Page 1


EDITORIAL

Chegamos ao segundo número do Informativo Cosmos. Desde a criação do blog homônimo, foram 351 acessos (até 27/10/11), sendo: 285 do Brasil; 22 da Rússia; 20 dos Estados Unidos; 16 da Alemanha; 04 da Tailândia; 01 do Equador, do Paraguai e Argentina. Dados satisfatórios pois indicam que nosso município está circulando e isso amplia a rede de cosmonautas. Foram criadas duas novas contas, uma no Facebook e outra no Twitter. O informativo está disponível para download nos sites: SlideShare e Issuu. E já foram mais de 100 downloads. No Pensar a cidade, uma matéria sobre o ano 2012, período especial para os defensores do calendário e profecia maias e para nós, igaraçuanos. No Via poética, uma homenagem à escoteira Marisa Israel, que nos deixou recentemente. Depois faremos uma viagem no tempo sobre a história do escotismo local, que completou 40 anos de atuação, através da biografia de Chefe Narciso e pelos relatos feitos por ele sobre o grupo escoteiro. No Nossa Terra, dois alertas: o uso de herbicidas nas vegetações que crescem nas calçadas e canteiros da BR-101 em Igaraçu; e um relatório de pesquisadores da UFPE que revelou o alto teor de mercúrio em peixes do rio Goiana. Há também um Vocabulário Básico de Recursos Naturais e Meio Ambiente, esclarecendo sobre os significados de palavras do cotidiano ambiental.

Circulando!

SUMÁRIO Via poética Simplesmente Marisa.................................................. 05 Pensar a cidade Entre Maias e igaraçuanos: 2012...................................... 06 Nosso planeta Igaraçu Envenenada .................................................... 07 Memorial Igaraçu Escoteiras e Escoteiros de Igaraçu - 40 Anos (1971/2011).... 08

EXPEDIENTE O Informativo Cosmos foi idealizado e é produzido por Edmario José Batista (ED Jobat). Esse trabalho não tem vinculação política-partidária, religiosa ou filosófica.

Periodicidade: mensal Versão: colorida Tiragem: exclusivamente disponibilizado em arquivo PDF Diagramação: EDmario José Batista Colaboradores: Diego Luke Eraldo Gomes de Oliveira As matérias veiculadas nesse informativo são de responsabilidade de seus autores. Inclusive, a compilação dos textos e/ou fotos devem ter autorização oficial dos mesmos. Contatos: E-mail: informativocosmos@gmail.com Blog: informativocosmos.blogspot.com Face: face.com/infocosmos Twitter: twitter.com/Infocosmos

04


Simplesmente Marisa Poema em homenagem à escotista Marisa Israel (Nascida em 22/09/1973 e falecida em 13/09/2011) Autoria: Edmario José Batista

Foto: ED Jobat e Maria Israel

Semente era teu coração onde a alegria floria entre os raiares e entardeceres de cada dia. Alegria, alegria, teu nome é Marisa. Um mar de força e dedicação. Um oceano de amor e emoção. Uma canção chamada Vida que fluía, que deixa saudades das boas lembranças. Eis aí uma criança, uma menina, uma mulher. Tudo num só corpo, numa só alma. Eterna estrela escoteira. Sempre Alerta da Alegria. Simplesmente Marisa.

