Revista idigital 1

Page 1

idigital - Revista da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia em Identificação Digital - Ano 01 - Número 01 - abril/maio e junho de 2010

O futuro já começou: Brasil terá o documento de identidade mais moderno e seguro do mundo

ASSOCIADAS ABRID contam suas histórias de sucesso

CERTFORUM: Certificação Digital debatida em todo Brasil

CASA DA MOEDA:

316 anos de história


2 |

digital


REVISTA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE TECNOLOGIA EM IDENTIFICAÇÃO DIGITAL - ABRID

37 . CAPA O FUTURO JÁ COMEÇOU: BRASIL TERÁ A CARTEIRA DE IDENTIDADE MAIS MODERNA E SEGURA DO MUNDO

45 . CASOS DE SUCESSO 46 . AKIYAMA Segurança de dados na rede: estudo mostra perfil do internauta em vários países 50 . GD BURTI Contabilistas aderem à carteira com tecnologia de ponta 54 . GEMALTO Pesquisa sobre a Segurança das Atividades Bancárias e Comerciais On-line 60 . INTELCAV Faz bem ao planeta. Empresa fabrica cartões com garrafas PET recicladas 63 . MONTREAL Sistema Afis. Os dez anos do pioneirismo do Rio

25 . CERTFORUM CertForum 2010 reúne especialistas para debater sobre a identificação digital no Brasil

30 . CASA DA MOEDA, 316 anos de história Uma instituição criada em 1694. Há 316 anos a Casa da Moeda do Brasil é responsável pela produção do dinheiro brasileiro, em moeda e papel e também de outros países.

05 . Perfil das associadas Abrid. Um pouco da nossa história

66 . OBERTHUR Guatemala adota nova carteira de identidade 68 . TCI Gestão de documentos auxilia implantação do RIC abril-maio-junho 2010 | 3


4 |

digital


PALAVRA DO PRESIDENTE

Você está recebendo a primeira edição da idigital, o novo canal de comunicação da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia em Identificação Digital (Abrid). Para nós, este é um momento importante de estabelecermos mais esta ferramenta de contato com a sociedade brasileira, que se prepara para participar de uma importante e fundamental mudança no processo de identificação do Brasil. Depois de 13 anos de espera, foi assinado pelo Sr. Presidente da República e pelo Sr. Ministro da Justiça o decreto que regulamenta o Registro de Identidade Civil (RIC). Com certeza foi um dos atos mais importantes de garantia à cidadania, ocorridos nos últimos anos. A partir desse momento, surge um novo Brasil. Um Brasil onde o cidadão terá orgulho em ter um documento de identidade que lhe resgate a cidadania, garantindo a comprovação de sua unicidade e dificultando a atuação dos fraudadores. Acreditamos que esse novo documento a ser padronizado, siga a tendência mundial e traga segurança no mundo físico e no mundo virtual, através da utilização da certificação digital. É hora de comemorar. Nesta primeira edição da idigital você vai conhecer um pouco do perfil de cada associada Abrid. Vai ter contato com histórias inovadoras nos casos de sucesso que trazemos em nossa estréia. Uma oportunidade também de troca de experiência e de aprendizado para todos nós. Nossa intenção é servir de elo entre as empresas, o mercado e o cidadão brasileiro, objetivo principal das ferramentas de segurança e tecnologia, produto principal das empresas que a Abrid representa.

SEBASTIÃO PEDRA

É hora de comemorar

EXPEDIENTE idigital é uma publicação da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia em Identificação Digital (Abrid). PRESIDENTE: Célio Ribeiro DIRETOR DE IDENTIFICAÇÃO DIGITAL: Edson Rezende JORNALISTAS: Hosana Seiffert MTB 4114/DF, Iara Rabelo MTB 8502/DF FOTOGRAFIA: Valter de Paula / Iara Rabelo EDITOR: José Marcelo dos Santos – MTB 09336-JP-MG TIRAGEM: 3.000 exemplares PERIODICIDADE: trimestral CONTATO: (61) 3326 2828 PROJETO GRÁFICO E DIAGRAMAÇÃO: Infólio Comunicação www.infoliocom.com - (61) 3326 3414. (Os cases e artigos assinados não refletem o pensamento nem a linha editorial da revista e são de inteira responsabilidade de seus autores)

Boa leitura! Célio Ribeiro, Presidente da Abrid abril-maio-junho 2010 | 5



Conheça o perfil das empresas associadas Abrid As empresas associadas Abrid são mundialmente respeitadas pela excelência dos serviços e dos produtos que colocam a serviço da melhoria da qualidade de vida e da segurança de pessoas, instituições, governos e nações. São empresas líderes nos mercados que atuam, sempre desenvolvendo e implantando tecnologias de ponta. Tecnologias que antecipam o futuro.


3M DO BRASIL A 3M é uma companhia de tecnologia diversificada, com vendas globais de US$ 24,5 bilhões em 2007 e operações em mais de 60 países. É reconhecidamente uma empresa inovadora e líder em Pesquisa & Desenvolvimento, oferecendo soluções práticas e confiáveis aos mais diversos mercados, a partir da combinação de suas mais de 40 plataformas tecnológicas. Em 2007, só o faturamento da operação brasileira foi de R$ 1,7 bilhão. Há 62 anos no Brasil, a empresa possui 3.569 funcionários em três unidades industriais no interior paulista – Sumaré, Ribeirão Preto e Itapetininga – e uma em Manaus. Além

ABNOTE A ABnote é líder no fornecimento de cartões, sistemas de identificação e gestão de serviços gráficos nos mercados onde atua. A companhia oferece aos seus clientes – desde grandes instituições financeiras a órgãos públicos estaduais – uma ampla gama de impressos de segurança, serviços de personalização, sistemas de identificação, entre outros. Sua atuação estende-se por 18 Estados e abrange a América Latina, contando com sete fábricas e 54 unidades descentralizadas de serviços de personalização e emissão de docu-

8 |

digital

disso, detém o controle da Cuno Latina (Mairinque, SP), empresa especializada em soluções para filtração de líquidos, e da Abzil (São José do Rio Preto, SP), fabricante de produtos ortodônticos. A 3M também é uma empresa comprometida com o exercício de sua responsabilidade social, buscando incentivar ações de cidadania junto a funcionários, fornecedores, clientes e também por meio do Instituto 3M de Inovação Social. No segmento de produtos para Autenticidade e Rastreabilidade, a 3M é a única que possui todas as tecnologias de segurança disponíveis e é capaz de combiná-las desenvolvendo soluções altamente customizadas para as necessidades de cada cliente, além disso, a 3M possui uma variedade de leitores de documentos e passaportes, com sistemas avançados e práticos.

mentos no Brasil, Argentina e Chile. Seus avançados sistemas de tecnologia da informação, sua capacidade de imprimir documentos de segurança e seus relacionamentos de longo prazo com clientes tornam a ABnote uma empresa única no mercado brasileiro. Os principais produtos e serviços da ABnote, que envolvem tecnologia e segurança e buscam evitar adulterações e falsificações, podem ser encontrados em cartões de crédito e de débito, documentos de identidade, carteiras de habilitação e talões de cheque, entre outros. Além disso, a companhia presta serviços para empresas do setor público e privado.


AKIYAMA SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS A Akiyama Soluções Tecnológicas é uma empresa paranaense que, desde 2005, oferece as mais modernas soluções em produtos para o mercado tecnológico e biométrico brasileiro e para América Latina. Fornecedora de hardware para cadastramento de eleitores, identificação de usuários, automação industrial, indústria de segurança e projetos especiais, os produtos da Akiyama tem como principal foco a segurança e eficácia, além de apresentar aos seus clientes/parceiros produtos dinâmicos que facilitam o dia a dia de trabalho com um custo x benefício que esteja de acordo com o mercado. A tecnologia oferecida pela Akiyama já faz parte do dia a dia da população brasileira. Ela tornou uma opção de segurança e funcionalidade para os projetos governamentais como os dispositivos biométricos utilizados pelo Detran-PR e os kits de identificação biométrica feito especialmente para o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), conhecidos como KitBio. Os produtos oferecidos pela companhia são: leitores de impressão digital (biometria); leitores de passaporte; RFID (identificação por meio de rádio frequência) e soluções em conectividade (Ethernet, Wi-Fi, Zig-Bee e GPRS), e, no mercado de automação industrial, trabalha com micromotores AC/DC, motores de passo, servo motores, drivers, CLPs (controles lógicos programáveis) e sensores industriais. Além disso, a empresa também atua no segmento de monitoramento urbano e patrimonial com câmeras de alto alcance e sem limitação de distância, resolução nítida, equipamentos de fácil integração com hardware e softwares do mercado.

ARJOWIGGINS SECURITY A Arjowiggins Security é líder mundial em soluções integradas de segurança. Sua matriz está sediada em Paris e conta com nove unidades produtivas, sendo seis na Europa, uma na América do Norte e duas na América Latina (Brasil e Argentina), além de dois centros de excelência em desenvolvimento de soluções e produtos de identificação digital (Itália e Hong Kong), contando com 1.300 profissionais. Seu portfólio engloba soluções para papel-moeda, documentos de segurança (passaporte eletrônico, documentos oficiais, meios de pagamento, tickets, outros), proteção de marcas (soluções contra fraudes de produtos), soluções em sistemas eletrônicos para identificação digital e papéis finos das marcas Color Plus, Markatto, Evenglow Opalina, Natural Plus e Marrakech. O know how adquirido em mais de 200 anos de experiência na produção de papel moeda, soluções contra fraudes e antecipando-se às necessidades do mercado de design gráfico, além dos constantes investimentos em pesquisa e desenvolvimento nessas áreas, impulsionaram a companhia na criação de um ambiente ideal para inovações. Tais inovações propiciaram ao grupo contribuir de maneira valiosa para o sucesso na implantação de soluções integradas de identificação digital ao redor do mundo. Itália, Vaticano, Portugal, França, Hong Kong, Brasil, entre outros países, já utilizam tecnologia e soluções Arjowiggins Security em seus passaportes eletrônicos.

abril-maio-junho 2010 | 9


BIOLÓGICA SISTEMAS A empresa, fundada em setembro de 2004 desenvolve sistemas de alta complexidade tecnológica e ampla base de aplicação. Apesar do pouco tempo de fundação, a BioLógica já obteve certificação de um dos mais exigentes certificadores o FBI (Federal Bureau of Investigations) dos Estados Unidos, e em 6 de março de 2005 conseguiu classificar-se entre as 14 melhores colocadas no ranking de empresas desenvolvedoras de softwares de identificação pelo NIST (National Institute of Standards and Techonogy).

Criada pela união de experiências de mercado e acadêmica, a BioLogica Sistemas é uma empresa que desenvolve tecnologia inspirada na biologia. A fusão acadêmica com a visão de mercado permite à BioLogica combinar tecnologias promissoras com as necessidades existentes. Por meio da tecnologia da Biológica, o governo brasileiro, em 2005, passou a adotar os novos padrões ICAO para a emissão do passaporte eletrônico, denominado BR-PASS. A BioLogica Sistemas, apesar de ser uma empresa relativamente nova, já conta com parcerias de peso, que se utilizam de nossos serviços devido à nossa capacidade de realização. Somos empreendedores e vencemos desafios.

CASA DA MOEDA DO BRASIL

de trabalho, passaportes, cédulas de identidade, diplomas, certificados, bilhetes magnetizados, cartões indutivos, medalhas, selos notariais e cartoriais, etc.

Fundada em 8 de março de 1694, a Casa da Moeda do Brasil (CMB) atua em diversos segmentos de mercado desenvolvendo projetos completos de segurança, que envolvem o desenvolvimento de sistemas específicos e o projeto de produtos, sob os aspectos de engenharia e arte, aplicáveis: à proteção de marcas, rastreamento, controle de acesso, controle de arrecadação, produzindo cartões inteligentes, carteiras

Um complexo industrial, foi especialmente projetado, construído e inaugurado em 1984, no Distrito Industrial de Santa Cruz, Zona Oeste do Rio de Janeiro, onde se localiza desde então. Essas modernas instalações ocupam, em mais de 500 mil metros quadrados, cerca de 110 mil metros quadrados de área construída, onde seus mais de dois mil empregados, altamente qualificados e especializados, realizam suas atividades.

10 |

digital


CERTISIGN Com foco em soluções que contemplam certificação digital para o mercado corporativo e varejo desde 1996, a Certisign emite certificados digitais, utilizando a tecnologia mais avançada no desenvolvimento e prestação desse serviço. Única no mercado brasileiro credenciada para operar em múltiplas hierarquias, como ICP Brasil, VeriSign Trust Network (VTN) e hierarquia privada, a Certisign provê soluções em certificação digital que garantem aos seus clientes um ambiente digital mais seguro, ajudando-os a proteger informações, reduzir a fraude digital e o roubo de identidade.

CODE CIPHERS DO BRASIL A Code Ciphers é uma empresa 100% brasileira e tem foco em identificação humana, pioneira em soluções que garantem a Identidade Única dos Indivíduos. O objetivo da empresa é identificar para disciplinar, responsabilizar e registrar o acesso a ambientes físicos e virtuais (web, intranet, siste-

mas corporativos), visando sempre à proteção e à preservação de conteúdos e das informações. Hoje há necessidade de uma identificação eficaz e muito mais presente, porém, as metodologias utilizadas são ineficientes. Mesmo após contínua evolução da tecnologia, ainda dependemos da emissão de papéis para identificar uma pessoa. E foi nesse novo cenário complexo que a Code Ciphers criou uma solução simples e altamente segura ao novo modelo tecnológico.


GD BURTI

ções, meios de pagamentos, governo e novos negócios.

GD Burti é subsidiária no Brasil da Giesecke & Devrient G&D, um dos líderes mundiais no fornecimento de tecnologia e fabricação de smart cards, papel moeda e documentos de segurança e soluções para telecomunicações, com mais de 150 anos e atuação em 45 países.

A GD Burti tem forte atuação no mercado de infraestrutura de chaves públicas, sendo a principal fornecedora de cartões inteligentes compatíveis com as normas ICPBrasil para as principais autoridades certificadoras. Também atende aos mercados de pagamento, Governo e identificação com uma linha abrangente de cartões, leitoras e aplicativos de assinatura digital.

Em janeiro de 2001, a G&D assinou uma joint venture com a Empresa Gráficos Burti, nascendo a GDBurti S.A., dedicada aos mercados de cartões para industrias, bancos e governo. O parque industrial de segurança da empresa está instalado em Itaquaquecetuba (SP), produz e personaliza cerca de 3,5 milhões de cartões por mês, divididos entre as áreas de telecomunica-

A GD Burti oferece seus serviços inteligentes através da integração abrangente de sistemas, gerenciamento de projetos e consultoria e conta com a experiência dos principais especialistas da área, que atuam no desenvolvimento de sistemas operacionais seguros para cartões com chip em todo o mundo.

GEMALTO O Brasil é um país estratégico para a Gemalto. Além de realizar amplos estudos no país, investimos, recentemente, R$ 10 milhões em nossa fábrica de Pinhais para a criação de duas novas áreas: uma de fabricação de chip (antes importados de Cingapura e da França) e outra de produção de policarbonato.

12 |

digital

Essa iniciativa reforça o compromisso da Gemalto em desenvolver e oferecer as melhores tecnologias para o mercado brasileiro, que protagoniza constante evolução com a consolidação dos cartões EMV e, em breve, com a implantação de novos produtos como o RIC – documento que reunirá todas as informações pessoais, como o número

do CPF, título de eleitor, tipo sanguíneo e estatura, armazenados em um chip. Em 2010, reforçaremos também as nossas ações sustentáveis, com entrega de uma nova tecnologia de cartões biodegradáveis, contribuindo para a preservação dos recursos disponíveis no Planeta Terra e reforçando o nosso pioneirismo no mercado de segurança digital.


NXP SEMICONDUTORES A NXP oferece ao mercado semicondutores para os segmentos de identificação, automotivo, industrial, de telecomunicações eletrônica e de consumo. Com sede na Europa, a empresa tem aproximadamente 27 mil empregados trabalhando em mais de 25 países. A NXP possui distribuidores e escritórios na Ásia, Europa, América do Norte e América do Sul.

