Page 1

GERAL DIA DOS NAMORADOS Divulgação

ALEXANDRE BASTOS

CADERNO C4 Terça-feira, 10 de junho de 2014

E-mail: jornalimpactoms@hotmail.com

Alexandre faz um apelo para que os advogados não deixem de votar e não deixe de participar desse pleito

“OAB/MS precisa resgatar credibilidade perante sociedade”

Adão Rodrigues/Jornal Impacto MS

Idelmar da Mota Lima, presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio da Capital

Capital aumenta o faturamento de 8 mil comerciários As vendas do comércio de Campo Grande, nesses dias que antecedem o Dia dos Namorados (12), estão aquecendo o faturamento de 8 mil comerciários comissionados. A opinião é de Idelmar da Mota Lima, presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Campo Grande –SECCG. Esse número corresponde a 20% do efetivo que esse setor emprega na Capital, ou seja, de 40 mil trabalhadores. A maioria não ganha comissão, mesmo em muitas lojas em que promovem vendas diretas ao consumidor. “O número pode parecer pequeno, mas não é. São mais de 8 mil famílias beneficiadas com um salário maior no final do mês e isso representa mais conforto e qualidade de vida para essas famílias”, afirma Idelmar. O sindicalista informou também que os percentuais das comissões variam de uma loja para outra. Em muitos estabelecimentos também, nem todos os funcionários do setor de vendas, são comissionados. “Isso vai muito do acordo firmado com o empregado no ato da contratação, ou fica a critério da própria loja”, explica. O montante que cada um ganha em função do aquecimento das vendas em comemorações como essa, do Dia dos Namorados (Dia das Mães,

Natal, Dia das Crianças...) também varia, pois depende muito do desempenho individual do comerciário. Muitos funcionários comissionados procuram se especializar em vendas e acabam se destacando dos demais, ganhando melhores salários. “É por isso que nosso sindicato estimula sempre o comerciário a se profissionalizar, fazer cursos e se aperfeiçoar na atividade”, comenta Idelmar da Mota Lima, lembrando que essa foi outra grande conquista da categoria: o reconhecimento da profissão de comerciário (Projeto de Lei 115/2007, regulamentada em 15 de março de 2013). Com a regulamentação da profissão, o Comerciário passou a ser mais respeitado e seus direitos mais garantidos. O sindicato tem fiscalizado o setor para impedir o desrespeito à lei. Uma das grandes mudanças foi o fim do acúmulo de funções. Antes, em muitas lojas, o comerciário era tratado como serviço geral”, onde eram colocados até para fazer limpeza das lojas. Hoje o setor está melhor moralizado, mas o sindicato reconhece que ainda é preciso muita luta para chegar às condições ideais e principalmente para que os trabalhadores recebam salários mais dignos e justos. Wilson Aquino

Alexandre Bastos concedeu entrevista ao jornalista Eli Sousa

A

eleição suplementar da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional de Mato Grosso do Sul possui duas chapas inscritas na disputa. O pleito, que irá eleger o vicepresidente e outros cargos, entre titulares e suplentes, acontece na próxima segundafeira (16). Por meio do pleito, estarão sendo eleitos: o novo vice-presidente da OAB/MS; secretário-geral; secretáriogeral adjunto e diretor tesoureiro; 13 membros titulares e 32 suplentes no Conselho Seccional; um membro titular e três suplentes no Conselho Federal e um presidente; um secretáriogeral e um secretário-geral adjunto na diretoria da Caixa de Assistência dos Advogados de Mato Grosso do Sul (CAAMS). Duas chapas estão concorrendo: a “OAB em primeiro lugar”, liderada pelo advogado e candidato a vice-presidente Mansour Elias Karmouche; e a “Pela Ordem”, encabeçada por Alexandre Bastos. A chapa de Bastos tem como meta o resgate da instituição e de suas prerrogativas, para que a OAB/ MS retome o “glamour” que tinha antes. “A OAB vive uma crise sem precedentes e nós que vivemos da advocacia e precisamos da credibilidade da nossa profissão elevada decidimos sair da nossa ‘zona de conforto’, arregaçar as mangas e levantar a entidade que vem sofrendo um desgaste muito grande por conta de brigas políticas. Precisamos da entidade forte, pois o advogado só consegue