05


ENTRE MAIAS E IGARAÇUANOS: 2012. Por EDmario Jobat

Todavia, o que teria Igaraçu com tudo isso falado sobre um povo centro-americano e seu sistema de medição de tempo? Tudo ou nada. Mas é inegável que temos um ponto em comum: o ano de 2012. Enquanto um movimento mundial trabalha pela adoção do Calendário das 13 luas com 28 dias, como forma de reativarmos a nossa frequência natural com o universo. Os igaraçuanos decidirão o próprio futuro coletivo nas eleições municipais. Eis o convite para nos sincronizarmos “sem os ismos” com a nossa urbe. Já experimentamos os dois lados da moeda política local. Certamente somos capazes de analisar, decidir e até optar por outras moedas. Percebe-se o forte desejo de mudança nessa decadente província lusitana de além-mar. Porém, essa consciência coletiva não passa e nem se gera no oba-oba sobre heróis mortos do passado, partidos ou figuras divididas entre aquelas que insistem que sem elas não conseguiremos e nem podemos viver; e as que dizem ser a própria representação divina na Terra, capazes de realizar o que sempre sonhamos. Quando o mago(consciência) desperta, desencadeia a cura pessoal e coletiva. Ele sabe e vive as consequências de depositar o lixo na lixeira ou jogá-lo no rio. Ele sabe por experiência que somos interligados e interdependentes; que somos uma família ampliada. Conclui também que pensar por conta própria habilita-o a olhar para os lados e construir coletiva e respeitosamente um plano de governo que pertence a ele e aos outros 102.020 munícipes, seus familiares urbanos e rurais. E que deve acompanhar a execução das suas proposições. Em 2012 poderemos sincronizar a nossa cidade e sair do julgo gregoriano: festas, papo furado, promessas e incompetências. Pois somos resultado de vários encontros genéticos e culturais. Não somos servos da coroa portuguesa e nem guardiões do mofo. Somos cidadãs e cidadãos de um município metropolitano, com 476 anos de tantas histórias e com uma natural vocação turística. E que embora se tente incutir o contrário em nosso inconsciente coletivo, NÓS PENSAMOS. E quando se pensa o mago interior desperta, cura-se e transforma-se. Se quisermos transformar, comecemos em nós mesmos, pois nossas ações são a nossa pregação. Governar uma cidade não é impor regras verticalmente. Isso é ditadura. Governar é construir horizontalmente propostas coletivas que beneficiem a todos. Centralismo e grupos de supostas excelências acoloiadas (inclusive de fora) em gabinetes fechados para copiar e/ou impor modelos prontos, ou construir propostas isoladas e fantasiosas para manterem-se ou ingressar no poder, constitui-se num ultrapassado modelo de ação. Olhem para os lados.

Muito se fala sobre 2012. De livros a filmes, de movimentos à palestras e seminários. Pessoas se dedicam a entender esse próximo momento. Pela profecia maia, no sábado de 22/12/2012, um novo ciclo surgirá a partir de um raio sincronizador emitido por Kinich-Ahau(Sol). A era do medo render-se-á à harmonia universal. Contudo, esse acesso só é garantido pela tomada pessoal de consciência e de modificação das atitudes consigo mesmo, com a sociedade, com o mundo e a natureza. Para os estudiosos do calendário, desde 1999 que somos convidados a repensarmos as nossas relações internas e externas. Estamos num tempo de espelhos. Estes revelam que tudo é resultado das nossas ações. Esses 13 anos finais (1999-2012) são dedicados aos estudos, revelações e tomadas de consciência. Movimentos internacionais, regionais e locais trabalham incessantemente para trazer essa mensagem às pessoas. E uma de suas principais ações é a substituição do atual calendário gregoriano, pelo maia. O gregoriano é distorcido (anos de 365 e 366 e 12 meses de 28, 29, 30 e 31 dias, com 4 ou 5 semanas). Contrapõe-se ao fluxo natural. Pelo seu uso guerras, fomes, cobiças, materialismos e todo tipo de azar humanos se fundamentam e evoluem. Já o segundo é harmonioso (ano de 364 e 13 luas/meses com 28 dias e 4 semanas cada). Sua adoção gera equilíbrio, abertura e ampliação de consciência para uma unidade pessoal, coletiva, ambiental e universal. O ano novo ocidental é 31/12 e o maia, 25/7 (o dia fora do tempo). Pelo calendário maia estamos no ano do Mago Rítmico Branco. Esse selo se chama Ix. O mago convida ao autoconhecimento, a realizar nossos dons de cura e desenvolver ações consonantes com o ritmo universal. É o tempo de equilibrar e curar interna e externamente. Mas, esse progresso efetiva-se ao aceitamos que somos donas e donos do nosso livre-arbítrio. Quando desejamos evoluir na consciência e nas atitudes. Talvez seja esse o medo: admitir que tudo depende apenas das nossas escolhas. Desnudar-se diante de si mesmo certamente é pior que uma nudez corpórea ao meio-dia e diante de desconhecidos. Enxergar-se além dos rituais cosméticos é um momento muito impactante. O julgo diante do espelho não é divino nem jurídico e não há plateias. É pessoal. É íntimo. É perturbador. É revelador. Nesse momento somos apenas nós diante do espelho. Alguns se jogam nos braços da loucura, dos vícios e da depressão, buscando culpados. Outros compreendem o próprio potencial; assumem suas ações e resultados. Tornam-se conscientes. 06


Ação mutagênica: Ação capaz de provocar uma alteração cromossômica não detectável, conhecida como mutação genética, a qual é transmitida às gerações sucessivas de células.

