aplicações no chip criptocontrolador seguro, autenticação de dois fatores que verifica algo que você tem (o cartão) e algo que você sabe (sua senha) e autenticação de três fatores, que adiciona informações biométricas para verificar “algo que você é”. Apesar de o poder da CPU e do criptoprocessador do microcontrolador seguro viabilizar, por si só, autenticação de vários fatores e controles de segurança que poderiam ser usados para controle de acesso, armazenamento de dados e até pagamentos, a adição da tecnologia de OSM aumenta enormemente a segurança visual e física do cartão, lembrando que, atualmente, a maioria das inspeções e verificações de documentos de identidade é visual. A OSM também proporciona autenticação em nível forense, além de aumentar significativamente a resistência a falsificações. Como ilustrado na figura 5, a tecnologia da OSM incorpora avanços de segurança que permitem um exame visual confiável do documento. Os recursos de segurança visual incluem um dispositivo personalizado variável opticamente com imagem

fantasma, marcas d’água e texto dinâmico, padrões e imagens de segurança em resolução ultra-alta (até 24.000 ppi) e uma imagem difrativa oculta. Os dados armazenados na mídia óptica não podem ser alterados. Ela oferece mais de 1 MB de dados do usuário e permite que o cartão funcione como autenticação portátil off-line e em outras aplicações. O cartão de identidade multitecnológico proporciona uma base robusta, econômica e inovadora para qualquer programa governamental. Ele oferece a flexibilidade de ser expandido facilmente para uma infraestrutura centralizada de ICP e fornecer futuros serviços de governo eletrônico de forma segura. »» Construção do cartão Para garantir a eficácia de um documento de identidade de múltiplas finalidades, o fabricante de cartões deve levar em conta a engenharia de materiais, normas ISO e outros padrões internacionais, durabilidade e uma variedade de considerações técnicas e estruturais para proporcionar o mais alto nível de segurança, qualidade, durabilidade e confiabilidade. Documentos modernos de identificação devem suportar muitos ti-

pos de ameaças, desde tentativas de alteração física a anos de manuseio descuidado em uma variedade de ambientes e condições climáticas. A fim de proporcionar os cartões mais seguros, duráveis e resistentes ao clima, a indústria está cada vez mais adotando o policarbonato. Ao escolher um fornecedor, é importante obter uma comprovação do conhecimento especializado na laminação de estruturas complexas e na aplicação de materiais diversos para proteger a integridade estrutural do documento, ao mesmo tempo em que os padrões internacionais são respeitados. Hoje em dia, os governos dos Estados Unidos e de outros países exigem certificação FIPS de seus fornecedores de soluções de identificação para garantir que eles atendam aos requisitos mais complexos e tecnicamente desafiadores dos programas governamentais modernos de identificação. Para qualquer empresa comprometida em atender ao mercado de identificação segura governamental, a certificação FIPS consiste em uma qualificação essencial.

Sobre o Autor Alex Giakoumis é diretor sênior de Marketing Técnico da LaserCard.

»» Figura 5: melhorias no desenho da OSM

julho - agosto - setembro 2011 | 75


RESUMO Solução de código aberto baseada em automatização do processo de negócio (BPM /Wokflow - Business Process Management System ) e gerenciamento eletrônico de documentos (ECM/GED – Enterprise Content Management) melhoram a tempestividade, a qualidade e a efetividade das ações de controle e gestão processual do Contencioso Administrativo-Tributário do Ceará. Integrado à tecnologia de certificação digital, o novo suporte redefiniu guarda, preservação e sistemática de organização dos documentos, diminuindo burocracia, custos operacionais e uso do papel.

PALAVRAS-CHAVE Documento eletrônico, assinatura digital, Fluxo de processos, GED (Gerenciamento Eletrônico de Documentos ), Sustentabilidade.

