Page 1

NEUROCIÊNCIAS - PSICOBIOLOGIA

BIOLOGIA NEURONAL

.

SÉRIE PREPARATÓRIA PARA O MESTRADO E DOUTORADO EM PSICOLOGIA CLÍNICA SÍNDROMES – Segunda Parte

TOMO III Professor César Augusto Venâncio da Silva


NEUROCIÊNCIAS PSICOBIOLOGIA Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico. VOLUME II


Serotonina. Serotonina.

NEUROCIÊNCIAS - PSICOBIOLOGIA BIOLOGIA NEURONAL. SÉRIE PREPARATÓRIA PARA O MESTRADO E DOUTORADO EM PSICOLOGIA CLÍNICA SÍNDROMES – Segunda Parte – Volume II TOMO III Professor César Augusto Venâncio da Silva

1.a Edição Outubro de 2012 Fortaleza-Ceará-Brasil


“Assim podemos direcionar nossa tese futura no sentido de definir a DEFICIÊNCIA INTELECTUAL como um conjunto de síndromes que incorpora a incapacidade funcional neurotramissora limitada, com ou sem incapacidade clínica. Sendo que ela está presente em deficiências mental funcional do processo de cognição, e que se classifica como leve. Entre o conjunto de síndromes classificadas dentro da Deficiência Intelectual temo: DÉCIFIT DISLEXIA

(DIFICULDADE

(DIFICULDADE DE

DE ATENÇÃO E DESORDEM (ADD) EM

LEITURA)

DISCALCULIA

APRENDIZAGEM), dificuldades na: MEMÓRIA;

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS; ATENÇÃO; COMPREENSÃO VERBAL, DE LEITURA E LINGÜÍSTICA; COMPREENSÃO MATEMÁTICA E COMPREENSÃO VISUAL” Professor César Venâncio - Pesquisador


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

5

A Síndrome de Savant – Intelectuaql com retardo menta?!

“Sentimento é aquilo que só nós sentimos, mas quando o exprimimos, é o mesmo que todos sentem". Dante Milano (1899) Poesia e Prosa.

“Cultura: Sem o homem

certamente não haveria cultura, mas do mesmo modo, e mais significativamente, sem cultura não haveria o homem". Clifford Geertz Experiência. "Experiência não é o que aconteceu com você,mas o que você fez com o que lhe aconteceu". Aldous Huxle (1894-1963)y

A Síndrome de Savant é considerada um distúrbio psíquico com o qual a pessoa possui uma grande habilidade intelectual aliada a um déficit de inteligência. As habilidades savants são sempre ligadas a uma memória extraordinária, porém com pouca compreensão do que está sendo descrito. Os portadores de Síndrome de Savant são um mistério que fascina e intriga a ciência. Donos de uma memória extraordinária – são capazes de decorar livros inteiros depois de uma única leitura ou tocar uma música com perfeição após a primeira audição –, eles possuem ao mesmo tempo sérios défices de desenvolvimento, como uma grande dificuldade para falar e se relacionar socialmente. A síndrome costuma aparecer em dez por cento dos autistas e também dois por cento das pessoas que sofrem algum tipo de dano no cérebro, provocado por acidente ou doenças. O mais famoso savant do mundo, o americano Kim Peek, que inspirou o director Barry Levinson a fazer o filme Rain Man, aprendeu a ler aos 2 anos e sabia de cor mais de 7.500 livros(2009, Ele faleceu aos 59 anos). Professor César Venâncio.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

6

Pesquisa liga idade avançada dos pais a risco de autismo e esquizofrenia nos filhos. Segundo os pesquisadores, homens mais velhos têm maior risco do que os jovens de conceber um filho com autismo ou esquizofrenia, por causa de mutações aleatórias mais numerosas que acumulam. Um estudo publicado na revista “Nature” é o primeiro a quantificar esse efeito a cada ano. A idade da mãe não teve influência nesses transtornos, segundo a pesquisa. Especialistas afirmam que o achado não é motivo para desistir da paternidade tardia. O risco para um homem com 40 anos ou mais é de 2% no máximo e há outros fatores biológicos desconhecidos que podem influenciar o desenvolvimento de autismo e esquizofrenia nos filhos. O novo estudo dá apoio ao argumento de que o crescimento dos diagnósticos de autismo nos últimos anos se deve em parte ao aumento da idade dos pais, fator que poderia responder por até 30% dos casos. O resultado também contraria o entendimento de que a idade da mãe é o fator mais importante para o desenvolvimento de transtornos do desenvolvimento em crianças. O risco de anormalidades cromossômicas, como síndrome de Down, aumenta quando a mãe é mais velha. Mas quando se fala de problemas psiquiátricos e de desenvolvimento, o risco genético vem do espermatozóide, não do óvulo, segundo a pesquisa. RISCO. Trabalhos anteriores já haviam sugerido essa relação, mas o novo estudo quantifica o risco pela primeira vez, calculando quanto ele se acumula a cada ano. Em média, uma criança nascida de um pai de 20 anos tem 25 mutações aleatórias que podem ser atribuídas ao material genético paterno. A cada ano a mais do pai, há duas mutações extras. Filhos de homens de 40 anos têm 65 mutações. O número médio de mutações vindas da mãe foi de 15, independentemente da idade. “Esse estudo dá uma das primeiras evidências sólidas de um real aumento dos números do autismo” - Fred Volkmar, diretor do Centro de Estudos da Criança da Escola de Medicina de Yale, não envolvido com a pesquisa. O trabalho, liderado pela empresa islandesa deCODE Genetics, analisou material genético do sangue de 78 trios de pai, mãe e filho. Eles se concentraram em famílias em que pais sem sinais de doença mental conceberam crianças que desenvolveram autismo


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

7

ou esquizofrenia. Essa abordagem permitiu aos cientistas isolar novas mutações em genes da criança, que não estão presentes nos pais. A maioria das pessoas tem esse tipo de mutação, que ocorre de forma espontânea na concepção ou perto dela. Em geral, as alterações são inofensivas. Mas estudos recentes sugerem que muitas dessas mudanças podem aumentar muito o risco de autismo e esquizofrenia. DIFERENÇAS ENTRE PAI E MÃE. As diferenças entre o lado materno e paterno são esperadas. Os espermatozóides são formados a cada 15 dias, enquanto que os óvulos são estáveis. As cópias contínuas levam a erros no DNA. Mesmo assim, quando os pesquisadores removeram o efeito da idade paterna, não encontraram diferenças no risco genético entre os que tinham diagnóstico de autismo ou esquizofrenia e um grupo-controle que não teve. “É incrível que a idade do pai seja responsável por todo esse aumento de risco, dada a possibilidade dos fatores ambientais e a diversidade da população”, afirmou Kari Stefansson, líder do estudo. “Também é surpreendente o pouco efeito da idade da mãe.” Ela afirmou que faz sentido que essas mutações tenham um papel importante em problemas cerebrais. Ao menos 50% dos genes ativos têm alguma função no desenvolvimento neural, então alterações aleatórias têm mais chance de afetar o cérebro do que outros órgãos. Essas mutações podem responder por 15% a 30% dos casos de autismo e talvez esquizofrenia. Os demais casos seriam resultado de outras mutações hereditárias e fatores ambientais ainda em estudo. INCONSISTÊNCIAS E IMPLICAÇÕES. Mas a idade do pai sozinha não explica o aumento nos casos de autismo. Nos EUA, por exemplo, a taxa de nascimento de filhos com pais maiores de 40 anos aumentou mais de 30% desde 1980, mas os diagnósticos de autismo foram multiplicados por dez, chegando a um caso por 88 crianças, segundo os dados mais recentes. Não há dados mostrando um aumento nos diagnósticos de esquizofrenia no período. Se os resultados desse estudo se confirmar e forem estendidos a outros problemas mentais, a coleta e o congelamento de espermatozóides de homens jovens para uso futuro pode se tornar uma decisão individual vantajosa, segundo Alexey Kondrashov, da Universidade de Michigan, que assina um editorial sobre o estudo na “Nature”. O professor Evan Eichler, que ensina ciências do genoma na Universidade de Washington, relativiza.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

8

“Alguns homens podem ver isso e pensar: ‘Quer dizer que vou precisar ter todos os meus filhos enquanto for jovem e bobo?’ Claro que não. A maioria dessas mutações não causa nada e há muitos homens de 50 anos com filhos saudáveis.”

Mutações Aleatórias. “Todos os cientistas concordam que a evolução ocorreu… A questão é: a seleção natural é suficiente para explicar a evolução?… Este é o problema que tenho com o neo-darwinistas: Eles ensinam

que

o

que

gera

a

novidade

é

a

acumulação de mutações aleatórias no DNA, numa direção definida pela seleção natural… A seleção natural elimina e talvez mantenha, mas ela não cria... Ensinaram-me uma e outra vez que o

acumulo

mudança

de

mutações

evolucionária

aleatórias conduziu

levou a

à

novas

espécies. Bióloga Lynn Margulis critica o neodarwinismo.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

9

Da obra. Objetivo. O presente e-book tem por objetivo geral proporcionar ao autor e seus discentes do EAD, através de informações científicas e atualizadas, oportunidades de revisão e fixação de aprendizagens sobre os fenômenos sociais que classificam a compreensão da psicologia em suas várias dimensões. Esse é o Tomo III, Volume II, se rotula como

SÍNDROMES COM REPERCUSSÃO NA DEFICIÊNCIA INTELECTUAL, DISTÚRBIOS E TRANSTORNOS NEUROPSICOLÓGICOS. Segunda parte. Nesse Tomo III iniciaremos as discussões em relação às dificuldades de aprendizagens. Inicio assim as bases doutrinárias e referencia para promover as pesquisas para uma proposta concreta de tese de doutorado do autor que vai se estabelecer

em

conceituações que passa pela definição seguinte: “Assim podemos direcionar

nossa

tese

futura

no

sentido

de

definir

a

DEFICIÊNCIA

INTELECTUAL como um conjunto de síndromes que incorpora a incapacidade

funcional neurotramissora limitada, com ou sem

incapacidade clínica. Sendo que ela está presente em deficiências mental funcional do processo de cognição, e que se classifica como leve. Entre o conjunto de síndromes classificadas dentro da Deficiência Intelectual temo: DÉCIFIT

DE ATENÇÃO E DESORDEM (ADD) DISLEXIA

(DIFICULDADE EM LEITURA) DISCALCULIA (DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM), dificuldades na: MEMÓRIA; RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS; ATENÇÃO; COMPREENSÃO VERBAL, DE LEITURA E

LINGÜÍSTICA;

COMPREENSÃO

MATEMÁTICA

E

COMPREENSÃO VISUAL” Os demais Tomos dessa série, cujo projeto prevê 24, já foram lançados os Tomos I, II e agora III, faltam 21 tomos, abordaremos a neurociência dentro de uma visão que levará o autor a submeter-se a bancas examinadoras para futuros títulos de mestre e doutor. A presente obra como projeto de MESTRADO e DOUTORADO direto, que se próspera no seu planejamento resultarará em dissertações e teses no campo da pesquisa em MAPEAMENTO CEREBRAL com aplicações na busca da identificação das dificuldades de aprendizagem e sua aplicação prática na Clínica Psicopedagógica. Aos leitores, data vênia não estranhe, pois o


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

10

Mestrado é o primeiro nível de um curso de pós-graduação stricto sensu, que tem como objetivo, além de possibilitar uma formação mais profunda, preparar professores para lecionar em nível superior, seja em faculdades ou nas universidades e promover

atividades de pesquisa. Um curso de pós-graduação se destina a formar pesquisadores em áreas específicas do conhecimento. Seu passo seguinte será o

doutorado, onde se capacitará como um pesquisador, assim como as suas especializações, o Pós-Doutorado e/ou a livre-docência.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

11

Do autor. A presente obra é parte de um projeto de MESTRADO e DOUTORADO direto, que se próspera no seu planejamento 24 tomos. Nessa data se faz publicar o Tomo III – Que descreve a Segunda Parte da Temática: NEUROCIÊNCIAS – PSICOBIOLOGIA BIOLOGIA NEURONAL - SÉRIE PREPARATÓRIA PARA O MESTRADO E DOUTORADO EM PSICOLOGIA CLÍNICA - SÍNDROMES – Segunda Parte. TOMO III - Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico. TOMO III – VOLUME II. O autor é pesquisador em


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

12

MAPEAMENTO CEREBRAL, com vários trabalhos, e-books publicados na rede mundial de computadores.

César Augusto Venâncio da Silva. Professor de Biologia. Professor Pesquisador em Educação Especial(2007-2012), Historiador licenciado pela Universidade Estadual Vale do Acaraú. Psicopedagogo. Psicanalista,

Diretor

do

CENTRO

DE

ATENDIMENTO

EDUCACIONAL

ESPECIALIZADO. Vice Presidente do INESPEC – Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura – 2007-2013. Coordenador da EDUCAÇÃO CONTINUADA do INESPEC. Docente Titular no Curso Auxiliar de Laboratório de Análises Clínicas http://inespecauxiliarlaboratorioead.webnode.com/ - Licenciando em Biologia na Faculdade Integrada da Grande Fortaleza – Ceará. Diretor da REDE VIRTUAL INESPEC

RÁDIO

Administrador

WEB

do

INESPEC.

Blog:

Prof.

http://nucleodeproducaorrtvinespec.blogspot.com/.

César

Venâncio

-

EAD

-

http://wwwcesarvenancioemns.blogspot.com/. Jornalista Profissional – Licença número 2881 – Ministério do Trabalho – Superintendência Regional do Trabalho – SRT/MTbCeará. Professor de Sociologia (2009-2010) Escola Estadual Michelson Nobre da Silva – Ensino Médio. Professor de Filosofia(2009-2010) Escola Estadual Michelson Nobre da Silva – Ensino Médio. Professor de História(2009-2010) Escola Estadual Michelson Nobre da Silva – Ensino Médio e Fundamental II. Professor de Geografia(2009-2010)

Escola

Estadual

Michelson

Nobre

da

Silva

Ensino

Fundamental II . (http://wwwcesarvenancioemns.blogspot.com.br/2010/05/primeiro-ano-do-ensino-medio-eemfmns.html) (http://wwwcesarvenancioemns.blogspot.com.br/2010/05/projeto-de-curso-filosofia-para-o.html)

Professor

da

Educação

INESPEC/EDUCAÇÃO

Especial

ESPECIAL

Autismo

(Educação

e

Deficiências

Especial

-

Intelectuais. Pós

Graduação

Aperfeiçoamento – 2010, 2011 e 2012) https://www.buzzero.com/cursos-online-de-medicina-e-saude/curso-online-introducao-ao-autismo-i_2010

. http://professorcesar2009.no.comunidades.net/index.php?pagina=1294423944 http://professorcesar2009.no.comunidades.net/

-


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

13 Professor na Escola De Ensino Fundamental Dr Tomás Pompeu de Souza Brasil – ANOS: 2008-2009. SESI/BARRA DO CEARÁ – Disciplina História (8.o. e 9.o. anos). Professor na Escola De Ensino Fundamental Dr Tomás Pompeu de Souza Brasil – ANOS: 2008-2009.

SESI/BARRA DO CEARÁ – Disciplina: Geografia (8.o. e 9.o.

anos). http://professorcesar2009.no.comunidades.net/index.php?pagina=1242304804 Professor na Escola De Ensino Fundamental Dr Tomás Pompeu de Souza Brasil – ANOS: 2008-2009. SESI/BARRA DO CEARÁ – Disciplina: Educação Religiosa (9.o. anos). Professor na Escola De Ensino Fundamental Dr Tomás Pompeu de Souza Brasil – ANOS: 2008-2009. SESI/BARRA DO CEARÁ – Disciplina: Artes (8.o. e 9.o. anos). Professor na Escola De Ensino Fundamental Dr Tomás Pompeu de Souza Brasil

ANOS:

2008-2009.

SESI/BARRA

DO

CEARÁ

Empreendedorismo (9.o. ano).

2012. PRIMEIRA EDIÇÃO. Editora Free Virtual. INESPEC – 2012 - Fortaleza-Ceará. 1.a. Edição – Outubro.

Disciplina:


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

14

Professor César Augusto Venâncio da Silva - Licença Creative Commons AttributionsShare Alike 2.5 - Registro INPI 06589-1

Você tem a liberdade de: Compartilhar — copiar, distribuir e transmitir a obra; Remixar — criar obras derivadas. Fazer uso comercial da obra sob as seguintes condições: Atribuição — Você deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra). Compartilhamento pela mesma licença — Se você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob uma licença similar o presente. Ficando claro que: Renúncia — Qualquer das condições acima pode ser renunciada se você obtiver permissão do titular dos direitos autorais. Domínio Público — Onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença. Outros Direitos — Os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença: Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis; Os direitos morais do autor; Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade. Aviso — Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os termos da licença a que se encontra submetida esta obra. A melhor maneira de fazer isso é com um link para esta página, que estou publicando na internet, e referenciando aqui:

Este obra foi licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Compartilha. Igual. 2.5 Brasil.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

15 <a rel="license" href="http://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.5/br/"><img alt="Licença Creative Commons"

style="border-width:0"

/></a><br

/>Este

obra

foi

src="http://i.creativecommons.org/l/by-sa/2.5/br/88x31.png" licenciado

sob

uma

href="http://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.5/br/">Creative

Licença Commons

<a

rel="license" Atribuição-

CompartilhaIgual 2.5 Brasil</a>.

AUTORIZAÇÃO PARA USO EM 99 PAÍSES POR CONTA DA DISTRIBUIÇÃO VIA BLOGS E SITES DA REDE VIRTUAL INESPEC. LICENÇA INTERNACIONAL

Atribuição - Compartilhamento pela mesma licença 2.5 A INSTITUIÇÃO CREATIVE COMMONS NÃO É UM ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA E NÃO PRESTA SERVIÇOS JURÍDICOS. A DISTRIBUIÇÃO DESTA LICENÇA NÃO ESTABELECE QUALQUER RELAÇÃO ADVOCATÍCIA. O CREATIVE COMMONS DISPONIBILIZA ESTA INFORMAÇÃO "NO ESTADO EM QUE SE ENCONTRA". O CREATIVE COMMONS NÃO FAZ QUALQUER GARANTIA QUANTO ÀS INFORMAÇÕES DISPONIBILIZADAS E SE EXONERA DE QUALQUER RESPONSABILIDADE POR DANOS RESULTANTES DO SEU USO. Licença. A OBRA (CONFORME DEFINIDA ABAIXO) É DISPONIBILIZADA DE ACORDO COM OS TERMOS DESTA LICENÇA PÚBLICA CREATIVE COMMONS ("CCPL" OU "LICENÇA"). A OBRA É PROTEGIDA POR DIREITO AUTORAL E/OU OUTRAS LEIS APLICÁVEIS. QUALQUER USO DA OBRA QUE NÃO O AUTORIZADO SOB ESTA LICENÇA OU PELA LEGISLAÇÃO AUTORAL É PROIBIDO.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

16

AO EXERCER QUAISQUER DOS DIREITOS À OBRA AQUI CONCEDIDOS, VOCÊ ACEITA E CONCORDA FICAR OBRIGADO NOS TERMOS DESTA LICENÇA. O LICENCIANTE CONCEDE A VOCÊ OS DIREITOS AQUI CONTIDOS EM CONTRAPARTIDA À SUA ACEITAÇÃO DESTES TERMOS E CONDIÇÕES. 1. Definições a.

"Obra Coletiva" significa uma obra, tal como uma edição periódica, antologia

ou enciclopédia, na qual a Obra em sua totalidade e de forma inalterada, em conjunto com um número de outras contribuições, constituindo obras independentes e separadas em si mesmas, são agregadas em um trabalho coletivo. Uma obra que constitua uma Obra Coletiva não será considerada Obra Derivada (conforme definido abaixo) para os propósitos desta licença. b.

"Obra Derivada" significa uma obra baseada sobre a Obra ou sobre a Obra e

outras obras pré-existentes, tal como uma tradução, arranjo musical, dramatização, romantização, versão de filme, gravação de som, reprodução de obra artística, resumo, condensação ou qualquer outra forma na qual a Obra possa ser refeita, transformada ou adaptada, com a exceção de que uma obra que constitua uma Obra Coletiva não será considerada Obra Derivada para fins desta licença. Para evitar dúvidas, quando a Obra for uma composição musical ou gravação de som, a sincronização da Obra em relação cronometrada com uma imagem em movimento (“synching”) será considerada uma Obra Derivada para os propósitos desta licença. c.

"Licenciante" significa a pessoa física ou a jurídica que oferece a Obra sob os

termos desta licença. d.

"Autor Original" significa a pessoa física ou jurídica que criou a Obra.

e.

"Obra" significa a obra autoral, passível de proteção pelo direito autoral,

oferecida sob os termos desta licença. f.

"Você" significa a pessoa física ou jurídica exercendo direitos sob esta Licença

que não tenha previamente violado os termos desta Licença com relação à Obra, ou que tenha recebido permissão expressa do Licenciante para exercer direitos sob esta Licença apesar de uma violação prévia.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

17

g.

"Elementos da Licença." significa os principais atributos da licença

correspondente, conforme escolhidos pelo licenciante e indicados no título desta licença: Atribuição, Compartilhamento pela Mesma Licença. 2. Direitos de Uso Legítimo. Nada nesta licença deve ser interpretado de modo a reduzir, limitar ou restringir quaisquer direitos relativos ao uso legítimo, ou outras limitações sobre os direitos exclusivos do titular de direitos autorais sob a legislação autoral ou quaisquer outras leis aplicáveis. 3. Concessão da Licença. O Licenciante concede a Você uma licença de abrangência mundial, sem royalties, não exclusiva, perpétua (pela duração do direito autoral aplicável), sujeita aos termos e condições desta Licença, para exercer os direitos sobre a Obra definidos abaixo: a.

Reproduzir a Obra, incorporar a Obra em uma ou mais Obras Coletivas e

reproduzir a Obra quando incorporada em Obra Coletiva; b.

Criar e reproduzir Obras Derivadas;

c.

Distribuir cópias ou gravações da Obra, exibir publicamente, executar

publicamente e executar publicamente por meio de uma transmissão de áudio digital a Obra, inclusive quando incorporada em Obras Coletivas; d.

Distribuir cópias ou gravações de Obras Derivadas, exibir publicamente,

executar publicamente e executar publicamente por meio de uma transmissão digitais de áudio Obras Derivadas; e.

De modo a tornar claras estas disposições, quando uma Obra for uma

composição musical: i.

Royalties e execução pública. O licenciante renuncia o seu direito exclusivo de coletar, seja individualmente ou através de entidades coletoras de direitos de execução (por exemplo, ECAD, ASCAp, BMI, SESAC), o valor dos seus direitos autorais pela execução pública da obra ou execução pública digital (por exemplo, webcasting) da Obra.

ii.

Royalties e Direitos fonomecânicos. O licenciante renuncia o seu direito exclusivo de coletar, seja individualmente ou através de uma entidade designada como seu agente (por exemplo, a agência Harry Fox), royalties relativos a quaisquer


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

18

gravações que Você criar da Obra (por exemplo, uma versão "cover") e distribuir, conforme as disposições aplicáveis de direito autoral. f.

Direitos de Execução Digital pela internet (Webcasting) e royalties. De

modo a evitar dúvidas, quando a Obra for uma gravação de som, o Licenciante reserva o seu direito exclusivo de coletar, sejam individualmente ou através de entidades coletoras de direitos de execução (por exemplo, Sound Exchange ou ECAD), royalties e direitos autorais pela execução digital pública (por exemplo, Webcasting) da Obra, conforme as disposições aplicáveis de direito autoral, se a execução digital pública feita por Você for predominantemente intencionada ou direcionada à obtenção de vantagem comercial ou compensação monetária privada. Os direitos acima podem ser exercidos em todas as mídias e formatos, independente de serem conhecidos agora ou concebidos posteriormente. Os direitos acima incluem o direito de fazer modificações que forem tecnicamente necessárias para exercer os direitos em outras mídias, meios e formatos. Todos os direitos não concedidos expressamente pelo Licenciante ficam aqui reservados. 4. Restrições. A licença concedida na Seção 3 acima está expressamente sujeita e limitada aos seguintes termos: a.

Você pode distribuir exibir publicamente, executar publicamente ou executar

publicamente por meios digitais a Obra apenas sob os termos desta Licença, e Você deve incluir uma cópia desta licença, ou o Identificador Uniformizado de Recursos (Uniform Resource Identifier) para esta Licença, com cada cópia ou gravação da Obra que Você distribuir, exibir publicamente, executar publicamente, ou executar publicamente por meios digitais. Você não poderá oferecer ou impor quaisquer termos sobre a Obra que alterem ou restrinjam os termos desta Licença ou o exercício dos direitos aqui concedidos aos destinatários. Você não poderá sublicenciar a Obra. Você deverá manter intactas todas as informações que se referem a esta Licença e à exclusão de garantias. Você não pode distribuir exibir publicamente, executar publicamente ou executar publicamente por meios digitais a Obra com qualquer medida tecnológica que controle o acesso ou o uso da Obra de maneira inconsistente com os termos deste Acordo de Licença. O disposto acima se aplica à Obra enquanto incorporada em uma Obra Coletiva, mas isto não requer que a Obra Coletiva, à parte da Obra em si, esteja


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

19

sujeita aos termos desta Licença. Se Você criar uma Obra Coletiva, em havendo notificação de qualquer Licenciante, Você deve, na medida do razoável, remover da Obra Coletiva qualquer crédito, conforme estipulado na cláusula 4 (c), quando solicitado. Se Você criar um trabalho derivado, em havendo aviso de qualquer Licenciante, Você deve, na medida do possível, retirar do trabalho derivado, qualquer crédito conforme estipulado na cláusula 4 (c), conforme solicitado. b.

Você pode distribuir, exibir publicamente, executar publicamente ou executar

publicamente por meios digitais uma Obra Derivada somente sob os termos desta Licença, ou de uma versão posterior desta licença com os mesmos Elementos da Licença desta licença, ou de uma licença do Creative Commons internacional (iCommons) que contenha os mesmos Elementos da Licença desta Licença (por exemplo, Atribuição-Compartilhamento pela Mesma Licença 2.5 Japão). Você deve incluir uma cópia desta licença ou de outra licença especificada na sentença anterior, ou o Identificador Uniformizado de Recursos (Uniform Resource Identifier) para esta licença ou de outra licença especificada na sentença anterior, com cada cópia ou gravação de cada Obra Derivada que Você distribuir, exibir publicamente, executar publicamente ou executar publicamente por meios digitais. Você não poderá oferecer ou impor quaisquer termos sobre a Obra Derivada que alterem ou restrinjam os termos desta Licença ou o exercício dos direitos aqui concedidos aos destinatários, e Você deverá manter intactas todas as informações que se refiram a esta Licença e à exclusão de garantias. Você não poderá distribuir, exibir publicamente, executar publicamente ou executar publicamente por meios digitais a Obra Derivada com qualquer medida tecnológica que controle o acesso ou o uso da Obra de maneira inconsistente com os termos deste Acordo de Licença. O disposto acima se aplica à Obra Derivada quando incorporada em uma Obra Coletiva, mas isto não requer que a Obra Coletiva, à parte da Obra em si, esteja sujeita aos termos desta Licença. c.

Se Você distribuir, exibir publicamente, executar publicamente ou executar

publicamente por meios digitais a Obra ou qualquer Obra Derivada ou Obra Coletiva, Você deve manter intactas todas as informações relativas a direitos autorais sobre a Obra e exibir, de forma razoável com relação ao meio ou mídia que Você está utilizando: (i) o nome do autor original (ou seu pseudônimo, se for o caso) se fornecido e/ou (ii) se o autor original e/ou o Licenciante designar outra parte ou partes (Ex.: um instituto patrocinador, órgão que publicou, periódico, etc.) para atribuição nas


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

20

informações relativas aos direitos autorais do Licenciante, termos de serviço ou por outros meios razoáveis, o nome da parte ou partes; o título da Obra, se fornecido; na medida do razoável, o Identificador Uniformizado de Recursos (URI) que o Licenciante especificar para estar associado à Obra, se houver, exceto se o URI não se referir ao aviso de direitos autorais ou à informação sobre o regime de licenciamento da Obra; e no caso de Obra Derivada, crédito identificando o uso da Obra na Obra Derivada (exemplo: "Tradução Francesa da Obra de Autor Original", ou "Roteiro baseado na Obra original de Autor Original"). Tal crédito pode ser implementado de qualquer forma razoável; entretanto, no caso de Obra Derivada ou Obra Coletiva, este crédito aparecerá no mínimo onde qualquer outro crédito de autoria comparável aparecer e de modo ao menos tão proeminente quanto este outro crédito. 5. Declarações, Garantias e Exoneração. EXCETO QUANDO FOR DE OUTRA FORMA ACORDADO PELAS PARTES POR ESCRITO, O LICENCIANTE OFERECE A OBRA “NO ESTADO EM QUE SE ENCONTRA” (AS IS) E NÃO PRESTA QUAISQUER GARANTIAS OU DECLARAÇÕES DE QUALQUER ESPÉCIE RELATIVAS AOS MATERIAIS, SEJAM ELAS EXPRESSAS OU IMPLÍCITAS, DECORRENTES DA LEI OU QUAISQUER

OUTRAS,

INCLUINDO,

SEM

LIMITAÇÃO,

QUAISQUER

GARANTIAS SOBRE A TITULARIDADE DA OBRA, ADEQUAÇÃO PARA QUAISQUER

PROPÓSITOS,

NÃO-VIOLAÇÃO

DE

DIREITOS,

OU

INEXISTÊNCIA DE QUAISQUER DEFEITOS LATENTES, ACURACIDADE, PRESENÇA OU AUSÊNCIA DE ERROS, SEJAM ELES APARENTES OU OCULTOS. EM JURISDIÇÕES QUE NÃO ACEITEM A EXCLUSÃO DE GARANTIAS IMPLÍCITAS, ESTAS EXCLUSÕES PODEM NÃO SE APLICAR A VOCÊ. 6. Limitação de Responsabilidade. EXCETO NA EXTENSÃO EXIGIDA PELA LEI APLICÁVEL, EM NENHUMA CIRCUNSTÂNCIA O LICENCIANTE SERÁ RESPONSÁVEL PARA COM VOCÊ POR QUAISQUER DANOS, ESPECIAIS, INCIDENTAIS,

CONSEQÜENCIAIS,

PUNITIVOS

OU

EXEMPLARES,

ORIUNDOS DESTA LICENÇA OU DO USO DA OBRA, MESMO QUE O


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

21

LICENCIANTE TENHA SIDO AVISADO SOBRE A POSSIBILIDADE DE TAIS DANOS. 7. Terminação a. Esta Licença e os direitos aqui concedidos terminarão automaticamente no caso de qualquer violação dos termos desta Licença por Você. Pessoas físicas ou jurídicas que tenham recebido Obras Derivadas ou Obras Coletivas de Você sob esta Licença, entretanto, não terão suas licenças terminadas desde que tais pessoas físicas ou jurídicas permaneçam em total cumprimento com essas licenças. As Seções 1, 2, 5, 6, 7 e 8 subsistirão a qualquer terminação desta Licença. b. Sujeito aos termos e condições dispostos acima, a licença aqui concedida é perpétua (pela duração do direito autoral aplicável à Obra). Não obstante o disposto acima, o Licenciante reserva-se o direito de difundir a Obra sob termos diferentes de licença ou de cessar a distribuição da Obra a qualquer momento; desde que, no entanto, quaisquer destas ações não sirvam como meio de retratação desta Licença (ou de qualquer outra licença que tenha sido concedida sob os termos desta Licença, ou que deva ser concedida sob os termos desta Licença) e esta Licença continuará válida e eficaz a não ser que seja terminada de acordo com o disposto acima. 8. Outras Disposições a. Cada vez que Você distribuir ou executar publicamente por meios digitais a Obra ou uma Obra Coletiva, o Licenciante oferece ao destinatário uma licença da Obra nos mesmos termos e condições que a licença concedida a Você sob esta Licença. b. Cada vez que Você distribuir ou executar publicamente por meios digitais uma Obra Derivada, o Licenciante oferece ao destinatário uma licença à Obra original nos mesmos termos e condições que foram concedidos a Você sob esta Licença. c. Se qualquer disposição desta Licença for tida como inválida ou não-executável sob a lei aplicável, isto não afetará a validade ou a possibilidade de execução do restante dos termos desta Licença e, sem a necessidade de qualquer ação


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

22

adicional das partes deste acordo, tal disposição será reformada na mínima extensão necessária para tal disposição tornar-se válida e executável. d. Nenhum termo ou disposição desta Licença será considerado renunciado e nenhuma violação será considerada consentida, a não ser que tal renúncia ou consentimento seja feito por escrito e assinado pela parte que será afetada por tal renúncia ou consentimento. e. Esta Licença representa o acordo integral entre as partes com respeito à Obra aqui licenciada. Não há entendimentos, acordos ou declarações relativas à Obra que não estejam especificadas aqui. O Licenciante não será obrigado por nenhuma disposição adicional que possa aparecer em quaisquer comunicações provenientes de Você. Esta Licença não pode ser modificada sem o mútuo acordo, por escrito, entre o Licenciante e Você. O Creative Commons não é uma parte desta Licença e não presta qualquer garantia relacionada à Obra. O Creative Commons não será responsável perante Você ou qualquer outra parte por quaisquer danos, incluindo, sem limitação, danos gerais, especiais, incidentais ou conseqüentes, originados com relação a esta licença. Não obstante as duas frases anteriores, se o Creative Commons tiver expressamente se identificado como o Licenciante, ele deverá ter todos os direitos e obrigações do Licenciante. Exceto para o propósito delimitado de indicar ao público que a Obra é licenciada sob a CCPL (Licença Pública Creative Commons), nenhuma parte deverá utilizar a marca "Creative Commons" ou qualquer outra marca ou logo relacionado ao Creative Commons sem consentimento prévio e por escrito do Creative Commons. Qualquer uso permitido deverá ser de acordo com as diretrizes do Creative Commons de utilização da marca então válidas, conforme sejam publicadas em seu website ou de outro modo disponibilizadas periodicamente mediante solicitação. O Creative Commons

pode

ser

contatado

http://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.5/br/legalcode

pelo

endereço:

http://creativecommons.org/

-


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

23

Nota da edição. O autor e a editora empenharam-se para citar adequadamente e dar o devido crédito a todos os detentores de direitos autorais de qualquer material utilizado neste livro, dispondo-se a possíveis acertos caso, inadvertidamente, a identificação de algum destes tenha sido omitido. Nota da Editora Free INESPEC. Este livro esta disponível nos seguintes idiomas, nos termos da licença: Castellano; (España) Català; Dansk; Deutsch; English; Esperanto; français; hrvatski; Italiano; Latviski; Nederlands; Norsk; polski; Português – Portugal; Português (BR); Suomeksi; svenska; Ελληνικά; Русский; українська; 華語; (台灣); 한국어. This book is available in the following languages, in terms of the license: Castellano, (España) Català, Dansk, Deutsch, English, Esperanto, français, hrvatski, Italian, Latviski, Nederlands, Norsk, polski, Portuguese - Portugal, Portuguese (BR) ; Suomeksi; svenska; Ελληνικά; Русский; українська; 华语; (台湾) 한국어. 你可自由: 你可自由:

分享 — 重製、散布及傳輸本著作

重混 — 修改本著作

對本著作進行商業利用

惟需遵照下列條件: 惟需遵照下列條件:

姓名標示

你必須按照著作人或授權人所指定的方式,表彰其姓名(但不得以任何方 式暗示其為你或你使用本著作的方式背書)。


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

24

相同方式分享

若對本著作進行變更、轉換或修改,僅得依本授權條款或類似之授權條款 散佈該衍生作品。 且認知到: 且認知到:

免除 — 若你得到著作權人的同意,上述任何條件都可獲免除。

公眾領域

當本著作或其任何要素在相關法律下屬公眾領域,此狀態絕不會受到本授 權條款的影響。 •

其他權利 — 任何下列的權利絕不會受到本授權條款的影響: o

o

o

你合理使用的權利; 作者的著作人格權; 其他人可能對該著作本身或該著作如何被使用所擁有的權利,例如 形象權或隱私權。

聲明

為了再使用或散布之目的,你必須向他人清楚說明本著作所適用的授權條 款。提供本網頁連結是最好的方式。 Editora Free Virtual INESPEC Agosto de 2012. Fortaleza-Ceará. 1.a. Edição


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

25

Professor César Augusto Venâncio da Silva. Obras publicadas pelo autor. http://wwwcesarvenanciocurriculovitaelattes.blogspot.com/ 1. ANATOMOFISIOLOGIA

DO

MAPEAMENTO

CEREBRAL:

Identificação dos distúrbios de Aprendizagem e sua intervenção Psicopedagógica. Mapeamento Cerebral, 2010. 1.a. Edição, 153 páginas. Universidade

Estadual

Vale

do

Acaraú.

http://pt.scribd.com/doc/28400800/MAPEAMENTO-CEREBRALCONCLUSO-PARA-REVISAO http://pt.scribd.com/doc/28397101/Professor-Cesar-Augusto-Venancioda-Silva. 2. BASES NEUROPSICOLÓGICAS DA APRENDIZAGEM. 2008. 1.a Edição.

Universidade

Estadual

Vale

do

Acaraú.

http://wwwdceuvarmf.blogspot.com/2008/08/ensaio-acadmico-de-csarvenncio-bases.html . 3. Projeto TV INESPEC CANAL HISTÓRIA DO BRASIL – Canal do Professor César Venâncio – EAD - http://worldtv.com/tv-inespechist_ria_do_brasil. 4. Introdução

ao

GRUPO

DE

ESTUDOS

ACADÊMICO

DA

PSICOPEDAGÓGIA – UVA - Universidade Estadual Vale do Acaraú. 2008.

http://wwwpsicopedagogia.blogspot.com/2008/04/trabalho-

dissertativo-de-csar-venncio.html. 5. SAÚDE PÚBLICA: CONDILOMAS ACUMINADOS. Maio. 2009. ESCOLA SESI. CEARÁ. http://wwwlivroseletronicos.blogspot.com/. 6. PSICODINÂMICA:

INTELIGÊNCIA.

2009.

Maio.

INESPEC.

http://wwwlivroseletronicos.blogspot.com/. 7. SILVA,

César

Augusto

NEUROPSICOLOGIA

Venâncio

APLICADA

da. AOS

(2008.

100

pgs)

DISTÚRBIOS

DA

APRENDIZAGEM: A neuropsicologia e a aprendizagem. Fortaleza – Ceará. UVA-RMF. http://wwwneuropsicologia.blogspot.com/. 8. SILVA, César Augusto Venâncio da. (2008. Decisão/Sentença) - Fortaleza – Ceará. UVA-RMF http://wwwprocesso1064arbitragem.blogspot.com/.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

26

9. SILVA, César Augusto Venâncio da. (2008. Decisão/Sentença) - Fortaleza –

Ceará.

UVA-RMF.

http://wwwprocesso1064arbitragem.blogspot.com/2008/03/deciso110169192092008-juizarbitral.html. 10. SILVA, César Augusto Venâncio da. (2008. PROCEDIMENTOS DE JUSTIÇA

ARBITRAL)

-

Fortaleza

Ceará.

UVA-RMF.

http://mandado94525.blogspot.com/2008/01/processo-arbitragem-no10812007cjc-arbt.html. 11. SILVA, César Augusto Venâncio da. (2008. MANDADOS EM PROCEDIMENTOS DE JUSTIÇA ARBITRAL) - Fortaleza – Ceará. UVA-RMF. http://mandado94525.blogspot.com/. 12. SILVA, César Augusto Venâncio da. (2008. PROCEDIMENTO DE JUSTIÇA ARBITRAL –PROMOÇÃO POR MERECIMENTO) Fortaleza

Ceará.

UVA-RMF.

http://wwwjustiaarbitral.blogspot.com/2007_12_01_archive.html

.

http://wwwjustiaarbitral.blogspot.com/2007/12/processo-no-10812007cjcarbt-reclamante.html. 13. SILVA, César Augusto Venâncio da. SENTENÇA Nº 1- PR 1359/2008 – PRT 124733 – JAGABCAVS. Relator - Juiz Arbitral César Venâncio. (2008. PROCEDIMENTO DE JUSTIÇA ARBITRAL) - Fortaleza – Ceará. UVA-RMF. 14. SILVA, César Augusto Venâncio da. TÍTULO I - JURISDIÇÃO DA ARBITRAGEM – ANTE PROJETO - TÍTULO I CAPÍTULO I JAGABCAVS. Relator - Juiz Arbitral César Venâncio. (2008. PROCEDIMENTO DE JUSTIÇA ARBITRAL) - Fortaleza – Ceará. UVA-RMF. 15. SILVA, César Augusto Venâncio da. JAGABCAVS. Relator - Juiz Arbitral César Venâncio. (2008. PROCEDIMENTO DE JUSTIÇA ARBITRAL)

-

Fortaleza

Ceará.

UVA-RMF.

http://wwwofcio110706processo1064.blogspot.com/2008_03_01_archive. html.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

27

16. SILVA, César Augusto Venâncio da. JAGABCAVS. Relator - Juiz Arbitral César Venâncio. (2008. PROCEDIMENTO DE JUSTIÇA ARBITRAL)

-

Fortaleza

Ceará.

UVA-RMF.

http://wwwsindicatocomissaoeleitoral.blogspot.com/. 17. SILVA, César Augusto Venâncio da. Relator - Juiz Arbitral César Venâncio. (2008. PROCEDIMENTO DE JUSTIÇA ARBITRAL) Fortaleza – Ceará. UVA-RMF EM MATÉRIA SINDICAL: SINDICATO DOS GUARDAS MUNICIPAIS DO ESTADO DO CEARÁ COMISSÃO ELEITORAL REGIMENTO ELEITORAL 2 0 0 7 RESOLUÇÃO n.o. 1/2007. EMENTA: Dispõe sobre o Regimento Eleitoral de 2007 do SINDICATO DOS GUARDAS MUNICIPAIS DO ESTADO

DO

CEARÁ

e

outras

providências.

http://wwwsindicatocomissaoeleitoral.blogspot.com/. 18. SILVA, César Augusto Venâncio da. Relator - Juiz Arbitral César Venâncio. (2008. PROCEDIMENTO DE JUSTIÇA ARBITRAL) Fortaleza – Ceará. UVA-RMF EM MATÉRIA DE PRÁTICA DE DIREITOS

DIFUSOS.

http://wwwdceuvarmfeditais.blogspot.com/2007/08/efignia-queirozmartins-ofcio-no.html. 19. SILVA,

César

Augusto

Venâncio

da.

ENSAIO:

TRABALHO

DISSERTATIVO DE CÉSAR VENÂNCIO - ESPECIALIZANDO EM PSICOPEDAGOGIA - UVA 2008 - AULA DO DIA 02 DE ABRIL DE 2008.

http://wwwpsicopedagogia.blogspot.com/2008/04/trabalho-

dissertativo-de-csarvenncio.html. 20. SILVA,

César

Procedimentos

Augusto

Venâncio

Eletrônicos

da. na

Institucionalização Justiça

dos

Brasileira.

http://no.comunidades.net/sites/ces/cesarvenancio/index.php?pagina=1554 065433. FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA - NÚCLEO NA CIDADE DE FORTALEZA – CEARÁ - CURSO DE DIREITO Disciplina: Processo eletrônico.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

28

21. SILVA. César Augusto Venâncio da. INESPEC MANUAL DE APOIO para ouvir rádio web via WMP. 1.a Edição. 2012. Março. 86 páginas. Editora Free Web INESPEC. 22. SILVA. César Augusto Venâncio da. EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA. PRODUÇÃO TEXTUAL. CURSO DE BIOLOGIA. QUÍMICA DA CÉLULA VIVA. PRIMEIRA EDIÇÃO. Editora Free Virtual INESPEC – 2012. Fortaleza - Ceará. 1.a. Edição – Março. 23. SILVA.

César

Augusto

Venâncio

da.

NEUROCIÊNCIAS

PSICOBIOLOGIA BIOLOGIA NEURONAL. SÉRIE PREPARATÓRIA PARA O MESTRADO E DOUTORADO EM PSICOLOGIA CLÍNICA. PRINCÍPIOS GERAIS. TOMO I Editora Free Virtual INESPEC. Julho de 2012. Fortaleza-Ceará. 1.a. Edição. 24. SILVA.

César

Augusto

Venâncio

da.

NEUROCIÊNCIAS

PSICOBIOLOGIA BIOLOGIA NEURONAL. SÉRIE PREPARATÓRIA PARA O MESTRADO E DOUTORADO EM PSICOLOGIA CLÍNICA. PRINCÍPIOS GERAIS. TOMO II Editora Free Virtual INESPEC. Agosto de 2012. Fortaleza-Ceará. 1.a. Edição.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

29

Dedicatória. Dedico esse trabalho à equipe técnica cientifica e administrativa do Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, liderados na pessoa da...

Especialista

Rabelo, Presidente fundadora do INESPEC.

A

Professora

Professora

Ray

MARIA

AUXILIADORA RODRIGUES PAIVA, do Instituto de Educação do Ceará, no CURSO DE DEFICIÊNCIA INTELECTUAL. A Professora Doutora Elisete

Oliveira-Doutora e Mestre, que espero a paciência para se incorporar ao projeto de ser minha orientadora acadêmica no mestrado. Agradecimentos ao Professor Licenciado em Biologia, César Júnior, Coordenador do Curso de Laboratório do Curso ALTERNATIVO em Fortaleza. Agradecimentos aos amigos e alunos que freqüentam o EAD do INESPEC. E a Rede Virtual INESPEC: http://radiowebinespec1.listen2myradio.com http://radiowebinespec1.listen2mymusic.com/ http://radiowebinespec1.radiostream321.com http://radiowebinespec1.listen2myshow.com/ http://radiowebinespec1.radio12345.com/ http://radiowebinespec1.radiostream123.com/ Leia mais: http://rviredeceara.webnode.com/


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

30

http://radioonlineinespec.comunidades.net/ http://universidadeuvadcermfescritura.blogspot.com.br/ http://wwwautismoeadinespec.blogspot.com.br/ http://wwwradiorwiinespec.blogspot.com.br/ http://radiowebinespecsamuelhais.blogspot.com.br/ http://radiowebinespecdavidpinheiro.blogspot.com.br/ http://radiowebinespecdavidpinheiro.blogspot.com.br/ http://inespecmundial.listen2myradio.com http://inespecmundial.listen2mymusic.com http://inespecmundial.radiostream321.com http://inespecmundial.listen2myshow.com http://inespecmundial.radio12345.com http://inespecmundial.radiostream123.com (...) que hoje se encontra em 99 países, transmitindo o sinal da Rádio WEB INESPEC, e traduzindo às idéias do instituto para diversas culturas. Nos canais de rádio e televisão virtual, se torna hoje possível, uma melhor qualidade de ensino via Web. Agradeço aos líderes da RWI nos seguintes países: AFRICÂNER. AKAN. ALBANÊS. ALEMÃO. AMÁRICO. ÁRABE. ARMÊNIO. AZERBAIJANO. BASCO. BEMBA. BENGALI. BIELO-RUSSO. BIHARI. BORK. BORK, BORK. BÓSNIO. BRETÃO. BÚLGARO. CAMBODJANO. CATALÃO. ETC. (http://rwi5023.blogspot.com/) Use a interface para escolher o idioma em que deseja visualizar a RÁDIO WEB INESPEC. Os Blogs e sites dos parceiros da RWI estão atualmente disponíveis em vários idiomas: Esse livro será traduzido para o Francês, Alemão, Italiano, Inglês e Russo, considerando que temos parceiros nas nações que falam tais idiomas.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

31 Apresentação dos e-books.

O INESPEC na gestão da Professora Ray Rabelo, considerando a REDE VIRTUAL de aproximadamente 6050 Blogs e Sites que retransmitem o Sinal da Rádio WEB INESPEC, decidiu implantar a política de gerenciamento e formatação de livros digitais para os seus cursos à distância. Apresento a pedido, resposta a uma nota solicitada pelos alunos do EAD, nos termos seguintes: Professor César, Como criar um e-book? Existem programas específicos? Tem programas gratuitos para fazer um livro digital? Primeiro programa recomendado é o MobiPocket Creator. Segundo: NATATA eBook Compiler. Terceiro: Zinepal. Nos próximos Tomos dedicarei algumas linhas para as instruções.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

32

Livro digital. Um livro digital (livro eletrônico ou o anglicismo e-book) é um livro em formato digital que pode ser lido em equipamentos eletrônicos tais como computadores, PDAs, Leitor de livros digitais ou até mesmo celulares que suportem esse recurso. Os formatos mais comuns de E-books são o PDF, HTML e o ePUB. O primeiro necessita do conhecido leitor de arquivos Acrobat Reader ou outro programa compatível, enquanto que o segundo formato precisa de um navegador de Internet para ser aberto. O Epub é um formato de arquivo digital padrão específico para e-books. Por ser um dispositivo de armazenamento de pouco custo, e de fácil acesso devido à propagação da Internet nas escolas, pode ser vendido ou até mesmo disponibilizado para download em alguns portais de Internet gratuitos. Foi inventado em 1971(carece de fontes bibliográfica), quando Michael Hart digitou a Declaração de Independência dos Estados Unidos da América. Hart foi também o fundador do Projeto Gutenberg, o mais antigo produtor de livros eletrônicos do mundo. Vejamos uma cronologia: 1971 - Michael Hart lidera o projeto Gutenberg que procura digitalizar livros e oferecelos gratuitamente.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

33

1992-1993: F. Crugnola e I. Rigamonti planejam e eles percebem, para a tese deles/delas de grau para a Politécnica em Milão, o primeiro e-book (apoio eletrônico para a leitura só de textos) e eles chamam isto "INCIPIT" . 1993: Zahur Klemath Zapata registra o primeiro programa de livros digitais. Digital Book v.1, DBF. 1993: Publica-se o primeiro livro digital: Do assassinato, considerado uma das belas artes, de Thomas de Quincey. 1995: Amazon começa a vender livros através da Internet. 1996: O projeto Gutenberg alcança os 1.000 livros digitalizados. A meta é um milhão de livros. 1998: São lançados ao mercado os leitores de livros electrónicos: Rocket ebook e Softbook. 1998-1999: Surgem sítios na Internet que vendem livros electrónicos, como eReader.com e eReads.com. 2000: Stephen King lança seu romance Riding Bullet em formato digital. Só pode ser lído em computadores. 2002: Os editoriais Random House y HarperCollins começan a vender versões electrónicas dos seus títulos na Internet. 2005: Amazon compra Mobipocket na sua estratégia sobre o livro eletrônico. 2006: Acordo entre Google e a Biblioteca Nacional do Brasil para digitalizar dois milhões de títulos. 2006: Sony lança o leitor Sony Reader que conta com a tecnologia da tinta eletrônica 2007: Amazon lança o Kindle. 2008: Adobe e Sony fazem compatíveis suas tecnologias de livros eletrônicos (Leitor e DRM). 2008: Sony lança seu PRS-505.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

34

2009: Barnes & Noble lança o Nook. 2009: Inaugurada a primeira loja de livros digitais do Brasil, a Gato Sabido. 2010: Criada a Xeriph, primeira distribuidora de livros digitais do Brasil. 2010: Apple lança o iPad. Vantagens em relação ao livro tradicional. A principal vantagem do livro digital é a sua portabilidade. Eles são facilmente transportados em disquetes, CD-ROM, pen-drives e cartões de memória. Como se encontra no formato digital, pode ser transmitido rapidamente por meio da Internet. Se um leitor que se encontra no Japão, por exemplo, e tiver interesse em adquirir um livro digital vendido nos Estados Unidos ou no Brasil, pode adquiri-lo imediatamente e em alguns minutos estará lendo tranquilamente o seu e-book. Outra vantagem é o preço. Como seu custo de produção e de entrega é inferior, um livro digital de alto padrão, como os encontrados em sítios especializados, pode chegar as mãos do leitor por um preço até 80% menor que um livro impresso, quando não for gratuito. Mas um dos grandes atrativos para livros digitais é o fato de já existirem softwares capazes de os ler, em tempo real, sem sotaques robotizados e ainda converter a leitura em uma mídia sonora, como o MP3, criando audiobooks. Assim como um livro tradicional, o livro digital é protegido pelas leis de direitos autorais. Isso significa que eles não podem ser alterados, plagiados, distribuídos ou comercializados de nenhuma forma, sem a expressa autorização de seu autor. No caso dos livros digitais gratuitos, devem ser observadas as regras e leis que regem as obras de domínio público ou registros de códigos abertos para distribuição livre. A existência de leitores associado com vários formatos, a maioria especializada em um único formato, fragmentos do mercado do livro eletrônico. Em 2010, a e-books continuou a ganhar quota de mercado para a versão em papel. Alguns editores de livros eletrônicos já começaram a distribuir os livros que estavam em domínio público. Ao mesmo tempo, os autores de livros que não foram aceitos pelos editores ofereceram seus trabalhos online para que possam ser comprados e lidos. Além disso, a cópia e distribuição de livros protegidos por direitos autorais é muito menor do que a diferença com os discos. O motivo é demográfico, o complexo processamento digital e uma maior variedade de gostos e públicos (e-books: la guerra digital global por el dominio del libro – By Chimo Soler -Historiador).


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

35

Formatos. O INESPEC na atual gestão (Professora Ray Rabelo) instituiu o NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA (Edtal n.o. 7CAEE PRT 50337-2012, de 1 de janeiro de 2012. EMENTA: EDITAL DE COMUNICAÇÃO DA INSTITUCIONALIZAÇÃO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA DO CENTRO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO DO INSTITUTO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA, PREVISTAS NO EDITAL 3-2011 e da outras providências

-

http://edital7neceadinespec.blogspot.com/).

O

NÚCLEO

DE

EDUCAÇÃO CONTINUADA DO CENTRO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO DO INSTITUTO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA, têm como missão desenvolver e gerenciar tecnologias, metodologias e soluções específicas de ensino a distancia, sob a responsabilidade acadêmica da escola – CENTRO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. O INSTITUTO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA, INESPEC, no âmbito nacional e internacional, fazem uso, no ano de 2012, dos 14 CANAIS VIRTUAIS DE TELEVISÃO ON-LINE, 5.030 Blogs e Sites distribuídos em 99 países e que retransmitem o sinal da Rádio WEB INESPEC, através de seis Canais - SERVIDORES transcontinentais, a saber: http://radiowebinespec1.listen2myradio.com/ http://radiowebinespec1.listen2mymusic.com/) http://radiowebinespec1.radiostream321.com/) http://radiowebinespec1.listen2myshow.com/) http://radiowebinespec1.radio12345.com/) http://radiowebinespec1.radiostream123.com

Umas das metas primárias do NÚCLEO são liderar com inovação em serviços, educacionais de qualidade, sempre com parcerias multiplicadoras; e ser referência internacional na distribuição de produtos e serviços educacional inovadores e de alta qualidade no ensino a distância com parceiros de universidades e institutos nacionais e internacionais. O NÚCLEO deve construir parcerias que tornem transparentes nosso envolvimento com questões sociais como: convívio, defesa impositiva de direitos e


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

36

acessibilidade de espaços para as pessoas portadoras de deficiências; bolsas de estudo na área de propriedade intelectual e desenvolvimento educacional; bolsas de estudo e cursos gratuitos. O Diretor do CAEE-INESPEC em processo especifico fixará o REGIMENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA no âmbito do NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA – CAEE –INESPEC - este regimento deve estabelece as normas gerais e a organização básica do Programa de Educação Continuada da entidade e deverá ser homologado pela Presidência do INESPEC. O Diretor do CAEE-INESPEC em processo específico deve garantir que os cursos do NEC-CAEE-INESPEC se desenvolvam de forma gratuita para os docentes públicos, lotada em escolas municipais e estaduais. Requer-se atenção para as normas complementares de caráter informativo, a saber: 1 - O CAEE através do NEC deve desenvolver esforços para ser membro do OCWC (Open Course Ware Consortium), o consórcio de instituições de ensino de diversos países que oferecem conteúdos e materiais didáticos de graça pela internet. 2 - Para acessar os cursos gratuitos, não é necessário efetuar o login no site do CAEE - Online. Basta acessar a página Cursos Gratuitos NEC-CAEE, onde estão listados todos os conteúdos oferecidos. 3 - Não é necessário se cadastrar para acessar os cursos. No entanto, a declaração de conclusão

só poderá ser disponibilizada aos

cadastrados. 4 - Selecione o curso desejado, realize seu cadastro e, ao término do mesmo, com obtenção de média igual ou superior a 7,0 no pós-teste, a declaração de conclusão do curso estará disponível para impressão. 5 - O sistema não armazena o período em que cada aluno realiza o curso. Como a declaração de conclusão do curso é gerada de forma automática, não é possível incluir o período de realização do curso. 6 - Os cursos gratuitos não possuem material didático para impressão ou para download. 7 - O curso inicia assim que o aluno conclui o cadastramento dos dados pessoais. 8 - Para os cursos Ciência e Tecnologia, Ética Empresarial e Recursos Humanos, faça o procedimento abaixo: Toda vez que você for acessar


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

37 o curso, escolha a opção “Já sou cadastrado”, digite seu CPF e seu email. Clique em “menu” no lado direito da tela e continue a leitura de onde você parou. 9 - Para os demais cursos (exceto Diversidade nas Organizações e Quiz): Toda vez que você for acessar o curso, escolha a opção “Já sou cadastrado”, digite seu CPF e seu e-mail. No lado esquerdo da tela, você poderá selecionar a unidade na qual você parou. Os cursos Diversidade nas Organizações e Filosofia não possuem pós teste. Todos os demais possuem. 10 - Para receber a declaração a média deverá ser igual ou superior a 7.0. 11 - Todos os cursos possuem declaração a critério do interessado e de acordo com as regras definidas no procedimento especifico. 12 - Para corrigir o seu nome, solicite atualização dos dados por email no endereço inespeccebr@gmail.com, informando o nome correto e o CPF. Após a atualização, será necessário retornar ao curso, refazer o pós-teste e gerar uma nova declaração.

O NEC do CAEE-INESPEC em processo específico deve garantir o funcionamento permanente dos cursos para a Educação Profissional Continuada que é um programa oficial

do

CAEE-INESPEC-2012-2018,

que

visa

atualizar

e

aprimorar

os

conhecimentos dos profissionais do CAEE e dos educadores ligados a educação especial que queiram participar. Por conta da institucionalização prevista no Edital 7/2012 a entidade CAEE-INESPECEAD adotará os seguintes formatos na propagação e propalação de seus livros e-books. • .ePub, International Digital Publishing Forum; • .lit, Microsoft Reader; • .pdf, Acrobat Reader; • .chm, Microsoft Compiled HTML Help; • .opf, Open EBook Format; • .exe, eBook auto-executável em Windows; • .prc, Mobipocket Reader;


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

38 • .rb, RocketEditions; • .kml, Hiebook; • .pdb, iSilo; • .DjVu; • .vbo, Virtual Book; • .mobi, Amazon Kindle; • .azw, Amazon Kindle; • .txt; • .rtf, Rich Text Format, originalmente criado no WordPad; • .odt, OpenDocument Text; • .doc.

O

presente

e-book

NEUROCIÊNCIAS

PSICOBIOLOGIA

-

BIOLOGIA

NEURONAL. SÉRIE PREPARATÓRIA PARA O MESTRADO E DOUTORADO EM PSICOLOGIA CLÍNICA - PRINCÍPIOS GERAIS - TOMO I, pode ser visto através dos seguintes softwares... EPUB (abreviação de Eletronic Publication Publicação Eletrônica) é um formato de arquivo digital padrão específico para ebooks. É livre e aberto e foi criado pelo International Digital Publishing Fórum (CICOM). Arquivos têm a extensão. ePUB.

EPUB é projetado para conteúdo fluido, o que

significa que a tela de texto pode ser otimizada de acordo com o dispositivo usado para leitura. O padrão é destinado a funcionar como um único formato oficial para distribuição e venda de livros digitais. Ele substitui o padrão Open ebook. • iBooks (iPhone); • sReader (iPhone); • Aldiko (Android); Adobe Reader é um software que permite que o usuário do computador visualize, navegue e imprima arquivos no formato PDF. Este tipo de arquivo é muito comum em documentações

gerais

(manuais

de

instrução,

apostilas,

e-books).

multiplataforma, está disponível para diversos sistemas operacionais.

Por

ser


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

39

Consórcio de Universidades – OWC. O Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura está agregado ao Consórcio de Universidades OWC. O Open Course Ware(OCW) é uma rede de instituições que através do site promove publicação gratuita e aberta de material acadêmico digital das diversas faculdade e universidade, estudos e material de alta qualidade e de nível universitário de graduação e pós graduação. Material instrutivo e educativo. Estes materiais são organizados como cursos, e muitas vezes incluem materiais do curso de graduação regular e de planejamento e ferramentas de avaliação, bem como conteúdo temático. Open Course Ware é livre e abertamente licenciado, acessível a qualquer pessoa, a qualquer hora através da Internet. Você pode em alguns países ter o material como parte de cursos regulares. Depende das regras jurídicas de cada nação. O INESPEC é uma organização de pesquisa, e não é uma entidade universitária credenciada, por conta da Educação Continuada se vincula ao PROJETO OWC nos termos e objetivos seguintes: CONTRATO ORIGINAL - Conditions. The following terms and conditions govern all use of the OpenCourseWare Consortium (OCWC) website and all content, services and products available at or through the website, including, but not limited to, the OCW Main Site, OCWC Wiki, the OCW Toolkit and any OCWC Conference Sites (taken together, the "Website"). The Website is owned and operated by The OpenCourseWare Consortium, Inc. ("the OCWC"). The Website is offered subject to your acceptance without modification of all of the terms and conditions contained herein and all other operating rules, policies (including, without limitation, OCWC's Privacy Policy) and procedures that may be published from time to time on the Website by the OCWC (collectively, this "Agreement"). Please read this Agreement carefully before accessing or using the Website. By accessing or using any part of the Website, you agree to become bound by the terms and conditions of this Agreement. If you do not agree to all the terms and conditions of this Agreement, then you may not access the Website or use any services. If these terms and conditions are considered an offer by the OCWC, acceptance is expressly limited to these terms. The Website is available only to individuals who are at least 13 years old.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

40

1. Your OCWC Account. If you create a user account on the Website, you are responsible for maintaining the security of your account, and you are fully responsible for all activities that occur under or in connection with the account. You must not describe or assign keywords to your account in a misleading or unlawful manner, including in a manner intended to trade on the name or reputation of others, and the OCWC may change or remove any description or keyword that it considers inappropriate or unlawful, or otherwise likely to cause the OCWC liability. You must immediately notify the OCWC of any unauthorized uses of your account or any other breaches of security. The OCWC will not be liable for any acts or omissions by you, including any damages of any kind incurred as a result of such acts or omissions. 2. Responsibility of Contributors. If you post material to the Website, post links on the Website, or otherwise make (or allow any third party to make) material available by means of the Website (any such material, "Content"), you are entirely responsible for the content of, and any harm resulting from, that Content. That is the case regardless of whether the Content in question constitutes text, graphics, an audio file, or computer software. By making Content available, you represent and warrant that: a. the downloading, uploading, copying and use of the Content will not infringe the proprietary rights, including but not limited to the copyright, patent, trademark or trade secret rights, of any third party; b. if your employer has rights to intellectual property you create, you have either (i) received permission from your employer to post or make available the Content, including but not limited to any software, or (ii) secured from your employer a waiver as to all rights in or to the Content; c. you have fully complied with any third-party licenses relating to the Content, and have done all things necessary to successfully pass through to end users any required terms; d. the Content does not contain or install any viruses, worms, malware, Trojan horses or other harmful or destructive content; e. the Content is not spam, is not machine- or randomly-generated, does not contain unethical or unwanted commercial content designed to drive traffic to third party sites or boost the search engine rankings of third


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

41

party sites, or to further unlawful acts (such as phishing) or mislead recipients as to the source of the material (such as spoofing) and does not contain false-factual information in such a way that the reader may not understand the veracity of the Content; f. the Content is not pornographic, libelous or defamatory, does not contain threats or incite violence towards individuals or entities, and does not violate the privacy or publicity rights of any third party; g. your account is not named in a manner that misleads others into thinking that you are another person or organization. For example, your user name is not the name of a person other than yourself or an organization other than your own; and h. you have, in the case of Content that includes computer code, accurately categorized and/or described the type, nature, uses and effects of the materials, whether requested to do so by the OCWC or otherwise. 3. License. By submitting Content to the OCWC for inclusion on the Website, you grant the OCWC a perpetual, world-wide, royalty-free, and non-exclusive license to reproduce, modify, adapt and publish the Content solely for the purpose of promoting OpenCourseWare. If you delete Content, the OCWC will use reasonable efforts to remove it from the Website, but you acknowledge that caching or references to the Content may not be made immediately unavailable. 4. Removal. Without limiting any of those representations or warranties, the OCWC has the right (though not the obligation) to, in the OCWC's sole discretion (i) refuse or remove any content that, in the OCWC's sole discretion, violates any OCWC policy or is in any way harmful or objectionable, or (ii) terminate or deny access to and use of the Website to any individual or entity for any reason, in the OCWC's sole discretion. The OCWC will have no obligation to provide a refund of any amounts previously paid. 5. Responsibility of Website Visitors. The OCWC has not reviewed, and cannot review, all of the material, including computer software, posted to the Website, and cannot therefore be responsible for that material's content, use or effects. By operating the Website, the OCWC does not represent or imply that it endorses the material there posted, or that it believes such material to be accurate, useful or non-harmful. You are responsible for taking precautions as necessary to


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

42

protect yourself and your computer systems from viruses, worms, Trojan horses, and other harmful or destructive content. The Website may contain content that is offensive, indecent, or otherwise objectionable, as well as content containing technical inaccuracies, typographical mistakes, and other errors. The Website may also contain material that violates the privacy or publicity rights, or infringes the intellectual property and other proprietary rights, of third parties, or the downloading, copying or use of which is subject to additional terms and conditions, stated or unstated. The OCWC disclaims any responsibility for any harm resulting from the use by visitors of the Website, or from any downloading by those visitors of content there posted. 6. Content Posted on Other Websites. We have not reviewed, and cannot review, all of the material, including computer software, made available through the websites and webpages to which ocwconsortium.org links, and that link to ocwconsortium.org. The OCWC does not have any control over those nonOCWC websites and webpages, and is not responsible for their contents or their use. By linking to a non-OCWC website or webpage, the OCWC does not represent or imply that it endorses such website or webpage. You are responsible for taking precautions as necessary to protect yourself and your computer systems from viruses, worms, Trojan horses, and other harmful or destructive content. The OCWC disclaims any responsibility for any harm resulting from your use of non-OCWC websites and webpages. 7. Copyright Infringement and DMCA Policy. As OCWC asks others to respect its intellectual property rights, it respects the intellectual property rights of others. If you believe that material located on or linked to by ocwconsortium.org violates your copyright, you are encouraged to notify the OCWC. The OCWC will respond to all such notices, including, but not limited to, as required or as may be deemed appropriate by the OCWC, removing the infringing material or disabling all links to the infringing material. In the case of a visitor who may infringe or repeatedly infringes the copyrights or other intellectual property rights of the OCWC or others, the OCWC may, in its discretion, terminate or deny access to and use of the Website. In the case of such termination, the OCWC will have no obligation to provide a refund of any amounts previously paid to the OCWC.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

43

8. Intellectual Property. This Agreement does not transfer from the OCWC to you any OCWC or third party intellectual property, and all right, title and interest in and to such property will remain (as between the parties) solely with the OCWC. Any Content licensed for your reproduction or other use is clearly designated by the appropriate Creative Commons license.

Otherwise,

ocwconsortium.org, the OCWC logo, and all other trademarks, service marks, graphics and logos used in connection with ocwconsortium.org, or the Website are trademarks and/or registered trademarks of the OCWC or its licensors. Other trademarks, service marks, graphics and logos used in connection with the Website may be the trademarks of other third parties. Your use of the Website grants you no right or license to reproduce or otherwise use any OCWC or thirdparty trademarks. 9. Changes. The OCWC reserves the right, at its sole discretion, to modify or replace any part of this Agreement. It is your responsibility to check this Agreement periodically for changes. Your continued use of or access to the Website following the posting of any changes to this Agreement constitutes acceptance of those changes. The OCWC may also, in the future, offer new services and/or features through the Website (including, the release of new tools and resources). Such new features and/or services shall be subject to the terms and conditions of this Agreement. 10. Termination. The OCWC may terminate your access to all or any part of the Website at any time, with or without cause, with or without notice, effective immediately. If you wish to terminate this Agreement or your OCWC account, you may simply discontinue using the Website. All provisions of this Agreement which by their nature should survive termination shall survive termination, including, without limitation, ownership provisions, warranty disclaimers, indemnity and limitations of liability. 11. Disclaimer of Warranties. The Website is provided "as is". The OCWC and its suppliers and licensors hereby disclaim all warranties of any kind, express or implied, including, without limitation, the warranties of merchantability, fitness for a particular purpose and non-infringement. Neither the OCWC nor its suppliers and licensors, makes any warranty that the Website will be error free or that access thereto will be continuous or uninterrupted. You understand that


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

44

you download from, or otherwise obtain content or services through, the Website at your own discretion and risk. 12. Limitation of Liability. In no event will the OCWC, or its suppliers, licensors, affiliates, successors or assigns be liable with respect to any subject matter of this Agreement under any contract, negligence, strict liability or other legal or equitable theory for: (i) any special, incidental or consequential damages; (ii) the cost of procurement or substitute products or services; (iii) for interruption of use or loss or corruption of data; or (iv) for any amounts that exceed the fees paid by you to the OCWC under this Agreement during the twelve (12) month period prior to the cause of action. The OCWC shall have no liability for any failure or delay due to matters beyond their reasonable control. The foregoing shall not apply to the extent prohibited by applicable law. 13. General Representation and Warranty. You represent and warrant that (i) your use of the Website will be in strict accordance with the OCWC Privacy Policy, with this Agreement and with all applicable laws and regulations (including without limitation any local laws or regulations in your country, state, city, or other governmental area, regarding online conduct and acceptable content, and including all applicable laws regarding the transmission of technical data exported from the United States or the country in which you reside) and (ii) your use of the Website will not infringe or misappropriate the intellectual property rights of any third party. 14. Indemnification. You agree to indemnify and hold harmless the OCWC, its contractors, and its licensors, and their respective directors, officers, employees and agents from and against any and all claims and expenses, including attorneys' fees, arising out of your use of the Website, including but not limited to the Content you upload to the Website, your violation of this Agreement or in the event any of the representations or warranties is or shall be untrue or misleading in any respect. 15. Miscellaneous. This Agreement constitutes the entire agreement between the OCWC and you concerning the subject matter hereof, and they may only be modified by a written amendment signed by an authorized executive of the OCWC, or by the posting by the OCWC of a revised version. Except to the extent applicable law, if any, provides otherwise, this Agreement, any access to


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

45

or use of the Website will be governed by the laws of the Commonwealth of Massachusetts, U.S.A., excluding its conflict of law provisions. Except for claims for injunctive or equitable relief or claims regarding intellectual property rights (which may be brought in any competent court without the posting of a bond), any dispute arising under this Agreement shall be finally settled final and binding arbitration in Middlesex County, Massachusetts by the American Arbitration Association under its rules and procedures in effect at the time of submission and the judgment upon the award entered shall be entered in any court having jurisdiction thereof. If any party fails to appear at any properly noticed arbitration proceeding, an award may be entered against the party notwithstanding its failure to appear. The parties hereby agree to share equally in the cost of said arbitration, except that in the discretion of the arbitrator, any award may include the cost of a party's counsel if the arbitrator expressly determines that the party against whom the award is entered has caused the dispute, controversy or claim to be submitted to arbitration as a frivolous or dilatory action. The arbitration shall take place in the English language and the arbitral decision may be enforced in any court. If any part of this Agreement is held invalid or unenforceable, that part will be construed to reflect the parties' original intent, and the remaining portions will remain in full force and effect. A waiver by either party of any term or condition of this Agreement or any breach thereof, in any one instance, will not waive such term or condition or any subsequent breach thereof. You may assign your rights under this Agreement to any party that consents to, and agrees to be bound by, its terms and conditions; the OCWC may assign its rights under this Agreement without condition. This Agreement will be binding upon and will inure to the benefit of the parties, their successors and permitted assigns. CONTRATO ORIGINAL – TRADUÇÃO NÃO JURAMENTADA.

Condições. Os seguintes termos e condições regem todo o uso do OpenCourseWare Consortium site (OCWC) e todos os conteúdos, serviços e produtos disponíveis no ou através do site, incluindo, mas não limitado a, o OCW site principal, OCWC Wiki, o Toolkit OCW e qualquer OCWC Sites conferência (em conjunto, o "Site"). O site pertence e é operado


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

46

pelo Consórcio OpenCourseWare, Inc. ("o OCWC"). O Website é oferecido sujeita a sua aceitação, sem modificação de todos os termos e condições contidos neste documento e todas as outras regras operacionais, políticas (incluindo, sem limitação, a Política OCWC de Privacidade) e procedimentos que podem ser publicadas de tempos em

tempos

no

site

por

do

OCWC

(coletivamente,

este

"Acordo").

Por favor, leia este acordo cuidadosamente antes de acessar ou usar o Website. Ao acessar ou utilizar qualquer parte do site, você concorda em estar vinculado pelos termos e condições deste acordo. Se você não concorda com todos os termos e condições deste acordo, então você não pode acessar o site ou utilizar qualquer serviço. Se estes termos e condições são consideradas uma oferta do OCWC, a aceitação é expressamente limitada a estes termos. O site está disponível apenas para indivíduos que são pelo menos 13 anos de idade. 1. Sua Conta OCWC. Se você criar uma conta de usuário no site, você é responsável por manter a segurança de sua conta, e é totalmente responsável por todas as atividades que ocorrem sob ou em conexão com a conta. Você não deve descrever ou atribuir palavras-chave para a sua conta de maneira enganosa ou ilegal, incluindo de uma forma destinada ao comércio sobre o nome ou reputação de outros, e do OCWC pode alterar ou remover qualquer descrição ou palavra-chave que considera inapropriado ou ilegal, ou de outro modo susceptível de provocar a responsabilidade OCWC. Você deve notificar imediatamente o OCWC de qualquer uso não autorizado de sua conta ou quaisquer outras faltas de segurança. O OCWC não será responsável por quaisquer atos ou omissões de você, incluindo quaisquer danos de qualquer tipo incorridos como resultado de tais actos ou omissões. 2. Responsabilidade de Contribuintes. Se você enviar material para o site, postar links no site, ou de outra forma (ou permitir que terceiros a fazer) o material disponível por meio do site (qualquer material, "Conteúdo"), você é inteiramente responsável pelo conteúdo de, e qualquer dano resultante do que de conteúdo. Esse


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

47

é o caso, independentemente de o conteúdo em questão constitui texto, gráficos, um arquivo de áudio, ou software de computador. Ao fazer conteúdo disponível, você declara e garante que: um. o download, upload, cópia e uso do Conteúdo não irá infringir os direitos de propriedade, incluindo, mas não limitado a direitos autorais, marcas, patentes ou direitos de segredo comercial,

de

qualquer

terceiro;

b. se o seu empregador tem direitos de propriedade intelectual que você criar, você tem (i) recebeu autorização de seu empregador para publicar ou tornar disponível o conteúdo, incluindo, mas não limitado a qualquer software, ou (ii) garantiu de seu empregador uma renúncia a todos os direitos ou aos conteúdos; c. você tem cumprido plenamente todas as licenças de terceiros relativas ao conteúdo, e ter feito todas as coisas necessárias para o sucesso passam para os usuários finais quaisquer condições exigidas; d. o conteúdo não contém ou instalar vírus, worms, malware, cavalos de Tróia ou outros conteúdos prejudiciais ou destrutivas; e. o conteúdo não é spam, não é máquina ou gerado aleatoriamente, não contém antiético ou indesejado conteúdo comercial projetado para impulsionar o tráfego para sites de terceiros ou impulsionar o motor de pesquisa rankings de sites de terceiros, ou para outros atos ilícitos (como phishing) ou enganar destinatários quanto à origem do material (tal como falsificação) e não contém falso-factual informação de tal modo que o leitor pode

não

compreender

a

veracidade

do

conteúdo;

f. o conteúdo não é pornográfico, calunioso ou difamatório, não contém ameaças ou incitar a violência contra indivíduos ou entidades, e que não viola os direitos de privacidade ou publicidade

de

terceiros;

g. sua conta não seja chamado de uma maneira que engana os outros a pensar que você é outra pessoa ou organização. Por


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

48

exemplo, o seu nome de usuário não é o nome de uma pessoa diferente de si mesmo ou de uma organização diferente do seu, e h. você tem, no caso de conteúdo que inclui código de computador, com precisão categorizadas e / ou descritos o tipo, natureza, usos e efeitos dos materiais, se solicitado a fazê-lo pelo OCWC ou não. 3. Licença. Ao enviar conteúdo para o OCWC para inclusão no site, você concede a OCWC uma licença perpétua, mundial, isenta de royalties e não exclusiva para reproduzir, modificar, adaptar e publicar o conteúdo exclusivamente para a finalidade de promover OpenCourseWare. Se você excluir conteúdo, o OCWC envidará esforços razoáveis para removê-lo a partir do site, mas você reconhece que o cache ou referências ao Conteúdo não pode ser feita imediatamente indisponíveis. 4. Remoção. Sem limitar qualquer dessas representações ou garantias, o OCWC tem o direito (mas não a obrigação) de, a critério exclusivo do OCWC de (i) recusar ou remover qualquer conteúdo que, a critério exclusivo da OCWC, a viola qualquer política OCWC ou está em qualquer forma prejudicial ou censurável, ou (ii) rescindir ou negar o acesso ea utilização do site para qualquer pessoa ou entidade, por qualquer motivo, no OCWC de discrição. O OCWC não terá obrigação de fornecer uma restituição de quaisquer valores já pagos. 5. Responsabilidade dos visitantes do site. O OCWC não reviu, e não pode rever,

todo o material, incluindo programas

informáticos, publicado em um site, e não pode, portanto, ser responsável por que o material de conteúdo, uso ou efeitos. Ao operar o site, o OCWC não representa nem implica que subscreve o material postado lá, ou que acredita que tal material para ser exato, útil ou não prejudicial. Você é responsável por tomar as precauções necessárias para proteger a si e seus sistemas de computador contra vírus, worms, cavalos de Tróia e outros


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

49

conteúdos prejudiciais ou destrutivas. O website pode conter conteúdo ofensivo, imoral ou censurável, bem como o conteúdo que contém imprecisões técnicas, erros tipográficos e outros erros. O Site também pode conter material que viole os direitos de privacidade ou publicidade, ou infrinja a propriedade intelectual e outros direitos de propriedade, de terceiros, ou o download, cópia ou utilização de que está sujeita aos termos e condições adicionais, estabelecidas ou não. O OCWC exime de qualquer responsabilidade por qualquer dano resultante do uso pelos visitantes do site, ou de qualquer descarga por esses visitantes de conteúdo postado lá. 6. Conteúdo publicado em outros sites. Nós não revimos, e não pode rever, todo o material, incluindo software de computador, disponibilizado através dos sites e páginas da web em links que ocwconsortium.org, e que apontam para ocwconsortium.org. O OCWC não tem qualquer controle sobre esses sites não-OCWC e páginas da web, e não é responsável por seu conteúdo ou a sua utilização. Ao vincular a um site não-OCWC ou página da web, o OCWC não representa nem implica que subscreve tal site ou página da web. Você é responsável por tomar as precauções necessárias para proteger a si e seus sistemas de computador contra vírus, worms, cavalos de Tróia e outros conteúdos prejudiciais ou destrutivas. O OCWC exime de qualquer responsabilidade por qualquer dano resultante do uso de nãoOCWC sites e páginas da web. 7. Violação de Direitos Autorais e DMCA. Como OCWC pede outros respeitem seus direitos de propriedade intelectual, que respeita os direitos de propriedade intelectual de terceiros. Se você acredita que o material localizado em ou ligados por ocwconsortium.org viola seus direitos autorais, que são incentivados a notificar o OCWC. O OCWC irá responder a todos esses anúncios, incluindo, mas não limitado a, como


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

50

necessário ou conforme seja considerado adequado pelo OCWC, removendo o material de infringir ou desactivar todas as ligações para o material ilícito. No caso de um visitante que pode infringir ou repetidamente viola os direitos autorais e outros direitos de propriedade intelectual do OCWC ou outros, o OCWC pode, a seu critério, rescindir ou negar o acesso e uso do site. No caso de rescisão, o OCWC não terá obrigação de fornecer um reembolso de quaisquer montantes já pagos ao OCWC. 8. Propriedade Intelectual. Este Acordo não transfere do OCWC a você qualquer propriedade ou terceiro partido OCWC intelectual, e todos os títulos, direito e interesses imobiliários, permanecerá (entre as partes) apenas com o OCWC. Qualquer conteúdo licenciado para seu reprodução ou outra utilização é claramente designada pela licença Creative Commons apropriado. Caso contrário, ocwconsortium.org, o logotipo da OCWC, e todas as outras marcas comerciais, marcas de serviço, gráficos e logotipos utilizados em conexão com ocwconsortium.org ou no site são marcas comerciais e / ou marcas comerciais registradas da OCWC ou de seus licenciadores. Outras marcas comerciais, marcas de serviço, gráficos e logotipos utilizados em conexão com o site podem ser marcas comerciais de terceiros. O seu uso do website lhe concede nenhum direito ou licença para reproduzir ou utilizar quaisquer marcas OCWC ou de terceiros. 9. Alterações. O OCWC reserva-se o direito de, a seu exclusivo critério, modificar ou substituir qualquer parte do presente Acordo. É de sua responsabilidade verificar este Acordo periodicamente. Seu uso continuado ou acesso ao site após a publicação de quaisquer alterações a este Acordo constitui aceitação dessas alterações. O OCWC também pode, no futuro, oferecer novos serviços e / ou recursos por meio do site (incluindo o lançamento de novas ferramentas e recursos). Esses


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

51

novos recursos e / ou serviços estão sujeitos aos termos e condições deste acordo. 10. Rescisão. O OCWC poderá rescindir seu acesso a todo ou qualquer parte do Website, a qualquer momento, com ou sem justa causa, com ou sem aviso prévio, imediatamente. Se você deseja rescindir este Contrato ou sua conta OCWC, você pode simplesmente interromper o uso do site. Todas as disposições do presente Acordo, que por sua natureza devem sobreviver a rescisão após a rescisão, incluindo, sem limitação, as disposições propriedade, Nota de Garantia, indenização e limitações de responsabilidade. 11. Renúncia de Garantias. O site é fornecido "como está". O OCWC e seus fornecedores e licenciadores isentam de todas as garantias de qualquer tipo, expressa ou implícita, incluindo, sem limitação, as garantias de comercialização, adequação a uma finalidade específica e não-violação. Nem o OCWC nem os seus fornecedores e licenciadores, faz qualquer garantia de que o site será livre de erros ou que seu acesso será contínua ou ininterrupta. Você entende que você baixar, ou obter conteúdos ou serviços através, do Website em sua própria conta e risco. 12. Limitação de Responsabilidade. Em nenhuma hipótese, o OCWC, ou seus fornecedores, licenciadores, afiliados, sucessores ou cessionários ser responsável com relação a qualquer assunto deste Acordo no âmbito de qualquer contrato, negligência, responsabilidade objetiva ou teoria legal ou eqüitativa para: (i) qualquer especial , danos acidentais ou conseqüentes, (ii) o custo de aquisição ou de produtos ou serviços substitutos, (iii) para interrupção do uso ou a perda ou corrupção de dados, ou (iv) por quaisquer valores que excedem as taxas pagas por você para o OCWC nos termos do presente Acordo, durante o período de 12 meses (12) antes da causa da ação. O OCWC não terá nenhuma responsabilidade por qualquer falha ou atraso devido a questões


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

52

alheias à sua vontade razoável. O disposto neste artigo não se aplica na medida proibida pela lei aplicável. 13. Representação geral e Garantia. Você declara e garante que (i) a sua utilização do site será em estrita conformidade com a Política de Privacidade OCWC, com este acordo e com todas as leis e regulamentos aplicáveis (incluindo, sem limitação, quaisquer leis ou regulamentos locais em seu país, estado, cidade ou área governamental, relativas à conduta online e ao conteúdo aceitável, incluindo todas as leis aplicáveis com relação à transmissão de dados técnicos exportados dos Estados Unidos ou do país em que você reside) e (ii) o uso do Website não infrinja ou apropriação indevida de direitos de propriedade intelectual de terceiros.