HOLOGRAM INDUSTRIES Hologram Industries é um líder global nos dispositivos de segurança voltados para a proteção de documentos fiduciários, de identidade, de viagem e de autenticação, localização e controle de marcas globais. Possui clientes em todos os continentes (80% fora da França) e subsidiárias na Polônia, Alemanha, México e Republica Democrática do Congo. Reconhecido no setor e pelos governos como um perito internacional sobre alta segurança Dovid, Hologram Industries tem 25 anos de experiência e excelência e investe todos os anos mais de 10% em pesquisa e desenvolvimento. Graças ao altíssimo nível de segurança dos recursos Alphagram®, DID® e o inovador Photopolymer ID (solução para cartões de identidade), a Hologram Industries protege passaportes, cartões de identificação, carteiras de motorista, certificados de registro e vistos na Argentina, Indonésia, Filipinas, Tailândia, Egito, Senegal, França e em muitos outros países. Além disso, a Hologram Industries é o atual fornecedor de laminados de segurança para o Passaporte Brasileiro. A Hologram Industries tem os maiores níveis de segurança em produção da indústria, além de possuir a certificação ISO 9001 de qualidade, juntamente com certificações da CWA/Intergraf como fabricante de segurança em hologramas. A empresa é membro fundador da IHMA e do ICC. Além de fabricante, a Hologram Industries oferece uma gama de serviços em consultoria, design de projetos, gerenciamento, treinamento e implementação de softwares para sistemas de identificação.


IAFIS A Iafis Systems do Brasil tem a sua sede em Brasília e atende a todo o território nacional por meio do seu corpo técnico e comercial, tendo como principais clientes: Departamento da Polícia Federal, que agrega os 27 estados com solução de biometria para controle de cadastro criminal; Estado da Bahia, com solução de identificação civil e criminal, além de outros projetos de relevância em âmbito nacional. É distribuidora exclusiva para América Latina, África e Oriente Médio, do Departamento de Sistemas de Identificação do Grupo Sagem. Instalada em vários países da região, a Iafis Systems promove os produtos relacionados à tecnologia de identificação digital, e, entre outros,

sistemas de identificação automática de identificação digital, o AFIS (Automated Fingerprint Identification Systems) para uso Civil e Criminal; sistemas de controle de acesso biométrico; sistemas de controle de acesso para aeroportos; sistemas de controle de pagamento baseados em biometria; sistemas de fidelização de clientes sem credenciais, e soluções integradas de identificação digital para controle de fraude de identificação em geral. Com uma equipe de engenheiros altamente capacitada na França em sistema AFIS tanto Civil como Criminal, e com ampla experiência em implementação na América Latina, a IAFIS pode proporcionar: apoio em projeção definição das soluções biométricas para instituições públicas e privadas; suporte nas instalações e manutenção, e atendimento em espanhol, inglês e francês.

ICE A ICE Cartões Especiais é empresa 100% brasileira, dedicada à produção de cartões telefônicos indutivos e pré-pagos, de cartões de acesso, de smart cards e de documentos de segurança em diversos substratos, além do fornecimento de soluções completas para Sistemas de Identificação, Gerenciamento Eletrônico de Documentos, e Desenvolvimento de Sistemas para atendimento às necessidades específicas de cada cliente.

14 |

digital

A ICE conta com a colaboração de 450 empregados nas suas 3 unidades fabris e tem capacidade para produção de 300 milhões de cartões e 40 milhões de documentos de segurança por ano. Suas instalações são concebidas segundo os mais altos níveis de segurança física e de processo. A combinação de excelência técnica e científica com grande flexibilidade comercial faz da ICE uma empresa ágil, sempre pronta para desenvolver novidades e lançar produtos e serviços diferenciados em todo o território nacional e na América Latina.


INDRA DO BRASIL Indra é a multinacional de Tecnologia da Informação número 1 da Espanha e é uma das principais da Europa e América Latina. É a segunda empresa europeia por capitalização bursátil de seu setor e é também a segunda empresa espanhola que mais investe em I+D. Em 2008 suas vendas alcançaram € 2.380 milhões, dos quais um terço procedeu do mercado internacional. A Indra conta com mais de 29.000 profissionais e com clientes em mais de 100 países.

IMPRENSA OFICIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO A Imprensa Oficial do Estado de São Paulo desempenha papel pioneiro na utilização da tecnologia de certificação digital na administração pública desde 2001, quando passou a receber as matérias assinadas digitalmente para a publicação no Diário Oficial. A Imprensa Oficial é a Autoridade Certificadora Oficial do Governo do Estado de São Paulo, responsável por emitir certificados digitais na hierarquia ICP-Brasil, e é a única a atender aos requisitos da norma internacional de qualidade ISO 9001:2008, em Certificação Digital. Ela também credencia outras Autoridades Certificadoras (AC) e Autoridades de Registro (AR). As AC têm a incumbência de emitir os certificados digitais, revogá-los e renová-los. Já as ARs são responsáveis por identificar e cadastrar usuários, encaminhar solicitações à Autoridade Certificadora, manter registros de suas operações, bem como cumprir as exigências de segurança. A empresa fornece produtos e serviços de certificação digital, incluindo projetos de identificação funcional com acesso físico e lógico para os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Os projetos em Certificação Digital da Imprensa Oficial são desenvolvidos para garantir segurança e autenticidade nos mais diversos tipos de transações eletrônicas. A Imprensa Oficial fornece, para acervos de entidades públicas, consultoria especializada em redesenho de processos para desenvolvimento de projetos Gestão Eletrônica de Documentos (GED) com métodos baseados nos conceitos do Business Process Management (BPM).

NEC BRASIL A NEC Brasil é uma empresa provedora de soluções convergentes de redes de comunicação e tecnologia da informação e fornece o parque tecnológico e os projetos de infraestrutura de rede às principais operadoras de telecomunicações do país, além de empresas e setores do governo. A companhia também desenvolve no país projetos de supercomputação, broadcasting e identificação biométrica. Com mais de 41 anos de experiência no mercado local, a NEC é subsidiária da NEC Corporation, uma das maiores companhias globais de tecnologia.

abril-maio-junho 2010 | 15


INFINEON TECHNOLOGIES A Infineon Technologies direciona seu foco a três desafios centrais: Eficiência Energética, Comunicações e Segurança. Ela oferece semicondutores e soluções em sistemas para eletrônica automotiva e industrial, cartões SIM e aplicações de segurança, assim como, aplicações em comunicações. Em 2008 a empresa contabilizou vendas no valor de € 4,3 bilhões.

toda cadeia de geração, transmissão e conversão de energia elétrica. São produtos importantes para o futuro fornecimento de energia tanto em termos de exploração renovável como de uso eficiente de energia. Os componentes Infineon gerenciam o fornecimento de energia para acionadores elétricos, eletrodomésticos e iluminação. A empresa é número um do mundo em semicondutores de potência.

Indústria Automotiva - A Infineon é líder do mercado de eletrônica automotiva e oferece aplicações como sistemas de transmissão com circuitos integrados para as novas tecnologias.

Cartões com Chip e Segurança - A Infineon oferece componentes eletrônicos para segurança de passaportes, cartões de identificação e cartões de pagamento que utilizem radiofrequência. É líder mundial no suprimento de chips para cartões de crédito, cartões de acesso e soluções em sistemas de segurança integrada com criptografia (trusted).

Área Industrial e Multimercados - A Infineon é a única empresa que oferece semicondutores de potência e módulos de potência para

Soluções sem fio - A Divisão de Soluções Sem Fio da Infineon desenvolve, fabrica e comercializa produtos semicondutores.

INTELCAV Em 2010 a IntelCav completa 10 anos de existência. Sua atuação é marcada pelo crescimento expressivo e pioneirismo tecnológico. Por esse motivo a empresa saiu do zero no ano 2000 e chegou atualmente à condição de oitava maior fabricante de cartões bancários do mundo e uma das maiores do Brasil, de acordo com o relatório da consultoria internacional Nilson Report. Mais do que uma empresa que fabrica e exporta cartões, a IntelCav é fornecedora de tec-

16 |

digital

nologia. Além das mais avançadas ferramentas usadas no mercado de pagamentos eletrônicos, a empresa dispõe também de inovações tecnológicas nos segmentos de autenticação. Incluindo dispositivos como o display card; identificação, como o processo que será usado na nova carteira de identidade do Brasil; transportes, com soluções de bilhetagem eletrônica e saúde, entre outros. Essa maior abrangência de operação está refletida na mudança da marca que ocorreu no início deste ano. A partir de então a palavra cartões foi retirada. Agora ela passa a ser identificada apenas como IntelCav.


IXLA A IXLA SA foi criada em 2003 e a marca representa uma verdadeira evolução, em tecnologia de sinais e imagens, satisfazendo uma demanda cada vez maior na personalização a laser, em substratos plásticos de diferentes tipos. A IXLA usa fontes a laser inovadoras e compactas – construídas com a tecnologia IXLA (Nd: YAG 1064nm). A empresa está focada em oferecer um pacote próprio com-

posto de avançados periféricos a laser para personalização, de inovadoras fontes laser DPSS que representam uma verdadeira obra de arte na indústria e uma marca de nível para fabricantes laser juntamente com software modular desenvolvido em uma plataforma standard de mercado. A gama de produtos IXLA é própria para emissões descentralizadas, como documentos de identificação (ID) e E-passaportes com personalização por laser.

Hoje, a maioria dos centros europeus de emissão de Documentos de Identificação e E-Passaportes é equipada com sistemas IXLA. Todos os produtos incorporam a última palavra em tecnologia, como a verdadeira grey-scale laser de gravação de fotos, microtexto, todos os tipos de códigos 2d, MLI, CLI que são aplicados principalmente nos documentos de identidade, cartões bancários e na personalização de passaportes.

MONTREAL INFORMÁTICA A Montreal Informática tem orgulho de ser uma empresa de tecnologia da informação especializada em integração de sistemas com capital 100% brasileiro. Isso não apenas demonstra o profundo compromisso da empresa com o país, mas também que o desenvolvimento tecnológico nacional está alcançando respeito e confiabilidade aqui e lá fora. Não é por acaso que a excelência em integração alcançada pela Montreal atraiu a atenção

de parceiros internacionais. É o caso da alemã Dermalog Identification Systems, uma das líderes mundiais em biometria. Por tudo isso, a Montreal tem a grata satisfação de acompanhar de perto um momento tão importante para o país, quando daremos um salto em tecnologia e cidadania com o Registro Nacional de Identificação Civil (RIC). A Montreal está certa de que as dimensões espetaculares desse empreendimento capacitarão o Brasil a vindicar um lugar de destaque quanto ao que existe de mais moderno em administração pública. Com isso, ganham o governo, a iniciativa privada e, sobretudo, toda a população.

abril-maio-junho 2010 | 17


OBERTHUR TECHNOLOGIES Oberthur investe milhões na sua nova fábrica de Cotia 3 Com 166 anos de experiência com a tecnologia de impressão segura, a Oberthur Technologies é o segundo maior fornecedor de documentos seguros, como passaportes, documentos de identidade, carteiras de habilitação e carteiras de saúde para os setores governamentais e o corporativo. A Oberthur conta atualmente com mais de 350 pessoas trabalhando no Brasil, fazendo das três divisões da empresa lideres de mercado: Oberthur Payment, Oberthur Telecom e Oberthur Identity. Nos últimos anos, a Oberthur Technologies tem feito esforços significativos para aumentar sua presença fabril. Partindo do desejo de estar próxima de seus clientes, a Oberthur Technologies inaugura, no 3° trimestre deste ano, o Cotia 3, a nova Fábrica com 7 mil metros quadrados, em São Paulo, para a produção de todos os tipos de plástico (policarbonato, poliéster) e papéis (vistos, passaportes, etc) com 100% de compatibilidade com normas internacionais (ICAO) e altos padrões de segurança.

OVD KINEGRAM OVD é uma companhia suíça e um membro do grupo alemão Kurz. Na organização Kurz, é o centro de competência para o mercado de documentos governamentais de identidade. É líder de mercado, onde está presente com o Kinegram® em uma grande quantidade de documentos governamentais com mais de 250 projetos de alta segurança em mais de 75 países. São mais de 20 anos de experiência na proteção contra fal-

18 |

digital

sificação e interação junto às forças policiais, às autoridades alfandegárias e aos especialistas em segurança com reputação internacional. O sistema anti-falsificação garante proteção efetiva que se conserva por anos, proporcionando um excelente retorno sobre o investimento. No segmento, a empresa oferece consultoria, projeto, engenharia, produção, máquinas de aplicação, suporte, bem como assistência pósvenda. A OVD Kinegram Corp é membro do ICC Counterfeiting Intelligence Bureau e tem certificação de qualidade ISO9001.

A OVD fornece sua avançada tecnologia Kinegram® exclusivamente para aplicações de alta segurança, e proporciona uma excelente proteção para cédulas de papel moeda, documentos de identidade governamentais e outros papéis de segurança de alto valor, permitindo uma fácil verificação da autenticidade. A proposta de segurança usada nos produtos é baseada na regra fundamental de que os passos relevantes de processamento para a criação de um dispositivo de alta segurança devem ser únicos e que a distribuição de tais dispositivos deve ser segura.


SAGEM ORGA Empresa do grupo internacional de alta tecnologia Safran, presente em mais de 30 países, com 61 mil colaboradores e faturamento anual superior a 12 bilhões de Euros. É um dos líderes mundiais na fabricação e desenvolvimento de tecnologias smart cards, atuando fortemente nas áreas de Identificação, Saúde, Telecomunicações, Bancos e Finanças, com um portfólio de produtos que inclui hardware, software, consultoria e serviços relacionados. No campo da segurança digital, a Sagem Orga protege a identidade de cidadãos e assegura a comunicação eletrônica entre agências governamentais, cidadãos e empresas, oferecendo soluções para certificação digital (PKI) com e sem biometria, cartões para identificação (ID Cards), licenças de motorista, cartões de saúde, cartões para conselhos profissionais, seguro social, imigrante, eleitor e militares. No setor de Telecomunicações, tem como clientes as maiores empresas de wireless do mundo, com soluções sob medida para GSM, CDMA e UMTS. No segmento de Bancos e Finanças, a empresa atende, com sua tecnologia e soluções para cartões, os maiores bancos brasileiros e mundiais. A Sagem Orga conta com uma rede global de subsidiárias, joint ventures e escritórios próprios. Possui plantas industriais na Alemanha, França, China, Brasil, Rússia, Índia e Estados Unidos. No Brasil, conta com uma moderna planta industrial em Taubaté, SP, com capacidade de produzir e personalizar mais de 100 milhões de cartões/ano e terminais POS para as bandeiras Visa e Mastercard, oferecendo qualificada capacitação técnica e desenvolvimento local.

SECOM DO BRASIL Oferecer solução exclusiva e personalizada para a segurança pública e privada, com software e hardware integrados e especialização em identificação humana. Desde 1984, o Grupo Secom opera no setor de criação de projetos e realização de sistemas eletrônicos estratégicos, buscando soluções inovadoras para aplicações de caráter didático, sanitário (investigação psicofísica e atitudinal) e de eletrônica aplicada. A empresa trabalha em parceria com a “Arma Dei Carabinieri”, desde a sua fundação, implantou e mantém mais de mil estações policiais em toda a Itália. Está presente na Argentina há 13 anos, atende aos estados de São Paulo e Ceará, que concentram 40% do cenário de identificação criminal brasileiro, trabalha na criação de uma importante

base de dados, onde informações estratégicas podem ser compartilhadas entre clientes que possuem a mesma tecnologia e outros que estão sendo agregados, em uma arquitetura orientada a serviços. No Ceará, os dados completos de todos os 13 mil presos são acessados, via web, pelo Tribunal de Justiça, Defensoria Pública, Ministério Público e outras entidades que estão se vinculando ao projeto. É pioneira no cadastramento e identificação biométrica de indiciados, torcida organizada e presos, através de fotos por coleta, armazenamento e consulta de digitais roladas, planas e palmares, onde a comunicação e compatibilidade com quaisquer Afis são asseguradas, e por voz (programa de identificação, com caráter judiciário, que confronta a voz analisada com as dos suspeitos). Está preparada para participar do desafio governamental de implantação do sistema de Registro de Identidade Civil - RIC.

abril-maio-junho 2010 | 19


SERASA EXPERIAN A Serasa Experian é líder na América Latina em serviços de informações para apoio na tomada de decisões das empresas. No Brasil, é sinônimo de solução para todas as etapas do ciclo de negócios, desde a prospecção até a cobrança, oferecendo às organizações as melhores ferramentas. Com profundo conhecimento do mercado brasileiro, conjuga a força e a tradição do nome Serasa com a liderança mundial da Experian. Criada em 1968, uniu-se à Experian Company em 2007. Responde on-line/real-time a 4 milhões de consultas por dia, auxiliando 400 mil clientes diretos e indiretos a tomar a melhor decisão em qualquer etapa de negócio. É a maior Autoridade Certificadora do Brasil, provendo todos os tipos de certificados digitais e soluções customizadas para utilização da tecnologia de certificação digital e de Notas Fiscais Eletrônicas (NF-e), tornando os negócios mais seguros, ágeis e rentáveis. Constantemente orientada para soluções inovadoras em informações para crédito, marketing e negócios, a Serasa Experian vem contribuindo para a transformação do mercado de soluções de informação, com a incorporação contínua dos mais avançados recursos de inteligência e tecnologia.