ABSTRACT This is a solution based on an open source platform for automatization of the business process (BPM/BPMs - Business Process Management System) and electronic document management (ECM/EDM - Enterprise Content Management) Improves the total result, the quality and the effectiveness of the actions of control and procedural management of the Administrative Litigation, Tributary office of the Ceará. Integrated to the technology of digital certification, support redefined the new guard, systematics and preservation of documents of organization, diminishing Bureaucracy, Operational costs and use of the paper.

KEYWORDS Eletronic document, digital signature, process flow, EDM (Eletronic Document Management), sustainability

76 |

digital


CASO / ARTIGO

Sem papel, o contencioso do Ceará ganha mais eficiência e segurança

O

governo do Ceará deu início a uma nova era na área de julgamento dos processos de fiscalização tributária e administrativa. Ao implantar uma solução que tornará completamente eletrônico o seu Processo Administrativo Tributário (PAT-e), automatizou o fluxo e a gestão documental, integrando-os à tecnologia de certificação digital. Uma saída sustentável a facilitar a relação ente público e sociedade. A iniciativa patrocinada pela Secretaria da Fazenda (Sefaz-CE) permitiu abolir a prática da distribuição dos processos na forma ma-

nual e em papel. O resultado foi a melhoria da acessibilidade e eficiência nos julgamentos do Contencioso Administrativo e Tributário (Conat), órgão do Fisco Estadual encarregado de resolver o conjunto dos litígios pendentes entre a administração pública e os particulares. Para tanto, o órgão resolveu implementar uma alternativa que estivesse sintonizada à vanguarda tecnológica na perspectiva da integração de processos, não apenas voltada à integração de sistemas. Que tratasse não somente de softwares, mas desse uma nova sistemática de automatização, integração e otimização dos

processos. Por fim, uma proposta mais flexível e colaborativa possível entre usuários no ambiente fiscal. Antes, o sistema de acompanhamento do PAT no Ceará era direcionado ao histórico dos processos e não à sua gestão. A disponibilidade processual se efetivava por meio de cópias em papel para os contribuintes e representantes legais. Isso gerava um maior número de procedimentos burocráticos. Somado a este quadro, detectava-se dificuldades nas condições de guarda e manuseio dos documentos, gerando-se um baixo nível de segurança nas tramitações processuais. julho - agosto - setembro 2011 | 77


Atenta à necessidade de aperfeiçoamento dos seus serviços de apoio, a Sefaz-CE apostou em uma solução que melhorasse a tempestividade, a qualidade e a efetividade das ações de controle e gestão processual. Ou seja, que permitisse ao Conat definir suporte para guarda, preservação e sistemática de organização dos documentos, diminuindo burocracia, custos operacionais e uso do papel. A opção, portanto, foi tornar eletrônico o processo, o que resultou em maior agilidade e segurança, com documentos assinados digitalmente e disponibilidade de acompanhamento em tempo real aos usuários. »» O que e como fazer A alternativa proposta pela MI Montreal Informática Ltda., empresa parceira da Sefaz-CE, foi integrar tecnologias e disponibilizar uma solução de código aberto baseada em automatização do processo de negócio (BPM/Wokflow - Business Process Management System) e gerenciamento eletrônico de documentos (ECM/GED – Enterprise Content Management). Isso viria a garantir uma poderosa ferramenta de integração entre administração de 78 |

digital

processos, sistemas, documentos e automação do fluxo de trabalho. A sugestão da Montreal elevou a complexidade do trabalho ao agregar know-how diferenciado em um projeto pioneiro no mercado brasileiro. O objetivo da empresa era efetivar a melhor solução que integrasse captura, armazenamento, BPM e certificação digital de documentos com tecnologia open source (código aberto). Tudo isso customizado às necessidades do Conat. Foram adquiridas as mundialmente reconhecidas ferramentas: Alfresco - para gerenciamento de conteúdo Open Source; Intalio - para modelagem e automatização de processos em notação BPM Open Source; Kofax Capture para captura de documentos em papel com reconhecimento automático de caracteres; HSM - máquina que armazena e gerencia os certificados digitais para assinatura institucional; e Módulo Certisign - para assinatura de documentos pessoais. A integração dessas ferramentas e a automatização do fluxo de processos são procedimentos em vias de homologação, o que possibilitará o início da implantação e disponibilização do sistema. Na visão de futuro