14.Indenização. Você concorda em indenizar e isentar o OCWC, seus contratados, e seus licenciadores, e seus respectivos diretores, diretores, funcionários e agentes de e contra todas e quaisquer reivindicações e despesas,

incluindo

honorários

advocatícios,

decorrentes de seu uso do site , incluindo, mas não limitado ao Conteúdo que enviar para o site, sua violação deste Acordo ou no caso de qualquer das representações ou garantias é ou deve ser falsa ou enganosa em qualquer aspecto. 15. Diversos. Este acordo constitui o acordo inteiro entre o OCWC e você sobre o assunto em questão, e que só pode ser modificada por uma emenda por escrito assinado por um executivo autorizado do OCWC, ou pela postagem do OCWC de uma versão revista. Exceto na lei aplicável, se houver, em contrário, este Acordo, qualquer acesso ou utilização do Site será regido pelas leis do Estado de Massachusetts, EUA, excluindo seu


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

53

conflito às disposições da lei. Com exceção de pedidos de medida cautelar ou de equidade ou reclamações relativas aos direitos de propriedade intelectual (que pode ser interposto em qualquer tribunal competente, sem o destacamento de uma ligação), qualquer litígio decorrente do presente Acordo serão resolvidos arbitragem final e vinculativa no condado de Middlesex, Massachusetts pela Associação Americana de Arbitragem, ao abrigo das regras e procedimentos em vigor no momento de entrega e do julgamento sobre o prêmio inscrita deve ser inscrita em qualquer tribunal competente. Se uma das partes não comparecer a qualquer processo de arbitragem corretamente notou, o prêmio pode ser introduzido contra o partido não obstante a sua não comparência. As partes concordam em compartilhar igualmente o custo da referida arbitragem, exceto que, a critério do árbitro, qualquer decisão pode incluir o custo de um advogado de uma das partes se o árbitro determina expressamente que a parte contra a qual a sentença é inserido causou o controvérsia, disputa ou reivindicação de ser submetido a arbitragem como uma ação frívola ou dilatória. A arbitragem terá lugar no idioma Inglês e da decisão arbitral pode ser executada em qualquer tribunal. Se qualquer parte deste Acordo for considerada inválida ou inexeqüível, essa parte será para refletir a intenção original das partes, e as parcelas restantes permanecerão em pleno vigor e efeito. A renúncia por qualquer das partes de qualquer termo ou condição deste Contrato, ou qualquer violação da mesma, em qualquer instância, não vai renunciar termo ou condição ou qualquer violação subseqüente. Você pode transferir seus direitos sob este Acordo a qualquer partido que consente, e concorda em ficar vinculado por seus termos e condições, o OCWC pode ceder seus direitos sob este Contrato sem qualquer condição. Este acordo será vinculativo e será usado para o benefício das partes, seus sucessores e cessionários autorizados.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

54

A Presidência do Instituto regulamentou as diretrizes do CAEE-NEC-INESPEC para os fins de promover pesquisa e expandir conhecimentos.

REGRAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA http://www.ocwconsortium.org/en/aboutus/whatisocw http://edital7neceadinespec.blogspot.com.br/ http://wwwdiariooficialinespec2011.blogspot.com/ http://radiowebinespec1.listen2myradio.com/ http://wwwtvinespeccanal1filmes.blogspot.com/ http://www.cec.ce.gov.br/cee/paginas/resolucoes http://wwwdiariooficialinespec2011.blogspot.com/2011/01/edtal-no-1-caeeprt-53832011-de-1-de.html caeeinespec@gmail.com NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA Edtal n.o. 7CAEE PRT 50337-2012, de 1 de janeiro de 2012. EMENTA: EDITAL DE COMUNICAÇÃO DA INSTITUCIONALIZAÇÃO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA DO CENTRO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO DO INSTITUTO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA, PREVISTO NO EDITAL 3-2011 e da outras providências.

A Presidente do Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, no uso de suas atribuições legais, com fundamento no(s) artigo(s) 20, item II do Estatuto do INESPEC, publicado em rede virtual de computadores no endereço: http://wwwestatutoinespec.blogspot.com/, e fundamentado nos termos do Edital 3/2011, originário nas deliberações dos autos do Processo Administrativo Interno - PAI INESPEC, número: 5.180/2011; Processo Administrativo Interno - PAI INESPEC, número: 23.597 de 13 de agosto do ano de 2011; Processo Administrativo Interno - PAI INESPEC, número: 24719.2 de 15 de novembro do ano de 2011; Processo Administrativo Interno - PAI INESPEC, número: 26.385 de 4 de dezembro de 2011 e Processo Administrativo SEDUC-GOV-CEARÁ número 114.766.12.6 de 23 de agosto de 2011, aprova o presente Edital, que se destina a COMUNICAÇÃO DA INSTITUCIONALIZAÇÃO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA DO CENTRO DE ATENDIMENTO


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

55 EDUCACIONAL ESPECIALIZADO DO INSTITUTO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA, PREVISTO NO EDITAL 3-2011 e da outras providências. Aos interessados FAZ-SE SABER, que: Resolve, O Presente Edital destina-se a tornar público que INSTITUTO DE ENSINO PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA, através do CENTRO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO – CAEE/INESPEC, legalmente constituído, esta dando ciência das seguintes deliberações, que se incorpora no formato jurídico de DECISÃO ADMINISTRATIVA, a saber: Art. 1º –. O NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA DO CENTRO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO DO INSTITUTO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA, tem como missão desenvolver e gerenciar tecnologias, metodologias e soluções específicas de ensino a distancia, sob a responsabilidade acadêmica da escola - CENTRO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO DO INSTITUTO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA, e do instituto INESPEC, no âmbito nacional e internacional, fazendo uso, no ano de 2012, dos 14 CANAIS VIRTUAIS DE TELEVISÃO ON-LINE, 5.030 Blogs e Sites distribuídos em 99 países e que retransmitem o sinal da Rádio WEB INESPEC, através de seis Canais - SERVIDORES transcontinentais a saber: a) http://radiowebinespec1.listen2myradio.comb) http://radiowebinespec1.listen2mymusic.comc) http://radiowebinespec1.radiostream321.comd) http://radiowebinespec1.listen2myshow.come) http://radiowebinespec1.radio12345.comf) http://radiowebinespec1.radiostream123.com§ 1º – Umas das metas primária do NÚCLEO é liderar com inovação em serviços, educacionais de qualidade, sempre com parcerias multiplicadoras; e ser referência internacional na distribuição de produtos e serviços educacionais inovadores e de alta qualidade no ensino a distância com parceiros de universidades e institutos nacional e internacionais. § 2º – O NÚCLEO deve construir parcerias que tornem transparentes nosso envolvimento com questões sociais como: convívio, defesa impositiva de


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

56 direitos e acessibilidade de espaços para as pessoas portadoras de deficiências; bolsas de estudo na área de propriedade intelectual e desenvolvimento educacional; bolsas de estudo e cursos gratuitos. Art. 2º –. Os professores do CENTRO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO – CAEE/INESPEC, contratados para a educação especial devem estar em conformidade com o estabelecido na LDB, artigos 59, Inciso III, e 62, e com as diretrizes curriculares nacionais para a formação de docentes. § 1º – O CAEE/INESPEC em parceria com as SECRETARIAS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL de diversos entes da federação, desenvolverá formação profissional continuada de que trata o presente edital, através de cursos de atualização, aperfeiçoamento e especialização. § 2º – Aos professores que já se encontram exercendo o magistério, nessa modalidade de ensino, ou que atuarão junto a esses alunos, matriculados no CAEE/INESPEC, serão oferecidas oportunidades de formação continuada, inclusive no nível de pós-graduação no âmbito do INESPEC, utilizando o SISTEMA DA TELEVISÃO VIRTUAL INESPEC em parceria com a TELEVISÃO MUNDIAL – TV WORLD, dos Estados Unidos da América e da Irlanda do Norte. § 3º – A parceria para os fins a que se refere o parágrafo segundo já estar firmada, e inicialmente se processa o CANAL DO AUTISMO e CANAL MEDICINA nos links: a) TV INESPEC AUTISMO RADIOWEBINESPEC CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TELEVISÃO VIRTUAL EAD http://radiowebinespec.webnode.com.br/news/curso%20de%20especialia% c3%a7%c3%a3o%20televis%c3%a3o%20virtual%20ead/ http://worldtv.com/examples/embed-playerpreview.php?type=iframe&channelId=1445965&width=728&height=546& skin=slick http://worldtv.com/tv-inespec-hist_ria_do_brasil b) TV INESPEC MEDICINA on WorldTV.com


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

57 http://worldtv.com/tv_inespec_medicina c) Dialética do autismo. http://inespeceducacao.no.comunidades.net/index.php?pagina=1224762711 http://inespeceducacao.no.comunidades.net/ d) SISTEMA DE RADIODIFUSÃO INTERNACIONAL INESPEC http://radiowebinespec.webnode.com.br/ http://wwwtvinespeccanal1filmes.blogspot.com/ BLOGS DO INESPEC PARTE1 http://radiowebinespec1.listen2myradio.com/ http://www.google.com.br/#q=BLOGS+DO+INESPEC&hl=ptBR&rlz=1R2RNTN_pt-BRBR377&start=20&sa=N&fp=98edb3f93e60e22f http://radiowebinespeccanal.no.comunidades.net/index.php http://worldtv.com/filme.tvinespec http://wwwescritriojuridicoinespec.blogspot.com/2010/12/advogadogilberto-marcelino-miranda.html http://wwwdiariooficialinespec2011.blogspot.com/ Your listeners can access your radio at : http://radiowebinespec1.listen2myradio.com http://radiowebinespec1.listen2mymusic.com http://radiowebinespec1.radiostream321.com http://radiowebinespec1.listen2myshow.com http://radiowebinespec1.radio12345.com http://radiowebinespec1.radiostream123.com Art. 3º –. A educação especial no CAEE/INESPEC, buscará mecanismos de cooperação com a educação para o trabalho, em parceria com organizações governamentais e não governamentais, visando ao desenvolvimento de programas de qualificação profissional para alunos com necessidades especiais, promovendo sua inserção no mercado de trabalho. Art. 4º –. A inclusão da pessoa com necessidades especiais no mercado de trabalho ou sua incorporação ao sistema produtivo deverá constar como parte integrante da política institucional e projeto pedagógico do CAEE/INESPEC, visando preparar o discente para o mercado de trabalho, emprego futuro.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

58

Art. 5º –. Nos casos de deficiência grave ou severa o CAEE/INESPEC, através de seu corpo docente viabilizará a uniformização do atendimento de forma que não exclua da instituição o cidadão com necessidades especiais. Art. 6º –. O CAEE/INESPEC deve instituir banco de dados que reúna informações sobre a situação das pessoas com necessidades educacionais especiais e fomente pesquisas e estudos sobre o assunto junto a sociedade civil e ao corpo docente da instituição. Art. 7º –. O Diretor do CAEE-INESPEC em processo especifico fixará o REGIMENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA no âmbito do NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA – CAEE INESPEC - este regimento deve estabelece as normas gerais e a organização básica do Programa de Educação Continuada da entidade e deverá ser homologado pela Presidência do INESPEC. Art. 8º –. O Diretor do CAEE-INESPEC em processo especifico deve garantir que os cursos do NEC-CAEE-INESPEC se desenvolva de forma gratuita para os docentes públicos, lotados em escolas municipais e estaduais. Parágrafo único. Requer-se atenção para as normas complementares de caráter informativo a saber: 1 - O CAEE através do NEC deve desenvolver esforços para ser membro do OCWC (Open Course Ware Consortium), o consórcio de instituições de ensino de diversos países que oferecem conteúdos e materiais didáticos de graça pela internet. 2 - Para acessar os cursos gratuitos, não é necessário efetuar o login no site do CAEE-Online. Basta acessar a página Cursos Gratuitos-NEC-CAEE, onde estão listados todos os conteúdos oferecidos. 3 - Não é necessário se cadastrar para acessar os cursos. No entanto, a declaração de conclusão só poderá ser disponibilizada aos cadastrados. 4 - Selecione o curso desejado, realize seu cadastro e, ao término do mesmo, com obtenção de média igual ou superior a 7,0 no pós-teste, a declaração de conclusão do curso estará disponível para impressão. 5 - O sistema não armazena o período em que cada aluno realiza o curso. Como a declaração de conclusão do curso é gerada de forma automática, não é possível incluir o período de realização do curso.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

59 6 - Os cursos gratuitos não possuem material didático para impressão ou para download. 7 - O curso inicia assim que o aluno conclui o cadastramento dos dados pessoais. 8 - Para os cursos Ciência e Tecnologia, Ética Empresarial e Recursos Humanos, faça o procedimento abaixo: 9 - Toda vez que você for acessar o curso, escolha a opção “Já sou cadastrado”, digite seu CPF e seu e-mail. Clique em “menu” no lado direito da tela e continue a leitura de onde você parou. 10 - Para os demais cursos (exceto Diversidade nas Organizações e Quiz): 11 - Toda vez que você for acessar o curso, escolha a opção “Já sou cadastrado”, digite seu CPF e seu e-mail. No lado esquerdo da tela, você poderá selecionar a unidade na qual você parou. 12 - Os cursos Diversidade nas Organizações e Filosofia não possuem pós teste. Todos os demais possuem. 13 - Para receber a declaração a média deverá ser igual ou superior a 7.0. 14 - Todos os cursos possuem declaração a critério do interessado e de acordo com as regras definidas no procedimento especifico. 15 - Para corrigir o seu nome, solicite atualização dos dados por e-mail no endereço rwi2012@live.com, informando o nome correto e o CPF. Após a atualização, será necessário retornar ao curso, refazer o pós teste e gerar uma nova declaração. Art. 9º –. O NEC do CAEE-INESPEC em processo especifico deve garantir o funcionamento permanente dos cursos para a Educação Profissional Continuada que é um programa oficial do CAEE-INESPEC-2012-2018, que visa atualizar e aprimorar os conhecimentos dos profissionais do CAEE e dos educadores ligados a educação especial que queiram participar. Parágrafo Único. O Programa deve ter regras especificas que garanta a sua continuidade no plano logístico e legal jurídico. Art. 10 – O CENTRO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO – CAEE/INESPEC, poderá expedir certificado e histórico escolar do estudante regularmente matriculado na EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA, porém no certificado e no histórico escolar dos alunos da educação profissional continuada, nos termos do que prevê o presente edital, deve ter obrigatoriamente a mensagem “EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO FEDERAL EM VIGOR”, citando a legislação pertinente de


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

60 forma que não induza terceiros de boa fé em erro jurídico. Art. 11 – O CENTRO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO – CAEE/INESPEC, promoverá em serviço a requalificação e aperfeiçoamento de seu corpo docente, e a pedido poderá expedir certificado e histórico escolar do professor estudante regularmente matriculado na EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA, porém no certificado e no histórico escolar nos termos do que prevê o presente edital, deve ter obrigatoriamente a mensagem “EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO FEDERAL EM VIGOR”, citando a legislação pertinente de forma que não induza terceiros de boa fé em erro jurídico. Art. 12 – O CENTRO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO – CAEE/INESPEC, promoverá EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA, e de acordo com a RESOLUÇÃO CEC Nº 390/2004 do CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CEARÁ, não está obrigada a promover seu registro, credenciamento no órgão, devendo comunicar seus projetos para fins de acompanhamento. RESOLUÇÃO CEC Nº 390/2004 - Art. 2º – As instituições não enquadradas no art. 1º desta Resolução, poderão apenas cadastrar-se junto a este Conselho de Educação. Parágrafo único – O cadastramento não contempla os direitos específicos do credenciamento. Art. 13 – O CENTRO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO – CAEE/INESPEC, aprova os termos da adesão INESPEC, com as universidades relacionadas no presente edital, com fins de garantir na REDE VIRTUAL INESPEC, 5040 Blogs e Sites o desenvolvimento do programa que promoverá a EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA. Art. 14– O material disponível pode ser gratuitamente acessados, é conteúdo digital, material de alta qualidade com fins educacional para faculdades e universidades. a) Estes materiais são organizados como cursos, e muitas vezes incluem materiais do curso de planejamento e ferramentas de avaliação, bem como conteúdo temático. b) Os membros do consórcio OCW em todo o mundo desenvolve a publicação em uma variedade de formatos, temas e linguagens.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

61

c) Usando motor de pesquisa especializado, o CAEE indica cursos entre todos os membros do Consórcio OCW que estão atualmente a publicar um feed curso. d) O aluno-CAEE-NEC pode começar usando o formulário de busca rápida no lado esquerdo da página do site CAEE-NEC-EAD, e promover a Busca Avançada pelo Curso. Art. 15 – Inicialmente o CAEE fará uso do material disponível na parceria envolvendo às seguintes universidade e institutos internacionais(faculdades e universidades): African Virtual University China Open Resources for Education Fundação Getulio Vargas - FGV Online Japan OCW Consortium Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health Korea OCW Consortium Massachusetts Institute of Technology Netease Information Technology (Beijing) Co., Ltd. Open University Netherlands Taiwan OpenCourseWare Consortium Tecnológico de Monterrey TU Delft Tufts University UNIVERSIA Universidad Politécnica Madrid University of California, Irvine University of Michigan University of the Western Cape Art. 16 – O Documento a que se refere o artigo 13 deste edital encontra-se no Anexo I do presente edital, traduzido para o português, e anexos em líbgua de origem e mais duas outras: alemão, italiano. ANEXO I – TEXTO ORIGINAL. ANEXO II – TEXTO PORTUGUÊS. ANEXO III – TEXTO ITALIANO. ANEXO IV – TEXTO ALEMÃO.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

62 ANEXO I – TEXTO ORIGINAL. ANEXO I Terms and Conditions The following terms and conditions govern all use of the OpenCourseWare Consortium (OCWC) website and all content, services and products available at or through the website, including, but not limited to, the OCW Main Site, OCWC Wiki, the OCW Toolkit and any OCWC Conference Sites (taken together, the "Website"). The Website is owned and operated by The OpenCourseWare Consortium, Inc. ("the OCWC"). The Website is offered subject to your acceptance without modification of all of the terms and conditions contained herein and all other operating rules, policies (including, without limitation, OCWC's Privacy Policy) and procedures that may be published from time to time on the Website by the OCWC (collectively, this "Agreement"). Please read this Agreement carefully before accessing or using the Website. By accessing or using any part of the Website, you agree to become bound by the terms and conditions of this Agreement. If you do not agree to all the terms and conditions of this Agreement, then you may not access the Website or use any services. If these terms and conditions are considered an offer by the OCWC, acceptance is expressly limited to these terms. The Website is available only to individuals who are at least 13 years old. 1. Your OCWC Account. If you create a user account on the Website, you are responsible for maintaining the security of your account, and you are fully responsible for all activities that occur under or in connection with the account. You must not describe or assign keywords to your account in a misleading or unlawful manner, including in a manner intended to trade on the name or reputation of others, and the OCWC may change or remove any description or keyword that it considers inappropriate or unlawful, or otherwise likely to cause the OCWC liability. You must immediately notify the OCWC of any unauthorized uses of your account or any other breaches of security. The OCWC will not be liable for any acts or omissions by you, including any damages of any kind incurred as a result of such acts or omissions. 2. Responsibility of Contributors. If you post material to the Website, post links on the Website, or otherwise make (or allow any third party to make) material available by means of the Website (any such material, "Content"), you are entirely responsible for the content of, and any harm resulting from, that Content. That is the case regardless of whether the Content in question constitutes text, graphics, an audio file, or computer software. By making Content available, you represent and warrant that:


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

63 a. the downloading, uploading, copying and use of the Content will not infringe the proprietary rights, including but not limited to the copyright, patent, trademark or trade secret rights, of any third party; b. if your employer has rights to intellectual property you create, you have either (i) received permission from your employer to post or make available the Content, including but not limited to any software, or (ii) secured from your employer a waiver as to all rights in or to the Content; c. you have fully complied with any third-party licenses relating to the Content, and have done all things necessary to successfully pass through to end users any required terms; d. the Content does not contain or install any viruses, worms, malware, Trojan horses or other harmful or destructive content; e. the Content is not spam, is not machine- or randomly-generated, does not contain unethical or unwanted commercial content designed to drive traffic to third party sites or boost the search engine rankings of third party sites, or to further unlawful acts (such as phishing) or mislead recipients as to the source of the material (such as spoofing) and does not contain false-factual information in such a way that the reader may not understand the veracity of the Content; f. the Content is not pornographic, libelous or defamatory, does not contain threats or incite violence towards individuals or entities, and does not violate the privacy or publicity rights of any third party; g. your account is not named in a manner that misleads others into thinking that you are another person or organization. For example, your user name is not the name of a person other than yourself or an organization other than your own; and h. you have, in the case of Content that includes computer code, accurately categorized and/or described the type, nature, uses and effects of the materials, whether requested to do so by the OCWC or otherwise. 3. License. By submitting Content to the OCWC for inclusion on the Website, you grant the OCWC a perpetual, world-wide, royalty-free, and non-exclusive license to reproduce, modify, adapt and publish the Content solely for the purpose of promoting OpenCourseWare. If you delete Content, the OCWC will use reasonable efforts to remove it from the Website, but you acknowledge that caching or references to the Content may not be made immediately unavailable. 4. Removal. Without limiting any of those representations or warranties, the OCWC has the right (though not the obligation) to, in the OCWC's sole discretion (i) refuse or remove any content that, in the OCWC's sole discretion, violates any OCWC policy or is in any way harmful or


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

64 objectionable, or (ii) terminate or deny access to and use of the Website to any individual or entity for any reason, in the OCWC's sole discretion. The OCWC will have no obligation to provide a refund of any amounts previously paid. 5. Responsibility of Website Visitors. The OCWC has not reviewed, and cannot review, all of the material, including computer software, posted to the Website, and cannot therefore be responsible for that material's content, use or effects. By operating the Website, the OCWC does not represent or imply that it endorses the material there posted, or that it believes such material to be accurate, useful or non-harmful. You are responsible for taking precautions as necessary to protect yourself and your computer systems from viruses, worms, Trojan horses, and other harmful or destructive content. The Website may contain content that is offensive, indecent, or otherwise objectionable, as well as content containing technical inaccuracies, typographical mistakes, and other errors. The Website may also contain material that violates the privacy or publicity rights, or infringes the intellectual property and other proprietary rights, of third parties, or the downloading, copying or use of which is subject to additional terms and conditions, stated or unstated. The OCWC disclaims any responsibility for any harm resulting from the use by visitors of the Website, or from any downloading by those visitors of content there posted. 6. Content Posted on Other Websites. We have not reviewed, and cannot review, all of the material, including computer software, made available through the websites and webpages to which ocwconsortium.org links, and that link to ocwconsortium.org. The OCWC does not have any control over those non-OCWC websites and webpages, and is not responsible for their contents or their use. By linking to a non-OCWC website or webpage, the OCWC does not represent or imply that it endorses such website or webpage. You are responsible for taking precautions as necessary to protect yourself and your computer systems from viruses, worms, Trojan horses, and other harmful or destructive content. The OCWC disclaims any responsibility for any harm resulting from your use of non-OCWC websites and webpages. 7. Copyright Infringement and DMCA Policy. As OCWC asks others to respect its intellectual property rights, it respects the intellectual property rights of others. If you believe that material located on or linked to by ocwconsortium.org violates your copyright, you are encouraged to notify the OCWC. The OCWC will respond to all such notices, including, but not limited to, as required or as may be deemed appropriate by the OCWC, removing the infringing material or disabling all links to the infringing


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

65 material. In the case of a visitor who may infringe or repeatedly infringes the copyrights or other intellectual property rights of the OCWC or others, the OCWC may, in its discretion, terminate or deny access to and use of the Website. In the case of such termination, the OCWC will have no obligation to provide a refund of any amounts previously paid to the OCWC. 8. Intellectual Property. This Agreement does not transfer from the OCWC to you any OCWC or third party intellectual property, and all right, title and interest in and to such property will remain (as between the parties) solely with the OCWC. Any Content licensed for your reproduction or other use is clearly designated by the appropriate Creative Commons license. Otherwise, ocwconsortium.org, the OCWC logo, and all other trademarks, service marks, graphics and logos used in connection with ocwconsortium.org, or the Website are trademarks and/or registered trademarks of the OCWC or its licensors. Other trademarks, service marks, graphics and logos used in connection with the Website may be the trademarks of other third parties. Your use of the Website grants you no right or license to reproduce or otherwise use any OCWC or third-party trademarks. 9. Changes. The OCWC reserves the right, at its sole discretion, to modify or replace any part of this Agreement. It is your responsibility to check this Agreement periodically for changes. Your continued use of or access to the Website following the posting of any changes to this Agreement constitutes acceptance of those changes. The OCWC may also, in the future, offer new services and/or features through the Website (including, the release of new tools and resources). Such new features and/or services shall be subject to the terms and conditions of this Agreement. 10. Termination. The OCWC may terminate your access to all or any part of the Website at any time, with or without cause, with or without notice, effective immediately. If you wish to terminate this Agreement or your OCWC account, you may simply discontinue using the Website. All provisions of this Agreement which by their nature should survive termination shall survive termination, including, without limitation, ownership provisions, warranty disclaimers, indemnity and limitations of liability. 11. Disclaimer of Warranties. The Website is provided "as is". The OCWC and its suppliers and licensors hereby disclaim all warranties of any kind, express or implied, including, without limitation, the warranties of merchantability, fitness for a particular purpose and non-infringement. Neither the OCWC nor its suppliers and licensors, makes any warranty that the Website will be error free or that access thereto will be continuous or


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

66 uninterrupted. You understand that you download from, or otherwise obtain content or services through, the Website at your own discretion and risk. 12. Limitation of Liability. In no event will the OCWC, or its suppliers, licensors, affiliates, successors or assigns be liable with respect to any subject matter of this Agreement under any contract, negligence, strict liability or other legal or equitable theory for: (i) any special, incidental or consequential damages; (ii) the cost of procurement or substitute products or services; (iii) for interruption of use or loss or corruption of data; or (iv) for any amounts that exceed the fees paid by you to the OCWC under this Agreement during the twelve (12) month period prior to the cause of action. The OCWC shall have no liability for any failure or delay due to matters beyond their reasonable control. The foregoing shall not apply to the extent prohibited by applicable law. 13. General Representation and Warranty. You represent and warrant that (i) your use of the Website will be in strict accordance with the OCWC Privacy Policy, with this Agreement and with all applicable laws and regulations (including without limitation any local laws or regulations in your country, state, city, or other governmental area, regarding online conduct and acceptable content, and including all applicable laws regarding the transmission of technical data exported from the United States or the country in which you reside) and (ii) your use of the Website will not infringe or misappropriate the intellectual property rights of any third party. 14. Indemnification. You agree to indemnify and hold harmless the OCWC, its contractors, and its licensors, and their respective directors, officers, employees and agents from and against any and all claims and expenses, including attorneys' fees, arising out of your use of the Website, including but not limited to the Content you upload to the Website, your violation of this Agreement or in the event any of the representations or warranties is or shall be untrue or misleading in any respect. 15. Miscellaneous. This Agreement constitutes the entire agreement between the OCWC and you concerning the subject matter hereof, and they may only be modified by a written amendment signed by an authorized executive of the OCWC, or by the posting by the OCWC of a revised version. Except to the extent applicable law, if any, provides otherwise, this Agreement, any access to or use of the Website will be governed by the laws of the Commonwealth of Massachusetts, U.S.A., excluding its conflict of law provisions. Except for claims for injunctive or equitable relief or claims regarding intellectual property rights (which may be brought in any competent court without the posting of a bond), any dispute arising under this Agreement shall be finally settled final and binding arbitration in


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

67 Middlesex County, Massachusetts by the American Arbitration Association under its rules and procedures in effect at the time of submission and the judgment upon the award entered shall be entered in any court having jurisdiction thereof. If any party fails to appear at any properly noticed arbitration proceeding, an award may be entered against the party notwithstanding its failure to appear. The parties hereby agree to share equally in the cost of said arbitration, except that in the discretion of the arbitrator, any award may include the cost of a party's counsel if the arbitrator expressly determines that the party against whom the award is entered has caused the dispute, controversy or claim to be submitted to arbitration as a frivolous or dilatory action. The arbitration shall take place in the English language and the arbitral decision may be enforced in any court. If any part of this Agreement is held invalid or unenforceable, that part will be construed to reflect the parties' original intent, and the remaining portions will remain in full force and effect. A waiver by either party of any term or condition of this Agreement or any breach thereof, in any one instance, will not waive such term or condition or any subsequent breach thereof. You may assign your rights under this Agreement to any party that consents to, and agrees to be bound by, its terms and conditions; the OCWC may assign its rights under this Agreement without condition. This Agreement will be binding upon and will inure to the benefit of the parties, their successors and permitted assigns. ACEITAÇÃO DIGITAL. 15/01/12, 22:26:40 ANEXO II – TEXTO PORTUGUÊS. Eu http://www.ocANEXO Termos e Condições Os seguintes termos e condições regem todo o uso do Consórcio OpenCourseWare website (OCWC) e todos os conteúdos, serviços e produtos disponíveis no ou através do site, incluindo, mas não limitado a, no site OCW Main, OCWC Wiki, o Toolkit OCW e qualquer Sites Conferência OCWC (tomados em conjunto, o "Website"). O site pertence e é operado pelo Consórcio OpenCourseWare, Inc. ("o OCWC"). O Website é oferecido mediante sua aceitação, sem modificação de todos os termos e condições contidos neste documento e todas as outras regras operacionais, políticas (incluindo, sem limitação Política de Privacidade, OCWC) e procedimentos que possam ser publicadas de tempos em tempos no site por o OCWC (coletivamente, este "Acordo").Por favor, leia este acordo cuidadosamente antes de acessar ou usar o website. Ao acessar ou utilizar


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

68 qualquer parte do site, você concorda em estar vinculado pelos termos e condições deste Contrato. Se você não concordar com todos os termos e condições deste Contrato, então você não pode acessar o site ou utilizar qualquer serviço. Se estes termos e condições são consideradas uma oferta pela OCWC, a aceitação é expressamente limitada a estes termos. O site está disponível apenas para indivíduos que são pelo menos 13 anos de idade. 1. Sua Conta OCWC. Se você criar uma conta de usuário no site, você é responsável por manter a segurança de sua conta, e você é totalmente responsável por todas as atividades que ocorrem sob ou em conexão com a conta. Você não deve descrever ou atribuir palavras-chave para a sua conta de forma enganosa ou ilegal, incluindo de forma destinados ao comércio no nome ou reputação de outros, e os OCWC pode alterar ou remover qualquer descrição ou palavra-chave que considera inadequado ou ilegal, ou não susceptível de provocar a responsabilidade OCWC. Você deve notificar imediatamente o OCWC de qualquer uso não autorizado da sua conta ou quaisquer outras violações de segurança. O OCWC não será responsável por quaisquer atos ou omissões por você, incluindo quaisquer danos de qualquer espécie incorridos como resultado de tais actos ou omissões.2. Responsabilidade de Contribuintes. Se você enviar material para o site, postar links no site, ou de outra forma (ou permitir que terceiros a fazer) o material disponível por meio do site (qualquer um desses materiais, "Conteúdo"), você é inteiramente responsável pelo conteúdo de, e qualquer dano resultante do que de conteúdo. Esse é o caso, independentemente de o conteúdo em questão constitui um texto, gráficos, um arquivo de áudio, ou software de computador. Fazendo Conteúdo disponível, você declara e garante que: a. o download, upload, cópia e utilização do Conteúdo não irá infringir os direitos de propriedade, incluindo mas não limitado a direitos autorais, marcas, patentes ou direitos de segredo comercial, de qualquer terceiro; b. se o seu empregador tem direitos de propriedade intelectual que você cria, você quer ter (i) recebeu autorização de seu empregador para postar ou disponibilizar o conteúdo, incluindo mas não limitado a qualquer software, ou (ii) seguro do seu empregador uma renúncia a todos os direitos ou aos conteúdos; c. você tem cumprido plenamente todas as licenças de terceiros relativas ao conteúdo, e ter feito todas as coisas necessárias para passar com êxito para usuários finais através de quaisquer condições exigidas; d. Conteúdo não contém ou instalar qualquer tipo de vírus, worms, malware, cavalos de Tróia ou conteúdo prejudicial ou destrutivo;


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

69 e. o conteúdo não é spam, não é máquina ou gerado aleatoriamente, não contém antiético ou indesejados conteúdo comercial projetado para impulsionar o tráfego para sites de terceiros ou impulsionar o motor de pesquisa rankings de sites de terceiros, ou outros atos ilícitos (como phishing) ou enganar os destinatários quanto à origem do material (como spoofing) e não contém informações falsas-factual de tal forma que o leitor pode não entender a veracidade do conteúdo;f. o conteúdo não é pornográfico, calunioso ou difamatório, não contém ameaças ou incitar a violência contra indivíduos ou entidades, e não viola os direitos de privacidade ou publicidade de terceiros;g. sua conta não tem o nome de uma forma que engana os outros a pensar que você é outra pessoa ou organização. Por exemplo, seu nome de usuário não é o nome de uma pessoa diferente de si mesmo ou uma organização diferente do seu, e h. você tem, no caso de conteúdo que inclui código de computador, com precisão categorizadas e / ou descritos o tipo, natureza, usos e efeitos dos materiais, se solicitado a fazê-lo pela OCWC ou de outra forma. 3. Licença. Ao enviar conteúdo para o OCWC para inclusão no site, você concede a OCWC uma licença perpétua, mundial, isenta de royalties e não exclusiva para reproduzir, modificar, adaptar e publicar o Conteúdo exclusivamente para a finalidade de promover OpenCourseWare. Se você excluir conteúdo, o OCWC envidará esforços razoáveis para removê-lo a partir do site, mas você reconhece que o cache ou referências ao conteúdo não pode ser feita imediatamente indisponíveis.4. Remoção. Sem limitar qualquer dessas representações ou garantias, o OCWC tem o direito (mas não a obrigação) de, a critério exclusivo do OCWC é (i) recusar ou remover qualquer conteúdo que, a critério exclusivo do OCWC, a viola qualquer política OCWC ou está em qualquer forma prejudicial ou censurável, ou (ii) extinguir ou negar o acesso ea utilização do site para qualquer indivíduo ou entidade, por qualquer motivo, no OCWC é exclusivo critério. O OCWC não terá obrigação de fornecer uma restituição de quaisquer valores já pagos.5. Responsabilidade dos visitantes do site. O OCWC não as examinou, e não pode rever, todo o material, incluindo software de computador, lançado para o site, e não pode, portanto, ser responsável pelo conteúdo do material utilizado, ou efeitos. Pela operação do site, o OCWC não representa nem implica que subscreve o material postado lá, ou que acredita que esse material para ser exato, útil ou não prejudicial. Você é responsável por tomar as precauções necessárias para proteger você e seus sistemas de computador de vírus, worms, cavalos de Tróia e outros conteúdos prejudiciais ou destrutivas. O website pode conter conteúdo que é ofensivo, indecente ou censurável, bem como conteúdo técnico contendo


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

70 imprecisões, erros tipográficos e outros erros. O Site também pode conter material que viole os direitos de privacidade ou publicidade, ou que infrinjam a propriedade intelectual e outros direitos de propriedade, de terceiros, ou o download, cópia ou utilização do que está sujeita aos termos e condições adicionais, declarada ou não declarada. O OCWC exime de qualquer responsabilidade por qualquer dano resultante do uso pelos visitantes do site, ou de qualquer download por esses visitantes de conteúdo postado lá.6. Conteúdo disponibilizado em outros sites. Nós não revimos, e não pode rever, todo o material, incluindo software de computador, disponibilizado através dos sites e páginas da web para links que ocwconsortium.org, e que apontam para ocwconsortium.org. O OCWC não tem nenhum controle sobre esses sites não-OCWC e páginas da web, e não é responsável por seu conteúdo ou sua utilização. Ao ligar para um site nãoOCWC ou página da web, o OCWC não representa nem implica que subscreve tal site ou página da web. Você é responsável por tomar as precauções necessárias para proteger você e seus sistemas de computador de vírus, worms, cavalos de Tróia e outros conteúdos prejudiciais ou destrutivas. O OCWC exime de qualquer responsabilidade por qualquer dano resultante do uso de recursos não-OCWC sites e páginas web.7. Violação de direitos autorais e Política de DMCA. Como OCWC pede outros para respeitar os seus direitos de propriedade intelectual, que respeita os direitos de propriedade intelectual de outros. Se você acredita que o material localizado em ou ligados a pelo ocwconsortium.org viola seus direitos autorais, você é encorajado a notificar o OCWC. O OCWC irá responder a todos esses anúncios, incluindo, mas não limitado a, como exigido ou que possam ser consideradas adequadas pela OCWC, removendo o material ilícito ou desabilitar todos os links para o material infrator. No caso de um visitante que pode infringir ou repetidamente viola os direitos de autor ou outros direitos de propriedade intelectual do OCWC ou outros, o OCWC poderá, a seu critério, rescindir ou negar o acesso ea utilização do Website. No caso de rescisão, o OCWC não terá obrigação de fornecer um reembolso de qualquer montantes já pagos ao OCWC. 8. Propriedade intelectual. Este Acordo não transferência do OCWC para você qualquer propriedade ou terceiro partido OCWC intelectual, e todos os direitos, títulos e interesses relativos a essa propriedade permanecem (como entre as partes) unicamente com o OCWC. Qualquer Conteúdo licenciado para a sua reprodução ou outra utilização é claramente designado pela licença Creative Commons apropriado. Caso contrário, ocwconsortium.org, o logotipo da OCWC, e todas as outras marcas comerciais, marcas de serviço, gráficos e logotipos utilizados em conexão com


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

71 ocwconsortium.org, ou o site são marcas comerciais e / ou marcas registradas da OCWC ou de seus licenciadores. Outras marcas comerciais, marcas de serviço, gráficos e logotipos utilizados em conexão com o site podem ser marcas comerciais de terceiros. O uso do Website não concede nenhum direito ou licença para reproduzir ou utilizar quaisquer marcas OCWC ou de terceiros.9. Alterações. O OCWC reserva-se o direito de, a seu exclusivo critério, modificar ou substituir qualquer parte deste Acordo. É sua responsabilidade verificar este Acordo periodicamente. Seu uso continuado ou acesso ao site após a publicação de quaisquer alterações ao presente Acordo constitui aceitação dessas alterações. O OCWC também pode, no futuro, oferecer novos serviços e / ou recursos através do site (incluindo, a liberação de novas ferramentas e recursos). Essas novas funcionalidades e / ou serviços devem ser sujeitos aos termos e condições deste Contrato.10. Rescisão. O OCWC poderá rescindir seu acesso a todo ou qualquer parte do Website, a qualquer momento, com ou sem justa causa, com ou sem aviso prévio, imediatamente. Se você deseja rescindir este Contrato ou sua conta OCWC, você pode simplesmente interromper o uso do site. Todas as disposições do presente Acordo, que por sua natureza devem sobreviver a rescisão após a rescisão, incluindo, sem limitação, as disposições propriedade, isenções de garantia, indenização e limitações de responsabilidade. 11. Renúncia de Garantias. O website é fornecido "como é". O OCWC e seus fornecedores e licenciadores renunciam todas as garantias de qualquer tipo, expressas ou implícitas, incluindo, sem limitação, as garantias de comercialização, adequação a uma finalidade específica e não violação. Nem OCWC, nem os seus fornecedores e licenciadores, faz qualquer garantia que o site será livre de erros ou que o acesso será contínua ou ininterrupta. Você entende que baixar, ou obter conteúdos ou serviços através, do site em sua própria conta e risco.12. Limitação de Responsabilidade. Em nenhum caso será o OCWC, ou de seus fornecedores, licenciadores, afiliados, sucessores ou cessionários ser responsável com relação a qualquer assunto do presente Acordo em qualquer contrato, negligência, responsabilidade estrita ou teoria legal ou eqüitativa para: (i) quaisquer danos especiais , danos acidentais ou conseqüentes, (ii) o custo de aquisição ou substituir produtos ou serviços, (iii) para a interrupção do uso ou perda ou corrupção de dados, ou (iv) para quaisquer montantes que excedam as taxas pagas por você para o OCWC nos termos deste Contrato, durante 12 (doze) meses anteriores à causa da ação. O OCWC não terá nenhuma responsabilidade por qualquer falha ou atraso devido a questões alheias à sua vontade razoável. O precedente não é


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

72 aplicável à medida proibida pela lei aplicável.13. Representação geral e Garantia. Você representa e garante que (i) o uso do site será em estrita conformidade com a Política de Privacidade OCWC, com este Acordo e com todas as leis e regulamentos aplicáveis (incluindo, sem limitação, quaisquer leis ou regulamentos locais em seu país, estado, cidade ou área governamental, relativas à conduta on-line e conteúdo aceitável, incluindo todas as leis aplicáveis com relação à transmissão de dados técnicos exportados dos Estados Unidos ou do país onde você reside) e (ii) seu uso do Website não infrinja ou desviar os direitos de propriedade intelectual de terceiros. 14. Indenização. Você concorda em indenizar e isentar o OCWC inofensivo, seus contratados, e seus licenciadores, e seus respectivos diretores, executivos, funcionários e agentes de e contra toda e qualquer reclamação e despesas, incluindo honorários advocatícios, decorrentes de seu uso do Website , incluindo mas não limitado ao Conteúdo que enviar para o site, sua violação deste Contrato ou em caso qualquer uma das representações ou garantias é ou deve ser falsa ou enganosa em qualquer aspecto. 15. Diversos. Este acordo constitui o acordo inteiro entre o OCWC e você sobre o assunto aqui, e eles só pode ser modificado por uma emenda por escrito assinado por um executivo autorizado da OCWC, ou pela postagem pelo OCWC de uma versão revista. Exceto o definido em lei aplicável, se houver, em contrário, este Acordo, qualquer acesso ou uso do website será regido pelas leis da Commonwealth of Massachusetts, EUA, excluindo seus conflitos de disposições da lei. Exceto para pedidos de medida cautelar ou eqüitativa ou reclamações relativas aos direitos de propriedade intelectual (que podem ser introduzidos em qualquer tribunal competente, sem o destacamento de uma ligação), qualquer litígio decorrente do presente Acordo serão resolvidos de arbitragem final e obrigatória no condado de Middlesex, Massachusetts pela Associação Americana de Arbitragem ao abrigo das regras e procedimentos em vigor no momento de entrega e do julgamento sobre o prêmio inscritas serão inseridos em qualquer corte tendo jurisdição. Se uma das partes não comparecer a qualquer processo de arbitragem devidamente observado, um prêmio pode ser introduzidos contra o partido não obstante a sua não comparência. As partes concordam em dividir igualmente o custo da referida arbitragem, exceto que, a critério do árbitro, qualquer sentença pode incluir o custo do advogado de uma das partes se o árbitro expressamente determina que a parte contra a qual a sentença é entrado fez com que a disputa, controvérsia ou reivindicação a ser submetido a arbitragem como uma ação frívola ou dilatório. A


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

73 arbitragem terá lugar no idioma Inglês e da decisão arbitral pode ser executada em qualquer tribunal. Se qualquer parte deste Acordo for considerada inválida ou inexeqüível, essa parte será interpretada de forma a refletir a intenção original das partes, e as parcelas restantes serão permanecerá em pleno vigor e efeito. A renúncia por qualquer das partes de qualquer termo ou condição do presente Acordo ou qualquer violação da mesma, em qualquer instância, não abrirá mão de termo ou condição ou qualquer quebra subseqüente do mesmo. Você pode transferir seus direitos sob este Contrato a qualquer partido que consente, e concorda em ficar vinculado por, seus termos e condições, o OCWC pode ceder seus direitos sob este Contrato sem qualquer condição. Este Acordo será obrigatório e será usado para o benefício das partes, seus sucessores e cessionários autorizados.ACEITAÇÃO DIGITAL. 15/01/12, 22:26:40 ANEXO III – TEXTO ITALIANO. I http://www.oc ANEXOTermini e condizioni I seguenti termini e condizioni regolano l'utilizzo del Consorzio OpenCourseWare (OCWC) sito e tutti i contenuti, i servizi e prodotti disponibili presso o attraverso il sito web, compresi, ma non solo, il sito OCW principale, OCWC Wiki, il Toolkit OCW ed eventuali Siti Conferenza OCWC (prese insieme, il "Sito"). Il Sito è di proprietà e gestito dal Consorzio OpenCourseWare, Inc. ("il OCWC"). Il Sito è offerto soggetto all'accettazione senza modifiche di tutti i termini e le condizioni contenute nel presente documento e tutte le regole di funzionamento, delle politiche (inclusi, senza limitazione, Politica OCWC di Privacy) e le procedure che possono essere pubblicati di volta in volta sul sito web di il OCWC (collettivamente, "Contratto"). Si prega di leggere attentamente questo Contratto prima di accedere o utilizzare il sito web. Accedendo o utilizzando qualsiasi parte del sito web, l'utente accetta di essere vincolati ai termini e alle condizioni del presente Contratto. Se non siete d'accordo con tutti i termini e le condizioni del presente Contratto, allora non potrà accedere al sito web o utilizzare alcun servizio. Se questi termini e condizioni sono considerate un'offerta da parte del OCWC, l'accettazione è espressamente limitata a questi termini. Il sito è disponibile solo per gli individui che sono almeno 13 anni.1. Il tuo account OCWC. Se si crea un account utente sul sito, l'utente è responsabile per il mantenimento della sicurezza del suo account, e si è pienamente responsabile per tutte le attività che si svolgono sotto o in connessione con l'account. Non si deve descrivere o assegnare parole chiave al vostro


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

74 account in modo ingannevole o illecito, anche in modo destinati al commercio sul nome o la reputazione di altri, e il OCWC possono cambiare o rimuovere qualsiasi descrizione o una parola chiave che ritiene improprio o illegale, o in altro modo che può provocare la responsabilità OCWC. Si deve comunicare immediatamente OCWC di qualsiasi uso non autorizzato del proprio account o eventuali altre violazioni di sicurezza. Il OCWC non sarà responsabile delle azioni od omissioni da parte vostra, compresi eventuali danni di qualsiasi natura sostenute a seguito di tali atti o omissioni.2. Responsabilità dei contributori. Se inviare materiale al sito web, postare link sul sito web, o in altro modo (o permettere a terzi di fare) materiale disponibile tramite il sito web (tale materiale, "Contenuto"), si è interamente responsabile per il contenuto di, e qualsiasi danno derivante da, tale Contenuto. Questo è il caso indipendentemente dal fatto che il contenuto in questione costituisce testo, grafica, un file audio o software per computer. Da rendere i contenuti disponibili, l'utente dichiara e garantisce che:a. le, il download upload, la copia e l'utilizzo dei contenuti non violerà i diritti di proprietà, compreso ma non limitato ai, copyright, brevetti, marchi o diritti sul segreto commerciale, di terze parti;b. se il tuo datore di lavoro ha i diritti di proprietà intellettuale che si crea, si dispone (i) ricevuto il permesso dal datore di lavoro di inviare o mettere a disposizione il Contenuto, incluso ma non limitato a qualsiasi software, o (ii) fissato dal datore di lavoro un esonero da tutti i diritti o sui Contenuti;c. avete pienamente rispettato terze parti delle licenze relative al contenuto, e hanno fatto tutte le cose necessarie per passare con successo agli utenti finali attraverso tutti i termini richiesti;d. Contenuti non contiene o installare virus, worm, malware, cavalli di Troia o altri contenuti dannosi o distruttivi;e. il contenuto non è spam, non è macchina o generato in modo casuale, non contiene immorali o indesiderati contenuti commerciali progettati per indirizzare il traffico verso siti di terze parti o di aumentare il posizionamento nei motori di ricerca di siti di terze parti, o per ulteriori atti illeciti (come destinatari phishing) o indurre in errore circa l'origine del materiale (come spoofing) e non contiene falsa-di fatto informazioni in modo tale che il lettore non può capire la veridicità dei contenuti;f. il contenuto non è pornografico, calunnioso o diffamatorio, non contiene minacce o incitano alla violenza nei confronti di persone o enti, e non viola il diritto alla privacy o di pubblicità di terze parti;g. il tuo account non è chiamato in un modo che induce in errore gli altri a pensare che si è un'altra persona o organizzazione. Ad esempio, il nome utente non è il nome di una persona diversa da se stessi o una organizzazione diversa dalla propria, eh. si hanno, nel caso di contenuti che include il codice del computer,


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

75 accuratamente classificati e / o descritto il tipo, la natura, gli usi e gli effetti dei materiali, se richiesto di farlo dal OCWC o altro.3. Licenza. Con la presentazione dei contenuti alle OCWC per l'inserimento sul sito web, l'utente concede il OCWC una licenza perpetua, licenza mondiale, priva di royalty e non esclusiva a riprodurre, modificare, adattare e pubblicare il contenuto esclusivamente per scopo di promuovere OpenCourseWare. Se si elimina Contenuto, l'OCWC compirà ogni ragionevole sforzo per rimuoverlo dal sito web, ma sei consapevole che la cache o riferimenti al Contenuto non può essere fatta immediatamente disponibile.4. Rimozione. Senza limitazione alcuna di quelle rappresentazioni o garanzie, il OCWC ha il diritto (ma non l'obbligo), a sua unica discrezione del OCWC di (i) rifiutare o rimuovere qualsiasi contenuto che, a sua unica discrezione del OCWC, la viola qualsiasi politica OCWC o è in alcun modo nocivi o sgradevoli, o (ii) sospendere o negare l'accesso e l'utilizzo del sito web a qualsiasi persona fisica o giuridica per qualsiasi motivo, nel OCWC sua unica discrezione. Il OCWC non avrà alcun obbligo di fornire un rimborso di somme eventualmente già pagate.5. La responsabilità dei visitatori del sito. Il OCWC non ha esaminato, e non può controllare, tutto il materiale, compresi i programmi informatici, inviato al Sito e non può quindi essere responsabile per i contenuti che materiale, utilizzare o effetti. Azionando il sito web, il OCWC non rappresenta o implica che approva il materiale inviato non, o che si crede tale materiale per essere precisi, utili o non dannosi. L'utente è responsabile per l'adozione di precauzioni necessarie per proteggere voi stessi ei vostri sistemi di computer da virus, worm, cavalli di Troia e altri contenuti dannosi o distruttivi. Il sito potrebbe contenere materiale offensivo, indecente, o in altro modo, così come contenuto contenenti inesattezze tecniche, errori tipografici, e altri errori. Il sito può anche contenere materiale che viola i diritti di privacy o di pubblicità, o viola la proprietà intellettuale e altri diritti di proprietà, di terzi, o il download, la copia o l'utilizzo dei quali è soggetta a ulteriori termini e condizioni, dichiarato o non dichiarato. Il OCWC declina ogni responsabilità per eventuali danni derivanti dall'uso da parte dei visitatori del sito web, o da qualsiasi download da parte di questi visitatori di contenuti lì postato.6. Contenuti pubblicati su altri siti web. Non abbiamo esaminato, e non può controllare, tutto il materiale, compresi i programmi informatici, resi disponibili tramite i siti web e pagine web a cui i link ocwconsortium.org, e che puntano a ocwconsortium.org. Il OCWC non ha alcun controllo su quei non-OCWC siti e pagine web, e non è responsabile del loro contenuto o il loro uso. Collegandosi a un non-OCWC sito web o pagina web, il OCWC non rappresenta o implica che approva tali siti o


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

76 pagine web. L'utente è responsabile per l'adozione di precauzioni necessarie per proteggere voi stessi ei vostri sistemi di computer da virus, worm, cavalli di Troia e altri contenuti dannosi o distruttivi. Il OCWC declina ogni responsabilità per eventuali danni derivanti dall'uso di non OCWC siti web e pagine web.7. Violazione del copyright DMCA e politica. Come OCWC chiede agli altri di rispettare i suoi diritti di proprietà intellettuale, rispetta i diritti di proprietà intellettuale di altri. Se credi che il materiale trova o sono legati al da ocwconsortium.org viola il copyright, siete incoraggiati a notificare alla OCWC. Il OCWC risponderà a tutte le comunicazioni, comprese, ma non limitato a, come richiesto o eventualmente ritenuto opportuno dal OCWC, rimuovendo il materiale in violazione o disattivando tutti i link al materiale illegale. Nel caso di un visitatore che può violare o viola ripetutamente i diritti d'autore o altri diritti di proprietà intellettuale del OCWC o altri, il OCWC può, a sua discrezione, sospendere o negare l'accesso e l'utilizzo del sito web. Nel caso di tale risoluzione, il OCWC non avrà alcun obbligo di fornire il rimborso degli importi eventualmente già pagati al OCWC.8. Proprietà Intellettuale. Il presente Contratto non trasferisce dal OCWC a voi ogni proprietà o di terze parti OCWC intellettuale, e tutti i diritti, titoli e interessi relativi a tali beni rimarranno (come tra le parti) esclusivamente con il OCWC. Qualsiasi contenuto concesso in licenza per la tua riproduzione o altro utilizzo è chiaramente designato dal appropriata licenza Creative Commons. In caso contrario, ocwconsortium.org, il logo OCWC, e tutti gli altri marchi, marchi di servizi, grafici e loghi utilizzati in connessione con ocwconsortium.org, o il sito web sono marchi e / o marchi registrati delle OCWC o dei suoi licenziatari. Altri marchi, marchi di servizi, grafici e loghi utilizzati in connessione al sito web possono essere marchi di terze parti. L'utilizzo del Sito Web ti concede alcuna licenza o diritto di riprodurre o utilizzare in altro modo eventuali marchi OCWC o di terze parti.9. Modifiche. Il OCWC riserva il diritto, a sua esclusiva discrezione, di modificare o sostituire qualsiasi parte del presente accordo. E 'vostra responsabilità di controllare questo accordo periodicamente. L'uso continuato o l'accesso al Sito dopo la pubblicazione di eventuali modifiche al presente Contratto costituisce accettazione di tali modifiche. Il OCWC può anche, in futuro, offrire nuovi servizi e / o funzioni attraverso il sito (tra cui, il rilascio di nuovi strumenti e risorse). Tali nuove funzioni e / o servizi sono soggetti ai termini e alle condizioni del presente Contratto.10. Terminazione. Il OCWC può interrompere l'accesso dell'utente tutti o parte del Sito in qualsiasi momento, con o senza causa, con o senza preavviso, con effetto immediato. Se si vuole risolvere il presente Contratto o il tuo account OCWC, si può semplicemente smettere


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

77 di utilizzare il sito web. Tutte le disposizioni del presente accordo, che per loro natura dovrebbero sopravvivere cessazione sopravvivranno all'estinzione, compresi, senza limitazione, disposizioni proprietà, negazioni di garanzie, indennità e limitazioni di responsabilità.11. Esclusione di garanzie. Il sito è fornito "così com'è". Il OCWC ei suoi fornitori e licenziatari declinano tutte le garanzie di alcun tipo, espressa o implicita, incluso, senza limitazioni, le garanzie di commerciabilità, idoneità per uno scopo specifico e non violazione. Né il OCWC né i suoi fornitori e licenziatari, alcuna garanzia che il sito sarà privo di errori o che il relativo accesso sarà continuo o ininterrotto. Hai capito che si scarica da, o comunque ottenere contenuti o servizi attraverso il sito web a propria discrezione e rischio.12. Limitazione di responsabilità. In nessun caso il OCWC o dei suoi fornitori, licenziatari, affiliati, successori o cessionari sarà responsabile nei confronti di qualsiasi oggetto del presente accordo in qualsiasi contratto, negligenza, responsabilità oggettiva o altra ipotesi legale o di equità per: (i) qualsiasi danno speciale , incidentali o consequenziali, (ii) il costo dei prodotti di appalto o di sostituzione o servizi; (iii) per interruzione di uso o di perdita o danneggiamento di dati o (iv) per gli importi che superano le tasse pagate da voi al OCWC ai sensi del presente Accordo durante i dodici (12) mesi precedenti la causa di azione. Il OCWC non avrà alcuna responsabilità per eventuali guasti o ritardi dovuti a questioni di là del loro ragionevole controllo. Quanto sopra non si applica nella misura proibito dalla legge applicabile.13. Rappresentanza Generale e Garanzia. L'utente dichiara e garantisce che (i) l'utilizzo del sito web sarà in stretta conformità con le Norme sulla privacy OCWC, con questo accordo e con tutte le leggi ei regolamenti applicabili (inclusi, senza limitazione qualunque leggi e normative locali nel tuo paese, stato, città , o altra area governativa, relativamente alla condotta online e contenuti accettabili, e anche tutte le leggi applicabili concernenti la trasmissione di dati tecnici esportati dagli Stati Uniti o nel paese in cui risiede) e (ii) l'utilizzo del Sito non infranga o appropriarsi indebitamente i diritti di proprietà intellettuale di terze parti.14. Indennizzo. L'utente accetta di manlevare e tenere indenne il OCWC, i suoi fornitori, e dei suoi licenziatari, ed i loro rispettivi direttori, funzionari, impiegati e agenti da e contro qualsiasi reclamo e spesa, comprese le spese legali ', derivanti dal vostro utilizzo del sito web , compreso ma non limitato ai contenuti caricati al Sito, dalla violazione del presente Contratto o nel caso in cui una delle rappresentazioni o garanzie sono o sono false o fuorvianti in qualsiasi punto di vista.15. Varie. Questo accordo costituisce l'intero accordo tra l'OCWC e voi riguardo all'oggetto dello stesso, e può essere modificato solo da un emendamento scritto


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

78 firmato da un funzionario autorizzato del OCWC, o il distacco dalla OCWC di una versione riveduta. Ad eccezione delle norme di legge applicabili, se del caso, disponga diversamente, il presente Contratto, qualsiasi accesso o l'utilizzo del sito web sarà regolato dalle leggi del Commonwealth del Massachusetts, Stati Uniti, ad esclusione dei conflitti di legge. Fatta eccezione per i crediti per ottenere ingiunzioni o equo o le rivendicazioni riguardanti i diritti di proprietà intellettuale (che possono essere introdotti in qualsiasi tribunale competente, senza la pubblicazione di una garanzia), tutte le controversie derivanti dal presente Accordo saranno risolte arbitrato finale e vincolante nel Middlesex County, Massachusetts dalla American Arbitration Association secondo le regole e le procedure in vigore al momento della presentazione e il giudizio sul premio in questione è entrato in qualsiasi corte di relativa competenza. Se una delle parti non compare in alcun procedimento arbitrale correttamente notato, un premio può essere inseriti contro il partito nonostante la sua mancata comparizione. Le parti convengono di condividere equamente il costo di tale arbitrato, tranne che a discrezione dell'arbitro, ogni lodo può includere il costo di difensore di una parte, se l'arbitro stabilisce espressamente che la parte contro cui è entrato il premio ha provocato l', polemica controversia o pretesa di essere sottoposta ad arbitrato come azione frivola o dilatorie. L'arbitrato avrà luogo in lingua inglese e la decisione arbitrale può essere eseguita in qualsiasi tribunale. Se una qualsiasi parte del presente Contratto è ritenuta non valida o non applicabile, quella parte sarà interpretata per riflettere l'intento originale delle parti ', e le parti rimanenti verranno rimangono in pieno vigore ed efficacia. Una rinuncia di una parte di qualsiasi termine o condizione del presente Contratto o di qualsiasi violazione, in qualsiasi occasione, non annulla tale termine o condizione o qualsiasi successiva violazione della stessa. È possibile assegnare i diritti del presente Accordo a qualsiasi parte che acconsente, e accetta di essere vincolata dai suoi termini e le condizioni, il OCWC può cedere i propri diritti ai sensi del presente Accordo senza condizioni. Il presente Contratto sarà vincolante e avrà effetto a vantaggio delle parti, dei loro successori e assegnatari.ACEITAÇÃO DIGITALE.15/01/12, 22:26:40wconsortium.org / it / corsi ANEXO IV – TEXTO ALEMÃO. http://www.ocANEXO IAllgemeine GeschäftsbedingungenDie folgenden Bedingungen regeln die Nutzung der OpenCourseWare Consortium (OCWC) Website und alle Inhalte, Dienste und Produkte an oder über die Website, einschließlich, aber nicht beschränkt auf die OCW Main Site, OCWC Wiki, die OCW Toolkit und alle OCWC Conference Websites (zusammen die "Website"). Die Website ist im Besitz und unter der


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

79 OpenCourseWare Consortium, Inc. ("die OCWC") betrieben. Die Website angeboten wird, unterliegt der Annahme ohne Änderungen alle Bedingungen und Konditionen hierin enthaltenen und alle sonstigen betrieblichen Regeln, Richtlinien (einschließlich, ohne Einschränkung, OCWC die Privacy Policy) und Verfahren, die von Zeit zu Zeit auf der Website werden von veröffentlichten die OCWC (zusammen die "Vereinbarung").Bitte lesen Sie diese Vereinbarung sorgfältig durch, bevor Sie die Website. Durch den Zugriff auf einen Teil der Website, stimmen Sie sich mit den Bedingungen und Konditionen dieser Vereinbarung. Wenn Sie nicht alle Bedingungen und Konditionen dieser Vereinbarung nicht zustimmen, dann können Sie keinen Zugriff auf die Website oder eine beliebige Dienste. Wenn diese Bedingungen berücksichtigt werden ein Angebot des OCWC ist die Akzeptanz ausdrücklich mit diesen Bedingungen begrenzt. Die Website ist nur für Personen, die mindestens 13 Jahre alt sind.1. Ihre OCWC Konto. Wenn Sie ein Benutzerkonto zu erstellen auf der Website sind Sie verantwortlich für die Aufrechterhaltung der Sicherheit Ihres Kontos, und Sie sind voll verantwortlich für alle Aktivitäten, die aus oder im Zusammenhang mit dem Konto auftreten. Sie müssen nicht beschreiben, oder weisen Sie Stichworte, um Ihr Konto in eine irreführende oder unlautere Weise, wie in einer Art und Weise soll auf den Namen oder des Rufs anderer Handel und die OCWC zu ändern oder zu entfernen jeglicher Art oder Schlüsselwort, das es als unangemessen oder rechtswidrig, oder auf andere Weise wahrscheinlich die OCWC Haftung führen. Sie müssen unverzüglich die OCWC jede unerlaubte Nutzung Ihres Kontos oder andere Sicherheitsverletzungen. Die OCWC übernimmt keine Haftung für Handlungen oder Unterlassungen durch Sie, einschließlich Schäden jeglicher Art, die durch solche Handlungen oder Unterlassungen entstehen.2. Die Verantwortung der Beitragszahler. Wenn Sie Material zu veröffentlichen, um die Website, post Links auf der Website oder auf andere Weise zu machen (oder dies einem Dritten gestatten, um) Material zur Verfügung mit Hilfe der Website (solchem Material, "Content"), sind Sie voll verantwortlich für die Inhalte von und Schäden ab, dass der Inhalt. Das ist der Fall, unabhängig davon, ob der Inhalt in Frage stellt Text, Grafik, eine Audiodatei oder Computer-Software. Indem Inhalt verfügbar ist, erklären und garantieren Sie, dass:a. das Herunterladen, Hochladen, Kopieren und Nutzung der Inhalte wird nicht gegen die Eigentumsrechte, einschließlich, aber nicht auf die Urheber-, Patent-, Marken-oder Geschäftsgeheimnisse, von Dritten beschränkt;b. wenn Ihr Arbeitgeber hat Rechte an geistigem Eigentum die Sie erstellen, haben Sie entweder (i) die Erlaubnis erhalten von Ihrem Arbeitgeber zu veröffentlichen oder zur


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

80 Verfügung stellen der Inhalte, einschließlich, aber nicht jede Software beschränkt ist, oder (ii) von Ihrem Arbeitgeber einen Verzicht auf die zu sichernden jegliche Rechte an oder auf den Inhalt;c. Sie haben voll mit Drittanbieter-Lizenzen in Bezug auf den Inhalt eingehalten werden, und haben alles getan was notwendig ist, um erfolgreich durchlaufen, um Endanwender alle erforderlichen Bedingungen;d. der Inhalt nicht enthalten oder installieren Sie alle Viren, Würmer, Malware, Trojaner oder andere schädliche oder zerstörerische Inhalte;e. Der Inhalt wird nicht von Spam, ist nicht maschinell oder zufällig generiert, enthält keine unethischen oder unerwünschten kommerziellen Inhalten konzipiert, um Traffic auf Websites Dritter Laufwerk oder verstärken die Suchmaschinen-Rankings von Websites Dritter oder weitere rechtswidrige Handlungen (wie z. B. Phishing) oder irreführen-Empfänger, um die Quelle des Materials (z. B. Spoofing) und enthält keine falschen Fakten in einer Weise, dass der Leser kann nicht verstehen, die Richtigkeit der Inhalte;f. Der Inhalt wird nicht pornographisch, verleumderisch oder diffamierend sind, enthält keine Drohungen oder anstiften Gewalt gegen Personen oder Organisationen, und nicht gegen den Datenschutz oder Werberechte von Dritten;g. Ihr Konto wird nicht in einer Weise, die andere verführt zu denken, dass Sie eine andere Person oder Organisation genannt werden. Zum Beispiel wird Ihr Benutzername nicht der Name einer anderen Person als sich selbst oder eine andere Organisation als Ihre eigene undh. Sie haben, im Falle von Inhalten, die Computer-Codes, genau kategorisiert und / oder beschrieb die Art, Beschaffenheit, Nutzung und Wirkung der Materialien, ob sie dazu aufgefordert durch die OCWC oder anderweitig beinhaltet.3. Lizenz. Mit dem Absenden Inhalt der OCWC für die Aufnahme auf der Website, gewähren Sie der OCWC eine unbefristete, weltweite, gebührenfreie und nicht exklusive Lizenz zur Reproduktion, Modifikation, Anpassung und Veröffentlichung der Inhalte ausschließlich für den Zweck der Förderung OpenCourseWare. Wenn Sie Inhalte löschen, werden die OCWC alle angemessenen Anstrengungen unternehmen, um es von der Website zu entfernen, aber Sie erkennen an, dass Caching oder Hinweise auf die Inhalte dürfen nicht vorgenommen sofort verfügbar ist.4. Removal. Ohne alle diese Zusicherungen oder Garantien hat die OCWC das Recht (aber nicht die Verpflichtung), im alleinigen Ermessen der OCWC ist (i) abzulehnen oder zu entfernen Inhalte, die im Ermessen der OCWC ist, verletzt er OCWC Politik oder in irgendeiner Weise schädlich oder anstößig sind, oder (ii) zu kündigen oder den Zugriff auf und die Nutzung der Website zu jeder natürlichen oder juristischen Person aus irgendeinem Grund in den OCWC nach eigenem Ermessen. Die OCWC haben keine Verpflichtung, eine


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

81 Erstattung der zuvor gezahlten Beträge stellen.5. Die Verantwortung der Website-Besucher. Die OCWC hat nicht überprüft, und kann nicht überprüfen, das gesamte Material, einschließlich Computersoftware, auf der Website veröffentlicht und können daher nicht dafür verantwortlich, dass Material der Inhalt, Verwendung oder Effekte. Durch den Betrieb der Website, hat die OCWC nicht darstellen oder andeuten, dass es das Material dort geschrieben billigt, oder dass sie glaubt, dass solche Materialien für die Richtigkeit, nützlich oder nicht schädlich. Sie sind dafür verantwortlich, Vorsichtsmaßnahmen wie nötig, um sich und Ihren Computer vor Viren, Würmern, Trojanischen Pferden und anderen schädlichen oder zerstörerischen Inhalten zu schützen. Die Website enthält möglicherweise Inhalte, die beleidigend, anstößig oder sonst zu beanstanden ist, sowie Inhalte, die technische Ungenauigkeiten, typographische Fehler und andere Fehler. Die Website kann auch Material enthalten, das die Privatsphäre oder öffentliche Rechte verletzt oder gegen das geistige Eigentum und andere Eigentumsrechte von Dritten oder das Herunterladen, Kopieren oder Nutzung, die unter zusätzlichen Bedingungen, ausdrücklich oder unausgesprochen ist. Die OCWC lehnt jegliche Verantwortung für Schäden ab, die Verwendung von den Besuchern der Website, oder beim Download von den Besuchern von Inhalten dort.6. Inhalte auf anderen Webseiten veröffentlicht. Wir haben nicht überprüft, und kann nicht überprüfen, das gesamte Material, einschließlich Computersoftware, machte über die Websites und Webseiten, auf die ocwconsortium.org Links zur Verfügung, und die auf ocwconsortium.org. Die OCWC hat keine Kontrolle über diese nicht-OCWC Websites und Webseiten und ist nicht verantwortlich für deren Inhalte oder deren Verwendung. Durch die Verknüpfung zu einer nicht-OCWC Website oder Webseite, wird der OCWC nicht darstellen oder andeuten, dass es solche Website oder Webseite unterstützt. Sie sind dafür verantwortlich, Vorsichtsmaßnahmen wie nötig, um sich und Ihren Computer vor Viren, Würmern, Trojanischen Pferden und anderen schädlichen oder zerstörerischen Inhalten zu schützen. Die OCWC lehnt jegliche Verantwortung für Schäden ab, die Nutzung von nicht-OCWC Websites und Webseiten.7. Urheberrechtsverletzungen und DMCA Policy. Als OCWC fragt andere, sein geistiges Eigentum respektieren, respektiert sie die Rechte am geistigen Eigentum anderer. Wenn Sie das Material an oder in Verbindung mit durch ocwconsortium.org Ihre Urheberrechte verletzt glauben, werden Sie aufgefordert, die OCWC informieren. Die OCWC werden alle diese Hinweise, einschließlich reagieren, aber nicht beschränkt auf, nach Bedarf oder als geeignet anzusehende werden durch die OCWC, Entfernen des verletzenden Materials oder Deaktivierung aller


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

82 Links zu den rechtsverletzenden Materials. Im Falle eines Besuchers, die verletzt oder wiederholt gegen die Urheberrechte oder andere Rechte am geistigen Eigentum der OCWC oder andere, kann die OCWC, nach eigenem Ermessen zu beenden oder den Zugriff auf und die Nutzung der Website. Im Falle einer solchen Kündigung wird der OCWC haben keine Verpflichtung, eine Erstattung der Beträge, die vorher auf die OCWC bezahlt sind.8. Intellectual Property. Diese Vereinbarung nicht von der OCWC Sie alle OCWC oder Dritter an geistigem Eigentum zu übertragen, und alle Rechte, Titel und Interessen an solchen Immobilie bleibt (wie zwischen den Parteien) ausschließlich mit dem OCWC. Alle Inhalte für Ihre Vervielfältigung oder sonstige Nutzung lizenziert ist eindeutig durch die entsprechenden Creative Commons Lizenz bezeichnet. Anderenfalls ocwconsortium.org, die OCWC Logo und alle anderen Marken, Dienstleistungsmarken, Grafiken und Logos in Verbindung mit ocwconsortium.org verwendet, oder die Webseite sind Warenzeichen und / oder eingetragene Marken der OCWC oder ihren Lizenzgebern. Andere Marken, Dienstleistungsmarken, Grafiken und Logos in Verbindung mit der Website verwendet werden, können Marken der andere Dritte weitergegeben. Ihre Nutzung der Website gewährt Ihnen keinerlei Rechte oder Lizenzen zur Vervielfältigung oder anderweitige Nutzung OCWC oder Marken von Drittanbietern.9. Änderungen. Die OCWC behält sich das Recht vor, nach eigenem Ermessen zu ändern oder zu ersetzen, irgendeinen Teil dieser Vereinbarung. Es liegt in Ihrer Verantwortung, dieses Abkommen in regelmäßigen Abständen auf Änderungen zu überprüfen. Ihre weitere Nutzung oder Zugriff auf die Website nach der Veröffentlichung von Änderungen an dieser Vereinbarung setzt die Annahme dieser Änderungen. Die OCWC kann auch in der Zukunft, neue Dienste anzubieten und / oder Funktionen über die Website (einschließlich der Veröffentlichung neuer Tools und Ressourcen). Solche neuen Funktionen und / oder Dienstleistungen unterliegen den Bestimmungen und Bedingungen dieser Vereinbarung.10. Kündigung. Die OCWC kann Ihren Zugang zu allen oder einem Teil der Website jederzeit zu kündigen, mit oder ohne Grund, mit oder ohne Ankündigung mit sofortiger Wirkung. Wenn Sie dieser Vereinbarung oder Ihrer OCWC Konto kündigen möchten, können Sie einfach einzustellen Nutzung der Website. Alle Bestimmungen dieses Abkommens, die ihrer Natur Beendigung überleben sollte die Kündigung überleben, einschließlich, ohne Einschränkung, das Eigentum Bestimmungen, Haftungsausschlüsse, Schadenersatz und Haftungsbeschränkungen.11. Gewährleistungsausschluss. Die Website wird "as is". Die OCWC und seinen Lieferanten und Lizenzgebern hiermit alle


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

83 Gewährleistungsansprüche jeglicher Art, weder ausdrücklich noch implizit, einschließlich, ohne Einschränkung, der Garantien der Marktgängigkeit, der Eignung für einen bestimmten Zweck und Nichtverletzung. Weder die OCWC noch seine Lieferanten und Lizenzgebern, macht keine Garantie, dass die Website fehlerfrei ist oder dass der Zugriff darauf wird kontinuierlich oder unterbrochen wird. Sie verstehen, dass Sie aus herunterladen oder anderweitig erhalten Inhalten oder Diensten durch, die Website nach eigenem Ermessen und Risiko.12. Haftungsbeschränkung. In keinem Fall werden die OCWC, oder ihren Lieferanten, Lizenzgeber, Partner, Nachfolger oder Rechtsnachfolger haften in Bezug auf einen Gegenstand dieser Vereinbarung unter keinen Vertrag, Fahrlässigkeit, Gefährdungshaftung oder sonstige rechtliche oder gerechte Theorie: (i) spezielle , Neben-oder Folgeschäden, (ii) die Kosten für die Beschaffung oder Ersatz von Produkten oder Dienstleistungen, (iii) für die Unterbrechung der Nutzung oder den Verlust oder die Beschädigung von Daten oder (iv) für alle Beträge, die Gebühren, die Sie auf die OCWC bezahlt überschreiten im Rahmen dieser Vereinbarung während der zwölf (12) Monaten vor, um die Ursache des Handelns. Die OCWC übernimmt keine Haftung für Ausfälle oder Verzögerungen aufgrund Angelegenheiten außerhalb ihres Einflussbereichs liegen. Das Vorstehende gilt nicht, soweit durch geltendes Recht verboten sind.13. Allgemeine Vertretung und Garantie. Sie versichern und garantieren, dass (i) Ihre Nutzung der Website werden in strikter Übereinstimmung mit den OCWC Datenschutz werden, mit dieser Vereinbarung und alle geltenden Gesetze und Vorschriften (einschließlich und ohne Einschränkung alle lokalen Gesetze oder Vorschriften in Ihrem Land, Bundesland, Stadt oder anderen staatlichen Bereich, in Bezug auf Online-Verhaltens und akzeptabler Inhalte, einschließlich aller anwendbaren Gesetze bezüglich der Übertragung technischer Daten aus den Vereinigten Staaten oder dem Land, in dem Sie wohnen) exportiert und (ii) Ihre Nutzung der Website nicht verletzen oder veruntreuen die geistigen Eigentumsrechte von Dritten.14. Haftungsfreistellung. Sie stimmen zu, schad-und klaglos die OCWC, seinen Auftragnehmern, und seine Lizenzgeber und ihre jeweiligen Direktoren, leitenden Angestellten, Mitarbeiter und Vertreter von und gegen alle Ansprüche und Kosten, einschließlich Anwaltskosten, die aus Ihrer Nutzung der Website einschließlich, aber nicht die Inhalte, die Sie auf der Website, Ihrer Verletzung dieser Vereinbarung oder in dem Fall, dass die Zusicherungen oder Gewährleistungen oder werden falsch oder irreführend in jeder Hinsicht Upload beschränkt.15. Verschiedenes. Diese Vereinbarung stellt die gesamte Vereinbarung zwischen den OCWC und Sie über die