SMARTRAC A Smartrac é hoje uma das fornecedoras líderes de mercado de RFID (identificação por rádio frequência) e uma das empresas mais importantes na Indústria de RFID. As ótimas relações de negócios que mantemos com os nossos clientes e fornecedores são pautadas em parceria, confiança, expertise, competitividade e liderança tecnológica. Os componentes de RFID da empresa cumprem com os mais altos requisitos em termos de segurança e qualidade. A especialidade da Smartrac é a fabricação e o fornecimento de componentes RFID. A empresa investiu em pesquisas e centros de desenvolvimento de competência e em instalações

20 |

digital

para protótipos na Ásia, Europa e Estados Unidos e está bem localizada para atender às necessidades dos clientes diretamente no local. Com o objetivo de manter a liderança, a empresa concentra na expansão da produção global e na rede de vendas. Em fevereiro de 2007, a quarta fábrica foi oficialmente inaugurada na Tailândia. Em julho de 2007, começou a produção de componentes de RFID no Brasil. Em agosto de 2007, nas próprias instalações nos Estados Unidos. E continuará a expandir a capacidade de produção. Em janeiro de 2008, a banca executiva da Smartrac juntamente com o acionista majoritário da Xytec Solutions, Malásia, assinaram um acordo no qual a Smartrac passou a comandar completamente a construtora de maquinário da Malásia.


TCI O know-how das empresas de BPO (Business Process Outsourcing, ou terceirização de processos de negócios) em atuação no Brasil pode ser fundamental para a eficácia da implantação do sistema de Registro de Identidade Civil (RIC). As companhias do setor têm obtido resultados altamente positivos em etapas dos processos consideradas fundamentais à sustentação do novo sistema, como gestão eletrônica de documentos e informações, bem como organização do acervo documental físico (em papel). Um dos exemplos de empresa do setor com diversos casos de sucesso no mercado brasileiro é a TCI, empresa entre as líderes no mercado brasileiro de BPO para os setores privado e público.

Para seus cerca de 200 clientes ativos, as atividades da companhia vão desde o gerenciamento de informações em seus aspectos físico e digital, incluindo o armazenamento, consultoria e gestão inteligente de materiais e suprimentos. Ou seja, todos os processos de sustentação de um sistema como o RIC, que se pauta por adoção de metodologias e tecnologias focadas na melhoria de processos. Tudo isso com integração de tecnologia, processos e pessoas, aliando redução de custos e aumento do desempenho, flexibilidade e segurança. Dessa forma, fica claro que as instituições do Governo, ao trabalharem em conjunto para o lançamento de um sistema eficiente de identificação, podem encontrar na iniciativa privada grandes parcerias para racionalização dos processos e melhora dos níveis de transparência e governança.

THOMAS GREG A Thomas Greg & Sons do Brasil é indústria gráfica que se dedica há mais de quatro décadas a impressão, personalização e acabamento de documentos de segurança e impressos comerciais. Atende a instituições financeiras, seguradoras, indústria, comércio e órgãos públicos. A empresa combina dois importantes valores em um terreno consolidado: profundas raízes com a tradição e as inspirações de novos horizontes. Possui empresas operando no Brasil, Colômbia, Peru, Venezuela, Estados Unidos, México, Filipinas, Índia e China. Sua especialização engloba: cartões plásticos, formulários, impressão eletrônica, documentos de valores, sistemas de identificação e gestão de produção e distribuição. O Grupo TG&S transfere sua reconhecida tecnologia internacional na fabricação de cartões plásticos para o Brasil, homologados pelos órgãos competentes e seguindo os mais rigorosos padrões de qualidade.

abril-maio-junho 2010 | 21


22 |

digital


abril-maio-junho 2010 | 23


24 |

digital


Certificação digital chega a todo país Primeira etapa do CertForum 2010 reuniu especialistas na capital mineira para debater sobre a identificação digital no Brasil

B

elo Horizonte recebeu em abril a primeira etapa do 8º CertForum. A reali-

zação do evento ficou a cargo da parceria feita entre o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI) e a Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais (Prodemge), autoridade certificadora de Segundo nível da ICP-Brasil, com organização da ABRID. Durante a cerimônia de abertura, o diretor da Prodemge, Nathan Lermer, falou sobre a importância de se trazer o CertForum para a capital mineira. É que o

estado está investindo fortemente em todos os processos que tornam mais ágil o atendimento ao cidadão e reduzem o uso do papel. Minas Gerais é um dos estados que apresentam aumento constante da demanda por certificação digital, em busca de mais segurança nos processos eletrônicos. De acordo com dados do ICP Brasil o país

conta atualmente com apenas 37 autoridades certificadoras. A etapa do Certforum BH teve casa cheia. Na plateia, centenas de participantes, entre eles gestores do governo, empresários e profissionais que trabalham com soluções de certificação digital no dia a dia. A programação foi composta de cinco grandes temas relativos à certificação digital: visão geral da certificação digital no Brasil; certificação digital nas ações de governo; as possibilidades e usos do Registro de Identidade Civil (RIC); certificação digital nos trâmites contábil, fiscal

90% DOS TRIBUNAIS CONTAM COM O DIÁRIO JUDICIAL ELETRÔNICO. ENTRE ELES, 72% JÁ APRESENTAM O USO DO CERTIFICADO DIGITAL PARA A PUBLICAÇÃO DAS EDIÇÕES DO DOCUMENTO. abril-maio-junho 2010 | 25


e certificação digital nos sistemas jurídicos e cartorial. Os temas para a programação foram escolhidos de acordo com a necessidade do mercado local, segundo a assessoria de imprensa do ITI. Uma das palestras com maior número de participantes foi a do advogado Alexandre Atheniense, que tratou sobre certificação digital no sistema jurídico. “A certificação digital é essencial para dar validade à prática dos atos processuais por meio eletrônico e importante para o funcionamento do Judiciário brasileiro”, disse. Atualmente, 90% dos tribunais contam com o Diário Judicial Eletrônico. Entre eles, 72% já usam o certificado digital para a publicação das edições do documento. A segunda etapa do CertForum aconteceu no Rio de Janeiro, no dia 6 de maio. De acordo com

a assessoria de comunicação do ITI, o principal ponto tratado nos debates foi a implantação do projeto piloto do Registro de Identidade Civil (RIC). Ainda em 2010 ocorrerão palestras no Recife, no dia 20 de maio, e em São Paulo, no dia 30 de junho. A etapa de Brasília está marcada para os dias de 9 e 10 de junho. Nela, estarão reunidos o 8º CertForum e o III Encontro Nacional de Identificação, resultando no 2º Congresso da Cidadania Digital, que será promovido pelo Ministério da Justiça, Polícia Federal e ITI. O tema principal do Congresso a ser realizado na capital do país é o debate sobre a nova identidade dos brasileiros, o Registro de Identidade Civil (RIC), com a inclusão de certificados digitais.

SERVIÇO Como novidade na divulgação do 8º CertForum, foi implementado um canal de notícias no Twitter. Para acompanhar as novidades, basta acessar o endereço: www.twitter.com/certforum. Outras informações sobre o evento podem ser verificadas em http://certforum.iti.gov.br

Confira alguns dos processos eletrônicos em implantação no estado de Minas Gerais • Nota fiscal Eletrônica • Inquérito Eletrônico • Empenho Eletrônico • Prontuário Eletrônico • Implantação do projeto BHISS Digital da Prefeitura de Belo Horizonte - O projeto consiste na busca pela agilidade no cumprimento das obrigações tributárias das pessoas jurídicas de BH, por meio da implantação da Declaração Eletrônica de Serviços (DES), do Sistema de Planejamento Fiscal (SPF) e da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e).

FOTO: ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DO ITI

»» DA ESQUERDA PARA DIREITA: COMPOSIÇÃO DA MESA DA ETAPA MINEIRA, ALEXANDRE ATENIENSE EM SUA APRESENTAÇÃO EM BH, AUDITÓRIO LOTADO, MOMENTO DE DEBATE E PALESTRA DO DR. REZENDE, DIRETOR DA ABRID

26 |

digital


ETAPA DO RIO DE JANEIRO O Rio de janeiro recebeu no dia 6 de maio a segunda etapa do 8º CertForum, no mesmo dia em que foi publicado o decreto presidencial no Diário Oficial da União que regulamenta a implantação do Registro de Identidade Civil (RIC). O Rio de Janeiro foi escolhido em todo o país para ser o primeiro estado a implantar o projeto piloto. O assunto e os avanços da certificação digital foram discutidos no evento realizado pelo Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI) e o Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Rio de Janeiro (Proderj), organizado pela ABRID no auditório da Petrobrás, centro do Rio. De acordo com o presidente do ITI, Renato Martini, o decreto significa um grande avanço para a concretização deste projeto que tem um prazo de nove anos para a implantação. O próximo passo é criar um modelo de governança através de um comitê gestor, do qual o ITI já faz parte. Pelo escopo inicial serão fabricados 150 milhões de cartões de identificação no país, o que demonstra a ousadia do projeto. Martini acredita que as condições técnicas e o poder da imagem do Rio agilizarão a implantação do projeto e servirão de exemplo para os demais estados. O presidente do Proderj, Paulo Coelho, exaltou o privilégio que o governo do Rio terá com a implan-

tação do RIC, o que na verdade, segundo ele, é um resultado de um forte compromisso do governo Sérgio Cabral em fortalecer as soluções e-Gov, de governo eletrônico. Para Coelho, a certificação digital é fundamental nesse processo. O projeto prevê gerar um milhão de cartões com certificados digitais ICP Brasil (Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira). “A nova identidade trará mais cidadania a to-

de modernização e mais cidadania. Ele alertou que uma base de dados única evitará que qualquer cidadão possa retirar até 27 identidades nos estados, da federação, com nomes diferentes. “Sou um entusiasta do RIC. Assim como existe hoje 45 milhões de carteiras de habilitação de motorista registradas em um cadastro único nacional, é preciso fazer o mesmo com a identificação civil. A tecnologia tem que vir agregada ao fator humano e às questões sociais. O RIC evitará que uma mesma pessoa possa ter até 27 identidades diferentes, dificultando o meliante e preservando a segurança da informação”, alertou Hugo Leal. O diretor de Identificação Civil do Detran/RJ, Luís Antônio Abrantes, comentou que o processo de identificação civil no Rio tem integração com outras bases de dados de diferentes órgãos, como Instituto Félix Pacheco (IFP), com a área penitenciária, com assistência social, como abrigos de menores, o que mostra como nossas vidas estão pautadas na identificação civil. “Hoje surge uma legislação que aponta para enxergarmos um cadastro nacional de identificação civil, como acontece no cadastro de placas de automóveis. E o uso da biometria vai dar unicidade ao registro e mais segurança dos dados. É um cenário desafiador e benéfico aos ganhos que vai proporcionar à nossa vida." refletiu Abrantes.

“HOJE SURGE UMA LEGISLAÇÃO QUE APONTA PARA ENXERGARMOS UM CADASTRO NACIONAL DE IDENTIFICAÇÃO CIVIL [...] E O USO DA BIOMETRIA VAI DAR UNICIDADE AO REGISTRO E MAIS SEGURANÇA DOS DADOS.“ das as pessoas e eficiência na gestão dos governos. Com o RIC, iremos remodelar o Sistema de Identificação civil do país e em nove anos todos os brasileiros terão um novo registro que une tecnologia e segurança”, pontuou Paulo Coelho. Logo após a cerimônia de abertura, Paulo Ayran, assessor da diretoria do Instituto Nacional de Identificação (INI), deu início ao ciclo de palestras. O primeiro painel abordou a implantação do projeto piloto do Registro de Identidade Civil, que garantirá cidadania no mundo real e virtual. O deputado Hugo Leal, que já foi presidente do Detran, ressaltou que o registro único representa a nova fase que o país está vivendo,

abril-maio-junho 2010 | 27


2º Congresso da Cidadania Digital

J

á está nas mãos do

dadania Digital que acontecerá em

diretor geral da Polí-

Brasília nos dias 9 e 10 de junho. A

cia Federal (PF), Luiz

entrega foi feita pelo presidente da

Fernando Corrêa, e do

Associação Brasileira das Empresas

diretor de chaves públicas do Insti-

de Tecnologia em Identificação Di-

tuto Nacional de Tecnologiada In-

gital (Abrid), Célio Ribeiro. Para Ribeiro, a Polícia Federal e o ITI se complementam harmonicamente na realização desse projeto. “Sem esta grande parceria, não seria possível um evento deste porte”, afirma. Durante o encontro, Corrêa ressaltou a importância da identificação

formação (ITI), Maurício Coelho, o material de apresentação do evento que vai reunir as principais autoridades de identificação do país. Será durante o segundo Congresso da Ci28 |

digital

»» DA ESQUERDA PARA A DIREITA: LUIZ FERNANDO (DIRETOR GERAL DA PF), CÉLIO RIBEIRO (PRESIDENTE DA ABRID) E MAURÍCIO COELHO (DO ITI)

digital para o Brasil e a contribuição que pode ser feita para os países do Mercosul. De acordo com o representante do ITI, Maurício Coelho, alguns países já entraram em contato com o Brasil em busca da transferência de tecnologia. O 2º Congresso da Cidadania Digital será o espaço para debater o impacto e a transformação que serão causados pela nova identidade dos brasileiros, o Registro de Identidade Civil (RIC), a certificação digital e o impacto de um documento seguro na vida do cidadão brasileiro.


abril-maio-junho 2010 | 29


UM ORGULHO BRASILEIRO COM

316 ANOS DE HISTÓRIA

Casa da Moeda é uma das instituições mais antigas do país e alia história e tecnologia de ponta

30 |

digital


abril-maio-junho 2010 | 31


U

ma

instituição

criada em 1694. Há 316 anos a Casa da Moeda

do Brasil é responsável pela produção do dinheiro brasileiro, em moeda e papel e já confeccionou

o dinheiro de países como Argentina, Uruguai, Costa Rica e Para-

guai. Mas não pára por aí. Como empresa pública, subordinada ao Ministério da Fazenda, a Casa da Moeda também produz selos fiscais, para a Receita Federal, selos

postais, para os Correios, e títulos da dívida pública, além de passaportes, bilhetes magnetizados e

documentos de identificação. E se o negócio é dinheiro, a meta é a segurança. Ao longo de três séculos, a Casa da Moeda conquistou a confiança da sociedade brasileira principalmente pela adoção de normas técnicas e produtos de alta qualidade, compatíveis com os mais exigentes padrões internacionais. A empresa ampliou a prestação de serviços e criou unidades industriais responsáveis por produtos gráficos de segurança, utilizados por milhões de brasileiros, como cartões indutivos para telefonia, bilhetes magnetizados para

transporte de metrô e ônibus, carteiras de trabalho e muito mais. A Casa da Moeda agora dá um novo passo ao ganhar status de Autoridade Certificadora de primeiro nível na cadeia da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil). Para o presidente da CMB, Luis Felipe Denucci Martins, o nome pomposo pode não significar muito para o cidadão comum, mas com certeza, os resultados práticos vão fazer toda a diferença na vida diária quanto à segurança e melhoria no atendimento à sociedade. Como autoridade certificadora, a Casa da Moeda poderá oferecer mais tecnologia para a proteção no mundo virtual: o certificado digital. Todas as soluções de segurança fornecidas pela CMB terão esse certificado, como documentos de identificação para pessoas físicas e garantia de autenticidade de serviços, sites e servidores na internet. Isso significa que qualquer transação feita a partir dessa tecnologia é realizada com validade jurídica, pois garante a autenticidade do emissor. Ações simples, como o envio de um email ou as mais sigilosas, como o acesso a dados da Receita Federal, estarão asseguradas pela tecnologia oferecida pela Casa da Moeda. De acordo com a CMB, o investimento inicial está na faixa de R$ 2 milhões. Nos próximos dois anos, a direção da Casa da Moeda

pretende montar uma estrutura exclusiva para o serviço de Autoridade Certificadora no parque fabril, dentro dos moldes e exigências do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), órgão ligado à Presidência da República. Este investimento está orçado em R$ 25 milhões. A ideia é fechar contrato com diversos órgãos como a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e a Controladoria Geral da União (CGU) para estender os certificados da Casa da Moeda.

