Issuu on Google+

Editorial

OPINIÃO

Lembrete Os artigo assinados são de inteira responsabilidades de seus autores e não refletem a opinião do Jornal Impacto MS

CADERNO A2 Terça-feira, 24 de junho de 2014

E-mail: jornalimpactoms@hotmail.com

Saúde campo-grandense está saindo do coma

Durante um ano e dois meses a população campo-grandense praticamente ficou desassistida na área da saúde. Nesse período as queixas das pessoas que precisavam de atendimento nas unidades de saúde sob a responsabilidade prefeitura ocuparam espaço considerável nos meios de comunicação. Falta de médicos especialistas, medicamentos de uso contínuo, filas intermináveis, agressões verbais e físicas, enfim, a saúde padecia. Em 90 dias, não que as coisas estavam funcionando de acordo com a vontade, o desejo de cada cidadão (â) que vai a busca de atendimento médico nos postos de saúde, é possível

perceber que houve um pequeno avanço. O próprio responsável pela pasta, vereador licenciado e médico urologista Jamal Mohamed Salem reconhece que ainda falta muita coisa. “Estamos ainda longe da saúde dos nossos sonhos”, confidenciou. Os números demonstram que em noventa dias a nova gestão administrativa do município e saúde conseguiu dobrar os exames laboratoriais de 40 para 80 diariamente por cada unidade de saúde. Outro ponto positivo mencionado pelo secretário Jamal Salem diz respeito à disposição da equipe da Sesau de acabar com a fila para a realização de exames de Raios-X. Fixou como

prazo mais 90 dias. Nos próximos dias serão retomados o Mutirão de Catarata realizado no Hospital São Julião com capacidade para realizar mil procedimentos mensalmente. Todas as ações aqui mencionadas foram relegadas ao ‘esquecimento’ da gestão que o povo decidiu por força do voto colocar na administração de Campo Grande em substituição ao então prefeito Nelson Trad Filho. Os vereadores, na sua maioria, acharam por bem corrigir o erro. A nova gestão pacificou o Legislativo Municipal, buscou apoio da Assembleia Legislativa, do Governo do Estado e da bancada federal (oito deputados federais e

três senadores). Futuramente, conforme conversa com o secretário Saúde Jamal Salem, Campo Grande será contemplada com dois hospitais: um Infantil outro Municipal, fruto da política de bom relacionamento que o prefeito Gilmar Olarte elegeu como prioridade para resolver os problemas da saúde pública. Sabendo que 65% da população campograndense defende mais atenção para o setor da saúde, pelo menos 25% do orçamento do município estão sendo aplicados no setor. São aproximadamente R$ 900 milhões/ano. A continuar assim, em Campo Grande “saúde será dentro de pouco tempo direito de todos”.

Artigo Algo sobre o tempo, espaço e pessoas Minamar Junior * Sabedoria milenar, arte ou experiência? Não importa o nome que se dê, o fato é que aqueles que vivem do campo, do mar ou dependem da chuva no sertão aprendem desde cedo a lerem o tempo e o espaço. Para estes, prever os fenômenos da natureza através de pequenos sinais é uma verdadeira necessidade. Nesses dias que vivemos a “síndrome do ano par”, todos nós eleitores precisamos aprender essa arte subjetiva, e mais do que o tempo e o espaço, precisamos “ler pessoas”. Se em alto mar é pelo pequeno brilho na água no breu da noite que o experiente pescador é guiado até o

cardume de sardinhas, e no sertão, o mandacaru que floresce na seca anuncia a chegada da chuva, ao valente sertanejo, na política não é diferente para o eleitor. E as ações, e “jogadas” articuladas, ou às vezes desarticuladas, dos candidatos, podem dizer muito sobre eles. É pena que em uma eleição de âmbito nacional e estadual fique difícil ter o contato direto com os candidatos, e o bom e velho, olhos nos olhos e o firme aperto de mãos que sempre diz muito sobre as pessoas, ficou comprometido... Weil e Tompakow na obra “O Corpo Fala”, definiram com maestria o poder da comunicação do corpo, frisam; “a linguagem muda das atitudes corporais persegue,

constantemente, com toda a eloquência da própria vida que fala das suas relações humanas”. Logo, os meios de comunicação, as notícias, os posts das redes sociais e até as fofocas que ouvimos, devem ser analisadas por nós, eleitores, que usando todo esse aparato informativo devemos formar uma opinião própria, e então escolhermos a nossa opção de voto. Não se trata de mero achismo e nem tão pouco uma questão de empatia ou antipatia, trata-se então de uma habilidade que devemos aprimorar, a de “ler pessoas”. E podemos fazer isto através das imagens e sons que nos bombardeiam todos os dias, analisando expressões, olhares, gestos e tom

de vozes, observarmos por quem nossos futuros dirigentes e representantes são ladeados e como interagem com a coletividade, e sobre tudo, como se relacionam com aqueles que não comungam das mesmas idéias. Estamos diante de mais uma eleição e temos nas mãos, ou melhor, nas pontas dos dedos, o poder da escolha. E é o voto o instrumento legal e democrático que dispomos, uma “pequena”escolha individual, mas que é uma verdadeira arma que não tem caráter pecuniário, mas é de grande valor para se alcançar a tão sonhada qualidade de vida social que tanto desejamos. (*) É acadêmico de Direito

