Issuu on Google+

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO DIVISÃO SUL-AMERICANA www.educacaoadventista.net


Orientações Para o

Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual na

Educação Adventista


Orientações Para o

Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual na

Educação Adventista

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO DIVISÃO SUL-AMERICANA


Direitos de publicação reservados para a Divisão Sul-Americana

Caixa Postal 02600 – Brasília – DF CEP 70279-970 Tel.: (61) 3701-1818 – Fax: (61) 3345-6999 Site – www.educacaoadventista.net 1a edi­ção – 1a impressão 2008 Presidente: Erton Carlos Köhler Secretário: Luis Bolívar Alaña Tesoureiro: Marino Francisco de Oliveira Departamento de Educação: Carlos Alberto Mesa Secretárias: Warlei K. de Oliveira (Português) Violeta Rodriguez (Espanhol) Colaboradores: Donald Jaimes Douglas Menslin Edgardo Muguerza Enildo do Nascimento Gedeon Alves dos Reis Horacio Rizzo Ivan Góes Jael Eneas de Araújo Javier Guerrero Magdiel Pérez Schulz Orlando Mário Ritter Patricio Matamala Responsabilidade Editorial: Divisão Sul-Americana Gerência Didáticos: Edgard L. Luz Coordenação Pedagógica: Carmen de Souza e Doris Lima IM­PRES­SO NO BRA­SIL/Prin­ted in Bra­zil

To­dos os di­rei­tos re­ser­va­dos. Proi­bi­da a re­pro­du­ção to­tal ou par­cial, por qual­quer meio, sem pré­via au­to­ri­za­ção es­cri­ta do au­tor e da Edi­tora. Tipologia: Frutiger Std, 11/13,5 – 10561/17652 – ISBN 85-345-0972-7

Conexão Editorial www.conexaoeditorial.com.br Telefone/Fax (11) 22951082 / (11) 33687570 Direção: Wellington Oscar de Oliveira e Alexandre Romão Projeto gráfico de capa e miolo: Alexandre Romão e Kleber De Messas Coordenação editorial e edição: Sandra D`alevedo Coordenação de Diagramação: Kleber De Messas Diagramação: Carolina de Oliveira, Daniel Carvalho, Fernanda Siwiec Foto: Fábio Chialastri Revisão: Gustavo Aragão Cardoso, Giorgio Onorato Cappelli e Larissa Wostog Ono


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

Sumário Prefácio. .................................................................................................... 07 Primeira parte Passos para a Implementação ....................................................................... 08

Segunda parte Desenvolvimento do Plano – Orientações Operacionais............................... 14

Terceira parte Modelo do Plano de Ação............................................................................. 27

Quarta parte Instrumentos de Trabalho............................................................................... 34

Posfácio..................................................................................................... 47 Bibliografia............................................................................................... 48

3


4


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

O rientações Para

o

P lano M estre de D esenvolvimento E spiritual na

E ducação A dventista

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO DIVISÃO SUL-AMERICANA

5


Prefácio

Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

Prefácio “Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e dei fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda.” João 15:16

Esta publicação é uma orientação de trabalho para uma tarefa concreta e para uma circunstância muito especial: a de reafirmar, como Departamento de Educação da Divisão Sul-Americana (DSA), “nosso compromisso total com Deus, com Sua Igreja e com o Evangelismo Integrado”. Definimos, aqui, diretrizes básicas para que as instituições elaborem seu PLANO MESTRE DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL (PMDE). Convidamos as instituições educacionais a serem protagonistas de seu Plano, tarefa que as obriga a um exame das situações, a investigação de suas causas e à elaboração das melhores soluções. Procuramos, com a colaboração de todos, ensinar uma metodologia prática que contribua para que nossas instituições consolidem cada vez mais sua identidade adventista e assegurem sua presença cristã a serviço da juventude, da igreja e da comunidade, no lugar onde o Senhor permitiu que fossem estabelecidas. Para a estrutura básica do PMDE tomamos como referência documentos da igreja, resultados de investi­gações, experiências realizadas nos últimos anos em instituições educacionais da DSA e o trabalho de investigações do professor Magdiel Pérez Schulz. Consta-nos que muitas instituições têm elaborado seu PMDE, mas um plano não é algo organizado de uma vez para sempre, não é estático e definitivo. Além disso, muitos elaboraram tecnicamente o plano, sem chegar a efetivá-lo. Cremos que entre todos podemos fazer troca de documentos e experiências. Considerando que cada instituição tem suas particularidades, apresentamos um modelo que estabelece ações conjuntas possíveis. No caso das escolas com poucas pessoas recomendamos fazer as adaptações necessárias de acordo com sua própria realidade. Todos nos sentimos convocados a participar dessa tarefa permanente de planejamento, avaliação e apoio ao processo dinâmico do PMDE. Para esta convocação e este oferecimento, a que nos propusemos,

“Profunda experiência cristã será associada à obra da verdadeira educação. Nossas escolas devem avançar firmemente no desenvolvimento cristão; e para fazer isto, as palavras e o exemplo do professor devem ser um constante auxílio.” WHITE G. Ellen.

Fundamentos da Educação Cristã. 2. ed. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 2006, p. 516.

“Também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agravádaveis a Deus por intermédio de Jesus Cristo.” 1o Pedro 2:5

pedimos a direção do Espírito Santo.