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

84 Thematik, und sie können nur durch eine schriftliche Änderung durch einen autorisierten Exekutive des OCWC unterzeichnet werden muss, oder durch die Entsendung durch die OCWC einer überarbeiteten Version. Außer in dem Umfang geltendem Recht, wenn überhaupt, nichts anderes vorsieht, dieser Vereinbarung werden alle Zugriffs oder der Benutzung der Website durch die Gesetze des Commonwealth of Massachusetts, USA, unter Ausschluss seiner Kollisionsnormen. Mit Ausnahme von Ansprüchen auf Unterlassung oder gerechte Entlastung und Ansprüche hinsichtlich geistigen Eigentums (die in jedem zuständigen Gericht ohne die Hinterlegung einer Kaution gebracht werden), wird alle Streitigkeiten aus diesem Abkommen endgültig entschieden ist endgültig und bindend Schiedsverfahren in Middlesex County, Massachusetts von der American Arbitration Association gemäß den Regeln und Verfahren in der zum Zeitpunkt der Einreichung und das Urteil über die Auszeichnung eingegeben hat, in jedem zuständigen Gericht eingereicht werden. Versäumt es eine Partei um jeden richtig bemerkt Schiedsverfahren erscheinen, kann eine Auszeichnung eingegeben werden gegen die Partei trotz ihrer Fehler zu erscheinen. Die Parteien vereinbaren hiermit gleichermaßen in die Kosten von Aktienoptionen, sagte Schiedsverfahren, außer dass es im Ermessen des Schiedsrichters, so kann jede Auszeichnung gehören die Kosten für eine Partei beraten, wenn der Schiedsrichter ausdrücklich feststellt, dass die Partei, gegen die der Schiedsspruch eingegeben hat die Streitigkeiten, Meinungsverschiedenheiten oder Anspruch auf ein Schiedsverfahren als unseriös oder aufschiebende Wirkung eingereicht werden verursacht. Das Schiedsverfahren findet statt in der englischen Sprache zu nehmen und den Schiedsspruch kann von jedem Gericht durchgesetzt werden. Wenn irgendein Teil dieser Vereinbarung als ungültig oder nicht durchsetzbar ist, diese Teile werden auf die Parteien ursprünglichen Absichten, und die restlichen Teile werden bleiben in vollem Umfang in Kraft. Der Verzicht einer Partei auf eine Bestimmung oder Bedingung dieser Vereinbarung oder eine Verletzung davon, in einem Fall, stellt keinen Verzicht auf solche Bedingung oder einer späteren Verletzung davon. Sie können Ihre Rechte aus diesem Vertrag an Dritte übertragen, dass stimmt, und stimmt zu, seine Bestimmungen und Bedingungen gebunden werden, die OCWC kann seine Rechte aus diesem Vertrag ohne Bedingung. Diese Vereinbarung ist bindend und wird zu Gunsten der Parteien, ihrer Rechtsnachfolger und zulässigen Abtretungsempfänger zugute.ACEITAÇÃO DIGITAL.15/01/12, 22.26.40wconsortium.org / pt / cursos Undo edits ANEXO V – TEXTO ÁRABE.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

85 http://www.ocANEXO‫ ا"!  واوط واوط اوط‬#$% &‫آ‬ ‫"*)ام‬+‫ ا‬,-./0 12‫رس أو‬.‫( آ‬OCWC) ‫د‬$7‫ ا‬,!/8‫ت و‬%."$/‫وا*)ت ا‬ ‫ت‬:";/‫=ة وا‬."/‫ أو => ا‬1 ‫@ل‬A ,-./‫ ا‬، /2 >= C‫ ذ‬، 1‫ و‬E! F0G &!H+ I$‫ ا‬، OCW ,-./‫> ا‬J!K‫ ا‬، OCWC =L/‫ ا‬، ‫  وأدوات‬%‫وأ‬ OCW ,-‫ا‬. /7M/‫ ا‬OCWC (NAM7 L ، ",-./‫)"ا‬. ‫د‬.L7‫! و‬0 ‫ا‬N‫ ه‬,-./‫ا‬ P%)7‫آ و‬Q 12‫رس أو‬.‫و آ‬، ‫م‬.!7‫ر‬.JR.‫ل"( آ‬OCWC"). ‫)م‬S%‫ا و‬N‫ ه‬,-./‫ا‬ ,T*7 C"S=‫ا‬./ ‫& دون‬%)L7 ,!/: ‫د‬.;H‫اردة واوط ا‬.‫ => ا‬PN‫  ه‬S!V.‫ا‬ ، ,!/8‫) و‬G‫ا‬.- &!W"‫ى ا‬A‫ ا‬، ‫ت‬+!J‫( وا‬/2 >= C‫ ذ‬، ‫ دون‬I ، +!+ Y*‫! ا‬Z‫ و‬OCWC) ‫اءات‬8\‫) ا"> وا‬- ;7 1 ]-‫ و‬A^ F0G ,-./‫ ا‬1 &H- ‫و‬OCWC (&2 >G/8 ، ‫ا‬N‫`ق" وه‬7a‫)"ا‬.F8% ‫اءة‬- PN‫ه‬  !-`7a‫ ا‬%;L2 &H- C.Z‫"*)ام أو و‬+‫ ا‬,-./‫ا‬. &H- C.Z‫"*)ام أو و‬+‫ا‬ ‫ء أي‬c8 1 ,-./‫ ا‬، CRd= e=‫ا‬.7 F0G ‫ أن‬fHI7 c0 ‫وط‬0 ‫وط‬Q‫ا و‬N‫ه‬ ‫`ق‬7a‫ا‬. ‫ آ;] إذا‬a e=‫ا‬.7 F0G =‫د آ‬.;H‫وط ا‬Q‫ا و‬N‫`ق ه‬7a‫ ا‬، 1‫ و‬#V a ‫ز‬.:% C ‫ل‬.Z.‫ ا‬F‫ إ‬,-./‫"*)ام أو ا‬+‫  ا‬%‫)ت أ‬A. ‫ إذا‬H"L7 PN‫اوط ه‬ ‫وف‬j‫ وا‬kG 1 OCWC ، I"S% ‫ل‬.HS‫ا ا‬Z F0G PN‫اوط ه‬. ‫ا‬N‫ه‬ ,-./‫ "ح ا‬mS= ‫*ص‬Qo 1%N‫ ا‬a &S% 1G 13 ;+.1. OCWC C2J. ‫إذا‬ ]/- ‫ء‬Rd2 ‫ب‬J ‫"*)م‬J F0G ,-./‫ ا‬، ];‫ آ‬a‫و‬MJ 1G ‫`ظ‬$‫ ا‬F0G 1‫أ‬ C2J ، ];‫ وآ‬a‫و‬MJ !‫و‬MJ  0‫ آ‬1G &‫ت آ‬r;‫)ث ا"> ا‬$7 t8./2 ‫أو‬ /!= e0L"% ‫ب‬J$2. t:% ‫ أن‬a uI7 ‫ أو‬1!!L7 ‫ت‬/0‫! آ‬++‫ أ‬F‫إ‬ C2J S%v2 00T ‫! أو‬w G‫ و‬، /2 >= C‫  ذ‬S%v2 ‫)ف‬x7 F‫إ‬ ‫رة‬:"‫ ا‬F0G #+‫ أو ا‬L/+ 1%A^‫ ا‬، ‫و‬OCWC )- !!W7 ‫ أي إزا  أو‬uZ‫أو و‬  /0‫ى ا"> ا‬7 xR‫! أ‬w  /K@ ‫! أو‬w >R.R- ، ‫@ف أو‬A C‫ ذ‬1 f8/‫أن ا‬ tHJ"7 >= OCWC !‫و‬MJ/‫ا‬. t:% ‫ أن‬v*% ‫را‬.= 1 OCWC ‫أي‬ ‫"*)ات‬+‫! ا‬w ‫ح‬I y2 C2J$ ‫آت أي أو‬x"R‫ى ا‬A‫ أ‬1o. .+‫ ف‬OCWC 1 ‫ن‬.7 ‫و‬MJ 1G ‫ل أي‬/G‫! أو أ‬IS7 1 #HR8 ، /2 >= C‫  ذ‬%‫ار أ‬k‫أ‬ 1 ‫ع أي‬.R ‫)ه‬H7 :!"R &{/ PN‫ل ه‬/G‫! أو ا‬IS7.2. !‫و‬MJ 1!/‫ه‬J/‫ا‬. ‫ آ;] إذا‬A| ‫دي‬/‫ ا‬,-./0 ، A| ‫@ت‬Z‫ و‬F0G ,-./‫ ا‬، ‫@ف أو‬A C‫& ذ‬L8 (‫أو‬ ‫ح‬/J‫ف ي ا‬r }V &L:) ‫اد‬./‫" ا‬/‫  ا‬1G e%r ‫ا‬N‫ ه‬,-./‫اد أي( ا‬. 1 ‫ا‬N‫ه‬ &!HS‫ ا‬، "‫ى‬."$/‫ )"ا‬، ]R~= ‫ول‬MJ /7 1G ‫ن‬./T 1 ‫ر وأي‬k #8R 1G ‫أن‬ ‫ى‬."$/‫ا‬. ‫ا‬N‫ ه‬.‫ل ه‬$‫ ا‬W2 j;‫ ا‬1G  ‫ى آن إذا‬."$/‫ال => ا‬MJ‫& ا‬% Y;‫ ا‬، ‫ت‬.+‫ وا‬، u0 >7.Z ، ‫ا€ أو‬2 7.!H/‫ا‬. 1 ‫@ل‬A &L8 ‫ى‬."$/‫"  ا‬/‫ ا‬، ];‫{& آ‬/7 1/T7‫ و‬:‫ أ‬#"!+ &!/$7 ، &!/$7‫ و‬J;‫وا‬ ‫"*)ام‬+‫ى وا‬."$/‫ ا‬a Cx";% ‫ق‬.S  !0/‫ ا‬، /2 >= C‫!& ذ‬H+ ‫{ل‬/‫ ا‬a I$‫ق ا‬.S ,Hv‫@ت وا; ا‬L‫ وا‬%‫ر‬:"‫اءات ا‬2‫"اع و‬Aa‫ق أو ا‬.S ‫ار‬+‫ ا‬%‫ر‬:"‫ ا‬، 1 ‫ف أي‬r }V ‫؛ب‬. ‫ رب آن إذا‬C0/G y%) ‫ق‬.S  !0/‫ا‬ u‫  ا‬%‫م ا"> آ‬.S7 xKRd2 ، C%) ‫ل )ط( إ‬.I$‫ ا‬F0G ‫ إذن‬1 tZ &/L‫ا‬ ‫ ا*ص‬C2 F‫ إ‬A| ، ‫  أو‬7‫ى إ‬."$ ، /2 >= C‫ ذ‬1‫ و‬a I"S7 F0G ‫أي‬ €R2 ، ‫ )ب( أو‬1 tZ &/L‫ن ا*ص ا‬./T/‫ ا‬F0G ‫;زل‬7 1 &8‫ أ‬,!/8 ‫ق‬.S$‫ى أو ا‬."$/‫) آ;] )ج(؛ ا‬- ]0{"‫& ا‬2 &‫ آ‬, ‫} رفط أي‬V Y!A‫  ا"ا‬S0L"/‫ى ا‬."$/‫ ا‬، ]0L=‫>ء آ& و‬Q 1 ‫وري‬T‫"ز أن ا‬:%


โ€ซโ€ชSรNDROMES โ€“ Segunda Parte - TOMO III โ€“ Sรญndromes com repercussรฃo na deficiรชncia intelectual, distรบrbios e transtornos neuropsicobiolรณgico.VOLUME II - Professorโ€ฌโ€ฌ โ€ซโ€ชCรฉsar Augusto Venรขncio da Silva.โ€ฌโ€ฌ

โ€ซโ€ช86โ€ฌโ€ฌ โ€ซโ€ช aโ€ฌุงโ€ช."$/โ€ฌู‰ โ€ช.โ€ฌุ›ุฏ ุงโ€ชQ  2.0v/โ€ฌูˆุท ุฃูŠ ุง;โ€ช@A 1!)*"J/0 1!!Kxโ€ฌู„ โ€ช:;2 1โ€ฌุญโ€ฌ โ€ซโ€ช ุŒโ€ฌุง*โ€ช  {!Hโ€ฌูˆุงโ€ช!:Hโ€ฌุช โ€ช ุŒโ€ฌูˆุง)โ€ช)%โ€ฌุงู† ุง`!ูˆโ€ช+โ€ฌุช โ€ช ]!H{7โ€ฌุฃูˆ ุฃูŠ โ€ช1/T"%โ€ฌโ€ฌ โ€ซโ€ช."$ !wโ€ฌู‰ุงู„ โ€ช.โ€ฌุ›โ€ช Pโ€ฌุงโ€ช)/โ€ฌุฉ ุฃูˆ ุงโ€ชTโ€ฌุฑุฉ ุงโ€ช%."$/โ€ฌุช โ€ช!w 1โ€ฌู‡ ุฃูˆ โ€ชrโ€ฌูˆุงุฏุฉ ูˆุฃโ€ช;Iโ€ฌโ€ฌ โ€ซโ€ช."$ !wโ€ฌู‰ โ€ช."$7 F0Gโ€ฌูŠ โ€ช ุŒ aโ€ฌูˆ)ุช โ€ช.Gโ€ฌุงโ€ช S%v2 !Kโ€ฌุฃูˆ ุง^  โ€ช ุŒ aโ€ฌุงโ€ช 2.w/โ€ฌโ€ฌ โ€ซุงโ€ชvโ€ฌู โ€ช.โ€ฌุงโ€ช ,-โ€ฌุงโ€ช Fโ€ฌุงโ€ช$โ€ฌุข  ุฏ=โ€ช ,โ€ฌุงโ€ช)x7 Fโ€ฌู ุง"โ€ช:โ€ฌุฑโ€ช x!= %โ€ฌุงโ€ช.w/โ€ฌุจ โ€ช !wโ€ฌุฃูˆ ุฃโ€ช>-@Aโ€ฌโ€ฌ โ€ซโ€ช )%c/ 1โ€ฌุฃูˆ โ€ชr }V ุŒโ€ฌู โ€ช./โ€ฌุงโ€ช ,-โ€ฌุงโ€ช$ }$Hโ€ฌูƒ โ€ช`!;I7โ€ฌุช ุฒโ€ช%โ€ฌุฏุฉ ุฃูˆ ุง{}โ€ฌ โ€ซุงโ€ช./โ€ฌุงุฏ ู‡โ€ช)I PNโ€ฌุฑ โ€ช1!S0" 1Gโ€ฌุงู„ โ€ช &!0T7โ€ฌุฃูˆ )ุง"โ€ช (&{ )!Iโ€ฌูˆโ€ช !w Gโ€ฌุฃโ€ช/Gโ€ฌู„โ€ฌ โ€ซุฃู† ุงโ€ช  S%vโ€ฌู‡โ€ช >= &{ PNโ€ฌูˆุงโ€ช  !L-โ€ฌุขุฐโ€ช.0L  2โ€ฌุช โ€ช."$7 F0Gโ€ฌูŠ โ€ช aโ€ฌูˆ )โ€ช)Aโ€ฌุงุน {&(โ€ฌ โ€ซุฃูˆ โ€ช ุŒ %!x7โ€ฌุฅโ€ช !w  !2โ€ฌุงโ€ช."$/โ€ฌู‰ โ€ช.โ€ฌุ›ู ุงโ€ช."$/โ€ฌู‰ โ€ช)Zโ€ฌู‚ โ€ช )- a #x`% 1โ€ฌุงโ€ชSโ€ฌุฑุฆโ€ฌ โ€ซุฃูˆ ุง=ุงุฏ โ€ช P:7โ€ฌุงโ€ช$7 F0G u;Lโ€ฌุถ ุฃูˆ โ€ช)%)x7โ€ฌุงุช โ€ช."$7 F0Gโ€ฌูŠ โ€ช=N- ุŒ aโ€ฌโ€ฌ โ€ซโ€ช !wโ€ฌุ›ุฒ โ€ชr }Vโ€ฌู ูŠ ุง)โ€ช %Gโ€ฌุฃูˆ ูˆโ€ช !Zโ€ฌุง*โ€ช.S Yโ€ฌู‚ โ€ช Cx";%โ€ฌูˆโ€ช ุŒ aโ€ฌุง!โ€ชRโ€ฌุชโ€ฌ โ€ซุฃูˆ |โ€ช CR~2 Y*Q Aโ€ฌุง"`! => ุง^โ€ชF/J C2J S%v2 &0T7 1%Aโ€ฌโ€ฌ โ€ซโ€ช Y*Q A| !wโ€ฌุงโ€ช C2 E! #+โ€ฌุง*ุต ุงโ€ช)*"J/โ€ฌู… ุงโ€ช ุŒ #+โ€ฌุงโ€ช{/โ€ฌู„ โ€ช/j;. F0G &!H+โ€ฌโ€ฌ โ€ซุงโ€ชNโ€ฌูŠ ุงโ€ช."$/โ€ฌู‰  => โ€ช C%) ุŒโ€ฌูˆุญ โ€ช C2 ุŒโ€ฌุง*โ€ช !w Zโ€ฌุฃโ€ชAโ€ฌู‰ ;โ€ช /jโ€ฌุฃูˆ โ€ชCJ`Rโ€ฌโ€ฌ โ€ซโ€ช ุŒโ€ฌูˆุงโ€ช.R ุŒ  L!Hvโ€ฌุน ูˆโ€ช uZโ€ฌุฃูˆ โ€ช /โ€ฌูˆ ุฏโ€ช -โ€ฌุจ โ€ช ุŒ `;Iโ€ฌุงโ€ช 7.!H/โ€ฌุฑโ€ช1/T"% cโ€ฌโ€ฌ โ€ซโ€ช@Aโ€ฌู ุฃูˆ โ€ช!S0 CN2 1 &H- OCWCโ€ฌู… โ€ช t0rโ€ฌุขู† โ€ช.+โ€ฌุงุก โ€ช ุŒโ€ฌุงโ€ช./โ€ฌุงุฏ ูˆ|โ€ชVโ€ฌุฑ ูˆโ€ช)*"J%โ€ฌู…โ€ฌ โ€ซุงโ€ช\ >= ,-./โ€ฌุฏุฑุงโ€ช OCWC x8โ€ฌุฅโ€ช Fโ€ฌุงโ€ช."$/โ€ฌู‰ โ€ช. 1G e%r #%)S7โ€ฌุง"โ€ช.3. Y!Aโ€ฌุฐโ€ชCโ€ฌโ€ฌ โ€ซุฃโ€ช$Rโ€ฌุก โ€ช >= ,!/8โ€ฌุฑโ€ช ุŒ  IAโ€ฌุฏุงโ€ช A OCWC /Kโ€ฌุงโ€ช ุŒ C;/% f; QM/โ€ฌุง\"ูˆโ€ช>Rโ€ฌโ€ฌ โ€ซูˆโ€ช Rโ€ฌูˆโ€ช u!!7โ€ฌูˆโ€ช &%)L7โ€ฌุฅโ€ช"Rโ€ฌุฌ \โ€ชGโ€ฌุฏุฉ โ€ชIโ€ฌูŠ ุฑูˆโ€ช ุŒ >wโ€ฌุฉ ูˆุงโ€ช.0/โ€ฌูƒ โ€ช ุŒโ€ฌุงโ€ช#Lโ€ฌโ€ฌ โ€ซ=โ€ชdโ€ฌู† โ€ช ุŒโ€ฌุงโ€ช."$/โ€ฌู‰ โ€ชN$2โ€ฌู โ€ช ]/-โ€ฌุฅุฐุง โ€ช.โ€ฌุขโ€ช.โ€ฌุฑุณ ุฃูˆโ€ชW c%cL7 12โ€ฌุถ =โ€ช mSโ€ฌุงโ€ช."$/โ€ฌู‰โ€ฌ โ€ซโ€ช~2โ€ฌู† โ€ช"LRโ€ฌู โ€ช ุŒ C; )- aโ€ฌุงโ€ช\ 1 ,-./โ€ฌุฒุง"โ€ช yโ€ฌุงโ€ช  .SL/โ€ฌุงโ€ช.x:โ€ฌุฏ ุงโ€ช)*"+โ€ฌุงู… โ€ชOCWCโ€ฌโ€ฌ โ€ซโ€ช.โ€ฌุง\ุฒุง โ€ช.4.โ€ฌุง`โ€ช.โ€ฌุฑ โ€ช.7  " F0Gโ€ฌู† ุงโ€ช."$/โ€ฌู‰ ุฅโ€ช Fโ€ฌุฅโ€ชQโ€ฌุฑุงุช ุฃูˆ ุงโ€ช ]-M/โ€ฌุง"*โ€ช1%cโ€ฌโ€ฌ โ€ซ!โ€ช Eโ€ฌูˆโ€ช (1โ€ฌุงโ€ชOCWC e$โ€ฌูˆ โ€ช ุŒโ€ฌุงโ€ชR/Tโ€ฌุช ุฃูˆ ุง"~ุข!)ุงุช ู‡โ€ช 1 PNโ€ฌุฃูŠ โ€ช )%)$7โ€ฌุฏูˆู†โ€ฌ โ€ซ=> โ€ช."$ ุŒโ€ฌู‰ ุฃูŠ ุฅุฒุง  ุฃูˆ ุฑ= )ุท( ุงโ€ชุŒ >= %)S7 OCWC )!.โ€ฌู„ )ุงโ€ชc"aโ€ฌุงู…โ€ฌ โ€ซโ€ช~2 &Q 1โ€ฌูŠ => ุฃูˆ โ€ช +!+ OCWCโ€ฌุฃูŠ โ€ช ุŒ Cx";%โ€ฌุงโ€ช%)S7 OCWC )!.โ€ฌโ€ฌ โ€ซู‡โ€ชNโ€ฌุง ูˆุงโ€ช)*"+โ€ฌุงู… ุฅโ€ช Fโ€ฌุงโ€ช.Z.โ€ฌู„ ;โ€ช ,โ€ฌุฃูˆ ุฅโ€ชxRโ€ฌุก )ุจ( ุฃูˆ โ€ช ุŒโ€ฌุงโ€ช/โ€ฌูˆู‡  ุฃูˆ ุงโ€ชTโ€ฌุฑุฉ ุงโ€ชQโ€ฌู„โ€ฌ โ€ซโ€ช.+โ€ฌู โ€ช.โ€ฌุงโ€ช ุŒ >= %)S7 OCWC )!.โ€ฌุขู† โ€ช tH+โ€ฌูŠ ุข!ู† ุฃูˆ =ุฏ ูŠุฃ โ€ช F0Gโ€ฌุงโ€ช,-./โ€ฌโ€ฌ โ€ซโ€ชMJโ€ฌูˆ! โ€ช.5.โ€ฌุฃูŠ โ€ช 1 &H-โ€ฌุงโ€ช G.=)/โ€ฌุงโ€ช ย‡H/โ€ฌุงโ€ช"+โ€ฌุฏุงุฏ "โ€ช !=.โ€ฌุง"โ€ชcโ€ฌุงู… ุฃูŠ โ€ชOCWCโ€ฌโ€ฌ โ€ซโ€ช ุŒโ€ฌุงโ€ช./โ€ฌุงุฏ โ€ช a ุŒ ,!/8โ€ฌุงโ€ชL"+โ€ฌุงุถ ูˆโ€ช x!= ุŒ 1/%โ€ฌุง;โ€ชL% jโ€ฌุฏ โ€ชOCWC #โ€ฌูˆ โ€ช.โ€ฌุงโ€ช ,-./โ€ฌุฒูˆุงุฑโ€ฌ โ€ซุฃู† โ€ช a 1/%โ€ฌูˆโ€ช ุŒ >"2โ€ฌุงโ€ช F0G ,-./โ€ฌูˆโ€ชRโ€ฌู‡ โ€ช ุŒโ€ฌุงโ€ช2 7.!H/โ€ฌุงย€ ุฐโ€ช/2 >= Cโ€ฌโ€ฌ โ€ซ=> โ€ช &/L7โ€ฌุง"> โ€ช.โ€ฌุง^โ€ชVโ€ฌุฑ ุฃูˆ ุงโ€ช./โ€ฌุงุฏ โ€ช C07โ€ฌูˆโ€ช."$โ€ฌู‰ ุงโ€ช)*"+โ€ฌุงู… โ€ชMJ 1Gโ€ฌูˆ โ€ช.7โ€ฌู†โ€ฌ โ€ซุฃโ€ช yRโ€ฌุฃูˆ โ€ช ุŒโ€ฌู‡;ูƒ ุงโ€ช.;/โ€ฌุฑุฉ ุงโ€ช./โ€ฌุงุฏ โ€ช )%M7โ€ฌุฃโ€ช HL7 xRโ€ฌุฃูˆ โ€ชOCWC a &{/7โ€ฌูˆ โ€ช ุŒโ€ฌุงโ€ช,-./โ€ฌโ€ฌ โ€ซุงโ€ช*7โ€ฌุฐ โ€ชMJ 1Gโ€ฌูˆโ€ช aโ€ฌุข;] โ€ชk.โ€ฌุฑุฉ ูˆโ€ช !wโ€ฌูˆ`!)ุฉ ุฏโ€ช."  S!-โ€ฌู† ุงโ€ช./โ€ฌุงุฏ ู‡โ€ช)S"L% &{ PNโ€ฌโ€ฌ โ€ซูˆุง)โ€ช)%โ€ฌุงู† โ€ช ุŒโ€ฌุง`!ูˆโ€ช+โ€ฌุช โ€ช7.% 1โ€ฌุงโ€ช t/โ€ฌูˆโ€ช  %/$ CJ`R #jRโ€ฌุง@ุฒ ุงโ€ชr!"aโ€ฌุชโ€ฌ โ€ซโ€ช."$7 F0Gโ€ฌูŠ โ€ช. )-โ€ฌุงโ€ช)/โ€ฌุฉ ุฃูˆ ุงโ€ชTโ€ฌุฑุฉ ุงโ€ช%."$/โ€ฌุช โ€ช 1โ€ฌูˆโ€ช!wโ€ฌู‡ โ€ชr ุŒโ€ฌูˆุงุฏุฉ ูˆุฃโ€ชุŒ ;Iโ€ฌโ€ฌ โ€ซุงโ€ช."$/โ€ฌู‰ โ€ช.w x!= ุŒ @T= 1Gโ€ฌุจ โ€ช !wโ€ฌุฃูˆ โ€ช !w  SKa ุŒโ€ฌุงโ€ช.:xโ€ฌู… ุฃู† ุงโ€ช."$ ,-./โ€ฌู‰โ€ฌ โ€ซโ€ช."$7โ€ฌูŠ โ€ช. )-โ€ฌุฃโ€ชAโ€ฌู‰ ูˆุฃโ€ชvAโ€ฌุก โ€ช ุŒโ€ฌุงโ€ช !LHv/โ€ฌูˆุงโ€ชvAโ€ฌุก โ€ช  !;= ุŒโ€ฌุฃโ€ชvAโ€ฌุก โ€ช."$7 F0Gโ€ฌูŠ ุง">โ€ฌ โ€ซุฃูˆ ุง*โ€ช.S !Z.Iโ€ฌู‚ โ€ช Cx";7โ€ฌุง"> ุงโ€ช./โ€ฌุงุฏ ุง\"ูˆโ€ช >Rโ€ฌุงโ€ช F0G ,-./โ€ฌุฃโ€ชT%โ€ฌโ€ฌ โ€ซุฃโ€ชrโ€ฌุงู โ€ช ุŒ 1โ€ฌุงโ€ชAโ€ฌู‰ ุงโ€ช  !0/โ€ฌูˆโ€ช.Sโ€ฌู‚ ุง`โ€ช %โ€ฌุงโ€ช.S !0/โ€ฌู‚ โ€ช Cx";%โ€ฌุฃูˆ โ€ช ุŒโ€ฌุง)โ€ช%Gโ€ฌโ€ฌ โ€ซโ€ช ุŒโ€ฌุฅโ€ช !=kโ€ฌูˆุฃู… ูˆุท โ€ช ,T*%โ€ฌูˆุงโ€ชNโ€ฌูŠ ุงโ€ช)*"+โ€ฌุงู… ุฃูˆ โ€ช ยJRโ€ฌุฃูˆ โ€ช &!/$7โ€ฌุฃูˆ โ€ช {V ุŒโ€ฌโ€ฌ


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

87 ‫! أو ذآ‬w  ;0L. ‫و‬OCWC y0!/$7  %‫و! أ‬MJ 1G ‫ر أي‬k #8R 1G ‫"*)ام‬+‫ا‬ ‫& نم‬H- ‫ زوار‬,-./‫ ا‬، ‫ أو‬1 ‫ أي‬y0!/$7 1 &H- ‫ء‬aM‫وار ه‬c‫ ا‬1 ‫ى‬."$ ‫ت‬R ‫ه;ك‬.6. R ‫ى‬."$/‫ ا‬F0G ,-‫ا‬. ‫ى‬A‫أ‬. 1$R # ‫د‬L% j;‫ ا‬x!= ، 1/%‫و‬ ‫@ل‬A 1  "/‫ وا‬، 7.!H/‫ا€ ا‬2 C‫ => ذ‬/2 ، ‫اد‬./‫ ا‬,!/8 ، a ‫اض‬L"+‫ا‬ m2‫ روا‬F‫ إ‬t%.‫ت ا‬$`Z‫ و‬,-‫ا‬./‫ ا‬ocwconsortium.org &I7 >"‫ وا‬، >"‫ا‬ F‫ إ‬ocwconsortium.org. ‫و‬OCWC !w ,-‫ا‬./‫ ا‬C07 F0G ‫ة‬v!+ ‫ أي‬C0/% a OCWC ‫@ل‬A 1 .x‫"*)ا‬+‫ أو ا‬x7%."$ 1G ‫و‬MJ !w‫ و‬، t%.‫ت ا‬$`Z‫و‬ !w ,-. F‫ ا‬m2‫ ر‬OCWC ‫ و‬، t%‫ و‬$`Z ‫أو‬OCWC F0G HL7 ‫{& أو‬/7 a ‫و‬MJ ];‫ آ‬.t%‫ و‬$`Z ‫ أو‬,-./‫ا ا‬N‫) ه‬%M% yR‫ت ا@ز أ‬r!"a‫*ذ ا‬7‫ ا‬1G a ‫وادة‬r ;I‫ وأ‬، ‫)ان‬%)‫ وا‬، ‫ت‬+‫ ا`!و‬1 7.!H/‫ ا‬#jR‫ و‬CJ`R %/$ ، ‫ و‬.‫)ة‬/‫رة أو ا‬T‫ت ا‬%."$/‫ ا‬1 ‫!ه‬w‫و‬OCWC ‫ أي‬1G !‫و‬MJ ‫; أي‬% !w C‫"*)ا‬+‫ ا‬1G €";% ‫ر‬k OCWC ‫)ي‬L"‫ ا‬.7.t%.‫ت ا‬$`Z‫ و‬,-‫ا‬./‫ا‬  +!+‫ و‬uM/‫ ا‬e F0G DMCA. ‫ ك‬OCWC ‫ ا"ام‬F0G 1%A^‫~ل ا‬J% ‫ إذا‬.1%A‰ %`‫! ا‬0/‫ق ا‬.S ‫"م‬$7 xR‫ وأ‬، %`‫! ا‬0/‫ق ا‬.S  vH7 ‫دة => أو‬.8./‫اد ا‬./‫) أن ا‬S"L7 ];‫ آ‬ocwconsortium.org >"‫ا‬ ‫ر‬vA\ ‫ة‬.G) ];‫ آ‬، C2 Z*‫ق ا; ا‬.S Cx";7 OCWC. ‫ف‬.+ OCWC ‫رات‬LQ\‫ ا‬PN‫ ه‬,!/: 2:"+a‫ ا‬، &!H+ F0G E! 1‫ و‬، C‫ => ذ‬/2 1 H+; P‫ا‬% )-  ‫ أو‬، ‫ب‬.0v .‫ ه‬/‫ آ‬، I$‫ ا‬OCWC ، ‫)ة أو‬0S/‫اد ا‬./‫وإزا  ا‬ )- 1%N‫د زوار ا‬.8‫ =>  و‬. `*/‫اد ا‬./‫ ا‬F0G ‫ت‬rH7‫ر‬a‫!& آ= ا‬vL7 ‫ق‬.S 1 ‫!ه‬w ‫ وا; أو‬u!~"‫ق ا‬.S F0G ‫ارا‬7‫ ارا و‬Cx";7 ‫ أو‬Cx";7 #‫  &ا‬%`‫!  ا‬OCWC )- ، ‫!ه‬w ‫ أو‬OCWC ، ,; ‫ء أو‬xR‫ إ‬، ‫ه‬%)S7 >= #"!+ ، ‫ء‬xR\‫ =>   ا‬.,-./‫ا ا‬N‫"*)ام ه‬+‫ وا‬F‫ل إ‬.Z.‫ ا‬OCWC ‫ام‬c"‫أي ا‬ ‫& أي ل‬H- 1 G.=)/‫‡ ا‬H/‫"داد ا‬+‫=! ا‬."OCWC.8. %`‫! ا‬0/‫ا‬. 1 &SR #"% a ‫`ق‬7a‫ا ا‬N‫ ه‬OCWC ‫ف‬v‫ت ا‬0"/ ‫ أي‬C OCWC {{‫أو ا‬ 1!2) FSH!+‫ت و‬0"//‫ ا‬C07 >= $0I/‫! وا‬0/‫ ا‬e ,!/8‫ و‬، %`‫ا‬ , mS= (1!=v‫ ا‬OCWC. YA ‫ى‬."$ ‫ح أي‬.k.2 y;!!L7 #7 a‫ وإ‬، &!/8 t+;/‫ ا‬Y!A"‫ ا‬1 ‫!ه‬w ‫"*)ام‬+‫خ أو ا‬J;"+@ ocwconsortium.org ، ‫ر‬LQ‫ و‬OCWC ، ‫ى‬A‫  ا‬%‫ر‬:"‫@ت ا‬L‫ ا‬,!/8‫ و‬، , ‫ل‬I7‫"*) => ا‬J/‫رات ا‬L‫ت وا‬.+‫@ت ا*)  وا‬G‫و‬ ocwconsortium.org ، 0:J  %‫ر‬:7 ‫@ت‬G ‫ أو‬/ ‫ و‬%‫ر‬:7 ‫@ت‬G >‫ ه‬,-./‫أو ا‬ ‫ل‬OCWC ‫ت‬.+‫@ت ا*)  وا‬G‫) و‬- ‫ى‬A‫  ا‬%‫ر‬:"‫@ت ا‬L‫ ا‬.x!IA ‫أو‬ ‫ر‬:7 ‫@ت‬G >‫ ه‬,-./‫ ا‬, ‫ل‬I7‫"*) => ا‬J/‫رات ا‬L‫{  وا‬V ‫اف‬r  % ‫"*)ام أي‬+‫"ج أو ا‬R‫دة إ‬G\ Y!A7 ‫ أو‬e ‫ أي‬C$;/7 ,-./0 C‫"*)ا‬+‫ ا‬.‫ى‬A‫أ‬  %‫ر‬:7 ‫@ت‬G OCWC ‫ و‬.‫!!ات‬W"‫ ا‬.9.}V ‫ف‬r ‫أو‬OCWC xS$2 Ž`"$7 ، #"!‫و‬MJ xR‫ ا‬.‫`ق‬7a‫ا ا‬N‫ ه‬1 ‫ء‬c8 ‫)ال أي‬H"+‫& أو ا‬%)L" ، ‫ه‬%)S7 >= ‫  \ج‬%‫` دور‬I2 ‫`ق‬7a‫ا ا‬N‫ ه‬1 eS$"0‫ أو‬C‫"*)ا‬+‫ار ا‬/"+‫ ا‬.‫!!ات‬W7 ‫راء‬ PNx a.H- &% ‫`ق‬7a‫ا ا‬N‫!!ات => ه‬W7 ‫ أي‬R )L2 ,-./‫ ا‬F‫ل إ‬.Z.‫ا‬ )- .‫!!ات‬W"‫ ا‬OCWC ‫ أو‬/ ‫)ة و‬%)8 ‫)ت‬A #%)S7‫ و‬، &HS"J/‫ => ا‬، T%‫أ‬ ‫ارد‬./‫)ة وا‬%)8 ‫ أدوات‬1G ‫ وا\=اج‬، C‫ => ذ‬/2) ,-./‫ا ا‬N‫@ل ه‬A 1 ‫ات‬c!/‫)ا‬. ‫ات‬c!/‫ ا‬PN‫ وه‬10.‫`ق‬7a‫ا ا‬N‫ وط وأم ه‬,T*7 >"‫ أو ا*)ت ا‬/ ‫)ة و‬%):‫ا‬.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

88 )- .‫ء‬xR\‫ ا‬OCWC 1 ‫ أو‬, ، ]-‫ => أي و‬,-./‫ ا‬1 ‫ء‬c8 ‫ آ& أو أي‬F‫ إ‬C.Z‫و‬ ‫ا‬N‫ء ه‬xR‫ => إ‬tw7 ];‫ إذا آ‬.‫ر‬.`‫ ا‬F0G ‫ا‬N=R ، ‫ر‬LQ‫ دون إ‬1 ‫ أو‬, ، tH+ ‫دون‬ C2J ‫`ق أو‬7a‫ ا‬OCWC ، #‫"*)ام ا‬+‫ ا‬rJH2 u-‫) و‬-‫ا‬N‫ أم ه‬,!/8 .,-‫و‬ C‫ => ذ‬/2 ، ‫ء‬xR\‫ء ا‬xR\‫ن ا‬.% ‫ أن‬t:% x"L!Hr #$2 >"‫`ق وا‬7a‫ ا‬، 11. !‫و‬MJ/‫ و)ود ا‬%.L7‫ و‬، ‫ن‬/T‫!  و)ود ا‬0/‫ أم ا‬، I ‫دون‬. ‫ و‬.">‫ ه‬/‫ "آ‬,-./‫ا ا‬N‫=! ه‬.7 #"% .‫ت‬R/T‫ ا‬1 &I;"‫ا‬OCWC x%‫رد‬.‫و‬ ‫ن‬/k 1G ‫;ن‬0L% ‫ا‬N‫ ه‬t8./2 1!IA/‫;! وا‬/k ‫ أو‬$%Z ، ‫ع‬.R ‫ أي‬1 ‫ ات‬، ‫ض‬W ‫@ء‬/‫ أو ا‬e%.J"2 Z*‫ت ا‬R/T‫ ا‬، I ‫ دون‬، C‫ => ذ‬/2 @= .‫)ي‬L"‫)م ا‬G‫ و‬1!L OCWC ‫~ن‬2 ‫ن‬/k ‫& أي‬L:%‫ و‬، 1!IA/‫ وا‬x%‫رد‬. a‫و‬ ‫ة أو‬/"J ‫ن‬.7 ‫ف‬.+ x!‫ل إ‬.Z.‫ أو أن ا‬، ‫ء‬vA‫ ا‬1 !A ‫ن‬.!+ ,-./‫ا‬ #x=‫ آ;] أ‬. LvS; !w C‫@ف ذ‬A F0G ‫ل‬.I$‫ أو ا‬، 1 &!/$"2 ‫م‬.S7 ‫أن‬ )$‫ ا‬.12.r*/‫ وا‬C2 Z*‫`Ž ا‬$"‫ => ا‬,-./‫@ل ا‬A 1 ‫ى أو ا*)ت‬."$/‫ا‬ ‫ن‬d= ‫ => أي ل‬. !‫و‬MJ/‫ ا‬1 OCWC ، ‫ واآت‬1!IA/‫ ا‬، x%‫رد‬. ‫أو‬ ‫ا‬N‫ ه‬1 ‫ع‬.k. ‫~ي‬2 e0L"% /!= a‫و‬MJ 1!L% ‫`ء أو‬0A‫ و‬، x  L2"‫ا‬ #2 ‫`ق‬7a‫! أوا‬R.R- %jR 1 ‫!ه‬w ‫ أو‬S0v !‫و‬MJ ‫ل أو‬/‫) أو إه‬SG ‫ أي‬t8‫و‬ ‫اء‬Q `07 (‫ار ؛ )ب‬k‫!  ا‬LH7 ‫! أو‬kG ‫  أو‬ZA ‫ )ط( أي‬: 1G `I; ‫ت‬R!H‫ ا‬u07 ‫)ان أو‬S= ‫"*)ام أو‬+‫ ا‬u-. (‫ )ج‬، @%)2 ‫ت أو ا*)ت أو‬:";/‫ا‬ ، F‫ إ‬xL=)7 >"‫م ا‬.+‫وز ا‬:"7 ‡H % (‫ أو )د‬OCWC ‫ا‬N‫ ه‬t8./2 ‫م‬.S% .‫ى‬.G)‫ ا‬tHJ S2J‫ا ا‬xQ (12) G >;V‫@ل ا‬A ‫`ق‬7a‫ ا‬OCWC a x7v!+ 1G  8‫ر‬A &KJ tHJ2 A~7 ‫ أي =& أو‬1G !‫و‬MJ  %‫& أ‬/$"R 13.e!Hv"‫ ا‬t8‫ا‬.‫ن ا‬.RS‫ه ا‬j$% ‫ )ى‬F0G eHv;% a eH+ /‫ و‬.  .SL/‫ا‬. ‫ )ط‬1/T7‫{& و‬/7 ];‫ آ‬.‫ن‬/T‫م وا‬L‫{!& ا‬/"‫ )ا‬#"!+‫ و‬,-./0 C‫"*)ا‬+‫ا‬ !Z.I*‫ ا‬+!+ , ‫ام ا"م‬c"a‫ر ا‬r‫ => إ‬OCWC ، ,!/8‫`ق و‬7a‫ا ا‬N‫ ه‬, fK‫ا‬. ‫ أو‬1!R‫ا‬.- ‫) أي‬%)$7 ‫ دون‬C‫ => ذ‬/2) x2 ‫ل‬./L/‫ ا‬fK‫ا‬.0‫ وا‬1!R‫ا‬.S‫ا‬ ‫ك‬.0J‫ص ا‬.I*2 ، !. ‫ى‬A‫ أ‬Sv; ‫; أو‬%)/‫ وا)و وا‬، #‫)آ‬02 >= !0$ ‫ل‬.HS/‫ى ا‬."$/‫& وا‬I"/‫ ا‬، /!= x2 ‫ل‬./L/‫ ا‬1!R‫ا‬.S‫ ا‬,!/8 C‫ => ذ‬/2‫و‬ )0H‫)ة أو => ا‬$"/‫ت ا‬%a.‫ ا‬1 ‫)رة‬I/‫;!  ا‬S"‫ت ا‬R!H‫& ا‬S;2 e0L"% F0G ‫"!@ء‬+a2 ‫ أو‬Cx";% 1 ,-./0 C‫"*)ا‬+‫!( ا‬RV) ‫( و‬y!= #!S7 ‫ي‬N‫ا‬ ‫ أن‬F0G e=‫ا‬.7 ];‫ آ‬.%.L"‫ ا‬.14.}V ‫ف‬r ‫ ي‬%`‫! ا‬0/‫ق ا‬.S >0*7‫ض و‬.L7 ‫ف‬r OCWC ، x!‫و‬MJ‫ و‬x%%)‫ و‬، x!IA‫ و‬، x!‫و‬S C‫ => ذ‬/2 ، ‫ت‬S`;‫ت وا‬Hv/‫ ا‬,!/8‫) أي و‬k‫ و‬1 xK@‫ ووآ‬x!`‘.‫و‬ a 1‫ و‬C‫ => ذ‬/2 ، ,-./‫ا ا‬Nx C‫"*)ا‬+‫ ا‬1G ’Q;‫ ا‬، ‫ة‬$/‫ب ا‬L7‫أ‬ ‫`ق ال‬7a‫ا ا‬Nx ‫ك‬x"R‫ وا‬، ,-./‫ا ا‬N‫ ه‬F‫ إ‬y0/ ‫ي‬N‫ى ا‬."$/‫ ا‬F0G I"S%‫ص‬A ، y8‫ => أي و‬00T ‫ن‬.7 ‫ أو‬$!$Z !w ‫ت أو‬R/k ‫{!& أو‬/7 ‫أو => ل أي‬ 1!2 ‫`ق‬7a‫& ا‬/: &% ‫`ق‬7a‫ا ا‬N‫ ه‬.  G.;"/‫ ا‬.15.P.8.‫ ا‬1 OCWC 1 ]R‫وأ‬ 1/% >"‫!)ة ا‬.‫ ا‬/2‫ ور‬، ~J/‫ع ا‬.k./2 e0L"% /!= ‫ن‬.RS‫ا ا‬N‫ه‬ ‫ ا‬v0J‫& ا‬H- 1 L-. !vA &%)L"‫& ا‬H- 1 x0%)L7‫ح‬I/‫  ا‬%N!`;" y2 OCWC ، &H- 1 R e%r 1G ‫ أو‬OCWC e!Hv7 ‫ أن )ى‬a‫ إ‬. $S; *JR F‫ل إ‬.Z.‫ أي ا‬#$% ‫ف‬.+ ، ‫`ق‬7a‫ا ا‬N‫ ه‬، C‫@ف ذ‬A F0G ، ‫)ت‬8‫ إن و‬، ‫ن‬.RS‫ا‬ ‫)ة‬$"/‫ت ا‬%a.‫ ا‬، E"+.7+  v2‫ را‬1!R‫ا‬.S ,-./‫"*)ام ا‬+‫ أو ا‬،


SĂ?NDROMES â&#x20AC;&#x201C; Segunda Parte - TOMO III â&#x20AC;&#x201C; SĂ­ndromes com repercussĂŁo na deficiĂŞncia intelectual, distĂşrbios e transtornos neuropsicobiolĂłgico.VOLUME II - Professor CĂŠsar Augusto Venâncio da Silva.

89 ]+2 .â&#x20AC;ŤŮ&#x2020;â&#x20AC;Ź.RSâ&#x20AC;Ť ŘŁŮ&#x2026; اâ&#x20AC;Ź, â&#x20AC;Ťاؚâ&#x20AC;ŹIâ&#x20AC;Ť"{;ŘĄ اâ&#x20AC;Ź+2â&#x20AC;ŤŮ&#x160; ŘŁŮ&#x2C6;â&#x20AC;Ź8â&#x20AC;ŤŘŞ  زâ&#x20AC;ŹHv/â&#x20AC;Ť;ŘĄ اâ&#x20AC;ŹV â&#x20AC;ŤŘśâ&#x20AC;ŹL7 )- >"â&#x20AC;Ť  )Ů&#x2C6;اâ&#x20AC;Ź%`â&#x20AC;Ť!  اâ&#x20AC;Ź0/â&#x20AC;ŤŮ&#x201A; اâ&#x20AC;Ź.S$2 e0L"% /!= â&#x20AC;ŤŘŞâ&#x20AC;ŹHv â&#x20AC;Ť` ŘŁŮ&#x2C6;â&#x20AC;ŹI; â&#x20AC;ŤŘ§â&#x20AC;ŹNâ&#x20AC;Ť Ů&#x2021;â&#x20AC;Źt8./2 ~;% â&#x20AC;ŤŘ§Řšâ&#x20AC;ŹcR â&#x20AC;Ť ŘŁŮ&#x2020; ŘŁŮ&#x160;â&#x20AC;Źt:% Ř&#x152; (â&#x20AC;Ť;)اتâ&#x20AC;ŹJâ&#x20AC;Ť اâ&#x20AC;Ź1 R â&#x20AC;Ť  ŘŻŮ&#x2C6;Ů&#x2020;â&#x20AC;ŹI"*  /$ â&#x20AC;Ť=> ŘŁŮ&#x160;â&#x20AC;Ź EJ)!  LrS >= c0â&#x20AC;Ť! Ů&#x2C6;â&#x20AC;ŹKxR #!$"â&#x20AC;Ť!ا اâ&#x20AC;ŹAâ&#x20AC;Ť ŘŁâ&#x20AC;ŹS"+â&#x20AC;Ť`Ů&#x201A; اâ&#x20AC;Ź7aâ&#x20AC;Ť اâ&#x20AC;ŹŘ&#x152; â&#x20AC;Ť اâ&#x20AC;Ź#!$"â&#x20AC;Ť! اâ&#x20AC;ŹL/8 &H-â&#x20AC;Ť Ů&#x2C6;â&#x20AC;ŹE"+.7+â&#x20AC;Ťاإاتâ&#x20AC;Ź8\â&#x20AC;Ť) Ů&#x2C6;اâ&#x20AC;ŹGâ&#x20AC;ŤŘ§â&#x20AC;Ź.S0 S=â&#x20AC;Ť! Ů&#x2C6;â&#x20AC;Ź% â&#x20AC;Ť => ŘŁŮ&#x160;â&#x20AC;ŹxAâ&#x20AC;Ť] ŘĽŘŻâ&#x20AC;Ź0Aâ&#x20AC;ŤŘŠ ŘŻâ&#x20AC;ŹcK:â&#x20AC;Ť اâ&#x20AC;ŹPNâ&#x20AC;Ť Ů&#x2021;â&#x20AC;ŹF0G #$â&#x20AC;Ť Ů&#x2C6;اâ&#x20AC;Ź#%)S7 ]-â&#x20AC;ŤŮ&#x201E; => Ů&#x2C6;â&#x20AC;Ź.L`/â&#x20AC;Ť اâ&#x20AC;Ź%â&#x20AC;ŤŘąâ&#x20AC;Ź+ #!$"â&#x20AC;Ťاإات اâ&#x20AC;Ź8â&#x20AC;Ť => ŘŁŮ&#x160; ŘĽâ&#x20AC;Źxj% â&#x20AC;ŤŮ ŘŁŮ&#x2020;â&#x20AC;Źr â&#x20AC;Ť ŘŁŮ&#x160;â&#x20AC;Źu0*7 â&#x20AC;Ť Ů&#x2C6;ؼذاâ&#x20AC;ŹŘ&#x152; CN2 I"* /$ 1 #wâ&#x20AC;Ť اâ&#x20AC;ŹF0G â&#x20AC;ŤŘ¨â&#x20AC;Źc$â&#x20AC;Ť) اâ&#x20AC;Źk â&#x20AC;ŤŮ&#x201E;â&#x20AC;ŹAâ&#x20AC;Ť ŘĽŘŻâ&#x20AC;Ź#"% /2â&#x20AC;ŤŘŠ Řąâ&#x20AC;ŹcK8 >â&#x20AC;Ť Ů&#x2C6;Ů&#x2021;â&#x20AC;ŹŘ&#x152; f!$Z &2 ]ja â&#x20AC;Ť اŮ&#x201E;â&#x20AC;Źe`"% .â&#x20AC;ŤŘąâ&#x20AC;Ź.xjâ&#x20AC;Ť => اâ&#x20AC;Źy0= `07 >= %â&#x20AC;ŤŮ&#x2C6;â&#x20AC;ŹJ"  I F0G yH8./2 â&#x20AC;Ť=Ů&#x2020;â&#x20AC;Źr u!7 &/7 â&#x20AC;ŤŘŠâ&#x20AC;ŹcK:â&#x20AC;ŤŘ˛ Ů&#x160; اâ&#x20AC;Ź.:% Ř&#x152; #$/â&#x20AC;Ť اâ&#x20AC;Ź%)S7 >= yRâ&#x20AC;Ť ŘŁâ&#x20AC;Źaâ&#x20AC;Ť ŘĽâ&#x20AC;ŹŘ&#x152; #!$"â&#x20AC;ŤŮ&#x201E; اâ&#x20AC;Ź]0Aâ&#x20AC;Ť ŘŻâ&#x20AC;ŹP)k â&#x20AC;ŤŘ¨â&#x20AC;Źc$â&#x20AC;Ť اâ&#x20AC;ŹtHJ7 )-â&#x20AC;Ť Ů&#x2C6;â&#x20AC;ŹyRâ&#x20AC;Ť ŘŁâ&#x20AC;ŹF0G â&#x20AC;Ťاâ&#x20AC;ŹZ â&#x20AC;Ť)ŘŻâ&#x20AC;Ź$% #$ â&#x20AC;ŤŘ¨ ؼذا آŮ&#x2020;â&#x20AC;Źc$â&#x20AC;Ť> اâ&#x20AC;Ź$/â&#x20AC;ŤŘ§â&#x20AC;Ź â&#x20AC;Ť  ŘŁŮ&#x2C6;â&#x20AC;Źx=7 â&#x20AC;Ťاإâ&#x20AC;Ź8â&#x20AC;Ť ŘĽâ&#x20AC;Źy`Z.2 #!$"â&#x20AC;Ť اâ&#x20AC;ŹFâ&#x20AC;Ť ŘĽâ&#x20AC;Źy/%)S"  Hv â&#x20AC;Ť@Ů ŘŁŮ&#x2C6;â&#x20AC;ŹA â&#x20AC;ŤŘ§Řš ŘŁŮ&#x2C6;â&#x20AC;ŹcR â&#x20AC;ŤŘŠâ&#x20AC;ŹcK8 0r//â&#x20AC;ŤŘ§â&#x20AC;Ź. 1/%â&#x20AC;Ť Ů&#x2C6;â&#x20AC;ŹŘ&#x152;  %c!0:R\â&#x20AC;Ť  اâ&#x20AC;ŹW0â&#x20AC;Ť => اâ&#x20AC;ŹPâ&#x20AC;Ťاâ&#x20AC;Ź: NA~% â&#x20AC;Ť ŘŁŮ&#x2020;â&#x20AC;Ź#!$"â&#x20AC;Ť اâ&#x20AC;ŹF0G t:% !w â&#x20AC;Ť`Ů&#x201A;â&#x20AC;Ź7aâ&#x20AC;ŤŘ§ اâ&#x20AC;ŹNâ&#x20AC;Ť Ů&#x2021;â&#x20AC;Ź1 â&#x20AC;ŤŘĄâ&#x20AC;Źc8 â&#x20AC;Ť) ŘŁŮ&#x160;â&#x20AC;ŹSG â&#x20AC;Ť Ů&#x2C6;ؼذاâ&#x20AC;ŹŘ&#x152; /$ %â&#x20AC;Ť => ŘŁâ&#x20AC;Ź#!$"â&#x20AC;Ťاع اâ&#x20AC;Ź- N!`;7 !R EL7 â&#x20AC;Ť ŘŁŮ&#x2020;â&#x20AC;ŹFâ&#x20AC;Ť! ŘĽâ&#x20AC;ŹKc8 P!J`7 #"!+â&#x20AC;Ť Ů&#x2C6;â&#x20AC;ŹŘ&#x152; N!`;"0 &2- !w â&#x20AC;Ť ŘŁŮ&#x2C6;â&#x20AC;ŹfZ ;â&#x20AC;Ť Ů&#x2C6;Ů&#x2021;â&#x20AC;Ź.â&#x20AC;ŤŮ&#x201E;â&#x20AC;Ź.L`/â&#x20AC;Ť اâ&#x20AC;Ź%â&#x20AC;ŤŘąâ&#x20AC;Ź+ â&#x20AC;ŤŘ§Ů&#x201E;â&#x20AC;Źc7 a  !SH"/â&#x20AC;ŤŘ§ŘĄ اâ&#x20AC;Źc8â&#x20AC;ŤŮ اâ&#x20AC;Ź.+â&#x20AC;Ť Ů&#x2C6;â&#x20AC;ŹŘ&#x152; >0Zâ&#x20AC;Ť اâ&#x20AC;Ź1!=vâ&#x20AC;ŤŮ&#x192;اâ&#x20AC;Ź >= Ř&#x152; x â&#x20AC;ŤŮ&#x192;â&#x20AC;Źx"Râ&#x20AC;Ť`Ů&#x201A; ŘŁŮ&#x2C6; ŘŁŮ&#x160; اâ&#x20AC;Ź7aâ&#x20AC;ŤŘ§ اâ&#x20AC;ŹNâ&#x20AC;Ť Ů&#x2021;â&#x20AC;Ź1 â&#x20AC;Ťءâ&#x20AC;ŹQ â&#x20AC;Ť;) ŘŁŮ&#x2C6;â&#x20AC;Ź2 â&#x20AC;ŤŮ => ŘŁŮ&#x160;â&#x20AC;Źr â&#x20AC;Ť& ŘŁŮ&#x160;â&#x20AC;ŹH- 1 â&#x20AC;Ť;زŮ&#x201E;â&#x20AC;Ź7 C â&#x20AC;ŤŘ˛â&#x20AC;Ź.:%â&#x20AC;Ť Ů&#x2C6;â&#x20AC;Ź.x ea â&#x20AC;ŤŮ&#x201A;â&#x20AC;ŹA â&#x20AC;Ťء ŘŁŮ&#x2C6; ŘŁŮ&#x160;â&#x20AC;ŹQ â&#x20AC;Ť)ŘŠ ŘŁŮ&#x2C6;â&#x20AC;Ź/â&#x20AC;Ť اâ&#x20AC;ŹPNâ&#x20AC;Ť Ů&#x2021;â&#x20AC;Ź1G â&#x20AC;Ť ا";زŮ&#x201E;â&#x20AC;ŹE!â&#x20AC;Ť Ů&#x2C6;â&#x20AC;ŹŘ&#x152; â&#x20AC;ŤŘŁŮ&#x160;  Ů&#x2C6;ا)ŘŠâ&#x20AC;Ź â&#x20AC;Ť ŘŁŮ&#x2020;â&#x20AC;ŹF0G e=â&#x20AC;ŤŘ§â&#x20AC;Ź.7â&#x20AC;Ť Ů&#x2C6;â&#x20AC;ŹF0G e=â&#x20AC;ŤŘ§â&#x20AC;Ź.% â&#x20AC;ŤŮ ŘŁŮ&#x2020;â&#x20AC;Źr â&#x20AC;Ť`Ů&#x201A; Ů&#x160;â&#x20AC;Ź7aâ&#x20AC;ŤŘ§ اâ&#x20AC;ŹNâ&#x20AC;Ť Ů&#x2021;â&#x20AC;Źt8./2 C-.S 1!!L7 >!L7 â&#x20AC;ŤŘ˛â&#x20AC;Ź.:%â&#x20AC;Ť Ů&#x2C6;â&#x20AC;ŹŘ&#x152; â&#x20AC;ŤŮ&#x2C6;ءâ&#x20AC;ŹQâ&#x20AC;Ť Ů&#x2C6;â&#x20AC;Źyrâ&#x20AC;ŤŮ&#x2C6;â&#x20AC;ŹQ Ř&#x152;  c0 â&#x20AC;ŤŮ&#x2020;â&#x20AC;Ź.7â&#x20AC;Ť Ů&#x2020;â&#x20AC;ŹOCWC PNâ&#x20AC;Ť Ů&#x2021;â&#x20AC;Źt8./2 x-.S â&#x20AC;ŤŮ Řłâ&#x20AC;Ź.+â&#x20AC;Ť Ů&#x2C6;â&#x20AC;ŹŘ&#x152; c0 â&#x20AC;Ť`Ů&#x201A;â&#x20AC;Ź7aâ&#x20AC;ŤŘ§ اâ&#x20AC;ŹNâ&#x20AC;ŤŮ&#x2020; Ů&#x2021;â&#x20AC;Ź.% â&#x20AC;ŤŮ â&#x20AC;Ź.+â&#x20AC;Ť Ů&#x2C6;â&#x20AC;Ź.â&#x20AC;Ťءâ&#x20AC;ŹQ â&#x20AC;Ť!) ŘŁŮ&#x2C6;â&#x20AC;Ź- â&#x20AC;Ť!  ŘŻŮ&#x2C6;Ů&#x2020;â&#x20AC;Ź-`7aâ&#x20AC;ŤŘ§â&#x20AC;Ź x2 â&#x20AC;ŤŘ­â&#x20AC;Ź./J/â&#x20AC;Ť اâ&#x20AC;Ź#x`0*% 1 1!L%â&#x20AC;Ť Ů&#x2C6;â&#x20AC;ŹŘ&#x152; 1!=vâ&#x20AC;Ť اâ&#x20AC;ŹfI. Art. 17 â&#x20AC;&#x201C; O presente Edital serâ&#x20AC;Ť Ů&#x201E;â&#x20AC;Źpublicado na Internet e entra em vigor na data de sua publicaçâ&#x20AC;ŤŮ&#x2026;â&#x20AC;Źo, CENTRO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO â&#x20AC;&#x201C; CAEE/INESPEC nâ&#x20AC;ŤŮ&#x2026;â&#x20AC;Źo entregarâ&#x20AC;Ť Ů&#x201E;â&#x20AC;Źvia deste expediente em mâ&#x20AC;ŤŮ&#x2026;â&#x20AC;Źos do interessado, este deverâ&#x20AC;Ť Ů&#x201E;â&#x20AC;Źcapturar cŮ&#x17D;pia do documento via INTERNET. Art. 18 â&#x20AC;&#x201C; O presente Edital serâ&#x20AC;Ť Ů&#x201E;â&#x20AC;Źpublicado na Internet na pâ&#x20AC;ŤŮ&#x201E;â&#x20AC;Źgina do site:http://caeeedital7blogspot.com/ SEDE DO CENTRO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO â&#x20AC;&#x201C; CAEE/INESPEC, assim, finalmente, tomadas estas deliberaçŮ?es, ficam os citados devidamente notificados para o cumprimento do que se fixou. Nâ&#x20AC;ŤŮ&#x2026;â&#x20AC;Źo havendo mais nada a deliberar o Diretor do CENTRO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO â&#x20AC;&#x201C; CAEE/INESPEC lavra o presente termo que vai devidamente assinado pela PresidĂŞncia apŮ&#x17D;s deliberaçâ&#x20AC;ŤŮ&#x2026;â&#x20AC;Źo aprovativa.APROVADO PELA PRESIDâ&#x20AC;ŤŘŞâ&#x20AC;ŹNCIA DO INESPEC. Professor CĂŠsar Augusto Venâncio da Silva. Vice-Presidente do INESPEC. Professora Ray Rabelo Presidente INESPEC GestĂŁo 2007-2013


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

90 Professor César Augusto Venâncio da Silva. Diretor do CENTRO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO – CAEE/INESPEC - e Psicopedagogo.

Nos termos da licença já transcrita as Universidades e Instituições a seguir relacionadas podem reproduzir o presente Tomo em seus programas de estudos programados. 1.

African Virtual University;

2.

China Open Resources for Education;

3.

Fundação Getulio Vargas - FGV Online;

4.

Japan OCW Consortium;

5.

Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health;

6.

Korea OCW Consortium;

7.

Massachusetts Institute of Technology;

8.

Netease Information Technology (Beijing) Co., Ltd;.

9.

Open University Netherlands;

10. Taiwan OpenCourseWare Consortium; 11. Tecnológico de Monterrey; 12. TU Delft; 13. Tufts University; 14. UNIVERSIA; 15. Universidad Politécnica Madrid; 16. University of California, Irvine; 17. University of Michigan; 18. University of the Western Cape.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

91

CAPÍTULO I SINOPSE DE ANATOMOFISIOLOGIA DOS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

92 BIOLOGIA NEURONAL LIVRO GERAL III SINOPSE DE ANATOMOFISIOLOGIA DOS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS SÉRIE PREPARATÓRIA PARA O MESTRADO E DOUTORADO EM PSICOLOGIA CLÍNICA – SÍNDROMES – TOMO III NEUROCIÊNCIAS PSICOBIOLOGIA SÍNDROMES COM REPERCUSSÃO NA DEFICIÊNCIA INTELECTUAL, DISTÚRBIOS E TRANSTORNOS NEUROPSICOBIOLÓGICO. TOMO I – VOLUME II CAPÍTULO I SUMÁRIO GERAL

SUMÁRIO GERAL..................................................................................................................................... NEUROCIÊNCIA........................................................................................................................................ CERÉBRO.................................................................................................................................................... NOTA DO AUTOR...................................................................................................................................... MIOLO DE UMA NOZ................................................................................................................................ HEMISFÉRIO ESQUERDO......................................................................................................................... OS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS................................................................................................................ UMA COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE CADA HEMISFÉRIO....................................... HABILIDADES ASSOCIADAS À ESPECIALIZAÇÃO DE CADA HEMISFÉRIO................................ MANEIRAS DE CONSCIÊNCIA DE CADA HEMISFÉRIO..................................................................... MÉTODOS DE OBSERVAÇÃO............................................................................................................... HEMISFÉRIO DIREITO...............................................................................................................................


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

93 PARA REFLETIR.......................................................................................................................................... POR QUE NÃO?............................................................................................................................................ ÁREA DE WERNICKE (W).......................................................................................................................... ÁREA DE WERNICKE.................................................................................................................................. SÍNDROME..................................................................................................................................................... OBSERVAÇÃO DO AUTOR. ....................................................................................................................... AFASIA DE WERNICKE............................................................................................................................... SINTOMAS...................................................................................................................................................... SINTOMAS E SINAIS: FALA E VOZ (R47–R49, CID-9: 784).................................................................... ÁREA DEBROCA.......................................................................................................................................... NOTA DO AUTOR......................................................................................................................................... CÉREBRO AUTOPSIADO............................................................................................................................ GUSTAV FRITSCH AND EDUARD HITZIG……………………………………………………................ SIR DAVID FERRIER………………………………………………………………………………………. FRIEDRICH GOLTZ………………………………………………………………………………………… CÓRTEX DE MACACO COM O MAPEAMENTO DE PONTOS DE ESTIMULAÇÃO............................ SIR VICTOR A.H. HORSLEY......................................................................................................................... O APARELHO ORIGINAL DE HORSLEY-CLARKE................................................................................... PROCESSAMENTO DA LINGUAGEM......................................................................................................... O CÉREBRO E A LINGUAGEM..................................................................................................................... A ASSOCIAÇÃO DE SÍMBOLOS................................................................................................................... ENTENDENDO A COMPREENSÃO DO DIZER AS CORES....................................................................... RETINA.............................................................................................................................................................. AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA........................................................................................................ ÁREAS ESPECIALIZADAS NO CERÉBRO. E POR CONSEQUÊNCIA A RETINA..................................


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

94 ELEMENTOS DO GLOBO OCULAR.............................................................................................................. CONCEITOS BÁSICOS................................................................................................................................... PRINCIPAIS DEFEITOS DA VISÃO.............................................................................................................. MIOPIA.............................................................................................................................................................. HIPERMETROPIA............................................................................................................................................ PRESBIOPIA..................................................................................................................................................... ASTIGMATISMO. ESTRABISMO.................................................................................................................. CATARATA....................................................................................................................................................... DALTONISMO. ESQUEMA: OLHO HUMANO............................................................................................ SISTEMA SENSORIAL - VISÃO - OLHO...................................................................................................... CORPO GENICULADO LATERAL................................................................................................................ HIPOTÁLAMO................................................................... ............................................................................. DEFICIÊNCIA DO SISTEMA NEURONAL DE MEDIAÇÃO...................................................................... CONCEITOS E DE PALAVRAS...................................................................................................................... REPRESENTAÇÃO CEREBRAL..................................................................................................................... A ÁREA VISUAL.............................................................................................................................................. CONES E OS BASTONETES........................................................................................................................... CÉLULAS DO GÊNERO ALLIUM EM DIFERENTES FASES DO CICLO CELULAR............................. CORES............................................................................................................................................................... CORES DO ESPECTRO VISÍVEL................................................................................................................... TABELA DE CORES....................................................................................................................................... TEORIA TRICROMÁTICA (TEORIA DE YOUNG-HELMHOLTZ)............................................................ NOTA DO AUTOR. NANÓMETRO.................................................................................................................................................. ESPECTRO DA LUZ VISÍVEL........................................................................................................................


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

95 PERCEPÇÃO DAS CORES.............................................................................................................................. COMPRIMENTOS DE ONDA EM NANÔMETROS - ESPECTRO VISÍVEL.............................................. TEORIA DE YOUNG-HELMHOLTZ.............................................................................................................. BASTONETES................................................................................................................................................... A ESTRUTURA CELULAR DA RETINA....................................................................................................... CÉLULAS ROD. ............................................................................................................................................... NEURÔNIOS..................................................................................................................................................... BASTONETES................................................................................................................................................... CONCLUSÃO.................................................................................................................................................... NOTA DO AUTOR............................................................................................................................................ TEORIZAÇÃO CONCLUSIVA........................................................................................................................ CÓRNEA................................................................................................................. .......................................... BRASILEIRO DESENVOLVE TÉCNICA PARA CURAR LESÕES NA CÓRNEA..................................... PRESENÇA DO LÍQUIDO............................................................................................................................... NOTA DO AUTOR........................................................................................................................................... PATOLOGIA DA GRAVIDEZ, NASCIMENTO E PUERPÉRIO (O............................................................. ESCLERÓTICA................................................................................................................................................ ÍRIS................................................................................................................................................................... SISTEMA SENSORIAL - VISÃO - OLHO.................................................................................................... A BIOMETRIA.............................................................................................................................................. BIOMETRIA - RECONHECIMENTO DE IRIS. ......................................................................................... PUPILA........................................................................................................................................................... MIDRÍASE...................................................................................................................................................... CID-10 - H57.0 - CID-9 - 379.42...................................................................................................................... MIOSE.............................................................................................................................................................


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

96 CLASSIFICAÇÃO - CID-10 - H57.0 – CID-9 - 379.43 - DISEASESDB – 8603......................................... PATOLOGIAS DOS OLHOS......................................................................................................................... RAIOS LUMINOSOS..................................................................................................................................... PRINCÍPIO DA CÂMARA OBSCURA......................................................................................................... SÍNTESE......................................................................................................................................................... PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO QUÍMICA DA IMAGEM............................................................... RODOPSINA.................................................................................................................................................. A ORGANIZAÇÃO GENOMA HUMANO................................................................................................. MENDELIAN INHERITANCE IN MAN...................................................................................................... SUBSTÂNCIA NEURONAIS........................................................................................................................ RECEPTORES TRANSMEMBRANA: RECEPTORES ACOPLADOS ÀS PROTEÍNAS G..................... CURIOSIDADE CIENTÍFICA....................................................................................................................... CÓRTEX PRÉ-FRONTAL E FUNÇÕES EXECUTIVAS............................................................................ CASO CLÁSSICO I - PACIENTE PHINEAS GAGE...................................................................................... CASO CLÁSSICO II - PACIENTE “O CARIOCA” ....................................................................................... PHINEAS GAGE............................................................................................................................................... DEFICIÊNCIAS COGNITIVAS. ..................................................................................................................... CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS. ............................................................................... DA CID-10......................................................................................................................................................... QUADROS CLÍNICOS..................................................................................................................................... TRANSTORNO HIPERCINÉTICO.................................................................................................................. POR QUE EU EDUCADOR PRECISO CONHECER?.................................................................................... DO DSM-IV....................................................................................................................................................... TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM - DSM.IV ...................................................................................... CARACTERÍSTICAS E TRANSTORNOS ASSOCIADOS. .......................................................................... CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS À CULTURA......................................................................................


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

97 PREVALÊNCIA................................................................................................................................................ DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL...................................................................................................................... O RETARDO MENTAL.................................................................................................................................... (NA CID.10 É F81.0) 315.00 TRANSTORNO DA LEITURA - DSM.IV.................................................. ... CARACTERÍSTICAS E TRANSTORNOS ASSOCIADOS............................................................................ CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS AO GÊNERO...................................................................................... PREVALÊNCIA................................................................................................................................................ CURSO E EVOLUÇÃO DO PROBLEMA. ..................................................................................................... PADRÃO FAMILIAL. ...................................................................................................................................... DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL. .................................................................................................................... CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS PARA F81.0 - 315.00 TRANSTORNO DA LEITURA................................ (NA CID.10 É F81.2) 315.1 TRANSTORNO DA MATEMÁTICA - DSM.IV.............................................. CARACTERÍSTICAS E TRANSTORNOS ASSOCIADOS............................................................................ PREVALÊNCIA................................................................................................................................................ CURSO E EVOLUÇÃO DO PROBLEMA....................................................................................................... DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL...................................................................................................................... CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS PARA F81.2 - 315.1 TRANSTORNO DA MATEMÁTICA........................ (NA CID.10 É F81.8) 315.2 TRANSTORNO DA EXPRESSÃO ESCRITA - DSM.IV................................ CARACTERÍSTICAS E TRANSTORNOS ASSOCIADOS............................................................................ PREVALÊNCIA................................................................................................................................................ CURSO E EVOLUÇÃO DO PROBLEMA....................................................................................................... DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL...................................................................................................................... CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS PARA F81.8 - 315.2 TRANSTORNO DA EXPRESSÃO ESCRITA........... (NA CID.10 É F81.9) - 315.9 TRANSTORNO DA APRENDIZAGEM SEM OUTRA ESPECIFICAÇÃO.. ASPECTOS DA BAGAGEM ÉTNICA OU CULTURAL DO INDIVÍDUO..................................................


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

98 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL...................................................................................................................... ORTOGRAFIA................................................................................................................................................... DEFICIÊNCIA NA PROGRAMAÇÃO ESCOLAR VISTA SOB O PRISMA SUBJETIVO DO ALUNO EM EXAME....................................................................................................................................................... CALIGRAFIA.................................................................................................................................................... EDUCADORES RELITAM. SER PROFESSOR É INSTIGAR MENTES E ALMA, MENTES PARA O MUNDO, ALMA PARA A REFLEXÃO DO REENCANAR.......................................................................... TRANSTORNO DO DESENVOLVIMENTO DA COORDENAÇÃO............................................................ TRANSTORNO DO DESENVOLVIMENTO DA COORDENAÇÃO (TDC)................................................ ALGUMAS DAS CARACTERÍSTICAS DA CRIANÇA COM TDC............................................................: ALERTA AOS EDUCADORES ESPECIAIS................................................................................................... TRANSTORNO DO DESENVOLVIMENTO DA COORDENAÇÃO............................................................ EXISTEM LITERATURAS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO?......................................................... TRANSTORNOS DA APRENDIZAGEM........................................................................................................ QUESTÃO: ENTÃO. DOENÇA MENTAL, TRANSTORNO MENTAL OU DEFICIÊNCIA INTELECTUAL?.............................................................................................................................................. SITUAÇÃO DA NORMA – PROJETO DA LEI DE DIREITOS DOS PORTADORES DE PATOLOGIA MENTAL. DEFINIÇÃO.................................................................................................................................. PROTEÇÃO E OS DIREITOS DAS PESSOAS PORTADORAS DE TRANSTORNOS MENTAIS. - LEI FEDERAL NO 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001.......................................................................................... DISPÕE SOBRE A PROTEÇÃO E OS DIREITOS DAS PESSOAS PORTADORAS DE TRANSTORNOS MENTAIS E REDIRECIONA O MODELO ASSISTENCIAL EM SAÚDE MENTAL. NOTA DO AUTOR.......................................................................................................................................... MEMÓRIA GERA COMPETIÇÃO NO CÉREBRO HUMANO - THE NEW YORK TIMES.................... HOMEM HIBRIDO.......................................................................................................................................... CÉLULAS NERVOSAS DE RATOS SE LIGAREM UMAS ÀS OUTRAS EM UMA REDE DE PEQUENOS TUBOS SEMICONDUTORES..................................................................................................


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

99 DOMINÂNCIA CEREBRAL........................................................................................................................... TOMOGRAFIA CEREBRAL........................................................................................................................... COMPONENTES DE UMA LINGUAGEM ARTICULADA......................................................................... IMAGENS DO CÉREBRO HUMANO............................................................................................................ SISTEMAS DE MEDIAÇÃO........................................................................................................................... POR QUE AS LESÕES CAUSAM O ESQUECIMENTO DO NOME DE CERTOS OBJETOS E NÃO DE OUTROS?.......................................................................................................................................................... OS COMPONENTES DE UM CONCEITO..................................................................................................... SISTEMA DE MEDIAÇÃO DOS VERBOS.................................................................................................... QUANDO O OBJETIVO SERÁ ALCANÇADO? EIS A QUESTÃO............................................................. ORDEM ALFABÉTICA DA BIBLIOGRAFIA DO CAPÍTULO....................................................................

ORDEM GERAL DA BIBLIOGRAFIA DO CAPÍTULO...............................................................


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

100

BIOLOGIA NEURONAL SÉRIE PREPARATÓRIA PARA O MESTRADO E DOUTORADO EM PSICOLOGIA CLÍNICA – SÍNDROMES - TOMO III Professor César Augusto Venâncio da Silva NEUROCIÊNCIAS PSICOBIOLOGIA Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico. TOMO I – VOLUME II CAPÍTULO I SINOPSE DE ANATOMOFISIOLOGIA DOS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

101

Neurociência.

Gravura de Santiago Ramón y Cajal (1899) de neurônios no cerebelo de um pombo.

Neurociência é o estudo científico do sistema nervoso. A Neurociência é uma ciência interdisciplinar que colabora com outros campos do conhecimento,como exemplos... (...)a química, ciência da computação, engenharia, linguística, matemática, medicina e disciplinas afins, filosofia, física e psicologia. A neurobiologia é usualmente o termo mais usado para designar alternadamente a definição-termo neurociência, embora o primeiro se refira especificamente a biologia do sistema nervoso, enquanto o último se refere à inteira ciência do sistema nervoso. O escopo da neurociência tem sido ampliado para incluir diferentes abordagens usadas para estudar os aspectos moleculares, celulares, de desenvolvimento, estruturais, funcionais, evolutivos, e médicos do sistema nervoso, ainda sendo ampliado para incluir a cibernética como estudo da comunicação e controle no animal e na máquina com resultados fecundos para ambas áreas do conhecimento. E agora mais recentemente o


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

102

discurso da neurociência educacional. Explico mais a frente. As técnicas usadas pelos neurocientistas tem sido expandida enormemente, de estudos moleculares e celulares de neurônios individuais até imageamento de tarefas sensoriais e motoras no cérebro. Avanços teóricos recentes na neurociência têm sido auxiliados pelo estudo das redes neurais. Dado o número crescente de cientistas que estudam o sistema nervoso, várias proeminentes organizações de neurociência tem sido formadas para prover um fórum para todos os neurociêntistas e educadores. Por exemplo, a International Brain Research Organization foi fundada em 1960, a Society for Neurocience em 1969, a Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento em 1976 e a Sociedade Portuguesa de Neurociências em 1992.