É tempo de eleição R. Ney Magalhães * A fronteira sul do Estado liderada por Ponta Porã, sede da Federação das Cooperativas de Mate teve como primeiro Deputado o ervateiro Adjalmo Saldanha, coronel fazendeiro na região de Amambaí/ Iguatemi. Passou o Bastão para o seu cunhado advogado e também líder ervateiro, o advogado Aral Moreira. Naqueles tempos fazíamos parte do território do grande Estado de Mato Grosso, cuja Capital Cuiabá, dominava e ditava as regras políticas do desenvolvimento e de nossos destinos. Mais ou menos como atualmente, quando Campo Grande com um maior eleitorado, concentra e ali mesmo aplica quase todo o volume dos Impostos arrecadados no MS. Nós do Sul continuamos sempre com as migalhas. È tempo de “inleições”, agora vão aparecer máquinas para arrumar nossa estrada, diria o simples homem do campo e residente na zona rural. Pois bem, os coronéis de Campo Grande e redondezas que tanto desejavam dominar os co-

Expediente

fres públicos tentavam de todas as formas dividir o Estadão e fazer do seu feudo a Capital do Sul. Após revoluções e politicagens finalmente em 1977/78 com a introdução e as grandes arrecadações do agronegócio, conseguiram seu intento. No inicio da década de 1970, com Médici e depois Geisel na Presidência da Republica o Brasil a cada safra agrícola alcançava recordes de produção e assim o desenvolvimento no sul do MT fortaleceu-se e condicionou a instalação do novo Estado. Agricultores do Rio Grande do Sul iniciavam “aqui” a Segunda Colonização Gaucha. As primeiras lavouras mecanizadas instaladas a partir de Amambaí foram se expandindo para Ponta Porã, Maracaju e finalmente aqueles modernos agricultores alcançaram Dourados, Rio Brilhante e São Gabriel do Oeste chegando a São Pedro do Apaporé, hoje Chapadão do Sul. Ultrapassando as fronteiras de Goiás subiram para o Norte Brasileiro. Portanto, o agronegócio instalado nos Governos Militares

além de criar o Estado do Mato Grosso do Sul salvou a economia brasileira da inércia e da incompetência dos últimos presidentes, desde Tancredo/Sarney até os dias atuais, ressalvando-se apenas FHC e o Plano Real. E como é tempo de eleições, as cidades interioranas tem recebido freqüentes visitas de políticos governantes e outra vez candidatos. As patrolas também estão de volta raspando o que restou das velhas estradas construídas em 1979/80 na época da criação do MS. Porem, sem aterros e sem cascalho essas operações são inoportunas, pois com a acão das chuvas ao longo dos anos provocaram erosões e extinguiram cabeceiras e vertentes de água. Aqui pelo Cone-Sul incoerentemente com a implantação do Imposto do FUNDERSUL o Governo Zeca fechou o DERSUL que deveria ser o Órgão executor. E o governador Pucineli na primeira semana de seu mandato agravou o problema terceirizando aqueles serviços. Assim, nestes últimos dezesseis anos as estradas de terra simplesmente acabaram e são chamadas agora pelos usuários

Diretor: Eli Sousa diretorimpactoms@gmail.com Assessoria Jurídica

CNPJ. 04.591.386/0001-04

Editor

Dr. Wellington Coelho

Roberto Costa - DRT 174/MS

OAB-MS 15.475

rc.com@terra.com.br Gerente Diagramação Clayton Marcondes

Luzia Helena Coutinho

como Enxurradas Estaduais. A única estrada/tronco asfaltada é a Guairá-porã, que finalmente após TRINTA E DOIS ANOS de sua construção está sendo restaurada, notando-se que continua sem o devido acostamento necessário e obrigatório. Planos e Mapas Rodoviários nunca mais ficaram acessíveis aos contribuintes. Nomes ou números das estradas não existem. Nesta região produtora de grãos o sistema está um caos. Responsável pelo equacionamento da Balança Comercial Brasileira o agronegócio poderia estar contribuindo muito mais com o desenvolvimento do Estado e da sociedade, não fosse a omissão dos Governantes. O Presidente Washington Luis adotou o “slogan” Governar é Construir Estradas. Juscelino, Médici e Geisel fizeram isso no Brasil e Pedrossian no MS. A corrupção e a incompetência é a marca do atual Sistema Político. (*) É Produtor Rural em Amambai