Carlos A. Mesa Diretor de Educação da DSA

7


Primeira Parte

“Dando-nos o privilégio de estudar a Sua Palavra, o Senhor pôs diante de nós um lauto banquete. Muitos são os benefícios que se derivam de nos banquetearmos em Sua Palavra, que é representada por Ele com Sua carne e sangue, Seu Espírito e Vida. Participando desta Palavra, é aumentada a nossa força espiritual; crescemos em graça e no conhecimento da verdade. Formam-se e se fortalecem hábitos de domínio próprio.” WHITE, Ellen G. Conselho aos Professores, Pais e Estudantes. 5. ed. Tatuí: Casa Publicadora, 2000, p. 207.


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

PASSOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO PLANO RESUMIDO 1. Organizar a equipe de planejamento

A. Atualizar a declaração de Missão e Visão Institucional.

B. Designar um coordenador da equipe.

C. Nomear os membros da equipe.

D. Definir o responsável pela equipe.

E. Estabelecer o calendário de reuniões da equipe.

2. Dirigir uma avaliação diagnóstica A. Realizar uma avaliação diagnóstica:

I. da realidade espiritual-moral dos alunos por meio de pesquisas, entrevistas, observações, etc;

II. da programação e da implementação das atividades religiosas da instituição, por meio de entrevistas em grupo a alunos e professores; III. da educação religiosa e da integração fé e ensino na sala de aula, por meio da revisão dos programas de estudos, avaliação da matéria/professor por parte dos alunos e entrevista aos alunos. IV. do impacto da programação e das atividades da igreja e da instituição, por meio de entrevistas a alunos e professores. V. de todos os aspectos da instituição que afetam a vida religiosa dos alunos e dos vários locais onde ocorrem os resultados desejados por meio de entrevistas a alunos e professores.

9


Primeira Parte

B. Convidar a participação institucional no processo do diagnóstico.

C. Supervisionar a realização do processo do diagnóstico.

D. Analisar os resultados do diagnóstico.

E. Apresentar um relatório dos resultados do diagnóstico, em porcentagens, à administração.

3. Elaborar o PMDE

A. Selecionar os indicadores da realidade espiritual, priorizando as deficiências detectadas no diagnóstico.

B. Selecionar o Princípio, a Crença e o Valor a serem implementados durante o ano com base nos resultados do diagnóstico.

C. Estabelecer os objetivos, como expectativas para alcançar, e modificar a situação inicial diagnos­ticada. Estes objetivos devem ser simples, avaliáveis, possíveis de se atingir resultados num tempo determinado.

D. Selecionar as atividades para o alcance dos objetivos, adaptando-as aos diferentes níveis educacionais e áreas/setores da instituição.

E. Assegurar para que os conteúdos curriculares incluam o Princípio, a Crença e o Valor selecionados com os correspondentes objetivos, atividades e avaliações.

10


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

F. Nomear as pessoas responsáveis para cada uma das atividades.

G. Convidar a todas as pessoas da instituição, alunos e pais, a participarem no processo de elaboração das atividades a fim de obter a aceitação e o compromisso institucional com o Princípio, a Crença e o Valor selecionados.

H. Estabelecer um calendário de realizações das atividades.

I. Projetar a promoção do PMDE e de cada uma das atividades.

J. Estabelecer o orçamento para a realização e avaliação das atividades.

K. Designar responsáveis para a avaliação do processo final, a metodologia e os instrumentos a serem utilizados.

4. Implementar o PMDE

A. Apresentar o PMDE para sua aprovação à Comissão da Instituição, dentro do primeiro mês de aulas, incluindo especialmente o calendário de atividades, os responsáveis e o orçamento.

B. Apresentar de forma visível a declaração de Missão e Visão em todos os setores, departamentos e níveis da instituição e apresentar em reuniões pessoais e de alunos.

11


Primeira Parte

C. Expor de forma visível o Princípio, a Crença e o Valor selecionados, em todo o âmbito institucional e apresentar em reuniões pessoais e de alunos a fim de assegurar o conhecimento, a recordação e a vigência permanente destes.

D. Convidar todo o pessoal da

ABLESTOCK

instituição à participação no processo de implementação das atividades, a fim de obter a aceitação

e o compromisso de toda a instituição com o Princípio, a Crença e o Valor selecionados.

E. Implementar as atividades, adaptadas aos diferentes níveis educacionais e áreas/ setores da instituição.

F. Realizar o seguimento/monitoramento da realização das atividades utilizando os formulários correspondentes.

G. Assegurar que os resultados espirituais, alcançados por meio da implementação do PMDE, se sustenham e preservem no tempo. “Nisto é glorificado meu Pai, em que deis muito fruto; e assim vos tornareis meus discípulos.” João, 15:8. Bíblia na Linguagem de Hoje.

12


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

5. Avaliar o PMDE

A. Convidar à participação institucional, alunos e pais no processo de avaliação semestral e anual dos resultados, a fim de proceder à análise destes e identificar os objetivos alcançados e os não alcançados em relação com o Princípio, a Crença e o Valor selecionados.

