Page 1

O CÉREBRO HUMANO JOSÉ MANUEL DA MOTA LEITE

JOSÉ MANUEL DA MOTA LEITE 2009/2010


_____________________________________________________________________________

INTRODUÇÃO O cérebro e toda a sua fascinante estrutura e complexa dinâmica de funcionamento são, sem dúvida, uma área de extrema relevância contextual na tentativa de perceber melhor o ser humano e todo o seu comportamento, social, racional, irracional, verbal, motor, intelectual, moral, religioso e emocional. Neste sentido é importante perceber o funcionamento do cérebro e a manifestação dessas funções, o comportamento humano. Vou tentar no âmbito desta actividade reunir neste trabalho informações, opiniões e ideias que considero importantes e procurarei torná-las inteligíveis e de fácil consulta/leitura. O âmbito deste trabalho passa por alargar conhecimentos e abordá-los de uma forma reflexiva tendo presente que a leitura leva à incessante procura de uma maior compreensão e alargamento de conhecimentos. REVISÃO DA LITERATURA O Sistema nervoso central e periférico (Figura I) é constituído por unidades básicas denominados neurónios (Figura II). Uma das funções dos neurónios consiste na transmissão dos impulsos nervosos. O influxo nervoso passa das telodentrites de um neurónio às dendrites do seguinte, processando-se, assim, a passagem das informações.

JOSÉ LEITE

2


_____________________________________________________________________________ Figura 1 – Representação do Sistema Nervoso

FiguraII – Neurónio

Na Sociedade Moderna, dominada pelo Capitalismo, na utópica procura da riqueza material, perdemo-nos na nossa própria riqueza, os nossos cem mil milhões de neurónios. Esquecemo-nos de os treinar, de os alimentar convenientemente e de os valorizar, assumindo muitas vezes comportamentos destrutivos. A comunicação nervosa é feita por contiguidade nas Sinapses com a passagem de estímulos eléctricos por meio de substâncias químicas, os neurotransmissores (serotonina, dopamina, acetilcolina, o glutamato e o ácido gama-aminobutírico (GABA)). A comunicação estabelecida entre neurónios é múltipla e característica de cada um, pelo que as imensas possibilidades de relações tornam-nos únicos. O cérebro e as drogas têm uma longa relação histórica. Como já referi, muitas vezes assumimos comportamentos destrutivos e nocivos para o nosso organismo em geral e para o nosso cérebro em particular. É o caso do uso e abuso de drogas ou estupefacientes de origem variada. Este flagelo assombra o ser humano e destrói vidas, famílias e sociedades. Certas propriedades dos neurotransmissores são mimetizadas por muitas drogas sintéticas, o ecstasy mimetiza alguns dos efeitos da serotonina em algumas células alvo. A dopamina e o glutamato parecem estar relacionados com o uso da cocaína. É imperativo referir que grandes “mentes”, sobre a influência de psicotrópicos, opiáceos e álcool atingiram níveis elevados de coerência e virtude mental capaz de gerar, descobrir e constatar, com uma clarividência quase divina, factos e princípios ocultos do olhar humano.

JOSÉ LEITE

3


_____________________________________________________________________________

As fases maníacas, as fases depressivas, a ludopatia, o alcoolismo e o desejo sexual hiperactivo têm bases de manifestação neuroquímica e biológica. A evolução das neurociências podem ajudar a perceber a bioquímica cerebral e desenvolver terapêuticas passíveis de combater certas dependências, álcool, cocaína, heroína entre outros. A história tem-nos mostrado uma íntima relação entre o cérebro e a mente. As células têm a capacidade de se regenerar e multiplicar, porém as células nervosas não têm a capacidade de se auto regenerar, pelo que com a morte de um neurónio perde-se um número variado de interligações que se manifestam em diversos comportamentos, emoções, memórias, aprendizagens e sensações. O conceito de plasticidade neural varia de pessoa para pessoa e depende das complexas e intensas relações com o meio ambiente em que se insere. Poncin citado por Grandpierre (1999) separa esta neuroplasticidade em duas formas: - a plasticidade cerebral funcional, em que através de uma reeducação activa, os neurónios em “repouso” tomam a seu encargo a função perdida de neurónios mortos; - a plasticidade cerebral estrutural, em que através de uma reeducação activa, a perda de neurónios é compensada pela criação de novas junções funcionais (novas dendrites). Este tema desperta-me para o conceito de rede neural, onde se estabelecem relações/ligações para uma determinada acção, raciocínio, memorização ou comunicação. Imagine-se um conjunto de veados a percorrer vastos campos de erva, cuja altura é de 2 metros, os veados ao JOSÉ LEITE