Cerébro. O que podemos esperar no futuro, em relaçao ao cerébro humano? O cérebro humano é complexo e extenso? O Cerébro Humano representa aproximadamente

2% da massa celular do corpo

humano, mas, apesar disso, recebe aproximadamente 25% de todo o sangue que é bombeado pelo coração. Divide-se em dois hemisférios: esquerdo e o direito. O seu aspecto se assemelha ao miolo de uma noz. É um conjunto distribuído de milhares de milhões de células que se estende por uma área de mais de 1 metro quadrado dentro do qual conseguimos diferenciar certas estruturas correspondendo às chamadas áreas funcionais, que podem cada uma abranger até um décimo dessa área.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

103

Imagem lateral do cérebro. Nota do Autor.

Miolo de uma noz. Apesar de serem um alimento muito calórico, e terem fama de engordarem muito (o que não é mentira!), as nozes contêm gorduras de excelente qualidade e muitos outros nutrientes. As nozes são um fruto seco muito apreciado, mas comido sempre com muita desconfiança, uma vez que se trata de um alimento muito calórico e gorduroso. A ingestão diária de 85 g de nozes, como parte de uma dieta com baixo teor de gorduras saturadas, pode baixar os níveis de colesterol no sangue, segundo investigações recentes. Ao reduzir o colesterol, constitui uma arma na luta conta as doenças cardiovasculares. O que se diz quanto ao seu elevado teor de gordura é verdadeiro, pois as nozes contêm de fato muita gordura; mas trata-se de uma gordura insaturada, de excelente qualidade para a saúde. Contêm gorduras monoinsaturadas que se revelam muito úteis no tratamento e prevenção das doenças do coração, ao diminuir os níveis de colesterol no sangue. Contêm também gorduras poliinsaturadas, os ácidos gordos Ómega-3, que são componentes estruturais do cérebro, e estão implicados na redução do risco aterosclerótico, designadamente coronário e da diminuição dos triglicerídeos do sangue. Pensa-se que podem tratar doenças cardíacas e artrite. Cada 100 g de miolo de noz fornecem cerca de: 700 calorias.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

104

HEMISFÉRIO ESQUERDO. Assim, é interessante analisar e comparar as características fisiológicas dos hemisférios cerebrais

OS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS

UMA COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE CADA HEMISFÉRIO

Hemisfério esquerdo

Hemisfério direito

Verbal: usa palavras para nomear, descrever Não-verbal: percepção das coisas com uma e definir; Analítico: decifra as coisas de maneira seqüencial e por partes; Utiliza um símbolo que está no lugar de outra coisa. Por exemplo o sinal + representa a soma; Abstrato: extrai uma porção pequena de informação e a utiliza para representar a totalidade do assunto;

relação mínima com palavras;

Sintético: unir coisas para formar totalidades;

Relaciona as coisas tais como estão nesse momento;

Analógico: encontra um símil entre diferentes ordens; compreensão das relações metefóficas;

Temporal: se mantem uma noção de tempo, uma seqüência dos fatos. Fazer uma coisa e Atemporal: sem sentido de tempo; logo outra, etc.;

Racional: extrai conclusões baseadas na razão e nos dados;

Digital: utiliza números;

Não-racional: não requer uma base de informações e fatos reais; aceita a suspensão do juízo; Espacial: ver as coisas relacionadas a outras e como as partes se unem para formar um todo;

Lógico: extrai conclusões baseadas na ordem Intuitivo: realiza saltos de reconhecimento, em


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

105 lógica. Por exemplo: um teorema matemático geral sob padrões incompletos, intuições, ou uma argumentação;

sentimentos e imagens visuais;

Linear: pensar em termos vinculados a ideias, Holístico:

perceber

al

mesmo

tempo,

um pensamento que segue o outro e que em concebendo padrões gerais e as estruturas que geral convergem em uma conclusão;

muitas vezes levam a conclusões divergentes.

Dentro da analise sugerida podemos observar as habilidades associadas às especificidades de parte hemisféricas cerebrais.

HABILIDADES ASSOCIADAS À ESPECIALIZAÇÃO DE CADA HEMISFÉRIO

Hemisfério esquerdo

Hemisfério direito

Escrita à mão Símbolos

Linguagem

Leitura

Fonética

Relações espaciais Figuras padrões Computação matemática Sensibilidade a cores

Localização de fatos e Canto detalhes Conversação recitação Seguimento

e

e

música e Expressão artística de Criatividade


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

106

instruções Escuta

Visualização

Associação auditiva

Sentimentos e emoções

As maneiras de consciência de cada parte hemisférica cerebral. .

MANEIRAS DE CONSCIÊNCIA DE CADA HEMISFÉRIO Hemisfério Hemisfério esquerdo

direito

Lógico

Intuitivo

Seqüencial Azaroso Linear

Holístico

Simbólico Concreto Baseado na realidade Verbal

Orientado à fantasia Nãoverbal

Temporal Atemporal Abstrato

Analógico

O desejo de compreender para intervir na melhoria é na atualidade a vocação da maioria dos educadores, estes estão cada vez mais interessados na importância do pensamento criativo e intuitivo, o sistema educativo em geral está estruturado de um modo predominantemente guiado pelo hemisfério esquerdo. Os conteúdos educativos são seqüenciais, os alunos progridem segundo seus graus (um, dos, três) em direção linear. As principais matérias que os alunos estudam são numéricas e verbais: leituras, escrituras, matemáticas. Tudo é regido por horários pautados. As cadeiras são dispostas em filas. Os professores e mestres distribuem notas, mas... Está faltando algo.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

107

O hemisfério dominante em 98% dos humanos é o hemisfério esquerdo, é responsável pelo pensamento lógico e competência comunicativa. Enquanto o hemisfério direito, é responsável pelo pensamento simbólico e criatividade, embora pesquisas recentes estejam contradizendo isso, comprovando que existem partes do hemisfério esquerdo destinados a criatividade e viceversa. Nos canhotos as funções estão invertidas. O hemisfério esquerdo diz-se dominante, pois nele localiza-se 2 áreas especializadas: a Área de Broca (B), o córtex responsável pela motricidade da fala, e a Área de Wernicke (W), o córtex responsável pela compreensão verbal. Nos dias atuais a ciência vem usando métodos que permite invadir os caminhos obscuros da mente humana. Entre tais métodos podemos citar exemplos: A eletrofisiologia, na qual elétrodos são colocados diretamente no cérebro, permite aos cientistas registrar a afetividade córtex cerebral de neurônios isolados ou grupos de neurônios, mas como requer uma cirurgia invasiva, é uma técnica reservada apenas para cobaias animais. A eletroencefalografia ou EEG dá-se com a colocação de elétrodos sobre a pele, a fim de se registarem os impulsos nervosos (de natureza eletro-química) gerados por diferentes partes do córtex cerebral. O exame detecta apenas mudanças em larga escala e ocorridas apenas nas camadas mais externas do órgão. Com o aparecimento dos métodos de imagem, a tomografia axial computorizada e da imagem por ressonância magnética, vieram revolucionar o estudo do funcionamento do cérebro e tornar o diagnóstico

médico

mais

rigoroso.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

108 A ressonância magnética funciona mede as mudanças no fluxo de sangue dentro do cérebro, mas a atividade dos neurônios não é diretamente medida, e não pode se distinguir onde a atividade é de inibição ou onde é de excitação. Testes de comportamento podem avaliar sintomas de doenças e o desempenho mental, mas também são medidas indiretas das funções cerebrais e podem não ser práticas em todos os animais. Análises feitas em cadáveres de animais permitem o estudo da anatomia e da distribuição de proteínas no cérebro. O cérebro e as funções cerebrais têm sido estudados cientificamente por diversos ramos do saber. É um projeto pluri-disciplinar. Nasceu assim a neurociência com o objectivo de estudar o funcionamento do Sistema Nervoso, nomeadamente do Sistema Nervoso Central, a partir de uma perspectiva biológica. A psicologia, depois de se ter emancipado da filosofia e de vários conceitos religiosos, tem por objectivo estudar cientificamente o comportamento do indivíduo e como este se relaciona com as estruturas cerebrais. A ciência cognitiva procura estudar as funções cerebrais com objectivo de desenvolver o conceito de "inteligência artificial". A ciência se estabelece através de métodos de observação. Nesse desiderato os cientistas de hoje não podem deixar de conhecer os cientistas de ontem, os precursores das idéias de hoje, avançadas ao nosso tempo. Métodos de Observação.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

109

.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

110

HEMISFÉRIO DIREITO. O hemisfério direito – o sonhador, o artista – se perde muitas vezes no sistema educativo e não é atendido. Se encontrarmos aulas de arte ou aulas de língua onde se pratica "escritura criativa" (creative writing) e também cursos de música, mas é pouco provável que encontremos cursos de imaginação, de visualização, de habilidades espaciais, de criatividade, como matéria em si mesma, cursos de intuição ou em inventiva.

Todavia, os educadores valorizam estas aptidões, mas

aparentemente confiam que os alunos irão desenvolver a imaginação, a percepção e a intuição como conseqüências naturais do desenvolvimento de suas capacidades analíticas e verbais. Quem sabe agora os Neurocientistas proporcionaram a base conceitual para o treinamento do hemisfério direito, poderemos começar a construir um sistema educativo que leve em conta todo o cérebro. O autor do presente TOMO III, é professor na educação especial, e no INESPEC se objetiva no ano de 2013 desenvolver dentro de cada característica de seus alunos, o mapeamento e a “ginástica cerebral hemisférica direita”. PARA REFLETIR. As últimas pesquisas concluem que a aprendizagem é melhor, mais agradável e mais duradoura quando estão envolvidos os dois hemisférios. Então, por que custa tanto integrar o hemisfério direito na sala de aula? Por que quando pensamos em Arte instantaneamente pensamos na aula de artes? Por que deixamos este trabalho para a professora de artes, que com sorte nos recebe uma vez por semana? Como poderíamos envolver a arte e as habilidades do hemisfério direito em uma aula sobre: Invasões Inglesas; Geografia do Uruguai; Tabelas de multiplicar; Corpo humano; Tempos verbais; Idiomas, etc. Poder-se-ia estabelecer métodos, caminhos para fomentar o desenvolvimento da criatividade dos estudantes em suas diversas

atividades

curriculares

e

extracurriculares?

POR QUE NÃO? Pensemos por alguns instantes em nossas aulas, em nossos conteúdos, em nossos alunos. Tomemos uma decisão na preparação de algumas das próximas unidades, envolvendo o hemisfério direito, o "hemisfério esquecido".

ÁREA DE WERNICKE (W) Área de Wernicke. Nessa zona convergem os lobos occipital, temporal e parietal que se localiza a área de Wernicke, que desempenha um papel muito importante na produção de discurso. É esta área que


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

111 nos permite compreender o que os outros dizem e que nos faculta a possibilidade de organizarmos as palavras sintaticamente corretas.

Áreas de Broca e de Wernicke. Área de Wernicke é uma região do cérebro humano responsável pelo conhecimento, interpretação e associação das informações. Graves danos na área de Wernick podem fazer com que uma pessoa que escuta perfeitamente e reconhece bem as palavras, seja incapaz de agrupar estas palavras para formar um pensamento coerente, caracterizando doença conhecida como Afasia de Wernicke. A área recebe o nome em homenagem a Karl Wernicke, um neurologista e psiquiatra alemão.

Síndrome. Observação do autor. Para entender as dificuldades de aprendizagem, com deficit intelectual, sem transtornos ou distúrbios mentais, acredito ser relevante ao educador especial e ao educador inclusivo conhecer entre várias síndromes, a AFASIA DE WERNICKE. Já afirmei e reafirmo, existem diferenças entre inclusão educacional e educação especial. Afasia de Wernicke é uma alteração na linguagem oral e escrita, tornando a comunicação sem muita precisão, que é ocasionada por uma lesão neurológica. Por ser causado por um transtorno primário (inflamação no conduto auditivo interno), lesão neurológica em decorrências de TCE (traumatismo crânio encefálico) e/ou problema vasculares como AVC (acidente vascular cerebral) e AVE (acidente vascular encefálico). Nesta afasia ocorre uma lesão na 1ª circunvolução temporal esquerda, mas a linguagem oral e escrita não são prejudicadas. Sua maior dificuldade está na compreensão.

Sintomas.

PERDA DA CAPACIDADE DE SIMBOLIZAR;


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

112 OBSERVA - SE ERROS DE TROCAS E REPETIÇÃO DE PALAVRAS NA LINGUAGEM ORAL; DIFICULDADE DE NOMEAR CORES, NÚMEROS (COM MAIS DE 2 ALGARISMOS), OBJETOS, FORMAS, LETRAS E CATEGORIAS (EX: ANIMAIS); EM ALGUNS CASOS, PERDA DA ESCRITA; EM ALGUNS CASOS, PERDA DA LEITURA COMPREENSIVA E SILENSIOSA; JÁ NA AFASIA DE BROCA A LEITURA COMPREENSIVA E SILENCIOSA

ESTÃO

PRESERVADAS

OU

COM

CERTA

DIFICULDADES; DIFICULDADE DE NARRAR FATOS E OUTROS; DIFICULDADE

OU

INCAPACIDADE

DE

RECONHECER

SÍMBOLOS LINGÜÍSTICOS; EM ALGUNS CASOS, O DIÁLOGO É DEFICIENTE OU QUASE IMPOSSÍVEL; DIFICULDADE DE MEMÓRIA SINTOMAS E SINAIS: FALA E VOZ / SINTOMAS RELATIVOS À CABEÇA E AO PESCOÇO (R47–R49, CID-9: 784) AFASIA/DISFASIA

AFASIA EXPRESSIVA · AFASIA DE WERNICKE · AFASIA DE CONDUÇÃO DISARTRIA · ESQUIZOFASIA · APROSODIA/DISPROSÓDIA

OUTROS DISTÚRBIOS DA FALA

THOUGHT DISORDER: PRESSURE OF SPEECH · DERAILMENT · CLANGING · CIRCUMSTANTIALITY DISLEXIA/ALEXIA · AGNOSIA (PROSOPAGNOSIA, ASTEROGNOSIA, SÍNDROME

DISFUNÇÕES SIMBÓLICAS

DE GERSTMANN) · DISPRAXIA/APRAXIA (APRAXIA IDEOMOTORA) · DISCALCULIA/ACALCULIA · AGRAFIA


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

113 DISTÚRBIOS DA VOZ OUTROS

DISFONIA/AFONIA EPISTAXE · CEFALEIA · GOTEJAMENTO PÓSNASAL · MASSA CERVICAL

PREDEFINIÇÃO:PSYCHOLOGY NAVSPREDEFINIÇÃO:MOUTH NAVS

ÁREA DE BROCA.

AFASIA.. Área de Broca é a parte do cérebro humano responsável pelo processamento da linguagem, produção da fala e compreensão. Foi descoberta em 1861 pelo cientista francês Paul Broca e denominado por David Ferrin como Aire de Broca - centre moteur de la parole (àrea de Broca - Centro motor da fala). Broca descobriu a ligação entre a fala e uma região específica do cérebro ao fazer, em 1861, a autópsia de M. Leborgne, um paciente do hospital de Bicêtre que não tinha nenhuma paralisia física e compreendia a linguagem, mas era incapaz de falar qualquer coisa além de tan. Paul Broca descreveu nove pacientes com lesões no lobo frontal do hemisfério esquerdo. stes pacientes apresentavam uma disfuncionalidade intensa da fala.

Nota do Autor.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

114

Paul Pierre Broca, cirurgião e antropólogo francês, nasceu em Sant-Foy-la-Grande, em 1924. Formou-se simultaneamente em literatura, matemática e física. Entrou na escola médica aos 17 anos, formando-se aos 20, quando a maioria de seus contemporâneos ainda estava iniciando como estudante de medicina. Broca estudou medicina na Universidade de Paris, onde cedo se tornou professor de patologia cirúrgica e um notável pesquisador médico, especializando-se em muitas áreas do conhecimento. Seus primeiros estudos e trabalhos científicos se ocuparam da histologia da cartilagem e dos ossos, mas ele também estudou a patologia do câncer, o tratamento dos aneurismas e a mortalidade infantil. Um excelente neuroanatomista, ele fez importantes contribuições à compreensão sobre o sistema límbico, ou rinencéfalo. Porém o campo de estudo em que Broca ficou famoso e se destacou como uma figura proeminente na história da medicina e das neurociências foi a descoberta do centro da fala (atualmente conhecido como área de Broca, a terceira circonvolução do lobo frontal). Ele chegou a esta descoberta ao estudar os cérebros de pacientes afásicos (pessoas incapazes de falar), particularmente o cérebro de seu primeiro paciente no Hospital Bicêtre de Paris, que era alcunhado de "Tan". Broca demonstrou, em 1861, que ele tinha uma lesão neurosifilítica em um lado do cérebro, precisamente na área que controla a linguagem falada.

O cérebro autopsiado de "Tan", o paciente afásico de Broca. Broca foi também um pioneiro no estudo da antropologia física. Ele fundou a Sociedade Antropológica de Paris em 1859, a Revue d'Anthropologie em 1872 e a Escola de Antropologia de Paris, em 1876. Ele levou o progresso da antropometria craniana a novas alturas, ao desenvolver novos tipos de instrumentos de medida (craniômetros) e índices numéricos. Outro campo para o qual Broca contribuiu significativamente foi a anatomia comparada dos primatas. Ele era muito interessado na relação entre características anatômicas do cérebro e do crânio e as capacidades mentais, como a inteligência. Fundou uma sociedade de livres-pensadores em 1848 e tinha simpatia pela


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

115

teoria da seleção natural de Darwin, e por conta foi acusado pelas autoridades como sendo um subversivo aos interesses do cristianismo. Chamado também pelos seus adversários como um materialista e um corruptor dos jovens. Ele era um trabalhador infatigável e escreveu centenas de livros e artigos (sendo 53 deles dedicados aos estudos sobre o cérebro). Ele também se dedicava à assistência médica aos pobres. No final de sua vida, Paul Broca foi eleito como membro vitalício do Senado da França. Ele foi também um membro da Academia Francesa de Ciências, e recebeu graus honoríficos de muitas instituições do saber, na França e no exterior. Paul Pierre Broca faleceu em Paris, em 1880, provavelmente de um aneurisma cerebral. Os primeiros 25 anos do século XIX testemunharam um crescente interesse pela localização das funções cerebrais. Sem dúvida, a teoria da frenologia de Franz Joseph Gall foi influente em chamar a atenção do establishment científico para esta possibilidade, mas sua teoria frenológica foi baseada em inferências falhas, e não no método científico. Este interesse começou com um episódio curioso: a Academia Francesa de Ciências foi pressionada por Napoleão Bonaparte, que aparentemente ficou furioso com Gall (que tinha se mudado e fazia sucesso em Paris, depois de ter sido expulso de Viena pelas autoridades políticas e religiosas), para estabelecer uma comissão científica para estudar o pedido de Gall para entrar na Academia. Sabiamente, Gall havia submetido seu estupendo trabalho e anatomia sobre o cérebro, que era de classe internacional, ao invés de seu trabalho mais polêmico sobre os "órgãos da mente". A Academia pediu, então, ao principal neurofisiologista da época, Pierre Flourens, que realizasse experimentos em animais, de modo a certificar se as afirmativas de Gall quanto à frenologia eram verdadeiras, em despeito ao fato de que Gall mesmo não tinha solicitado esse teste. Foi negada a sua entrada na Academia, é lógico, mas Flourens gostou da idéia e começou uma linha de pesquisa própria nessa área. Portanto, começando com os experimentos pioneiros de Flourens, por volta de 1825, as primeiras descobertas relacionadas a esta questão vieram somente

quando

anatomistas

e

fisiologistas

desenvolveram

novos

métodos

experimentais para intervir diretamente no cérebro e para ver os resultados destas intervenções sobre o comportamento de animais. Estes métodos eram: A ABLAÇÃO CIRÚRGICA SELETIVA DE PARTES DO CÉREBRO DE ANIMAIS;


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

116

A

ESTIMULAÇÃO

FARÁDICA

OU

GALVÂNICA

(ELÉTRICA) DO CÉREBRO DE ANIMAIS E SERES HUMANOS; OS ESTUDOS CLÍNICOS, OU SEJA, PACIENTES COM DEFICTS NEUROLÓGICOS OU MENTAIS TIVERAM SEUS CÉREBROS ESTUDADOS APÓS A SUA MORTE, EM UMA TENTATIVA DE CORRELACIONÁ-LOS COM ALTERAÇÕES

DETECTÁVEIS

NO

TECIDO

CEREBRAL. Posteriormente, por volta de 1870, ou seja, na mesma época que os estudos de Broca e Wernicke, dois fisiologistas alemães, Gustav Fritsch e Eduard Hitzig, aprimoraram nosso conhecimento sobre a localização cerebral da função, estimulando pequenas regiões com eletricidade, na superfície do cérebro de cães acordados. Eles descobriram que as estimulações de algumas áreas causavam contrações musculares na cabeça e pescoço, enquanto que as estimulações de áreas cerebrais distintas causavam contrações das pernas anteriores ou posteriores. Um neurocirurgião chamado F. Krause chegou ao extremo de estimular eletricamente as circunvoluções motoras de pacientes anestesiados, que estavam sendo operados para a remoção de tumores. Seu mapeamento das áreas corticomotoras foi notavelmente preciso e deram um apoio às pesquisas mais modernas, usando anestesia local, tais como nos experimentos.

Gustav Fritsch and Eduard Hitzig. O trabalho de Fritsch e Hitzig foi consideravelmente ampliado, causando um tremendo impacto em nosso conhecimento sobre o cérebro, por uma série de elegantes experimentos realizados por Sir David Ferrier, um neurologista inglês. Entre 1870 e


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

117

1875 ele estimulou eletricamente os giros corticais expostos de macacos e de cães, tendo sido capaz de mapear 15 áreas relacionadas ao controle preciso do movimento. Posteriormente ele removeu cirurgicamente alguns desses pontos, demonstrando a abolição da função motora correspondente. Ferrier fez uma previsão ousada, ao transferir, com boa acurácia, como esses pontos poderiam ser representados no córtex humano, e usou este conhecimento com sucesso, pela primeira vez, para orientar diagnósticos neurológicos e cirurgias de pacientes com lesões ou tumores corticais. Por exemplo, ele previu corretamente a localização de uma lesão cortical em um paciente que tinha paralisia dos dedos e do antebraço de um lado, e deu a indicação para que o cirurgião, Macewen, operasse o paciente e removesse o tumor com maior precisão e certeza de sucesso. As idéias de Ferrier se contrastavam fortemente com as de Flourens com relação à localização cortical de funções superiores, assim como de outros pesquisadores de sua época, tais como Friedrich Goltz, o qual não foi capaz de abolir inteiramente as funções comportamentais e motoras localizadas em cães, mesmo quando realizava extensas lesões dos hemisférios cerebrais. Isso levou a uma famosa disputa pública entre Goltz e Ferrier, a qual foi vencida por Ferrier, principalmente prque ele conseguiu demonstrar que as lesões cirúrgicas nos animais de Goltz tinham poupado algumas áreas motoras e sensoriais. Além disso, era aparente que cães são menos dependente das funções corticais dos que os primatas.

Sir David Ferrier

Goltz pontos de estimulação.

Friedrich

Córtex de macaco com o mapeamento de


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

118

No final do século XIX, o conceito de localização cerebral foi firmemente estabelecido nas neurociências. O próximo século testemunharia o uso aumentado de técnicas sofisticadas em animais e humanos, as quais seriam capazes de construir mapas detalhados das funções cerebrais, tais como o método estereotáxico, desenvolvido pelo fisiologista britânico Victor Horsley.

Sir

Victor

Horsley.

A.H.

O

aparelho

original

de

Horsley-Clarke.

PROCESSAMENTO DA LINGUAGEM. O Cérebro e a Linguagem. Estruturas essenciais de mediação coordenam a atividade dos centros cerebrais. Alguns destes centros são especializados na elaboração dos conceitos, outros, na de palavras e frases. Os neuropsicólogos que estudam a linguagem tentam compreender como utilizamos e combinamos palavras (ou signos, no caso de uma linguagem gestual) para formar frases e transmitir os conceitos elaborados pelo cérebro. Investigam também como compreendemos palavras expressas por outros e de que forma o cérebro as transforma em conceitos. A linguagem surgiu e se manteve ao longo da evolução porque constitui um meio de comunicação eficaz, sobretudo para conceitos abstratos. Ela nos auxilia a estruturar o mundo em conceitos e a reduzir a complexidade das estruturas abstratas a fim de apreendê-las: é a propriedade de "compreensão cognitiva". O termo "chave de fenda", por exemplo, evoca várias representações dessa ferramenta: as descrições visuais de sua aparência e utilização, as condições específicas de seu emprego, a sensação que provoca seu manuseio ou o movimento da mão quando a


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

119

utiliza. Da mesma forma, a palavra "democracia" é associada a diversas representações conceituais. A "economia cognitiva" que a linguagem autoriza ao reagrupar numerosas noções sob um mesmo símbolo permite-nos elaborar conceitos complexos e alcançar níveis de abstração elevados. Na aurora da humanidade, a palavra não existia. A linguagem surgiu quando o homem, e talvez algumas espécies que o precederam, soube conceber e organizar ações, elaborar e classificar as representações mentais de indivíduos, eventos e relações. Da mesma forma, os bebês concebem e manipulam conceitos e organizam inúmeras ações bem antes de pronunciar as primeiras palavras e frases. Entretanto, nem sempre a maturação da linguagem depende da dos conceitos: algumas crianças têm deficiência dos sistemas conceituais, mas possuem uma sintaxe correta. Os centros neuronais que asseguram certas operações sintáticas parecem se desenvolver de forma autônoma.

A ASSOCIAÇÃO DE SÍMBOLOS. A linguagem surge como produção humana voltada para o mundo exterior (um conjunto de símbolos corretamente ordenados, difundido para fora do organismo) e representação intracerebral destes símbolos e regras para associá-los. O cérebro representa a linguagem e qualquer outro objeto da mesma forma. Ao estudar as bases neuronais da representação de objetos, eventos e suas relações, os neurologistas esperam descobrir os mecanismos de representação da linguagem. O cérebro elabora a linguagem mediante a interação de três conjuntos de estruturas neuronais, segundo acreditamos. O primeiro, composto de numerosos sistemas neuronais dos dois hemisférios, representa interações não lingüísticas entre o corpo e seu meio, percebido por diversos sistemas sensoriais e motores; ele forja uma representação de tudo o que uma pessoa faz, percebe, pensa ou sente. Além de decompor essas representações não lingüísticas (forma, cor, sucessão no tempo ou importância emocional), o cérebro cria representações de nível superior, pelas quais gere os resultados dessa classificação. Assim ordenamos intelectualmente objetos, eventos e relações. Os níveis sucessivos de categorias e representações simbólicas produzidos pelo cérebro gerenciam nossa capacidade de abstração e de metáfora. O segundo, um conjunto menor de estruturas neuronais, geralmente situadas no hemisfério esquerdo, representa os fonemas, suas combinações e as regras sintáticas de ordenação destas palavras em frases. Quando solicitados pelo cérebro, esses sistemas reúnem palavras em frases destinadas a ser ditas ou escritas, - se demandados em reação


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

120

a um estímulo lingüístico externo (uma palavra ouvida ou um texto lido), asseguram os processamentos iniciais das palavras e frases percebidas. Os Centros Cerebrais que processam a cor são organizados como estruturas de compreensão e de utilização da linguagem. O estudo de pacientes com lesões cerebrais mostra que um centro neuronal particular governa os conceitos das cores (em azul); um segundo centro comanda as palavras que designam as cores (em vermelho) e um terceiro assegura a mediação entre os conceitos e as palavras. Os Centros Cerebrais da Linguagem, no hemisfério esquerdo, comportam estruturas que processam as palavras e as frases, assim como estruturas que asseguram a mediação entre os elementos do léxico e a gramática. As estruturas neuronais que representam os conceitos são repartidas entre os hemisférios direito e esquerdo, em numerosas regiões sensoriais e motoras. A zona das palavras pensadas corresponde às áreas de Broca e de Wernicke. Enfim, o terceiro conjunto, também presente no hemisfério esquerdo, coordena os dois primeiros. Produz palavras a partir de um conceito ou conceitos a partir de palavras. Alguns trabalhos psicolingüísticos já haviam indagado a existência dessas estruturas mediadoras. Willem Levelt, do Instituto de Psicolingüística de Nimégue, Holanda, sugeriu que as palavras e as frases são elaboradas a partir de conceitos por um elemento mediador chamado de "lema".

Os Centros Cerebrais que processam a cor são organizados como estruturas de compreensão e de


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

121

utilização da linguagem. O estudo de pacientes com lesões cerebrais mostra que um centro neuronal particular governa os conceitos das cores (em azul); um segundo centro comanda as palavras que designam as cores (em vermelho) e um terceiro assegura a mediação entre os conceitos e as palavras (flechas).

Os Centros Cerebrais da Linguagem, no hemisfério esquerdo, comportam estruturas que processam as palavras e as frases, assim como estruturas que asseguram a mediação entre os elementos do léxico e a gramática. As estruturas neuronais que representam os conceitos são repartidas entre os hemisfério direito e esquerdo, em numerosas regiões sensoriais e motoras. A zona das palavras pensadas corresponde às áreas de Broca e de Wernicke

ENTENDENDO A COMPREENSÃO DO DIZER AS CORES. Esta organização em três partes é bem ilustrada pelos conceitos e pelas palavras que representam cores. Mesmo quem sofre de um déficit congênito de percepção das cores sabe que algumas delas são próximas, independentemente de sua luminosidade e saturação. Os conceitos de cor são universais ainda que, em certas línguas, não existam


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

122

nomes que as designem. O processamento inicial dos sinais da cor é feito pela retina e pelo corpo geniculado lateral e então pelo córtex visual primário e por pelo menos duas outras áreas corticais, V2 e V4, os primeiros centros de processamento da percepção das cores.

RETINA. No processo de desvendamento do cérebro, houve várias teorias sobre como ele deveria funcionar. Muitas destas teorias eram concorrentes. Dentre elas, ocupa destaque na história da neuropsicologia a disputa entre o localizacionismo versus o holismo ou globalismo. Os globalistas defendiam que as funções mentais estariam distribuídas na massa encefálica, sem estar situada especificamente numa ou noutra região. Elas seriam o resultado do funcionamento do cérebro como um todo. Alguns dados de pesquisa apoiavam esta tese, visto que a remoção de grande massa encefálica causava mais prejuízo nas funções mentais, enquanto que a remoção de massas menores, causaria danos menores ou parcamente identificáveis.

Por sua vez, os localizacionistas

apostavam que as funções mentais seriam o resultado do trabalho de neurônios localizados em áreas específicas do cérebro; lesões nestas áreas causariam dano em habilidades específicas. Os trabalhos de Paul Broca (1824-1880) identificaram uma área específica do cérebro que processa a capacidade de comunicação verbal, que em sua homenagem foi chamada de área de Broca. Atualmente, está prevalecendo a tese de que o cérebro possui áreas especializadas, embora estudos mais recentes apontem que uma delimitação absoluta de regiões cerebrais seja uma utopia. A neuropsicobiologia se embasa no conhecimento do funcionamento das diferentes áreas cerebrais, buscando correlacionar na medida do possível a função à região. Essa associação permite ao profissional compreender, por exemplo, qual pode ser a extensão da lesão e, ao analisar uma tomografia, estimar quais funções executivas podem estar sendo prejudicadas.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

123

A frenologia buscava relacionar as regiões do cérebro com funções como a comunicação e a moralidade.

Avaliação neuropsicológica.

Diagrama mostrando os lobos do córtex cerebral e cerebelo. A avaliação neuropsicológica consiste na utilização de exame clínico, aliado a outras ferramentas

diagnósticas

(exames

de

neuroimagem,

tais

como

tomografia

computadorizada, ressonância magnética, SPECT), observação do comportamento, relatos da família do paciente e a instrumentos psicológicos, como inventários e outros testes. É um processo complexo, que precisa ser conduzido caso a caso, escolhendo as técnicas mais adequadas à situação real apresentada. A avaliação neuropsicológica é o primeiro passo para a futura reabilitação neurológica, pois irá identificar as áreas cognitivas com maior dano e, a partir disso, será elaborado o plano de tratamento. Como


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

124

em qualquer passo de avaliação, é fundamental que o profissional conheça aspectos relevantes da vida do paciente, pregressa ao aparecimento dos sintomas, bem como os dados que fundamentem a formulação de hipóteses de trabalho para, em seguida, selecionar as estratégias adequadas para a avaliação. Usualmente são avaliadas as funções de percepção, armazenamento da informação (memória), pensamento (cognição propriamente dita) e execução (funções executivas). Essencialmente, a avaliação psicológica não difere dos métodos desenvolvidos pela psicometria desde as origens da psicologia ou psicologia cognitiva a não ser quanto a especificidade de seu objeto (as funções executivas), e por estabelecer conexões entre as funções avaliadas e a neurofisiologia. A proposição é, portanto, avaliar, identificar e detectar a integridade das funções mentais superiores: atenção, consciência, memória, linguagem e inteligência (principalmente através do exame de processos lógicos e linguagem). No passado, havia um forte esforço para tentar associar, pela avaliação neuropsicológica, um determinado déficit com uma área encefálica lesionada, mas atualmente esta busca está em segundo plano, sendo prioridade a avaliação das funções propriamente ditas (mesmo a questão da localização cerebral de forma fixa está sendo questionada por Miguel Nicolelis e outros neurocientistas, como apontado acima). E sem dúvidas o olhar expressa a compreensão do mundo que somoas capazes de “enxergar” . Assim para enxergar necessitamos de áreas especializadas no cerébro. E por consequência a retina. Retina é uma parte do olho dos vertebrados responsável pela formação de imagens, ou seja, pelo sentido da visão. É como uma tela onde se projetam as imagens: retém as imagens e as traduz para o cérebro através de impulsos elétricos enviados pelo nervo óptico.

Em cada retina há cerca de 120 milhões (Gazzaniga, 2007:153)de foto-

receptores (cones e bastonetes) que libertam moléculas neurotransmissoras a uma taxa que é máxima na escuridão e diminui, de um modo proporcional (logarítmico), com o aumento da intensidade luminosa. Esse sinal é transmitido depois à cadeia de células bipolares e células ganglionares. Existem cerca de 1 milhão de células ganglionares e são os seus axónios que constituem o nervo óptico. Há, portanto, cerca de 100 fotoreceptores por cada célula ganglionar; no entanto, cada célula ganglionar recebe sinais que provêm de um “campo receptivo” na retina, aproximadamente circular, que abrange milhares de fotorreceptores. Assim, o ato de ouvir, enxergar e sentir são fenômenos biológicos importantes no processo de aprendizagem e se constituem em elementos agregados para a facilitação da linguagem verbal e não verbal. O olho


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

125

humano é um instrumento óptico altamente sofisticado, fazendo uma comparação com os atuais padrões tecnológicos atuais, podemos concluir que seu sistema de funcionamento pode ser comparado ao de uma câmera fotográfica, em que a pupila é o diafragma, o cristalino é a lente, e a retina seria o filme fotográfico em cores. Neste resumo, além do globo ocular, veremos alguns dos principais defeitos da visão e como corrigi-los (em alguns casos) através de lentes apropriadas.

ELEMENTOS DO GLOBO OCULAR. 1. CÓRNEA - membrana transparente em forma de calota esférica; 2. ÍRIS - espécie de diafragma com abertura central variável para controlar a entrada da luz no olho; 3. PUPILA - disco da abertura causada pela íris; 4. CRISTALINO - meio transparente com forma de lente biconvexa; 5. RETINA - membrana de natureza nervosa, sensível a luz, e está ligada ao nervo óptico; NERVO ÓPTICO - Transmissor das sensações luminosas captadas pela retina para o cérebro. CONCEITOS BÁSICOS. 1. PONTO PRÓXIMO ( PP ) de um globo ocular é a posição mais próxima que pode ser vista nitidamente, realizando esforço máximo de acomodação. Na pessoa normal, situa-se, convencionalmente, a 25 cm. 2. ACOMODAÇÃO VISUAL é o mecanismo pelo qual o olho humano altera a vergência do cristalino, permitindo à pessoa normal enxergar nitidamente desde uma distância de aproximadamente 25 cm até o infinito.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

126

3. PONTO REMOTO ( PR ) de um globo ocular é a posição mais afastada que pode ser vista nitidamente, sem esforço de acomodação. Na pessoa normal, este ponto está situado no infinito. PRINCIPAIS DEFEITOS DA VISÃO: MIOPIA;

HIPERMETROPIA;

ASTIGMATISMO; ESTRABISMO;

PRESBIOPIA; CATARATA;

DALTONISMO. MIOPIA. Apresenta como defeito o achatamento do globo ocular, provocando um alongamento no eixo óptico. A correção é feita através de lentes divergentes. O míope tem dificuldade de enxergar objetos mais distantes. A imagem é formada antes da retina. A vergência ou convergência ( C ) será:

ATENÇÃO: A vergência de uma lente no S.I é medida em m-1 (dioptria = di ) que equivale na linguagem popular ao "grau de uma lente". HIPERMETROPIA. É corrigida com o uso de lentes convergentes. Apresenta como defeito o encurtamento do globo ocular. Dificuldade de enxergar objetos mais próximos. Para a hipermetropia, vale as expressões:


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

127

PRESBIOPIA. Apresenta como defeito o endurecimento do cristalino. Perda da capacidade de acomodação visual. Não é defeito congênito, mais decorrente da idade. É conhecida vulgarmente como "vista cansada". A correção é feita com o uso de lentes convergentes. ASTIGMATISMO. Apresenta defeito na córnea, com raios de curvatura irregulares. Ocasiona uma visão manchada dos objetos. A correção é feita com o uso de lentes cilíndricas. ESTRABISMO. Apresenta como defeito a incapacidade de dirigir para um mesmo ponto os eixos ópticos dos olhos. A correção é obtida com o uso de lentes prismáticas. CATARATA. Defeito que apresenta como causa a opacidade do cristalino. A correção é feita com a substituição do cristalino por uma lente artificial, através de uma cirurgia. Geralmente este defeito é encontrado em pessoas idosas. DALTONISMO. A retina humana dispõe de dois tipos de célula fotossensível: os cones e os bastonetes. Os cones são os responsáveis pela nossa visão colorida, fazendo a composição das cores primárias. Os bastonetes são mais sensíveis à luz, embora não as cores. A ausência de certos tipos de cones na retina, determinada por características genéticas, acarreta a falta de percepção de algumas cores, ou, às vezes, de todas. A cor que o


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

128

daltônico não consegue captar é interpretada pelo cérebro como apenas mais um tom de cinza.

Esquema: olho humano. O olho é o órgão da visão dos animais, que permite detectar a luz e transformar essa percepção em impulsos eléctricos. Os olhos mais simples apenas detectam se as zonas ao seu redor estão iluminadas ou escuras. Os olhos compostos que se encontram nos artrópodes ( alguns insectos e crustáceos) são formados por unidades de detecção chamadas omatídeos, que dão uma imagem pixelada dos objetos. Nos seres humanos e em outros vertebrados a retina é constituída por dois tipos de células foto-receptoras, os bastonetes, que permitem a percepção de claro e escuro, e os cones, responsáveis pela percepção das cores. SISTEMA SENSORIAL - VISÃO - OLHO

TÚNICA FIBROSA (EXTERIOR) CONJUNTIVA • ESCLERA • CANAL DE SCHLEMM • TRABECULAR MESHWORK • LIMBUS CÓRNEA (EPITHELIUM, MEMBRANA DE BOWMAN, ESTROMA, MEMBRANA DE DESCEMET,


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

129

ENDOTHELIUM)

ÚVEA (MEIO)

COROIDE (PROCESSOS CILIARES, CHORIOCAPILLARIS, MEMBRANA DE BRUCH) • ÍRIS (ESTROMA) • PUPILA • CORPO CILIAR

RETINA (INTERIOR)

MÁCULA • FÓVEA • DISCO ÓPTICO

SEGMENTO ANTERIOR

CÂMARA ANTERIOR • HUMOR AQUOSO • CÂMARA POSTERIOR • CRISTALINO

SEGMENTO POSTERIOR

HUMOR VÍTREO • ZÔNULA DE ZINN

CORPO GENICULADO LATERAL.

O tálamo é uma região de substância cinzenta (núcleos de neurônios) do encéfalo. São duas massas neuronais situadas na profundidade dos hemisférios cerebrais. O tálamo é um centro de organização cerebral, como uma encruzilhada de diversas vias neuronais em que podem influenciar-se mutuamente antes de serem redistribuidas. Suas ligações mais abundantes são, de longe, com o córtex. A principal função do tálamo é servir de estação de reorganização dos estímulos vindos da periferia e do tronco cerebral e também de alguns vindos de centros superiores. Lá fazem sinapse os axónios dos neurónios situados nesses locais, e daí partem novos axónios que vão efetuar ligações com outros centros superiores, principalmente o córtex. Quase todos os sinais ascendentes que vão para o córtex fazem


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

130

sinapse nos núcleos do tálamo onde são reorganizados e/ou controlados, exceptuando o sentido do olfato. O tálamo tem também circuitos de integração dos sinais que recebe, e julga-se que algumas das sensações menos elaboradas que o indivíduo experimenta têm aí sua origem. Por exemplo, é sabido que animais dos quais foi retirado o córtex continuam, de alguma forma, a reagir a estímulos de dor — ainda que esta possa não ser a mais apropriada. Ou doentes, cujas patologias apresentam a porção correspondente do córtex danificada, que ainda conseguem sentir um objecto na palma da mão, mesmo que não consigam identificar exatamente sua forma, temperatura ou peso. O tálamo é um conjunto bem definido de vários núcleos de neurónios e forma uma parte maior do diencéfalo. Existem dois deles situados em posições simétricas, à esquerda e à direita, cada um com cerca de 1 cm de comprimento. Sua extremidade anterior é estreita e arredondada, e constitui a parede posterior do forame interventricular; a porção posterior é expandida e está acima do colículo superior; a superfície inferior situa-se continuamente ao tegmento do mesencéfalo; sua face medial está confrontada com a mesma do outro tálamo e contém uma região de comunicação com ele, a adesão intertalâmica, que está rodeada pelo terceiro ventrículo. O tálamo contém diversos núcleos: anterior, dorsomedial, lateral dorsal e lateral posterior, pulvinar, ventral anterior, ventral lateral, ventral posterior lateral e medial, intralaminares, da linha média, reticulares, e os geniculados laterais e mediais.

1.O núcleo anterior faz relé em relação ao sistema límbico, para os corpos mamilares, giro cingulado e hipotálamo. 2.O núcleo dorsomedial tem conexões com o córtex précentral e o hipotálamo e está envolvido na transmissão de sentimentos objetivos e emocionais, e sua relação com o estado subjetivo do individuo (p. ex. seu estado de controlo emocional e personalidade). 3.Os núcleos ventrais anteriores e laterais influenciam e regulam as vias descendentes motoras do córtex e cerebelo.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

131

4.Os núcleos ventrais posteriores são a estação de sinapse das vias sensitivas periféricas (lemniscos medial e espinhal) em direção ao córtex sensorial (no giro póscentral). 5.O núcleo geniculado lateral recebe os axónios do nervo óptico e os transmite para o córtex visual (no lobo occipital). 6.O núcleo geniculado medial tem idêntica função na via auditiva. 7.Os núcleos intralâminares têm ligações com a formação reticular e permitem ao córtex influenciar o estado de vigília.

Coreias ou movimentos involuntários podem surgir após lesões talâmicas. A trombose ou hemorragia, ou seja um infarto ou AVC, das artérias que irrigam o tálamo, com necrose por isquemia (morte celular) extensa nesse órgão, leva à perda de sensação completa ou quase completa em toda a metade do corpo oposta do individuo — i.e., se tálamo esquerdo é afetado há perda de sensação à direita do topo da nuca à ponta dos pés. Poderá haver também défices motores. Dor talâmica é uma síndrome que pode ocorrer quando um paciente recupera de um infarto, mesmo que menor. Há sensação de dor, por vezes forte, do lado oposto do corpo sem que haja qualquer lesão que a justifique. Essa dor será devida à disfunção das vias da dor, que passam no tálamo, e não a lesões periféricas, ainda que o doente a localize à periferia (o tálamo, assim como o resto do cérebro, não tem receptores de dor). Em alguns doentes com lesões tâlamicas, a mão contra-lateral está constantemente em posição atípica, com pulsos fletidos e pronados e dedos fletidos e retos. Alguns núcleos transmitem impulsos para as áreas sensoriais do cérebro: Corpo (núcleo) Geniculado Medial – transmite impulsos auditivos;


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

132

Corpo (núcleo) Geniculado Lateral – transmite impulsos visuais; Corpo (núcleo) Ventral Posterior – transmite impulsos para o paladar e para as sensações somáticas, como as de tato, pressão, vibração, calor, frio e dor.

Os núcleos talâmicos podem ser divididos em cinco grupos: Grupo Anterior; Grupo Posterior; Grupo Lateral; Grupo Mediano; Grupo medial.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

133

Fonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000. O tálamo serve como uma estação intermediária para a maioria das fibras que vão da porção inferior do encéfalo e medula espinhal para as áreas sensitivas do cérebro. O tálamo classifica a informação, dando-nos uma idéia da sensação que estamos experimentando, e as direciona para as áreas específicas do cérebro para que haja uma interpretação mais precisa. Funções do Tálamo:

Sensibilidade; Motricidade; Comportamento Emocional;


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

134

Ativação do Córtex; Desempenha algum papel no mecanismo de vigília, ou estado de alerta. Hipotálamo.

É uma área relativamente pequena do diencéfalo, situada abaixo do tálamo, com funções importantes principalmente relacionadas à atividade visceral. Corpos mamilares: são duas eminências arredondadas de substância cinzenta evidentes na parte anterior da fossa interpeduncular. Quiasma óptico: localiza-se na parte anterior do assoalho ventricular. Recebe fibras mielínicas do nervo óptico, que ai cruza em parte e continuam nos tratos ópticos que se dirigem aos corpos geniculados laterais, depois de contornar os pedúnculos cerebrais.

O hipotálamo é parte do diencéfalo e se dispõe nas paredes do III ventrículo, abaixo do sulco hipotalâmico, que separa o tálamo. Apresenta algumas formações anatômicas visíveis na face inferior do cérebro: o quiasma óptico, o túber cinéreo, o infundíbulo e os corpos mamilares. Trata-se de uma área muito pequena (4g) mas, apesar disso, o hipotálamo, por suas inúmeras e variadas funções, é uma das áreas mais importantes do sistema nervoso.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

135

Descobrimos que lesões nas regiões onde estão V2 e V4 provocam a perda da percepção das cores em pacientes antes normais: eles tornam-se incapazes de imaginar as cores e vêem o mundo em preto e branco. Quando pensam em uma imagem colorida, vêem formas, movimentos e texturas, mas nenhuma cor: um jardim, o sangue ou uma banana não os fazem pensar no verde, vermelho ou amarelo. Como nenhuma lesão em outras regiões cerebrais produz semelhante deficiência, os conceitos de cor parecem depender dessas zonas occipitais. Note que tais lesões comprometem a formação de células ou recepção de sinais para as células “fotossensíveis”. Os cones e os bastonetes. Sendo repetimos: os cones são os responsáveis pela nossa visão colorida, fazendo a composição das cores primárias; os bastonetes são mais sensíveis à luz, embora não as cores.

Pacientes com lesões nos córtice temporal posterior e parietal inferior

esquerdo conservam a capacidade de elaborar conceitos, mas pronunciam mal as palavras. Ainda que percebam corretamente uma cor e saibam seu nome, pronunciam-no mal, dizendo, por exemplo, "zul" em vez de "azul". Outros com lesão no segmento temporal da quinta circunvolução occipital esquerda sofrem de anomia das cores, problema que não afeta nem os conceitos de cor nem a pronúncia dos nomes de cor: eles percebem cores normalmente (distinguem as diferentes tonalidades, classificam-nas corretamente segundo sua saturação e conhecem a cor dos objetos fotografados em preto-e-branco), mas não as nomeiam corretamente. “Utiliza a palavra “azul” ou vermelha” para designar verde ou amarelo, mas colocam corretamente uma ficha verde ao lado de uma foto em preto e branco de um vegetal, ou uma amarela ao lado da imagem de uma banana. Inversamente, quando lhes dizemos o nome de uma cor, designa outra. Como pronunciam corretamente o nome - inexato - da cor que designam e como seu sistema de concepção da cor e de pronúncia está intacto, sua deficiência resulta do sistema neuronal de mediação entre os dois sistemas de manipulação dos conceitos e de palavras.

REPRESENTAÇÃO CEREBRAL.

A mesma organização existe para outros conceitos. Sob que forma física eles são representados em nosso cérebro? Supomos que não exista representação "pictórica" permanente de objetos e pessoas, mas que o cérebro conserve uma "impressão" da atividade neuronal que se exerce no córtex sensorial e motor durante sua interação com


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

136

um objeto. Esta impressão corresponde a um circuito de neurônios e sinapses cuja atividade recria aquela que caracterizou cada objeto ou evento memorizado. Ativada, uma impressão pode suscitar outras associadas. O cérebro registra não só os diversos aspectos da realidade exterior, mas também o modo pelo qual o corpo explora o meio e reage a ele. Os sistemas neuronais que descrevem as interações entre uma pessoa e um objeto registram um encadeamento rápido de micro percepções e de micro ações quase simultâneo. Modificações ocorrem em várias regiões especializadas, cada uma subdividida em vários centros, - a área visual, por exemplo, é composta de centro menores, especializados no processamento de cor, forma e movimento. Mas onde são conservadas as impressões que ligam estas atividades fragmentadas? Acreditamos que seja em grupos de neurônios para os quais convergem axônios provenientes de regiões mais externas, de onde partem axônios que enviam retroativamente os sinais para áreas mais internas. Uma reativação destas zonas de convergência excita simultaneamente vários grupos de neurônios anatomicamente separados e dispersos, que reconstroem a atividade mental previamente registrada. Se o cérebro armazena as informações relativas aos objetos e seus usos, também ordena estas informações, de forma que eventos e conceitos associados (formas, cores, trajetórias no espaço e no tempo, movimentos e reações corporais) possam ser reativados simultaneamente. Estas informações são classificadas com a ajuda de outra impressão, situada numa zona de convergência diferente. As representações das principais propriedades dos objetos e dos eventos estão assim imbricadas: em relação à xícara, por exemplo, o cérebro registra dimensões, forma, matéria, estado sólido, deslocamento ao longo de uma trajetória precisa e a sensação que provoca nos lábios.

A atividade dessas redes

neuronais convergentes assegura a compreensão e a expressão da linguagem. Ativadas, estas redes reconstituem os conhecimentos para remetê-los à consciência, onde estimulam os centros de mediação entre conceitos e linguagem e onde permitem a formulação correta de palavras e estruturas sintáticas associadas aos conceitos. Como o cérebro registra simultaneamente aspectos variados das percepções e das ações, estas redes produzem também representações simbólicas como as metáforas. As lesões nas regiões do cérebro correspondentes a estas redes provocam deficiências cognitivas associadas às diversas classes de conceitos processados pelo cérebro. Podemos citar como exemplo: acromatopsia. Elisabeth Warrington, do Hospital das Doenças Nervosas, de Londres, descobriu que certos pacientes são incapazes de reconhecer


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

137

objetos de um determinado tipo. Junto com Daniel Tranel, mostraram que sistemas neuronais específicos processam conceitos de certos tipos. Um dos pacientes da equipe mencionada, por exemplo, não consegue manipular os conceitos ligados a entidades isoladas, como uma pessoa, um lugar ou um evento particular, embora tenha conhecido estas entidades antes de sua lesão cerebral. Ele perdeu ainda os conceitos ligados aos membros de categorias particulares: assim, vários animais se tornaram para ele completamente desconhecidos, embora saiba tratar-se de seres vivos. Diante da imagem de um rato, ele disse tratar-se de um animal, mas não tinha idéia do seu tamanho, hábitat ou comportamento. Curiosamente, as capacidades cognitivas desse paciente ainda permitiam que ele manipulasse conceitos ligados a outra categorias contendo vários elementos. Ele reconhecia e sabia nomear ferramentas. Dispunha também de conceitos de atributos de objetos: sabia, por exemplo, o que era uma coisa bela ou feia; reconhecia ainda o sentido de idéias que exprimem um estado ou uma atividade, como estar apaixonado, saltar ou nadar, e compreendia relações abstratas entre entidades ou eventos. Em suma, se não podia mais manipular os conceitos relativos a entidades designadas por nomes comuns ou próprios, ele processava normalmente os conceitos referentes a atributos, estados, atividades e relações, definidos na linguagem por adjetivos, verbos, preposições ou conjunções; as estruturas gramaticais não lhe apresentavam qualquer problema, e a sintaxe de suas frases era impecável.

CONES E OS BASTONETES. Os animais tem a capacidade de reconhecer as cores. As celulas responsáveis são os cones. Essas são celulas do olho humano com tal desiderato. Segundo a teoria tricromática. Como já é do nosso domínio a célula representa a menor porção de matéria viva. São as unidades estruturais e funcionais dos organismos vivos. A maioria dos organismos, tais como as bactérias, são unicelulares (consistem em uma única célula). Outros organismos, tais como os seres humanos, são pluricelulares(Panno, Joseph. The Cell: Evolution of the First Organism (em inglês). New York: Facts on File, 2005. 186 p. p. 57-58. ISBN 0-8160-4946-7).


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

138

Células do gênero Allium em diferentes fases do ciclo celular O corpo humano é constituído por aproximadamente 10 trilhões (mais de 1013) de células. A maioria das células vegetais e animais têm entre 1 e 100 µm e, portanto, são visíveis apenas sob o microscópio; a massa típica da célula é um nanograma. A célula foi descoberta por Robert Hooke em 1665. Em 1837, antes de a teoria final da célula estar desenvolvida, um cientista checo de nome Jan Evangelista Purkyňe observou "pequenos grãos" ao olhar um tecido vegetal através de um microscópio. A teoria da célula, desenvolvida primeiramente em 1838 por Matthias Jakob Schleiden e por Theodor Schwann, indica que todos os organismos são compostos de uma ou mais células. Todas as células vêm de células preexistentes. As funções vitais de um organismo ocorrem dentro das células, e todas elas contêm informação genética necessária para funções de regulamento da célula, e para transmitir a informação para a geração seguinte de células.

CORES. A cor é uma percepção visual provocada pela ação de um feixe de fotons sobre células especializadas da retina, que transmitem através de informação pré-processada no nervo óptico, impressões para o sistema nervoso. A cor de um material é determinada pelas médias de frequência dos pacotes de onda que as suas moléculas constituintes refletem. Um objeto terá determinada cor se não absorver justamente os raios correspondentes à frequência daquela cor. Assim, um objeto é vermelho se absorve preferencialmente as


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

139

frequências fora do vermelho. A cor é relacionada com os diferentes comprimento de onda do espectro eletromagnético. São percebidas pelas pessoas, em faixa específica (zona do visível), e por alguns animais através dos órgãos de visão, como uma sensação que nos permite diferenciar os objetos do espaço com maior precisão. Considerando as cores como luz, a cor branca resulta da sobreposição de todas as cores primárias(amarelo, azul e vermelho), enquanto o preto é a ausência de luz. Uma luz branca pode ser decomposta em todas as cores (o espectro) por meio de um prisma. Na natureza, esta decomposição origina um arco-íris. Observação: Cores primárias são cores indecomponíveis, sendo o vermelho, o amarelo e o azul. Desde as experiências de Le Blond, em 1730, essas cores vêm sendo consideradas primárias. Quando se fala de cor, há que distinguir entre a cor obtida aditivamente (cor luz) ou a cor obtida subtractivamente (cor pigmento). No primeiro caso, chamado de sistema RGB, temos os objectos que emitem luz (monitores, televisão, Lanternas, etc.) em que a adição de diferentes comprimentos de onda das cores primárias de luz Vermelho + Azul (cobalto) + Verde = Branco. No segundo sistema (subtrativo ou cor pigmento) iremos manchar uma superfície sem pigmentação (branca) misturando-lhe as cores secundárias da luz (também chamadas de primárias em artes plásticas); Ciano + Magenta + Amarelo. Este sistema corresponde ao "CMY" das impressoras e serve para obter cor com pigmentos (tintas e objetos não-emissores de luz). Subtraindo os três pigmentos temos uma matiz de cor muito escura, muitas vezes confundido com o preto. A fim de se poder ajustar os emissores luminosos (lâmpadas, e monitores em geral – displays) com a percepção natural do olho humano, para o qual são projetados e construídos, é preciso criar parâmetros de medida das cores. Os três parâmetros básicos são: Matiz – corresponde à intensidade espectral de cor (isto é, qual o comprimento de onda dominante); Brilho – corresponde à intensidade luminosa (isto é, mais brilho, mais luz, mais "claridade"); Saturação – corresponde à pureza espectral relativa da luz (alta saturação = cor bem definida dentro de estreita faixa espectral; baixa saturaçao = cor "indefinida" tendendo ao branco, ampla distribuição espectral).


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

140

Interessante notar que as cores mais claras aparentam maior brilho, mas na verdade isto é devido ao efeito combinado de brilho e matiz. Também inclui-se a designação intensidade de cor, que é o efeito combinado de matiz e saturação. Um outro parâmetro que causa alguma confusão é a densidade de cor, que não diz respeito aos emissores e sim aos meios transparentes. A densidade de cor é uma medida do grau de opacidade (absorção da luz), combinado com a intensidade de cor; muito usado na avaliação de pedras preciosas. Podemos dizer que quando dois diferentes espectros de luz tem o mesmo efeito nos três receptores do olho humano (células-cones), serão percebidos como sendo a mesma cor. A medição da cor é fundamental para se poder criá-la e reproduzí-la com precisão, em especial, nas artes gráficas, arquitetura, alimentação e sinalização. Existem diversos métodos para medição da cor, tais como a tabelas de cores, o círculo cromático e os modelos de cores. A cor é percebida através da visão. O olho humano é capaz de perceber a cor através dos cones (Células cones). A percepção da cor é muito importante para a compreensão de um ambiente. A cor é algo que nos é tão familiar que se torna para nós difícil compreender que ela não corresponde a propriedades físicas do mundo mas sim à sua representação interna, em nível cerebral. Ou seja, os objetos não têm cor; a cor corresponde a uma sensação interna provocada por estímulos físicos de natureza muito diferente que dão origem à percepção da mesma cor por um ser humano. Não notamos, por exemplo, nenhuma diferença fundamental na cor dos objetos familiares quando se dá uma mudança na iluminação. Para o nosso sistema visual, as cores da pele e dos rostos das pessoas e as cores dos frutos permanecem fundamentalmente invariáveis, embora seja tão difícil conseguir que esse tipo de objeto fique com a cor certa num monitor de televisão. A cor não tem só que ver com os olhos e com a retina mas também com a informação presente no cérebro. Enquanto, com uma iluminação pobre, um determinado objecto cor de laranja pode ser visto como sendo amarelado ou avermelhado, vemos normalmente mais facilmente com a sua cor certa, laranja, porque é um objeto de que conhecemos perfeitamente a cor. E, se usarmos durante algum tempo óculos com lentes que são verdes de um lado e vermelhas do outro, depois, quando tiramos os óculos, vemos durante algum tempo tudo esverdeado, quando olhamos para um lado, e tudo avermelhado, quando olhamos para o outro. O cérebro aprendeu a corrigir a cor com que “pinta” os objetos para eles terem a cor que se lembra que eles têm; e demora algum tempo a perceber que deve depois deixar de fazer essa correcção. A chamada constância da cor é este fenómeno que faz


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

141

com que a maioria das cores das superfícies pareçam manter aproximadamente a sua aparência mesmo quando vistas sob iluminação muito diferente. O sistema nervoso, a partir da radiação detectada pela retina, extrai aquilo que é invariante sob mudanças de iluminação. Embora a radiação mude, a nossa mente reconhece certos padrões constantes nos estímulos perceptivos, agrupando e classificando fenômenos diferentes como se fossem iguais. O que vemos não é exatamente “o que está lá fora”, mas corresponde a um modelo simplificado da realidade que é de certeza muito mais útil para a nossa sobrevivência. Os organismos complexos não reagem diretamente aos estímulos físicos em si, mas

sim à informação sobre os estímulos representada

internamente por padrões de atividade neuronal. Se os estímulos fornecem informação sobre a cor, é apenas porque a qualidade sensorial, a que chamamos cor, emerge nos mecanismos sensoriais pelo processo de aprendizagem e é por estes projectada sobre os estímulos. E uma grande variedade de combinações de estímulos muito diferentes podem gerar esse mesmo padrão de atividade neuronal correspondente a um mesmo atributo de uma qualidade sensorial. São essas qualidades sensoriais que permitem aos seres vivos detetar a presença de comida ou de predadores, sob condições de luz diferentes e em ambiente variados. Correspondem a um modelo simplificado do mundo que permite uma avaliação rápida de situações complexas e que se mostrou útil e adequado à manutenção de uma dada espécie. O nosso sistema sensorial faz emergir todo um contínuo muito vasto de cores com as diferenças de tonalidades que nós aprendemos a categorizar, associando determinados nomes a certas bandas de tonalidade (com uma definição extremamente vaga). É este hábito humano de categorizar que nos faz imaginar que o nosso sistema nervoso faz uma detecção “objetiva» de uma determinada cor que existe no mundo exterior”. CORES DO ESPECTRO VISÍVEL COR

COMPRIMENTO DE ONDA FREQUÊNCIA

VERMELHO

~ 625-740 NM

~ 480-405 THZ

LARANJA

~ 590-625 NM

~ 510-480 THZ

AMARELO

~ 565-590 NM

~ 530-510 THZ


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

142

VERDE

~ 500-565 NM

~ 600-530 THZ

CIANO

~ 485-500 NM

~ 620-600 THZ

AZUL

~ 440-485 NM

~ 680-620 THZ

VIOLETA

~ 380-440 NM

~ 790-680 THZ

ESPECTRO

CONTÍNUO

Tabela de cores Nome Marrom / Castanho Preto Cinza escuro Cinza Cinzento Prata Pele Branco Bege Amarelo Laranja

Aparência


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

143

Laranja claro Vermelho Escarlate Carmesim Carmim Bordô Rosa Magenta Vinho Violeta Roxo Azul escuro Azul Azul claro Ciano Turquesa Verde escuro Verde Verde claro


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

144

TEORIA TRICROMÁTICA (TEORIA DE YOUNG-HELMHOLTZ) Cor é como o olho (dos seres vivos animais) interpreta a reemissão da luz vinda de um objeto que foi emitida por uma fonte luminosa por meio de ondas eletromagnéticas; e que corresponde à parte do espectro eletromagnético que é visível (380 a 700 nanômetros - 4,3x10^14Hz a 7,5x10^14 Hz). A Cor não é um fenômeno físico. Um mesmo comprimento de onda pode ser percebido diferentemente por diferentes pessoas (ou outros seres vivos animais), ou seja, cor é um fenômeno fisiológico, de caráter subjetivo e individual.

Nota do Autor. Um nanómetro (ou nanômetro), milimícron ou milimicro é a subunidade do metro, correspondente a 1×10−9 metros, ou seja, um milionésimo de milímetro ou um bilionésimo do metro. Tem como símbolo nm. A forma não acentuada da palavra, nanometro tem sido defendida como sendo a correcta, contudo, não está atualmente presente em qualquer dicionário da língua portuguesa. É uma unidade de comprimento do SI, comumente usada para medição de comprimentos de onda de luz visível (400 nm a 700 nm), radiação ultravioleta, radiação infravermelha e radiação gama, entre outras coisas(HOUAISS, Antônio; nanómetro( in Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa p. 5709; Lisboa; Temas e Debates; 2005 - O Livro Preparacao & Revisao de ... Google Livros. books.google.pt. Página visitada em 2012, 10-09. - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. ciberduvidas.pt. Página visitada em 2012, 10-09). 1 nm = 1000 pm 1000 nm = 1 µm picómetro << nanómetro << micrómetro Os comprimentos de onda visíveis se encontram aproximadamente entre os 380 e 750 nanômetros ou frequências ( 4,3x10^14Hz a 7,5x10^14 Hz). Ondas mais curtas (ou com maiores frequências) abrigam o ultravioleta, os raios-X e os raios gama. Ondas mais longas (com menores frequências) contêm o infravermelho, o calor, as micro-ondas e as


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

145

ondas de rádio e televisão. O aumento de intensidade pode tornar perceptíveis ondas até então invisíveis, tornando os limites do espectro visível algo elástico.

ESPECTRO DA LUZ VISÍVEL. COR

FREQUÊNCIA COMPRIMENTO DE ONDA

VIOLETA

668–789 THZ

380–450 NM

AZUL

631–668 THZ

450–475 NM

CIANO

606–630 THZ

476–495 NM

VERDE

526–606 THZ

495–570 NM

AMARELO 508–526 THZ

570–590 NM

LARANJA

484–508 THZ

590–620 NM

VERMELHO 400–484 THZ

620–750 NM

(http://www.espacofotografico.com.br/Dicasfotografiateoriadascores.htm)

PERCEPÇÃO DAS CORES A luz se propaga através de ondas eletromagnéticas. O olho humano é sensível à radiação eletromagnética na faixa de 400 a 700 nanômetros, chamada espectro visível, dentro da qual estão localizadas as chamadas sete cores visíveis, distinguidas por seus respectivos comprimentos de onda. Violeta Azul Ciano Verde Amarelo Laranja Vermelho 380-

450- 480-

490-

450

480

560

490

560-580

580600

600-700

Comprimentos de onda em nanômetros - Espectro Visível:


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

146

A percepção da luz pelo ser humano ocorre através da incidência de um raio luminoso sobre seu olho. Este raio penetra até à retina, localizada no fundo do olho, que é responsável pela conversão desta energia luminosa em sinais elétricos. Estes sinais elétricos são transmitidos, através do nervo ótico, para o cérebro que os interpreta. A retina é composta de, aproximadamente, 100 milhões de sensores, cada um responsável pela conversão de uma porção do estímulo luminoso. Estes sensores são divididos em dois grupos:

- cones - sensíveis a alto nível de iluminação e responsáveis pela

percepção das cores; e - bastonetes - sensíveis a baixo nível de iluminação e distinguem os tons de cinza. Um dos primeiros estudos sobre a percepção das cores foi feito por Isaac Newton, no século 18. Newton fez incidir a luz do sol sobre um prisma e observou que ela se decompunha em um arco-íris de cores, que ia do azul ao vermelho. Ele foi capaz de combinar cores para formar outras cores distintas, concluindo que eram necessários sete cores para representar todas as cores visíveis. Thomas Young, no século 19, através de seus experimentos com superposição de luzes, provou que todas as cores do espectro visível podiam ser representadas como uma soma de três cores primárias. Ele concluiu que isto era conseqüência, não das características do raio luminoso, mas, da composição do sistema visual humano. Ele pressupôs que o raio luminoso era transportado para o cérebro através de três diferentes tipos de nervos, que transportavam, respectivamente, o vermelho, o verde e o azul-violeta.

TEORIA DE YOUNG-HELMHOLTZ O cientista alemão Hermann von Helmholtz prosseguiu nos estudos da teoria de Young e propôs que o olho continha apenas três tipos de receptores de cor, que respondiam mais fortemente aos comprimentos de onda vermelho (R), verde (G) e azulvioleta (B). Ele deduziu, ainda, que cada tipo de receptor deveria possuir grande sensibilidade à incidência luminosa, porém, com diferentes pontos máximos. A 480 nm a média da resposta R:G:B seria 1:5:9, dando uma sensação azul-ciano. Enquanto a 570 nm a média seria 7:7:2 que daria uma sensação de amarelo. A percepção da cor, portanto, seria determinada pela média das três respostas.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

147

A teoria tricromática Young-Helmholtz foi mais tarde verificada por James Clerk Maxwell, com seus discos rotativos. Bastonetes. Já os bastonetes, outro tipo de célula dos olhos, tem a capacidade de reconhecer a luminosidade. Existem aproximadamente 6 milhões de cones em cada olho humano concentrados na região fóvea. Sendo estes os responsáveis pela percepção das cores, quando existe uma anomalia ou ausência de algum dos fotopigmentos nas terminações dos cones estamos na presença do daltonismo.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

148

A estrutura celular da retina. À direita, 1 cone entre dois grupos de bastonetes Secção transversal da retina, com os bastonete no extremo direito da imagem. Os seres humanos normalmente têm três tipos de cones. O primeiro responde à luz de comprimentos de onda longos, chegando a uma cor amarelada, este tipo é, por vezes designada L (Long). O segundo tipo responde à luz de comprimento de onda médio, atingindo um máximo de uma cor verde, e é abreviado M (Medium) para médio. O terceiro tipo responde mais a curto comprimento de onda de luz, de cor azulada, e é designado S (Short). Os três tipos têm comprimentos de onda de pico perto 564-580 nm, 534-545 nm e 420-440 nm, respectivamente. A diferença entre os sinais recebidos a partir dos três tipos de cone permite que o cérebro a perceber todas as cores possíveis , através do processo oponente da visão de cores. (Células Rod tem uma sensibilidade de pico em 498 nm, aproximadamente a meio caminho entre as sensibilidades de pico dos cones S e M). A cor amarela, por exemplo, é percebida quando os cones L são estimulados um pouco mais do que os cones M, ea cor vermelha é percebido quando os cones L são estimulados significativamente mais do que os cones M. Da mesma forma, tons de azul e violeta são percebidos quando o receptor é estimulado S mais do que os outros dois. Os cones S são mais sensíveis à luz em comprimentos de onda em torno de 420 nm. No entanto, a lente e córnea do olho humano estão cada vez mais absorção para comprimentos de onda menores, e isso define o limite inferior de comprimento de onda da luz visível humanos para cerca de 380 nm, que é, portanto, chamado de luz 'ultravioleta'. Pessoas com afacia, uma condição onde o olho não tem uma lente, às vezes relatam a capacidade de ver na faixa do ultravioleta. Em níveis moderados a luz brilhante, onde a função de cones, o olho é mais sensível à luz verde-amarelada do que outros cores porque isso estimula as duas mais comuns (M e L) dos três tipos de cones quase igualmente. Em níveis mais baixos de luz, onde só a vara função das células, a sensibilidade é maior no comprimento de onda verde-azulado. Células Rod. Neurônios aferentes fotossensíveis localizados na retina periférica, com aumento da densidade radialmente em direção à FÓVEA CENTRAL. Sendo mais sensível à luz do que as células dos CONES (RETINA), os bastonetes são responsáveis pela visão ao crepúsculo (em intensidades escotópicas), bem como pela visão periférica, mas não


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

149

proporcionam a discriminação de cor.

Para os pesquisadores em seguimento

Neurociência: Células de Rod recomendo a análise especifica de pesquisas direcionadas. Como exemplos: Pesquisa sobre:CELULAS FOTORRECEPTORAS RETINIANAS BASTONETES Descritores Encontrados:1 Mostrando:1 .. 1

1/1

DeCS Descritor Inglês: Retinal Rod Photoreceptor Cells Descritor Espanhol: Células Fotorreceptoras Retinianas Bastones Descritor Português: Células Fotorreceptoras Retinianas Bastonetes Sinônimos Português: Bastonetes (Retina) Bastonetes Retinianos Bastonetes da Retina Bastonetes Fotorreceptores Fotorreceptores Bastonetes Bastonetes Fotorreceptores Retinianos Bastonetes Retinianos Fotorreceptores Células Retinianas Bastonetes Células Bastonetes Retinianas Bastonetes Fotorreceptores da Retina Categoria: A08.663.650.850.625.670.650 A08.663.650.915.937.670.650 A08.800.950.937.670.650 A09.371.729.831.625.670.650 A11.671.650.850.625.670.650 A11.671.650.915.937.670.650 Definição Português: Neurônios aferentes fotossensíveis localizados na retina periférica, com aumento da densidade radialmente em direção à FÓVEA CENTRAL. Sendo mais sensível à luz do que as células dos CONES (RETINA), os bastonetes são responsáveis pela visão ao crepúsculo (em intensidades


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

150

escotópicas), bem como pela visão periférica, mas não proporcionam a discriminação de cor. Qualificadores Permitidos Português: RI cintilografia

CY citologia

CL classificação

DE efeitos de drogas

RE efeitos de radiação

EN enzimologia

PH fisiologia

IM imunologia

ME metabolismo

MI microbiologia

PS parasitologia

PA patologia

CH química

RA radiografia

SE secreção

TR transplante

UL ultraestrutura

US ultrassonografia

VI virologia Número do Registro: 31066 Identificador Único: D017948

Ocorrência na BVS:

LILACS

6

MEDLINE 2355 ADOLEC

2

IBECS

1

Similar: DeCS CID-10 SciELO LILACS LIS


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

151

Os bastonetes são células da retina dos olhos dos vertebrados, que detectam os níveis de luminosidade. São basicamente responsáveis pela visão noturna (noturna), têm este nome devido à sua forma alongada e cilíndrica e são também usados na visão periférica. Estas células estão concentradas mais externamente na retina e existem, na retina dos humanos, cerca de 120 milhões de bastonetes. São 100 vezes mais sensíveis à luz que os cones, mas detectam apenas tons de cinza. A ativação de uma célula fotorreceptora, como são os bastonetes, ocorre por meio de um processo chamado hiperpolarização. A superfície dos bastonetes que detecta a luz é formada por um conjunto complexo de membranas que, se não estiverem excitação/excitadas pela luz, possuem um potencial de membrana neutro, sendo permeáveis a vários tipos de moléculas; quando excitadas pela luz, o potencial de membrana destas células altera-se, passando estas a ser selectivas a diferentes moléculas. Nessas condições, a rodopsinagdsgtg, o pigmento dos bastonetes responsável pela detecção da luz, combina-se com a transducina, outra proteína da membrana destas células, activando o transporte de substâncias que activam o impulso nervoso(Ógãos dos sentidos (a visão) em curlygirl3.no.sapo.pt acessado a 29 de agosto de 2012).

Conclusão. O Educador sem formação em ciências médicas se questiona. Como conseguimos efetivamente enxergar o conjunto de matérias que nos circunda?

A história da

medicina atual ou cosmopolita é a história das grandes contribuições de todos os povos a esta arte e prática universal que constitui a medicina. Confunde-se portanto com a história da civilização ocidental. Nesta perspectiva pode ser dividida em: pré história; história antiga que praticamente corresponde à antiguidade oriental e distinguindose a medicina na Grécia antiga e Roma e os clássicos períodos de divisão da história ocidental: Idade Média, Moderna e Contemporânea(Bibliografia: História da Medicina. V. No capítulo bibliografia). De acordo com Herdotus os babilônios não


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

152

tinham médicos, o paciente (...)foi trazido para fora no mercado e todos os transeuntes tiveram que conversar com ele "para descobrir se eles têm-se sido afligido com a mesma doença ou ter visto outros tão aflitos e aconselhá-lo a recorrer ao mesmo tratamento como aquele pelo qual eles escaparam de uma doença similar, ou como eles têm conhecido para curar os outros... Mas o código de Hamurabi com suas recompensas e sanções para os médicos, dá um vislumbre de um sistema já mais altamente organizada em um período anterior a 2000 aC - muito antes de Heródoto. O Código decreta que para uma operação (...)bem sucedida que salva o olho do paciente a taxa será de dez siclos de prata, no caso de um "cavalheiro", mas apenas cinco shekels e dois siclos, no caso de um homem pobre e escravo de propriedade respectivamente. Para uma operação sem êxito numa morte freeman causando ou a perda do olho, o cirurgião deve ter as mãos cortadas, no caso de um escravo a pena foi a substituí-lo por outro(V. Referência – História da Medicina – Código de Hamurabi - Bibliografia: História da Medicina. V. No capítulo bibliografia). Conhecer a visão teórica aqui aplicada é contextualizar a evolução dos dias de hoje. Hamurabi foi o primeiro grande organizador que consolidou o seu império sobre normas regulares de administração, e talvez historicamente as regras de conduta médica surgiram com seu governo. Tornou-se famoso por ter mandado compilar o mais antigo código de leis escritas, conhecido como Código de Hamurabi no qual consolidou uma legislação pré-existente, transcrevendo-a numa estela de diorito em três alfabetos distintos. A estela do Código de Hamurabi foi encontrada em Susa em 1901. Nela, além da coleção de cerca de 282 artigos (mais apropriadamente casos de jurisprudência), pode-se ver a imagem de Hamurabi em frente ao trono do deus Shamash. O monumento hoje pode ser admirado no Museu do Louvre, em Paris, na sala 3 do Departamento de Antigüidades Orientais. Hammurabi ocupou-se pessoalmente da administração de seu império, chegando a coordenar a construção de numerosos edifícios públicos, canais de irrigação e açudes. Historicamente muitas pessoas, há vários milhares de anos, se interessaram pelo conhecimento pertinente ao processo fisiológico da visão, e pela Oftalmologia em particular. Entre esses nomes antigos, leia-se antes do Século 19 da era cristã, temos: Alhazen, Leonardo da Vinci, Newton, Descartes, Berkeley, Peter Mark Rogget, Plateau e Horner. No período mais remoto temos Euclides que no ano 300. A.C sentiu-se intrigado com o processo visual e daí aplicou sua geometria matemática, criando o estudo da Óptica. Apesar da maior


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

153

parte destes estudos estarem centrados na propagação dos raios luminosos, surgiram teorias sobre a visão.

Porém a referência no estudo da percepção visual surge no século XIX com Fechner, Helmholtz e Wundt, conforme já comentado. Com o avanço da ciência surgem esforços para sua difusão e vem a história da Oftalmologia nos dizer: que os primeiros esforços para um jornal oftálmico veio com a publicação por John Richard Farre de um Jornal de anatomia patológica, medicina oftalmológica e análise farmacológica.

Editado

pela Sociedade Médico-Botânica. De certa forma o jornal pode ser considerado como o precursor dos Royal London Hospital Reports oftálmicos, publicado em 1857. .Enquanto isso Richard Middlemore em 1837 havia discutido a idéia de um Journal of Ophthalmology, mas nada além de um prospecto apareceu. A revista oftálmica que teve edições exclusivamente, planejadas em uma escala mais ampla do que os relatórios do hospital, foi “Oftalmologia”, que surge em 1864 com a publicação do “comentário Oftálmica”, editado por João Zacarias Laurence e Windsor Thomas. A revista, uma publicação trimestral, durou apenas quatro anos. O segundo “comentário Oftalmologia” lhe sucede e surge em 1881. Os britânico estudiosos da oftalmologia viu nascer o nascer o”oftalmoscópio” no ano de 1903. Posteriormente se firmou o British Journal of Ophthalmology no ano de 1917. Por fim a de fazer mensão aos nomes que deram precursão a fixação e discução das idéias em torno da ciência do estudo mdo olho, que com esse texto diz respeito diretamente. Os nomes mais ilustres da história da Oftalmologia surgem no século 19 de nossa era nas Ilhas Britânicas. São: Bowman; Laurence; Hutchinson; Tay; Argyll Robertson; Nettleship; Doyne; Marcus Gunn; Coats, além de outros aqui não mencionados, citamos aqui apenas alguns. Esses homens deixaram para seus sucessores não apenas o registro do início de uma sociedade, mas uma inspiração e uma tradição para a evolução do estudo do olho..


