Page 1

B2

brasil

Quinta-feira, 8 de maio de 2014

ECONOMIA

www.impactonewsms.com.br

Voltado para o cidadão, o programa pretende convidar os telespectadores a participar ativamente dos debates

Outros governos também “forçaram a mão” nas contas públicas, diz Mantega Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O

ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse a equipe econômica que teve de “fazer ginástica” nas contas públicas para cumprir as metas fiscais em 2012. Ele negou, no entanto, que as operações feitas na época para alcançar a meta de superávit primário – economia para pagar os juros da dívida pública – sejam exemplo de contabilidade criativa e ressaltou que governos anteriores também “forçaram a mão” nas contas públicas. No fim de 2012, o governo usou R$ 12 bilhões do Fundo Soberano – poupança formada com o superávit primário excedente em 2008 – e R$ 7 bilhões de dividendos de estatais para reforçar o caixa do governo e economizar o estipulado pela Lei de Diretrizes Orçamentárias. O ministro, porém, destacou que, em nenhum momento, o governo descumpriu a legislação. “O orçamento nunca foi tão transparente e fiscalizado. O TCU [Tribunal de Contas da União] e a CGU [ControladoriaGeral da União], que são instituições rigorosíssimas, não apontaram irregularidades”, comentou o ministro em entrevista ao Programa Espaço Público, da TV Brasil. Mantega assegurou que, desde o ano passado, a equipe econômica mudou de postura e passou a ser mais transparente na administração das contas públicas. Segundo Mantega, as operações foram necessárias porque a arrecadação desacelerou em 2012 por causa da crise econômica e das desonerações de tributos. “Em 2012, tivemos de fazer um grande esforço para cumpria a meta fiscal. A economia cresceu pouco, a arrecadação também. Para fazer o esforço fiscal, tivemos de cortar gastos e fazer ginástica. Tivemos de pegar o Fundo Soberano e forçamos a barra nesse sentido”, declarou. De acordo com o ministro, a tática de “forçar a barra” nas contas públicas foi usada por outros ministros da Fazenda, como Delfim Netto, atualmente um dos maiores críticos às manobras fiscais da equipe econômica. Segundo ele, mesmo governos recentes usaram artifícios para atingir as metas fiscais. Perguntado pelo economista Paulo Francini, da Federação

A TV Brasil estreia o programa Espaço Público, comandado pelo jornalista Paulo Moreira Leite. O primeiro convidado é o ministro da Fazenda, Guido Mantega

das Indústrias do Estado de São Paulo, sobre qual decisão não repetiria hoje, o ministro disse que poderia ter estimulado mais a indústria, que desde 2012 atravessa uma fase de baixo crescimento. “Não sei se estimulamos adequadamente a indústria”, declarou. Mantega, no entanto, ponderou que uma desvalorização mais forte do real para aumentar as exportações de manufaturados aumentaria a inflação e poderia fazer o esforço cair por terra. O ministro respondeu ainda a perguntas de dois sindicalistas. O presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros, Antonio Neto, reivindicou a correção plena da tabela do Imposto de Renda. Mantega disse que, desde 2011, a tabela é corrigida anualmente. Ele destacou ainda outras medidas, como as reduções de impostos sobre os investimentos, a ampliação do limite do Simples Nacional e a desoneração da cesta básica.

O presidente da Central Única dos Trabalhadores, Vagner Freitas de Moraes, perguntou se o governo acabaria com o superávit primário para aumentar os investimentos, principalmente em prefeituras. O ministro respondeu que o fim do esforço fiscal está fora de cogitação. “Isso não tem a ver com ideologia. Se as contas públicas se esfacelarem, os juros começam a subir. A situação torna-se irreversível. Mostramos que é possível conciliar política fiscal sólida e políticas econômicas e sociais de desenvolvimento”, argumentou. Comandado pelo jornalista Paulo Moreira Leite, o Espaço Público estreou nessa terçafeira na TV Brasil. Com uma hora e meia de duração, linguagem jornalística e pautas relevantes, o programa semanal vai receber personalidades das áreas de economia, política, cultura, saúde, segurança, tecnologia, comportamento e coti-