Guru – O ex-governador Pedro Pedrossian tem sido constantemente procurado em sua residência para orientação político-administrativa. Se a consultoria fosse cobrada ele teria um rendimento a mais. ** Chique I – O prefeito Gilmar Olarte ao ser entrevistado na FM Capital (Tribuna Livre) disse que “faz do limão uma limonada suíça”, critica indireta ao prefeito cassado Alcides de Jesus Peralta Bernal constantemente “azedo”. ** Chique II – Ainda sobre o que é possível fazer com a fruta cítrica, Olarte completou dizendo que “com o limão ele faz uma mousse de dar água na boca”, do Bernal com certeza que não é. ** Rapidinho, hein! – O médico cardiologista e pré-candidato a senador pelo PT, Ricardo Ayache, foi visto ocupando lugar de destaque em evento realizado em São Gabriel do Oeste que reuniu prefeitos de 19 municípios. ** Estranho no ninho – Quem viu as fotos e/ou material a respeito do evento ficou sem entender absolutamente nada uma vez que o que estava sendo discutido eram obras de compensação na BR-163 e não saúde do coração. ** Mudança, já! – Está passando da hora da Assembleia Legislativa corrigir um erro quando da criação do Estado de Mato Grosso do Sul: Se Rio Verde fica em território sulmato-grossense por que então a grafia Rio Verde de Mato Grosso/Mato Grosso do Sul? ** Segundo turno – Mesmo que a turma do “já ganhou” continue proclamando para os quatro cantos do país que a eleição presidencial será decidida no primeiro turno, as pesquisas dizem exatamente o contrário. ** Inimigo meu – O pessoal do “Volta Lula” é o principal adversário que a presidenta Dilma Rousseff precisa convencer para tomar parte do seu palanque, caso contrário... ** Cobras e lagartos I – Em entrevista para a revista Veja o ex-ministro do Trabalho, Leonel Brizola Neto disse com todas as letras que “o PDT é uma federação de interesses”. ** Cobras e lagartos II – Ele não poupou críticas ao exministro Carlos Lupi e ao atual Manoel Dias. Na gestão de Lupi, Brizola Neto calcula que tenha havido desvio de mais de R$ 400 milhões. ** Cobras e lagartos III – Na entrevista a Veja, Brizola Neto foi contundente ao declarar que “existe uma quadrilha que tomou de assalto a direção do Partido Democrático Trabalhista”. ** Crista baixa – Dois jogos foram suficientes para demonstrar que a seleção espanhola que havia encantado o mundo do futebol não era mais a mesma: 5 a 1 para Alemanha e 2 a 0 para o Chile. ** Na frente – Tudo indica que o pré-candidato a governador Nelsinho Trad, do PMDB, já compôs sua chapa com o PSB indicando o nome do pastor e vereador Sérgio Nogueira para concorrer como vice. ** Sem empolgação – Dizem que o jornalista e presidente do diretório regional do PSD, Antonio João Hugo Rodrigues muito dificilmente colocará seu nome à disposição do eleitorado nas eleições de 5 de outubro. ** Mistério – Um policial morto por um travesti quando investigava o roubo de uma corrente de ouro avaliada em R$ 80 mil e o dono da joia até hoje não teve seu nome revelado. O prejuízo maior foi para o policial e sua família. ** Providencial I – O secretário municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação, Semy Alves Ferraz, confirmou que a rotatória localizada na Avenida Mato Grosso com Via Parque será substituída por semáforos de três tempos. ** Providencial II – Nos horário se pico, conforme levantamento realizado pela Seintrha, mais de cinco mil veículos trafegam pelo local. Semy admite que a solução do problema passe pela construção de um viaduto. ** Ditado chinês: "Se você quer ser feliz por uma hora, tire uma soneca; por um dia, vá pescar; por um mês, case-se; por um ano, herde uma fortuna; pela vida inteira, ajude os outros."

Espaço do

LEITOR

Sucursal Região Norte Avenida Juscelino Kubistcheck, 842 - Centro São Gabriel do Oeste-MS - Fone: (67) 3295-6598 Representante Comercial Victor Luiz Martins Currales - (67) 9923-6684 E-mail: victorcurrales@gmail.com E-Mail: jornalimpactomsdiario@hotmail.com Sucursal Vale do Ivinhema John Lennon - Carlos Domingues

(67) 3043-0044-0055 e-mail: jornalimpactoms@hotmail.com site: www.impactomsnews.com.br

Rua Jamil Félix Nagles, 589 - Vila Nascente Parque dos Poderes - CEP 79036-110 Campo Grande - MS E-mail: jornalimpactoms@hotmail.com site: www.impactomsnews.com.br

Fone: (67) 3043-0044-0055


2__