do projeto está colocada a perspectiva de estender a metodologia de soluções com base em BPM aos demais órgãos, internos e externos à Sefaz, que interagem com o PAT-e. »» Segurança com reconhecimento biométrico Outra fase do projeto PAT-e irá contemplar a elevação do nível de segurança na identificação pessoal dos usuários do sistema e na assinatura de documentos. Isso acontecerá com a integração do reconhecimento biométrico ao processo de autenticação e autorização. Nesta etapa, a Sefaz-CE atingirá o máximo padrão de exigência na autorização de acesso ao sistema, impondo respostas a três indagações essenciais: “o que você é?”, “o que você tem?”, “o que você sabe?” Respectivamente, referências à digital, ao certificado digital e à senha do usuário. Tendo em vista que os processos julgados no Conat são de valores significativos para o Estado, a providência se estabelecerá pela necessidade de proporcionar maior segurança ao rito processual. Uma forma de atender aos anseios da sociedade por maior transparência e zelo com os recursos públicos.


»» fortaleza, ceará

»» A demanda por GED previa a disponibilização dos processos em arquivos digitais para acompanhamento dos conselheiros durante as sessões de julgamento em Segunda Instância

»» Exemplos de benefícios alcançados no PAT-e • Melhoramento dos sistemas e aumento da segurança das aplicações que envolvem a ação fiscal, desde o nascimento do auto até a finalização do processo administrativo tributário no Contencioso, tendo incluída em todos os ambientes a certificação digital. • A medição da eficiência do sistema com o PAT-e passará a acontecer em tempo real. Ou seja, a Sefaz-CE estará apta a responder, de imediato, perguntas como: “quanto tempo um processo leva em média para ser periciado?” e “qual julgador relata mais processos na primeira instância?”. Por fim, o projeto disponibilizará indicadores que aferem o presente, pois consultam fluxos de processos ativos e em trâmite.

• A visão integrada dos processos no PAT-e levará à supressão de peças processuais que, com a virtualização, deixam de ser necessárias. Por exemplo, o termo de juntada. Isso diminuirá significativamente o volume de páginas de processos e documentos a serem assinados, melhorando a eficiência do fluxo. • A utilização da assinatura digital modificará o formato dos processos em comparação ao tempo dos documentos em papel. Um grande esforço de conscientização sobre a necessidade de manejo dos documentos virtuais, inclusive, foi realizada para diminuir resistências funcionais. • Os documentos eletrônicos são gerados a cada passo do fluxo de julgamento do PAT-e. É o caso de intimações, termos de perícia, pareceres e resoluções, entre outros; • Cada documento eletrônico será assinado pelo seu autor identificado com matrícula do funcionário, senha e certificado digital; • Existem documentos que requerem assinaturas de mais de um

divulgação

»» Parceiros do projeto O projeto do Conat cearense é uma inovação pioneira patrocinada pela SEFAZ desde o ano de 2009. Por intermédio de processo licitatório, foi contratada a MI Montreal Informática, empresa da área de TI que, além de pioneira e líder no desenvolvimento de soluções baseadas em tecnologia Afis (Automated Finger­ Print Information System) para tratamento de impressões digitais no Brasil, é uma das maiores do mercado na implementação de projetos com tecnologias de BPM/ECM integrados à certificação digital.

divulgação

A Montreal é responsável pela manutenção de uma das maiores bases de dados decadactilar em todo o mundo. Atua há mais de 25 anos no mercado, integrando tecnologias nas suas diversas linhas de negócio. Acumula experiência com projetos de reconhecimento nacional e tem hoje, em seu quadro, mais de 2.500 colaboradores.