diano, para discutir temas que afetam a vida da maioria da população. Voltado para o cidadão, o programa pretende convidar os telespectadores a participar ativamente dos debates. O Espaço Público apresenta novas formas de interação para que o espectador demande, critique, sugira e participe. O programa levará ao ar ainda reportagens especiais e mostrará opiniões de especialistas para aprofundar a discussão dos grandes temas da atualidade. Com mais de 40 anos de jornalismo, o apresentador Paulo Moreira Leite foi repórter do Jornal da Tarde e da Folha de S.Paulo e correspondente internacional da revista Veja e do jornal Gazeta Mercantil. Atualmente, é diretor da sucursal de Brasília da revista Isto É. O Espaço Público tem também como entrevistador o jornalista da Empresa Brasil de Comunicação Florestan Fernandes. Agência Brasil

PUBLICAÇÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE TERENOS ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL COMPOSIÇÃO DAS COMISSÕES PERMANENTES - BIENIO 2.013 – 2.014 COMISSÃO DE FINANÇAS E ORÇAMENTO Presidente: ASSIS ALVES DE ALMEIDA Relator: LEANDRO GUIMARÃES CARAMALAC DA COSTA Membro: BRAZ DIAS NETO COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO, JUSTIÇA E REDAÇÃO FINAL Presidente: LEANDRO GUIMARÃES CARAMALAC DA COSTA Relator: BRAZ DIAS NETO Membro: LUIZ CARLOS PAULO DA SILVA COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, SAÚDE E ASSISTENCIA SOCIAL Presidente: MARCELO ALEXANDRE CONSALTER Relator: ASSIS ALVES DE ALMEIDA Membro: LUIZ CARLOS PAULO DA SILVA COMISSÃO DE OBRAS E SERVIÇOS PUBLICOS, TRABALHO, AGRICULTURA, INDUSTRIA E COMÉRCIO Presidente: JOSE AGOSTIM ACOSTA NETO Relator: MARCELO ALEXANDRE CONSALTER Membro: ASSIS SALES DA ROCHA

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Governo apresenta balanço sobre infraestrutura para escoamento da safra Os ministros da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa), Neri Geller, dos Transportes (MT), Cesar Borges, e da Secretaria Especial de Portos (SEP), Antonio Henrique Silveira, realizaram, na terça-feira (6), o balanço das ações conjuntas adotadas para evitar congestionamentos nas vias de acesso ao Porto de Santos. Os planos foram elaborados devido aos gargalos apresentados no escoamento da safra anterior, em 2013. Para a safra de grãos 2013/14 as três pastas elaboraram planos de ação visando evitar a repetição de problemas. Em março deste ano, o movimento de cargas no Porto de Santos foi recorde; 10,4 milhões de toneladas. Segundo a Secretaria de Portos, 95% dos caminhões com destino ao Porto de Santos estavam agendados em abril. Os principais pontos mencionados durante a coletiva

de imprensa foram a redução dos custos do frete e do tempo de espera dos caminhoneiros nos terminais portuários. De acordo com Cesar Borges, as medidas efetuadas “permitiram queda de 10% no valor do frete para o Porto de Santos, já que tempo de espera no local diminuiu”. Os ministros também apresentaram vários planos, de infraestrutura e organizacionais, entre eles: A finalização, em dois meses, de um novo acesso à margem esquerda do porto de Santos, que está sob tutela da iniciativa privada; Implantar o projeto de automação do controle de entrada e saída de veículos; Uso de etiquetas inteligentes; Duplicação da via que liga Campinas a Santos, gerenciada pela América Latina Logística. Com informações do Portal Brasil

6__  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you