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

154

Jonathan Hutchinson George Coats (1876-1915) (1828-1913)

Robert Marcus Gunn Edward Nettleship (1850-1909) (1845-1913)

Helmholtz.

Oftalmoscópio indireto cedo. Note-se a imagem invertida é iluminada com a luz de uma lâmpada colocada na mesa.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

155

Oftalmoscópios do século 19.

... ilustrações iniciais da fundi a partir do século 19, quando oftalmoscópios foram inventados. A imagem da esquerda mostra glaucoma avançado e sobre o direito pigmentosa retinite.

Nota do Autor.

Uma pintura de Virgílio usando óculos, mas óculos não foram inventados por pelo menos 1500 anos após sua morte. Diz à lenda que São Jerônimo (c. 340-420 dC) inventou óculos. Benjamin Franklin desenvolveu presbiopia. Como ele também era míope, ele se cansou de ter que constantemente trocar dois paris de óculos. Então, ele decidiu descobrir uma maneira de


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

156

fazer seus óculos deixá-lo ver de perto e longe. Ele tinha dois pares de óculos cortados ao meio e colocou metade de cada lente em um único quadro para fazer uma bifocal.

Óculos original de Benjamin Franklin m

A partir do momento de sua invenção, as pessoas tinham problemas em

decidir sobre como usar adequadamente os ósculos. O modelo na

imagem foi inventado por Edward Scarlett em 1730. Embora os problemas de uso de óculos hoje em dia apresentam pequenos problemas, algumas pessoas no passado tinha problemas e dificuldades sobre a forma correta de usar um monóculo como mostra um artigo encontrado no Sunday Times Magazine, reeditado a matéria em 1999.

From the moment of their invention, people had problems

in

deciding on how to keep glasses on. The present frame with sidepieces resting on the were invented by Edward Scarlett in 1730. While the problems of wearing glasses nowadays present little problems, some poor souls are less certain about the correct way of wearing a monocle as shown


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

157

by the following article found in Sunday Times Magazine, 1999:

Dear Mrs. Mills, I have worn a monocle on and off for the past few years. I now feel totally comfortable and indeed confident with it. However, I am anxiouis to know the correct etiquette, if any, that goes with the wearing of an eyepiece. I do entertain on a regular basis -luncheons, dinners and so on -- and I'm desperate to ascertain the correct procedrues when receiving dignitaries and, of course, female company. DPC, Lincs Dear DPC, While the monocle should be worn whenever needed for seeing clearly (ie, reading, shooting, neurosurgery), it is also your responsibility to maintain its silly-ass yet, paradoxically, rakish image. So, for instance, it should be worn when eating soup so that you can exclaim "Gosh" (or "Crikey" in extreme duress), put on a surprised expression and allow the monocle to fall into the bowl -- a minor coup de théâtre that will give you the moral high ground. On the other hand, when being introduced to a


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

158

lady wearing a low-cut dress, never fail to screw the monocle tightly into your eye socket and draw! "Hellloooo" while examining her cleavage closely. Extra kudos is obtained by sounding like Terry-Thomas. Mrs. Mills Cara Sra. Mills, Eu tenho usado um monóculo e fora para os últimos anos. Agora me sinto totalmente confortável e confiante de fato com ele. No entanto, estou anxiouis saber a etiqueta correta, se houver, que vai com o uso de uma ocular. Eu entreter em uma base regular almoços, jantares e assim por diante - e eu estou desesperado para averiguar os procedrues corretos quando receber dignitários e, claro, companhia feminina. DPC, Lincs - Caro DPC, Enquanto o monóculo deve ser usado sempre que necessário para ver claramente (ou seja, leitura, gravação, neurocirurgia), também é de sua responsabilidade de manter o seu rabo-bobo ainda, paradoxalmente, a imagem jovial. Assim, por exemplo, deve ser usado durante a comer sopa de modo que você pode exclamar: "Meu Deus" (ou "Crikey" em extrema pressão), coloque em uma surpresa expressão e permitir que o monóculo a cair dentro da tigela - um menor de golpe Teatro que vai lhe dar a moral elevada. Por outro lado, ao ser apresentado a uma


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

159

senhora com um vestido decotado, nunca deixam de estragar o monóculo firmemente em seu olho soquete e desenhar! "Hellloooo" ao examinar seu decote de perto. Kudos extras é obtido por soar como Terry-Thomas. Sra. Mills Não vamos nos aprofundarmos em teorias complexas, e sim nos concentrar, antes de tudo, nos processos primários da visão, aqui já apresentado em caráter de manifestação conclusiva deste seguimento.

TEORIZAÇÃO CONCLUSIVA. O olho humano não é uma esfera, é em formato de um globo revestido por uma camada que possui duas partes distintas: uma transparente chamada córnea, e a opaca esclerótica. A córnea funciona como uma primeira lente convergente para que, grande parte dos raios luminosos, atravesse o músculo esfíncter da íris. No centro da íris, está a abertura pupila. Ao fundo está a retina que é a zona sensível tocada pelos raios luminosos.

Exemplo resumido da fisiologia do olho humano.

CÓRNEA. Se a córnea for afectada por alguma doença que provoque, por exemplo, a sua opacidade, é possível realizar um transplante de córnea a partir de tecidos pertencentes à córnea de doadores mortos. Transplante de córnea é um procedimento cirúrgico no qual


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

160

uma córnea lesionada ou com doença é substituída por outra de um doador. Em uma pesquisa que usa células-tronco realizada pelo oftalmologista brasileiro Francisco Figueiredo na Universidade de Newcastle, pode ser uma alternativa em alguns casos de necessidade de transplante. Córnea é a parte anterior transparente e protetora do olho dos vertebrados. Fica localizada na região polar anterior do globo ocular. A córnea e o cristalino têm a função de focar a luz através da pupila para a retina, como se fosse uma lente fixa. São as lágrimas (secreção lacrimal) que mantêm a córnea úmida e saudável.

Anatomia do olho humano

Representação esquemática da córnea

Brasileiro desenvolve técnica para curar lesões na córnea. Oftalmologista pernambucano, que há 20 anos trabalha na Grã-Bretanha, comanda a pesquisa com células-tronco.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

161

Cientistas de uma universidade inglesa desenvolveram uma técnica para curar lesões na córnea. Matéria de créditos do correspondente da REDE GLOBO, Marcos Losekann mostra que um brasileiro está no comando da pesquisa. “...Um senhor de 75 anos era praticamente cego até seis meses atrás. Não conseguia ler, dirigir, nem sequer podia sair de casa sozinho. Hoje em dia, Roger Gibbons leva uma vida normal... Ela argumenta que ‘Feri meu olho direito com cimento’, conta Roger, que é construtor aposentado. ‘Passei a forçar a visão do olho esquerdo e também quase o perdi. Graças à medicina, sou um novo homem’. Do olho menos comprometido, os cientistas retiraram células-tronco. Elas foram espalhadas sobre um pequeno pedaço de membrana *amniótica, um tecido retirado da placenta de mulheres que acabaram de dar à luz. As células-tronco se desenvolveram, e o novo tecido foi implantado em cima da córnea danificada. E Roger voltou a enxergar. Outras 12 pessoas com problema semelhante também foram operadas e recuperaram a visão. A técnica desenvolvida num laboratório de oftalmologia da universidade de Newcastle é revolucionária porque elimina totalmente o risco de rejeição, um dos piores problemas que podem ocorrer após o transplante de um órgão. Nesse caso não tem perigo porque os tecidos transplantados são produzidos artificialmente, com célulastronco do próprio paciente. Para a nossa alegria e orgulho(comentário nosso), o chefe da


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

162

equipe é o doutor Francisco Figueiredo, oftalmologista pernambucano que há 20 anos trabalha na Grã-Bretanha. Ele diz que o Brasil tem condições de aplicar a nova técnica. “Para você crescer essas células em laboratório, você requer um laboratório especial. Então não necessariamente você vai ter esses laboratórios em todo lugar do Brasil, mas apenas em alguns grandes centros”. O doutor Figueiredo acaba de receber apoio do Ministério da Saúde britânico para expandir as pesquisas. Outros 25 pacientes poderão ser operados nos próximos meses. Vão voltar a enxergar pelas mãos de um médico formado no Brasil. “É uma alegria enorme de ter essa oportunidade de passar esse orgulho de ser brasileiro”. *Imagem – Presença do líquido.

* Líquido amniótico (ou fluido amniótico) é o fluido que envolve o embrião, preenchendo a bolsa amniótica, que desta forma o protege de choques mecânicos e térmicos. A bolsa amniótica normalmente forma-se na segunda semana de gravidez, assim que esta se


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

163

forma enche-se de líquido amniótico que inicialmente é apenas água proveniente da mãe. Pouco fluido amniótico (oligoidrâmnio) ou muito (poli-hidrâmnio ou hidrâmnio) pode ser uma causa ou um indicador de problemas para a mãe e o bebê. Pacientes com oligoidrâmnio, dependendo do grau do problema, podem ser tratadas com descanso, hidratação oral e intravenosa, antibióticos, esteroides, e amnioinfusão.

Nota do Autor. Análise de situação onde o líquido pode está comprometido. PATOLOGIA DA GRAVIDEZ, NASCIMENTO E PUERPÉRIO (O) GRAVIDEZ ECTÓPICA · GRAVIDEZ QUE MOLA HIDATIFORME · TERMINA EM ABORTO ABORTO ESPONTÂNEO HIPERTENSÃO GESTACIONAL (PRÉEDEMA, PROTEINÚRIA E ECLAMPSIA, TRANSTORNOS HIPERTENSIVOS ECLAMPSIA, SÍNDROME HELLP) · DIABETES GESTACIONAL HIPERÊMESE GRAVÍDICA · HERPES GESTACIONAL · COLESTASE INTRAOUTROS, PREDOMINANTEMENTE HEPÁTICA DA RELACIONADOS À GRAVIDEZ GRAVIDEZ · FÍGADO GORDUROSO AGUDO DA GRAVIDEZ · COREIA GRAVÍDICA LÍQUIDO AMNIÓTICO (POLI-HIDRÂMNIO, OLIGO-HIDRÂMNIO) · CÓRION/ÂMNIO ASSISTÊNCIA POR MOTIVOS LIGADOS AO (CORIOAMNIONITE, FETO E À CAVIDADE AMNIÓTICA E POR RUPTURA PREMATURA POSSÍVEIS PROBLEMAS RELATIVOS AO PARTO DE MEMBRANAS, SÍNDROME DA BANDA AMNIÓTICA) · PLACENTA (PLACENTA PRÉVIA, DESCOLAMENTO


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

164

PREMATURO DA PLACENTA) · FALSO TRABALHO DE PARTO · HEMORRAGIA ANTEPARTO PARTO PRÉ-TERMO · PARTO PÓS-TERMO · DESPROPORÇÃO CEFALOPÉLVICA · DISTOCIA (DISTOCIA DE OMBRO) · SOFRIMENTO COMPLICAÇÕES DO TRABALHO FETAL · VASA PRAEVIA · DE PARTO E DO PARTO RUPTURA DO ÚTERO · HEMORRAGIA · PLACENTA (PLACENTA ACRETA) · PROLAPSO DO CORDÃO UMBILICAL · EMBOLIA AMNIÓTICA FEBRE PUERPERAL · CARDIOMIOPATIA PERIPARTO · COMPLICAÇÕES MATERNAS NAS TIREOIDITE PÓSSEMANAS SEGUINTES AO NASCIMENTO PARTO · GALACTORREIA · DEPRESSÃO PÓS-PARTO COMPLICAÇÕES FETAIS

INTERVENÇÃO FETAL · CIRURGIA FETAL

OUTROS MORTE MATERNA

ESCLERÓTICA. Sklero), também conhecida como esclerótica ou branco do olho, é a membrana externa, branca, em crianças com tom mais azulado e em alguns animais preta, como no cavalo, e fibrosa do globo ocular. Na fase de desenvolvimento embrionário, é formada pela crista neural. Em alguns vertebrados, a esclera origina o anel esclerótico, resultado de sua fusão com placas cartilaginosas. É onde estão inseridos os músculos do bulbo do olho (extra-oculares). A superfície visível da esclera é coberta por uma membrana transparente e fina, chamada conjuntiva, que deriva da camada epitelial externa da córnea e que também cobre a face interna das pálpebras. É opaca e contém fibras de


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

165

colágeno e elastina. Nas crianças, é mais fina e apresenta algum pigmento, aparentando levemente azulada. Nos idosos, entretanto, o depósito de gordura na esclera faz com que ela aparente uma coloração levemente amarelada. Existem algumas doenças como a esclerite que causam cegueira parcial. Essas doenças produzem uma linha vertical no campo visual, resultando em menos de 100% de visibilidade. É correto denomina-la esclera. Iconografia.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

166

Interior da metade anterior do globo ocular.

Porção terminal do nervo óptico e sua entrada no olho, numa secção horizontal.

Interior da metade posterior do olho esquerdo.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

167


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

168

USO MEDIANTE LICENÇA. Atribuição - Compartilha Iguais 3.0 (CC BY-SA 3.0) ·

ÍRIS. Íris é um seguimento anatômico do olho dos vertebrados, sendo a parte mais visível (e colorida).A Íris possue um orifício em seu centro, chamado de pupila, cuja função é controlar a quantidade de luz que entra no olho. Em um ambiente com muita luz, ocorre a miose (diminuição do diâmetro da pupila), ao passo que, com pouca luz, ocorre a midríase (aumento do diâmetro da pupila). Algumas pessoas (geralmente adultos maduros a partir dos 40 ou 50 anos) apresentam uma descoloração em forma de um círculo acinzentado ou esbranquiçado visível ao redor da íris denominada arco senil, que é causada por depósitos de células de lipídios (gordura) nas camadas profundas da córnea periférica sem ser contudo uma condição preocupante, já que é apenas um sinal do envelhecimento natural do corpo na maior parte dos casos. Entretanto, uma descoloração similar da íris dos olhos em adultos jovens, com menos de 40 anos, denominada arco juvenil, é frequentemente associada com altas taxas de colesterol no sangue, o que deve ser alvo de observador do educador, com a recomendação aos país de apresentar o discente para uma avaliação especializado por parte de um médico oftalmologista. A íris faz parte do sistema sensorial.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

169

SISTEMA SENSORIAL - VISÃO - OLHO CONJUNTIVA • ESCLERA • CANAL DE SCHLEMM • TRABECULAR MESHWORK • LIMBUS TÚNICA FIBROSA (EXTERIOR) CÓRNEA (EPITHELIUM, MEMBRANA DE BOWMAN, ESTROMA, MEMBRANA DE DESCEMET, ENDOTHELIUM) ÚVEA (MEIO)

COROIDE (PROCESSOS CILIARES, CHORIOCAPILLARIS, MEMBRANA DE BRUCH) • ÍRIS (ESTROMA) • PUPILA • CORPO CILIAR

RETINA (INTERIOR)

MÁCULA • FÓVEA • DISCO ÓPTICO

SEGMENTO ANTERIOR

CÂMARA ANTERIOR • HUMOR AQUOSO • CÂMARA POSTERIOR • CRISTALINO

SEGMENTO POSTERIOR

HUMOR VÍTREO • ZÔNULA DE ZINN

A íris é a área verde/cinza/marrom. As outras estruturas visíveis são a pupila (círculo preto no centro) e a esclera (parte branca do olho) ao redor da íris. A córnea está presente, mas não é possível vê-la na foto, por ser transparente. A íris será usada como uma forma, no futuro, como meio seguro de autenticação de uma identidade. Existem três principais formas de se realizar a a autenticidade de identidade:


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

170

A apresentação de algo que a pessoa saiba, como uma senha. A apresentação de algo que a pessoa possui, como um token. A apresentação de algo que a pessoa é, como uma característica física mensurável. Biometria trata-se de uma ciência focada em medições relacionadas às características intrínsecas aos indivíduos, sejam elas físicas ou de comportamento. Pode ser utilizada tanto para identificação como para autenticação, num processo de reconhecimento de identidade.

Existem algumas diferenças entre os processos de identificação e de

autenticação. A autenticação consiste na verificação da veracidade da identidade de uma pessoa, isto é, se a pessoa é realmente quem ela diz ser, sendo efetuada através de uma comparação realizada de 1 para 1, dentre as amostras do sistema. O uso da Biometria como método de autenticação tem se tornado cada vez mais constante em diversos campos, substituindo antigas formas de autenticação, como senhas e códigos PIN (Personal Identification Number). Estes apresentam alguns problemas relevantes: senhas necessitam de memorização, além de poderem ser consideradas fracas e facilmente dedutíveis ou quebráveis. Tokens são identificadores que necessitam de transporte, podendo, dessa forma, ser interceptados ou esquecidos, não apresentando uma maneira de controlar quem exatamente está apresentando determinado identificador. Já um sistema biométrico exige que a pessoa esteja presente no ponto de identificação, devido à sua base em características fisiológicas, o que aumenta a garantia de sucesso no momento da identificação. Para que um sistema de autenticação biométrica funcione com eficiência é preciso que haja um profundo conhecimento relativo ao funcionamento do mecanismo de captação e análise do elemento físico do indivíduo que está sendo avaliado. Durante a autenticação, existe o processo inicial de registro, em que a característica biológica do indivíduo é armazenada, para depois ser utilizada em outro processo, que consiste na identificação. Primeiramente, a característica é digitalizada, tornando-se uma amostra, que se enquadra em um padrão estatístico, devido à possível ocorrência de problemas no momento da captura da amostra, como ruído ou sombra. A partir dessa amostra, comparações sucessivas são realizadas em uma base de dados com o objetivo de encontrar o registro correto da


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

171

identidade. Tanto os sistemas de autenticação como os sistemas de identificação possuem em comum essa fase de registro da característica biométrica no sistema, caracterizada pela geração de um template, isto é, a representação digital da característica do mundo real. Este template será utilizado posteriormente na negação ou permissão de acesso do indivíduo no sistema. A Biometria estuda, analisa e avalia características fisiológicas inerentes aos seres humanos. Através de suas diversas técnicas, é possível obter um processo seguro de identificação, autenticação e verificação da identidade de indivíduos, constituindo uma das formas mais eficazes de reconhecimento atualmente.O reconhecimento da íris constitui uma das principais formas de identificação baseada em sistemas biométricos, por ser um processo altamente confiável.

O Olho Humano


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

172

Biometria - Reconhecimento de Iris. Créditos: Priscila Pecchio Belmont Albuquerque. Assessorado pelos Professores: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte. Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa. Universidade Federal no Estado do Rio de Janeiro. DISCIPLINA:REDES DE COMPUTADORES II

PUPILA.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

173

USO MEDIANTE LICENÇA. Atribuição - Compartilha Iguais 3.0 (CC BY-SA 3.0) · Pupila -pupilla – menininha, popularmente conhecida como “Menina dos olhos” é o seguimento ocular com um orifício de diâmetro regulável, que está situada entre a córnea e o cristalino, e no centro da íris, responsável pela passagem da luz do meio exterior até os órgãos sensoriais da retina. Localiza-se na parte média do olho, ou úvea e tem por função regular a quantidade de luz que passa para a retina. A pupila é um orifício que regula a entrada de luz. Por ser um orifício, não tem cor, mas sua aparência é preta, pois não há iluminação na parte interna do olho.

Possui formatos variáveis, conforme a espécie: é circular, no ser humano; nos felinos assume formato elipsoidal, no sentido vertical; nas cabras tem formato oval-retangular, em sentido horizontal. Nos humanos e muitos animais (inclusive alguns poucos peixes), o tamanho da pupila é controlada pela constrição e dilatação involuntária da íris, para controlar a intensidade da passagem de luz, por reflexo. No homem numa claridade normal, a pupila tem um diâmetro de 3 a 4 milímetros; em grande luminosidade o diâmetro chega a medir 1,5 mm.; no escuro, pode atingir o diâmetro de 8 mm. O estreitamento da pupila resulta numa maior gama focal.

Midriase.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

174

Midríase é a dilatação da pupila em função da contração do músculo dilatador da pupila. Seu contrário, ou seja, a contração da pupila, é conhecida como miose. A dilatação do diâmetro pupilar pode ser produzida por algumas drogas, como por exemplo atropina, alguns tóxicos, substâncias de abuso tipo cocaína, álcool, e também podem estar relacionadas a lesões cerebrais focais, (por exemplo, do tronco encefálico) ou pode ser uma das reações na síndrome do pânico. É usual em animais como o boi a caminho do abate ao perceberem o que ocorre com seus companheiros de sina mais à frente no corredor da morte. Também a dilatação das pupilas é conhecida popularmente como sinal de interesse amoroso da pessoa a observar o pretendente.

CID-10 - H57.0 - CID-9 - 379.42 Miose não deve ser confundida com meiose, que é o processo de divisão celular envolvido na reprodução sexual, ou mitose, a divisão celular das células somáticas do corpo. Miose é um termo médico para a constrição (diminuição do diâmetro) da pupila. É o oposto da midríase. É encontrada em diversas condições médicas, e também pode ser causada por algumas drogas. Os colírios usados para intencionalmente causar miose são chamados de mióticos. Idade - Quanto maior a idade das pessoas, maior a propensão de sofrerem miose.Doenças. Síndrome de Horner (um conjunto de anormalidades no suprimento nervoso da face devido a lesões no sistema nervoso simpático). Tumor de Pancoast (um tumor do ápice do pulmão), devido a lesões no trato simpático ascendente que normalmente faria com que a pupila dilatasse. Hemorragia na ponte (hemorragia intracraniana). Drogas - Opióides como codeína, morfina, heroína e metadona. Antipsicóticos, incluindo haloperidol, thorazine, olanzapine, quetiapine e outros. Agentes colinérgicos como os usados no tratamento da doença de Alzheimer. Algumas drogas quimioterápicas do câncer: Mirtazapina. Trazadona. Álcool. Delta-9tetrahidrocanabinol - THC - Maconha. Mióticos - Uma substância miótica causa a


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

175

constrição da pupila. É o oposto de uma substância midriática, que causa a dilatação da pupila. Classificação e recursos externos CID-10 - H57.0 – CID-9 - 379.43 - DiseasesDB 8603 PATOLOGIAS DOS OLHOS PÁLPEBRA: INFLAMAÇÃO (HORDÉOLO, CALÁZIO, BLEFARITE) - ENTRÓPIO ECTRÓPIO - LAGOFTALMO BLEFAROCALÁSIA - PTOSE BLEFAROFIMOSE - XANTELASMA PÁLPEBRA, SISTEMA LACRIMAL TRIQUÍASE E GLOBO OCULAR SISTEMA LACRIMAL: DACRIOADENITE - EPÍFORA - DACRIOCISTITE GLOBO OCULAR: EXOFTALMIA ENOFTALMIA CONJUNTIVITE - PTERÍGIO CONJUNTIVA PINGUÉCULA - HEMORRAGIA SUBCONJUNTIVAL ESCLERITE - CERATITE - ÚLCERA DE CÓRNEA - CEGUEIRA DA NEVE CERATITE SUPERFICIAL PONTEADA DE THYGESON - DISTROFIA DE FUCHS - CERATOCONE - SÍNDROME DO OLHO ESCLERA E CÓRNEA SECO - ARC EYE CERATOCONJUNTIVITE NEOVASCULARIZAÇÃO DA CÓRNEA ANEL DE KAYSER-FLEISCHER - ARCO SENIL - CERATOPATIA EM FAIXA IRITE - UVEÍTE - IRIDOCICLITE HIFEMA - MEMBRANA PUPILAR ÍRIS E CORPO CILIAR PERSISTENTE - IRIDODIÁLISE SINÉQUIA CRISTALINO

CATARATA - AFACIA DESLOCAMENTO DO CRISTALINO

RETINITE (POR CITOMEGALOVÍRUS CORIORETINITE) - COROIDEREMIA DESCOLAMENTO DA RETINA CORÓIDE E RETINA RETINOSQUISE - RETINOPATIA (RETINOPATIA HIPERTENSIVA, RETINOPATIA DIABÉTICA,


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

176

RETINOPATIA DA PREMATURIDADE) DEGENERAÇÃO MACULAR - RETINITE PIGMENTOSA - HEMORRAGIA RETINAL - RETINOPATIA SEROSA CENTRAL - EDEMA MACULAR MEMBRANA EPIRETINAL - PUCKER MACULAR NEURITE ÓPTICA - PAPILEDEMA NERVO ÓPTICO E VIAS ÓPTICAS ATROFIA ÓPTICA - NEUROPATIA ÓPTICA HEREDITÁRIA DE LEBER ESTRABISMO PARALÍTICO: OFTALMOPARESIA OFTALMOPLEGIA EXTERNA PROGRESSIVA - PARALISIA (III, IV, VI) SÍNDROME DE KEARNS-SAYRE OUTROS ESTRABISMOS: ESOTROPIA/EXOTROPIA HIPERTROPIA - HETEROPHORIA (ESOPHORIA, EXOFORIA) - SÍNDROME MÚSCULOS OCULARES, DE BROWN - SÍNDROME DE DUANE MOVIMENTO BINOCULAR, OUTRAS BINOCULARES: CONJUGATE GAZE PALSY - INSUFICIÊNCIA DE ACOMODAÇÃO E REFRAÇÃO CONVERGÊNCIA - OFTALMOPLEGIA INTERNUCLEAR - ONE AND A HALF SYNDROME ERROS REFRATIVOS: HIPERMETROPIA/MIOPIA ASTIGMATISMO ANISOMETROPIA/ANISEICONIA PRESBIOPIA AMBLIOPIA - AMAUROSE CONGÊNITA DE LEBER - SUBJETIVOS (ASTENOPIA, HEMERALOPIA, FOTOFOBIA, ESCOTOMA CINTILANTE) DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA À IDADE - DIPLOPIA DISTÚRBIOS VISUAIS E CEGUEIRA ESCOTOMA - ANOPSIA (HEMIANOPSIA BINASAL, HEMIANOPSIA BITEMPORAL, HEMIANOPSIA HOMÔNIMA, QUADRANTANOPIA) CEGUEIRA PARA AS CORES (ACROMATOPSIA) - CEGUEIRA NOTURNA - CEGUEIRA/LOW VISION


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

177

ANISOCORIA - PUPILA DE ARGYLL ROBERTSON - PUPILA DE MARCUS PUPILA GUNN/FENÔMENO DE MARCUS GUNN - SÍNDROME DE ADIE DOENÇAS INFECCIOSAS TRACOMA - ONCOCERCOSE NISTAGMO - MIOSE - MIDRÍASE GLAUCOMA - HIPERTENSÃO OCULAR OUTRAS - MOSCAS VOLANTES - OLHO VERMELHO - CERATOMICOSE XEROFTALMIA - ANIRIDIA

RAIOS LUMINOSOS.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

178 Modelos de câmeras escuras.

Câmera escura do século XVIII

Câmera escura ou câmara escura (camara oscura) é um tipo de aparelho óptico baseado no princípio de mesmo nome, o qual esteve na base da invenção da fotografia no início do século XIX. Ela consiste numa caixa (ou também sala) com um buraco no canto, a luz de um lugar externo passa pelo buraco e atinge uma superfície interna, onde é reproduzida a imagem invertida. A verdade é que não vemos, com os olhos ou simplesmente com os olhos. A visão está dividida em processos distintos e a relação dos olhos com raios luminosos fazem parte das transformações ópticas, seguida pelas transformações químicas e nervosas. Como o assunto é muito vasto,, assim partiremos abordando conclusivamente para esse capítulo, o processo Óptico: O olho funciona mais ou menos como uma Câmara Obscura. Uma fonte luminosa emite seus raios que atingem um objeto. A reflexão desses raios passa por um pequeno orifício projetando a “imagem” no fundo. Como já foi comentada anteriormente, inclusive com exibições iconográficas, a imagem formada na câmara obscura é invertida, assim também acontece com os nossos olhos. Toda imagem que vemos está de “cabeça para baixo”, e nessa primeira fase da visão, não há reconhecimento do que se vê, estamos apenas lidando com elementos responsáveis por absorver as imagens, que nada mais são do que raios luminosos.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

179

Princípio da Câmara Obscura. Se seguirmos à risca a experiência da câmara obscura, veremos que a imagem invertida formada está totalmente “desfocada”, sem nitidez. Como podemos notar na imagem acima, poucos raios luminosos entram pelo orifício da câmara obscura, isso se deve à difusão, propriedade da luz refletida pelos objetos. A correção desse “problema” está em adicionarmos uma lente no orifício. Assim, todos os raios que, por difusão estariam espalhados, estão agora convergindo para um mesmo local, tornando a imagem mais nítida. Foi assim durante o Renascimento, é assim com as câmeras de foto e vídeo e é assim com os nossos olhos. Precisamos de uma lente para jogar todos esses raios para um mesmo ponto, a fim de absorver maior quantidade de luz possível. No olho humano a pupila é similar ao orifício da câmara obscura enquanto o cristalino é similar à lentes utilizadas para convergir os raios luminosos. Mas a pupila tem a propriedade de abrir e fechar, aumentar ou diminuir a quantidade de luz que passa por ela. Essa propriedade tanto nos ajuda a enxergar em ambientes com pouca luz, como existe para nos fornecer uma visão mais nítida. Com uma menor abertura da pupila, enxergamos com mais profundidade de campo, e também com maior riqueza de detalhes. Quando se faz um exame oftalmológico é usado um colírio, esse colírio faz as pupilas dilatarem, a


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

180

sensação então é que enxergamos mais desfocado, menos nítido. O cristalino diferentemente das lentes usadas durante o Renascimento, é uma lente biconvexa, pode convergir variavelmente. Essa variável é chamada de acomodação, portanto, é propriedade do cristalino direcionar onde a imagem será projetada na retina. Essa propriedade leva em conta a distância da fonte luminosa, do objeto refletido e a posição do observador. Observe a complexidade desse processo. Vejamos, a luz que se propagou no vácuo, entrou na atmosfera do planeta e se propagando pelo ar entra no orifício do olho humano; irá deixar de se propagar no ar e passará a se propagar em meio aquoso para no final atingir a retina. O cristalino por ser uma lente, irá refratar esses raios luminosos, ou seja, todo desvio que poderia acontecer na passagem do ar para o meio aquoso, o cristalino conserta convergindo tudo para a retina.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

181

Reafirmando posição: A fonte luminosa emite luz. A luz viaja pelo vácuo, sofre um pequeno desvio ao entrar na atmosfera e se propagar pelo ar. Por fim, a luz atinge um objeto. Ao atingir o objeto a luz se reflete em todas as direções. Muitos desses feixes luminosos refletidos entram na cavidade ocular gerando nosso primeiro momento visual. Como vimos à córnea é uma primeira lente, situada na parte exterior do globo ocular, capaz de refratar a luz, corrigindo qualquer desvio que porventura ocorresse na mudança do meio de propagação da própria luz. Assim a segunda lente: cristalino e seu poder de acomodação são os responsáveis por uma projeção correta das imagens na retina. A retina é uma membrana composta de várias camadas revestindo a parede interna de cada globo ocular. A camada nervosa capta os impulsos responsáveis pela visão. Existem uma média de 130 milhões de células na retina e elas estão divididos em uma maioria chamada bastonetes- sensíveis à variação de luz – e uma minoria chamada cones- responsáveis pela percepção das cores. A maior parte dos bastonetes está espalhada pelas bordas da retina, deixando o centro para uma maioria de cones. Essa região central é chamada de fóvea retiniana onde existe o “ponto cego”, ligação entre o globo ocular e o nervo ótico, onde não há nem cones, nem bastonetes, portanto, sem formação ou percepção de imagem.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

182

Alusão comparativa: “Grand Canyon de microuniverso” SINTESE - Um resumo do como se comporta a visão durante o processo de transformação química da imagem: Cada bastonete e cada cone possui cerca de 4 milhões de moléculas de pigmento, e cada uma dessas moléculas contém a Rodopsina, substancia que absorve a luz e quimicamente se divide em duas outras substâncias. Na seqüência uma vez absorvida a luz, a molécula não poderá realizar o mesmo processo químico imediatamente. É preciso ficar “no escuro” por uns 45 minutos para que todas as moléculas de todos os nossos cones e bastonetes estejam aptas a absorver a luz novamente. Mas, se algo interromper o processo de absorção da luz, a Rodopsina poderá se recuperar, propiciando novamente a transformação química das imagens


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

183

PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO QUÍMICA DA IMAGEM. RODOPSINA.

1* - 2* - 3* -4* -

1* - A Organização Genoma Humano (Human Genome Organization ou HUGO) é uma organização envolvida no Projeto Genoma Humano, projeto este sobre o mapeamento do genoma humano. A HUGO foi fundada em 1989 como uma organização internacional no sentido de proporcionar a colaboração científica entre os cientistas de diversos países. O Comitê de Nomenclatura Gênica HUGO, algumas vezes referido apenas como HUGO, é um dos comitês mais ativos da instituição e que tem como objetivo relacionar e classificar todos os genes humanos. 2* - Entrez (Global Query Cross-Database Search System) é um metabuscador mantido pelo National Center for Biotechnology Information (NCBI), uma secção da United States National Library of Medicine (NLM). O NCBI alberga dados provenientes da sequenciação de genomas no seu GenBank e mantém um índice de artigos de investigação biomédica que disponibiliza nas bases de dados PubMed Central e PubMed (inclusive Medline). Para além disso recolhe, trata e disponibiliza múltiplos outros tipos de informação relevante para o desenvolvimento da biotecnologia e ciência da saúde, como os bancos de dados Projeto Genoma, PubChem, Online Mendelian Inheritance in Man, entre outros. Todas as bases de dados (39 no total) estão disponíveis na Internet através de Entrez.(Entrez Help - Entrez Help - NCBI Bookshelf. -


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

184

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/sites/gquery

-

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK3837/) 3* -O projecto Mendelian Inheritance in Man é uma base de dados que cataloga todas as doenças humanas que tenham uma componente genética. Quando possível faz a ligação dessas doenças aos respectivos genes. O código MIM. A cada doença e gene é atribuido um dígito com seis algarismos. O primeiro algarismo reflete o tipo de hereditariedade. PRIMEIRO

CÓDIGO

DÍGITO

MIM

1

100000-199999

LOCI AUTOSSÓMICOS OU FENÓTIPOS

2

200000-299999

LOCI AUTOSSÓMICOS OU FENÓTIPOS

3

300000-399999

4

400000-499999

5

500000-599999

LOCI MITOCONDRIAIS OU FENÓTIPOS

6

600000-

LOCI AUTOSSÓMICOS OU FENÓTIPOS

HEREDITARIEDADE

LOCI NO CROMOSSOMAS X OU FENÓTIPOS LOCI NO CROMOSSOMAS Y OU FENÓTIPOS

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/sites/entrez?db=omim

4* - National Center for Biotechnology Information.National Center for Biotechnology Information (NCBI; em português: Centro Nacional de Informação Biotecnológica) é uma secção da United States National Library of Medicine (NLM; em português: Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos da América), um ramo dos National Institutes of Health (em português: Institutos Nacionais de Saúde), com sede em Bethesda, Maryland. A instituição foi fundada em 1988 em resultado de legislação proposta pelo senador Claude Pepper. O NCBI alberga dados provenientes da


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

185

sequenciação de genomas no seu GenBank e mantém um índice de artigos de investigação biomédica que disponibiliza nas bases de dados PubMed Central e PubMed. Para, além disso, recolhe, trata e disponibilizam múltiplos outros tipos de informação relevante para o desenvolvimento da biotecnologia. Todas as bases de dados estão disponíveis na Internet através do motor de busca Entrez. – O Visible Human Project (Projeto Ser Humano Visível , em português) é um projeto idealizado em 1986, de longo prazo, elaborado pela National Library of Medicine (NLM), nos Estados Unidos da América. Tal projeto se propõe a criar uma base de imagens digitais de dois cadáveres, um masculino e um feminino, partindo de cortes anatômicos transversais, tomografias de raios X a fresco e congelado e de ressonância magnética. O NCBI é atualmente dirigido por David Lipman, um dos autores do algoritmo de alinhamento de sequências genéticas BLAST e uma figura reputada do campo da bioinformática. A instituição mantém um programa interno de investigação científica, incluindo grupos liderados por Stephen Altschul (outro co-autor de BLAST), David Landsman e Eugene Koonin (um autor prolífico no campo da genômica comparativa).

Homem Virtual como tecnologia para entender melhor o corpo humano. http://www.projetohomemvirtual.com.br/


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

186

http://www.projetohomemvirtual.com.br/


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

187

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/sites/entrez?db=gene&cmd=retrieve&dopt=default&rn=1 &list_uids=6010 A rodopsina é uma proteína transmembranar que se encontra nos bastonetes, encontrados no epitélio pigmentar da retina dos olhos. As Proteínas são compostos orgânicos bioquímicos, constituídos por um ou mais polipeptídeos tipicamente dobrada em uma forma globular ou fibrosa, facilitando uma função biológica. São compostos de alto peso molecular, compostos orgânicos de estrutura complementar e massa molecular elevada (de 100.000 a 100.000.000.000 ou mais unidades de massa atômica), sintetizadas pelos organismos vivos através da condensação de um grande número de moléculas de alfa-aminoácidos, através de ligações denominadas ligações peptídicas. São consideradas as macromoléculas mais importantes das células e, para muitos organismos, constituem quase 50% de suas massas. Uma proteína é um conjunto de no minimo 20 aminoácidos, mas sabemos que uma proteína possui muito mais que essa quantidade, sendo os conjuntos menores denominados Polipeptídeos. Um polipeptídeo corresponde a um polímero linear de mais de vinte aminoácidos estabelecendo entre si ligações peptídicas. Por exemplo, o glucágon e a insulina, dois hormônios, incluem-se nesta divisão. O termo proteína é usado quando na composição do polipeptídeo entram noventa ou mais aminoácidos. A rodopsina consta de uma parte protéica, opsina, e uma não protéica que é um derivado da vitamina A, o 11-cis-retinal. A opsina é uma cadeia polipeptídica formada por uns 348 aminoácidos, que se distribuem em sete degraus da "hélice alfa" que se situam perpendiculares à membrana, unidas por partes protéicas fora da estrutura. O grupo carboxilo terminal situa-se na parte citosólica e o grupo amino terminal na posição intradiscal. A porção C-terminal da rodopsina interage com a proteína G transducina. O 11-cis-retinal se situa unido a uma das hélices alfa no centro da molécula, colocado perpendicularmente, através da ligação ao resíduo de lisina-256 por uma base de Schiff. Esta colocação faz com que a luz se transforme quando incide no 11-cis-retinal, produzindo reações que levam a um impulso nervoso. A rodopsina dos Cones absorve fortemente a luz verde azulada e adquire portanto uma tonalidade avermelhada. É responsável pela visão monocromática no escuro. Quando a luz atinge o 11-cis-retinal, este é convertido a trans-retinal (estado excitado da molécula); a rodopsina interage então com a transducina, causando a substituição de guanosina difosfato por guanosina trifosfato ligado a esta. Neste passo existe uma amplificação de sinal, já que uma molécula de rodopsina é capaz de interagir com centenas de moléculas


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

188

de transducina. A transducina dissocia-se em dois polipéptidos, sendo que um deles activa a cGMP fosfodiesterase; esta enzima catalisa a conversão de guanosina monofosfato cíclico (cGMP) a 5'-GMP, o que causa o abaixamento dos níveis intracelulares de cGMP. É este abaixamento que despoleta o sinal nervoso, pois causa o fecho de canais transmembranares de cálcio, o que impede a entrada de ions Ca2+ e Na+ na célula, hiperpolarizando a membrana. O ion Ca2+ continua, no entanto, a sair da célula, o que reduz a sua concentração intracelular. Isto estimula a recuperação da rodopsina através da fosforilação desta pela rodopsina cinase. A proteína arrestina ligase então à zona C-terminal fosforilada da rodopsina, inativando-a rapidamente. Ocorre então um processo mais lento de recuperação da rodopsina, em que a arrestina se dissocia desta, ocorre desfosforilação e o trans-retinal se converte a 11-cis-retinal. Algumas opsinas relacionadas (fotopsinas) diferem em apenas alguns aminoácidos, bastando isso para que absorvam a luz em comprimentos de onda diferentes. Estes pigmentos também se encontram no cones da retina e são a base da visão a cores. Para além da rodopsina, os seres humanos possuem três outras opsinas: fotopsina I (absorve no espectro amarelo), fotopsina II (no verde) e fotopsina III (no violeta). Algumas espécies de Archaea expressam uma bomba protónica denominada bacteriorodopsina, através da qual executam a fotossíntese. Tal como a rodopsina, também possui retinal e tem sete hélices alfa transmembranares; no entanto, não está associada a uma proteína G. Fotopsina é um composto químico existente nas células cone da retina, que são responsáveis pelo metabolismo desta célula.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

189

Espectro de absorção normalizado da rodopsina humana e das três fotopsinas. Eixo dos YY: absorvância (valor percentual). Eixo dos XX: comprimento de onda em nanómetros. Segue um quadro demonstrativo de Substância Neuronais. Os Neurotransmissores são substâncias químicas produzidas pelos neurônios, as células nervosas com a função de biossinalização. Por meio delas, podem enviar informações a outras células. Podem também estimular a continuidade de um impulso ou efetuar a reação final no órgão ou músculo alvo.

Diagrama de uma sinapse - A - Axônio Pré-sináptico. B - Fenda Sináptica. C - Célula Pós-sináptica.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

190

RECEPTORES

TRANSMEMBRANA:

RECEPTORES

ACOPLADOS

ÀS

PROTEÍNAS G. Receptores acoplados às proteínas G são uma grande família proteica de receptores transmembranares que captam sinais extracelulares e activam vias de transdução de sinal no interior da célula. Este tipo de receptores apenas é encontrado nos eucariotas, como é o caso das leveduras, plantas, coanoflagelados, e animais. Os ligandos que se ligam e activam estes receptores incluem compostos sensíveis à luz, odores, feromonas, hormonas e neurotransmissores, e variam em tamanho, desde pequenas moléculas, até péptidos, podendo mesmo ser grandes proteínas. Estes receptores estão envolvidos numa variedade de doenças, mas também são o alvo de cerca de metade das drogas medicinais humanas. Proteína G é uma classe de proteínas envolvida na transdução de sinais celulares. Elas são chamadas de proteínas G porque funcionam como "chaves moleculares", alternando entre um estado de ligação com uma guanosina difosfato inativa (GDP) e outro com uma guanosina trifosfato ativa (GTP). Isso leva a regulação dos processos seguintes da célula. As proteínas G foram descobertas quando Alfred G. Gilman e Martin Rodbell tentavam desvendar como a adrenalina estimulava as células. Eles descobriram que quando um hormônio como a adrenalina se ligava a um receptor, o receptor não estimulava diretamente enzimas como a adenilato ciclase. Ao invés disso, o receptor estimulava uma proteína G, que, por sua vez, estimulava a adenilato ciclase a produzir um segundo mensageiro, o AMP cíclico. Pela descoberta, os dois cientistas ganharam, em 1994, o Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina.

CLASSE A: TIPO RODOPSINA

ADRENÉRGICO

Α1 (A, B, D) · Α2 (A, B, C) · Β1 · Β2 · Β3

PURINÉRGICO

ADENOSINA (A1, A2A, A2B, A3) · P2Y (1, 2, 4, 5, 6, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14)

SEROTONINA

(TODOS, EXCETO 5-HT3) 5-HT1 (A, B, D, E, F) · 5-HT2 (A, B, C) · 5-HT (4, 5A, 6, 7)

NEUROTRANSMISSOR


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

191

OUTROS

ACETILCOLINA (M1, M2, M3, M4, M5) · DOPAMINA (D1, D2, D3, D4, D5) · HISTAMINA (H1, H2, H3, H4) · MELATONINA (1A, 1B, 1C) · TAAR (1, 2, 3, 5, 6, 8, 9)

EICOSANOIDE

CYSLT (1, 2) · LTB4 (1, 2) · FPRL1 · OXE · PROSTAGLANDIN (DP (1, 2), EP (1, 2, 3, 4), FP) · PROSTACYCLIN · THROMBOXANE

OUTROS

BILE ACID · CANABINOIDE (CB1, CB2, GPR (18, 55, 119)) · EBI2 · ESTROGEN · FREE FATTY ACID (1, 2, 3, 4) · LACTATE · LYSOPHOSPHATIDIC ACID (1, 2, 3, 4, 5, 6) · LYSOPHOSPHOLIPID (1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8) · NIACIN (1, 2) · OXOGLUTARATE · PAF · SPHINGOSINE1-PHOSPHATE (1, 2, 3, 4, 5) · SUCCINATE

METABÓLITOS E MOLÉCULAS DE SINALIZAÇÃO

B/W (1, 2) · FF (1, 2) · S · Y (1, 2, 4, 5) · NEUROPEPTIDE NEUROMEDIN (B, U (1, 2)) · NEUROTENSIN (1, 2)

PEPTÍDEOS OUTROS

ANAPHYLATOXIN (C3A, C5A) · ANGIOTENSIN (1, 2) · APELIN · BOMBESIN (BRS3, GRPR, NMBR) · BRADYKININ (B1, B2) · CHEMOKINE · CHOLECYSTOKININ (A, B) · ENDOTHELIN (A, B) · FORMYL PEPTIDE (1, 2, 3) · FSH · GALANIN (1, 2, 3) · GHB RECEPTOR · GONADOTROPIN-RELEASING HORMONE (1, 2) · GHRELIN · KISSPEPTIN · LUTEINIZING HORMONE/CHORIOGONADOTROPIN · MAS (1, 1L, D, E, F, G, X1, X2, X3, X4) ·


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

192 MELANOCORTIN (1, 2, 3, 4, 5) · MCHR (1, 2) · MOTILIN · OPIOID (DELTA, KAPPA, MU, NOCICEPTIN & ZETA, BUT NOT SIGMA) · OREXIN (1, 2) · OXYTOCIN · PROKINETICIN (1, 2) · PROLACTIN-RELEASING PEPTIDE · RELAXIN (1, 2, 3, 4) · SOMATOSTATIN (1, 2, 3, 4, 5) · TACHYKININ (1, 2, 3) · THYROTROPIN · THYROTROPINRELEASING HORMONE · UROTENSINII · VASOPRESSIN (1A, 1B, 2)

ORPHAN

GPR (1, 3, 4, 6, 12, 15, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 25, 26, 27, 31, 32, 33, 34, 35, 37, 39, 42, 44, 45, 50, 52, 55, 61, 62, 63, 65, 68, 75, 77, 78, 81, 82, 83, 84, 85, 87, 88, 92, 101, 103, 109A, 109B, 119, 120, 132, 135, 137B, 139, 141, 142, 146, 148, 149, 150, 151, 152, 153, 160, 161, 162, 171, 173, 174, 176, 177, 182, 183)

OUTROS

ADRENOMEDULLIN · OLFACTORY · OPSIN (3, 4, 5, 1LW, 1MW, 1SW, RGR, RRH) · PROTEASEACTIVATED (1, 2, 3, 4) · SREB

MISCELÂNEA

ÓRFÃOS

CLASSE B: TIPO SECRETINA

OUTROS

GPR (56, 64, 97, 98, 110, 111, 112, 113, 114, 115, 116, 123, 124, 125, 126, 128, 133, 143, 144, 155, 157) BRAIN-SPECIFIC ANGIOGENESIS INHIBITOR (1, 2, 3) · CADERINA (1, 2, 3) · CALCITONINA · CALCRL · CD97 · HORMÔNIO LIBERADOR DE CORTICOTROFINA (1, 2) · EMR (1, 2, 3) · GLUCAGON (GR, GIPR, GLP1R, GLP2R) · GROWTH


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

193 HORMONE RELEASING HORMONE · PACAPR1 · GPR · LATROFILINA (1, 2, 3, ELTD1) · METHUSELAHLIKE PROTEINS · HORMONA PARATIRÓIDE (1, 2) · SECRETINA · VASOACTIVE INTESTINAL PEPTIDE (1, 2)

TASTE

TAS1R (1, 2, 3) · TAS2R (1, 3, 4, 5, 8, 9, 10, 12, 13, 14, 16, 19, 20, 30, 31, 38, 39, 40, 41, 42, 43, 45, 46, 50)

OUTROS

CALCIUMSENSING RECEPTOR · GABA B (1, 2) · RECEPTOR DE GLUTAMATO (METABOTRÓPICO DE GLUTAMATO (1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8)) · GPRC6A · GPR (156, 158, 179) · RAIG (1, 2, 3, 4)

FRIZZLED

FRIZZLED (1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10)

SMOOTHENED

SMOOTHENED

CLASSE C: METABOTROPIC GLUTAMATO / FEROMONA

CLASS F: FRIZZLED / SMOOTHENED

Curiosidade Científica . Córtex pré-frontal e funções executivas. Caso clássico I - Paciente Phineas Gage Caso clássico II - Paciente “O CARIOCA”


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

194

Em uma manha de agosto (15/08/2012 16h38), na cidade do Rio de Janeiro, aconteceu um acidente com um operário. Aos 24 anos de idade, um vergalhão de ferro acidentalmente penetrou em seu crânio, perfurando o seu cérebro e transpassando a região entre os olhos(Relembre o caso Na quarta-feira (15), Eduardo estava agachado usando capacete quando foi atingido pelo vergalhão. O objeto caiu do quinto andar, de uma altura de 15 metros. Tinha dois metros de comprimento e com a queda o impacto na cabeça do operário foi de aproximadamente 300 quilos. O vergalhão entrou pelo alto da cabeça e atravessou a região entre os olhos. Essa é a chamada área pré-frontal do cérebro, responsável por funções associadas ao comportamento)Antes da intervenção cirúrgica(A cirurgia de remoção durou cerca de seis horas. Os médicos abriram parte do crânio e puxaram o vergalhão de cima para baixo. Se puxassem pelo sentido contrário, haveria risco levar material contaminado do nariz para dentro do cérebro) e durante todo o socorro preliminar, para a remoção do corpo estranho - barra, o paciente mostrou-se consciente e lúcido, sem aparente mudança comportamental Diversos estudioso da Neurociência viram a imagem da reconstrução da região perfurada, tomando como base a tomografia, amplamente divulgadas na mídia (figura 1). “Logo nos chama a atenção a semelhança com o caso Phineas Gage”. Ocorreu uma semelhança atingiu a mesma região do cérebro, a área pré-frontal do córtex cerebral (ou córtex pré-frontal) Ver figura 2.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

195

Figura 1: Imagens feitas por tomografia computadorizada, mostrando a região perfurada pela barra no crânio do operário carioca. A região cerebral afetada foi o córtex préfrontal. (Imagem extraída de: The Guardian) Figura 4 – Operário perfurado por vergalhão segue em UTI no Rio Eduardo Leite apresenta evolução em seu quadro clínico, diz hospital. No entanto, médicos decidem mantê-lo em observação. Do G1 RJ


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

196

.

Figura 5 - Homem deu entrada em hospital público do Rio com vergalhão encravado no crânio (Foto: Marcelo Elizardo/G1)


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

197

Caso clássico I - Paciente Phineas Gage No ano de 1848, nos EUA, Phineas Gage tinha 25 anos de idade e também era um operário da construção civil, responsável pela construção de trilhos de trem. O eminente Neurocientista Antônio Damásio descreve e discute em detalhes o caso do Phineas Gage em seu excelente livro O Erro de Descartes. Como descrito por Damásio em seu livro, Gage era respeitado por seus colegas e considerado uma pessoa séria, competente, astuta, inteligente e persistente na execução dos seus planos de ação.Na tarde do dia 13 de setembro daquele ano, durante a execução de uma tarefa cotidiana (a qual ele dominava muito bem), Gage cometeu um raro descuido e provocou uma explosão de pólvora antes do tempo. Isto impulsionou violentamente uma barra de ferro que segurava, de mais de um metro de comprimento e com uns 3 cm de diâmetro, que penetrou sua face esquerda e saiu pelo topo do crânio, indo cair a uns 30 metros de distância (Figura 3).

Figura 3: Esquerda: Imagens da reconstrução feita a partir das perfurações do crânio do Phineas Gage, mostrando a provável localização da região perfurada no seu cérebro pela barra. Nota-se que a lesão foi integralmente dentro do córtex pré-frontal. Meio: O crânio de Phineas Gage e a barra de ferro, no museu da Faculdade de Medicina de Harvard. Direita: Foto recém-descoberta do Gage segurando sua barra. O paciente em comento permaneceu consciente e lúcido mesmo logo após o acidente, respondendo às perguntas do médico e dos colegas e sendo capaz de descrever o


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

198

ocorrido com clareza. Sobreviveu à infecção e foi dado como plenamente recuperado dois meses depois. Ele continuou com o mesmo quociente de inteligência (Q.I.), as mesmas habilidades motoras, visão, audição, memória etc. Mas, apesar disso, ele teve uma absurda mudança de personalidade, se tornando uma pessoa muito diferente do que era antes do acidente! Tornou-se uma pessoa desequilibrada, inconseqüente, inconveniente, incapaz de planejar e direcionar sua vida. Consideraram a época que se transformará em “outra pessoa”, uma conversão total de personalidade e individualidade.

Figura 2: Localização do córtex pré-frontal dentro do crânio Perdeu o emprego não por perda da competência, mas por se tornar um individuo sociopata, resultando dessas condutas anti-sociais a perca dos laços de amizade que tinha antes e não foi mais capaz de estabelecer vínculos afetivos e sociais duradouros, sem conseguir mais empregos fixos. Chegou a trabalhar como atração pitoresca de circo, exibindo sua ferida e sua barra. Quem antes era uma pessoa de valores e séria passou o resto da vida como um individuo socialmente rotulado de “cafajeste, inconseqüente e indecente”., Etc. Esse caso é clássico para a História da Neurociência porque serviu de base para a compreensão do envolvimento do cérebro na razão, emoção e personalidade, demonstrando o envolvimento do nosso córtex pré-frontal nessas propriedades cognitivas (provavelmente não foi o primeiro caso na história da


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

199

humanidade, mas sim o primeiro a ser estudado mais aprofundadamente).A partir do caso Gage, a Neurociência aprofundou os estudos e hoje sabemos que o córtex préfrontal é responsável por um conjunto de funções cognitivas denominadas funções executivas. No geral, é o conjunto de processos que nos permitem planejar, tomar decisões e executar tarefas de forma organizada e premeditada. Estes processos são a memória de trabalho, o planejamento e organização, a atenção e concentração, o manejo do tempo, a metacognição (capacidade de “pensar sobre o pensamento”), as respostas inibitórias, a regulação do afeto, a iniciação de tarefas e os conceitos morais. Lesões ou disfunções em áreas específicas dentro do pré-frontal, responsáveis por cada um destes processos, levam a alterações cognitivas correspondentes, como a perda da inibição do medo (sendo a base dos transtornos de ansiedade e do pânico), perda das associações morais e do sentimento de culpa (base da psicopatia), perda da capacidade de antever as conseqüências de uma ação que se pretende tomar, perda da capacidade de repensar sobre ações tomadas, perda da capacidade de concentração (sendo base para o déficit de atenção) etc. Um aspecto interessante sobre o córtex pré-frontal é que é a última região do cérebro humano e se desenvolver completamente. Isto ocorre só a partir dos 18 anos de idade. Portanto, o fato de os adolescentes serem normalmente impulsivos, inconsequentes, rebeldes e desfocados não é mera coincidência! E tem mais: o fato de uma pessoa ficar agressiva, inconveniente e descontrolada após beber muito álcool também não é mera coincidência, uma vez que o excesso de álcool tem ação inibitória sobre o pré-frontal. Em relação ao “PACIENTE CARIOCA” é cedo para saber que seqüelas cognitivo-comportamentais o operário carioca terá. Mas é possível que tenha alterações semelhantes às que ocorreram com o Phineas Gage. Podem até ser diferentes, em função de ter afetado regiões diferentes dentro do pré-frontal, mas é provável que tenha alguma alteração nas suas funções executivas. Ou então pode não ter seqüela alguma, uma vez que o sistema nervoso é plástico e tem a capacidade de se reestruturar para recuperar danos.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

200


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

201


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

202


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

203


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

204


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

205

Atualizado em 30/08/2012 - Eduardo Leite recebeu alta e deixou o Hospital Miguel Couto no fim da manhã desta quinta (30). Em entrevista, ele disse que não via hora de voltar pra casa e ficar com a esposa e filhos. Segundo diretor do hospital, Eduardo ainda vai ter acompanhamento médico. Confira no vídeo abaixo.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

206

DEFICIÊNCIAS COGNITIVAS. No meu livro Tomo II – Volume I, apontei ao público a minha linha de objetivos em matéria de pesquisa no campo do Mapeamento Cerebral, apresentado da forma seguinte: “Assim podemos direcionar nossa tese futura no sentido de definir a DEFICIÊNCIA INTELECTUAL como um conjunto de síndromes que incorpora a incapacidade funcional

neurotramissora

limitada,

com

ou

sem

incapacidade clínica. Sendo que ela está presente em deficiências mental funcional do processo de cognição, e que se classifica como leve. Entre o conjunto de síndromes classificadas dentro da Deficiência Intelectual temo: DÉCIFIT DE ATENÇÃO E DESORDEM (ADD) DISLEXIA

(DIFICULDADE

EM

DISCALCULIA

(DIFICULDADE

APRENDIZAGEM),

dificuldades

RESOLUÇÃO

DE

na:

PROBLEMAS;

LEITURA) DE MEMÓRIA; ATENÇÃO;


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

207

COMPREENSÃO LINGÜÍSTICA;

VERBAL,

DE

COMPREENSÃO

LEITURA

MATEMÁTICA

E E

COMPREENSÃO VISUAL” Professor César Venâncio – Pesquisador Tenho participado de diversas discussões no campo dos estudos do Mapeamento Cerebral. O livro e-book acima citado foi oficialmente liberado em 11 de setembro de 2012, e publicado nos sites das Universidades do projeto OWC em 30 de agosto do ano corrente. De 30 de agosto a 12 de setembro do ano em curso, foram baixadas 5.000(cinco mil) unidades cópias. E no site foram postados diversos questionamentos relativos à base cientifica para a formação da “TEORIA DA DEFICIÊNCIA INTELECTUAL” proposta pelo autor. O pesquisador científico seja no mestrado ou no doutorado, deve ter a cautela na fundamentação teórica e prática de seus estudos. Assim, começo no marco referencial teórico, tomando como base os autores neuropsiquiátricos internacionalmente consagrados KAPLAN, Haroldo I; SADOC, Benjamin J. e GREB, Jack A(Compêndio de psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiatria clínica – 7 ed. – Porto Alegre: Artmed, 1997)para iniciar a discussão que me fundamenta para no futuro se firma na pretensão de... (...) direcionar nossa tese futura no sentido de definir a DEFICIÊNCIA INTELECTUAL como um conjunto de síndromes que incorpora a incapacidade funcional neurotramissora limitada, com ou sem incapacidade clínica... Nesse contexto existe uma complexidade na compreensão e interpretação dos quadros: Transtornos de Aprendizagem; Transtornos de leitura; Transtornos da matemática; Transtornos da expressão escrita e transtornos da aprendizagem. Principalmente se analisarmos a linha do tempo no DSM-III, e comparar o CID-10 com o DSM-IV.

Classificação internacional de doenças. DA CID-10 A CID é publicada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e é usada globalmente para estatísticas de morbilidade e de mortalidade, sistemas de reembolso e de decisões automáticas de suporte em medicina. O sistema foi desenhado para permitir e promover


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

208

a comparação internacional da colecção, processamento, classificação e apresentação do tipo de estatísticas supra-citado. ICD A CID é uma classificação base da Família Internacional de Clasificações da OMS (WHO-FIC). A CID é revista periodicamente e encontra-se, à data (Novembro de 2006), na sua décima edição. A CID-10, como é conhecida, foi desenvolvida em 1992 para registar as estatísticas de mortalidade. Actualizações anuais (menores) e tri-anuais (maiores) são publicadas pela OMS. Abordei em capítulos anteriores dos Tomos I e II, comentários em torno do CID-10. A Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde, frequentemente designada pela sigla CID (em inglês: International Statistical Classification of Diseases and Related Health Problems - ICD) fornece códigos relativos à classificação de doenças e de uma grande variedade de sinais, sintomas, aspectos anormais, queixas, circunstâncias sociais e causas externas para ferimentos ou doenças. A cada estado de saúde é atribuída uma categoria única à qual corresponde um código, que contém até 6 caracteres. Tais categorias podem incluir um conjunto de doenças semelhantes. Observe que o CID-10 não agrega valores descritivos em relação as síndromes. Porém ressalva a possibilidade hermeneutica de sua existência quando afirma em definação que... “categorias podem incluir um conjunto de doenças semelhantes”. Atenção na hora da interpretação de quadros clínicos médicos que podem refletir em condutas de ação psicopedagógica, por exemplo, no caso do Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH), que é uma Síndrome caracterizada por desatenção, hiperatividade e impulsividade causando prejuízos a si mesmo e aos outros em pelo menos dois contextos diferentes (geralmente em casa e na escola/trabalho). Entre 3% e 6% das crianças em fase escolar foram diagnosticadas com este transtorno. Entre 30 a 50% dos casos persistem até a idade adulta . Sua causa, o diagnóstico, sua utilização para justificar mal desempenho acadêmico e o grande número de tratamentos desnecessários com anfetaminas geram polêmica desde a década de 70. Na Classificação Internacional de Doenças da OMS mais recente (CID-10) é classificado como um Transtorno Hipercinético(Organização Mundial de Saúde. Classificação e Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10: Descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Editora Artes Médicas; 1993; TDAH:Causas, Sintomas, Diagnóstico e Tratamento. Portal Banco de Saúde. 2009. TDAH Guia Completo; Rohde LA e Halpern. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade. R.Jornal de Pediatria - Vol. 80, Nº2(supl), 2004.); Distúrbio do


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

209

déficit de atenção sem hiperatividades. - O ADHD-I ou ADHD-PI é um dos três subtipos de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), ou "Mal de Klosouski". Esse transtorno é algumas vezes chamado apenas de distúrbio de déficit de atenção pelo público em geral, mas esse termo foi modificado em 1994 pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Desordens Mentais (DSM-IV), quarta edição; Dificuldades de aprendizagem por vezes referida como desordem de aprendizagem ou transtorno de aprendizagem, é um tipo de desordem pela qual um indivíduo apresenta dificuldades em aprender efetivamente. A desordem afeta a capacidade do cérebro em receber e processar informação e pode tornar problemático para um indivíduo o aprendizado tão rápido quanto o de outro, que não é afetado por ela. Observe que no tomo dois se abordou descrições anatomicas do ouvido, dos olhos, e nesse se detalhou áreas do cérebro envolvidos com a visão e captação externa de linguagem simbólica. Uma das perguntas expostas no site de uma das universidades que detem a cópia para reproduzir, dessa obra, foi: POR QUE EU EDUCADOR PRECISO CONHECER ANATOMIA E FISIOLOGIA EM DETALHES PARA MELHOR ASSISTIR MEU ALUNADO? Se o ilustre educador estive diante de um quadro de dificuldades de aprendizagem, para interagir é importante ter noções de neurociência. Pois no quadro de Dificuldades de Aprendizagem envolvem muitas áreas de percepção, entre as quais: discriminação visual ou auditiva; percepção das diferenças em ambos as vistas ou ouvidos; impedimento visual ou auditivo; preenchimento da falta de peças de imagens ou sons; discriminação figura-fundo visual ou auditiva; focalização de um objeto, ignorando os seus antecedentes; memória visual ou auditiva, nem a curto nem a longo prazo; sequenciamento visual ou auditivo; colocação do que é visto ou ouvido na ordem certa; associação e compreensão auditiva; relacionamento do que é ouvido a outras coisas, incluindo definições de palavras e significados de sentenças; percepção espacial; lateralidade (acima e abaixo, entre, dentro e fora) e posicionamento no espaço; percepção temporal;

intervalos de tempo de processamento da ordem de

milissegundos, fundamental para o desenvolvimento da fala de transformação; incapacidade de Aprendizado Não-Verbal ("Nonverbal Learning Disability"); processamento de sinais não-verbais em interações sociais, etc; Discalculia Discalculia, não deve se confundir com acalculia, pois essa é definido como sendo uma desordem neurológica específica que afeta a habilidade de uma pessoa de compreender e manipular números. A discalculia pode ser causada por um déficit de percepção


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

210

visual. O termo discalculia é usado frequentemente ao consultar especificamente à inabilidade de executar operações matemáticas ou aritméticas, mas é definido por alguns profissionais educacionais como uma inabilidade mais fundamental para conceitualizar números como um conceito abstrato de quantidades comparativas. Isso ocorre porque o cérebro cria uma “competição” entre recordar os dados antigos e os novos que estão vinculados à mesma coisa, relatam pesquisadores de Yale e Stanford na última edição de “The Proceedings of the National Academy of Sciences” – Ver tomografia – DISCALCULIA – (IMAGEM 1). É uma inabilidade menos conhecida, bem como e potencialmente relacionada a dislexia e a dispraxia. A discalculia ocorre em pessoas de qualquer nível de QI, mas significa que têm frequentemente problemas específicos com matemática, tempo, medida, etc. Discalculia (em sua definição mais geral) não é rara. Muitas daquelas com dislexia ou dispraxia tem discalculia também. Há também alguma evidência para sugerir que este tipo de distúrbio é parcialmente hereditario. A palavra discalculia vem do grego (dis, mal) e do Latin (calculare, contar) formando: contando mal. Essa palavra calculare vem, por sua vez, de cálculo, que significa o seixo ou um dos contadores em um ábaco. Discalculia é um impedimento da matemática que vá adiante junto com um número de outras limitações, tais como a introspecção espacial, o tempo, a memória pobre, e os problemas de ortografia. Há indicações de que é um impedimento congênito ou hereditário, com um contexto neurológico. Discalculia atinge crianças e adultos. Discalculia pode ser detectada em uma idade nova e medidas podem ser tomadas para facilitar o enfrentamento dos problemas dos estudantes mais novos. O problema principal está em compreender que o problema não é a matemática e sim a maneira que é ensinada às crianças. O modo que a dislexia pode ser tratada de usar uma aproximação ligeiramente diferente a ensinar. Entretanto, a discalculia é o menos conhecida destes tipos de desordem de aprendizagem e assim não é reconhecida frequentemente; Dislalia- A dislalia (grego dys + lexia) é um distúrbio da fala, caracterizado pela dificuldade em articular as palavras. Basicamente consiste na má pronúncia das palavras, seja omitindo ou acrescentando fonemas, trocando um fonema por outro ou ainda distorcendo-os ordenadamente. A falha na emissão das palavras pode ainda ocorrer em fonemas ou sílabas. Assim sendo, os sintomas da Dislalia consistem em omissão, substituição ou deformação dos fonemas. De modo geral, a palavra do dislálico é fluida, embora possa ser até ininteligível, podendo o desenvolvimento da linguagem ser normal ou levemente


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

211

retardado. Não se observam transtornos no movimento dos músculos que intervêm na articulação e emissão da palavra. Dificuldade na linguagem oral, que pode interferir no aprendizado da escrita. A criança omite, faz substituições, distorções ou acréscimos de sons. Eis alguns exemplos: Omissão: não pronuncia sons - "omei" = "tomei"; Substituição: troca alguns sons por outros - "balata" = "barata"; Acréscimo: introduz mais um som - "Atelântico" = "Atlântico"; Dislexia- Disortografia é a dificuldade do aprendizado e do desenvolvimento da habilidade da linguagem escrita expressiva.Esta dificuldade pode ocorrer associada ou não a dificuldade de leitura, isto é, a dislexia.Considera-se que 90% das disortografias têm como causa um atraso de linguagem; estas são consideradas disortografias verdadeiras. Os 10% restantes têm como causa uma disfunção neuro-fisiológica; .Disortografia- Disortografia é a dificuldade do aprendizado e do desenvolvimento da habilidade da linguagem escrita expressiva.Esta dificuldade pode ocorrer associada ou não a dificuldade de leitura, isto é, a dislexia.Considera-se que 90% das disortografias têm como causa um atraso de linguagem; estas são consideradas disortografias verdadeiras. Os 10% restantes têm como causa uma disfunção neuro-fisiológica. http://wwwpsicopedagogiadceuvarmf.blogspot.com.br/2008/04/cid-10-classificao-estatstica.html

DO DSM-IV. TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM - DSM.IV A seção sobre Transtornos da Aprendizagem inclui: 1 - Transtorno da Leitura; 2 - Transtorno da Matemática; 3 - Transtorno da Expressão Escrita e; 4 - Transtorno da Aprendizagem Sem Outra Especificação. Os Transtornos da Aprendizagem são diagnosticados quando os resultados do indivíduo em testes padronizados e individualmente administrados de leitura, matemática ou


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

212

expressão escrita estão substancialmente abaixo do esperado para sua idade, escolarização e nível de inteligência. Os problemas de aprendizagem interferem significativamente no rendimento escolar ou nas atividades da vida diária que exigem habilidades de leitura, matemática ou escrita. Variados enfoques estatísticos podem ser usados para estabelecer que uma discrepância é significativa. Substancialmente abaixo da média em geral define uma discrepância de mais de 2 desvios-padrão entre rendimento e QI. Uma discrepância menor entre rendimento e QI (isto é, entre 1 e 2 desvios-padrão) ocasionalmente é usada, especialmente em casos onde o desempenho de um indivíduo em um teste de QI foi comprometido por um transtorno associado no processamento cognitivo, por um transtorno mental comórbido ou condição médica geral, ou pela bagagem étnica ou cultural do indivíduo. Em presença de um déficit sensorial, as dificuldades de aprendizagem podem exceder aquelas habitualmente associadas com o déficit. Os Transtornos da Aprendizagem podem persistir até a idade adulta.

Características e Transtornos Associados. Desmoralização, baixa auto-estima e déficits nas habilidades sociais podem estar associados com os transtornos da aprendizagem. A taxa de evasão escolar para crianças ou adolescentes com Transtornos da Aprendizagem é de aproximadamente 40% (cerca de 1,5 vezes a média).

Os adultos com Transtornos da Aprendizagem podem ter

dificuldades significativas no emprego ou no ajustamento social. Muitos indivíduos (1025%) com Transtorno da Conduta, Transtorno Desafiador Opositivo, Transtorno de Déficit de Atenção / Hiperatividade, Transtorno Depressivo Maior ou Transtorno Distímico também têm Transtornos da Aprendizagem. Existem evidências de que atrasos no desenvolvimento da linguagem podem ocorrer em associação com os Transtornos da Aprendizagem (particularmente Transtorno da Leitura), embora esses atrasos possam não ser suficientemente severos para indicarem o diagnóstico adicional de Transtorno da Comunicação. Os Transtornos da Aprendizagem também podem estar associados com uma taxa superior de Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação. Anormalidades subjacentes do processamento cognitivo (por exemplos., déficits na percepção visual, processos lingüísticos, atenção, memória ou uma combinação destes) freqüentemente precedem ou estão associadas com os Transtornos da Aprendizagem . Os testes estandardizados para a medição desses processos em geral são


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

213

menos confiáveis e válidos do que outros testes psicopedagógicos. Embora predisposição genética, danos perinatais e várias condições neurológicas ou outras condições médicas gerais possam estar associados com o desenvolvimento dos Transtornos da Aprendizagem, a presença dessas condições não o prediz, invariavelmente, e existem muitos indivíduos com Transtornos da Aprendizagem sem essa história. Esses transtornos, entretanto, freqüentemente são encontrados em associação com uma variedade de condições médicas gerais (por exemplos, envenenamento por chumbo, síndrome alcoólica fetal ou síndrome do X frágil).

Características Específicas à Cultura. O profissional da Psicopedagogia, do AEE e da Educação Especial, devem assegurar-se de que os procedimentos de testagem da inteligência refletem uma atenção adequada à bagagem étnica ou cultural do indivíduo. Isto geralmente pode ser conseguido com o uso de testes nos quais as características relevantes do indivíduo são representadas na amostra de estandardização do teste ou pelo emprego de um examinador familiarizado com aspectos da bagagem étnica ou cultural do indivíduo. A testagem individualizada sempre é necessária, para fazer o diagnóstico de Transtornos da Aprendizagem.

Prevalência. Estimativas da prevalência dos Transtornos da Aprendizagem variam de 2 a 10%, dependendo da natureza da averiguação e das definições aplicadas. Um Transtornos da Aprendizagem é identificado em aproximadamente 5% dos estudantes de escolas públicas americanas.

Diagnóstico Diferencial. Os Transtornos da Aprendizagem devem ser diferenciados das variações normais na realização acadêmica e das dificuldades escolares devido à falta de oportunidades, ensino fraco ou fatores culturais. A escolarização inadequada pode resultar em fraco desempenho em testes estandardizados de rendimento escolar. Crianças de bagagens étnicas ou culturais diferentes daquelas dominantes na cultura da escola ou cuja língua materna não é a língua do país, bem como crianças que freqüentaram escolas com ensino inadequado, podem ter fraca pontuação nesses testes. As crianças com essas


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

214

mesmas bagagens também podem estar em maior risco para faltas injustificadas à escola, em virtude de doenças mais freqüentes ou ambientes domésticos empobrecidos ou caóticos. Um prejuízo visual ou auditivo pode afetar a capacidade de aprendizagem e deve ser investigado, por meio de testes de triagem audiométrica ou visual. Um Transtornos da Aprendizagem pode ser diagnosticado na presença desses déficits sensoriais apenas quando as dificuldades de aprendizagem excedem aquelas habitualmente associadas aos mesmos. As condições médicas gerais ou neurológicas concomitantes devem ser codificadas no Eixo III.

O RETARDO MENTAL. No Retardo Mental, as dificuldades de aprendizagem são proporcionais ao prejuízo geral no funcionamento intelectual. Entretanto, em alguns casos de Retardo Mental Leve, o nível de realização na leitura, matemática ou expressão escrita está significativamente abaixo dos níveis esperados, dadas a escolarização e a gravidade do Retardo Mental do indivíduo. Nesses casos, aplica-se o diagnóstico adicional de Transtornos da Aprendizagem. Um diagnóstico adicional de Transtornos da Aprendizagem deve ser feito no contexto de um Transtorno Invasivo do Desenvolvimento apenas quando o prejuízo escolar estiver significativamente abaixo dos níveis esperados, levando em conta o funcionamento intelectual e a escolarização do indivíduo. Em indivíduos com Transtornos da Comunicação, o funcionamento intelectual pode precisar ser avaliado por medições estandardizadas da capacidade intelectual

não-verbal.

Em

casos

nos

quais

o

rendimento

escolar

estiver

significativamente abaixo desta medida de capacidade, aplica-se diagnóstico de Transtornos da Aprendizagem. O Transtorno da Matemática e o Transtorno da Expressão Escrita ocorrem, com maior freqüência, em combinação com o Transtorno da Leitura. Quando são satisfeitos os critérios para mais de um Transtornos da Aprendizagem, todos devem ser diagnosticados.

(NA CID.10 É F81.0) 315.00 TRANSTORNO DA LEITURA - DSM.IV A característica essencial do Transtorno da Leitura consiste em um rendimento da leitura (isto é, correção, velocidade ou compreensão da leitura, medidas por testes padronizados administrados individualmente) substancialmente inferior ao esperado


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

215

para a idade cronológica, a inteligência medida e a escolaridade do indivíduo (Critério A). A perturbação da leitura interfere significativamente no rendimento escolar ou em atividades da vida cotidiana que exigem habilidades de leitura (Critério B). Na presença de um déficit sensorial, as dificuldades de leitura excedem aquelas habitualmente a este associadas (Critério C).

Caso estejam presentes uma condição neurológica, outra

condição médica geral ou outro déficit sensorial, estes devem ser codificados no Eixo III. Em indivíduos com Transtorno da Leitura (também chamado "dislexia"), a leitura oral caracteriza-se por distorções, substituições ou omissões; tanto a leitura em voz alta quanto a silenciosa caracterizam-se por lentidão e erros na compreensão.

Características e Transtornos Associados. Revisar a literatura exposta em relação as "Características e Transtornos Associados" referente aos Transtornos da Aprendizagem. É importante para a conexão do texto seguinte. O Transtorno da Matemática e o Transtorno da Expressão Escrita em geral estão associados ao Transtorno da Leitura, sendo relativamente rara a apresentação de qualquer destes transtornos na ausência do Transtorno da Leitura.

Características Específicas ao Gênero. Dos indivíduos diagnosticados com Transtorno da Leitura, 60 a 80% são do sexo masculino. Os procedimentos de encaminhamento podem com freqüência apresentar a tendência à identificação de indivíduos do sexo masculino, uma vez que estes exibem, com maior freqüência, os comportamentos diruptivos associados aos Transtornos da Aprendizagem. O transtorno ocorre em proporções mais equilibradas entre ambos os sexos quando se empregam cuidadosa determinação diagnóstica e critérios rígidos, ao invés dos procedimentos tradicionais de encaminhamento realizados por escolas.

Prevalência. A prevalência do Transtorno da Leitura é difícil de estabelecer, pois muitos estudos se concentram na prevalência dos Transtornos da Aprendizagem, sem uma cuidadosa separação em transtornos específicos da Leitura, Matemática ou Expressão Escrita. O Transtorno da Leitura, sozinho ou em combinação com o Transtorno da Matemática ou Transtorno da Expressão Escrita, responde por aproximadamente quatro em cada cinco


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

216

casos de Transtorno da Aprendizagem. A prevalência do Transtorno da Leitura nos Estados Unidos encontra-se em torno de 4% entre as crianças em idade escolar, conforme estimativas. Estatísticas inferiores da incidência e prevalência do Transtorno da Leitura podem ser encontradas em outros países nos quais são usados critérios mais rígidos.

Curso e Evolução do problema. Embora os sintomas de dificuldade de leitura (por exemplos, incapacidade de distinguir entre letras comuns ou de associar fonemas comuns com as letras) possam ocorrer já na pré-escola, o Transtorno da Leitura raramente é diagnosticado antes do final desta ou no início da primeira série, já que a instrução formal da leitura geralmente não se inicia até este ponto na maioria dos contextos escolares. Particularmente quando o Transtorno da Leitura está associado com alto QI, a criança pode funcionar adequadamente ou quase tão bem quanto seus colegas durante os primeiros anos escolares, podendo o Transtorno da Leitura não se manifestar totalmente até a quarta série ou depois dela. Com a identificação e intervenção precoces, o prognóstico é bom em uma percentagem significativa dos casos. O Transtorno da Leitura pode persistir até a idade adulta.

Padrão Familial. O Transtorno da Leitura apresenta agregação familial, tendo maior prevalência entre parentes biológicos em primeiro grau de indivíduos com Transtornos da Aprendizagem.

Diagnóstico Diferencial. Recomendo a releitura do procedimento para compreensão do "Diagnóstico Diferencial" relativa aos Transtornos da Aprendizagem .

Critérios Diagnósticos para F81.0 - 315.00 Transtorno da Leitura. A. O rendimento da leitura, medido por testes padronizados,

administrados

individualmente,

de


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

217

correção

ou

compreensão

da

leitura,

está

acentuadamente abaixo do nível esperado, considerando a idade cronológica, a inteligência medida e a escolaridade apropriada à idade do indivíduo. B.

A

perturbação

no

Critério

A

interfere

significativamente no rendimento escolar ou atividades da vida diária que exigem habilidades de leitura. C. Em presença de um déficit sensorial, as dificuldades de leitura excedem aquelas geralmente a este associadas. Nota para a codificação: Se uma condição médica geral (por exemplo, neurológica) estiver presente, codificá-la no Eixo III. Surge então uma questão do profissional não médico. Se o ato médico é do médico, só ele pode identificar e coodificar. Errado, ao entender um procedimento operacional especificado no CID-10 ou DSM-IV, o educador ou profissional não médico, poderá intervir em programas de reabilitação pedagógica ou psicopedagógica. Pois não haverá intervenção clínica. Não se medica nem prescreve ações privativas do médico. Facilita até o encaminhamento para a confirmação ou negação do laudo sugerido.