julho - agosto - setembro 2011 | 79


usuário, como a Ata de Julgamento, em que Presidente, Relator e Conselheiros assinam um único documento. No PAT-e, o documento virtual assinado digitalmente será armazenado na ferramenta de gerenciamento de conteúdo, que impedirá modificações através de requisitos de segurança, garantindo sua autenticidade, integridade e não repúdio. »» Etapas do projeto • Gestão Documental e Arquivística: Classificação de todos os tipos documentais que fazem parte do processo do Conat; • Análise de fluxos de processo em BPM: Levantamento, desenho e automatização do processo de tramitação do Conat em notação BPM; • Captura e digitalização, armazenamento e retenção de documentos virtuais/Gerenciamento de Conteúdo: Digitalização, armazenamento, busca e retenção dos documentos em um único repositório; • Desenvolvimento de sistemas e componentes: Desenvolvimento de interface com certificação digital e sistemas legados; • Certificação digital: Levantamento dos documentos gerados pelo processo de tramitação do Conat, avaliando-os quanto à necessidade de assinatura digital. »» Metodologia A Montreal, seguindo metodologia própria para implementação de projetos de BPM, realizou: a) Levantamento documental e arquivístico para elaboração do Plano de Classificação Documental dos itens oriundos de processo do Conat;

80 |

digital

b) Mapeamento e redesenho dos fluxos de processo, respeitando a legislação vigente para conversão do PAT(em papel) para o PAT-e (digital); c) A fase de levantamento de processos e arquivologia que durou três meses e subsidiou a Sefaz-CE a descrever e transformar em Lei Estadual o funcionamento do Processo Virtual, a organização arquivística dos processos legados e o modelo de comunicação com os contribuintes e demais atores aptos a terem o benefício de interagir com o sistema de forma virtual, através de notificações via e-mail, sobre entrada e recebimento de documentos virtuais. »» Como funciona o Conat-CE O Conat-CE é composto por julgadores de Primeira Instância, duas Câmaras de Julgamentos e o Conselho Pleno. O julgamento singular fica a cargo de um servidor da própria Secretaria da Fazenda, especialmente designado para a função. As Câmaras de Julgamento são compostas por quatro representantes dos contribuintes e quatro representantes da Sefaz, o que respeita a equidade de pares e viabiliza um julgamento justo do contribuinte. O Conselho Pleno se configura na reunião dos componentes das duas Câmaras de Julgamento. Inicialmente, o auto de infração segue para o julgamento de Primeira Instância, onde pode ser declarado procedente, improcedente, nulo ou parcial procedente. Em segundo momento, por meio de interposição de recurso (oficial ou voluntário), o processo é direcionado para o conhecimento amplo de uma das Câmaras de Julgamento. Por último, cumprindo alguns requisitos legais e com a interposição de novos recursos (especial e extraordinário), o processo pode ser novamente analisado pelo Con-

selho Pleno e submetido a qualquer uma das decisões anteriormente mencionadas. Enquanto o processo tramita na esfera do Conat, o crédito tributário tem a sua exigibilidade suspensa de forma imediata e por força legal, não podendo configurar como empecilho para as demais atividades do contribuinte até a decisão final proferida por aquele órgão. Outra característica do processo administrativo-tributário é a não necessidade de garantia de qualquer espécie para o conhecimento da defesa do contribuinte, pois qualquer manifestação é levada ao conhecimento dos julgadores, independentemente do oferecimento de quaisquer bens ou direitos patrimoniais do autuado. Qualquer matéria levada ao conhecimento do Conat pode ser objeto de apreciação posterior na esfera do Poder Judiciário. A análise do pleito administrativo não exclui um novo conhecimento dos argumentos pelo órgão judicante. Existe ainda uma série de outros privilégios no âmbito do Conat, tais como: procedimento gratuito, sem necessidade de maiores formalismos, restrição de provas, de análise abrangente (aspectos formais e materiais do ato), dupla instância, necessidade de qualquer garantia, com suspensão da cobrança, e prejuízo de posterior análise do Poder Judiciário, entre outros.