B. Implementar a avaliação final, utilizando os instrumentos do diagnóstico.

C. Analisar os resultados.

D. Identificar os objetivos não alcançados.

E. Reformular os objetivos não alcançados.

F. Apresentar o relatório com as conclusões por escrito à administração. “O grande adversário das almas está buscando introduzir em todas as nossas instituições uma atmosfera morta, destituída de vida espiritual. Trabalha a fim de torcer e desviar toda circunstância para proveito próprio, com exclusão de Jesus Cristo.” WHITE, Ellen G. Conselhos aos Pais, Professores e Estudantes. 5. ed. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 2000, p. 373-374.

13


Segunda Parte

“Não vos orgulheis nem dos ramos de estudos que esperais ensinar, nem dos trabalhos industriais que esperais fazer; mas dizei a todo que perguntar que tencionais fazer o melhor que possais a fim de dar a vossos estudantes um preparo físico, mental e espiritual que os habilite a serem úteis nesta vida, e os prepare para a vida futura, imortal.” WHITE, Ellen G. Conselho aos Professores, Pais e Estudantes. 5. ed. Tatuí: Casa Publicadora, 2000, p. 206.


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

DESENVOLVIMENTO DO PLANO ORIENTAÇÕES OPERACIONAIS 1. Início do PMDE

O PMDE tem início com uma análise da vida espiritual da instituição. Nasce direta-

mente da declaração de Visão e Missão.

Deve haver uma relação direta entre metas institucionais, que estão especificadas

no PMDE, e a declaração de Visão e Missão.

Portanto, antes que a equipe de planejamento comece a estabelecer as metas e

estratégias, que serão incluídas no Plano, é necessário ter profunda convicção da Visão (escola desejada) e da Missão (razão de ser da instituição).

A. E xemplo de declaração de Visão: “ser uma instituição educacional cristã reconhecida pela excelência de seus serviços, princípios e valores fundamentados na cosmovisão bíblica adventista, à qualidade de seus formandos e à participação no serviço à comunidade”.

B. Exemplo de declaração de Missão: promover por meio da educação cristã o desenvolvimento harmonioso dos aspectos físicos, mentais e espirituais dos estudantes, formando cidadãos com elevados ideais e comprometidos com a comunidade, a pátria e Deus. PURESTOCK 

15


Segunda Parte

2. Os objetivos e os indicadores da realidade

Os objetivos que serão explicitados no PMDE e sua relação com a Visão

e Missão são o resultado de indicadores da realidade institucional. Possíveis indicadores da realidade:

A. Institucionais: I. falhas na implementação de um programa de integração de fé e ensino. Em muitas disciplinas não há coerência com a cosmovisão cristã;

II. falta de uma definição clara de Visão e Missão e de seu alcance;

III. falta de coordenação de esforços que dificultam o desenvolvimento espiritual institucional;

IV. as aulas de Religião e outras atividades espirituais, em alguns casos, não cumprem adequadamente sua função motivadora e formativa;

V. o ensino Religioso é considerado, algumas vezes, como mais uma matéria, sem inter-relação com as outras disciplinas. Muitas vezes não se promove um compromisso com a fé, somente se transmitem teorias e noções

ABLESTOCK

dos textos e programas;

16


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

VI. detectam-se carências na formação de dirigentes e líderes jovens;

VII. não existe consciência suficiente da função espiritual das instituições educacionais;

VIII. faltam, em alguns casos, o compromisso e a integração dos docentes no projeto espiritual em relação com os alunos, os pais e a comunidade.

B. Estudantis: I. muitos alunos que ingressam em nossas instituições não estão motivados pelo desenvolvimento da fé, senão por outras circunstâncias, como prestígio institucional, garantia de ordem, nível acadêmico, proteção frente ao meio, proximidade domiciliar ou influências de amizades ou de familiares;

II. muitos jovens têm problemas em utilizar sua liberdade e aderem a crescente idealização, entusiasmo e imitação de ídolos de espetáculos, músicas e a outros valores muitas vezes “vazios”, caindo na dependência das modas, massificando-se e incorporando costumes vulgares;

III. uma parte importante dos formandos de nossas instituições não estão adequadamente preparados para se inserirem na realidade sociocultural com a força das convicções que lhes permitem afrontar as exigências de uma concepção da vida cristã.

17


Segunda Parte

3. Cronograma A. Organização, sensibilização, motivação e promoção do PMDE:

I. realizar um retiro espiritual com todos, antes do início do ano letivo;

II. apresentar a necessidade de implementar o PMDE na instituição e seus benefícios para toda a comunidade educacional.

B. Diagnóstico (indicadores) por meio de pesquisas para a comunidade da escola:

I. elaborar uma pesquisa simples para a equipe administrativa, a docente, e a de alunos, podendo também incluir os pais, a fim de confirmar quais deverão ser o Princípio, a Crença e o Valor a serem desenvolvidos durante o ano (ver modelos de instrumentos de trabalho na quarta parte).

II. conferir as respostas e eleger aquelas que tiveram melhor desempenho.

C. Elaboração, eleição do Princípio, da Crença e do Valor a serem utilizados durante o ano (recordar que estes precisam se relacionar com os indicadores, – o diagnóstico –, aos quais se lhes dará prioridade, já que logo haverá avaliação quanto às mudanças obtidas por meio das ações propostas). Apresentação dos resultados aos membros da comunidade educativa. Apresentamos a seguir uma lista dos Princípios, das Crenças e dos Valores que podem ser considerados.