exercer de maneira livre se a sua entidade tiver bem representada na sociedade”, afirma o candidato. Ao ser questionado pelo Jornal Impacto MS sobre o que representa a OAB para a sociedade, o advogado disse que a ordem tem o direito de se manifestar em nome da sociedade. “A OAB recebeu de uma lei federal a competência de zelar pelo estado de direito, pelos direitos humanos, de intervir na aplicação de leis de cunho social. A OAB é como se fosse uma representação civil da sociedade e que pode falar em nome da sociedade. A ordem também representa em sua outra face toda a corporação de advogados do MS e hoje nós não estamos nem atendendo essa função de advogado da sociedade e muito menos de atender o seus advogados”, lamenta Alexandre. O advogado contou ao grupo Impacto de Comunicação que umas das suas principais propostas é regastar a credibilidade da Ordem para que o advogado possa ser forte no seu diaa-dia. “Além disso, vamos estabelecer contato com os magistrados de primeira instância e não somente com o Tribunal de Justiça. Precisamos ter contato com o juiz da Comarca para saber das suas dificuldades. O restabelecimento das informações processuais por telefone, pois os advogados não têm direito hoje de ser informado por telefone e precisa ter afetividade de contato entre cliente, advogado e processo”, ex-

plica o candidato. Alexandre contou também durante a entrevista para o Jornal Impacto MS que os advogados do interior mesmo pagando a anuidade não gozam dos mesmos serviços e assistências que tem os advogados da Capital. “Temos compromisso de levar essa administração para o interior”, afirma. Alexandre conta que esteve em Corumbá e garante que a relação da OAB da cidade com a da Capital está na era da “balsa”. “No relacionamento da Ordem com os advogados de Corumbá a ponte ainda não chegou”, explica em figura de linguagens o candidato. “Existem benefícios mínimos como a livraria da Ordem, a farmácia, que só existem em Campo Grande e Dourados. Os outros municípios não tem acesso”, complementa. Para mudar essa realidade, o candidato garante que estão visitando todas as cidades do interior. “Temos representantes na nossa chapa de 15 cidades justamente para melhorar essa representação e relação e falar pelo interior”, garante Alexandre. Questionado sobre seus objetivos se eleito como vice-presidente da OAB, Alexandre Bastos fala que é devolver tanto para os advogados como para a sociedade o referencial de instituição de defesa de direito. “Seja direito do próprio advogado no seu dia-a-dia, seja direito do cidadão. A sociedade precisa ter esse referencial e o Estado afunilou toda a

obrigação para o Ministério Público. Quero que a sociedade possa contar de novo com OAB para esclarecer seus direitos e quero que o advogado tenha orgulho de exercer a profissão”, disse. A eleição é uma situação inédita no Brasil. É a primeira vez que isso ocorre em função de uma grande crise política em que houve a renúncia de uma grande parte da diretoria da OAB. Com isso, o Conselho Federal, sediado em Brasília, decidiu realizar essa eleição suplementar. Para finalizar a entrevista, Alexandre faz um apelo para que os advogados não deixem de votar e não deixe de participar desse pleito. “Os advogados devem ter opinião, acredito que a omissão é imperdoável, porque acho que o não ir votar e o votar em branco é virar às costas para a Ordem, é não querer ajudar a resolver a crise. Não se pode confundir o fato de ser aliado ou não do Júlio com o fato de ajudar a OAB a caminhar. Nós advogados temos que ter uma opinião forte, temos que ter um lado, advogado não é imparcial, ele escolhe um lado para ele. Na nossa eleição o voto não é facultativo, é obrigatório, não ir votar resulta em multa de 20% da anuidade, isso é bom falar porque tem muita gente que não sabe”, finaliza o candidato. A chapa do advogado Alexandre Bastos conta com 56 advogados que vão recompor a administração da Ordem para concluir o mandato até dezembro de 2015.

12_