(NA CID.10 É F81.2) 315.1 TRANSTORNO DA MATEMÁTICA DSM.IV. A característica essencial do Transtorno da Matemática consiste em uma capacidade para a realização de operações aritméticas (medida por testes padronizados, individualmente administrados, de cálculo e raciocínio matemático) acentuadamente abaixo da esperada para a idade cronológica, a inteligência medida e a escolaridade do indivíduo (Critério A). A perturbação na matemática interfere significativamente no rendimento escolar ou em atividades da vida diária que exigem habilidades matemáticas (Critério B). Em presença de um déficit sensorial, as dificuldades na capacidade matemática excedem aquelas geralmente a este associadas (Critério C). Caso esteja


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

218

presente uma condição neurológica, outra condição médica geral ou déficit sensorial, isto deve ser codificado no Eixo III. Diferentes habilidades podem estar prejudicadas no Transtorno da Matemática, incluindo habilidades "lingüísticas" (por exemplos., compreender ou nomear termos, operações ou conceitos matemáticos e transpor problemas escritos em símbolos matemáticos), habilidades "perceptuais" (por exemplos,. reconhecer ou ler símbolos numéricos ou aritméticos e agrupar objetos em conjuntos), habilidades de "atenção" (por exemplos., copiar corretamente números ou cifras, lembrar de somar os números "levados" e observar sinais de operações) e habilidades "matemáticas" (por exemplos., seguir seqüências de etapas matemáticas, contar objetos e aprender tabuadas de multiplicação).

Características e Transtornos Associados. Rever o texto vinculado a seção "Características e Transtornos Associados" referente aos Transtornos da Aprendizagem. O Transtorno da Matemática em geral é encontrado em combinação com o Transtorno da Leitura ou o Transtorno da Expressão Escrita.

Prevalência. A prevalência do Transtorno da Matemática é difícil de estabelecer, uma vez que muitos estudos se concentram na prevalência dos Transtornos da Aprendizagem, sem o cuidado de separar transtornos específicos da Leitura, Matemática ou Expressão Escrita. A prevalência do Transtorno da Matemática isoladamente (isto é, quando não encontrado em associação com outros Transtornos da Aprendizagem) é estimada como sendo de aproximadamente um em cada cinco casos de Transtorno da Aprendizagem. Estima-se que 1% das crianças em idade escolar têm Transtorno da Matemática.

Curso e Evolução do problema. Embora os sintomas de dificuldade na matemática (por exemplos, confusão para conceitos numéricos ou incapacidade de contar corretamente) possam aparecer já na pré-escola ou primeira série, o Transtorno da Matemática raramente é diagnosticado antes do final da primeira série, uma vez que ainda não ocorreu suficiente instrução formal em matemática até este ponto na maioria dos contextos escolares. O transtorno em geral torna-se visível durante a segunda ou terceira série. Particularmente quando o


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

219

Transtorno da Matemática está associado com alto QI, a criança pode ser capaz de funcionar no mesmo nível ou quase no mesmo nível que seus colegas da mesma série, podendo o Transtorno da Matemática não ser percebido até a quinta série ou depois desta.

Diagnóstico Diferencial. Rever a literatura "Diagnóstico Diferencial" relativa aos Transtornos da Aprendizagem.

Critérios Diagnósticos para F81.2 - 315.1 Transtorno da Matemática . A. A capacidade matemática, medida por testes padronizados,

individualmente

administrados,

está

acentuadamente abaixo do nível esperado, considerando a idade cronológica, a inteligência medida e a escolaridade apropriada à idade do indivíduo. B.

A

perturbação

no

Critério

A

interfere

significativamente no rendimento escolar ou atividades da vida diária que exigem habilidades em matemática. C. Em presença de um déficit sensorial, as dificuldades na capacidade matemática excedem aquelas geralmente a este associadas. Cabe aqui a mesma referência seguinte: Nota para a codificação: Se uma condição médica geral (por exemplo, neurológica) estiver presente, codificá-la no Eixo III. Surge então uma questão do profissional não médico. Se o ato médico é do médico, só ele pode identificar e coodificar. Errado, ao entender um procedimento operacional especificado no CID-10 ou DSM-IV, o educador ou profissional não médico, poderá intervir em programas de reabilitação pedagógica ou psicopedagógica. Pois não haverá


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

220

intervenção clínica. Não se medica nem prescreve ações privativas do médico. Facilita até o encaminhamento para a confirmação ou negação do laudo sugerido.

(NA CID.10 É F81.8)

315.2 TRANSTORNO DA EXPRESSÃO

ESCRITA - DSM.IV A característica diagnóstica essencial do Transtorno da Expressão Escrita consiste de habilidades de escrita (medidas por um teste padronizado individualmente administrado ou avaliação funcional das habilidades de escrita) acentuadamente abaixo do nível esperado, considerando a idade cronológica, a inteligência medida e a escolaridade apropriada à idade do indivíduo (Critério A).

A perturbação na expressão escrita

interfere significativamente no rendimento escolar ou nas atividades da vida diária que exigem habilidades de escrita (Critério B). Em presença de um déficit sensorial, as dificuldades nas habilidades de escrita excedem aquelas geralmente a este associadas (Critério C). Caso esteja presente uma condição neurológica, outra condição médica geral ou déficit sensorial, isto deve ser codificado no Eixo III. Geralmente existe uma combinação de dificuldades na capacidade do indivíduo de compor textos escritos, evidenciada por erros de gramática e pontuação dentro das frases, má organização dos parágrafos, múltiplos erros ortográficos e caligrafia excessivamente ruim. Este diagnóstico em geral não é dado quando existem apenas erros ortográficos ou fraca caligrafia, na ausência de outros prejuízos na expressão escrita. Em comparação com outros Transtornos da Aprendizagem, sabe-se relativamente menos acerca dos Transtorno da Expressão Escrita e sobre seu tratamento, particularmente quando ocorrem na ausência de Transtorno da Leitura. À exceção da ortografia, os testes padronizados nesta área são menos acuradamente desenvolvidos do que os testes de leitura ou capacidade matemática, podendo a avaliação do prejuízo nas habilidades escritas exigir uma comparação entre amostras amplas do trabalho escolar escrito do indivíduo e o desempenho esperado para sua idade e QI. Este é especialmente o caso de crianças pequenas, das séries escolares iniciais. Tarefas nas quais a criança é solicitada a copiar, escrever um ditado e escrever espontaneamente podem ser necessárias para o estabelecimento da presença e extensão deste transtorno.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

221

Características e Transtornos Associados. Rever a literatura "Características e Transtornos Associados" relativa aos Transtornos da Aprendizagem. O Transtorno da Expressão Escrita em geral é encontrado em combinação com Transtorno da Leitura ou Transtorno da Matemática. Existem algumas evidências de que déficits de linguagem e percepto-motores podem acompanhar este transtorno.

Prevalência. A prevalência do Transtorno da Expressão Escrita é difícil de estabelecer, uma vez que muitos estudos se concentram na prevalência dos Transtornos da Aprendizagem em geral, sem ter o cuidado de separar transtornos específicos da leitura, matemática ou expressão escrita. O Transtorno da Expressão Escrita é raro, quando não associado a outros Transtornos da Aprendizagem.

Curso e Evolução do problema. Embora as dificuldades na escrita (por exemplo., caligrafia ou capacidade de copiar particulamente fracas ou incapacidade de recordar seqüências de letras em palavras comuns) possam aparecer já na primeira série escolar, o Transtorno da Expressão Escrita raramente é diagnosticado antes do final da mesma, uma vez que a instrução formal da escrita habitualmente ainda não ocorreu até este ponto na maioria dos contextos escolares. O transtorno em geral é visível na segunda série. O Transtorno da Expressão Escrita ocasionalmente pode ser visto em crianças mais velhas ou em adultos, e pouco se sabe sobre seu prognóstico a longo prazo.

Diagnóstico Diferencial Rever a literatura pertinente a "Diagnóstico Diferencial" relativa aos Transtornos da Aprendizagem.. Um transtorno apenas de ortografia ou caligrafia, na ausência de outras dificuldades da expressão escrita, em geral não se presta a um diagnóstico de Transtorno da Expressão Escrita. Quando a má caligrafia se deve a um prejuízo na coordenação motora, cabe considerar um diagnóstico de Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

222

CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS PARA F81.8 - 315.2 TRANSTORNO DA EXPRESSÃO ESCRITA. A. As habilidades de escrita, medidas por testes padronizados,

individualmente

administrados

(ou

avaliações funcionais das habilidades de escrita), estão acentuadamente abaixo do nível esperado, considerando a idade cronológica, a inteligência medida e a escolaridade apropriada à idade do indivíduo. B.

A

perturbação

no

Critério

A

interfere

significativamente no rendimento escolar ou atividades da vida diária que exigem a composição de textos escritos (por ex., escrever frases gramaticalmente corretas e parágrafos organizados). C. Em presença de um déficit sensorial, as dificuldades nas habilidades de escrita excedem aquelas habitualmente a este associadas. Nota para a codificação: Se uma condição médica geral (por exemplo., neurológica) ou déficit sensorial estiverem presentes, codificar no Eixo III. Cabe aqui a recomendação já amplamente transcrita, e que repito: Surge então uma questão do profissional não médico. Se o ato médico é do médico, só ele pode identificar e coodificar. Errado, ao entender um procedimento operacional especificado no CID-10 ou DSM-IV, o educador ou profissional não médico, poderá intervir em programas de reabilitação pedagógica ou psicopedagógica. Pois não haverá intervenção clínica. Não se medica nem prescreve ações privativas do médico. Facilita até o encaminhamento para a confirmação ou negação do laudo sugerido.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

223

(NA CID.10 É F81.9) - 315.9 TRANSTORNO DA APRENDIZAGEM SEM OUTRA ESPECIFICAÇÃO Esta categoria envolve os transtornos da aprendizagem que não satisfazem os critérios para qualquer Transtorno da Aprendizagem específico, podendo incluir problemas em todas as três áreas (leitura, matemática, expressão escrita) que, juntos, interferem significativamente no rendimento escolar, embora o desempenho nos testes que medem cada habilidade isoladamente não esteja acentuadamente abaixo do nível esperado, considerando a idade cronológica, a inteligência medida e a escolaridade apropriada à idade do indivíduo. Esta categoria envolve os transtornos da aprendizagem que não satisfazem os critérios para qualquer Transtorno da Aprendizagem específico, podendo incluir problemas em todas as três áreas (leitura, matemática, expressão escrita) que, juntos, interferem significativamente no rendimento escolar, embora o desempenho nos testes que medem cada habilidade isoladamente não esteja acentuadamente abaixo do nível esperado, considerando a idade cronológica, a inteligência medida e a escolaridade apropriada à idade do indivíduo. Recomendo promover exercícios práticos de interpretação com seus alunos no AEE, na Educação Especial e nos casos de dúvidas provavéis de existência de conduta que se encaixa nos quadros acima descritos.

ASPECTOS

DA

BAGAGEM

ÉTNICA

OU

CULTURAL

DO

INDIVÍDUO. O ser humano resulta de vários elementos condicionantes, e sua formação como pessoa será influenciada pelas condições sociais, econômicas, políticas e históricas as quais está inserido. As objetividades das relações sociais se impõem sobre as relações humanas, pois o ser humano vive em conseqüência de vários elementos condicionantes, que o levam a ser o que aparenta ser; mas também lhe fazem ser o que é. Isso implica necessariamente em indivíduos diferentes uns dos outros. (CAMPOS, Ricardo Bruno Cunha. Sociedades Complexas: indivíduo, cultura e individualismo. Revista Eletrônica de Ciências Sociais, n. 7, p. 8-22, set. 2004). Dentre as várias instituições onde os indivíduos estão inseridos, a escola é uma das mais importantes e responsáveis pela construção da identidade. É na escola que os indivíduos entram em contato com as diferenças que os constituem como indivíduos únicos. A identidade é construída à medida que os sistemas de significação e representação cultural se ampliam permitindo


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

224

ao indivíduo localizar-se de diferentes formas na sociedade. (NASCIMENTO, Margaret Dias do. OLBZYMEK, Marilda Regiane. Ética na Educação Escolar. Revista de Divulgação Científica do ICPG, v. 3, n.10, jan./jun. 2007)O termo estigma surgiu na Grécia e era utilizado para se referir a sinais corporais que evidenciavam algo mau sobre o status moral de quem os apresentava. Esses sinais serviam para avisar que a pessoa marcada era um escravo um criminoso ou um traidor. Atualmente o termo estigma é utilizado de maneira semelhante ao sentido literal original, e caracteriza o indivíduo que está inabilitado para a aceitação social plena. (GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1988. 158 p)A própria sociedade estabelece os meios de categorizar as pessoas e os atributos considerados comuns para elas. Ao conhecer uma pessoa, os primeiros aspectos permitem observados permitem prever a sua "identidade social". Com isso, muitas vezes lhes são imputadas características que nem sempre são reais. Muitas vezes podem surgir evidências de que a outra pessoa possui um atributo que o torna diferente dos outros. Esse indivíduo pode deixar de ser considerado em sua plenitude e pode ser reduzido, até mesmo, a uma pessoa inferior. Tal característica é um estigma, principalmente quando seu efeito de descrédito é grande, muitas vezes considerado até como um defeito. (GOFFMAN, 1988). O processo de estabelecimento das relações humanas provoca problemas práticos entre os indivíduos. Entretanto, as decisões e as ações a serem tomadas baseiam-se na em escolhas que extrapolam a própria vontade individual e afetam aqueles que sofrerão as conseqüências desta ação. Diante desses problemas práticos do cotidiano, os indivíduos terão uma forma de se comportar e que pode se caracterizada pelo conceito de moral. Existem ainda, juízos que aprovam ou desaprovam moralmente estes mesmos comportamentos ou atos. Assim, pode-se afirmar que a moral regula os valores considerados genuínos por uma determinada sociedade, cultura e época, não sendo, portanto, universalista. O que pode ser moralmente aceitável para um indivíduo, pode não ser para o outro. (VAZQUEZ, Adolfo Sánchez. Ética. (Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996) A regulação individual ou grupal não satisfaz a necessidade de referência a princípios básicos extensíveis a toda a humanidade, justamente por não ser universal não se aplica a todos os povos, nem fornece a compreensão racional do real e efetivo comportamento humano. Estas exigências são alcançadas somente pelas condutas éticas, e esta não basta apenas como teoria, é preciso que cada indivíduo incorpore princípios éticos e os


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

225

utilizem na prática da vida cotidiana. (NALINI, José Renato. Ética geral e profissional. (São Paulo: Editora da Revista dos Tribunais, 1997). Com base nas discussões realizadas através da literatura analisada pode-se constatar que os processos de discriminação e estigmatização são inerentes ao ambiente educacional típico de uma sociedade competitiva e produtivista. A escola está inserida em um modelo de sociedade multicultural que não respeita as diferenças. Os indivíduos com características vulneráveis não conseguem escapar do estigma a eles imposto, bem como da discriminação que sofrem. A própria sociedade estabelece modelos padronizados de indivíduos e busca estabelecer quais são os atributos considerados “normais” conforme o padrão sócio-histórico cultural vigente. Cria-se um modelo social do indivíduo que nem sempre corresponde à realidade. Alguém que pertença a uma categoria com atributos diferentes ou incomuns, é pouco aceito pelo grupo social e até mesmo discriminado. O indivíduo em condição de vulnerabilidade pode não ser considerado em sua totalidade e sua capacidade de ação e de transformação, tornando-se assim ameaçado e podendo até mesmo, limitar o desenvolvimento de suas potencialidades. A escola pode tanto reforçar como combater estes processos, de forma que nas próprias situações de conflitos, gerados pelo estigma e pela discriminação, busque resolvê-los respaldando-se em valores éticos. O indivíduo, independente de qualquer característica que venha a ser enquadrado, merece que sua dignidade seja respeitada. Deste modo, o educador tem papel fundamental, sendo o principal mediador durante os conflitos entre aqueles considerados “normais” e os “estigmatizados”. Por isso, a conduta ética deve balizar as ações cotidianas e ser o cerne de sua prática profissional, pois caso não adote esta perspectiva de atuação, ao invés de contribuir para a quebra de barreiras e preconceitos, estará reforçando atitudes que diminuem a dignidade humana e atrasam o desenvolvimento social.

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL. A importância dessa seção, se justifica, pois no texto acima se fez muita menção ao termo diagnóstico diferencial. Em medicina, diagnóstico diferencial é um método sistemático usado para identificar doenças. É feito, essencialmente, por processo de eliminação. Nem todo diagnóstico médico é diferencial. O diagnóstico diferencial pode ser definido como uma hipótese formulada pelo médico - tendo como base a sintomatologia (sinais e sintomas) apresentada pelo paciente durante o exame clínico -


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

226

segundo a qual ele restringe o seu diagnóstico a um grupo de possibilidades que, dadas as suas semelhanças com o quadro clínico em questão, não podem deixar de ser elencadas como provável. A partir do diagnóstico diferencial, o médico pode selecionar testes terapêuticos, ou ainda, exames complementares específicos a fim de se obter um diagnóstico final ou de certeza. Na prática médica existem requisitos para a emissão de um diagnóstico diferencial. Existe uma série de fatores necessários prévios à emissão de um diagnóstico diferencial. Em primeiro lugar, o processo não é unilateral, então requer sensibilidade e responsabilidade de ambas as partes: profissional e paciente. O médico deve ter grande técnica clínica, a qual é formada pelo conjunto de experiência médica e capacidade cognitiva. Para que as hipóteses sejam válidas, estas devem ter consistência lógica e fundamentação científica, além de haver a possibilidade de serem diferenciadas experimentalmente. No processo de geração e refutação de hipóteses, persiste a que, sob avaliação crítica, se considera a mais possível. Esta ação é a característica fundamental do diagnóstico diferencial e acontece durante todo o ato médico

ORTOGRAFIA. Observamos na literatura que NA CID.10 É F81.8 - 315.2 TRANSTORNO DA EXPRESSÃO ESCRITA - DSM.IV, a característica diagnóstica essencial do Transtorno da Expressão Escrita consiste de habilidades de escrita acentuadamente abaixo do nível esperado, considerando a idade cronológica, a inteligência medida e a escolaridade apropriada à idade do indivíduo. Esse é o primeiro critério; a perturbação na expressão escrita interfere significativamente no rendimento escolar ou nas atividades da vida diária que exigem habilidades de escrita. Segundo critério. Pode ser que o individuo com DEFICIÊNCIA INTELECTUAL tenha dificuldade de entender e compor textos escritos por falta de formação, didática adequada do seu professor. Então no INESPEC vamos implantar no ano de 2013, uma pesquisa no AEE direcionada a inclusão de um quesito: BASE CURRICULAR DA FORMAÇÃO DO ALUNO ATENDIDO NO AEE; SEGUNDO CRITÉRIO: CAPACIDADE DO ALUNO ENTENDER CRITÉRIOS GRAMATICAIS A PARTIR DO PLANO DE CURSO DA LÍNGUA PORTUGUESA DA SUA ESCOLA DE ORIGEM. Pespectiva ai é encontrar a negação desse quadro. Pois sendo deformação na base do processo ensino aprendizagem, este diagnóstico em geral não é dado, pois nessa situação os erro gramaticais existentes, como: erros ortográficos ou fraca caligrafia, na ausência de outros prejuízos na expressão escrita, pode ser


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

227

DEFICIÊNCIA NA PROGRAMAÇÃO ESCOLAR VISTA SOB O PRISMA SUBJETIVO DO ALUNO EM EXAME. Ao Psicopedagogo é bom ficar atento. A ortografia atual do português brasileiro é bastante fonética do que etimológica, assim, pois em comparação com outros Transtornos da Aprendizagem, sabe-se relativamente menos acerca dos Transtorno da Expressão Escrita e sobre seu tratamento, particularmente quando ocorrem na ausência de Transtorno da Leitura. À exceção da ortografia, os testes padronizados nesta área são menos acuradamente desenvolvidos do que os testes de leitura ou capacidade matemática, podendo a avaliação do prejuízo nas habilidades escritas exigir uma comparação entre amostras amplas do trabalho escolar escrito do indivíduo e o desempenho esperado para sua idade e QI.

Este é

especialmente o caso de crianças pequenas, das séries escolares iniciais. Tarefas nas quais a criança é solicitada a copiar, escrever um ditado e escrever espontaneamente podem ser necessárias para o estabelecimento da presença e extensão deste transtorno. Porém é necessário para conhecer na prática as hipoteses apresentadas, sabermos as definições exatas do que é... Ortografia. Essa deriva das palavras gregas ortho (ορθο no alfabeto grego) que significa "correto" e graphos (γραφος) que significa "escrita". A ortografia é a parte da gramática normativa que ensina a escrever corretamente as palavras de uma língua definindo, nomeadamente, o conjunto de símbolos (letras e sinais diacríticos), a forma como devem ser usados, a pontuação, o uso de maiúsculas, etc. Apesar de oficialmente sancionada, a ortografia não é mais do que uma tentativa de transcrever os sons de uma determinada língua em símbolos escritos. Esta transcrição é sempre por aproximação e raramente é perfeita e isenta de incoerências. Um dos sistemas ortográficos mais complexos é o da língua japonesa que usa uma combinação de várias centenas de caracteres ideográficos kanji, de origem chinesa, dois silabários, katakana e hiragana, e ainda o alfabeto latino, a que dão o nome romaji. Todas as palavras em japonês podem ser escritas em katakana, hiragana ou romaji. E a maioria delas também pode identificada por caracteres kanji. A escolha de um tipo de escrita depende de vários fatores, nomeadamente o uso mais habitual, a facilidade de leitura ou até as opções estilísticas de quem escreve. Analisando as línguas europeias podem identificar-se duas ortografias diferentes: Ortografia fonética, em que a cada som corresponda uma letra ou grupo de letras únicos e a cada letra ou grupo de letras um som único, e, ainda, em que seja sempre assinalada a sílaba tónica. Ortografia etimológica, em que a um mesmo som podem corresponder diversas letras e a cada letra


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

228

ou grupo de letras diversos sons, dependendo da história, da gramática e dos usos tradicionais. Tirando o caso do Alfabeto Fonético Internacional -- que consegue fazer a transcrição para caracteres alfabéticos de todos os sons -- não há sistemas ortográficos pura e exclusivamente fonéticos. No entanto, podemos dizer que são eminentemente fonéticas as ortografias das línguas búlgara, finlandesa, italiana, russa, turca, alemã e, até certo ponto, a da língua espanhola. No caso particular do espanhol, podemos admitir que se trata de uma ortografia fonética em relação ao espanhol padrão falado em Espanha, mas não tanto em relação aos falares americanos, nomeadamente os da Argentina e de Cuba, nos quais os princípios de a cada som corresponder uma letra ou grupo de letras nem sempre se verifica. A ortografia atual do português é, também, bastante mais fonética do que etimológica. No entanto, antes da Reforma Ortográfica de 1911 em Portugal, a escrita oficialmente usada era marcadamente etimológica. Escrevia-se, por exemplo, pharmacia, lyrio, orthographia, phleugma, diccionario, caravella, estylo e prompto em vez dos actuais farmácia, lírio, ortografia, fleuma, dicionário, caravela, estilo e pronto. A ortografia tradicional etimológica perdurou no Brasil até à década de 1930. Um exemplo típico de ortografia etimológica é a escrita do inglês. Em inglês um grupo de letras (por exemplo: ough) pode ter mais de quatro sons diferentes, dependendo da palavra onde está inserido. É também a etimologia que rege a escrita da grande maioria das palavras no francês, onde um mesmo som pode ter até nove formas de escrita diferentes, caso das palavras homófonas au, aux, haut, hauts, os, aulx, oh, eau, eaux.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

229

Tabela completa do alfabeto fonético internacional (em inglês).RECOMENDO O LABORATÓRIO Aux Rendez-vous d’Anatole http://etablissements.ac-amiens.fr/0601178e/quadriphonie/spip.php?article727

CALIGRAFIA. Seguindo o mesmo racíocinio anterior, é necessário para conhecer na prática as hipoteses apresentadas, sabermos as definições exatas do que é... Caligrafia (grego κάλλος kalli "beleza" + γραφή graphẽ "escrita") é um tipo de arte visual. É muitas vezes chamada de a "arte da escrita bela". Uma definição contemporânea da prática caligráfica é "a arte de dar forma aos sinais de uma maneira expressiva, harmoniosa e habilidosa". A história da escrita é uma evolução estética enquadrada dentro das competências técnicas, velocidade de transmissão(ões) e as limitações materiais das diferentes pessoas, épocas e lugares. Um estilo de escrita é definido como sistema de escrita, caligrafia ou alfabeto. A caligrafia moderna varia de inscrições funcionais até criações utilitárias para magníficas obras de arte, onde a expressão abstrata pode tornar-se mais importante do que a legibilidade das letras. A caligrafia clássica difere da tipografia e da escrita manual não clássica, apesar de um calígrafo ser capaz de criar todos estes; os caracteres são historicamente disciplinados e ainda fluíam espontaneamente, no momento da escrita. A caligrafia ainda costuma ser utilizada principalmente em convites de casamento e eventos importantes, no design de fontes, de logótipos, na arte sacra, no design gráfico, nos anúncios, em inscrições em pedra e em documentos memoriais. A caligrafia é também utilizada em propriedade teatral, em imagens em movimento para cinema e televisão, em certidões de nascimento e de óbito, em mapas e em outros trabalhos envolvendo a escrita. Alguns dos melhores trabalhos da caligrafia moderna são os utilizados em cartas régias e em cartas-patentes emitidas por monarcas e oficiais de estado em vários países. Reconhecer sinais, simbolos é um procedimento que requer desenvolvimento cognitivo. A exemplo do que foi comentado anteriormente, para chegarmos a um conceito sobre DEFICIÊNCIA INTELECTUAL, ligado a negação cognitiva, surgem auto-questionamento: O que é desenvolvimento cognitivo? O desenvolvimento cognitivo nada mais é do que um desenvolvimento no conhecimento, todos os dias temos


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

230

um tipo de conhecimento e com isso passamos cada vez mais aprofundar nesse conhecimento, tendo então um desenvolvimento cognitivo. O desenvolvimento cognitivo é

bastante complexo, devido o fato de que sempre

estamos colocando esse conhecimento em prática e desenvolvendo a parte do intelecto subjetivo ou seja, de cada pessoa.

Para que serve o desenvolvimento cognitivo? O desenvolvimento cognitivo é fundamental para que possamos ter um desenvolvimento mental, intelectual, colocando em prática o nosso o conhecimento que adquirimos numa prova de raciocínio e assim estaremos desenvolvendo várias partes cognitivas como o intelecto esta relacionado com a inteligência, entendimento, raciocínio, reflexão e o intelectual.

Quem é beneficiado com o desenvolvimento cognitivo? Todas

as

pessoas

são

beneficiadas

com

o

desenvolvimento cognitivo, com a cognição colocamos em prática tudo aquilo que aprendemos, O fato de estarmos adquirindo conhecimento e que está desenvolvendo o raciocínio, a reflexão, o entendimento e outros, contribuem grandemente para todos. O desenvolvimento cognitivo beneficia os bebês, as crianças, os adolescentes, os jovens, adultos e idosos.

O que é desenvolvimento e cognitivo? DESENVOLVIMENTO: Desenvolvimento é tudo aquilo que desenvolve que está sendo aperfeiçoado, mudado.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

231

COGNITIVO:

Faz parte de cognição que significa

adquiri um conhecimento, já a cognitiva faz tudo isso na parte do intelecto que está relacionado com cinco fatores sendo a inteligência, o entendimento, o raciocínio, a reflexão e o intelectual. O desenvolvimento cognitivo de uma criança faz parte da psicologia cognitiva que estuda o intelectual de cada infantil (criança), assim, sendo, podemos compreender que tem um pensamento diferente em relação à outra, seja a imaginação, o afeto, a criatividade e muitos outros. O intelecto é baseado naquilo que a mesma sonha, podendo ser reflexo da realidade. Existem vários autores que falam sobre o intelecto de crianças e o desenvolvimento cognitivo destas. Porém poucos educadores observam o que estudaram na “psicologia da aprendizagem” que esses “baixinhos” podem ter seu desenvolvimento afetado, quando se sente humilhada, triste e solitário, se escondendo do mundo e fechando seu intelectual para as outras coisas, vendo apenas o lado ruim. Nessa fase ela tem o intelecto diferente, ela aprende de forma diferente, tem uma linha de raciocínio diferente, muda de opinião diversas vezes e tem um entendimento mais avançado, isso, porém ocorre quando se sente amada, vimos muitas crianças sofrendo bullying e vemos também as conseqüências desses atos, porém o desenvolvimento cognitivo de uma criança é afetado quando ocorre esse ato. O desenvolvimento cognitivo nessa fase está relacionado com a reflexão, raciocínio, entendimento e inteligência, na escola ela está a todo o momento desenvolvendo todas essas áreas do seu intelecto. A pedagogia tem como função o ensino educacional com as crianças de forma mais dinâmica, mas diferenciada, para que assim possa trabalhar todos os ares do intelecto de uma criança. O desenvolvimento cognitivo de uma criança é fundamental, pois ela adquire um conhecimento, proporcionando mais entendimento, mais raciocínio, inteligência e reflexão, seja da idade que for uma criança pode sim aprender e desenvolver seu intelecto através de aulas mais dinâmicas, pois não são sentadas as aulas todas, copiando que irão aprender, mas brincando, lendo, se relacionando com outras crianças, cantando, dançando, correndo, etc.- EDUCADORES RELITAM. SER PROFESSOR É INSTIGAR MENTES E ALMA, MENTES PARA O MUNDO, ALMA PARA A REFLEXÃO DO REENCANAR.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

232

TRANSTORNO DO DESENVOLVIMENTO DA COORDENAÇÃO. Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação (TDC)

Algumas crianças parecem ser mais desajeitadas ou estabanadas que as outras. Elas ficam tristes por não conseguir acompanhar os colegas nas brincadeiras motoras e, muitas vezes, são alvo de comentários de professores e colegas, devido à letra feia, cadernos bagunçados, o cabelo mal penteado e as roupas em desalinho. Essas crianças, às vezes, se envolvem em situações embaraçosas, como tropeçar e cair no meio da apresentação de teatro da turma, não conseguir agarrar uma bola chutada pelos colegas, escorregar na carteira e cair no chão e acabam ganhando nomes ou apelidos, que sinalizam sua condição e as excluem de certas atividades ou grupos sociais. Um exemplo é aquela criança mais quieta, que nunca é chamada para brincar com os colegas no recreio ou, ainda, ela é a última a ser convidada para entrar no jogo de bola. Muitas pessoas, inclusive pais e professores, acham que a criança é apenas preguiçosa, insegura ou desinteressada, mas deve-se observar com mais cautela, pois muitas dessas crianças apresentam o que é chamado de Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação ou TDC. O diagnóstico de TDC é dado pelo médico quando observa atraso no desenvolvimento das habilidades motoras, grossas e finas, que resultam em dificuldades no desempenho das atividades escolares e de vida diária. Geralmente são crianças inteligentes, mas que não conseguem desempenhar tarefas motoras com a mesma rapidez e eficiência que os colegas de mesma idade. Como indicado nos


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

233

exemplos acima, o TDC não á apenas um problema motor, pois a criança que é desajeitada tem dificuldade em socializar com os colegas e, devido às situações freqüentes de frustração, acaba por ter baixa auto-estima e outras questões comportamentais. O TDC, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que este transtorno afeta 5% a 6% das crianças em idade escolar, tendendo a ocorrer com maior freqüência em meninos – proporção de 4 ou 5 meninos para cada menina. A literatura sobre o TDC é vasta, sendo evidente que essa é uma condição que persiste até a idade adulta, tendo impacto tanto na vida da criança, como nos outros membros da família. Os primeiros sinais do transtorno surgem cedo na infância. Alguns pais mais experientes, logo começam a notar que alguma coisa é diferente, pois o bebê é mais lento e demora mais a sentar, andar e manusear objetos com destreza. Com o aumento na mobilidade, algumas crianças tendem a serem mais passivas, evitando desafios e atividades motoras novas, outras são mais impulsivas, destruindo brinquedos na tentativa de descobrir como funcionam. À medida que a criança cresce, começam a aparecer dificuldades ou lentidão para desempenhar atividades de auto-cuidado como usar fechos, botões e amarrar sapatos, e para usar utensílios, como talheres e tesoura. Não é que a criança não consiga fazer as tarefas, mas se observa esforço aumentado, frustração e cansaço, sendo que, com o tempo, a criança acaba evitando as atividades mais desafiantes. Atividades que requerem boa coordenação olho-mão, equilíbrio e planejamento motor, como arremessar, agarrar e chutar bolas, também se constitui em desafio para crianças com TDC. Embora muitas dessas dificuldades possam passar despercebidas, ou serem interpretadas como variações do normal (exemplo: eu também era desajeitado quando criança; o fulano também era assim e hoje é um grande atleta), com a entrada na escola e aumento de demanda por escrita rápida e legível, o problema é detectado pela professora, o que acaba levando ao diagnóstico. É importante observar que a criança pode apresentar apenas TDC ou o TDC associado ao distúrbio de aprendizagem, problemas de linguagem ou ao transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). A fim de minimizar os problemas no dia-a-dia das crianças, pais e professores podem auxiliá-las, modificando o ambiente e adaptando as tarefas, para permitir o sucesso e aumentar o senso de competência. A melhor forma de ajudar a criança é entender o que é o TDC. Só compreendendo a situação individual da criança podemos pensar em estratégias para ajudá-la a dominar os problemas que enfrenta no dia-a-dia.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

234

Algumas das características da criança com TDC: 1. DESAJEITADA OU INCOORDENADA EM SEUS MOVIMENTOS.

TROMBA

EM

OBSTÁCULOS,

DERRAMA OU DERRUBA COISAS COM MAIS FREQÜÊNCIA QUE CRIANÇAS DE MESMA IDADE; 2. APRESENTA ATRASO NO DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES MOTORAS GROSSAS E FINAS; DEMORA

MAIS

PARA

APRENDER

NOVAS

HABILIDADES MOTORAS; 3. TEM DIFICULDADE PARA FAZER ATIVIDADES QUE REQUEREM O USO COORDENADO DOS DOIS LADOS DO CORPO (EX.: RECORTAR COM TESOURA,

ESCREVER,

CORTAR

ALIMENTO

USANDO GARFO E FACA, AGARRAR BOLA E ANDAR DE BICICLETA); 4. PODE APRESENTAR PROBLEMAS EMOCIONAIS SECUNDÁRIOS, COMO BAIXA TOLERÂNCIA À FRUSTRAÇÃO,

AUTO-ESTIMA

DIMINUÍDA

E

POUCA MOTIVAÇÃO PARA FAZER ATIVIDADES ESPORTIVAS;

TEM

DIFICULDADES

PARA

ORGANIZAR SUA CARTEIRA/MESA, ARMÁRIO, MOCHILA,

CADERNOS,

OU

MESMO

OS

BRINQUEDOS; 5. MAIS LENTA NAS ATIVIDADES ESCOLARES QUE EXIGEM DESEMPENHO MOTOR, COMO COPIAR DO QUADRO, USAR RÉGUA, FAZER O DEVER DE CASA;


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

235

6. ESTÃO

MAIS

PROBLEMAS COMPETÊNCIA PARTICIPAR ATIVIDADES

PROPENSAS

A

APRESENTAR

ACADÊMICOS, SOCIAL

TENDEM

VOLUNTARIAMENTE MOTORAS

E

TÊM

POUCA A

NÃO DE MENOS

OPORTUNIDADES PARA FAZER EXERCÍCIOS E MANTER BOA FORMA FÍSICA.

Dentre os profissionais envolvidos na atenção à criança que apresenta atraso motor, destaca-se o Terapeuta Ocupacional. Partindo da análise minuciosa das tarefas exigidas no contexto escolar e familiar, o terapeuta ocupacional pode sugerir estratégias para adaptar o ambiente e as tarefas, reduzindo, assim, a demanda motora o que vai melhorar o desempenho da criança. O terapeuta pode também recomendar atividades e brincadeiras, com desafio na medida certa, para estimular o desenvolvimento das habilidades motoras finas e grossas. O trabalho do terapeuta inclui a educação de pais, professores e demais profissionais da saúde sobre o que é o TDC e quais as melhores estratégias para facilitar o dia-a-dia da criança. Modificação do ambiente, adaptação de tarefas e o uso de estratégias cognitivas, são apenas alguns exemplos do que pode ser feito para melhorar o desempenho, a auto-estima e a qualidade de vida de crianças com transtorno do desenvolvimento da coordenação.

Alerta aos Educadores Especiais. No processo referente ao conhecimento e tratamento do Transtorno do desenvolvimento da coordenação, existem literaturas e instrumentos de avaliação? Diversos pesquisadores estão desenvolvendo estudos párea mapear os artigos publicados sobre as avaliações e escalas utilizadas para o diagnóstico de Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação (TDC). Existem respeitáveis bancos de dados disponíveis, a partir do da base de dados PubMed, com fins de analisar descritivamente aspectos específicos dos textos: ano de publicação da pesquisa, local, suporte de


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

236

publicação e forma de coletar os dados; e verificar os tipos de avaliação e escalas utilizadas para o diagnóstico de crianças com TDC. É interessante notar que

as

pesquisas em curso tem como base de dados descritores em língua inglesa e portuguesa: Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação, avaliação, instrumentos, diagnóstico, escala, combinando dois termos. Os resultados indicaram aumento crescente das pesquisas a partir de 2004. Apesar do aumento das pesquisas sobre TDC, ainda são escassos os artigos publicados no Brasil. Quanto aos instrumentos de avaliação encontrados nos artigos científicos, há uma recomendação sobre a associação de instrumentos de avaliação motora e entrevista ou questionários que investiguem o comportamento motor das crianças com pais e professores para melhor definição do diagnóstico de TDC. Os movimentos desajeitados em crianças é uma desordem que agora vem despertando interesse considerável na literatura. Esta síndrome é conhecida como Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação (TDC). Crianças com TDC possuem dificuldades em realizar atividade de automanutenção, como se vestir, higiene pessoal e alimentação, quando comparadas a crianças de mesma faixa etária. Na área educacional, a disgrafia é relatada como a área de dificuldade mais prevalente. A desordem

motora

é

descrita

como

sendo

um

sério

comprometimento

no

desenvolvimento da coordenação motora, que não é explicável unicamente em termos de retardo intelectual, global ou qualquer desordem neurológica congênita ou adquirida específica (a não ser aquela que possa estar implícita na anormalidade da coordenação). É usual que a inabilidade motora esteja associada a algum grau de desempenho comprometido em tarefas cognitivas visos espaciais. O diagnóstico do TDC pode ser realizado de acordo com critérios de Manual de Diagnóstico e Estatístico de Doenças Mentais (DSM-IV) e as manifestações variam de acordo com a idade e o estágio do desenvolvimento. A prevalência estimada na população infantil entre 5 e 11 anos de idade é de 6%1, porém estes valores podem variar de acordo com os critérios utilizados e a população avaliada. Para a realização do diagnóstico, deve-se levar em consideração a presença das seguintes características: um prejuízo acentuado no desenvolvimento da coordenação motora (Critério A); a interferência significativa deste prejuízo no rendimento escolar ou em atividades da vida diária (Critério B); se as dificuldades de coordenação não ocorrem devido a uma condição médica geral (por exemplo, paralisia cerebral, hemiplegia ou atrofia muscular) ou devido à presença de Transtorno Invasivo do Desenvolvimento (Critério C), e se, na presença de retardo mental, as dificuldades


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

237

motoras excedem aquelas habitualmente associadas ao transtorno (Critério D) Crianças que apresentam TDC, porém que não são identificadas como tal rapidamente, passam por experiências de fracasso e frustração em sua vida diária e acadêmica. São muitas vezes rotuladas como preguiçosas, descoordenadas, desmotivadas, desajeitadas, etc. Podem desenvolver complicações secundárias, como dificuldades de aprendizagem, bem como problemas sociais, emocionais e comportamentais. A avaliação mais utilizada para avaliar crianças com desordem motora, conforme descrito na literatura, é o Moviment Assessment Battery for Children (MABC). Porém, esta mesma literatura aponta a necessidade de serem desenvolvidos novos testes ou avaliações que especifiquem melhor o controle e o desenvolvimento motor. No Brasil, ainda são escassos os estudos com o TDC. Os artigos científicos existentes na literatura enfocam a avaliação de crianças em idade escolar e de crianças com dificuldades de aprendizagem, dislexia e Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Além disso, a presença de comorbidades associadas ao TDC é relatada na literatura, como o TDAH e dislexia, por isso há a necessidade do uso de instrumentos de avaliação em escolares que permitam identificar as habilidades e dificuldades motoras finas e globais, uma vez que o diagnóstico correto é a base da intervenção adequada. Importante refeltir que a partir dos resultados encontrados em diversas bibliografias que definem estudos sobre TDC, pode-se deferir o entendimento de que as publicações internacionais sobre o TDC vêm aumentando nos últimos anos, progressivamente, entretanto o número de publicações brasileiras ainda é inferior ao de outros países. Após a realização do mapeamento dos artigos, conclui-se que as publicações na área em relação ao tema vêm crescendo gradativamente, pois os pesquisadores buscam analisar e validar instrumentos de avaliações mais adequados para diagnosticar os problemas motores das crianças, porém poucos artigos encontrados tiveram como objetivo principal descrever os critérios diagnósticos do TDC. Quanto aos instrumentos de avaliação encontrados nos artigos científicos, há uma recomendação sobre a associação entre procedimentos de avaliação motora e entrevista ou questionários que investiguem o comportamento motor das crianças com pais e professores para melhor definição do diagnóstico de TDC. Como o TDC interfere nas atividades diárias e escolares, os profissionais da área da educação e da saúde devem estar preparados para investigar e tratar as alterações de coordenação motora fina e global para, dessa forma, minimizar o impacto do TDC na qualidade de vida social e escolar das crianças. Tratarei em capítulo especifico sobre a


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

238

idéia da ESTIMULAÇÃO PRECOCE e ESTIMULAÇÃO TARDIA, dentro de uma dialética que possa trazer ao educador especial uma noção ampla para reflexão de condutas.

Transtornos da Aprendizagem Vivemos em busca do perfeito. Não sabemos lidar com o diferente. Tudo está em torno do comum. Somos tomados por um senso comum e por nossos saberes cotidianos e deixamos de buscar um conhecimento científico. Marilena Chauí nos alerta que uma das características do senso comum e dos saberes cotidianos é por serem subjetivos, generalizadores, nossas certezas cotidianas e o senso comum de nossa sociedade ou do nosso grupo social, cristalizam-se em preconceitos com a qual passamos a interpretar toda a realidade que nos cerca e todos os acontecimentos. Temos que formar melhor nosso professores, o meio educacional está em profunda mudança tanto no ponto de vista de conceitos e valores, como da prática. Apesar de tantas mudanças, o professor ainda resiste em mudar as práticas pedagógicas justificando essa resistência com argumentos do senso comum.

Hoje trabalhamos com uma nova realidade, que é

Educação Inclusiva, que tem gerado muitas dúvidas em seu processo de implementação. Como diz Carl Rogers: “Os educadores precisam compreender que ajudar as pessoas a se tornarem pessoas é muito mais importante do que ajudá-las a tornarem-se matemáticos, poliglotas ou coisa que o valha. Sendo assim percebemos a imensa responsabilidade do educador para com o educando, ainda mais quando este tem necessidades educacionais especiais. Nós educadores temos uma responsabilidade social, cabendo a nós orientar, direcionar e formar cidadãos capacitados para lidar com as dificuldades presentes no cotidiano. Não devemos temer o novo, temos que buscar subsídios dentro do conhecimento científico para encontrar soluções cabíveis dentro das problemáticas educacionais. Temos que juntar teoria e prática, como diz David Rodrigues (Doutor em Ciências da motricidade humana na área de educação especial e reabilitação (UTL/FMH - professor da universidade Técnica de Lisboa, coordenador do Fórum de estudos de educação inclusiva) deve-se proporcionar ao professor um conjunto de experiências que só lhe revelem novas perspectivas sobre o conhecimento, mas que também impliquem em situações empíricas que lhe permitam aplicar estes conhecimentos num contexto real. Vivemos na era da inclusão, segundo Mantoam “Inclusão é a nossa capacidade de entender e reconhecer o outro e, assim, ter o


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

239

privilégio de conviver e compartilhar com pessoas diferentes de nós.” (MANTOAM, M.T.E. Pensando e fazendo educação de qualidade. São Paulo, Editora Moderna, 20010) Trabalhar com o DEFICIENTE INTELECTUAL nos coloca diante de uma responsabilidade moral: “DAR UM POUCO DE NÓS, PARA AQUELE QUE A PROVIDENCIA DIVINA LHE CARENCIOU”, (grifo nosso) é acima de tudo aprender constantemente, é ver o mundo de forma diferente.

QUESTÃO: Então. Doença Mental, Transtorno Mental ou Deficiência Intelectual? Os termos transtorno, distúrbio e doença combinam-se aos termos mental, psíquico e psiquiátrico para descrever qualquer anormalidade, sofrimento ou comprometimento de ordem psicológica e/ou mental. Os transtornos mentais são um campo de investigação interdisciplinar que envolves áreas como a psicologia, a filosofia, a psiquiatria e a neurologia. As classificações diagnósticas mais utilizadas como referências no serviço de saúde e na pesquisa hoje em dia são o Manual Diagnóstico e Estatístico de Desordens Mentais - DSM IV, e a Classificação Internacional de Doenças - CID-10. Em psiquiatria e em psicologia prefere-se falar em transtornos ou perturbações ou disfunções ou distúrbios (ing. disturbs, alem. Störungen) psíquicos e não em doença; isso porque apenas poucos quadros clínicos mentais apresentam todas as características de uma doença no sentido tradicional do termo - isto é, o conhecimento exato dos mecanismos envolvidos e suas causas explícitas. O conceito de transtorno, ao contrário, implica um comportamento diferente, desviante, "anormal". No Brasil, a Câmara Federal aprovou em 17.03.09, em caráter conclusivo, o Projeto de Lei 6013/01, do deputado Jutahy Junior (PSDB-BA), que conceitua transtorno mental, padroniza a denominação de enfermidade psíquica em geral e assegura aos portadores desta patologia o direito a um diagnóstico conclusivo, conforme classificação internacional. O projeto determina que transtorno mental é o termo adequado para designar o gênero enfermidade mental, e substitui termos como "alienação mental" e outros equivalentes. José Luís Pio Abreu, no seu livro provocador Como tornar-se doente mental, alerta para toda a problemática da doença mental em que certos problemas seriam melhor resolvidos com psicólogos, advogados ou polícias.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

240

Situação da Norma – Projeto da Lei de Direitos dos portadores de Patologia Mental. Definição. Localidade: Brasil

Autoridade: Câmara dos Deputados

Título: PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 00106, de 2009

Data: 21/12/2001

Ementa: Acrescenta dispositivos à Lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001, que dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental (define "tratamento mental" como enfermidade psíquica em geral).

Nome: Uniformeurn: Lex: br: camara. deputados:projeto.lei;pl:200112-21;6013

Nome: Uniformeurn: Lex: br: senado. federal:projeto.lei;plc:2009-0604;106

Mais detalhes Câmara dos Deputados (text/html) Câmara dos Deputados

[http://www.camara.gov.br/sileg/Prop_Detalhe.asp? id=42755]

Mais detalhes Senado Federal (text/html)

PL 6013/2001 INTEIRO TEOR PROJETO DE LEI SITUAÇÃO: AGUARDANDO RETORNO NA MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS (MESA)


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

241 IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSIÇÃO AUTOR JUTAHY JUNIOR - PSDB/BA APRESENTAÇÃO 21/12/2001 EMENTA ACRESCENTA DISPOSITIVOS À LEI Nº 10.216, DE 06 DE ABRIL DE 2001, QUE DISPÕE SOBRE A PROTEÇÃO E OS DIREITOS DAS PESSOAS PORTADORAS DE TRANSTORNOS MENTAIS E REDIRECIONA O MODELO ASSISTENCIAL EM SAÚDE MENTAL. EXPLICAÇÃO DA EMENTA CONCEITUA "TRANSTORNO MENTAL" COMO ENFERMIDADE PSÍQUICA EM GERAL; SUBSTITUI A EXPRESSÃO "ALIENAÇAÕ MENTAL" E QUAISQUER OUTRAS DESIGNAÇÕES; GARANTE O DIREITO DA PESSOA PORTADORA DE TRANSTORNO MENTAL, QUANDO SUBMETIDA À PERÍCIA MÉDICA, SER EXAMINADA, POR JUNTA COM MAIORIA DE PSIQUIATRAS. INDEXAÇÃO INFORMAÇÕES DE TRAMITAÇÃO FORMA DE APRECIAÇÃO PROPOSIÇÃO SUJEITA À APRECIAÇÃO CONCLUSIVA PELAS COMISSÕES - ART. 24 II REGIME DE TRAMITAÇÃO ORDINÁRIA DESPACHO ATUAL: DATA

DESPACHO

11/03/2002 DESPACHO À CSSF E CCJR (ARTIGO 54 DO RI) - ARTIGO 24, II. ÚLTIMA AÇÃO LEGISLATIVA DATA

AÇÃO

19/05/2009

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA (CCJC) APROVADA A REDAÇÃO FINAL POR UNANIMIDADE.

02/06/2009

MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS (MESA) REMESSA AO SENADO FEDERAL POR MEIO DO OFÍCIO Nº 570/09/PS-GSE.

ÁRVORE DE APENSADOS E OUTROS DOCUMENTOS DA MATÉRIA DOCUMENTOS ANEXOS E REFERENCIADOS • • • • •

AVULSOS DESTAQUES (0) EMENDAS AO PROJETO (1) EMENDAS AO SUBSTITUTIVO (0) HISTÓRICO DE DESPACHOS (1)


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

242 • • • •

LEGISLAÇÃO CITADA HISTÓRICO DE PARECERES, SUBSTITUTIVOS E VOTOS (5) RECURSOS (1) REDAÇÃO FINAL

• •

MENSAGENS, OFÍCIOS E REQUERIMENTOS (0) RELATÓRIO DE CONFERÊNCIA DE ASSINATURAS

PARECERES APROVADOS OU PENDENTES DE APROVAÇÃO COMISSÃO

PARECER

06/11/2007 - PARECER DO RELATOR, DEP. JOÃO BITTAR (DEMMG), PELA APROVAÇÃO. INTEIRO TEOR COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL 05/12/2007 05:00 REUNIÃO DELIBERATIVA EXTRAORDINÁRIA E FAMÍLIA (CSSF) APROVADO POR UNANIMIDADE O PARECER

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA (CCJC)

05/03/2009 - PARECER DO RELATOR, DEP. JOÃO CAMPOS (PSDBGO), PELA CONSTITUCIONALIDADE, JURIDICIDADE E TÉCNICA LEGISLATIVA, COM EMENDA. INTEIRO TEOR 17/03/2009 05:30 REUNIÃO DELIBERATIVA ORDINÁRIA APROVADO POR UNANIMIDADE O PARECER.

CADASTRAR PARA ACOMPANHAMENTO TRAMITAÇÃO OBS.: O ANDAMENTO DA PROPOSIÇÃO FORA DESTA CASA LEGISLATIVA NÃO É TRATADO PELO SISTEMA, DEVENDO SER CONSULTADO NOS ÓRGÃOS RESPECTIVOS. DATA

ANDAMENTO PLENÁRIO (PLEN)

21/12/2001

APRESENTAÇÃO E LEITURA DO PROJETO DE LEI PELO DEPUTADO JUTAHY JUNIOR (PSDB-BA). INTEIRO TEOR MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS (MESA)

11/03/2002 DESPACHO À CSSF E CCJR (ARTIGO 54 DO RI) - ARTIGO 24, II. COORDENAÇÃO DE COMISSÕES PERMANENTES (CCP) 01/04/2002

PUBLICAÇÃO INICIAL NO DCD DE 27/3/2002 PÁG 11276 COL 02. INTEIRO TEOR

01/04/2002 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF)


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

243 DATA

ANDAMENTO RECEBIMENTO PELA CSSF. COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF)

04/04/2002 DESIGNADO RELATOR, DEP. EDUARDO BARBOSA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF) 05/04/2002 ABERTURA DE PRAZO PARA EMENDAS AO PROJETO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF) 15/04/2002

ENCERRADO O PRAZO PARA EMENDAS. NÃO FORAM APRESENTADAS EMENDAS. COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF)

31/01/2003 DEVOLVIDA SEM MANIFESTAÇÃO. MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS (MESA) 31/01/2003

ARQUIVADO NOS TERMOS DO ARTIGO 105 DO REGIMENTO INTERNO. DCD 01 02 07 PAG 131 COL 01 SUPLEMENTO 01 AO Nº 21. INTEIRO TEOR MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS (MESA)

10/03/2003 DESARQUIVADO NOS TERMOS DO ARTIGO 105 DO R.I COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF) 20/03/2003 DESIGNADO RELATOR, DEP. EDUARDO BARBOSA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF) 21/03/2003 ABERTURA DE PRAZO PARA EMENDAS AO PROJETO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF) 31/03/2003

ENCERRADO O PRAZO PARA EMENDAS. NÃO FORAM APRESENTADAS EMENDAS. MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS (MESA)

31/01/2007

14/02/2007

ARQUIVADO NOS TERMOS DO ARTIGO 105 DO REGIMENTO INTERNO. DCD DE 01 02 07 PÁG 131 COL 01. SUPLEMENTO A AO Nº 21. INTEIRO TEOR MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS (MESA) APRESENTAÇÃO DO REQUERIMENTO N.º 254, DE 2007, PELO DEPUTADO


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

244 DATA

ANDAMENTO (A) JUTAHY JUNIOR, QUE SOLICITA O DESARQUIVAMENTO DE PROPOSIÇÃO. DCD DE 15 02 07 PÁG 4543 COL 01. INTEIRO TEOR DESARQUIVADO EM VIRTUDE DO DEFERIMENTO DO REQ 254/2007. DCD DE 15 02 07 PÁG 4543 COL 01. INTEIRO TEOR COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF)

14/02/2007 RECEBIMENTO PELA CSSF. COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF) 15/02/2007 DESIGNADO RELATOR, DEP. JOÃO BITTAR (PFL-MG) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF) 21/02/2007

PRAZO PARA EMENDAS AO PROJETO (5 SESSÕES ORDINÁRIAS A PARTIR DE 22/02/2007) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF)

05/03/2007

ENCERRADO O PRAZO PARA EMENDAS AO PROJETO. NÃO FORAM APRESENTADAS EMENDAS. COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF)

06/11/2007

05/12/2007

APRESENTAÇÃO DO PARECER DO RELATOR, PRL 1 CSSF, PELO DEP. JOÃO BITTAR INTEIRO TEOR PARECER DO RELATOR, DEP. JOÃO BITTAR (DEM-MG), PELA APROVAÇÃO. INTEIRO TEOR COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF) - 14h00min REUNIÃO DELIBERATIVA EXTRAORDINÁRIA APROVADO POR UNANIMIDADE O PARECER COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF)

11/12/2007 ENCAMINHAMENTO DE PARECER À CCP PARA PUBLICAÇÃO. COORDENAÇÃO DE COMISSÕES PERMANENTES (CCP) 12/12/2007 PARECER RECEBIDO PARA PUBLICAÇÃO. COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA (CCJC) 12/12/2007 RECEBIMENTO PELA CCJC. 20/12/2007 COORDENAÇÃO DE COMISSÕES PERMANENTES (CCP )


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

245 DATA

ANDAMENTO ENCAMINHADA À PUBLICAÇÃO. PARECER DA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PUBLICADO NO DCD DE 21/12/07, PÁG 68380 COL 02, LETRA A. INTEIRO TEOR COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA ( CCJC )

12/03/2008 DESIGNADO RELATOR, DEP. JOÃO CAMPOS (PSDB-GO) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA ( CCJC ) 13/03/2008

PRAZO PARA EMENDAS AO PROJETO (5 SESSÕES ORDINÁRIAS A PARTIR DE 14/03/2008) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA ( CCJC )

26/03/2008

ENCERRADO O PRAZO PARA EMENDAS AO PROJETO. NÃO FORAM APRESENTADAS EMENDAS. COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA ( CCJC )

APRESENTAÇÃO DO PARECER DO RELATOR, PRL 1 CCJC, PELO DEP. 05/03/2009 JOÃO CAMPOS INTEIRO TEOR PARECER DO RELATOR, DEP. JOÃO CAMPOS (PSDB-GO), PELA CONSTITUCIONALIDADE, JURIDICIDADE E TÉCNICA LEGISLATIVA, COM EMENDA. INTEIRO TEOR

17/03/2009

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA ( CCJC ) - 14:30 REUNIÃO DELIBERATIVA ORDINÁRIA APROVADO POR UNANIMIDADE O PARECER. COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA ( CCJC )

24/03/2009

ENCAMINHAMENTO DE PARECER À CCP PARA PUBLICAÇÃO - OFÍCIO N° 30/2009-CCJC. COORDENAÇÃO DE COMISSÕES PERMANENTES ( CCP )

24/03/2009 PARECER RECEBIDO PARA PUBLICAÇÃO. COORDENAÇÃO DE COMISSÕES PERMANENTES ( CCP ) 25/03/2009

ENCAMINHADA À PUBLICAÇÃO. PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PUBLICADO NO DCD 26 03 09 PAG 9821 COL 01, LETRA B. INTEIRO TEOR MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS ( MESA )

26/03/2009 PRAZO PARA APRESENTAÇÃO DE RECURSO, NOS TERMOS DO § 1º DO ART. 58 COMBINADO COM O § 2º DO ART. 132 DO RICD (5 SESSÕES ORDINÁRIAS


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

246 DATA

ANDAMENTO A PARTIR DE 27/03/2009). PLENÁRIO ( PLEN )

01/04/2009

APRESENTAÇÃO DO REC 252/2009, PELO DEP. CHICO D'ANGELO, QUE "CONTRA A APRECIAÇÃO CONCLUSIVA DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E DE CIDADANIA DO PROJETO DE LEI Nº 6013/2001" INTEIRO TEOR MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS ( MESA )

TENDO EM VISTA A RETIRADA DE ASSINATURAS NECESSÁRIAS AO TRÂMITE DA PROPOSIÇÃO, NOS TERMOS DO QUE DISPÕE O ART. 102, § 4º DO 07/04/2009 RICD, DETERMINO O ARQUIVAMENTO DO REC 252/09, POR NÃO CONTER O NÚMERO MÍNIMO DE SIGNATÁRIOS EXIGIDO NO ART. 58 § 3º C/C O ART. 132 § 2º DO REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS. OFICIE-SE E, APÓS, PUBLIQUE-SE. MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS ( MESA ) 08/04/2009

ENCERRAMENTO AUTOMÁTICO DO PRAZO DE RECURSO. FOI APRESENTADO UM RECURSO. MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS ( MESA )

APRESENTAÇÃO DO REQ 4531/2009, PELO DEP. VICENTE ARRUDA, QUE "REQUER A RETIRADA DE ASSINATURA APOSTA AO REC 252/2009." APRESENTAÇÃO DO REQ 4532/2009, PELO DEP. EDUARDO CUNHA, QUE "REQUER A RETIRADA DE ASSINATURA APOSTA AO REC 252/2009." APRESENTAÇÃO DO REQ 4533/2009, PELO DEP. MARCOS MEDRADO, QUE "REQUER A RETIRADA DE ASSINATURA APOSTA AO REC 252/2009." APRESENTAÇÃO DO REQ 4534/2009, PELO DEP. FERNANDO COELHO FILHO, QUE "REQUER A RETIRADA DE ASSINATURA APOSTA AO REC 252/2009." 20/04/2009 APRESENTAÇÃO DO REQ 4536/2009, PELO DEP. BONIFÁCIO DE ANDRADA, QUE "REQUER RETIRADA DE ASSINATURA APOSTA AO RECURSO Nº 252/2009." APRESENTAÇÃO DO REQ 4537/2009, PELO DEP. ELIENE LIMA, QUE "REQUER RETIRADA DE ASSINATURA APOSTA AO RECURSO Nº 252/2009 APRESENTAÇÃO DO REQ 4535/2009, PELO DEP. MARCOS MEDRADO, QUE "REQUER RETIRADA DE ASSINATURA APOSTA AO RECURSO Nº 252/2009." APRESENTAÇÃO DO REQ 4544/2009, PELO DEP. PASTOR PEDRO RIBEIRO, QUE "REQUER A RETIRADA DE ASSINATURA APOSTA AO RECURSO Nº 252/2009." MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS ( MESA ) 07/05/2009

OFÍCIO SGM-P 746/2009 À CCJC ENCAMINHANDO ESTE PROJETO PARA ELABORAÇÃO DA REDAÇÃO FINAL, NOS TERMOS DO ARTIGO 58, §4 E ARTIGO 24, II, DO RICD. ENCAMINHADO À CCP

08/05/2009 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA ( CCJC )


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

247 DATA

ANDAMENTO RECEBIMENTO PELA CCJC. COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA ( CCJC )

13/05/2009

19/05/2009

DESIGNADO RELATOR DA REDAÇÃO FINAL, DEP. COLBERT MARTINS (PMDB-BA) APRESENTAÇÃO DA REDAÇÃO FINAL, RDF 1 CCJC, PELO DEP. COLBERT MARTINS INTEIRO TEOR COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA ( CCJC ) - 14:30 REUNIÃO DELIBERATIVA ORDINÁRIA APROVADA A REDAÇÃO FINAL POR UNANIMIDADE. MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS ( MESA )

02/06/2009 REMESSA AO SENADO FEDERAL POR MEIO DO OFÍCIO Nº 570/09/PS-GSE.

PROTEÇÃO E OS DIREITOS DAS PESSOAS PORTADORAS DE TRANSTORNOS MENTAIS. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

LEI No 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1o Os direitos e a proteção das pessoas acometidas de transtorno mental, de que trata esta Lei, são assegurados sem qualquer forma de discriminação quanto à raça, cor, sexo, orientação sexual, religião, opção política, nacionalidade, idade, família, recursos econômicos e ao grau de gravidade ou tempo de evolução de seu transtorno, ou qualquer outra.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

248 Art. 2o Nos atendimentos em saúde mental, de qualquer natureza, a pessoa e seus familiares ou responsáveis serão formalmente cientificados dos direitos enumerados no parágrafo único deste artigo. Parágrafo único. São direitos da pessoa portadora de transtorno mental: I - ter acesso ao melhor tratamento do sistema de saúde, consentâneo às suas necessidades; II - ser tratada com humanidade e respeito e no interesse exclusivo de beneficiar sua saúde, visando alcançar sua recuperação pela inserção na família, no trabalho e na comunidade; III - ser protegida contra qualquer forma de abuso e exploração; IV - ter garantia de sigilo nas informações prestadas; V - ter direito à presença médica, em qualquer tempo, para esclarecer a necessidade ou não de sua hospitalização involuntária; VI - ter livre acesso aos meios de comunicação disponíveis; VII - receber o maior número de informações a respeito de sua doença e de seu tratamento; VIII - ser tratada em ambiente terapêutico pelos meios menos invasivos possíveis; IX - ser tratada, preferencialmente, em serviços comunitários de saúde mental. Art. 3o É responsabilidade do Estado o desenvolvimento da política de saúde mental, a assistência e a promoção de ações de saúde aos portadores de transtornos mentais, com a devida participação da sociedade e da família, a qual será prestada em estabelecimento de saúde mental, assim entendidas as instituições ou unidades que ofereçam assistência em saúde aos portadores de transtornos mentais. Art. 4o A internação, em qualquer de suas modalidades, só será indicada quando os recursos extra-hospitalares se mostrarem insuficientes. § 1o O tratamento visará, como finalidade permanente, a reinserção social do paciente em seu meio. § 2o O tratamento em regime de internação será estruturado de forma a oferecer assistência integral à pessoa portadora de transtornos mentais, incluindo serviços médicos, de assistência social, psicológicos, ocupacionais, de lazer, e outros.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

249 § 3o É vedada a internação de pacientes portadores de transtornos mentais em instituições com características asilares, ou seja, aquelas desprovidas dos recursos mencionados no § 2o e que não assegurem aos pacientes os direitos enumerados no parágrafo único do art. 2o. Art. 5o O paciente há longo tempo hospitalizado ou para o qual se caracterize situação de grave dependência institucional, decorrente de seu quadro clínico ou de ausência de suporte social, será objeto de política específica de alta planejada e reabilitação psicossocial assistida, sob responsabilidade da autoridade sanitária competente e supervisão de instância a ser definida pelo Poder Executivo, assegurada a continuidade do tratamento, quando necessário. Art. 6o A internação psiquiátrica somente será realizada mediante laudo médico circunstanciado que caracterize os seus motivos. Parágrafo único. São considerados os seguintes tipos de internação psiquiátrica: I - internação voluntária: aquela que se dá com o consentimento do usuário; II - internação involuntária: aquela que se dá sem o consentimento do usuário e a pedido de terceiro; e III - internação compulsória: aquela determinada pela Justiça. Art. 7o A pessoa que solicita voluntariamente sua internação, ou que a consente, deve assinar, no momento da admissão, uma declaração de que optou por esse regime de tratamento. Parágrafo único. O término da internação voluntária dar-se-á por solicitação escrita do paciente ou por determinação do médico assistente. Art. 8o A internação voluntária ou involuntária somente será autorizada por médico devidamente registrado no Conselho Regional de Medicina - CRM do Estado onde se localize o estabelecimento. § 1o A internação psiquiátrica involuntária deverá, no prazo de setenta e duas horas, ser comunicada

ao

Ministério

Público

Estadual

pelo

responsável

técnico

do

estabelecimento no qual tenha ocorrido, devendo esse mesmo procedimento ser adotado quando da respectiva alta. § 2o O término da internação involuntária dar-se-á por solicitação escrita do familiar, ou responsável legal, ou quando estabelecido pelo especialista responsável pelo tratamento. Art. 9o A internação compulsória é determinada, de acordo com a legislação vigente, pelo juiz competente, que levará em conta as condições de segurança do


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

250 estabelecimento, quanto à salvaguarda do paciente, dos demais internados e funcionários. Art. 10. Evasão, transferência, acidente, intercorrência clínica grave e falecimento serão comunicados pela direção do estabelecimento de saúde mental aos familiares, ou ao representante legal do paciente, bem como à autoridade sanitária responsável, no prazo máximo de vinte e quatro horas da data da ocorrência. Art. 11. Pesquisas científicas para fins diagnósticos ou terapêuticos não poderão ser realizadas sem o consentimento expresso do paciente, ou de seu representante legal, e sem a devida comunicação aos conselhos profissionais competentes e ao Conselho Nacional de Saúde. Art. 12. O Conselho Nacional de Saúde, no âmbito de sua atuação, criará comissão nacional para acompanhar a implementação desta Lei. Art. 13. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 6 de abril de 2001; 180o da Independência e 113o da República. FERNANDO HENRIQUE CARDOSO Jose Gregori José Serra Roberto Brant Este texto não substitui o publicado no D.O.U. de 9.4.2001

Nota do Autor. Memória gera competição no cérebro humano - The New York Times. É sempre um desafio se lembrar de uma nova senha para o computador, quando a antiga expirou, ou memorizar um novo número de telefone. Isso ocorre porque o cérebro cria uma “competição” entre recordar os dados antigos e os novos que estão vinculados à mesma coisa, relatam pesquisadores de Yale e Stanford na última edição de “The Proceedings of the National Academy of Sciences”. Brice Kuhl, psicólogo de Yale, e colegas descobriram que, quando o cérebro está cheio de eventos similares, a dificuldade de se lembrar de apenas um deles é visível por meio de uma tecnologia de mapeamento cerebral – conhecida como imagem funcional por ressonância magnética. No estudo, os pesquisadores distribuíram aos participantes palavras que podiam ser associadas, ao mesmo tempo, por rosto e por cena. Quando executaram o mapeamento e


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

251

pediram que os participantes se lembrassem da associação que haviam visto mais recentemente, o sangue fluiu nas partes do cérebro que são acostumadas a recordar rostos e cenas. A maioria das pessoas encontra regularmente essa competição. Exemplos: “Estaciono na garagem do trabalho diariamente e a cada dia paro numa vaga diferente, dependendo da disponibilidade”, disse Kuhl. “Muitas vezes, caminho para a vaga onde havia estacionado no dia anterior. Não é como se eu tivesse esquecido completamente onde estacionei hoje; acontece que eu ainda me lembro da vaga de ontem”.

IMAGEM DE UM CÉREBRO VIVO - DISCALCULIA – (IMAGEM 1)

HOMEM HIBRIDO. Será que no futuro teremos o homem HIBRIDO? Pesquisadores americanos conseguiram fazer células nervosas de ratos se ligarem umas às outras em uma rede de pequenos tubos semicondutores. O trabalho pode ser o primeiro passo para um mecanismo híbrido homem/máquina ou, ainda mais plausível e desejável, uma forma de reconectar terminações nervosas interrompidas. A equipe liderada por Minrui Li, da Universidade de Winsconsin Madison, usou pequenos tubos de diferentes tamanhos feitos de semicondutores como silício e germânio. Esses objetos


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

252

eram pequenos o bastante para que os dendritos de uma célula nervosa (prolongamentos do neurônio) passassem através deles, porém não era grande o bastante para que o corpo da célula coubesse inteiro nele. Os tubos foram recobertos com células nervosas de ratos e os pesquisadores então observaram para ver como reagiriam. As células

começaram

a

enviar

seus

dendritos

através

dos

túneis

com

semicondutores, como que procurando caminhos. Os prolongamentos das células nervosas percorriam os trechos sinuosos projetados pelos pesquisadores para conseguir encostar-se a suas vizinhas. Em outras palavras: os pesquisadores determinaram, na maioria das vezes, o caminho a ser seguido. Sabe-se que as células nervosas têm um mecanismo de busca, que as faz procurar uma companheira para, fisicamente, se ligar a ela. No entanto, ninguém sabe exatamente como funciona esse mecanismo. O próximo passo da pesquisa pretende responder a essa pergunta e também checar se as células, que agora formam uma estrutura híbrida com os semicondutores, se comunicam de forma normal entre si. Para tanto, os pesquisadores instalarão dispositivos

elétricos que poderão gravar a comunicação entre elas. A esperança é que os resultados da pesquisa ajudem a achar uma forma de fazer com que alguma espécie de componente elétrico ajude a restabelecer conexões interrompidas em células nervosas – como, por exemplo, em pessoas que tiveram rompimento da medula. A pesquisa foi comentada e publicada pela Academia Americana de Química em seu jornal ACS

Nano.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

253

Os pequenos tubos semicondutores por onde os dendritos das células nervosas passam.

DOMINÂNCIA CEREBRAL. Lesões semelhantes às deste paciente (estudado por Elisabeth Warrington, do Hospital das Doenças Nervosas, de Londres, em conjunto com Daniel Tranel) nas regiões anteriores e médias dos dois lóbulos temporais deterioram o sistema conceitual do cérebro. As lesões do hemisfério esquerdo, próximo à cissura de Sylvius, perturbam mais a formação de palavras e frases. Essa área é a mais estudada pelos especialistas em linguagem, desde que Paul Broca e Carl Wernicke descobriram, há mais de 150 anos, que as estruturas da linguagem aí se localizam. Broca e Wernicke comprovaram também o fenômeno da dominância cerebral: na maioria dos seres humanos - 99% dos destros e 30% dos canhotos - os centros da linguagem estão no hemisfério esquerdo.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

254

Tomografia cerebral sem contraste do paciente 16, evidenciando

múltiplas

calcificações

cerebrais

e

dilatação da cissura de Sylvius J Pediatr (Rio J) 2001;77(6):475-80 O estudo de pacientes afásicos (que perderam parcial ou totalmente o uso da palavra) confirma a importância de estruturas do hemisfério esquerdo na linguagem. Edward Klima, da Universidade de San Diego, e Ursula Bellugi, do Instituto de Estudos Biológicos, em San Diego, mostraram que lesões nas estruturas cerebrais de formação das palavras são acompanhadas por afasias da linguagem gestual. Assim, alguns surdos que apresentam uma lesão cerebral do hemisfério esquerdo perdem a faculdade de compreender ou de produzir os signos da linguagem gestual. Como o córtex visual deles está intacto, a deficiência não provém de uma má percepção visual dos signos, mas da incapacidade de interpretá-los.

COMPONENTES DE UMA LINGUAGEM ARTICULADA. FONEMAS - Elementos sonoros cujo encadeamento em uma ordem determinada forma os morfemas. MORFEMAS - Unidades lingüísticas mínimas que têm um sentido ou cuja combinação forma as palavras (nas linguagens gestuais, os equivalentes dos morfemas são os signos visuais-motores). SINTAXE (OU GRAMÁTICA) - Arranjo de palavras em frases segundo uma ordem que obedece regras precisas. LÉXICO - Conjunto de palavras de uma língua. Cada elemento do léxico indica os morfemas e a sintaxe da palavra correspondente, mas não fornece seu sentido. SEMÂNTICA - Sentido correspondente a cada elemento do léxico e a cada frase possível. PROSÓDIA - Entonação vocal suscetível de modificar o sentido literal das palavras e frases.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

255

DISCURSO - Seqüência de frases que forma uma narração. Por outro lado, os surdos que apresentam lesões no hemisfério direito, longe das áreas da linguagem, tornam-se por vezes incapazes de ver os objetos situados na metade esquerda de seu campo visual, ou de perceber as relações espaciais entre os objetos, embora conservem a capacidade de compreender e utilizar a linguagem gestual. Portanto, o hemisfério esquerdo contém os centros de processamento da linguagem, quaisquer que sejam as vias de transmissão dos signos lingüísticos. Alguns neurologistas mapearam os sistemas neuronais da linguagem ao localizarem as lesões de pacientes afásicos, - outros analisaram estes sistemas estimulando o córtex cerebral de pacientes epiléticos que passavam por uma cirurgia, registrando depois suas respostas eletrofisiológicas. As lesões da região perisilviana posterior perturbam a composição dos fonemas em palavras e a seleção das palavras. Pacientes com lesões como esta são incapazes de pronunciar corretamente certas palavras (dizem "felefante" em vez de "elefante", por exemplo) e substituem por vezes palavras que lhes faltam por outras de sentido mais geral ("pessoa" em vez de "mulher") ou por uma cujo sentido está ligado ao conceito que querem exprimir ("chefe" em vez de "presidente"). Victoria Fromkin, da Universidade de Los Angeles, elucidou vários mecanismos lingüísticos responsáveis por tais erros. As lesões da região perisilviana posterior não perturbam o ritmo, a rapidez de elocução ou a sintaxe das frases desses pacientes, ainda que às vezes eles se enganem na utilização de pronomes e conjunções. Essas lesões alteram também o processamento dos sons ouvidos: eles têm dificuldade para compreender as palavras e frases faladas. Este problema não se deve, como se pensava, à degradação de um centro de armazenamento do sentido das palavras, que estaria presente no setor perisilviano posterior,- decorre, sim, de uma interrupção na análise acústica das palavras ouvidas, desde as primeiras etapas de seu processamento. Os sistemas neuronais da região perisilviana posterior registram as informações auditivas e cinestésicas relativas aos fonemas e às palavras. A descoberta de projeções neuronais recíprocas entre as diferentes zonas que memorizam estas informações revela a importância das interações entre elas. A região perisilviana posterior está conectada ao córtex motor e pré-motor, diretamente e por uma via subcortical que inclui os gânglios da base e da parte anterior do tálamo esquerdo. A dupla conexão desempenha um papel crucial na produção dos fonemas, que pode ser governada pelos circuitos cortical e subcortical ou pelos dois ao


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

256

mesmo tempo. A via subcortical assegura a aquisição dos automatismos lingüísticos, enquanto a cortical governa a linguagem consciente adquirida pela aprendizagem associativa. Quando uma criança aprende, por exemplo, a palavra “amarela”, os sistemas de formação das palavras e de controle motor seriam ativados mediante as vias corticais e subcortical; a atividade desses sistemas seria correlacionada à atividade dos sistemas neuronais que governam os conceitos de cor e a mediação entre conceitos e linguagem. “O sistema neuronal de mediação conceito - linguagem parece estabelecer uma via direta para os gânglios de base, de tal forma que uma fraca ativação da região perisilviana posterior basta para desencadear a produção da palavra amarela”. A aprendizagem posterior da palavra que designa a cor amarela em outra língua colocaria novamente em jogo a região perisilviana posterior, que então estabeleceria as correspondências auditivas, cinestésicas e motoras entre os fonemas. O sistema associativo cortical e o sistema automático subcortical parecem operar paralelamente no processamento da linguagem. O prevalecimento de um ou outro depende do nível de domínio da linguagem e da natureza dos elementos lingüísticos. Segundo Steven Pinker, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, a maioria dos indivíduos memoriza as formas do passado dos verbos irregulares ingleses por meio da aprendizagem associativa e as formas dos verbos regulares por aquisição automática. A região perisilviana anterior, próxima à cissura de Rolando, parece conter as estruturas que comandam o ritmo da elocução e a gramática. Os gânglios da base são elementos ativos desse sistema, como o são também nas conexões da região perisilviana posterior. O conjunto está fortemente ligado ao cerebelo e recebe projeções de várias regiões sensoriais do córtex, reenviando projeções às regiões motoras. Entretanto, ainda é desconhecido o papel dessa estrutura na linguagem e no conhecimento. Pessoas com lesões na região perisilviana anterior falam com uma voz monocórdica, longos silêncios entre as palavras, utilizando estruturas gramaticais defeituosas. Omitem freqüentemente os pronomes e as conjunções e raramente respeitam a ordem gramatical. Como têm mais facilidade para encontrar substantivos que os verbos, supomos que diferentes regiões cerebrais processam essas duas classes de palavras.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

257

Imagens do Cérebro Humano obtidas por tomografia de emissão de pósitrons revelam que a circulação sanguínea no cérebro aumenta em certas regiões, que diferem segundo o tipo de tarefa efetuada (aqui ligadas ao exame das palavras e à sua berbalização). Pensá-las (embaixo, à direita) ativa a área de Broca, que produz a linguagem. Como as lesões nessa região perturbam tanto a expressão como a compreensão das estruturas gramaticais, acreditou que os sistemas neuronais desta área contenham os centros de composição sintática. Os gânglios da base, que coordenam os movimentos elementares em um conjunto harmonioso, poderiam cumprir uma função análoga na reunião de palavras em frases. A descoberta de estruturas similares, embora menos desenvolvidas, no macaco indica que estas estruturas neuronais estão estreitamente conectadas aos sistemas de mediação sintática do córtex fronto-parietal nos dois hemisférios cerebrais.