18


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

Exemplos de Princípios e suas Implicações • Princípios do Amor:

– Os docentes devem amar seus alunos e manifestar este amor em aulas, palavras, atitudes e atos.

– Os docentes devem ser exemplos para seus alunos, mantendo um ambiente agradável, desenvolvendo o apreço e a confiança mútua.

•  Princípios da centralização das Escrituras Sagradas:

– A visão bíblica do mundo e a realidade serão a base do ensino e a pauta para todo o trabalho acadêmico e geral.

– Os objetivos mais importantes serão conhecer a Deus revelado na Bíblia e a Cristo como Salvador pessoal de professores e estudantes.

• Princípios de semelhança com Cristo:

– A obtenção de um caráter como o de Cristo é mais importante que qualquer matéria.

– O exemplo dos docentes é básico para o estabel­ecimento de um ambiente favorável à formação do caráter.

– As atitudes são absorvidas do ambiente que nos rodeia, antes de serem modeladas pela instrução.

19


Segunda Parte

• Princípios de desenvolvimento harmônico:

– O objetivo de nossa educação é a formação de um caráter que o céu possa aceitar.

– As qualidades pessoais devem ser desenvolvidas durante o processo educacional.

– O desenvolvimento deve ser equilibrado, atendendo às necessidades físicas, sociais e intelectuais, e não somente às espirituais.

• Princípios da saúde:

– Fomentar-se-á o desenvolvimento físico de cada um, mediante o trabalho físico

“Desejai ardentemente, como

produtivo e o exercício regular.

crianças recém-nascidas, o

– Enfatizar-se-á o conhecimento do corpo, das leis da saúde e de sua aplicação na vida diária.

• Princípios de serviço:

– Estimular-se-á a atitude permanente de serviço aos demais, por preceito e exemplo.

– Desenvolver-se-á uma dedicação das capacidades e energias a serviço de Deus e à comunidade.

20

genuíno leite espiritual, para que, por ele, vos seja dado crescimento para salvação.“ 1o Pedro 2:2


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

Crenças Fundamentais da Igreja: • As Escrituras Sagradas. • A Trindade. • O Pai. • O Filho. • O Espírito Santo. • A Criação. • A Natureza do Homem. • O Grande Conflito. • A Vida, Morte e Ressurreição de Cristo. • A Experiência da Salvação. • O Crescimento em Cristo. • A Igreja. • O Remanescente e sua Missão. • A Unidade no Corpo de Cristo. • O Batismo. • A Santa Ceia. • Os Dons e Ministérios Espirituais. • Dom de Profecia. • A Lei de Deus. • O Sábado.

“Irmãos, quereis ter um crescimento cristão restrito, ou fareis sadio pro-

• A Mordomia.

gresso na vida religiosa? Onde há

• A Conduta Cristã.

saúde espiritual aí há crescimento.

• O Casamento e a Família. • O Ministério de Cristo no Santuário Celestial. • A Segunda Vinda de Cristo. • A Morte e Ressurreição. • O Milênio e o Fim do Pecado.

O filho de Deus cresce à plena estatura de homem ou mulher em Cristo. Não há limite para seu desenvolvimento.” WHITE, Ellen G. Testemunhos Seletos. 5. ed. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 1985, v.2, p. 98.

• A Nova Terra.

21


Segunda Parte

Exemplos de Valores

Fé em Deus

Humildade

Trabalho

Paciência

Integridade

Respeito

Bondade

Contentamento

Lealdade

Responsabilidade

Temperança

Habenicht, Donna. Diez Valores que todo Niño Debería Conocer. Buenos Aires: ACES, 2004.

22


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

4. Implementação, Plano de Ação (desenvolvimento das áreas)

Os indicadores de processo, o Princípio, a Crença e o Valor selecionados de acordo

com a pesquisa, os objetivos, as atividades, as responsabilidades, o tempo, os recursos, as avaliações, os indicadores de produto e a reorientação por parte das distintas seções da instituição durante o ano (ver modelo do Plano de Ação na terceira parte).

5. A Avaliação

A avaliação realizada com base nos indicadores do diagnóstico que determinarão a

seleção do Princípio, da Crença e do Valor, também servirá como instrumento de controle no período de execução das atividades. O relatório final de avaliação será entregue à comissão do PMDE.

A Comissão do PMDE avaliará mensalmente o desenvolvimento do Plano e, semes-

tralmente, junto com todo o pessoal, será avaliado o que foi realizado até o momento e serão feitos os ajustes necessários.

Ao finalizar o ano, a avaliação será mencionada numa reunião dos membros e será

entregue um relatório à Comissão Diretiva com os resultados, por parte dos responsáveis, o qual permitirá conhecer o resultado dos objetivos e reformular o PMDE para o ano seguinte.