O INVESTIMENTO INICIAL ESTÁ NA FAIXA DE 2 MILHÕES DE REAIS. NOS PRÓXIMOS DOIS ANOS, A CMB PRETENDE MONTAR UMA ESTRUTURA EXCLUSIVA PARA O SERVIÇO DE AUTORIDADE CERTIFICADORA NO PARQUE FABRIL, DENTRO DOS MOLDES E EXIGÊNCIAS DO INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (ITI). 32 |

digital


2

FOTOS: ASSESSORIA DE IMPRENSA CMB

3

1 »» 1 - NOVA MÁQUINA DE IMPRESSÃO OFFSET - À ESQUERDA O PRESIDENTE DA CMB LUIZ FELIPE DENUCCI, À DIREITA O DIRETOR TÉCNICO CARLOS ROBERTO DE OLIVEIRA; 2 - SETOR DE IMPRESSÃO DE VARIÁVEIS DA CMB ; 3 - SETOR DE CRÍTICA E INSPEÇÃO DA QUALIDADE DA PRODUÇÃO

CONHEÇA ALGUNS DOS PRODUTOS DA CASA DA MOEDA » Cédulas; » Moedas e Medalhas; » Projeto de produto e desenvolvimento de matrizes; » Gráfica geral – O Departamento de Gráfica Geral (DEGER) produz documentos de segurança diversos, destacando-se: » Passaportes; Selos Fiscais; Selos Postais, Comemorativos e Ordinários; Selos Cartoriais; Bilhetes Magnetizados para transporte de massa (Metrô, Trem e Ônibus); Cédulas de Identidade Civil; Carteira Nacional de Habilitação; Carteiras de Identificação para Instituições diversas (Ministério Público Federal, Conselhos Federais e Regionais, etc.).

abril-maio-junho 2010 | 33


FOTOS: ASSESSORIA DE IMPRENSA CMB

»» IMPRESSÃO DE CÉDULAS PELO SISTEMA DE CALCOGRAFIA NO PARQUE GRÁFICO DA CMB »» FÁBRICA DE DINHEIRO Passa de R$ 118 bilhões a quantidade de dinheiro em circulação no Brasil. São mais de 4 bilhões de cédulas e 5,6 bilhões de moedas. Todas produzidas pela CMB. Tudo começou com os governantes portugueses, no Brasil Colônia. Eles queriam fabricar moedas com o ouro extraído nas mineradoras. Com o crescimento do comércio, havia falta de moedas circulantes e isso causava um caos monetário. As primeiras genuinamente brasileiras foram produzidas em Salvador, primeira sede da Casa da Moeda, em 1695. Eram os mil, 2 mil e 4 mil Réis, produzidos em ouro e a série de 20, 40, 80, 160, 320 e 640 Réis, em prata. A Casa da Moeda foi transferida para Minas Gerais e em 1868 foi

inaugurada uma nova sede na Praça da República, no Rio de Janeiro. Hoje, o complexo industrial da CMB é considerado um dos maiores e mais modernos do mundo. As instalações, inauguradas em 1984, ocupam cerca de 110 mil metros quadrados de área construída, em um terreno de cerca de 500 mil metros quadrados, no Distrito Industrial de Santa Cruz, Zona Oeste do Rio. Para preservar toda a memória histórica, a Casa da Moeda está recuperando um prédio que possui no Centro da Cidade do Rio de Janeiro, para abrigar o futuro Centro Cultural e Museu da CMB. A história da Casa da Moeda, uma das mais antigas instituições públicas brasileiras, se confunde com a própria história monetária do país. “Nosso grande or-

PASSA DE R$ 118 BILHÕES A QUANTIDADE DE DINHEIRO EM CIRCULAÇÃO NO BRASIL. SÃO MAIS DE 4 BILHÕES DE CÉDULAS E 5,6 BILHÕES DE MOEDAS. 34 |

digital

gulho é que ao longo de três séculos, conquistamos o respeito dos clientes e da sociedade brasileira, suprindo-os sempre com produtos de segurança e alta qualidade, compatíveis com os mais exigentes padrões internacionais e com profundo respeito ao Meio Ambiente, ressalta Denucci. Para manter a política de segurança, a Casa da Moeda criou um Departamento de garantia da Qualidade (DEPGQ), que alcançou recentemente a Certificação ISO 9001:2000, ao utilizar modernas tecnologias para Controle de Qualidade de matériasprimas, materiais e produtos utilizados nos laboratórios A conquista do título de Autoridade Certificadora é avanço significativo no processo produtivo de documentos seguros no Brasil. De acordo com o presidente da instituição, o trabalho da CMB depende diretamente do alto grau de segurança e confiabilidade. “Por isso, o investimento em tecnologia é imprescindível, principalmente nesta era digital, e quem ganha é a sociedade brasileira”, afirmou Denucci.


abril-maio-junho 2010 | 35


36 |

digital


Brasil terá o documento de identidade mais moderno do mundo Documento terá chip, será feito em policarbonato e vai acabar com fraudes, falsificações e dupla identidade

O

dia 5 de maio é

tornou rotina, graças a um sistema

uma data para ficar

ainda frágil. Todos os documentos estavam separados. Carteira de Identidade, CPF, contracheque, comprovante de residência. Diante da atendente, o sorriso de vitória. Em minutos o contrato seria assinado. Waldemar só pensava na mudança. Sair do quarto em que morava na casa da mãe desde que casara, há cinco meses, e construir um lar de verdade. O rapaz ainda estava envolto nos pensamentos, quando a atendente do banco anunciou que o cadastro estava com problemas. Mentalmente, em questão de segundos, ele checou todas as contas, todos os pagamentos, e a única constatação foi: “impossível. Não tenho cartão de crédito, não uso cheque, pago tudo à vista”. Waldemar foi mais uma das milhares de vítimas das fraudes com documentos. O nome do arquivista que mora em Brasília estava no Cadastro de Inadimplentes (Cadin), há mais de um ano. Ele foi vítima de uma quadrilha de falsificadores

na história. Foi o dia em que o presi-

dente Luiz Inácio Lula da Silva assinou o decreto que cria o Registro de Identidade Civil (RIC). É mais do que um documento. A nova carteira de identidade será a mais moderna e segura do mundo e vai ajudar a melhorar a imagem do Brasil no exterior, ao colocar um ponto final em uma série de fraudes. Situações que expõem o país, causam prejuízos para governo e instituições e, o que é ainda mais grave, expõem cidadãos a situações constrangedoras. Um exemplo é a do arquivista Waldemar Barros, impedido de realizar o sonho da casa própria porque foi vítima de uma fraude que infelizmente se

que compraram linhas de telefone celular, causaram constrangimentos e deixaram para ele o transtorno de provar que não fez aquela compra e não era devedor. O pior: o sonho da casa própria teve de ser adiado por mais de um mês, tempo que durou a via crucis, sendo jogado de um lado para outro: Banco Central, empresa de telefonia, Serasa, Procon, Delegacia do Consumidor. Uma situação que está com os dias contados no Brasil, graças ao novo documento. O RIC é um sistema tecnológico que assegurará a cidadania das pessoas. Será o fim das falsificações de documentos e de identidades falsas.

»» WALDEMAR: VÍTIMA DE GOLPE E SONHO ADIADO abril-maio-junho 2010 | 37


de tudo. Mas nunca imaginou o que aconteceria dois anos depois. Ela deu queixa na polícia, registrou o furto e andava com o Boletim de Ocorrência para qualquer eventualidade. Nada adiantou. Os documentos de Renata caíram nas mãos de uma quadrilha especializada em fraudes. Os bandidos abriram conta em banco, emitiram inúmeros cheques, davam festas e chegaram a comprar uma lancha utilizando os documentos falsificados, em outro Estado. “A vida se transformou em um tormento nesta época. Meu nome ficou sujo e eu só conseguia fazer compras com dinheiro. Fiquei totalmente sem crédito”, lembra Renata. »» RENATA NEIVA: IDENTIDADE ROUBADA, E VIDA TRANSFORMADA EM CAOS

Um sistema que se estivesse em vigor teria evitado o drama enfrentado pela jornalista Renata Neiva, que mora em Uberlândia (MG). Ela teve os documentos roubados e passou pelo transtorno de tirar segunda via

»» ESTATÍSTICA DO MEDO Os números impressionam. Dados da Polícia Federal mostram que anualmente cerca de 1,5 milhão de documentos são roubados, furtados ou extraviados no Brasil. O mais grave é que a fragilidade do sistema deixa as vítimas vulneráveis à ação de quadrilhas. Uma estimativa da PF aponta a falsificação de carteiras de identidade como responsável por 72% dos golpes em bancos e instituições comerciais. O prejuízo com a falsificação de documentos é assustador para os mais diversos segmentos da sociedade. Só a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), por exemplo, gasta por ano R$ 1,6 bilhão apenas para tentar evitar as fraudes eletrônicas. É justamente neste cenário de perdas econômicas e sociais que o

Protótipo sugerido ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA ABRID

Número RIC Tecnologia o chip contém os dados que garantem a autenticidade do cartão; impressão digital e certificado digital

38 |

digital

o número RIC aparece ao lado do nome do usuário e vai acompanhar o cidadão durante toda a vida

Invisibilidade

Fotografia

o cartão plástico esconde marcas em suas seis camadas. Algumas formas ocultas são vistas apenas com luz especial

a imagem gravada a laser, também integra o banco de dados do Instituto Nacional de Identificação


Brasil adota a nova carteira de identidade. Será o fim de casos como o de Waldemar e Renata, que de uma hora para outra, além de serem vítimas de quadrilhas, ainda têm de suportar o olhar desconfiado da sociedade que a princípio coloca em dúvida a idoneidade deles. Será o fim também dos laranjas, dos títulos de eleitor em duplicidade, dos golpes contra a Previdência Social. É que o novo sistema será inviolável. Não será possível falsificar identidade, adulterar um documento, se passar por outra pessoa. Assim, ninguém vai poder receber um benefício da Previdência em nome de outro. Muito menos de um aposentado ou pensionista que já morreu, por exemplo. O RIC foi discutido e analisado por 12 anos, por isso, é considerado por especialistas das áreas de tecno-

logia em identificação como um projeto de estado. A grande diferença entre o modelo de identificação atual e o RIC é a modernização. Imprescindível para se garantir a cidadania. O RIC é um documento digital inviolável, similar a um cartão de crédito com chip. A base da identificação continua sendo a datiloscópica, ou seja, a impressão digital. Mas em vez das antigas fichas de »» MARCOS ELIAS, papel, as digitais DIRETOR de cada indivíDO INI duo vão formar um grande banco de dados informatizado, gerido pelo Ministério da Justiça. “Qualquer outra biometria é frágil e está sujeita a duplicidade. A digital é o único parâmetro de identificação

que alcança os três princípios básicos: perenidade, imutabilidade e variabilidade”, afirma o diretor do Instituto Nacional de Identificação (INI), Marcos Elias de Araújo.

para o cartão RIC Contra fraude uma foto pequena na parte de trás do cartão é mais um desafio para quem deseja burlar a tecnologia e duplicar o cartão

Documentos além do RG atual, estarão impressos no RIC o CPF e o título de eleitor. Em breve, o RIC poderá ser usado para acessar outros serviços

Código números e letras se alternam para formar um código de leitura óptica. O nome do cidadão é usado para compor a sequência

abril-maio-junho 2010 | 39


NO PRIMEIRO ANO DE IMPLANTAÇÃO, 2 MILHÕES DE PESSOAS DEVEM SER BENEFICIADAS. Até 2019 todos os brasileiros terão a nova identidade, que não substitui antigos documentos, mas será a base de credibilidade para a confecção de qualquer outro tipo de identificação, como carteira de trabalho, passaporte ou habilitação de motorista. No primeiro ano de implantação, 2 milhões de pessoas devem ser beneficiadas. Até o terceiro ano estima-se que mais de 20 milhões de brasileiros já tenham o RIC. O estado pioneiro deve ser o Rio de Janeiro, que prevê a primeira emissão para julho deste ano. »» UMA TRAGÉDIA QUE PODERIA TER SIDO EVITADA Com o atual sistema, cada estado emite sua carteira de identidade e pesquisa apenas no banco de dados local. É um sistema tão frágil que permite que as pessoas tenham até 27 registros de identidade diferentes, um em cada estado, com números distintos e de forma totalmente legal. Quando o RIC for implantado, tragédias como a do homem que sequestrou, violentou e matou seis adolescentes de Luziânia (GO), cidade localizada no entorno de Brasília, poderão ser evitadas. É que o pedreiro Ademar Jesus da Silva era procurado pela polícia da Bahia como Ademar de Jesus Silva, o nome verdadeiro. Mas

escapou da Justiça durante anos ao tirar uma nova identidade em Goiás e mudar algumas letras do nome. A primeira prisão dele foi decretada em Serra Dourada (BA), por tentativa de homicídio, que teria ocorrido em 2000. Mas para a Justiça, ele era réu primário na condenação que sofreu cinco anos depois, por abuso sexual contra menores. Como aparentava bom comportamento, foi beneficiado com o regime de progressão de pena, saiu da cadeia e uma semana depois começou a matar, um a um, os rapazes que tinham idades entre 13 e 17 anos. Com o RIC essa duplicidade de documentos torna-se impossível. De forma prática: o indivíduo fará o registro. Nessa hora a digital dele, que é única e inviolável, será inserida no Sistema Automatizado de Identificação de Impressões Digitais (Afis). O Ministério da Justiça fará a pesquisa no banco de dados e se não encontrar aquela digital, será gerado um número nacional, sem duplicidade entre os estados. Ficam indexados então, um nome a uma digital. Se em qualquer outro momento a pessoa tentar tirar novamente o RIC com outro nome o Sistema vai acusar que aquela digital já está cadastrada. O indivíduo, então, terá de responder a um processo criminal por tentativa de fraude. No caso de Ademar, ele teria sido preso ao tentar fazer a segunda carteira. “A Polícia Federal, presente em todos os estados com seu quadro

A IMPLANTAÇÃO DESSE SISTEMA ESTÁ ORÇADA EM US$ 850 MILHÕES, O EQUIVALENTE A R$ 1,5 BILHÃO.

40 |

digital

RORAIMA 22.833

AMAZONAS 165.030

RONDÔNIA 70.000

SP RJ MG BA PI RS CE PR PE PA SC GO MT AM DF PB ES MA RN SE AL MS RO TO AP RR TOTAL

3.495.344 1.100.000 911.436 832.749 720.000 624.000 609.657 510.000 461.269 441.988 338.597 250.000 166.438 165.030 162.875 159.625 155.000 144.872 132.349 128.885 103.425 70.000 70.000 56.601 30.785 22.833 11863758

de servidores qualificados, tem atuado na aproximação efetiva com os governos e as estruturas de segurança estaduais. Os avanços na área técnico-científica e no Instituto Nacional


»» RELAÇÃO COM COMÉRCIO E GOVERNO A relação do cidadão AMAPÁ com o comércio e órgãos 30.785 públicos também muda. Hoje, na hora da compra, um atendente pede a carteira de identidade, olha a foto e compara com PARÁ a fisionomia da pessoa. RIO GRANDE CEARÁ 441.988 MARANHÃO Com o RIC, a identificaDO NORTE 609.657 144.872 ção deixa de ser passiva. O 132.349 atendente poderá colocar PARAÍBA o cartão em um equi159.625 PIAUI pamento eletrônico e 720.000 PERNAMBUCO comparar com a digital 461.269 do indivíduo no leitor ALAGOAS TOCANTINS biométrico. Muda o mo103.425 56.601 BAHIA MATO delo de relacionamento. A SERGIPE 832.749 GROSSO pessoa tem de estar presen128.885 166.438 te. Para a direção do InstiDISTRITO tuto Nacional de IdentiFEDERAL ficação, com o cadastro 162.875 nacional e a emissão de GOIÁS um documento inviolável, MINAS GERAIS 250.000 será possível agir na base 911.436 do problema e coibir tanto MATO a fraude ideológica quanto GROSSO ESPÍRITO SANTO DO SUL a financeira. A ideia é atuar 155.000 70.000 SÃO PAULO nos dois níveis de crimina3.495.344 lidade: a macro, que é a RIO DE JANEIRO social e a micro, cometida 1.100.000 PARANÁ por indivíduos.