SISTEMAS DE MEDIAÇÃO. Os sistemas neuronais de mediação estariam entre aqueles que processam os conceitos e os que produzem palavras e frases. Estudos neuropatológicos sugerem que esses sistemas mediadores governariam a seleção das palavras que exprimem conceitos e determinariam a sintaxe que exprime relações entre eles. Quando falamos, os sistemas mediadores governam os sistemas que comandam a formação das palavras e a sintaxe/ inversamente, quando escutamos um interlocutor, os sistemas que asseguram a formação das palavras e a sintaxe comandam os sistemas de mediação. Os cientistas


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

258

tentam, atualmente, mapear os sistemas que processam os nomes próprios e os nomes comuns associados a entidades de diversas classes. Dois dos pacientes da ELIZABETH, com lesões no córtex anterior temporal e mediano, eram capazes de reconhecer conceitos de qualquer classe (rostos humanos, partes do corpo, espécies animais ou vegetais, veículos, construções, ferramentas e utensílios); sabiam definir funções, local ou valor das coisas e, quando produzíamos sons associados a estes objetos, reconheciam os últimos; enfim, quando vendávamos seus olhos, conseguiam identificar um objeto colocado entre suas mãos. Entretanto, eram incapazes de encontrar o nome de vários desses objetos familiares. Diante da imagem de um rato, um deles disse: "Sei do que se trata: é um animal horroroso; fareja nossos restos; seu focinho e seu rabo são característicos. Conheço esse animal, mas seu nome me escapa". Em média, esses pacientes encontram metade dos nomes que procuram, ao passo que seus sistemas conceituais permanecem intactos. A proporção de palavras esquecidas varia segundo a classe conceituai das entidades que tentam nomear. Eles têm mais dificuldade com nomes de ferramentas e utensílios que com nomes de animais, frutas e plantas, mas a distinção em jogo não é aquela que separa objetos naturais dos fabricados pelo homem: estes pacientes são perfeitamente capazes de nomear as partes do corpo e não consegue nomear corretamente os instrumentos musicais, objetos tão artificiais e manipuláveis quanto ferramentas de jardim. Por que as lesões causam o esquecimento do nome de certos objetos e não de outros? Provavelmente porque o cérebro utiliza diferentes sistemas neuronais para representar entidades que diferem por sua estrutura, seu comportamento ou pelo modo como as consideramos. Os nomes próprios também representavam problemas para esses dois pacientes. Eles eram incapazes, com raras exceções, de nomear amigos, parentes, pessoas ou lugares célebres. Diante da foto de Marilyn Monroe, por exemplo, declararam: "Não encontro seu nome, mas sei quem ela é: assisti a seus filmes, - ela teve um relacionamento com o presidente, - ela se matou ou foi assassinada, talvez pela polícia". Esses pacientes não sofriam do que chamamos de agnosia dos rostos ou prosopagnosia (eles reconheciam, sem hesitação, um rosto), mas eram incapazes de nomear a pessoa que reconheciam.

OS COMPONENTES DE UM CONCEITO. Os conceitos são armazenados no cérebro sob a forma de registros "inativos". Quando são reativados, esses registros recriam as sensações a as ações associadas a uma


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

259

entidade ou a uma classe de entidades. Uma xícara de café, por exemplo, evocam ao mesmo tempo representações visuais ou táteis de sua forma, cor, textura e temperatura, o odor e o gosto do café, assim como a trajetória da mão e do braço quando levam a xícara à boca. Todas estas representações são criadas simultaneamente em distintas regiões do cérebro. Curiosamente, utilizavam verbos sem dificuldade e indicaram, com a mesma precisão que pessoas normais, os correspondentes a mais de 200 estímulos relativos a estados ou ações. O uso que faziam das preposições, conjunções, pronomes e da sintaxe era correto. Quando falavam ou escreviam, substituíam os nomes que faltavam por termos como "objeto" ou "coisa" ou por pronomes como "ele(s)" ou "ela(s)". Os verbos de seus discursos eram, contudo, cuidadosamente escolhidos, pronunciados e conjugados. Enfim, sua pronúncia e prosódia (entonação das palavras e frases) eram perfeitas. Parece claro hoje que os centros de mediação léxica estão localizados em determinadas regiões cerebrais e que as estruturas neuronais que ligam os conceitos e as palavras se encontram ao longo do eixo occipitotemporal do cérebro. Para numerosos conceitos gerais, a mediação parece ocorrer nas zonas posteriores da região temporal esquerda, enquanto que para os conceitos mais especializados ela ocorre mais para frente, perto do pólo temporal esquerdo. Observamos vários pacientes que haviam perdido a memória dos nomes próprios, mas conservavam a maior parte dos nomes comuns: suas lesões limitavam-se ao pólo temporal esquerdo e à superfície temporal mediana do cérebro, poupando as regiões temporais laterais e inferiores. Por outro lado, estas últimas áreas sempre estavam lesadas em pacientes com dificuldade para encontrar os nomes comuns. As lesões que atingem o córtex temporal anterior e mediano perturbam a utilização dos nomes comuns, mas não a dos nomes de cores. As correlações entre estas lesões cerebrais e os problemas da linguagem revelam que o segmento temporal da quinta circunvolução occipital governa a mediação entre os conceitos e os nomes de cor, enquanto as estruturas neuronais situadas na extremidade oposta da rede, no lóbulo temporal anterior esquerdo, governam a mediação entre os conceitos e os nomes de pessoas. Um paciente examinado recentemente, que apresentava lesões em todo o eixo occipitotemporal esquerdo do cérebro, era incapaz de encontrar os nomes de várias entidades, das cores e das pessoas, mas suas capacidades conceituais permaneciam intactas. O estudo desses pacientes confirmou enfim que o processamento da linguagem é perturbado por uma estimulação elétrica das áreas corticais, situadas fora das regiões geralmente atribuídas à linguagem.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

260

SISTEMA DE MEDIAÇÃO DOS VERBOS. Se, para os nomes, os sistemas de mediação parecem localizados, onde se encontram os sistemas que processam verbos? Como os pacientes com lesões no córtex temporal anterior e mediano conservam a capacidade de encontrar verbos, pronomes e conjunções, os sistemas que processam estas classes de palavras não estão na região temporal esquerda. Algumas observações clínicas indicam que esses sistemas se encontram na região frontal e parietal: os pacientes afásicos, que sofrem de lesões frontais no hemisfério esquerdo, têm mais dificuldade para expressar os verbos que os nomes. Essa localização foi indiretamente confirmada por estudos de tomografia de emissão pósitrons. Steven Petersen, Michael Posner e Marcus Raichle, da Universidade de Washington, pediram os voluntários para pronunciar os verbos correspondentes à imagem de um objeto, - por exemplo, a imagem de uma maçã devia suscitar a expressão do verbo "comer". A tomografia revelou a ativação de uma região do córtex frontal dorsolateral inferior que corresponde aproximadamente às regiões que a equipe de ELIZABETH havia localizado anteriormente. Uma lesão dessas regiões perturba não só a expressão dos verbos, pronomes e das conjunções, mas também a sintaxe. Durante os últimos 20 anos, progrediu rapidamente o nosso conhecimento das estruturas cerebrais que governam a linguagem. Graças a técnicas como o imageamento por ressonância magnética, localizamos precisamente as lesões cerebrais de pacientes que sofrem de afasia e as correlacionamos aos problemas de linguagem correspondentes. Atualmente, podemos estudar a atividade cerebral de pessoas normais realizando diferentes processos lingüísticos. Os mecanismos lingüísticos são tão complexos que algumas pessoas duvidam que a maquinaria neuronal que os governa seja inteiramente elucidada. O registro dos conceitos pelo cérebro ainda é um mistério. Conhecemos mal os sistemas de mediação para outros elementos da linguagem além de nomes, verbos, pronomes e conjunções. E mal compreendemos as estruturas que asseguram a formação das palavras e das frases, estudadas desde meados do século XIX. Mas os consideráveis progressos dos últimos anos sugerem que a cartografia destas estruturas e a análise de seu funcionamento não são inacessíveis. Quando o objetivo será alcançado? Eis a questão.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

261

BIOLOGIA NEURONAL SÉRIE PREPARATÓRIA PARA O MESTRADO E DOUTORADO EM PSICOLOGIA CLÍNICA – SÍNDROMES - TOMO III Professor César Augusto Venâncio da Silva NEUROCIÊNCIAS PSICOBIOLOGIA Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico. TOMO I – VOLUME II CAPÍTULO I SINOPSE DE ANATOMOFISIOLOGIA DOS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS BIBLIOGRAFIA DO CAPÍTULO


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

262

Bibliografia. LETRA A 1. Alberts, Bruce; Johnson, Alexander; Lewis, Julian; Raff, Martin; Roberts, Keith; Walter, Peter. Biologia Molecular da Célula. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2010. 1268 p. p. 1-194. ISBN 978-85-363-2066-3 2. •ATKINS, P. W.; JONES, L. L. Princípios de Química: questionando a vida moderna e o meio ambiente. Porto Alegre, Bookman, 2001. 3. Artmann, Benno (1999). Euclid: The Creation of Mathematics. New York: Springer. ISBN 0-387-98423-2. 4. A Percepção das Cores. Cambridge in Colour. Página visitada em 31 de janeiro de 2012. 5. AJURIAGUERRA J. A dislexia em questão e fracasso na aprendizagem de linguagem escrita. Porto Alegre. Artes Médicas, 1984. 6. ALLIENDE, Felipe, CONDEMARIN, Mabel. Leitura: Teoria, avaliação e desenvolvimento. Tradução de José Claúdio de Almeida Abreu. Porto Alegre, Artes Médicas. 7. Apostila - TREINAMENTO DE PRIMEIROS SOCORROS

Divisão de

Desenvolvimento de Recursos Humanos Treinamento - Metrô DF 8. Apostila - ESTÁGIO DE SOCORROS DE URGÊNCIA - 1ª / 2ª Companhia Independente de Emergência Médica - Seção de Ensino e Instrução – CBMDF 9. Apostila - CURSO DE PRIMEIROS SOCORROS DA CVB/DF

- Cruz

Vermelha Brasileira do Distrito Federal - Departamento de Socorro - CVB/DF, 11ª edição 10. Apostila - ESTÁGIO DE SOCORROS DE URGÊNCIA - Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal - Companhia de Emergência Médica. 11. ATLAS DE ANATOMIA HUMANA. Aparelho de movimento - vol. 1 . W.Kahle; H. Leonhardt e W. Platzer . Editora Atheneu - 1988 12. ATLAS DE ANATOMIA HUMANA - Esplanctologia - vol. 2 . W.Kahle; H. Leonhardt e W. Platzer . Editora Atheneu - 1988 13. ATIVIDADES FÍSICAS Vander; Sherman e Luciano Editora McGraw - Hill 14. Andréasson S, Ehinger B, Abrahamson M, Fex G. (1993). "A six-generation family with autosomal dominant retinitis pigmentosa and a rhodopsin gene


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

263

mutation (arginine-135-leucine).". Ophthalmic paediatrics and genetics 13 (3): 145–53. DOI:10.3109/13816819209046483. PMID 1484692. 15. ABRAZ - Associação Brasileira de Alzheimer. Dez Sinais para Detectar Demência. S/D. Disponível em: <http://www.gerbras.com.br/demencia>. Acesso em: 06 set 2011. 16. ALVARES, A. M. Tendo que cuidar: a vivência do idoso e de sua família no processo de cuidar e ser cuidado com contexto domiciliar. Florianópolis: UFSC, 2001. Texto contexto - enfermagem volume 15. no. 4 Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010407072006000400004&script=sci_arttext>. Acesso em: 16 agosto 2012. 17. American Psychiatric Association. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. Fourth edition. Washington (DC): American Psychiatric Association; 1994. 18. ADHD and Creative and Gifted Children (em Inglês). Gifted Children. Página visitada em 2010-05-20. 19. Autobiografia - Lobão: 50 anos a mil 20. Andrade et al. Análise da eficácia do metilfenidato usando a versão abreviada do questionário de CONNERS em TDAH. Arq Neuropsiquiatr, supl 1; 81-85, 2004 21. Antony et al. A criança hiperativa: uma visão da abordagem gestáltica. Psic: Teor. E Pesq, 127-134, 2004 22. ARANHA, Maria Salete Fábio. Educação Inclusiva: a escola, Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, v. 3, 2004. 23. Anderson, D. M. (2008), Indic calligraphy, Encyclopædia Britannica 2008. 24. American Psychiatric Association. Diagnostic and statistical manual of mental disorders. 4th ed. Washington:American Psychiatric Association;1994. 25. Alphey,

Luke.

DNA

Sequencing:

From

Experimental

Methods

to

Bioinformatics (em inglês). New York: Springer, 1997. Capítulo: 17: Protein Structure Prediction, p. 179. ISBN 0-387-91509-5 LETRA B 1. Ball, W.W. Rouse (1960) [1908]. A Short Account of the History of Mathematics (4th ed.). Dover Publications. pp. 50–62. ISBN 0-486-20630-0.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

264

2. BOYER, Carl B.. A History of Mathematics. 2nd ed. [S.l.]: John Wiley & Sons, Inc., 1991. ISBN 0471543977 3. Biografia em MacTutor (em inglês) 4. Bolsover, Stephen R.; Hyams, Jeremy S.; Shephard, Elizabeth A.; White, Hugh A.; Wiedemann, Claudia G. Cell Biology (em inglês). Hoboken, New Jersey: John Wiley & Sons, 2004. 531 p. p. 1. ISBN 0-471-26393-1 5. BOULCH, Jean Le. Educação Psicomotora: A psicocinética na idade escolar. 6. Bálint

S,

Czobor

P,

Mészáros

A,

Simon

V,

Bitter

I

(2008).

"[Neuropsychological impairments in adult attention deficit hyperactivity disorder: a literature review]" (in Hungarian). Psychiatr Hung 23 (5): 324–35. PMID 19129549. 7. Biederman J, Milberger S, Faraone SV, Kiely K, Guite J, Mick E, et al. Familyenvironment risk factors for ADHD: a test of Rutter's indicators of adversity. Arch Gen Psychiatry. 1995;52: 464-70. 8. Built to swim, Phelps found a focus and refuge in water (em Inglês). USA Today. Página visitada em 2010-05-20. 9. BIOTO, Carlota. Ética e educação clássica: virtude e felicidade no meio justo. Educação e Sociedade, v. 22, n. 76, out. 2001. 10. BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quartos ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília: MEC/SEF, 1998 LETRA C 1. "Célula" no site Malha Atlântica (Portugal) acessado a 7 de junho de 2009 2. Campbell, Neil A.; Williamson, Brad; Heyden, Robin J.. Biology: Exploring Life. [S.l.]: Pearson Prentice Hall, 2006. ISBN 0-13-250882-6 3. Cor: Fenômeno Ótico. Universidade Federal do Pará (26 de julho de 2009). Página visitada em 31 de janeiro de 2012. 4. Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. ciberduvidas.pt. Página visitada em 200910-04. 5. Carl-Ivar Brändén, John Tooze (trad. Bernard Lubochinsky, préf. Joël Janin), Introduction à la structure des protéines, De Boeck Université, Bruxelles, 1996 ISBN 2-804-12109-7.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

265

6. CIÊNCIA. Rodríguez, Faride. La estructura de las proteínas 7. Câmera

Escura

Homenagem

às

primeiras

câmeras

fotográficas

e

cinematográficas. 8. Camera Obscura (em inglês) Camera Obscura Links 9. CID-10: Descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Editora Artes Médicas; 1993. Organização Mundial de Saúde. Classificação e Transtornos Mentais e de Comportamento da 10. CAMPOS, Ricardo Bruno Cunha. Sociedades Complexas: indivíduo, cultura e individualismo. Revista Eletrônica de Ciências Sociais, n. 7, p. 8-22, set. 2004. 11. CAVALLEIRO, Eliane. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: racismo, preconceito e discriminação na educação infantil. São Paulo: Contexto, 2000. 110p. 12. CORTELLA, Mario Sergio. A Escola e o conhecimento: fundamentos epistemológicos e políticos. 8. ed. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2004. 166 p. 13. CINESIOLOGIA E ANATOMIA APLICADA - 7ª Edição . Philip J. Rasch . Editora Guanabara - 1991 14. CLINICAL. Copyright. of a New Ophthalmic Mydriatic Insert in Healthy Volunteers: Potential Alternative as Drug Delivery System Prior to Cataract Surgery. Basic & Clinical Pharmacology & Toxicology. 2006; 98:547-554 15. Clayden, Jonathan; Greeves, Nick; Warren, Stuart; Wothers, Peter. Organic Chemistry (em inglês). Oxford: Oxford University Press, 2000. 1536 p. p. 165. ISBN 0-19850346-6 REFERÊNCIAS

ESPECIAIS

PARA

PESQUISAS

-

ORTOGRAFIA

CALIGRAFIA – ORTOGRAFIA. 16. Anais da Academia Brasileira de Letras (2001), p. 181-182. "Letras de hoje" Curso de Pós-Graduação em Linguística e Letras (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul) e Centro de Estudos da Língua Portuguesa (1985), pp. 59-62. 17. Borba, Francisco da Silva. Pequeno vocabulário de linguística moderna. 2ª edição. Companhia Editora Nacional, 1976. pp. XXVI.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

266

18. NOTA GERAL: O alfabeto fonético internacional é referenciado por considerável parte do meio acadêmico pela sigla em inglês IPA, que foi adotada pela ABRALIN e pela APL. - O Acento na língua Kamaiurá. Variação dialetal e lexical na Ilha de Marajó. International Phonetic Association (IPA), Handbook. 19. CALIGRAFIA - ↑ Wall, Joan. International Phonetic Alphabet for Singers: A Manual for English and Foreign Language Diction. [S.l.]: Pst, 1989. ISBN 1877761508 20. International Phonetic Association, Handbook, pp 194–196 - Originalmente, a meta era tornar disponível um conjunto de símbolos fonéticos para os quais seriam dados valores articulatórios diferentes, se necessário, em diferentes idiomas." ("Originally, the aim was to make available a set of phonetic symbols which would be given different articulatory values, if necessary, in different languages."). Associação Fonética Internacional, Handbook, pp 195–196. 21. Nicolaidis, Katerina (setembro 2005). Approval of New IPA Sound: The Labiodental Flap. International Phonetic Association. 22. International Phonetic Association, Handbook, p. 186 - "Desde seus primeiros dias a Associação Fonética Internacional teve como meta fornecer 'um sinal separado para cada som distinto; isto é, para cada som que, sendo usado no lugar de outro, no mesmo idioma, pode mudar o significado de uma palavra'." ("From its earliest days… the International Phonetic Association has aimed to provide ‘a separate sign for each distinctive sound; that is, for each sound which, being used instead of another, in the same language, can change the meaning of a word’.". Associação Fonética Internacional, Handbook, p. 27. 23. _________Laver, Principles of Phonetics,pp 174–175 - As novas letras devem ser sugestivas dos sons que representam, através de sua semelhança às antigas ("The new letters should be suggestive of the sounds they represent, by their resemblance to the old ones.") - Associação Fonética Internacional Handbook, p. 196 24. Sally Thomason (2 de janeiro de 2008). Why I Don't Love the International Phonetic Alphabet. Language Log. 25. Fronek, J.. Velký anglicko-český slovník (em Czech). Praha: Leda, 2006. ISBN 80-7335-022-X


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

267

26. Associação Fonética Internacional, Handbook, p. 6. 27. Fromkin, Victoria; Rodman, Robert. An Introduction to Language. Fort Worth, TX: [s.n.], 1998. ISBN 0-03-018682-X 28. ____________Ladefoged and Maddieson, 1996, Sounds of the World's Languages, §2.1 29. ____________Ladefoged and Maddieson, 1996, Sounds of the World's Languages, §9.3. 30. ____________Ladefoged, Peter; Ian Maddieson. The sounds of the world's languages. Oxford: [s.n.], 1996. ISBN 0-631-19815-6 31. Amanda L. Miller et al., "Differences in airstream and posterior place of articulation among Nǀuu lingual stops". Submetido ao Journal of the International Phonetic Association. Visitado em 2007-05-27. 32. Alfabeto Fonértico Internacional – Omniglot. CALIGRAFIA 33. Anderson, D. M. (2008), Indic calligraphy, Encyclopædia Britannica 2008 . 34. Brown, Michelle P.. Painted Labyrinth: The World of the Lindisfarne Gospel. [S.l.]: British Library, 2004. ISBN 0712348115 35. Child, Heather. The Calligrapher's handbook. [S.l.]: Black, 1985. ISBN 071362695X 36. Diringer, David. The Alphabet: a Key to the History of Mankind. [S.l.]: Hutchinson & Co., 1968. ISBN 9788121507486 37. Fraser, Marcus; Kwiatkowski, Will. Ink and Gold: Islamic Calligraphy. [S.l.]: Sam Fogg Ltd., 2006. ISBN 0954901487 38. Geddes, Anne; Dion, Céline. Miracle: a celebration of new life. [S.l.]: Andrews McMeel Publishing, 2004. ISBN 0740746960 39. Henning, William E.; Melzer, Paul. An elegant hand: the golden age of American penmanship and calligraphy. [S.l.]: Oak Knoll Press, 2002. ISBN 1584560673 40. Johnston, Edward. Manuscript & Inscription Letters: For schools and classes and for the use of craftsmen. [S.l.]: San Vito Press & Double Elephant Press, 1909. ISBN 9781171799009 41. Lamb, Cecil Mortimer. The calligrapher's handbook. [S.l.]: Pentalic Corp, 1956.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

268

42. Mediavilla, Claude. Histoire de la calligraphie française. [S.l.]: Albin Michel. 2006 p. ISBN 2226172831 43. Pott, Gottfried. Kalligrafie Intensiv-Training. [S.l.]: Hermann Schmidt, 2006. ISBN 3874397009 44. Pott, Gottfried. Kalligrafie Erste Hilfe und Schrift-Training mit MusterAlphabeten. [S.l.]: Hermann Schmidt, 2005. ISBN 3874396754 45. Propfe, Joachim. SchreibKunstRäume: Kalligraphie im Raum. [S.l.]: Callwey GmbH & Co., 2005. ISBN 3766716301 46. Reaves, Marilyn; Schulte, Eliza. Brush Lettering: An Instructional Manual of Western Brush Lettering. [S.l.]: Globe Pequot Pr, 1993. ISBN 1558212698 47. Schimmel, Annemarie. Calligraphy and Islamic Culture. [S.l.]: I. B. Tauris, 1990. ISBN 1850431876 48. Zapf, Hermann. Alphabet stories: a chronicle of technical developments. [S.l.]: Cary Graphic Arts Press, 2007. ISBN 1933360224 LETRA D 1. DAMÁSIO, Antonio R. O erro de Descartes: emoção, razão e cérebro humano. 2ª Ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. 2. DIAMOND JP.: Systemic adverse effects of topical ophthalmic agents. Implications for older patients.Drugs Aging 1997;11:352-360 LETRA E 1. ↑ Entrez Help - Entrez Help - NCBI Bookshelf. ncbi.nlm.nih.gov (2011). Página visitada em 8 de agosto de 2012. 2. Entrez Help [Internet] - Bethesda (MD): National Center for Biotechnology Information (US); 2005-. LETRA F 1. FILMORE, David. (2004). "It's a GPCR world". Modern Drug Discovery 2004 (November): 24-28. American Chemical Society. LETRA G


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

269

3. Garriga P, Manyosa J. (2002). "The eye photoreceptor protein rhodopsin. Structural implications for retinal disease.". FEBS Lett. 528 (1-3): 17–22. DOI:10.1016/S0014-5793(02)03241-6. PMID 12297272. 4. GEPEQ.

Interações

e

transformações

I:

elaborando

conceitos

sobre

transformações químicas. Química - Ensino Médio. Livro do aluno e guia do professor. São Paulo, USP, 2001. 5. Gibbs J, Appleton J, Appleton R. Dyspraxia or developmental coordination disorder? Unravelling the enigma. Arch Dis Child. 2007;92(6):534-9. 6. Giant Camera (em inglês) A câmera gigante de São Francisco em Ocean Beach acrescentada ao Registro Nacional de Lugares Históricos dos EUA 2001 7. GOODMAN DF, STARK WJ, GOTTSCH JD.: Complications 8. of cataract extraction with intraocular lens implantation. 9. Ophthalmic Surg 1989;20:132-40 10. Guyton, A. C.; Hall, J.E.. Tratado de Fisiologia Médica. 11 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006. 11. GERAL - "Saúde do Estado acompanha investigação sobre provável surto de psitacose no RS" postado a 19/12/2007 no site da Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul acessado a 9 de junho de 2009 12. GERAL - Superintendência de Controle de Endemias - Febre maculosa acessado a 9 de junho de 2009. 13. GARCIA, Jesus N. Manual da dificuldade de aprendizagem: linguagem, Leitura, Escrita e matemática. Porto Alegre. Artes Médicas, 1998. 14. GARRIDO, R.; ALMEIDA, O. P. Distúrbios de Comportamento em pacientes com Demência: impacto sobre a vida do cuidador. Arquivos de neuropsiquiatria. São Paulo. v. 57, n. 2B., s/p. jun. 1999. 15. Green D, Chambers ME, Sugden DA. Does subtype of developmental coordination disorder count: Is there a differential effect on outcome following intervention? Hum Mov Sci. 2008;27(2):363-82. 2008;27(6):932-40. 16. Gal A, Artlich A, Ludwig M, et al.. (1992). "Pro-347-Arg mutation of the rhodopsin gene in autosomal dominant retinitis pigmentosa.". Genomics 11 (2): 468–70. DOI:10.1016/0888-7543(91)90159-C. PMID 1840561.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

270

17. GIRUÁ.

Prefeitura

municipal.

Disponível

em:http://www.girua.rs.gov.br/publico/PConteudo.aspx?ID=18>. Acesso em: 12 set. 2012. 18. GADOTTI, Moacir. Educação e poder: introdução a pedagogia do conflito. 7. ed. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1987. 143 p. 19. GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1988. 158 p. 20. GEDDES, Anne; Dion, Céline. Miracle: a celebration of new life. [S.l.]: Andrews McMeel Publishing, 2004. ISBN 0740746960 LETRA H 1. História. Oftalmologia – http://www.mrcophth.com/Historyofophthalmology/introduction.htm 2. HOUAISS, Antônio; nanómetro in Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa p. 5709; Lisboa; Temas e Debates; 2005 3. HISTÓRIA: - O espelho de Heródoto -

Autor: Hartog, François.

Editora:

UFMG - Temas: Biografia, História Da Grécia Antiga. 4. HISTÓRIA: - A morte de Heródoto -

Autor: Soares, Carmem I. L.

Editora:

Calouste Gulbenkian - Temas: História Geral 5. http://www.espacofotografico.com.br/Dicasfotografiateoriadascores.htm. 6. HISTÓRIA DA MEDICINA - Beau, George. A medicina chinesa. RJ, Interciência, 1982. 7. HISTÓRIA DA MEDICINA - Chopra, Deepak. O retorno do Rishi. SP, Best Seller, 1989. 8. HISTÓRIA DA MEDICINA - Foucault, Michael. O Nascimento da clínica. RJ, Forense-Universitária, 1980. 9. HISTÓRIA DA MEDICINA - Gordon, Richard. A assustadora história da medicina. RJ, Ediouro, 1997. 10. HISTÓRIA DA MEDICINA - Haywaard, John A. Historia de la medicina, México, Fundo de Cultura Econômica, 1988. 11. HISTÓRIA DA MEDICINA -

Nan – Ching, O clássico das dificuldades.

Tradução do chinês e notas de Paul U. Unschuld. SP, Roca, 2003.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

271

12. HISTÓRIA DA MEDICINA - Ronan, Colin A. História ilustrada da ciência da Universidade de Cambridge (4 V) vol I: Das origens à Grécia; vol II: Oriente, Roma e idade média. RJ, Zahar, 1987. 13. HISTÓRIA DA MEDICINA -

Thorwald, Jürgen. O segredo dos médicos

antigos. SP, Melhoramentos, 1990. 14. HISTÓRIA DA MEDICINA -

Wang, Bing (Dinastia Tang). Princípios de

Medicina Interna do Imperador Amarelo. SP, Ícone, 2001. 15. História da Medicina – Referência Bibliografica para pesquisas – Material indicado para os Tomos I, II, III, IV, V, VI, VII, VIII, IX, X, XI, XII, XIII, XIV, XV, XVI, XVII, XVIII, XVIII, XIX, XX, XXI, XXII, XXIII e XIV DA SÉRIE NEUROCIÊNCIAS – PSICOBIOLOGIA – Professor César Venâncio. 16. LIVROS PUBLICADOS PELAS SOCIEDADES DE MEDICINA 1. Historia

da

Lybio

Medicina

-

Martire

Curiosidades

Junior

&

Fatos

-

Platina

Uma

História,

Volume -

IV 2010

www.aisi.edu.br www.lybiojunior.med.br 2. 75

X

Dante

75

-

Marcello

EPM/UNIFESP, Claramonte

Gallian

-

75

Vidas

Editora

Unifesp

de

Dom

-

-

2008

editora@fapunifesp.edu.br 3. A

Saúde

Pública

no

Rio

João

Manoel Vieira da Silva e Domingos Ribeiro dos Guimarães Peixoto - SENAC Rio

-

2008

(21) 2510-7100 / comercial.editora@rj.senac.br 4. A Universidade Federal de São Paulo aos 75 Anos - Ensaios sobre História e Memória Jaime Rodrigues (Org.), Ana Lúcia Lana Nemi, Karen Macknow Lisboa, Luigi Biondi

-

Editora

Unifesp

-

2008

editora@fapunifesp.edu.br 5. Historia Lybio

da

Medicina

Martire

-

Curiosidades

Junior

-

&

Fatos

Platina

Volume -

III 2008

www.aisi.edu.br www.lybiojunior.med.br 6. Instituições

de

Saúde

de

Porto

Alegre


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

272

Beatriz Teixeira Weber e Juliane Serres - Fundo Editorial do Sindicato Médico do

Rio

Grande

do

Sul

-

SIMERS

-

2008

leticiacastro@simers.org.br 7. Lembranças

de

Alunos,

Imagens

de

Professores

Lenina Lopes Soares Silva - Observatório RH-NESC UFRN - 2008 lenina@natal.digi.com.br 8. Recortes

na

Fabio

História

Cupertino

do

Morinigo

-

H.S.E.

Europa

-

2008

morinigo@terra.com.br 9. A Gilberto

Medicina Lpes

da

Silva

que Júnior

-

Vivi

THS/Arantes

Editora

-

2007

(21) 3222-5666 / kamila@thseditora.com 10. Historia

da

Lybio

Medicina

Martire

-

Curiosidades

Junior

-

&

Fatos

Volume

Platina

-

II 2006

www.aisi.edu.br www.lybiojunior.med.br 11. Medicando

com

Arte

Armando Bezerra - Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal - 2006 crmdf.org.br 12. Medicina em Ponta Grossa: Histórias da associação Médica (1931-1951) Niltonci Batista Chaves (org.); Ana Lúcia Rocha Barbalho da Cruz; José Augusto Leandro; Orlando Antonio Cestaro - Editora da Universidade Estadual de

Ponta

Grossa

-

2006

www.uepg.br/editora nbc.chaves@uol.com.br 13. Ruptura na História da Psiquiatria no Brasil: Espiritismo e Saúde Mental Nadia

Luz

-

Unifran

-

2006

didaluz@hotmail.com 14. As Pestes do Século XX. Tuberculose e Aids no Brasil. Uma História Comparada. Dilene

Raimundo

do

Nascimento

-

Fiocruz

-

2005

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz 15. Década de 80: O Programa de autosuficiência em imunobiológicos e o SUS


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

273

Instituto Butantan - Cadernos de História da Ciência - Laboratório Especial de Hístória

da

Ciência

-

2005

lhciencia@butantan.gov.br 16. História de Vidas Ausentes - A Tênue Fronteira entre a Saúde e a Doença Mental Nádia

Maria

Weber

Santos

-

UPF

(Passo

Fundo,

RS)

-

2005

nmws@terra.com.br 17. Artes

e

Sidney

Ofícios

de

Chalhoub

-

Curar

no

Brasil.

Unicamp

-

2004

www.editora.unicamp.br livraria@editora.unicamp.br 18. Cuidar, Controlar, Curar: Ensaios Históricos sobre Saúde e Doença na América Latina

e

Gilberto

Hochman

/

Diego

Caríbe.

Armus

(Orgs.)

-

Fiocruz

-

2004

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 19. Da Compaixão à Solidariedade: uma Genealogia da Assistência Médica. Sandra

Caponi

-

Fiocruz

-

2004

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 20. História

da

Lybio

Medicina

Martire

-

Junior

Curiosidades

&

Fatos

Astúrias

-

2004

-

www.aisi.edu.br www.lybiojunior.med.br 21. História

da

João

Medicina:

da

Bosco

Abstração

-

à

Valer

Materialidade. -

2004

Editora Valer 22. Mistura

Fina.

Hélio

Begliomini

-

Arte

Impressa

-

2004

arteimpressa@node1.com.br 23. Obra Completa de Adolpho Lutz (Livro 1 - Primeiros Trabalhos: Alemanha, Suiça e Brasil (1878-1883). Livro 2 - Hanseníase. Livro 3 - Dermatologia e Micologia. Jaime

Livro

Benchimol

4 /

-

Magali

Sumário, Romero

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br

Glossário,

Índices).

-

-

Fiocruz

2004


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

274

24. Octacílio

de

Carvalho

Lopes.

Luiz Alberto Fernandes Soares - Editora dos Autores Médicos - 2004 sobramesnacional@uol.com.br 25. Os

Paulinos.

Augusto

200

Paulino

Anos Netto

de /

Ética

Roberto

-

100

Paulino

Anos -

de

Cirurgia.

Atheneu

-

2004

www.atheneu.com.br atheneu@atheneu.com.br 26. Por Drauzio

um Varella

-

Fio.

Companhia

das

Letras

-

2004

www.companhiadasletras.com.br 27. Santo Jorge

Amaro, Calmon

Devoção -

de

Academia

José

de

Silveira.

Letras

-

2004

Academia de Letras da Bahia 28. Uma

História

Brasileira

das

Doenças.

Dilene Raimundo do Nascimento / Diana Maul Carvalho (Orgs.) - Paralelo 15 – 2004 29. A Arte de Enganar a Natureza: Contracepção, Aborto e Infanticídio no Início do Século Fabíola

XX. Rohden

-

Fiocruz

-

2003

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 30. A Gripe Espanhola em São Paulo em 1918: Epidemia e Sociedade. Cláudio

Bertolli

Filho

-

Paz

e

Terra

-

2003

www.pazeterra.com.br 31. A

Recepção

do

Darwinismo

no

Brasil.

Heloisa Maria Bertol Domingues / Magali Romero Sá / Thomas Glick (Orgs.) Fiocruz

-

2003

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 32. As

Belas

Artes

da

Medicina.

Armando J. C. Bezerra - Conselho Reginal de Medicina do Distrito Federal 2003 www.crmdf.org.br crmdf@crmdf.org.br 33. Ivo

Pitanguy.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

275

Luiz

Carlos

Lisboa

-

Rio

-

2003

de

Arnaldo.

editorario.vendas@editorario.com.br 34. Lacaz,

Ciência

Henrique

e

Humanismo

Ivamoto

na

-

Casa

Lemos

-

2003

www.lemos.com.br lemos@lemos.com.br 35. Loucos pela Vida: a Trajetória da Reforma Psiquiátrica no Brasil. Paulo

Amarante

(Coord.)

-

Fiocruz

-

2003

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 36. Memorial do Hospital Getúlio Vargas: Contexto Histórico-Político-SócioCultural

1500-2000.

Francisco

Pereira

Ramos

-

Gráfica

do

Povo

-

2003

Gráfica do Povo 37. Névoas

do

Passado.

Sérgio Aguinaga - Sociedade Brasileira de Urologia - Sessão Rio de Janeiro 2003 Sociedade Brasileira de Rologia - Sessão Rio de Janeiro 38. Um Lugar para a Ciência: a Formação do Campus de Manguinhos. Benedito Tadeu de Oliveira (Coord.) / Renato da Gama-Rosa Costa / Alexandre José

de

Souza

Pessoa

-

Fiocruz

-

2003

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 39. A Casa do Delírio: Reportagem no Manicômio Judiciário de Franco da Rocha. Douglas

Tavolaro

-

SENAC

-

2002

eds@sp.senac.br 40. A Ciência a Caminho da Roça: Imagens das Expedições Científicas do Instituto Oswaldo Eduardo

Cruz

ao

Vilela

Interior Thielen

do

Brasil

et

al.

entre -

1911

Fiocruz

e

1913.

-

2002

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 41. A Gerald

Ciência Geison

Particular -

Fiocruz

de /

Contraponto

Louis Editora

Pasteur. -

2002

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 42. A

Medicina

Baiana

nas

Brumas

do

Passado.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

276

Antonio Carlos Nogueira Britto - Contexto e Arte Editorial - 2002 Contexto e Arte Editorial 43. Admirável

Mundo

Médico:

A

Arte

na

História

da

Medicina.

Armando J. C. Bezerra - Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal 2002 www.crmdf.org.br crmdf@crmdf.org.br 44. Arquivos da Loucura: Juliano Moreira e a Descontinuidade Histórica da Psiquiatria. Vera

Portocarrero

-

Fiocruz

-

2002

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 45. Caminhos

da

Saúde

Pública

no

Brasil.

Jacobo Finkelman (Org.) - Fiocruz / Organização Pan-Americana da Saúde / Organização

Mundial

da

Saúde

-

2002

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 46. Erário

Mineral

Júnia

Ferreira

-

Luis

Furtado

(Org.)

Gomes -

Ferreira.

Fiocruz

-

2002

www2.fiocrus.br/editora_fiocruz editora@fiocrus.br 47. Fatos

Pitorescos

Jorge

na

Michalany

Vida -

de

um

Médico

Michalany

Paulistano.

Ltda

-

2002

Editora Michalany 48. Liga

Brasileira

Contra

a

Tuberculose:

um

século

de

luta.

Dilene Raimundo Nascimento - Quadratim - 2002 49. Matris Anima Curant. As Pioneiras Médicas: Maria Augusta e Rita Lobato. Yvonne

Capuano

-

Scortecci

-

Línea

Médica

-

2002

lineamedica@uol.com.br 50. Memórias

da

SBOT-RJ

-

Ortopedia Almir

do J.

Rio

de

Pereira

Janeiro -

2002

sbot@gbl.com.br 51. Mulheres

Médicas

na

Presidência

da

SOBRAMES.

Luiz Alberto Fernandes Soares - Editora dos Autores Médicos - 2002 sobramesnacional@uol.com.br


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

277

52. A Faculdades de Medicina Primaz do Rio de Janeiro: em Dois dos Cinco Séculos

de

História

do

Brasil.

Marleide de Mota Gomes / Sylvia da Silveira Mello Vargas / Almir Fraga Valladares

-

Atheneu

-

2001

www.atheneu.com.br atheneu@atheneu.com.br 53. A Roda da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e o Exposto 3381. Carlos

da

Silva

Lacaz

-

C.

da

S.

Lacaz

-

2001

Museu Histórico Prof. Carlos da Silva Lacaz 54. A Hélio

SOBRAMES Begliomini

Nacional

-

Legnar

e

Informática

seus &

Editora

Presidentes Ltda.

-

2001

Legnar Informática & Editora Ltda. 55. As Ilusões da Liberdade. A Escola Nina Rodrigues e a Antropologia no Brasil. Mariza

Corrêa

-

Editora

da

Universidade

São

Francisco

-

2001

www.saofrancisco.edu.br/cdaph cdaph@saofrancisco.edu.br 56. Contos

de

Virgínia

Fatos:

Histórias

Schall

-

de

Fiocruz

Manguinhos. -

2001

www2.fiocruz.br/ediora_fiocruz editora@fiocruz.br 57. Espaços Maria

da

Ciência

Amélia

M.

no

Dantes

Brasil:

(Org.)

-

1800-1930.

Fiocruz

-

2001

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 58. Febre Jaime

Amarela: Larry

a

Doença

e

Benchimol

a

Vacina,

(Coord.)

uma -

História Fiocruz

Inacabada. -

2001

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 59. Galeria

Fotográfica

dos

Presidentes

da

SOBRAMES

Nacional.

Hélio Begliomini / L. A. Fernandes Soares - Editora dos Autores Médicos 2001 sobramesnacional@uol.com.br 60. História

Social

Claudio

da

Tuberculose

Bertolli

Filho

e

do -

Tuberculoso: Fiocruz

1900-1950. -

2001

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 61. JK

-

O

Artista

do

Impossível.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

278

Cláudio Bojunga - Objetiva - 2001 62. Modernistas Cristina

da

Fonseca

-

Ciência:

Soriak

Comércio

e

OswaldoCruz. Produção

S.A.

-

2001

www.astrazeneca.com.br 63. O

Corpo

José

Carlos

na

Rodrigues

História.

-

Fiocruz

-

2001

www2.fiocruz.br/editora_fiocrua editora@fiocruz.br 64. O Rio em Movimento: Quadros Médicos e(m) História, 1890 - 1920. Myriam

Bahia

Lopes

-

Fiocruz

-

2001

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 65. Os Delírios da Razão: Médicos, Loucos e Hospícios (Rio de Janeiro, 18301930). Magali

Gouveia

Engel

-

Fiocruz

-

2001

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 66. Prêmio

Nobel

de

Medicina:

da

Pesquisa

à

Conquista.

Paulo Lemos / Mari Elizabeth Menda - Lemos Editorial - 2001 www.lemos.com.br lemos@lemos.com.br 67. Ser

Médico

André

de

no Faria

Brasil: Pereira

Presente Neto

-

no

Passado.

Fiocruz

-

2001

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 68. A Louis

Vida -

e

Ferdinand

a Destouches

-

Obra

de

Companhia

das

Semmelweis. Letras

-

2000

www.companhiadasletras.com.br 69. Brasília

Kubitschek

Ronaldo

Costa

Couto

de -

Record

Oliveira. -

2000

www.record.com.br 70. História da Faculdade de Medicina USP: Reminiscências, Tradição, Memória da Minha Carlos

Escola. da

Silva

Lacaz

-

Atheneu

-

2000

www.atheneu.com.br atheneu@atheneu.com.br 71. Hístória da Medicina e do Pensamento Médico (Les Chemins D´Esculape -


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

279

título

original)

Maurice Tubiana - Ed. Teorema, Portugal - 2000 72. História

Oral:

Desafios

para

o

Século

XXI.

Marieta de Moraes Ferreira / Tania Maria Fernandes / Verena Alberti (Orgs.) Fiocruz / Casa de Oswaldo Cruz / Centro de Pesquisa e Documentação da Fundação

Getúlio

Vargas

-

2000

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 73. Juscelino

Kubitschek,

Fernando

Araújo

o

-

Líthera

Médico.

Maciel

-

2000

Gráfica Líthera Maciel 74. Médicos Ernesto

e Lima

Ensino Gonçalves

de -

Medicina

Universidade

de

no

São

Brasil.

Paulo

-

2000

www.usp.br/edusp edusp-venda@edu.usp.br 75. Um Carlos

Aprendiz Chagas

Filho

-

de Fiocruz

/

Ciência.

Nova

Fronteira

-

2000

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 76. Um

Médico,

Daher

Elias

Uma

Cutait

-

Vida.

Mandarim

-

2000

Editora Mandarim 77. As artes de curar: Medicina, Religião, Magia e Positivismo na República RioGrandense Beatriz

1889/1928. Teixeira

Weber

-

UFSM;

Edusc

-

1999

www.usc.br/edusc 78. As Profissões Imperial: Medicina, Engenharia e Advocacia no Rio de Janeiro (1822-1930). Edmundo

Campos

Coelho

-

Record

-

1999

www.record.com.br 79. Dos Micróbios aos Mosquitos: Febre Amarela e a Revolução Pasteuriana no Brasil. Jayme

Larry

Benchimol

-

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br

Fiocruz

-

1999


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

280

80. Dos Micróbios aos Mosquitos: Febre Amarela no Rio de Janeiro (1880-1903). Jaime

Larry

Benchimol

-

Fiocruz

-

1999

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 81. Dr. Joaquim José de Carvalho - Artífice da Academia Paulista de Letras. Duílio

Crispim

Farina

-

Edicon

-

1999

edicon@u-net.com.br 82. História

da

Sociedade

Brasileira

de

Urologia

-

1926

a

1999.

Sérgio d'Ávila Aguinaga - Sociedade Brasileira de Urologia - 1999 www.sbu.org.br 83. Ivo

Pitanguy

Domingos

-

Alzugaray

O (Editor)

Mestre

da

Três

Ltda

-

Beleza. -

1999

Editora Três Ltda. 84. Natureza em Boiões: Medicinas e Boticários no Brasil Setecentista. Vera

Beltrão

Marques

-

Unicamp

-

1999

www.editora.unicamp.br livraria@editora.unicamp.br 85. Reviravolta na Saúde: Origem e Articulação do Movimento Sanitário. Sarah

Escolrel

-

Fiocruz

-

1999

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 86. Vacina

Antivariólica:

Tania

Maria

Ciência,

Técnica

Fernandes

e

-

o

Poder

Fiocruz

dos

Homens.

-

1999

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 87. Viagem Científica pelo Norte da Bahia, Sudoeste de Pernambuco, Sul do Piauí e de

Norte

a

Artur

Neiva

/

Sul

de

Belisário

Pena

Goiás. -

Ed.

Senado

Fac-Similar.

Federal

-

1999

www.senado.gov.br 88. A Era do Saneamento: as Fases da Política de Saúde Pública no Brasil Gilberto

Hochman

-

Hucitec;

Anpocs

-

1998

www.hucitec.com.br 89. Faculdade de Medicina da UFC - Professores e Alunos Graduados. José

Murilo

www.ufc.br

Martins

-

Imprensa

Universitária

da

UFC

-

1998


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

281

90. História

Ilustrada

Arnaldo

da

Mondadori

-

Medicina.

Manole

-

1998

www.manole.com.br 91. Reviravolta na Saúde: Origem e Articulação do Movimento Sanitário. Sarah

Escolrel

-

Fiocruz

-

1998

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 92. A

Água

Mineral

Benedictus

e

as

Mário

Temas

Mourão

-

uma

-

História

Abinan

Milenar

-

1997

Associação Brasileira das Indústrias de Água Mineral 93. A Ciência nos trópicos: a Arte Médica no Brasil do Século XVIII. Márcia

Moisés

Ribeiro

-

Hucitec

-

1997

www.hucitec.com.br 94. A

Obra

Poética

de

Durval

Marcandes.

Carlos da Silva Lacaz / Berta Ricardo de Mazzieri - Lemos Editorial - 1997 www.lemos.com.br lemos@lemos.com.br 95. Médicos Italianos em São Paulo (1890-1930): um Projeto de Ascensão Social. Maria

do

Rosário

Rolfsen

Salles

-

Sumaré

Fapesp

-

1997

Instituto de Estudos Econômicos Sociais e Politicos (IDESP) 96. Monumento à Vida - Hospital Infante D. Henrique / Sociedade Portuguesa de Beneficência. Dinorath do Valle / Walter do Valle - Socieddae Portuguesa de Beneficência 1997 www.beneriopreto.com.br 97. Os Diários de Langsdorff (Vol.1 - Rio de Janeiro e Minas Gerais, 8 de Maio de 1824 a 17 de Fevereiro de 1825. Vol. 2 - São Paulo, de 1825 a 22 de Novembro de 1826. Vol. 3 - Mato Grosso e Amazônia, 21 de Novembro de 1826 a 20 de Maio Danuzio

de Gil

Bernardino

da

1828.

Silva

(org.)

-

Fiocruz

-

1997

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 98. Temas Carlos

de da

Medicina: Silva

Biografia, Lacaz

-

www.lemos.com.br lemos@lemos.com.br

Doenças Lemos

e

Problemas Editorial

Sociais -

1997


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

282

99. Veredas

da

História

da

Medicina

de

Limeira.

Nelson Madrid - Avanti Editora de Livros, Revistas e Jornais Ltda. - 1997 Avanti Editora de Livros, Revistas e Jornais Ltda. 100.

A

Febre

Amarela

em

Campinas,

1889-1900.

Lycurgo de Castro Santos Filho / José Nogueira Novaes - Unicamp - 1996 www.editora.unicamp.br livraria@editora.unicamp.br 101.

A

Paixão

Moacyr

Transformada:

Scliar

-

História

da

Companhia

Medicina

das

na

Letras

Literatura. -

1996

www.companhiadasletras.com.br 102.

Biografia

George

de

Doyle

uma

Maia

-

Faculdade.

Atheneu

-

1996

www.atheneu.com.br atheneu@atheneu.com.br 103.

Cidade

Sidney

Febril

Chaloub

-

Cortiços

-

e

Epidemias

Companhia

das

na

Corte

Letras

Imperial -

1996

www.companhiadasletras.com.br 104.

Cristãos-Novos e seus Descendentes na Medicina Brasileira (1500-1850).

Bella

Herson

-

Universidade

de

São

Paulo

-

1996

www.usp.br/edusp edusp-venda@edu.usp.br 105.

Oswaldo

Moacyr

Cruz:

Scliar

-

Entre Relume

Micróbios Dumará

/

e

Barricadas.

Rioarte

-

1996

Relume Dumará relume@relumedumara.com.br 106.

Poder e Saúde: as Epidemias e a Formação dos Serviços de Saúde em

São

Paulo.

Rodolpho

Telarolli

Junior

-

Unesp

-

1996

www.editora.unesp.br 107.

Tributo a Vênus: a Luta Contra a Sífilis no Brasil, da passagem do

Século Sérgio

aos Carrara

anos -

Fiocruz

40. -

1996

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 108. Século

Tributo a Vênus: A Luta Contra a Sífilis no Brasil, da Passagem do aos

Anos

40.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

283

Sérgio

Carrara

-

Fiocruz

-

1996

www2.fiocruz.br/editora.fiocruz editora@fiocruz.br 109.

A

Assustadora

Richard

História

Gordon

-

da

Medicina.

Ediouro

-

1995

www.ediouro.com.br 110.

A Democracia Inconclusa: um Estudo da Reforma Sanitária Brasileira.

Silvia

Gershman

-

Fiocruz

-

1995

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 111.

Ciência e Saúde na Terra dos Bandeirantes: a Trajetória do Instituto

Pasteur Luiz

de

São

Antonio

Paulo

Teixeira

de

-

1903-1916

Fiocruz

-

1995

www2.fiocruz.br/ditora_fiocruz editora@fiocruz.br 112.

Ciência e Saúde na Terra dos Bandeirantes: a Trajetória do Instituto

Pasteur

de

São

Luiz

Antonio

Paulo Teixeira

no

Período -

de

Fiocruz

1903-1916. -

1995

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 113.

Oswaldo Cruz: a Construção de um Mito na Ciência Brasileira.

Nara

Britto

-

Fiocruz

-

1995

www2.fiocruz.br/editora editora@fiocruz.br 114.

Oswaldo Cruz: a Construção de um Mito na Ciência Brasileira

Nara

Brito

-

Rio

de

Janeiro:

Editora

Fiocruz,

1995.

-

1960

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 17. História da Medicina – Referência Bibliografica para pesquisas – Material indicado para os Tomos I, II, III, IV, V, VI, VII, VIII, IX, X, XI, XII, XIII, XIV, XV, XVI, XVII, XVIII, XVIII, XIX, XX, XXI, XXII, XXIII e XIV DA SÉRIE NEUROCIÊNCIAS – PSICOBIOLOGIA – Professor César Venâncio. PARTE II ARTIGOS DA HISTÓRIA DA MEDICINA 23/05/201 VII CONGRESSO PAULISTA DE HISTÓRIA DA MEDICINA


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

284

1 29/06/201 0 14/06/201 0 10/11/200 9 24/08/200 9

VII CONGRESSO MINEIRO DE HISTÓRIA DA MEDICINA

XV Congresso Brasileiro de História da Medicina

Aluizio Bezerra Coutinho - Um Sábio Pernambucano do Século XX

O Ato Médico e a Justiça

17/02/200 Pródomos do Ensino Médico no Brasil - Algumas das Antecipações de 9 29/12/200 8 25/11/200 8 05/08/200 8 05/08/200 8 12/07/200 8

Pernambuco Biênio 2008 - 2009

SUS, da desilução à esperança

1808: Um Pernambucano na Corte

Os "Entornos" da Saúde

O Custo da Doença e da Saúde

01/07/200 História e Medicina: A Discussão Médico-científica sobre a Epidemia de 8 23/06/200 8

Gripe Espanhola de 1918 Judicialização da Saúde


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

285

19/05/200 8 13/05/200 8 13/05/200 8 13/05/200 8 15/12/200 7 13/11/200 7 13/11/200 7 13/11/200 7 13/11/200 7

Misericórdia, Santa Casa!

O Dia "D"

Um Mosquito em Nossas Vidas!

Doença de Chagas: BHC ou BNH?

Dados Relevantes da História da Medicina em Passo Fundo -RS

As Pioneiras da Medicina no Brasil e Pernambuco

Ensino Médico no Brasil: 200 anos

Ainda Cesarianas: Esclarecendo Dúvidas

Primeiras Cesarianas no Brasil e em Pernambuco

29/06/200 A Medicina e os Médicos de Pernambuco - O Pioneirismo da Ciência e a 7 29/12/200 6 28/12/200 6 27/12/200 6

Procrastinação do Ensino A Dor: Uma Experiência na História

SARS: Primeira Epidemia da História do Século XXI

A Faculdade de Medicina Constrói a sua Identidade: A Casa de Sarmento


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

286

21/11/200 6 29/07/200 6 28/07/200 6 28/07/200 6 28/07/200 6 28/07/200 6 27/07/200 6 27/07/200 6 27/07/200 6 27/07/200 6 25/07/200 6 25/07/200 6

Breve História do Hospital de Messejana

História da Especialização Médica

Maculo - A Estranha Doença dos Escravos Africanos

Pavie: Um dos Pioneiros da Moderna Medicina de Minas Gerais

História da Neurologia em Minas Gerais

Pavie: L´un des Pionniers de la Medicine Moderne du Bresil

A Obra Filosófica e Médica de Pedros Hispano (Papa João XXI)

A Neurologia na Arte

História da Medicina: Evolução e Importância

A Origem do Branco na Medicina

Brasileiros Estudantes de Medicina em Montpellier no Século XVIII

A França em Minas Gerais

25/07/200 História da Psiquiatria na Faculdade de Medicina da Universidade de Minas 6

Gerais (1911-1961)


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

287

25/07/200 6 25/07/200 6 18/07/200 6 06/07/200 6

História da Neurologia e da Neurocirurgia em Minas Gerais

Egas Moniz e a Neurocirurgia Brasileira

The Early History of Neurosurgery in Brazil

Broca e o Nascimento da Moderna Neurologia

06/07/200 Primeira Intervenção Neurocirúrgica Praticada por Médico Português ou 6

Primeira Intervenção Neurocirúrgica Praticada em Território Português

18. Heath, Thomas (ed.) (1956) [1908]. The Thirteen Books of Euclid's Elements. 1. Dover Publications. ISBN 0-486-60088-2. 19. Heath, Thomas L. (1908), "Euclid and the Traditions About Him", in Euclid, Elements (Thomas L. Heath, ed. 1908), 1:1–6, at Perseus Digital Library. 20. Heath, Thomas L. (1981). A History of Greek Mathematics, 2 Vols. New York: Dover Publications. ISBN 0-486-24073-8 / ISBN 0-486-24074-6. 21. HISTÓRIA: - O espelho de Heródoto -

Autor: Hartog, François

Editora: UFMG - Temas: Biografia, História Da Grécia Antiga 22. HISTÓRIA: - A morte de Heródoto - Autor: Soares, Carmem I. L. Editora: Calouste Gulbenkian - Temas: História Geral. 23. Heath (1956), p. 2.. 24. Heath (1981), p. 360. 25. http://georgiush-860.blogspot.com.br/ 26. http://www.umm.edu/esp_imagepages/8624.htm 27. http://www.gta.ufrj.br/grad/07_2/priscila/1.1.Biometria.html#Topic3 28. http://www.aph.com.br 29. http://www.saudeemmovimento.com.br/ 30. http://www.cvbb.org.br 31. http://www.cref7.org.br 32. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/sites/gquery


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

288

33. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK3837/ 34. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/sites/entrez?db=omim 35. http://www.projetohomemvirtual.com.br/ 36. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/sites/entrez?db=gene&cmd=retrieve&dopt=default &rn=1&list_uids=6010. 37. HO T, FAN R, HONG WW, KHIAN KB.: Maximal mydriasis evaluation in cataract surgery. Indian J Ophthalmol 1992;40:74-8. 38. HAKIM OJ, ORTON RB, CADERA W.: Topical 2.5% and 5% phenylephrine: comparison of effects on heart rate and blood pressure. Can J Ophthalmol 1990;25:336-9. 39. Humphries P, Kenna P, Farrar GJ. (1992). "On the molecular genetics of retinitis pigmentosa.". Science 256 (5058): 804–8. DOI:10.1126/science.1589761. PMID 1589761. 40. Hoyer D, Clarke DE, Fozard JR, Hartig PR, Martin GR, Mylecharane EJ, Saxena PR, Humphrey PP. (1994). "International Union of Pharmacology classification of receptors for 5-hydroxytryptamine (Serotonin)". Pharmacol. Rev. 46 (2): 157–203. PMID 7938165. 41. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0004282X2005000400033&script=sci_arttext>. Acesso em: 18 set 2011. 42. http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n3/v10n3a04.htm>. Acesso em: 22 nov. 2011. 43. http://www.psiqweb.med.br/site/DefaultLimpo.aspx?area=ES/VerClassificacoes &idZClassificacoes=123. 44. http://www.scielo.br/pdf/%0D/jped/v80n2s0/v80n2Sa08.pdf. 45. http://www.psicosite.com.br/tra/inf/tdah.htm#adultos. 46. http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2009/anais/pdf/2539_1700.pdf. 47. HASENBALG, Carlos A. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1979. 302 p. 48. Henderson SE, Sugden DA. The movement assessment battery for children. San Antonio:The Psychological Corporation;1992. 49. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0004282X2005000400033&script=sci_arttext>. Acesso em: 18 set 2011. 50. ttp://www.alzheimer.med.br/cuidador.htm>. Acesso em: 23 set 2011. 51. http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n3/v10n3a04.htm>. Acesso em: 22 nov. 2011


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

289

52. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0004282X2002000100013&script=sci_art text>. Acesso em: 13 nov 2011. 53. http://www.psiqweb.med.br/site/DefaultLimpo.aspx?area=ES/VerClassificacoes &idZClassificacoes=123 54. http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2009/anais/pdf/2539_1700.pdf. 55. http://www.psiqweb.med.br/site/DefaultLimpo.aspx?area=ES/VerClassificacoes &idZClassificacoes=123 56. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0004282X2005000400033&script=sci_arttext>. Acesso em: 18 set 2011. 57. http://www.prof2000.pt/users/ajleonardo/segredos/ondas_de_luz.htm 58. http://www.psicosite.com.br/tra/inf/tdah.htm#adultos 59. http://tdah.org.br/ ABDA] 60. http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2009/anais/pdf/2539_1700.pdf LETRA L 1. LUNDBERG

B,

phacoemulsification

BEHNDIG cataract

A.:

surgery.

Intracameral J

Cataract

mydriatics Refract

-

Surg.

in 2003

Dec;29(12):2366-71 2. Lubert Stryer, Jeremy Mark Berg, John L. Tymoczko (trad. Serge Weinman), Biochimie, Flammarion, « Médecine-Sciences », Paris, 2003, 5ª éd. ISBN 2257-17116 3. Lehninger, Albert L. Princípios da bioquímica 4. LUNDBERG B.: Safety and efficacy of intracameral mydriatics in cataract surgery. 2008; UMEÄ University medical dissertations. ISBN 978-91-7264470-0 5. LALANDA; Sobre a metodologia qualitativa na pesquisa Sociológica; Análise Social, vol. XXXIII (148), 1998 (4.º), 871-883. Disponível em: < http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1224154176E1jDU8rb4Nc15SI4.pdf>. Acesso em: 22 nov 2011. 6. LEMBO A. Química: realidade e contexto. São Paulo, Editora Ática, 2001. 7. 07 - LIVRO DE PRIMEIROS SOCORROS - 2ª Edição 8. Stephen N. Rosemberg, M.D. - Johnson e Johnson 9. Editora Record


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

290

10. LUZARDO A.R.; GORINI MIPC, SILVA APSS. Características de Idosos com Doença de Alzheimer e seus Cuidadores: Uma Série de Casos em um Serviço de Neurogeriatria. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, 2006 out-dez; 15(4):

587-94.

Disponível

em:

<http://www.scielo.br/pdf/tce/v15n4/v15n4a06.pdf>. Acesso em: 16 set 2011. 11. LUZARDO, A. R.; WALDMAN, B. F. Atenção ao familiar cuidador do idoso com Doença de Alzheimer. Acta Scientiarum Health Sciences. Maringá. V. 26, n. 1, p. 135-145, 2004. 12. LUIS AUGUSTO ROHDE, EURÍPEDES CONSTANTINO, MIGUEL FILHO, LÚCIA

BENETTI,

CAROLINA

GALLOIS,

CHRISTIAN

KIELING.

Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade na infância e na adolescência: considerações clínicas e terapêuticas. Rev. Psiq. Clin. 31 (3); 124-131, 2004 http://www.scielo.br/pdf/rpc/v31n3/a02v31n3.pdf 13. LUNDBERG B, BEHNDIG A.: Separate and additive mydriatic effects of lidocaine hydrochloride, phenylephrine, and cyclopentolate after intracameral injection. J Cataract Refract Surg. 2008 Feb;34(2):280-3 14. LEVET, O. TOUZEAU et al.: Comparative Study of Pupil Dilation: Ophthalmic Insert versus Eye Drops. Invest Ophthalmol Vis Sci 2003;44: E-Abstract 4454 15. Laboratório de Biologia Celular e Tecidual (LBCT) do Centro de Biociências e Biotecnologia (CBB) da UENF. LETRA M 1. McKusick VA. Mendelian Inheritance in Man; A Catalog of Human Genes and Genetic Disorders. Baltimore, MD: The Johns Hopkins University Press, 1998. ISBN 0-8018-5742-2. 2. Marek GJ, Carpenter LL, McDougle CJ, Price LH. (2003). "Synergistic action of 5-HT2A antagonists and selective serotonin reuptake inhibitors in neuropsychiatric disorders". Neuropsychopharmacology 28 (2): 402–12. DOI:10.1038/sj.npp.1300057. PMID 12589395 3. Midríase: dilatação da pupila 4. Miose: contração da pupila. 5. Mick E, Biederman J, Faraone S, Sayer J, Kleiman S. Case control study of ADHD and maternal smoking, alcohol use, and drug use during pregnancy. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry. 2002;41:378-85.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

291

6. MANUAL do Cuidador do Idoso. Cuidar melhor e evitar a violência. Programa Providência de Elevação da Renda Familiar. Manual. Distribuição pelo Ministério

Público.

Brasília;

2008.

Disponível

em:

http://www.ciape.org.br/manual_cuidador.pdf. Acesso em: 22 nov 2011. 7. MARCONI, M. A., LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa. Elaboração. Análise e interpretação de dados. 7 ed. São Paulo: Atlas 2008. 8. MINAYO, M.C.S; Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29.ª edição; Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2010. 9. MENDES, P. M. T. Cuidadores: heróis anônimos do cotidiano. In: KARSH, U. M. (org) Envelhecimento com dependência: revelando cuidadores. São Paulo: EDUC, 1998. cap. 5, p. 171-197. 10. MYERS WG, SHUGAR JK.: Optimizing the intracameral dilation regimen for cataract surgery: prospective randomized comparison of 2 solutions. J Cataract Refract Surg. 2009 Feb;35(2):273-6 11. MANUAL DE PRIMEIROS SOCORROS Cruz Vermelha - dist. pelo Sem. Meira Filho em 1992 12. Morrow, Glen. A Commentary on the first book of Euclid's Elements. 13. Macardle, et al. (2008). Scientists: Extraordinary People Who Altered the Course of History. New York: Metro Books. g. 12. 14. Maton, Anthea; Hopkins, Jean; Johnson, Susan; LaHart, David Quon; Warner, Maryanna; Wright, Jill D. Cells Building Blocks of Life. New Jersey: Prentice Hall, 1997. ISBN 0-13-423476-6. 15. Michie K, Löwe J. (2006). "Dynamic filaments of the bacterial cytoskeleton". Annu

Rev

Biochem

75 pp.

467–92.

DOI:10.1146/annurev.biochem.75.103004.142452. PMID 16756499. 16. Moreno, Luciano (28 de fevereiro de 2008). Teoria da Cor. Propriedades das Cores. Criarweb. Página visitada em 31 de janeiro de 2012. 17. Mendes HF, van der Spuy J, Chapple JP, Cheetham ME. (2005). "Mechanisms of cell death in rhodopsin retinitis pigmentosa: implications for therapy.". Trends

in

molecular

medicine

11

DOI:10.1016/j.molmed.2005.02.007. PMID 15823756.

(4):

177–85.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

292

18. MANTOAM, M.T.E. Pensando e fazendo educação de qualidade. São Paulo, Editora Moderna, 2001. 19. MANTOAM, M.T.R. Pensando e fazendo educação de qualidade, SP: Ed. Moderna, 2001. 20. MEDIAVILLA, Claude; van Stone, Mark; Jackson, Donald; Xuriguera, Gérard. Calligraphy: from calligraphy to abstract painting. [S.l.]: Scirpus Publications, 1996. ISBN 9080332518. 21. MACMAHON, Michael K. C.. In: P. T. Daniels and W. Bright (eds.). The World's Writing Systems. New York: Oxford University Press, 1996. 821–846 p. ISBN 0-19-507993-0. 22. Médicos de Portugal. Diagnóstico Diferencial. Página visitada em 23 de agosto de 2009. Dr. Ricardo Massucatto. Diagnóstico Diferencial para Médicos. Página visitada em 21 de agosto de 2009.. 23. Mick E, Biederman J, Faraone S, Sayer J, Kleiman S. Case control study of ADHD and maternal smoking, alcohol use, and drug use during pregnancy. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry. 2002;41:378-85. 24. __________MELO, 2000 25. MELO, Zélia Maria de. Estigmas: Espaço para exclusão social. Revista Symposium, v. 4, n. especial, dez. 2000. 26. Magalhães LC, Rezende MB. Avaliação da coordenação e destreza motora ACOORDEM: etapas de criação e perspectivas de validação. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2004;15(1):17-25. 27. Martin NC, Piek JP, Hay D. DCD and ADHD: a genetic study of their shared a etiology. Hum Mov Sci. 2006;25(1):110-24. 28. Missiuna C. Children with developmental coordination disorder: at home and in classroom. Canchild: Center for Childhood Dosability Research. Canada;2003. LETRA N 1. NELSON, David L.; COX, Michael M., Lehninger Principles of Biochemistry, 4ª edição, W. H. Freeman, 2005, ISBN 978-0-7167-4339-2 LETRA O


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

293

1.

OFTALMOLOGIA - Mosby’s Medical, Nursing and Allied Health Dictionary,

Fourth Edition, Mosby-Year Book Inc., 1994, p. 1402 (em inglês). 2.

OFTALMOLOGIA -

Cassin, B. and Solomon, S. Dictionary of Eye

Terminology. Gainesville, Florida: Triad Publishing Company, 1990 (em inglês). 3.

OFTALMOLOGIA - Hermann D. Schubert. A anatomia do globo ocular (pdf)

(em inglês).[ligação inativa] 4.

OFTALMOLOGIA -

Romer, Alfred Sherwood. The Vertebrate Body (em

inglês). Philadelphia, PA: [s.n.], 1977. 461 p. ISBN 0-03-910284-X 5.

OFTALMOLOGIA - REID, Paul. Biometrics for Network Security. Prentice-

Hall, 2003. 6.

OFTALMOLOGIA - JAIN, Anil, BOLLE, Ruud and PANKANTI, Sharath.

Biometrics “ Personal Identification in Networked Society . Kluwer Academic Publishers, 2002. 7.

OFTALMOLOGIA -

DAUGMAN, John. How Íris Recognition Works.

Universidade de Cambrigde, 2004. 8.

OFTALMOLOGIA - PRADO JÚNIOR, Celso de Almeida “ Biometria com

Enfoque em Reconhecimento de Íris. Londrina, 2005. Trabalho de Conclusão de Curso “ Departamento de Computação, Universidade Estadual de Londrina. 9.

OFTALMOLOGIA -

MALTEZ, João e VALE, Leandro do. "Biometria:

Processamento de Imagem para Reconhecimento de Padrões de Íris", Departamento de Engenharia Informática, Universidade de Coimbra, 2005. 10.

http://www.cl.cam.ac.uk/~jgd1000/ - acessado em 11/09/2012

11.

OFTALMOLOGIA

-

http://www.argus-

solutions.com/how_iris_recognition_works.htm acessado em 11/09/2012 12.

OFTALMOLOGIA -

http://www.tiresias.org/guidelines/biometrics_iris.htm

acessado em 11/09/2012 13.

OFTALMOLOGIA

-

http://pwp.net.ipl.pt/alunos.isel/24685/index.html

-

acessado em 11/09/2012 14.

http://www.lgiris.com/ - acessado em 11/09/2012

15.

OFTALMOLOGIA - Biometria - Reconhecimento de Iris. - Créditos: Priscila

Pecchio Belmont Albuquerque. Assessorado pelos Professores: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte. Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa. Universidade Federal no Estado do Rio de Janeiro. DISCIPLINA: REDES DE COMPUTADORES II


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

294

16.

OFTALMOLOGIA -

AUMONT, Jacques. A Imagem. Campinas: Papirus

Editora, 1993. 17.

OFTALMOLOGIA - GUIMARÃES, Luciano. A Cor como Informação – a

Construção Biofísica, Lingüística e Cultural da Simbologia das Cores. São Paulo: Annablume, 2000 18.

O Livro Preparacao & Revisao de ... - Google Livros. books.google.pt. Página

visitada em 2012-09-04. (http://www.espacofotografico.com.br/Dicasfotografiateoriadascores.htm) LETRA P 1. Press Release: The Nobel Assembly at the Karolinska Institute has today decided to award the Nobel Prize in Physiology or Medicine for 1994 jointly to Alfred G. Gilman and Martin Rodbell for their discovery of "G-proteins and the role of these proteins in signal transduction in cells". 10 October 1994 2. PRIMEIROS SOCORROS - 2ª Edição - SENAC - Departamento Nacional Diretoria de Formação Nacional - Rio de Janeiro 1991 3. PRIMEIRO SOCORROS PARA ESTUDANTES - 7ª Edição

- Brente Q.

Hafen; Keith J. Karren; Kathryn J. Frandsen - Editora Manole 4. PRIMEIROS SOCORROS – J. David Bergeron, Glória Bizjak - Tradução: Maria Alice Fortes Gattos, Kazuko - Uchikawa Graziano, Arlete Silva – São Paulo 1999 - Editora Atheneu 5. Passy, Paul. (1888). "Our revised alphabet". The Phonetic Teacher: 57– 60.Pullum and Ladusaw, Phonetic Symbol Guide, pp 152 & 209. 6. PHTLS – Atendimento Pré-hospitalar ao Traumatizado – Básico e Avançado – Tradução da 5ª 7. Pinhole - Fotografias Dedicado à exposição de fotografias pinhole tiradas em São 8. _________Paulo, é apresentado método para construção da câmera escura. 9. Panno, Joseph. The Cell: Evolution of the First Organism (em inglês). New York: Facts 10. PARKINSON.

Doença

de

Parkinson.

Disponível

em:

<Http://

www.doencadeparkinson.com.br>. Acesso em: 23 set 2011. 11. PASCALE, MARIA A. Ergonomia e Alzheimer: a contribuição dos fatores ambientais como recurso terapêutico nos cuidados de idosos portadores da


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

295

demência

do

tipo

Alzheimer.

2002.

Disponível

em:

<http://www.alzheimer.med.br/cuidador.htm>. Acesso em: 23 set 2011. 12. PAVARINI SCI, IN. FILIZOLA CLA ET AL. Cuidando de idosos com Alzheimer: a vivência de cuidadores familiares. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2008; 10(3):580-90.

Disponível

em:

<http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n3/v10n3a04.htm>. Acesso em: 22 agosto de 2012. 13. PASCALE. Maria Aparecida. Ergonomia e Alzheimer: A Contribuição dos Fatores Ambientais Como Recurso Terapêutico nos Cuidados de Idosos Portadores da Demência do Tipo Alzheimer. Florianópolis; 2002 Disponível em: <http://www.ergonet.com.br/download/ergonomia_alzheimer_maria_a_pascale. pdf>. Acesso em: 18 agosto de 2012. 14. PSIQUIATRIA – Referências. Organização Mundial de Saúde. Classificação e Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10: Descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Editora Artes Médicas; 1993. 15. Parrillo, Vincent (2008). Encyclopedia of Social Problems. SAGE. p. 63. ISBN 9781412941655. Retrieved 2009-05-02. 16. Pott, Gottfried. Kalligrafie Intensiv-Training. [S.l.]: Hermann Schmidt, 2006. ISBN 3874397009. 17. Pott, Gottfried. Kalligrafie Erste Hilfe und Schrift-Training mit MusterAlphabeten. [S.l.]: Hermann Schmidt, 2005. ISBN 3874396754. 18. Propfe, Joachim. SchreibKunstRäume: Kalligraphie im Raum. [S.l.]: Callwey GmbH & Co., 2005. ISBN 3766716301 PSIQUIATRIA – REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA – 19. Andrade et al. Análise da eficácia do metilfenidato usando a versão abreviada do questionário de CONNERS em TDAH. Arq Neuropsiquiatr, supl 1; 81-85, 2004. 20. Antony et al. A criança hiperativa: uma visão da abordagem gestáltica. Psic: Teor. E Pesq, 127-134, 2004. 21. Essau CA; Groen G; Conradt J; Turbanisch U; Petermann F - Frequency, comorbidity and psychosocial correlates of attention-deficit/hyperactivity disorder. Results of a Bremen adolescent study. Fortschr Neurol Psychiatr, 1999 Jul, 67:7, 296-305.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

296

22. Hughes JR; Hale KL - Behavioral effects of caffeine and other methylxanthines on children. Exp Clin Psychopharmacol, 1998 Feb, 6:1, 87-95 23. Jonkman LM; Kemner C; Verbaten MN; Van Engeland H; Kenemans JL; Camfferman G; Buitelaar JK; Koelega HS - Perceptual and response interference in children with attention-deficit hyperactivity disorder, and the effects of methylphenidate. Psychophysiology, 1999 , 36:4, 419-29. 24. _____________Kaplan et al. Tratado de Psiquiatria.1999. 25. Pastura et al. Efeitos colaterais do metilfenidato. Ver. Psiq. Clin, 100-104, 2004. 26. Shader RI; Harmatz JS; Oesterheld JR; Parmelee DX; Sallee FR; Greenblatt DJ - Population pharmacokinetics of methylphenidate in children with attentiondeficit hyperactivity disorder. J Clin Pharmacol, 1999 Aug, 39:8, 775-85 27. Smith BH; Pelham WE; Gnagy E; Yudell RS - Equivalent effects of stimulant treatment for attention-deficit hyperactivity disorder during childhood and adolescence. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry, 1998 Mar, 37:3, 314-21. 28. Souza et al. Dificuldades no diagnóstico de TDAH em crianças. J. bras. Psiquiatr. 56, supl 1; 14-18, 2007. LETRA S 1. SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. Ed.Artmed, Porto Alegre1998 2. ZORZI, Jaime. Guia prático para ajudar crianças com dificuldades de aprendizagem: Dislexia e outros distúrbios. Editora Melo. São Paulo, 2008 3. _______________SALMINEN L.: Review: systemic absorption of topically 4. STÉPHANE

MOULY,

ISABELLE

MAHÉ,

et

al.:

PharmacodynamicsBIBLIOGRAFIA: 5. Struik p. 51 ("a sua estrutura lógica influenciou o pensamento científico talvez mais do que qualquer outro texto no mundo"). 6. Struik, Dirk J. (1967). A Concise History of Mathematics. Dover Publications. ISBN 486-60255-9. 7. Sperelakis, Nicholas (editor); Forbes, Michael S. (autor do capítulo); Ferguson, Donald G. (autor do capítulo). Cell Physiology Sourcebook: A Molecular Approach (em inglês). 3ª ed. San Diego, California: Academic Press. Capítulo: 6:Ultrastructure of Cells, 1235 p. p. 107. ISBN 0-12-656977-0


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

297

8. Sung CH, Davenport CM, Hennessey JC, et al.. (1991). "Rhodopsin mutations in autosomal dominant retinitis pigmentosa.". Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. 88 (15): 6481–5. DOI:10.1073/pnas.88.15.6481. PMID 1862076. 9. Sheffield VC, Fishman GA, Beck JS, et al.. (1991). "Identification of novel rhodopsin mutations associated with retinitis pigmentosa by GC-clamped denaturing gradient gel electrophoresis.". Am. J. Hum. Genet. 49 (4): 699–706. PMID 1897520. 10. STUART Gail W. e LARAIA M. T. – Enfermagem Psiquiátrica – Princípio e Prática 6ª ed. Porto Alegre: Artmed. ed. 2001. 11. SPINDOLA e SANTOS; Trabalhando com a história de vida: percalços de uma pesquisa(dora?); Revista da Escola de Enfermagem. USP; 2003; 37(2): 119-26. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v37n2/14.pdf>. Acesso em: 22 nov 2011. 12. SÃO

LUIZ

GONZAGA.

Prefeitura

Municipal

de.

Disponível

em:

<http://www.saoluizrs.com.br/>. Acesso em: 20 set 2011. 13. Schonwald A, Lechner E (April 2006). "Attention deficit/hyperactivity disorder: complexities and controversies". Curr. Opin. Pediatr. 18 (2): 189–95. doi:10.1097/01.mop.0000193302.70882.70. PMID 16601502. 14. Suicídio é problema de saúde pública. Página visitada em 2010-11-09. 15. Shader RI; Harmatz JS; Oesterheld JR; Parmelee DX; Sallee FR; Greenblatt 16. Smith BH; Pelham WE; Gnagy E; Yudell RS - Equivalent effects of stimulant 17. treatment for attention-deficit hyperactivity disorder during childhood and 18. adolescence. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry, 1998 Mar, 37:3, 314-21 19. Souza et al. Dificuldades no diagnóstico de TDAH em crianças. J. bras. Psiquiatr. 56, supl 1; 14-18, 2007 20. Sally Thomason (2 de janeiro de 2008). Why I Don't Love the International Phonetic Alphabet. Language Log. 21. SCHIMMEL, Annemarie. Calligraphy and Islamic Culture. [S.l.]: I. B. Tauris, 1990. ISBN 1850431876 22. Summers J, Larkin D, Dewey D. Activities of daily living in children with developmental coordination disorder: dressing, personal hygiene, and eating skills. Hum Mov Sci. 2008;27(2):215-29


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

298

23. Stephenson EA, Chesson RA. "Always the guiding hand": parents' accounts of the long-term implications of developmental co-ordination disorder for their children and families. Child Care Health Dev. 2008;34(3):335-43. 24. Sampaio RF, Mancini MC. Systematic review studies: a guide for careful synthesis of the scientific evidence. Rev Bras Fisioter. 2007;11(1):83-9. 25. Schoemaker MM, Flapper B, Verheij NP, Wilson BN, Reinders-Messelink HA, de Kloet A. Evalution of the Developmental Coordination Disorder Questionnaire

as

a

screening

instrument.

Dev

Med

Child

Neurol.