Fluxograma do PMDE DIRIGIR UMA AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

ORGANIZAR A EQUIPE DE PLANEJAMENTO

CRIAR O PMDE

AVALIAR OS RESULTADOS

IMPLEMENTAR O PMDE

REFORMULAÇÃO DO PMDE

23


Segunda Parte

Cronograma de atividades para realização do PMDE Ano: _______

ATIVIDADE 1. ORGANIZAÇÃO

2. DIAGNÓSTICO 3. ELABORAÇÃO

4. IMPLEMENTAÇÃO

5. AVALIAÇÃO PERIÓDICA E FINAL

24


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

25


Segunda Parte

Organograma de responsabilidades COMISSÃO DIRETIVA Diretor – Reitor

COMISSÃO INTERNA Presidente

COMISSÃO PMDE Coordenador

Educação Infantil e Ensino Fundamental

Ensino Médio

Ensino Superior

Coord. Nível

Secretaria

Secretaria

Capelão

Docentes

Professores Especiais

Professores Disciplinas

Conselheiros

Coordenador de Cursos

Professores

Funcionários

Áreas Chefes

Dpto. Atividades Práticas

Chefes Deptos.

Conselheiros

Instrutores

Alunos

Recomendamos que, no primeiro ano, o diretor da instituição seja o presidente da comissão do PMDE a fim de assegurar seu bom funcionamento e continuar com seu apoio fundamental. Poder-se-á nomear outro coordenador para os anos seguintes.

26


ABLESTOCK

Terceira Parte

“Todo o conhecimento e desenvolvimento real têm sua fonte no conhecimento de Deus. Para onde quer que nos volvamos, seja para o mundo físico, intelectual ou espiritual.“ WHITE, Ellen G. Mente, Caráter e Personalidade. 1. ed. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 1989, v.2, p. 404.


Terceira Parte

MODELO DE PLANO DE AÇÃO Será usado o mesmo modelo para todos os níveis de ensino, adaptado segundo as características de cada nível, trabalhando UM PRINCÍPIO, UMA CRENÇA E UM VALOR.

Modelo de Plano de Ação do PMDE – Princípio, Crença e Valor Ano: _______

Princípio: JESUS COMO MODELO Indicadores de processo Princípio Objetivos

28

Atividades


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

Responsáveis

Tempo

Custos Avaliações

Indicadores de Resultado

29


Terceira Parte

Crenรงa: A PALAVRA DE DEUS Indicadores de processo Crenรงa Objetivos

30

Atividades


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

Responsáveis

Tempo

Custos Avaliações

Indicadores de Resultado

31


Terceira Parte

Valor: RESPONSABILIDADE Indicadores de processo Valor

32

Objetivos

Atividades


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

Responsáveis

Tempo

Custos

Avaliações

Indicadores de Resultado

“Os professores devem compreender que lições comunicar, ou não poderão preparar estudantes para passarem de ano. Devem estudar as lições de Cristo e o caráter de Seu ensino. Devem ver sua libertação do formalismo e da tradição, e apreciar a originalidade, a autoridade, a espiritualidade, a bondade, a benevolência e o caráter prático do Seu ensino. Os que fazem da Palavra de Deus seu estudo, que cavam em busca dos tesouros da verdade, tornar-se-ão imbuídos do Espírito de Cristo, e pela contemplação serão mudados em Sua semelhança.” WHITE, Ellen G. Conselhos Sobre Educação. 2. ed. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 1994, p. 146.

33


Quarta Parte

“Maior ainda é o poder da Bíblia no desenvolvimento da natureza espiritual. O homem, criado para a associação com Deus, apenas em tal associação poderia encontrar sua vida e desenvolvimento reais.”

WHITE, Ellen G. Educação. 7. ed. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 1997, p. 124.


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

INSTRUMENTOS DE TRABALHO Pesquisa para elaborar o PMDE Prezados alunos (*) (Confeccionar uma pesquisa igual para os professores) Saudações cordiais! Nosso desejo é que Deus abençoe a cada um de vocês. A fim de confeccionar o PMDE, que nos permitirá elaborar um programa de ação efetivo para o crescimento espiritual, convidamos você a eleger um Princípio, uma Crença e um Valor que será desenvolvido durante o presente ano acadêmico. Marque duas opções de cada coluna apresentada a seguir. PRINCÍPIOS 1. Deus, Criador, Sustentador e Redentor.

4. A Lei Moral, imutável.

2. Jesus, como Modelo.

5. Compromisso Cristão.

3. O amor, como base da existência.

6. Educação, como preparação para o serviço.

VALORES 1. Respeito.

8. Amabilidade.

2. Responsabilidade.

9. Gratidão.

3. Lealdade.

10. Fé em Deus.

4. Integridade.

11. Perseverança.

5. Paciência.

12. Humildade.

6. Trabalho.

13. Temperança.

7. Bondade.

CRENÇAS 1. As Escrituras Sagradas.

8. O grande conflito.

15. O Batismo.

22. A Conduta Cristã.

2. A Trindade.

9. A vida, morte e ressurreição de Cristo.

16. A Ceia do Senhor.

23. O Matrimônio e a Família.

3. O Pai.

10.A Experiencia da Salvação.

17. Os Dons e Ministérios espirituais.

24. O Ministério de Cristo no Santuário Celestial.

4. O filho.

11. Crescimento em Cristo.

18. O Dom de Profecia.

25. A Segunda Vinda de Cristo.

5. O Espírito Santo.

12. A Igreja.

19. A Lei de Deus.

26. A Morte e a Ressurreição.

6. A criação.

13. O Remanescente e sua Missão.

20. O Sábado.

27. O Milênio e o Fim do Pecado.

7. A natureza do homem.

14. A Unidade e o Corpo de Cristo.

21. A Mordomia.

28. A Nova Terra.

Agradecemos sua colaboração. (*) N  o caso de alunos menores, a comissão do PMDE adaptará as pesquisas e as entrevistas para as diferentes idades, a fim de detectar suas necessidades espirituais.

