Page 1

Irão

Déjà vu. Prisão de diplomatas abre conflito entre Londres e Teerão Irão prendeu nove funcionários da embaixada britânica, à semelhança do que sucedeu com os diplomatas americanos em 1979. União Europeia lança avisos e ameaças CARLOS FERREIRA MADEIRA

carlos.madeira@ionline.pt O regime iraniano abriu ontem mais uma frente de conflito após prender nove funcionários da embaixada britânica em Teerão, acusando-os de instigar a rebelião interna que se seguiu às eleições presidenciais de 12 de Junho, cujo vencedor oficial foi Mahmoud Ahmadinejad. O caso relembra o sequestro dos diplomatas norte-americanos em Novembro de 1979, uma das mais séries crises políticas que opuseram o Irão aos Estados Unidos, que terminou a 28 de Janeiro de 1980 quando, após 444 dias de cativeiro, os 52 reféns foram libertados. David Miliband, ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido, exigiu ontem a “libertação imediata” dos britânicos e voltou a negar o envolvimento dos ingleses no protesto pós-eleitoral. Miliband participou ontem no encontro dos ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia, em Corfu, e enviou uma mensagem forte a Teerão: “Este tipo de perseguição e intimidação é inaceitável. Pretendemos ver [os funcionários da embaixada] ilesos e em liberdade rapidamente.” Os 27 apoiaram a posição de Londres. Jan Kohout, ministro dos Negócios Estrangeiros da República Checa, que ocupa a presidência rotativa da UE, disse: “Deixámos claro às autoridades iranianas que haverá uma resposta forte e colectiva [da Europa] face à prisão e intimidação dos funcionários estrangeiros e iranianos que trabalham nas embaixadas europeias.” Os ministros trocaram impressões sobre os novos passos diplomáticos e alguns defenderam mesmo a imposição de sanções ao Irão. O FOSSO ENTRE LONDRES E TEERÃO Nas

últimas duas semanas, os iranianos detiveram várias pessoas com passaportes britânicos. A agência Fars citou uma fonte governamental que garantia “o papel activo dos ingleses na provocação da recente rebelião”. Os nove diplomatas ingleses foram presos no sábado à noite. Um deles é o principal conselheiro do embaixador britânico no Irão, o homem que mais sabe sobre a complexa teia de poderes da política do país. O regime iraniano decidiu, entretanto, libertar quatro pessoas. A acção iraniana surge na sequência

Na crise dos reféns americanos no Irão, em 1979, Teerão entrou em confronto com Washington de um conflito que se arrasta com a GrãBretanha há anos, sobretudo desde a presidência de Ahmadinejad. Em Janeiro de 2009, a BBC lançou o seu canal de televisão persa, o que irritou o regime e levou ao encerramento do consulado do Reino Unido em Teerão – provocado por alegadas “perseguições dos iranianos”. O correspondente da BBC em Teerão foi expulso na última semana, após as duras palavras do aiatola Ali Khamenei: “Nesta rebelião, os britânicos comportaram-se muito mal e é justo acrescentar ao slogan ‘Abaixo a América’ o slogan ‘Abaixo a Inglaterra’”. DIVISÃO NO APARELHO Apesar da forte repressão policial e paramilitar sobre os manifestantes de Teerão, três mil pessoas concentraram-se ontem numa das praças da cidade para apoiar o candidato da oposição, Hossein Mousavi, informou a Associated Press. A manifestação foi duramente reprimida com bastões e gás lacrimogéneo, mas foi a primeira que, nos últimos cinco dias, mobilizou milhares de pessoas

Fracturas entre o Irão e a Inglaterra Ocupação e conflito • Ingleses e soviéticos ocupam o Irão em 1941: o xá simpatizava com a Alemanha • O MI6 e a CIA preparam um golpe de Estado contra Mossagehd, em 1953, após a nacionalização da petrolífera que daria origem à BP. O xá Reza Phalavi fica no poder • O Reino Unido apoiou o Iraque na guerra contra o Irão (1980-1988) • A Grã-Bretanha apoiou o escritor Salman Rushdie, condenado à morte no Irão (1989) • O Irão sequestrou 15 marinheiros ingleses em 2007, argumentando que tinham entrado em águas iranianas

REZA/ REUTERS

nas ruas. O aparelho de segurança do regime parecia ter dominado a rebelião interna. No entanto, no fim-de-semana, os apoiantes do candidato da oposição, Mir Hossein Mousavi, mobilizaram-se novamente. Esta manifestação sucede dois dias depois de Mousavi ter declarado que não aceita “uma recontagem parcial dos votos” e não cede “a pressões e ameaças”. O político continua a afirmar que o regime roubou os seus votos e deu a vitória a Ahmadinejad. A batalha das ruas também se trava nos bastidores do regime, entre as elites políticas. A principal clivagem opõe os conservadores ortodoxos aos reformistas, que começaram já a ser purgados das posições de poder: foi o caso de 17 guardas da revolução e do ministro do Petróleo, Akbar Torkan, que escreveu um artigo num jornal da oposição. O aiatola Rafsanjani está a tentar destituir o aiatola Ali Khamenei do órgão que o nomeia: a Assembleia de Peritos (88). Pretende nomear uma comissão de três aiatolas que dividiram o poder hoje concentrado num único homem.

—29 Junho 2009

31

MiJL09062901A031C  

Irão Na crise dos reféns americanos no Irão, em 1979, Teerão entrou em confronto com Washington CARLOS FERREIRA MADEIRA carlos.madeira@ionli...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you