IGARAÇU ENVENENADA Por EDmario Jobat Na sexta-feria, 7/10/2011 estava na Vila Saramandaia e decidi retornar à Cruz de Rebouças caminhando. Quando aproximei-me da parada de ônibus bem em frente à Facig, sentido Recife, tive a grata satisfação de rever uma grande amiga. Após algumas atualizações, percebemos a aproximação de um homem vestido na cor laranja, de máscara e borrifando um pó ou líquido esbranquiçado entre o meio-fio e parte da vegetação. Já passavam das 18h. Ele fazia seu serviço, passou ao lado de outras pessoas que esperavam o coletivo, e nem sequer pediu que o pessoal se afastasse. Ou seja, era veneno sendo borrifado à noite. Assim, cabem algumas perguntas: aquele veneno pode ser suspenso pelo ar e afetar nossa pele, olhos e respiração? E se chegar a entrar em nosso corpo? Será que o envenenamento é a melhor forma de reduzir o mato que cresce entre os canteiros da BR? E quem são aqueles laranjas noturnos? Do Dnit ou da PMIg? E qual as condições de trabalho para que eles manuseiem aquele produto perigoso? Então citadinos dessa decadente possessão lusitana de além-mar. Cuidado quando estiverem nas paradas de ônibus que têm vegetação. Podem estar envenenadas. Se o mato estiver avermelhado, pode ter certeza. Mas, falando nisso, quem autorizou tamanho crime ambiental? É nítido que se esse pessoal está trabalhando às escuras é para não chamar a atenção. E nisso, nós de chinelos caminhando por essas áreas estamos nos expondo, inclusive nos contaminando com um herbicida desconhecido para nós.

Adaptação: Capacidade que possuem os seres vivos de adquirir meios que os habilitem a viver em um novo ambiente. Adensamento (Pedologia): Redução natural do espaço poroso e o consequente aumento da densidade de camadas ou horizontes do solo, por dissecação, iluviação ou precipitação química. Quando resultante da ação antrópica é denominado compactação. Adubo orgânico: Adubo constituído essencialmente por elementos naturais (matéria orgânica decomposta, resíduos vegetais, esterco, dentre outros), isto é, sem o acréscimo de produtos químicos de origem industrial. Adutora de água potável: Denominação aplicada as canalizações dos serviços de abastecimento público destinadas a conduzir água potável, geralmente das estações de tratamento aos sistemas de distribuição, podendo, em alguns casos, conduzir água bruta potável do manancial aos sistemas de distribuição. Podem ser por recalque ou gravidade e sempre em conduto fechado.

PEIXES DO RIO GOIANA COM ALTO TEOR DE MERCÚRIO

Aeração: Oxigenação da água com a ajuda do ar. A taxa de oxigênio dissolvido, expressa em porcentagem de saturação, é uma característica representativa de certa massa de água e de seu grau de poluição.

Do site da UOL: «Um estudo desenvolvido pelo Laboratório de Ecologia e Gerenciamento de Ecossistemas Costeiros e Estuarinos da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) apontou que os peixes-espada que vivem no rio Goiana, a 62 km do Recife (PE), estão com alta concentração de mercúrio e o consumo em excesso pode causar problemas à saúde».

Afluente: Denominação aplicada a qualquer curso d'água, cujo volume ou descarga contribui para aumentar outro, no qual desemboca. Tributário. Agenda 21: Protocolo contendo uma lista de compromissos e ações, entre os quais os de reestruturar a economia, assegurando a sobrevivência humana digna, preservando a saúde e os recursos naturais do planeta, objetivando o Desenvolvimento Sustentável. O protocolo foi assinado por mais de uma centena de países, incluindo o Brasil, durante a Conferência de Cúpula da Organização das Nações Unidas(ONU), ocorrida na cidade do Rio de Janeiro, no ano de 1992 - a Rio 92.

Saiba mais pelo link: http://noticias.uol.com.br/cotidiano/2011/10/27/pesqui sa-aponta-excesso-de-mercurio-em-peixes-espada-do-riogoiana-pe.jhtm

VOCABULÁRIO BÁSICO DE RECURSOS NATURAIS E MEIO AMBIENTE Ação antrópica: Qualquer atividade desenvolvida pelo homem sobre o meio ambiente, independentemente de ser maléfica ou benéfica. ação bioquímica Modificação química resultante do metabolismo de organismos vivos.