35


Quarta Parte

Perfil da vida religiosa Pesquisa para alunos que estão frequentando um curso. Prezados alunos, Os itens a seguir indicam diferentes áreas relacionadas com a vida religiosa. Por favor, avalie cada item segundo sua própria experiência, marque na coluna à esquerda de 0 a 5 (zero é o nível mais baixo e cinco é o nível mais alto). Sexo:  Masculino

 Feminino

Idade:  11 anos ou menos;  12 a 15;  16 a 17;  18 a 20;  21 a 25;  25 ou mais. ORAÇÃO Quando vou orar tenho certeza de que Deus responderá minha oração. Em minhas orações eu revelo a Deus minhas necessidades e pensamentos mais profundos. Em minhas orações procuro descobrir a vontade de Deus. Em minhas orações agradeço a Deus pela salvação que Ele proveu para mim em Jesus Cristo. ARREPENDIMENTO O arrependimento é parte de minhas orações pessoais a Deus. Quando confesso e me arrependo de meus pecados experimento a confiança de ser perdoado por Deus. Experimento o verdadeiro perdão dos meus pecados. “A mais desejável educação é o conhecimento dos mistérios do reino do Céu. O que serve ao mundo não vê as grandes coisas de interesse eterno preparadas para os que abrem o coração à luz celeste. Aquele que entra nesta senda de conhecimento, porém, e persevera em buscar a oculta sabedoria, a esse ensinam os agentes celestes as grandes lições que, mediante a fé em Cristo, o habilitam a ser vitorioso. Por meio desse conhecimento se alcança a perfeição espiritual; a vida se torna santa e semelhante à de Cristo.“ WHITE, Ellen G. Conselhos Para Professores, Pais e Estudantes. 5. ed. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 2000, p. 399

36


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

LEITURA E ESTUDO DA BÍBLIA Leio ou estudo a Bíblia para conhecer a vontade de Deus. Quando leio ou estudo a Bíblia, mudo minhas crenças e/ou comportamentos para adequá-los à nova informação ou ao novo conhecimento. Leio artigos e/ou livros devocionais. Leio ou estudo a Bíblia: 0 1 2 3 4 5

- Nunca. - Dez horas ou menos ao ano. - De uma a duas horas por mês. - Aproximadamente uma hora por semana. - Aproximadamente 15 a 30 minutos por dia. - Mais de 30 minutos por dia. EVANGELISMO

Trabalho com outros crentes cristãos com o propósito de que não-crentes conheçam a Jesus. Considerando minhas habilidades e dons espirituais, ajudo de alguma maneira em minha igreja. Convido pessoas não-crentes a assistirem a igreja ou a um pequeno grupo. COMPANHEIRISMO Encontro-me com um pequeno grupo de amigos cristãos para orar, ler a Bíblia ou dar testemunhos. Atuo como um pacificador entre meus amigos e/ou os membros de minha igreja. Em minha igreja local, me associo a alguém com quem não tenho interesses sociais ou intelectuais em comum.

37


Quarta Parte

SERVIÇO Colaboro com uma igreja ou agência assistencial para ajudar a pessoas necessitadas. Quando um amigo crente ou vizinho sofre com alguma dor ou abandono, eu o acompanho em seu sofrimento. Dependo de Deus para que me ajude a conhecer o trabalho para o qual Ele me chama para realizar. MORDOMIA Minhas ações na natureza são guiadas por aquilo que é melhor para todos. Privo-me das coisas que quero a fim de dar, com sacrifício, para a obra de Deus. Determino que comer, beber e viver sejam baseados no conceito de que cuidar de minha saúde faz parte da mordomia para receber as bênçãos de Deus em minha vida. ADORAÇÃO Assisto a um serviço de adoração (Culto): 0 1 2 3 4 5

- Nunca. - Menos de uma vez ao mês. - Aproximadamente uma vez ao mês. - Aproximadamente duas vezes ao mês. - Aproximadamente três vezes ao mês. - Semanalmente. MEDITAÇÃO

Confio plenamente nas passagens que leio na Bíblia. Escuto a música que me eleva a Deus. Perdôo plenamente aquele que me fez mal, embora a dor que me causou seja muito grande. THAYER, Jane. Journal of Psychology and Christianity, Andrews University, v. 23, n. 3, p. 195-207, 2004.

38


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

Modelos de materiais para o seguimento do PMDE 1. Cartaz sobre o Princípio, a Crença e o Valor a destacar durante o ano

Pela graça de Deus, desejamos viver cada dia deste ano _______ de acordo com o seguinte Princípio, Crença e Valor: Princípio: JESUS COMO MODELO Crença: A PALAVRA DE DEUS Valor: RESPONSABILIDADES PLANO MESTRE DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL

2. Planilha de planejamento PLANO MESTRE DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL Planilha de Planejamento de Ações Princípio, Crença e Valor: Jesus como Modelo; A Palavra de Deus; Responsabilidade. Objetivo: Promover o Princípio, a Crença e o Valor. Ação a seguir: Confecção de cartazes com o Princípio, a Crença e o Valor para o PMDE. Seção: (a que corresponda)

Responsáveis: Comissão PMDE.

