Issuu on Google+

esportes FFMS Divulgação

COPA 2014

CADERNO A4 Quarta-feira, 23 de abril de 2014

E-mail: jornalimpactoms@hotmail.com

Reunião desta terça serviu para o secretário-geral ter certeza do jogo entre Brasil e Croácia, será realizado no estádio alvinegro

Valcke avisa que não há um minuto a perder nas obras em Itaquera O

Djalma Vassão/Gazeta Press

Pré-candidatos desitem, Cezário será reeleito Vozes discordantes sempre se fizeram ouvir com críticas ao presidente Francisco Cezário de Oliveira, à frente da Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul (FFMS). Nos últimos meses, vários nomes foram cogitados para sucedê-lo no cargo - entre eles dirigentes e ex-dirigentes de clubes, técnicos e até radialistas. Mas com o processo eleitoral aberto e o pleito marcado para 30 de abril, a tendência é que Cezário concorra em chapa única e dê sequência à gestão da entidade a qual preside desde 1998. Foram ouvidos quatro dos alegados pré-candidatos, e nenhum deles confirmou a candidatura. A principal dificuldade apontada pela maioria é a composição da chapa: pelas regras da FFMS, somente será registrada a chapa assinada por, no mínimo, dez clubes e três ligas municipais com direito a voto. E a maioria dos atuais presidentes de clubes estaria comprometida com Cezário, argumentam os pretensos concorrentes. O prazo para inscrição vai até 25 de abril, e até lá o cenário político do futebol ainda pode mudar. Nos últimos meses, vários nomes foram cogitados para sucedê-lo no cargo - entre eles dirigentes e ex-dirigentes de clubes, técnicos e até radialistas. Mas com o processo eleitoral aberto e o pleito marcado para 30 de abril, a tendência é que Cezário concorra em chapa única e dê sequência à gestão da entidade a qual preside desde 1998. TONI VIEIRA O presidente do Operário-MS é um dos principais críticos à atual gestão da federação. Apesar disso, Toni disse que não conseguiu adesão suficiente de clubes e ligas para encabeçar uma chapa. - Assim não tem como montar uma chapa e se candidatar. Também não me sinto preparado nem com experiência para administrar uma

entidade de abrangência estadual, como é a nossa federação. ESTEVÃO PETRALLAS Com a experiência de ter sido um dos vice-presidentes da FFMS, entre 2003 e 2004, Estevão é sempre lembrado para suceder Cezário. Ele reconhece que o atual presidente é um candidato difícil de ser derrotado nas urnas. - Acho que ninguém tem condições de ganhar do Cezário. Sempre sou cogitado para sucedê-lo, mas precisa de muito apoio para registrar uma chapa. A insatisfação com a atual gestão é pública e notória, mas quem faz oposição não consegue ter acesso. AMARILDO CARVALHO Com vários títulos estaduais na carreira de jogador e técnico, Amarildo já foi alvo até de campanha em redes sociais, que o apoiava para a sucessão. Embora conte com o respaldo de alguns torcedores, o técnico sabe que é difícil montar chapa e concorrer. " Creio que não só eu, como ninguém vai montar chapa, porque precisa de mais de 10 nomes. Tentei articular com vários presidentes, mas ninguém quis. Se tiver aderência em torno da minha candidatura, ou se alguém puxar essa fila, com certeza eu entraria na disputa" afirma. OSMAR ALVES CÔCO O radialista esportivo admite que teve intenção de tentar a presidência da entidade, mas hoje avalia que concorrer seria perda de tempo. "Não tem como, porque todos os presidentes de clubes estão satisfeitos. Essa será uma eleição de cartas marcadas. Nosso futebol está decadente e daqui a quatro anos nem teremos mais futebol. Um dos motivos disso é a atual gestão, por isso defendo que precisa ter uma mudança", declara. Helder Rafael/ Globo Esporte

secretário-geral da Fifa, Jérome Valcke, observou atentamente as obras da Arena Corinthians, durante visita na manhã desta terça-feira, e manifestou sua confiança em ver tudo pronto para a abertura da Copa do Mundo, mas alertou que o ritmo dos trabalhos não pode mais sofrer alterações. “Não há um único minuto a perder, temos muito trabalho pela frente. É uma corrida contra o tempo”, afirmou o dirigente, acompanhado na visita por políticos, dirigentes do Corinthians e também por Ronaldo. A expectativa da Fifa era de que o estádio já estivesse pronto, mas houve atrasos no cronograma, em parte pelos acidentes que ocorreram no local e deixaram três mortos. Mesmo com o prazo apertado, a reunião desta terça na capital paulista serviu para o secretário-geral ter certeza de que o jogo entre Brasil e Croácia, no dia 12 de junho, pela abertura da Copa, será realizado no estádio alvinegro, em Itaquera. “Tivemos as últimas atualizações sobre o andamento das obras para a Copa e posso dizer que São Paulo estará pronto para a abertura. Não está dentro do cronograma, mas estará pronto”, afirmou. Além da abertura, outros cinco jogos serão disputados no estádio alvinegro. Conformado com o atraso, Valcke ainda lembrou que, neste momento, a única opção é concluir logo os trabalhos. “Na verdade, não temos muita escolha. Não sou um sonhador,

Jérome Valcke se mostrou conformado com os atrasos e acredita no estádio pronto

gosto de ver as coisas concretas e todos estão conscientes de que não há um minuto a perder”. O estádio corintiano passará por seu grande teste em 17 ou 18 de maio, quando o Corinthians receberá o Figueirense, para um público de 50 mil torcedores. Depois disso, a arena alvinegra será entregue para a Fifa, que controlará o local até o término do Mundial. Ronaldo se entusiasma em visita à arena alvinegra - O ex-atacante Ronaldo participou da visita da comitiva da Fifa às obras da Arena Corinthians, nesta terça-feira. Depois de ter passeado pelo estádio alvinegro, o integrante do Comitê Organizador Local (COL) se mostrou entusias-

mado com o que observou. “O estádio está realmente fantástico. Participei bem no início, motivando também o Andrés (Sanchez) a construir para a nação corintiana. Demorei (nesta terça) uns dez minutos para dar a volta e ver a mobilidade. Estou muito feliz por estar aqui dentro e saber que fiz parte para realizar este sonho para a nação”,

comentou. Ronaldo deixou o Corinthians no começo de 2011, quando encerrou a carreira, poucos meses antes do início das obras do estádio alvinegro. Nesta terça, o ex-jogador caminhou um pouco pelo gramado, ouviu grito de incentivo de um dos operários e sorriu ao lado dos demais integrantes da comitiva. Gazeta Press


4__