Emissões estimadas de carteiras de identidade por estado brasileiro em 2009

510.000

SANTA CATARINA 338.597 RIO GRANDE DO SUL 624.000

fonte: ABRID de Identificação nos permitem contribuir com qualidade nesse processo de implantação do RIC”, destaca o diretor geral da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa.

»» LUIZ FERNANDO CORRÊA, DIRETOR GERAL DA PF abril-maio-junho 2010 | 41


Novo sistema é economicamente viável O investimento do Governo Federal vai colocar todas as regiões em base de igualdade tecnológica para garantir a segurança do documento de identificação e a unicidade dos cidadãos, uma obrigação do Estado. “Isso sem contar com o avanço nas relações sociais e os ganhos no combate às fraudes que chegam a bilhões de reais por ano em vários setores. O RIC significa segurança e economia para todos”, afirma o presidente-executivo da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia em Identificação Digital (Abrid), Célio Ribeiro. A Polícia Federal, por exemplo, estima que 10% das 160 milhões

de carteiras de identidade que circulam pelo País são falsas. Isso significa 16 milhões de documentos sem validade no mercado brasileiro, a maioria deles utilizados em golpes tanto na iniciativa privada quanto na esfera pública. Para o diretorgeral da Polícia Federal, é necessário responder à demanda da sociedade por uma identificação civil segura. “Precisamos de um documento que além de gerar tranqüilidade ao usuário também seja respeitado fora de nossas fronteiras. No Mercosul, os países estão liberando o passaporte, e, em breve, a América do Sul. Precisamos de um documento seguro de identidade”, afirmou.

»» UM ALÍVIO PARA A PREVIDÊNCIA Só na Previdência Social o déficit em fevereiro de 2010 foi de R$ 3,7 bilhões. Estima-se que o prejuízo da Previdência seja de R$ 25 milhões por ano, por causa dos golpes aplicados por quadrilhas contra o INSS. E esta deve ser a economia do órgão com o fim dos golpes dados graças à fragilidade do atual sistema de identificação. No setor privado a situação não é diferente. As empresas brasileiras perdem, em média, entre 6% e 7% do faturamento por causa de fraudes. Em alguns setores econômicos as perdas podem chegar a 20% do faturamento. No setor financei-

Os modelos de identificação pessoal desde a antiguidade No Brasil, os fazendeiros carimbavam os escravos a ferro quente e ainda mantinham uma lista com informações como nome, estado civil, nome do cônjuge e número de filhos, habilidades que a pessoa tinha para o trabalho, além do valor monetário de cada um deles. Na Rússia do século XVI, os escravos eram feridos com barras incandescentes no rosto. O costume também comum na França entre os séculos VII e XVI. Durante os reinados, a

42 |

digital

pele dos criminosos era marcada pelo desenho de uma flor de lis, o símbolo da monarquia. Reis e príncipes utilizavam brasões e sinetes para autenticar documentos, em uma clara tentativa de identificação individual ou familiar. No Brasil, o processo de identidade era feito muitas vezes pelos párocos, que emitiam as certidões de batismo, um tipo de registro de nascimento. Só em 1889 foram criados os primeiros cartórios no país.

Mas só em 1898 os documentos de identificação começaram a seguir o modelo antropométrico, criado por Alphonse de Bertillon, na França. Nele constavam nome, altura, peso e cor das pessoas. Em 5 de fevereiro de 1903, durante o governo de Rodrigues Alves, foi adotada no Brasil a identificação por datiloscopia, que utiliza as impressões digitais, uma técnica que revolucionou a história da identificação dos indivíduos.


ro, a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) não divulga os dados de prejuízos com fraudes, por uma questão de segurança. Mas por ano, o investimento com a segurança física em bancos de todo o país estão na ordem de 7,5 bilhões de reais. Para Jorge Fernando Krug Santos, membro da Comissão Organizadora Ciab Febraban e Superintendente da Unidade de Segurança de TI do Banrisul, a iniciativa do RIC é da maior importância. “O RIC adota um sistema complexo de tecnologia, que inclui microchip e dados gravados a laser no documento e seu processo é totalmente informatizado, garantindo um cadastro nacional biométrico. Com esse nível de precisão o RIC poderá ser usado não apenas para evitar falsificações, mas será um poderoso instrumento para diminuir todo e qualquer tipo de fraude contra a pessoa”, afirmou. A coordenadora do grupo de trabalho de certificação digital (Febraban), Francimara Viotti, é uma entusiasta do projeto do novo Registro de Identidade Civil. “O sistema financeiro está ansioso pelo RIC porque com a tecnologia empregada nesse novo cartão de identidade não será possível fazer fraudes, especialmente aquela que o bandido faz uma colagem em cima da foto do cidadão, recorta o papel que é usado pra fazer a carteira de identidade, clona uma parte e faz uma assinatura falsa”. Segundo Francimara, o roubo de identidade é o maior problema do sistema financeiro, não só no

Brasil mas em toda a América. “A Comissão de Comércio Federal dos Estados Unidos identificou o roubo de identidade como sendo a maior ameaça que existe hoje, sobretudo no mundo virtual.” As fraudes nos programas sociais também serão evitadas. No interior do Brasil existem pessoas que passam pelo sertão recolhendo cartões e senhas de programas, sacam na cidade mais próxima e cobram uma percentagem pelo “serviço” de ir ao banco. Em muitos casos, o cidadão recebe menos da metade do benefício a que teria direito. Com o RIC, acaba esse tipo de transação. O indivíduo tem que estar presente na hora de pegar o pagamento. »» ELEIÇÕES MAIS SEGURAS A identificação biométrica do cidadão não termina apenas com fraudes econômico-financeiras. Um dos grandes passos será também o saneamento do cadastro eleitoral, eliminando qualquer tipo de duplicidade de título. O acordo de cooperação técnica entre o Tribunal Superior Eleitoral e o Instituto Nacional de Identificação »» RENATO vai possibilitar MARTINI, que em menos PRESIDENTE de dez anos haja DO ITI uma base de 150 milhões de eleitores brasileiros, totalmente confiável. Será o maior banco de dados biométricos do mundo e o cartão RIC servirá como um grande verificador, uma chance-

la da unicidade do cidadão. Para o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), além da importância estratégica e social de se ter um registro civil nacional inviolável, o RIC possibilita concretamente o projeto da identidade virtual. “Colocar um certificado digital ICP-Brasil em cada novo cartão RIC significa adotar uma política de massificação visando a pessoa física, facilitando a sua identificação nas transações on-line, dando segurança e agilidade em várias esferas de relacionamento. O RIC será a identidade civil-eletrônica do cidadão brasileiro”, definiu o presidente do ITI, Renato Martini. Exemplos como esses fazem com que o projeto RIC seja aclamado em todas as áreas da sociedade. “Do sistema financeiro ao setor público, da economia privada ao interesse do cidadão, o projeto que deve começar a ser implantado ainda neste semestre proporciona o acesso a modernas tecnologias do mundo virtual com segurança e qualidade da informação”, destaca Célio Ribeiro, da Abrid.

O ROUBO DE IDENTIDADE É O MAIOR PROBLEMA DO SISTEMA FINANCEIRO, NÃO SÓ NO BRASIL MAS EM TODA A AMÉRICA. abril-maio-junho 2010 | 43


44 |

digital


CASOS de sucesso

Tecnologia

Cada empresa tem uma história que reflete a forma única encontrada por seus sócios, diretores e funcionários na busca por soluções, pela implantação de processos e desenvolvimento de tecnologias. É a soma de um conjunto de fatores que faz de cada empresa, cada grupo, cada corporação um caso de sucesso. Resumir todas essas histórias em um único texto não seria justo para quem desenvolveu tudo isso, nem para o leitor, que perderia conteúdo, a essência da história e a oportunidade de apreender informações que podem provocar mudanças, auxiliar na tomada de decisões, no planejamento do futuro. É por isso que a revista idigital abre espaço para que as associadas Abrid dividam seus casos de sucesso com você. Boa leitura.

abril-maio-junho 2010 | 45


RESUMO Case TSE: “Segurança de dados: tendência dos governos e empresas focadas no futuro” tem como objetivo principal transmitir para toda a sociedade maiores informações sobre a utilização da biometria como uma estratégia de tecnologia e segurança para as empresas públicas e privadas que necessitam armazenar informações sigilosas da corporação, e para os cidadãos, a facilidade de identificação e acesso a diversos lugares com apenas uma digital.

PALAVRAS - CHAVE TSE, Kit Bio, Biometria, Cidadania, Segurança de dados, Futuro

ABSTRACT TSE CASE: the main goal of “Data Security: Tendency of governments and companies focused on the future” is to transmit to the whole Brazilian society more information about the applications of biometry as a security and technology strategy for public and private companies which need to store their secret information, as well as for citizens to have easy identification and access to different places with only one fingerprint.

KEYWORDS TSE, Kit Bio, Biometry, Citizenship, data security, Future.

46 |

digital


CASO

Segurança de dados: tendência dos governos e empresas focadas no futuro Pesquisa aponta que leitores de impressões digitais instalados em lugares públicos dão sensação de segurança à população JULIANA BEATRIZ VENANCIO

A

necessidade de segurança em todos os aspectos, seja relacionada à privacida-

de, ao acesso e à circulação em locais urbanos ou a banco de dados de informações profissionais ou pessoais, é colocada em evidência quando a pauta principal dos governos e das empresas privadas está relacionada à garantia de boa convivência e focada na qualidade de vida das populações. Como uma maneira de garantir que a sociedade tenha uma melhor segurança, neste caso no segmento de banco de informações/dados, a tecnologia de biometria é uma opção, simplesmente porque informações pessoais ou sigilosas são mais difíceis de

serem acessadas/encontradas por qualquer pessoa. Segundo pesquisa feita em 2009 pela Unisys Corporation, empresa reconhecida mundialmente no segmento de Tecnologia de Informação, foi constatado que 67% dos entrevistados acreditam nos leitores para validar suas identidades em bancos, agências governamentais e outras organizações. Governo como o de Portugal, que desenvolveu o Cartão de Cidadão – um documento de identificação seguro que possibilita rapidez e eficácia nos serviços públicos –, é um exemplo de país que compreende a importância da criação de um banco de dados dos seus cidadãos que garanta segurança, dinamize o cadastro e acesso de informações pelos órgãos públicos, mas, principalmente, que facilite o dia a dia de vida nas cidades.

Um estudo sobre segurança de dados foi realizado pelas revistas norteamericanas CIO e CSO, coordenadas pela consultoria PricewaterhouseCoopers, que entrevistou cerca de oito mil gestores de TI de todo o mundo, atuantes nos segmentos finanças, saúde, serviços, varejo e governo. O resultado comprovou que a biometria direcionada ao gerenciamento de acesso a dados sigilosos foi o item de segurança considerado como principal foco de investimento nas empresas do século 21. No Brasil, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tem se destacado com o reflexo dessa tendência mundial de segurança de identidade/ dados/informações. Em 1996, o tribunal foi a primeira instituição pública no mundo a utilizar a urna eletrônica durante o processo eleitoral e, desde 2009, tem dado um grande passo no que diz respeito à tecnologia de informação, com o projeto inovador de identificação dos eleitores por meio de biometria. O TSE investiu R$ 23 milhões na compra de 2 mil kits de identificação biométrica, chamados de KitBio, para cadastro dos eleitores, com o objetivo de garantir eficácia na coleta de dados e, principalmente, a segurança de informações nos dias de votação. abril-maio-junho 2010 | 47


Esse projeto foi possível por causa da cooperação técnica entre o Ministério da Justiça e o Instituto Nacional de Identificação (INI), que vai utilizar o Sistema Automatizado de Impressões Digitais (AFIS) e fará o batimento dos registros, com a intenção de construir um banco que garanta a unicidade de dados do cidadão. O KitBio é um miniestúdio portátil, composto por um leitor biométrico (scanner de digitais) e uma maleta com máquina fotográfica; fonte de energia; conjunto de flash e miniestúdio fotográfico com assento; um equipamento eficiente no cadastro de identidades, com alto grau de segurança, grande capacidade de memória, baixo índice de erros na autenticação do processo e a boa resolução da imagem na impressão digital. Com o leitor de impressão digital Real Scan D, fabricado pela sul-coreana Suprema Inc., o equipamento tem chamado muita atenção no mercado de segurança de informações por possuir um modelo de

scanner muito utilizado por órgãos públicos conceituados no segmento de segurança, como a Polícia Federal da Coreia do Sul, do Japão, além de diversos sistemas de controle de fronteira no mundo todo. Ele pode ser considerado uma solução de identificação que capta as impressões digitais e a fotografia do usuário em padrões certificados pelo Federal Bureau of Investigation (FBI). O KitBio foi desenvolvido pela Akiyama Soluções Tecnológicas em parceria com as empresas: Iafis, que fornece o software Sagem, e a Suprema, empresa responsável pela tecnologia de hardware do equipamento. O Governo Federal, representado pelo secretário de Tecnologia da Informação do TSE, Giuseppe Janino, explica que, com auxílio da biometria, o processo para comparação das informações do cidadão será mais dinâmico e eficiente, além de unificar diversos órgãos públicos no que diz respeito ao cadastro dos brasileiros.

Juliana Beatriz Venancio é jornalista e pós-graduanda em Marketing Empresarial pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Ela e responsável pela Comunicação Interna & Externa da Akiyama Tecnologia em Componentes

48 |

digital

Ao todo, são 24 estados que participam do projeto piloto de voto digital e que, desde o ano passado, estão recadastrando cerca de 1,5 milhões de cidadãos em diversos municípios para que, na eleição de 2010, eles possam votar nas urnas novas. A previsão é de que até o ano de 2017, 130 milhões de pessoas sejam cadastradas por meio das suas impressões digitais para que seja ampliada a segurança durante o processo de votação. Possibilitar cidadania a todos os brasileiros, por meio de uma tecnologia que una segurança e eficácia no acesso e cadastro de informações faz com que o Brasil esteja caminhando para o desenvolvimento de uma gestão pública moderna e transparente, que tem como objetivo: diminuir as fraudes no acesso, na emissão e na utilização de documentos civis; garantir inovação no quesito de segurança de informação; e, principalmente, criar uma política pública que trabalha focada no bem-estar e no futuro da sua população.

Eletrônicos Ltda., sediada em Curitiba, no Paraná. Contato: +55 (41) 3028-0243; imprensa@akiyama.com.br; www.akiyama.com.br; Twitter: www.twitter.com/akiyamatec.



RESUMO Esse case mostra o processo de implantação de um novo documento para a classe profissional de Contabilistas, desde a sua concepção até a efetiva produção do documento.

PALAVRAS-CHAVE Documento de identidade; profissional; segurança; certificação digital; Conselho Federal de Contabilidade.

ABSTRACT This case shows the process of deploying a new document to the professional class of Accountants, from its conception to actual production of the document.

KEYWORDS Identity document; professional, security, digital certification, Federal Accounting Council.

50 |

digital


CASO

A nova carteira de identificação dos Contabilistas Documento segue o mesmo padrão que com sucesso vem sendo utilizado em todo o mundo com segurança digital

O

processo de certificação digital no Conselho Federal de

Contabilidade

teve início quando o Governo Federal iniciou um trabalho para eliminar a burocracia na emissão de documentos junto aos órgãos públicos. Nesse processo, destaca-se a própria Receita Federal, que avançou com um projeto para possibilitar que as empresas e os profissionais de contabilidade pudessem entregar suas declarações e arquivos gerais de seus clientes de maneira segura e com grande agilidade. Posteriormente, com o advento do Sistema Publico de Escrituração Digital (Sped), que envolve a entrega dos arquivos ele-

trônicos para a Receita, além das declarações de Imposto de Renda das pessoas físicas e jurídicas, todo este processo foi acelerado. O projeto de certificação digital para a comunicação digital entre as empresas e cidadãos com os órgãos públicos avançou bastante nos últimos anos. Isso possibilitou que o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) atendesse a uma reivindicação da categoria, para que estudasse a possibilidade de se emitir uma nova carteira de identificação profissional, mais segura e condizente com as novas tecnologias de segurança disponíveis. A proposta inicial analisada seguiu o modelo adotado previamente pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a partir de uma parceria com a GD Burti, empresa fornecedora da tecnologia, responsável pela emissão das novas carteiras dos advogados, também dotadas da certificação digital.