Data das atividades: Segunda semana de aulas. Recursos: (segundo o orçamento) Data da avaliação: Terceira Semana. Data da avaliação final: Última semana de aulas. Serão duplicados os cartazes em que aparecem o Princípio, a Crença e o Valor com os quais se trabalharão durante o ano que corresponde a: Princípio: Jesus como Modelo; Crença: A Palavra de Deus; Valores: Responsabilidade.

39


Quarta Parte

Os responsáveis por estas atividades colocarão os cartazes em todos os ambientes

da instituição: nos corredores, nos pátios, nas salas de aula, fábricas, campus, etc., e se preocuparão para que sejam mantidos de forma visível durante todo o ano.

Estes cartazes deverão ser expostos no início do ano letivo, logo depois das pesqui-

sas e eleições do Princípio, da Crença e do Valor.

Os cartazes devem ser emoldurados e colocados num lugar onde possam ser

mais bem vistos. 3. Cartão para visitação nos lares dos alunos quando a família não for encontrada

Prezada família de Estamos realizando uma visita de cortesia por parte de nossa instituição. Lamentamos não ter encontrado ninguém em sua casa hoje. A visita tem como motivo compartilhar alguns momentos com vocês e seus filhos e manifestar-lhes nossa disposição em conhecê-los. Se puder ajudar em alguma coisa, estamos às ordens, não há dúvida, coloque-se em contato conosco. Esperamos poder nos comunicar. Com apreço. Professor:

Data:

Colégio Adventista de Telefone:

Fax:

E-mail:

“Desejamos que Deus o bendiga e guarde.” (Números 6:24)

40


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

4. Relatório de visitação nos lares dos alunos

PLANO MESTRE DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL Relatório de Visitação nos Lares dos Alunos Visitante:

Data:

Nome do aluno

Curso/Ano

Observações significativas

5. Planilha de avaliação dos objetivos e atividades a serem realizadas no PMDE PLANO MESTRE DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL Avaliação Semestral Objetivos

Atividades

S/N

Razão

Resultado

Sugestão

41


Quarta Parte

Ao finalizar o semestre será feita uma avaliação que permitirá comprovar o ganho

(o sucesso), as dificuldades encontradas e as sugestões para a concretização de cada um dos objetivos propostos. Entre as sugestões, podem ser indicados ajustes ou novas atividades. Os dados serão corrigidos, utilizando os instrumentos empregados no diagnóstico.

Esta reunião de avaliação se realizará durante o recesso de inverno, será citada

pela direção geral e dirigida pelo coordenador do PMDE. No primeiro momento, a reunião ocorrerá com os diretores ou responsáveis de cada área com o tempo necessário. Posteriormente, haverá uma jornada, na qual se compartirão os ganhos de cada área.

O mesmo modelo de planilha (7) será utilizado pelos chefes de cada seção com

seus colaboradores, em forma bissemanal e também pela Comissão do PMDE, em suas reuniões de avaliação mensal com os chefes de departamentos ou áreas, para que completem suas respectivas avaliações.

42


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

6. Planilha do resumo semanal de trabalho dos instrutores de estudos bíblicos e pastores

Guiadas pelo Espírito Santo no desenvolvimento do PMDE, ocorrerão mudanças na

vida espiritual do aluno. A fim de registrar as decisões e os batismos, incluímos esta planilha. Este relatório será entregue ao coordenador do PMDE semanalmente.

PLANO MESTRE DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL Avaliação Semanal Semana de __ ____ até ___ ____ de______ ______ de ________ __ (dia) (dia) (mês) (ano)

Número de instrutores bíblicos Número de estudos bíblicos Número de impressos distribuídos Número de pregações Número de candidatos ao batismo Número de pessoas contatadas Número de horas trabalhadas Número de pessoas estudando Número de pessoas batizadas até esta data Data do próximo batismo

Observações: __________________ Assinatura do Instrutor

______________________ Assinatura do Responsável

__________________ Assinatura do Pastor

43


Quarta Parte

7. Cronograma de atividades O Cronograma de atividades corresponde aos níveis de Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio, Curso Superior/Universitário e Áreas de Trabalho. Fazer uma planilha para o Princípio, outra para a Crença e outra para o Valor. PLANO MESTRE DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL Cronograma de Atividades Ano: ____________ ATIVIDADE

JAN

FEV

MAR

ABR

MAIO

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 11. 12. 13. 14. 15. 16. 17. 18. 19. 20. 21. 22. 23. 24. 25. 26. 27. 28. 29. 30.

As atividades foram numeradas no Plano de Ação; nesta planilha poderá marcar-se o tempo para seu cumprimento.

44


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

8. Planilha de investigação no avanço do projeto

A planilha de investigação no avanço do projeto corresponde aos níveis de Educação In-

fantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio, Curso Superior/Universitário e Áreas de Trabalho.

PLANO MESTRE DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL Planilha de Investigação no Avanço do Projeto Atividades

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

Princípio: Jesus Como Modelo Crença: A Palavra de Deus Valor: Responsabilidade

Essa planilha indicará o avanço do projeto com respeito ao Princípio, a Crença e ao Valor em relação com a atividade correspondente.

