Issuu on Google+


“Estamos próximos, mas estamos há uma distância incomensurável; estamos próximos, mas estamos sós” Ernesto Sabato 11 de abril – Hoje, pela manhã, representando a Comissão de Educação da CMBH, compareci ao fórum de diretores da rede municipal, onde a secretária Macaé apresentou os resultados do Avalia-BH e o prefeito anunciou aumento real para os trabalhadores da educação. À noite, para relaxar da sessão plenária dos vereadores, um bom chorinho no Projeto Pinzindim, produção da companheira Lilian Macedo. 12 de abril – Aqui na Câmara, audiência pública sobre o Condomínio Monte Castelo, empreendimento a ser construído no Paraíso. Esta mos acompanhando a questão com interesse, tentando mediar uma melhor solução para os moradores do bairro. Depois, na sede da PBH, lança mento do projeto de recuperação dos oito prédios do Conjunto IAPI, dentro do progra ma “Adote um bem cultural”. Quero parabenizar a Diretoria do Patrimônio Histórico de BH e a loja Casa & Tintas


pelo gol de placa. E a noite, lançamento do filme “Amor”, mais um da brilhante carreira do diretor e amigo João Jardim, autor de “Janela da Alma” e “Pro dia nascer feliz”. Vale à pena assisti-lo. Aproveitei a oportunidade para rever a amiga Júlia Lemmertz, atriz de grande talento. 13 de abril – O gabinete esteve presente, pela manhã, ao Seminário Estadual de Docentes da Educação Básica Brasileira, que ocorreu na FAE/UFMG. Foi apresentada uma pesquisa feita sobre a condição dos docentes mineiros. Da Pampulha ao bairro Floresta. No Colégio Santa Maria, participei de um evento da Arquidiocese de BH sobre a Campanha da Fraternidade, que este ano traz o tema da vida no planeta. Falei de nossa lei para abolir as sacolas plásticas da cidade. A garotada aprovou. Ó, quem não foi, perdeu! À noite, na Funarte, assisti à “Dragão”, belíssima peça teatral que retrata o olhar palestino sobre as questões do Oriente Médio.


14 de abril – Após sessão no plenário da Câmara Municipal, fui descansar o espírito ouvindo mais um concerto da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, no Grande Teatro do Palácio das Artes. 15 de abril – Uma equipe da Rede Super esteve no gabinete pela manhã, para uma reportagem sobre a proibição das sacolas plásticas convencionais. Infelizmente, não pude ir à UFMG para uma palestra de Maria Rita Kehl. Na hora do almoço, uma entrevista ao vivo sobre sacolas plásticas no programa de Eduardo Costa, na Rádio Itatiaia. Noitinha. Assisti a uma apresentação do It’ s Only Rolling Stones no espaço aberto da Assembleia Legislativa. Como vocês podem perceber, uma semana variada — chorinho, teatro, orquestra e rock’ n ’ roll. Isso que é diversidade cultural! 16 de abril – No sábado, no espaço UAI-BH, no bairro Floresta, falei ao pessoal do JIT (Jovens Interagindo) sobre o conselho municipal de Juventude e a conferência municipal que deve ocorrer este ano.


Não fui ao chá de panela do Juarez Dutra, que se casa agora, em junho. Mas deixo aqui meus desejos de boa sorte ao casal. Um abraço, Juarez, e um beijo, Natália! 18 de abril – Um debate à noite, na SMED, sobre o Memorial da Anistia. Consegui articular com as instituições envolvidas no projeto, melhorias no entorno do prédio da antiga Fafich enquanto as obras não se concluem. 19 de abril – À tarde, o pessoal da “Livre Arbítrio – Ponte entre Culturas” esteve no gabinete com os meninos que cumprem medidas socioeducaticas e liberdade assistida para um papo sobre sacolas plásticas e as políticas ambientais e de reciclagem. Agendamos para maio, uma visita nossa ao projeto para conversar com o restante da moçada. Em seguida, saí correndo para a Secretaria de Assistência Social, acertar os ponteiros nas questões referentes ao projeto Miguilim. Junto com o pessoal da abordagem da população de rua, que estava inseguro, conseguimos a continuidade do projeto. À noite, nos Jardins do Palácio das Artes, dei um abraço no amigo Olavo Romano, que lia suas obras nas Terças Poéticas. Esperava um de seus saborosos “causos”, mas ele ficou somente nas poesias. Valeu também! Na sequência,


aniversário da velha amiga Olga, no Pedacinhos do Céu. Revi muita gente amiga que não encontrava há tempos e saboreei a deliciosa cachaça Vargem Grande. 20 de abril – Pela manhã, reunião quinzenal do gabinete quando avaliamos os “pratrazmentes” e “prafrentementes” de nossa atuação parlamentar. Depois do almoço, convidado que fui pelos meninos, iniciei a gincana cultural do Projeto Miguilim, na Praça da Estação. De lá, fui para a SMED conversar sobre o Comitê de Mobilização Social pela Educação com o pessoal do MEC. Aproveitei para deixar um recado direto à presidente Dilma: um protesto sobre a diminuição da meta de 7% para 5% do PIB para a educação até o final de seu governo. Lamentável. Como se pode valorizar a área desta maneira? 25 de abril – À noite, uma conversa gostosa e produtiva com os alunos do EJA , da Escola Levindo Coelho. Muito bom o lanche e um abraço. Também não posso esquecer que hoje, é aniversário de minha mãe, que tá no hospital, tadinha. 86 anos. Um beijo, mamãe!