O projeto da nova Carteira de Identidade Profissional dos contadores e técnicos em contabilidade levou em conta estudos da viabilidade técnica e das necessidades do CFC. Os primeiros documentos foram emitidos pela GD Burti em 2008, e até o momento mais de 100 mil profissionais já possuem o novo documento que é válido como identidade em todo o território nacional, com a vantagem de também demonstrar o exercício de formação e atividade profissional regular às autoridades fiscalizadoras. Para se garantir a modernidade, a segurança e a durabilidade do novo documento, o projeto do CFC levou em conta os princípios mais modernos de tecnologia disponíveis atualmente. O documento será entregue aos contabilistas e tem como base um novo conceito de segurança e funcionalidade, garantida pela inclusão de um chip micro processado, com capacidade para o armazenamento dos dados biométricos e biográficos. Também vai permitir a inclusão da certificação digital, para garantir o acesso do contabilista a vários serviços, incluindo os meios eletrônicos e Internet. Outro fator abril-maio-junho 2010 | 51


relevante levado em conta pelo CFC para a escolha da tecnologia foi a sua resistência. Neste caso, a solução empregada pela GD Burti garante a durabilidade de até 10 anos e com a segurança capaz de evitar fraudes, seja na tentativa de cópia ou ação por agentes químicos. O documento é formado por camadas de policarbonato de alta qualidade e a gravação dos dados variáveis é feita a laser, através das camadas internas do cartão, impedindo ações de falsificação ou adulteração. Para aumentar a segurança, são utilizadas tintas especiais, algumas delas reveladas apenas com a ajuda de aparelhos. Segundo o Consultor de Tecnologia da Informação do Conselho Federal de Contabilidade (CFC),

Nivaldo Cleto, o projeto da nova identificação dos contabilistas assegura a identidade do profissional como cidadão, além de garantir sua identidade no mundo digital, através da certificação digital. “Em vários casos, os contabilistas que necessitam acompanhar processos nos órgão públicos têm na certificação digital a garantia de acesso seguro e rápido. Com o novo documento, mais este serviço está sendo garantido aos profissionais, a partir da tecnologia fornecida pela GD Burti”, explica. Nivaldo Cleto conta que antes da certificação digital, os contabilistas, quando solicitados por seus clientes, eram obrigados a enfrentar filas e burocracia para solicitar uma certidão negativa,

por exemplo. “Com a certificação digital, agora é possível efetuar o pedido diretamente pela Web e em um tempo muito menor, com toda a segurança necessária. A nova carteira de identificação dos contabilistas também acelerou este processo”, destaca. “Agora, os profissionais do setor possuem em um único documento seguro um conjunto de serviços, que são gerenciados a partir do smart card contido no novo documento”, conta Cleto. O consultor de tecnologia do CFC também lembra que o projeto de substituição da antiga carteira dos contabilistas visou adequar a categoria profissional aos “novos tempos”, segundo ele, beneficiando-se dos novos recursos proporcionados pela “era digital” e uma ampla gama de serviços proporcionados por esta evolução. “Outro impulso para isso foi o amadurecimento do projeto do Governo Digital, que, a partir da utilização da certificação digital, facilita o acesso dos cidadãos – e os contabilistas inclusos neste universo – aos serviços públicos”, conta Cleto. Para que o projeto obtivesse o sucesso desejado, Nivaldo revela que a GD Burti cumpriu um papel relevante ao mostrar o funcionamento da nova tecnologia e como poderiam ser emitidas as novas carteiras nos prazos que pudessem atender a todos os contabilistas. “Desde a primeira apresentação que tivemos na OAB até a emissão da primeira carteira, o projeto andou muito rápido. Graças à nossa iniciativa e à agilidade da equipe de profissionais da GD Burti”, destaca. “As primeiras carteiras dos con»» CARTÃO DE IDENTIDADE PROFISSIONAL DOS CONTABILISTAS

52 |

digital


»» NIVALDO um formulário CLETO, CONSULTOR online, emite o DE TECNOLOGIA boleto de pagaDA INFORMAÇÃO mento e o sisDO CONSELHO tema faz toda a FEDERAL DE tramitação das CONTABILIDADE informações até chegar à GD Burti para, finalmente, confeccionar o novo documento. O tempo previsto para que o profissional possa receber o documento é de 20 dias em média, já incluindo todos os processos de conferência e validação do pedido.

FOTO: DIVULGAÇÃO

tabilistas foram emitidas em um congresso da categoria em 2008, com seis mil participantes, quando a GD Burti montou uma pequena fábrica para emissão dos documentos e foram emitidas 1.160 novas carteiras. Como a Fenacon estava com uma parceria com uma entidade certificadora, boa parte das novas carteiras já saiam com a certificação digital na hora. Foi um sucesso”, lembra ele. A solicitação da nova identidade dos contabilistas pode ser feita pela Internet, em um processo altamente seguro. O interessado preenche

abril-maio-junho 2010 | 53


CASO

Pesquisa sobre a Segurança das Atividades Bancárias e Comerciais On-line

A

Gemalto e a Synovate

realizaram

1.500

entrevistas

com usuários da In-

ternet em cinco países: Brasil, França, Alemanha, Reino Unido e EUA. O objetivo principal da pesquisa foi explorar a percepção dos consumidores das atividades comerciais e bancárias on-line.

54 |

digital

1. CONTEXTO E OBJETIVOS Em maiores detalhes, os objetivos foram: • Avaliar o nível atual de confiança e os padrões de comportamento associados a ela. • Medir o uso das soluções atuais de segurança na Internet. • Obter feedback sobre as novas soluções que melhoram a segurança on-line

2. INTERNET: PARTE DA VIDA DIÁRIA DOS CONSUMIDORES A pesquisa mostrou que a Internet tornou-se parte integral das vidas diárias: independentemente do país, as pessoas visitam a Internet todos os dias. Ao navegar pela Internet muitos usuários aproveitam e verificam suas contas bancárias e fazem compras on-line: • 1 de cada 4 pessoas verifica a conta bancária diariamente; • 66% fazem compras on-line mais de uma vez por mês


RESUMO

ABSTRACT

Atualmente, a Internet faz parte de nossas vidas. Diariamente, as pessoas navegam na rede, fazem transações bancárias e compras on-line. Essas pessoas também estão interessadas em soluções mais seguras para atividades bancárias e compras on-line. Os usuários de cada um dos países pesquisados afirmam que se sentiriam seguros com uma ID eletrônica para se identificarem na Internet, e gostariam de ter à sua disposição dispositivos adicionais de segurança. Em termos de conveniência de formato, a preferência deles é pela chave USB. Uma porcentagem deles até pagaria por soluções mais seguras.

Abstract: Currently, the Internet has become part of our daily lives. Everyday people surf the Internet, be it for banking or for buying things online. They are also interested in more solutions regarding security for online shopping and banking. Users from all countries surveyed have stated that they would feel safer with an electronic ID to identify themselves on the Internet and would welcome additional security devices. In terms of convenience of format, they have a preference for the USB key. A certain percentage would even pay for safer solutions.

PALAVRAS-CHAVE

KEYWORDS

FOTO: DIVULGAÇÃO

Compras on-line, Pagamentos on-line, Segurança on line, Tokens, Autenticação Forte

Com
que
frequência
você
...

23
 35
 11

Ocasionalmente
 ou
nunca
 pelo
menos
uma
 vez
por
mês

18
 43
 22

26

13
 7
 3

Verifica
sua
 conta
bancária
 on‐line

Faz
compras
 on‐line

Online shopping, online payment, online security, tokens, strong authentication.

Pesquisa traça um perfil dos internautas de diversos países, o tipo de serviço que fazem na internet e destaca as características dos brasileiros A quantia gasta por mês em compras on-line continua razoável – em média, menos de €100 –, mas com algumas diferenças en-

tre países (por exemplo, os norteamericanos e os brasileiros estão habituados a gastar mais do que os demais entrevistados).

Quanto (em média) você gasta por mês em compras on-line?

Menos de €100

Entre €501 e €1000

Entre €101 e €500

Mais de €1000

pelo
menos
uma
 vez
por
semana
 2
a
3
vezes
por
 semana
 Todos
os
dias
ou
 quase
todos
os
 dias

3% 20%

2% 13% 11%

77%

48%

28%

21% 77%

1% 28%

3% 1% 36%

71%

60%

abril-maio-junho 2010 | 55


Em relação aos meios de pagamento, o cartão de crédito tornouse inevitável, sendo usado por quase todos. As soluções de carteira virtual (Paypal, Google Checkout…) são as únicas alternativas reais para pagamentos on-line.

Entretanto, aqueles que não se sentem seguros nunca verificam suas contas bancárias pelas seguintes razões:

Por
que
não
verifica
sua
conta
bancária
on‐line?
 Outras
razões

30%

Em
geral,
não
confio
na
Internet

17%

Não
confio
na
segurança
ao
acessar
 minha
conta
bancária
on‐line

53%
 0%
 10%
 20%
 30%
 40%
 50%
 60%

3. MAS A INTERNET TAMBÉM TROUXE PREOCUPAÇÕES COM A SEGURANÇA A ampla maioria dos consumidores afirma ter à sua disposição ferramentas como Perguntas e Respostas ou Teclado Numérico Virtual, que garantem a autenticação de suas transações bancárias e comerciais (com algumas disparidades entre os países).

Você tem à sua disposição ferramentas de segurança para transações bancárias e comerciais?

9%

11%

89%

91%

73%

Segurança
de
cartão
de
Crédito/Débito

13%

3%

Muito
seguro
 28%

De
certa
forma
seguro
 Ligeiramente
seguro
 Nada
seguro

56%

4. FORTES SOLUÇÕES DE AUTENTICAÇÃO ESTIMULAM INTERESSE Portanto, não surpreende que as pessoas estejam bastante interessadas em soluções mais seguras para realizarem atividades bancárias e comerciais on-line. A maioria dos usuários da Internet está até mesmo disposta a pagar mais por novas soluções que tragam segurança para as suas transações on-line. O cartão eletrônico de ID – que seria emitido por uma instituição oficial – é outro reconhecimento de segurança que gera definitivamente um forte interesse.

27%

30% 70%

Da mesma maneira, apenas 28% dos usuários da Internet consideram muito seguro fazer pagamentos on-line, fornecendo o número de seus cartões de crédito, enquanto os restantes 72% demonstram desejar uma segurança maior (com fortes diferenças entre os países).

Interesse
em
ID
eletrônica
 50%
 40%
 30%

50%

20%

4%

10%

24%

19%

0%

SIM 96%

56 |

digital

NÃO

Decididamente
 interessado

Provavelmente
 interessado

7%

Provavelmente
 Nada
interessado
 não
interessado

Em todos os países, a identificação com um cartão eletrônico é vista unanimemente como sendo mais segura do que com um cartão de crédito – especialmente no Brasil.


Segurança de ID eletrônica comparada com cartão de crédito

Muito mais segura do que cartão de crédito Ligeiramente mais segura do que cartão de crédito

2% 1%

29%

4%

37%

1%

1% 22%

27%

25%

13%

28%

16% 52%

31%

Ligeiramente menos segura do que cartão de crédito

36%

37% 32%

Tão segura quanto cartão de crédito

3% 1%

67%

Realmente menos segura do que cartão de crédito

35%

5. PARTICULARIDADES DOS PAÍSES »» REINO UNIDO: OS ADEPTOS Os britânicos navegam com frequência pela Internet tanto por razões bancárias como comerciais: • A maioria verifica suas contas bancárias e faz compras on-line pelo menos uma vez por mês, sendo suas compras, em média, inferiores às dos norte-americanos e brasileiros. • Quase todos eles usam cartão de crédito para realizarem compras on-line, apesar de a carteira virtual já ser comumente usada, mais do que na França e no Brasil, por exemplo. A maioria dos britânicos tem à sua disposição diferentes tipos de ferramentas para transações bancárias e comerciais, mas usa principalmente autenticação baseada em Perguntas e Respostas (60%) e Teclado Numérico Virtual (35%). Se lhes sugerissem novas soluções, eles prefeririam pequenos formatos que pudessem ser guardados no bolso, como chaves USB, chaveiros...

»» EUA: OS GASTADORES A maioria dos norte-americanos (80%) verifica suas contas bancárias on-line pelo menos uma vez por mês (nível semelhante aos outros países). Entretanto, eles navegam na Internet de certa forma menos para fazer compras do que os outros países: • Apenas 17% deles fazem compras on-line pelo menos uma vez por semana, substancialmente menos comparados com os britânicos (26%) e alemães (30%). • No entanto, em média, eles gastam por mês substancialmente mais do que os demais países (48% gastam entre €101 e €500). Para fazer compras on-line, eles usam cartões de crédito (94%), mas estão também familiarizados com a carteira virtual (60%) e autenticações baseadas em Perguntas e Respostas para a verificação de suas contas bancárias. Eles não são indiferentes a possuírem novas ferramentas de segurança. Realmente, cerca de 50% estão interessados em novos formatos de autenticação que eles possam guardar no bolso, como os britânicos.

O quanto você estaria interessado em cada uma das seguintes soluções de segurança

O quanto você estaria interessado em cada uma das seguintes soluções de segurança

180

180 % de pessoas que estão muito / bastante interessadas na solução

160 140

140

100

100

80

50%

47%

46%

34%

80

60

60

40

40

20

20

0

% de pessoas que estão muito / bastante interessadas na solução

160

52%

48%

41%

32%

Uma solução para guardar na carteira

Uma solução em uma chave USB

Uma solução a ser pendurada no chaveiro

Uma solução no telefone celular

0 Uma solução para guardar na carteira

Uma solução em uma chave USB

Uma solução a ser pendurada no chaveiro

Uma solução no telefone celular

abril-maio-junho 2010 | 57


»» FRANÇA: OS CAUTELOSOS Os franceses usam a Internet com mais frequência para verificar suas contas bancárias do que para fazer compras: • 1/3 verifica suas contas bancárias diariamente (ligeiramente mais frequentes do que os demais países). • Apenas 19% fazem compras on-line pelo menos uma vez por semana, e a maioria gasta menos de €100 em média por mês on-line. Eles usam principalmente cartões de crédito para compras on-line (com menos frequência a carteira virtual, porém mais cheques, um meio de pagamento menos popular do que nos outros países). Um número consequente ainda tem muito receio de usar a Internet: • 30% deles não têm à disposição nenhuma ferramenta de segurança oferecida por seus banco. • E quase 15% deles pensam que a sua atual autenticação de segurança não é suficientemente segura (a maioria usa principalmente teclados numéricos virtuais). Apenas 18% consideram o cartão de crédito muito seguro para fazer compras on-line (enquanto quase 1/3 acha tanto a carteira virtual como o cheque muito seguros). Os franceses demonstram um interesse positivo em novas soluções de segurança (com preferência semelhante pelos formatos USB e celulares).

»» BRASIL: OS ENTUSIASTAS Os brasileiros navegam na Internet por motivos bancários e comerciais com menos frequência do que os demais países: • Cerca de 60% dos brasileiros verificam suas contas bancárias pelo menos uma vez por semana, uma frequência menor do que a dos franceses (69%) e alemães (72%). • Quase 45% fazem compras on-line ocasionalmente ou nunca. Mas, quando fazem compras on-line, eles normalmente gastam ligeiramente mais do que os britânicos, franceses e alemães (eles usam principalmente cartões de crédito e não muitos dos demais meios de pagamento). Em geral, eles se sentem menos seguros do que os demais entrevistados ao usarem a Internet e mostram um interesse real em novas ferramentas de autenticação de segurança: • 25% consideraram que suas autenticações não são suficientemente seguras (quase todos têm à sua disposição o Teclado Numérico Virtual (86%) e autenticações baseadas em Perguntas e Respostas (49%) feitas por seus bancos). • Muitos criticam a segurança dos meios de pagamento on-line (especialmente a carteira virtual e cheques). Também demonstram maior interesse do que os demais países em relação a formatos de soluções de segurança, como chaves USB, soluções em celulares… e estão dispostos a gastar mais para se beneficiar com as soluções.

