Issuu on Google+

Segunda-feira, 24 de março de 2014

Rodovia MS-080 - KM 71 Rochedo - MS

bem estar

Gabriel Santos

A médica Cidinha com o marido, deputado Antônio Carlos Arroyo, e a homenageada, Heda Medeiros Página B4

E-mail: jornalimpactoms@hotmail.com

Getty Images

O senso de humor também depende da sua idade, gênero, QI, inclinação política

Bom humor melhora a saúde e a inteligência A

char uma piada engraçada depende de mais variáveis do que provavelmente você possa supor. Depende de uma compreensão cultural comum das propriedades técnicas do óleo de rícino. Como muitas piadas e qualquer aluno do quarto ano pode comprovar, depende de sua delicadeza em relação às funções corporais. De forma menos óbvia, o senso de humor também depende da sua idade, gênero, QI, inclinação política, grau de extroversão e da saúde do seu circuito de recompensa de dopamina. Se você acha toda essa análise pouco engraçada, [o escritor norte-americano] E.B. White estaria com certeza lhe apoiaria. Ele escreveu um dia que desmontar piadas é como dissecar sapos: poucas pessoas se interessam e o paciente sempre morre no final.

Felizmente, o neurocientista cognitivo Scott Weems não tem medo de parecer sem graça. O humor merece um estudo acadêmico sério, ele argumenta em seu livro, “Ha! The Science of When We Laugh and Why” (Há! A ciência de quando rimos e por quê, em tradução livre), porque produz vislumbres de como nosso cérebro processa um mundo complexo e como isso, por sua vez, nos transforma em quem somos. Mais tempo rindo Embora animais riam, os humanos passam mais tempo rindo do que exibindo qualquer outra emoção. Porém, o que confere a algumas pessoas um senso de humor melhor do que o de outros? Sem surpresa, os extrovertidos costumam rir mais e produzir mais piadas; contudo, em testes que medem a capacidade de escrever legendas de charges, as pessoas

mais neuróticas, agressivas, manipuladoras e dogmáticas eram as mais engraçadas. Como diz o velho ditado, os melhores humoristas são tristes. Talvez, escreve Weems, as pessoas infelizes são “mais propensas do que as outras a falar de forma desajeitada ou não aceitável socialmente para fazer uma boa piada”. Ou como pessoas de Aristóteles a Gertrude Stein ressaltaram, a infelicidade pode gerar a criatividade, e as melhores piadas exigem ginástica intelectual e uma observação astuta da natureza humana. Analisar o humor às vezes exige dissecar piadas. Weems desmonta as piadas da “compreensão” em três componentes básicos: construção (examinar conhecimento relevante, experiência e expectativas), avaliação (descartar nossos erros e expectativas

Rir relaxa os vasos sanguíneos, melhorando a circulação, de forma similar ao exercício aeróbico

errôneas) e resolução (chegar a uma conclusão satisfatória e muitas vezes surpreendente). Veja como seu cérebro rapidamente faz essas três coisas ao ler o seguinte título merecedor de ser citado pelo apresentador Jay Leno: “Doutor testemunha em julgamento de cavalo”. Para Weems, essas três etapas são as mesmas que usamos para solucionar problemas diários, quer logísticos, interpessoais ou existenciais. Segundo ele, “interpretar nosso mundo é um evento criativo”. Em sua raiz, as piadas têm a ver com conflitos e “detectar erros é a forma pela qual nossos cérebros transformam conflitos em recompensas”. Sem essa capacidade, não seríamos capazes de tomar decisões, aprender novos truques ou nos darmos bem com os outros. Homens e mulheres Existem questões impor-

tantes que o livro não aborda. Em particular, a discussão do humor masculino e feminino é interessante, mas insatisfatória. Ao explicar por que os homens costumam fazer mais piadas embora as mulheres tenham uma tendência maior de rir delas, o autor especula que as mulheres encaram as piadas “com uma mente mais aberta”. Entretanto, eu suspeito que existam fatores culturais em ação que têm a ver com poder e submissão, além de antigas estratégias evolucionárias de galanteio. Faça-nos rir e seremos suas. Os homens querem que as mulheres riam, para o constrangimento de feministas como a artista de rua Tatyana Fazlalizadeh (visite seu site “Stop Telling Women to Smile”, parem de mandar as mulheres sorrirem, em tradução livre). De forma interessante, as mulheres riem menos conforme envelhecem, mas não os homens.

Ainda assim, Weems faz uma boa defesa de que o humor nos torna melhores e de que todos nós deveríamos rir mais. Como exercício “Estudos mostram que o humor melhora nossa saúde, nos ajuda a nos dar bem com os outros e até nos torna mais inteligentes”, garante o livro. Rir literalmente relaxa os vasos sanguíneos, promovendo uma circulação saudável, de forma similar ao exercício aeróbico. Curiosamente, no entanto, as pessoas mais engraçadas não vivem mais tempo. Não apenas elas costumam ser mais neuróticas como apresentam maior probabilidade de fumar, a ser mais sedentárias e a ganhar peso. Mesmo assim, mesmo que não prolongue a vida, o humor a torna mais suportável ao reduzir nossa dor física e emocional. (Uol)


9__