26 de abril – Na Câmara Municipal, uma audiência pública para tratar da cobrança das sacolas plásticas ecológicas. Debate rico, quando foram postos na mesa os diversos interesses que envolvem o assunto. O resultado é fazer com que o prefeito reveja o decreto que publicou em 12 de abril, permitindo o uso apenas das sacolas feitas de amido. Mesmo assim, pudemos constatar que a ideia ganhou adesão e corpo. Sabemos que toda mudança causa transtorno e algum incômodo. Mas o assunto está bombando. Uma recomendação que faço a todos: assisti à montagem do Grupo Galpão da peça Tio Vânia, de Tchékov. Texto instigante sobre nossas humanidades.


27 de abril – Os educadores infantis estiveram na Câmara para uma audiência pública. Presença da secretária de Educação, Macaé Evaristo, num debate bom e respeitoso que ouviu o contraditório. A comissão que presido ficou incumbida de apresentar ao próximo orçamento municipal, uma emenda destinada especificamente à educação infantil e eu, pessoalmente, encarregado de agendar com a secretária uma reunião para tratar da questão dos educadores infantis. Dali, no galope, fui à reunião do Conselho Municipal do Patrimônio, onde se discutia a ampliação do Mercado Distrital do Cruzeiro. A apreciação foi suspensa e deixei registrado meu protesto contra a inversão da pauta de discussões na 25ª hora. Nessa reunião, confirmado o tombamento do Bar do Bolão, que integra o conjunto arquitetônico da praça de Santa Tereza, e aprovado o processo de tombamento do Lapa Multishow. Dois espaços que guardam a memória da cidade. Enquanto participava disso tudo, o gabinete debatia o processo eleitoral do Conselho Municipal de Cultura, no Teatro Marília. Prevaleceu a tese que defendíamos de que todos que tenham atuação comprovada na cultura têm o direito de votarem e serem votados.


À noite, na Livraria Mineiriana, um abraço no amigo Márcio Borges, que relançava sua obra sobre o Clube da Esquina. Encontrei os bons companheiros Gustavo Penna, Lô, Juarez Moreira, Paulinho Pedra Azul, enfim, a moçada da música. Parabéns, Clube da Esquina. Os sonhos não envelhecem. 28 de abril – Na Câmara de BH, participei da abertura do seminário sobre a previdência municipal, um tema que aflige a todos os servidores da cidade em busca da garantia de uma aposentadoria com tranqüilidade. À noite, no Conselho Municipal de Educação, discutimos a situação de algumas creches e de outros temas pertinentes ao nosso trabalho. Aproveitando uma vaga na reunião, dei entrevista a uma equipe da Rede Super e adivinhem sobre o quê? Sacos plásticos! Não disse a vocês que o assunto está bombando? 2 de maio – Ao cair da tarde, o gabinete esteve presente na Assembleia Legislativa, no encontro de Zé Dirceu com a juventude petista. À noite, na Câmara, uma merecida homenagem ao Coral


Lírico do Palácio das Artes que, como a Orquestra Sinfônica, tem sido relegado pelo Governo de Minas. Para fechar a segunda-feira, fui jantar com o camarada Zé Dirceu e outros companheiros de partido.

P. S. 1 – Dia 15, no rock’ n ’ roll dos Stones que sacudiu a Assembleia, um abraço no meu mano caçula, Neném, aniversariante e baterista da banda. P. S. 2 – Ainda falando de aniversários, dia 27, foi do Dedé. 33 anos. Um mexidão e uma prosa muito agradável. A casa dele estava cheia de crianças: Davi, Amanda, Isabel, Vicente (filho do Dedé), Clarinha, Max e Anita, filha da “Monstra” (Luíza). P. S. 3 – No domingo (17/4), eu, vovó Beth, mamãe Rita,


papai Nato, Davi e Amanda, fomos à Praça da Liberdade assistir a uma apresentação de vários grupos folclóricos, inclusive do Aruanda. Capoeira e brincadeira na fonte d’ á gua. Só faltou a pipoca, pois a prefeitura proibiu. Uma manhã deliciosa. P. S. 4 – Aproveitando uma folga na manhã de sexta-feira, fui com os netinhos ao Parque Municipal brincar no carrossel, jogar pipoca para os peixes e patos. O cisne chegou pertinho da Amanda e o Davi se encarapitou no castelo. Outra manhã agradável. P. S. 5 – Não se esqueçam: sacolas plásticas nunca mais. Usem e abusem de sua imaginação. P. S. 6 – O Fernando Righi, nosso jornalista, foi ler uns poemas seus nas Terças Poéticas de 26 de abril. Este gabinete dá de tudo! P. S. 7 – Sexta-feira (29/4) fui com a Macaé ao Opção. Como sempre, tive que dar uma canja. Cantei e dancei.


Diário do Arnaldo Godoy Chefe de Gabiente: Ivani Ferreira Assessoria Política: Célio Cruz Assessoria Parlamentar: Ângela Mourão, Aparecida Delavy, Juliana Gontijo, Kleberth Mendes, Roberto Raimundo e Vilmar Oliveira Assessoria de Imprensa: Fernando Righi Marco - MG 05004 Comunicação Visual: Rafael Andrade Administração: Carlos Borges, Maurício de Jesus, Thaiz Santana e Vivaldo Cardoso. Endereço: Av. dos Andradas, 3.100 - Gab. 305b - Santa Efigênia - Belo Horizonte - 30260-070 - Fones: 3555-1164 e 3555-1165 Sítio na internet: www.arnaldogodoy.com.br Endereço eletrônico: arnaldogodoy@cmbh.mg.gov.br


Diário do Arnaldo - Abril / Maio