2006;48(8):668-73. 26. Sperelakis, Nicholas (editor); Forbes, Michael S. (autor do capítulo); Ferguson, Donald G. (autor do capítulo). Cell Physiology Sourcebook: A Molecular Approach (em inglês). 3ª ed. San Diego, California: Academic Press. Capítulo: 2:Physiological Structure and Functions of Proteins, 1235 p. p. 19. ISBN 0-12656977-0 27. Sharma, Kal Renganathan. Bioinformatics. New York: McGraw-Hill, 2009. 320 p. p. 2-6. ISBN 978-0-07-159306-9 28. Setubal, João; Meidanis, João. Introduction to Computational Molecular Biology. Boston: PWS Publishing Company, 1997. Capítulo: 8: Molecular Structure Predition, 296 p. p. 252-253. ISBN 0-534-95262-3 29. Stansfield, William D.; Colomé, Jaime S.; Cano, Raúl J. Molecular and Cell Biology (em inglês). New York: McGraw-Hill. 122 p. p. 1. ISBN 0-07-1398813 LETRA T 1. Tabela baseada no FAQ OMIM 2. The Nobel Prize in Physiology or Medicine 1994, Illustrated Lecture. LETRA K 1. King N, Hittinger CT, Carroll SB. (2003). "Evolution of key cell signaling and adhesion protein families predates animal origins". Science 301 (5631): 361-3. DOI:10.1126/science.1083853. PMID 12869759. 2. ______________Kaplan et al. Tratado de Psiquiatria.1999


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

299

3. KAPLAN, Haroldo I; SADOC, Benjamin J. e GREB, Jack A. – Compêndio de psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiatria clínica – 7 ed. – Porto Alegre: Artmed, 1997. 4. KNOPMAN DS, DE KOSKY ST, CUMMINGS JL, et al. Practice parameter: diagnosis of dementia (an evidence-based review). Report of the Quality Standards Subcommittee of the American Academy of Neurology. Neurology 2001; 56:1143-1153. 5. Kodak A câmera escura, o princípio da fotografia. 6. Kline, Morris (1980). Mathematics: The Loss of Certainty. Oxford: Oxford University 7. Karp, Gerald. Cell and Molecular Biology: Concepts and Experiments (em inglês). 5ª ed. New Jersey: John Wiley, 2008. p. 1-30. ISBN 978-0-47004217-5 8. Keen TJ, Inglehearn CF, Lester DH, et al.. (1992). "Autosomal dominant retinitis pigmentosa: four new mutations in rhodopsin, one of them in the retinal attachment site.". Genomics 11 (1): 199–205. DOI:10.1016/08887543(91)90119-Y. PMID 1765377. LETRA W 1. Wang TN, Tseng MH, Wilson BN, Hu FC. Functional performance of children with developmental coordination disorder at home and at school. Dev Med Child Neurol. 2009;51(10):817-25. 2. Watson, James D.; Baker, Tania A.; Bell, Stephen P.; Gann, Alexander; Levine, Michael; Losick, Richard. Molecular Biology of the Gene (em inglês). 5ª ed. San Francisco, CA: Pearson, Benjamin Cummings, 2004. 732 p. p. 72. ISBN 08053-4635-X


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

300

BIOLOGIA NEURONAL SÉRIE PREPARATÓRIA PARA O MESTRADO E DOUTORADO EM PSICOLOGIA CLÍNICA – SÍNDROMES - TOMO III Professor César Augusto Venâncio da Silva NEUROCIÊNCIAS PSICOBIOLOGIA Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico. TOMO I – VOLUME II CAPÍTULO I SINOPSE DE ANATOMOFISIOLOGIA DOS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS BIBLIOGRAFIA GERAL DO CAPÍTULO


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

301

Bibliografia. 1. Alberts, Bruce; Johnson, Alexander; Lewis, Julian; Raff, Martin; Roberts, Keith; Walter, Peter. Biologia Molecular da Célula. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2010. 1268 p. p. 1-194. ISBN 978-85-363-2066-3 2. •ATKINS, P. W.; JONES, L. L. Princípios de Química: questionando a vida moderna e o meio ambiente. Porto Alegre, Bookman, 2001. 3. Artmann, Benno (1999). Euclid: The Creation of Mathematics. New York: Springer. ISBN 0-387-98423-2. 4. A Percepção das Cores. Cambridge in Colour. Página visitada em 31 de janeiro de 2012. 5. AJURIAGUERRA J. A dislexia em questão e fracasso na aprendizagem de linguagem escrita. Porto Alegre. Artes Médicas, 1984. 6. ALLIENDE, Felipe, CONDEMARIN, Mabel. Leitura: Teoria, avaliação e desenvolvimento. Tradução de José Claúdio de Almeida Abreu. Porto Alegre, Artes Médicas. 7. Apostila - TREINAMENTO DE PRIMEIROS SOCORROS

Divisão de

Desenvolvimento de Recursos Humanos Treinamento - Metrô DF 8. Apostila - ESTÁGIO DE SOCORROS DE URGÊNCIA - 1ª / 2ª Companhia Independente de Emergência Médica - Seção de Ensino e Instrução – CBMDF 9. Apostila - CURSO DE PRIMEIROS SOCORROS DA CVB/DF

- Cruz

Vermelha Brasileira do Distrito Federal - Departamento de Socorro - CVB/DF, 11ª edição 10. Apostila - ESTÁGIO DE SOCORROS DE URGÊNCIA - Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal - Companhia de Emergência Médica. 11. ATLAS DE ANATOMIA HUMANA. Aparelho de movimento - vol. 1 . W.Kahle; H. Leonhardt e W. Platzer . Editora Atheneu - 1988 12. ATLAS DE ANATOMIA HUMANA - Esplanctologia - vol. 2 . W.Kahle; H. Leonhardt e W. Platzer . Editora Atheneu - 1988 13. ATIVIDADES FÍSICAS Vander; Sherman e Luciano Editora McGraw - Hill 14. Andréasson S, Ehinger B, Abrahamson M, Fex G. (1993). "A six-generation family with autosomal dominant retinitis pigmentosa and a rhodopsin gene mutation (arginine-135-leucine).". Ophthalmic paediatrics and genetics 13 (3): 145–53. DOI:10.3109/13816819209046483. PMID 1484692.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

302

15. ABRAZ - Associação Brasileira de Alzheimer. Dez Sinais para Detectar Demência. S/D. Disponível em: <http://www.gerbras.com.br/demencia>. Acesso em: 06 set 2011. 16. ALVARES, A. M. Tendo que cuidar: a vivência do idoso e de sua família no processo de cuidar e ser cuidado com contexto domiciliar. Florianópolis: UFSC, 2001. Texto contexto - enfermagem volume 15. no. 4 Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010407072006000400004&script=sci_arttext>. Acesso em: 16 agosto 2012. 17. American Psychiatric Association. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. Fourth edition. Washington (DC): American Psychiatric Association; 1994. 18. ADHD and Creative and Gifted Children (em Inglês). Gifted Children. Página visitada em 2010-05-20. 19. Autobiografia - Lobão: 50 anos a mil 20. Andrade et al. Análise da eficácia do metilfenidato usando a versão abreviada do questionário de CONNERS em TDAH. Arq Neuropsiquiatr, supl 1; 81-85, 2004 21. Antony et al. A criança hiperativa: uma visão da abordagem gestáltica. Psic: Teor. E Pesq, 127-134, 2004 22. ARANHA, Maria Salete Fábio. Educação Inclusiva: a escola, Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, v. 3, 2004. 23. Anderson, D. M. (2008), Indic calligraphy, Encyclopædia Britannica 2008. 24. American Psychiatric Association. Diagnostic and statistical manual of mental disorders. 4th ed. Washington:American Psychiatric Association;1994. 25. Alphey,

Luke.

DNA

Sequencing:

From

Experimental

Methods

to

Bioinformatics (em inglês). New York: Springer, 1997. Capítulo: 17: Protein Structure Prediction, p. 179. ISBN 0-387-91509-5 26. Ball, W.W. Rouse (1960) [1908]. A Short Account of the History of Mathematics (4th ed.). Dover Publications. pp. 50–62. ISBN 0-486-20630-0. 27. BOYER, Carl B.. A History of Mathematics. 2nd ed. [S.l.]: John Wiley & Sons, Inc., 1991. ISBN 0471543977 28. Biografia em MacTutor (em inglês)


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

303

29. Bolsover, Stephen R.; Hyams, Jeremy S.; Shephard, Elizabeth A.; White, Hugh A.; Wiedemann, Claudia G. Cell Biology (em inglês). Hoboken, New Jersey: John Wiley & Sons, 2004. 531 p. p. 1. ISBN 0-471-26393-1 30. BOULCH, Jean Le. Educação Psicomotora: A psicocinética na idade escolar. 31. Bálint

S,

Czobor

P,

Mészáros

A,

Simon

V,

Bitter

I

(2008).

"[Neuropsychological impairments in adult attention deficit hyperactivity disorder: a literature review]" (in Hungarian). Psychiatr Hung 23 (5): 324–35. PMID 19129549. 32. Biederman J, Milberger S, Faraone SV, Kiely K, Guite J, Mick E, et al. Familyenvironment risk factors for ADHD: a test of Rutter's indicators of adversity. Arch Gen Psychiatry. 1995;52: 464-70. 33. Built to swim, Phelps found a focus and refuge in water (em Inglês). USA Today. Página visitada em 2010-05-20. 34. BIOTO, Carlota. Ética e educação clássica: virtude e felicidade no meio justo. Educação e Sociedade, v. 22, n. 76, out. 2001. 35. BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quartos ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília: MEC/SEF, 1998 36. "Célula" no site Malha Atlântica (Portugal) acessado a 7 de junho de 2009 37. Campbell, Neil A.; Williamson, Brad; Heyden, Robin J.. Biology: Exploring Life. [S.l.]: Pearson Prentice Hall, 2006. ISBN 0-13-250882-6 38. Cor: Fenômeno Ótico. Universidade Federal do Pará (26 de julho de 2009). Página visitada em 31 de janeiro de 2012. 39. Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. ciberduvidas.pt. Página visitada em 200910-04. 40. Carl-Ivar Brändén, John Tooze (trad. Bernard Lubochinsky, préf. Joël Janin), Introduction à la structure des protéines, De Boeck Université, Bruxelles, 1996 ISBN 2-804-12109-7. 41. CIÊNCIA. Rodríguez, Faride. La estructura de las proteínas 42. Câmera

Escura

Homenagem

às

primeiras

cinematográficas. 43. Camera Obscura (em inglês) Camera Obscura Links

câmeras

fotográficas

e


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

304

44. CID-10: Descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Editora Artes Médicas; 1993. Organização Mundial de Saúde. Classificação e Transtornos Mentais e de Comportamento da 45. CAMPOS, Ricardo Bruno Cunha. Sociedades Complexas: indivíduo, cultura e individualismo. Revista Eletrônica de Ciências Sociais, n. 7, p. 8-22, set. 2004. 46. CAVALLEIRO, Eliane. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: racismo, preconceito e discriminação na educação infantil. São Paulo: Contexto, 2000. 110p. 47. CORTELLA, Mario Sergio. A Escola e o conhecimento: fundamentos epistemológicos e políticos. 8. ed. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2004. 166 p. 48. CINESIOLOGIA E ANATOMIA APLICADA - 7ª Edição . Philip J. Rasch . Editora Guanabara - 1991 49. CLINICAL. Copyright. of a New Ophthalmic Mydriatic Insert in Healthy Volunteers: Potential Alternative as Drug Delivery System Prior to Cataract Surgery. Basic & Clinical Pharmacology & Toxicology. 2006; 98:547-554 50. Clayden, Jonathan; Greeves, Nick; Warren, Stuart; Wothers, Peter. Organic Chemistry (em inglês). Oxford: Oxford University Press, 2000. 1536 p. p. 165. ISBN 0-19850346-6 REFERÊNCIAS ESPECIAIS PARA PESQUISAS - ORTOGRAFIA – CALIGRAFIA – ORTOGRAFIA. 51. Anais da Academia Brasileira de Letras (2001), p. 181-182. "Letras de hoje" Curso de Pós-Graduação em Linguística e Letras (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul) e Centro de Estudos da Língua Portuguesa (1985), pp. 59-62. 52. Borba, Francisco da Silva. Pequeno vocabulário de linguística moderna. 2ª edição. Companhia Editora Nacional, 1976. pp. XXVI. 53. NOTA GERAL: O alfabeto fonético internacional é referenciado por considerável parte do meio acadêmico pela sigla em inglês IPA, que foi adotada pela ABRALIN e pela APL. - O Acento na língua Kamaiurá. Variação dialetal e lexical na Ilha de Marajó. International Phonetic Association (IPA), Handbook.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

305

54. CALIGRAFIA - ↑ Wall, Joan. International Phonetic Alphabet for Singers: A Manual for English and Foreign Language Diction. [S.l.]: Pst, 1989. ISBN 1877761508 55. International Phonetic Association, Handbook, pp 194–196 - Originalmente, a meta era tornar disponível um conjunto de símbolos fonéticos para os quais seriam dados valores articulatórios diferentes, se necessário, em diferentes idiomas." ("Originally, the aim was to make available a set of phonetic symbols which would be given different articulatory values, if necessary, in different languages."). Associação Fonética Internacional, Handbook, pp 195–196. 56. Nicolaidis, Katerina (setembro 2005). Approval of New IPA Sound: The Labiodental Flap. International Phonetic Association. 57. International Phonetic Association, Handbook, p. 186 - "Desde seus primeiros dias a Associação Fonética Internacional teve como meta fornecer 'um sinal separado para cada som distinto; isto é, para cada som que, sendo usado no lugar de outro, no mesmo idioma, pode mudar o significado de uma palavra'." ("From its earliest days… the International Phonetic Association has aimed to provide ‘a separate sign for each distinctive sound; that is, for each sound which, being used instead of another, in the same language, can change the meaning of a word’.". Associação Fonética Internacional, Handbook, p. 27. 58. _________Laver, Principles of Phonetics,pp 174–175 - As novas letras devem ser sugestivas dos sons que representam, através de sua semelhança às antigas ("The new letters should be suggestive of the sounds they represent, by their resemblance to the old ones.") - Associação Fonética Internacional Handbook, p. 196 59. Sally Thomason (2 de janeiro de 2008). Why I Don't Love the International Phonetic Alphabet. Language Log. 60. Fronek, J.. Velký anglicko-český slovník (em Czech). Praha: Leda, 2006. ISBN 80-7335-022-X 61. Associação Fonética Internacional, Handbook, p. 6. 62. Fromkin, Victoria; Rodman, Robert. An Introduction to Language. Fort Worth, TX: [s.n.], 1998. ISBN 0-03-018682-X 63. ____________Ladefoged and Maddieson, 1996, Sounds of the World's Languages, §2.1


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

306

64. ____________Ladefoged and Maddieson, 1996, Sounds of the World's Languages, §9.3. 65. ____________Ladefoged, Peter; Ian Maddieson. The sounds of the world's languages. Oxford: [s.n.], 1996. ISBN 0-631-19815-6 66. Amanda L. Miller et al., "Differences in airstream and posterior place of articulation among Nuu lingual stops". Submetido ao Journal of the International Phonetic Association. Visitado em 2007-05-27. 67. Alfabeto Fonértico Internacional – Omniglot. CALIGRAFIA 68. Anderson, D. M. (2008), Indic calligraphy, Encyclopædia Britannica 2008 . 69. Brown, Michelle P.. Painted Labyrinth: The World of the Lindisfarne Gospel. [S.l.]: British Library, 2004. ISBN 0712348115 70. Child, Heather. The Calligrapher's handbook. [S.l.]: Black, 1985. ISBN 071362695X 71. Diringer, David. The Alphabet: a Key to the History of Mankind. [S.l.]: Hutchinson & Co., 1968. ISBN 9788121507486 72. Fraser, Marcus; Kwiatkowski, Will. Ink and Gold: Islamic Calligraphy. [S.l.]: Sam Fogg Ltd., 2006. ISBN 0954901487 73. Geddes, Anne; Dion, Céline. Miracle: a celebration of new life. [S.l.]: Andrews McMeel Publishing, 2004. ISBN 0740746960 74. Henning, William E.; Melzer, Paul. An elegant hand: the golden age of American penmanship and calligraphy. [S.l.]: Oak Knoll Press, 2002. ISBN 1584560673 75. Johnston, Edward. Manuscript & Inscription Letters: For schools and classes and for the use of craftsmen. [S.l.]: San Vito Press & Double Elephant Press, 1909. ISBN 9781171799009 76. Lamb, Cecil Mortimer. The calligrapher's handbook. [S.l.]: Pentalic Corp, 1956. 77. Mediavilla, Claude. Histoire de la calligraphie française. [S.l.]: Albin Michel. 2006 p. ISBN 2226172831 78. Pott, Gottfried. Kalligrafie Intensiv-Training. [S.l.]: Hermann Schmidt, 2006. ISBN 3874397009


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

307

79. Pott, Gottfried. Kalligrafie Erste Hilfe und Schrift-Training mit MusterAlphabeten. [S.l.]: Hermann Schmidt, 2005. ISBN 3874396754 80. Propfe, Joachim. SchreibKunstRäume: Kalligraphie im Raum. [S.l.]: Callwey GmbH & Co., 2005. ISBN 3766716301 81. Reaves, Marilyn; Schulte, Eliza. Brush Lettering: An Instructional Manual of Western Brush Lettering. [S.l.]: Globe Pequot Pr, 1993. ISBN 1558212698 82. Schimmel, Annemarie. Calligraphy and Islamic Culture. [S.l.]: I. B. Tauris, 1990. ISBN 1850431876 83. Zapf, Hermann. Alphabet stories: a chronicle of technical developments. [S.l.]: Cary Graphic Arts Press, 2007. ISBN 1933360224 84. DAMÁSIO, Antonio R. O erro de Descartes: emoção, razão e cérebro humano. 2ª Ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. 85. DIAMOND JP.: Systemic adverse effects of topical ophthalmic agents. Implications for older patients.Drugs Aging 1997;11:352-360 86. ↑ Entrez Help - Entrez Help - NCBI Bookshelf. ncbi.nlm.nih.gov (2011). Página visitada em 8 de agosto de 2012. 87. Entrez Help [Internet] - Bethesda (MD): National Center for Biotechnology Information (US); 2005-. 88. FILMORE, David. (2004). "It's a GPCR world". Modern Drug Discovery 2004 (November): 24-28. American Chemical Society. 89. Garriga P, Manyosa J. (2002). "The eye photoreceptor protein rhodopsin. Structural implications for retinal disease.". FEBS Lett. 528 (1-3): 17–22. DOI:10.1016/S0014-5793(02)03241-6. PMID 12297272. 90. GEPEQ.

Interações

e

transformações

I:

elaborando

conceitos

sobre

transformações químicas. Química - Ensino Médio. Livro do aluno e guia do professor. São Paulo, USP, 2001. 91. Gibbs J, Appleton J, Appleton R. Dyspraxia or developmental coordination disorder? Unravelling the enigma. Arch Dis Child. 2007;92(6):534-9. 92. Giant Camera (em inglês) A câmera gigante de São Francisco em Ocean Beach acrescentada ao Registro Nacional de Lugares Históricos dos EUA 2001 93. GOODMAN DF, STARK WJ, GOTTSCH JD.: Complications


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

308

94. of cataract extraction with intraocular lens implantation. 95. Ophthalmic Surg 1989;20:132-40 96. Guyton, A. C.; Hall, J.E.. Tratado de Fisiologia Médica. 11 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006. 97. GERAL - "Saúde do Estado acompanha investigação sobre provável surto de psitacose no RS" postado a 19/12/2007 no site da Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul acessado a 9 de junho de 2009 98. GERAL - Superintendência de Controle de Endemias - Febre maculosa acessado a 9 de junho de 2009. 99. GARCIA, Jesus N. Manual da dificuldade de aprendizagem: linguagem, Leitura, Escrita e matemática. Porto Alegre. Artes Médicas, 1998. 100.

GARRIDO, R.; ALMEIDA, O. P. Distúrbios de Comportamento em

pacientes com Demência: impacto sobre a vida do cuidador. Arquivos de neuropsiquiatria. São Paulo. v. 57, n. 2B., s/p. jun. 1999. 101.

Green D, Chambers ME, Sugden DA. Does subtype of developmental

coordination disorder count: Is there a differential effect on outcome following intervention? Hum Mov Sci. 2008;27(2):363-82. 2008;27(6):932-40. 102.

Gal A, Artlich A, Ludwig M, et al.. (1992). "Pro-347-Arg mutation of the

rhodopsin gene in autosomal dominant retinitis pigmentosa.". Genomics 11 (2): 468–70. DOI:10.1016/0888-7543(91)90159-C. PMID 1840561. 103.

GIRUÁ.

Prefeitura

municipal.

Disponível

em:http://www.girua.rs.gov.br/publico/PConteudo.aspx?ID=18>. Acesso em: 12 set. 2012. 104.

GADOTTI, Moacir. Educação e poder: introdução a pedagogia do

conflito. 7. ed. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1987. 143 p. 105.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade

deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1988. 158 p. 106. GEDDES, Anne; Dion, Céline. Miracle: a celebration of new life. [S.l.]: Andrews McMeel Publishing, 2004. ISBN 0740746960 107. História. Oftalmologia – 108.

http://www.mrcophth.com/Historyofophthalmology/introduction.htm

109.

HOUAISS, Antônio; nanómetro in Dicionário Houaiss da Língua

Portuguesa p. 5709; Lisboa; Temas e Debates; 2005


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

309

110.

HISTÓRIA: - O espelho de Heródoto -

Autor: Hartog, François.

Editora: UFMG - Temas: Biografia, História Da Grécia Antiga. 111.

HISTÓRIA: - A morte de Heródoto -

Autor: Soares, Carmem I. L.

Editora: Calouste Gulbenkian - Temas: História Geral 112.

http://www.espacofotografico.com.br/Dicasfotografiateoriadascores.htm.

113.

HISTÓRIA DA MEDICINA - Beau, George. A medicina chinesa. RJ,

Interciência, 1982. 114.

HISTÓRIA DA MEDICINA - Chopra, Deepak. O retorno do Rishi. SP,

Best Seller, 1989. 115.

HISTÓRIA DA MEDICINA - Foucault, Michael. O Nascimento da

clínica. RJ, Forense-Universitária, 1980. 116.

HISTÓRIA DA MEDICINA - Gordon, Richard. A assustadora história

da medicina. RJ, Ediouro, 1997. 117.

HISTÓRIA DA MEDICINA -

Haywaard, John A. Historia de la

medicina, México, Fundo de Cultura Econômica, 1988. 118.

HISTÓRIA DA MEDICINA - Nan – Ching, O clássico das dificuldades.

Tradução do chinês e notas de Paul U. Unschuld. SP, Roca, 2003. 119.

HISTÓRIA DA MEDICINA - Ronan, Colin A. História ilustrada da

ciência da Universidade de Cambridge (4 V) vol I: Das origens à Grécia; vol II: Oriente, Roma e idade média. RJ, Zahar, 1987. 120.

HISTÓRIA DA MEDICINA -

Thorwald, Jürgen. O segredo dos

médicos antigos. SP, Melhoramentos, 1990. 121.

HISTÓRIA DA MEDICINA - Wang, Bing (Dinastia Tang). Princípios

de Medicina Interna do Imperador Amarelo. SP, Ícone, 2001. História da Medicina – Referência Bibliografica para pesquisas – Material indicado para os Tomos I, II, III, IV, V, VI, VII, VIII, IX, X, XI, XII, XIII, XIV, XV, XVI, XVII, XVIII, XVIII, XIX, XX, XXI, XXII, XXIII e XIV DA SÉRIE NEUROCIÊNCIAS – PSICOBIOLOGIA – Professor César Venâncio. LIVROS PUBLICADOS PELAS SOCIEDADES DE MEDICINA 122. Lybio

Historia

da

Martire

Medicina

-

Junior

Curiosidades -

& Platina

Fatos

Volume -

IV 2010


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

310

www.aisi.edu.br www.lybiojunior.med.br 123.

75

Dante

X

75

Marcello

-

EPM/UNIFESP,

Claramonte

Uma

Gallian

-

História,

Editora

75

Vidas

Unifesp

-

-

2008

editora@fapunifesp.edu.br 124.

A

Saúde

Pública

no

Rio

de

Dom

João

Manoel Vieira da Silva e Domingos Ribeiro dos Guimarães Peixoto - SENAC Rio

-

2008

(21) 2510-7100 / comercial.editora@rj.senac.br 125.

A Universidade Federal de São Paulo aos 75 Anos - Ensaios sobre

História

e

Memória

Jaime Rodrigues (Org.), Ana Lúcia Lana Nemi, Karen Macknow Lisboa, Luigi Biondi

-

Editora

Unifesp

-

2008

editora@fapunifesp.edu.br 126.

Historia

Lybio

da

Medicina

Martire

-

Curiosidades

Junior

-

&

Fatos

Platina

Volume -

III 2008

www.aisi.edu.br www.lybiojunior.med.br 127.

Instituições

de

Saúde

de

Porto

Alegre

Beatriz Teixeira Weber e Juliane Serres - Fundo Editorial do Sindicato Médico do

Rio

Grande

do

Sul

-

SIMERS

-

2008

leticiacastro@simers.org.br 128.

Lembranças

de

Alunos,

Imagens

de

Professores

Lenina Lopes Soares Silva - Observatório RH-NESC UFRN - 2008 lenina@natal.digi.com.br 129.

Recortes

Fabio

na

Cupertino

História

Morinigo

do

-

H.S.E.

Europa

-

2008

morinigo@terra.com.br 130.

A

Gilberto

Medicina Lpes

da

Silva

que

Júnior

-

THS/Arantes

Vivi Editora

-

2007

(21) 3222-5666 / kamila@thseditora.com 131. Lybio

Historia

da

Martire

Medicina Junior

-

Curiosidades -

&

Platina

Fatos

Volume -

II

2006


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

311

www.aisi.edu.br www.lybiojunior.med.br 132.

Medicando

com

Arte

Armando Bezerra - Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal - 2006 crmdf.org.br 133.

Medicina em Ponta Grossa: Histórias da associação Médica (1931-1951)

Niltonci Batista Chaves (org.); Ana Lúcia Rocha Barbalho da Cruz; José Augusto Leandro; Orlando Antonio Cestaro - Editora da Universidade Estadual de

Ponta

Grossa

-

2006

www.uepg.br/editora nbc.chaves@uol.com.br 134.

Ruptura na História da Psiquiatria no Brasil: Espiritismo e Saúde Mental

Nadia

Luz

-

Unifran

-

2006

didaluz@hotmail.com 135.

As Pestes do Século XX. Tuberculose e Aids no Brasil. Uma História

Comparada. Dilene

Raimundo

do

Nascimento

-

Fiocruz

-

2005

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz 136.

Década de 80: O Programa de autosuficiência em imunobiológicos e o

SUS Instituto Butantan - Cadernos de História da Ciência - Laboratório Especial de Hístória

da

Ciência

-

2005

lhciencia@butantan.gov.br 137.

História de Vidas Ausentes - A Tênue Fronteira entre a Saúde e a Doença

Mental Nádia

Maria

Weber

Santos

-

UPF

(Passo

Fundo,

RS)

-

2005

nmws@terra.com.br 138.

Artes

Sidney

e

Ofícios

Chalhoub

de -

Curar Unicamp

no

Brasil.

-

2004

www.editora.unicamp.br livraria@editora.unicamp.br 139.

Cuidar, Controlar, Curar: Ensaios Históricos sobre Saúde e Doença na

América Gilberto

Latina Hochman

/

Diego

e Armus

(Orgs.)

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br

Caríbe. -

Fiocruz

-

2004


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

312

140.

Da Compaixão à Solidariedade: uma Genealogia da Assistência Médica.

Sandra

Caponi

-

Fiocruz

-

2004

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 141.

História

Lybio

da

Medicina

-

Curiosidades

Junior

-

Astúrias

Martire

&

Fatos

-

2004

www.aisi.edu.br www.lybiojunior.med.br 142.

História

João

da

Medicina:

Bosco

da

-

Abstração

à

Valer

Materialidade. -

2004

Editora Valer 143.

Mistura

Hélio

Fina.

Begliomini

-

Arte

Impressa

-

2004

arteimpressa@node1.com.br 144.

Obra Completa de Adolpho Lutz (Livro 1 - Primeiros Trabalhos:

Alemanha, Suiça e Brasil (1878-1883). Livro 2 - Hanseníase. Livro 3 Dermatologia e Micologia. Jaime

Benchimol

/

Livro 4 - Sumário, Glossário,

Magali

Romero

-

Fiocruz

Índices). -

2004

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 145.

Octacílio

de

Carvalho

Lopes.

Luiz Alberto Fernandes Soares - Editora dos Autores Médicos - 2004 sobramesnacional@uol.com.br 146.

Os Paulinos. 200 Anos de Ética - 100 Anos de Cirurgia.

Augusto

Paulino

Netto

/

Roberto

Paulino

-

Atheneu

-

2004

www.atheneu.com.br atheneu@atheneu.com.br 147.

Por

um

Drauzio

Varella

-

Fio.

Companhia

das

Letras

-

2004

www.companhiadasletras.com.br 148. Jorge

Santo Calmon

Amaro, -

Devoção Academia

de de

José Letras

Silveira. -

2004

Academia de Letras da Bahia 149.

Uma

História

Brasileira

das

Doenças.

Dilene Raimundo do Nascimento / Diana Maul Carvalho (Orgs.) - Paralelo 15 –


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

313

2004 150.

A Arte de Enganar a Natureza: Contracepção, Aborto e Infanticídio no

Início

do

Fabíola

Século

Rohden

-

XX.

Fiocruz

-

2003

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 151.

A Gripe Espanhola em São Paulo em 1918: Epidemia e Sociedade.

Cláudio

Bertolli

Filho

-

Paz

e

Terra

-

2003

www.pazeterra.com.br 152.

A

Recepção

do

Darwinismo

no

Brasil.

Heloisa Maria Bertol Domingues / Magali Romero Sá / Thomas Glick (Orgs.) Fiocruz

-

2003

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 153.

As

Belas

Artes

da

Medicina.

Armando J. C. Bezerra - Conselho Reginal de Medicina do Distrito Federal 2003 www.crmdf.org.br crmdf@crmdf.org.br 154.

Ivo

Luiz

Pitanguy. Carlos

Lisboa

-

Rio

-

2003

editorario.vendas@editorario.com.br 155.

Lacaz,

Ciência

Henrique

e

Ivamoto

Humanismo -

na

Casa

Lemos

de

Arnaldo.

-

2003

www.lemos.com.br lemos@lemos.com.br 156.

Loucos pela Vida: a Trajetória da Reforma Psiquiátrica no Brasil.

Paulo

Amarante

(Coord.)

-

Fiocruz

-

2003

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 157.

Memorial do Hospital Getúlio Vargas: Contexto Histórico-Político-

Sócio-Cultural Francisco

Pereira

1500-2000. Ramos

-

Gráfica

do

Povo

-

2003

Gráfica do Povo 158.

Névoas

do

Passado.

Sérgio Aguinaga - Sociedade Brasileira de Urologia - Sessão Rio de Janeiro -


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

314

2003 Sociedade Brasileira de Rologia - Sessão Rio de Janeiro 159.

Um Lugar para a Ciência: a Formação do Campus de Manguinhos.

Benedito Tadeu de Oliveira (Coord.) / Renato da Gama-Rosa Costa / Alexandre José

de

Souza

Pessoa

-

Fiocruz

-

2003

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 160.

A Casa do Delírio: Reportagem no Manicômio Judiciário de Franco da

Rocha. Douglas

Tavolaro

-

SENAC

-

2002

eds@sp.senac.br 161.

A Ciência a Caminho da Roça: Imagens das Expedições Científicas do

Instituto Oswaldo Cruz ao Interior do Brasil entre 1911 e 1913. Eduardo

Vilela

Thielen

et

al.

-

Fiocruz

-

2002

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 162.

A

Gerald

Ciência Geison

Particular

-

Fiocruz

/

de Contraponto

Louis

Pasteur.

Editora

-

2002

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 163.

A

Medicina

Baiana

nas

Brumas

do

Passado.

Antonio Carlos Nogueira Britto - Contexto e Arte Editorial - 2002 Contexto e Arte Editorial 164.

Admirável Mundo Médico: A Arte na História da Medicina.

Armando J. C. Bezerra - Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal 2002 www.crmdf.org.br crmdf@crmdf.org.br 165.

Arquivos da Loucura: Juliano Moreira e a Descontinuidade Histórica da

Psiquiatria. Vera

Portocarrero

-

Fiocruz

-

2002

no

Brasil.

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 166.

Caminhos

da

Saúde

Pública

Jacobo Finkelman (Org.) - Fiocruz / Organização Pan-Americana da Saúde / Organização

Mundial

da

Saúde

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br

-

2002


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

315

167.

Erário

Júnia

Mineral

Ferreira

-

Furtado

Luis (Org.)

Gomes

-

Ferreira.

Fiocruz

-

2002

www2.fiocrus.br/editora_fiocruz editora@fiocrus.br 168.

Fatos

Jorge

Pitorescos

na

Michalany

Vida

-

de

um

Michalany

Médico

Paulistano.

Ltda

-

2002

Editora Michalany 169.

Liga

Brasileira

Contra

a

Tuberculose:

um

século

de

luta.

Dilene Raimundo Nascimento - Quadratim - 2002 170.

Matris Anima Curant. As Pioneiras Médicas: Maria Augusta e Rita

Lobato. Yvonne

Capuano

-

Scortecci

-

Línea

Médica

-

2002

lineamedica@uol.com.br 171.

Memórias

SBOT-RJ

da -

Ortopedia Almir

do J.

Rio

de

Janeiro

-

2002

Pereira

sbot@gbl.com.br 172.

Mulheres

Médicas

na

Presidência

da

SOBRAMES.

Luiz Alberto Fernandes Soares - Editora dos Autores Médicos - 2002 sobramesnacional@uol.com.br 173.

A Faculdades de Medicina Primaz do Rio de Janeiro: em Dois dos Cinco

Séculos

de

História

do

Brasil.

Marleide de Mota Gomes / Sylvia da Silveira Mello Vargas / Almir Fraga Valladares

-

Atheneu

-

2001

www.atheneu.com.br atheneu@atheneu.com.br 174.

A Roda da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e o Exposto 3381.

Carlos

da

Silva

Lacaz

-

C.

da

S.

Lacaz

-

2001

Museu Histórico Prof. Carlos da Silva Lacaz 175. Hélio

A

SOBRAMES

Begliomini

-

Legnar

Nacional Informática

e &

seus Editora

Presidentes Ltda.

-

2001

Legnar Informática & Editora Ltda. 176. Brasil.

As Ilusões da Liberdade. A Escola Nina Rodrigues e a Antropologia no


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

316

Mariza

Corrêa

-

Editora

da

Universidade

São

Francisco

-

2001

www.saofrancisco.edu.br/cdaph cdaph@saofrancisco.edu.br 177.

Contos

de

Virgínia

Fatos:

Schall

Histórias

-

de

Fiocruz

Manguinhos. -

2001

www2.fiocruz.br/ediora_fiocruz editora@fiocruz.br 178.

Espaços

Maria

da

Amélia

M.

Ciência Dantes

no

Brasil:

(Org.)

-

1800-1930.

Fiocruz

-

2001

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 179.

Febre Amarela: a Doença e a Vacina, uma História Inacabada.

Jaime

Larry

Benchimol

(Coord.)

-

Fiocruz

-

2001

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 180.

Galeria Fotográfica dos Presidentes da SOBRAMES Nacional.

Hélio Begliomini / L. A. Fernandes Soares - Editora dos Autores Médicos 2001 sobramesnacional@uol.com.br 181.

História Social da Tuberculose e do Tuberculoso: 1900-1950.

Claudio

Bertolli

Filho

-

Fiocruz

-

2001

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 182.

JK

-

O

Artista

do

Impossível.

Cláudio Bojunga - Objetiva - 2001 183.

Modernistas

Cristina

Fonseca

da -

Soriak

Ciência: Comércio

e

Produção

OswaldoCruz. S.A.

-

2001

www.astrazeneca.com.br 184.

O

José

Corpo Carlos

Rodrigues

na -

Fiocruz

História. -

2001

www2.fiocruz.br/editora_fiocrua editora@fiocruz.br 185.

O Rio em Movimento: Quadros Médicos e(m) História, 1890 - 1920.

Myriam

Bahia

Lopes

-

Fiocruz

-

2001

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 186.

Os Delírios da Razão: Médicos, Loucos e Hospícios (Rio de Janeiro,

1830-1930).


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

317

Magali

Gouveia

Engel

-

Fiocruz

-

2001

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 187.

Prêmio

Nobel

de

Medicina:

da

Pesquisa

à

Conquista.

Paulo Lemos / Mari Elizabeth Menda - Lemos Editorial - 2001 www.lemos.com.br lemos@lemos.com.br 188.

Ser

André

Médico de

no

Faria

Brasil:

Pereira

Presente

Neto

-

no

Passado.

Fiocruz

-

2001

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 189.

A

Louis

-

Vida

e

Ferdinand

a

Destouches

-

Obra

de

Companhia

das

Semmelweis. Letras

-

2000

www.companhiadasletras.com.br 190.

Brasília

Ronaldo

Kubitschek Costa

de

Couto

-

Oliveira.

Record

-

2000

www.record.com.br 191.

História da Faculdade de Medicina USP: Reminiscências, Tradição,

Memória Carlos

da da

Minha

Silva

Lacaz

-

Escola.

Atheneu

-

2000

www.atheneu.com.br atheneu@atheneu.com.br 192.

Hístória da Medicina e do Pensamento Médico (Les Chemins D´Esculape

-

título

original)

Maurice Tubiana - Ed. Teorema, Portugal - 2000 193.

História

Oral:

Desafios

para

o

Século

XXI.

Marieta de Moraes Ferreira / Tania Maria Fernandes / Verena Alberti (Orgs.) Fiocruz / Casa de Oswaldo Cruz / Centro de Pesquisa e Documentação da Fundação

Getúlio

Vargas

-

2000

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 194.

Juscelino

Fernando

Kubitschek, Araújo

-

Líthera

o

Médico.

Maciel

-

2000

Medicina

no

Brasil.

Gráfica Líthera Maciel 195.

Médicos

Ernesto

Lima

e

Ensino

Gonçalves

-

de

Universidade

de

São

Paulo

-

2000


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

318

www.usp.br/edusp edusp-venda@edu.usp.br 196.

Um

Carlos

Aprendiz

Chagas

Filho

-

de

Fiocruz

/

Ciência.

Nova

Fronteira

-

2000

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 197.

Um

Daher

Médico, Elias

Uma

Cutait

-

Vida.

Mandarim

-

2000

Editora Mandarim 198.

As artes de curar: Medicina, Religião, Magia e Positivismo na República

Rio-Grandense Beatriz

1889/1928.

Teixeira

Weber

-

UFSM;

Edusc

-

1999

www.usc.br/edusc 199.

As Profissões Imperial: Medicina, Engenharia e Advocacia no Rio de

Janeiro

(1822-1930).

Edmundo

Campos

Coelho

-

Record

-

1999

www.record.com.br 200.

Dos Micróbios aos Mosquitos: Febre Amarela e a Revolução Pasteuriana

no

Brasil.

Jayme

Larry

Benchimol

-

Fiocruz

-

1999

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 201.

Dos Micróbios aos Mosquitos: Febre Amarela no Rio de Janeiro (1880-

1903). Jaime

Larry

Benchimol

-

Fiocruz

-

1999

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 202.

Dr. Joaquim José de Carvalho - Artífice da Academia Paulista de Letras.

Duílio

Crispim

Farina

-

Edicon

-

1999

edicon@u-net.com.br 203.

História da Sociedade Brasileira de Urologia - 1926 a 1999.

Sérgio d'Ávila Aguinaga - Sociedade Brasileira de Urologia - 1999 www.sbu.org.br 204.

Ivo

Pitanguy

Domingos

Alzugaray

(Editor)

O

Mestre -

Três

da Ltda

Beleza. -

1999


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

319

Editora Três Ltda. 205.

Natureza em Boiões: Medicinas e Boticários no Brasil Setecentista.

Vera

Beltrão

Marques

-

Unicamp

-

1999

www.editora.unicamp.br livraria@editora.unicamp.br 206.

Reviravolta na Saúde: Origem e Articulação do Movimento Sanitário.

Sarah

Escolrel

-

Fiocruz

-

1999

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 207.

Vacina Antivariólica: Ciência, Técnica e o Poder dos Homens.

Tania

Maria

Fernandes

-

Fiocruz

-

1999

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 208.

Viagem Científica pelo Norte da Bahia, Sudoeste de Pernambuco, Sul do

Piauí

e

de

Artur

Neiva

Norte /

a

Belisário

Sul

de

Pena

-

Goiás. Senado

Ed.

Fac-Similar.

Federal

-

1999

www.senado.gov.br 209.

A Era do Saneamento: as Fases da Política de Saúde Pública no Brasil

Gilberto

Hochman

-

Hucitec;

Anpocs

-

1998

www.hucitec.com.br 210. José

Faculdade de Medicina da UFC - Professores e Alunos Graduados. Murilo

Martins

-

Imprensa

Universitária

da

UFC

-

1998

www.ufc.br 211.

História

Arnaldo

Ilustrada

da

-

Manole

Mondadori

Medicina. -

1998

www.manole.com.br 212.

Reviravolta na Saúde: Origem e Articulação do Movimento Sanitário.

Sarah

Escolrel

-

Fiocruz

-

1998

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 213.

A

Benedictus

Água

Mineral Mário

e

as

Temas

Mourão

-

uma

-

Abinan

História -

Milenar 1997

Associação Brasileira das Indústrias de Água Mineral 214. Márcia

A Ciência nos trópicos: a Arte Médica no Brasil do Século XVIII. Moisés

Ribeiro

-

Hucitec

-

1997


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

320

www.hucitec.com.br 215.

A

Obra

Poética

de

Durval

Marcandes.

Carlos da Silva Lacaz / Berta Ricardo de Mazzieri - Lemos Editorial - 1997 www.lemos.com.br lemos@lemos.com.br 216.

Médicos Italianos em São Paulo (1890-1930): um Projeto de Ascensão

Social. Maria

do

Rosário

Rolfsen

Salles

-

Sumaré

Fapesp

-

1997

Instituto de Estudos Econômicos Sociais e Politicos (IDESP) 217.

Monumento à Vida - Hospital Infante D. Henrique / Sociedade

Portuguesa

de

Beneficência.

Dinorath do Valle / Walter do Valle - Socieddae Portuguesa de Beneficência 1997 www.beneriopreto.com.br 218.

Os Diários de Langsdorff (Vol.1 - Rio de Janeiro e Minas Gerais, 8 de

Maio de 1824 a 17 de Fevereiro de 1825. Vol. 2 - São Paulo, de 1825 a 22 de Novembro de 1826. Vol. 3 - Mato Grosso e Amazônia, 21 de Novembro de 1826

a

Danuzio

Gil

20

de

Bernardino

da

Maio

Silva

(org.)

de -

1828.

Fiocruz

-

1997

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 219.

Temas de Medicina: Biografia, Doenças e Problemas Sociais

Carlos

da

Silva

Lacaz

-

Lemos

Editorial

-

1997

www.lemos.com.br lemos@lemos.com.br 220.

Veredas

da

História

da

Medicina

de

Limeira.

Nelson Madrid - Avanti Editora de Livros, Revistas e Jornais Ltda. - 1997 Avanti Editora de Livros, Revistas e Jornais Ltda. 221.

A

Febre

Amarela

em

Campinas,

1889-1900.

Lycurgo de Castro Santos Filho / José Nogueira Novaes - Unicamp - 1996 www.editora.unicamp.br livraria@editora.unicamp.br 222.

A

Moacyr

Paixão Scliar

Transformada: -

História

Companhia

www.companhiadasletras.com.br

da das

Medicina Letras

na

Literatura. -

1996


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

321

223.

Biografia

George

de

Doyle

uma

Maia

-

Faculdade.

Atheneu

-

1996

www.atheneu.com.br atheneu@atheneu.com.br 224.

Cidade

Sidney

Febril

-

Chaloub

Cortiços

-

e

Epidemias

Companhia

das

na

Corte

Letras

Imperial -

1996

www.companhiadasletras.com.br 225.

Cristãos-Novos e seus Descendentes na Medicina Brasileira (1500-1850).

Bella

Herson

-

Universidade

de

São

Paulo

-

1996

www.usp.br/edusp edusp-venda@edu.usp.br 226.

Oswaldo

Moacyr

Cruz:

Scliar

-

Entre Relume

Micróbios Dumará

/

e

Barricadas.

Rioarte

-

1996

Relume Dumará relume@relumedumara.com.br 227.

Poder e Saúde: as Epidemias e a Formação dos Serviços de Saúde em

São

Paulo.

Rodolpho

Telarolli

Junior

-

Unesp

-

1996

www.editora.unesp.br 228.

Tributo a Vênus: a Luta Contra a Sífilis no Brasil, da passagem do

Século

aos

Sérgio

Carrara

anos -

40.

Fiocruz

-

1996

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 229.

Tributo a Vênus: A Luta Contra a Sífilis no Brasil, da Passagem do

Século

aos

Sérgio

Carrara

Anos -

40.

Fiocruz

-

1996

www2.fiocruz.br/editora.fiocruz editora@fiocruz.br 230.

A

Richard

Assustadora Gordon

História -

Ediouro

da

Medicina. -

1995

www.ediouro.com.br 231. Silvia

A Democracia Inconclusa: um Estudo da Reforma Sanitária Brasileira. Gershman

-

Fiocruz

-

1995

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 232.

Ciência e Saúde na Terra dos Bandeirantes: a Trajetória do Instituto


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

322

Pasteur Luiz

de

São

Antonio

Paulo

Teixeira

de

-

1903-1916

Fiocruz

-

1995

www2.fiocruz.br/ditora_fiocruz editora@fiocruz.br 233.

Ciência e Saúde na Terra dos Bandeirantes: a Trajetória do Instituto

Pasteur

de

São

Luiz

Antonio

Paulo

no

Teixeira

Período -

de

Fiocruz

1903-1916. -

1995

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br 234.

Oswaldo Cruz: a Construção de um Mito na Ciência Brasileira.

Nara

Britto

-

Fiocruz

-

1995

www2.fiocruz.br/editora editora@fiocruz.br 235. Nara

Oswaldo Cruz: a Construção de um Mito na Ciência Brasileira Brito

-

Rio

de

Janeiro:

Editora

Fiocruz,

1995.

-

1960

www2.fiocruz.br/editora_fiocruz editora@fiocruz.br História da Medicina – Referência Bibliografica para pesquisas – Material indicado para os Tomos I, II, III, IV, V, VI, VII, VIII, IX, X, XI, XII, XIII, XIV, XV, XVI, XVII, XVIII, XVIII, XIX, XX, XXI, XXII, XXIII e XIV DA SÉRIE NEUROCIÊNCIAS – PSICOBIOLOGIA – Professor César Venâncio. PARTE II 236.

ARTIGOS DA HISTÓRIA DA MEDICINA

237.

23/05/2011

239.

29/06/2010

241.

14/06/2010

243.

10/11/2009

245.

24/08/2009

247.

17/02/2009

249.

29/12/2008

238.

VII

CONGRESSO

PAULISTA

DE

HISTÓRIA DA MEDICINA 240.

VII CONGRESSO MINEIRO DE HISTÓRIA

DA MEDICINA 242.

XV Congresso Brasileiro de História da

Medicina 244.

Aluizio

Bezerra Coutinho

- Um

Sábio

Pernambucano do Século XX 246.

O Ato Médico e a Justiça

248.

Pródomos do Ensino Médico no Brasil -

Algumas das Antecipações de Pernambuco 250.

Biênio 2008 - 2009


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

323

251.

25/11/2008

252.

SUS, da desilução à esperança

253.

05/08/2008

254.

1808: Um Pernambucano na Corte

255.

05/08/2008

256.

Os "Entornos" da Saúde

257.

12/07/2008

258.

O Custo da Doença e da Saúde

260.

História e Medicina: A Discussão Médico-

259.

01/07/2008

científica sobre a Epidemia de Gripe Espanhola de 1918

261.

23/06/2008

262.

Judicialização da Saúde

263.

19/05/2008

264.

Misericórdia, Santa Casa!

265.

13/05/2008

266.

O Dia "D"

267.

13/05/2008

268.

Um Mosquito em Nossas Vidas!

269.

13/05/2008

270.

Doença de Chagas: BHC ou BNH?

271.

15/12/2007

272.

Dados Relevantes da História da Medicina em

273.

13/11/2007

275.

13/11/2007

276.

Ensino Médico no Brasil: 200 anos

277.

13/11/2007

278.

Ainda Cesarianas: Esclarecendo Dúvidas

279.

13/11/2007

280.

Primeiras

281.

29/06/2007

283.

29/12/2006

285.

28/12/2006

287.

27/12/2006

289.

21/11/2006

290.

Breve História do Hospital de Messejana

291.

29/07/2006

292.

História da Especialização Médica

293.

28/07/2006

294.

Maculo - A Estranha Doença dos Escravos

Passo Fundo -RS 274.

As Pioneiras da Medicina no Brasil e

Pernambuco

Cesarianas

no

Brasil

e

em

Pernambuco 282.

A Medicina e os Médicos de Pernambuco - O

Pioneirismo da Ciência e a Procrastinação do Ensino 284.

A Dor: Uma Experiência na História

286.

SARS: Primeira Epidemia da História do

Século XXI 288.

A Faculdade de Medicina Constrói a sua

Identidade: A Casa de Sarmento

Africanos


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

324

296.

Pavie:

Um

dos

Pioneiros

da

Moderna

295.

28/07/2006

297.

28/07/2006

299.

28/07/2006

301.

27/07/2006

303.

27/07/2006

304.

A Neurologia na Arte

305.

27/07/2006

306.

História da Medicina: Evolução e Importância

307.

27/07/2006

308.

A Origem do Branco na Medicina

309.

25/07/2006

310.

Brasileiros

311.

25/07/2006

313.

25/07/2006

Medicina de Minas Gerais 298.

História da Neurologia em Minas Gerais

300.

Pavie: L´un des Pionniers de la Medicine

Moderne du Bresil 302.

A Obra Filosófica e Médica de Pedros Hispano

(Papa João XXI)

Estudantes

de

Medicina

em

Montpellier no Século XVIII 312.

A França em Minas Gerais

314.

História da Psiquiatria na Faculdade de

Medicina da Universidade de Minas Gerais (19111961) 316.

História da Neurologia e da Neurocirurgia em

315.

25/07/2006

317.

25/07/2006

318.

Egas Moniz e a Neurocirurgia Brasileira

319.

18/07/2006

320.

The Early History of Neurosurgery in Brazil

321.

06/07/2006

322.

Broca e o Nascimento da Moderna Neurologia

324.

Primeira Intervenção Neurocirúrgica Praticada

323.

06/07/2006

Minas Gerais

por Médico Português ou Primeira Intervenção Neurocirúrgica Praticada em Território Português

325.

Heath, Thomas (ed.) (1956) [1908]. The Thirteen Books of Euclid's

Elements. 1. Dover Publications. ISBN 0-486-60088-2. 326.

Heath, Thomas L. (1908), "Euclid and the Traditions About Him", in

Euclid, Elements (Thomas L. Heath, ed. 1908), 1:1–6, at Perseus Digital Library. 327.

Heath, Thomas L. (1981). A History of Greek Mathematics, 2 Vols. New

York: Dover Publications. ISBN 0-486-24073-8 / ISBN 0-486-24074-6.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

325

328.

HISTÓRIA: - O espelho de Heródoto -

Autor: Hartog, François

Editora: UFMG - Temas: Biografia, História Da Grécia Antiga 329.

HISTÓRIA: - A morte de Heródoto -

Autor: Soares, Carmem I. L.

Editora: Calouste Gulbenkian - Temas: História Geral. 330.

Heath (1956), p. 2..

331.

Heath (1981), p. 360.

332.

http://georgiush-860.blogspot.com.br/

333.

http://www.umm.edu/esp_imagepages/8624.htm

334.

http://www.gta.ufrj.br/grad/07_2/priscila/1.1.Biometria.html#Topic3

335.

http://www.aph.com.br

336.

http://www.saudeemmovimento.com.br/

337.

http://www.cvbb.org.br

338.

http://www.cref7.org.br

339.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/sites/gquery

340.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK3837/

341.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/sites/entrez?db=omim

342.

http://www.projetohomemvirtual.com.br/

343.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/sites/entrez?db=gene&cmd=retrieve&dopt=

default&rn=1&list_uids=6010. 344.

HO T, FAN R, HONG WW, KHIAN KB.: Maximal mydriasis

evaluation in cataract surgery. Indian J Ophthalmol 1992;40:74-8. 345.

HAKIM OJ, ORTON RB, CADERA W.: Topical 2.5% and 5%

phenylephrine: comparison of effects on heart rate and blood pressure. Can J Ophthalmol 1990;25:336-9. 346.

Humphries P, Kenna P, Farrar GJ. (1992). "On the molecular genetics of

retinitis

pigmentosa.".

Science

256

(5058):

804–8.

DOI:10.1126/science.1589761. PMID 1589761. 347.

Hoyer D, Clarke DE, Fozard JR, Hartig PR, Martin GR, Mylecharane EJ,

Saxena PR, Humphrey PP. (1994). "International Union of Pharmacology classification of receptors for 5-hydroxytryptamine (Serotonin)". Pharmacol. Rev. 46 (2): 157–203. PMID 7938165. 348.

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0004-

282X2005000400033&script=sci_arttext>. Acesso em: 18 set 2011.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

326

349.

http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n3/v10n3a04.htm>. Acesso em: 22

nov. 2011. 350.

http://www.psiqweb.med.br/site/DefaultLimpo.aspx?area=ES/VerClassif

icacoes&idZClassificacoes=123. 351.

http://www.scielo.br/pdf/%0D/jped/v80n2s0/v80n2Sa08.pdf.

352.

http://www.psicosite.com.br/tra/inf/tdah.htm#adultos.

353.

http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2009/anais/pdf/2539_1700.

pdf. 354.

HASENBALG, Carlos A. Discriminação e desigualdades raciais no

Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1979. 302 p. 355.

Henderson SE, Sugden DA. The movement assessment battery for

children. San Antonio:The Psychological Corporation;1992. 356.

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0004-

282X2005000400033&script=sci_arttext>. Acesso em: 18 set 2011. 357.

ttp://www.alzheimer.med.br/cuidador.htm>. Acesso em: 23 set 2011.

358.

http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n3/v10n3a04.htm>. Acesso em: 22

nov. 2011 359.

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0004282X2002000100013&script

=sci_arttext>. Acesso em: 13 nov 2011. 360.

http://www.psiqweb.med.br/site/DefaultLimpo.aspx?area=ES/VerClassif

icacoes&idZClassificacoes=123 361.

http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2009/anais/pdf/2539_1700.

pdf. 362.

http://www.psiqweb.med.br/site/DefaultLimpo.aspx?area=ES/VerClassif

icacoes&idZClassificacoes=123 363.

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0004-

282X2005000400033&script=sci_arttext>. Acesso em: 18 set 2011. 364.

http://www.prof2000.pt/users/ajleonardo/segredos/ondas_de_luz.htm

365.

http://www.psicosite.com.br/tra/inf/tdah.htm#adultos

366.

http://tdah.org.br/ ABDA]

367.

http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2009/anais/pdf/2539_1700.

pdf


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

327

368.

LUNDBERG

phacoemulsification

B,

BEHNDIG

cataract

surgery.

A.: J

Intracameral Cataract

mydriatics

Refract

Surg.

-

in

2003

Dec;29(12):2366-71 369.

Lubert Stryer, Jeremy Mark Berg, John L. Tymoczko (trad. Serge

Weinman), Biochimie, Flammarion, « Médecine-Sciences », Paris, 2003, 5ª éd. ISBN 2-257-17116 370.

Lehninger, Albert L. Princípios da bioquímica

371.

LUNDBERG B.: Safety and efficacy of intracameral mydriatics in

cataract surgery. 2008; UMEÄ University medical dissertations. ISBN 978-917264-470-0 372.

LALANDA; Sobre a metodologia qualitativa na pesquisa Sociológica;

Análise Social, vol. XXXIII (148), 1998 (4.º), 871-883. Disponível em: < http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1224154176E1jDU8rb4Nc15SI4.pdf>. Acesso em: 22 nov 2011. 373.

LEMBO A. Química: realidade e contexto. São Paulo, Editora Ática,

2001. 374.

07 - LIVRO DE PRIMEIROS SOCORROS - 2ª Edição

375.

Stephen N. Rosemberg, M.D. - Johnson e Johnson

376.

Editora Record

377.

LUZARDO A.R.; GORINI MIPC, SILVA APSS. Características de

Idosos com Doença de Alzheimer e seus Cuidadores: Uma Série de Casos em um Serviço de Neurogeriatria. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, 2006 out-dez;

15(4):

587-94.

Disponível

em:

<http://www.scielo.br/pdf/tce/v15n4/v15n4a06.pdf>. Acesso em: 16 set 2011. 378.

LUZARDO, A. R.; WALDMAN, B. F. Atenção ao familiar cuidador do

idoso com Doença de Alzheimer. Acta Scientiarum Health Sciences. Maringá. V. 26, n. 1, p. 135-145, 2004. 379.

LUIS AUGUSTO ROHDE, EURÍPEDES CONSTANTINO, MIGUEL

FILHO, LÚCIA BENETTI, CAROLINA GALLOIS, CHRISTIAN KIELING. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade na infância e na adolescência: considerações clínicas e terapêuticas. Rev. Psiq. Clin. 31 (3); 124-131, 2004 http://www.scielo.br/pdf/rpc/v31n3/a02v31n3.pdf


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

328

380.

LUNDBERG B, BEHNDIG A.: Separate and additive mydriatic effects

of lidocaine hydrochloride, phenylephrine, and cyclopentolate after intracameral injection. J Cataract Refract Surg. 2008 Feb;34(2):280-3 381.

LEVET, O. TOUZEAU et al.: Comparative Study of Pupil Dilation:

Ophthalmic Insert versus Eye Drops. Invest Ophthalmol Vis Sci 2003;44: EAbstract 4454 382.

Laboratório de Biologia Celular e Tecidual (LBCT) do Centro de

Biociências e Biotecnologia (CBB) da UENF. 383.

McKusick VA. Mendelian Inheritance in Man; A Catalog of Human

Genes and Genetic Disorders. Baltimore, MD: The Johns Hopkins University Press, 1998. ISBN 0-8018-5742-2. 384.

Marek GJ, Carpenter LL, McDougle CJ, Price LH. (2003). "Synergistic

action of 5-HT2A antagonists and selective serotonin reuptake inhibitors in neuropsychiatric disorders". Neuropsychopharmacology 28 (2): 402–12. DOI:10.1038/sj.npp.1300057. PMID 12589395 385.

Midríase: dilatação da pupila

386.

Miose: contração da pupila.

387.

Mick E, Biederman J, Faraone S, Sayer J, Kleiman S. Case control study

of ADHD and maternal smoking, alcohol use, and drug use during pregnancy. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry. 2002;41:378-85. 388.

MANUAL do Cuidador do Idoso. Cuidar melhor e evitar a violência.

Programa Providência de Elevação da Renda Familiar. Manual. Distribuição pelo

Ministério

Público.

Brasília;

2008.

Disponível

em:

http://www.ciape.org.br/manual_cuidador.pdf. Acesso em: 22 nov 2011. 389.

MARCONI, M. A., LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa:

planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa. Elaboração. Análise e interpretação de dados. 7 ed. São Paulo: Atlas 2008. 390.

MINAYO, M.C.S; Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29.ª

edição; Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2010. 391.

MENDES, P. M. T. Cuidadores: heróis anônimos do cotidiano. In:

KARSH, U. M. (org) Envelhecimento com dependência: revelando cuidadores. São Paulo: EDUC, 1998. cap. 5, p. 171-197.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

329

392.

MYERS WG, SHUGAR JK.: Optimizing the intracameral

dilation

regimen for cataract surgery: prospective randomized comparison of 2 solutions. J Cataract Refract Surg. 2009 Feb;35(2):273-6 393.

MANUAL DE PRIMEIROS SOCORROS Cruz Vermelha - dist. pelo

Sem. Meira Filho em 1992 394.

Morrow, Glen. A Commentary on the first book of Euclid's Elements.

395.

Macardle, et al. (2008). Scientists: Extraordinary People Who Altered the

Course of History. New York: Metro Books. g. 12. 396.

Maton, Anthea; Hopkins, Jean; Johnson, Susan; LaHart, David Quon;

Warner, Maryanna; Wright, Jill D. Cells Building Blocks of Life. New Jersey: Prentice Hall, 1997. ISBN 0-13-423476-6. 397.

Michie K, Löwe J. (2006). "Dynamic filaments of the bacterial

cytoskeleton".

Annu

Rev

Biochem

75 pp.

467–92.

DOI:10.1146/annurev.biochem.75.103004.142452. PMID 16756499. 398.

Moreno, Luciano (28 de fevereiro de 2008). Teoria da Cor. Propriedades

das Cores. Criarweb. Página visitada em 31 de janeiro de 2012. 399.

Mendes HF, van der Spuy J, Chapple JP, Cheetham ME. (2005).

"Mechanisms of cell death in rhodopsin retinitis pigmentosa: implications for therapy.".

Trends

in

molecular

medicine

11

(4):

177–85.

DOI:10.1016/j.molmed.2005.02.007. PMID 15823756. 400.

MANTOAM, M.T.E. Pensando e fazendo educação de qualidade. São

Paulo, Editora Moderna, 2001. 401.

MANTOAM, M.T.R. Pensando e fazendo educação de qualidade, SP:

Ed. Moderna, 2001. 402.

MEDIAVILLA, Claude; van Stone, Mark; Jackson, Donald; Xuriguera,

Gérard. Calligraphy: from calligraphy to abstract painting. [S.l.]: Scirpus Publications, 1996. ISBN 9080332518. 403.

MACMAHON, Michael K. C.. In: P. T. Daniels and W. Bright (eds.).

The World's Writing Systems. New York: Oxford University Press, 1996. 821– 846 p. ISBN 0-19-507993-0. 404.

Médicos de Portugal. Diagnóstico Diferencial. Página visitada em 23 de

agosto de 2009. Dr. Ricardo Massucatto. Diagnóstico Diferencial para Médicos. Página visitada em 21 de agosto de 2009..


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

330

405.

Mick E, Biederman J, Faraone S, Sayer J, Kleiman S. Case control study

of ADHD and maternal smoking, alcohol use, and drug use during pregnancy. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry. 2002;41:378-85. 406.

__________MELO, 2000

407.

MELO, Zélia Maria de. Estigmas: Espaço para exclusão social. Revista

Symposium, v. 4, n. especial, dez. 2000. 408.

Magalhães LC, Rezende MB. Avaliação da coordenação e destreza

motora - ACOORDEM: etapas de criação e perspectivas de validação. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2004;15(1):17-25. 409.

Martin NC, Piek JP, Hay D. DCD and ADHD: a genetic study of their

shared a etiology. Hum Mov Sci. 2006;25(1):110-24. 410.

Missiuna C. Children with developmental coordination disorder: at home

and in classroom. Canchild: Center for Childhood Dosability Research. Canada;2003. 411.

NELSON, David L.; COX, Michael M., Lehninger Principles of

Biochemistry, 4ª edição, W. H. Freeman, 2005, ISBN 978-0-7167-4339-2 412.

OFTALMOLOGIA -

Mosby’s Medical, Nursing and Allied Health

Dictionary, Fourth Edition, Mosby-Year Book Inc., 1994, p. 1402 (em inglês). 413.

OFTALMOLOGIA - Cassin, B. and Solomon, S. Dictionary of Eye

Terminology. Gainesville, Florida: Triad Publishing Company, 1990 (em inglês). 414.

OFTALMOLOGIA - Hermann D. Schubert. A anatomia do globo ocular

(pdf) (em inglês).[ligação inativa] 415.

OFTALMOLOGIA - Romer, Alfred Sherwood. The Vertebrate Body

(em inglês). Philadelphia, PA: [s.n.], 1977. 461 p. ISBN 0-03-910284-X 416.

OFTALMOLOGIA -

REID, Paul. Biometrics for Network Security.

Prentice-Hall, 2003. 417.

OFTALMOLOGIA -

JAIN, Anil, BOLLE, Ruud and PANKANTI,

Sharath. Biometrics “ Personal Identification in Networked Society . Kluwer Academic Publishers, 2002. 418.

OFTALMOLOGIA - DAUGMAN, John. How Íris Recognition Works.

Universidade de Cambrigde, 2004.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

331

419.

OFTALMOLOGIA - PRADO JÚNIOR, Celso de Almeida “ Biometria

com Enfoque em Reconhecimento de Íris. Londrina, 2005. Trabalho de Conclusão de Curso “ Departamento de Computação, Universidade Estadual de Londrina. 420.

OFTALMOLOGIA - MALTEZ, João e VALE, Leandro do. "Biometria:

Processamento de Imagem para Reconhecimento de Padrões de Íris", Departamento de Engenharia Informática, Universidade de Coimbra, 2005. 421.

http://www.cl.cam.ac.uk/~jgd1000/ - acessado em 11/09/2012

422.

OFTALMOLOGIA

-

http://www.argus-

solutions.com/how_iris_recognition_works.htm acessado em 11/09/2012 423.

OFTALMOLOGIA

-

http://www.tiresias.org/guidelines/biometrics_iris.htm acessado em 11/09/2012 424.

OFTALMOLOGIA - http://pwp.net.ipl.pt/alunos.isel/24685/index.html -

acessado em 11/09/2012 425.

http://www.lgiris.com/ - acessado em 11/09/2012

426.

OFTALMOLOGIA - Biometria - Reconhecimento de Iris. - Créditos:

Priscila Pecchio Belmont Albuquerque. Assessorado pelos Professores: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte. Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa. Universidade Federal no Estado do Rio de Janeiro. DISCIPLINA: REDES DE COMPUTADORES II 427.

OFTALMOLOGIA

-

AUMONT,

Jacques.

A

Imagem. Campinas: Papirus Editora, 1993. 428.

OFTALMOLOGIA - GUIMARÃES, Luciano. A Cor como Informação

– a Construção Biofísica, Lingüística e Cultural da Simbologia das Cores. São Paulo: Annablume, 2000 429. Página

O Livro Preparacao & Revisao de ... - Google Livros. books.google.pt. visitada

em

2012-09-04.

(http://www.espacofotografico.com.br/Dicasfotografiateoriadascores.htm) 430.

Press Release: The Nobel Assembly at the Karolinska Institute has today

decided to award the Nobel Prize in Physiology or Medicine for 1994 jointly to Alfred G. Gilman and Martin Rodbell for their discovery of "G-proteins and the role of these proteins in signal transduction in cells". 10 October 1994


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

332

431.

PRIMEIROS SOCORROS - 2ª Edição

- SENAC - Departamento

Nacional - Diretoria de Formação Nacional - Rio de Janeiro 1991 432.

PRIMEIRO SOCORROS PARA ESTUDANTES - 7ª Edição - Brente Q.

Hafen; Keith J. Karren; Kathryn J. Frandsen - Editora Manole 433.

PRIMEIROS SOCORROS – J. David Bergeron, Glória Bizjak -

Tradução: Maria Alice Fortes Gattos, Kazuko - Uchikawa Graziano, Arlete Silva – São Paulo 1999 - Editora Atheneu 434.

Passy, Paul. (1888). "Our revised alphabet". The Phonetic Teacher: 57–

60.Pullum and Ladusaw, Phonetic Symbol Guide, pp 152 & 209. 435.

PHTLS – Atendimento Pré-hospitalar ao Traumatizado – Básico e

Avançado – Tradução da 5ª 436.

Pinhole - Fotografias

Dedicado à exposição de fotografias pinhole

tiradas em São 437.

_________Paulo, é apresentado método para construção da câmera

escura. 438.

Panno, Joseph. The Cell: Evolution of the First Organism (em inglês).

New York: Facts 439.

PARKINSON.

Doença

de

Parkinson.

Disponível

em:

<Http://

www.doencadeparkinson.com.br>. Acesso em: 23 set 2011. 440.

PASCALE, MARIA A. Ergonomia e Alzheimer: a contribuição dos

fatores ambientais como recurso terapêutico nos cuidados de idosos portadores da

demência

do

tipo

Alzheimer.

2002.

Disponível

em:

<http://www.alzheimer.med.br/cuidador.htm>. Acesso em: 23 set 2011. 441.

PAVARINI SCI, IN. FILIZOLA CLA ET AL. Cuidando de idosos com

Alzheimer: a vivência de cuidadores familiares. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2008; 10(3):580-90.

Disponível

em:

<http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n3/v10n3a04.htm>. Acesso em: 22 agosto de 2012. 442.

PASCALE. Maria Aparecida. Ergonomia e Alzheimer: A Contribuição

dos Fatores Ambientais Como Recurso Terapêutico nos Cuidados de Idosos Portadores da Demência do Tipo Alzheimer. Florianópolis; 2002 Disponível em: <http://www.ergonet.com.br/download/ergonomia_alzheimer_maria_a_pascale. pdf>. Acesso em: 18 agosto de 2012.


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

333

443.

PSIQUIATRIA – Referências. Organização Mundial de Saúde.

Classificação e Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10: Descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Editora Artes Médicas; 1993. 444.

Parrillo, Vincent (2008). Encyclopedia of Social Problems. SAGE. p. 63.

ISBN 9781412941655. Retrieved 2009-05-02. 445.

Pott, Gottfried. Kalligrafie Intensiv-Training. [S.l.]: Hermann Schmidt,

2006. ISBN 3874397009. 446.

Pott, Gottfried. Kalligrafie Erste Hilfe und Schrift-Training mit Muster-

Alphabeten. [S.l.]: Hermann Schmidt, 2005. ISBN 3874396754. 447.

Propfe,

Joachim.

SchreibKunstRäume:

Kalligraphie

im

Raum.

[S.l.]: Callwey GmbH & Co., 2005. ISBN 3766716301 PSIQUIATRIA – REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA – 448.

Andrade et al. Análise da eficácia do metilfenidato usando a versão

abreviada do questionário de CONNERS em TDAH. Arq Neuropsiquiatr, supl 1; 81-85, 2004. 449.

Antony et al. A criança hiperativa: uma visão da abordagem gestáltica.

Psic: Teor. E Pesq, 127-134, 2004. 450.

Essau CA; Groen G; Conradt J; Turbanisch U; Petermann F - Frequency,

comorbidity and psychosocial correlates of attention-deficit/hyperactivity disorder. Results of a Bremen adolescent study. Fortschr Neurol Psychiatr, 1999 Jul, 67:7, 296-305. 451.

Hughes JR; Hale KL - Behavioral effects of caffeine and other

methylxanthines on children. Exp Clin Psychopharmacol, 1998 Feb, 6:1, 87-95 452.

Jonkman LM; Kemner C; Verbaten MN; Van Engeland H; Kenemans

JL; Camfferman G; Buitelaar JK; Koelega HS - Perceptual and response interference in children with attention-deficit hyperactivity disorder, and the effects of methylphenidate. Psychophysiology, 1999 , 36:4, 419-29. 453.

_____________Kaplan et al. Tratado de Psiquiatria.1999.

454.

Pastura et al. Efeitos colaterais do metilfenidato. Ver. Psiq. Clin, 100-

104, 2004. 455.

Shader RI; Harmatz JS; Oesterheld JR; Parmelee DX; Sallee FR;

Greenblatt DJ - Population pharmacokinetics of methylphenidate in children


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

334

with attention-deficit hyperactivity disorder. J Clin Pharmacol, 1999 Aug, 39:8, 775-85 456.

Smith BH; Pelham WE; Gnagy E; Yudell RS - Equivalent effects of

stimulant treatment for attention-deficit hyperactivity disorder during childhood and adolescence. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry, 1998 Mar, 37:3, 314-21. 457.

Souza et al. Dificuldades no diagnóstico de TDAH em crianças. J. bras.

Psiquiatr. 56, supl 1; 14-18, 2007. 458.

SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. Ed.Artmed, Porto Alegre1998

459.

ZORZI, Jaime. Guia prático para ajudar crianças com dificuldades de

aprendizagem: Dislexia e outros distúrbios. Editora Melo. São Paulo, 2008 460.

_______________SALMINEN L.: Review: systemic absorption of

topically 461.

STÉPHANE

MOULY,

ISABELLE

MAHÉ,

et

al.:

PharmacodynamicsBIBLIOGRAFIA: 462.

Struik p. 51 ("a sua estrutura lógica influenciou o pensamento científico

talvez mais do que qualquer outro texto no mundo"). 463.

Struik, Dirk J. (1967). A Concise History of Mathematics. Dover

Publications. ISBN 486-60255-9. 464.

Sperelakis, Nicholas (editor); Forbes, Michael S. (autor do capítulo);

Ferguson, Donald G. (autor do capítulo). Cell Physiology Sourcebook: A Molecular Approach (em inglês). 3ª ed. San Diego, California: Academic Press. Capítulo: 6:Ultrastructure of Cells, 1235 p. p. 107. ISBN 0-12-656977-0 465.

Sung CH, Davenport CM, Hennessey JC, et al.. (1991). "Rhodopsin

mutations in autosomal dominant retinitis pigmentosa.". Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. 88 (15): 6481–5. DOI:10.1073/pnas.88.15.6481. PMID 1862076. 466.

Sheffield VC, Fishman GA, Beck JS, et al.. (1991). "Identification of

novel rhodopsin mutations associated with retinitis pigmentosa by GC-clamped denaturing gradient gel electrophoresis.". Am. J. Hum. Genet. 49 (4): 699–706. PMID 1897520. 467.

STUART Gail W. e LARAIA M. T. – Enfermagem Psiquiátrica –

Princípio e Prática 6ª ed. Porto Alegre: Artmed. ed. 2001. 468.

SPINDOLA e SANTOS; Trabalhando com a história de vida: percalços

de uma pesquisa(dora?); Revista da Escola de Enfermagem. USP; 2003; 37(2):


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

335

119-26.

Disponível

em:

<http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v37n2/14.pdf>.

Acesso em: 22 nov 2011. 469.

SÃO LUIZ GONZAGA. Prefeitura Municipal de. Disponível em:

<http://www.saoluizrs.com.br/>. Acesso em: 20 set 2011. 470.

Schonwald A, Lechner E (April 2006). "Attention deficit/hyperactivity

disorder: complexities and controversies". Curr. Opin. Pediatr. 18 (2): 189–95. doi:10.1097/01.mop.0000193302.70882.70. PMID 16601502. 471.

Suicídio é problema de saúde pública. Página visitada em 2010-11-09.

472.

Shader RI; Harmatz JS; Oesterheld JR; Parmelee DX; Sallee FR;

Greenblatt 473.

Smith BH; Pelham WE; Gnagy E; Yudell RS - Equivalent effects of

stimulant 474.

treatment for attention-deficit hyperactivity disorder during childhood

and 475.

adolescence. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry, 1998 Mar, 37:3, 314-

21 476.

Souza et al. Dificuldades no diagnóstico de TDAH em crianças. J. bras.

Psiquiatr. 56, supl 1; 14-18, 2007 477.

Sally Thomason (2 de janeiro de 2008). Why I Don't Love the

International Phonetic Alphabet. Language Log. 478.

SCHIMMEL, Annemarie. Calligraphy and Islamic Culture. [S.l.]: I. B.

Tauris, 1990. ISBN 1850431876 479.

Summers J, Larkin D, Dewey D. Activities of daily living in children

with developmental coordination disorder: dressing, personal hygiene, and eating skills. Hum Mov Sci. 2008;27(2):215-29 480.

Stephenson EA, Chesson RA. "Always the guiding hand": parents'

accounts of the long-term implications of developmental co-ordination disorder for their children and families. Child Care Health Dev. 2008;34(3):335-43. 481.

Sampaio RF, Mancini MC. Systematic review studies: a guide for careful

synthesis of the scientific evidence. Rev Bras Fisioter. 2007;11(1):83-9. 482.

Schoemaker MM, Flapper B, Verheij NP, Wilson BN, Reinders-

Messelink HA, de Kloet A. Evalution of the Developmental Coordination


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

336

Disorder Questionnaire as a screening instrument. Dev Med Child Neurol. 2006;48(8):668-73. 483.

Sperelakis, Nicholas (editor); Forbes, Michael S. (autor do capítulo);

Ferguson, Donald G. (autor do capítulo). Cell Physiology Sourcebook: A Molecular Approach (em inglês). 3ª ed. San Diego, California: Academic Press. Capítulo: 2:Physiological Structure and Functions of Proteins, 1235 p. p. 19. ISBN 0-12-656977-0 484.

Sharma, Kal Renganathan. Bioinformatics. New York: McGraw-Hill,

2009. 320 p. p. 2-6. ISBN 978-0-07-159306-9 485.

Setubal, João; Meidanis, João. Introduction to Computational Molecular

Biology. Boston: PWS Publishing Company, 1997. Capítulo: 8: Molecular Structure Predition, 296 p. p. 252-253. ISBN 0-534-95262-3 486.

Stansfield, William D.; Colomé, Jaime S.; Cano, Raúl J. Molecular and

Cell Biology (em inglês). New York: McGraw-Hill. 122 p. p. 1. ISBN 0-07139881-3 487.

Tabela baseada no FAQ OMIM

488.

The Nobel Prize in Physiology or Medicine 1994, Illustrated Lecture.

489.

King N, Hittinger CT, Carroll SB. (2003). "Evolution of key cell

signaling and adhesion protein families predates animal origins". Science 301 (5631): 361-3. DOI:10.1126/science.1083853. PMID 12869759. 490.

______________Kaplan et al. Tratado de Psiquiatria.1999

491.

KAPLAN, Haroldo I; SADOC, Benjamin J. e GREB, Jack A. –

Compêndio de psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiatria clínica – 7 ed. – Porto Alegre: Artmed, 1997. 492.

KNOPMAN DS, DE KOSKY ST, CUMMINGS JL, et al. Practice

parameter: diagnosis of dementia (an evidence-based review). Report of the Quality Standards Subcommittee of the American Academy of Neurology. Neurology 2001; 56:1143-1153. 493.

Kodak A câmera escura, o princípio da fotografia.

494.

Kline, Morris (1980). Mathematics: The Loss of Certainty. Oxford:

Oxford University


SÍNDROMES – Segunda Parte - TOMO III – Síndromes com repercussão na deficiência intelectual, distúrbios e transtornos neuropsicobiológico.VOLUME II - Professor César Augusto Venâncio da Silva.

337

495.

Karp, Gerald. Cell and Molecular Biology: Concepts and Experiments

(em inglês). 5ª ed. New Jersey: John Wiley, 2008. p. 1-30. ISBN 978-0-47004217-5 496.

Keen TJ, Inglehearn CF, Lester DH, et al.. (1992). "Autosomal dominant

retinitis pigmentosa: four new mutations in rhodopsin, one of them in the retinal attachment

site.".

Genomics

11

(1):

199–205.

DOI:10.1016/0888-

7543(91)90119-Y. PMID 1765377. 497.

Wang TN, Tseng MH, Wilson BN, Hu FC. Functional performance of

children with developmental coordination disorder at home and at school. Dev Med Child Neurol. 2009;51(10):817-25. 498.

Watson, James D.; Baker, Tania A.; Bell, Stephen P.; Gann, Alexander;

Levine, Michael; Losick, Richard. Molecular Biology of the Gene (em inglês). 5ª ed. San Francisco, CA: Pearson, Benjamin Cummings, 2004. 732 p. p. 72. ISBN 0-8053-4635-X

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL - SÍNDROMES TOMO III CAPÍTULO I  

LIVRO DE NEUROCIENCIA

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you