4


_____________________________________________________________________________

percorrer sistematicamente os diversos caminhos que conduzem uma operação mental de A para B, começam a ter o percurso facilitado e decalcado, tornando essa relação mais rápida e eficaz. Neste sentido sou da opinião que se poderá despertar emoções e cognições através de novas relações neurais e recuperar assim algo considerado perdido e irrecuperável, assim como a treinabilidade do raciocínio e da memorização de acontecimentos, factos, objectos, afectos e relações. Em minha opinião, a mente é a manifestação “superior” da dinâmica química, orgânica, fisiológica e metabólica do cérebro. Não é palpável mas tem uma base física e orgânica. As “más” relações electroquímicas cerebrais representam algumas das patologias mais incapacitantes sob o ponto de vista intelectual e social. A doença de Alzheimer é uma doença do cérebro (morte das células cerebrais e consequente atrofia do cérebro), progressiva, irreversível e com causas e tratamento ainda desconhecidos. Começa por atingir a memória e, progressivamente, as outras funções mentais, acabando por determinar a completa ausência de autonomia dos doentes. A epilepsia é uma doença que tem como ponto de partida uma perturbação do funcionamento do cérebro, devido a uma descarga anormal de um determinado número de neurónios cerebrais. A depressão é uma doença mental que se caracteriza por tristeza mais marcada ou prolongada, perda de interesse por actividades habitualmente sentidas como agradáveis e perda de energia ou cansaço fácil.

JOSÉ LEITE

5


_____________________________________________________________________________

A intercomunicação química e eléctrica, quando fora dos padrões considerados normais, despoleta patologias variadas e passíveis de ser catalogadas em doenças mentais e/ou nervosas. As doenças mentais são distintas das nervosas, uma vez que se lhe não aponta lesão física. No âmbito das patologias de origem mental e nervosa com ou sem lesão física é importante conhecer as diferentes áreas que compõem o cérebro e as suas funções e responsabilidades: O córtex cerebral humano é atravessado por uma fissura longitudinal, que divide o cérebro em duas metades quase simétricas, denominadas hemisférios cerebrais. Cada hemisfério é responsável pelo controlo sensorial e motor do lado oposto do corpo. Das investigações levadas a cabo, parece ser possível concluir que os sistemas de processamento da informação são distintos: · O hemisfério esquerdo é especializado em simbologia e lógica e ocupa-se do pensamento mais analítico, linear e verbal. Constrói frases e resolve equações. Faculta ao homem a ciência e a tecnologia.

· O hemisfério direito é responsável pela organização das percepções espaciais e encarrega-se do pensamento mais sintético, holístico (encontra as razões num só passo, intuitivamente) e imagístico. Ouve música e apercebe-se da tridimensionalidade dos objectos. É o responsável pela imaginação e pela arte. O córtex que cobre cada hemisfério apresenta quatro regiões ou lobos cerebrais, separados por fissuras (FiguraIII): 1. O lobo occipital, responsável pela visão. 2. O lobo temporal, responsável pela audição. JOSÉ LEITE

6


_____________________________________________________________________________

3. O lobo parietal, responsável pelas sensações do corpo. 4. O lobo frontal, responsável pelos movimentos. A grandeza e a sumptuosidade da manifestação da mente está implícita na simplicidade, “complexa”, de intercomunicação entre os diferentes constituintes do cérebro.

Figura III – O cérebro

Importa referir que Paul Broca descobriu que uma lesão na parte da frente do hemisfério esquerdo provocava uma afasia (Grandpeirre, 1999). Wernicke encontrou no mesmo hemisfério esquerdo uma outra forma de afasia. Deste modo, uma determinada região do hemisfério esquerdo é o centro da palavra (Grandpeirre, 1999). A revisão bibliográfica que Grandpierre fez nesta área permitiulhe concluir que cada hemisfério tem o seu tipo de inteligência. O estranho caso de Phineas Gage, amplamente tratado e desenvolvido na literatura explícita mostra-nos que alterações morfofisiológicas e estruturais no cérebro têm implicação directa na alteração de comportamento e tomada de decisões, o que nos leva a crer que a relação corpo/mente e mente/corpo é uma relação de inter-comunicação JOSÉ LEITE

7


_____________________________________________________________________________

bidireccional.