Fonte: Vocabulário Básico de Recursos Naturais e Meio Ambiente - 2ª ed. IBGE, 2004. 07


ESCOTEIRAS E ESCOTEIROS DE IGARAÇU - 40 ANOS (1971/2011) O saudoso Narciso Félix de Araújo, conhecido carinhosamente como Chefe Narciso chegou em nossas terras com uma missão: estruturar as bases do movimento escotista local. Ele partiu em 28/10/2003, um dia antes de completar 70 anos. Mas seu legado continua. Em 2011 o grupo escoteiro que hoje tem merecidamente o nome de Narciso Félix de Araújo, completou 40 anos de atividades. No Memorial Igaraçu vamos resgatar duas histórias: a de Narciso, na coluna esquerda; e a do grupo, relatada por ele mesmo em 27/01/2000.

BIOGRAFIA DE NARCISO FÉLIX DE ARAÚJO Nasceu aos 29 de outubro do ano de 1933, em Brejo da Madre de Deus, cidade do agreste pernambucano. Filho legítimo de José João de Araújo e D. Rosa Bezerra de Araújo. Iniciou seus estudos numa escola particular do município. Já então desenhava bem e pintava com lápis cera e de cores. Esculpia em umburana com uma velha faca, pois não conhecia as ferramentas apropriadas. Em 1946, quando tinha 13 anos, seus pais se mudaram para a vila de Xucurú, município de Belo Jardim, onde continuou desenvolvendo suas habilidades. Quando completou 18 anos, em 1951, por iniciativa de amigos viajou para o Rio de Janeiro, então Distrito Federal. Naquela cidade dividia o tempo com o trabalho e o estudo. Aprendeu a profissão de armador e, em 1954 foi contratado pela Companhia Construtora Nacional para trabalhar em Copacabana. Anos depois, em 1956, foi transferido para a armação do MUSEU DE ARTE MODERNA, que estava sendo construído no aterro do Flamengo.

08


ESCOTEIRAS E ESCOTEIROS DE IGARAÇU - 40 ANOS (1971/2011) Fez o curso de desenho artístico e natureza morta no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro com o professor Flávio Barreto. Na Sociedade Brasileira de Belas Artes, fez o curso de nu artístico, anatomia da arte e paisagismo, com o professor José Maria, português casado com uma pianista pernambucana. Aos 27 anos de idade, em 1960, resolveu visitar os seus genitores que há muito não via. Nesta época eles moravam em Arcoverde – sertão do Estado. A pedido de sua mãe, decidiu não mais voltar para o Rio de Janeiro. Em 1961, aos 28 anos, assume a direção da Agência Arco Verde de Transportes de Cargas, onde, depois de saneá-la e pô-la em ordem, é transferido para a filial de Caruaru, que estava numa desorganização. Em 1963 é transferido para a matriz no Recife. Neste ano, de 1963, visita Igarassu e fica encantado com sua beleza e história. Neste mesmo ano ingressa no Movimento Escoteiro, tendo feito sua promessa no Grupo D. Vital nº 05, na igreja da Penha e, logo depois, ingressou no Teatro Equipe do Recife e na Sociedade Lírica de Pernambuco, como cantor lírico. Na União dos Escoteiros do Brasil (U.E.B.) – PE, ocupou vários cargos: Comissário Viajante, Comissário Distrital e Comissário para a Área Metropolitana. Em 15 de novembro de 1969 fundou o Grupo de Escoteiros Almirante Barroso nº 09 – PE, na cidade de Olinda. Na solenidade esteve presente o saudoso bispo D. 09


