Page 63

pelos rios, para evitar os desvios da lavra do ouro. Ainda que o rio Piracicaba oferecesse a possibilidade de transpor­ te via conexão com o TIetê, isso não foi um estimulo sufici­ ente para a fixação do povoamento, que viveu em decadên­ cia até 1767 (Terei, 2001, p.20). Em conseqüência disso, Piracicaba tomou-se exce­ lente ponto de refúgio para os perseguidos, já então nume­ rosos, no desassossego iniciado em São Paulo pelo capi­ tão-general nomeado em substituição a Rodrigo César de Menezes (Neme, p. 41). Antonio Caldeira da Silva Pimentel exerceu a govemança da Capitania de 15 de agosto de 1727 a 14 de agosto de 1732. Foi durante o govemo de Caldeira Pimentel que os Paiaguás, na embocadura do rio Jaguari, atacaram uma flotinha de canoas chefiada pelo ouvidor Antonio Alves Lanhes Peixoto, que, .com 100 homens, conduzia cerca de 80 arrobas de ouro, dos quintos. A expedição foi complemente destroçada, morrendo muitos dos tripulantes, inclusive o ouvidor, salvando-se apenas 17 homens á custa de esforços inauditos. Finalmente, depois desses cinco anos de tão infeliz governo, atendendo aos paulistas que cansados de aturar as impertinências do procónsul plebeu, pediram, expressa­ mente a EI-Rei que lhes desse um govemador fidalgo, a Corte nomeava em substituição a Caldeira Pimentel o Con­ de Sarzedas, Antonio Luiz de Távora (Neme, p.43,44,45). O novo governador, vitima das febres intermitentes, falece a 29 de agosto de 1737; em seu lugar é nomeado D, Luiz de Mascarenhas. Foram anos de desinteresse quando Piracicaba pou­ co prosperou. A revitalização do sertão de Piracicaba somente ocor­ rerá em 1766 quando Morgado de Mateus, por contingên­ cia da guerra na fronteira, haverá de intentar a fundação de diversas povoações estratégicas nas conhecidas bocas de sertão da capitania (Perecin, 1994, p. 22). Assim, para revitalizar os povoados e defender o ter­ ritório dos índios e dos paraguaios, falar desse governador é falar da colônia de Iguatemi e da fundação de Piracicaba. Pode-se dizer que, a rigor, a criação da povoação de Piracicaba se deve exclusivamente ao regime de intenso mi­

Revista do IHGP - Vol. 10  

Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba.

Advertisement