O quanto você estaria interessado em cada uma das seguintes soluções de segurança

O quanto você estaria interessado em cada uma das seguintes soluções de segurança

180 % de pessoas que estão muito / bastante interessadas na solução

160 140 100 80

250

% de pessoas que estão muito / bastante interessadas na solução

200

150

53%

47%

46%

34% 100

60

75%

70%

59%

58%

Uma solução para guardar na carteira

Uma solução em uma chave USB

Uma solução a ser pendurada no chaveiro

Uma solução no telefone celular

40 50 20 0

0 Uma solução para guardar na carteira

58 |

digital

Uma solução em uma chave USB

Uma solução a ser pendurada no chaveiro

Uma solução no telefone celular


»» ALEMANHA: OS RACIONAIS Como os britânicos, eles frequentemente navegam na Internet por razões bancárias e comerciais: • 80% dos usuários alemães da Internet verificam as suas contas bancárias e fazem compras on-line com muita frequência. • Quando fazem compras on-line, eles: • Gastam ligeiramente mais do que os britânicos e franceses. • Usam menos o cartão de crédito do que outros países (24% deles consideram inseguro) e cada vez mais a carteira virtual. Um dado importante a se notar é que 1/3 deles não tem à sua disposição nenhuma ferramenta de autenticação de segurança disponibilizada por seus bancos. Como os brasileiros, eles estão dispostos a gastar dinheiro para se beneficiar com as ferramentas de maior segurança em pequenos formatos, como as chaves USB. O quanto você estaria interessado em cada uma das seguintes soluções de segurança 180 % de pessoas que estão muito / bastante interessadas na solução

160 140

A Gemalto oferece soluções seguras para transações na Internet e em rede para provedoras de serviços e conteúdos, empresas varejistas on-line e para aquelas que fornecem serviços on-line para o público em geral, incluindo instituições financeiras, empresas e governos. A base de clientes estende-se por muitos setores, incluindo departamentos governamentais, bancos, comércio on-line e grandes empresas, o que comprova sua reputação e conhecimento nesse mercado de rápida evolução. Nessa área, a Gemalto oferece uma variedade de soluções de autenticação forte, aplicações e software, serviços operados e entrega, além de uma ampla variedade de produtos incluindo tokens de autenticação, OTP em dispositivos móveis, OTP gerado em cartões EMV, leitoras e outros dispositivos que permitem transações de e-banking, compras e pagamentos on-line de forma rápida, segura e conveniente aos seus usuários. Para mais informações acesse www.gemalto.com.br

100 80

57%

52%

44%

40%

Uma solução para guardar na carteira

Uma solução em uma chave USB

Uma solução a ser pendurada no chaveiro

Uma solução no telefone celular

60 40 20 0

abril-maio-junho 2010 | 59


RESUMO A IntelCav preocupada com a sustentabilidade apresenta um case onde é descrita sua iniciativa de sucesso no desenvolvimento dos cartões reciclados PET pós-consumo. Feitos de garrafas plásticas de água e refrigerantes eles têm ajudado a mudar a vida das comunidades de catadores de papel. Como resultado dos esforços em prol do meio ambiente, o produto ganhou o Prêmio ECO 2009 na categori a “Produto de Sustentabilidade”.

PALAVRAS-CHAVE IntelCav, Cartões PET, Cartões reciclados, Reciclagem, sustentabilidade

ABSTRACT Concerned about sustainability, Intelcav presents a case that describes the successful development of post-consumption PET recycled cards. Made out of plastic water and soda bottles, the cards have helped to change the lives of many paper collectors’ communities. As a result of the efforts for the environment, the product has won the Prize ECO 2009 in the category “Sustainability Product”.

KEY WORDS Intelcav, PET Cards, Recycled Cards, Recycling, Sustainability

60 |

digital


CASO

Cartão PET Reciclado pós-consumo ajuda no desenvolvimento e preservação do meio ambiente A matéria prima utilizada no processo é elaborada a partir de garrafas PET transparentes de refrigerantes e água mineral

P

reocupada com as questões de preservação do meio ambiente e sustentabilidade,

a IntelCav investiu no desenvolvimento de tecnologias “verdes” para seus produtos. Durante o processo, uma das soluções encontradas foi o cartão PET Reciclado Pós-Consumo, que se uniu à linha de cartões ecológicos da empresa: Biodegradável, PVC Reciclado e PET – G. A fabricação do PET Reciclado Pós-Consumo é feita em parceria com uma cooperativa de catadores

de garrafas e um fornecedor, que encaminha as placas de PET recicladas para a fábrica da empresa. A matéria prima utilizada no processo é elaborada a partir de garrafas PET transparentes de refrigerantes e água mineral. As garrafas coloridas ou de embalagens de produtos comestíveis ou gordurosos não são incorporadas ao processo. Após passarem por uma lavagem rigorosa com produtos não agressivos, o bocal e o fundo das garrafas são retirados por meio de um processo mecânico - essas partes não são aproveitas devido a sua rigidez excessiva. Com a trituração da parte central, obtém-se o flacke que, embalado em condições especiais,

é novamente introduzido no processo de transformação. Antes da inicialização deste processo o flacke passa por novo processo de seleção, secagem e desumidificação em ciclos quentes e frios. Após este processo, ele é enviado para os silos onde são misturados aditivos e metais, tais como corantes e pigmentos, modificadores de impacto, anti-chamas e aditivos anti-UV. Nesta etapa, o polímero PEBD liner, Polietileno de baixa densidade, é usado como agente condutor. Depois de finalizadas estas etapas, o material é transformado em placas pelos processos de extrusão e calandragem e segue para a fábrica da IntelCav onde é transformado em cartões. As principais características do produto são a claridade e brilho, resistência a solventes e corrosão, durabilidade e resistência à flexão.

abril-maio-junho 2010 | 61


“O processo de fabricação dos cartões PET reciclados pós-consumo ajuda no desenvolvimento e preservação de toda a cadeia envolvida. Ele contribui para a manutenção e crescimento da renda das cooperativas de catadores de lixo e na preservação do meio ambiente, pois a cada 10 mil cartões produzidos são utilizadas, aproximadamente 832 garrafas PET de 2 litros. Além disso, a fabricação dos reciclados utiliza perto de 0,03% da energia dispensada na confecção de cartões com o material ’virgem’”, aponta Fernando Castejón, presidente da IntelCav. Após o desenvolvimento do produto, o pioneiro na implementação do cartão em sua linha foi o Bradesco com os cartões “Funda-

62 |

digital

FOTO: DIVULGAÇÃO

FOTO: DIVULGAÇÃO

ção Amazô- categoria “Produto de Sustentabilinia Sustentá- dade”. O Prêmio, criado em 1982 vel Bradesco pela Câmara Americana de ComérMastercard”, cio (Amcham) foi uma iniciativa para quem a pioneira no país no reconhecimenIntelCav já to de companhias que adotam práforneceu mais ticas sustentáveis. Seu nome nasceu de 100 mil de uma fusão das palavras “empreunidades do PET reciclado até sa” e “comunidade” para traduzir fevereiro deste ano. Com essa o interesse de seus criadores em meta batida, a empresa comemora transformá-lo em um instrumento mais de 8.320 garrafas de dois li- de compromisso corporativo com o tros retiradas da natureza. desenvolvimento social. Para Castejon, este é um estáDe acordo com o presidente da gio da consolidação da tendência IntelCav, o conceito do projeto redeste tipo de produto no mercado, cebeu o aval no final do ano passado pois possui um forte apelo sócio- ao receber o Prêmio Eco e o atual ambiental incentivando uma mu- volume de produção comprova que dança de atitude em relação à pre- sua confecção em larga escala é viáservação do meio ambiente. vel. Por este motivo, outros bancos Como resultae emissores de cartões já do desta preocupa- »» FERNANDO demonstraram o interesse ção e pioneirismo, CASTEJON, pelo PET Reciclado. no final de 2009, PRESIDENTE DA Essa tendência de exos cartões PET INTELCAV, RECEBE pansão do mercado de reciclados Pós- PRÊMIO ECO 2009 produtos “verdes” deve-se Consumo foram NA CATEGORIA principalmente à preocuos ganhadores do “SUSTENTABILIDADE pação crescente da popuPrêmio ECO na EM PRODUTOS” lação mundial com o meio ambiente atrelada ao aquecimento global o que deve acelerar exponencialmente a comercialização desses bens de consumo nos próximos anos. No mês de Março, foi anunciada a aprovação do produto na Mostra de Tecnologias Sustentáveis 2010, evento que acontece simultaneamente com a Conferência Internacional – Empresas e Responsabilidade Social 2010, em Maio em São Paulo, iniciativas organizadas pelo Instituto Ethos. »» CARTÃO PRODUZIDO COM MATERIAL PET RECICLADO PÓS-CONSUMO

ML&A Comunicações: Ademir Morata (ademir@mla.com.br) | Andrea Carvalho (andrea@mla.com.br) (11) 3811-2823


CASO RESUMO Desde 1999, o Estado do Rio de Janeiro tem implantado um sistema de identificação com tecnologia Afis que atende a uma ampla gama de funcionalidades nas áreas de identificação civil, criminal, penitenciária, entre outras. Essas funcionalidades vêm sendo continuamente ampliadas para atendimento de múltiplas áreas. Hoje ele se constitui numa ferramenta avançada de administração para vários órgãos do governo do estado.

PALAVRASCHAVE Identificação, Afis, Carteira de identidade, Governo Eletrônico.

ABSTRACT Since 1999, the State of Rio de Janeiro has had an identification system based on AFIS technology, which provides a wide range of functionalities for civil, criminal and prison identification, and others. These functionalities have been continuously increased to provide services for multiple State agencies. Today, it is an advanced e-government tool for the State administration.

KEYWORDS Identification, Afis, Id card, e-Government.

Mais antigo sistema de identificação com Afis do Brasil completa 10 anos de implantação no Rio de Janeiro Ao longo do tempo, o sistema tomou proporções que transcendem as atividades de identificação e emissão de carteiras de identidade ANTONIO CARLOS CENSI

U

ma base de dados que possui 7,5 milhões de registros civis, com dados biométricos deca-

datilares, dados biográficos, fotografias e assinaturas, integrada a um sistema que permite coleta, armazenamento, gestão, busca e, o mais importante, a certificação de unicidade de cada cidadão registrado. Essa é a dimensão do Sistema Estadual de Identificação do Estado do Rio de Janeiro (SEI), que completou dez anos de operação em 2009, e foi o primeiro estado a implantar com sucesso um sistema integrado como esse.

Instalado e mantido pelo Detran/ RJ, o sistema emprega a tecnologia Automated Fingerprint Identification System (Afis) em inglês, ou Sistema de Identificação Automática por Impressões Digitais. Foi integrado, implantado e é operado pela Montreal Informática, com o suporte tecnológico de um dos líderes mundiais em biometria, a empresa alemã Dermalog Identification Systems. Cumprindo a responsabilidade constitucional do Estado, o SEI provê a identificação dos cidadãos do estado de maneira unívoca, com garantia e segurança. Representa, ainda, uma poderosa ferramenta contra a mais variada sorte de falsificações de documentos, contra a tentativa de emissão de carteiras de identidade com dados abril-maio-junho 2010 | 63


biográficos falsos ou não pertencen- entrada como na saída, para que O Departamento Geral de tes ao solicitante, e contra fraudes não haja troca de pessoas em pre- Ações Socioeducativas da Secrenos chamados registros tardios, de sídios. Os postos de identificação taria de Educação (Degase), que pessoas que não ganharam certidões montados dentro das unidades atende adolescentes em todo o de nascimento ao nascerem. carcerárias não apenas regulam a estado, também é usuário do sisAo longo do tempo, o sistema vida prisional, como dão a deten- tema, que possibilita a identificatomou proporções que transcen- tos acesso a documentos idôneos ção do atendido, a emissão de sua dem essas atividades de identifica- de forma rápida e segura. identidade, a individualização e a ção e emissão de carteiras de identiO Tribunal de Justiça, a Vara continuidade do atendimento sodade. Não apenas por abranger hoje de Execução Penal e as Varas Cri- cioeducativo, que antigamente era metade da população do estado, já minais são usuárias relevantes do prejudicado pela dificuldade de se identificada na base de dados bio- sistema, à medida que acessam identificar o jovem nas diferentes métricos, ou pela universalidade, prontuários criminais digitais e unidades do órgão. Os estudantes amplitude do atendimento e volu- identificam detentos que precisam da rede pública do estado também me de sua base de dados, mas, espe- se apresentar em audiências e cum- estão cadastrados no sistema, de cialmente, pela forma como ele tem prir exigências judiciais. modo que a emissão da carteira de sido integrado à gestão pública de A área de assistência social é outra identidade possa ser feita de madiversos setores governamentais. beneficiada, uma vez que todo o seu neira mais rápida. Na área criminal, por exemplo, trabalho tende a ficar paralisado sem A integração com cartórios investigações são conduzidas com uma devida identificação dos cidadãos também é fundamental. Registros mais efetividade, pois investigado- que estão sendo beneficiados. A popu- de óbito e de nascimento expedires e delegados têm acesso à base de lação de rua atendida pela Fundação dos pelos cartórios são informadados para pesquisa de latentes na Leão XIII, por exemplo, é identificada, dos e inseridos no SEI. No caso identificação de pessoas. Uma vez tem impressões digitais colhidas e seu de nascimentos, o recém-nascido fotografados, imagens registro civil encontrado para ganha imediatamente o futuro » » INTEGRAÇÃO que caracterizem o que seja devidamente identifi- registro civil que estará em sua criminoso como ci- DO SISTEMA cada e possa, inclusive, ganhar carteira de identidade anos mais catrizes, tatuagens e ESTADUAL DE nova via de sua documentação tarde. No caso de óbitos, o regisIDENTIFICAÇÃO mutilações podem ser para que o atendimento seja tro na base de dados evita fraudes indexadas ao registro DO RIO DE individualizado. e abusos diversos. do indivíduo. O siste- JANEIRO ma provê ainda inteUnidades gração com prontuáprisionais Postos de Delegacias rios criminais digitais, identificação civil de Polícia dando rápido acesso e busca às forças de segurança do estado. IFP Instituto Tribunal de Justiça O sistema tamMILHÕES Félix Pacheco bém é usado para e Ministério Público de identificações com a identificação de biometria (foto, digitais Fundação Leão presos. Só com uso Cartórios e assinatura) XIII (população da identificação bio(nascimentos e métrica, gestores de rua) óbitos) MILHÕES de públicos conseguem Antigas identificações garantir que não haja (Base biográfica) Secretaria de equívocos na detenPDF (Polícia Estado de Educação ção, na remoção e até Federal) (estudantes) mesmo na libertação de pessoas. VisitanDegase (assistência a Secretaria Nacional de tes de presos são readolescentes) Segurança Pública gistrados, tanto na

7,5

9,6

64 |

digital


A integração com as bases nacionais do Infoseg, da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), é outro benefício do sistema que, em tempo real, faz a alimentação das identificações e outras informações na base nacional. Com bases sólidas em termos tecnológicos, operacionais e de segurança das informações, o sistema hoje atende, com postos de identificação, a todos os municípios do estado, Secretarias de Estado de Segurança Pública e de Administração Penitenciária, Polícia Civil, Delegacias de Polícia, Unidades Prisionais, Tribunal de Justiça, Varas Criminais, Vara de Execução Penal, Degase, Fundação Leão XIII, Secretaria de Estado de Educação, Ministério Público, Defensoria Pública e outros. O Sistema está sendo também estendido para universalizar o atendimento com a instalação de postos tipo Poupa Tempo, em que carteiras de identidade podem ser obtidas em até quatro horas ou em média 24 horas. Cerca de 100 uni-

dades de identificação do Detran/ RJ já funcionam em modo on-line, com leitores biométricos e fotografia digital, e todas as outras 70 estão sendo transformadas para esse modo de operação em 2010. Muitos serviços aos cidadãos são hoje também providos via internet, como agendamento, prépreenchimento do pedido de carteira, atestado de antecedentes, busca de dados de identificação e certidões, acompanhamento da tramitação de pedidos, consultas sobre extravio, roubo ou furto de documentos, carteiras achadas e perdidas, entre outros. O sistema de identificação representa hoje uma solução de governo eletrônico (e-government), reconhecida e divulgada em nível internacional. Em 2007, a Montreal Informática recebeu o prêmio Inovação, na categoria Governo Eletrônico da RioInfo-2007, por essa solução. A Montreal comercializa uma solução de identificação, desenvolvida com esses conceitos e funcionalida-

des, também com a tecnologia Afis da Dermalog, implementada em base tecnológica computacional diferenciada, com possibilidades de modularização e de customização. Essa solução, com o nome comercial de IdNet, já está instalada nos estados do Acre, Alagoas, Amazonas, Ceará, Pernambuco, Piauí e Roraima, que contam assim com os mesmos recursos avançados de identificação humana. A Montreal Informática atua no mercado de Tecnologia da Informação desde 1987 e se consolidou ao longo desse tempo como uma das maiores empresas do setor. A empresa tem 1,7 mil colaboradores espalhados pelo Brasil sob gerência de quatro escritórios regionais, no Rio, São Paulo, Brasília e Belo Horizonte. Sendo 100% brasileira, a empresa consolidou sua imagem como integradora de tecnologias nas áreas de Biometria e Segurança, GED/ ECM, Outsourcing, Impressão de Dados Variáveis, Crédito Imobiliário e Fábrica de Software.