CONCLUSÃO O cérebro, uma janela para o futuro. A vida humana é pautada pelo factor tempo, o que nos permite falar em passado presente e futuro. As actividades da memória permitem-nos recordar, relembrar, total ou parcialmente factos e acontecimentos e permite ajudar na construção/perspectivação do amanhã. É evidente o papel preponderante na formação, edificação e armazenamento de conhecimentos. A memória é a maneira como fazemos o registo do passado, para a sua posterior utilização no presente. Sem memória, não haveria nem antes nem depois, mas apenas agora, não haveria a possibilidade de reconhecer pessoas, nomes nem sequer utilizar conhecimentos já adquiridos (Gleitman, 1999). A memória é comummente referida como sendo de curto ou longo prazo. Os fenómenos na origem da codificação/descodificação e armazenamento de imagens sons e percepções são complexos e extensos para desenvolver neste trabalho. Porém, os intervalos de retenção, a memória implícita e explicita o traço mnésico e a recordação levam-me a fazer a seguinte consideração e analogia: o nosso cérebro, representa o sótão da nossa casa, onde armazenamos e codificamos as mais diversas informações e conhecimentos para actual e/ou posterior utilização. Cabenos a nós ter um sótão organizado ou desorganizado. Como é evidente o nosso sentido de “style” varia de indivíduo para indivíduo, assim como as heranças biológico-genéticas prévias implícitas na “grandeza” do nosso JOSÉ LEITE

8


_____________________________________________________________________________

“sótão”. Quero com isto dizer que temos a possibilidade de arrumar os nossos conhecimentos em gavetas organizadas e de fácil recurso ou amontoar, entulhar essas informações, dificultando-lhes o acesso. Tal como fazemos com a nossa roupa, se usarmos determinada peça poucas vezes, esta vai ficando no fundo do “armário” e até nos esquecemos dela. Porém certo dia, um certo acontecimento, cheiro ou sentimento faz-nos ir aos confins do “armário” buscar a dita peça. Felizmente existem técnicas auxiliares de memorização, armazenamento, retenção e recordação de conhecimentos, assim como as auxiliares de limpeza que nos ajudam a arrumar o “armário”, o “sótão”. Segundo Grandpierre (1999) a memória e a inteligência são interdependentes.

A

memória

favorece

a

armazenagem

de

conhecimentos graças aos mecanismos da abstracção, e a inteligência permite a ligação entre esses conhecimentos. Sem a memória, sem os conhecimentos, o cérebro trabalharia em falso. Concluo que o coração é o motor do corpo, mas a mente é o motor da vida. Todo e qualquer desvio ou perturbação mental e intelectual têm uma relação directa na manifestação da qualidade de vida, das nossas ambições, sonhos e desvarios. Encaro o cérebro como um macro “chip”, homófono de “cheap”, barato. É de facto uma dádiva adquirida biologicamente e gratuitamente, mas que tanto nos esquecemos de cuidar, tratar, limpar e alimentar com estímulos variados e as mais amplas fontes de saber, o verdadeiro alimento da mente, o conhecimento. A imaginação/invenção/desvario é o motor do futuro. Os utensílios do presente foram o sonho do passado e representarão uma JOSÉ LEITE

9


_____________________________________________________________________________

recordação no futuro. Mas o importante é não nos esquecermos de viver o presente. BIBLIOGRAFIA Damásio, A. 2009. O Erro de Descartes. 25ª Edição. Publicações EuropaAmérica Gleitman, H. (1999). Psicologia. Edição da Fundação Calouste Gulbenkian Grandpierre, D. (1999). Como ter uma boa memória. Edições Cetop. http://amentehumana.no.sapo.pt/projecto/projecto.htm http://www.min-saude.pt/portal http://pt.wikipedia.org/

JOSÉ LEITE

10

Cérebro  

Reflexão crítica sobre o cérebro

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you