Page 36

A construção original muito se assemelha a outras edificações escolares protestantes, particularmente às presbiterianas no Brasil e especialmente às construções ori­ ginais do Colégio Intemacional de Campinas, do Colégio Culto à Ciência de Campinas ou do Instituto Mackenzie de São Paulo, projetados por Guilherme Krug. Essas edificações escolares foram construídas em alvenaria aparente, com renestração em arcos de consola e beirais recortados com tijolos em diagonal, na maioria dos casos. Algumas diferen­ ças estilísticas são percebidas, como as mansardas originais do Culto à Ciência e as rosáceas lobadas encontradas na escola campineira e também no Instituto Mackenzie, usadas por Guilherme Krug, já que Haussler trabalhou apenas com elementos do classicismo, como as pilastras da ordem dórica. Talvez a maior diferença seja o tipo de janela, já que nas escolas paulistanas citadas as janelas são de guilhotina, como na tradição anglo-americana (e até mesmo na colonial brasi­ leira) e as do Colégio Piracicabano são do tipo de abrir, com duas folhas e bandeira. Por outro lado, o edifício mais antigo do Mackenzie, no bairro paulistano de Higienópolis, também foi construído com um observatório, espécie de varanda, no telhado (Cachioni, 2002). Pouco tempo depois da construção, em 1892, foi construida uma varanda contínua de madeira, com pilares decorados à moda norte-americana do periodo colonial. A instalação da varanda foi necessária para fornecer sombra às salas e proteção das chuvas de verão às janelas, pois as missionárias americanas não se acostumaram à luz intensa que o sol tropical proporcionava. A porta e as janelas da fachada principal ficaram então protegidas pela varanda, enquanto que as laterais permaneceram expostas à luz. Em 1893, o edifício foi ampliado para a instalação do Kindergarlen (Jardim da Infância) e ampliação do número de dormitórios. Algum tempo depois, em 1899, foi novamente ampliado com a construção de cozinha e outros serviços (Cachioni,2002). No Melhodisl Review ofMissions de abril de 1895, Miss Martha Watts escreveu: Estou contente por seus lei/ores po­ derem ver a imagem de nossa escola. Este é um bom, subs­ tancial prédio, e desde quando o pórtico foi anexado, é tam­ bém confortável. Foi preciso proleger a fachada da claridade

Revista do IHGP - Vol. 10  

Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba.

Advertisement