45


Quarta Parte

9. Planilha para dar o seguimento de ganhos, reformulações e reorientações

A planilha de registro de qualificação corresponde aos níveis de Educação Infantil,

Ensino Fundamental, Ensino Médio, Curso Superior/Universitário e Áreas de Trabalho.

PLANO MESTRE DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL Registro de Qualificação de cada objetivo com relação ao Princípio, a Crença e ao Valor Objetivos (Do ano em Curso)

Qualificação (1 a 5)

Exemplo: - Incentivar o desenvolvimento da responsabilidade como característica pessoal.

3

Objetivos reformulados (Para o próximo ano)

- Incrementar o desenvolvimento do compromisso, especialmente em relação ao rendimento escolar.

Atividades Reorientação (Para o próximo ano) - Criar oportunidades de apoio escolar nas áreas deficitárias. - Continuar com o plano de conscientização por meio de semanas e jornadas especiais. - Reforçar a visualização dos cartazes com valores, princípios e doutrinas.

Escala: 1. Não alcançado.

2. Menos que moderado.

3. Moderado.

4. Mais que moderado alcançado. 5. Alcançado.

Será confeccionada uma planilha para registrar a qualificação de cada objetivo, a qualificação correspondente ao ganho (ao sucesso) deste, sua reformulação em caso de não ser alcançado e as atividades necessárias para sua reorganização.

46


Plano Mestre de Desenvolvimento Espiritual

POSFÁCIO “Então, o rei falou com eles; e, entre todos, não foram achados outros como Daniel, Hananias, Misael e Azarias; por isso, passaram a assistir diante do rei.”

Daniel 1:19

Em todas as nossas instituições educacionais realizam-se atividades em função dos alunos e dos pais, mas nem sempre se enfatiza suficientemente que estas atividades são espirituais.

Desejamos que, depois de formados, os alunos não só recordem que participaram

de jornadas, semanas especiais e múltiplas atividades, mas também qual foi o objetivo destas.

O PMDE será o instrumento para que todos os alunos, ainda que tenham passado

somente um ano numa instituição adventista, lembrem-se do Princípio, da Crença e do Valor que impactou suas vidas.

Partindo da realidade de cada aluno, poderemos ajudá-los a se desenvolver espiri-

tualmente, confirmando às Instituições Educacionais Adventistas como lugar de evangelização, às pessoas como responsáveis pelo desenvolvimento da fé, às atividades e programas como uma oportunidade de encontro com a fé, ao Espírito Santo como Princípio ativo no desenvolvimento espiritual do aluno, implementado por meio do PMDE de cada escola, colégio, faculdade ou universidade adventista.

Entendendo que “a Obra da Educação e da Redenção são uma e a mesma coisa”,

confiamos que os resultados do trabalho, da elaboração, da execução e do compromisso com o PMDE, como em toda ação educacional, serão vistos na vida dos alunos durante o tempo de sua implementação; mas os resultados completos serão vistos na eternidade para honra e glória de Deus.

47


BIBLIOGRAFIA Associação Geral da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Manual da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Tatuí, São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 2005. Asociación General de la Iglesia Adventista del Séptimo Día. Un Libro Guía Para Crear e Implementar un Plan Maestro Espiritual en los Colegios Adventistas, 1999. BECERRA, Enrique. Departamento de Educación de la Asociación General. Hacia un Plan Maestro de Desarrollo Espiritual. Revista de Educación Adventista. Silver Spring, 9: 1998. Sociedade Bíblica do Brasil. Bíblia Sagrada – Versão Almeida Revista e Atualizada. 2. ed., 1999. HABENICHT, Donna. Diez Valores Que Todo Niño Debería Conocer. Buenos Aires: ACES, 2004. MESA, Carlos A. Integración Fe – Enseñanza. Institute for Christian Teaching. v. 32, 2004. MESA, Carlos A. Lineamientos Básicos Para un Proyecto Educativo Adventista de Nivel Medio. Institute for Christian Teaching, 1994. PÉREZ Schulz, Magdiel E. Plan Maestro de Desarrollo Espiritual, Universidad Adventista del Chile. Universidad Adventista del Plata, Fac. de Humanidad, Educación y Ciencias Sociales, 2000. RASI, Humberto M. Hacia un Plan Maestro de Desarrollo Espiritual. Depto. de Educación de la Asociación General. Preparado en base a los lineamientos recomendados por el documento. “Compromiso Total con Dios”. Costa Rica, octubre, 1996. THAYER, J. Journal of Psychology and Christianity. Andrews University, v. 23, n. 3, 2004. WHITE, Ellen G. Fundamentos da Educação Cristã. 2. ed. Tatuí, São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 2006. WHITE, Ellen G. Conselhos Para Professores, Pais e Estudantes. 5. ed. Tatuí, São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 2000. WHITE, Ellen G. Medicina e Salvação. 1. ed. Tatuí, São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 1973. WHITE, Ellen G. Testemunhos Seletos. 5. ed. Tatuí, São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 1985. WHITE, Ellen G. Mente, Caráter e Personalidade. 1. ed. Tatuí, São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, v. 2, 1989. WHITE, Ellen G. Conselhos Sobre Educação. 2. ed. Tatuí, São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 1994. WHITE, Ellen G. Educação. 7. ed. Tatuí, São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 1997.

48


Revista PMDE 2008