ESCOTEIRAS E ESCOTEIROS DE IGARAÇU - 40 ANOS (1971/2011) Hélder Câmara. Em 1970, o referido Grupo foi convidado pelo então prefeito Dr. Clóvis Lacerda Leite para acampar em Igarassu, aproveitando para propagar o movimento nesta cidade. Em 1971, por solicitação do Comissário Regional, na pessoa do Major Djalma, fez uma inspeção no Grupo em formação em Igarassu, onde encontrou tudo errado. Por solicitação do prefeito Dr. Clóvis Lacerda, assumiu a direção do mesmo e em 25 de setembro de 1971, ao meio dia, em frente à Casa de Câmara e Cadeia, com a presença das autoridades e pais dos primeiros escoteiros, foi fundado oficialmente o Grupo de Escoteiros Alfredo Bandeira de Melo nº 16 – PE, que permanece até os nossos dias, e que hoje, em justa homenagem, leva o seu nome. Do Grupo de Escoteiros, surgiram o teatro Azerutan, o canto coral, e cursos de talhas em madeira, escultura e outros tantos. Ainda no movimento escoteiro, fez os seguintes cursos: em João Pessoa – PB, Básico; em Niterói – RJ, Insígnia da Madeira para Chefe de grupo e Comissário Distrital; em Fortaleza – CE, Insígnia da Madeira para Lobinho; em Jaboatão – PE, Básico e, finalmente, no Engenho do Meio em Recife – PE, Insígnia da Madeira para Comissário. Em 1985, na Escola Santos Cosme e Damião assumiu o Programa de Desenvolvimento Integrado Arte na Educação – PRODIARTE de onde surgiu um belo artesanato de coco, cujo trabalho foi destaque em exposições realizadas no Recife, Belo Horizonte e Brasília.

10


ESCOTEIRAS E ESCOTEIROS DE IGARAÇU - 40 ANOS (1971/2011) Fez o curso de astronomia no clube Estudantil de Astronomia no Colégio São João da Várzea, onde permaneceu até o falecimento de seu fundador Pe. Jorge Pollmann em 1986. Nesse mesmo ano de 1986, fundou com um grupo de jovens o coral masculino “COROLARIUM”, que durante algum tempo abrilhantou as festividades religiosas e culturais de nossa terra. Graças ao trabalho do Chefe Narciso, muito dos nossos jovens tiveram um porto seguro, num momento em que o mundo passava por modificações que questionavam os valores familiares, religiosos e patrióticos. Com ele aprendemos a valorizar a honra, a honestidade, a família e a pátria. Não perdemos o nosso rumo, ao contrário, consolidamos nossas vocações. Em Igarassu, desde 1983, foi responsável pela decoração de todos os carnavais da cidade, função que só deixou de exercer em 1997, quando assumiu a direção do Museu Histórico. Como folião nato que era, inspirava-se nos velhos carnavais e na história da cidade e de seus personagens para realizar os seus trabalhos de decoração de rua, o que garantia um brilhantismo impar ao tríduo momesco de nossa terra. Aqui, foi professor de desenho, teatro, música, talha, restaurador e um grande incentivador da preservação da cultura e memória de nossa gente.

11


ESCOTEIRAS E ESCOTEIROS DE IGARAÇU - 40 ANOS (1971/2011) Por tudo isso, em 24 de setembro de 1989, em sessão solene na Câmara de Vereadores, recebeu o título de CIDADÃO IGARASSUENSE. À frente do Museu Histórico de Igarassu desde janeiro de 1997, iniciou, a sua própria custa, a recuperação e restauração de diversas peças que fazem parte do acervo da instituição, trabalho que mesmo aposentado desde 2001, continuou a fazer. Em 22 de setembro de 2001, realizou um dos seus mais antigos sonhos, foi iniciado como Maçom na Augusta e Respeitável Loja Simbólica Venerável Stélio Marinho Falcão, do Oriente de Igarassu. Anos mais tarde, no dia 24 de maio de 2003, por ocasião das solenidades dos 50 anos do Instituto Histórico de Igarassu recebeu o diploma de Sócio Benemérito, daquela instituição cultural. Em seguida, no dia 16 de agosto do mesmo ano, numa reunião especial do Rotarac Clube de Igarassu, recebeu o Diploma de Honra ao Mérito e o Título de Cidadão Destaque em reconhecimento das iniciativas e trabalhos realizados em favor do desenvolvimento social e cultural desta cidade. Faleceu no Recife aos 28 de outubro de 2003, sendo sepultado no Cemitério Público de Igarassu, no dia 29, quando completaria 70 anos de idade.

FONTES: BIOGRAFIA DE NARCISO, disponível em: escoteirostradicionaisdepernambuco.wordpress.com/2010/02/26/momentohistoria-narciso-felix-de-araujo/ HISTÓRICO DO GRUPO ESCOTEIRO MANUSCRITO E DIGITALIZADO: Acervo pessoal de EDmario Jobat 12

Cosmos 002  

Informativo Cosmo 002 -out-2011

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you