Page 59

te portugueses, incluindo até mesmo a escolha dos nomes para as localidades e os de suas roas e praças, que deveriam repetir os de vilas e cidades de Portugal. (Goulart, p.52). Enquanto em Porto Seguro eram os ouvidores que tra­ tavam do projeto, em São Paulo o próprio governador, D.Luís Antônio de Souza Botelho Mourão, o Morgado de Mateus, teve essa incumbência, auxilíado por seu Ajudante de Otdens e Ouvidores das Comarcas de São Paulo e Paranaguã. Ao sa­ berda existência da otdem de criação de vilas, o Morgado de Mateus mandara logo congregar vadios para servir de povoadores. Durante o ano de 1767 D. Luís Antônio empe­ nhou-se vivamente em criar essas novas povoações principal­ menteparacongregarosíndíos... (Flexor, 1998, p.3) Havia muitas dificuldades para a criação dos novos núcleos, como a distribuição desigual dos indios, a qualida­ de dos povoadores, a falta de sacerdotes, de oficiais mecâ­ nicos, de instrumentos de trabalho, a falta de alimentos e sementes, os materiais de construção pouco duráveis, difi­ culdades administrativas e de jurisdição, corrupções, revol­ tas, condições adversas e epidemias.

Ao se miciaro século XVII, o território das então capilanias de Sanlo Amaro e São Vicente, que depois sanam reunidas para formação da Capitania de São Paulo, apresentavam apenas cinco vilas, uma no planalto, São Paulo (1554) e quatro no litoral a saber. São Vicente (1532), Santos (1545),ltanhaém (1561) e Gananéia (1600). Nos 100 anos seguíntes foram criadas 11 vffasnessetetri­ tório, em contraste com apenas uma, fundade no longo periodo seguinte, entre 1701 e 1776. A esse conjunto devemos acrescen­ taras vilas de Paranaguã (1653) e Curitiba (1693), no território do atualEstadodo Paraná, que até meados do séculoXXfez parteda Capitania e depois Província de São Paulo... No temlório corres­ pondente ao atual Estado de São Paulo, foram fundadas no século XVII as vilas de Mogi das Crozes (1611), Santana do Pamalba (1625), São Sebastião (1636), Ubatuba (1637), Taubaté (1645), Jacarel (1653), Jundiaí (1655), Guaratinguetá (1657), /tu (1657), Sorocaba (1661) e Iguape (1665) (Goulart Filho, p.555). A concessão de terras em sesmos (grandes exten­ sões de terras) vinda da Idade Média quando os senhores

Revista do IHGP - Vol. 10  
Revista do IHGP - Vol. 10  

Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba.

Advertisement