Sobre o Autor Jefferson Brasil de Araújo, administrador de empresas, iniciou a carreira na Montreal Informática como Programador de Computador há 20 anos, destacou-se pelo desempenho nas funções e pelo talento agregador. Atualmente, ocupa o cargo de Diretor Regional, responsável pela atuação da empresa nas regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste do Brasil.


C H AT E M P R E S A S Oi, como vai a empresa? Gerente_036 disse as 18:35

Oi. Empresário_194 disse as 18:37

Como vão os negócios? Gerente_036 disse as 18:37

Estamos em expansão. E buscando melhorar o administrativo. Empresário_194 disse as 18:38

Aqui também. Agora, com o sistema biométrico o ponto ficou automático. A tecnologia deixou a nossa administração muito mais eficiente e ficou bem mais fácil controlar o banco de horas. Você devia usar isso na sua empresa. Gerente_036 disse as 18:37

A idigital quer publicar o que deu certo na sua empresa para o mercado todo ver. Entre em contato com a gente e saiba como enviar seu caso de sucesso. revista@abrid.org.br | (61) 3226-2828


FlashES diploma amigo do serviço militar fotos: wenderson araújo


FlashES RUMO à RIO+20 fotos: wenderson araújo


FlashES ICP-brasil 10 anos fotos: Gerdan wesley


FlashES CertForum BrasĂ­lia fotos: Gerdan Wesley


FlashES CertForum Rio de janeiro fotos: Tiago ramalho


FlashES Workshops ETAPA NORTE fotos: Valmir Lima


FlashES Workshops ETAPA SUDESTE fotos: Andréa Cintra


FlashES Workshops ETAPA CENTRO-OESTE fotos: Wenderson araĂşjo


Pra terminar...

D-E-S-M-A-T-E...

S

ou um apaixonado por palavras. As que mais me atraem são as que não sei o significado. É uma diversão ficar tentando imaginar o que está por trás daquelas letrinhas agrupadas. O hábito é antigo, vem lá da pré-adolescência. Até algum chato melhor informado desfazer a magia da palavra na minha definição particular, já achei que Prosopopeia era uma cidade do Império Romano que, ao contrário de Pompeia, foi completamente engolida pelo vulcão; e que nêspera fosse um tipo de abelha. Por que não? Aliás, um tipo de abelha muito injustiçado, registre-se, porque a minha Nêspera foi esquecida por Caetano Veloso e Waly Salamão na composição de Mel, música que ganhou fama na voz de Gal Costa e cita alguns tipos de abelha: “É meio-dia, é meia-noite, é toda hora, Lambe-olhos, Torce-cabelos, Feiticeira...”. Por muito tempo também tive a certeza de que Paradigma era um tipo de esporte radical. ‘O que você vai fazer no fim de semana? Ah, meu pai vai me levar para saltar de paradigma!’. E Apêndice? Palavrão dos mais cabeludos, proibidíssimo em qualquer boca de menino educado em Feira de Santana. ‘Vá tomar no seu apêndice!’, era o que eu sempre pensava – nunca verbalizei, claro – quando a molecada implicava por eu ser o maior perna de pau de todo o Conjunto Habitacional Maria Quitéria. Mas nem sempre a descoberta do real sentido do vocábulo é negativa. Anos atrás, durante um check-up, o médico me pediu para procurar um urologista e fazer uma Peniscopia. Peniscopia? Meu Deus! Liguei, desesperado, para toda a lista do convênio, mas só consegui atendimento para dez dias depois. 98 |