»» ESTÁGIOS DO AFIS AQUISIÇÃO (Rolamento) Impressão Digital

» Captura

»

Processa

Impressão Digital

» Captura

»

Processa

» Dados

»

»

Compara

»

Compara

»

SIM

NÃO

VERIFICAÇÃO OU IDENTIFICAÇÃO

Referências CENSI, A. C. Sistema de Identificação Civil, Criminal e Penitenciária – IdNet Brasil. In: CONGRESSO RIOINFO-2007, 2007, Rio de Janeiro, SEPRORJ, 2007 (www.seprorj.org.br)

Antonio Carlos Censi Engenheiro elétrico formado pela PUC-Rio tem mais de 30 anos de experiência em computação aplicada nas áreas de geologia, pesquisa de recursos minerais, engenharia de minas, mineração, engenharia de sistemas elétricos, sistemas computacionais, sistemas de tratamento e processamento de imagens e sistemas de

identificação, com uso de tecnologia biométrica. Participou da implantação, principalmente na arquitetura e implementação, dos sistemas de identificação nos 8 estados no Brasil que tem o sistema de identificação da Montreal Informática instalado. É responsável pela área de tecnologia da Montreal Informática, onde atua desde 1997.

abril-maio-junho 2010 | 65


CASO

RESUMO O Documento Personal de Identificación (DPI) da República da Guatemala representa um importante desenvolvimento na evolução da segurança de documentos em Registros Civis da América Latina. No decorrer deste ano e em antecipação às próximas Eleições Nacionais, o DPI será emitido para cada cidadão adulto. Este documento é importante por ser o único documento permitido por lei para ser usado como identificação do eleitor para a eleição supracitada.

PALAVRAS-CHAVE RG nacional, cartão inteligente, interoperabilidade, padronização, credencial física

ABSTRACT The Documento Personal de Identificacion (DPI) from the Republic of Guatemala represents a significant development in the evolution of document security within Civil Registries within Latin America. Over the course of this year and in advance of the next National Election, the DPI, will be issued to every adult citizen. This document is significant in that it will be the only document allowed by law to be used as voter identification for said election.

KEYWORDS National ID, smart card, interoperability, standardization, physical credential.

66 |

digital

RG nacional da República da Guatemala Aplicativos adicionais também foram disponibilizados para apoiar potenciais futuros programas como benefícios sociais e de voto

O

Documento Personal de Identificación (DPI) da República da Guatemala

representa um desenvolvimento significativo na evolução da segurança dos documentos em Registros Civis na América Latina. Ao longo deste ano e antes da próxima eleição nacional, o DPI será emitido para cada cidadão adulto. Esse documento é importante na medida em que será o único permitido pela legislação para ser usado como identificação do eleitor para a referida eleição. O sistema de gerenciamento de identidade a ser utilizado exige que todos os cidadãos da Guatemala (adultos e menores), bem como cidadãos estrangeiros residentes, inscrevam-se pessoalmente nos escritórios de Registro Civil em todo o país, forneçam a documentação existente para apresentar prova de identidade, e forneçam seus dados biométricos de impressão digital e facial, como parte do processo de coleta de dados.

Os documentos de registo são revisados por funcionários competentes para determinar se eles não são falsos. Após a adjudicação do pedido e análise da qualidade dos dados biométricos e informações pessoais identificáveis de precisão, os dados são transmitidos em segurança para uma instalação centralizada de personalização para a produção de cartão. A credencial em si utiliza algumas das mais modernas tecnologias disponíveis no mundo de hoje para garantir sua inviolabilidade. O chip inteligente dentro do cartão utiliza validação biométrica de bordo, bem como um modelo de dados padronizado (baseado no mesmo modelo utilizado para passaportes), com um módulo de segurança de hardware que tenha sido certificado pelo governo dos Estados Unidos (FIPS 140-2) . Aplicativos adicionais também foram disponibilizados para apoiar potenciais futuros programas, tais como benefícios sociais e de voto. Isso representa um avanço fundamental para garantir que o governo possa prestar serviços sociais mais


FOTO: DIVULGAÇÃO

facilmente à »» IDENTIDADE sua população NACIONAL DA por meio de GUATEMALA uma infraestrutura existente, em vez de exigir a outro sistema redundante. A credencial física é projetada para durar até dez anos e foi testada por laboratórios externos para assegurar que possam atender a realidade do clima da Guatemala e uso pesado pelo titular do cartão. Ele também contém alguns dos mais recentes recursos de segurança física, tais como Changeable Laser Image (imagem laser mutável), hologramas e outras características tamper resistentes tornando-se altamente difíceis de falsificar. Uma vez que o próprio cartão é fisicamente personalizado, será então revisado por uma equipe de inspeção interna para garantir a

qualidade e precisão do produto. O documento é então enviado de forma segura para o centro local onde o cartão é fornecido ao requerente para o uso final. Um dos elementos chave do cartão, como parte de um plano para aumentar a segurança e privacidade, é a utilização da validação biométrica de bordo (on-card). Ao utilizar esse tipo de sistema, o indivíduo precisa validar a sua biometria em um banco de dados. Isso evita uma potencial incapacidade de usar a credencial quando o banco de dados centralizado estiver inacessível. O movimento pelo Registro Nacional de las Personas de um documento de papel para um documento de credencial em cartão inteligente é uma mudança fundamental e um importante exemplo na América Latina. Ao utilizar normas internacionalmente reconhecidas como parte do estabelecimento da segurança e da arquitetura de workflow. O Registro Nacional foi capaz de criar uma infraestrutura que permite a interoperabilidade de entidades do setor público e privado no país (e fora) para validar o cartão eletroni-

camente. Além disso, por meio da integração de requisitos adicionais na credencial, o Governo da Guatemala passou a ter novas oportunidades comerciais que ajudam a modernizar a infraestrutura existente e garantir que eles são capazes de oferecer serviços do governo com maior rapidez, reduzir a incidência de documentação fraudulenta em outros programas (como passaportes, carteiras de motorista, etc.) Além disso, utilizando uma credencial validada pelo armazenamento do certificado digital, a autenticidade do documento é reforçada ainda mais. Outros setores da economia na Guatemala estão se movendo atualmente no sentido de implementar uma infraestrutura para suportar a validação eletrônica da própria credencial. As implementações iniciais que incluem software e tecnologia de leitura estão sendo implantadas. Uma das prioridades mais altas no interior do país será a de garantir que todas as agências do governo serão capazes de validar eletronicamente a credencial, seguidas de perto pelas instituições financeiras.

BIBLIOGRAFIA “Sobre Personal Identity Verification (PIV) of Federal Employees and Contractors.” NIST.gov - Computer Security Division - Computer Security Resource Center. Ed. NIST (National Institute of Standards and Technology). NIST (National Institute of Standards and Technology), 24 July 2004. Thrs. 1 Apr. 2010. - http://csrc.nist.gov/groups/SNS/piv/index.html Henderson, Oscar F. “Easy Marketing Extend Identity.” ElPeriodico Guatemala 14 Nov. 2008. ElPeriodico De Guatemala. Cnn of Guatemala, 14 Nov. 2008. Thrs. 1 Apr. 2010. - http://www.elperiodico.com.gt/es/20081114/pais/79622 “Sobre RENAP.” Registro Nacional De Las Personas - RENAP. RENAP. Web. - http://www.renap.gob.gt ”Guatemala.” U.S. Department of State. Mar. 2010. Web. 1 Apr. 2010. - http://www.state.gov/r/pa/ei/bgn/2045.htm FOTO: DIVULGAÇÃO

abril-maio-junho 2010 | 67


RESUMO O avanço da adoção do Registro de Identidade Civil (RIC) no Brasil exigirá excelente gestão de documentos e informações dos cidadãos. Alguns Estados já dispõem de casos de sucesso, que podem auxiliar a simplificar o processo de recadastramento da população. Um bom exemplo é a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP). Com know how em BPO da TCI, obteve bons resultados da implantação de metodologias e tecnologias modernas para gestão eletrônica de documentos e informações.

PALAVRAS-CHAVE Terceirização dos processos de negócio – Gerenciamento Eletrônico de Documentos – Tecnologia – Digitalização. FOTO: DIVULGAÇÃO

68 |

digital

ABSTRACT Advances in the adoption of the Register of Civil Identity in Brazil will demand excellent document management and citizen information. Some States have already had cases of success that can be a great help to simplify the process of registration of the population. A good example is the Secretariat of Public Security of São Paulo State (SSP-SP). Using TCI’s know how in BPO, this public institution got excellent results with the introduction of modern methodologies and technologies for electronic document management and information.

KEYWORDS Business Process Outsourcing – Electronic Document Management – Technology – Scanner.


CASO

Gestão eletrônica de documentos e informações dos estados é fundamental para o sucesso do RIC Alguns já dispõem de casos de sucesso, que podem auxiliar a simplificar o processo de recadastramento da população FÁBIO FISCHER

N

este ano, há uma

cumentos mais efetivo e ágil; caso

grande

expectati-

contrário, será necessário o recadas-

va de que o Brasil

tramento de toda a população. Nesse sentido, é possível a observação de algumas iniciativas em torno de aumento da eficiência e da agilidade dos processos em alguns estados. É fato que, para que o Registro de Identidade Civil (RIC) seja eficiente, será necessária uma excelente gestão eletrônica dos documentos, bem como do acervo de informações relevantes sobre os cidadãos. Em São Paulo, por exemplo, com apoio do know how da TCI, empresa entre as líderes no mercado brasileiro de desenvolvimento e implantação de soluções completas de BPO (Business Process Outsour-

evolua nos níveis

de gestão e organização das informações e documentos dos cidadãos com a adoção do Registro de Identidade Civil (RIC), que pode vir a ser um poderoso aliado no combate às fraudes e à criminalidade no país. Para a efetivação desse novo sistema, contudo, é importante que os Estados adotem medidas e projetos que tornem o gerenciamento de do-

cing; em português, Terceirização dos Processos de Negócios), houve grandes avanços entre 2004 e 2009. A TCI implantou um excelente projeto de gestão eletrônica de documentos e informações (GED) para agilizar e gerar mais segurança aos processos do Instituto de Identificação Ricardo Gumbleton Daunt (IIRGD), ligado à Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSPSP). Para alcançar os objetivos e tornar os processos mais eficientes e seguros, a empresa optou pela adoção de tecnologias e metodologias modernas, além de uma infraestrutura completa para gerenciamento físico e armazenamento de documentos e informações de forma segura, com localização adequada e acesso rápido. Para a gestão do acervo documental da SSP-SP, o projeto envolveu digitalização e gerenciamento de mais de 50 milhões de documentos do IIRGD. Entre os principais benefícios, destaque para o maior controle dos documentos e informações por parte da SSP-SP, maior agilidade abril-maio-junho 2010 | 69


ao trabalho e melhor nível de segurança contra tentativas de fraudes. Para o IIRGD, o início dos trabalhos envolveu a digitalização do legado de Registros Gerais (RGs, ou carteiras de identidade) e de prontuários criminais e a atualização do banco de dados oriundos da emissão de novos documentos e segundas vias. Nesse caso, antes de ter a empresa como parceira, o processo da Secretaria para emissão dos novos RGs, bem como da emissão das segundas vias desse documento, era todo manual, nas várias unidades do Poupatempo, e durava até 60 dias. Depois da implantação de processos inovadores e da adoção de tecnologias e metodologias modernas para esse desafio, todo o procedimento passou a ser feito em apenas algumas horas para os casos mais urgentes, e em 24 horas em situações normais, o que demonstra um grande passo para o Estado aderir de forma segura e eficiente ao RIC. Em São Paulo, no período inicial de um ano e meio no qual a TCI implantou modernas tecnologias de GED, a empresa contabilizou a digitalização de um legado de 50 milhões de RGs (deste total, entre 3,5 e 4 milhões representam prontuários criminais), a uma média de 190 mil ao dia. As imagens geradas foram disponibilizadas no sistema Content Management, que funciona como um gestor de conteúdo de fácil acesso; no ano passado, o desempenho era ainda melhor, com digitalização de 13 mil RGs ao dia. Deste total, 4 mil eram processados pela TCI e, os outros 5 mil, nas próprias unidades do Poupatempo. Outro projeto desenvolvido pela TCI para a SSP-SP, com relação ao acervo documental do Estado de São Paulo, foi a digitalização das Decas, que são as impressões digitais de todos os dedos dos presos do sistema carcerário do Estado. No período de um ano, por exemplo, foram di70 |

digital

gitalizadas 5 milhões de Decas, capturadas em alta resolução, de acordo com padrões internacionais para esse tipo de serviço. Aqui, vale frisar que a disposição das imagens das Decas no sistema, para acesso dos especialistas, torna mais ágil o andamento das investigações realizadas pela polícia. »» DESAFIOS SUPERADOS Para chegar aos serviços e soluções de BPO desenvolvidas pela TCI, a SSP-SP buscava uma companhia parceira para auxiliá-la a tornar mais ágil a sua prestação de serviços à sociedade em um cenário em que a instituição produz, absorve e mantém informações em todos os processos dos órgãos subordinados a ela. A maioria das informações em circulação, antes, encontrava-se apenas em documentos físicos (papel) e, nesse sentido, havia necessidade de tornar mais rápidos os trâmites de visualização desses dados. Para isso, as tecnologias de GED foram identificadas como excelentes opções para melhorar a gestão e tornar mais ágeis os processos internos e externos dos órgãos da SSP-SP. Para auxiliar a Secretaria a melhorar seus processos, a TCI identificou e superou muitos desafios. Ente eles, destaque para os seguintes: resolução do problema de espaço físico para armazenamento de documentos; preservação da memória documental e conhecimento institucional; segurança e acondicionamento adequado da documentação pública e das informações da SSP-SP; redução dos custos provenientes de gerenciamento inadequado da informação e da má aplicação de mão de obra; melhora do atendimento aos cidadãos do Estado; redução da vulnerabilidade às fraudes; gestão integrada de informações e documentos; e implantação de solução segura e gerenciada.

»» PROJETO COM MUITOS BENEFÍCIOS À SOCIEDADE O projeto da TCI para a SSP-SP traz muitos benefícios à sociedade. Com os processos gerenciados de maneira mais eficiente, os cidadãos ganham com a diminuição do tempo para a retirada da segunda via do RG, com a consulta on-line e com a rapidez e eficiência nas operações. À polícia, o executivo destaca como benefícios principais a agilidade dos trabalhos por meio de acesso on-line de forma eficiente ao registro criminal e civil do Estado e redução das fraudes devido a um melhor controle e gerenciamento da emissão de RGs e alguns outros processos. Ao Estado, de forma geral, gerou benefícios como diminuição das fraudes; aumento dos níveis de gerenciamento; redução dos custos; e garantia de informações críticas acondicionadas de forma adequada. »» SOBRE A TCI A TCI oferece aos seus clientes soluções completas de terceirização dos processos de negócios, que resultam na elevação de qualidade e redução de custos por meio de melhoria nas operações que não compõem o foco dos seus negócios principais. No País, é a única empresa de abrangência nacional com infraestrutura para gestão de documentos, informações e materiais de forma integrada. Para isso, dispõe de metodologias e tecnologias avançadas com certificações internacionais de qualidade e conta com uma vasta carteira de projetos privados e públicos implantados em todo o Brasil, em diversos setores. Fábio Fischer é Vice-Presidente do conselho administrativo da TCI, empresa em que atua como principal gestor estratégico e executivo. Bacharel em Direito, iniciou sua carreira na empresa em 1999 e já assumiu diversos cargos e responsabilidades na companhia, como a montagem das filiais de São Paulo, Distrito Federal e Rio de Janeiro.



72 |

digital