digital

Foram, talvez, os dez dias mais angustiantes da vida. Entrei no consultório cabisbaixo, já emagrecido quase três quilos desde a notícia fatídica, e me acabrunhei na cadeira. O médico percebeu e perguntou o motivo da angústia. Sabe como é, né doutor, vim fazer uma Peniscopia... Ele quase riu, e o senhor provavelmente está apavorado? Sim, claro, afinal, é uma peniscopia, doutor! Daí veio a aula: “Peniscopia, de pênis+copia; pênis, o órgão sexual masculino e – copia, de olhar, examinar. Eu só vou dar uma olhada no seu pênis”. Então, não enfia nada na uretra? Viva a Peniscopia! E tem essa outra palavra que me encucou por uns tempos. Eu cheguei a pensar que era, finalmente, o fim das horas perdidas na espera de aeroportos; a descoberta do funcionamento do teletransporte. Sim, aquele mesmo do Jornada nas Estrelas que permitia levar a tripulação da nave para qualquer lugar num piscar de olhos – o sonho de quem precisa viajar com frequência. Nada disso. Está lá no Aurélio: [De desmaterializar + -ção.] Substantivo feminino. 1. Ato ou efeito de desmaterializar(-se). 2.Fís. Nucl. Processo em que uma partícula interage com a sua antipartícula e o par se transforma em energia; aniquilação, aniquilamento. É a desmaterialização no dicionário. E quem me deu a resposta foi um Aurélio, vejam só, desmaterializado. O meu está instalado no notebook. A edição é novinha, comprei há poucos meses numa promoção na Feira do Livro: pague a edição impressa e leve grátis o CD para instalação no computador, que a editora chama de versão eletrônica. Eles dão de graça o mais importante? Eu preferia pagar menos e ter apenas o CD.

Decido fazer um teste: disparo o cronômetro do relógio e corro ao Aurélio virgem na estante. É a última prateleira do alto e o bichão quase me racha a testa, com o peso do conhecimento e de suas precisas 2.120 páginas encadernadas em capa dura com sobrecapa. Sobrevivo ao susto e vou adiante. Abro o livro e leio no topo da página: Rad – fui longe demais. Começo a voltar soltando as páginas, Pos, Pin, Osc, Mil. Uma palavra interessante salta aos olhos, não posso ver agora, isso é um teste científico, sigo. Ide, Gra, Esp, Dra, estou no D, boa notícia, Den, Deg, Cup. Vixi Maria, estou no C, passou, caramba, passou. Volto um pouco, Del, Des. Desmaterialização. Bingo! Um minuto e 28 segundos. Repouso o livro impresso ao lado das contas a pagar sobre a mesa (o engraçado é que num passado mais do que recente, a expressão livro impresso seria pleonasmo). Fecho a janela da versão eletrônica, sempre aberta enquanto trabalho, e faço o mesmo teste de busca. Clico no ícone da barra de atalhos e começo a digitar: D-E-S-M-A-T-E... Foi o suficiente. Desmaterialização já é um verbete aberto na minha tela. Treze segundos – o que representa apenas 15% do tempo consumido para fazer a busca nas páginas em papel. Teste concluído, encerro com mais uma palavra no meu dicionário pessoal. Desmaterialização é, na verdade, a diferença no processo de procurar uma palavra no dicionário impresso e no eletrônico. Marcio Peixoto é editor da revista idigital. "Pra terrninar..." é o espaço de crônicas da idigital, aberto a colaborações de funcionários das associadas ABRID. Mande seu texto para revista@abrid.org.br


2007

2008

2009

2010

2011

Setembro marca o quarto aniversário da ABRID. São quatro anos de muito trabalho e sucesso com a colaboração e a credibilidade de todas associadas e parceiros. www.abrid.org.br


Profile for Infolio Comunicação

Revista idigital 6  

ABRID é homenageada nos 10 anos da ICP-Brasi Os caminhos da economia verde Luiz Paulo Barreto e o Projeto idigital - Revista da Associação...

Revista idigital 6  

ABRID é homenageada nos 10 anos da ICP-Brasi Os caminhos da economia verde Luiz Paulo Barreto e o Projeto idigital - Revista da Associação...

Advertisement